RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO DA ESCOLA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO DA ESCOLA"

Transcrição

1 Ano Letivo 2011/2012 Relatório Final Equipa de Avaliação Interna da Escola Secundária de Lousada RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO DA ESCOLA O que pretendemos, especificamente, é contribuir para a criação de uma cultura sobre o fenómeno e a prática da avaliação da aprendizagem nas nossas escolas, onde, hoje, ainda praticamos exames e dizemos que praticamos avaliação; ou seja, predominantemente, vivenciamos nas nossas escolas, em todos os níveis, a cultura do exame. Necessitamos de mudar essa conduta. Os nossos educandos vêm a nós para aprender e não para serem examinados. E, no caso, os exames não ajudam a aprender. Eles, por si, são classificatórios e excludentes, ao passo que a aprendizagem necessita de inclusão pelo acolhimento, pela orientação e pela reorientação, o que só pode ser subsidiado pelo ato de avaliar, que é diagnóstico. Cipriano Carlos Luckesi, in Avaliação da aprendizagem na escola: reelaborando conceitos e recriando a prática

2 Constituição da Equipa A Equipa da Avaliação Interna da Escola Secundária de Lousada, formada em Outubro de 2011, é constituída pelos seguintes elementos: 1. Isabel Pinto - Docente (Coordenadora da Avaliação Interna de Escola) 2. Alice Teixeira - Docente 3. Alexandre Ribeiro Docente 4. Graça Solha - Docente 5. Joaquina Dias - Docente 6. Graça Coelho Professora Bibliotecária 7. Teresa Cardoso Ex-Docente/Amigo Crítico 8. Rosário Peixoto - Representante dos Funcionários 9. Boaventura Cunha - Representante dos Pais/Encarregados de Educação 10. André Ferreira- Representante dos Alunos 2

3 Índice Introdução Análise dos resultados Internos dos alunos da ESL, no ano letivo Ensino Básico Média das classificações por ano e disciplina Dados globais por Ano/ turma e disciplina Ensino Secundário Média das classificações por ano e disciplina Dados globais por Ano/ turma e disciplina Resultados dos Testes Intermédios A indisciplina na Escola Análise do funcionamento da Biblioteca Balanço da implementação do Plano da Matemática no final de três anos Plano Anual de Atividades Avaliação do Projeto Educativo Avaliação do nível de concretização das metas do programa Análise dos resultados do Concurso Nacional de Admissão ao Ensino Superior Balanço do Plano de Ação da equipa e sugestões..82 Anexos: Anexo 1 - Relatório final das aulas de substituição Anexo 2 - Relatório de auto-avaliação do CNO 3

4 «A avaliação é um processo que consiste em recolher um conjunto de informações pertinentes, válidas e fiáveis, e de examinar o grau de adequação entre este conjunto de informações e um conjunto de critérios escolhidos adequadamente com vista a fundamentar a uma tomada de decisões.» De Ketele (1991,p. 266) OBJETIVOS GERAIS Fomentar a reflexão no seio da comunidade educativa em torno da procura de um sentido coletivo da escola; Incentivar a comunidade educativa numa busca sistemática e rigorosa da melhoria e eficácia da escola; Concretizar um conjunto de intenções constantes nos documentos orientadores da vida escolar. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Conhecer/compreender as dinâmicas desenvolvidas na escola, no intuito de proporcionar as soluções mais adequadas e criativas à resolução dos problemas emergentes; Conhecer os resultados alcançados com o desenvolvimento de projetos dinamizadores da escola; Informar a comunidade educativa sobre o desenvolvimento do processo de autoavaliação. Informar toda a comunidade educativa sobre os resultados alcançados. 4

5 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INTERNA DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA Artigo 3º Objetivos do sistema de avaliação O sistema de avaliação, enquanto instrumento central de definição das políticas educativas, prossegue, de forma sistemática e permanente, os seguintes objetivos: a) Promover a melhoria da qualidade do sistema educativo, da sua organização e dos seus níveis de eficiência e eficácia, apoiar a formulação e desenvolvimento das políticas de educação e formação e assegurar a disponibilidade de informação de gestão daquele sistema; b) Dotar a administração educativa local, regional e nacional, e a sociedade em geral, de um quadro de informações sobre o funcionamento do sistema educativo, integrando e contextualizando a interpretação dos resultados da avaliação; c) Assegurar o sucesso educativo, promovendo uma cultura de qualidade, exigência e responsabilidade nas escolas; d) Permitir incentivar as ações e os processos de melhoria da qualidade, do funcionamento e dos resultados das escolas, através de intervenções públicas de reconhecimento e apoio a estas; e) Sensibilizar os vários membros da comunidade educativa para a participação ativa no processo educativo; f) Garantir a credibilidade do desempenho dos estabelecimentos de educação e de ensino; g) Valorizar o papel dos vários membros da comunidade educativa, em especial dos professores, dos alunos, dos pais e encarregados de educação, das autarquias locais e dos funcionários não docentes das escolas; h) Promover uma cultura de melhoria continuada da organização, do funcionamento e dos resultados do sistema educativo e dos projetos educativos; i) Participar nas instituições e processos internacionais de avaliação dos sistemas educativos, fornecendo informação e recolhendo experiências comparadas e termos internacionais de referência. Lei do Sistema de Avaliação da Educação e do Ensino Não Superior Lei N.º 31/2002, de 20 de Dezembro 5

6 Introdução Este relatório apresenta os dados sobre o funcionamento da Escola Secundária de Lousada e encontrase dividido em 5 partes: na primeira parte serão apresentados os Resultados Internos dos alunos da ESL, no ano letivo , quanto à média das classificações por ano e disciplina e os dados globais por ano/ turma e disciplina, no ensino básico e secundário; na segunda, a evolução dos resultados dos alunos da ESL nos Testes Intermédios na terça, os dados sobre a indisciplina na escola; na quarta, a análise do funcionamento da Biblioteca, a avaliação do Plano da Matemática II e Plano Anual de Atividades; na quinta, a avaliação do PEE e avaliação das metas Em anexos encontrar-se-ão os dados sobre as aulas de substituição e a autoavaliação do CNO. Ao longo do relatório todas as informações serão disponibilizadas em tabelas ou gráficos. Este documento é, meramente, instrumental e apontará as linhas de ação e as propostas para sustentar decisões. Deverá, por isso, ser uma ferramenta para suportar e qualificar essa reflexão e o esforço para continuarmos a apostar em dinâmicas já existentes, estimularmos a melhoria contínua, identificando, claramente, as áreas onde é necessário aperfeiçoar, incentivarmos a partilha de experiência, de conhecimento e de boas práticas, conhecendo melhor as nossas motivações. O resultado da avaliação interna da escola pode também compensar a escola dos resultados devastadores dos rankings. Assim, ele comprometer-nos-á a todos: Direção, Conselho Pedagógico, Professores, Pais, Alunos, amigos críticos, Conselho Geral e, quem sabe, também a Autarquia e da forma mais ampla possível. Ele será o reforço indispensável para desenvolvermos, necessariamente, a nossa autonomia. 6

7 1. Resultados Internos, dos alunos da ESL, no ano letivo Foram analisados os resultados obtidos pelos 1209 alunos avaliados, assim discriminados: Ensino Básico regular, 471 alunos. Ensino Secundário, cursos gerais, 738 alunos. A análise teve como base as pautas de avaliação do 3.º período, antes da classificação de exame, sendo os resultados dos gráficos apresentados em percentagem arredondada à unidade mais próxima. Nas disciplinas plurianuais foi considerada, nesta análise, a Classificação Interna Final (CIF). Nesta análise também não foram considerados os resultados da avaliação sumativa extraordinária ratificada pelo Conselho Pedagógico. 1.1 Ensino Básico As tabelas seguintes mostram a evolução das médias dos níveis obtidas, por disciplina ao longo do ano, no ensino básico Média por disciplina ao longo do ano letivo 7ºAno Metas Disciplinas Média 1.ºP Médias dos níveis Média 2.ºP Média 3.ºP Língua Portuguesa 3,08 3,07 3,25 Inglês 3,35 3,51 3,53 Francês 3,69 3,61 3,69 Espanhol 3,81 3,62 3,75 História 3,42 3,41 3,53 Geografia 3,40 3,24 3,47 Ciências Naturais 3,43 3,43 3,54 Matemática 3,07 2,99 3,21 CFQ 3,14 3,11 3,24 Ed. Visual 3,25 3,61 3,77 Ed. Física 3,70 3,84 4,15 Ed. Tecnológica 3,55 EMRC 4,20 4,50 4,66 OTT 3,5 OBS: As disciplinas de Língua Portuguesa, Inglês, Ed.Visual, Ed.Física e EMRC foram as que progrediram, ao longo do ano. 7

8 8ºAno Metas Disciplinas Média 1.ºP Médias dos níveis Média 2.ºP Média 3.ºP Língua Portuguesa 2,93 2,96 3,13 Inglês 3,17 3,40 3,37 Francês 3,45 3,46 3,59 Espanhol 3,51 3,44 3,57 História 2,85 2,99 3,21 Geografia 3,17 3,27 3,39 Ciências Naturais 3,31 3,38 3,49 Matemática 2,98 2,89 3,01 CFQ 3,06 3,03 3,13 Ed. Visual 3,49 3,49 3,64 Ed. Física 3,69 3,83 4,04 EMRC 4,14 4,60 4,74 E.Tecnológica 4,00 3,55 O.T.T. 3,59 OBS: As disciplinas de Língua Portuguesa, Francês, História, Ciências Naturais, Ed.Física e EMRC foram as que progrediram, ao longo do ano. 9ºAno Metas Disciplinas Média 1.ºP Médias dos níveis Média 2.ºP Média 3.ºP Língua Portuguesa 2,97 3,01 3,21 Inglês 3,49 3,51 3,63 Francês 3,22 3,36 3,55 História 3,38 3,33 3,60 Geografia 3,21 3,05 3,31 Ciências Naturais 3,58 3,51 3,59 Matemática 2,88 3,04 3,08 CFQ 3,03 2,80 3,17 Ed. Visual 3,36 3,52 3,73 8

9 Ed. Física 3,70 3,94 4,54 ITIC 3,21 3,62 3,83 EMRC 4,63 4,68 4,82 Espanhol 3,40 3,72 3,70 Nota: os dados apresentados não incluem os resultados dos exames nacionais OBS: Todas as disciplinas registaram subidas ao longo do ano letivo, à exceção das disciplinas de História, Ciências Naturais, C.F.Q., Espanhol e Geografia que apresentaram oscilações nas médias, no entanto, todas as disciplinas, no terceiro período obtiveram resultados superiores aos obtidos no segundo período Dados globais por Ano/ turma e disciplina A seguir são apresentados os gráficos que traduzem a evolução das médias dos níveis obtidos, por disciplina turma e ano ao longo dos três períodos. 7º Ano o Gráficos com médias por Turma 9

10 10

11 11

12 Da análise dos gráficos destaca-se a turma E que apresenta uma média mais elevada que as restantes turmas em várias das disciplinas, pela negativa destacam-se as turmas G e F. 12

13 8º Ano o Gráficos com médias por Turma 13

14 14

15 15

16 Da análise dos gráficos destacam-se as turmas A e B que apresentam uma média mais elevada que as restantes turmas em várias das disciplinas, pela negativa destacam-se as turmas E e C. 9º Ano o Gráficos com médias por Turma 16

17 17

18 18

19 19

20 Da análise dos gráficos destaca-se a turma A que apresenta uma média mais elevada que as restantes turmas na generalidade das disciplinas. A turma com piores resultados é a C. 1.2 Ensino Secundário As tabelas seguintes mostram a evolução das médias das classificações obtidas, por disciplina ao longo do ano, no ensino secundário Média por disciplina ao longo do ano letivo 10ºAno Metas Médias das classificações Disciplinas Média 1.ºP Média 2.ºP Média 3.ºP Português 10,85 11,05 11,39 Filosofia 11,37 11,99 12,14 Inglês 12,23 12,47 12,76 Ed. Física 14,82 14,84 15,65 Mat. A 11,18 10,57 11,03 FQ A 11,38 11,95 11,93 Biol. e Geol. 13,38 13,43 13,55 Geog. A 11,04 10,40 11,03 Hist. A 10,83 11,07 11,17 MACS 12,44 10,52 10,67 Literatura 10,88 11,73 11,87 20

21 Des. A 13,32 12,76 13,46 GDA 12,00 11,13 12,10 EMRC 18,81 18,97 18,76 HCA 12,00 11,89 12,00 Economia 10,76 12,14 12,1 OBS: As disciplinas de Português, Filosofia, Inglês, Ed.Física, Biologia e Geologia, História A e Literatura registaram uma subida ao longo do ano. A Disciplina de MACS foi a que registou uma descida mais acentuada. 11ºAno Metas Médias das classificações Disciplinas Média 1.ºP Média 2.ºP Média 3.ºP Português 10,94 11,28 11,64 Filosofia 12,50 12,78 13,45 Inglês 12,42 12,68 13,13 Francês 11,89 11,96 12,57 Ed. Física 15,52 15,68 16,28 Mat. A 11,46 11,18 11,84 FQ A 11,37 11,91 11,64 Biol. e Geol. 13,22 13,55 13,92 Geog. A 11,54 11,61 12,27 Hist. A 10,22 10,25 10,81 MACS 10,15 9,35 10,81 Literatura 9,38 9,62 10,00 Des. A 11,95 13,10 13,29 GDA 9,80 11,36 11,70 HCA 10,56 11,04 10,78 EMRC 18,82 18,24 18,41 Economia 15,38 15,29 15,57 OBS: Na generalidade todas as disciplinas registaram uma subida ao longo do ano, exceto as disciplinas de Matemática A, F.Q. A, MACS, HCA, EMRC e Economia que apresentaram oscilações, porém desta só EMRC é que terminou com média inferior à que apresentava no primeiro período. 21

22 12ºAno Metas Médias das classificações Disciplinas Média 1.ºP Média 2.ºP Média 3.ºP Português 10,79 11,19 11,63 Ed. Física 16,61 17,35 18,09 Mat. A 12,32 11,84 13,11 Biologia 15,24 15,51 16,41 Geologia 14,55 14,62 14,28 Geografia C 14,71 15,49 17,37 Des. A 14,45 15,80 15,30 Sociologia 13,05 13,96 14,04 História A 11,17 11,31 11,50 O. A. 15,45 14,60 15,70 Psicologia B 14,86 14,96 16,03 Química 16,61 17,17 17,44 Antropologia 15,09 15,6 16,2 Física 15,1 14,50 14,50 EMRC 19,2 19,00 19,17 OBS: Na generalidade todas as disciplinas de registaram uma subida ao longo do ano, excetuando-se as disciplinas de Matemática A, Geologia, Desenho A, Oficina das Artes, Física e EMRC que apresentaram oscilações, desta só Geologia e Desenho A é que terminaram com média inferior ao primeiro período. Destacam-se as disciplinas de Ed.Física, Geografia C, Psicologia B por apresentarem uma melhoria mais acentuada ao longo do ano letivo. 22

23 1.2.2 Dados globais por Ano/ turma e disciplina A seguir são apresentados os gráficos que traduzem a evolução das médias das classificações obtidas, por disciplina turma e ano ao longo dos três períodos. 10.º Ano o Gráficos com médias por Turma ao longo do ano 23

24 24

25 25

26 Disciplina Ano/Turma Média 1.º Período Média 2.º Período Média 3.º Período H.C.A 10.ºK 12,00 11,89 12 Literatura Portuguesa 10.ºJ 10,88 11,73 11,87 Desenho A 10.ºK 13,32 12,76 13,46 G.D.A 10.ºK 12,00 11,13 12,1 Economia A 10.º F 10,76 12,14 12,1 Matemática B 10.ºK 12,43 11,71 12,14 Nas disciplinas de formação geral destacam-se com melhores médias as turmas A, B e C, com exceção da disciplina de Ed.Física, em que se destaca a turma E. Nas disciplinas de formação geral destaca-se pela positiva a Matemática a turmas A e pela negativa a turma L, com média negativa. Na disciplina de Biologia e Geologia destacam-se as turmas E e C por apresentarem médias mais elevadas. A F.Q. desta- 26

27 ca- se pela positiva a turma B. Nas disciplinas de História A e Geografia A destaca-se pela positiva a turma F e pela negativa a turma H. Na disciplina de MACS destaca-se pela positiva a turma F e pela negativa as turmas H e I, por registarem médias negativas. 11.º Ano o Gráficos com médias por Turma ao longo do ano 27

