ANO:2011 Ministério da Justiça. Instituto de Gestão Financeira e Infra Estruturas da Justiça, IP. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANO:2011 Ministério da Justiça. Instituto de Gestão Financeira e Infra Estruturas da Justiça, IP. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais"

Transcrição

1 ANO:211 Ministério da Justiça Instituto de Gestão Financeira e Infra Estruturas da Justiça, IP MISSÃO: Assegurar a gestão orçamental, financeira e das instalações afectas ao Ministério da Justiça. Objectivos Estratégicos OE 1 Assegurar as instalações adequadas ao MJ DESIGNAÇÃO META 211 TAXA REALIZAÇÃO OE 2 Assegurar o financiamento adequado às necessidades do MJ OE 3 Melhorar a satisfação dos intervenientes no sistema da justiça com os quais o IGFIJ se relaciona OE 4 Assegurar a adequação da gestão orçamental à estratégia do MJ OE 5 Melhorar a satisfação dos Serviços do MJ relativamente aos serviços prestados OE 6 Melhorar a eficiência na gestão dos recursos do IGFIJ Objectivos Operacionais Eficácia 1.Melhorar a satisfação das necessidades de instalações do MJ 5 Ind 1 Grau(%) execução financeira dos investimentos previstos em PIDDAC 11,8% 15% 6% 1% 8% 6, %

2 Ind 2 Grau (%) de cumprimento das iniciativas incluidas no PA nd nd 7% 1% 9% 4, % 2. Garantir os pagamentos e reembolsos no âmbito dos processos judiciais Ind 3 Cumprimento (%) da data mensal para processamento de ordens de transferência bancária relativas a pagamentos e reembolsos no âmbito dos processos judiciais nd nd 85% 5% 1% 5, % Ind 4 Grau (%) dos pagamentos no âmbito do apoio judiciário em relação ao total dos pagamentos devidos no ano 1% 82% 84% 5% 1% 5, % 3. Garantir o cumprimento das necessidades financeiras e orçamentais dos Serviços do MJ 4 Ind 5 Taxa (%) de execução do orçamento de funcionamento do MJ (despesas totais / orçamento incial) 15% 1% 1% 95% 4, % Ind 6 Cumprimento (%) dos prazos de financiamento dos orçamentos dos Serviços do MJ nd nd 85% 5% 1% 4, % Ind 7 Grau (%) de cobertura das receitas próprias face às das despesas de funcionamento dos Serviços do MJ 63% 41% 66% 2% 7% 2, % Eficiência

3 O4. Reduzir despesas de funcionamento do IGFIJ 5 Ind 8 Poupança (%) gerada, face custo médio, dos encargos do IGFIJ com a prestação de serviço "concepção e acompanhamento de novos empreendimentos" nd nd 1% 2% 15%, % Ind 9 Redução (%) de despesas de funcionamento do IGFIJ em comparação com o ano anterior 39,6% 1,9% 5% 1% 7% 7, % O5. Garantir cumprimento do prazo contratualizado para pagamento a fornecedores 2 Ind 1 Prazo médio (em dias) de pagamentoa a fornecedores IGFIJ 61,6 91, , % 6. Reforçar as competências dos colaboradores para o cumprimento da missão do IGFIJ Ind 11 Grau (%) de concretização do Plano de Formação nd 75% 8% 5% 9% 1, % Qualidade 7. Melhorar a prestação de serviço aos Serviços do MJ 2. Ind 12 Taxa de respostas obtidas ao inquérito de avaliação do serviço prestado pelo IGFIJ Ind 13 indice da qualidade do serviço prestado nd nd 8% 5% 9%, % nd nd 6,5 8 7, % 8. Melhorar a prestação de serviço aos prestadores de serviços no âmbito do sistema judicial 2

4 Ind 14 Taxa de respostas obtidas ao inquérito de auscultação realizado no âmbito da prestação de pagamentos de custas judiciais e apoio judiciário nd nd 5% 1% 1% 1, % Ind 15 indice de qualidade do serviço prestado no âmbito das custas Judiciais Ind 16 indice de qualidade do serviço prestado no âmbito do Apoio Judiciário nd nd 6,5 7 45, % nd nd 5,5 6 45, % O9. Melhorar Sistema de Gestão da Qualidade do IGFIJ 5 Ind 17 Cumprimento do prazo de aprovação da Norma de Controlo Interno do IGFIJ Projecto SMART Ind 18 Cumprimento do prazo de aprovação do Manual de Procedimentos "Disponibilizar instalações afectas ao MJ" Projecto SMART Ind 19 Cumprimento do prazo de aprovação do Manual de Procedimentos "Gerir e financiar orçamento do MJ" Projecto SMART Ind 2 Cumprimento do prazo de aprovação do Manual de Procedimentos "Gerir Recursos de informação" com proposta de Regulamento de Conservação Arquivística do IGFIJ Projecto SMART na na Semana 25 1 semana Mai 1, % na na Semana 21 1 semana Abr 1, % na na Semana 25 1 semana Mai 1, % na na Semana 17 1 semana Mar 1, % Ind 21 Cumprimento do prazo de aprovação do Manual de Projecto dos Tribunais na na Semana 25 1 semana Mai 1, %

