Jogos dinâmicos com informação incompleta

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Jogos dinâmicos com informação incompleta"

Transcrição

1 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 Jogos dinâmicos com informação incompleta Mas-Collel e Green capítulo 9 Refinamentos do conceito de quilíbrio i de Nash 1 Roteiro da aula: Racionalidade d seqüencial quilíbrio Bayesiano perfeito fraco [quilíbrio bayesiano perfeito forte] quilíbrio Seqüencial Forward Indução Aplicações de NPS quilíbrio de Nash rembling Hand xtensivo CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 1

2 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 (0,) Racionalidade Seqüencial a estratégia de um jogador deve especificar ações ótimas em todo ponto na árvore do jogo. Isso significa que o estratégias de equilíbrio especificam comportamento ótimo a partir de qualquer ponto de decisão na árvore do jogo. Um jogador é o itular e o outro é um ntrante potencial. Racionalidade Seqüencial: depois de entrar a única estratégia ótima para o jogador é escolher Out Acomodar In (-3,-1) (,1) xemplo 1: Jogo dinâmico finito de informação completa e perfeita 0 1 Forma Reduzida 3 Podemos representar o jogo na forma normal: Jogador Jogador Out In Lutar se Acomodar se joga In joga In (0,) (0,) (-3,1) (,1) 4 CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS]

3 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 Proposição: em jogos dinâmicos finitos de informação perfeita a Indução Retroativa captura a idéia de Racionalidade Seqüencial. eoremadezermelo: odo jogo finito de informação perfeita tem um quilíbrio de Nash em stratégias Puras que pode ser derivado através de Indução Retroativa. Além disso, se nenhum jogador tem os mesmos payoffs em qualquer dois nódulos terminais, então há um único quilíbrio de Nash que pode ser derivado por Indução Retroativa. 5 xemplo : Jogo dinâmico de informação completa e imperfeita Out In (0,) Lutar Acomodar (-3,-1) (1,-) (-,-1) (3,1) Jogador Acomodar Lutar Jogador Acomodar Lutar 3,1 -,-1 1,- -3,-1 Out In NPS captura a idéia de Racionalidade Seqüencial (0,) (3,1) 6 CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 3

4 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 O mesmo jogo representado na forma Normal Acomodar se Jogar In Jogador Lutar se Jogar In Jog gador Out, Acomodar Se In 0, 0, Out, Lutar Se In 0, 0, In, Acomodar Se 31 3,1 -,-1 In In, Lutar Se In 1,- -1,-1 7 I. Proposição: em um jogo finito de informação perfeita todo nódulo de decisão inicia um subjogo; II. Proposição: todo NPS é um quilíbrio de Nash, afinal, o jogo como um todo é um subjogo, mas nem todo quilíbrio de Nash é um NPS. III. Proposição: odo jogo finito de informação perfeita tem NPS de estratégias puras e, se nenhum jogador tem os mesmos payoffs em quaisquer dois nódulos terminais, então o NPS é único. 8 CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 4

5 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 xemplo 3: he Niche Choice Game Out In (0,) Small Large Niche Niche (-6,-6) (-1,1) (1,-1) (-3,-3) Jogador Acomodar Lutar Jogador Acomodar Lutar -6,-6-1,1 1,-1-3,-3 Out In Out In Veja: os equilíbrios são distintos e com implicações de ganhos distintas para o jogadores (0,) (1,-1) (0,) (-1,1) 9 Proposição: Considere um jogo na forma extensiva envolvendo sucessivas jogadas de -jogos simultâneos com os jogadores observando as estratégias puras jogadas em cada jogo imediatamente depois que seu jogo é concluído. Assuma que o payoff de cada jogador é igual à soma dos payoffs nas jogadas dos -jogos. Se há um único quilíbrio de Nash em cada -jogo, então, há um NPS que consiste em cada jogador jogar o N em cada -jogo, independentemente do que tenha acontecido previamente. Idéia básica: aplicação da lógica de Indução Retroativa Observação: NPS exclui dependência da história de estratégias nessa classe de jogos. Proposição: se cada subjogo tem um único N, então, o NPS não pode ser histórico depedente; Jogo da Centópeia enfraquece a noção de NPS (ver Rosenthal, 1981, para uma introdução olhar Montet e Serra) 10 CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 5

6 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 Crenças e Racionalidade Seqüencial O NPS nem sempre é suficiente para capturar Racionalidade Seqüencial Alguns jogos podem deixar passar NPS em ameaças vazias: ocorre quando o único subjogo do jogo é próprio jogo. Nesse caso todos os N do jogo são também NPS, inclusive os N em ameaças vazias. 11 xemplo 4: Jogo dinâmico de informação completa e imperfeita Out In1 In (0,) (-1,-1) (3,0) (-1,-1) (,1) Agora: O jogador ntrante possui duas estratégias para ntrar A Firma itular: é incapaz de antecipar qual a estratégia que a Firma usou se ela resolveu entrar. 1 CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 6

7 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 xemplo 4: Jogo dinâmico de informação completa e imperfeita NPS1: (out, lutar se entrada ocorre) NPS: (In1, acomodar se entrada ocorre) Out In1 In (0,) Nova questão: como eliminar o N não razoável??? Observe: qualquer que seja a estratégia de ntrada do jogador o itular prefere Acomodar se a ntrada ocorrer. (-1,-1) (3,0) (-1,-1) (,1) Nesse caso, o único subjogo é o próprio jogo, então, os dois N S são NPS, ou seja, não é possível usar NPS para selecionar entre os Ns. 13 Comentários A solução desse problema exige um novo refinamento da noção de quilíbrio. Saída: reforçar a noção de Racionalidade Seqüencial. Racionalidade Seqüencial: a Ação do jogador deve ser ótima para alguma crença [do ] sobre qual a estratégia será usada pelo jogador. No jogo: Lutar se o escolhe ntrar não é uma escolha ótima do jogador para qualquer crença que o possa ter. Conseqüência desse novo raciocínio: devemos considerar formalmente a CRNÇA dos jogadores e usá-la para testar racionalidade seqüencial dos jogadores. Novo conceito solução: quilíbrio Bayesiano Perfeito Fraco ou quilíbrio Seqüencial Fraco (Myerson, 1991) 14 CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 7