28 28

29 Disciplina Ano/Turma Média1.º período Média 2.º período Média 3.º período H.C.A 11.ºK 10,56 11,04 10,78 Literatura Portuguesa 11.ºJ 9,38 9,62 10 Desenho A 11.ºK 11,95 13,1 13,29 Francês 11.º E 13, ,6 11.º I 11 10,83 11,44 G.Descritiva 11.º K 9,8 11,36 11,7 Economia 11.ºF 15,38 15,29 15,57 29

30 N.B.: Nas disciplinas de formação geral e específica destaca-se com melhor média a turma D. As turmas G e H registaram médias negativas a Português. A F.Q.A a turma E apresenta média inferior a dez. 12.º Ano o Gráficos com médias por Turma ao longo do ano 30

31 Disciplina Ano/Turma Média1.ºperíodo Média 2.º período Média 3.º período Oficina das Artes 12.ºF 15,45 14,6 15,7 Química 12.ºA 16,61 17,17 17,44 Desenho A 12.ºF 14,45 15,8 15,3 Geografia C 12.º D 14,35 14, ºE 15,14 16,17 17,78 História A 12.ºD 10,44 11,25 11,38 12.ºE 11,96 11,38 11,63 Biologia 12.ºA 16,26 16,47 17,67 12.ºB 14,50 14,81 15,54 31

32 Antropologia 12.ºF 15,09 15,6 16,2 Sociologia 12.ºE 13,05 13,96 14,04 Física 12.ºC 15,1 14,5 14,5 Geologia 12.ºC 14,55 14,62 14,28 N.B.: A Português destaca-se a turma A pela média dos níveis que é catorze e a turma C pelo elevado número de negativas (13 em 28 alunos). A Matemática A destaca-se a turma A pela média dos níveis que é superior a 15 (quinze). Nas disciplinas específicas, todas as disciplinas melhoraram ao longo do ano, salientando-se a turma D na disciplina de Geografia C, em que houve uma melhoria significativa. 2. Resultado dos testes intermédios No ano letivo concluiu-se o quarto ano consecutivo de aplicação dos testes intermédios. Neste ano letivo foram realizadas 15 provas, como novidade foi a realização de teste intermédio a Português 12.ºano, a Filosofia de 10.ºano e a Inglês do 9.ºano, porém nesta disciplina só se realizou a componente prática. A informação disponibilizada na tabela seguinte permite observar a evolução dos resultados ao longo dos vários anos letivos e compará-los com os resultados nacionais. No ano letivo , e no que concerne ao Ensino Básico, as disciplinas de Matemática do 8.º e 9.ºanos apesar de apresentarem percentagens inferiores a 50%, foram superiores às nacionais. O mesmo acontecendo na disciplina de Língua Portuguesa. Relativamente ao Ensino Secundário a disciplina de Matemática esteve sempre a baixo da média nacional, tendo obtido a diferença maior no teste intermédio de 10.ºano. O resultado obtido na disciplina de Física e Química A do 10.ºano é superior ao nacional. No 10.ºano as disciplinas de Filosofia e Biologia e Geologia obtiveram médias superiores à nacional. Português de 12.ºano obteve uma média positiva mas inferior à nacional. 32

33 ESL ESL ESL Nacional ESL Nacional Ano Disciplina 8.ºAno-Matemática Média 53 Desvio 2,1 Média 57 Desvio 2 Média 59,2 Desvio 20,3 Média 50,91 Desvio 22,77 Média 44,9 Desvio 24,7 Média 39,3 Desvio 22,2 9.ºAno-Matemática 55 2,5 59 2,3 41,8 21,3 40,66 20, , ,3 25,9 44,22 24,29 35,4 19,1 31,1 19,8 10.ºAno-Matemática 6 4 9,01 5,3 6,5 4 9,4 3,8 8,3 3,5 8,8 4,5 7,9 3,6 9,6 4,7 11.ºAno-Matemática 6,4 3,8 7,6 4,5 8 4,4 8,8 4,9 7,3 3,7 9 4,6 8,4 5 10,3 5,1 8,5 4, ,4 4,5 8,6 4 8,9 4,4 11,07 4,9 11 4,7 11,8 4,6 12.ºAno-Matemática 8,7 4,6 8,2 3,9 8,5 4 9,9 4 10,3 3,6 10,5 4,6 9,3 3,7 9,6 4,3 9.ºAno-C.F.Q. 70,5 16,8 61,7 17,5 36,4 12,5 36,7 14,8 10.ºAno-F.Q. 8 3,2 9,9 3,9 11,2 3,7 11,19 3,96 9,5 3,5 7,8 3,8 11.ºAno-F.Q. 7,3 3,3 8,2 2,9 10,2 3,7 10,13 3,89 7,8 3,3 8,8 3 9,7 3,7 8,9 3,89 6,6 3 7,1 3,6 9.ºC.N. 66,1 17,3 56,01 19,57 10.ºAno-B.G. 9,8 3,6 10,3 3,6 11,2 3 10,12 3,51 10,1 2,7 9,6 3,1 11.ºAno-B.G. 8,7 2,8 11 3,1 9,9 3,4 10,41 3,45 9,3 3,1 8,5 2,9 12,1 3,3 11,8 2,9 11,9 3,05 9,8 3,7 9.ºAno-L.P. 58 1,4 56, ,01 16,09 57, ,7 16,4 12.ºAno-Português 10,3 2,8 11 3,6 9.ºInglês 48,1 25,7 54,7 26,9 11.ºAno Filosofia 6,6 2,4 10,1 4,08 10.ºAno-Filosofia 10,9 4,3 10,7 4,3 9.ºAno-Geografia 53, ,01 16,66 9.ºAno-História 42,7 17,8 42,34 19,71 3. A indisciplina na Escola Aguardam-se resultados por parte da direção da escola. 33

34 Pontos Fortes: 4. Análise do funcionamento da Biblioteca O objetivo geral do Plano de Atividades da Biblioteca foi o de continuar a envolver o aluno na sua própria aprendizagem, enquanto ser autónomo, crítico e atuante, capaz de interagir com a realidade circundante, no respeito por si, pelos outros e pelos valores culturais e civilizacionais subjacentes à sociedade a que pertencem. Fomento da importância, missão e objetivos da Biblioteca Escolar no contexto da Sociedade da Informação e da Comunicação, como estrutura capaz de produzir alterações em todos os setores da escola; Sensibilização para a importância do papel e função do professor bibliotecário e da sua equipa, como parceiros e líderes fundamentais no trabalho cooperativo a desenvolver com toda a comunidade educativa, na planificação das atividades da sala de aula, integrando os recursos da Biblioteca Escolar; Criação de condições de trabalho para a promoção do desenvolvimento curricular de forma transversal e integrada dos recursos de informação e nos tecnológicos e profissionais e atividades de promoção de leitura, articulando todas as disciplinas, através da operacionalização dos Projetos Curriculares de Turma; Cooperação ativa entre a biblioteca escolar e os órgãos de gestão, nomeadamente o Conselho Pedagógico, os Departamentos de Articulação Curricular, os Conselhos de Turma e outros agentes da comunidade; Criação de instrumentos de apoio às atividades de sala de aula e a outros contextos favoráveis à promoção das literacias, da autonomia do aluno e do seu desenvolvimento individual; Produção de instrumentos de autoavaliação como registo justificativo do investimento na melhoria das condições da Biblioteca Escolar. Pontos Fracos: Mudança anual dos elementos da equipa da Biblioteca; Substituição das assistentes operacionais deste serviço, acrescido ao facto de as mesmas terem pouca formação-base para o desempenho das funções nucleares; A Biblioteca ter funcionado, muitas vezes, como sala de castigo para alunos com faltas disciplinares. (Professora Bibliotecária: Graça Maria Pinto Coelho) 34

35 5. Balanço da implementação do Plano da Matemática no final dos três anos Chega ao fim uma das medidas definidas pelo Ministério da Educação para aumentar o sucesso dos alunos do Ensino Básico, em Matemática. 1. APRECIAÇÃO DOS OBJETIVOS DEFINIDOS PELA ESCOLA NO INÍCIO DO PM II Uma das fragilidades apontadas à Escola Secundária de Lousada, pela IGE (2008), prendeu-se com os resultados pouco satisfatórios ou pouco sustentáveis, sobretudo nas disciplinas sujeitas a exames nacional, em cujo rol se encontrava Matemática do 3º ciclo. Uma vez que o Plano de Ação para a Matemática, iniciado em , vinha a dar mostras da melhoria das aprendizagens dos alunos refletidas a nível interno e externo, a candidatura ao PM II, em , pretendeu dar a este projeto credibilidade e por isso, melhorar a imagem da nossa escola, assegurando que todos os alunos do básico eram abrangidos pelas estratégias delineadas e que as aprendizagens efetivadas tivessem uma qualidade real percetível pelos professores do Ensino Secundário e visível nos resultados dos exames nacionais. Não podíamos estar mais satisfeitos com os resultados conseguidos. A par de outros esforços levados a cabo pelos diferentes órgãos da nossa escola, o Plano da Matemática contribuiu, expressivamente, para a melhoria do funcionamento do Ensino Básico. Este facto tem aumentado a procura (por parte dos Encarregados de Educação) e o número de inscrições na Escola Secundária de Lousada. 2. APRECIAÇÃO DESTA EXPERIÊNCIA PARA: 2.1. A APRENDIZAGEM MATEMÁTICA DOS ALUNOS: O aumento da carga horária para Matemática e/ou a atribuição de Estudo Acompanhado a um professor de Matemática, cumulativamente com a existência de Assessorias permitiu dar visibilidade ao problema que era a performance dos alunos em Matemática, aos fatores que influenciavam este problema, à necessidade de se trabalhar seriamente o problema em conjunto e à obtenção de resultados fiáveis e duradoiros que não pusessem em causa a rentabilidade dos recursos disponibilizados. O aumento deste tempo permitiu assim, uma maior intensificação e diversificação das atividades, nomeadamente, na resolução de problemas, na realização de tarefas de investigação e no recurso a outros modos de realizar a prática letiva valorizando o ensino pela descoberta. A grande afluência e entusiasmo dos alunos em Sessões de Estudo não obrigatórias, a participação crescente em atividades lúdicas, a qualidade dos desempenhos em concursos e competições matemáticas, os resultados alcançados nas avaliações e exames nacionais, os relatos dos professores do secundário, os registos lavrados em atas de Departamento e outros documentos, os pareceres emanados pelo Conselho Pedagógico, Conselhos de Turma e os dados recolhidos pela equipa de avaliação interna, numa avaliação ao PM, no final de , evidenciam a qualidade das aprendizagens produzidas. Poder-se-á afiançar que os alunos da nossa escola revelam, hoje, uma atitude mais positiva face à disciplina, registando-se muito maiores motivação e interesse que se manifestam pelo grande número de alunos que participam e de forma nas atividades desenvolvidas. Tendo em conta que os resultados dos exames nacionais obtidos, nos últimos três anos, têm sido 5 a 6% superiores à média nacional, não podíamos deixar de apreciar com nota máxima este aspeto. 35

36 2.2.O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS PROFESSORES: O recurso a assessorias, por exemplo, possibilitou a implementação de novas abordagens pedagógicas e potenciou a reflexão sobre as práticas letivas. A aproximação física entre diferentes professores (em regime de assessoria), que tinham uma ambição comum e como missão a melhoria dos resultados dos alunos gerou um sentido de equipa e de responsabilidade muito fortes. Por isso, a partilha de espaços, de métodos, a realização conjunta de planificações, a construção de materiais, a dinamização de atividades e o aumento de ideias e soluções permitiu aos professores da equipa do PM enriquecer as suas conceções e por isso, desenvolver-se profissionalmente O AGRUPAMENTO ENQUANTO COMUNIDADE: Ao longo dos anos anteriores, a Matemática do 3º ciclo passou a ter uma enorme visibilidade na comunidade educativa, quer para os órgãos internos da escola, quer para os pais e encarregados de educação. A dinâmica de trabalho essencialmente colaborativa, a forte adesão dos alunos às atividades desenvolvidas, a diversidade das ações e a satisfação com os resultados alcançados começaram a ser enaltecidos pelos órgãos educativos da escola. Os resultados alcançados em Matemática ganharam consistência e fiabilidade e, por isso, este tipo de trabalho colaborativo, dentro e fora da sala de aula, poderia ser a solução para a melhoria do desempenho e dos resultados noutras áreas e grupos disciplinares. Como ficou referido no ponto 1., a Matemática do 3º Ciclo permitiu que Ensino Básico da Escola Secundária de Lousada ganhasse prestígio e que ocupasse hoje, um lugar de destaque na comunidade. 3. Contribuição do Plano da Matemática para o desenvolvimento de futuros projetos A experiência pedagógica adquirida com a implementação do Plano da Matemática já contribuiu para o desenvolvimento de outros projetos, nomeadamente, na melhoria do desempenho dos alunos noutras áreas curriculares. Nesta altura, os envolvidos direta ou indiretamente no PM desenvolveram já a maturidade e a segurança que permitirão a deteção de novos problemas, a criação de equipas de trabalho, a implementação de ações, a mobilização de recursos e a seleção de mecanismos de regulação para encontrar as soluções. 6. Plano Anual de Atividades (Coordenadora do PM II: Arminda Moreira) A equipa da Avaliação Interna preparou um questionário on-line para aferir a opinião dos alunos sobre o funcionamento do Plano Anual de Atividades. Este questionário foi respondido pelos delegados, depois de auscultarem a opinião dos elementos da turma. Foi solicitada a participação dos delegados e disponibilizado um link de acesso ao questionário. A equipa contou com a colaboração do Diretor da Escola, da coordenadora Pedagógica e dos diretores de turma para a divulgação e sensibilização desta iniciativa. 6.1 Análise das respostas dos alunos Foram obtidas 39 respostas, uma pequena parte do número de atividades realizadas. Foram os alunos do ensino secundário, com 27 respostas, os que mais responderam ao inquérito. Disciplinas envolvidas: 36

37 As disciplinas envolvidas foram as mais diversas: Formação Cívica; Direito das Organizações, Economia, História, Matemática, Educação Física, Biologia, Filosofia e História. Período Letivo: A maioria das atividades realizou-se no 1º período (54%) e as restantes durante o 2º período. Local de realização: A maioria das atividades realizou-se na escola (21), seguindo-se outros locais: Lisboa, Porto, Penafiel, Amarante, Aveiro, Arouca e Tormes. Interesse da atividade: 64% dos alunos atribuíram o valor máximo (5) ao interesse da atividade e apenas 26% o classificaram com 4. Organização da atividade: 59% dos alunos classificaram a organização da atividade com nota máxima (5) e apenas 33% lhe atribuíram 4. Duração/gestão do tempo: Quanto à gestão do tempo/duração, apenas 22% dos inquiridos atribuíram-lhe 5 e 28% classificaramna com 4. Contributo para as aprendizagens: Na generalidade, o contributo para as aprendizagens no âmbito das disciplinas envolvidas, foi considerado muito positivo, permitindo aumentar conhecimentos relacionados com os temas em causa. Salienta-se que 7 respostas consideraram não haver qualquer contributo para as aprendizagens. Os principais aspetos positivos referidos pelos inquiridos foram: - desenvolvimento e aquisição de novos conhecimentos; - a contribuição para a coesão do grupo/turma; - a promoção do espírito de equipa; Os principais aspetos negativos referidos pelos inquiridos foram: - pouco tempo disponível para a sua realização e /ou para tomar as refeições; - alguma desorganização por parte dos alunos; - falhas no civismo demonstrado pelos alunos; - falta de condições no meio de transporte; O maior número de respostas refere não haver quaisquer aspetos negativos a referir. N.B.: - Quando se pede para fazerem uma apreciação global da atividade, 54% das respostas atribuem-lhe a classificação 5 e 36% classificam-na com a nota 4. 37

