ANO:2011 Ministério da Justiça. Instituto de Gestão Financeira e Infra Estruturas da Justiça, IP. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANO:2011 Ministério da Justiça. Instituto de Gestão Financeira e Infra Estruturas da Justiça, IP. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais"

Transcrição

1 ANO:211 Ministério da Justiça Instituto de Gestão Financeira e Infra Estruturas da Justiça, IP MISSÃO: Assegurar a gestão orçamental, financeira e das instalações afectas ao Ministério da Justiça. Objectivos Estratégicos OE 1 Assegurar as instalações adequadas ao MJ DESIGNAÇÃO META 211 TAXA REALIZAÇÃO OE 2 Assegurar o financiamento adequado às necessidades do MJ OE 3 Melhorar a satisfação dos intervenientes no sistema da justiça com os quais o IGFIJ se relaciona OE 4 Assegurar a adequação da gestão orçamental à estratégia do MJ OE 5 Melhorar a satisfação dos Serviços do MJ relativamente aos serviços prestados OE 6 Melhorar a eficiência na gestão dos recursos do IGFIJ Objectivos Operacionais Eficácia 1.Melhorar a satisfação das necessidades de instalações do MJ 5 Ind 1 Grau(%) execução financeira dos investimentos previstos em PIDDAC 11,8% 15% 6% 1% 8% 6, %

2 Ind 2 Grau (%) de cumprimento das iniciativas incluidas no PA nd nd 7% 1% 9% 4, % 2. Garantir os pagamentos e reembolsos no âmbito dos processos judiciais Ind 3 Cumprimento (%) da data mensal para processamento de ordens de transferência bancária relativas a pagamentos e reembolsos no âmbito dos processos judiciais nd nd 85% 5% 1% 5, % Ind 4 Grau (%) dos pagamentos no âmbito do apoio judiciário em relação ao total dos pagamentos devidos no ano 1% 82% 84% 5% 1% 5, % 3. Garantir o cumprimento das necessidades financeiras e orçamentais dos Serviços do MJ 4 Ind 5 Taxa (%) de execução do orçamento de funcionamento do MJ (despesas totais / orçamento incial) 15% 1% 1% 95% 4, % Ind 6 Cumprimento (%) dos prazos de financiamento dos orçamentos dos Serviços do MJ nd nd 85% 5% 1% 4, % Ind 7 Grau (%) de cobertura das receitas próprias face às das despesas de funcionamento dos Serviços do MJ 63% 41% 66% 2% 7% 2, % Eficiência

3 O4. Reduzir despesas de funcionamento do IGFIJ 5 Ind 8 Poupança (%) gerada, face custo médio, dos encargos do IGFIJ com a prestação de serviço "concepção e acompanhamento de novos empreendimentos" nd nd 1% 2% 15%, % Ind 9 Redução (%) de despesas de funcionamento do IGFIJ em comparação com o ano anterior 39,6% 1,9% 5% 1% 7% 7, % O5. Garantir cumprimento do prazo contratualizado para pagamento a fornecedores 2 Ind 1 Prazo médio (em dias) de pagamentoa a fornecedores IGFIJ 61,6 91, , % 6. Reforçar as competências dos colaboradores para o cumprimento da missão do IGFIJ Ind 11 Grau (%) de concretização do Plano de Formação nd 75% 8% 5% 9% 1, % Qualidade 7. Melhorar a prestação de serviço aos Serviços do MJ 2. Ind 12 Taxa de respostas obtidas ao inquérito de avaliação do serviço prestado pelo IGFIJ Ind 13 indice da qualidade do serviço prestado nd nd 8% 5% 9%, % nd nd 6,5 8 7, % 8. Melhorar a prestação de serviço aos prestadores de serviços no âmbito do sistema judicial 2

4 Ind 14 Taxa de respostas obtidas ao inquérito de auscultação realizado no âmbito da prestação de pagamentos de custas judiciais e apoio judiciário nd nd 5% 1% 1% 1, % Ind 15 indice de qualidade do serviço prestado no âmbito das custas Judiciais Ind 16 indice de qualidade do serviço prestado no âmbito do Apoio Judiciário nd nd 6,5 7 45, % nd nd 5,5 6 45, % O9. Melhorar Sistema de Gestão da Qualidade do IGFIJ 5 Ind 17 Cumprimento do prazo de aprovação da Norma de Controlo Interno do IGFIJ Projecto SMART Ind 18 Cumprimento do prazo de aprovação do Manual de Procedimentos "Disponibilizar instalações afectas ao MJ" Projecto SMART Ind 19 Cumprimento do prazo de aprovação do Manual de Procedimentos "Gerir e financiar orçamento do MJ" Projecto SMART Ind 2 Cumprimento do prazo de aprovação do Manual de Procedimentos "Gerir Recursos de informação" com proposta de Regulamento de Conservação Arquivística do IGFIJ Projecto SMART na na Semana 25 1 semana Mai 1, % na na Semana 21 1 semana Abr 1, % na na Semana 25 1 semana Mai 1, % na na Semana 17 1 semana Mar 1, % Ind 21 Cumprimento do prazo de aprovação do Manual de Projecto dos Tribunais na na Semana 25 1 semana Mai 1, %