8 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 quilíbrio Bayesiano Perfeito Fraco xigência básica do BP fraco : em qualquer ponto do jogo uma estratégia do jogador deve prescrever ações ótimas a partir daquele ponto dadas as estratégias té dos jogadores oponentes e e as suas [do jogador que toma decisão] crenças sobre o que ocorreu no jogo até aquele ponto de decisão. Além disso, suas crenças devem ser consistentes com as estratégias que estão sendo jogadas. Definições novas: 1. Sistema de crenças. Racionalidade Seqüencial de stratégias 15 Crenças Definição: um sistema de crenças μ em um jogo na forma extensiva é a especificação de uma probabilidade μ ( x) [ 0,1] para cada nódulo de decisão x no jogo extensivo, tal que: x CI μ ( x) 1 = CI É gerada pela natureza Sistema de Crenças: specifica, para cada conjunto de informação, uma avaliação probabilística e essa avaliação deve ser realizada pelo jogador que toma decisão naquele ponto de decisão. A avaliação consiste em estimar as probabilidades relativas de se encontrar [chegar a] em cada um dos pontos de decisão do conjunto de informação, condicionadas ao jogo realizar ou alcançar aquele conjunto de informação. Utilidade esperada: dados um Conjunto de informação alcançado e um conjunto de crenças, ou seja, as probabilidades condicionais de está em cada ponto de decisão de seu conjunto de informação, estima-se a utilidade esperada, se ele segue uma ou outra estratégia, dadas as escolhas dos demais jogadores. 16 CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 8

9 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 Utilidade sperada: valor esperado da utilidade obtida com as escolhas do jogadores dadas suas crenças, conjuntos de informações e os payoffs possíveis e as escolhas dos demais jogadores. U [ / CI, μ, s, s ] i i i Agora: racionalidade seqüencial exige que a escolha do jogador em cada ponto de decisão maximize a utilidade esperada do jogador que escolhe. 17 Definição de uma estratégia Seqüencialmente racional: uma estratégia em um jogo dinâmico é considerada seqüencialmente racional e um conjunto de informação e dado um sistema de crenças se, para o jogador i que escolhe no Conjunto de informação CI, temos: UCI / CI, μ, s, /,,, i CI s i CIi UCI CI μ s% i CI s i CI s i % CI S i Se s satisfaz essa condição para todo Conjunto informação, então, dizemos que s é seqüencialmente racional dado o sistema de crenças. Intuição: nas condições especificadas acima nenhum jogador acha interessante desviar dadas as suas crenças sobre o que já ocorreu e sobre as estratégias dos rivais. 18 CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 9

10 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 Condições para definir um BP fraco 1) stratégias devem ser seqüencialmente racionais dadas as crenças ) Sempre que possível, crenças devem ser consistentes com as estratégias. Ou seja, no equilíbrio jogadores devem ter crenças corretas sobre as escolhas de estratégias té dos seus oponentes. [falta definir i crenças consistentes] Definição Crenças consistentes: para cada pondo de decisão pertencente a um conjunto de informação o jogador deve calcular a probabilidade de realização daquele ponto de decisão dado a estratégia s escolhida por ele. deve atribuir probabilidades condicionais de está em cada um desses pontos de decisão dado que o jogo realiza ou alcança o conjunto de informação, usando regra de Bayes. Regra de Bayes: ( ) Pr ob x / CI, s = ( ) ( s) Pr ob x / s x CI Pr ob x / 19 xemplo 4: Jogo dinâmico de informação completa e imperfeita NPS1: (out, lutar se entrada ocorre) NPS: (In1, acomodar se entrada ocorre) Out In1 In (0,) (-1,-1) (3,0) (-1,-1) (,1) Suponha que o jogador usa a seguinte stratégia Mista: ( ) ( Out, In 1, In ) =,, Pr ob( CI / s) = = 0,75 4 Usando Bayes: 1 Prob ( xci / ) = = xdecorrente de IN Prob ( x / CI) = 4 = x decorrente de IN ssas devem ser as crenças consistentes de. Crenças de consistentes com a stratégia do jogador. Questão: as M são não completas, pois alguns CI podem ser realizados com Probabilidade nula. Isso inviabilizaria o uso de regra de Bayes. Saída: BP fraco permite atribuir qualquer probabilidade positiva a CI que não seriam realizados no equilíbrio. [visão agnóstica] voltar aqui e conferir??? 0 CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 10

11 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 quilíbrio Bayesiano Perfeito fraco fraco ( s μ ) BP =, Definição de BP fraco: a estratégia s e um sistema de crenças constituem um BP fraco se eles possuem as seguintes propriedades: μ i. A estratégia s é seqüencialmente racional dado o sistema de crenças μ ii. O sistema de crenças μ é derivado de s através de regras de Bayes sempre que possível. ( x s) ( CI s) ( ) Isso significa que CI no qual Pr CI / s > 0, temos: Pr / μ ( x) = x CI Pr / 1 Proposição: uma estratégia s é um quilíbrio de Nash de um jogo na forma extensiva se e somente se existe um sistema de crenças µ tal que: i. A estratégia s é seqüencialmente racional dado µ em todo conjunto de informação tal que Prob(CI / s) > 0 ii. O sistema de crenças µ é derivado de s através de Regra de Bayes, sempre que possível. Observação: exige-se racionalidade seqüencial apenas para o caminho do equilíbrio. Proposição: todo equilíbrio Bayesiano perfeito fraco é um equilíbrio de Nash, mas nem todo quilíbrio de Nash é um BP fraco. CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 11

