Medeia: uma mulher muito além das fronteiras

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Medeia: uma mulher muito além das fronteiras"

Transcrição

1 Medeia: uma mulher muito além das fronteiras Valesca Campista 1 e Heloisa Caldas 2 [...] E, cedo descobri que as paixões, muitas vezes, levam à dor. Freud, 1900 Crês que é pequena a dor para as mulheres? Medeia Afinal o que querem as mulheres? Esse foi o tema de um programa de TV que faz eco à questão atribuída a Freud, no qual um homem faz um estudo sobre o que querem as mulheres e estas apontam para o enigma e o desejo do que lhe falta, como já anunciava Camile Claudel na carta endereçada a Rodin (1886) : Há sempre algo de ausente que me atormenta (Rivière & Gaudichon, 2003). As mulheres são infinitas, muitas, amantes, apaixonadas, levianas, recatadas, confiáveis, inconstantes; segundo a psicanálise lacaniana, elas só podem ser tomadas uma a uma como, por exemplo, sinalizam os Contos de Canterbury, escritos pelo inglês, Geoffey Chaucer (1386/1987). Esses contos, narram acontecimentos curiosos em textos recheados de passagens pitorescas, citações clássicas, ensinamentos morais, relacionados à vida e aos costumes do século XIV na região da Cantuária e, por extensão, no resto da ilha britânica. No conto, há um rapaz que violou uma jovem e escapou da morte imediata, graças à rainha que decidiu absolvê-lo caso ele conseguisse responder a seguinte pergunta: o que as mulheres mais querem? O rapaz saiu então pelo mundo, propondo a questão a todas as mulheres que encontrava, sem jamais encontrar uma resposta que se repetisse. Entretanto, num determinado momento, ele se depara com uma senhora que parecia bem idosa (em torno de cem anos) e esta lhe dá uma resposta convincente: o que as mulheres mais querem é a liberdade, querem ser livres para fazerem o que bem entenderem. Quando o rapaz reproduziu essa resposta para 1 Psicanalista; Membro do Corpo Freudiano Escola de Psicanálise, Seção Campos dos Goytacazes; Doutoranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise pela UERJ, sob orientação da Profª Drª Heloisa Caldas; Mestre em Pesquisa e Clínica em Psicanálise pela UERJ; Professora da Universidade Estácio de Sá; Professora Temporária da Universidade Federal Fluminense Pólo Campos dos Goytacazes. 2 Psicanalista; Professora Adjunta do Instituto de Psicologia da UERJ e do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise; Membro da Escola Brasileira de Psicanálise EBP e da Associação Mundial de Psicanálise AMP. Autora de: Da voz à escrita. Clínica psicanalítica e literatura. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2007.

2 a rainha, o silêncio tomou conta do salão. Como nenhuma das mulheres presentes (casadas, solteiras ou viúvas) discordou dessa afirmativa a pena de morte foi suspensa. O conto permanece contemporâneo ao desejo feminino. A mulher vive, portanto, uma experiência extenuante, que Lemoine-Luccioni (1995, p. 73) denominou de prosopopeia da feminilidade, quando a autora destaca que a mulher espera tudo do outro como objeto exterior de amor e por esse motivo ela erra como uma alma penada. A feminilidade diz: 2 [...] sou fraca, um nada. Sou o dom feito mulher. Não me pertenço. Sem você não sou nada. Espero tudo de você. Sobretudo não se afaste. Quando você não está aí não vivo mais. Serei como você quiser, bela, infantil, mas também apaixonada. Serei sua amante, sua esposa, sua irmã e sua mãe, tudo junto e mesmo sua amiga. Mas, sob a condição que você me ame (Idem, p. 74). Na posição feminina parece haver uma barganha, na qual a mulher se oferece inteira para o amor. A mulher fica, portanto, inteiramente suspensa no que se refere ao desejo do Outro, sem descobrir o seu próprio desejo; afinal como Lacan afirma em um de seus axiomas, o desejo do homem é desejo do Outro (Lacan, /2005, p. 31). Para Lacan, ao abordar a dialética demanda/desejo, a demanda se distingue da satisfação, na medida em que ela é presença ou ausência, situando-se aquém das necessidades. A demanda constitui o Outro como aquele que tem o privilégio de propiciar a satisfação das necessidades. Esse privilégio do Outro, assim, desenha a forma radical do dom daquilo que ele não tem, ou seja, o que chamamos de seu amor. Lacan prossegue articulando que ao incondicionado da demanda o desejo não é nem o apetite de satisfação, nem a demanda de amor, mas a diferença que resulta da subtração do primeiro à segunda, o próprio fenômeno de sua fenda (Lacan, 1958/1998, p. 698). O que está em jogo na dialética demanda/desejo é o falo. Para Lacan, o falo é um significante que de um lado protege e do outro mascara. Como significante, o falo dá razão ao desejo e é para ser o falo, isto é, o significante do desejo do outro que a mulher vai rejeitar uma parcela essencial da feminilidade, nomeadamente todos os seus atributos na mascarada. É pelo que ela não é que ela pretende ser desejada, ao mesmo tempo que amada (Idem, p. 701). O falo como significante privilegiado determina um não há, um lugar vazio que convoca sempre uma suplência. Isso levou Lacan ( /1985, p. 62) a formular que como entre os sexos não há relação sexual o que vem em suplência a relação sexual, precisamente