5 Ind 22 Cumprimento do prazo de aprovação do Manual de Projecto dos Estabelecimentos Prisionais Ind 23 Cumprimento do prazo de Implementação de ferramenta aplicacional de gestão documental (4 workflows processos criticos) na na Semana 39 1 semana Jul 1, % na na Semana 43 1 semana 31 Ago 2, % Ind 24 Elaboração do Plano Estratégico da Gestão do Património Imobiliário do MJ (1ª fase) na na Semana 12 1 semana 15 Mar 2, % NOTA EXPLICATIVA JUSTIFICAÇÃO DE DESVIOS AVALIAÇÃO FINAL Eficácia Eficiência Qualidade

6 Recursos Humanos DESIGNAÇÃO PONTUAÇÃO PLANEADOS REALIZADOS DESVIO Dirigentes Direcção Superior Dirigentes Direcção intermédia e chefes de equipa Técnico Superior (inclui especialistas de informática) Coordenador Técnico (inclui chefes de secção) Assistente Técnico (inclui técnicos de informática) Encarregado geral operacional Encarregado operacional Assitente operacional Total 13,4 7,4 5,1 3,4 2,4 1,6 33,3 53,7 126,3 277,4 3,4 1 15,6 576,4 Recursos Financeiros DESIGNAÇÃO PLANEADOS EXECUTADOS DESVIO Orçamento de funcionamento Despesas c/pessoal Aquisições de Bens e Serviços Outras despesas correntes Transf. Correntes PIDDAC TOTAL (OF+PIDDAC)

Quadro de Avaliação e Responsabilização

Quadro de Avaliação e Responsabilização ANO: Ministério da Educação e Ciência Fundação para a Ciência e Tecnologia, I.P. MISSÃO: A FCT tem por missão apoiar, financiar e avaliar o Sistema Nacional de Investigação e Inovação, desenvolver a cooperação

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde ANO: 2013 Ministério da Saúde NOME DO ORGANISMO - Secretaria-Geral do Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO A Secretaria-Geral do Ministério da Saúde (SGMS) tem por missão assegurar o apoio técnico e

Leia mais

META 2017 Tolerância Valor crítico PESO Mês RESULTADO TAXA REALIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO 80% 80% 80% 10% 100% 20% 90% 90% 90% 0% 100% 50%

META 2017 Tolerância Valor crítico PESO Mês RESULTADO TAXA REALIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO 80% 80% 80% 10% 100% 20% 90% 90% 90% 0% 100% 50% ANO: 2017 Ministério da Justiça Direção-Geral da Política de Justiça MISSÃO: A DGPJ tem por missão prestar apoio técnico, acompanhar e monitorizar políticas, organizar e fomentar o recurso aos tribunais

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 FCT

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 FCT QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Visão: Objectivos Estratégicos (OE): OE 1. Fomentar o desenvolvimento da competência científica e tecnológica

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO: regulamentar, orientar e coordenar as atividades de promoção da saúde e prevenção da doença, definir as condições técnicas para adequada prestação de cuidados de saúde, planear e programar

Leia mais

nº de Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTSP) em projeto piloto 1-100,0

nº de Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTSP) em projeto piloto 1-100,0 QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO - 2014 Ministério da Educação e Ciência Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) MISSÃO: A qualificação de alto nível dos cidadãos, a produção e difusão do

Leia mais

ANO:2014 Ministério da Educação e Ciência ACADEMIA DAS CIÊNCIAS DE LISBOA

ANO:2014 Ministério da Educação e Ciência ACADEMIA DAS CIÊNCIAS DE LISBOA ANO:214 Ministério da Educação e Ciência ACADEMIA DAS CIÊNCIAS DE LISBOA Missão: Assegurar ao Governo português consultoria em matéria linguística. Coordenar a sua acção com a Academia Brasileira de Letras

Leia mais

Carta de Missão do Dirigente Superior de 2.º Grau

Carta de Missão do Dirigente Superior de 2.º Grau Carta de Missão do Dirigente Superior de 2.º Grau Ministério: Ministério da Justiça (MJ) Serviço\Organismo: Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça, I.P. (IGFEJ, I.P.) Cargo e Titular:

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO - Regular e supervisionar os sectores dos medicamentos e produtos de saúde, segundo os mais elevados padrões de protecção da saúde pública e garantir o acesso dos profissionais de saúde

Leia mais

Resultado (40-45) (31-33) (2-3) (4-5) (85% - 90%) (60% - 65%) (50% - 55%) na 1

Resultado (40-45) (31-33) (2-3) (4-5) (85% - 90%) (60% - 65%) (50% - 55%) na 1 ANO: 2012 Data de atualização: Ministério : Ministério da Administração Inter (MAI) Organismo: Inspeção-Geral de Administração Inter (IGAI) Missão: Inspecior, auditar e fiscalizar as entidades sob a tutela

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: 2016-2020 1. Missão do Organismo