12 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 Voltanto ao xemplo 4: Jogo dinâmico de informação completa e imperfeita NPS1: (out, lutar se entrada ocorre) NPS: (In1, acomodar se entrada ocorre) Out In1 In (0,) (-1,-1) (3,0) (-1,-1) (,1) quilíbrio Bayesiano Perfeito fraco: Firma deve jogar Acomodar se ntrada ocorre, porque esta é a ação ótima da firma iniciando em seu conjunto de informação para qualquer sistema de crenças. µ(x)= 1, pois a Prob (CI/In1, acomodar se entrar)>0 BPfraco = (Acomodar se entrar, 1) É único. s=acomodar se entrar é uma estratégia seqüencialmente racional. 3 Join Venture entry Game 1 Análise de possibilidades: itular Aceitar Rejeitar 1 In Out Firma deve aceitar a JV, pois isso garante um payoff positivo para ela, qualquer que seja a estratégia escolhida pela firma. Firma 1 deve propor a JV, pois se aceita, a firma 1 estará melhor, qualquer que seja a estratégia escolhida por. (-1,0,) (,0,1) (1,1,-) (4,4,0) (-1,0,) (,0,1) Descrição: rês Firmas: 1,, itular Firma tem uma tecnologia importante para a firma 1 Firma itular: observa se 1 entra mas não sabe se ela conta com a aliança de A join Venture é imbatível mesmo se a firma itular lutar. 4 CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 1

13 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 ( ) Pr CI / s > 0 itular Aplicando Bayes: probabilidade do ponto de decisão do meio no Conjunto de informação do = 1.0 A estratégia ótima de no ponto de decisão do meio = Acomodar se a ntrada ocorre. fraco {( Pr JV, In se declina ), (Aceitar), ( mod se ntra) } BP = opor Aco ar Outro NPS, porém em ameaça vazia: { (, se declina ), ( ), ( se ntra ) } NPS = Out Out Declina Lutar 5 Novo xemplo: Out IN 1 IN μ 0 ( 1 μ ) Jogador : deseja lutar se entra via IN 1 Jogador : sua jogada ótima depende do comportamento de que é indicado por ou seja, deseja entrar se >-1. γ γ γ Solução: crenças consistentes exige-nos olhar apenas para o caso em que >0 γ 6 CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 13

14 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 μ itular ( μ ) = crença de de que In é a estratégia que escolherá se entrar. 1 1 = crença de de que In é a estratégia que escolherá se entrar. itular Firma deseja Lutar se e somente se: Ganho de Lutar Ganho de Acomodar -1 μ + 1( 1 μ) μ 3 BPfraco : μ = 3 1 ( 1 μ ) = 3 Firma deve aleatorizar no equilibrio com probabilidade positiva de jogar In e In 1 7 Situacoes que nao funcionam: 1) Se μ > em BP fraco isso geraria uma contradiçao, pois, nesse caso, 3 deveria Lutar com prob. 1,0, isso implicaria que deveria escolher In, com prob.1,0 o BP iria requerer μ =0, o que representa uma contradiçao. fraco Situacoes que nao funcionam: ) Se μ < em BP fraco isso geraria uma contradiçao, pois, nesse caso, 3 deveria Acomodar com prob. 1,0, isso implicaria que deveria escolher In, com prob.1,0 o BP fraco iria requerer μ =1, o que representa uma contradiçao. BPfraco : μ = 3 1 ( 1 μ ) = 3 Firma deve aleatorizar no equilibrio com probabilidade positiva de jogar In e In CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 14

15 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 Isso significa que a probabilidade de lutar deve fazer com que a firma seja indiferente entre IN1 e IN: IN1 IN = 1sLutar + 3( 1 slutar ) = γ slutar + ( 1 slutar ) 1 s = Lutar Payoff de ntr γ + ar é dado por: IN ( ) 1 IN 3 γ + ou = > 0 Pr ( Out) = 0 γ + BPfraco para γ >0: 1 ( s0, s1, s) = 0,, s i = prob. do jogador 3 3 escolher out, In 1 ou In, respectivamente. 1 s Lutar = ; μ = γ Comentários: Por que esse B é considerado fraco? Resposta: O requerimento de consistência sobre a formação das crenças é mínimo, restringe-se apenas a estabelecer probabilidades nãonegativas dentro de cada CI. São consistentes com estratégias de equilíbrio dentro do caminho de equilíbrio. Ou seja, não é colocada nenhuma restrição sobre crenças fora do caminho de equilíbrio. Como fortalecer o BP??? 30 CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 15

16 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 Os exemplos a seguir ilustram a necessidade de fortalecer o BP. Natureza ½ [0,5] [0,5] 1 x y y x l r l r ½ BPfraco: Setas e [ ] Pr( CI 1 /s)>0 Pr( CI /s )=0 Ou seja, crenças definidas para o jogador não são boas, pois o Conjunto de informação do só pode ser realizado se o jogador 1 desviar e escolher y nos dois pontos de decisão Necessitamos de crenças consistentes fora do caminho de equilíbrio...saída será impor mais restrições sobre o sistema de crenças (jogos de sinalização ou outra opção). 31 Voltando ao xemplo : Out In (0,) Lutar Acomodar [1] [0] (-3,-1) (1,-) (-,-1) (3,1) Jogador Acomodar Lutar Jogador Acomodar Lutar 3,1 -,-1 1,- -3,-1 fraco {(, mod se In ),( se jogar In ); [ 1] } BP = Out aco ar Lutar μ = Veja: nãoéumnpsporquenãoespecificaumndojogopósentrada. A crença do jogador não é restringida se usarmos o BP fraco, ou seja, essa noção de equilíbrio não impõe restrições para CI fora do equilíbrio (visão agnóstica) 3 CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 16