3 é o amor. É no ponto em que algo não se inscreve que o amor e a arte podem ter função de suplência, suplência no sentido de suprir algo que não se deu, como uma criação que permita cercar o impossível do saber inconsciente. O falo denota o poder de significação que é vazio de conteúdo e se articula ao nonsense, no qual significação e sentido se enlaçam. Lacan (1958/1998) mostra que o falo na doutrina freudiana não é uma fantasia nem um objeto parcial, muito menos um órgão que ele possa simbolizar. Lacan descreve o falo como um significante velado, destinado a designar os seus efeitos de significado e, dessa forma, garantir a possibilidade dos objetos serem tomados como equivalentes na ordem do desejo. O falo como um significante permite que o furo permaneça na cadeia, porém bastardo, um filho fora da cadeia, ilegítimo. É ele, entretanto, que promove a cadeia discursiva. O falo é visado pelo sujeito por ser exatamente o que lhe falta e é preciso reconhecer a condição de que todo sujeito está submetido a uma falta que se situa alhures e que se refere ao desejo. É o falo que empresta brilho aos objetos e a todas as fantasias relativas ao desejo. Ele não tem consistência, aponta para o acesso ao simbólico, pois é uma ausência presente que impulsiona o desejo a ir além. 3 O feminino na vida amorosa Na clínica, é muito comum ouvir queixas sobre as dificuldades amorosas, sobre a falta de atenção dos parceiros, de serem incompreendidas, de não serem amadas. As mulheres insistem em saber o que é uma mulher para um homem, além do que ela possa lhe oferecer como falo. Elas o convocam a responder pelo seu valor, além da satisfação fálica que ele possa obter com elas. O desejo de ser amada, mais do que de amar, é encontrado, principalmente, nas mulheres. E, caso esse desejo ocorra de forma muito intensa em um homem, podemos dizer, em consonância com Lacan (1960/1998), que ele está numa posição feminina frente ao Outro. Com Lacan, a lógica da vida amorosa é trabalhada em dois momentos de sua teoria. Primeiramente, ele desdobra a vacilação subjetiva entre ter ou não ter o falo acrescentando a de sê-lo ou não. Posteriormente, ele ultrapassa a referência exclusiva ao falo para propor a coexistência de duas lógicas: uma fálica que organiza, com recursos do simbólico e do imaginário, o circuito do desejo e a contabilidade do gozo; e outra, mais própria ao real, na qual não há nome, nem medida, para o gozo. A partilha sexual pensada em função dessas

4 lógicas situa o masculino naquilo que o falo rege e o feminino no desmesurado (Lacan, 1973). Como coexistem, pode-se verificar, caso a caso, como um sujeito se arranja, tendendo mais para uma ou outra. A predominância de uma é o malefício da outra. A força do falo defende o sujeito do gozo sem limites, mas mortifica o vivo do gozo. O gozo desenfreado não localiza o sujeito, tampouco o defende da pulsão de morte que excede à vida. Lacan adjetivou a lógica fálica de para todos, uma vez que o falo como significante permite agrupar elementos em função de um traço que vale para todos. Na outra lógica, ao contrário, o falo não conta, portanto não se tem um traço para formar conjunto; cada elemento submetido a ela é impar. Em função disso, ele adjetivou-a como não toda, situando nela o objeto a de gozo e o enigma do Outro ( /A ), vivido especialmente no corpo como alteridade. Para o sujeito feminino, na neurose, a erotomania é também a estrutura de sua forma de amar. Lacan (1960) distingue duas formas de amor, elucidadas por Jacques Alain-Miller (2003) o amor fetichista e a erotomania. Na forma fetichista de amar, a lógica fálica predomina. O fetiche, significante fixado da fantasia, comanda o objeto de gozo e pretende responder à falta do Outro S( /A ) sem deixar resto. Seu relativo sucesso em cifrar o desejo que acede ao gozo faz com que sirva, repetidas vezes, para o mesmo fim. Na erotomania, a lógica do não todo predomina, a operação fálica é precária. Trata-se de um amor que pretende remediar a falha do significante, pois este não recobre a falta do Outro. Verifica-se, nessa forma de amor, a demanda por uma identificação relativa ao ser. A erotomania ainda que deduzida a partir da construção de delírios psicóticos que expressam certeza quanto ao Outro como em ele me ama, estou certo disso não é exclusividade da psicose. Poderíamos ensaiar um cogito amoroso para a erotomania, mais trans-estrutural, formulado nos termos se amada, logo sou. Torna-se evidente a demanda de um significante do campo do Outro que possa nomear e circunscrever o campo de gozo do sujeito. A demanda de amor clama, em última instância, por um nome próprio que nomeie o ser. No amor busca-se então uma completude ilusória porque impossível. Motor das mais variadas paixões humanas, responsável por guerras, uniões, encontros, desencontros, tragédias e nos inquieta, o amor nos leva a interrogar sobre algo que talvez, como disse Freud, os poetas respondam melhor. O amor, poderíamos dizer, é o que faz com que uma mulher, a exemplo de Medeia, heroína da tragédia grega, explore uma zona desconhecida, ultrapasse todos os limites, uma região sem marcas, mais além das fronteiras (Miller, 2010, p. 9). 4

