Key-words: Infant very low birth weight, infant premature, survival rate, neonatal mortality.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Key-words: Infant very low birth weight, infant premature, survival rate, neonatal mortality."

Transcrição

1 Artigo Original Sobrevida de recém-nascidos de muito baixo peso em maternidade privada de nível terciário Survival of very low birth weight infants in level III private maternity hospital Edinéia Vaciloto Lima 1, Débora Manzione P. de Oliveira 2, Cecília Maria Draque 3, Heiki Mori 4, Flávia Lopes S. Pinto 5, Maria Angela Saraiva 2, Ruth Guinsburg 6, Maria Fernanda B. de Almeida 7, Filomena Bernardes de Mello 8, Eduardo Rahme Amaro 9 Resumo Objetivo: Descrever a sobrevida intra-hospitalar dos recém-nascidos de muito baixo peso, de acordo com as faixas de peso ao nascer (PN) e idade gestacional (IG) no período de 4 anos, em maternidade privada de nível terciário. Métodos: Coorte prospectiva de 146 RN com PN de 500 a 1499g, sem anomalias congênitas incompatíveis com a vida, com IG superior a 22 semanas, que nasceram e permaneceram internados na Maternidade Pro-Matre Paulista até a alta, no período de março de 2000 a fevereiro de Descreve-se a taxa de sobrevida por faixa de PN e IG e analisam-se fatores presentes ao nascimento, associados à sobrevida intra-hospitalar por meio de regressão logística. Resultados: Características dos 146 RN: PN g, IG 29,4+3,2 semanas, pequeno/ig 42%, gestações múltiplas 39%, sexo masculino 47% e parto cesáreo 79%. A sobrevida, nas faixas de g, g, g e g foi, respectivamente, 39, 78, 85 e 98%. A sobrevida dos pacientes de 23-24, semanas, e semanas foi, respectivamente, 36, 69, 86 e 94%. A análise de regressão mostrou que a sobrevida intra-hospitalar aumentou com a elevação do PN (OR 0,995; IC 95% 0,993-0,997) e não teve influência dos fatores IG, adequação PN/IG, gestação múltipla, sexo, parto ou ano de nascimento. Conclusões: Em 4 anos, a sobrevida foi crescente de acordo com o aumento do peso ao nascer. Esforços devem ser direcionados para que taxas maiores de sobrevida sejam obtidas, em especial, nos nascidos entre 500 e 750g e/ou idade gestacional entre 23 e 25 semanas. Palavras-chaves: Recém-nascido de muito baixo peso, prematuro, taxa de sobrevivência, mortalidade neonatal. 1 Médica Neonatologista, chefe da UTI Neonatal da Maternidade Pro- Matre Paulista 2 Médica Neonatologista da UTI Neonatal da Maternidade Pro-Matre Paulista 3 Médica Neonatologista da UTI Neonatal da Maternidade Pro-Matre Paulista, Asistente da Disciplina de Pediatria Neonatal da Unifesp-EPM e Doutora em Ciências pela Unifesp-EPM 4 Médico Neonatologista da UTI Neonatal da Maternidade Pro-Matre Paulista 5 Médica Neonatologista da UTI Neonatal da Maternidade Pro-Matre Paulista e Mestre em Ciências pela Unifesp-EPM 6 Professora-Associada e Livre-Docente da Disciplina de Pediatria Neonatal da Unifesp-EPM Abstract Objective: To analyze intra-hospital survival of very low birth weight newborn infants according to birth weight (BW) and gestational age (GA) categories, during a 4 year period in a level III private maternity hospital. Methods: This prospective cohort study included 146 NB with BW of g and GA greater than 22 weeks that were born and hospitalized until death or discharge in Maternidade Pro-Matre Paulista São Paulo, from March 2000 to February Survival rates until discharge according to stratified BW and GA were studied. Perinatal factors present at birth associated to intra-hospital survival were analyzed by logistic regression. Results: Characteristics of 146 NB: BW 1096±284g, GA 29.4±3.2 weeks, small for GA 42%, multiple gestation 39%, male 47% and C-section 79%. Survival rate at g, g, g, and g was, respectively, 39, 78, 85 and 98%. Survival rate at 23-24, 25-27, 28-30, and weeks was, respectively, 36, 69, 86 and 94%. Logistic regression showed that intra-hospital survival was associated to increasing BW (OR 0.995; IC 95% ), without influence of GA, BW/GA, multiple gestation, gender, mode of delivery, or year of birth. Conclusions: During these 4 years, survival rate increased according to birth weight. Efforts should be directed to improve survival in all BW and GA range, especially in those NB with BW between g, and GA between weeks. Key-words: Infant very low birth weight, infant premature, survival rate, neonatal mortality. 7 Professora-Adjunta da Disciplina de Pediatria Neonatal da Unifesp-EPM 8 Médica Neonatologista da UTI Neonatal do Hospital e Maternidade Santa Joana e Mestre em Ciências pela Unifesp-EPM 9 Diretor-geral do Complexo Hospitalar Santa Joana/Pro-Matre Paulista Endereço para correspondência: Edinéia Vaciloto Lima Rua Presidente Antonio Cândido 330, apto. 174 CEP São Paulo (SP) Aceito em: 16/11/2005 Recebido em: 28/3/

2 Sobrevida de recém-nascidos de muito baixo peso em maternidade privada de nível terciário Introdução No decorrer do século XX, a melhoria das condições de higiene e saúde e o incentivo ao aleitamento materno, com a conseqüente diminuição da prevalência de infecções respiratórias e gastrintestinais, contribuíram para o aumento da sobrevida no primeiro ano de vida (1,2). Em relação ao período neonatal, a sobrevida elevou-se após a década de 1960, quando mais recursos foram destinados para pesquisas e assistência ao recém-nascido, e houve a conscientização de que os prematuros necessitavam de cuidados especiais. Assim, nos últimos 20 anos, a melhoria no cuidado obstétrico ao parto prematuro, a criação de centros regionais de assistência perinatal com recursos especializados, a incorporação de novos meios diagnósticos e terapêuticos na abordagem ao neonato criticamente doente e a capacitação contínua do pessoal médico e de enfermagem que cuidam de tais recémnascidos contribuíram para aumentar sua sobrevida (3,4). Vale destacar que, dentre os avanços tecnológicos e terapêuticos destinados aos recém-nascidos de muito baixo peso que colaboraram para uma melhora na sobrevida na década de 1990, são citados: a adoção mais abrangente da corticoterapia antenatal, a introdução do surfactante exógeno, o manejo ventilatório e o suporte nutricional (5,6). Neste contexto, os diversos serviços de Neonatologia publicam seus dados relacionados à sobrevida e viabilidade fetal, na maioria das vezes com base no peso ao nascer e, menos freqüentemente, com base na idade gestacional (7,8). O acompanhamento das taxas de sobrevida, além da determinação das causas de óbito, resulta na adoção de condutas obstétricas e neonatais que, por sua vez, também influenciarão a sobrevida de tais pacientes. De maneira geral, nos últimos anos, excluindo-se as anomalias congênitas, as doenças respiratórias têm sido a causa de morte mais freqüente nos recém-nascidos de muito baixo peso, seguidas da sepse e da enterocolite necrosante (9). Atualmente, nas unidades neonatais de países desenvolvidos, nas quais a letalidade na síndrome do desconforto respiratório é baixa, as principais causas para o óbito do prematuro de extremo baixo peso compreendem as infecções bacterianas ou fúngicas (10,11). Existem poucos trabalhos publicados no Brasil em relação ao grupo de neonatos com peso ao nascer inferior a 1500g, não só quanto às taxas de sobrevida, mas também quanto às causas de óbito. A investigação publicada pela Rede Brasileira de Pesquisas Neonatais (12) indica ser a sepse tardia e a enterocolite necrosante causas relevantes de óbito neonatal em nosso meio. O conhecimento das diferentes taxas de sobrevida encontradas nos vários serviços estimula os menos favorecidos a procurarem meios para reduzir tal diferença por meio da melhoria dos cuidados oferecidos à gestante e à criança. Neste contexto, o objetivo geral deste estudo foi descrever a taxa de sobrevida intra-hospitalar de recém-nascidos de muito baixo peso com base no peso ao nascer, em uma maternidade privada, durante os últimos quatro anos. Os objetivos específicos compreenderam descrever a sobrevida segundo o ano de nascimento, segundo o peso ao nascer estratificado em faixas de 250g e segundo a idade gestacional categorizada a cada 2 ou 3 semanas a partir de 23 semanas. Além disso, procurou-se verificar variáveis presentes ao nascimento associadas à sobrevida destes pacientes. Método Esta coorte prospectiva incluiu todos os nascidos vivos com peso de nascimento inferior a 1500g no período de 1º de março de 2000 até 28 de fevereiro de 2004 e que permaneceram internados na Maternidade Pro-Matre Paulista até a saída hospitalar. Foram excluídos os pacientes portadores de anomalias congênitas incompatíveis com a vida, com peso ao nascer inferior a 500g, com idade gestacional inferior a 23 semanas e/ou transferidos para outras instituições. A instituição em estudo é uma maternidade privada e não disponibiliza assistência a pacientes do Sistema Único de Saúde. Atualmente, realiza ao redor de partos por ano, possuindo infra-estrutura para o atendimento de neonatos normais e/ou que necessitam de cuidados intermediários e intensivos (26 leitos) nascidos no próprio hospital, não sendo admitidos pacientes provenientes de outras instituições. Todas as gestantes internadas na maternidade recebem assistência pré-natal por meio de convênio médico ou recursos próprios e, na grande maioria, o parto foi realizado pelo obstetra responsável pelo pré-natal. O projeto de pesquisa foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Complexo Santa Joana/Pro-Matre Paulista. Durante todo o período de estudo, os recém-nascidos com peso de nascimento inferior a 1500g foram recepcionados pelo neonatologista em berço de alto risco com calor radiante na própria sala de parto, em conjunto com uma enfermeira obstetriz e uma auxiliar de enfermagem. A seguir, foram transportados para a unidade de cuidados intensivos em incubadora de transporte. A UTI neonatal conta com: incubadoras de parede dupla que proporcionam umidificação, controle da 156

