Como Escrever um Relato de Experiência

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como Escrever um Relato de Experiência"

Transcrição

1 Agenda WAMPS VII Workshop Anual do MPS Como Escrever um Relato de Experiência Introdução Estrutura do Texto de um Relato Preparação do Texto Ética e Plágio Processo de Revisão de um Artigo Apresentação de um Artigo Gleison Santos Nota: caso copiem o conteúdo de algum slide, por favor, mantenham a referência à fonte original ou a esta apresentação (o que for pertinente). Obrigado. 2 Engenharia de Software e Qualidade de Software Software faz parte do nosso dia a dia. O principal objetivo da engenharia de software é, sem dúvida, melhorar a qualidade do software. (ROCHA et al., 2001) De forma geral, pesquisadores da Engenharia de Software procuram melhores formas de desenvolver e avaliar software. Pesquisadores da Engenharia de Software são motivados por problemas práticos. Objetivos chave da pesquisa geralmente são qualidade, custo e oportunidade dos produtos de software. (SHAW, 2002) Engenharia de Software e Qualidade de Software Software faz parte do nosso dia a dia. Há uma relação entre a qualidade dos produtos de software e a qualidade dos processos de software utilizados para construí-los [Fuggeta, 2000]. A implantação de um Programa de Qualidade começa pela definição e implantação de um processo de software. Necessidades do Negócio Qualidade do produto Qualidade do processo 3 4 Processos, métodos, técnicas e pessoas... Como melhorar a codificação? (o que é uma boa codificação?) Como melhorar o teste de software? (o que é um bom teste?) Como fazer boas modelagens? (o que é uma boa modelagem?) O que leva alguém a usar um processo / método / técnica? Quais os problemas que afetam a indústria de software? Qual o retorno de investimento da Qualidade de Software? Que fatores culturais afetam o desenvolvimento de software? Que fatores afetam a melhoria de processos de software? O que as pessoas esperam de resultados da adoção de uma técnica / método / processo? Quais os benefícios da adoção de uma técnica / método / processo?... 5 Níveis de Maturidade MPS.BR A B C D E F G Gerenciado Parcialmente Gerenciado Parcialmente Definido Largamente Definido Em Otimização Definido Gerência de Decisões Desenvolvimento para Reutilização Gerência de Riscos Desenvolvimento de Requisitos Projeto e Construção do Produto Integração do Produto Verificação / Validação Avaliação e Melhoria do Processo Organizacional Definição do Processo Organizacional Gerência de Reutilização / Gerência de Recursos Humanos / Gerência de Projetos (evolução) Medição / Gerência de Configuração / Aquisição / Garantia da Qualidade / Gerência de Portfólio de Projetos Gerência de Requisitos Gerência de Projetos (sem processos adicionais) (inclui controle estatístico e gerência quantitativa) Gerenciado Gerência de Projetos (evolução) Quantitativamente (inclui controle estatístico e gerência quantitativa) ~ CMMI 5 ~ CMMI 4 ~ CMMI 3 ~ CMMI 2 1

2 Pesquisa x Ciência Objetivos de Pesquisa Fazer uma contribuição para a Ciência Responder a uma pergunta» de interesse para a comunidade científica» ainda não respondida anteriormente» de relevância para o interesse social A parte mais difícil é encontrar o problema Objetivo da Ciência: resolver problemas Qual o problema que você está resolvendo? Comece de um desafio prático Extraia daí um problema teórico Certifique-se que o problema é» relevante» não-resolvido» resolvível 7 Programa de Pós-Graduação em Informática - UNIRIO Pesquisa Tipos de Pesquisa Nem toda pesquisa é feita da mesma forma Os métodos de pesquisa são bem diversos dependendo do campo de conhecimento Mestre: Título de qualificação técnico-científica domina as técnicas de investigação produziu um resultado novo (ou relevante) comunicou seus resultados de forma efetiva Mestre X Doutor tempo de investigação profundidade da pesquisa qualidade da formação 8 Programa de Pós-Graduação em Informática - UNIRIO Divagações Uma tese de doutorado não é uma dissertação de mestrado que não é uma monografia de pós-graduação que não é um projeto de final de curso de graduação. O inverso também se aplica. Um trabalho para uma empresa não é um trabalho de pesquisa. Gostaríamos que todo trabalho de pesquisa fosse aplicado a empresas. Nem sempre isso é possível por N fatores. Infelizmente... O que dá para publicar? Projeto Final de Graduação Projeto Final de Pós-graduação Dissertação de Mestrado Tese de Doutorado Experiências em Empresas e de Empresas Cuidado com o foco, com a forma de descrição e na descrição das reais contribuições do trabalho No entanto, Relatos de Experiências são úteis para demonstrar como a teoria de Engenharia de Software se comporta em um ambiente real. Aprendemos com os erros e acertos nossos e de outros! Quanto mais rica e mais diferente a experiência, maiores são as chances de publicação. 10 O que dá para publicar? Relatos de Experiência O que posso publicar? A audiência do evento é importante para determinar o que é relevante em cada contexto Onde publicar? A chamada de trabalhos é importante para entender o tipo de trabalho que se espera dos autores Por que devo publicar? Troca de experiências Aprendizado em Engenharia de Software vem muitas vezes do uso das técnicas e observações do estado da prática Devem contar uma história informativa e como ela se reflete em situações mais gerais Não entre em detalhes irrelevantes sobre o experimento Programa de Pós-Graduação em Informática UNIRIO. Chamada de Trabalhos do SBQS Relatos de Experiência: Artigos de alta qualidade descrevendo e analisando a aplicação de processos, métodos ou ferramentas de qualidade de software, contextualizando a experiência e mostrando os resultados obtidos e lições aprendidas, em uma experiência prática com contribuição para a indústria de software. Trabalhos técnicos: artigos de alta qualidade descrevendo resultados inéditos sobre de pesquisa na área de qualidade de software com contribuição acadêmica

3 Um bom artigo de pesquisa Um bom artigo de pesquisa deve responder a um número de questões: O que, precisamente, você alega ser a sua contribuição? Que questões você respondeu? Por que o leitor deveria se importar? De que questões maiores (larger questions) ele trata? Qual é o seu novo resultado? Qual novo conhecimento você gerou que o leitor pode utilizar em outra situação? Em que trabalho anterior (seu ou de outros) você se baseou? Em que você provê uma alternativa superior? Como o seu resultado é diferente ou melhor que este trabalho anterior? Qual, precisamente e em detalhes, é o seu novo resultado? Por que o leitor deve acreditar no seu resultado? Que padrão deve ser utilizado para avaliar sua afirmação? Que evidência concreta mostra que o seu resultado satisfaz sua afirmação? Estrutura do Texto A estrutura de um artigo científicio segue um padrão prédeterminado Em geral, não há uma regra, mas a estrutura abaixo segue o senso comum em uso Não há muitas possibilidades de inovar nesta organização. Estrutura Básica: Introdução Sessões Pertinentes Conclusão Referências Estrutura do Texto Título Itens comuns na estrutura do texto: Título Autores Abstract / Resumo Introdução Revisão da Literatura Trabalhos Similares Proposta / Descrição da Experiência Lições Aprendidas Conclusões / Considerações Finais Agradecimentos Referências Bibliográficas Anexos e Apêndices O título deve ser curto e indicativo do trabalho que será apresentado Escolha um título que valorize o trabalho, mas cuidado para não ser arrogante ou presunçoso Evite o uso de perguntas e termos em inglês Vale para o texto como um todo Ninguém garante que as perguntas vão ser respondidas (e, em geral, você não irá respondê-las. Acredite ) Implantação do Nível F do MR-MPS Combinando Características do Processo Unificado com Práticas SCRUM Autores Deve-se listar os envolvidos com o trabalho Em geral, a ordem dos autores indica o esforço para a elaboração do artigo e/ou o envolvimento no trabalho relatado Quando se descreve um relato de experiência em uma empresa é comum incluir as pessoas chave da empresa como autores mesmo quando elas não participam da escrita do texto» Isso não é uma regra, no entanto Para cada autor, deve-se indicar a filiação Pode haver múltipla filiação Deve-se indicar o de contato dos autores Tatiane Silva 1, Rogério Magela 1, Gleison Santos 2, Natália Chaves Lessa Schots 3, Ana Regina Rocha 3 1 Athenas Engenharia de Software Av. Rio Branco, 12, 14º andar, Centro CEP Rio de Janeiro RJ Brasil 2 Programa de Pós-Graduação em Informática Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) - Av. Pasteur 458, Urca, CEP Rio de Janeiro, RJ 3 COPPE/UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro Caixa Postal CEP Rio de Janeiro, Brasil {tatiane, {natalia, 17 Abstract Não é o trailer de um filme (não deixe o espectador imaginando qual será o final) Venda seu trabalho no abstract Se você não conseguir resumir sua contribuição em meia página algo está muito errado no seu trabalho Não entra revisão bibliográfica Inclua sempre no abstract O principal problema analisado Um esboço da solução utilizada As conclusões alcançadas Fundamental Dizer qual é o problema Mostrar que vale a pena resolver o problema Mostrar como você resolveu o problema Wazlawick, 2007 Programa de Pós-Graduação em Informática UNIRIO. apud Wazlawick,