5 A paixão exacerba o sentimento inerente ao amor, conferindo ao sujeito uma ilusão de completude como efeito derradeiro da estrutura. A paixão torna o objeto imprescindível, razão pela qual a sua perda provoca no sujeito, uma tentativa desesperada de mantê-lo. Diante da perda do objeto amoroso da paixão, modos distintos de enfrentamento podem ocorrer, pois, como afirma Lacan (1974/2003: 538) as mulheres são conciliadoras, a ponto de não haver limites para as concessões que cada uma faz para um homem: de seu corpo, de sua alma, de seus bens. O feminino é o que excede ao campo fálico, ou seja, a posição feminina está referida ao campo relativo a uma indiferenciação originária, ao real, assim como, a uma suplementação, que se impõe frente à limitação do universo fálico da representação. Miller (2010) afirma que as mulheres são amigas do real e esse sentido pode ser atribuído a elas um saber-fazer, savoir-faire, saber implicado na ação, na vida, saber irrepresentável, mas que nem por isso é impossível de ser experimentado. É esse saber que encontramos em Medeia, uma mulher além do falo, além das fronteiras. 5 Medeia, uma mulher além do falo A tragédia grega de Eurípedes foi apresentada, pela primeira vez, em 431 a. C. Encena a história de Jasão, argonauta e marido de Medeia, que a abandona para se casar com Glauce, filha de Creonte. Na peça narra-se o sofrimento de Medeia que, entregue às dores, é capaz de tudo ao descobrir que seu homem não mais a desejava. Ela havia abandonado a família, traído seu pai, seu país, fugido com o amado Jasão, com quem, por isso, vivia no exílio, em Corinto. Durante a fuga matara seu irmão que havia levado consigo para despistar o pai. Medeia consentira com tudo o que Jasão quisera, não havendo desavenças entre eles. Ela havia sido uma esposa e mãe perfeita. O paraíso despenca quando Jasão, ao invés de honrá-la e faze-la honrada em Corinto, anuncia que vai se casar com outra mulher, a filha de Creonte, rei de Corinto. Medeia afirma que essa situação é um ultraje. Ela perde a alegria de viver e é tomada pelo pranto. Pobre de mim triste de dores [...]. Esta sorte que rui sobre mim súbita rompeu-me o peito; parto pois perdi o prazer de vida: quero a morte amigas! O esposo que era tudo para mim tornou-se bem o sabe o pior dos homens. De quantos seres alma e mente têm, nós os mais míseros, mulheres, somos [...] (Oliveira, 2006, p. 33).

6 Para que Medeia vá embora, Jasão lhe faz todas as ofertas possíveis, assegurando que nada faltará a ela e aos filhos. Medeia se recusa a aceitar qualquer oferta e afirma que o ter já não tem nenhum valor para ela. Propõe-se então a elaborar sua vingança que consiste em retirar de Jasão o que ele mais ama: sua atual mulher e seus filhos. Medeia mata, assim, com um punhal, os filhos mesmo os amando profundamente, como destaca Eurípedes. Além disso, Creonte e Glauce também morrem vítimas do seu veneno enviado em grinaldas de ouro. Miller (2010, p. 8) destaca que o que há de mulher nela supera o que há de mãe, que não se deve imitá-la, mas ela constitui o exemplo radical do que significa ser mulher mais além de ser mãe, a saber, que é capaz de sacrificar o que tem de mais precioso para abrir no homem um buraco que jamais será preenchido. É a voracidade da pulsão em Medeia que desvela o trágico, não em sua dimensão de horror e sim, no sentido grego, tragikós, a saber, o que evidencia o desejo. A heroína da tragédia grega é movida, então, por uma fúria sanguinária e uma paixão desmesurada em que ser o objeto de gozo de um homem atualiza a perda de uma libra de carne, lançando-a no limite do intolerável. Uma mulher amar mais do que ser amada revela a sua posição frente ao falo. A função fálica pode falhar naquilo que é sua atribuição, a saber, regulação simbólica - das palavras e do pensamento; imaginária da realidade psíquica e fantasmática; real - da regulação do gozo. Diante da falha o que temos é uma irrupção do real como se pode perceber em Medeia, um exemplo da mulher devastada, quando só a carnificina pode lhe fazer resgatar o desejo. E, é o ato de medeia que resgata a dimensão do seu desejo, ela sai do seu enorme sofrimento e foge para Atenas, onde é acolhida, pelo rei Egeu e se lança numa nova trilha. Para encerrar, faço nossas as palavras de Miller: pobres dos homens que não conseguem reconhecer nas esposas as Medeias. 6