17 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 Definição: quilíbrio Seqüencial ( ) (Kreps e Wilson, 198) Um par s, μ é um quilíbrio Seqüencial de jogos na forma extensiva se tem as seguintes propriedades: i. s é seqüencialmente racional dado o sistema de crenças μ ii. xiste uma seqüencia de stratégias Mistas completas, tal que k μ = lim μ Onde: k k k μ = é a crenças derivada do perfil de estratégias s, usando Bayes. Proposição: todo quilíbrio Seqüencial é um BP fraco, mas, em geral, o contrário não é verdade. 33 Intuição quilíbrio seqüencial exige que as crenças sejam justificadas a partir de um conjunto completo de stratégias Mistas que são próximas a s ( equivale, aproximadamente, a uma pequena perturbação das estratégias de equilíbrio?) Isso requer que os jogadores possam justificar (aproximadamente) suas crenças através de alguma historia na qual jogadores cometem erros, com alguma probabilidade positiva, ao escolher suas estratégias. 34 CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 17

18 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 Voltando ao xemplo: ½ Natureza [0,5] [0,5] 1 x y y x l r l r ½ oda crença que pode ser derivada de qualquer seqüência de M completas atribui igual probabilidade para os pontos de decisão no CI. Assim, em qualquer quilíbrio Seqüencial o jogador deve jogar r e o jogador 1 deve, portanto, jogar y. quilibro Seqüencial único: (y,r) e μ igual nos dois pontos de decisão do CI Jogar y daria mais para 1 e jogar r seria bom para o, pois: 0,5 5 0,5 5 5 Π = 0,5 + 0,5 10 = 6 l ( Π ) = ( ) + ( ) = ( r ) ( ) ( ) 35 Voltando ao xemplo : Out In (0,) Lutar Acomodar [1] [0] (-3,-1) (1,-) (-,-1) (3,1) Jogador Acomodar Lutar Jogador Acomodar Lutar 3,1 -,-1 1,- -3,-1 {(, Acomodar se In ),( mod se joga In )} =NPSúnico S = In Aco ar único 36 CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 18

19 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 Verificação: Considere o Conjunto de Informação do jogador : ome uma M-completa qualquer Considere o ponto de decisão inicial a partir da entrada da firma (ponto inicial do subjogo seguinte à entrada) Considere as crenças no CI Isso implica que qualquer estratégia no S deve especificar M no subjogo pós-entrada. Proposição: m todo quilíbrio Seqüencial de um jogo na forma extensiva a estratégia de equilíbrio constitui um NPS do Jogo extensivo. 37 Comentários: a) quilíbrio seqüencial fortalece tanto o NPS como BP fraco b) odo quilíbrio Seqüencial é tanto um NPS quanto um BP fraco c) m alguns casos, o sistema de crenças fora do equilíbrio exigido pelo S, pode ser muito forte. d) Por exemplo, eles podem implicar que dois jogadores com o mesmo CI devem ter exatamente as mesmas crenças independentemente dos desvios dos outros jogadores que têm levado o jogo a realizar uma dada parte da árvore. e) Noção mais forte NPH Selten, CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 19

20 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 Crenças Razoáveis e Forward Indução Out In (0,) Lutar Acomodar [1] [0] Crenças Razoáveis: especifica restrições adicionais (fora do caminho de equilíbrio) que crenças razoáveis deveriam satisfazer. (-3,-1) (1,-) (-,-1) (3,1) { (, mod se In ), ( se jogar In ); [ 1 ] } BP = Out aco ar Lutar μ = fraco Razoabilidade para : se entrar ele prefere jogar In, pois, In > In 1, afinal (-,3) > (-3,1) Portanto, se resolver ntrar o jogador prefere In 39 Forward Indução Forward Indução exclui um dos N no sub-jogo pós-entrada. Indução Retroativa: jogador decide qual é a sua ação ótima em algum ponto da arvore do jogo tomando como base as ações ótimas dos seus oponentes racionais em pontos de decisão subseqüentes ou em posições posteriores do jogo. Forward Indução: jogador raciocina sobre o que poderia ter acontecido, racionalmente, em movimentos prévios do jogo. No exemplo a seguir: firma decide sobre qual sua acao otima pós-entrada assumindo que a firma comporta-se racionalmente na sua decisão de entrada. Problemas potenciais com FI: O que aconteceria num mundo onde jogadores podem cometer erros com pequenas probabilidades positivas? FI continua consistente? 40 CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 0

21 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 Voltando ao xemplo : Out In (0,) SN Pós-entrada: N Jogador LN SN LN SN [1] [0] -6,-6-1,1 (-6,-6) (-1,-1) (1,-1) (-3,-3) Jogador LN 1,-1-3,-3 N elim minado por FI Forward Indução: Parao jogador, entrar e jogar SN se entrar é pior do que jogar OU. deve jogar LN no jogo pós-entrada. Raciocínio do : seo jogador entrar ele vai jogar LN no jogo pósentrada, dessa forma, deve jogar SN. 41 Job Market Signaling Qualidade é uma característica oculta, então, os que produzem alta qualidade tem um incentivo para emitir um sinal indicando a sua qualidade. Sinal credible: apenas se o produtor de baixa qualidade não tem interesse em emitir o mesmo sinal, ou seja, ele não sai ganhando se emitir o mesmo sinal. Custos de emitir sinal: toda emissão de sinal envolve custos e esses custos são maiores para os indivíduos de baixa qualidade. Portanto, o custo marginal de emitir um sinal a mais é maior para o individuo de baixa que, por isso mesmo, acaba revelando seu tipo e emitindo um sinal mais fraco. 4 CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 1

