K1 Técnica de remada inclinada

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "K1 Técnica de remada inclinada"

Transcrição

1 Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Local: ITAIPU Plano de aula:semana 41 Data: Turma: Faixa Verde Professor: Fundamento da Semana: Técnica de remada Objetivo Geral: Recursos Materiais: Atividade Apresentação do tema e Aquecimento Apresentação breve de como utilizar os fundamentos previstos para a semana. K1 Técnica de remada inclinada. Zig Zag com orientação de proa. Giro com circular e reversa. Pivô com leme de proa e reversa. Pivô com leme de proa. C1- Direcionamento da proa em zig zag. Circulares. Pivô com remada reversa. Pivô com leme de proa. Pivô em X. C2 Remada para frente. Remada ré com aceleração frente. Pivô lado favorável. Pivô com leme de proa. Aprendizagem de novos fundamentos da Canoagem Slalom, além da revisão do que já foi repassado nas semanas anteriores. Nem todos os exercícios são necessários em uma só aula, podendo os fundamentos serem aplicados de forma alterada no decorrer da semana. Local amplo para acomodação dos alunos, apito, coletes salva vidas, capacetes, sacos de resgate, cabos de vassoura para aquecimento, saias, barcos e remos. Tempo de Descrição No início da semana a apresentação geral dos fundamentos a serem executados com visualização do DVD. Logo após, aquecimento com corrida, remada no seco e atividades lúdicas. Aula propriamente dita: EXERCÍCIO 1: K1 Técnica de remada inclinada Execução 20 m 1h20m a- Buscar o alcance máximo do ataque b-o joelho do lado oposto à remada deverá ficar levantado (flexionado) e a outra perna estendida. c- Com o remo fora da água o atleta deverá manter-se equilibrado. d- Puxar o remo próximo do barco (sentir o deslize)

2 e- A proa deve se mover para a pá, permitindo que o ciclo seja repetido. f- mudança de lado. C1 Circulares. a)-barco Equilibrado durante a execução dos tempos. b)-alcance máximo na fase de captação para o deslize. c)-puxar com rotação do tronco e depois com os braços para a maior parte do deslize. d)-aplicar toda a pressão na pá e nos joelhos quando estiver realizando a varredura. e)-a cabeça gira na direção em que o barco se movimenta. C2 Remada para frente. a)- É fundamental que os canoístas remem em sincronia. b)- O homem da popa deve direcionar o barco o mínimo possível. c)-se for necessário virar: - O homem da proa aplica menos força; - O homem da popa efetua remadas em J (vira a pá no final do tempo e desliza para o lado).

3 EXERCÍCIO 2: K1- Zig zag com orientação de proa. a)-deixar a popa livre (fora da água) para iniciar a virada b)- Remar numa linha em que a proa avance em direção à pá. c)-a pá deve ser colocada com angulação de 45 entre a proa, cintura do atleta e a pá para puxar o barco naquela direção d)-prosseguir com o livramento da popa (traseira fora da água) para iniciar uma nova sequência. C1- Direcionamento da Proa em zig zag. a)-remar normalmente para a frente com velocidade. b)-iniciar o zig zag alterando o lado da remada (remada em X). O canoísta Deverá buscar o máximo de amplitude e finalizar a remada um pouco à frente do quadril para controle de proa (manter sempre levantada) e equilíbrio. c)-ainda na remada em X e na frente do quadril, o canoísta deverá abrir ligeiramente a pá ao contrário da borda para iniciar a virada. Assim que a canoa mudar de direção deverá levar o remo o mais longe possível (em faca) para iniciar novo ciclo de remada. d)-alterar a remada para o lado normal e iniciar o zig zag com a proa sempre levantada.

4 C2 Remada ré com aceleração frente. a)-remar vagarosamente para trás 3 4 vezes e então remar de 3 5 vezes para frente com toda a força. b)-a aceleração sem espirrar muita água é uma aceleração lisa e de melhor rendimento. EXERCÍCIO 3: K1- Giro com circular e reversa. a)-o barco deve se manter equilibrado afundando o mínimo possível a popa. b)-o braço do canoísta deverá estender ao máximo para fazer a remada circular, bem como na remada reversa quando será necessário uma boa rotação do tronco para a mudança do lado e manter o barco girando.

5 C1- Pivô com remada reversa. Pivô com leme de proa. PIVO COM REMADA REVERSA a)-remar com velocidade para frente. b)-a primeira remada para iniciar o pivô será reversa sem exagerar no giro do tronco. c)-dando continuidade no giro, aí sim o canoísta deverá fazer a rotação completa do tronco empurrando o remo longe do barco. d)-o barco deve manter-se equilibrado, com a popa rasa (pouca profundidade). PIVÔ COM LEME DE PROA a)-o canoísta deverá remar para a frente com velocidade. Dará início ao leme de proa inserindo a pá atrás do seu quadril através de rotação completa do tronco. b)-deverá empurrar os joelhos para o lado da pá. c)-deverá inclinar-se ligeiramente na primeira virada para equilibrar o barco. Manter a popa rasa (pouca profundidade). 1- A pá desliza para trás para repetir. NOTA: é inapropriado para canoístas com ombros instáveis procure auxílio médico.

6 C2- Pivô lado favorável. a)-barco bem equilibrado. b)-rotação completa do tronco, empurrando o remo para fora do barco. Ampla varredura o homem da proa e ampla reversa o homem da popa. c)-manter a popa rasa entre as remadas. d)-amplitude máxima em cada remada para manter a velocidade. EXERCÍCIO 4: K1 Pivô com leme de proa e reversa. Pivô com leme de proa. PIVÔ (PIVOT) COM LEME DE PROA E REVERSA a)-começar inclinando levemente o corpo para trás com boa rotação do tronco para iniciar a remada reversa. b)-ao finalizar a reversa o canoísta deverá manter o barco equilibrado e iniciar a transição, sem tirar a pá da água, posicionando o remo para execução do leme de proa.