3 Edinéia Vaciloto Lima et al. temperatura e suplemento de oxigênio; ventiladores mecânicos de modelo convencional, sincronizado e de alta freqüência; óxido nítrico; oxímetros de pulso, capnógrafos, monitores cardíacos e aparelhos de fototerapia. Exames diagnósticos, como radiografia, ultra-sonografia e ecocardiografia com dopplerfluxometria, estão disponíveis na própria unidade. Existe uma equipe de apoio de médicos especialistas de diversas áreas, profissionais de outras especialidades como fonoaudiólogos, fisioterapeutas, nutricionistas, além de comissões de controle de infecção e de qualidade hospitalar, que realizam visitas periódicas à beira do leito em conjunto com a equipe assistencial de neonatologistas e enfermeiros. A unidade conta ainda com os seguintes serviços de apoio na própria instituição: agência transfusional, lactário, banco de leite humano, laboratório de análises clínicas e microbiologia. O preparo da nutrição parenteral é realizado por um serviço terceirizado. Os dados de cada recém-nascido foram coletados a partir do livro de registros da unidade de terapia intensiva neonatal, dos prontuários dos pacientes e do livro de registro de óbitos neonatais, sendo eles: Peso de nascimento em gramas, determinado em balança eletrônica Filizola, com capacidade máxima de 15kg, mínima de 250g e nível de precisão de 5g. Idade gestacional, em semanas, estimada pela data da última menstruação da mãe, sendo a data provável do parto e a idade gestacional calculadas segundo a regra de Naegele (13) e/ou por meio da ultra-sonografia fetal realizada nas primeiras semanas de gestação. Classificação segundo a idade gestacional, considerandose pré-termo quando inferior a 37 semanas e, de termo, entre 37 semanas e 42 semanas incompletas (14). Adequação do peso de nascimento à idade gestacional, definindo-se como pequenos os com peso inferior ao percentil 10, os adequados situados entre os percentis 10 e 90 e os grandes acima do percentil 90, de acordo com a curva de crescimento intra-uterino de Alexander et al (13). Gestação múltipla: presente ou ausente. Sexo: masculino ou feminino. Tipo de parto: vaginal ou cesáreo. Ano de nascimento. Saída hospitalar: vivo ou morto. A análise descritiva abrangeu os seguintes aspectos relacionados aos pacientes: Freqüência anual, em relação ao total de nascidos vivos. Sobrevida durante a internação hospitalar segundo o ano de nascimento e de acordo com quatro faixas de peso: g, g, g e g. Sobrevida de acordo com o ano de nascimento e conforme as faixas de idade gestacional: 23 a 24, 25 a 27, 28 a 30, 31 a 33 e 34 a 37 semanas. Quanto às variáveis numéricas, peso de nascimento e idade gestacional, calculou-se a média e o desvio-padrão. As categóricas foram expressas pela freqüência de cada evento. Comparou-se a freqüência desses eventos por meio do teste do qui-quadrado de Pearson nos dois grupos: o de saída hospitalar vivo e o de óbito hospitalar. Com o intuito de verificar quais as variáveis associadas à sobrevida, utilizou-se a regressão logística. O primeiro passo compreendeu a escolha das variáveis independentes numéricas (peso de nascimento e idade gestacional) e categóricas (ano de nascimento, adequação peso/idade gestacional, gestação múltipla, sexo e tipo de parto) que entrariam no modelo de regressão. Tais variáveis foram eleitas de acordo com a sua possível importância clínica, iniciando-se o processo iterativo de modelagem até a construção do modelo final que mais se adequou à variável resposta: sobrevida. O modelo final foi considerado significante quando se obteve nível crítico igual ou inferior a 0,05 pelo teste de Hosmer-Lemeshow. Para toda a análise estatística, foi utilizado o software SPSS Em relação aos óbitos intra-hospitalares analisaram-se as seguintes informações: tempo de internação (em dias) e causa do óbito, considerada segundo o diagnóstico clínico do pediatra que o presenciou ou decisão da equipe multidisciplinar, em caso de dúvida. A causa de morte seguiu os critérios da Classificação Canadense de Doenças, constituída dos seguintes itens: infecção, aloimunização Rh, trauma obstétrico, síndrome do desconforto respiratório, desnutrição fetal, asfixia e outras. Se a causa do óbito foi infecciosa, classificou-se em precoce, quando diagnosticada até 72 horas de vida, ou tardia, quando além deste período (10,11). Resultados No período de estudo (março de 2000 a fevereiro de 2004), nasceram nascidos vivos, sendo 153 (1,1%) com peso inferior a 1500g. Destes 153, sete foram excluídos: 1 com peso menor que 500g, 2 com malformação incompatível com a vida, 2 com idade gestacional de 22 semanas e 2 transferidos 157