5 Ind 22 Cumprimento do prazo de aprovação do Manual de Projecto dos Estabelecimentos Prisionais Ind 23 Cumprimento do prazo de Implementação de ferramenta aplicacional de gestão documental (4 workflows processos criticos) na na Semana 39 1 semana Jul 1, % na na Semana 43 1 semana 31 Ago 2, % Ind 24 Elaboração do Plano Estratégico da Gestão do Património Imobiliário do MJ (1ª fase) na na Semana 12 1 semana 15 Mar 2, % NOTA EXPLICATIVA JUSTIFICAÇÃO DE DESVIOS AVALIAÇÃO FINAL Eficácia Eficiência Qualidade

6 Recursos Humanos DESIGNAÇÃO PONTUAÇÃO PLANEADOS REALIZADOS DESVIO Dirigentes Direcção Superior Dirigentes Direcção intermédia e chefes de equipa Técnico Superior (inclui especialistas de informática) Coordenador Técnico (inclui chefes de secção) Assistente Técnico (inclui técnicos de informática) Encarregado geral operacional Encarregado operacional Assitente operacional Total 13,4 7,4 5,1 3,4 2,4 1,6 33,3 53,7 126,3 277,4 3,4 1 15,6 576,4 Recursos Financeiros DESIGNAÇÃO PLANEADOS EXECUTADOS DESVIO Orçamento de funcionamento Despesas c/pessoal Aquisições de Bens e Serviços Outras despesas correntes Transf. Correntes PIDDAC TOTAL (OF+PIDDAC)

Quadro de Avaliação e Responsabilização

Quadro de Avaliação e Responsabilização ANO: Ministério da Educação e Ciência Fundação para a Ciência e Tecnologia, I.P. MISSÃO: A FCT tem por missão apoiar, financiar e avaliar o Sistema Nacional de Investigação e Inovação, desenvolver a cooperação

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO - 2013 Versão: Ministério da Economia e do Emprego Entidade: INAC - Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. MISSÃO: Promover o desenvolvimento seguro, eficiente

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde ANO: 2013 Ministério da Saúde NOME DO ORGANISMO - Secretaria-Geral do Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO A Secretaria-Geral do Ministério da Saúde (SGMS) tem por missão assegurar o apoio técnico e

Leia mais

QUAR 40% 75% INDICADORES. CLASSIFICAÇÃO Ind 1 Número de acordos EA subscritos meta 2012 Tolerância

QUAR 40% 75% INDICADORES. CLASSIFICAÇÃO Ind 1 Número de acordos EA subscritos meta 2012 Tolerância QUAR ANO:2012 Ministério da Economia e do Emprego INSTITUTO PORTUGUÊS DE ACREDITAÇÃO, I.P. (IPAC) MISSÃO: Prestar serviços de acreditação, nos termos previstos no Regulamento (CE) 765/2008. VISÃO: Ser

Leia mais

META 2017 Tolerância Valor crítico PESO Mês RESULTADO TAXA REALIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO 80% 80% 80% 10% 100% 20% 90% 90% 90% 0% 100% 50%

META 2017 Tolerância Valor crítico PESO Mês RESULTADO TAXA REALIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO 80% 80% 80% 10% 100% 20% 90% 90% 90% 0% 100% 50% ANO: 2017 Ministério da Justiça Direção-Geral da Política de Justiça MISSÃO: A DGPJ tem por missão prestar apoio técnico, acompanhar e monitorizar políticas, organizar e fomentar o recurso aos tribunais

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 FCT

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 FCT QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Visão: Objectivos Estratégicos (OE): OE 1. Fomentar o desenvolvimento da competência científica e tecnológica

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde MISSÃO: Contribuir para ganhos em saúde pública através de actividades de investigação e desenvolvimento tecnológico, actividade laboratorial de referência, observação da saúde e vigilância epidemiológica,

Leia mais

nº de Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTSP) em projeto piloto 1-100,0

nº de Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTSP) em projeto piloto 1-100,0 QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO - 2014 Ministério da Educação e Ciência Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) MISSÃO: A qualificação de alto nível dos cidadãos, a produção e difusão do

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO: regulamentar, orientar e coordenar as atividades de promoção da saúde e prevenção da doença, definir as condições técnicas para adequada prestação de cuidados de saúde, planear e programar

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO - Regular e supervisionar os sectores dos medicamentos e produtos de saúde, segundo os mais elevados padrões de protecção da saúde pública e garantir o acesso dos profissionais de saúde

Leia mais

Carta de Missão do Dirigente Superior de 2.º Grau

Carta de Missão do Dirigente Superior de 2.º Grau Carta de Missão do Dirigente Superior de 2.º Grau Ministério: Ministério da Justiça (MJ) Serviço\Organismo: Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça, I.P. (IGFEJ, I.P.) Cargo e Titular:

Leia mais

ANO:2014 Ministério da Educação e Ciência ACADEMIA DAS CIÊNCIAS DE LISBOA

ANO:2014 Ministério da Educação e Ciência ACADEMIA DAS CIÊNCIAS DE LISBOA ANO:214 Ministério da Educação e Ciência ACADEMIA DAS CIÊNCIAS DE LISBOA Missão: Assegurar ao Governo português consultoria em matéria linguística. Coordenar a sua acção com a Academia Brasileira de Letras