7 REFERÊNCIAS 7 CALDAS, H. (2009) Cartas de amor semblante. Latusa, Revista da EBP-Rio: Sintoma e semblantes na vida e na análise, n. 14. Rio de Janeiro: EBP-Rio. CHAUCER, J. (1386/1987) Contos de Cantuária, T. A. Queiroz, Editor. Disponível em FREUD, S. (1932/1990) A feminilidade. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago Editora, vol. XXII. LACAN, J. (1958/1998) A significação do falo. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. (1960/1998) Diretrizes para um congresso sobre sexualidade feminina. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. ( /2005) A angústia. Rio de janeiro: Jorge Zahar Editor. (1973/2003) O aturdito. Outros escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. (1974/2003) Televisão. Outros Escritos, Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. LEMOINE-LUCCIONI, E. (1995) A mulher não-toda. Rio de Janeiro: Revinter. MILLER, J-A. (2003) Uma partilha sexual. In: Clique, nº 2. Revista dos Institutos Brasileiros do Campo Freudiano: O sexo e seus furos. Belo-Horizonte: Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais. (2010) Mulheres e semblantes II. Opção Lacaniana online nova série, ano 1, número 1. Rio de Janeiro: EBP. OLIVEIRA, F. R. (2006) Medeia de Eurípedes. São Paulo: Odysseus Editora. RIVIÈRE, A. & GAUDICHON, B. (2003) Carta de Camille Claudel a Rodin, Camille Claudel: correspondance. Paris: Gallimard.

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset No início da experiência analítica, foi o amor, diz Lacan 1 parafraseando a fórmula no

Leia mais

A Outra: o delírio da histérica

A Outra: o delírio da histérica Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 1 Ana Martha Maia e Maria Fátima Pinheiro Desde Freud, podemos dizer que a fantasia e o delírio são construções ficcionais

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

Há ou não um ato sexual? 1

Há ou não um ato sexual? 1 Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 Há ou não um ato sexual? 1 Patrícia Badari Um, dois, três..., uma série de homens, uma série de encontros sexuais é o que ouvimos

Leia mais

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES Daniela de Oliveira Martins Mendes Daibert Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ);

Leia mais

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA Doris Rinaldi 1 A neurose obsessiva apresenta uma complexidade e uma riqueza de aspectos que levou, de um lado, Freud a dizer que tratava-se do tema mais

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

A bela Junie 1 : uma conversa sobre o amor Ângela Batista 2

A bela Junie 1 : uma conversa sobre o amor Ângela Batista 2 A bela Junie 1 : uma conversa sobre o amor Ângela Batista 2 Chistophé Honoré, diretor do filme A bela Junie, inspira-se no romance A Princesa de Clèves, publicado anonimamente por Madame de Lafayette,

Leia mais

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante Heloisa Caldas ** Minha contribuição para este número de Latusa visa pensar o amor como um semblante que propicia um tratamento

Leia mais

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 5 Julho 2011 ISSN 2177-2673 : uma máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues O que tem sido feito do silêncio no mundo atual? Acabou o silêncio? Se

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Filho, não vês que estou queimando! Ondina Maria Rodrigues Machado * Fui a Salvador para o XV Encontro Brasileiro do Campo Freudiano, mas não só para isso. Fui

Leia mais

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas,

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas, Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? Fernanda Samico Küpper É notória a contribuição que as mulheres sempre deram à engrenagem da psicanálise enquanto campo teórico. Desde Anna O., passando

Leia mais

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM...

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... Adelson Bruno dos Reis Santos adelsonbruno@uol.com.br Mestrando em Psicologia - IP/UFRJ; Bolsista CAPES; Membro do CLINP-UFRJ/CNPq (Grupo de Pesquisa Clínica Psicanalítica);

Leia mais

Analista em função ama?

Analista em função ama? Analista em função ama?... o amor demanda o amor. Ele não deixa de demandá-lo. Ele o demanda... mais... ainda (Lacan) (1) Este texto é causado pelo interrogante insistente sobre o que é do amor ao final?

Leia mais

O sonho e o despertar

O sonho e o despertar 189 Nery Filho, MacRae, Tavares e Rêgo O sonho e o despertar Jane Alves Cohim Silva 1 A partir do atendimento clínico a adolescentes é possível observar que, mesmo que alguns comportamentos sejam considerados

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana Fome de quê? Daniela Goulart Pestana O trabalho a seguir fruto de um Cartel sobre sintomas alimentares, propõe a ser uma reflexão dos transtornos alimentares mais comuns de nossa contemporaneidade. O eixo

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2 DAR CORPO AO SINTOMA NO LAÇO SOCIAL Maria do Rosário do Rêgo Barros * O sintoma implica necessariamente um corpo, pois ele é sempre uma forma de gozar, forma substitutiva, como Freud bem indicou em Inibição,

Leia mais

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada 2001 Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Márcio Peter de Souza Leite Conteúdo Argumento...