7 PIVO (PIVOT) COM LEME DE PROA a)-forte rotação do tronco para o lugar a ser realizado o giro, olhando para trás. b)-inserir a pá na água um pouco atrás da linha do quadril e estabilize o barco. c)-a pá deverá fazer movimento curvilíneo de encontro com a proa do barco d)-deslizar novamente para repetir sem retirar a pá da água. NOTA: é inapropriado para canoístas com ombros instáveis procure auxílio médico. C1- Pivô em X a)-o canoísta deverá iniciar com velocidade para a frente. b)-ao fazer a remada cruzada deverá realizar a rotação completa do tronco. c)-ao terminar o primeiro ciclo da remada cruzada o canoísta deverá, sem tirar o remo da água, iniciar um ciclo invertido empurrando os joelhos para o lado da pá. d)-deverá inclinar-se ligeiramente na primeira virada e equilibrar o barco mantendo a popa rasa (pouca profundidade).

8 C2 Pivô com leme de proa. a)-barco bem equilibrado. b)-canoísta de proa: deve puxar a pá totalmente na vertical para realizar o leme, deslizando o remo para traz rente a borda da canoa. c)-canoísta da popa: Rotação completa do tronco para executar uma circular (varredura) ampla. d)-manter a popa rasa entre as remadas. 1- Amplitude máxima em cada remada. NOTA: é inapropriado para canoístas com ombros instáveis procure auxílio médico. Volta calma /desaquecimento: Avaliação da aula e Alongamento Ao final dos exercícios fazer com que os atletas remem de forma calma para desaquecimento. Reunida em círculo a Turma deverá proceder os exercícios de alongamento e, nesse período, o Professor aproveitará o tempo para questionar sobre os fundamentos repassados no dia. 10 m 10 m Tempo Total Total 2h

Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional.

Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Plano de aula: Semana15 Professor (a): Fundamento da Semana: Objetivo Geral: Recursos Materiais: Turma: Faixa Amarela Ciclo de remada com

Leia mais

Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Turma: Faixa Verde. ÁGUAS CALMAS Técnica de remada DVD NÍVEL 1

Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Turma: Faixa Verde. ÁGUAS CALMAS Técnica de remada DVD NÍVEL 1 Plano de aula: Semana 02 Professor (a): Fundamento da Semana: 02 Objetivo Geral: Recursos Materiais: Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Turma: Faixa Verde ÁGUAS CALMAS Técnica

Leia mais

Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Plano de aula n : Data: 03 a 08 Maio Professor: Rolamento. Nadar em corredeira

Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Plano de aula n : Data: 03 a 08 Maio Professor: Rolamento. Nadar em corredeira Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Plano de aula n : Data: 03 a 08 Maio 2010. Rolamento. Nadar em corredeira Fazer com que os alunos possam vivenciar e ter os primeiros contatos

Leia mais

Instituto Meninos do Lago IMEL.

Instituto Meninos do Lago IMEL. Identificação: Itaipu Binacional Plano de aula n : 31 Data: 01/02/04/05 de Julho 2011. Giro Padrão Remonta (contra corrente). Trabalhar o giro de embarcação nas balizas contra corrente, com entradas paralelas.

Leia mais

Instituto Meninos do Lago IMEL.

Instituto Meninos do Lago IMEL. Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Local: Plano de aula n : Data: 01.02 de Agosto 2011 Turma: Professor: Objetivo Geral: Objetivo Específico: Recursos Materiais: Treinar com

Leia mais

Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional.

Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Local: Plano de aula n : Data: 02 a 07 agosto 2010. Turma: T1/T2/T5/T6 Professor: T3/T4/T7/T8 Objetivo Geral: Pista Inteira Objetivo Específico:

Leia mais

Escrito por CCC Qui, 30 de Abril de :05 - Última atualização Sáb, 01 de Maio de :36

Escrito por CCC Qui, 30 de Abril de :05 - Última atualização Sáb, 01 de Maio de :36 Manejo do remo Devido à torção do plano das pás, é preciso fazer um giro da haste do remo para alternar as remadas. Uma das mãos segura e faz um movimento de extensão como na aceleração de uma moto; a

Leia mais

Unidade II. Unidade II. Técnica do Nado Crawl

Unidade II. Unidade II. Técnica do Nado Crawl Posicionamento do corpo Permanece na horizontal em decubito ventral, realizando movimentos de rolamentos laterais, em seu eixo longitudinal. Posicionamento da cabeça O rosto fica em contato com a água,

Leia mais

Unidade IV. Unidade IV. Técnica do Nado Peito

Unidade IV. Unidade IV. Técnica do Nado Peito Técnica da pernada 1. A pernada de peito requer uma boa flexibilidade, Já que, para um bom posicionamento dos pés, no momento da flexão máxima das pernas e no decorrer da extensão, é necessário realizar

Leia mais

Série criada para: Ciatalgia - piora extensão

Série criada para: Ciatalgia - piora extensão Mobilização da Coluna (fase 1) - ADM Ativa Deitado, pés no chão. Junte as palmas das mãos a frente com o braço esticado e mova para um lado, mantenha e mova para o outro. Alongamento da Coluna - Pernas

Leia mais

PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA

PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA OS EXERCÍCIOS ABDOMINAIS APRESENTADOS ABAIXO ESTÃO DIVIDIDOS DE ACORDOS COM SEU GRAU DE DIFICULDADE, ESTANDO CLASSIFICADOS COMO: EXERCÍCIOS LEVES EXERCÍCIOS INTERMEDIÁRIOS

Leia mais

Série criada para: Ciatalgia - piora flexão. Extensão do corpo de barriga para baixo - ADM Ativa / Mobilização