Leia mais

Organismo avaliado: SG. 1. Enquadramento. 2. Parecer com análise crítica. 3. Documentos de referência

Organismo avaliado: SG. 1. Enquadramento. 2. Parecer com análise crítica. 3. Documentos de referência Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do MS) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da SG (Artigo 17.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro) Organismo avaliado: SG 1. Enquadramento

Leia mais

Resultado (40-45) (31-33) (2-3) (4-5) (85% - 90%) (60% - 65%) (50% - 55%) na 1

Resultado (40-45) (31-33) (2-3) (4-5) (85% - 90%) (60% - 65%) (50% - 55%) na 1 ANO: 2012 Data de atualização: Ministério : Ministério da Administração Inter (MAI) Organismo: Inspeção-Geral de Administração Inter (IGAI) Missão: Inspecior, auditar e fiscalizar as entidades sob a tutela

Leia mais

Alto Comissariado da Saúde

Alto Comissariado da Saúde Alto Comissariado da Saúde QUAR 2010 Projecto de Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do Ministério da Saúde) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da Direcção-Geral da Saúde Setembro

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL ANO: Data de atualização: (/12/03) Ministério: Ministério da Administração Interna Organismo: Polícia de Segurança Pública Missão: Assegurar a legalidade democrática, promover a segurança interna e garantir

Leia mais

Academia das Ciências de Lisboa M I N I S T É R I O D A E D U C A Ç Ã O E C I Ê N C I A

Academia das Ciências de Lisboa M I N I S T É R I O D A E D U C A Ç Ã O E C I Ê N C I A RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Na sequência do Relatório de Atividades do ano 2014, a ACL apresenta em síntese o exercício de autoavaliação dos objetivos alcançados e os desvios verificados face aos objetivos

Leia mais

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5 A Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. (ACSS, IP) é um Instituto Público, criado em 2007, integrado na administração indireta do Estado, dotado de autonomia administrativa, financeira e patrimonial

Leia mais

Mapa de Pessoal dos Serviços Centrais do INEM Ano 2014

Mapa de Pessoal dos Serviços Centrais do INEM Ano 2014 Mapa de Pessoal dos Serviços Centrais do IN Ano 2014 Unidade orgânica Atividades/Procedimentos N.º de PT Carreira/Cargo Área Funcional Conselho Diretivo Proceder à gestão, disponibilização e controlo dos

Leia mais

Objectivos Operacionais (OO) Eficácia Ponderação: 50% Aumentar em 50% o número de USF em actividade na região Norte + 57% (69 USF) 10%

Objectivos Operacionais (OO) Eficácia Ponderação: 50% Aumentar em 50% o número de USF em actividade na região Norte + 57% (69 USF) 10% Ministério: Ministério da Saúde Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte, IP QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO - ANO 2008 MISSÃO: Garantir à população da sua área de influência o acesso

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: 2016-2020 1. Missão do Organismo

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

_relatório de monitorização _QUAR 2013 _1º semestre

_relatório de monitorização _QUAR 2013 _1º semestre _relatório de monitorização _QUAR 2013 _1º semestre INSA, IP_ Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge julho de 2013 Coordenado: Glória Almeida _Índice _1. Nota Introdutória... 3 _2. Desempenho

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) SIADAP 1 - Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) SIADAP 1 - Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO : Garantir à população da região de saúde do Norte o acesso a cuidados de saúde de qualidade, em tempo útil e a custos socialmente comportáveis, adequando os recursos disponíveis às

Leia mais

Instituto de Gestão de Fundos de Capitalização da Segurança Social, I.P.

Instituto de Gestão de Fundos de Capitalização da Segurança Social, I.P. Instituto de Gestão de Fundos de Capitalização da Segurança Social, I.P. QUAR 2014 I. Enquadramento estratégico O planeamento, pelo IGFCSS, IP, das atividades para 2014 está sujeito aos constrangimentos

Leia mais

CENTRO DE RECURSOS BIBLIOTECA. Capítulo I Definição, Objectivos e Âmbito de Acção

CENTRO DE RECURSOS BIBLIOTECA. Capítulo I Definição, Objectivos e Âmbito de Acção CENTRO DE RECURSOS BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE BRAGANÇA (ESAB) REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Definição, Objectivos e Âmbito de Acção Artigo 1º A Biblioteca da Escola Superior Agrária de Bragança

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA UNIDADE ORGÂNICA Decreto Regulamentar n.º 18/2009, de 4 de Setembro, artigo 10.º

RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA UNIDADE ORGÂNICA Decreto Regulamentar n.º 18/2009, de 4 de Setembro, artigo 10.º UNIDADE ORGÂNICA: DIRECÇÃO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO E ORDENAMENTO DIRIGENTE: LUCIANO COSTA CARVALHO DIAS DATA DE ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO ANUAL: 24 DE FEVEREIRO DE 2014 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS OE I - Promover

Leia mais

QUAR 2014 revisto (31/07/2014) Autorizado pela Tutela (05/01/2015)