4 Abstract e Resumo Introdução Todo artigo deve ter um resumo As vezes, é necessário ter versões em inglês e em português O conteúdo do abstract deve ser o mesmo do resumo Note que às vezes a estrutura da frase em português e em inglês não é igual e adaptações tem que ser feitas Não use o tradutor automático para gerar a versão do abstract Contextualize rapidamente o tema de pesquisa (não inicie nos primórdios) Apresente os objetivos, metodologia, justificativa, resultados esperados, limitações e estrutura da dissertação Caracterize o problema que você descreverá e a questão que deseja discutir. Programa de Pós-Graduação em Informática UNIRIO. apud Wazlawick, 2007 Abstract. There is no software process model adequate to any organization and during all the time. This paper presents the evolution of the software development process of Athenas Software. This process first version was based on what would become the Unified Process and now it has evolved to support SCRUM agile practices and the MPS.BR Reference Model Level F practices. Resumo. Não existe um único modelo de processo de software que seja adequado a todo o tipo de empresa nem por todo o tempo. Este artigo apresenta a evolução do processo de desenvolvimento de software da Athenas Software desde a sua primeira versão baseada no que viria se tornar o Processo Unificado até o momento atual onde se alinham, também, práticas ágeis do SCRUM e as práticas associadas ao Nível F do Modelo de Referência do MPS.BR. 19 Termine sempre apresentando a estrutura do artigo. Este artigo possui o objetivo de apresentar como o processo da Athenas evoluiu ao longo do tempo e as melhorias e lições aprendidas identificadas pela empresa durante esta evolução. Na Seção 2, um breve histórico da evolução do processo de desenvolvi mento é apresentado, bem como algumas características peculiares da empresa. As ca racterísticas do atual processo e as ferramentas utilizadas são discutidas nas Seções 3 e 4, respectivamente. Por fim, na Seção 5 são apresentadas as considerações finais junta mente com resultados obtidos com a melhoria do processo e algumas lições aprendidas. Tipos de questões de pesquisa em Engenharia de Software Tipos de questões de pesquisa em Engenharia de Software Tipo de Questão Método ou meio de desenvolvimento Método para análise ou avaliação Design, avaliação ou análise de uma instância particular Generalização ou caracterização Estudo de viabilidade ou exploratório Exemplos Como podemos fazer / criar / modificar / evoluir (ou automatizar fazendo) X? Qual é a melhor maneira de fazer/criar/modificar/evoluir X? Como posso avaliar a qualidade / corretude de X? Como eu escolho entre X e Y? O quão bom é Y? Qual é a propriedade X do artefato/ método Y? O que é um (melhor) design, implementação, manutenção ou adaptação para a aplicação X? Como X se compara a Y? Qual é o estado atual de X / prática de Y? Dado X, qual será Y (necessariamente)? O que, exatamente, nós entendemos por X? Quais são suas características importantes? Qual é um bom modelo formal/experimental para X? Quais são as variedades de X, como estão relacionadas? X realmente existe, e, se sim, como ele se parece? É possível, realmente, realizar (accomplish) X? Tipo de Questão Método ou meio de desenvolvimento Método para análise ou avaliação Design, avaliação ou análise de uma instância particular Generalização ou caracterização Estudo de viabilidade ou exploratório Exemplos Como podemos fazer / criar / modificar / evoluir (ou automatizar fazendo) X? Qual é a melhor maneira de fazer/criar/modificar/evoluir X? Como posso avaliar a qualidade / corretude de X? Como eu escolho entre X e Y? O quão bom é Y? Qual é a propriedade X do artefato/ método Y? O que é um (melhor) Produzem design, métodos implementação, de manutenção ou adaptação desenvolvimento para a aplicação X? ou análise que Como X se compara os autores a Y? investigaram em uma Qual é o estado situação atual de (setting), X / prática mas de que Y? Dado X, qual presumivelmente será Y (necessariamente)? podem ser O que, exatamente, aplicados nós em entendemos outros contextos. por X? Quais são suas características importantes? Qual é um bom modelo formal/experimental para X? Quais são as variedades de X, como estão relacionadas? X realmente existe, e, se sim, como ele se parece? É possível, realmente, realizar (accomplish) X? Tipos de questões de pesquisa em Engenharia de Software Tipos de questões de pesquisa em Engenharia de Software Tipo de Questão Método ou meio de desenvolvimento Método para análise ou avaliação Design, avaliação ou análise de uma instância particular Generalização ou caracterização Estudo de viabilidade ou exploratório Exemplos Como podemos fazer / criar / modificar / evoluir (ou automatizar fazendo) X? Qual é a melhor maneira de fazer/criar/modificar/evoluir X? Como posso avaliar a qualidade / corretude de X? Como eu escolho entre X e Y? O quão bom é Y? Qual é a propriedade X do artefato/ método Y? O que é um (melhor) design, implementação, manutenção ou adaptação para a aplicação X? Como X se compara a Y? Qual é o estado atual de X / prática de Y? Dado X, qual será Y (necessariamente)? O que, exatamente, Lida explicitamente nós entendemos com por um X? Quais são suas características sistema, importantes? prática, design ou outro Qual é um bom instância modelo de formal/experimental um sistema ou para X? Quais são as variedades de X, como estão relacionadas? método. Varia de narrativas sobre X realmente prática existe, industrial e, se sim, como a comparações ele se parece? É possível, analíticas realmente, de realizar designs (accomplish) alternativos. X? Tipo de Questão Método ou meio de desenvolvimento Método para análise ou avaliação Design, avaliação ou análise de uma instância particular Generalização ou caracterização Estudo de viabilidade ou exploratório Exemplos Como podemos fazer / criar / modificar / evoluir (ou automatizar fazendo) X? Qual é a melhor maneira de fazer/criar/modificar/evoluir X? Como posso avaliar a qualidade / corretude de X? Como eu escolho entre X e Y? Generalizações e caracterizações O quão bom é Y? Qual é a propriedade X do artefato/ surgem explicitamente dos método Y? O que é um exemplos (melhor) design, apresentados implementação, nos manutenção ou adaptação artigos. para a aplicação X? Como X se compara a Y? Qual é o estado atual de X / prática de Y? Dado X, qual será Y (necessariamente)? O que, exatamente, nós entendemos por X? Quais são suas características importantes? Qual é um bom modelo formal/experimental para X? Quais são as variedades de X, como estão relacionadas? X realmente existe, e, se sim, como ele se parece? É possível, realmente, realizar (accomplish) X?

5 Tipos de questões de pesquisa em Engenharia de Software Tipo de Questão Método ou meio de desenvolvimento Método para análise ou avaliação Design, avaliação ou análise de uma instância particular Generalização ou caracterização Estudo de viabilidade ou exploratório Exemplos Como podemos fazer / criar / modificar / evoluir (ou automatizar fazendo) X? Qual é a melhor maneira de fazer/criar/modificar/evoluir X? Como posso avaliar a qualidade / corretude de X? Como eu escolho entre X e Y? O quão bom é Y? Qual é a propriedade X do artefato/ método Y? O que é um (melhor) design, implementação, manutenção ou adaptação para a aplicação X? Lidam com uma questão de uma Como X se compara a Y? Qual é o estado maneira atual de completamente X / prática de Y? nova. Em geral têm uma categoria Dado X, qual será diferente Y (necessariamente)? daqueles que melhoram O que, exatamente, nós entendemos por X? Quais são suas algo previamente definido. características importantes? Qual é um bom modelo formal/experimental para X? Quais são as variedades de X, como estão relacionadas? X realmente existe, e, se sim, como ele se parece? É possível, realmente, realizar (accomplish) X? 25 Resultados do ICSE 2002 Importante: (resultados baseados nos abstracts) Definição clara do problema resolvido. Explicação de como a resposta ajudará a resolver um problema importante em engenharia de software. Ao longo da história da ES, os tipos de questões mudam quando a maturidade de um assunto aumenta. 26 Revisão da Literatura Concentre-se em apresentar as definições e resultados da literatura que sejam relevantes para seu objetivo Lembre: não é um tratado sobre a história da área de pesquisa e não é um inventário de tudo o que você leu Organização do capítulo Revisão dos principais conceitos básicos Revisão do estado da arte Organize o texto por idéias e não por autores Cite: periódicos e eventos relevantes obras recentes obras clássicas na área Programa de Pós-Graduação em Informática UNIRIO. apud Wazlawick, Revisão da Literatura Opinião x Fatos Uma revisão da literatura apresenta fatos sobre o assunto. Não é possível incluir opiniões pessoais no texto.» Se quiser, utilize outros autores para defender o seu ponto de vista.» Tudo deve ter referência Em um relato de experiência, nem sempre a revisão da literatura necessita ser ser muito abrangente ou complexa, mas sempre é bom ter uma seção específica Às vezes é possível incluir uma breve revisão da literatura na introdução do artigo Principalmente quando o espaço é curto Ou quando o assunto é de pleno conhecimento da audiência» Por exemplo, a estrutura do MPS.BR em artigos para o WAMPS 28 Onde achar artigos? Trabalhos Similares Anais anteriores do SBES, SBQS e WAMPS Portal de Periódicos Capes: Verifique se sua universidade provê acesso de qualquer computador do campus Verifique se há possibilidade de acesso remoto através de proxy Maximizando resultados, minimizando esforço Compendex (http://www.engineeringvillage.com/) IEEE Explore (http://ieeexplore.ieee.org/) Scopus (http://www.scopus.com/) O que foi feito antes? Como seu trabalho é diferente ou melhor? Em que tecnologia já existente o seu trabalho se basea? A que tecnologia existente ou pesquisa anterior sua pesquisa provê uma alternativa superior? O que é novo comparado ao seu trabalho anterior? Que alternativas outros pesquisadores perseguiram e como o seu trabalho é diferente ou melhor? Conhecimento cresce incrementalmente. Se você não explicar como seu trabalho está relacionado com outros fica complicado saber o que você adicionou de novo. Não dizer se você tem conhecimento de trabalhos relacionados pode afetar a sua credibilidade