38 7. Avaliação do Projeto Educativo de Escola Objectivo1 Melhorar o sucesso da escola nas diferentes disciplinas, áreas não disciplinares e competências que integram a oferta educativa da Escola, de acordo com as seguintes metas: 1.1. Resultados escolares Ensino Básico Diurno 7.º Ano A seguir são apresentadas três tabelas que retratam a evolução das percentagens de positivas ao longo dos vários anos, no ensino básico e confrontam-se os resultados obtidos com as metas traçadas no PEE relativamente ao objetivo 1, metas e Metas Disciplinas Class. 3.º P 2007/200 8 Class. 3.º P 2008/2009 Classificações >=3 Class. 3.ºP 2009/2010 Class. 3.ºP 2010/2011 Class. 3.ºP 2011/ Subir em 1% <90% sucesso Meta a atingir +1% Desvio Atingiu Meta (S/N) Manter os resultados 90% sucesso Meta a atingir = Desvio Língua Portuguesa 91% 80% 88% 82% 88% 83% 5% S Inglês 89% 65% 95% 86% 89% 87% 2% S Francês 98% 93% 100% 86% 96% 87% 9% S Espanhol 96% 99% 89% 99% 95% % -4% N História 94% 82% 83% 82% 90% 83% 7% S Geografia 97% 94% 88% 86% 94% 87% 7% S Matemática 71% 71% 73% 63% 75% 64% 11% S Ciências Naturais 82% 74% 84% 90% 93% % 3% S CFQ 86% 83% 80% 82% 85% 83% 2% S Ed. Visual 100% 100% 99% 94% 99% % 5% S Ed. Física 100% 100% 100% 98% 99% % 1% S Ed. Tecnológica 100% 100% 99% 99% 98% % -1% N Atingiu Meta (S/N) 38

39 8.º Ano Metas Disciplinas Class. 3.º P 2007/200 8 Class. 3.º P 2008/2009 Classificações >=3 Class. 3.ºP 2009/2010 Class. 3.ºP 2010/2011 Class. 3.ºP 2011/ Melhorar em 1% <90% sucesso Meta a atingir +1% Desvio Atingiu Meta (S/N) Meta a atingir = Manter os Desvio Língua Portuguesa 93% 92% 75% 86% 83% 87% -4% N Inglês 79% 78% 82% 87% 82% 88% -6% N Francês 88% 92% 81% 97% 90% % -7% N História 90% 93% 82% 91% 83% % -8% N Geografia 92% 98% 87% 89% 91% 90% 1% S Matemática 69% 65% 62% 80% 61% 81% -20% N Ciências Naturais 91% 88% 88% 98% 93% % -5% N CFQ 72% 79% 77% 94% 80% % -14% N Ed. Visual 100% 99% 98% 100% 97% % -3% N Ed. Física 100% 100% 99% 100% 97% % -3% N Ed. Tecnológica 100% 98% 99% 96% 99% % 3% S Espanhol - 98% 99% 100% 97% % -3% N 90% Atingiu Meta (S/N) 9.º Ano Classificações >= Subir em 1% <90% Manter os Class. 3.º sucesso Metas Class. 3.º Class. Class. Class. Meta a Atingiu Meta a Atingiu Disciplinas P P 3.ºP 3.ºP 3.ºP atingir Desvio Meta atingir Desvio Meta 2007/ / / / / % (S/N) = (S/N) 8 Língua Portuguesa 87% 89% 89% 89% 82% 90% -8% N Inglês 76% 81% 81% 95% 97% % 2% S Francês 93% 85% 85% 83% 98% 84% 14% S História 90% 90% 90% 93% 96% % 3% S Geografia 85% 85% 85% 99% 82% % -17% N Matemática 53% 71% 53% 68% 69% 69% 0% S Ciências Naturais 82% 92% 83% 91% 92% % 1% S CFQ 79% 79% 79% 89% 79% 90% -11% N Ed. Visual 99% 99% 99% 93% 92% % -1% N Ed. Física 99% 100% 96% 100% 100% % 0% S ITIC 100% 100% 100% 100% 100% % 0% S Espanhol 88% 100% 99% % -1% N Manter os resultados do ano anterior nas disciplinas com um sucesso igual ou superior a 90% Indicador: % de positivas nas diferentes disciplinas e áreas curriculares não disciplinares no 3º período (sem incorporação dos resultados externos). Da análise das tabelas apresentadas constata-se que relativamente ao: 7º ano Três das cinco disciplinas atingiram a meta. Das disciplinas que não atingiram a meta, salienta-se o caso de Espanhol, com o maior desvio. 8º ano Apenas uma das oito disciplinas atingiu a meta ( Ed.Tecnológica). Pela negativa destaca-se C.F.Q. com maior desvio (-14%). 39

40 9º ano Atingiram a meta cinco das oito. Destaca-se pela positiva História e pela negativa CFQ (-17%) Subir em pelo menos 1% os resultados do ano anterior, nas disciplinas com menos de 90% de sucesso. Indicador: % de positivas nas diferentes disciplinas e áreas curriculares não disciplinares no 3º período (sem incorporação dos resultados externos). Da análise das tabelas apresentadas constata-se que relativamente ao: 7º ano Todas as disciplinas atingiram a meta, destacando-se a Matemática e Francês. 8º ano Três das quatro disciplinas não atingiram a meta, destacando-se, com maior desvio negativo, a disciplina de Matemática (-20%). 9º ano Duas das quatro disciplinas não atingiram a meta, que é o caso de Língua Portuguesa e C.F.Q. A seguir são presentadas três tabelas que retratam a evolução das classificações ao longo dos vários anos e confrontam-se os resultados obtidos com as metas traçadas no PEE. 40

41 1.2. Resultados Escolares Ensino Secundário Regular Diurno A seguir são apresentados quadros que retratam a evolução das percentagens de positivas ao longo dos vários anos, no ensino secundário e confrontam-se os resultados obtidos com as metas traçadas no PEE relativamente ao objetivo 1, metas e º Ano Disciplinas Metas Class. 3.º P 2007/2008 Class. 3.º P 2008/2009 Classificações >=10 Class. 3.ºP 2009/2010 Class. 3.ºP 2010/2011 Class. 3.ºP 2011/ Manter os resultados >=85% sucesso Meta a atingir = Desvio Atingiu meta S/N Meta a atingir +1% Português 93% 87% 88% 86% 80% 86% -6% N Filosofia 86% 81% 85% 87% 84% 87% -3% N Inglês 78% 79% 84% 77% 84% % 6% S Francês 94% 77% 87% 81% Melhorar em 1% <85% sucesso Ed. Física 99% 99% 99% 100% 99% 100% -1% N Mat. A 62% 54% 61% 70% 64% % -7% N FQ A 75% 72% 58% 69% 81% % 11% S Biol. e Geol. 84% 93% 93% 95% 94% 95% -1% N Geog. A 95% 74% 77% 82% 73% % -10% N Hist. A 94% 71% 87% 78% 80% % 1% S MACS 77% 64% 85% 72% 82% % 9% S Econ. A 93% 91% 96% 90% 96% -6% N Literatura - 87% 81% 62% 80% % 17% S Des. A 97% 96% 85% 80% 96% % 15% S GDA 72% 67% 85% 80% 96% % 15% S EMRC 100% 100% 100% 100% 100% 100% 0% S HCA - 50% 85% 72% 82% % 9% S Desvio Atingiu meta S/N 11.º Ano Metas Classificações >= Manter os resultados >=85% sucesso Melhorar em 1% <85% sucesso Disciplinas Class. 3.º P 2007/2008 Class. 3.º P 2008/2009 Class. 3.ºP 2009/2010 Class. 3.ºP 2010/2011 Class. 3.ºP 2011/2012 Meta a atingir = Desvio Atingiu meta S/N Meta a atingir +1% Desvio Português 84% 83% 92% 70% 80% % 9% S Filosofia 95% 86% 94% 75% 93% % 17% S Inglês 95% 75% 95% 85% 94% 85% 9% S Francês 100% 94% 97% 84% 94% % 9% S Ed. Física 100% 100% 100% 99% 100% 99% 1% S Mat. A 64% 56% 65% 58% 71% % 12% S FQ A 71% 67% 69% 76% 72% % -5% N Biol. e Geol. 97% 93% 98% 88% 99% 88% 11% S Geog. A 89% 88% 91% 80% 77% % -4% N Hist. A 93% 95% 90% 80% 76% % -5% N MACS 38% 82% 86% 26% 71% % 44% S Atingiu meta S/N 41

42 Econ. A 100% 92% 100% 100% 100% 100% 0% S Literatura 89% 86% 62% 86% -24% N Des. A 100% 96% 73% 70% 100% % 29% S GDA 64% 44% 73% 70% 70% % -1% N História da Arte 85% 0% 44% 80% 78% % -3% N EMRC 100% 100% 100% 100% 100% 100% 0% S º Ano Metas Classificações >= Manter os resultados >=85% sucesso Melhorar em 1% <85% sucesso Disciplinas Class. 3.º P 2007/2008 Class. 3.º P 2008/2009 Class. 3.ºP 2009/2010 Class. 3.ºP 2010/2011 Class. 3.ºP 2011/2012 Meta a atingir = Desvio Atingiu meta S/N Meta a atingir +1% Desvio Atingiu meta S/N Português 91% 94% 89% 88% 84% 88% -4% N Ed. Física 100% 100% 100% 100% 100% 100% 0% S Mat. A 82% 77% 81% 78% 86% % 7% S Química 100% - 100% 100% 100% 0% S Biologia 100% 100% 100% 100% 100% 100% 0% S Geologia 100% 100% 100% 100% 100% 100% 0% S Geografia 100% 100% 100% 95% 100% 95% 5% S Psicologia 100% 100% 100% 100% 100% 100% 0% S Des. A 100% 91% 100% 100% 90% 100% -10% N Sociologia 100% 100% 99% 100% 100% 100% 0% S História 77% 97% 66% 98% 83% 98% -15% N Oficina A. 100% 100% 100% 100% 90% 100% -10% N EMRC 100% 100% 100% 100% 100% 100% 0% S Antropologia 100% 100% 100% 100% 0% S - - Física 100% 90% 90% 90% 0% S Manter os resultados do ano anterior, nas disciplinas com sucesso igual ou superior a 85%. Indicador: % de positivas nas diferentes disciplinas no 3º período (sem incorporação dos resultados externos). Da análise dos quadros apresentadas constata-se que relativamente ao: 10º ano Uma das seis disciplinas atingiu a meta. Das disciplinas que não atingiram a meta, salienta-se o caso de Português e Economia A, com o maior desvio. 11º ano Cinco das seis disciplinas atingiram a meta. A disciplina de Literatura (-24%) não atingiu a meta. 12º ano 42

43 As disciplinas de História (-15%), Desenho (-10%); Oficina das Artes (-10%) e Português(-4%) não atingiram a meta Subir em pelo menos 1% os resultados do ano anterior, nas disciplinas com menos 85% de sucesso. Indicador: % de positivas nas diferentes disciplinas no 3º período (sem incorporação dos resultados externos). Da análise dos quadros apresentadas constata-se que relativamente ao: 10º ano Oito das dez disciplinas atingiram a meta. Destaca-se pela positiva a disciplina de Literatura (17%). 11º ano Cinco das onze disciplinas não atingiram a meta. Pela positiva destaca-se MACS (44%). 12º ano Matemática A atingiu a meta Melhorar a média dos níveis ou classificações escolares ao longo do ano letivo por disciplina Subir em pelo menos 2% a média dos níveis por disciplina/ano entre o 1.º e o 3.º período no ensino básico e secundário. Ensino Básico 7º ano As metas não foram atingidas nas disciplinas de Espanhol e Francês. -É de realçar que todas as disciplinas apresentam médias iguais ou superiores a 3. 8º ano Apenas a disciplina Matemática não atingiu a meta. -É de realçar que todas as disciplinas apresentam médias iguais ou superiores a 3. 9º ano As metas foram atingidas em todas as disciplinas, exceto a Ciências da Naturais. -É de realçar que todas as disciplinas apresentam médias iguais ou superiores a 3. Importante: Os quadros que a seguir se apresentam, por ano, disciplina, média em relação ao 1.º e 3.º períodos, e ainda as diferenças obtidas entre o 3.º e 1.º períodos permitem avaliar o grau de consecução da meta 1.3.1, no ensino básico. 43

44 7.º Ano Disciplinas Metas Médias dos níveis Média 1.ºP Média 3.ºP Subir em pelo menos 2% a média dos níveis entre o 1.ºP e o 3.º P Diferença entre 3.ºP e1.ºp Atingiu Meta Língua Portuguesa 3,08 3,25 6% S Inglês 3,35 3,53 5% S Francês 3,69 3,69 0% N Espanhol 3,81 3,75-2% N História 3,42 3,53 3% S Geografia 3,40 3,47 2% S Ciências Naturais 3,43 3,54 3% S Matemática 3,07 3,21 5% S CFQ 3,14 3,24 3% S Ed. Visual 3,25 3,77 16% S Ed. Física 3,70 4,15 12% S EMRC 4,20 4,66 11% S 8.º Ano Disciplinas Metas Médias dos níveis Média 1.ºP Média 3.ºP Subir em pelo menos 2% a média dos níveis entre o 1.ºP e o 3.º P Diferença entre 3.ºP e1.ºp Atingiu Meta Língua Portuguesa 2,93 3,13 7% S Inglês 3,17 3,37 6% S Francês 3,45 3,59 4% S Espanhol 3,51 3,57 2% S História 2,85 3,21 13% S Geografia 3,17 3,39 7% S Ciências Naturais 3,31 3,49 5% S Matemática 2,98 3,01 1% N CFQ 3,06 3,13 2% S Ed. Visual 3,49 3,64 4% S Ed. Física 3,69 4,04 9% S EMRC 4,14 4,74 14% S 44

45 9.º Ano Disciplinas Metas Médias dos níveis Média 1.ºP Média 3.ºP Subir em pelo menos 2% a média dos níveis entre o 1.ºP e o 3.º P Diferença entre 3.ºP e1.ºp Atingiu Meta Língua Portuguesa 2,97 3,21 8% S Inglês 3,49 3,63 4% S Francês 3,22 3,55 10% S História 3,38 3,60 7% S Geografia 3,21 3,31 3% S Ciências Naturais 3,58 3,59 0% N Matemática 2,88 3,08 7% S CFQ 3,03 3,17 5% S Ed. Visual 3,36 3,73 11% S Ed. Física 3,70 4,54 23% S ITIC 3,21 3,83 19% S EMRC 4,63 4,82 4% S Espanhol 3,40 3,70 9% S Ensino Secundário Melhorar em 2 % a média das classificações disciplina / ano entre o 1º e o 3º período - Ensino Secundário. Indicador: diferença percentual entre a média dos níveis ou classificações escolares do 1º e do 3º período (sem exames nacionais). 10º ano Oito das dezasseis disciplinas atingiram a meta. Das disciplinas que não atingiram a meta, destaca-se MACS com maior desvio (-14%). 11º ano Catorze das dezasseis disciplinas atingiram a meta, destacando-se as disciplinas de GDA e Desenho A. 12º ano Treze das dezasseis disciplinas atingiram a meta, destacando-se a disciplina de Geografia C. Os quadros que a seguir se apresentam, por ano, disciplina, média em relação ao 1.º e 3.º períodos, e ainda as diferenças obtidas entre o 3.º e 1.º períodos permitem avaliar o grau de consecução da meta 1.3.1, no ensino secundário. 45

46 10.º Ano Disciplinas Metas Médias das classificações Média 1.ºP Média 3.ºP Subir em pelo menos 2% a média das classificações entre o 1.º P e o 3.º P Diferença entre 3.ºP e1.ºp Atingiu meta S/N Português 10,85 11,39 5% S Filosofia 11,37 12,14 7% S Inglês 12,23 12,76 4% S Ed. Física 14,82 15,65 6% S Mat. A 11,18 11,03-1% N FQ A 11,38 11,93 5% S Biol. e Geol. 13,38 13,55 1% N Geog. A 11,04 11,03 0% N Hist. A 10,83 11,17 3% S MACS 12,44 10,67-14% N Literatura 10,88 11,87 9% S Des. A 13,32 13,46 1% N GDA 12,00 12,10 1% N EMRC 18,81 18,76 0% N HCA 12,00 12,00 0% N Economia 10,76 12,1 12% S 11.º Ano Metas Disciplinas Médias das classificações Média 1.ºP Média 3.ºP Subir em pelo menos 2% a média das classificações entre o 1.º P e o 3.º P Diferença entre 3.ºP e1.ºp Atingiu meta S/N Português 10,94 11,64 6% S Filosofia 12,50 13,45 8% S Inglês 12,42 13,13 6% S Francês 11,89 12,57 6% S Ed. Física 15,52 16,28 5% S Mat. A 11,46 11,84 3% S FQ A 11,37 11,64 2% S Biol. e Geol. 13,22 13,92 5% S Geog. A 11,54 12,27 6% S Hist. A 10,22 10,81 6% S MACS 10,15 10,81 7% S Literatura 9,38 10,00 7% S Des. A 11,95 13,29 11% S GDA 9,80 11,70 19% S HCA 10,56 10,78 2% S EMRC 18,82 18,41-2% N Economia 15,38 15,57 1% N 46