4 Sobrevida de recém-nascidos de muito baixo peso em maternidade privada de nível terciário para outras instituições. Assim, esse estudo compreendeu 146 recém-nascidos (Tabela 1), sendo a sobrevida global de 82% (Tabela 3). A Tabela 2 mostra as características dos pacientes incluídos no estudo. Verificou-se a média de peso de 1096±284g e de 29,4±3,2 semanas de idade gestacional. A proporção de pequenos para a idade gestacional foi 42%, de gestações múltiplas 39%, do sexo masculino 47% e de parto cesáreo 79%. Do total de 146 pacientes, 145 (99%) eram pré-termo, sendo apenas um recém-nascido com idade gestacional de 37 semanas. Tabela 1 Número total de nascidos vivos e de recém-nascidos de muito baixo peso, segundo o ano de nascimento Nascidos Vivos Ano Muito baixo Total peso n (%) Mar-dez (1,1) (1,1) (1,1) (0,9) Jan-fev (1,5) Total (1,1) Observa-se, na Tabela 3, que, durante os quatro anos de estudo, 23 (16%) pacientes nasceram com peso entre 500 e 749g, 32 (22%) de 750 a 999g, 34 (23%) entre 1000 e1249g e 57 (39%) entre 1250 e 1499g, com sobrevida de 39, 78, 85 e 98%, respectivamente. O total anual de nascidos vivos e a sobrevida por faixa de idade gestacional encontram-se na Tabela 4. Dos 146 pacientes, 11 (8%) nasceram entre 23 e 24 semanas, 36 (25%) entre 25 e 27 semanas, 42 (29%) com 28 a 30 semanas, 47 (32%) entre 31 e 33 semanas e 10 (7%) entre 34 e 37 semanas, sendo a sobrevida de 36, 69, 86, 94 e 100%, respectivamente. Inicialmente, a análise univariada mostrou que os pacientes nascidos de parto cesáreo tiveram maior sobrevida, quando comparados aos nascidos de parto vaginal (Tabela 5). Também se constatou que, ao iniciar a análise de regressão logística, houve uma alta correlação entre as variáveis peso e idade gestacional (Coeficiente de Pearson=0,698; p=0,001), justificando a exclusão da idade gestacional. Dessa maneira, a avaliação das variáveis categóricas, em conjunto com o peso ao nascer, realizada por regressão logística (Tabela 6), gerou um modelo final composto apenas pela variável peso ao nascer (OR 0,995; IC 95% 0,993 a 0,997), resultando na seguinte equação: log (chance de so- Tabela 2 Características dos recém-nascidos de muito baixo peso (RN MBP), segundo o ano de nascimento. Ano PN (g) IG (semanas) PIG Gestação múltipla Sexo masculino Parto cesárea média média n (%) n (%) n (%) n (%) n Mar-dez ,3 13 (21) 8 (28) 12 (43) 21 (75) ,0 12 (20) 11 (35) 20 (64) 26 (84) ,1 13 (21) 15 (37) 21 (52) 28 (70) ,5 18 (30) 16 (45) 14 (39) 31 (86) 36 Jan-fev ,1 5 (8) 7 (64) 2 (18) 10 (91) 11 Total ,4 61 (42%) 57 (39) 69 (48) 116 (79) 146 PN: peso ao nascer; IG: idade gestacional; PIG: pequeno para a idade gestacional RN MBP Tabela 3 Sobrevida intra-hospitalar (%) por categoria de peso ao nascer, segundo o ano de nascimento Ano Saída Vivo / Nascidos Vivos (%) g g g g Total Mar-dez /5 (20) 5/5 (100) 4/6 (67) 12/12 (100) 22/28 (78) /6 (67) 4/5 (80) 8/10 (80) 09/10 (91) 25/31 (81) /8 (25) 9/13 (70) 5/5 (100) 14/14 (100) 30/40 (75) /3 (66) 5/6 (83) 10/11 (91) 16/16 (100) 33/36 (92) Jan-fev /1 (0) 2/3 (66) 2/2 (100) 5/5 (100) 9/11 (82) Total 9/23 (39) 25/32 (78) 29/34 (85) 56/57 (98) 119/146 (82) 158

5 Edinéia Vaciloto Lima et al. brevida) = +0,005 peso(g) 3,614. Assim, a chance de um neonato de muito baixo peso sobreviver aumentou em 0,5 a cada 100g a mais de peso ao nascer, não sendo influenciada pelo ano de nascimento, idade gestacional, adequação peso de nascimento para idade gestacional, gestação múltipla, sexo ou tipo de parto. No período de quatro anos, dentre os 27 óbitos, 22% (6 casos) aconteceram antes de 24 horas de vida, 37% (10 casos) ocorreram do 2º ao 6º dia e 41% (11 casos) após o período neonatal precoce. As causas incluíram infecção (12 casos 44%), seguida das doenças respiratórias (8 casos 30%), insuficiência renal aguda (3 casos 11%), asfixia (3 casos 11%) e hemorragia intracraniana (1 caso 4%). Dentre as causas infecciosas, 40% (5 casos) dos óbitos foram decorrentes de sepse precoce e 60% (7 casos) de sepse tardia. Tabela 4 Sobrevida intra-hospitalar (%) dos recém-nascidos de muito baixo peso, segundo a idade gestacional (semanas) e o ano de nascimento Ano Saída vivo / Nascidos vivos (%) sem sem sem sem sem. Total Mar-dez /3 (0) 4/6 (67) 7/8 (88) 8/8 (100) 3/3 (100) 22/28 (77) /4 (75) 8/9 (89) 3/6 (50) 9/10 (90) 2/2 (100) 25/31 (81) /2 (50) 8/14(57) 12/13 (92) 8/10 (80) 1/1 (100) 30/40 (75) /1 (0) 3/4 (75) 12/13 (92) 15/15 (100) 3/3 (100) 33/36 (92) Jan-fev /1 (0) 2/3 (66) 2/2 (100) 4/4 (100) 1/1 (100) 9/11 (82) Total 4/11(36) 25/36 (69) 36/42 (86) 44/47 (94) 10/10 (100) 119/146 (82) Tabela 5 Análise univariada das variáveis associadas à sobrevida intra-hospitalar dos recém-nascidos de muito baixo peso Variável RN MBP Alta vivo Valor de n (%) qui-quadrado Valor de p Adequação PN/IG Pequeno (76) 3,42 0,06 Adequado (88) Gestação múltipla Sim (86) 1,23 0,267 Não (79) Sexo Masculino (78) 0,91 0,339 Feminino (84) Parto Cesáreo (85) 5,52 0,019 Vaginal (67) PN/IG= peso de nascimento para idade gestacional Tabela 6 Análise de regressão logística com as variáveis associadas à sobrevida intra-hospitalar dos recém-nascidos de muito baixo peso Variável β Erro-padrão Valor de p Odds Ratio IC 95% Inferior Superior Ano de nascimento - 0,079 0,231 0,73 0,924 0,588 1,452 Peso ao nascer - 0,005 0,001 0,00 0,995 0,992 0,998 Idade gestacional 0, ,78 1,042 0,776 1,399 Adequação PN/IG - 0,825 0,772 0,29 0,438 0,096 1,992 Gestação múltipla - 0,070 0, ,932 0,310 2,800 Sexo 0,422 0,519 0,42 1,525 0,552 4,215 Parto - 0,438 0,597 0,46 0,645 0,200 2,077 Constante 3,137 3,191 0,32 23,