6 Tipos de resultados em Engenharia de Software O que foi feito antes? Como seu trabalho é diferente ou melhor? O problema de galopar tem atraído muita atenção [3,8,10,18,26,32,37]. Smith [36] e Jones [27] trabalharam na galopagem. Smith [36] tratou da galopagem usando blitzing, enquanto Jones [27] adotou uma abordagem flitzing. A abordagem blitzing de Smith para a galopagem [36] atingiu 60% de cobertura [39]. Jones [27] atingiu 80% com o uso de flitzing, mas apenas para casos livres de ponteiros [16]. A abordagem blitzing de Smith para a galopagem [36] atingiu 60% de cobertura [39]. Jones [27] atingiu 80% com o uso de flitzing, mas apenas para casos livres de ponteiros [16]. Este trabalho modificou a abordagem blitzing para utilizar a representação de kernel do flitzing e obteve uma cobertura de 90% ao relaxar a restrição de forma que apenas estruturas cíclicas de dados fossem proibidas. 31 Proposta / Descrição da Experiência Coloque suas afirmações cuidadosamente Garanta que todas as afirmações sejam fundamentadas Não adianta apenas fazer uma análise teórica de uma questão. É necessário mostrar o que esta análise melhora em relação às anteriores Uma teoria não testada na prática não vale muito Artigos sobre comparação entre métodos Já foram feitos MUITAS vezes As vezes são MUITO MAL feitos Um artigo deste tipo deve colocar muito bem as métricas para que os resultados possam ser repetidos por experiências independentes Programa de Pós-Graduação em Informática - UNIRIO 32 Tipos de resultados em Engenharia de Software O que é novo aqui? Os avaliadores sabem o que é novo, excitante e porquê. Qual é a sua contribuição? O que foi feito além de trabalhos anteriores seus e de outros? O que foi feito além é suficiente (dado os padrões habituais da subdisciplina)? É melhor você explicar do que deixar o revisor advinhar... Use verbos que mostrem resultados, não só esforço e atividade. Eu trabalhei em galopagem (ou Eu resolvi complementamente e genericamente... estudei, investiguei, procurei, explorei). Eu trabalhei em melhorar a galopagem (ou contribuí para, participei em, ajudei com). Eu mostrei a viabilidade de compor blitzing com flitzing. Eu melhorei significativamente a acurácia do detector padrão (ou provei, demonstrei, criei, estabeleci, encontrei, desenvolvi). Eu automatizei a produção de tabelas flitz a partir das especificações. Com uma aplicação inovadora da transformação blivet, eu melhorei 10% da velocidade e 15% na cobertura em relação ao método padrão. 33 Tipos de resultados em Engenharia de Software Try not. Do, or do not. There is no try. Yoda 34 Tipos de resultados em Engenharia de Software O que, precisamente, é o resultado? Se você introduzir um novo modelo, seja claro sobre o seu poder. Se você introduzir uma nova métrica, defina-a precisamente. Se você introduzir um novo estilo arquitetural, padrão de projeto (ou similar), trate-o como se fosse uma nova generalização ou modelo. Se sua contribuição é principalmente a síntese ou integração de outros resultados ou componentes, seja claro sobre porque a síntese em si é uma contribuição. Se seu artigo é principalmente um relato de experiência aplicando resultados de pesquisa a um problema prático, diga o que o leitor pode aprender com a experiência. Se uma ferramenta tem um papel importante no seu artigo, qual é este papel? Se a implementação de um sistema tem um papel importante no seu artigo, qual é este papel? 35 Tipos de Validação em Engenharia de Software Tipo de Validação Análise Avaliação Experiência Exemplo Persuasão Afirmação forte Exemplos Eu analisei meu resultado e, através de uma análise rigorosa, achei satisfatório, por exemplo,... Dado um critério estabelecido, meu resultado Meu resultado foi utilizado em exemplos reais por alguém além de mim, e as evidências de sua corretude/utilidade/ efetividade é Aqui há um exemplo de como funciona em... Eu pensei muito sobre isso e acredito apaixonadamente que Nenhuma tentativa séria de avaliar o resultado. Uma boa pesquisa requer não só um resultado, mas também uma evidência convincente que o resultado é adequado/bom. 36 6

7 Resultados do ICSE 2002 Métodos Tipo Descrição Objetivo Característica Importante: (resultados baseados nos abstracts) Os tipos mais bem sucedidos de validação foram baseados em análise e em experiências do mundo real. Exemplos bem escolhidos também foram um sucesso Persuasão não foi persuasiva. Revisores de artigo procuram por evidências sólidas para apoiar seus resultados, não basta você achar que suas idéias funcionam. 37 Etnografia Pesquisa-ação Estudo de Caso Grounded Theory Estudo descritivo e interpretativo de um grupo ou comunidade Estratégia de condução de pesquisa aplicada de natureza participativa Investigação empírica que observa um fenômeno dentro de um contexto real Conjunto de procedimentos sistemáticos de coleta e análise de dados para gerar e validar teorias Fazer com que outros entendam como o grupo produz suas teorias e culturas Promover melhorias para a situação Contribuir para o conhecimento científico Investigar uma entidade ou um fenômeno dentro de um espaço de tempo específico Entender profundamente os dados Gerar teorias a partir dos dados Pesquisador deve possuir grande interação com os participantes Pesquisador interfere no objeto de estudo com o propósito de melhorá-lo Há vários tipos: descritivo, interpretativo, avaliativo etc. A fundamentação dos dados empíricos faz com que a pesquisa fique próxima da realidade Fonte: SCHOTS, N. C. L., Uma Abordagem para a Identificação de Causas de Problemas Utilizando Grounded Theory. Dissertação de Mestrado. COPPE/UFRJ, Estudos de Caso Questão de pesquisa Investiga um fenômeno contemporâneo Contexto de vida real, em que as fronteiras não são claramente evidentes. Oferece entendimento Profundo (como e por que) Revelador (demonstrar causas-efeito) Estudos de Caso Tipos de Estudos de Caso Exploratórios Usado em investigações iniciais de alguns fenômenos Visam derivar novas ideias e hipóteses e formular teorias Descritivos Descrevem uma situação ou fenômeno Explanatório Procuram uma explanação de uma situação ou problema Na maior parte, mas não necessariamente, na forma de uma relação causal Confirmatórios Utilizados para testar/refutar teorias Usado na escolha entre teorias concorrentes Fonte: Yin, R. K. (2002) Case Study Research: Design and Methods. Sage, Thousand Oaks, CA. Fonte: RUNENSON, P. e HÖST, M., Guidelines for conduction and reporting case study research in software engineering, Empirical Software Engineering (2009) 14: Estudos de Caso Requisitos Questão de pesquisa bem definida Interessada em como e porque um fenômeno ocorre Escolhas» Deriva uma proposta de estudo que afirma Ø O que o estudo mostrará Ø Guiar seleção de casos Ø Tipos de dados a serem coletados Escolha de casos é fundamental para a pesquisa Amostra utilizada não é aleatória, sendo escolhida Objetivo de escolher casos relevantes e representativos Fonte: EASTERBROOK et al., Selecting Empirical Methods for Software Engineering Research. Baseado em apresentação cedida por Rafael Cunha e Daniel Tadeu Castelo Branco. Estudos de Caso Dados qualitativos Diferentes fontes de dados são usadas Possuem um papel central para análises dentro de um caso Entrevistas e observação Coleta de dados alinhada a uma unidade de análise bem definida» Escolha adequada garante que o fenômeno será focado» Empresa, projeto, equipe, desenvolvedor, produto específico, etc. Tipo de estudo mais adequado quando o reducionismo de experimentos controlados é inadequado O contexto possui um papel no fenômeno São esperados amplos efeitos Levam tempo para aparecer Sua maior fraqueza é que a coleta de dados e análise são abertas a interpretações e propiciam a formação de viés do pesquisador. Fonte: EASTERBROOK et al., Selecting Empirical Methods for Software Engineering Research. Baseado em apresentação cedida por Rafael Cunha e Daniel Tadeu Castelo Branco. 7

