A A ÁLISE DAS RELAÇÕES I TERPESSOAIS DE CRIA ÇAS ATLETAS DA MODALIDADE DE GI ÁSTICA RÍTMICA ATRAVÉS DA TEORIA DE ORBERT ELIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A A ÁLISE DAS RELAÇÕES I TERPESSOAIS DE CRIA ÇAS ATLETAS DA MODALIDADE DE GI ÁSTICA RÍTMICA ATRAVÉS DA TEORIA DE ORBERT ELIAS"

Transcrição

1 1 A A ÁLISE DAS RELAÇÕES I TERPESSOAIS DE CRIA ÇAS ATLETAS DA MODALIDADE DE GI ÁSTICA RÍTMICA ATRAVÉS DA TEORIA DE ORBERT ELIAS Caçola, Priscila Martins** Mascarenhas, Luís** Nunes, Gabriel Ferreira** Marchi Jr., Wanderley * Mestrado em Educação Física - UFPR I TRODUÇÃO A Ginástica Rítmica é uma modalidade desportiva essencialmente feminina que se fundamenta na expressividade artística. É conceituada como busca do belo, uma explosão de talento e criatividade, em que a expressão corporal e o virtuosismo técnico se desenvolvem juntos, formando um conjunto harmonioso de movimento e ritmo. (Laffranchi, 2001, p. 3) Sistematizada século passado por Rudolfo Bode, surgiu de diversas influências em diferentes ramos da cultura humana, como a dança, a ginástica, o circo e a música. Era a Educação Física destinada a desenvolver a beleza e a força das mulheres, criando um sentido rítmico através da música ligada ao movimento corporal. No Brasil podemos citar Érica Saur¹ como pioneira, seguida por Ilona Peuker². Considerado um dos mais belos esportes da atualidade, juntamente com a Ginástica Artística, a Ginástica Rítmica se divide nas categorias individual (1 ginasta) e conjunto (5 ginastas). As provas de individual têm duração de 1 15 à 1 30 e o conjunto de 2 15 à 2 30, sendo realizadas sob músicas instrumentais. A ginasta utiliza a maior variedade de exercícios neste tempo, com elevadas dificuldades corporais e riscos nos movimentos dos aparelhos, em sincronia com a música. * Professor Doutor do Mestrado em Educação Física - UFPR *** Mestrandos em Educação Física UFPR ¹ Autora do livro Ginástica Rítmica Escolar ² Autora do livro Ginástica Rítmica com Aparelhos. Os campeonatos brasileiros na categoria conjuntos até hoje levam seu nome.

2 2 São 5 os aparelhos utilizados na GR: corda, arco, bola, maças e fita. Na iniciação e na categoria infantil (até 12 anos) é utilizado o exercício à mãos livres. Este último é o primeiro contato da criança com a ginástica, sendo que os aparelhos são desenvolvidos ao longo do treinamento de desenvolvimento da ginasta. Em Curitiba existe um trabalho desenvolvido pela Aginarc Associação Curitibana de Ginástica Rítmica - que visa o treinamento de ginastas para as competições de alto nível. A seleção das integrantes da equipe faz-se através de um campeonato interno entre os pólos que esta associação mantém em clubes e escolas curitibanas. Nesta seleção são escolhidas doze crianças entre sete a dez anos que se destacam em cada pólo, sendo que a partir deste momento elas iniciam no treinamento, onde treinam e convivem três vezes por semana das 13:30 às 18:00 hs, sob a responsabilidade de uma técnica e duas auxiliares técnicas. Este grupo é chamado de Treinamento Nível 1 (Tn1). A partir da sociologia das figurações de Norbert Elias, buscou-se analisar e questionar as relações entre dois conjuntos que fazem parte desta determinada equipe, chamada de Tn1, supostamente um com mais potencial competitivo que o outro. O foco de análise partiu dos conceitos de padrões mutáveis de interdependência, as relações de poder e trechos do livro Estabelecidos e Outsiders. Depoimento da técnica do Tn1: Este grupo de doze meninas foi dividido em dois conjuntos, um conjunto tem seis meninas, cinco titulares e uma reserva, então a gente dividiu, pra ficar melhor, eu tenho duas auxiliares, né, e pra ficar mais fácil o meu trabalho e o trabalho delas eu peguei um conjunto melhor, o conjunto que foi montado com as seis melhores meninas, pra ganhar, né, porque o meu objetivo é ganhar a competição, que chama campeonato paranaense ível II, que vai ser em novembro, no final do ano, e o outro conjunto, que é um pouquinho mais fraco, eu deixei com as duas auxiliares. Eu peguei as seis melhores nas capacidades físicas que são necessárias para a ginástica, e outras coisas que são fundamentais, como o biótipo: na ginástica rítmica se não for magra não tem vez, o visual na quadra do collant é muito importante. ão posso dizer que