6 Sobrevida de recém-nascidos de muito baixo peso em maternidade privada de nível terciário Discussão Múltiplos fatores, como uma boa assistência prénatal, a avaliação detalhada do bem-estar fetal e a qualidade dos cuidados ao nascimento do recém-nascido e na unidade de terapia neonatal, podem aumentar as taxas de sobrevida dos recém-nascidos de muito baixo peso. Ao analisar as principais diferenças encontradas nas taxas de sobrevida de pacientes com peso ao nascer abaixo de 1500g entre os vários serviços, é importante analisar os critérios de exclusão e inclusão adotados, assim como a definição do período em que os óbitos neonatais estão sendo avaliados para não gerar sub ou superestimativas (16). No presente estudo, os 146 pacientes não apresentavam malformações incompatíveis com a vida, assim como foram excluídos aqueles com idades gestacionais menores que 23 semanas e os transferidos para outras instituições. A freqüência de recém-nascidos de muito baixo peso durante os quatro anos do estudo manteve-se em 1%, sendo similar à referida para a população brasileira em 2002 (17). A média de peso de nascimento dos neonatos incluídos nesta pesquisa, ao redor de 1100g, e a da idade gestacional, ao redor de 29 semanas, foram semelhantes às encontradas em outros serviços (7,18-20). Isto mostra a dificuldade de controlar as situações que desencadeiam o parto prematuro, mesmo em populações com acesso adequado ao pré-natal e condições econômicas e sociais boas. Ainda quanto às características dos pacientes, chama atenção que um terço dos neonatos analisados eram pequenos para a idade gestacional, provavelmente devido à alta prevalência de síndromes hipertensivas na gravidez, mesmo nesta população de mães com assistência pré-natal. Por outro lado, o número de gestações múltiplas tem aumentado nos últimos anos, de acordo com dados americanos, europeus e brasileiros (20), devendo-se provavelmente a um maior número e utilização de serviços de reprodução assistida. Em relação ao parto, verificou-se uma maior proporção de parto cesáreo, o que pode decorrer tanto de uma solicitação materna maior e/ou de uma monitorização mais rigorosa do feto pelo obstetra (21). A taxa de sobrevida encontrada no estudo é comparável às da rede Vermont-Oxford (9) e um pouco mais elevada que a de outras instituições da América do Sul (22). Dos neonatos avaliados no presente estudo, aqueles com peso ao nascer entre 1000 e 1499g tiveram sobrevida elevada, similar ao encontrado na rede internacional Vermont-Oxford (9). Neste sentido, esforços devem ser voltados para manter tais taxas de sobrevivência em patamares elevados. Por outro lado, os recém-nascidos de extremo baixo peso ao nascer (<1000g) foram os principais responsáveis pela menor sobrevida neonatal, uma vez que esta sub-população inclui os prematuros no limite de viabilidade, nos quais controvérsias relacionadas à avaliação da maturidade, conduta terapêutica e prognóstico estão presentes e são tema de discussão atual. Dentre estes prematuros de extremo baixo peso, o grupo de 750 a 999g apresentou taxas equivalentes às americanas (sobrevida de 70 a 80%) e, talvez, isto decorra da assistência planejada para estes pacientes que vem sendo concretizada em unidades de terapia intensiva (9,23). Mas, no grupo de 500 a 749g, observou-se sobrevida global nos últimos quatro anos de 39%, inferior aos dados norte-americanos (8,9). O atendimento aos pacientes desta faixa de peso ainda requer esforços conjuntos e ampliados quanto à assistência pré e pós-natal. Este dado é reforçado pela análise de regressão logística, cujo resultado demonstrou que apenas uma variável influenciou na sobrevida da população em estudo: o peso ao nascer. Ressalta-se que a idade gestacional avaliada isoladamente em relação à sobrevida mostrou ser esta última de 70% entre 25 e 27 semanas durante os quatro anos de estudo, semelhante à sobrevida obtida nos estudos canadense (24) e norteamericano (8) e superior à encontrada em unidades neonatais da América do Sul (12,22). Variáveis importantes, mas que não fizeram parte do estudo, como a presença de doenças maternas, em especial a hipertensão arterial, o uso do corticosteróide antenatal na presença de risco de um parto prematuro (25) e da antibioticoprofilaxia recomendada para o controle da colonização materna pelo estreptococo do grupo B (26), além de outras condutas obstétricas podem ter influenciado os resultados em relação à sobrevida dos recém-nascidos com peso ao nascer inferior a 1000g. Outra variável determinada no momento do nascimento não descrita nesta pesquisa e que poderia estar relacionada à sobrevida é o boletim de Apgar. Embora sua avaliação em pacientes de extremo baixo peso seja de difícil interpretação, estudos relatam menor chance de sobrevida intra-hospitalar quando o peso, a idade gestacional e o boletim de Apgar são inferiores a 751g, 25 semanas e 4, respectivamente (21). Quanto à administração de surfactante exógeno, associada ao aumento da sobrevida devido à atenuação da incidência ou morbidade da síndrome do desconforto respiratório (27), ressalta-se que desde o ano 2000 tem sido 160

7 Edinéia Vaciloto Lima et al. rotina da instituição a sua instilação traqueal, em todos os pacientes com peso inferior a 1250g e que necessitam de ventilação mecânica logo após o nascimento. Além das taxas, a análise de sobrevida deve ser acompanhada da determinação das causas de óbito para permitir aos profissionais envolvidos na saúde perinatal traçar metas para a sua melhoria. Após a exclusão das anomalias congênitas, as principais causas de óbito foram: infecções (principalmente tardias), seguida de doenças respiratórias, asfixia perinatal e insuficiência renal aguda. O reconhecimento da época em que se instala o processo infeccioso possibilita o planejamento de medidas preventivas, que poderão colaborar na diminuição da incidência das doenças infecciosas e na determinação da estratégia terapêutica. Deve ser salientada a contribuição da sepse precoce na mortalidade, pois foi responsável por 19% (5/27) dos óbitos e correspondeu a 40% dos 12 casos de causa infecciosa. Também a Rede Brasileira de Pesquisas Neonatais demonstrou que a infecção no período precoce foi causa de 15% dos óbitos em pacientes com peso entre 500g e 1499g no período de 1998 a 1999 (12). Este fato indica que medidas realizadas no pré-natal são necessárias, principalmente no que diz respeito à pesquisa de fatores de risco para infecção perinatal, pois, tanto na instituição da pesquisa quanto nas oito unidades públicas universitárias da Rede Brasileira de Pesquisas Neonatais, ela contribuiu com uma alta proporção de óbitos. Embora 12 (44%) dos 27 óbitos tenham sido de causa infecciosa, a maioria (60% - 7/12) ocorreu após 72 horas de vida. Stoll et al (11) demonstraram que, nos 597 óbitos de pacientes entre 400 e 1500g no período de 1998 a 2000, a infecção tardia pode ter sido a causa de 20 a 35% deles. Além disso, a Rede Brasileira de Pesquisas Neonatais demonstrou que a infecção foi a maior responsável pela mortalidade tardia (92%) no período de 1998 a 1999, nos neonatos com peso ao nascer entre 500 e 1499g (12). Dados norte-americanos sugerem uma dificuldade real no controle da infecção tardia, uma vez que as taxas de sepse comprovada permaneceram semelhantes após um período de sete anos, com cifras de 25% em (10) e de 21% em (11), nos 12 centros da rede de pesquisa das unidades de terapia intensiva neonatais universitárias. Diante da constatação de que 60% dos óbitos por infecção ocorreram tardiamente, as medidas de prevenção tornam-se imprescindíveis, tais como: a utilização mínima possível de procedimentos invasivos, o cuidado com a integridade da pele para evitar a entrada de agentes bacterianos, o conhecimento da flora bacteriana local e sua sensibilidade, com a intenção de oferecer tratamento adequado sem propiciar o crescimento de bactérias multirresistentes, e a monitoração rigorosa dos quadros infecciosos por sinais clínicos e recursos laboratoriais para introduzir um tratamento oportuno. Pode-se concluir que a sobrevida dos recém-nascidos de muito baixo peso nesta maternidade privada manteve-se estável nos últimos quatro anos. Observou-se alta sobrevida para bebês da faixa acima de 750g e de idades gestacionais de 25 a 26 semanas, mas esforços são necessários para melhorar esse índice na faixa de peso de 500 a 749g, assim como em idades gestacionais de 23 a 25 semanas. Neste contexto, é importante uniformizar as condutas obstétricas para proporcionar um melhor tratamento e contar com mães e recém-nascidos mais estáveis clinicamente. Sugere-se, assim, um trabalho de discussão entre os profissionais de saúde que atendem ao recém-nascido de muito baixo peso, principalmente quanto à prevenção das infecções neonatais precoces e tardias. Além disso, as informações que envolvem a fisiopatologia das doenças que acometem os recém-nascidos de muito baixo peso devem ser constantemente atualizadas, levando em conta as novas modalidades terapêuticas. É importante estar atento a esses conhecimentos e divulgá-los à equipe assistencial (28), a fim de alcançar taxas de sobrevida semelhantes a dos países desenvolvidos. 161