8 Validade dos Estudos Convencimento dos leitores de que o estudo é válido Nenhum estudo é perfeito e totalmente generalizável em todos os contextos: O leitor deve ficar ciente disso O levantamento das ameaças à validade aumenta a confiança do leitor nos resultados (ou não ) Validade de construção Verifica ser as construções teóricas foram interpretadas e medidas corretamente Ocorre quando variáveis coletadas não correspondem com o significado dos termos teóricos Exemplo: Eficiência Validade interna Concentra-se em verificar se o resultado está de acordo com os dados Exemplo: Uso errado de análises estatísticas Validade externa Concentra-se na generalização do resultado Depende da natureza da amostragem Confiabilidade Verifica se o experimento é replicável Viés Tipos de resultados em Engenharia de Software Tipo Resultado Procedimento ou técnica Modelo qualitativo ou descritivo Modelo experimental Modelo analítico Ferramenta ou notação Solução específica, protótipo, resposta ou julgamento Relatório Exemplos Jeito novo ou melhor de fazer alguma tarefa, como design, implementação, manutenção, medidas, avaliação, seleção de alternativas. Estrutura ou taxinomia para uma área de problema; estilo arquitetural, framework ou padrão de projeto. Modelo preditivo experimental baseado em dados observados. Modelo estrutural Inclui que permite técnicas análise para formal implementação, ou manipulação automática. representação, gerência e análise. Ferramenta implementada que engloba uma técnica; linguagem formal A para técnica apoiar deve a técnica ser operacional ou modelo. Solução para problema não apenas que mostra conselho aplicações ou guia, de princípios mas de ES (pode ser design, um protótipo procedimento. ou implementação completa), análise cuidadosa de um sistema ou seu desenvolvimento, resultado de uma análise, avaliação ou comparação específica. Observações interessantes, regras de ouro (rules of thumb), mas não suficientemente gerais ou sistemáticas para se tornarem um modelo descritivo. 44 Tipos de resultados em Engenharia de Software Tipos de resultados em Engenharia de Software Tipo Resultado Procedimento ou técnica Modelo qualitativo ou descritivo Modelo experimental Modelo analítico Ferramenta ou notação Solução específica, protótipo, resposta ou julgamento Relatório Exemplos Jeito novo ou melhor de fazer alguma tarefa, como design, implementação, manutenção, medidas, avaliação, seleção de alternativas. Estrutura ou taxinomia para uma área de problema; estilo arquitetural, framework ou padrão de projeto. Modelo preditivo experimental baseado em dados observados. Modelo estrutural Análise que permite não-formal análise de formal domínio, ou manipulação automática. checklists bem embasados, Ferramenta implementada generalizações que engloba informais uma bem técnica; linguagem formal construídas, para apoiar a guia técnica para ou modelo. integração de Solução para problema outros que resultados, mostra aplicações observações de princípios de ES (pode ser design, interessantes protótipo ou bem implementação organizadas. completa), análise cuidadosa de um sistema ou seu desenvolvimento, resultado de uma análise, avaliação ou comparação específica. Observações interessantes, regras de ouro (rules of thumb), mas não suficientemente gerais ou sistemáticas para se tornarem um modelo descritivo. 45 Tipo Resultado Procedimento ou técnica Modelo qualitativo ou descritivo Modelo experimental Modelo analítico Ferramenta ou notação Solução específica, protótipo, resposta ou julgamento Relatório Exemplos Jeito novo ou melhor de fazer alguma tarefa, como design, implementação, manutenção, medidas, avaliação, seleção de alternativas. Estrutura ou taxinomia para uma área de problema; estilo arquitetural, framework ou padrão de projeto. Modelo preditivo experimental baseado em dados observados. Modelo estrutural que permite análise formal ou manipulação automática. Ferramenta implementada que engloba uma técnica; linguagem formal para apoiar a técnica ou modelo. Solução para problema que mostra aplicações de princípios de ES (pode ser design, protótipo ou implementação completa), análise cuidadosa de um sistema ou seu desenvolvimento, resultado de uma análise, avaliação ou comparação específica. Observações interessantes, regras de ouro (rules of thumb), mas não suficientemente gerais ou sistemáticas para se tornarem um modelo descritivo. 46 Resultados do ICSE 2002 Tipos de resultados em Engenharia de Software Importante: (resultados baseados nos abstracts) Muitos projetos de pesquisa produzem resultados de vários tipos. Muitos autores apresentam ideias individuais em conferências e sintetizam os resultados em revistas. Explique seus resultados de forma a permitir que outros utilizem os seus resultados. O que foi obtido de novo? Defina precisamente os termos críticos. O que, precisamente, você alega ser a sua contribuição? Os resultados satisfazem completamente suas alegações? As definições são precisas e os termos são utilizados consistentemente? Se os resultados deveriam ser utilizados em sistemas grandes, explique porque você acha que ele é escalável. Se o seu método é automático, não deveria necessitar de humanos. Explique as excessões ou configurações manuais. Se os resultados são distribuídos, não deveria haver um controlador/servidor central. Explique qual parte é distribuída. Se está propondo uma nova notação para um problema antigo explique claramente porque ela é superior às anteriores. Se o artigo é um relato de experiência, explique que ideia o leitor pode tirar do artigo em outras situações ou como o leitor pode aumentar sua confiança em aplicações além do exemplo apresentado

9 Lições Aprendidas Uma lição aprendida deve indicar a quem se aplica, qual o contexto associado e dar detalhes que permitam ao leitor se beneficar dela e, possivelmente, utilizá-la no futuro. Tenha trabalho e cuidado em descrever extamente quais são as contribuições da sua experiência para a audiência. Se o leitor não se convencer da pertinência e aplicabilidade das suas lições aprendidas, elas não serão consideradas válidas por ele e o seu artigo terá menos chances de ser lido/aprovado. Lições Aprendidas Compare os exemplos abaixo: Texto simples (simplório?): O projeto usou casos de uso genéricos. Texto estruturado (simples?): Título: Utilização de casos de uso genéricos Problema: Alto esforço para gerar casos de uso. Consequência do Aumento do prazo e custo do projeto. problema: Causa do Falta de mecanismos para fazer reutilização de casos de uso. problema: Solução para o problema: Resultado da solução: Utilizar casos de uso genéricos para funções similares nos projetos (por exemplo, funções de incluir, alterar e excluir dados). Diminuição do esforço e, consequentemente, do prazo e custo para construir casos de uso Conclusões / Considerações Finais Conclusões / Considerações Finais Sumário do que foi discutido no artigo Discussão das principais lições aprendidas Sumário das principais contribuições do artigo Apresentação das lições aprendidas do trabalho Discussão de limitações Não é demérito ter limitações Discussão de trabalhos futuros Não significa que você irá desenvolvê-los, apenas que há possíveis desdobramentos/evoluções do seu trabalho. Conclusões ou Considerações Finais? Qual o foco da sessão? Concluir alguma coisa Sumarizar o que foi discutido no artigo Explique como o desenvolvimento o ajudou a atingir cada um dos objetivos do trabalho Apresente argumentos a favor e contra seu trabalho (limitações) Seja o maior crítico do seu próprio trabalho Cuidado com conclusões fortes Procure apresentar as lições aprendidas e como elas podem ser aplicadas Trabalhos futuros: Aponte para pesquisa futura, não atividades futuras O leitor terá pouco interesse em saber o que você pretende fazer no futuro 51 Programa de Pós-Graduação em Informática UNIRIO. apud Wazlawick, Tipos de Validação em Engenharia de Software Por que um leitor deveria acreditar no seu resultado? Os argumentos apresentados no artigo são persuasivos? Que evidências são apresentadas para apoiar suas alegações? Que tipo de evidência é oferecida? Este tipo é habitual? O tipo de avaliação é descrita de forma clara e correta? Experimentos controlados requerem mais que coleta de dados Estudos de caso requerem mais que discussão de situações A validação está relacionada a suas alegações? Se você alega melhora de desempenho, a validação tem que ser feita sobre o desempenho não facilidade de uso A sua ideia é tão interessante e potencialmente poderosa que deve ser exposta apesar da pouca evidência concreta? 53 Tipos de Validação em Engenharia de Software Por que um leitor deveria acreditar no seu resultado? Autores tendem a ter problemas em determinadas situações: Se você alega melhoria em uma arte anterior, compare seu resultado objetivamente em relação àquela arte anterior. Se você usou uma técnica de análise, siga suas regras.» Se o uso da técnica não é habitual na Engenharia de Software, explique a técnica, explique seu uso, estrutura e regras, seja claro sobre sua aderência à técnica. Se você oferece experiência prática como evidência de seu resultado, estabeleça o efeito que a sua pesquisa teve. Se você executou um experimento controlado, explique o projeto do experimento.» Hipóteses? Tratamento? O que está sendo controlado? Dados coletados? Como analisou? Os resultados são significativos? Quais os fatores de confusão? Suas conclusões vêm dos dados experimentais? 54 9