Série criada para: Ciatalgia - piora flexão. Extensão do corpo de barriga para baixo - ADM Ativa / Mobilização Lombar - Abdômen - Alongamento Em decúbito ventral coloque as mãos ao lado e empurre seu corpo para cima até sentir o alongamento. Extensão do corpo de barriga para baixo - ADM Ativa / Mobilização Deitado

Leia mais

D S T Q Q S S. 4ª SEMANA e 5ª SEMANA RECESSO NATAL E PASSAGEM DE ANO

D S T Q Q S S. 4ª SEMANA e 5ª SEMANA RECESSO NATAL E PASSAGEM DE ANO ATUALIZAÇÃO 16/09/2009 1ª SEMANA local escola Profs. Heros, Antonio, Valdecir e Mayara 01- Retorno às escolas parceiras para entrega das carteirinhas 02- Revisão final e Planejamento Anual 03- Revisão

Leia mais

I DA PARTICIPAÇÃO FAIXA ETÁRIA II DA CONVOCAÇÃO

I DA PARTICIPAÇÃO FAIXA ETÁRIA II DA CONVOCAÇÃO I DA PARTICIPAÇÃO FAIXA ETÁRIA Art. 1º - Todo e qualquer atleta com idade entre 08 a 23 anos e em perfeitas condições físicas para a prática de exercício em água, residente nos municípios margeados pelo

Leia mais

Série criada para: Ciatalgia - piora extensão. Lombar - Sentar no calcanhar com os braços a frente - Alongamento

Série criada para: Ciatalgia - piora extensão. Lombar - Sentar no calcanhar com os braços a frente - Alongamento Lombar - Ponte - Fortalecimento Deitado, vagarosamente eleve os quadris o mais alto possível e mantenha. Dica: Contraia os glúteos e tente diminuir a lordose lombar. Faça 3 série(s) de 25 segundo(s) Lombar

Leia mais

LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa

LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa PREPARATION GLIDE DELIVERY RECOVERY DESCRIÇÃO DAS VÁRIAS FASES A Técnica Rectilínea do Lançamento do Peso está dividida nas seguintes fases:,, e.

Leia mais

Escola de Salto com Vara de Leiria. Princípios do salto com vara

Escola de Salto com Vara de Leiria. Princípios do salto com vara Princípios do salto com vara Caros amigos treinadores e atletas, Nesta breve exposição sobre os princípios do salto com vara pretendo expor o que entendo serem os princípios básicos do salto com vara.

Leia mais

GUIA NORMATIVO DE ACESSO A PROVAS NACIONAIS INICIAÇÃO NÍVEL 1

GUIA NORMATIVO DE ACESSO A PROVAS NACIONAIS INICIAÇÃO NÍVEL 1 GUIA NORMATIVO DE ACESSO A PROVAS NACIONAIS 1. TESTES DE INICIAÇÃO GERAL Os elementos impostos, que deverão ser acompanhados por um tema musical, poderão ser executados numa ordem aleatória. A música poderá

Leia mais

ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL

ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL MÉTODOS DE ENSINO OBJETIVOS É indispensável que o professor apresente recursos didáticos, e contemplados nos métodos de ensino. Assim o professor conduz a aprendizagem com

Leia mais

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!.

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. 1ª Etapa (Movimentos de olhos e cabeça, primeiro lentos, depois rápidos). Participante em pé sobre um colchonete, olhar para cima e para baixo.

Leia mais

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Anexo III Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude da mobilização dos ombros e parte superior Modo de execução: na posição

Leia mais

Exercícios para Perder Barriga em Casa. OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa

Exercícios para Perder Barriga em Casa. OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa Exercícios para Perder Barriga em Casa OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa A construção de uma barriga tanquinho é um sonho para todos. Ele é um dos objetivos principais entre os homens e mulheres.

Leia mais

Treino para Prevenção de Quedas. O que é e como fazer

Treino para Prevenção de Quedas. O que é e como fazer Treino para Prevenção de Quedas O que é e como fazer Orientações Treino Prevenção de Quedas Com este treino você terá melhora no seu equilíbrio, força muscular e bem estar geral, reduzindo seu risco de

Leia mais

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada Professor: Rui Morcela Ano Lectivo: 2009/10 Ano: 8º Turma: A Nº Alunos: 20 Aula Nº: 81 Aula U.D. Nº: 3 de 6 Instalações: Pavilhão Data: 14-05-2010 Hora: 9h20m Duração: 35 minutos Unidade Didáctica: Ginástica

Leia mais

Lançamento Dardo e do Disco

Lançamento Dardo e do Disco Lançamento Dardo e do Disco Trabalho elaborado por: -Diana Isabel nº2 -Marina Gomes nº10 10ºD 2013/2014 Lançamento Do Dardo O que é? Lançamento de dardo é uma modalidade do atletismo na qual o atleta lança

Leia mais

ALONGAMENTOS FLEXIBILIDADE. Rui Silva. Novembro 2009

ALONGAMENTOS FLEXIBILIDADE. Rui Silva. Novembro 2009 ALONGAMENTOS FLEXIBILIDADE Novembro 2009 Rui Silva ALONGAMENTOS NO BASQUETEBOL Na generalidade, os alongamentos devem ser feitos durante 20-30 segundos. De seguida, apresentam-se uma série de exercícios

Leia mais

AFINA O TEU OPTIMIST

AFINA O TEU OPTIMIST AFINA O TEU OPTIMIST Deixamos aqui algumas dicas que te irão ajudar a compreender melhor o funcionamento do teu barco e como ajustar melhor a tua vela. Caimento do mastro: Chamamos caimento do mastro à