47 12.ºAno Disciplinas Metas Médias das classificações Média 1.ºP Média 3.ºP Subir em pelo menos 2% a média das classificações entre o 1.º P e o 3.º P Diferença entre 3.ºP e1.ºp Atingiu meta S/N Português 10,79 11,63 8% S Ed. Física 16,61 18,09 9% S Mat. A 12,32 13,11 6% S Biologia 15,24 16,41 8% S Geologia 14,55 14,28-2% N Geografia C 14,71 17,37 18% S Des. A 14,45 15,30 6% S Sociologia 13,05 14,04 8% S História A 11,17 11,50 3% S O. A. 15,45 15,70 2% S Psicologia B 14,86 16,03 8% S Química 16,61 17,44 5% S Antropologia 15,09 16,2 7% S Física 15,1 14,50-4% N EMRC 19,2 19,17 0% N 1.4. Melhorar os resultados nacionais do 9º ano e do Ensino Secundário até 2015 de acordo com as metas seguintes: Obter, em Língua Portuguesa uma subida progressiva das classificações positivas de 71% para 75% e em Matemática, de 64% para 65%. Indicador: % de classificações positivas dos alunos internos sem incluir os alunos do CEF. O quadro que se segue apresenta, as classificações de exame nacional e da escola, a Língua Portuguesa, bem como um histórico dos resultados de exame da escola. Língua Portuguesa Média dos níveis das classificações de exame a L.P. na Escola em 2012 foi de 2,7. A média da escola foi de 52% e a nacional de 53%. A percentagem de positivas da escola é de 57,9%, inferior à definida para este ano letivo ( 72%). 47

48 O gráfico que se segue apresenta, a evolução das percentagens de positivas obtidas no exame de Língua Portuguesa da ESL. O quadro que se segue apresenta, as classificações de exame nacional e da escola, a Matemática, bem como um histórico dos resultados de exame da escola. Matemática CE (escola) 2012 CE (escola) 2011 CE (escola) CE (nacional) 2011 CE (nacional) Níveis nº % Nº % nº % nº % % % % % nº % % 1 3 2, , , ,3 33, , ,8 43,9 88, , , , , , , , ,4 66,4 6 4, ,2 56,1 11, , Total Média dos níveis das classificações de exame a Matemática, na Escola em 2012 foi de 3,13. A média Nacional foi de 53%, a da escola 58,66%. A Percentagem de positivas da escola é de 85%, superior à meta definida para o ano letivo que é de 64%. 48

49 O gráfico que se segue apresenta, a evolução das percentagens de positivas obtidas no exame de Matemática da ESL. N.B. - A CE da nossa escola foi calculada com base no n.º de alunos internos. A meta não foi atingida a Língua Portuguesa mas foi atingida a Matemática. As percentagens de positivas a Língua Portuguesa foram inferiores às nacionais e a Matemática foram superiores às percentagens nacionais Obter, em todos os Exames Nacionais do Ensino Secundário uma média igual à média nacional do respetivo exame. Indicador: Média das classificações de exame dos alunos internos. O quadro que se segue apresenta, as classificações de exame nacional e da escola, nas disciplinas com alunos internos, bem como um histórico dos resultados de exame da escola. 1.ª Fase do Secundário Disciplina Português 639 Matemática 635 MACS 835 Matemática B 735 Média Exame Escola 2009 Média Exame Escola 2010 Média Exame Escola 2011 Média Exame Escola 2012 (A) Média Nacional 2009 Média Nacional 2010 Média Nacional 2011 Média Nacional 2012 (B) Diferença (A-B) Concretização da Meta (S/N) 12,04 9,60 8,18 10,1 11,70 11,00 9,60 10,4-0,3 N 11,41 10,64 9,92 9,5 11,70 12,20 10,60 10,4-0,9 N 8,97 11,67 12,68 10,7 11,30 10,10 11,30 10,6 0,1 S 11, , ,

50 Biologia- Geologia 702 Geometria Descritiva 708 Física- Química A 715 Geografia A 719 História A 623 Economia A 712 Desenho A 706 H. C. Artes 724 Literatura Portuguesa 734 8,17 9,62 10,46 9,4 9,80 9,80 11,00 9,8-0,4 N 7,67 9,33 7,33 8,0 10,40 8,90 10,00 10,7-2,7 N 7,60 7,24 11,14 7,4 8,70 8,50 10,50 8,1-0,7 N 10,12 11,57 12,65 11,3 11,30 11,00 11,30 10,7 O,6 S 12,54 10,37 11,09 12,2 11,90 11,90 10,50 11,8 0,4 S 10,88 14, ,50 13,50-11,7-0,56 N 12,00 10,33 15,24 12,3 12,70 12,50 11,90 12,3 0 S 8,18 11,16 9,39 9,0 10,40 10,90 9,60 10,9-1,9 N - 6,35 7,48 10,2-10,30 9,30 10,9-0,7 N Filosofia 10,6 8,9 1,7 S As disciplinas de MACS, Desenho A, História A, Geografia A e Filosofia superaram a meta. Relativamente à diferença entre a classificação do Exame Nacional e a classificação de Exame da escola, os maiores desvios negativos são obtidos pelas disciplinas: Geometria Descritiva, História e Cultura das 2.ª Fase do Secundário Artes e Matemática A. 2.ª Fase do Secundário (a aguardar dados) O quadro que se segue apresenta, as classificações de exame nacional e da escola, nas disciplinas com alunos internos, bem como um histórico dos resultados de exame da escola. Disciplina Média Exame Escola 2009 Média Exame Escola 2010 Média Exame Escola 2011 Média Exame Escola 2012 (A) Média Nacional 2009 Média Nacional 2010 Média Nacional 2011 Média Nacional 2012 (B) Diferença ( A-B) Concretização da Meta (S/N) Português 639 9,19 9,6 9,65 9,8 10,1 10,00 Matemática ,06 9,39 9,58 10,5 9,8 9,10 50

51 MACS 835 Matemática B 735 Biologia- Geologia 702 Geometria Descritiva 708 Física- Química A 715 Geografia A 719 História A 623 Economia A 712 Desenho A 706 H. C. Artes 724 6,51-12,40 7,7 13,1 13,6-9,7 9,1 8,17 8,54 9,35 8,8 9,8 2,87 12,97 3,83 8,1 10,2 6,24 7,76 9, ,8 11,78 11,84 11,4 11 8,5 8,94 9,50 11, ,6-12,9 12,7 13,9 10,09 12,60 13,2 12,5 13,04 9,57 4,25 10,5 11,4 7,90 10,70 9 8,90 11,30 9,20-12,40 9, Obter, em Português uma subida progressiva das classificações positivas de 50% para 60% e em Matemática, de 55% para 65%. Indicador: % de classificações positivas dos alunos internos. O quadro que se segue apresenta, as metas definidas para a escola relativas ao Programa Educação 2015, bem como as percentagens de positivas obtidas pela escola nos exames de Português e Matematica A. Português- 12.ºano Matemática- 12.ºAno Escola 09/10 Escola 10/11 Meta 10/11 Escola 11/12 Meta 11/12 47,9% 50% 52,5% 53,9% 55% 60% Atingida S/N A aguardar o fornecimento de dados. 51

52 Aproximar as classificações internas de frequência das classificações de exame, nas disciplinas objeto de exame nacional. Básico Os quadros que se seguem apresentam, as classificações internas e as obtidas nos exames de Língua Portuguesa e Matemática. Língua Portuguesa C. I. (escola) C. E. (escola)-2012 Níveis n.º % n.º % n.º % , , ,1 42, , ,4 82, ,9 57, ,4 0 0 Média dos níveis de Exame da Escola: 2,7 Média dos níveis da classificação de frequência: 3,21 Matemática C. I. (escola) C. E. (escola)-2012 Níveis n.º % % n.º % n.º % 1 2 1,5 3 2,3 31, , , , , ,7 68, , ,4 12 9,4 Média dos níveis de Exame da Escola: 3,13 Média dos níveis da classificação de frequência: 3, , ,4 OBS.: Regista-se uma grande coerência entre os dados da avaliação interna e externa recolhidos. É de notar que os bons resultados obtidos no Exame Nacional, pelos alunos do 9º ano, cuja média foi de 3,13, são o reflexo da importância que o Plano da Matemática teve na melhoria das aprendizagens. A meta foi atingida a Matemática 52

53 1.ª Fase Secundário Indicador: Diferença entre as médias das classificações internas de frequência e as classificações de exame. Disciplina Média CIF Escola 2011 Média CIF Escola 2012(A) Média CIF Nacional Média C. E. Escola 2011 Média C. E. Escola 2012(B) N.º de alunos internos da Escola (1ª fase) CIF-CE (A-B) Português (639) 12,89 12,38 14,00 8,18 10, ,28 Literatura Portuguesa (734) 12,29 12,00 13,00 7,48 10,2 7 1,8 Matemática A (635) 12,21 13,37 13,00 9,92 9,5 67 3,87 MACS (835) 12,93 12,23 13,00 12,68 10,7 48 1,57 Biologia-Geologia (702) 13,24 12,38 14,00 10,46 9, ,98 Geometria Descritiva A (708) 13,44 12,87 14,00 7,33 8,0 23 4,87 Físico-Química A (715) 12,94 12,58 14,00 11,14 7, ,18 Geografia A (719) 12,02 12,21 13,00 12,65 11, ,91 História A (623) 12,63 12,13 13,00 11,09 12,2 45-0,07 Desenho A (706) 14,80 15,78 15,00 15,24 12,3 10 3,48 História e Cultura das Artes (724) 12,38 11,73 13,00 9,39 9,0 22 2,73 Filosofia ( 714) 13,45 14,00 10,6 20 2,85 Economia A 15,1 14,00 11, ,96 Na disciplina de História A a CE aproxima-se da CIF. As disciplinas que apresentam maior desvio entre a CIF e a CE são Física e Química A, Geometria Descritiva A e Economia A. 2ª Fase Secundário Indicador: Diferença entre as médias das classificações internas de frequência e as classificações de exame. A aguardar dados Disciplina Média Exame Escola 2009 Média Exame Escola 2010 Média Exame Escola 2011 Média Exame Escola 2012 (A) Média Nacional 2009 Média Nacional 2010 Média Nacional 2011 Português 639 9,19 9,6 9,65 9,8 10,1 10,00 Matemática ,06 9,39 9,58 10,5 9,8 9,10 Média Nacional 2012 (B) Diferença ( A-B) Concretização da Meta (S/N) MACS 835 6,51-12,40 7,7 13,1 7,90 53

54 Matemática B 13,6-9,7 9,1 735 Biologia- Geologia 8,17 8,54 9,35 8,8 9,8 10, Geometria Descritiva 2,87 12,97 3,83 8,1 10, Física- Química A 6,24 7,76 9, , Geografia A 719 8,8 11,78 11,84 11, ,30 História A 623 8,5 8,94 9,50 11,6 12 9,20 Economia A ,6-12,9 12,7 - Desenho A ,9 10,09 12,60 13,2 12,5 12,40 H. C. Artes ,04 9,57 4,25 10,5 11,4 9, Obter uma taxa de transição, no ensino básico e secundário, igual à taxa de transição nacional. Indicador: Taxa de transição no ensino básico e secundário. Ensino Básico Ensino Secundário 2010/ /2012 Escola Nacional Escola Nacional A taxa de transição do ensino básico foi de. No secundário foi de. Aguarda-se o fornecimento de dados a nível Nacional. 1.6 Baixar a taxa de repetência, por ano de escolaridade, entre 2010 e 2015, do seguinte modo: No 7.º ano de 7% para 5%; No 8.º ano de 2,5% para 2%; No 9.º ano de 9% para 7%; No 10.º ano de 13% para 11%; No 11.º ano de 7,5% para 6%; No 12.º ano de 40% para 21%; 54

55 INDICADOR: Relação entre o número de alunos que não transita para o ano de escolaridade subsequente relativamente ao total de alunos matriculados e não avaliados. Taxa de repetência Ano 2009/ / / º 7,2% 8.º 2,9% 9.º 9,8% 3.ºCiclo 6,7% 10.º 13,3% 11.º 8,0% 12.º 42,0% Secundário Aguarda-se o fornecimento de dados 1.7. Baixar a taxa de desistência aos 14, 15 e 16 anos, entre 2010 e 2015, do seguinte modo: Aos 14 anos de 1% para 0%; Aos 15 anos de 6% para 1,8%; AOS 16 ANOS DE 7% PARA 3%; Indicador: Percentagem dos alunos matriculados no ano anterior e que não se matricularam no ano letivo subsequente. Taxa de desistência Idade 2009/ / / ,38% 15 6,57% 16 7,45% Aguarda-se o fornecimento de dados 55

56 N.º de Módulos /Ano Previstos Concluídos % de conclusão Atingiu meta (S/N) Previstos Concluídos % de conclusão Atingiu meta (S/N) Previstos Concluídos % de conclusão Atingiu meta (S/N) Previstos Concluídos % de conclusão Atingiu meta (S/N) Previstos Concluídos % de conclusão Atingiu meta (S/N) Previstos Concluídos % de conclusão Atingiu meta (S/N) Relatório de Avaliação Interna da Escola Secundária de Lousada Julho de Resultados Escolares Ensino Profissional Obter, em cada ano, uma taxa de conclusão dos módulos igual ou superior a 85% em relação aos módulos propostos por disciplina (10.º e 11.º anos de escolaridade). Indicador: % de módulos concluídos por disciplina antes da época de Exames de Julho, relativamente ao total de módulos previstos no ano letivo (n.º de módulos x n.º de alunos). Os dados apresentados nos quadros seguintes foram fornecidos pelo Coordenador do Ensino Profissional e reportam-se a 15 de Julho de º Ano N.º al. N.º al. N.º al. N.º al N.º al N.º al 10.º Ano Total RS CT GPSI MM AdS 25 total % % % % % % Metas Disciplinas Português % S % S % S % S % S % S L. Estrangeira % S % S % N % S % S % S Área de Integração % S % S % S % S % S % S Educação Física % S % S % S % S % S % S TIC % S % S % N % S % S % S Física e Química - 200h % S % S Física e Química h % S % S Matemática % S % S % N % S % S % S Economia % S % S % S História da Cultura e das Artes % S % S - - Biologia % S % S Tecnologias Alimentares % S % S Gestão e Controlo % S % S Serv. de Cozinha-Pastelaria % S % S Comunicar em Inglês % S % S Contabilidade Geral e Analítica % S % S Direito das Organizações % N % N Cálculo Financeiro e Estatística Aplicada % N % N Sistemas de Informação % S % S - - Design, Comunicação e Audiovisuais % S % S - - Técnicas de Multimédia % S % S - - Saúde % S % S Comunicação e Relações Interpessoais Higiene, Segurança e Cuidados Gerais % S % S % S % S Sistemas Operativos % S % S Arquitectura de Computadores % S % S Programação e Sistemas de Informação % S % S Redes de Comunicação % S % S

57 N.º de Módulos /Ano Previstos Concluídos % de conclusão Atingiu meta (S/N) Previstos Concluídos % de conclusão Atingiu meta (S/N) Previstos Concluídos % de conclusão Atingiu meta (S/N) Previstos Concluídos % de conclusão Atingiu meta (S/N) Relatório de Avaliação Interna da Escola Secundária de Lousada Julho de º Ano N.º al. N.º al. N.º al. N.º al 11.º Ano Total 45 11RS 15 11CM 16 11IG 14 N.º alunos % % % % Metas Disciplinas Português % S % S % S % S L. Estrangeira % S % S % S % S Área de Integração % S % S % S % S Educação Física % S % S % S % S Matemática h % S % S Matemática h % N % N % N Economia % S % S % S % S Tecnologias Alimentares % S % S Gestão e Controlo % S % S Serv. de Cozinha-Pastelaria % S % S Comunicar em Inglês % S % S Comercializar e Vender % S % S - - Organizar e Gerir a Empresa % S % S - - Comun. no Ponto de Venda % S % S - - Linguagens de Programação % N % N Sistemas de Informação % N % N Organização de Empresas e Aplicações de Gestão 4 Aplicações Informáticas e Sistemas de Exploração % S % S % S % S Obter, no final do curso, uma taxa de conclusão (Módulos, FCT E PAP) igual ou superior a 90%. Indicador: Relação entre o número de alunos que concluíram o curso relativamente ao total de alunos matriculados e avaliados, no terceiro ano (dados obtidos até ao final de Dezembro). Curso Turma N.º alunos avaliados N.º alunos concluiram % de conclusão Atingiu meta Animador Sociocultural 12AS % S Técnico de Comércio 12CM % S Técnico de Gestão e Programação de Sistemas InformáticosInformática de Gestão 12GPSI % N Total 4 turmas % A meta não foi atingida no curso Técnico de GPSI. 57