QUAR 2014 revisto (31/07/2014) Autorizado pela Tutela (05/01/2015) QUAR 2014 revisto (31/07/2014) Autorizado pela Tutela (05/01/2015) ANO: 2014 MINISTÉRIO: Presidência do Conselho de Ministros SERVIÇO: INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA, I.P. MISSÃO: O Instituto Nacional

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO - 009 Presidência do Conselho de Ministros ORGANISMO: INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA, I.P. MISSÃO: O Instituto Nacional de Estatística tem por Missão produzir

Leia mais

Ministério da Defesa Nacional. Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional. Cargo e Titular: Secretário-geral do Ministério da Defesa Nacional

Ministério da Defesa Nacional. Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional. Cargo e Titular: Secretário-geral do Ministério da Defesa Nacional CARTA DE MISSÃO Ministério da Defesa Nacional Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional Cargo e Titular: Secretário-geral do Ministério da Defesa Nacional 1. Missão do organismo As atribuições

Leia mais

Plano de actividades 2015/2016

Plano de actividades 2015/2016 Plano de actividades 2015/2016 TRIBUNAL JUDICIAL DA COMARCA DE SETÚBAL Artigo 94.º, n.º 6 alínea a), da Lei 62/2013, de 26 de agosto Período 01.09.2015 a 31.08.2016 Índice I. Nota introdutória... 2 II.

Leia mais

Eficácia 01. Melhorar a satisfação das necessidades e das condições de instalação dos serviços do MJ

Eficácia 01. Melhorar a satisfação das necessidades e das condições de instalação dos serviços do MJ ANEXO II ANO: 2015 Ministério da Justiça Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça, IP MISSÃO: Gestão dos recursos financeiros do Ministério da Justiça, do património afeto à área da justiça,

Leia mais

Organização, gestão e regulação das actividades de. Prestação de Serviços Especializados (PSE) na Universidade de Coimbra

Organização, gestão e regulação das actividades de. Prestação de Serviços Especializados (PSE) na Universidade de Coimbra Organização, gestão e regulação das actividades de Prestação de Serviços Especializados (PSE) na Universidade de Coimbra Estrutura do Documento I Contexto situação actual objectivos definidos II Elaboração

Leia mais

Balanced Scorecard A experiência do IGFSS

Balanced Scorecard A experiência do IGFSS A experiência do IGFSS - IGFSS- 1 AGENDA 1. Quem somos 2. Balanced Scorecard 3. Resultados - IGFSS- 2 1. Quem Somos - IGFSS- 3 QUEM SOMOS? Somos o primeiro e único organismo da AP em Portugal com o reconhecimento

Leia mais

Nº de postos de trabalho Presidente 1 Vice-Presidente 1 Vogal 1 Secretário do Conselho Diretivo 1. Área de formação académica e/ou profissional

Nº de postos de trabalho Presidente 1 Vice-Presidente 1 Vogal 1 Secretário do Conselho Diretivo 1. Área de formação académica e/ou profissional Atribuições / Competências/Atividades Cargo/Carreira/ Categoria Conselho Diretivo Área de formação académica e/ou profissional Nº de postos de trabalho Presidente 1 Vice-Presidente 1 Vogal 1 Secretário

Leia mais

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES MAPA DE S / 01. Dotar os responsáveis pela gestão escolar de formação técnica em Balanced Scorecard; 01.1. Dotar os Orgãos de Gestão de formação em BSC. Acção 1. Sensibilizar os órgãos de gestão para a

Leia mais

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização Ministério: Organismo: MISSÃO: Ministério das Finanças e da Administração Pública Direcção-Geral do Orçamento A Direcção-Geral do Orçamento (DGO) tem por missão superintender na elaboração e execução do

Leia mais

Instituto de Gestão de Fundos de Capitalização da Segurança Social, I.P.

Instituto de Gestão de Fundos de Capitalização da Segurança Social, I.P. Instituto de Gestão de Fundos de Capitalização da Segurança Social, I.P. QUAR 2013 I. Enquadramento estratégico O planeamento, pelo IGFCSS, IP, das atividades para 2013 está sujeito aos constrangimentos

Leia mais

Secretaria-Geral. Ministério da Economia e da Inovação. Secretaria-Geral

Secretaria-Geral. Ministério da Economia e da Inovação. Secretaria-Geral Ministério da Economia e da Inovação DIPLOMAS Decreto-Lei nº 186/2003 de 20 de Agosto Ministério da Economia Decreto-Lei nº 8/2005 de 6 de Janeiro Ministério das Actividades Económicas e do Trabalho Decreto-Lei

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2009

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2009 Governo Regional dos Açores Vice Presidência do Governo QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2009 Departamento: Vice Presidência do Governo Regional dos Açores Organismo: RIAC Agência para a Modernização

Leia mais

Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do MS) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da ARS CENTRO

Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do MS) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da ARS CENTRO Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do MS) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da ARS CENTRO (Artigo 17.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro) Organismo avaliado: ARS CENTRO 1.