10 Tipos de Validação em Engenharia de Software Por que um leitor deveria acreditar no seu resultado? Autores tendem a ter problemas em determinadas situações: (cont.) Se você executou um estudo experimental, explique como você mediu, como você analisou e o que concluiu.» Que dados foram coletados e como? Como a análise está relacionada com o objetivo de apoiar suas alegações sobre o resultado?» Não confunda correlação com causalidade. Se você usou um pequeno exemplo para explicar o resultado, proveja evidência adicional do seu uso prático e escalabilidade. Agradecimentos Agradecimentos devem vir em uma sessão própria, após as conclusões e antes das referências bibliográficas Que tipos de agradecimentos são comuns? Apoio da empresa Apoio de algum órgão de fomento Pessoas que contribuíram de alguma forma no trabalho Pessoas que participaram de alguma pesquisa ou estudo Referências Bibliográficas Referência bibliográfica não é sinônimo de bibliografia recomendada! Todos os textos utilizados devem ser referenciados Textos não utilizados não devem ser relatados Evite o uso de referências muito antigas O uso de referências antigas é mais aceitável quando se trata de um texto clássico ou precussor da área» Por exemplo, citações ao mito do homem-mês ou ao GQM O uso de muitas referências antigas pode indicar que a revisão da literatura é tendenciosa e/ou ultrapassada O quanto é muito antigo? Use o bom senso J Se você não referenciar, é plágio. E plágios não são tolerados. Leiam os artigos referenciados, não copie trechos de revisão da literatura de outros. 57 Referências Bibliográficas As referências devem ser identificadas ao longo do texto do artigo e listadas ao final do texto. Referências ao longo do texto Blá blá blá (FULANO, 2008) Blá blá blá (SICRANO et al., 2008) Segundo FULANO (2008) Segundo SICRANO et al. (2008) FULANO (2008) afima que... SICRANO et al. (2008) afirmam que... Referências no final do texto PMI Project Management Institute (2008) A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide), 4ª ed., Newton Square: PMI Publications. Softex (2011) MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro, Guia Geral. Disponível em Acessado em: setembro/2011. Santos, G., Montoni, M., Figueiredo, S., Rocha, A. R. (2007) SPI-KM Lessons Learned from Applying a Software Process Improvement Strategy Supported by Knowledge Management, 8th International Conference on Product Focused Software Process Improvement (PROFES 2007), Latvia. 58 Referências Bibliográficas Exemplo de formatação: Ver template de artigo da conferência» Em artigos nacionais, muitas vezes (como no WAMPS ou no SBQS) utiliza-se o padrão da SBC Regras da COPPE (http://www.coppe.ufrj.br/ensino/cpgp.html) Regras da ABNT Revise cuidadosamente o texto para ver se toda a referência é citada e vice versa Anexos e Apêndices Anexo é um texto ou documento não elaborado pelo autor do Trabalho Científico (TC) (monografia, tese etc.). Apêndice é um texto ou documento elaborado pelo autor do Trabalho Científico. Ou seja, se foi necessário você criar uma entrevista, um relatório, ou qualquer documento com o escopo de complementar sua argumentação, deve-se utilizar o termo Apêndice e não Anexo. Exemplos: ANEXO A Documento ou texto não elaborado pelo autor APÊNDICE A Documento ou texto elaborado pelo autor 59 Fonte: TÉCNICAS, Associação Brasileira de Normas. NBR Informação e documentação trabalhos acadêmicos apresentação. Rio de Janeiro: Impresso no Brasil, apud

11 Televisão, Petróleo, Homens e Ilhas A forma do texto Redação: A forma do texto influencia na qualidade geral do trabalho. Clareza Objetividade Encadeamento Resultados Se a forma não está adequada é difícil avaliar as reais contribuições dos autores. Um artigo com a estrutura inadequada pode ser recusado. Um artigo mal escrito tem mais chances ainda de ser recusado. Estrutura do parágrafo segue a estrutura do texto: Introdução Desenvolvimento Garanta sempre que o português do texto esteja impecável. Um texto mal escrito não vai conseguir passar a mensagem que os autores querem (e acham que conseguiram escrever). Conclusão Redação Mensagem: O texto tem que ter uma mensagem, a idéia principal que se quer mostrar. Ter certeza que você sabe o que é: Faça um resumo dessa mensagem em poucas palavras Garanta que a mensagem está refletida em:» Título» Resumo» Introdução; Estrutura e Conclusão Redação Contribuição: Não assuma que sua contribuição é óbvia. 1. Diga o que você vai dizer 2. Diga 3. Diga o que você acabou de dizer Não deixe para o leitor a tarefa de descobrir o que é importante, diga explicitamente Fonte: Orientações para orientandos - Uma experiência em BD, Marta Mattoso, III Workshop de Teses e Dissertações em Bancos de Dados - 19º. Simpósio Brasileiro de Bancos de Dados 63 Fonte: Orientações para orientandos - Uma experiência em BD, Marta Mattoso, III Workshop de Teses e Dissertações em Bancos de Dados - 19º. Simpósio Brasileiro de Bancos de Dados 64 Redação Compreensão / Avaliação Facilite a compreensão/avaliação do seu trabalho, apresentando clara e explicitamente: 1. Caracterização do problema 2. Objetivo da tese (garanta que o objetivo será o MESMO ao longo de toda a tese) 3. Como o objetivo foi atendido 4. Porque o objetivo foi atendido 5. Contribuição 6. Originalidade Redação Avaliação O que a banca examinará: Trabalho original compreendendo um grau satisfatório de atividades de pesquisa Análise crítica dos tópicos e trabalhos relevantes Competência no método de pesquisa e na área de pesquisa escolhida Independência na abordagem do problema ou técnica apresentada Texto bem elaborado e referências adequadas Fonte: Orientações para orientandos - Uma experiência em BD, Marta Mattoso, III Workshop de Teses e Dissertações em Bancos de Dados - 19º. Simpósio Brasileiro de Bancos de Dados Fonte: Orientações para orientandos - Uma experiência em BD, Marta Mattoso, III Workshop de Teses e Dissertações em Bancos de Dados - 19º. Simpósio Brasileiro de Bancos de Dados 65 E para relatos de experiências? A descrição do contexto onde a experiência é relatada é adequada? A experiência e seus resultados são válidos? As lições aprendidas são interessantes e trazem algo de novo? 66 11

12 Escrevendo Textos Textos Ambíguos Texto: Quantos meses do ano têm 28 dias? A língua utilizada no MSN não é português (a) 1 (Fevereiro) O dialeto do telemarketing não é português (b) 12 (Todos os meses do ano) Um artigo é um texto técnico (c) Nenhum, pois fevereiro às vezes tem 29 dias Começo, meio e fim, nesta ordem Textos soltos não dizem nada Modos verbais: Imperativo, Subjuntivo e Indicativo Um texto acadêmico não pode levar a duplas interpretações. A interpretação não pode depender do leitor, deve ser explícita e única. A reforma ortográfica já está valendo! Opiniões: Considere as seguintes frases, extraídas de diferentes matérias jornalísticas, e responda ao que se pede. Se for da literatura, colocar referência. Se não for, cuide-se! Uso de termos pouco formais "saúde" de empresas Definir todos os termos Cuidado ao usar o mesmo termo em diferentes acepções I. Nos últimos meses, o debate sobre o aquecimento global vem, com perdão do trocadilho, esquentando. II. Preso vigia acusado de matar empresário. a) Identifique, na frase I, o trocadilho a que se refere o redator e explique por que ele pede perdão por tê-lo produzido. b) É correto afirmar que na frase II ocorre ambigüidade? Justifique sua resposta Textos Ambíguos Conotação e Donotação Figuras de Linguagem: Texto científico não é texto literário. Texto Conotativo: Conotação é a significação subjetiva da palavra; ocorre quando a palavra evoca outras realidades por associações que ela provoca Texto Denotativo: Denotação é a significação objetiva da palavra; é a palavra em "estado de dicionário Em qual das duas classificações você acha que um texto científico deveria se encaixar? Quem está na chuva é para se molhar. Quando alguém opta por uma determinada experiência, deve assumir todas as regras e conseqüências decorrentes dessa experiência. 69 Fonte: 70 Uso de Palavras fortes Sujeito preposicionado Uso incorreto de ponto-e-vírgula Um ativo reutilizável possui valor imensurável tendo em vista seu potencial para reduzir o esforço de execução do processo e/ou pelo conhecimento explícito que contém. Um ativo reutilizável possui grande valor tendo em vista seu potencial para reduzir o esforço de execução do processo e/ou pelo conhecimento explícito que contém. Tendo em vista as dificuldades enfrentadas no gerenciamento do Projeto de Melhoria de Processos de Software, multiplicadas pela complexidade do ambiente das corporações; e da necessidade cada vez mais crescente das empresas alcançarem suas metas e objetivos diretamente entrelaçados ao planejamento estratégico, pode-se relacionar a estes projetos as mesmas ondas definidas pelo PMI. Não use palvras fortes, o artigo não é para causar espécie... Exemplos de possíveis palavras fortes: Sempre Nunca Imprescindível Imensurável As palavras dependem do contexto em que estão inseridas da necessidade cada vez mais crescente de as empresas alcançarem suas metas ambiente das corporações e da necessidade... As regras do português devem ser seguidas. Por mais que as estruturas possam parecer estranhas algumas vezes 72 12