Leia mais

Organização, gestão e regulação das actividades de. Prestação de Serviços Especializados (PSE) na Universidade de Coimbra

Organização, gestão e regulação das actividades de. Prestação de Serviços Especializados (PSE) na Universidade de Coimbra Organização, gestão e regulação das actividades de Prestação de Serviços Especializados (PSE) na Universidade de Coimbra Estrutura do Documento I Contexto situação actual objectivos definidos II Elaboração

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) SIADAP 1 - Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) SIADAP 1 - Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO : Garantir à população da região de saúde do Norte o acesso a cuidados de saúde de qualidade, em tempo útil e a custos socialmente comportáveis, adequando os recursos disponíveis às

Leia mais

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização Ministério: Organismo: MISSÃO: Ministério das Finanças e da Administração Pública Direcção-Geral do Orçamento A Direcção-Geral do Orçamento (DGO) tem por missão superintender na elaboração e execução do

Leia mais

_relatório de monitorização _QUAR 2013 _1º semestre

_relatório de monitorização _QUAR 2013 _1º semestre _relatório de monitorização _QUAR 2013 _1º semestre INSA, IP_ Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge julho de 2013 Coordenado: Glória Almeida _Índice _1. Nota Introdutória... 3 _2. Desempenho

Leia mais

Eficácia 01. Melhorar a satisfação das necessidades e das condições de instalação dos serviços do MJ

Eficácia 01. Melhorar a satisfação das necessidades e das condições de instalação dos serviços do MJ ANEXO II ANO: 2015 Ministério da Justiça Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça, IP MISSÃO: Gestão dos recursos financeiros do Ministério da Justiça, do património afeto à área da justiça,

Leia mais

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES MAPA DE S / 01. Dotar os responsáveis pela gestão escolar de formação técnica em Balanced Scorecard; 01.1. Dotar os Orgãos de Gestão de formação em BSC. Acção 1. Sensibilizar os órgãos de gestão para a

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2009

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2009 Governo Regional dos Açores Vice Presidência do Governo QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2009 Departamento: Vice Presidência do Governo Regional dos Açores Organismo: RIAC Agência para a Modernização

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO - 009 Presidência do Conselho de Ministros ORGANISMO: INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA, I.P. MISSÃO: O Instituto Nacional de Estatística tem por Missão produzir

Leia mais

Instituto de Gestão de Fundos de Capitalização da Segurança Social, I.P.

Instituto de Gestão de Fundos de Capitalização da Segurança Social, I.P. Instituto de Gestão de Fundos de Capitalização da Segurança Social, I.P. QUAR 2013 I. Enquadramento estratégico O planeamento, pelo IGFCSS, IP, das atividades para 2013 está sujeito aos constrangimentos

Leia mais

Nº de postos de trabalho Presidente 1 Vice-Presidente 1 Vogal 1 Secretário do Conselho Diretivo 1. Área de formação académica e/ou profissional

Nº de postos de trabalho Presidente 1 Vice-Presidente 1 Vogal 1 Secretário do Conselho Diretivo 1. Área de formação académica e/ou profissional Atribuições / Competências/Atividades Cargo/Carreira/ Categoria Conselho Diretivo Área de formação académica e/ou profissional Nº de postos de trabalho Presidente 1 Vice-Presidente 1 Vogal 1 Secretário

Leia mais

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho.

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. Finalidades Identificar pontos fortes e fracos e oportunidades de

Leia mais

O Instituto do Desporto de Portugal, I.P. (IDP, I.P.) é um Instituto Público dotado de

O Instituto do Desporto de Portugal, I.P. (IDP, I.P.) é um Instituto Público dotado de Conta de Gerência de 2010 RELATÓRIO DE GESTÃO 01-01-2010 A 31-12-2010 1. INTRODUÇÃO O Instituto do Desporto de Portugal, I.P. (IDP, I.P.) é um Instituto Público dotado de personalidade jurídica, autonomia

Leia mais

ANO:2011 Ministério da Saúde. Administração regional de saúde do Norte, I.P. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais.

ANO:2011 Ministério da Saúde. Administração regional de saúde do Norte, I.P. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais. ANO:2011 Ministério da Saúde Administração regional de saúde do Norte, I.P. MISSÃO: Garantir à população da sua área de influência o acesso à prestação de cuidados de saúde de qualidade e cumprir e fazer

Leia mais

Ministério da Defesa Nacional. Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional. Cargo e Titular: Secretário-geral do Ministério da Defesa Nacional

Ministério da Defesa Nacional. Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional. Cargo e Titular: Secretário-geral do Ministério da Defesa Nacional CARTA DE MISSÃO Ministério da Defesa Nacional Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional Cargo e Titular: Secretário-geral do Ministério da Defesa Nacional 1. Missão do organismo As atribuições

Leia mais

CUSTOS SIMPLIFICADOS Modalidade Montantes Fixos Workshop 1. Lisboa, 6 de novembro de 2015