58 Baixar a taxa de desistência em? ( falta definir-cp) Indicador: Percentagem dos alunos matriculados no ano anterior e que não se matricularam no ano letivo subsequente. Aguarda-se o fornecimento de dados 1.9. Resultados Escolares - Ensino Recorrente Obter de uma média de conclusão de módulos mínima de 1,85 por disciplina no ensino secundário recorrente (alunos em regime presencial). Indicador: Média de conclusão dos módulos. O ensino recorrente do regime presencial não funcionou no presente ano letivo na escola por não existirem inscrições. Funcionou uma turma do recorrente mas do regime não presencial em que os alunos se inscrevem apenas para fazerem os módulos nas épocas especiais. Assim, não existe enquadramento para avaliar esta meta Resultados Escolares Ensino Noturno (Cursos de Educação e Formação de Adultos EFA) Obter 100% de adultos assíduos certificados. Indicador :% de certificações obtidas dos alunos a frequentar regularmente. 2009/2010 Certificações 2010/2011 Certificações 2011/2012 Certificações EFA-Básico EFA- Secundário Dos 42 alunos inscritos no nível secundário no início dos cursos concluíram na totalidade a formação no ensino secundário. No presente ano letivo não houve funcionamento de turma do ensino básico. A meta foi atingida. 58

59 Objetivo 2 Apoiar os alunos com dificuldades de aprendizagem, de acordo com as seguintes metas: Apoiar todos os alunos com dificuldades de aprendizagem através da implementação de planos de recuperação e acompanhamento; Atribuir as aulas de apoio solicitadas; Envolver todas as turmas do ensino básico no plano da Matemática (PM); Desenvolver atividades de integração para todos os alunos com Português Língua Não Materna (PLNM); Manter em funcionamento as Salas de Apoio com professores em componente não letiva; Disponibilizar outros mecanismos de apoio e atendimento sempre que solicitados pelos professores/alunos Atingir uma taxa de transição, dos alunos com Plano de Acompanhamento e Recuperação, ao abrigo do Despacho n.º 50/2005, igual ou superior a 78% Obter uma taxa de transição, dos alunos apoiados pela ASE, igual ou superior a 80%. Indicadores: - número de solicitações e número de respostas positivas aos pedidos de aulas de apoio; - número de planos de recuperação e acompanhamento propostos e número de planos de recuperação e acompanhamento integralmente cumpridos; - turmas do ensino básico envolvidas no PM; - número de alunos de PLNM, - horário de funcionamento das Sala de Apoio; - % de alunos que frequentam as salas de apoio; - número de alunos com apoio SPO; - taxa de transição de alunos com Plano de Acompanhamento e Recuperação ao abrigo do Despacho n.º 50/2005; - número de alunos com ASE; - taxa de transição de alunos apoiados pelo ASE. Metas: Apoiar todos os alunos com dificuldades de aprendizagem através da implementação de planos de recuperação e acompanhamento; A todos os alunos com dificuldades de aprendizagem foram aplicados planos de recuperação e acompanhamento. A meta foi atingida 59

60 Atribuir as aulas de apoio solicitadas; Todas as solicitações para as aulas de apoio obtiveram resposta positiva, pois a Direção da escola tem como vetor serem os próprios professores a assegurar nos seus Blocos de Atividades as aulas de apoio dos seus alunos. Num total de 502 alunos com aulas de apoio/recuperação, 277 obtiveram nível positivo às disciplinas que frequentaram (55%) e 225, ainda que, em alguns casos, se tenha verificado algum progresso, não conseguiram atingir os objetivos propostos, tendo mantido o nível negativo (45%). Deste modo, poder-se-á concluir que mais de 50% beneficiou com estas aulas, ainda que o número de alunos com negativa seja muito elevado. Será de sublinhar que, apesar do esforço dos professores e dos diretores de turma em apelar à necessidade de os alunos com dificuldades frequentarem estas aulas, verificouse um aumento progressivo de presenças (de 225 no 1.ºperíodo, 248 no 2.ºperíodo e 326 no 3.ºperíodo), mas muitos apresentam fraca ou nula assiduidade. Regra geral, são estes alunos que contribuem para que o índice de níveis negativos seja tão elevado. Todas as turmas do 3.º Ciclo do Ensino Básico tiveram oportunidade de frequentar aulas de apoio a Língua Portuguesa e Matemática. (Coordenadora dos Apoios Educativos-Emília Ferreira) Envolver todas as turmas do ensino básico no plano da Matemática (PM); *Todas as turmas do básico estão envolvidas no Plano da Matemática. No entanto, o 7.º A, B e C, o 8.ºA e 9.ºA, por integrarem o Ensino Articulado de Música, não beneficiam de 45 minutos semanais oferta da escola Desenvolver atividades de integração para todos os alunos com Português Língua Não Materna (PLNM) Os alunos com PLNM que chegaram à escola no início do ano letivo foram submetidos a um teste diagnóstico aplicado pela professora Graça Coelho. Depois de determinados os seus níveis de proficiência escrita e oral, foram, imediatamente, providenciadas as suas aulas de apoio Manter em funcionamento as Salas de Apoio com professores em componente não letiva Funcionamento da Sala de Estudo A disciplina mais procurada é Matemática A de 12.º (a rondar os 90%), seguida de Biologia e Geologia de 11.º. A presença de alunos do 3.º ciclo foi diminuindo ao longo do ano, sendo pouco significativa no último período. O dia mais procurado é, de forma muito marcada, a 4.ª feira de manhã (Matemática de 12.º). (Texto da Coordenadora dos Apoios Educativos: Emília Ferreira) A meta foi atingida. 60

61 2.6.- Disponibilizar outros mecanismos de apoio e atendimento sempre que solicitados pelos professores/alunos. Turorias: No quadro que a seguir se apresenta está indicado o número de alunos que têm beneficiado do programa das Tutorias. Ano Letivo 2009/ / /2012 Nº de alunos PONTOS FORTES Maior capacidade de respostas da escola para os casos mais problemáticos de insucesso e inadaptação. Complemento do trabalho do psicólogo. Apoio individualizado e específico. Apoio aos diretores de turma nas situações mais complexas. PONTOS FRACOS Não existir a possibilidade de se fazer um trabalho em rede, dada a ausência de horários para tutores com disponibilidade de horas. Incapacidade de uma resposta alargada dada a inexistência de uma bolsa de professores tutores. (Coordenadora das Tutorias: Graça Lopes) Alunos com apoio do SPO (Serviço de Psicologia e Orientação) Projeto SEA Este ano letivo 84 alunos da Escola Secundária de Lousada foram alvo de intervenção no Projeto SEA (Sinalização, Encaminhamento e Acompanhamento Psicológico). Para isso foram efetuadas cerca de 420 convocatórias das quais compareceram 320. Foram efetuadas 62 convocatórias aos encarregados de educação aos quais compareceram 50. Foram, então, efetuadas avaliações psicológicas a 6 alunos e elaborados 58 relatórios/informações. O Técnico dos SPO ainda formalizou 63 reuniões que originaram 13 encaminhamentos para o Centro de Saúde, Serviços Sociais e CPCJ, respetivamente. OBS.: - O número de abandono destes alunos foi apenas de 1. Orientação Vocacional Na Escola Secundária de Lousada também foram efetuadas 92 sessões do programa Orienta-te e Segue Sessões de Orientação Vocacional, para alunos e encarregados de educação. A seguir são apresentados os dados fornecidos pelo psicólogo: 61

62 Ano Letivo 2009/ / /2012 Nº de alunos com apoio SERVIÇOS DE PSICOLOGIA NA ESCOLA SECUNDÁRIA N.º convocatórias efetuadas a alunos 420 N.º convocatórias comparecidas -alunos 320 N.º convocatórias efetuadas a Enc. Ed. 62 Nº convocatórias comparecidas-enc. Ed. 50 N.º de alunos alvo de intervenção 84 N.º de avaliações psicológicas efetuadas 6 N.º de relatórios/informações 58 SEA-Encaminhamentos 13 SEA-CS 5 SEA-CPCJ 5 SEA-OUTROS 3 SEA-Reuniões 63 SEA-Abandono Escolar 1 Orienta-te e segue-alunos 90 Orienta-te e segue-enc. Ed Atingir uma taxa de transição, dos alunos com Plano de Acompanhamento e Recuperação, ao abrigo do Despacho n.º 50/2005, igual ou superior a 78% No quadro seguinte estão os dados recolhidos a partir do formulário online criado pela equipa de avaliação interna e preenchido pelos diretores de turma. Ano/ Turma TAXA DE TRANSIÇÃO DE ALUNOS COM PLANO DE ACOMPANHAMENTO E RECUPERAÇÃO Planos de Recuperação Planos de Acompanhamento Taxa de Transição N.º de alunos com planos N.º de alunos com planos cumprido % N.º de alunos com planos N.º de alunos com planos cumprido % N.º de alunos com planos que transitaram Meta de taxa de transição => 78% % (S/N) 7.ºA % % S 7.ºB % % S 7.ºC % % S 7.ºD % % % S 7.ºE % 2 100% S 7.ºF % % % S 7.ºG % 4 2* 100%* 11 85% S 8.ºA % % N 8.ºB % % N 8.ºC % % % S 8.ºD % % S 8.ºE % % N 8.ºF % % N 9.ºA % % N 9.ºB % % 9 69% N 62

63 9.ºC % N 9.ºD % S 9.ºE % N Nota: * Dois alunos com plano de acompanhamento foram transferidos para um CEF Obter uma taxa de transição, dos alunos apoiados pela ASE, igual ou superior a 80%. No quadro seguinte estão os dados recolhidos a partir do formulário online criado pela equipa de avaliação interna e preenchido pelos diretores de turma. A divulgação do link de acesso ao formulário contou com o apoio da coordenadora pedagógica.3 Ensino Básico Secundário Ano/Turma Taxa de Transição de Alunos apoiados pelo ASE N.º de Alunos apoiados pelo ASE N.º de Alunos apoiados pelo ASE que transitaram Taxa de transição Concretização da meta 7.ºA 7.ºB % S 7.ºC 7.ºD % S 7.ºE 7.ºF 7.ºG % S 8.ºA 8.ºB % S 8.ºC 8.ºD 8.ºE 8.ºF % N 9.ºA % S 9.ºB 9.ºC % N 9.ºD % S 9.ºE 10.ºA 10.ºB 10.ºC 10.ºD 10.ºE % S 10.ºF % S 10.ºG % S 10.ºH 10.ºI % N 10.ºJ 0? 0? 10.ºL % N 11.ºA % S 11.ºB 11.ºC 11.ºD % S 63

64 11.ºE 11.ºF 11.ºG % N 11.ºH 11.ºI % N 11.ºJ % S 12.ºA % S 12.ºB 12.ºC % S 12.ºD 12.ºE 12.ºF % N 12.ºG 12.ºH 12.ºI Nota: *Tanto no 9.º, 11.º como no 12.ºano os dados fornecidos só contemplam os resultados dos exames da 1.ª fase. *Não foram incluídas as turmas do CEF e profissionais porque estes alunos são também subsidiados pelo POPH. A aguardar fornecimento de dados por parte dos diretores de turma Objectivo 3 Manter a eficácia das estratégias de prevenção do combater o abandono, de acordo com as seguintes metas: Manter em 0% a percentagem de alunos em abandono no ensino básico Não ultrapassar os 7% de alunos em abandono no 10º ano de escolaridade Não ultrapassar os 4% de alunos em abandono no 11º ano de escolaridade Não ultrapassar os 4 % de alunos em abandono no 12º ano de escolaridade. Indicadores: número de alunos matriculados não avaliados no 3º período e número de alunos matriculados. 64

65 Ano de Escolaridade % de alunos que abandonaram 08/09 % de alunos que abandonaram 09/10 % de alunos que abandonaram 10/11 % de alunos que abandonaram 11/12 Meta (S/N) 7.º 0 0,00% 0% 0 S 8.º 0 0,00% 0% 0 S 9.º 0 0,00% 0% 0,43% N 10.º 6,94 4,04% 6,8% 2,2% S 11.º 3,15 6,67% 8% 4,3% N 12.º 3,02 0,45% 8,4 6,3% N Nota: Estes dados não incluem os alunos do Ensino Profissional. A meta não foi atingida no 9.º, 11.º e 12.º Ano. Objectivo 4 Potenciar a acção de encaminhamento interno ao CNO (processo de RVCC) e o alargamento da oferta educativa externa ao CNO (Ensino recorrente, Cursos EFA Escolares e Profissionalizantes, Formação Modulares Certificadas, Unidades de Formação de Curta Duração, Vias de conclusão do Secundário), de acordo com as seguintes metas: 4.1. Centro de Novas Oportunidades: Atingir pelo menos 60% das seguintes metas: adultos Inscritos (Básico = 961; Secundário =640) adultos Encaminhados (Básico = 865; Secundário = 576) adultos em Processo de RVC (Básico = 865; Secundário = 260) adultos Certificados(Parciais e/ou Totais) (Básico = 575; Secundário = 234) 4.2. Outra oferta educativa: Conseguir abrir pelo menos 1 curso EFA de dupla certificação; Atingir um total de 60 formandos inscritos nos Cursos EFA Escolares; Mobilizar pelo menos 90% do volume total de formação afecto às FMC. Indicadores: - número de adultos inscritos (fonte: SIGO) face ao nº de adultos inscritos no CNO/Nível/Ano Civil; -número de encaminhamentos efectuados para outras ofertas educativas e formativas e para RVCC/Nível/Ano civil; - número total de adultos em processo, no SIGO/Nível/Ano civil; - número total de adultos Certificados(parciais e/ou totais)/nível/ano civil; - número de novos cursos EFA de dupla certificação/ano lectivo; - número de novos formandos inscritos nos cursos adultos EFA Escolares/Ano lectivo; 65

66 Anexo2-Relatório de auto-avaliação CNO Objetivo 5 Garantir a oferta formativa diversificada no âmbito vocacional e profissional, de acordo com as seguintes metas: 5.1. Possibilitar a escolha de todos os cursos Científico-Humanísticos; Indicadores - Número de cursos. 2009/ / / Meta Atingida 5.2. Manter o número dos Cursos Profissionais; Indicadores - Número de cursos. 2010/ / A escola teve em funcionamento 7 cursos profissionais diferentes e neste ano letivo preparou o lançamento de 2 novos cursos em (Curso Profissional de Técnico de Análise Laboratorial e Curso Profissional de Técnico de Gestão do Ambiente). Meta Atingida 5.3. Manter o número de Cursos de Educação e Formação; Indicador- Número de cursos. 2009/ / / Meta não Atingida 5.4.Manter a possibilidade do Espanhol como opção de segunda língua estrangeira no Ensino Básico; Indicador - Línguas estrangeiras de opção. Meta Atingida 5.5. Manter o ensino articulado da música; 66

67 Indicador-Número de alunos no ensino articulado da música. 2010/2011 Nº de alunonos Nº de alu- 2011/ ºA 25 7.ºA,B,C 78 8.ºA e D 23 8.ºA 22 9.ºA 8 9.ºA 25 Secundário 10 Secundário 9 Total Meta Atingida 5.6. Divulgar a oferta educativa e formativa em todas as escolas do concelho. Indicadores: Instrumentos de divulgação da oferta formativa Foi divulgada na página da Web da Escola, nas sessões de orientação do SPO, em stand, nas feira do Emprego e Formação da CML e Mostra de Competências do CNO ESL, através de folhetos distribuídos e da ida dos Diretores dos Cursos Profissionais e alunos a Escolas Básicas com 3º Ciclo. Objetivo 6 Educar para a Sociedade da Informação e do Conhecimento (SIC), potencializando os recursos disponibilizados pelo Plano Tecnológico da Educação (PTE), de acordo com as seguintes metas: 6.1. Atingir o número de acessos à página da Internet da Escola, por ano; A aguardar dados.31 de Agosto 6.2. Aumentar em pelo menos 5% o número de acessos à plataforma de e-learning Moodle, relativamente ao ano letivo anterior; Indicador: O nº de Acessos à plataforma de e-learning Moodle: Nº acessos até Agosto 2010 Nº acessos até Agosto 2011 Nº acessos até Agosto A meta não foi atingida 67