Leia mais

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior ATLETISMO Osvaldo Tadeu da Silva Junior OBJETIVO DA DISCIPLINA Conhecer, compreender e analisar os processos de ensino aprendizagem e treinamento das corridas; Conhecer, compreender e analisar os processos

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Ombro

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Ombro Clínica Deckers Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Ombro O QUE É Estes são alguns dos exercícios recomendados com mais freqüência para a terapia do ombro. Eles foram compilados para dar a você,

Leia mais

GINÁSTICA DE APARELHOS

GINÁSTICA DE APARELHOS GINÁSTICA DE APARELHOS Plinto O plinto é um aparelho utilizado para a realização de saltos tanto na posição transversal como longitudinal. Segurança: Deve-se verificar se a distância do trampolim ao aparelho

Leia mais

Rotina Técnica. Elementos Obrigatórios para Solo

Rotina Técnica. Elementos Obrigatórios para Solo FEDERAÇÃO AQUÁTICA DO RIO DE JANEIRO Regulamento Torneio de Rotina Técnica de Nado Sincronizado Categorias Principiante, Infantil, Juvenil, Junior e Sênior - 2015 18 de julho de 2015 Das inscrições: 1.

Leia mais

Protocolo de Avaliações

Protocolo de Avaliações Confederação Brasileira de Remo 18/01/2016 Protocolo de Avaliações Sistema Nacional de Avaliação de Remadores Anexo do Boletim Técnico 03/2016 1. PROTOCOLO DAS AVALIAÇÕES NO REMO ERGÔMETRO As avaliações

Leia mais

ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF

ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF PROVA DE FLEXÃO DE BRAÇO NA BARRA FIXA BARRA (SOMENTE PARA O SEXO MASCULINO) Os procedimentos a serem adotados pelo

Leia mais

DIA 1 SÃO PAULO EVENTO 1. RX Deadlift (265lbs/185lbs) Box Jump Over Chest-to-Bar Pull-Up. SCALE Deadlift (185lbs/125lbs) Box Jump Over Pull-Ups

DIA 1 SÃO PAULO EVENTO 1. RX Deadlift (265lbs/185lbs) Box Jump Over Chest-to-Bar Pull-Up. SCALE Deadlift (185lbs/125lbs) Box Jump Over Pull-Ups DIA 1 Sábado, 27 de maio de 2017 EVENTO 1 Amrap in 10 minutes of: 3-6-9-12-15-18... RX Deadlift (265lbs/185lbs) Box Jump Over Chest-to-Bar Pull-Up SCALE Deadlift (185lbs/125lbs) Box Jump Over Pull-Ups

Leia mais

Plano de aula n : 10 Data: 21/22/23/25 de janeiro 2010. Professor:

Plano de aula n : 10 Data: 21/22/23/25 de janeiro 2010. Professor: Plano de aula n : 10 Data: 21/22/23/25 de janeiro 2010. Técnica de remada inclinada Demonstrar aos alunos a maneira correta de utilização e ajustes do material em beneficio de uma maior segurança, iniciando

Leia mais

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Professor: Rui Morcela Ano Lectivo: 2009/10 Ano: 8º Turma: A Nº Alunos: 20 Aula Nº: 11 e 12 Aula U.D. Nº: 7 e 8 de 10 Instalações: Pavilhão Data: 13-10-2009 Hora: 10h15min Duração: 75 minutos Unidade Didáctica:

Leia mais

Lombar - Sentar no calcanhar com os braços a frente - Alongamento

Lombar - Sentar no calcanhar com os braços a frente - Alongamento Lombar e Quadril E - Abraçar um joelho - Alongamento Deitado, segure embaixo de um joelho e puxe-o em direção ao peito até sentir o alongamento. Com 5 segundo(s) de descanso. Lombar e Quadril D - Abraçar

Leia mais

1 POSTURA E TRABALHO DOS PÉS

1 POSTURA E TRABALHO DOS PÉS 1 POSTURA E TRABALHO DOS PÉS Postura Antes de aprender o trabalho dos pés, socos, chutes e quedas, você deve treinar uma postura apropriada para a luta. É muito importante que você não se apresse nessa

Leia mais

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior ATLETISMO Osvaldo Tadeu da Silva Junior OBJETIVO DA DISCIPLINA Conhecer, compreender e analisar os processos de ensino aprendizagem e treinamento das corridas; Conhecer, compreender e analisar os processos

Leia mais

TAl CHI CHUAN -SQN 104/105

TAl CHI CHUAN -SQN 104/105 1 -CRISTO REDENTOR (abraço universal) 2- SAUDAÇÃO ORIENTAL (respeito e humildade) 3 -MEDITAÇÃO TAl CHI CHUAN -SQN 104/105 PARTE I - ALONGAMENTO 4 -ROT AÇÃO DO TRONCO 1. Abrir mãos alternadas (acompanhar

Leia mais

Escola Secundária D.Pedro V. Ginástica de Solo. Ana Abel 06/04/13

Escola Secundária D.Pedro V. Ginástica de Solo. Ana Abel 06/04/13 Escola Secundária D.Pedro V Ginástica de Solo Ana Abel 06/04/13 Introdução Este trabalho sobre ginástica é um elemento de avaliação das disciplinas de Educação Física e Prática de Actividades Físicas e

Leia mais

Matéria: CIDADANIA. 1. TROPA É a reunião de dois ou mais alunos, fardados, devidamente comandados.