3 3 escolhi as seis que tem mais raça no treino, porque todas tem, as doze. Eu demorei dois meses pra selecionar, só observando os treinos, como elas evoluíam, e depois desse tempo eu cheguei a conclusão de quais eram as seis melhores para se formar um conjunto mais único, que fazem dificuldades corporais difíceis, conjunto que eu montei para brigar pela medalha de ouro... Já que tem as outras seis meninas vamos montar outro conjunto, elas também tem garra, só que não tem o talento necessário, elas vão melhorar, vão chegar no melhor que elas podem, mas não vão chegar no máximo que a ginástica pede... elas também tem direito de competir, elas vão fazer o melhor possível. Como se pode observar, estes dois conjuntos foram constituídos pela técnica, sendo que o melhor conjunto é chamado de SURF ³ e o outro complementar é chamado de CHICAGO 4. PROCEDIME TOS METODOLÓGICOS Cada atleta foi entrevistada individualmente, sendo vinte e uma perguntas que questionam as relações de um conjunto com o outro. Também a técnica e as duas auxiliares foram entrevistadas separadamente. As entrevistas foram filmadas no local dos treinos num ambiente isolado, no dia três e cinco de maio de As perguntas foram constituídas buscando saber o quê as integrantes de um conjunto pensavam sobre o outro e qual a posição da técnica e das auxiliares sobre os dois conjuntos. A ÁLISE Em sua tese Cidade (2003) cita uma introdução à teoria elisiana: Sociologia figuracional é a teoria proposta por Elias em que os conceitos de configuração e interdependência formam a base para o entendimento de sua tese. O conceito de configuração refere-se à teia de relações de indivíduos interdependentes que se encontram ligados entre si a vários níveis e de diversas maneiras (ELIAS; DUNNING, 1992, p. 25). A noção de interdependência desenvolvida por ele está ligada à idéia de que nós fazemos parte uns dos outros. Fazer parte uns dos outros significa que não ³ O nome vem em referência a música que é realizado o conjunto, que lembra as ondas do mar. 4 O nome também é usado em referência a música, que faz parte da trilha sonora do filme Chicago.

4 4 existe eu sem tu, sem nós, sem ele, que cada pessoa singular é um elo na cadeia de relações que ligam as pessoas umas às outras, uma verdadeira rede de relações ou um todo relacional. Viver juntos, em dependência mútua, é uma condição básica para todos os seres humanos (Elias, 1994, apud Cidade, 2003). A equipe em questão, o Tn1, é um exemplo de configuração pela qual verificamos as interdependências entre as atletas, entre os dois conjuntos e a relação das atletas com a técnica e as suas auxiliares. Nesta configuração, foi possível verificar conceitos como o padrão mutável de interdependência, através de uma atleta (B.) que estava no conjunto do CHICAGO e foi mudada para o SURF, pela escolha da técnica. Esta mudança não foi aleatória, mas sim decorrente desta atleta ser a melhor do conjunto Chicago. Assim confirma-se que configurações não são rígidas e sim alteradas. Já o conceito de poder, que é uma característica estrutural das relações humanas, não é pessoal e manifesta o desequilíbrio de potências buscando o equilíbrio é verificado quando é perguntado à cada criança se elas falam ou o que pensam do outro conjunto, e é unânime a resposta que um conjunto não fala do outro, além de não ter uma opinião formada sobre a situação em geral. Sobre isso, temos os depoimentos: O que vocês conversam sobre o outro conjunto? Meninas do Chicago (C., 8 anos): -Não, não pode. (L., 8 anos): -Que é bem bonito. Música legal. (A., 8 anos): - Elas são boas. Bem falar mal não falamos, né. ão falamos delas. Meninas do Surf (B., 8 anos): - Que é legal que a gente gosta. (E., 8 anos): -Ele também é legal. A música é muito legalzinha e que ficou muito bonito. Penso que quando for para o campeonato com certeza vai voltar com uma medalha. Gosto. ( G., 8 anos): -Que elas fazem bem. Só a C. que faz com o pé frouxo. Numa conversa informal com a técnica percebemos que é estabelecido para as crianças que um conjunto não fale sobre o outro, além de não ser explícito que um conjunto é melhor que o outro, apenas a técnica e as auxiliares sabem disso. As meninas não sabem que um conjunto é melhor que o outro, pois o que é passado pela técnica é que os dois conjuntos fazem parte da

5 5 mesma equipe, então os dois treinam juntos, sem competir entre si. Norbert Elias explicita bem a relação que as crianças tem com pressão e coação exercidas pelos adultos no processo civilizador. (Elias, 1994) Depoimento das auxiliares técnicas: As meninas do surf estão num nível mais elevado, então elas conseguem fazer mais exercícios e melhor, as meninas do Chicago, tem que trabalhar mais. Para Elias (1994, p. 134), no seu livro O Processo Civilizador : Uma vez que a pressão e coação exercida por adultos individuais é aliada da pressão e exemplo de todo o mundo em volta, a maioria das crianças, quando crescem, esquece ou reprime relativamente cedo o fato de quê seus sentimentos de vergonha e embaraço de prazer e desagrado são moldados e obrigados a se conformar a certo padrão de pressão e compulsão externas. Apesar de haver claramente a relação de poder da técnica sobre as atletas encontramos em alguns trechos indícios de uma relação explicada por Elias em seu livro Os Estabelecidos e Outsiders, que se definem na relação que as nega e que as constitui como identidades sociais. Os indivíduos que fazem parte de ambas estão, ao mesmo tempo, separados e unidos por um laço tenso e desigual de interdependência. Podemos relacionar o grupo estabelecido ao conjunto do Surf, por ter mais potencial técnico, e o grupo outsiders ao conjunto do Chicago, devido a ser mais fraco, as que não foram escolhidas para o melhor conjunto. Na p. 37 deste livro, temos que: Os grupos ligados entre si sob a forma de uma configuração de estabelecidos-outsiders são compostos de seres humanos individuais. O problema é saber como e por que os indivíduos percebem uns aos outros como pertencentes ao mesmo grupo e se incluem mutuamente dentro das fronteiras grupais que estabelecem ao dizer nós, enquanto, ao mesmo tempo, excluem outros seres humanos a quem percebem como pertencentes a outro grupo e a quem se referem coletivamente como eles. Quando foi perguntado às meninas do Chicago se elas gostariam de mudar de conjunto todas responderam que não, mas na fala de A. Não. Porque lá no outro conjunto as meninas são melhores e acho que eu não conseguiria consegue-se perceber o porquê, que é a condição de não estar no nível técnico do conjunto tido como melhor. Entretanto, no conjunto do SURF