CUSTOS SIMPLIFICADOS Modalidade Montantes Fixos Workshop 1. Lisboa, 6 de novembro de 2015 CUSTOS SIMPLIFICADOS Modalidade Montantes Fixos Workshop 1 Lisboa, 6 de novembro de 2015 2 Custos Simplificados - Montantes Fixos Modalidade de Montantes Fixos Os custos elegíveis de uma operação são calculados

Leia mais

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Carta de Missão Ministério da Economia e do Emprego Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Diretor De de de 201. a.. de. de 201 1. Missão do organismo O Gabinete de Prevenção e

Leia mais

FREGUESIA DE CALHETA MUNICÍPIO DE CALHETA FLUXOS DE CAIXA APROVAÇÃO ANO FINANCEIRO DE Datas das Deliberações / / / /

FREGUESIA DE CALHETA MUNICÍPIO DE CALHETA FLUXOS DE CAIXA APROVAÇÃO ANO FINANCEIRO DE Datas das Deliberações / / / / FREGUESIA DE CALHETA MUNICÍPIO DE CALHETA FLUXOS DE CAIXA APROVAÇÃO ANO FINANCEIRO DE 25 Datas das Deliberações Junta de Freguesia / / Assembleia de Freguesia / / Órgão Executivo Órgão Deliberativo Núcleo

Leia mais

PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS O MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS O MINISTÉRIO DA JUSTIÇA PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E O MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Considerando que, A Constituição da República Portuguesa, inspirada no artigo

Leia mais

Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS)

Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS) Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS) CAPÍTULO I Natureza, Fins e Atribuições Artigo 1º (Natureza, Constituição, Localização) 1. O Instituto de Psicologia

Leia mais

A implementação do Balanced Scorecard como ferramenta prática para o controlo estratégico com integração dos indicadores para regulação O caso da

A implementação do Balanced Scorecard como ferramenta prática para o controlo estratégico com integração dos indicadores para regulação O caso da A implementação do Balanced Scorecard como ferramenta prática para o controlo estratégico com integração dos indicadores para regulação O caso da INOVA-EM-SA A implementação do Balanced Scorecard como

Leia mais

PLANO TRIENAL 2008/2010

PLANO TRIENAL 2008/2010 Tribunal de Contas PLANO TRIENAL 2008/2010 (EXTRACTO) Departamento de Consultadoria e Planeamento LISBOA / 2007 ÍNDICE 1 Missão do Tribunal de Contas... 3 2. Valores... 3 3. Visão... 3 4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

Regulamento de Cooperação CAPÍTULO I. Da Natureza, Objecto e Objectivos da RBA. Artigo 1º. Natureza. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º.

Regulamento de Cooperação CAPÍTULO I. Da Natureza, Objecto e Objectivos da RBA. Artigo 1º. Natureza. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º. Regulamento de Cooperação A rede de Bibliotecas de Arraiolos adiante designada RBA, foi criada pelo acordo de cooperação número oitenta e cinco de dois mil e onze e pelo protocolo assinado entre a Câmara

Leia mais

Workshop de Gestão de Recursos Humanos Objetivos Gerais Dotar os participantes de técnicas, métodos e instrumentos que vão fazer melhorar o planeamento, o acompanhamento e a Gestão dos Recursos Humanos.

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE COMPRAS ELECTRÓNICAS. Aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros 111/2003 de 12 de Agosto de 2003

PROGRAMA NACIONAL DE COMPRAS ELECTRÓNICAS. Aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros 111/2003 de 12 de Agosto de 2003 PROGRAMA NACIONAL DE COMPRAS ELECTRÓNICAS Aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros 111/2003 de 12 de Agosto de 2003 OBJECTIVOS DO PROGRAMA NACIONAL E COMPRAS ELECTRÓNICAS O Programa Nacional de

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO IGFIJ NA JUSTIÇA PORTUGUESA

ENQUADRAMENTO DO IGFIJ NA JUSTIÇA PORTUGUESA 1 Boas Práticas DESMATERIALIZAÇÃO PROCESSOS NA JUSTIÇA Instituto de Gestão Financeira e Infra-Estruturas da Justiça, I.P. 2 Boas Práticas GRAÇA NAMORA Coordenadora Gabinete Sistemas de Informação 29.10.2010

Leia mais

Fundo: Câmara Municipal de Évora Secção: Tesouraria. 1. Descrição ao nível da Série IDENTIFICAÇÃO

Fundo: Câmara Municipal de Évora Secção: Tesouraria. 1. Descrição ao nível da Série IDENTIFICAÇÃO Fundo: Câmara Municipal de Évora Secção: Tesouraria 1. Descrição ao nível da Série 1.1 - IDENTIFICAÇÃO - Código de Referência PT/AMEVR/CME/E/B - Tesouraria - Data 1934-2015 - Nível da Descrição Série (SR)

Leia mais

Orçamento do Estado 2016

Orçamento do Estado 2016 Orçamento do Estado 2016 Programa Orçamental da Saúde 25 de fevereiro de 2016 1 1. Orçamento do Estado 2016 2 ORÇAMENTO DO ESTADO 2016 RESPONSÁVEL CONSTITUCIONAL VALORIZA OS PROFISSIONAIS PROMOVE A EQUIDADE