8 Sobrevida de recém-nascidos de muito baixo peso em maternidade privada de nível terciário Referências bibliográficas 1. Lussky RC. A century of neonatal medicine Minnesota Medicine, [revista eletrônica] 1999 Dez [citado 1999 Dez]; 82 [cerca de 8 p.]. Disponível em: 2. Wegman ME. Infant mortality in the 20 th century, dramatic but uneven progress. J Nutr 2001;131:401S-8S. 3. Paneth N, Kiely JL, Wallenstein S, Susser M. The choice of place of delivery. Effect of hospital level on mortality in all singleton births in New York City. Am J Dis Child 1987;141: Cooke RWI. Factors affecting survival and development in extremely tiny babies. Semin Neonatol 1996;1: Agustines LA, Lin YG, Rumney PJ, Lu MC, Bonebrake R, Asrat T et al. Outcomes of extremely low-birth-weight infants between g. Am J Obstet Gynecol 2000;182: Rosenberg KD, Desai RA, Na Y, Kan J, Schwartz L. The effect of surfactant on birth weight-specific neonatal mortality rate, New York City. Ann Epidemiol 2001;11: Cartlidge PH, Stewart JH. Survival of very low birth weight and very preterm infants in a geographically defined population. Acta Paediatr 1997;86: Lemons JA, Bauer CR, Oh W, Korones SB, Papile LA, Stoll BJ et al. Very low birth weight outcomes of the National Institute of Child health and human development neonatal research network, January 1995 thorough December Pediatrics 2001;107:E1. 9. Horbar JD, Badger GJ, Carpenter JH, Fanaroff AA, Kilpatrick S, LaCorte M et al. Trends in mortality and morbidity for very low birth weight infants, Pediatrics 2002;110: Stoll BJ, Gordon T, Korones SB, Shankaran S, Tyson JE, Bauer CR et al. Late-onset sepsis in very low birth weight neonates: a report from the National Institute of Child Health and Human Development Neonatal Research Network. J Pediatr 1996;129: Stoll BJ, Hansen N, Fanaroff AA, Wright LL, Carlo WA, Ehrenkranz RA et al. Late-onset sepsis in very low birth weight neonates: the experience of the NICHD Neonatal Research Network. Pediatrics 2002;110: Leone CR, Sadeck LSR, Vaz FC, Almeida MFB, Draque CM, Guinsburg R, Marba STM et al. Brazilian neonatal research network (BNRN): very low birth weight infant morbidity and mortality. Pediatr Res 2001;49:405A. 13. Delascio D, Guariento A. Diagnóstico em Obstetrícia. 3ª ed. São Paulo: Sarvier; World Health Organization. New estimates of perinatal mortality. Wkly Epidemiol Rec 1996;71: Alexander GR, Hines JH, Kaufman RB, Mor J, Kogan M. A United States national reference for fetal growth. Obstet Gynecol 1996;87: Amon E. Limits of fetal viability. Obstetric considerations regarding the management and delivery of the extremely premature baby. Obstet Gynecol Clin North Am 1988;15: Datasus: Informações de saúde. Estatísticas vitais. Nascidos vivos [base de dados na Internet]. Brasília: Ministério da Saúde, 1994 [citado 2003 Set]. Disponível em: 18. Marino WT. Estudo descritivo dos recém-nascidos de muito baixo peso em uma maternidade de nível terciário [tese de mestrado]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo; Prigenzi MLH. Morbimortalidade de recém-nascidos de pré-termo de muito baixo peso no período de 1995 a 2000 [tese de mestrado]. Botucatu (SP): Universidade Estadual Paulista; Mello FB. Sobrevida de recém-nascidos de muito baixo peso em maternidade privada do Município de São Paulo na década de noventa [tese de mestrado]. São Paulo (SP): Universidade Federal de São Paulo; Shankaran S, Fanaroff AA, Wright LL, Stevenson DK, Donovan EF, Ehrenkranz RA et al. Risk factors for early death among extremely low birth weight infants. Am J Obstet Gynecol 2002;186: Grupo Colaborativo Neocosur. Very low birth weight infant outcomes in 11 South American NICUs. J Perinatol 2002;22: Hoyert DL, Freedman MA, Strobino DM, Guyer B. Annual summary of vital statistics: Pediatrics 2001;108, Joseph KS, Kramer MS, Allen AC, Cyr M, Fair M, Ohlsson A et al. Gestational age and birth weight-specific declines in infant mortality in Canada, Canadian Perinatal Surveillance System. Paediatr Perinatal Epidemiol 2000;14: Crowley P. Prophylactic corticosteroids for preterm birth. Cochrane Database Syst Rev 2000;(2):CD American Academy of Pediatrics. Guidelines for perinatal care. 5 th ed. Elk Grove Village: American Academy of Pediatrics and the American College of Obstetricians and Gynecologists; Brown DR, Bloom BT, Cohen M, Myers MM, Egan EA, Kattwinkel J et al. Increased survival in low birth weight neonates given prophylactic surfactant. J Perinatol 1998;18: Moss W, Darmstadt GL, Marsh DR, Black RE, Santosham M. Research priorities for the reduction of perinatal and neonatal morbidity and mortality in developing country communities. J Perinatol 2002; 22:

Vigilância epidemiológica da mortalidade neonatal em RNMBP: análise de 4 anos

Vigilância epidemiológica da mortalidade neonatal em RNMBP: análise de 4 anos 1 Vigilância epidemiológica da mortalidade neonatal em RNMBP: análise de 4 anos Resumo Introdução: A mortalidade neonatal representa 67% da mortalidade infantil no RS. Os RNMBP contribuem com uma parcela

Leia mais

FATORES DE RISCOS OBSTÉTRICOS E NEONATAIS PARA OCORRÊNCIA DE PREMATURIDADE NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR

FATORES DE RISCOS OBSTÉTRICOS E NEONATAIS PARA OCORRÊNCIA DE PREMATURIDADE NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FATORES DE RISCOS OBSTÉTRICOS E NEONATAIS PARA OCORRÊNCIA DE PREMATURIDADE NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR Willian Augusto de Melo 1 ; Francislaine Men Castellini

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS DESVIOS DE CRESCIMENTO FETAL/NEONATAL E ALTERAÇÕES MACROSCÓPICAS PLACENTÁRIAS NA GESTAÇÃO DE ALTO RISCO

RELAÇÃO ENTRE OS DESVIOS DE CRESCIMENTO FETAL/NEONATAL E ALTERAÇÕES MACROSCÓPICAS PLACENTÁRIAS NA GESTAÇÃO DE ALTO RISCO RELAÇÃO ENTRE OS DESVIOS DE CRESCIMENTO FETAL/NEONATAL E ALTERAÇÕES MACROSCÓPICAS PLACENTÁRIAS NA GESTAÇÃO DE ALTO RISCO Resultados Preliminares Wilzianne Silva RAMALHO, Ana Karina Marques SALGE, Raphaela

Leia mais

Prematuridade e actuação na sala de partos. Joana Saldanha 21 Outubro de 2009

Prematuridade e actuação na sala de partos. Joana Saldanha 21 Outubro de 2009 Prematuridade e actuação na sala de partos Joana Saldanha 21 Outubro de 2009 Classificações do RN Baseadas na IG: termo- entre as 37 e as 42 semanas IG prétermo menos de 37semanas pós termo- mais de 42