22 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 Preço da revelação verdadeira: os recursos utilizados na emissão de sinal não propiciam qualquer utilidade direta. Mercado de trabalho: alguns indivíduos são inatamente inteligentes e working hard e sabem disso. Sinal: treinamento e certificados. Indivíduos fazem escolhas sobre seus anos de formação que ajudam a revelar seu tipo peessoal. mpregador: faz uma escolha no escuro, pois não observa o tipo do empregado, apenas o sinal emitido. Oferece salarios maiores para o de alta na expectativa de atrair os mais produtivos. Problema: o tipo de baixa, nesse contexto, não tem incentivos para revelar verdadeiramente o seu tipo. Pois, supondo que a producao seja realizada em equipes, não é possivel distinguir de forma clara e objetiva o grau de contribuição de cada um para o resultado final da equipe. Ou seja, é impossível para o gerente identificar quem é quem. (L ou H) 43 Modelo: H = tipo e alta produtividade e habilidade L = tipo de baixa produtividade e habilidade w H = salário de alta oferecido pelo empregador w L = salário de baixa oferecido pelo empregador w H > w L C H = custo da pós-graduação para H C L = Custo da pós-graduação para L C L > C H ( o trabalhador de baixa leva um ou dois semestres a mais para terminar o curso e tem que trabalhar muito mais forte para ser admitido numa boa universidade) 44 CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS]

23 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 Como induzir o L a falar a verdade? [ ] [ ] Se WH CL < WL Melhor para L é aceitar WL Se WH CH > WL H prefere obter o certificado ssas condições mantém-se se: CH < [ WH WL ] < CL Supondo: CH < CL xemplo: WH = 1000 WL = 600 Nesse caso, o sinal só revela o tipo do trabalhador se: C < 400 < C H L Ineficiência: o sinal implica em custo para a sociedade. 45 Modelo geral ipos de trabalhadores: H, L ρ = % da população do tipo H que é de conhecimento comum. Funçao Utilidade dos trabalhadores: i ( ) U x, y = β ( x) + y i= H, L x = consumo de Lazer y = valor de mercado de todos os outros bens e serviços UM ( x) > 0 x g Se x > x UM ( x ) < UM ( x ) βi βi > 0; < 0 x x i g g 46 CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 3

24 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 Função consumo de lazer: x = e e = tempo que o indivíduo leva para obter educação = dotação individual de tempo Relação da Utilidade do indivíduo e ducação: A Ui cairá quando e aumentar por causa da utilidade marginal decrescente do x. ( ) ( ) Se e > e UMg x e > UMg x e Significado: Custo marginal da educação é positivo e crescente em e. Função Utilidade do rabalhador: Ui = W () e Ci () e We ( ) = renda que é uma funça do nível de educação (e). Ci ( e) = quantidade de lazer que é sacrificada quando o trabalhador obtém e anos de educação. 47 xemplo: U ( x, y) = β ( x) + y i U ( x, y) = 3 x + y i β ( x) = 3 x i ( ) β (0) = 0; β 4 = 6 Δ β = 6 Δ β 6 = Δ x 4 = 1, 5 x = 9 Δ β 3 = Δ x 5 = 0,6 UM g(x) é decrescente em x. Suponha que = 4, então, C(e): ( ) β ( ) ( ) β ( ) C (8) = β 4 16 = 14,7 1 =,7 C (10) = β 4 14 = 3,47 Δ C 0,77 Δ e = = 0, 385 Δ C 0,83 C (1) = β ( 4) β ( 1) = 4,3 = = 0,415 Δ e Portanto, à medida que aumenta o nível de educação, aumenta o CM g de adquirir mais educação. 48 CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 4

25 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 Valor do produto marginal do indivíduo i: i ( ) m e = f( e) produtividade aumenta com o nível de educação. Por definição: H + ( ) > ( ) m e m e L xemplo : 1 3 CH() e = e ; CL( e) = e CH() e < CL( e) 4 1 βh = x x CH ( e) = β( ) β( e) 1 1 CH ( e) = ( e) ( e) 1 CH ( e) = e. Note : ducação é mais do que um sinal, ela também aumenta a produtividade. 49 Simplificação inicial: a educação não afeta a produtividade. ml = m mh = m m = constante positiva ii quilíbrio Pooling: (w*, e*) CH ( e) Os dois tipos obtém o mesmo nível de educação e recebem o mesmo salário no equilíbrio. quilíbrio: maximiza o lucro da firma e a utilidade do trabalhador. 50 CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 5

26 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 Salário de equilíbrio: ( ρ) W = ρm+ 1 m W = mρ + m ρ = percentual da população que é de alta. Nível crítico g de educação: (crenças de quilíbrio) a) se e < g rablhador é tipo L W = m b) se e g rabalhador é do tipo H com probabilidade ρ e do tipo L com probabilidade (1- ρ) W = mρ + m. Condições necessárias para que o trabalhador (H e L) aceitem o W : 1 = ρ + > 1 mρ + m g > m Nessa situação de total informação, e se e nao aumenta a produtividade, o melhor será: e g m m g m e=0 i 51 quilíbrio Separador: Separador: eh > etipo L H obtém mais educação g = nivel critico de educaçao squema Salarial no q. Separador: a) Se e < g é um trabalhador L com prob. 1, pague m. b) Se e g é um trabalhador H com prob. 1, pague m. Observação: Nenhum trabalhador escolherá e>g. Se 0<e<g o trabalhador obterá o mesmo nível de salário que alguém com e=0. Portanto, Independente do tipo o trabalhador obtera, e =g ou e = 0 Restrição de auto-seleção Incentivo-compatível. Co e U H U L do quilíbrio Separador: 0 m m 1 3 g m-1/g m-3/4g m- g m; m m- g 4 Ingredientes de decisão de um trabalhador Indica o que maximiza U i ndições Incentivo-compatíveis 3 1 > > g > m> g 4 apenas H obterá e = g. g- crítico (desencoraja L a tomar e=g) 5 CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 6