68 6.3. Aumentar em pelo menos 5% o número de professores/disciplinas na plataforma de e- learning Moodle, relativamente ao ano letivo anterior; Nº de professores/disciplinas Professores / 61 Disciplinas Os resultados têm vindo a diminuir em virtude de existirem outras ferramentas de partilha na internet, o que não quer dizer menos trabalho / partilha com os alunos, mas sim outras formas de interagir. Exemplos disso são a DropBox, Páginas pessoais de Turmas e professores, etc. Nos anos anteriores havia também maior número de acessos uma vez que toda a formação do CFAE Sousa nascente era feita a partir da plataforma Moodle da Escola, o que não aconteceu este ano 2011/2012, uma vez que o centro tem a sua própria plataforma Moodle. Sugestão: A meta 6.3 do PEE deverá ser atualizada 6.4 Realizar pelo menos uma ação de formação no âmbito das novas tecnologias; Este ano letivo foi facultada formação a três turmas de docentes através da ação PDSN19/11-12 Turma A, B e C- A folha de Cálculo na organização e gestão das tarefas pedagógicas dos docentes - CFAE, com acreditação de CCFCP; Foi, também disponibilizada, sem acreditação, uma formação em quadros interativos. 6.5 Implementar pelo menos uma sala virtual no portal da escola. Aqui se apresentam algumas das salas virtuais criadas: Meta não Atingida 68

69 Foram criadas, na Dropbox, pastas de apoio ao estudo para alunos do secundário na disciplina de Matemática. A meta foi atingida Objectivo 7 Promover a educação para a cidadania, arte, saúde, ambiente e cultura científica, de acordo com as seguintes metas: 7.1. Atingir um número de alunos a frequentar os Clubes, Desporto Escolar e outros projetos superior a 200; Indicador: Número de alunos que frequentam os clubes, o Desporto Escolar e outros projetos. O Plano Anual de Atividades (PAA), conjuntamente com o Plano Plurianual de Atividades (PPA), constitui um dos instrumentos de desenvolvimento e operacionalização do Projeto Educativo e do Projeto Curricular de Escola. Tratando-se de um documento de planeamento, definiu, em função do nosso Projeto Educativo, os objetivos, as formas de organização e de programação das atividades e identificou os recursos envolvidos. Importa, agora, findo o ano letivo, fazer uma reflexão sobre a qualidade do mesmo, o seu grau de execução e qual o seu contributo para atingir os objetivos plasmados no Projeto Educativo. Nº de alunos inscritos Clubes Jornalismo Toda a comunidade Toda a comunidade Ciência Divertida Amigos do Verde Rádio Escola Saúde Escolar Toda a comunidade Toda a comunidade Toda a comunidade Toda a comunidade Desporto Escolar Comenius 70 Empreendedorismo 240 Projeto Energia com Vida VI Recolha do Património Oral Galego e Português TOTAL mais de ( mobilidade) Todos os alunos do ensino profissional

70 Meta S/N S S S S O número de alunos a frequentar os Clubes, o Desporto Escolar e outros projetos ultrapassou os 200 alunos. A meta foi atingida. Empreendedorismo O Programa "A Empresa", da Junior Achievment, foi inserida na Prova de Aptidão Profissional dos Cursos Profissionais. Pontos fortes: Permitir aos alunos ter atitudes e competências empreendedoras; Ter contacto com o mundo real dos negócios; A Feira local de empreendedorismo realizado na escola; Encorajamento de ideias invulgares. Pontos fracos: Os prazos pré-estabelecidos pouco compatíveis com o calendário escolar dos alunos dos cursos profissionais; Pouca relação entre os objetivos da Junior Achievment e os objetivos da PAP nalguns cursos profissionais; O tempo definido para realização das tarefas da Junior Achievment deixa pouco tempo para a realização concreta do produto pedido nalguns cursos profissionais (especialmente cursos da área da Informática). Sugestões: Continuar no próximo ano mas só para o curso de Técnico de Restauração. 70

71 Projeto Saúde Escolar e Projeto de Educação Sexual Ao longo do ano letivo este projeto inserido na meta do Projeto Educativo (Promover a educação para a cidadania, arte, saúde e ambiente ), propôs-se atingir os seguintes objetivos: 1. - Desenvolver a consciência cívica de toda a comunidade como elemento fundamental no processo de formação de cidadãos responsáveis, ativos e intervenientes; 2. -Criar o sentido de responsabilidade de cada um na promoção de saúde da comunidade; 3. -Fomentar hábitos de vida saudável; 4. - Promover o reconhecimento da saúde como um bem precioso que todos desejamos e devemos promover; 5. - Estimular o apreço pelo seu próprio corpo e pela conquista da saúde alimentar; 6. -Despistar o consumo de drogas, tabaco e álcool; 7. Estes objetivos foram cumpridos através de trabalhos realizados pelos alunos, palestras, concursos e inquéritos, que envolveram toda a comunidade escolar. PONTOS FORTES: - Envolvimento de alguns professores e alunos. -A contribuição para aquisição de conhecimentos e sentido de responsabilidade de cada um na promoção da saúde individual e da comunidade. PONTOS FRACOS: -As atividades do 3º período que não foram cumpridas deve-se ao facto da indisponibilidade por parte dos palestrantes. É de salientar que muitas das atividades realizadas foram bem sucedidas graças à boa vontade de alguns colegas. Ainda assim é importante deixar claro que muitos professores demonstram falta de interesse e sensibilidade a estes assuntos ligados à saúde. (Coordenadora do Projeto- Susana Pacheco) 71

72 CLUBE DA FLORESTA - AMIGOS DO VERDE Elétrico e Eletrónico; PONTOS FORTES: O Clube Amigos do Verde permitiu aos alunos e à comunidade escolar em geral: a sensibilização para a prática de comportamentos que visem a sustentabilidade ambiental; a aquisição de conhecimentos, tanto no encontro semanal como nas palestras efetuadas: A Floresta em Portugal, A importância do Anfíbios na agricultura e na nossa vida, e Resíduos de Equipamento o intercâmbio dos nossos alunos com alunos de outras escolas (palestra desenvolvida pelos Amigos do Verde na Escola Secundária de Felgueiras e a participação no projeto Comenius); o desenvolvimento do espírito crítico através da participação em projetos (Olimpíadas da Floresta, concurso O ciclo virtuoso da madeira, promovido pelo PROSEPE, numa exposição patente em vários Shoppings de Portugal). PONTO FRACO: O rendimento dos alunos no clube seria mais produtivo e o trabalho mais facilitado para os professores, se o encontro semanal ocorresse apenas numa tarde ou manhã, e não em blocos soltos que se tornam muito curtos para este tipo de trabalho. Nota: Esta e outras atividades desenvolvidas podem ser visualizadas em (Coordenadora do Projeto-Ana Maria Ferreira) PROJETO COMENIUS PONTOS FORTES: - Fomentar o interesse académico através da partilha de atividades extracurriculares com outras escolas europeias, parceiras do projeto Comenius; 72

73 - Desenvolver o entusiasmo pela Matemática, pelo Desporto, pelas Ciências Naturais e pelas atividades letivas em geral através da motivação para projetos internacionais; - Consolidar o conhecimento de conteúdos fundamentais através de atividades extracurriculares com projeção internacional; - Trabalhar com estudantes estrangeiros em temáticas de interesse comum; - Promover o enriquecimento global do aluno através do contacto com jovens de outros países e outras culturas; - Criar oportunidades para levar alunos e professores ao estrangeiro, colocando-os em contacto com outras realidades europeias (foram realizadas 79 mobilidades nos dois anos do projeto, ultrapassando largamente o número mínimo exigido -28- devido à cuidadosa gestão dos recursos financeiros concedidos à escola); - Estimular a curiosidade dos alunos por outras culturas e vivências; - Produzir interesse nos alunos pelo estudo do Inglês como língua de comunicação privilegiada no contexto da União Europeia e dos projetos internacionais, nomeadamente do projeto Comenius; PONTOS FRACOS: - Impossibilidade de proporcionar ainda a mais alunos a oportunidade de viajar e conhecer outros países europeus. (Este ponto fraco poderá ser colmatado com uma segunda candidatura que já foi realizada, para mais um projeto de dois anos. A ser aceite, mais um leque alargado de alunos poderá ter a possibilidade de estar em contacto com estudantes estrangeiros e viajar até aos países parceiros nos próximos dois anos letivos.) (Coordenadora do Projeto Comenius 2010/2012 na Escola Secundária de Lousada: Filipa Maria Gonçalves Pinto) PONTES FORTES DESPORTO ESCOLAR Relativamente ao clube de desporto escolar, este ano letivo estiveram envolvidos 156 alunos nos núcleos de futsal, golfe, ténis e voleibol. - a sustentabilidade de alguns dos núcleos (Futsal Feminino e Masculino e Golfe); - a grande motivação dos alunos em participar; 73

74 - os resultados alcançados (1º classificado em iniciados femininos e 2º classificado em iniciados masculinos na fase regional da EAE Tâmega no núcleo de Ténis; 2º s classificados em Futsal Juvenis Feminino e Juvenis e Juniores Masculinos na fase regional da EAE Tâmega). PONTES FRACOS - o reduzido horário da coordenadora; - o reduzido n.º de tempos letivos (3) que é atribuído aos responsáveis pelas equipas, uma vez que a maior parte das competições se desenrolam aos sábados de manhã; - a dificuldade em juntar os alunos nos treinos, pois a sua carga horária é excessiva; - a falta de verbas, nomeadamente para a alimentação dos alunos durante os jogos e provas. ( Professora responsável: Sandra Rodrigues) CLUBE DE JORNALISMO Neste ano letivo (2011/2012) foi elaborado um número único (ou composto por três partes) da revista um número em forma de Anuário, que tem como objetivo, não só divulgar atividades desenvolvidas ao longo do ano, como mostrar a nova escola à comunidade educativa/ao meio envolvente e apresentar os alunos, os professores, os funcionários que compõem a escola. Pretendeu-se ser, sobretudo, um espaço privilegiado de reflexão e de aprofundamento de assuntos que, pela sua dimensão universal e intemporal, precisam desta outra escala, desta outra forma diferente de respirar. Será uma edição experimental, em que a coordenadora articulou o trabalho com o 10ºK, turma de Artes, em articulação com o professor de Desenho da turma, prof. Alexandre Ribeiro. Reporto-me a esta edição num tempo que se projeta no futuro, pois ela só ficará completa no início do próximo ano letivo, uma vez que as atividades relativas ao ano letivo que finda (2011/12) se completam só nessa altura entrega de diplomas de conclusão do secundário e do quadro de valor e excelência. Conclui-se que as metas estabelecidas pelo Clube de Jornalismo no projeto entregue no início do primeiro período, para este ano letivo, foram cumpridas com o desenvolvimento de atividades semanais a ser integradas na publicação final. ( Professora responsável: Conceição Brandão) 74

75 SESSÕES DE LEITURA QUARTA SIM, QUARTA NÃO Todas as sessões e consequentes atividades foram desenvolvidas na biblioteca: - Sessões de leitura dramatizada seguidas de atividades de expressão plástica: O Dedo Mágico de Roald Dahl (7ºano 02/11/11) As mais belas coisas do mundo de Valter Hugo Mãe; A viagem de Sophia de Mello Breyner Andresen (8ºano (23/11/2012) Excertos de O Velho e o Mar de Ernest Hemingway (9ºano 30/11/2012) James e o Pêssego Gigante de Roald Dahl (7º/8ºanos 07/03/2012) Excertos de Os Lusíadas de Luís Vaz de Camões (9ºano 14/03/2012) David Copperfield de Charles Dickens (7º/8ºanos 16/05/2012) A Oficina Quarta sim, quarta não iniciou em novembro de 2012 e decorreu nos dias acima referidos, entre as 15:00 e as 17:30, na biblioteca da escola. As sessões tinham como objetivo proporcionar aos alunos do Ensino Básico momentos agradáveis, em que a leitura dramatizada de uma estória, ou de excertos de obras constantes no programa de Língua Portuguesa servia de mote para a criação de ilustrações. No entanto, nem sempre a adesão dos alunos foi satisfatória, esta situação prende-se essencialmente com o facto de o horário de funcionamento ser coincidente com as atividades de Matemática. Muitas vezes os alunos vinham avisar que iam a Matemática, porque precisavam mais. Apesar disso, mesmo em número reduzido, aqueles que participavam nas sessões, mostravam sempre muito interesse e entusiasmo. É importante salientar que os professores de Língua Portuguesa informaram e motivaram os alunos para a participação neste projeto. De um modo geral, o balanço é positivo. Professores responsáveis: Estefânia Surreira e Alexandre Ribeiro 75

76 CLUBE CIÊNCIA DIVERTIDA Neste ano letivo não foi possível atribuir horas semanais e presenciais com os alunos do clube "Ciência Divertida", devido a essas horas serem direcionadas para apoiar alunos com vista à preparação do Exame Nacional. Relativamente às atividades realizadas, participamos no evento "Dia mundial da Ciência". Pontos fortes- um significativo n.º de alunos está sempre disponível para participar em qualquer evento, cajo seja solicitado. Pontos fracos- coordenação dos horários professores dinamizadores e alunos. Muito pouca disponibilidade de horas por parte das professoras dinamizadoras do clube, devido a doença e morte de familiares. (Professoras coordenadoras do " Clube Ciência Divertida : Manuela Magalhães e Paula Casaca) Projetos no âmbito do Voluntariado ENERGIA COM VIDA Este projeto foi desenvolvido no âmbito da disicplina de Formação Cívica e fomenta a criação de uma rede de escolas solidárias, desafiando a comunidade escolar e familiar a abraçar este compromisso de agir, com uma metodologia de intervenção que se adapta a cada realidade local. - Educar para a cidadania e para os Direitos Humanos. As parcerias foram estabelecidas com o Lar da Misericórdia de Lousada, os alunos do ensino articulado de música, os professores de educação física e a comunidade educativa em geral. Teve como objetivos específicos: a aproximação da Escola à comunidade envolvente; a criação de uma rede solidárias e de partilha de afetos entre os jovens e os idosos e consequente resposta aos problemas sociais em situações de crise económica; o reconhecimento do valor da experiência de vida acumulada dos idosos e da transmissão desses valores espirituais aos jovens. Os temas escolhidos pelos nosso alunos foram: População Sénior e Pobreza/Fome. 76

77 Foram envolvidas as seguintes turmas/equipas:10ºk : FLASHBACK E NO LIMITS- ENERGIA PARA AJUDAR; 10ºL: ENCONTRO DE GERAÇÕES. As atividades desenvolvidas foram o Concerto de guitarra e canto, para apresentação do projeto e dos seus intervenientes, a recolha de alimentos e outros bens no Intermarché de Lousada, a elaboração de obras de arte para decoração do Lar e de desenhos infantis para oferecer aos idosos, as tardes de convívio entre os alunos e os idosos do Lar, a organização de um Torneio de Futsal e o lanche convívio, no Lar da Misericórdia de Lousada, organizado e confecionado pelos alunos e animado com um concerto, pelos alunos do ensino articulado da turma, e por jogos tradicionais. PONTOS FORTES o Encontro de Gerações proporcionou momentos de alegria e lazer aos idosos, diminuindo a sua solidão e tristeza; a sensibilização para a criação de redes de ajuda/apoio aos idosos, integrando-os nas famílias e na comunidade. PONTOS FRACOS Nenhum. (A professora responsável: Paula Rocha) PROJETO LUSO-GALAICO A Escola participou no VI Concurso da tradição oral galego-portuguesa, promovido pela Universidade de Vigo, Junta da Galiza e Associação Ponte nas Ondas! e inserido no projeto no Plano Anual de Atividades da Escola. A participação consistiu na elaboração de um dvd, onde os alunos recontaram e ouviram contos tradicionais, numa visão intergeracional, com os avós do Centro de Dia de Nespereira, ao longo do mês de maio de Foram selecionados os contos tradicionais e distribuídos pelos "atores" do momento (alunos e avós), para que pudessem inteirar-se da história em si e transmitir a sua moral subjacente. Depois de elaborado o filme, foi visualizado o DVD, de que faz ainda parte um CD com a sua transcrição em português e em galego, e partilhado um lanche no mesmo Centro de Dia, com um bolo confecionado pelos alunos do Curso de Restauração da nossa Escola. PONTOS FORTES O empenho e o convívio gerados; O trabalho colaborativo dos alunos e professores João Carvalho, Odete Magalhães, Pedro Magalhães, diretor do Centro de Dia de Nespereira, Chefe Januário, Sérgio Fernandes e do diretor da Escola. O apoio do professor Xerardo da Universidade de Santiago de Compostela na revisão linguística do texto galego e do técnico de audiovisual Jorge Silva. 77