Leia mais

Avaliação dos óbitos neonatais em recém-nascidos de muito baixo peso em quatro maternidades no Município do Rio de Janeiro, Brasil

Avaliação dos óbitos neonatais em recém-nascidos de muito baixo peso em quatro maternidades no Município do Rio de Janeiro, Brasil ARTIGO ARTICLE 387 Avaliação dos óbitos neonatais em recém-nascidos de muito baixo peso em quatro maternidades no Município do Rio de Janeiro, Brasil Evaluation of neonatal mortality in very low birth

Leia mais

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Educação do olhar enxergar entender AÇÃO compreender entender textos e Condicionantes da Saúde da cria sistemas cidade meio ambiente idoso família pré-natal saúde

Leia mais

HUMANIZANDO OS INDICADORES DE SÃO PAULO

HUMANIZANDO OS INDICADORES DE SÃO PAULO A Humanização no Serviço Público e seus reflexos na Mortalidade Infantil Dra. Miriam Ribeiro de Faria Silveira Maternidade Escola V. Nova Cachoeirinha HUMANIZANDO OS INDICADORES DE SÃO PAULO A Humanização

Leia mais

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 É preciso dosar e repor vitamina D no pré-natal? A dosagem de vitamina D pelos métodos mais amplamente disponíveis é confiável?

Leia mais

Filosofia de trabalho e missões

Filosofia de trabalho e missões Filosofia de trabalho e missões As atividades de ensino e assistência na UTI Neonatal do Hospital São Paulo, Hospital Universitário da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (HPS-EPM/Unifesp),

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

Redução da mortalidade na infância no Brasil. Setembro de 2013

Redução da mortalidade na infância no Brasil. Setembro de 2013 Redução da mortalidade na infância no Brasil Setembro de 2013 Taxa de mortalidade na infância 62 Redução de 77% em 22 anos (em menores de 5 anos) 1990 33 14 2000 *Parâmetro comparado internacionalmente

Leia mais

Período Neonatal: 0 aos 28 dias. Avaliação/classificação. Cuidados na Admissão e Alta. RN de alto risco

Período Neonatal: 0 aos 28 dias. Avaliação/classificação. Cuidados na Admissão e Alta. RN de alto risco CUIDADOS COM O RN Período Neonatal: 0 aos 28 dias Avaliação/classificação Cuidados na Admissão e Alta RN de alto risco CLASSIFICAÇÃO NEONATAL Desde 1967, o Comitê de Fetos e RN da Academia Americana de

Leia mais

Antes da hora. Cesarianas desnecessárias contribuem para o nascimento de bebês imaturos

Antes da hora. Cesarianas desnecessárias contribuem para o nascimento de bebês imaturos 18 fevereiro DE 2015 capa Antes da hora Cesarianas desnecessárias contribuem para o nascimento de bebês imaturos Alice Giraldi e Ricardo Zorzetto ilustração mariana zanetti No início de janeiro o Ministério

Leia mais

Clampeamento do cordão umbilical: qual o momento ideal?

Clampeamento do cordão umbilical: qual o momento ideal? Clampeamento do cordão umbilical: qual o momento ideal? XI Encontro Nacional de Aleitamento Materno 2010/Santos - SP Sonia Venancio PqC VI - Instituto de Saúde/SES/SP soniav@isaude.sp.gov.br Polêmica A

Leia mais

Ilmo. (a). Sr. (a) Secretário (a) Municipal de Saúde de XXXXXX. Prezado (a) Senhor ( a),

Ilmo. (a). Sr. (a) Secretário (a) Municipal de Saúde de XXXXXX. Prezado (a) Senhor ( a), Ofício XXXXXX n 23/ 2012. Salvador, 05 de janeiro de 2012. Ilmo. (a). Sr. (a) Secretário (a) Municipal de Saúde de XXXXXX Prezado (a) Senhor ( a), Cumpre-nos informar que os óbitos infantis de residência

Leia mais

Fatores perinatais associados ao óbito precoce em prematuros nascidos nos centros da Rede Brasileira de Pesquisas Neonatais

Fatores perinatais associados ao óbito precoce em prematuros nascidos nos centros da Rede Brasileira de Pesquisas Neonatais Este logo distingue los artículos originales seleccionados cada año en el Encuentro de editores de las revistas científicas de las Sociedades de Pediatría que integran el Cono Sur. Estos ya fueron publicados

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

elainelemes@baraodemaua.br

elainelemes@baraodemaua.br Associação entre uso de drogas ilícitas na gestação e repercussões no recémnascido da coorte de nascimento de Ribeirão Preto-SP, 200: nascimento pré-termo e perímetro craniano Daniela Ricci Morandim, Laís

Leia mais

Nota Técnica: Prevenção da infecção neonatal pelo Streptococcus agalactiae (Estreptococo Grupo B ou GBS)

Nota Técnica: Prevenção da infecção neonatal pelo Streptococcus agalactiae (Estreptococo Grupo B ou GBS) Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Áreas Técnicas da Saúde da Mulher e da Criança e Assistência Laboratorial Nota Técnica: Prevenção da infecção neonatal pelo Streptococcus

Leia mais

Impacto dos polimorfismos dos receptores da progesterona (PGR) e do hormônio folículo estimulante (FSHR) na ocorrência de parto prematuro.

Impacto dos polimorfismos dos receptores da progesterona (PGR) e do hormônio folículo estimulante (FSHR) na ocorrência de parto prematuro. VII Congresso Catarinense de Ginecologia e Obstetrícia II Congresso Catarinense de Perinatologia Impacto dos polimorfismos dos receptores da progesterona (PGR) e do hormônio folículo estimulante (FSHR)

Leia mais

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando:

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: PORTARIA Nº 3.432/MS/GM, DE 12 DE AGOSTO DE 1998 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: a importância na assistência das unidades que realizam tratamento intensivo

Leia mais

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA OBJETIVO: MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA REDE CEGONHA NOME DO INDICADOR DEFINIÇÃO INTERPRETAÇÃO MÉTODO DE CÁLCULO cadastradas

Leia mais

Associação entre função pulmonar e bronquiolite em lactentes prematuros

Associação entre função pulmonar e bronquiolite em lactentes prematuros PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA MESTRADO EM PEDIATRIA E SAÚDE DA CRIANÇA Associação

Leia mais

MORTALIDADE FETAL SEGUNDO VARIÁVEIS RELACIONADAS À MÃE NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA

MORTALIDADE FETAL SEGUNDO VARIÁVEIS RELACIONADAS À MÃE NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR

PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR PROMOÇÃO DO PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR Ações já realizadas pela ANS desde 2004 Sensibilização do setor, promoção e participação ii em eventos para discussão com especialistas nacionais e internacionais

Leia mais

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1.

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1. 7º Simpósio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DO RISCO PARA MORTALIDADE PÓS-NEONATAL EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE PIRACICABA, INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES Co-Autor(es)

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte.

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA Jessica Neves Pereira (latiifa@hotmail.com)

Leia mais

Diagnóstico precoce de cardiopatia congênita crítica: oximetria de pulso como ferramenta de triagem neonatal

Diagnóstico precoce de cardiopatia congênita crítica: oximetria de pulso como ferramenta de triagem neonatal Diagnóstico precoce de cardiopatia congênita crítica: oximetria de pulso como ferramenta de triagem neonatal Departamentos de Cardiologia e Neonatologia da SBP Elaborado em 7/11/2011 Introdução: Cerca

Leia mais

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Versão eletrônica atualizada em fev/2012 O agente etiológico e seu habitat A doença estreptocócica neonatal é causada por uma bactéria,

Leia mais

Nova curva da OMS 2006: implicações para o crescimento de recém-nascidos pré-termo em comparação com a curva do CDC 2000

Nova curva da OMS 2006: implicações para o crescimento de recém-nascidos pré-termo em comparação com a curva do CDC 2000 ARTIGO ORIGINAL Nova curva da OMS 2006: implicações para o crescimento de recém-nascidos pré-termo em comparação com a curva do CDC 2000 WHO 2006 child growth standards: implications for the preterm growth

Leia mais

Do nascimento até 28 dias de vida.