6 6 nenhuma das meninas gostaria de mudar de conjunto porque percebem, mesmo que não explicitamente, a diferença do CHICAGO em relação ao seu conjunto. Para comprovar temos o depoimento: E., 8 anos, considerada a melhor do conjunto SURF pelas próprias colegas. Você gostaria de mudar de conjunto? Por quê? Não, porque eu gosto do jeito que ele está. E quem faz parte do Surf você acha que muda para o Chicago? Não, acho que não. E quem está no Chicago consegue mudar para o Surf? Acho. Por que, o Surf é mais difícil ou mais fácil? É mais cheio de dificuldades. O Chicago é mais cheio de dança. Temos ainda este outro depoimento de: S., 8 anos- SURF Você gostaria de mudar de conjunto? Por quê? Não... porque o meu é legal. Você não falou que o outro também é legal? É, mais eu gosto mais do meu. O que você precisa fazer para ficar neste conjunto? Ser melhor. Por que o outro conjunto não é melhor? Ah,... não sei. Quem está no outro conjunto não é melhor? Não. E o que elas são? São mais ou menos. CO CLUSÃO É importante apontar que Elias não tem uma visão estática dessas configurações e busca captá-las em contínuo processo de constituição e transformação. Nesse sentido, configurações não podem ser planejadas, programadas ou previstas porque são construídas e redimensionadas o tempo todo. A análise proposta procurou relacionar a teoria elisiana com uma equipe de ginástica rítmica, buscando a afirmação de alguns conceitos formulados por Norbert Elias. Foi avaliada a situação atual do grupo, mas deve-se ter em mente que, como Elias mesmo coloca em seu livro Estabelecidos e Outsiders (2000, p. 57): Os modelos e os resultados das pesquisas de configurações fazem parte de um processo, de um campo crescente de investigação,`a luz de cujo

7 7 desenvolvimento estão eles mesmos sujeitos a revisões, críticas e aperfeiçoamentos, fruto de novas investigações. Referências CIDADE, Ruth Eugênia Amarante. Tese de Doutorado. Atletas Paraolímpicas: Figurações e Sociedade Contemporânea. Campinas, ELIAS, Norbert. O processo civilizador Volume 1: Uma História dos Costumes. Jorge Zahar Ed., 1994, Rio de Janeiro. ELIAS, Norbert. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Jorge Zahar Ed., 2000, Rio de Janeiro. LAFFRANCHI, Barbara. Treinamento Desportivo aplicado à ginástica rítmica. Londrina: Unopar, 2001.

8 8 PÁGI A DO AUTOR Priscila Martins Caçola Mestranda em Educação Física Universidade Federal do Paraná Rua: Bispo Don José, 2231, apto 31, Bairro Batel Curitiba Paraná CEP: Fones: (41) / / s:

Associação de Ginástica Rítmica Universidade Positivo Secretaria do Centro Esportivo Rua Prof. Pedro Viriato Parigot de Souza, 5300 - Curitiba PR

Associação de Ginástica Rítmica Universidade Positivo Secretaria do Centro Esportivo Rua Prof. Pedro Viriato Parigot de Souza, 5300 - Curitiba PR Projeto Clube AGIR ANO 6 Nome: ASSOCIAÇÃO DE GINÁSTICA RÍTMICA AGIR CNPJ: 08.004.169/0001-21 - Fone: +55 41 3079-4842 E-mail: Universidade Positivo Centro Esportivo Rua Prof. Pedro Viriato Parigot de Souza,

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II C. SÃO CRISTÓVÃO II EDUCAÇÃO FÍSICA MATERIAL DE ESTUDO HANDEBOL/GINÁSTICA RÍTMICA PFV 7 ANO HANDEBOL

COLÉGIO PEDRO II C. SÃO CRISTÓVÃO II EDUCAÇÃO FÍSICA MATERIAL DE ESTUDO HANDEBOL/GINÁSTICA RÍTMICA PFV 7 ANO HANDEBOL HANDEBOL GINÁSTICA RÍTMICA A ginástica rítmica (GR) é uma modalidade exclusivamente feminina da ginástica, realizada com cinco materiais diferentes: a corda, as maças, a bola, o arco e a fita. Os exercícios

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO - 2014 GINÁSTICA RÍTMICA TORNEIO NACIONAL

REGULAMENTO TÉCNICO - 2014 GINÁSTICA RÍTMICA TORNEIO NACIONAL REGULAMENTO TÉCNICO - 2014 GINÁSTICA RÍTMICA TORNEIO NACIONAL 1) GENERALIDADES 1.1 É aberta a participação no TNGR a qualquer entidade filiada às Federações, ou não filiada (não federada). 1.2 Nos estados

Leia mais

Conteúdos. Diversidade Cultural Ginástica Rítmica

Conteúdos. Diversidade Cultural Ginástica Rítmica Conteúdos Diversidade Cultural Ginástica Rítmica Habilidades Reconhecer os conceitos trabalhados na Unidade III Aplicar teoricamente os conteúdos estudados na unidade III PAUTA DO DO DIA DIA Acolhida Revisão

Leia mais

Ginástica no ambiente escolar

Ginástica no ambiente escolar 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA Ginástica

Leia mais

COPA BRASIL DE CONJUNTOS 2014 1) GENERALIDADES

COPA BRASIL DE CONJUNTOS 2014 1) GENERALIDADES COPA BRASIL DE CONJUNTOS 2014 1) GENERALIDADES 1.1 É aberta a participação na Copa Brasil de Conjuntos a qualquer entidade filiada ou não às Federações. 1.2 As inscrições deverão ser enviadas á CBG. 1.3