78 PONTOS FRACOS Nenhum. OBS.: - O resultado deste concurso só será conhecido em Setembro. (A professora responsável: Ângela Morais) 7.2 Verificar a distribuição do número de atividades do PAA de acordo com os objetivos do P.E; Indicador:n.º de atividades do PAA de acordo com os objetivos do PEE. Para este ano letivo foram propostas um total de 235 atividades, integrando 184 o Plano Anual de Atividades e 51 o Plano Plurianual de Atividades, tendo os seus proponentes o cuidado de elaborar as respetivas planificações, enquadrando-as nos objetivos do Projeto Educativo de Escola. Das 235 propostas de atividades, que integram o nosso Plano: -149 (63,4%) Foram propostas com o intuito de atingir o objetivo 7 do nosso P.E; -27 (11,5%) Foram propostas para atingir em conjunto o objetivo 7 e o objetivo 1: melhorar o sucesso da escola nas diferentes disciplinas, áreas curriculares não disciplinares e competências que integram a oferta educativa da Escola; -19 (8,1%) Foram propostas com o intuito de alcançar o objetivo 1 do nosso P.E; -17 (7,2%) Foram propostas para atingir o objetivo 6: educar para a Sociedade de Informação e do Conhecimento, potencializando os recursos disponibilizados pelo Plano Tecnológico da Educação; -23(9,8%) Integram um grupo de propostas de atividades que concorrem para alcançar vários objetivos do nosso Projeto Educativo de escola, em simultâneo. Do total de 235 propostas de atividades, foram concretizadas 220. A implementação das estratégias definidas pelo Projeto Educativo de Escola contribuiu, sem dúvida, para o sucesso destas atividades tão diversificadas, podendo este facto confirmar-se pela elevada participação e empenho dos diversos agentes educativos, sendo de salientar que em várias atividades, efetuadas dentro e fora da escola, a interdisciplinaridade foi bem visível. (Ponto forte do Plano de Atividades) Pelo segundo ano consecutivo, a utilização do Link GESTOR DE ATIVIDADES disponível na página da escola, como meio de apresentação do nosso Plano Anual e Plurianual de Atividades permitiu uma maior visibilidade, e acessibilidade, sendo um excelente recurso para a sua divulgação, não só a toda a comunidade escolar, como também ao meio. (Ponto forte do Plano de Atividades) A monitorização da frequência das atividades, clubes e projetos e o grau de satisfação por parte dos seus participantes e frequentadores, foi realizada através de um relatório crítico de avaliação por parte dos seus proponentes, classificando-as, na generalidade, de muito boas (cerca de 85%). 78

79 Estes relatórios de avaliação foram também elaborados no Link GESTOR DE ATIVIDADES, deixando de ser necessário recorrer à utilização de uma grelha para tal; deste modo a proposta de atividade e a sua avaliação, passaram a estar também visíveis e disponíveis no mesmo local. (Ponto forte do Plano de Atividades) Pontos fortes do Plano Anual: - Final do Projeto Comenius; - Protocolo, pelo segundo ano consecutivo com a Junior Achievement, proporcionando-se aos alunos dos 12º anos dos Cursos Profissionais, a possibilidade de desenvolverem o programa A Empresa ; - Projetos ligados ao Voluntariado. Pontos fracos do Plano Anual: - O facto de existirem dias, onde haviam atividades dentro da escola sobrepostas, sendo por vezes difícil operacionalizar os recursos disponíveis; - Devido ao facto de o Plano Anual estar em constante atualização, dificulta um pouco a contabilização do número de saídas de escola por cada uma das turmas. ( Coordenadora do PAA-Carla Lopes) Objetivo 8 Reconhecer o mérito em termos académicos e no domínio dos valores, de acordo com a seguinte meta: 8.1. Incluir nos Quadros de Valor e Excelência um número de alunos igual ou superior a 50. Indicador: Número de alunos incluídos nos Quadros de Valor e Excelência. A tabela seguinte mostra o número de alunos: Quadros º 8.º 9.º 10.º 11º 12.º Excelência Valor Totais

relatóriodeautoavaliação da Escola Secundária de Lousada 1º RELATÓRIO INFORMATIVO DE AUTOAVALIAÇÃO

relatóriodeautoavaliação da Escola Secundária de Lousada 1º RELATÓRIO INFORMATIVO DE AUTOAVALIAÇÃO Ano Letivo 2012/2013 janeiro de 2013 relatóriodeautoavaliação da Escola Secundária de Lousada 1º RELATÓRIO INFORMATIVO DE AUTOAVALIAÇÃO Toda a avaliação levada a cabo no seu interior tem como único objeto

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO Ano Letivo ºPeríodo

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO Ano Letivo ºPeríodo RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO Ano Letivo 2013-2014 3ºPeríodo EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA JUNHO DE 2014 1 índice 1 Introdução 3 2 Avaliação.. 4 2.1. Avaliação no 1ºciclo. 4 2.2. Avaliação no 2ºciclo. 6 2.2.1.

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO 2014-2015 1. Enquadramento. O Plano Estratégico apresentado para o ano letivo 2014-2015 e elaborado nos termos do

Leia mais

Escola Secundária José Saramago Mafra. Plano Estratégico

Escola Secundária José Saramago Mafra. Plano Estratégico Escola Secundária José Saramago Mafra Plano Estratégico 2014/2015 Preâmbulo O Plano Estratégico para 2014/2015 visa dar cumprimento ao disposto no artigo 15º do despacho normativo nº 6/2014, de 26 de maio.

Leia mais

INDICADORES DAS ÁREAS DE MELHORIA ESCXEL. Matemática - Turma de Homogeneidade Relativa

INDICADORES DAS ÁREAS DE MELHORIA ESCXEL. Matemática - Turma de Homogeneidade Relativa INDICADORES DAS ÁREAS DE MELHORIA ESCXEL Matemática - Turma de Homogeneidade Relativa : Melhorar a competência de números e cálculo dos alunos no fim do 5º ano Taxa de insucesso na avaliação interna Taxa

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria

Plano de Ações de Melhoria Plano de Ações de Escola Básica Elias Garcia Escola Básica Miquelina Pombo J. I. da Sobreda 2014/2015 1 INTRODUÇÃO O presente plano de ações de melhoria 2014/15 - resulta da avaliação do plano de ações

Leia mais

Plano de Melhoria

Plano de Melhoria Plano de Melhoria 1 Enquadramento O presente Plano de Melhoria resulta, simultaneamente, das orientações emanadas da Inspeção-Geral da Educação e Ciência, que assentam nas sugestões do Conselho Nacional

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE PLANO DE MELHORIA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA 2015/2017 EqAI - 2015 Página 1 de 6 1. Resultados Em Português: incentivar a leitura; recontar as Académicos: histórias

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16 ESCOLA SECUNDÁRIA/3º CEB POETA AL BERTO, SINES PROJETO EDUCATIVO 2012/13-2015/16 Aprovado pelo Conselho Geral a 8 de abril de 2013. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. MISSÃO... 3 3. VISÃO... 3 4. VALORES..4

Leia mais

Plano Nacional de Leitura

Plano Nacional de Leitura 2012-2014 Plano Nacional de Leitura 1 I. O que motivou o projeto? Centralidade da leitura Leitura como ponto de partida para: - Aprender (competência transversal ao currículo) - Colaborar - Interagir /

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ANO LETIVO 2014 / 2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS Na avaliação dos alunos intervêm todos os professores envolvidos,

Leia mais

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA SETEMBRO 2014 Enquadramento O presente documento surge na sequência do processo de Avaliação Externa realizada ao Agrupamento de Escolas Santos Simões

Leia mais

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto)

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) (Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) dezembro, 2013 CARTA DE MISSÃO (Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto) Nome do Diretor Carlos Alberto Martins Carvalho Escalão 9º Unidade Orgânica : Agrupamento

Leia mais

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO 402679 PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE 2010-2011 Desp.n.º 16034-2010, ME (20 Out.) VERTENTE PROFISSIONAL, SOCIAL E ÉTICA Compromisso com a construção e o uso do conhecimento

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário

Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário Escola Secundária de Felgueiras 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário (Decreto-Lei 139/2012, de 5 de julho, e Portaria 243/2012, de 10 de agosto) O processo de avaliação de alunos

Leia mais

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas Plano de acção 2009-2013 Nota introdutória O plano de acção é um documento orientador onde se conceptualizam e descrevem as metas a atingir num período

Leia mais

Escola Secundária Jaime Moniz Avaliação dos Alunos

Escola Secundária Jaime Moniz Avaliação dos Alunos Escola Secundária Jaime Moniz Avaliação dos Alunos Quadriénio letivo 2014-2018 Índice RECOMENDAÇÕES 1. AVALIAÇÃO DOS ALUNOS 1. AVALIAÇÃO DOS ALUNOS... 1 1.1. RECOMENDAÇÕES GERAIS... 2 1.2. RECOMENDAÇÕES

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS ANO LETIVO 2016/2017 A distribuição do serviço docente da Escola Secundária da Ramada (doravante designada

Leia mais

Promover o sucesso educativo numa escola de qualidade

Promover o sucesso educativo numa escola de qualidade ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE FERREIRA DIAS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO INTERNA DA ESCOLA Promover o sucesso educativo numa escola de qualidade 1 ÍNDICE Constituição da CAI... 3 I. Conceção

Leia mais

Constituída a equipa, iniciaram-se os trabalhos necessários à elaboração deste Plano de Melhorias.

Constituída a equipa, iniciaram-se os trabalhos necessários à elaboração deste Plano de Melhorias. Plano de Melhoria 1. Introdução Em Julho de 2012, o Agrupamento de Escolas de Carnaxide-Valejas juntou-se à Escola Secundária Camilo Castelo Branco dando origem ao atual Agrupamento de Escolas de Carnaxide.

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016 RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO Área territorial da IGEC SUL Agrupamento ou Escola Data da intervenção Código 170574 Designação AE Vale Aveiras Início 21 de junho de 2016 Fim 23 de junho de 2016 PLANEAMENTO

Leia mais

Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016

Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016 Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016 Foi aprovado a 17 de março de 2016, em Conselho de Ministros, o Decreto-Lei que procede à terceira alteração ao Decreto-Lei

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS

CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS ANO LETIVO 2015/2016 No âmbito da distribuição de serviço docente o Conselho Pedagógico reafirma o primado da importância fulcral

Leia mais

Análise dos resultados dos testes de aferição

Análise dos resultados dos testes de aferição Escola Secundária/3 de Barcelinhos - 403787 Comissão de Avaliação de aprendizagem dos alunos Análise dos resultados dos testes de aferição O Teste de aferição visava recolher informação relevante, em particular

Leia mais

RELATÓRIO SECÇÃO DE AUTOAVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. BERNARDO

RELATÓRIO SECÇÃO DE AUTOAVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. BERNARDO RELATÓRIO SECÇÃO DE AUTOAVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. BERNARDO ÍNDICE Introdução... 3 Projeto educativo e avaliação das atividades... 3 Avaliação das atividades... Erro! Marcador não definido.

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO Área territorial da IGEC SUL Agrupamento ou Escola Código 171591 Designação Agrupamento de Escolas do Algueirão Data da intervenção Início 18.01.2017

Leia mais

A G R U P AM E N T O D E E S CO L A S D E E U G É N I O D E CA S T R O P lan o E s t r a t é g i c o /

A G R U P AM E N T O D E E S CO L A S D E E U G É N I O D E CA S T R O P lan o E s t r a t é g i c o / PLANO ESTRATÉGICO 2014/2015 (Artigo15º do Despacho Normativo nº13-a/2012 1 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2015 1. Enquadramento. O Plano Estratégico agora apresentado enquadra-se no artigo 15º do Despacho Normativo

Leia mais

Avaliação dos alunos no 1º Período. Introdução. Outros documentos. Esc. E. B. 2,3 Prof. João F. Pratas

Avaliação dos alunos no 1º Período. Introdução. Outros documentos. Esc. E. B. 2,3 Prof. João F. Pratas 1 Janeiro de 2012 Esc. E. B. 2,3 Prof. João F. Pratas Avaliação dos alunos no 1º Período Introdução Este documento é a base estatística da avaliação de 1º Período dos alunos da Escola E. B. 2, 3 Professor

Leia mais

Avaliação Externa das Escolas PLANO DE MELHORIA

Avaliação Externa das Escolas PLANO DE MELHORIA Avaliação Externa das Escolas 2012-2013 PLANO DE MELHORIA A elaboração deste plano de melhoria assenta no pressuposto de que o Agrupamento Vertical de Escolas de Azeitão é capaz de repensar estratégias

Leia mais

ENSINO BÁSICO 2016/2017 NORMAS DE TRANSIÇÃO E APROVAÇÃO E CONDIÇÕES DE ADMISSÃO ÀS PROVAS FINAIS DO 9.º ANO DE ESCOLARIDADE

ENSINO BÁSICO 2016/2017 NORMAS DE TRANSIÇÃO E APROVAÇÃO E CONDIÇÕES DE ADMISSÃO ÀS PROVAS FINAIS DO 9.º ANO DE ESCOLARIDADE ENSINO BÁSICO 2016/2017 NORMAS DE TRANSIÇÃO E APROVAÇÃO E CONDIÇÕES DE ADMISSÃO ÀS PROVAS FINAIS DO 9.º ANO DE ESCOLARIDADE As normas de transição para os anos não terminais de ciclo constituem normas

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Mafra

Agrupamento de Escolas de Mafra CARTA DE MISSÃO (Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto) Nome da Diretora Maria de Jesus Azevedo dos Santos Roxo Geraldes Pires Escalão 6º Escola : Agrupamento de Escolas de Mafra Grupo de Recrutamento

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação Ano letivo 204-205 ESCOLA LUÍS MADUREIRA PRÍNCIPIOS QUE REGULAM A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS A avaliação tem uma vertente contínua e sistemática e fornece ao professor, ao

Leia mais

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática 2014/2015 Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática Grupo de trabaho: Professores: Nela Fee (coordenadora) Carla Queiroz (Pré-Escolar) - Rosário Timóteo (1º c) Nuno Tomé (1ºc) - Anabela Hilário

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

RELATÓRIO DOS RESULTADOS DOS EXAMES FINAIS NACIONAIS/ENSINO SECUNDÁRIO

RELATÓRIO DOS RESULTADOS DOS EXAMES FINAIS NACIONAIS/ENSINO SECUNDÁRIO RELATÓRIO DOS RESULTADOS DOS EXAMES FINAIS NACIONAIS/ENSINO SECUNDÁRIO 2013 1 1ª FASE Carlos Marques Paula Rosas Paulo Miranda Paulo Rocha DATA Código e Designação do Exame Nº de alunos Internos EXAMES

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO PLANO DE MELHORIA Biénio 2016-2017 e 2017-2018 AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO Índice Introdução... 2 Orientações para a ação... 3 Plano de Ação 1... 4 Plano de Ação 2... 5 Plano de Ação 3... 6 Plano

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação ÍNDICE Introdução 3 A A avaliação na educação pré-escolar 3 1 Intervenientes 3 2 Modalidades da avaliação 3 3 Critérios de avaliação 3 4 Ponderação 4 B A avaliação no ensino

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Ação n.º 5/2011. Gestão e Resolução de Conflitos/Promover Ambientes de Aprendizagem e Cidadania

Relatório Final de Avaliação. Ação n.º 5/2011. Gestão e Resolução de Conflitos/Promover Ambientes de Aprendizagem e Cidadania Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Ação n.º 5/2011 Gestão e Resolução de Conflitos/Promover Ambientes de Aprendizagem e

Leia mais

RELATÓRIO DO 1.º PERÍODO 2015/2016

RELATÓRIO DO 1.º PERÍODO 2015/2016 AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GRÂNDOLA MONITORIZAÇÃO DAS COMPETÊNCIAS E DOS RESULTADOS ESCOLARES DAS CRIANÇAS E DOS ALUNOS RELATÓRIO DO 1.º PERÍODO 2015/2016 Departamento de Monitorização,

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE OURIQUE

AGRUPAMENTO VERTICAL DE OURIQUE AGRUPAMENTO VERTICAL DE OURIQUE Relatório de Reflexão Critica do Plano Anual de Atividades Ano Letivo 2011/2012 1ºPeríodo Índice Índice 2 Introdução 3 Grau execução e de satisfação 4 Participação dos agentes

Leia mais

PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA

PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA - ATUALIZADO EM OUTUBRO DE 2016 - TRIÉNIO 2015-2018 Índice I INTRODUÇÃO... 2 II ENQUADRAMENTO ESTRATÉGICO... 2 III IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS DE MELHORIA... 3 IV PRIORIZAÇÃO DAS

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE RIO TINTO CALENDÁRIO - Processo de ADD - ano escolar de Decreto Regulamentar nº 26/2012 de 21 de fevereiro

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE RIO TINTO CALENDÁRIO - Processo de ADD - ano escolar de Decreto Regulamentar nº 26/2012 de 21 de fevereiro AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE RIO TINTO CALENDÁRIO - Processo de ADD - ano escolar de 2016-17 Decreto Regulamentar nº 26/2012 de 21 de fevereiro Ação Prazo Pedido de observação de aulas: docentes em período

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Sines Escola Sede: E. B. Vasco da Gama de Sines. Avaliação Desempenho Pessoal Docente Contrato

Agrupamento Vertical de Escolas de Sines Escola Sede: E. B. Vasco da Gama de Sines. Avaliação Desempenho Pessoal Docente Contrato Avaliação Desempenho Pessoal Docente Contrato 2011/2012 INTRODUÇÃO Este documento tem como objetivo o enquadramento do processo de avaliação do pessoal docente regime contrato para o ano letivo 2011/2012.