Do nascimento até 28 dias de vida. Do nascimento até 28 dias de vida. CONDIÇÕES MATERNAS Idade : Menor de 16 anos, maior de 40. Fatores Sociais: Pobreza,Tabagismo, Abuso de drogas, Alcoolismo. Má nutrição História Clínica: Diabetes materna,

Leia mais

Médicos da idoneidade e da capacidade formativa para ministrar o Ciclo de Estudos Especiais de Neonatologia.

Médicos da idoneidade e da capacidade formativa para ministrar o Ciclo de Estudos Especiais de Neonatologia. Regulamento do Colégio de Subespecialidade de Neonatologia da Ordem dos Médicos para reconhecimento de Idoneidade e Capacidade Formativa para ministrar o Ciclo de Estudos Especiais de Neonatologia - Versão

Leia mais

Seminário Métodos em Epidemiologia: ESTUDOS DE COORTE

Seminário Métodos em Epidemiologia: ESTUDOS DE COORTE Seminário Métodos em Epidemiologia: ESTUDOS DE COORTE Cesar Victora, UFPEL Rio, agosto de 25 Tópicos Tipologia e exemplos de coortes Coortes de Pelotas Metodologia Análise Por que fazer coortes no Brasil?

Leia mais

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Os esforços devem se concentrar em garantir que cesáreas sejam feitas nos casos em que são necessárias, em vez de buscar atingir uma taxa específica de cesáreas.

Leia mais

Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor. Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento

Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor. Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor Clique para editar local e data Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento Rio de Janeiro, 06 de julho de 2015 A importância

Leia mais

Mario Julio Franco. Declaração de conflito de interesse

Mario Julio Franco. Declaração de conflito de interesse Mario Julio Franco Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73 PARECER CTUE Nº 03/2014 Porto Alegre, 12 de agosto de 2014. Regras para Transporte Neonatal. I - Relatório Parecer sobre regras para transporte neonatal. II - Análise Fundamentada O transporte inter-institucional

Leia mais

RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL

RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL José de Arimatéa Barreto DEFINIÇÃO Para evitar correlação com função mental anormal, atualmente, o termo preferido é restrição de crescimento fetal (RCF), em substituição

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DA APLICAÇÃO DA SISTEMATIZAÇÃO DE ENFERMAGEM COM RECÉM-NASCIDO EM MÉTODO CANGURU

RELATO DE EXPERIÊNCIA DA APLICAÇÃO DA SISTEMATIZAÇÃO DE ENFERMAGEM COM RECÉM-NASCIDO EM MÉTODO CANGURU RELATO DE EXPERIÊNCIA DA APLICAÇÃO DA SISTEMATIZAÇÃO DE ENFERMAGEM COM RECÉM-NASCIDO EM MÉTODO CANGURU SOARES, Marília Freitas Elias 1 MOREIRA, Michele Pontes 2 SILVA, Emanuele Nascimento 3 SILVA, Eliana

Leia mais

Comparação de Medidas de Idade Gestacional

Comparação de Medidas de Idade Gestacional Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Comparação de Medidas de Idade Gestacional Marcia Furquim de Almeida FSP-USP Ana Maria Rigo Silva CCS-UEL Gizelton Pereira Alencar FSP-USP Tiemi Matsuo

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

Plenária Temática. O fechamento de Maternidades e Unidades de Terapia Intensiva Neonatais no Estado de São Paulo

Plenária Temática. O fechamento de Maternidades e Unidades de Terapia Intensiva Neonatais no Estado de São Paulo Plenária Temática O fechamento de Maternidades e Unidades de Terapia Intensiva Neonatais no Estado de São Paulo Dr. Mário Roberto Hirschheimer Presidente da Sociedade de Pediatria de São Paulo SPSP Coordenador

Leia mais

Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno

Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno 1 Ter uma política de aleitamento materno escrita, que seja rotineiramente transmitida a toda a equipe de cuidados da saúde. 2 Capacitar toda equipe de

Leia mais

Fatores associados à mortalidade infantil no Município de Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil: estudo de caso-controle* doi: 10.5123/S1679-49742011000400008

Fatores associados à mortalidade infantil no Município de Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil: estudo de caso-controle* doi: 10.5123/S1679-49742011000400008 Artigo original Fatores associados à mortalidade infantil no Município de Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil: estudo de caso-controle* doi: 10.5123/S1679-49742011000400008 Associated Factors and Infant Mortality

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS INDICADORES DE RISCO PARA A DEFICIÊNCIA AUDITIVA NUM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA PERDA AUDITIVA NO RECÉM NASCIDO

PREVALÊNCIA DOS INDICADORES DE RISCO PARA A DEFICIÊNCIA AUDITIVA NUM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA PERDA AUDITIVA NO RECÉM NASCIDO PREVALÊNCIA DOS INDICADORES DE RISCO PARA A DEFICIÊNCIA AUDITIVA NUM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA PERDA AUDITIVA NO RECÉM NASCIDO BURITI¹, Ana CARNEIRO², Cláudia CAVALVANTI³, Hannalice FERREIRA 4, Danilo OLIVEIRA

Leia mais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013 Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Mortalidade Minas Gerais Janeiro a Outubro 2013 1 Óbitos fetais 2076 Óbitos

Leia mais

EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES

EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES Ana Karolina Paiva Braga 1 ; Juliana Campos Rodovalho 1 ; Lílian Fernanda Pacheco 2 ; Cibelle Kayenne Martins Roberto Formiga

Leia mais

A MORTALIDADE INFANTIL NO ESTADO DA BAHIA, BRASIL *

A MORTALIDADE INFANTIL NO ESTADO DA BAHIA, BRASIL * A MORTALIDADE INFANTIL NO ESTADO DA BAHIA, BRASIL * José Duarte de ARAÚJO ** RSPU-B/158 ARAÚJO, J. D. de A mortalidade infantil no Estado da Bahia, Brasil. Rev. Saúde públ., S. Paulo, 7 29-36, 1973. RESUMO:

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P.

CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P. CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P. Luana Muriel Casarolli 1 Aneline Maria Ruedell Juliana Montijo Pinto Rosa Déborah

Leia mais

ESTUDO DE CASO MATERNIDADE DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO

ESTUDO DE CASO MATERNIDADE DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO INSTITUTO DE SAÚDE DA COMUNIDADE DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO EM SAÚDE PLANEJAMENTO E GERÊNCIA EM SAÚDE II ESTUDO DE CASO MATERNIDADE DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO Professores: Dra. Luciana Alves

Leia mais

Gean Carlo da Rocha. Declaração de conflito de interesse

Gean Carlo da Rocha. Declaração de conflito de interesse Gean Carlo da Rocha Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

2000 2003 Porto Alegre

2000 2003 Porto Alegre 2000 2003 Porto Alegre 1 Tabela 1- Série histórica do número de óbitos e Coeficientes de Mortalidade Geral (CMG) no Brasil, Rio Grande do Sul e Porto Alegre, 1980-2003 Brasil RS Porto Alegre Ano óbitos

Leia mais

ORDEM DOS MÉDICOS SUBESPECIALIDADE DE NEONATOLOGIA PROGRAMA DE FORMAÇÃO

ORDEM DOS MÉDICOS SUBESPECIALIDADE DE NEONATOLOGIA PROGRAMA DE FORMAÇÃO ORDEM DOS MÉDICOS SUBESPECIALIDADE DE NEONATOLOGIA PROGRAMA DE FORMAÇÃO A aprendizagem resultante da aplicação deste curriculum deve resultar num neonatologista europeu com reconhecida idoneidade para