Leia mais

O amor em análise: algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa

O amor em análise: algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN 2177-2673 : algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa [...] Falar de amor, com efeito, não se

Leia mais

Falar, amar, gozar e escrever

Falar, amar, gozar e escrever Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 4 Março 2011 ISSN 2177-2673 1 Fernanda Hernani O objetivo desse trabalho é pensar, à luz da psicanálise lacaniana, a relação da escrita com o amor. Para isso

Leia mais

Há um acontecimento de corpo

Há um acontecimento de corpo Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 1 Ram Avraham Mandil Para uma discussão sobre a lógica do tratamento a partir do Seminário...ou pior, de Jacques Lacan, gostaria

Leia mais

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador O sujeito e o sexual: no contado já está o contador Nilda Martins Sirelli Psicanalista, doutoranda em Memória Social pela UNIRIO, professora do curso de graduação em Psicologia da Universidade Estácio

Leia mais

Angústia e sexualidade masculina

Angústia e sexualidade masculina Angústia e sexualidade masculina Palavras-chave: angústia, falo, órgão real, virilidade Sérgio Laia * Em psicanálise, a associação entre angústia e sexualidade masculina é geralmente abordada a partir

Leia mais

Clarice Gatto. O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável

Clarice Gatto. O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável Clarice Gatto O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável Trabalho a ser apresentado na Mesa-redonda Poder da palavra no III Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e IX

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

O amor e seu enlace com o saber e o gozo

O amor e seu enlace com o saber e o gozo O amor e seu enlace com o saber e o gozo Analisaremos a função do amor na vida de Vincent Van Gogh devido o laço estabelecido entre a morte e o amor. Utilizaremos a biografia feita pela cunhada e um epistolário

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Maria José Gontijo Salum Em suas Contribuições à Psicologia do Amor, Freud destacou alguns elementos que permitem

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA Marcio Luiz Ribeiro Bacelar Wilson Camilo Chaves A expressão retificação subjetiva está presente tanto nas

Leia mais

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania?

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? 2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? Giselle Fleury(IP/UERJ), Heloisa Caldas(IP/UERJ) Para pensar, neste trabalho, a neurose e a psicose em relação

Leia mais

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito interessantes a respeito do acting out, entre elas, que ele é uma mensagem... sempre dirigido

Leia mais

A adoção de uma ficção 1

A adoção de uma ficção 1 1 A adoção de uma ficção 1 Samyra Assad Quatro conceitos fundamentais da psicanálise poderiam ser explorados, se quiséssemos, no que de elementar traz o caso que hoje discutimos, com o tema: Clínica da

Leia mais

AS CONSEQUÊNCIAS PSÍQUICAS DA RELAÇÃO MÃE E FILHA

AS CONSEQUÊNCIAS PSÍQUICAS DA RELAÇÃO MÃE E FILHA 1 AS CONSEQUÊNCIAS PSÍQUICAS DA RELAÇÃO MÃE E FILHA Alcione Alves Hummel Monteiro 1 e Roseane Freitas Nicolau 2 Ô mãe, me explica, me ensina me diz, o que é feminina? Ô mãe, então me ilumina me diz, como

Leia mais

Diagnóstico: um sintoma? O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal função é de ser um instrumento

Diagnóstico: um sintoma? O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal função é de ser um instrumento Diagnóstico: um sintoma? Larissa de Figueiredo Rolemberg Mendonça e Manoel Tosta Berlinck (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC/SP) O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal

Leia mais

O trauma da poesia inconsciente

O trauma da poesia inconsciente O trauma da poesia inconsciente Marlise Eugenie D Icarahy Psicanalista, doutoranda do Programa de pós-graduação em Psicanálise da UERJ e psicóloga da Prefeitura do Rio de Janeiro. O complexo de Édipo,

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

Os princípios da prática analítica com crianças

Os princípios da prática analítica com crianças Os princípios da prática analítica com crianças Cristina Drummond Palavras-chave: indicação, tratamento, criança, princípios. As indicações de um tratamento para crianças Gostaria de partir de uma interrogação

Leia mais

Palavras chave: Desamparo, mãe, feminilidade, infância, objeto a.