Leia mais

Relatório de análise dos resultados da Avaliação 3.º Período - História

Relatório de análise dos resultados da Avaliação 3.º Período - História Agrupamento de Escolas Poeta Joaquim Serra - Montijo Relatório de análise dos resultados da Avaliação 3.º Período - História O presente relatório tem por base as reflexões individuais registadas em documento

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria Inicial

Plano de Ações de Melhoria Inicial Plano de Ações de Melhoria Inicial PAM Inicial 2016/2017 Outubro de 2016 Índice Pág. 2 1. Introdução 2. Plano de Ações de Melhoria Inicial 2.1. Enquadramento das ações de melhoria nos Critérios da CAF

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

NA MATEMÁTICA TU CONTAS

NA MATEMÁTICA TU CONTAS PLANO AÇÃO ESTRATÉGICA 41ª MEDIDA NA MATEMÁTICA TU CONTAS OBJETIVO Melhorar o sucesso em Matemática. ANO(S) ESCOLARIDA A ABRANGER - Do 1.º ao 9.º de escolaridade. ATIVIDAS A SENVOLVER NO ÂMBITO DA MEDIDA:

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO Agrupamento de Escolas Dr. Alberto Iria Olhão ANO LETIVO 2015/2016 RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO EQUIPA: Ana Avó, Ema Salero, Marília Estriga, Vanda Estevens Índice QUADRO SÍNTESE DA POPULAÇÃO ESCOLAR

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO DA ESCOLA 2013/2014

ANÁLISE DE DESEMPENHO DA ESCOLA 2013/2014 ANÁLISE DE DESEMPENHO DA ESCOLA 2013/2014 Avaliação Interna da Educação Pré-Escolar, 1º Ciclo, 2º Ciclo e 3º Ciclo do Ensino Básico Avaliação Externa - Testes Intermédios do 2º e 9º Anos - Provas Finais

Leia mais

Escrito por Administrador Quinta, 05 Fevereiro :48 - Actualizado em Terça, 10 Novembro :11

Escrito por Administrador Quinta, 05 Fevereiro :48 - Actualizado em Terça, 10 Novembro :11 Plano de Ação e Plano Estratégico do Agrupamento 1.Plano de Ação Para dar consecução à missão e aos valores, pretende o Agrupamento desenvolver uma ação educativa alicerçada num conjunto de princípios

Leia mais

AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INTERNA TERCEIRO CICLO DO ENSINO BÁSICO 7.º ANO. Ano letivo 2013/2014

AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INTERNA TERCEIRO CICLO DO ENSINO BÁSICO 7.º ANO. Ano letivo 2013/2014 AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO TERCEIRO CICLO DO ENSINO BÁSICO 7.º ANO Ano letivo 2013/2014 AVALIAÇÃO INTERNA A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa que permite a recolha

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CAPACIDADES INDICADORES INSTRUMENTOS Domínio Cognitivo (Saber) Componentes do Currículo Conceitos Identifica/Reconhece/Adquire conceitos; Domina

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 11º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2016/2017 1 O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação,

Leia mais

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente Agrupamento de Escolas de Auto-Regulação e Melhoria das Escolas Auto-avaliação - uma PRIORIDADE Equipa de Avaliação Interna 2009/2010 1 Agrupamento de Escolas de Enquadramento legal Justificação Novo Paradigma

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/ Santa Cruz do Bispo AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2012 PLANO DE MELHORIA

Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/ Santa Cruz do Bispo AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2012 PLANO DE MELHORIA Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/ Santa Cruz do Bispo AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2012 PLANO DE MELHORIA Leça da Palmeira, Julho 2012 0 INDICE Introdução. Relatório da avaliação externa..

Leia mais

Índice. Introdução 3. Identificação dos pontos fortes do Agrupamento. 3. Identificação das Áreas de Melhoria. 4. Priorização das Áreas de Melhoria.

Índice. Introdução 3. Identificação dos pontos fortes do Agrupamento. 3. Identificação das Áreas de Melhoria. 4. Priorização das Áreas de Melhoria. Índice Introdução 3 Identificação dos pontos fortes do. 3 Identificação das Áreas de Melhoria. 4 Priorização das Áreas de Melhoria. 6 Ações de melhoria modelo de ficha. 8 Ações de melhoria. 8 2 Introdução

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA 2014 Plano de melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA O Plano de Melhoria do Agrupamento de Escolas de Águeda surge na sequência do relatório da Avaliação Externa das Escolas realizada pela equipa de

Leia mais

Exames Nacionais do Ensino Secundário ANÁLISE DE RESULTADOS POR DISCIPLINA

Exames Nacionais do Ensino Secundário ANÁLISE DE RESULTADOS POR DISCIPLINA Exames Nacionais do Ensino Secundário ANÁLISE DE RESULTADOS POR DISCIPLINA Média das classificações de exame (CE) e das classificações internas finais () de alunos internos, e diferença /CE por prova 1.ª

Leia mais

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR MICROREDE DE ESCOLAS DO CFAC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURE E RIBEIRA DO NEIVA - Medida : Pouca autonomia por parte dos alunos nas diversas disciplinas e falta de hábitos de autorregulação das suas aprendizagens

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Domínio Cognitivo (Nível dos Conhecimentos) Compreensão oral e escrita; Conhecimento de formas e regras de funcionamento da língua materna; Conhecimento e compreensão de conceitos

Leia mais

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Plano Agrupamento Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Prioridades Objectivos Estratégias ACÇÕES METAS AVALIAÇÃO P.1. Obj. 1 E.1 Ao 3.º dia de ausência do aluno, efectuar contacto telefónico,

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches 2016 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

Plano de Melhoria JULHO/ 2013

Plano de Melhoria JULHO/ 2013 JULHO/ 2013 Índice 2 Introdução 3 I Ponto de partida 4 II Componentes do Plano 5 A. Objetivos, metas e indicadores 5 B. Ações a implementar 8 C. Cronograma 10 D. Intervenientes 10 E. Recursos 10 F. Monitorização,

Leia mais

Escola Secundária de Emídio Navarro Viseu PLANO DE MELHORIA

Escola Secundária de Emídio Navarro Viseu PLANO DE MELHORIA Escola Secundária de Emídio Navarro Viseu PLANO DE MELHORIA 1 PLANO DE MELHORIA Melhoria. Da avaliação externa a que a escola foi submetida nos dias 7 e 8 de Março de 2012, resulta a obrigatoriedade de

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO Avaliação Interna da EPDRR Ano Letivo 2015/2016 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 COMISSÃO DE TRABALHO 4 METODOLOGIA DE TRABALHO ADOTADA 4 DOMÍNIOS

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Fernão de Magalhães Departamento Curricular do 1º Ciclo Ano Letivo 2015/2016 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Avaliação das Atitudes/Comportamentos

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO (APROVADOS EM CP 2014/2015)1 1.º Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos

Leia mais

Mestrados em Ensino Universidade de Lisboa

Mestrados em Ensino Universidade de Lisboa Papel das Escolas e dos Orientadores Cooperantes no Mestrado em Ensino Documento de orientação aprovado pela Comissão Pedagógica dos Mestrados em Ensino em 25 de maio de 2016 O presente documento dirige-se

Leia mais

Período Observado: 2ºP

Período Observado: 2ºP todos empenhados no sucesso educativo dos nossos alunos. Período Observado: 2ºP 2014-2015 Pré-escolar Sucesso nas áreas prioritárias: - Formação Pessoal e Social, 1ºP 82% - 2ºP 85% - Ling. Oral e Abord.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC SETEMBRO DE 2013 FUNDAMENTOS DO PLANO DE MELHORIA 2013/2015 O Agrupamento assume-se como construtor de uma visão

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO 1.º CICLO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO 1.º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO I- Introdução Os critérios de avaliação são definidos de acordo com o currículo, os programas das disciplinas e as metas curriculares, sendo operacionalizados pelos professores da

Leia mais

BIBLIOTECAS ESCOLARES

BIBLIOTECAS ESCOLARES PLANO DE AÇÃO BIBLIOTECAS ESCOLARES Agrupamento de Escolas da Moita 1 As Bibliotecas Escolares assumem, para além das funções informativa, educativa, cultural e recreativa, o papel de adjuvante do aluno,

Leia mais

Plano de melhoria (2015/16)

Plano de melhoria (2015/16) Plano de melhoria (2015/16) Introdução Agrupamento Vertical de Portel Escola EB 2,3 de D. João de Portel Quatro domínios de ação da Biblioteca Escolar: A. Currículo, literacias e aprendizagem B. Leitura

Leia mais

RELATÓRIO DOS RESULTADOS DOS EXAMES FINAIS NACIONAIS

RELATÓRIO DOS RESULTADOS DOS EXAMES FINAIS NACIONAIS RELATÓRIO DOS RESULTADOS DOS EXAMES FINAIS NACIONAIS (Ensino secundário) 2014 1 1ª FASE EXAMES NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO 2014 Resultados de Exames da 1ª Fase, por disciplina AGRUPAMENTO DE ESCOLAS

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO AGRUPAMENTO /2016

PLANO DE AÇÃO DO AGRUPAMENTO /2016 PLANO DE AÇÃO DO AGRUPAMENTO - 2015/2016 Ações a realizar: Aplicação do Modelo CAF Educação (ciclo diagnóstico organizacional) a partir de janeiro; Aplicação do Modelo Framework de Desenvolvimento Pedagógico

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO Resumo da proposta final Documento para análise PROJETO EDUCATIVO Análise na matriz SWOT (strenghts, weaknesses, opportunities, threats) pontos fortes/pontos fracos/

Leia mais

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA Ano Letivo 2014/15

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA Ano Letivo 2014/15 EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA Ano Letivo 2014/15 AVALIAÇÃO 5º ANO 1 Ordem de Trabalhos Ponto um Boas- vindas/apresentação dos intervenientes Ponto dois Desenho curricular e sistema de avaliação no Ensino

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU

PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU 2015-2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRIFANA, SANTA MARIA DA FEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRIFANA, SANTA MARIA DA FEIRA 2015-2017 Aprovado

Leia mais

Critérios de Avaliação Jardim de Infância

Critérios de Avaliação Jardim de Infância CASA DE INFÂNCIA DE SANTO ANTÓNIO Departamento Curricular de Creche e Jardim de Infância Critérios de Avaliação Jardim de Infância Horta 2016/2017 2 Critérios de Avaliação Jardim de Infância A avaliação

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo A avaliação, como parte integrante do processo de ensino/ aprendizagem, deverá ter em conta: Os programas e as metas curriculares em vigor para o 1º ciclo;

Leia mais

1. Introdução AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MAIA

1. Introdução AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MAIA 1. Introdução A avaliação externa do Agrupamento de Escolas da Maia, da responsabilidade da IGEC, decorreu de 17 a 20 de novembro do ano transato. A classificação de Muito Bom em todos os domínios enche-nos

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA

ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA A melhoria da eficácia da resposta educativa decorre de uma articulação coerente entre: Projeto Educativo Currículo Plano de Turma Assim, o Plano de Turma, assume a forma

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Plano de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Plano de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA Plano de Melhoria Avaliação Externa de Escolas 2012-2013 Índice I. Resumo... 2 Objetivo Introdução Ponto de partida II. Áreas de intervenção... 4 A1 - O

Leia mais

ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO ( )

ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO ( ) Critérios de Avaliação 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS A avaliação incide sobre os conhecimentos e capacidades definidas no currículo nacional e nas

Leia mais

PLANO TIC 1

PLANO TIC 1 2015-2016 PLANO TIC 1 Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres Estrada Nacional n.º 16 6370-147 Fornos de Algodres Tel.: 271700110 Fax: 271700118 www.ae-fa.pt e-mail: aefa.og@ae-fa.pt 2 Equipa PTE

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MEM MARTINS Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º 2; EB1 com JI da Serra das Minas n.º 1 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015-2016

Leia mais

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico 1º Ciclo Ao longo do 1º ciclo do Ensino Básico, todos os alunos devem desenvolver as competências gerais do Ensino Básico. Competências Gerais do Ensino Básico 1. Mobilizar saberes culturais, científicos

Leia mais

A SUPERVISÃO PEDAGÓGICA NA COORDENAÇÃO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES Estudo de caso numa escola básica da RAM

A SUPERVISÃO PEDAGÓGICA NA COORDENAÇÃO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES Estudo de caso numa escola básica da RAM A SUPERVISÃO PEDAGÓGICA NA COORDENAÇÃO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES Estudo de caso numa escola básica da RAM DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SUPERVISÃO PEDAGÓGICA Mestranda: Fabiana Isabel

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS OBJETIVOS EDUCAR EM CIDADANIA 1. RESULTADOS ESCOLARES Alcançar os resultados esperados de acordo com o contexto do agrupamento. Melhorar

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fajões 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fajões

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALLIS LONGUS PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALLIS LONGUS PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALLIS LONGUS PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA VALONGO, JUNHO 2013 INTRODUÇÃO O Plano de Melhoria constitui-se como instrumento de suporte à programação e à implementação da melhoria

Leia mais

Projecto Curricular de Escola Ano Lectivo 2009/2010 ANEXO VI

Projecto Curricular de Escola Ano Lectivo 2009/2010 ANEXO VI Projecto Curricular de Escola Ano Lectivo 2009/2010 ANEXO VI Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos Dr. Horácio Bento de Gouveia Ano Lectivo 20 /20 PLANO DE RECUPERAÇÃO Despacho Normativo nº50/2005 Aluno: Nº

Leia mais

Bem-vindo(a)s Encarregados de Educação 12 e 13 de outubro 2015

Bem-vindo(a)s Encarregados de Educação 12 e 13 de outubro 2015 Bem-vindo(a)s Encarregados de Educação 12 e 13 de outubro 2015 Agenda Preparação do trabalho a realizar no ano letivo 2015/2016 Regulamento Interno disponível no portal do agrupamento www.esvalongo.org

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação Cursos Profissionais Escola Profissional de Salvaterra de Magos CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

Critérios Gerais de Avaliação Cursos Profissionais Escola Profissional de Salvaterra de Magos CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2 Ano Letivo 2016/2017 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Cursos Profissionais Nota Introdutória A avaliação constitui uma fonte de informação fundamental para o professor, para

Leia mais

RELATÓRIO DA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS ESCOLARES

RELATÓRIO DA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS ESCOLARES RELATÓRIO DA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS ESCOLARES (2015/2016) Coordenadora: Bela Maria Veiga Lourenço - (2º ciclo) Membros: Maria Emília Batista - (3º ciclo) Zaida Vasconcelos - (1º ciclo) Fátima Cardoso

Leia mais

Apresentação de Resultados CAF

Apresentação de Resultados CAF Apresentação de Resultados CAF Sumário Introdução Ponto de situação do projeto Fases do Projeto Resultados CAF Modelo CAF Resultados da(s) Grelha(s) de Autoavaliação Resultados dos questionários Plano

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos. Resultados Escolares º Período

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos. Resultados Escolares º Período Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Resultados Escolares 2015-2016 1.º Período 1 Percentagem de insucesso/sucesso 1º período - 2015/2016 Dep. Pré-Escolar Área MF Muita

Leia mais

CAI RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO

CAI RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO 2008-2009 RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO CAI COMISSÃO DE AVALIAÇÃO INTERNA DOMÍNIOS DE AVALIAÇÃO Funcionamento e Organização dos Apoios Educativos. Contributo dos

Leia mais

Regimento Interno. Secção do Plano Anual de Atividades Agrupamento de Escolas Dr. Mário Fonseca

Regimento Interno. Secção do Plano Anual de Atividades Agrupamento de Escolas Dr. Mário Fonseca Regimento Interno Secção do Plano Anual de Atividades Agrupamento de Escolas Dr. Mário Fonseca Preâmbulo Desde o ano letivo de 2009/2010, criou-se a figura de Coordenador(a) da Secção de trabalho do Plano

Leia mais