Leia mais

A História da Ginástica Olímpica

A História da Ginástica Olímpica EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR: / ASSUNTO Antonio Carlos / GINÁSTICA ARTISTICA: Histórico A História da Ginástica Olímpica Ginástica Olímpica, também conhecida como Ginástica Artística, é um esporte surpreendente

Leia mais

I Curso de Preparação Coreográfica Específica para a Ginástica Artística

I Curso de Preparação Coreográfica Específica para a Ginástica Artística I Curso de Preparação Coreográfica Específica para a Ginástica Artística Local: Yashi Academia de Ginástica Olímpica Data: 1º de maio de 2009 Coordenação: Yumi Yamamoto Sawasato Professora: Valeria Lakerbai

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

Ginástica Rítmica: Modalidade Esportiva Desenvolvida pela Escola Infantil de Esportes da Universidade Federal de Santa Catarina

Ginástica Rítmica: Modalidade Esportiva Desenvolvida pela Escola Infantil de Esportes da Universidade Federal de Santa Catarina Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Ginástica Rítmica: Modalidade Esportiva Desenvolvida pela Escola Infantil de Esportes da Universidade

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Opinião N21 INGRESSO NA UNIVERSIDADE PELO SISTEMA DE COTAS: ENTRE DESAFIOS E SENTIDOS DIVERSOS

Opinião N21 INGRESSO NA UNIVERSIDADE PELO SISTEMA DE COTAS: ENTRE DESAFIOS E SENTIDOS DIVERSOS Opinião N21 INGRESSO NA UNIVERSIDADE PELO SISTEMA DE COTAS: ENTRE DESAFIOS E SENTIDOS DIVERSOS ANDREA BAYERL MONGIM 1 Introdução O recente processo de implantação de programas de reserva de vagas em instituições

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO 9 ESTUDOS SOCIOCULTURAIS DO ESPORTE

GRUPO DE TRABALHO 9 ESTUDOS SOCIOCULTURAIS DO ESPORTE 1 GRUPO DE TRABALHO 9 ESTUDOS SOCIOCULTURAIS DO ESPORTE PROGRAMA SESI ATLETA DO FUTURO: UMA ANÁLISE DO ROMPIMENTO DA PARCERIA ENTRE O SESI E A PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAPONGAS. Ricardo Gonçalves, Mdo.

Leia mais

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO Área de Conhecimento: Linguagens Componente Curricular: Educação Física Ementa A Educação Física no Ensino Médio tratará da cultura corporal, sistematicamente

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Regiane de Oliveira Galdino

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Regiane de Oliveira Galdino UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Regiane de Oliveira Galdino O PAPEL DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA NAS ESCOLAS EM RELAÇÃO AOS JOGOS COLEGIAIS.

Leia mais

Metodologia do Ensino de Educação Física Conteúdos da Educação Física Ginástica. Contextualização

Metodologia do Ensino de Educação Física Conteúdos da Educação Física Ginástica. Contextualização Metodologia do Ensino de Educação Física Conteúdos da Educação Física Ginástica Teleaula 2 Prof. Me. Marcos Ruiz da Silva tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Pedagogia Contextualização A combinação de

Leia mais

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE RESUMO Este texto é uma reflexão sobre o brincar nas aulas de educação física escolar do primeiro e segundo ciclo do ensino fundamental,

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: PERCEPÇÕES DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO ENGAJADOS EM ESTUDOS PÓS-GRADUADOS

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: PERCEPÇÕES DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO ENGAJADOS EM ESTUDOS PÓS-GRADUADOS EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: PERCEPÇÕES DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO ENGAJADOS EM ESTUDOS PÓS-GRADUADOS GONÇALVES, Tiago Felipe Cerri NEFEF DEFMH/UFSCar tepcg@ig.com.br GONÇALVES JUNIOR,

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º ANO. PROFESSOR: Thiago Rosario da Cruz

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º ANO. PROFESSOR: Thiago Rosario da Cruz COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio. Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150. PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º ANO PROFESSOR: Thiago

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS RAFAEL VIEIRA (Depoimento) 2013 CEME-ESEF-UFRGS FICHA TÉCNICA Projeto: Garimpando

Leia mais

USO DE DEDOCHES NO REPASSE DAS RECOMENDAÇÕES DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA CRIANÇAS

USO DE DEDOCHES NO REPASSE DAS RECOMENDAÇÕES DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA CRIANÇAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LABORATÓRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE USO DE DEDOCHES NO REPASSE DAS RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1. ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO 99-7233-02

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1. ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO 99-7233-02 MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA SERIADO ANUAL - MATUTINO/NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA SÉRIE: 6º ANO PROFESSORA:

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO GÊNERO NA PRÁTICA DE MUSCULAÇÃO EM ACADEMIAS

A CONSTRUÇÃO DO GÊNERO NA PRÁTICA DE MUSCULAÇÃO EM ACADEMIAS A CONSTRUÇÃO DO GÊNERO NA PRÁTICA DE MUSCULAÇÃO EM ACADEMIAS Júlia Bellini Capelari* Cássia Cristina Furlan** Patrícia Lessa*** RESUMO: Neste artigo apresentamos uma análise dos discursos acerca do corpo

Leia mais

EXPERIÊNCIA ESPORTIVA E FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

EXPERIÊNCIA ESPORTIVA E FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA EXPERIÊNCIA ESPORTIVA E FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA Ms. Carmen Lúcia Nunes Vieira 1 O trabalho expõe resultados de uma pesquisa cujo objetivo foi investigar o lugar social da biografia esportiva na formação

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 LEITE, Raíssa Moraes 1 ; FRANCO, Lana Pacheco 2 ; SOUZA, Isabela Mesquita 3 ; ALVES, Ana Gabriella Pereira

Leia mais

ATIVIDADES NOS BAIRROS: CAJAIBA, MARICOABO, JAQUEIRA, ESTANCIA AZUL, (BAIXA ALEGRE), LOT. POR DO SOL (GRAÇA), JACARE, NOVO HORIZONTE.