Palavras chave: Desamparo, mãe, feminilidade, infância, objeto a. A FILHA ENTRE A MÃE E A MULHER Cláudia Regina de Oliveira Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ Leila Guimarães Lobo de Mendonça Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ

Leia mais

A fala freada Bernard Seynhaeve

A fala freada Bernard Seynhaeve Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 Bernard Seynhaeve Uma análise é uma experiência de solidão subjetiva. Ela pode ser levada suficientemente longe para que o analisante

Leia mais

Um olhar psicanalítico sobre o Transtorno de Stress Pós-Traumático

Um olhar psicanalítico sobre o Transtorno de Stress Pós-Traumático Um olhar psicanalítico sobre o Transtorno de Stress Pós-Traumático Fernando Del Guerra Prota O presente trabalho surgiu das questões trabalhadas em cartel sobre pulsão e psicossomática. Não se trata de

Leia mais

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1 FUNÇÃO MATERNA Luiza Bradley Araújo 1 Entendemos por função materna a passagem ou a mediação da Lei que a mãe opera. Nós falamos de uma função e não da pessoa da mãe, função de limite entre o somático

Leia mais

A palavra que humaniza o desejo

A palavra que humaniza o desejo 1 A palavra que humaniza o desejo Cristina Drummond Palavras-chave: pai, desejo, criança, Gide. Proponho tomarmos o caso Amâncio como um paradigma da função do romance familiar para a amarração de um sujeito.

Leia mais

SOBRE A SEXUALIDADE ( MASCULINA) 1. A sedução abre o jogo da promessa de prazeres desconhecidos,

SOBRE A SEXUALIDADE ( MASCULINA) 1. A sedução abre o jogo da promessa de prazeres desconhecidos, SOBRE A SEXUALIDADE ( MASCULINA) 1 Alejandro Luis Viviani A sedução abre o jogo da promessa de prazeres desconhecidos, supondo veladamente uma resposta sobre a origem da sexualidade. Jogo em espelho onde,

Leia mais

A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE. Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund

A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE. Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE Germano Quintanilha Costa Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund Freud, a infância se difundiu e se impôs à cultura

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap.

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap. GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS 3º Encontro - 31 de agosto 2015 No começo era o amor (Cap.I) No primeiro capítulo do Livro 8, Lacan (1960-1961) inicia com

Leia mais

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE Nathalia Leite Gatto Nota-se que as disciplinas ligadas ao movimento na educação infantil, tanto curriculares

Leia mais

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE Regina Cibele Serra dos Santos Jacinto Ana Maria Medeiros da Costa Podemos afirmar que o interesse de Lacan pela questão do corpo esteve

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Gresiela Nunes da Rosa Diante do enigma primeiro a respeito do desejo do

Leia mais

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A comunicação que segue procura pensar algumas especificidades constitucionais do feminino a partir do aforismo lacaniano: Não há relação sexual. Para dizer

Leia mais

Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem

Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem 1 Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem Palavras-chave: Transferência, Desejo do analista, Formação Que haja amor à fraqueza, está

Leia mais

Reinaldo Pamponet 1 rpamponet@terra.com.br

Reinaldo Pamponet 1 rpamponet@terra.com.br * um encontro que não faz laço Reinaldo Pamponet 1 rpamponet@terra.com.br Resumo: Este artigo pretende demonstrar que, na experiência analítica, a felicidade reside no encontro transitório, marcado pelo

Leia mais

Latusa digital ano 2 Nº 16 julho de 2005

Latusa digital ano 2 Nº 16 julho de 2005 Latusa digital ano 2 Nº 16 julho de 2005 Uma intervenção Carlos Augusto Nicéas * Escolhi trazer para a nossa Conversação 1, alguns fragmentos do tratamento de um jovem de dezenove anos atualmente, dependente

Leia mais

Depressão não é sintoma, mas inibição

Depressão não é sintoma, mas inibição 4 (29/4/2015) Tristeza Atualmente denominada de depressão, por lhe dar por suporte o humor, a tristeza é uma covardia de dizer algo do real. Seu avesso, no sentido moebiano, a alegria, pode ir até a elacão.

Leia mais

ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO

ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO Autoras: Tânia Regina Goia; Maria Luísa Louro de Castro Valente Instituição: Universidade

Leia mais

A estrutura de linguagem: Era uma vez, um não

A estrutura de linguagem: Era uma vez, um não DESMENTIDO Jairo Gerbase A estrutura de linguagem: Era uma vez, um não Os axiomas Poderíamos nomear [S( Α )] de primeiro não. Em primeiro lugar, no sentido de era uma vez, no sentido mítico, histórico,

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA Adriana Grosman Pretendo tratar de um caso clinico que coloca em evidencia que não é só a questão fálica que está em jogo na maternidade se não o resto do desejo, algo que escapa

Leia mais

A criança, a lei e o fora da lei

A criança, a lei e o fora da lei 1 A criança, a lei e o fora da lei Cristina Drummond Palavras-chave: criança, mãe, lei, fora da lei, gozo. A questão que nos toca na contemporaneidade é a do sujeito às voltas com suas dificuldades para

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005

Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005 Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005 Dos novos sintomas ao sintoma analítico Elizabeth Karam Magalhães Na contemporaneidade, a prática clínica confronta o analista com novas formas do sintoma, que têm

Leia mais

das duas estruturas mencionadas verdadeiras irmãs de sangue. Quando Freud (1905/1970) introduz o aforismo que a neurose é o negativo da

das duas estruturas mencionadas verdadeiras irmãs de sangue. Quando Freud (1905/1970) introduz o aforismo que a neurose é o negativo da O GOZO E SEUS DESDOBRAMENTOS NA CLÍNICA DA HISTERIA E DA PERVERSÃO Marco Aurélio de Carvalho Silva Vivian Ligeiro Partindo da relação de parentesco entre a histeria e a perversão, resolvemos abordar a

Leia mais

ADEUS ESTRADA DE TIJOLOS AMARELOS: adolescência, toxicomania, psicose. adolescência, desencadeamento, psicose, toxicomania.