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA Título da Posição: TECNICO DE PROMOÇÃO TURÍSTICA Duração: Local: Instituição: RENOVAÇÃO DEPENDENDO

Leia mais

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS Programa Operacional Factores de Competitividade Deliberações CMC POFC: 16/07/2008 Assistência Técnica do POFC Entrada em vigor DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO em 17/07/2008 Artigo 1.º Objecto O presente regulamento

Leia mais

CURSO ELABORAÇÃO DO PLANO DE FORMAÇÃO E A GESTÃO DA FORMAÇÃO

CURSO ELABORAÇÃO DO PLANO DE FORMAÇÃO E A GESTÃO DA FORMAÇÃO CURSO ELABORAÇÃO DO PLANO DE FORMAÇÃO E A GESTÃO DA FORMAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO

Leia mais

Modernização da Gestão do Tribunal de Justiça do RS. Omar Jacques Amorim Diretor-Geral TJRS

Modernização da Gestão do Tribunal de Justiça do RS. Omar Jacques Amorim Diretor-Geral TJRS Modernização da Gestão do Tribunal de Justiça do RS Omar Jacques Amorim Diretor-Geral TJRS Porto Alegre, sexta-feira, 19 de agosto de 2011 Tribunal de Justiça do RS 1L EVOLUÇÃO DO PROJETO E PRINCÍPAIS

Leia mais

CONCURSOS DE 2013: Acesso das ONG aos apoios do Programa

CONCURSOS DE 2013: Acesso das ONG aos apoios do Programa CONCURSOS DE 2013: Acesso das ONG aos apoios do Programa FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Nuno Venade* Lisboa, 22 de março de 2013 Índice 1 2 3 4 5 6 Introdução Concursos Candidaturas Admissibilidade Seleção

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

A Nova Visão Financeira do Estado. Conferência Serviços Partilhados e Compras Públicas

A Nova Visão Financeira do Estado. Conferência Serviços Partilhados e Compras Públicas A Nova Visão Financeira do Estado Conferência Serviços Partilhados e Compras Públicas A Nova Visão Financeira do Estado AGENDA 1. Enquadramento 2. Perspetiva sobre a situação atual 3. Elementos da nova

Leia mais

PPDA DA SONORGÁS ANÁLISE DO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ANO GÁS

PPDA DA SONORGÁS ANÁLISE DO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ANO GÁS PPDA DA SONORGÁS ANÁLISE DO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ANO GÁS 2009-2010 Abril 2011 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão

Leia mais

Freguesia de Norte Pequeno

Freguesia de Norte Pequeno Mapa do Orçamento de Receita (Inicial) Ano de 2016 Orçamento de Receita - Previsões Iniciais Data: 29-10-2016 Ano: 2016 (unidade: euros) 01.... 01.02... Código Designação Montante Receitas Correntes Impostos

Leia mais

Quadro Resumo. Metodologias de Elaboração do Orçamento do Estado

Quadro Resumo. Metodologias de Elaboração do Orçamento do Estado Quadro Resumo Metodologias de Elaboração do Orçamento do Estado Introdução A programação do orçamento do estado na base do género significa que os seus distintos classificadores e a estrutura da despesa

Leia mais

RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SAS. Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) Serviços de Ação Social da Universidade do Porto

RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SAS. Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) Serviços de Ação Social da Universidade do Porto Serviços de Ação Social da Universidade do Porto Homologo / / O Diretor RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SAS Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) 2011 Gabinete de Planeamento, Avaliação

Leia mais

Proposta de linhas orientadoras para a elaboração do orçamento de 2016

Proposta de linhas orientadoras para a elaboração do orçamento de 2016 Proposta de linhas orientadoras para a elaboração do orçamento de 2016 Introdução: De entre as competências atribuídas ao Conselho Geral, no âmbito do decreto-lei nº 75/2008 de 22 de abril, pela redação

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO P.TJAM 67 Planejamento Estratégico Elaborado por: Carla Winalmoller

Leia mais

PROGRAMA DA FORMAÇÃO - PRODUÇÃO E MARKETING DE EVENTOS

PROGRAMA DA FORMAÇÃO - PRODUÇÃO E MARKETING DE EVENTOS DESIGNAÇÃO Nome: Produção e Marketing de Eventos Carga horária total: 250 horas Acreditação profissional: n/a Forma de organização da formação: Presencial Público-alvo: Estudantes ou profissionais com

Leia mais

COMARCA DO ALENTEJO LITORAL COMARCA DA GRANDE LISBOA NOROESTE COMARCA DO BAIXO VOUGA

COMARCA DO ALENTEJO LITORAL COMARCA DA GRANDE LISBOA NOROESTE COMARCA DO BAIXO VOUGA COMARCA DO ALENTEJO LITORAL COMARCA DA GRANDE LISBOA NOROESTE COMARCA DO BAIXO VOUGA LINHAS ORIENTADORAS DA REFORMA Eficiência da Organização Adequação à Realidade às Pessoas Regime Legal A lei é aplicável,