ATIVIDADES NOS BAIRROS: CAJAIBA, MARICOABO, JAQUEIRA, ESTANCIA AZUL, (BAIXA ALEGRE), LOT. POR DO SOL (GRAÇA), JACARE, NOVO HORIZONTE. INFORMATIVO RELATÓRIO DAS AÇÕES REALIZADAS NO MÊS DE MARÇO 2014 PROJETO ESCOLINHA DE FUTEBOL ESPORTE CIDADÃO JUVENIL ATIVIDADES NOS BAIRROS: CAJAIBA, MARICOABO, JAQUEIRA, ESTANCIA AZUL, (BAIXA ALEGRE),

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 53 Discurso na solenidade de lançamento

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas EDUCAÇÃO FÍSICA Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo e o

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

Historinhas para ler durante a audiência dos pais. Pio Giovani Dresch

Historinhas para ler durante a audiência dos pais. Pio Giovani Dresch Historinhas para ler durante a audiência dos pais Pio Giovani Dresch Historinhas para ler durante a audiência dos pais Pio Giovani Dresch Ilustrações: Santiago Arte: www.espartadesign.com.br Contatos

Leia mais

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Introdução O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Sonia de Alcantara IFRJ/UGB sonia.alcantara@ifrj.edu.br Letícia Mendes Pereira, Lohanna Giovanna Gonçalves da Silva,

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

GINÁSTICA CIRCENSE NA ESCOLA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

GINÁSTICA CIRCENSE NA ESCOLA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA GINÁSTICA CIRCENSE NA ESCOLA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Hinaiana dos Santos Machado Colégio Estadual Rui Barbosa hinaiana1@hotmail.com Resumo Este estudo tem o objetivo de relatar a experiência da prática

Leia mais

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA DE SANTANA FERREIRA PEREIRA JÉSSICA PALOMA RATIS CORREIA NOBRE PEDAGOGIA: PROJETO MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA JANDIRA - 2012 FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA

Leia mais

A CRIANÇA, O MUNDO E A ESCOLA: POR UMA EDUCAÇÃO BRINCANTE

A CRIANÇA, O MUNDO E A ESCOLA: POR UMA EDUCAÇÃO BRINCANTE A CRIANÇA, O MUNDO E A ESCOLA: POR UMA EDUCAÇÃO BRINCANTE Resumo Rosalina Lima do Nascimento 1 - FE/UNB Luciana da Silva Oliveira 2 -EAPE/ SEDF Grupo de Trabalho - Educação da Infância Agência Financiadora:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Curso de Educação Física

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Curso de Educação Física EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS Disciplina: BIOLOGIA Características gerais dos seres vivos. Química da célula. Citologia. Microscopia. Divisão celular. Formas de reprodução. Histologia. Disciplina: ANATOMIA

Leia mais

chegaram há pouco tempo lá. Foi a partir deste trabalho que ocorreu a opção pela utilização da metodologia do Circo Social. No mesmo ano, foi criada

chegaram há pouco tempo lá. Foi a partir deste trabalho que ocorreu a opção pela utilização da metodologia do Circo Social. No mesmo ano, foi criada 3 Armando a lona Para o circo, a lona é de suma importância, pois é dentro dela que a mágica acontece. A lona de circo é inconfundível. Alta e colorida, erguida por cordas e pilares, ela anuncia de longe:

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2006 GINÁSTICA ARTÍSTICA. * COPA A! BODYTECH de GINÁSTICA OLÍMPICA 06 / 05 / 06.

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2006 GINÁSTICA ARTÍSTICA. * COPA A! BODYTECH de GINÁSTICA OLÍMPICA 06 / 05 / 06. RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2006 GINÁSTICA ARTÍSTICA Eventos realizados na Ginástica Artística com o apoio da FGERJ. * COPA A! BODYTECH de GINÁSTICA OLÍMPICA 06 / 05 / 06. * COPA do Clube de Regatas Vasco

Leia mais

Esporte na Educação. Maria Alice Zimmermann

Esporte na Educação. Maria Alice Zimmermann Esporte na Educação Olimpismo O Olimpismo é uma filosofia de vida que defende a formação de uma consciência pacifista, democrática, humanitária, cultural e ecológica por meio da prática esportiva. COB

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS ALESSANDRA TEGONI

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS ALESSANDRA TEGONI CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS ALESSANDRA TEGONI (depoimento) 2013 CEME-ESEF-UFRGS FICHA TÉCNICA Projeto: Garimpando

Leia mais

Fernandinho, jogador do Shakhtar Donetsk da Ucrânia, de férias em Londrina, concede entrevista exclusiva, em sua visita a Arena Futsal:

Fernandinho, jogador do Shakhtar Donetsk da Ucrânia, de férias em Londrina, concede entrevista exclusiva, em sua visita a Arena Futsal: Fernandinho, jogador do Shakhtar Donetsk da Ucrânia, de férias em Londrina, concede entrevista exclusiva, em sua visita a Arena Futsal: 1) Arena Futsal: Conte um pouco da sua trajetória no futebol, desde

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS SAMARA DA SILVA VIEIRA (depoimento) 2014 CEME-ESEF-UFRGS FICHA TÉCNICA Projeto:

Leia mais

Por Carol Alvarenga, em 17 de junho de 2014, 15h Esquemaria.com.br

Por Carol Alvarenga, em 17 de junho de 2014, 15h Esquemaria.com.br Esquemaria.com.br / Dicas de estudos / 4 mitos sobre estudos: saiba mais como evitar estes erros Talvez você conheça estes mitos sobre estudos, mas você sabe a verdade por trás deles? Hoje eu trago um

Leia mais

CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder

CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder Entrevista concedida a Virginia Maria de Figueiredo e Silva e Tânia Maria Piacentini * Paulo Freire esteve em Florianópolis, no dia 8 de junho, a convite da

Leia mais

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil Sugestão: estes exercícios devem ser feitos depois de estudar a Unidade 1 por completo do livrotexto Muito Prazer Unidade 1 - I Pronomes pessoais Eu Tu 1 Você 2 / ele/ela A gente 3 Nós Vós 4 Eles/ elas

Leia mais

LUME E O TEATRO FÍSICO?

LUME E O TEATRO FÍSICO? 7º Seminário de Pesquisa em Artes da Faculdade de Artes do Paraná LUME E O TEATRO FÍSICO? Anais Eletrônicos Alana Saiss Albinati 171 Faculdade de Artes do Paraná RESUMO Este trabalho é parte de uma pesquisa

Leia mais

09/09/2004. Discurso do Presidente da República

09/09/2004. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na solenidade de recepção da delegação brasileira que participou das Olimpíadas de Atenas Palácio do Planalto, 09 de setembro de 2004 Meu caro Grael, Meu querido René Simões,

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL Bruna Maria de Oliveira (¹) ; Elcione Trojan de Aguiar (2) ;Beleni Salete Grando (3) 1.Acadêmica

Leia mais

adolescente, jovem...

adolescente, jovem... O ALUNO: criança, a, pré-adolescente, adolescente, jovem... A construção histórica do conceito de criança: História social da criança e da família, Philippe Ariés. Rio de Janeiro: LTC, 1981. As idades

Leia mais

Oficina de Roteiro - Onda Cidadã

Oficina de Roteiro - Onda Cidadã Oficina de Roteiro - Onda Cidadã ---Pesquisa Todo vídeo necessita de pesquisa para ser produzido. Isto ajuda a organizar as ideias e facilita a produção. Faça a sua própria pesquisa (...) você deve fazer

Leia mais

por futebol profissional ou amador?

por futebol profissional ou amador? Tabela 3 - Síntese das entrevistas com torcedores I O que é o futebol pra você? Uma paixão. É um esporte que eu pratico, que gosto. O meu time de futebol é a razão do meu viver. Você se interessa mais

Leia mais

EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO?

EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO? EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO? Lilian Patricia de Oliveira Zanca lilianpatyoli@hotmail.com Regina Célia Pinheiro da Silva Orientadora UNITAU

Leia mais

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola http://luizsoaresdecassia.blogspot.com.br APRENDER A ESCREVER Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola Todos os anos, milhares de meninos e meninas do ensino fundamental de todo

Leia mais

EC PINHEIROS OLÍMPICO AQUÁTICOS

EC PINHEIROS OLÍMPICO AQUÁTICOS EC PINHEIROS OLÍMPICO AQUÁTICOS ESPORTE CLUBE PINHEIROS NÚMEROS QUE IMPRESSIONAM 112 ANOS de existência umas das instituições mais tradicionais do país, oferecendo atividades esportivas, sociais e culturais

Leia mais

denominado Influências recíprocas e universalização dos conceitos ginásticos, segundo Langlade e Langlade (1970).

denominado Influências recíprocas e universalização dos conceitos ginásticos, segundo Langlade e Langlade (1970). A Ginástica!#"$ A história da Ginástica confunde-se com a história do homem. A Ginástica entendida por Ramos (1982: 15) como a prática do exercício físico vem da Pré-história, afirma-se na Antigüidade,

Leia mais

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Introdução Do que estamos falando? Um grupo específico de mulheres Uma visão Pesquisa de Doutorado na FGV EAESP

Leia mais

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas?????

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas????? Há 16 anos quando entrou na MK, a consagrada Diretora Nacional, Gloria Mayfield, não sabia como chegar ao topo, hoje ela dá o seguinte conselho. As lições que eu aprendi na Mary Kay para me tornar uma

Leia mais

Discurso dos professores e professoras de educação física sobre o relacionamento de meninos e meninas

Discurso dos professores e professoras de educação física sobre o relacionamento de meninos e meninas Gênero e Sexualidade nas Práticas escolares ST. 07 Flavia Fernandes de Oliveira UGF Cátia Pereira Duarte UFJF Palavras-chave: Educação Física Gênero Discurso dos professores e professoras de educação física

Leia mais

XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE.

XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE. Resumo XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE. OLIVEIRA, Vanessa Duarte de PUCPR vane_do@hotmail.com CARVALHO, João Eloir PUCPR j.eloir@uol.com.br Eixo Temático: Educação, arte e movimento Agência

Leia mais

Atividades Extraclasse

Atividades Extraclasse Atividades Extraclasse No Marista Assunção, o estudante também descobre novos conhecimentos além da sala de aula. Crianças e jovens desenvolvem talentos por meio de atividades artísticas, esportivas e

Leia mais

CIVILIDADE E EDUCAÇÃO DAS CRIANÇAS JAPONESAS: PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES COM NORBERT ELIAS

CIVILIDADE E EDUCAÇÃO DAS CRIANÇAS JAPONESAS: PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES COM NORBERT ELIAS CIVILIDADE E EDUCAÇÃO DAS CRIANÇAS JAPONESAS: PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES COM NORBERT ELIAS Orientanda: Joice Camila dos Santos Kochi Orientadora: Magda Sarat Co-orientadora: Míria Izabel Campos Universidade

Leia mais

JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE

JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE Lorrania Miranda Nogueira Raquel da Silva Barroso Monica Rosana de Andrade Mateus Camargo Pereira

Leia mais

3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Língua Portuguesa Revisão Nome:

3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Língua Portuguesa Revisão Nome: 3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Língua Portuguesa Revisão Nome: Vamos entender um pouco mais sobre ética. Leia este texto atentamente. ÉTICA Ética é um conjunto de valores morais, costumes

Leia mais

Em nome de toda a equipe da F12 Sports, gostaria de felicitá-lo pela recente aquisição da franquia Centro de Treinamento Falcão 12.