ADEUS ESTRADA DE TIJOLOS AMARELOS: adolescência, toxicomania, psicose. adolescência, desencadeamento, psicose, toxicomania. ADEUS ESTRADA DE TIJOLOS AMARELOS: adolescência, toxicomania, psicose José Tiago dos Reis Filho [1] Palavras-chave: adolescência, desencadeamento, psicose, toxicomania. Resumo: Buscar articular os conceitos

Leia mais

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de 2012. Sobre a letra e o gozo na escrita de Clarice Lispector

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de 2012. Sobre a letra e o gozo na escrita de Clarice Lispector Clarisse Boechat 1 Marcia Mello de Lima 2 A obra de Clarice Lispector surpreende o psicanalista de orientação lacaniana, que trabalha com a prática da letra, pois é possível extrair dali alguns conceitos

Leia mais

ANTÔNIO E SEUS AMORES: UM CASO CLÍNICO. Antônio é um jovem de 21 anos que veio à análise a pedido de uma das três

ANTÔNIO E SEUS AMORES: UM CASO CLÍNICO. Antônio é um jovem de 21 anos que veio à análise a pedido de uma das três ANTÔNIO E SEUS AMORES: UM CASO CLÍNICO Sandra Chiabi Antônio é um jovem de 21 anos que veio à análise a pedido de uma das três namoradas. Contou que estava envolvido com as três, e uma delas pedira que

Leia mais

Interbio v.2 n.1 2008 - ISSN 1981-3775 A HISTÉRICA E A OUTRA: HOMOSSEXUALISMO? THE HYSTERICS AND THE OTHER WOMAN: HOMOSEXUALISM?

Interbio v.2 n.1 2008 - ISSN 1981-3775 A HISTÉRICA E A OUTRA: HOMOSSEXUALISMO? THE HYSTERICS AND THE OTHER WOMAN: HOMOSEXUALISM? 35 A HISTÉRICA E A OUTRA: HOMOSSEXUALISMO? THE HYSTERICS AND THE OTHER WOMAN: HOMOSEXUALISM? 1 Resumo O presente trabalho é resultado de uma pesquisa bibliográfica acerca da possibilidade de ocorrência

Leia mais

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO 2014 Olga Cristina de Oliveira Vieira Graduada em Psicologia pela Universidade Presidente Antônio Carlos. Docente no Centro Técnico de Ensino Profissional (CENTEP). Especialização

Leia mais

Heteronomia do desejo Resumo da última aula do 1º semestre do curso

Heteronomia do desejo Resumo da última aula do 1º semestre do curso Heteronomia do desejo Resumo da última aula do 1º semestre do curso Marcus do Rio Teixeira Heteronomia significa que a lei do desejo vem do Outro e que, consequentemente, o sujeito que anima o desejo e

Leia mais

INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael

INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael 1 INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael Sabemos que, antes dos 6 meses, o bebê ainda tem de seu corpo a idéia de uma imagem despedaçada. Suas relações com um outro diferenciado dela mesma, ou seja, suas

Leia mais

8 Andréa M.C. Guerra

8 Andréa M.C. Guerra Introdução A loucura sempre suscitou curiosidade, temor, atração. Desde a época em que os loucos eram confinados em embarcações errantes, conforme retratado na famosa tela Nau dos loucos, de Hieronymus

Leia mais

Sonhos de Angústia. Introdução. Maria Lucía Silveyra

Sonhos de Angústia. Introdução. Maria Lucía Silveyra Sonhos de Angústia Maria Lucía Silveyra Tradução: Paloma Vidal Introdução Hoje, a cem anos do Projeto Freudiano, é um fato que as coordenadas simbólicas nas quais se inscreve a psicanálise têm variado.

Leia mais

Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica

Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica Carlos Henrique Kessler Foi com muita satisfação que recebi o convite para colaborar com este Informativo, abordando o tema Clínica-escola de psicologia: ética

Leia mais

E-mail: gracielabessa@yahoo.com.br.

E-mail: gracielabessa@yahoo.com.br. Título: A incidência do narcisismo na esquizofrenia e na histeria Autora: Graciela Bessa Psicanalista, Doutora em Teoria Psicanalítica (UFRJ). E-mail: gracielabessa@yahoo.com.br. RESUMO: No texto Sobre

Leia mais

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise.