Leia mais

Alto Comissariado da Saúde

Alto Comissariado da Saúde Alto Comissariado da Saúde QUAR 2010 Projecto de Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do Ministério da Saúde) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da Administração Regional de Saúde

Leia mais

Execução Orçamental. Receita

Execução Orçamental. Receita Relatório de Gestão No presente relatório, elaborado em conformidade com o estabelecido no ponto 13 do POCAL Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais, visa-se de forma precisa, clara e sintética

Leia mais

ARTIGO 1. O artigo 4 do decreto n 23/01, de 12 de Abril passa a ter a seguinte redacção: Artigo 4. (Direcção dos Serviços de Auditoria e Fiscalização)

ARTIGO 1. O artigo 4 do decreto n 23/01, de 12 de Abril passa a ter a seguinte redacção: Artigo 4. (Direcção dos Serviços de Auditoria e Fiscalização) ARTIGO 1 O artigo 4 do decreto n 23/01, de 12 de Abril passa a ter a seguinte redacção: Artigo 4 (Direcção dos Serviços de Auditoria e Fiscalização) 1. A direcção dos serviços de Auditoria e Fiscalização

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO Avaliação Interna da EPDRR Ano Letivo 2015/2016 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 COMISSÃO DE TRABALHO 4 METODOLOGIA DE TRABALHO ADOTADA 4 DOMÍNIOS

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. Publicação e atualizações

Leia mais

Weglobenergy. Sistemas Energéticos em Piscinas

Weglobenergy. Sistemas Energéticos em Piscinas Weglobenergy Sistemas Energéticos em Piscinas Weglobenergy Empresa de Engenharia Integradora de Serviços: Projectos Fiscalização Auditorias Certificações Energéticas e QAI Implementação de medidas de melhoria

Leia mais

Decreto executivo n.º 66/99 de 7 de Maio

Decreto executivo n.º 66/99 de 7 de Maio Decreto executivo n.º 66/99 de 7 de Maio Havendo a necessidade de dar cumprimento ao estatuído no ponto único, artigo 5º do Capítulo V e no nº, artigo.º do Capítulo IV do Decreto- Lei nº 7/97, de 1 de

Leia mais

Município de Torres Novas

Município de Torres Novas Município de Torres Novas Divisão de Bibliotecas e Museus MVSEV MVNICIPAL CARLOS REIS Regulamento Interno DENOMINAÇÃO Artigo 1º Por deliberação da Câmara Municipal de Torres Novas, de 20 de Abril de 1933,

Leia mais

Tipos de Indicadores. Conceito. O que medir... 25/08/2016

Tipos de Indicadores. Conceito. O que medir... 25/08/2016 Tipos de Indicadores 1 Conceito Características mensuráveis de processos, produtos ou serviços, utilizadas pela organização para acompanhar, avaliar e melhorar o seu desempenho ; OS INDICADORES NECESSITAM

Leia mais

Programa da Qualidade Política Geral

Programa da Qualidade Política Geral O Hospital Pulido Valente definiu como MISSÂO: Programa da Qualidade Política Geral 1. O Hospital é o estabelecimento de referência para a população envolvente, para as especialidades de que dispõe, desenvolvendo

Leia mais

REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO. Artigo 1.º. Definição e Finalidade

REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO. Artigo 1.º. Definição e Finalidade REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO O presente regulamento explicita as competências, responsabilidades e funcionamento do Gabinete de Estudos e Planeamento. Artigo 1.º Definição e Finalidade

Leia mais

Diploma. Aprova a orgânica da Secretaria-Geral do Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia

Diploma. Aprova a orgânica da Secretaria-Geral do Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia Diploma Aprova a orgânica da Secretaria-Geral do Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia Decreto-Lei n.º 54/2014 de 9 de abril O Decreto-Lei n.º 119/2013, de 21 de agosto, alterou a

Leia mais

Que Reformas Para a Segurança Social?

Que Reformas Para a Segurança Social? A Redução da Taxa Social Única e a Reforma da Segurança Social Que Reformas Para a Segurança Social? Miguel Coelho Instituto de Direito Económico, Fiscal e Financeiro da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL

ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO JESUS MAIATO Director Nacional de Segurança Social do MAPTSS Benguela. 22. Maio 2014 INSTALAÇÃO DOS NOVOS DEPARTAMENTOS

Leia mais

Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total Patrimônio Líquido Depósitos Totais Nº de Agências

Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total Patrimônio Líquido Depósitos Totais Nº de Agências Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total 10º 11º 11º 11º 11º Patrimônio Líquido 12º 11º 12º 11º 11º Depósitos Totais 8º 8º 8º 8º 7º Nº de Agências 7º 7º 7º 7º 7º Fonte: Banco

Leia mais

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Marcelo De Nardi Porto Alegre, 04 de julho de 2011. CONTEXTUALIZAÇÃO Poder Judiciário no Contexto da Gestão Pública Nacional Processos

Leia mais

A CONTA GERAL DO ESTADO

A CONTA GERAL DO ESTADO Seminario sobre Responsabilização Financeira e Prestação de Contas Ministerio de Finanças e Cooperação Internacional(MFCI) S.Tomé, 28 à 30 de Maio 2012 A CONTA GERAL DO ESTADO Prestação de Contas Aprovação