13 Uso excessivo (incorreto) de vírgulas Verbo na 1ª pessoa Várias são as definições de projetos que podem ser encontradas na literatura e, a seguir destacamos algumas delas: Várias são as definições de projetos que podem ser encontradas na literatura e a seguir são destacadas algumas delas: Várias são as definições de projetos que podem ser encontradas na literatura e, a seguir, são destacadas algumas delas: Várias são as definições de projetos que podem ser encontradas na literatura: As regras do português devem ser seguidas. Deve-se procurar sempre que o texto seja fácil de ler. 73 Uso excessivo de vírgulas Projetos que possuem alto valor para os benefícios padrão e alto risco de insucesso, devendo, ter os riscos de insucesso tratados, para que se desloquem para o quadrante da esquerda e possam, com isso prosseguir para os próximos subprocessos. Projetos que possuem alto valor para os benefícios padrão e alto risco de insucesso devendo ter os riscos de insucesso tratados para que se desloquem para o quadrante da esquerda e possam, com isso, prosseguir com a execução dos subprocessos seguintes. As regras do português devem ser seguidas. Vírgula não é para pausa. Não se separa o sujeito do verbo por vírgula. 74 Uso insuficiente de vírgulas Assim um novo desafio tem surgido para as organizações... Assim, um novo desafio tem surgido para as organizações... Crase E desta forma prover a alta gerência, patrocinadores, interessados e gerente, uma visão consolidada de todos os projetos que compõem o programa. As regras do português devem ser seguidas. Deve-se procurar sempre que o texto seja fácil de ler. Algumas organizações se destacam por possuírem algum tipo de programa de melhorias, baseado em um dos modelos de melhoria de processos existentes como, por exemplo, CMMI, MPS.BR, ISO 9000, ISO/IEC ou ISO/IEC Algumas organizações se destacam por possuírem algum tipo de programa de melhorias baseado em um dos modelos de melhoria de processos existentes, como, por exemplo, CMMI, MPS.BR, ISO 9000, ISO/IEC ou ISO/IEC E desta forma, prover à alta gerência, patrocinadores, interessados e gerentes, uma visão consolidada de todos os projetos que compõem o programa. As regras do português devem ser seguidas. Atenção à regência dos verbos. Por exemplo, o verbo visar é transitivo indireto, mas no Brasil costumamos suprimir a preposição antes de infinitivo Quando é que você vai comprar a sua gramática? 76 Uso de Verbos na 1ª Pessoa Concordância Por isso, definiremos primeiramente o conceito de projetos, gerência de projetos e posteriormente os conceitos de portfólio e gerência de portfólio. Uso de Advérbios de Modo Por isso, serão definidos primeiramente o conceito de projetos, gerência de projetos e posteriormente os conceitos de portfólio e gerência de portfólio. Por isso, serão definidos primeiramente os conceitos de projetos e gerência de projetos e, posteriormente, os conceitos de portfólio e gerência de portfólio. Evite utilizar verbos na 1a pessoa. Altere a frase para deixar o texto impessoal. Pode-se utilizar a voz passiva. Essa regra não se aplica totalmente a textos em inglês (onde voz passiva nem sempre é indicada e pode deixar a estrutura da frase confusa). Por isso, serão definidos a princípio o conceito de projetos, gerência de projetos e, depois, os conceitos de portfólio e gerência de portfólio. Por isso, serão definidos o conceito de projetos, gerência de projetos e os conceitos de portfólio e gerência de portfólio. E, só para não perder o costume: As regras do português devem ser seguidas. 77 O texto deve ser fácil e agradável de ler

14 Consistência entre Texto e Referências Diversos estudos indicam que a estratégia de negócio pode ser alcançada ou ligada à gerência de portfólio através da seleção e execução dos projetos adequados dentro do processo de alinhamento estratégico (SRIVANNABOON, 2006). Estudos indicam que a... Se são diversos, por que só há uma referência? 79 Redundância O principal objetivo dessa atividade é decidir se o projeto deve ser aprovado ou postergado baseando-se no critério de balanceamento através da sobreposição do mapa de investimento estratégico desejado e o mapa de investimento estratégico atual. Assim, um objetivo importante dessa atividade é balancear os investimentos entre as áreas e subáreas de investimento. O principal objetivo dessa atividade é decidir se o projeto deve ser aprovado ou postergado baseando-se no critério de balanceamento através da sobreposição do mapa de investimento estratégico desejado e o mapa de investimento estratégico atual. Com isso, serão balanceados os investimentos entre as áreas e subáreas de investimento. A coerência do texto deve ser mantida sempre. 80 Uso de Referências no Abstract/Resumo O processo foi construído com base nas melhores práticas de gerência de projetos PMBOK:2004 (PMBOK, 2004), programa (PMI, 2006b) e portfólio (PMI, 2006a), encontradas na literatura, e está aderente ao processo de gerência de portfólio de projetos da norma ISO/IEC 12207:2008 (ISO/IEC12207, 2008). O processo foi construído com base nas melhores práticas de gerência de projetos, programa e portfólio encontradas na literatura e está aderente ao processo de gerência de portfólio de projetos da norma ISO/IEC 12207:2008. Tecnicamente o artigo só começa após o abstract/resumo, então não deveria ter referências bibliográficas ainda. O abstract deve ser curto e fácil de ler. Não se esqueça que é o resumo do artigo, não o artigo. 81 Relação entre Causa e Efeito Estudos indicam que a estratégia de negócio pode ser alcançada ou ligada à gerência de portfólio através da seleção e execução dos projetos adequados dentro do processo de alinhamento estratégico. Por isso, definiremos primeiramente o conceito de projetos, gerência de projetos e posteriormente os conceitos de portfólio e gerência de portfólio. Para melhor entendimento, faz-se necessário definir termos como... A seguir, serão definidos os conceitos de projetos, gerência de projetos, portfólio e gerência de portfólio. 82 Citações com Diferentes Estilos Referência a Figuras Gerência de projetos é o planejamento, programação e controle de uma série de tarefas integradas de forma a atingir, com êxito, os objetivos do projeto, para benefício dos envolvidos [Kerzner, 2002]. O PMI (Project Management Institute) [1] define gerência de projetos como sendo a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas nas atividades do projeto com o objetivo de atender as suas necessidades. Deve-se padronizar estilo do texto e também das referências. Verifique o padrão na chamada de trabalhos como mostra a Figura 1 Realização dos objetivos e metas através de projetos e as restrições organizacionais.... como mostra a figura abaixo.... como mostra a Figura 1. Todas as figuras devem ser referenciadas no texto. Deve-se referenciá-las antes de aparecerem no texto. Deve-se sempre referenciar as figuras por um número sequencial. A referência à figura não deve repetir a sua legenda. Cuidado com o uso excessivo de figuras. Deve haver uma explicação para cada figura. O leitor não deve (nem tem condições de) advinhar o que a figura quer dizer e porque ela foi inserida no texto. A semântica das figuras é importante. Se for usar uma notação específica, justifique/saiba por que ela foi utilizada. Procure não misturar notações diferentes

15 Traduções Incorretas / Não Recomendadas comprehensive abrangente compreensivo to support apoiar suportar performance desempenho performance Verifique a tradução correta para os termos que quer utilizar. Nem sempre a tradução mais utilizada é a correta Mas tenham cuidado também com o português, utilizem a expressão correta... Por exemplo: - de encontro / ao encontro - tão pouco / tampouco Informalidade da Fala na Escrita Uso de pronomes A organização irá utilizar a baseline estabelecida através da caracterização como base de comparação com um desempenho futuro. A organização utilizará a baseline estabelecida através da caracterização como base de comparação com um desempenho futuro. No benchmarking interno a busca pelas melhores práticas ocorre dentro da própria organização. Ele utiliza medidas básicas da organização. No benchmarking interno a busca pelas melhores práticas ocorre dentro da própria organização. São utilizadas medidas básicas da organização. O texto científico é um texto formal. 86 Frases Grandes A idéia básica por trás do benchmarking aplicado aos projetos de melhoria de processos de software é que, para cada novo projeto, há outros projetos que se assemelham àquele e que já foram realizados ou ainda estão sendo realizados de forma que muitas das informações derivadas destes projetos podem servir de base para o planejamento ou para a análise do desempenho de outros projetos que estão em fase de iniciação ou em execução. A idéia básica por trás do benchmarking aplicado aos projetos de melhoria de processos de software é que, para cada novo projeto, há outros projetos que se assemelham àquele e que já foram realizados ou ainda estão sendo realizados. Assim, muitas das informações derivadas destes projetos podem servir de base para o planejamento ou para a análise do desempenho de outros projetos que estão em fase de iniciação ou em execução. Deve-se procurar sempre que o texto seja fácil de ler. Evite o uso de que nas frases. Procure fazer as frases não maiores que 3 ou 4 linhas. Só não exagere e crie textos telegráficos 87 Uso de o mesmo Testes têm como objetivo verificar dinamicamente o comportamento de um programa, usando um conjunto de casos de teste adequadamente selecionados, em relação ao comportamento esperado para o mesmo [SWEBOK, 2004]. Testes têm como objetivo verificar dinamicamente o comportamento de um programa, usando um conjunto de casos de teste adequadamente selecionados, em relação ao comportamento esperado [SWEBOK, 2004]. O uso de o mesmo tecnicamente não fere regras gramáticais, mas interefere no estilo do texto. Em geral, pode-se retirar o mesmo do frase sem perda do significado. Menos é mais... Outros vícios de linguagem: a nível de, através de, numa/num, uso de numerais (3) no texto, não-uso de pronomes pessoais 88 Termos a Serem Evitados Escrevendo Textos Advérbios Brincadeiras, Ironia ou Piadas ruim e bom (não julgue) perfeito (nada é) uma solução ideal hoje em dia, atualmente em breve Ficamos surpresos ao perceber que... parece que... parece mostrar que... diferente (de quê?) provavelmente simples obviamente, claramente (para quem?) na verdade Segunda pessoa Primeira pessoa um pesquisador famoso poucos, muitos, todos, nenhum (quem disse? Como foi provado?) deve (quem disse?) Fonte: Santoro, F., Notas de Aula Apresentação do Metodologia Wazlawick, da Pesquisa Científica , Programa de Pós-Graduação em Informática UNIRIO. apud Wazlawick, 2007 Regra de ouro para escrever textos: Defina Leia Pense Estruture 90 15