Matéria: CIDADANIA. 1. TROPA É a reunião de dois ou mais alunos, fardados, devidamente comandados. SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 2ª Série TURMA(S):

Leia mais

MANUAL EXETEX SPORTS PRESCRIÇÕES E EXERCÍCIOS. Prescrições sobre os extensores. Dos cuidados com o produto. Ao iniciar o treino

MANUAL EXETEX SPORTS PRESCRIÇÕES E EXERCÍCIOS. Prescrições sobre os extensores. Dos cuidados com o produto. Ao iniciar o treino MANUAL EXETEX SPORTS PRESCRIÇÕES E EXERCÍCIOS Prescrições sobre os extensores Ao realizar um exercício não exceda a elasticidade prescrita na descrição do produto, o elástico atinge o dobro de seu tamanho

Leia mais

Prof. Est.: Patrícia Sousa Ano / Turma: 9ºD Nº de alunos: 19 (15masc.+4fem.) Aula Nº: 46 e 47 Data: 14/01/2011 U. Didáctica: Ginástica solo/aparelhos

Prof. Est.: Patrícia Sousa Ano / Turma: 9ºD Nº de alunos: 19 (15masc.+4fem.) Aula Nº: 46 e 47 Data: 14/01/2011 U. Didáctica: Ginástica solo/aparelhos 1 Plano de Aula Prof. Est.: Patrícia Sousa Ano / Turma: 9ºD Nº de alunos: 19 (15masc.+4fem.) Hora: 10:20h 11h50 Duração: 90 (72 ) Espaço: Salão Aula Nº: 46 e 47 Data: 14/01/2011 U. Didáctica: Ginástica

Leia mais

Escola Secundária Braamcamp Freire - Pontinha 2012/2013

Escola Secundária Braamcamp Freire - Pontinha 2012/2013 Plano de Aula Professor: Sandra Cintrão Gonçalves Turma: 7º 2ª Espaço: SG Data: 15/11/2012 Dia: quinta-feira Hora: 8h15 Duração: 90min Nº Aula: 24,25 Unidade Ensino: Etapa: 1 Matérias Abordadas: Ginástica

Leia mais

REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS

REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS Art. 1º As mesmas regras que regem cada um dos Campeonatos/Torneios, será a que regerá o Campeonato/Torneio do nível Principiante

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação - Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico 2015 Alunos com Necessidades Educativas Especiais Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Aprovado

Leia mais

POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DE COSTAS *

POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DE COSTAS * POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DE COSTAS * Autor: Antônio Hernández Tradução: Leonardo de A. Delgado POSIÇÃO DO CORPO A cabeça se manterá de maneira que a superfície da água esteja ao nível da nuca

Leia mais

6 rounds for time (TIMECAP 15 ) 12 Deadlifts 9 Hang Cleans 6 S2OH 15 Hand Release Burpees Synchro (atleta segura barra em front rack)

6 rounds for time (TIMECAP 15 ) 12 Deadlifts 9 Hang Cleans 6 S2OH 15 Hand Release Burpees Synchro (atleta segura barra em front rack) WKND WARS SALVADOR 2016 WOD 01: DT + Burpees 6 rounds for time (TIMECAP 15 ) 12 Deadlifts 9 Hang Cleans 6 S2OH 15 Hand Release Burpees Synchro (atleta segura barra em front rack) Cargas: RX (60/45) Scale(40/25)

Leia mais

Anexo 40. Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada

Anexo 40. Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada Professor: Carmelinda Vieira / Rui Morcela Ano Lectivo: 2009/10 Ano: 7º Turma: B Nº Alunos: 20 Aula Nº: 60 Aula U.D. Nº: 1 de 3 Instalações: Pavilhão Data: 12-04-2010 Hora: 12h00m Duração: 35 minutos Unidade

Leia mais

Grupo I Voleibol (25 pontos)

Grupo I Voleibol (25 pontos) Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 2014 1ª FASE PROVA DE EDUCAÇÃO FÍSICA Duração da prova: 45 minutos --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Plano de aula n :16 Data: 01 A 04 MARÇO 2010. Professor: Conhecer os locais de treino.

Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Plano de aula n :16 Data: 01 A 04 MARÇO 2010. Professor: Conhecer os locais de treino. Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Plano de aula n :16 Data: 01 A 04 MARÇO 2010. Conhecer os locais de treino. Levar aos alunos a conhecer os locais de treino e explicar suas

Leia mais

The Hundred. MANUAL PoCKet MOVIMENTO RESPIRAÇÃO NOTAS

The Hundred. MANUAL PoCKet MOVIMENTO RESPIRAÇÃO NOTAS MANUAL PoCKet 1 The Hundred básico intermediário avançado Subir e descer os braços em um movimento rápido e coordenado com a respiração; e Contar mentalmente 5 inspirações e 5 expirações fracionadas até

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ 1 ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima. Princípios a considerar Um barreirista é também um velocista Correr rápido

Leia mais

Forma Perfeita Em Poucas Semanas

Forma Perfeita Em Poucas Semanas Forma Perfeita Em Poucas Semanas Quer desenvolver bíceps, tríceps e antebraços fortes como uma rocha? Para isso é só encarar nosso programa de treino de 1 mês. Serão 4 semanas intensas, mas o resultado

Leia mais

Modalidade Individual: Ginástica

Modalidade Individual: Ginástica Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas Modalidade Individual: Ginástica História da modalidade Elementos gímnicos de solo Professora: Andreia Veiga Canedo Professora Estagiária: Joana Filipa Pinto

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE. Paraná

ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE. Paraná ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE Paraná 2 O processo de envelhecimento pode acarretar na dependência de outras pessoas para a realização de atividades de vida diária. Existem cada vez mais evidências

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação Prova de Equivalência à Frequência Prática 3º Ciclo do Ensino Básico 2014/2015 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Aprovado em Conselho Pedagógico de 06

Leia mais

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada Professor: Mário Santos Ano Lectivo: 2009/10 Ano: 8º Turma: A Nº Alunos: 20 Aula Nº: 1 e 2 Aula U.D. Nº: 1 e 2 de 3 Instalações: Pavilhão Data: 13-04-2010 Hora: 10h20min Duração: 75 minutos Unidade Didáctica:

Leia mais

3. SENTADO SEM SUPORTE PARA AS COSTAS MAS COM OS PÉS APOIADOS SOBRE O CHÃO OU SOBRE UM BANCO

3. SENTADO SEM SUPORTE PARA AS COSTAS MAS COM OS PÉS APOIADOS SOBRE O CHÃO OU SOBRE UM BANCO Escala de Equilíbrio de Berg 1.SENTADO PARA EM PÉ INSTRUÇÕES: Por favor, fique de pé. Tente não usar suas mãos como suporte. ( ) 4 capaz de permanecer em pé sem o auxílio das mãos e estabilizar de maneira

Leia mais

INSIDE OUT. Volley. Análise Técnica da Base ao Topo

INSIDE OUT. Volley. Análise Técnica da Base ao Topo INSIDE OUT Análise Técnica da base ao topo 12 Volley INSIDE OUT Análise Técnica da Base ao Topo 1 O VOLLEY Aspectos abordados neste capítulo Volleys - Fase de Preparação 1. Pega Continental 2. Braço dominante

Leia mais

PROVA DE APTIDÃO FÍSICA. 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização.

PROVA DE APTIDÃO FÍSICA. 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização. PROVA DE APTIDÃO FÍSICA 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização. 2. As provas devem ser executadas corretamente e avaliadas

Leia mais

Trabalho elaborado por: -Marina Gomes 10ºD nº10

Trabalho elaborado por: -Marina Gomes 10ºD nº10 Trabalho elaborado por: -Marina Gomes 10ºD nº10 O que é? Rapel é uma actividade vertical praticada com uso de cordas e equipamentos adequados para a descida de paredões e vãos livres bem como outras edificações;

Leia mais

Wods Chicks And Barbells Goiânia 01/04 Todos os eventos foram criados pelo Coach Zé Murillo

Wods Chicks And Barbells Goiânia 01/04 Todos os eventos foram criados pelo Coach Zé Murillo Wods Chicks And Barbells Goiânia 01/04 Todos os eventos foram criados pelo Coach Zé Murillo Evento 1 Por tempo: 10 Chest-to-Bar Pull-Ups / Pull-Ups / Push-Ups 15 Squat Snatch (95lbs/75lbs/55lbs) 25 Toes-to-Bar

Leia mais

Avaliação prática Solo

Avaliação prática Solo Avaliação prática Solo Construção de um Exercício com pelo menos 10 elementos diferentes, sendo obrigatório incluir os seguintes elementos; rondada flick flack e salto de mãos (ambos com ajuda de dois

Leia mais

Categoria Expedição 1

Categoria Expedição 1 equipamentos obrigatórios 2017 1 Categoria Expedição 1 Lista de Equipamentos Obrigatórios - Terra de Gigantes 2017 - Categoria Expedição DURANTE TODO O PERCURSO Sim Não Nome Imagem Quantidade Descrição

Leia mais

NATAÇÃO ESTILO CRAWL: UMA SUGESTÃO DE ENSINO PARA FACILITAR O APRENDIZADO DAS AULAS DE NATAÇÃO

NATAÇÃO ESTILO CRAWL: UMA SUGESTÃO DE ENSINO PARA FACILITAR O APRENDIZADO DAS AULAS DE NATAÇÃO NATAÇÃO ESTILO CRAWL: UMA SUGESTÃO DE ENSINO PARA FACILITAR O APRENDIZADO DAS AULAS DE NATAÇÃO Educação e produção do Conhecimento nos Processos Pedagógicos Alessandro de Oliveira 1 Luciano Acordi da Silva

Leia mais

Tradução do livro intitulado Kung Fu TOA in Germany. TERCEIRO CAPÍTULO Diferentes posturas em pé na arte marcial TOA

Tradução do livro intitulado Kung Fu TOA in Germany. TERCEIRO CAPÍTULO Diferentes posturas em pé na arte marcial TOA Tradução do livro intitulado Kung Fu TOA in Germany TERCEIRO CAPÍTULO Diferentes posturas em pé na arte marcial TOA Filosofia do TOA, aquecimento e estiramentos do corpo sem utilização de equipamento de

Leia mais

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken TÉCNICO CBV SAQUE POR CIMA - Sem SALTO Saque sem salto 1 a ensinar; Técnica geral será utilizada, nos saques com salto TRANSFERÊNCIA. POSTURA

Leia mais

TÉCNICA DE MARIPOSA. Características técnicas Erros

TÉCNICA DE MARIPOSA. Características técnicas Erros TÉCNICA DE MARIPOSA Características técnicas Erros Equilíbrio dinâmico (I) corpo tão horizontal quanto possível durante as fases propulsivas da braçada; (ii) bacia para cima e frente durante a AD do 1º

Leia mais

CNE -Agrupamento 1100 Parque das Nações Alcateia 128 Santa Maria do Mar ORIGEM DOS KAYAKS/CANOAS

CNE -Agrupamento 1100 Parque das Nações Alcateia 128 Santa Maria do Mar ORIGEM DOS KAYAKS/CANOAS ORIGEM DOS KAYAKS/CANOAS A canoa é originária dos índios da América do Norte e as primeiras referências a estas embarcações datam do séc. XVI, no Canadá. Apresentam dentro da forma base várias dimensões,

Leia mais

DOCUMENTO DE APOIO Educação Física MODALIDADE Atletismo Grupo de Educação Física

DOCUMENTO DE APOIO Educação Física MODALIDADE Atletismo Grupo de Educação Física AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FIGUEIRÓ DOS VINHOS DOCUMENTO DE APOIO Educação Física MODALIDADE Atletismo 1. DISCIPLINAS Podemos dividir as várias disciplinas em três grupos fundamentais: as corridas, os concursos