Em nome de toda a equipe da F12 Sports, gostaria de felicitá-lo pela recente aquisição da franquia Centro de Treinamento Falcão 12. CARTA DE BOAS VINDAS Prezado Franqueado e Parceiro, Em nome de toda a equipe da F12 Sports, gostaria de felicitá-lo pela recente aquisição da franquia Centro de Treinamento Falcão 12. Acreditamos que esta

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS ELIANE PINTANEL TEIXEIRA PRONDZYNSKI (depoimento) 2014 CEME-ESEF-UFRGS FICHA

Leia mais

Palavras-chave: Pedagogos/ Professores; Pedagogia; Trabalho.

Palavras-chave: Pedagogos/ Professores; Pedagogia; Trabalho. O TRABALHO DOS PEDAGOGOS/ PROFESSORES E A PEDAGOGIA COMO CIÊNCIA DA EDUCAÇÃO NO CONTEXTO ESCOLAR Bruna Pereira Alves Fiorin, UFSM Maria Cecília Martins Manckel, UFSM RESUMO Este trabalho é uma sistematização

Leia mais

Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates

Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates 1º ano do Ensino Fundamental I O que você gosta de fazer junto com a sua mã e? - Dançar e jogar um jogo de tabuleiro. - Eu gosto de jogar futebol

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ANDRÉIA DOS SANTOS (MAYCON) (depoimento) 2014 FICHA TÉCNICA ENTREVISTA CEDIDA PARA PUBLICAÇÃO NO REPOSITÓRIO

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE (PTD)/2012

PLANO DE TRABALHO DOCENTE (PTD)/2012 PLANO DE TRABALHO DOCENTE (PTD)/2012 Estabelecimento: CEEBJA: Centro Estadual de Educação Básica para Jovens e Adultos Professora: KATIANE DOS SANTOS Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Ensino: MÉDIO ( X ) sede

Leia mais

AUTONOMIA NA APRENDIZAGEM DE LÍNGUA NO CONTEXTO ACADÊMICO

AUTONOMIA NA APRENDIZAGEM DE LÍNGUA NO CONTEXTO ACADÊMICO Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul AUTONOMIA NA APRENDIZAGEM DE LÍNGUA NO CONTEXTO ACADÊMICO Gustavo Bueno FRANZ Bolsista UCPEL Wagner Roberto Nolasco SOUZA BIC/UCPel

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR INTRODUÇÃO

FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR INTRODUÇÃO FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR Palara-chave: conceitos da criança, pedagogia Nerli Nonato Ribeiro Mori Nara Cristina Miranda Universidade Estadual de Maringá INTRODUÇÃO

Leia mais

TEMATIZANDO HANDEBOL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Handebol; Educação Física Escolar; Cultura Corporal.

TEMATIZANDO HANDEBOL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Handebol; Educação Física Escolar; Cultura Corporal. TEMATIZANDO HANDEBOL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Handebol; Educação Física Escolar; Cultura Corporal. André Jonatas Barbosa EMEF Gal. Júlio Marcondes Salgado Resumo Este trabalho tem por objetivo relatar

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FLEXIBILIDADE EM PRATICANTES DE GINÁSTICA RÍTMICA DO PARANÁ

MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FLEXIBILIDADE EM PRATICANTES DE GINÁSTICA RÍTMICA DO PARANÁ ESTUDOS E REFLEXÕES V 5 - Nº 9 PÁGS. 43 A 50 V Encontro de Pesquisa em Educação Física 1ª Parte RECEBIDO EM: 00-00-0000 ACEITO EM: 00-00-0000 ARTIGO ORIGINAL MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FLEXIBILIDADE EM

Leia mais

REGULAMENTO DO FITNESS / HIP HOP CHALLENGE TOUR

REGULAMENTO DO FITNESS / HIP HOP CHALLENGE TOUR REGULAMENTO DO FITNESS / HIP HOP CHALLENGE TOUR 2007 2008 1/6 INDICE INDICE... 1 INTRODUÇÃO... 2 1. OBJECTIVOS... 2 2. CRITÉRIOS DE PARTICIPAÇÃO... 2 3. COMPETIÇÕES... 3 3.1 Challenge... 3 3.2. Challenge

Leia mais

FAQ ironguides INSTRUÇÕES DE TREINO : BUILDING ROUTINE

FAQ ironguides INSTRUÇÕES DE TREINO : BUILDING ROUTINE FAQ ironguides INSTRUÇÕES DE TREINO : BUILDING ROUTINE 1 ESTRUTURA DA PLANILHA ESTRUTURA DA PLANILHA Dia da Semana: Procure seguir a ordem da planilha. Descrição detalhada do seu PRIMEIRO TREINO: Aqui

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO QUANTO À IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO QUANTO À IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL ISBN 97-5-191-5-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 3 de outubro de 29 PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO QUANTO À IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES

Leia mais

texto I partes I e II Língua Portuguesa e Matemática Futebol de rua De preferência os novos, do colégio.