16 Ética... Ética na Pesquisa... em Sala de Aula Não colar ou dar cola em provas Não plagiar o trabalho Não trapacear nas leituras e listas de exercício Não sobrecarregar os colegas do grupo Não assinar presença por colegas Dar crédito apropriado quando usar trabalhos de terceiros (ver nota de rodapé!) E na Pesquisa? Necessidade de postura ética em relação à computação: Profissionais de computação Usuários e Clientes Ser Humano Comportamento do cientista (Merton, 1942) Comunalismo: requer que o conhecimento científico seja público Universalismo: requer que a ciência seja independente de raça, cor, credo... Desinteresse: requer que os resultados da pesquisa não sejam manipulados Ceticismo organizado: requer que afirmações não devam ser aceitas pela palavra da autoridade Fonte: Murta, L., Notas de Aula Apresentação do Curso de Engenharia de Software /1, Instituto de Computação - UFF Programa de Pós-Graduação em Informática - UNIRIO Ética na Pesquisa Algumas questões para reflexão (Wainer, 2007) Participação em experimentos» O sujeito de um experimento em ciência da computação deve ser informado que ele participa de um experimento ou isso não é necessário?» Se ele tiver que ser informado, é preciso que ele o seja antes e concorde em participar, ou só e preciso que ele concorde, após o experimento, que os dados sejam utilizados na pesquisa, desde que certas salvaguardas sejam tomadas? Pesquisas qualitativas» Que garantias de anonimato da organização na publicação final dos resultados são apropriadas?» A organização tem poder de veto na publicação dos resultados?» Se a organização já autorizou a pesquisa, é preciso pedir consentimento a cada um dos sujeitos estudados? 93 Programa de Pós-Graduação em Informática - UNIRIO Plágio e Auto Plágio Plágio x Pesquisa Plágio não é pesquisa Pesquisa não é plágio Sempre referencie os autores de quem você cita um texto Não copie um trecho completo de um trabalho alheio, mesmo referenciando. Isso pode ser considerado plágio. Auto-plágio Posso publicar um mesmo artigo em vários lugares diferentes?» Infelizmente não.» Descubra como transformar a experiência em outro artigo J Mesmo quando se copia um trecho de um trabalho anterior seu é preciso referenciá-lo! Auto-plágio tem sido cada vez menos tolerado Processo de Revisão Os artigos submetidos a eventos científicos serão avaliados por revisores selecionados (em geral, 2 a 3) Ajuste de foco do artigo com a chamada do evento Deve ser feito antes da submissão. Se o foco estiver errado, aumentam as chances de o artigo ser recusado Analise a lista de revisores para tentar inferir o possível foco que será dado nas revisões Garanta uma boa revisão prévia do artigo. Não é trabalho do revisor corrigir o seu trabalho, mas sim apontar os pontos fortes e fracos e a adequação ao evento. Submissão do artigo. Verifique o sistema de submissão (no Brasil, é comum o uso do JEMS, no exterior, do EasyChair. Também pode ser ). Verifique a data limite (não há garantias que ela seja alterada!) É de bom tom corrigir os itens apontados pelos revisores (eles não foram escolhidos ao acaso), apesar de não haver uma segunda revisão Processo de Seleção de Artigos Pesquisadores selecionam coordenador do comitê de programa Coordenador do comitê de programa seleciona membros do comitê de programa Coordenador do comitê de programa apresenta Chamada de Trabalhos (Call for Papers) Autores submetem artigos Coordenador do comitê de programa distribui artigos para os membros do comitê Membros do comitê redistribuem artigos para revisores (se for o caso) Revisores apresentam revisão dos artigos Membros do comitê e coordenador decidem quais artigos serão aceitos Programa de Pós-Graduação em Informática - UNIRIO 16

Pela Aplicabilidade -com um maior Rigor Científico- dos Estudos de Caso em Sistemas de Informação

Pela Aplicabilidade -com um maior Rigor Científico- dos Estudos de Caso em Sistemas de Informação Pela Aplicabilidade -com um maior Rigor Científico- dos Estudos de Caso em Sistemas de Informação Marlei Pozzebon Henrique M. R. de Freitas RESUMO O objetivo deste trabalho é aprofundar o conhecimento

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA: um manual para a realização de pesquisas em administração

METODOLOGIA CIENTÍFICA: um manual para a realização de pesquisas em administração UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO METODOLOGIA CIENTÍFICA: um manual para a realização de pesquisas em administração Prof. Maxwell Ferreira de Oliveira CATALÃO-GO 2011

Leia mais

COLÉGIO TÉCNICO HENRIQUE HENNRY (tam. 18, centralizado, negrito, caixa alta)

COLÉGIO TÉCNICO HENRIQUE HENNRY (tam. 18, centralizado, negrito, caixa alta) COLÉGIO TÉCNICO HENRIQUE HENNRY (tam. 18, centralizado, negrito, caixa alta) CURSO TÉCNICO EM PROJETO TÉCNICO CIENTÍFICO (tam. 16, centralizado, negrito, caixa alta) TÍTULO DO PROJETO (tam.

Leia mais

MANUAL DE NORMATIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS DA FAMESC

MANUAL DE NORMATIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS DA FAMESC 1 MANUAL DE NORMATIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS DA FAMESC Quissamã RJ 2012 2 FACULDADE METROPOLITANA SÃO CARLOS MANUAL DE NORMATIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS DA FAMESC Manual para utilização dos trabalhos

Leia mais

Método do Estudo de Caso (Case Studies) ou Método do Caso (Teaching Cases)? Uma análise dos dois métodos no Ensino e Pesquisa em Administração.

Método do Estudo de Caso (Case Studies) ou Método do Caso (Teaching Cases)? Uma análise dos dois métodos no Ensino e Pesquisa em Administração. Método do Estudo de Caso (Case Studies) ou Método do Caso (Teaching Cases)? Uma análise dos dois métodos no Ensino e Pesquisa em Administração. Autoria: Ana Maria Roux Valentini Coelho Cesar Doutora em

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE PROJETOS DA PAISAGEM PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE PROJETOS DA PAISAGEM PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE PROJETOS DA PAISAGEM PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES Currso:: Gesttão de Prrojjettos APOSTIILA maio, 2006 Introdução Conseguir terminar o

Leia mais

MANUAL DE TRABALHOS ACADÊMICOS

MANUAL DE TRABALHOS ACADÊMICOS UNIVERSIDADE DE ITAÚNA MANUAL DE TRABALHOS ACADÊMICOS Ms. Eunice Batista Gonçalves Dra. Glória Maria de Pádua Moreira Dr. Lúcio Aparecido Moreira Dra. Maria José de Morais Pereira Dra. Patrícia Martins

Leia mais

Metodologia da Pesquisa e Elaboração de Dissertação

Metodologia da Pesquisa e Elaboração de Dissertação Metodologia da Pesquisa e Elaboração de Dissertação UFSC Universidade Federal de Santa Catarina http://www.ufsc.br Reitor Rodolfo Joaquim Pinto da Luz Vice-Reitor Lúcio Botelho CTC Centro Tecnológico http://www.ctc.ufsc.br

Leia mais

Implementação do Modelo de Maturidade CMMI-DEV na Empresa X

Implementação do Modelo de Maturidade CMMI-DEV na Empresa X SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Pós-Graduação Lato Sensu em Governança de Tecnologia da Informação Cristiano Ferreira Soares Implementação do Modelo de Maturidade CMMI-DEV na Empresa X Brasília-DF