Leia mais

Melhoria da eficácia da triagem de resíduos

Melhoria da eficácia da triagem de resíduos 1966-2011 45 anos Melhoria da eficácia da triagem de resíduos hospitalares ao nível do produtor Fátima Gonçalves 15 de Abril de 2011 1 SUCH Associação de natureza privada sem fins lucrativos Mais de 40

Leia mais

Deliberação do Conselho de Ministros

Deliberação do Conselho de Ministros DB 772/2007 2007.12.27 Deliberação do Conselho de Ministros O sector público tem enfrentado uma crescente pressão por parte dos cidadãos e empresas, que manifestam expectativas cada vez maiores quanto

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Colaborar na elaboração do Plano Nacional de Saúde e acompanhar a respetiva execução a nível regional.

CARTA DE MISSÃO. Colaborar na elaboração do Plano Nacional de Saúde e acompanhar a respetiva execução a nível regional. CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Cargo: Vogal do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: Período de 5 anos a contar

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira

Panorama da Economia Brasileira Panorama da Economia Brasileira Nelson Barbosa Secretário de Política Econômica Brasília, 23 de novembro de 2009 1 PRODUÇÃO INDUSTRIAL Índice com ajuste sazonal (jan/2007 = 100) 115 110 110,9 105 101,89

Leia mais

Gabinete de Gestão Financeira

Gabinete de Gestão Financeira Gabinete de Gestão Financeira Í N D I C E Pág. ORÇAMENTO DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PARA 2 0 0 8 EVOLUÇÃO DA DESPESA CONSOLIDADA - 2007 / 2008 2 DESPESA CONSOLIDADA SEGUNDO A CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA 3 EVOLUÇÃO

Leia mais

Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo

Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças Fernando Teixeira dos Santos - 16 de Janeiro de 2008 - Senhores

Leia mais

Objectivos Estratégicos Meta 2008 Taxa de Realização

Objectivos Estratégicos Meta 2008 Taxa de Realização Data de Actualização: 08/9/2008 Ministério: Organismo: Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Instituto Politécnico de Santarém MISSÃO: A criação, transmissão e difusão da cultura, da ciência

Leia mais

INDICADORES E METAS ESTRATÉGICOS

INDICADORES E METAS ESTRATÉGICOS 1 Reduzir homicídios Redução do número de homicídios Identificar a redução do número de homicídios no país 5% ao ano por 3 anos ou 15 % no final de 2018 2 Reduzir a violência no trânsito das rodovias federais

Leia mais

Protocolo de Cooperação Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais do Conselho de Almeida

Protocolo de Cooperação Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais do Conselho de Almeida Página1 Protocolo de Cooperação 2010 Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais do Conselho de Almeida Página2 A Rede de Bibliotecas de Almeida, adiante designada RBA, foi criada por protocolo assinado

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 40/XIII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 40/XIII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 40/XIII Exposição de Motivos A aprovação de uma Lei de programação de infraestruturas e equipamentos para as Forças e Serviços de Segurança do Ministério da Administração Interna (Lei

Leia mais

DIRETRIZES DO CCA-IST

DIRETRIZES DO CCA-IST DIRETRIZES DO CCA-IST 19.01.2015 PLANEAMENTO DO SIADAP PARA 2015-2016 Nos termos dos artigos 58.º e 62.º da Lei do SIADAP 1 (LSIADAP), o Conselho Coordenador de Avaliação (CCA) define as regras a seguir

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS EXERCÍCIO DE 2010

PRESTAÇÃO DE CONTAS EXERCÍCIO DE 2010 PRESTAÇÃO DE CONTAS EXERCÍCIO DE 2010 RESTOS A PAGAR DE 2009 PAGOS EM 2010 VI e AR 73.190,00 Valores Líquidos da folha (Serviços médicos p/ funcionários + HE) 17.712,04 Entidades Públicas Credoras (Cota

Leia mais

MODELO DE GOVERNAÇÃO ANEXO I

MODELO DE GOVERNAÇÃO ANEXO I MODELO DE GOVERNAÇÃO ANEXO I Modelo de Governação do Fundo para a Modernização da Justiça ENQUADRAMENTO O Fundo para a Modernização da Justiça (FMJ) foi criado pelo artigo 167.º da Lei n.º 55/2010, de

Leia mais

ANO:2011. Objectivos Estratégicos DESIGNAÇÃO OE1 OE2 OE3 OE4 OE5 OE6 OE7 OE8 OE9

ANO:2011. Objectivos Estratégicos DESIGNAÇÃO OE1 OE2 OE3 OE4 OE5 OE6 OE7 OE8 OE9 ANO:211 Ministério da Saúde Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, IP MISSÃO: Contribuir, quer no âmbito laboratorial quer em assistência diferenciada, para ganhos em saúde pública, através da

Leia mais

Indicadores (AP s) Administrações Publicas. Indicadores (AC) Administração Central