Leia mais

Síntese da proposta de orçamento. da UTAD e notas explicativas. Conselho Geral

Síntese da proposta de orçamento. da UTAD e notas explicativas. Conselho Geral Síntese da proposta de orçamento da UTAD e notas explicativas Conselho Geral 2014 PROPOSTA DE ORÇAMENTO DA UTAD PARA 2014 E NOTAS EXPLICATIVAS 1. De acordo com o artigo 36º dos estatutos da UTAD, compete

Leia mais

SERVIÇOS CENTRAIS DO INEM. INEM - Serviços Centrais - Mapa de Pessoal Lugares previstos

SERVIÇOS CENTRAIS DO INEM. INEM - Serviços Centrais - Mapa de Pessoal Lugares previstos Conselho Diretivo Proceder à gestão, disponibilização e controlo dos recursos do INEM 1 Presidente Gestão Conselho Diretivo Coadjuvar o Presidente na gestão, disponibilização e controlo dos recursos do

Leia mais

ANO:2011 Ministério da Saúde. Administração regional de saúde do Norte, I.P. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais.

ANO:2011 Ministério da Saúde. Administração regional de saúde do Norte, I.P. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais. ANO:2011 Ministério da Saúde Administração regional de saúde do Norte, I.P. MISSÃO: Garantir à população da sua área de influência o acesso à prestação de cuidados de saúde de qualidade e cumprir e fazer

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

CUSTOS SIMPLIFICADOS Modalidade Montantes Fixos Workshop 1. Lisboa, 6 de novembro de 2015

CUSTOS SIMPLIFICADOS Modalidade Montantes Fixos Workshop 1. Lisboa, 6 de novembro de 2015 CUSTOS SIMPLIFICADOS Modalidade Montantes Fixos Workshop 1 Lisboa, 6 de novembro de 2015 2 Custos Simplificados - Montantes Fixos Modalidade de Montantes Fixos Os custos elegíveis de uma operação são calculados

Leia mais

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho.

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. Finalidades Identificar pontos fortes e fracos e oportunidades de

Leia mais

3. Execução Financeira do PIC URBAN II Amadora

3. Execução Financeira do PIC URBAN II Amadora 3. Execução Financeira do PIC URBAN II Amadora 3.1. PROGRAMAÇÃO DAS MEDIDAS DO PROGRAMA Durante o ano de 2004, e na sequência da Avaliação Intercalar, decorreu todo o processo de reprogramação, que contemplou

Leia mais

A Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa. Lisboa, 09 de Julho de 2012

A Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa. Lisboa, 09 de Julho de 2012 A Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa Lisboa, 09 de Julho de 2012 1 PGDL: O que é. A Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa é um órgão intermédio da hierarquia do MP, com atribuições específicas, não

Leia mais

A implementação do Balanced Scorecard como ferramenta prática para o controlo estratégico com integração dos indicadores para regulação O caso da

A implementação do Balanced Scorecard como ferramenta prática para o controlo estratégico com integração dos indicadores para regulação O caso da A implementação do Balanced Scorecard como ferramenta prática para o controlo estratégico com integração dos indicadores para regulação O caso da INOVA-EM-SA A implementação do Balanced Scorecard como

Leia mais

FICHA TÉCNICA TÍTULO EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DE JULHO DE 2017

FICHA TÉCNICA TÍTULO EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DE JULHO DE 2017 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL JULHO DE 2017 FICHA TÉCNICA TÍTULO EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DE JULHO DE 2017 AUTOR/EDITOR INSTITUTO DE GESTÃO FINANCEIRA DA SEGURANÇA SOCIAL, I. P. Av. Manuel da Maia, n.º 58 1049-002 Lisboa

Leia mais

PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS O MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS O MINISTÉRIO DA JUSTIÇA PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E O MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Considerando que, A Constituição da República Portuguesa, inspirada no artigo

Leia mais

Orçamento do Estado 2016

Orçamento do Estado 2016 Orçamento do Estado 2016 Programa Orçamental da Saúde 25 de fevereiro de 2016 1 1. Orçamento do Estado 2016 2 ORÇAMENTO DO ESTADO 2016 RESPONSÁVEL CONSTITUCIONAL VALORIZA OS PROFISSIONAIS PROMOVE A EQUIDADE

Leia mais

Metodologia de Planeamento de Projectos por Objectivos

Metodologia de Planeamento de Projectos por Objectivos Metodologia de Planeamento de Projectos por Objectivos Planeamento: Ferramentas auxiliares Autor da Bateria de slides/transparências: Rui Pena Bee-Consulting Dezembro de 2004 Projecto Co-financiado por:

Leia mais

Proposta de linhas orientadoras para a elaboração do orçamento de 2016

Proposta de linhas orientadoras para a elaboração do orçamento de 2016 Proposta de linhas orientadoras para a elaboração do orçamento de 2016 Introdução: De entre as competências atribuídas ao Conselho Geral, no âmbito do decreto-lei nº 75/2008 de 22 de abril, pela redação

Leia mais

PLANO TRIENAL 2008/2010

PLANO TRIENAL 2008/2010 Tribunal de Contas PLANO TRIENAL 2008/2010 (EXTRACTO) Departamento de Consultadoria e Planeamento LISBOA / 2007 ÍNDICE 1 Missão do Tribunal de Contas... 3 2. Valores... 3 3. Visão... 3 4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

Mapa de Pessoal dos Serviços Centrais do INEM Ano de 2016

Mapa de Pessoal dos Serviços Centrais do INEM Ano de 2016 Mapa de Pessoal dos Serviços Centrais do INEM Ano de 2016 INEM - Serviços Centrais - Mapa de Pessoal 2016 - Lugares previstos Conselho Diretivo Proceder à gestão, disponibilização e controlo dos recursos