texto I partes I e II Língua Portuguesa e Matemática Futebol de rua De preferência os novos, do colégio. partes I e II Língua Portuguesa e Matemática texto I Futebol de rua Pelada é o futebol de campinho, de terreno baldio. Mas existe um tipo de futebol ainda mais rudimentar do que a pelada. É o futebol de

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS GEÓRGIA BALARDIN

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS GEÓRGIA BALARDIN CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS GEÓRGIA BALARDIN (depoimento) 2014 CEME-ESEF-UFRGS FICHA TÉCNICA Projeto: Garimpando

Leia mais

EC PINHEIROS OLÍMPICO TERRESTRES

EC PINHEIROS OLÍMPICO TERRESTRES EC PINHEIROS OLÍMPICO TERRESTRES ESPORTE CLUBE PINHEIROS NÚMEROS QUE IMPRESSIONAM 112 ANOS de existência umas das instituições mais tradicionais do país, oferecendo atividades esportivas, sociais e culturais

Leia mais

A EDUCAÇÃO FÍSICA SOB O PONTO DE VISTA DE ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR

A EDUCAÇÃO FÍSICA SOB O PONTO DE VISTA DE ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR A EDUCAÇÃO FÍSICA SOB O PONTO DE VISTA DE ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR MOURA, Gabriela 1 - PUCPR QUADROS, Emanuele 2 - PUCPR KOGUT, Maria Cristina 3 - PUCPR Grupo de Trabalho- Didática: Teorias, Metodologias

Leia mais

Canais ou Sistemas Representacionais (VAC)

Canais ou Sistemas Representacionais (VAC) Canais ou Sistemas Representacionais (VAC) Exercícios de Aplicação: Exercício 1 Calibração Visual Parte 1 Vá a um local próximo de sua casa ou local de trabalho em que você possa sentar-se e ficar tranqüilo

Leia mais

Patins. Tudo começou no ano de 1976, quando o empresário Iloir Fasolo, Pioneira na fabricação de patins na América Latina

Patins. Tudo começou no ano de 1976, quando o empresário Iloir Fasolo, Pioneira na fabricação de patins na América Latina MATÉRIA DE CAPA FOTOS: DIVULGAÇÃO Pioneira na fabricação de patins na América Latina Patins Tudo começou no ano de 1976, quando o empresário Iloir Fasolo, um grande apreciador da patinação, adquiriu a

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO CONTEUDO DANÇA NA INTERFACE E FORMAÇÃO CULTURAL NA EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DAS INTERVENÇÕES DO PIBID UFG/CAC

A EXPERIÊNCIA DO CONTEUDO DANÇA NA INTERFACE E FORMAÇÃO CULTURAL NA EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DAS INTERVENÇÕES DO PIBID UFG/CAC A EXPERIÊNCIA DO CONTEUDO DANÇA NA INTERFACE E FORMAÇÃO CULTURAL NA EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DAS INTERVENÇÕES DO PIBID UFG/CAC Fernanda Costa SANTOS UFG/CAC- nandacostasantos@hotmail.com Karolina Santana

Leia mais

Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria

Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria Autora: Ana Cristina Fonseca Instituição: PUC-Campinas Fonseca.cris@uol.com.br Co -autor 1: Maria Auxiliadora Bueno Andrade

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br ENTREVISTA COM LUCAS LIMA 2º lugar AFRFB / 10º lugar ACE (MDIC) Olá, amigos do Estratégia Concursos! Como vão os estudos? Sei que vocês estão em um ritmo alucinante, mas agora eu lhes peço licença para

Leia mais

CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA

CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA Aluna: Tatiana de Alemar Rios Orientador: Magda Pischetola Introdução A partir do estudo realizado pelo Grupo

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR / ASSUNTO. Antonio Carlos / GINÁSTICA

EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR / ASSUNTO. Antonio Carlos / GINÁSTICA EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR / ASSUNTO Antonio Carlos / GINÁSTICA 1- A ORIGEM DA GINÁSTICA A Ginástica como uma mera prática de exercícios físicos, assim como o Atletismo, as Lutas e as Danças, também surgiu

Leia mais

(In)Segurança Virtual. Introdução Expotec 2009 IFRN- Campus Mossoró

(In)Segurança Virtual. Introdução Expotec 2009 IFRN- Campus Mossoró (In)Segurança Virtual Introdução Expotec 2009 IFRN- Campus Mossoró Eliakim Aquino - eliakim_pcdoctor@hotmail.com interseguraca.blogspot.com Mossoró-RN Setembro-2009 Que idéia seria essa? Fator Humano:

Leia mais

BOLSA ATLETA FORMADOR

BOLSA ATLETA FORMADOR Curitiba, 02 de Junho de 2015. Prezados Atletas e Instrutores, Ref. Talento Olímpico do Paraná TOP 2016 Abriram as inscrições para o programa talento olímpico 2015 a todos os atletas interessados e que

Leia mais

O FUTEBOL E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO ESCOLAR

O FUTEBOL E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO ESCOLAR O FUTEBOL E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO ESCOLAR Resumo Emerson Liomar Micaliski 1 - UNINTER Maria Cristina Kogut 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Práticas e Estágios nas Licenciaturas Agência Financiadora:

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 21/2015 EDUCAÇÃO FÍSICA II Campus Rio Pomba

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 21/2015 EDUCAÇÃO FÍSICA II Campus Rio Pomba Questão 01 Entre as formas de ginásticas competitivas existentes, assinale a alternativa INCORRETA. a) Ginástica Artística. b) Ginástica Aeróbica. c) Ginástica Rítmica. d) Ginástica Laboral. e) Ginástica

Leia mais