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise. A FUNÇÃO DO PAI NA INTERDIÇÃO E NA LEI: UMA REFLEXÃO SOBRE IDENTIFICAÇÃO E VIOLÊNCIA NA CONTEMPORANEIDADE. Jamille Mascarenhas Lima Psicóloga, Universidade Federal da Bahia. Especialista em psicomotricidade,

Leia mais

Apulsão, um dois quatro conceitos fundamentais colocados por Lacan, desenha

Apulsão, um dois quatro conceitos fundamentais colocados por Lacan, desenha Aríete Garcia Lopes Vera Vinheiro Apulsão, um dois quatro conceitos fundamentais colocados por Lacan, desenha o horizonte do discurso psicanalítico. Situada aquém do inconsciente e do recalque, ela escapa

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010.

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos

Leia mais

Tudo o que gosto é ilegal, imoral ou engorda

Tudo o que gosto é ilegal, imoral ou engorda Tudo o que gosto é ilegal, imoral ou engorda Maria Cristina da Cunha Antunes Flávia Lana Garcia de Oliveira Introdução: O campo freudiano de orientação lacaniana trabalha segundo o axioma de que não há

Leia mais

Quando o sujeito se perde

Quando o sujeito se perde Quando o sujeito se perde Adriana Dias de Assumpção Bastos O tema do congresso é violência e poder, instâncias eloquentemente referidas nos fragmentos do caso clínico que trago à análise. Mariana é uma

Leia mais

A Clínica das Mulheres: Erotomania e Devastação

A Clínica das Mulheres: Erotomania e Devastação A Clínica das Mulheres: Erotomania e Devastação Universidade Severino Sombra, Centro de Letras, Ciências, Sociais Aplicadas e Humanas, Curso de Psicologia fernandasamico@uss.br Resumo: O discurso das mulheres

Leia mais

Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil

Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil Fídias Gomes Siqueira 1 Andréa Maris Campos Guerra 2 [...] a gente carecia de querer pensar somente nas coisas

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Angústia: acting-out e passagem ao ato * Manoel Barros da Motta ** Jacques-Alain Miller, ao estabelecer o Seminário X de Lacan, A angústia 1, dividiu-o em quatro

Leia mais

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas Título: Adolescência, violência e responsabilidade Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas discussões nos meios de comunicação. O estudo teórico deste tema vem sendo recebido

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Sinthoma e fantasia fundamental no caso do homem dos ratos * Cleide Maschietto Doris Rangel Diogo ** O Homem dos ratos 1 é um caso de neurose muito comentado,

Leia mais

Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América

Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América Entrevistada: Elisa Alvarenga Diretora Geral do IPSM-MG e Presidente da FAPOL (Federação Americana de Psicanálise de Orientação Lacaniana). E-mail:

Leia mais

Florbela Espanca nas figurações poéticas do feminino Lídia de Noronha Pessoa

Florbela Espanca nas figurações poéticas do feminino Lídia de Noronha Pessoa Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN 2177-2673 nas figurações poéticas do feminino Lídia de Noronha Pessoa Conheci Florbela, poetisa portuguesa do século XIX, através do livro

Leia mais

A psicanálise e a clínica nas urgências

A psicanálise e a clínica nas urgências A psicanálise e a clínica nas urgências Bruna Americano e Sonia Alberti O presente trabalho tem como objetivo levantar a questão do sujeito na clínica na urgência no hospital geral. A partir do atendimento

Leia mais

O sujeito e os gozos #08

O sujeito e os gozos #08 nova série @gente Digital nº 8 Ano 2 Abril de 2013 Revista de Psicanálise O sujeito e os gozos Pierre Skriabine Isso goza e não sabe, nota Lacan na página 104 do seu Seminário Encore, no capítulo intitulado

Leia mais

Transformações na intimidade no século XXI

Transformações na intimidade no século XXI Transformações na intimidade no século XXI Sissi Vigil Castiel* A clínica de anos atrás era freqüentada principalmente por mulheres que vinham por desventuras amorosas, por não entenderem o que os homens

Leia mais

NÃO HÁ RAPPORT, RAZÃO, RELAÇÃO SEXUAL

NÃO HÁ RAPPORT, RAZÃO, RELAÇÃO SEXUAL NÃO HÁ RAPPORT, RAZÃO, RELAÇÃO SEXUAL Ana Lúcia Bastos Falcão 1 Desde o início, em seus seminários, Lacan foi bordejando alguns conceitos que deram contorno à afirmação - Não há rapport, razão, relação

Leia mais

AFORISMOS DE JACQUES LACAN

AFORISMOS DE JACQUES LACAN AFORISMOS DE JACQUES LACAN Marco Antonio Coutinho Jorge (org.) O texto de Lacan, assim como o de Swedenborg, segundo Borges, é daqueles que expõe tudo com autoridade, com uma tranqüila autoridade. Ciente,

Leia mais

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna www.franklingoldgrub.com Édipo 3 x 4 - franklin goldgrub 7º Capítulo - (texto parcial) A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação com a função paterna (Salvo menção expressa em contrário,

Leia mais