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. A Inspeção-Geral da Defesa Nacional prossegue as seguintes atribuições:

CARTA DE MISSÃO. A Inspeção-Geral da Defesa Nacional prossegue as seguintes atribuições: CARTA DE MISSÃO Ministério da Defesa Nacional Inspetor-Geral da Inspeção-Geral da Defesa Nacional Cargo: Inspetor-Geral da Inspeção-Geral da Defesa Nacional 1. Missão do organismo As atribuições e competências

Leia mais

Case-study Projeto de Assistência Técnica à Direção Nacional de Águas, Angola

Case-study Projeto de Assistência Técnica à Direção Nacional de Águas, Angola Promover Parcerias Win-Win no âmbito do mercado das multilaterais Direção Nacional de Águas, Angola Américo Abreu Ferreira (AdP-I) Henrique Gomes (TESE) 7 de junho de 2016 ENQUADRAMENTO DESIGNAÇÃO E OBJECTO

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE RESÍDUOS DE EMBALAGENS E MEDICAMENTOS MATÉRIAS A ABORDAR NO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES. Versão 1.

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE RESÍDUOS DE EMBALAGENS E MEDICAMENTOS MATÉRIAS A ABORDAR NO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES. Versão 1. SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE RESÍDUOS DE EMBALAGENS E MEDICAMENTOS MATÉRIAS A ABORDAR NO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES Versão 1.0 Abril de 2016 De acordo com o Despacho que concede à VALORMED a licença

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO IGFIJ NA JUSTIÇA PORTUGUESA

ENQUADRAMENTO DO IGFIJ NA JUSTIÇA PORTUGUESA 1 Boas Práticas DESMATERIALIZAÇÃO PROCESSOS NA JUSTIÇA Instituto de Gestão Financeira e Infra-Estruturas da Justiça, I.P. 2 Boas Práticas GRAÇA NAMORA Coordenadora Gabinete Sistemas de Informação 29.10.2010

Leia mais

Programa da Qualidade Política Geral

Programa da Qualidade Política Geral O Hospital Pulido Valente definiu como MISSÂO: Programa da Qualidade Política Geral 1. O Hospital é o estabelecimento de referência para a população envolvente, para as especialidades de que dispõe, desenvolvendo

Leia mais

CONCURSOS DE 2013: Acesso das ONG aos apoios do Programa

CONCURSOS DE 2013: Acesso das ONG aos apoios do Programa CONCURSOS DE 2013: Acesso das ONG aos apoios do Programa FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Nuno Venade* Lisboa, 22 de março de 2013 Índice 1 2 3 4 5 6 Introdução Concursos Candidaturas Admissibilidade Seleção

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Resultados obtidos em 2016

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Resultados obtidos em 2016 Defendendo a Medicina, protegendo a sociedade PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Resultados obtidos em 2016 Curitiba, 27.03.2017 Produtos Etapas de trabalho: Plano de Trabalho Ajustado Capacitação dos Colaboradores

Leia mais

O Instituto do Desporto de Portugal, I.P. (IDP, I.P.) é um Instituto Público dotado de

O Instituto do Desporto de Portugal, I.P. (IDP, I.P.) é um Instituto Público dotado de Conta de Gerência de 2010 RELATÓRIO DE GESTÃO 01-01-2010 A 31-12-2010 1. INTRODUÇÃO O Instituto do Desporto de Portugal, I.P. (IDP, I.P.) é um Instituto Público dotado de personalidade jurídica, autonomia

Leia mais

A CONTABILIDADE PÚBLICA NO PRINCÍPIO DO ACRÉSCIMO

A CONTABILIDADE PÚBLICA NO PRINCÍPIO DO ACRÉSCIMO A CONTABILIDADE PÚBLICA NO PRINCÍPIO DO ACRÉSCIMO Índice 1. Introdução 2. A Contabilidade Pública 2.1 Enquadramento Legal 2.2 Âmbito, Objecto e Características 3. O sistema Contabilístico do Estado 4.

Leia mais

Fundo: Câmara Municipal de Évora Secção: Tesouraria. 1. Descrição ao nível da Série IDENTIFICAÇÃO

Fundo: Câmara Municipal de Évora Secção: Tesouraria. 1. Descrição ao nível da Série IDENTIFICAÇÃO Fundo: Câmara Municipal de Évora Secção: Tesouraria 1. Descrição ao nível da Série 1.1 - IDENTIFICAÇÃO - Código de Referência PT/AMEVR/CME/E/B - Tesouraria - Data 1934-2015 - Nível da Descrição Série (SR)

Leia mais

Planeamento operacional

Planeamento operacional AWARE-P SEMINÁRIOS E CURSOS DE FORMAÇÃO Gestão Patrimonial de Infra-estruturas de Serviços de Águas 2011 Lisboa, Faro, Évora, Coimbra, Porto Módulo 5 Planeamento operacional Estrutura do módulo Estrutura

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO P.TJAM 67 Planejamento Estratégico Elaborado por: Carla Winalmoller