Leia mais

Escrito por Isabel Amaral Domingo, 12 Outubro :49 - Actualizado em Sábado, 29 Novembro :46

Escrito por Isabel Amaral Domingo, 12 Outubro :49 - Actualizado em Sábado, 29 Novembro :46 Após um AVC, a sensibilidade e o controlo dos movimentos do doente encontram-se muitas vezes diminuídos. Por isso, é muito importante ter cuidado com a posição em que se põem, pois podem não ser capazes

Leia mais

Coopera com os companheiros Aceita opções e falhas dos seus colegas Respeita companheiros e adversários Conhece Jogo: objectivo e regras

Coopera com os companheiros Aceita opções e falhas dos seus colegas Respeita companheiros e adversários Conhece Jogo: objectivo e regras Jogo 7x7 Jogo 5x5 FUTEBOL Coopera com os companheiros Aceita opções e falhas dos seus colegas Respeita companheiros e adversários Conhece Jogo: objectivo e regras Recepção e controlo Enquadar ofensivamente

Leia mais

ELEMENTOS ADAPTADOS (SD e DI)

ELEMENTOS ADAPTADOS (SD e DI) GINÁSTIA RÍTMIA JOGOS ESOLARES O PARANÁ. ELEMENTOS AAPTAOS (S e I) 1. IIULAE ORPORAL (1) Para todos os aparelhos: na ficha a sucessão das dificuldades deve seguir a mesma que a ginasta executa em sua coreografia.

Leia mais

MOTOR EVALUATION SCALE FOR UPPER EXTREMITY IN STROKE PATIENTS (MESUPES-braço and MESUPES-mão)

MOTOR EVALUATION SCALE FOR UPPER EXTREMITY IN STROKE PATIENTS (MESUPES-braço and MESUPES-mão) MOTOR EVALUATION SCALE FOR UPPER EXTREMITY IN STROKE PATIENTS (MESUPES-braço and MESUPES-mão) Nome do paciente: Data do teste - hora: Nome do avaliador: Duração do teste: min Dominância: direita/esquerda

Leia mais

DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR DA CRIANÇA

DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR DA CRIANÇA Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR DA CRIANÇA Maria Edmir Maranhão Padrão motor: é uma série de movimentos

Leia mais

MANUAL DO TREINADOR NÍVEL I LANÇAMENTO DO DARDO

MANUAL DO TREINADOR NÍVEL I LANÇAMENTO DO DARDO LANÇAMENTO DO DARDO REGRAS DO LANÇAMENTO DO DARDO E ARREMESSO DE BOLA Local da Competição A prova do lançamento do dardo disputa-se na pista de atletismo, numa zona específica que compreende uma pista

Leia mais

Pode ser aplicada a partes do corpo ou continuamente a todo o corpo.

Pode ser aplicada a partes do corpo ou continuamente a todo o corpo. MASSAGEM RELAXANTE Universidade do Sul de Santa Catarina Curso de Cosmetologia e Estética Unidade de Aprendizagem: Técnicas de Massagem Terapêutica Prof.ª Daniella Koch de Carvalho MASSAGEM RELAXANTE A

Leia mais

2012 / Programa Nestum Rugby nas Escolas. Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque

2012 / Programa Nestum Rugby nas Escolas. Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque 2012 / 2013 Programa Nestum Rugby nas Escolas Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque Introdução O que é o TAG RUGBY? O Tag Rugby é usado como uma alternativa de ensino do rugby de XV nas escolas, ou como

Leia mais

Duração da atividade: Recomendam-se cinco encontros/aulas, com duração de uma hora-aula para cada modalidade/prova a ser desenvolvido.

Duração da atividade: Recomendam-se cinco encontros/aulas, com duração de uma hora-aula para cada modalidade/prova a ser desenvolvido. Nível de ensino: Fundamental: 7º, 8º e 9º ano Componente Curricular: Educação Física Modalidade: Atletismo Duração da atividade: Recomendam-se cinco encontros/aulas, com duração de uma hora-aula para cada

Leia mais

DISCIPLINA: ESTAFETAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

DISCIPLINA: ESTAFETAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ESTAFETAS 192 DOMÍNIO DAS TÉCNICAS III FASE - APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO B FASES / NÍVEIS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS I- Ensino / Aprendizagem - Aquisição da noção de transmissão, através de jogos. - Aquisição

Leia mais

COPA MAIRA AVRUCH GA-GNU REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ESTREANTES FEMININO NÍVEL 1 DESCRIÇÃO VALOR

COPA MAIRA AVRUCH GA-GNU REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ESTREANTES FEMININO NÍVEL 1 DESCRIÇÃO VALOR COPA MAIRA AVRUCH GA-GNU REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ESTREANTES FEMININO NÍVEL 1 DESCRIÇÃO VALOR SALTO VD = pontos DOIS SALTOS IGUAIS - VALE O Salto de extensão com MELHOR SALTO trampolim. Aterrissagem

Leia mais

Atletismo. Educação Física - 9º B. Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012. Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa

Atletismo. Educação Física - 9º B. Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012. Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa Educação Física - 9º B Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012 Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 1-HISTÓRIA DO ATLETISMO... 4 2- CARACTERIZAÇÃO DA MODALIDADE...