27 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 quilíbrio Separador: satisfaz a condição de autoseleção. Condição de auto-seleção: cada trabalhador deve achar vantajoso emitir um sinal que é diferente de um sinal emitido pelo o outro tipo. Definição: Condição de auto-seleção: em um equilíbrio separador o resultado obtido por H não é preferido pelo tipo L e, similarmente, o resultado obtido pelo tipo L não é preferido pelo tipo H. e= g e= 0 xemplo : UH > UH e Se m = 9 ( Valor da PM L ), entao : e= 0 e= g UL > UL e 3 1 g > m> g 1 < g < ,464 < g < 4,43 H : eh = g WH = m= 18 L: e = 0 W = m= 9 L L 53 Situação nova: educação aumenta a produtividade do trabalhador H e L, mas aumenta mais para o trabalhador H. xemplo : m ( ) 6 C 1 H e = e H (e)= e m ( ) 3 C 3 L e = e L (e)= e 4 Informação completa e total: os tipos são de conhecimento comum e a competição assegura que os salários serão iguais aos valores das produtividades marginais dos indivíduos quilibrio : = = 1 MaxU 6.. H H W C e e C P O e U H H = 6 e= 0 e = 6 m ( e= 6) = 36 = WH e 3 MaxU 3.. L L = W C = e e C P O e 4 U L 6 = 3 e= 0 e = ml( e= ) = 6 = WL e 4 Utilidade de L se blefar e passar como H: 3 UL = 36 (6) = 9> 3 4 ipo L tem interesse em blefar e passar como H, num mundo com informação incompleta, pois assim obtém U L =9 e W U H U L CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 7

28 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 Conclusão: num mundo com Informação incompleta o resultado obtido com total informação não é um equilíbrio. Firmas, agora, não pagariam W = 36 para todos com e>= 6. Quando ρ =1/3, o valor medio da PMg do trabalhador, sera dado por: 1 ( 36) + ( 18) = 4 < 36 Lucro negativo. 3 3 quilibrio dado ρ : Produtividade esperada = ρm H ( g) + (1 ρ ) m L( g) 1 ρm H ( g) + (1 ρ ) m L( g) = ( 6g) + ( 3g) = 4g 3 3 quilibrio pooling: W =W =4g L H Resumo: Se e < g assume-se que o trabalhador e L e paga-se 3e Se e g assume-se que o trabalhador e H com probabilidade ρ e paga-se 4g. 55 Se e < g, qual será a escolha de H: W = 4g ou W = 3e??? U H 4,5 U = 4e 0,5e H 1,35 4 6,65 e Se e < g 4 3e 0,5e < U 4g 0,5g H Por tan to, tipo H obtem e = g e recebe W=4g, quando g 4 56 CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 8

29 PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 Decisão do ipo L: U L 3,0 U = 4e 0,75e L 0,9 /3 4,45 e Se e< g /3 /3 3e 0,75e < U 4g 0,75g L Por tan to, tipo L obtem e = g /3 e recebe W=4g, quando g 4 57 CO ORIA DOS JOGOS [DCON/UFRGS] 9

Roteiro da aula: Jogos dinâmicos com informação incompleta. Mas-Collel e Green capítulo 9 Refinamentos do conceito de Equilíbrio de Nash

Roteiro da aula: Jogos dinâmicos com informação incompleta. Mas-Collel e Green capítulo 9 Refinamentos do conceito de Equilíbrio de Nash Roteiro da aula: Jogos dinâmicos com informação incompleta Mas-Collel e Green capítulo 9 Refinamentos do conceito de quilíbrio de Nash Racionalidade seqüencial quilíbrio Bayesiano perfeito quilíbrio bayesiano

Leia mais

a) Monte a situação acima na forma de um jogo, escrevendo a tabela de payoffs b) Encontre todos os equilíbrios de Nash em estratégias puras

a) Monte a situação acima na forma de um jogo, escrevendo a tabela de payoffs b) Encontre todos os equilíbrios de Nash em estratégias puras Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Ciências Econômicas Ecop 26 - Teoria Microeconômica II Prof. Sabino Porto Junior Teoria dos jogos 1 - Apresente os conceitos de: a) Equilíbrio em

Leia mais

Resolução da Lista de Exercício 6

Resolução da Lista de Exercício 6 Teoria da Organização e Contratos - TOC / MFEE Professor: Jefferson Bertolai Fundação Getulio Vargas / EPGE Monitor: William Michon Jr 10 de novembro de 01 Exercícios referentes à aula 7 e 8. Resolução

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO MICROECONOMICS 2009/2010

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO MICROECONOMICS 2009/2010 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO MICROECONOMICS 2009/2010 References: - Gibbons, R. (1992), A Primer in Game Theory, Harvester Wheatsheaf (G) - Mas-Collel, A., M.

Leia mais

Jogos. A teoria dos jogos lida com as interações estratégicas que ocorrem entre os agentes.

Jogos. A teoria dos jogos lida com as interações estratégicas que ocorrem entre os agentes. Jogos A teoria dos jogos lida com as interações estratégicas que ocorrem entre os agentes http://robguena.fearp.usp.br/anpec/tjogos.pdf a) Descrição de um jogo Teoria dos Jogos Jogadores: quem está envolvido

Leia mais

Teoria do consumidor. Propriedades do Conjunto Consumo,

Teoria do consumidor. Propriedades do Conjunto Consumo, Teoria do consumidor 1 Pedro Rafael Lopes Fernandes Qualquer modelo que vise explicar a escolha do consumidor é sustentado por quatro pilares. Estes são o conjunto consumo, o conjunto factível, a relação

Leia mais

Observação: Responda no mínimo 70% das questões. (**) responda no mínimo duas questões com essa marcação

Observação: Responda no mínimo 70% das questões. (**) responda no mínimo duas questões com essa marcação UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO MBE- MASTER OF BUSINESS ECONOMICS DISCIPLINA: Comportamento

Leia mais

Fundamentos de Teoria dos jogos

Fundamentos de Teoria dos jogos Fundamentos de Teoria dos jogos A Teoria dos Jogos é um ramo da matemática aplicada que estuda situações estratégicas em que jogadores escolhem diferentes ações na tentativa de melhorar seu retorno. Na

Leia mais

Jogos seqüenciais Teoria Microeconômica II Economia Matutino - Marcelo Ranieri Cardoso

Jogos seqüenciais Teoria Microeconômica II Economia Matutino - Marcelo Ranieri Cardoso Jogos seqüenciais Jogos seqüenciais são aqueles nos quais os jogadores não fazem os movimentos simultaneamente, mas seqüencialmente. Jogos repetitivos são um caso específico de jogos seqüenciais. Empresa

Leia mais

A prova é SEM CONSULTA. Não são permitidas calculadoras ou quaisquer equipamentos eletrônicos. Celulares devem ser desligados e guardados.