Leia mais

UMA PROPOSTA DE PROJETO PARA IMPLANTAÇÃO DO CMMI-DEV NÍVEL 2 DE MATURIDADE CONFORME O GUIA PMBOK

UMA PROPOSTA DE PROJETO PARA IMPLANTAÇÃO DO CMMI-DEV NÍVEL 2 DE MATURIDADE CONFORME O GUIA PMBOK FACULDADE DE TECNOLOGIA DE JOÃO PESSOA INSTITUTO PARAIBANO DE PÓS-GRADUAÇÃO MAXWELL ANDERSON IELPO DO AMARAL UMA PROPOSTA DE PROJETO PARA IMPLANTAÇÃO DO CMMI-DEV NÍVEL 2 DE MATURIDADE CONFORME O GUIA PMBOK

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA: PRÁTICAS DE GESTÃO NO SETOR DE AUTOMAÇÃO DE CONTROLE DE PROCESSOS

DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA: PRÁTICAS DE GESTÃO NO SETOR DE AUTOMAÇÃO DE CONTROLE DE PROCESSOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA:

Leia mais

Guia para Planejamento do Fechamento de Mina

Guia para Planejamento do Fechamento de Mina Guia para Planejamento do Fechamento de Mina GUIA PARA PLANEJAMENTO DO FECHAMENTO DE MINA Brasília, 2013 Copyright 2013, IBRAM Instituto Brasileiro de Mineração Impresso no Brasil / Printed in Brazil Crédito

Leia mais

EDIÇÃO ONLINE GRATUITA

EDIÇÃO ONLINE GRATUITA EDIÇÃO ONLINE GRATUITA Feito para você Cortesia da Este livro é distribuído gratuitamente no portal InfoQ.com. Se você recebeu este livro de qualquer outra fonte, por favor, suporte o autor e o editor

Leia mais

Manual de orientação para desenvolvimento do Plano de Negócios

Manual de orientação para desenvolvimento do Plano de Negócios FACULDADE DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO DE RUBIATABA FACER FACULDADE DE CERES - FACERES Manual de orientação para desenvolvimento do Plano de Negócios Elaborado por: Cláudio Roberto Santos Kobayashi; Francinaldo

Leia mais

O CAD APLICADO AO PROJETO DO PRODUTO: O PONTO DE VISTA DOS DESIGNERS INDUSTRIAIS. Francisco Duarte Magalhães Silva

O CAD APLICADO AO PROJETO DO PRODUTO: O PONTO DE VISTA DOS DESIGNERS INDUSTRIAIS. Francisco Duarte Magalhães Silva O CAD APLICADO AO PROJETO DO PRODUTO: O PONTO DE VISTA DOS DESIGNERS INDUSTRIAIS Francisco Duarte Magalhães Silva Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção,

Leia mais

Análise e Projeto Orientado a Objeto Usando UML

Análise e Projeto Orientado a Objeto Usando UML Análise e Projeto Orientado a Objeto Usando UML Lorena Borges Moreira Uberlândia, Dezembro/2000. Análise e Projeto Orientado a Objeto Usando UML Lorena Borges Moreira Monografia apresentada ao Curso de

Leia mais

Revista de Contabilidade e Organizações, vol. 6 n. 14 (2012) p. 127-144

Revista de Contabilidade e Organizações, vol. 6 n. 14 (2012) p. 127-144 Revista de Contabilidade e Organizações Revista de Contabilidade e Organizações, vol. 6 n. 14 (2012) p. 127-144 ESTUDOS DE CASO E SUA APLICAÇÃO: PROPOSTA DE UM ESQUEMA TEÓRICO PARA PESQUISAS NO CAMPO DA

Leia mais

KIT DE FERRAMENTAS. 2a EDIÇÃO

KIT DE FERRAMENTAS. 2a EDIÇÃO KIT DE FERRAMENTAS 2a EDIÇÃO Introdução 2a EDIÇÃO 1 H C D Introdução Human Centered Design Você Está Procurando... Inovar na base da pirâmide social? Entrar em uma nova região? Adaptar tecnologias à sua

Leia mais

Normas do Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) Curso de Nutrição (UFV/CRP)

Normas do Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) Curso de Nutrição (UFV/CRP) Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG Normas do Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) Curso de Nutrição (UFV/CRP) Rio Paranaíba Novembro 2012 Normas do Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

SOFTWARE EDUCACIONAL: A IMPORTÂNCIA DE SUA AVALIAÇÃO E DO SEU USO NAS SALAS DE AULA

SOFTWARE EDUCACIONAL: A IMPORTÂNCIA DE SUA AVALIAÇÃO E DO SEU USO NAS SALAS DE AULA FACULDADE LOURENÇO FILHO ROMMEL XENOFONTE TELES DE MORAIS SOFTWARE EDUCACIONAL: A IMPORTÂNCIA DE SUA AVALIAÇÃO E DO SEU USO NAS SALAS DE AULA FORTALEZA 2003 1 ROMMEL XENOFONTE TELES DE MORAIS SOFTWARE

Leia mais

MARTA LÚCIA SCHAEDLER PARTICIPAÇÃO DOS COLABORADORES NOS RESULTADOS: DIVULGAÇÃO NA PÁGINA INSTITUCIONAL E NÚMEROS DA DEMONSTRAÇÃO DE VALOR ADICIONADO

MARTA LÚCIA SCHAEDLER PARTICIPAÇÃO DOS COLABORADORES NOS RESULTADOS: DIVULGAÇÃO NA PÁGINA INSTITUCIONAL E NÚMEROS DA DEMONSTRAÇÃO DE VALOR ADICIONADO MARTA LÚCIA SCHAEDLER PARTICIPAÇÃO DOS COLABORADORES NOS RESULTADOS: DIVULGAÇÃO NA PÁGINA INSTITUCIONAL E NÚMEROS DA DEMONSTRAÇÃO DE VALOR ADICIONADO CURITIBA 2011 MARTA LÚCIA SCHAEDLER PARTICIPAÇÃO DOS

Leia mais

COLETÂNEA DE ESTUDOS SOBRE GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO (BPM - BUSINESS PROCESS MANAGEMENT)

COLETÂNEA DE ESTUDOS SOBRE GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO (BPM - BUSINESS PROCESS MANAGEMENT) 1 COLETÂNEA DE ESTUDOS SOBRE GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO (BPM - BUSINESS PROCESS MANAGEMENT) AUTORES: Alexander Correia Marques Ana Catarina Lima Silva Igor Novaes Flori Leonora da Cunha Duarte

Leia mais

Projeto de Interfaces de Usuário

Projeto de Interfaces de Usuário Projeto de Interfaces de Usuário Perspectivas Cognitivas e Semióticas Clarisse Sieckenius de Souza *, Jair Cavalcanti Leite, Raquel Oliveira Prates *, Simone D.J. Barbosa * clarisse@inf.puc-rio.br; jair@dimap.ufrn.br;

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso

Trabalho de Conclusão de Curso UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE Departamento de Administração Graduação Trabalho de Conclusão de Curso O Impacto do Desenvolvimento de Lideranças no Clima

Leia mais

DESENVOLVER A COMPETÊNCIA LEITORA: DESAFIO AO PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL

DESENVOLVER A COMPETÊNCIA LEITORA: DESAFIO AO PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADES DE LETRAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LINGUÍSTICA APLICADA - ESPECIALIZAÇÃO DESENVOLVER A COMPETÊNCIA LEITORA: DESAFIO AO PROFESSOR

Leia mais

REDAÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO NA ÁREA BIOMÉDICA

REDAÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO NA ÁREA BIOMÉDICA 1 REDAÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO NA ÁREA BIOMÉDICA Sebastião Gusmão Roberto Leal Silveira 2 Para Helena Para Vance 3 SUMÁRIO PREFÁCIO 4 INTRODUÇÃO 5 I ARTIGO ORIGINAL 16 I.1 TÍTULO 17 I.2 RESUMO 21 I.3

Leia mais

A COMUNICAÇÃO NA EMPRESA E SUA INFLUÊNCIA NOS PROJETOS. Resumo. Introdução. Sérgio Marcos Silva Leitão 1

A COMUNICAÇÃO NA EMPRESA E SUA INFLUÊNCIA NOS PROJETOS. Resumo. Introdução. Sérgio Marcos Silva Leitão 1 2 A COMUNICAÇÃO NA EMPRESA E SUA INFLUÊNCIA NOS PROJETOS Sérgio Marcos Silva Leitão 1 Resumo Este artigo tem como objetivo mostrar como as falhas no processo de comunicação podem ser uma das principais

Leia mais

REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación E-ISSN: 1696-4713 RINACE@uam.es

REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación E-ISSN: 1696-4713 RINACE@uam.es REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación E-ISSN: 1696-4713 RINACE@uam.es Red Iberoamericana de Investigación Sobre Cambio y Eficacia Escolar España Soares, José Francisco

Leia mais

Evolução dos Recursos Humanos nas Empresas? Da Retórica às Práticas Antigas com Novas Roupagens

Evolução dos Recursos Humanos nas Empresas? Da Retórica às Práticas Antigas com Novas Roupagens Evolução dos Recursos Humanos nas Empresas? Da Retórica às Práticas Antigas com Novas Roupagens Autoria: Carolina Goyatá Dias, Fernanda Tarabal Lopes, Werner Duarte Dalla Resumo: Busca-se analisar como

Leia mais