Leia mais

PARECER COREN-SP 019/2014 CT PRCI n 103.894/2013 Ticket n 317.049

PARECER COREN-SP 019/2014 CT PRCI n 103.894/2013 Ticket n 317.049 PARECER COREN-SP 019/2014 CT PRCI n 103.894/2013 Ticket n 317.049 Ementa: Administração de surfactante em neonatos por Enfermeiro. 1. Do fato Profissional questiona se o Enfermeiro pode realizar administração

Leia mais

EFETIVIDADE DE AÇÕES DE APOIO DE UMA ORGANIZAÇÃO NÃO GOVERNAMENTAL (ONG) AO TRATAMENTO DE CRIANÇAS EM RISCO SOCIAL

EFETIVIDADE DE AÇÕES DE APOIO DE UMA ORGANIZAÇÃO NÃO GOVERNAMENTAL (ONG) AO TRATAMENTO DE CRIANÇAS EM RISCO SOCIAL Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Instituto Fernandes Figueira EFETIVIDADE DE AÇÕES DE APOIO DE UMA ORGANIZAÇÃO NÃO GOVERNAMENTAL (ONG) AO TRATAMENTO DE CRIANÇAS EM RISCO SOCIAL Ana Maria Aranha

Leia mais

Prematuridade: Ocorrência, fatores de risco, complicações e atuação fisioterapêutica em uma UTI Neonatal. Cristina Midori Morita Hagio Pesquisadora

Prematuridade: Ocorrência, fatores de risco, complicações e atuação fisioterapêutica em uma UTI Neonatal. Cristina Midori Morita Hagio Pesquisadora Prematuridade: Ocorrência, fatores de risco, complicações e atuação fisioterapêutica em uma UTI Neonatal Fisioterapia Cristina Midori Morita Hagio Pesquisadora Msª. Ana Damaris Gonzaga Orientadora Resumo

Leia mais

Assistência e mortalidade neonatal no setor público do Município do Rio de Janeiro, Brasil: uma análise do período 1994/2000

Assistência e mortalidade neonatal no setor público do Município do Rio de Janeiro, Brasil: uma análise do período 1994/2000 ARTIGO ARTICLE 1269 Assistência e mortalidade neonatal no setor público do Município do Rio de Janeiro, Brasil: uma análise do período 1994/2000 Neonatal care and mortality in public hospitals in Rio de

Leia mais

Exercício Profissional da Enfermagem

Exercício Profissional da Enfermagem Drª Janine Schirmer Profª Titular do Departamento Enfermagem na Saúde da Mulher da Escola Paulista de Enfermagem Vice Presidente do Conselho Gestor do Hospital Universitário Coordenadora da Residência

Leia mais

Estudos de risco: Delineamento (desenho) da coorte

Estudos de risco: Delineamento (desenho) da coorte EPI3 Estudos de risco: Delineamento (desenho) da coorte investigador População elegível Exposto Não exposto (controle) desfecho Sem desfecho desfecho Sem desfecho Risco Risco = Probabilidade de ocorrer

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

PROGRAMAS DAS PROVAS NÍVEL E

PROGRAMAS DAS PROVAS NÍVEL E PARA TODOS OS CARGOS: PORTUGUÊS: 1. Compreensão de textos informativos e argumentativos e de textos de ordem prática (ordens de serviço, instruções, cartas e ofícios). 2. Domínio da norma do português

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

Parto pré-termo. 2 Estimativa do peso ou da idade gestacional como base para opções de assistência. 1 Introdução CAPÍTULO 37

Parto pré-termo. 2 Estimativa do peso ou da idade gestacional como base para opções de assistência. 1 Introdução CAPÍTULO 37 CAPÍTULO 37 Parto pré-termo 1 Introdução 2 Estimativa do peso ou da idade gestacional como base para opções de assistência 3 Tipos de parto pré-termo 3.1 Morte pré-parto e malformações letais 3.2 Gravidez

Leia mais

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal Grupo temático: Direito à vida, à saúde e a condições

Leia mais

Sigla do Indicador. TDIHCVC UTI Adulto. TDIHCVC UTI Pediátrica. TDIHCVC UTI Neonatal. TCVC UTI Adulto

Sigla do Indicador. TDIHCVC UTI Adulto. TDIHCVC UTI Pediátrica. TDIHCVC UTI Neonatal. TCVC UTI Adulto Sigla do Indicador Domínio do Indicador Taxa de densidade de incidência de infecção de corrente sanguínea associada a cateter venoso central (CVC) na UTI Adulto TDIHCVC UTI Adulto SEGURANÇA Taxa de densidade

Leia mais

Valor preditivo dos escores de SNAP e SNAP-PE na mortalidade neonatal

Valor preditivo dos escores de SNAP e SNAP-PE na mortalidade neonatal 0021-7557/01/77-06/455 Jornal de Pediatria Copyright 2001 by Sociedade Brasileira de Pediatria Jornal de Pediatria - Vol. 77, Nº6, 2001 455 ARTIGO ORIGINAL Valor preditivo dos escores de SNAP e SNAP-PE

Leia mais

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ Ricardo Oliveira Santiago Francisco Herlânio Costa Carvalho INTRODUÇÃO: - Trombocitopenia pode resultar de uma variedade de condições fisiológicas e patológicas na gravidez.

Leia mais

Aleitamento materno: estudo da associação das variáveis do instrumento de avaliação da prontidão do prematuro para iniciar alimentação oral *

Aleitamento materno: estudo da associação das variáveis do instrumento de avaliação da prontidão do prematuro para iniciar alimentação oral * Aleitamento materno: estudo da associação das variáveis do instrumento de avaliação da prontidão do prematuro para iniciar alimentação oral * Palavras chave: prematuro; aleitamento materno. Introdução

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I DE ACORDO COM O ESTABELECIDO PELA PORTARIA Nº 3432 /GM/MS, DE 12 DE AGOSTO DE 1998, REFERENTE

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

ULTRASSONOGRAFIA EM OBSTETRÍCIA ASPECTOS PRÁTICOS. DR. RAFAEL FREDERICO BRUNS Professor Adjunto Departamento de Tocoginecologia - UFPR

ULTRASSONOGRAFIA EM OBSTETRÍCIA ASPECTOS PRÁTICOS. DR. RAFAEL FREDERICO BRUNS Professor Adjunto Departamento de Tocoginecologia - UFPR ULTRASSONOGRAFIA EM OBSTETRÍCIA ASPECTOS PRÁTICOS DR. RAFAEL FREDERICO BRUNS Professor Adjunto Departamento de Tocoginecologia - UFPR É necessário fazer ultrassonografia de rotina? Background Many clinicians

Leia mais

Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC

Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC Coordenadoria de Planejamento de Saúde Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC Área Técnica da Saúde da Mulher SES/SP Rossana Pulcineli Vieira Francisco - Assessora Técnica

Leia mais

Predição da Pré-eclâmpsia no Primeiro Trimestre

Predição da Pré-eclâmpsia no Primeiro Trimestre Predição da Pré-eclâmpsia no Primeiro Trimestre JOSÉ PAULO DA SILVA NETTO 12w Specialist care 12-34w 22w 36w 41w PIRÂMIDE DE CUIDADO PRÉ-NATAL: PASSADO E PRESENTE Prevenção da pré-eclâmpsia Baixa dose

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Combatendo a Mortalidade Materna e Infantil: Maximizando a Atuação das Agentes de Saúde do Município de Altônia

Mostra de Projetos 2011. Combatendo a Mortalidade Materna e Infantil: Maximizando a Atuação das Agentes de Saúde do Município de Altônia Mostra de Projetos 2011 Combatendo a Mortalidade Materna e Infantil: Maximizando a Atuação das Agentes de Saúde do Município de Altônia Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação,

Leia mais