A prova é SEM CONSULTA. Não são permitidas calculadoras ou quaisquer equipamentos eletrônicos. Celulares devem ser desligados e guardados. ELE2005: Análise Estratégica de Investimentos e de Decisões com Teoria dos Jogos e Jogos de Opções Reais. Primeira Prova 23/10/2007 A prova é SEM CONSULTA. Não são permitidas calculadoras ou quaisquer

Leia mais

Prova Final. Programa de Pós-Graduação em Economia. Microeconomia IV Prof.: Rogério Mazali. 30 de abril de 2016

Prova Final. Programa de Pós-Graduação em Economia. Microeconomia IV Prof.: Rogério Mazali. 30 de abril de 2016 Programa de Pós-Graduação em Economia Microeconomia IV Prof.: Rogério Mazali Prova Final 30 de abril de 2016 Instruções: Você tem 120 minutos para completar a prova. Seja preciso em suas respostas. Pontos

Leia mais

Lista de Exercícios 2

Lista de Exercícios 2 Programa de Pós-Graduação em Economia Microeconomia IV Prof.: Rogério Mazali Lista de Exercícios 2 18 de abril de 2016 NOTA: Para os problemas retirados do livro-texto, cheque par aver se você possui a

Leia mais

Jogos de soma zero com dois jogadores

Jogos de soma zero com dois jogadores Jogos de soma zero com dois jogadores Problema: Dada uma matriz A m n, encontrar um equilíbrio de Nash (de estratégias mistas). Jogador 1 quer encontrar p que maximize v sujeito a i p i = 1 sujeito a (pa)

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 1.3 Jogos na Forma Extensiva informação num jogo

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 1.3 Jogos na Forma Extensiva informação num jogo Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 1.3 Jogos na Forma Extensiva informação num jogo Isabel Mendes 2007-2008 Na aula 1.1 falou-se ainda dos jogos sequenciais

Leia mais

Risco. Definição: Uma lotaria é qualquer evento com um resultado incerto. Exemplos: Investimento, Jogos de Casino, Jogo de Futebol.

Risco. Definição: Uma lotaria é qualquer evento com um resultado incerto. Exemplos: Investimento, Jogos de Casino, Jogo de Futebol. Risco Definição: Uma lotaria é qualquer evento com um resultado incerto. Exemplos: Investimento, Jogos de Casino, Jogo de Futebol. Definição: A probabilidade de um resultado (de uma lotaria) é a possibilidade

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes: Introdução a Teoria dos Jogos com Aplicações a Redes de Computadores

Tópicos Especiais em Redes: Introdução a Teoria dos Jogos com Aplicações a Redes de Computadores Tópicos Especiais em Redes: Introdução a Teoria dos Jogos com Aplicações a Redes de Computadores Aula passada: Jogos repetidos infinitamente Aula de hoje: Introdução a Teoria dos Jogos Evolucionária Dinâmica

Leia mais

Combinando jogos simultâneos e seguenciais

Combinando jogos simultâneos e seguenciais Combinando jogos simultâneos e seguenciais Roberto Guena de Oliveira USP 15 de setembro de 2011 Roberto Guena de Oliveira (USP) Combinando 15 de setembro de 2011 1 / 45 Sumário 1 Representações nas formas

Leia mais

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2014-I. Aula 2 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin. Roteiro. Horário da disciplina: 14h15 a 15h45

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2014-I. Aula 2 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin. Roteiro. Horário da disciplina: 14h15 a 15h45 Teoria dos Jogos Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 014-I Roteiro Horário da disciplina: 14h15 a 15h45 Introdução: Por que pensar estrategicamente? Exemplos de situações nas quais pensar estrategicamente faz

Leia mais

Economia do Trabalho OFERTA DE TRABALHO. CAP. 2 Borjas

Economia do Trabalho OFERTA DE TRABALHO. CAP. 2 Borjas Economia do Trabalho OFERTA DE TRABALHO CAP. 2 Borjas 1. INTRODUÇÃO Indivíduos procuram maximizar bem estar, consumindo bens e lazer Existe trade-off entre trabalho e lazer Indivíduos precisam de trabalho

Leia mais

Análise de Decisão, Jogos & Negociação. Cesaltina Pires

Análise de Decisão, Jogos & Negociação. Cesaltina Pires Análise de Decisão, Jogos & Negociação Cesaltina Pires Fevereiro 2007 ii Conteúdo 1 Introdução (incompleto) 1 1.1 Decisão várias abordagens........................... 1 1.1.1 Decisões individuais versus

Leia mais

Processos Estocásticos

Processos Estocásticos Processos Estocásticos Primeira Lista de Exercícios de junho de 0 Quantos códigos de quatro letras podem ser construídos usando-se as letras a, b, c, d, e, f se: a nenhuma letra puder ser repetida? b qualquer

Leia mais

Teoria dos Jogos Resolução do Exame Final da Época normal 12/06/08 AnoLectivode2007/ o semestre

Teoria dos Jogos Resolução do Exame Final da Época normal 12/06/08 AnoLectivode2007/ o semestre Teoria dos Jogos Resolução do Exame Final da Época normal /6/8 AnoLectivode7/8 o semestre Justifique claramente todas as suas respostas e cálculos.. (4.)Considereoseguintejogosequencialentreojogadore:

Leia mais

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2016-I. Aula 2 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin. Roteiro

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2016-I. Aula 2 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin. Roteiro Teoria dos Jogos Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 016-I Roteiro Introdução: Por que pensar estrategicamente? Exemplos de situações nas quais pensar estrategicamente faz sentido Conceitos básicos de jogos