Leia mais

ANEXO V AO EDITAL CBMERJ Nº 001/2015 TESTE DE CAPACIDADE FÍSICA E TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA

ANEXO V AO EDITAL CBMERJ Nº 001/2015 TESTE DE CAPACIDADE FÍSICA E TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA ANEXO V AO EDITAL CBMERJ Nº 001/2015 TESTE DE CAPACIDADE FÍSICA E TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA Os Teste de Capacidade Física e de Habilidade Específica têm o objetivo de selecionar os candidatos cuja

Leia mais

O PLANO PARA RECUPERAR A FORMA EM

O PLANO PARA RECUPERAR A FORMA EM A44 ID: 65976274 01-09-2016 Pág: 34 Cores: Preto e Branco Corte: 1 de 10 FITNESS O PLANO PARA RECUPERAR A FORMA EM As ferias ja acabaram e esta na altura de voltar a entrar nos eixos mas não sabes bem

Leia mais

LANÇAMENTOS EM ROTAÇÃO

LANÇAMENTOS EM ROTAÇÃO LANÇAMENTOS EM ROTAÇÃO 1. LANÇAMENTO DO DISCO REGRAS DO LANÇAMENTO DO DISCO Local da Competição O lançamento do disco disputa-se num círculo com 2,50 metros de diâmetro, com um sector de queda com uma

Leia mais

Atletismo O LANÇAMENTO DO MARTELO

Atletismo O LANÇAMENTO DO MARTELO Atletismo O LANÇAMENTO DO MARTELO O lançamento do martelo é uma prova do atletismo bastante antiga que tem séculos de existência. Segundo conta a história, os primeiros martelos eram de pedra, fixados

Leia mais

ESTE E-BOOK É UMA VERSÃO REDUZIDA DE MAT PILATES SOLO 400 EXERCÍCIOS DE SOLO

ESTE E-BOOK É UMA VERSÃO REDUZIDA DE MAT PILATES SOLO 400 EXERCÍCIOS DE SOLO ESTE E-BOOK É UMA VERSÃO REDUZIDA DE MAT PILATES SOLO 400 EXERCÍCIOS DE SOLO NESTE E-BOOK VOCÊ VAI ENCONTRAR: FOAM ROLLER GESTANTES FAIXA ELÁSTICA FITBALL TONNING BALLS BOSU DUPLA FUNCIONAL DUPLA ACROBATICA

Leia mais

GLOCK G 25. Desmontagem e montagem. VÜ t ûé? ÑxáÖâ át x xätuéüt ûé

GLOCK G 25. Desmontagem e montagem. VÜ t ûé? ÑxáÖâ át x xätuéüt ûé GLOCK G 25 Desmontagem e montagem VÜ t ûé? ÑxáÖâ át x xätuéüt ûé 2016 Neste manual, iremos abordar a desmontagem e montagem completa da pistola Glock G25 calibre 380 ACP, dividido em 3 partes: Desmontagem

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e das metas da disciplina.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e das metas da disciplina. Informação-Prova de Equivalência à Frequência Educação Física maio de 2016 Prova 28 2016 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE. Campo Mourão

ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE. Campo Mourão ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE Campo Mourão 2 O processo de envelhecimento pode acarretar na dependência de outras pessoas para a realização de atividades de vida diária. Existem cada vez mais evidências

Leia mais

a) Sabendo que cada frango dá uma volta completa a cada meio minuto, determine a frequência de rotação de um espeto, em Hz.

a) Sabendo que cada frango dá uma volta completa a cada meio minuto, determine a frequência de rotação de um espeto, em Hz. 58- Diante da maravilhosa visão, aquele cãozinho observava atentamente o balé galináceo. Na máquina, um motor de rotação constante gira uma rosca sem fim (grande parafuso sem cabeça), que por sua vez se

Leia mais

Importante: Lista 3: Leis de Newton e Dinâmica da Partícula NOME:

Importante: Lista 3: Leis de Newton e Dinâmica da Partícula NOME: Lista 3: Leis de Newton e Dinâmica da Partícula NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. As cinco páginas seguintes contém problemas para serem resolvidos e entregues. ii. Ler os enunciados com atenção.

Leia mais

A Estrutura Musical. É a unidade métrica em que se divide a música formado por tempos agrupados.

A Estrutura Musical. É a unidade métrica em que se divide a música formado por tempos agrupados. A Estrutura Musical Compasso É a unidade métrica em que se divide a música formado por tempos agrupados. Binário: 2 tempos Ternário: 3 tempos Quaternário: 4 tempos O 1º tempo de cada compasso é o mais

Leia mais

Fundamentos do Futebol

Fundamentos do Futebol Fundamentos do Futebol Sumário Apresentação Capítulo 1 O passe 1.1 Passe Simples 1.2 Passe Peito do pé 1.3 Passe com a lateral externa do pé 1.4 Passe de cabeça 1.5 Passe de Calcanhar 1.6 Passe de bico

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM E REGULAGEM BÁSICA DO ERGOTROL

MANUAL DE MONTAGEM E REGULAGEM BÁSICA DO ERGOTROL MANUAL DE MONTAGEM E REGULAGEM BÁSICA DO ERGOTROL I Conteúdo da caixa: 1. Base com Rodízios 2. Estrutura de Posicionamento 3. Almofada Posterior de Tronco 4. Almofada Posterior de Quadril 5. Mesa regulável

Leia mais

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse plano de treinamento seja liberada. PLANO POLÍCIA MILITAR

Leia mais

SISTEMA NACIONAL de AVALIAÇÃO do REMADOR 2013 OLIMPICO E PARALIMPICO

SISTEMA NACIONAL de AVALIAÇÃO do REMADOR 2013 OLIMPICO E PARALIMPICO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE REMO SISTEMA NACIONAL de AVALIAÇÃO do REMADOR 2013 Protocolo da semana de avaliação Testes de remo ergômetro e de Força Máxima OLIMPICO E PARALIMPICO ESCLARECIMENTOS SOBRE A

Leia mais

Exercícios para a coluna PROF. ALEXANDRE TANAKA

Exercícios para a coluna PROF. ALEXANDRE TANAKA Exercícios para a coluna PROF. ALEXANDRE TANAKA Exercícios para a coluna Orientações importantes: Modo de dormir Posição sentada (trabalho, carro, TV, etc) Modo de levantar e deitar da cama Em pé por tempo

Leia mais