Indicadores (AP s) Administrações Publicas. Indicadores (AC) Administração Central Indicadores (AP s) Administrações Publicas Indicadores (AC) Administração Central Funcional Económica Introdução A presente solução é uma ferramenta que pretende mostrar aos cidadãos interessados em matérias

Leia mais

Divulgação dos Resultados 4T13 e 2013

Divulgação dos Resultados 4T13 e 2013 Divulgação dos Resultados 4T13 e 2013 Market Share Indicadores dez/09 dez/10 dez/11 dez/12 set/13 Ativo Total * 10º 11º 11º 11º 11º Patrimônio Líquido * 11º 12º 11º 11º 11º Depósitos Totais 8º 8º 8º 7º

Leia mais

NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NO IPL

NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NO IPL NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NO IPL Cada Unidade Orgânica deve constituir uma bateria de objectivos directamente relacionados com o QUAR / Plano de Actividades por carreiras de onde serão seleccionados

Leia mais

10. Metas e Indicadores 1. PERSPECTIVA: SOCIEDADE. Tema: Qualidade 2. PERSPECTIVA: PROCESSOS INTERNOS. Tema: Responsabilidade socioambiental

10. Metas e Indicadores 1. PERSPECTIVA: SOCIEDADE. Tema: Qualidade 2. PERSPECTIVA: PROCESSOS INTERNOS. Tema: Responsabilidade socioambiental 10. Metas e Indicadores As metas representam os resultados a serem alcançados pelo tribunal para atingir os objetivos propostos. Elas permitem um melhor controle do desempenho da instituição, pois são

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO. Introdução

RELATÓRIO DE GESTÃO. Introdução RELATÓRIO DE GESTÃO Introdução O relatório de gestão enquadra-se no âmbito da prestação de contas relativa ao exercício de 2010 e foi elaborado de acordo com os procedimentos estabelecidos no Plano Oficial

Leia mais

Maria Neuza Neto de Forte Gomes Reis

Maria Neuza Neto de Forte Gomes Reis Curriculum vitae INFORMAÇÃO PESSOAL Maria Neuza Neto de Forte Gomes Reis Rua Miguel Russel, nº 26-5 Dto, 2855-120 Corroios (Portugal) 911980406 neuza.greis@gmail.com POSTO DE TRABALHO A QUE SE CANDIDATA

Leia mais

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO Através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 52-A/2015, de 23 de julho, o Governo criou a estrutura de missão designada por Estrutura de Gestão do Instrumento Financeiro

Leia mais

36.ª Reunião. Comissão de Acompanhamento. do Fundo de Coesão II. 11 de Março de Hotel Sana, Lisboa. UNIÃO EUROPEIA Fundo de Coesão II

36.ª Reunião. Comissão de Acompanhamento. do Fundo de Coesão II. 11 de Março de Hotel Sana, Lisboa. UNIÃO EUROPEIA Fundo de Coesão II 36.ª Reunião Comissão de Acompanhamento do Fundo de Coesão II Hotel Sana, Lisboa 11 de Março de 2011 UNIÃO EUROPEIA Fundo de Coesão II Ordem de Trabalhos 1. Aprovação da Ordem de Trabalhos 2. Aprovação

Leia mais

POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, AUTOMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS. 2ª Versão

POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, AUTOMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS. 2ª Versão POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, AUTOMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS 2ª Versão Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Princípios... 4 4 Diretrizes... 5 5 Responsabilidades... 5

Leia mais

7.3 - Mapa de Fluxos de Caixa Data de lançamento até Código Recebimentos

7.3 - Mapa de Fluxos de Caixa Data de lançamento até Código Recebimentos Instituição: ARSLVT, IP Página: 1 Código Recebimentos SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR: EXECUÇÃO ORÇAMENTAL - FUNDOS PRÓPRIOS: DE DOTAÇÕES ORÇAMENTAIS (OE OU OE-...) 0,00 0,00 DE INVESTIMENTO DO PLANO 112.420,03

Leia mais

FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO DECRETO DO PARLAMENTO NACIONAL N.º 71/II FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento, coordenação,

Leia mais

RELATÓRIO SIADAP

RELATÓRIO SIADAP UNIDADE ORGÂNICA: DIRIGENTE: DIRECÇÃO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO E ORDENAMENTO LUCIANO COSTA CARVALHO DIAS DATA: 5 DE MARÇO DE 2012 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS OE I - PROMOVER A URBANIZAÇÃO PROGRAMADA E ARTICULADA

Leia mais

>< Grandes Opções do Plano e Orçamento 2016 Câmara Municipal do Seixal ENQUADRAMENTO ORÇAMENTAL

>< Grandes Opções do Plano e Orçamento 2016 Câmara Municipal do Seixal ENQUADRAMENTO ORÇAMENTAL >< Grandes Opções do Plano e Orçamento 2016 ENQUADRAMENTO ORÇAMENTAL >< 47 >< Grandes Opções do Plano e Orçamento 2016 Enquadramento Orçamental para o Exercício de 2016 Dando cumprimento ao disposto na

Leia mais