Leia mais

RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SAS. Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) Serviços de Ação Social da Universidade do Porto

RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SAS. Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) Serviços de Ação Social da Universidade do Porto Serviços de Ação Social da Universidade do Porto Homologo / / O Diretor RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SAS Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) 2011 Gabinete de Planeamento, Avaliação

Leia mais

PROGRAMA DA FORMAÇÃO - PRODUÇÃO E MARKETING DE EVENTOS

PROGRAMA DA FORMAÇÃO - PRODUÇÃO E MARKETING DE EVENTOS DESIGNAÇÃO Nome: Produção e Marketing de Eventos Carga horária total: 250 horas Acreditação profissional: n/a Forma de organização da formação: Presencial Público-alvo: Estudantes ou profissionais com

Leia mais

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Carta de Missão Ministério da Economia e do Emprego Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Diretor De de de 201. a.. de. de 201 1. Missão do organismo O Gabinete de Prevenção e

Leia mais

A Nova Visão Financeira do Estado. Conferência Serviços Partilhados e Compras Públicas

A Nova Visão Financeira do Estado. Conferência Serviços Partilhados e Compras Públicas A Nova Visão Financeira do Estado Conferência Serviços Partilhados e Compras Públicas A Nova Visão Financeira do Estado AGENDA 1. Enquadramento 2. Perspetiva sobre a situação atual 3. Elementos da nova

Leia mais

MODELO DE GOVERNAÇÃO ANEXO I

MODELO DE GOVERNAÇÃO ANEXO I MODELO DE GOVERNAÇÃO ANEXO I Modelo de Governação do Fundo para a Modernização da Justiça ENQUADRAMENTO O Fundo para a Modernização da Justiça (FMJ) foi criado pelo artigo 167.º da Lei n.º 55/2010, de

Leia mais

Síntese do Relatório de Atividades de Auditoria Interna

Síntese do Relatório de Atividades de Auditoria Interna Síntese do Relatório de Atividades de Auditoria Interna 2016 7 / Fevereiro / 2017 1 ACSS Relatório de Atividades de Auditoria Interna 2016 Relação de Siglas e Abreviaturas ACSS AEC APDH CA CD DAG GAI GCCI

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

PPDA DA SONORGÁS ANÁLISE DO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ANO GÁS

PPDA DA SONORGÁS ANÁLISE DO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ANO GÁS PPDA DA SONORGÁS ANÁLISE DO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ANO GÁS 2009-2010 Abril 2011 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão

Leia mais

Alto Comissariado da Saúde

Alto Comissariado da Saúde Alto Comissariado da Saúde QUAR 2010 Projecto de Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do Ministério da Saúde) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da Administração Regional de Saúde

Leia mais

Balanced Scorecard Rumo à Excelência

Balanced Scorecard Rumo à Excelência Balanced Scorecard Rumo à Excelência Vontade que nos ata ao leme 15 de Setembro de 2011 Quidgest Portugal R. Castilho n.º 63 6.º 1250-068 Lisboa Portugal tel. (+351) 213 870 563 / 652 / 660 fax. (+351)

Leia mais

Melhoria da eficácia da triagem de resíduos

Melhoria da eficácia da triagem de resíduos 1966-2011 45 anos Melhoria da eficácia da triagem de resíduos hospitalares ao nível do produtor Fátima Gonçalves 15 de Abril de 2011 1 SUCH Associação de natureza privada sem fins lucrativos Mais de 40

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO Avaliação Interna da EPDRR Ano Letivo 2015/2016 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 COMISSÃO DE TRABALHO 4 METODOLOGIA DE TRABALHO ADOTADA 4 DOMÍNIOS

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA Título da Posição: TECNICO DE PROMOÇÃO TURÍSTICA Duração: Local: Instituição: RENOVAÇÃO DEPENDENDO

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. Publicação e atualizações

Leia mais

Workshop de Gestão de Recursos Humanos Objetivos Gerais Dotar os participantes de técnicas, métodos e instrumentos que vão fazer melhorar o planeamento, o acompanhamento e a Gestão dos Recursos Humanos.

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA PRAIA

CÂMARA MUNICIPAL DA PRAIA Índice CÂMARA MUNICIPAL DA PRAIA CONTA DE GERÊNCIA DE 2015 1 Câmara Municipal da Praia CMP Abril 2016 Índice Índice... 1 1-INTRODUÇÃO... 3 2- ALTERAÇÕES ORÇAMENTAIS... 3 3-FINANÇAS PÚBLICAS MUNICIPAIS...

Leia mais

Financas Municipais em Mocambique. Dr. Jose Manuel Guamba

Financas Municipais em Mocambique. Dr. Jose Manuel Guamba Financas Municipais em Mocambique Dr. Jose Manuel Guamba A actividade municipal inscreve-se num contexto legal amplo de atribuições, cujo quadro de competências está estabelecido na Lei 2/97, preconizando

Leia mais

COMARCA DO ALENTEJO LITORAL COMARCA DA GRANDE LISBOA NOROESTE COMARCA DO BAIXO VOUGA

COMARCA DO ALENTEJO LITORAL COMARCA DA GRANDE LISBOA NOROESTE COMARCA DO BAIXO VOUGA COMARCA DO ALENTEJO LITORAL COMARCA DA GRANDE LISBOA NOROESTE COMARCA DO BAIXO VOUGA LINHAS ORIENTADORAS DA REFORMA Eficiência da Organização Adequação à Realidade às Pessoas Regime Legal A lei é aplicável,

Leia mais

Que Reformas Para a Segurança Social?

Que Reformas Para a Segurança Social? A Redução da Taxa Social Única e a Reforma da Segurança Social Que Reformas Para a Segurança Social? Miguel Coelho Instituto de Direito Económico, Fiscal e Financeiro da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

Quinta São João das Areias Rua A Nº66 R/C Sacavém Telefone: Sociedade por Quotas

Quinta São João das Areias Rua A Nº66 R/C Sacavém Telefone: Sociedade por Quotas Resumo Nos Serviços Água, a Construbuild apresenta-se já como uma Referência a Nível deste sector. As actividades desenvolvidas nesta área relacionam-se fundamentalmente, com a Gestão de Equipamentos de

Leia mais

erasa Relatório de Execução Orçamental

erasa Relatório de Execução Orçamental erasa Relatório de Execução Orçamental 2011 Índice 1. Sumário Executivo... 3 2. Análise da Execução Orçamental... 3 2.1 Execução da Receita por Rubricas... 4 2.2 Execução da Despesa por Rubricas... 6 3.

Leia mais

Weglobenergy. Sistemas Energéticos em Piscinas

Weglobenergy. Sistemas Energéticos em Piscinas Weglobenergy Sistemas Energéticos em Piscinas Weglobenergy Empresa de Engenharia Integradora de Serviços: Projectos Fiscalização Auditorias Certificações Energéticas e QAI Implementação de medidas de melhoria

Leia mais

RELATÓRIO SIADAP

RELATÓRIO SIADAP UNIDADE ORGÂNICA: DIRIGENTE: DIRECÇÃO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO E ORDENAMENTO LUCIANO COSTA CARVALHO DIAS DATA: 5 DE MARÇO DE 2012 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS OE I - PROMOVER A URBANIZAÇÃO PROGRAMADA E ARTICULADA

Leia mais

FREGUESIA DE CALHETA MUNICÍPIO DE CALHETA FLUXOS DE CAIXA APROVAÇÃO ANO FINANCEIRO DE Datas das Deliberações / / / /

FREGUESIA DE CALHETA MUNICÍPIO DE CALHETA FLUXOS DE CAIXA APROVAÇÃO ANO FINANCEIRO DE Datas das Deliberações / / / / FREGUESIA DE CALHETA MUNICÍPIO DE CALHETA FLUXOS DE CAIXA APROVAÇÃO ANO FINANCEIRO DE 25 Datas das Deliberações Junta de Freguesia / / Assembleia de Freguesia / / Órgão Executivo Órgão Deliberativo Núcleo

Leia mais

377 QUADRO nº 8 - ÁREAS ORGANIZACIONAIS DA ESCOLA, SUAS SUB-ÁREAS, ATRIBUIÇÕES E ESTRUTURAS IMPLICADAS

377 QUADRO nº 8 - ÁREAS ORGANIZACIONAIS DA ESCOLA, SUAS SUB-ÁREAS, ATRIBUIÇÕES E ESTRUTURAS IMPLICADAS 377 QUADRO nº 8 - ÁREAS ORGANIZACIONAIS DA ESCOLA, SUAS SUB-ÁREAS, ATRIBUIÇÕES E ESTRUTURAS IMPLICADAS ÁREAS ORGANI- ZACIONAIS ESCOLARESs - CURRICULAR SUB-ÁREAS ORGANIZACIONAIS Concepção e Desenho do currículo

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL

ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO JESUS MAIATO Director Nacional de Segurança Social do MAPTSS Benguela. 22. Maio 2014 INSTALAÇÃO DOS NOVOS DEPARTAMENTOS

Leia mais

por uma administração pública de qualidade lisboa, 07.maio.2008

por uma administração pública de qualidade lisboa, 07.maio.2008 por uma administração pública de qualidade lisboa, 07.maio.2008 biblioteca municipal de santa maria da feira: certificação: a qualidade ao serviço dos utilizadores Etelvina Araújo, Rui Campos, Tânia Gonçalves

Leia mais

Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total Patrimônio Líquido Depósitos Totais Nº de Agências

Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total Patrimônio Líquido Depósitos Totais Nº de Agências Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total 10º 11º 11º 11º 11º Patrimônio Líquido 12º 11º 12º 11º 11º Depósitos Totais 8º 8º 8º 8º 7º Nº de Agências 7º 7º 7º 7º 7º Fonte: Banco

Leia mais

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Marcelo De Nardi Porto Alegre, 04 de julho de 2011. CONTEXTUALIZAÇÃO Poder Judiciário no Contexto da Gestão Pública Nacional Processos

Leia mais

Apoio os diversos departamentos do Grupo na definição de seus processos específicos

Apoio os diversos departamentos do Grupo na definição de seus processos específicos Data de Nascimento: 1969/04/12 Residência: Angola - Luanda Email: paula.finisterra@gmail.com Tel : +244 996 314 001 / +351 96 807 94 84 Síntese Profissional Com 24 anos de experiência profissional em distintas

Leia mais