Leia mais

Teoria da Implementação

Teoria da Implementação Teoria da Implementação Voting games: DES e IDE 1 Voting Games Decisões coletivas não mercado que devem ser selecionadas, via sistemas de votação, em um ambiente de conflito de opiniões em um conjunto

Leia mais

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2014-I. Aula 12A Teoria dos Jogos Maurício Bugarin

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2014-I. Aula 12A Teoria dos Jogos Maurício Bugarin Teoria dos Jogos Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2014-I Roteiro Jogos Jogos Repetidos Desenvolver o modelo de jogo repetido Provar o teorema popular Aplicar para conluio ao dilema dos prisioneiros e aos

Leia mais

Teoria dos Jogos Repetidos

Teoria dos Jogos Repetidos Teoria dos Jogos Repetidos Os processos de interação estratégica nos quais os jogadores decidem sem conhecer as decisões dos demais podem ser tratados como jogos simultâneos. Já os processos de interação

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais. Organização Industrial

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais. Organização Industrial UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais Organização Industrial Diferenciação do Produto Exercício 1 Considere que numa determinada região existe apenas uma empresa

Leia mais

Teoria dos Jogos Algorítmica Maximização de Lucros no Design de Mecanismos

Teoria dos Jogos Algorítmica Maximização de Lucros no Design de Mecanismos Teoria dos Jogos Algorítmica Maximização de Lucros no Design de Mecanismos Luis Gustavo Rocha Vianna. Instituto de Matemática e Estatística IME Universidade de São Paulo USP Maximização de Lucros Design

Leia mais

Unidade I ESTATÍSTICA APLICADA. Prof. Mauricio Fanno

Unidade I ESTATÍSTICA APLICADA. Prof. Mauricio Fanno Unidade I ESTATÍSTICA APLICADA Prof. Mauricio Fanno Estatística indutiva Estatística descritiva Dados no passado ou no presente e em pequena quantidade, portanto, reais e coletáveis. Campo de trabalho:

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.5. Externalidades: Solução de Coase. Isabel Mendes

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.5. Externalidades: Solução de Coase. Isabel Mendes Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.5 Externalidades: Solução de Coase Isabel Mendes 007-008 08-05-008 Isabel Mendes/MICRO II Coase (960) criticou a

Leia mais

Outros Jogos de Opções Reais Nessa parte serão analisados dois jogos numa mesma aplicação:

Outros Jogos de Opções Reais Nessa parte serão analisados dois jogos numa mesma aplicação: ELE 2005: Análise Estratégica de Investimentos e de Decisões com Teoria dos Jogos e Jogos de Opções Reais Parte 7: Outros Jogos de Opções Reais. Marco Antonio Guimarães Dias, E-mail: marcoagd@pobox.com

Leia mais

3 Breve Introdução à Teoria dos Jogos

3 Breve Introdução à Teoria dos Jogos 3 Breve Introdução à Teoria dos Jogos Teoria dos Jogos é uma ferramenta matemática criada para melhor entender ou interpretar a maneira com que agentes que tomam decisões interagem entre si. Pense num

Leia mais

Teoria de Jogos Evolucionária

Teoria de Jogos Evolucionária Teoria de Jogos Evolucionária Edmundo de Souza e Silva - Daniel Ratton Figueiredo Universidade Federal do Rio de Janeiro Programa de Engenharia de Sistemas e Computação - COPPE Departamento de Ciência

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Departamento de Economia

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Departamento de Economia REC0224 MICROECONOMIA II EXERCÍCIOS SOBRE TEORIA DOS JOGOS E OLIGOPÓLIO. ROBERTO GUENA DE OLIVEIRA 1) João e Maria participam de um jogo no qual estão em disputa R$10.000,00. Nesse jogo, cada um deles

Leia mais

Jogos Repetidos Infinitas Vezes Nash Folk Folk Perfeito Jogos Repetidos Finitas Vezes. Jogos Repetidos. Prof. Leandro Chaves Rêgo

Jogos Repetidos Infinitas Vezes Nash Folk Folk Perfeito Jogos Repetidos Finitas Vezes. Jogos Repetidos. Prof. Leandro Chaves Rêgo Jogos Repetidos Prof. Leandro Chaves Rêgo Programa de Pós-Graduação em Estatística - UFPE Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFPE Recife, 21 de Outubro de 2014 Jogos Repetidos Introdução

Leia mais

Teoria dos Jogos e Estratégia Competitiva

Teoria dos Jogos e Estratégia Competitiva Teoria dos Jogos e Estratégia Competitiva 1. Jogos e Decisões Estratégicas 2. Estratégias Dominantes 3. O Equilíbrio de Nash Revisitado 4. Jogos Repetitivos 5. Jogos Sequenciais 6. Desencorajamento à entrada

Leia mais

Prova de Seleção ao Doutorado Macroeconomia

Prova de Seleção ao Doutorado Macroeconomia Prova de Seleção ao Doutorado Macroeconomia Programa de Pós-Graduação em Economia, FEA/USP Área Teoria Econômica 1. (40 pontos) Considere o modelo de Ramsey-Cass-Koopmans em tempo contínuo, o qual inclui

Leia mais

Jogos Bayesianos Estratégias e Equilíbrio Aplicações. Jogos Bayesianos. Prof. Leandro Chaves Rêgo

Jogos Bayesianos Estratégias e Equilíbrio Aplicações. Jogos Bayesianos. Prof. Leandro Chaves Rêgo Jogos Bayesianos Prof. Leandro Chaves Rêgo Programa de Pós-Graduação em Estatística - UFPE Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFPE Recife, 14 de Outubro de 2014 Jogos Bayesianos Jogos

Leia mais

A Escolha Racional relações binárias número de relações binárias 2m.p domínio imagem

A Escolha Racional relações binárias número de relações binárias 2m.p domínio imagem A Escolha Racional A racionalidade na teoria dos jogos procura perceber como os jogadores (sejam eles indivíduos, empresas, organizações, países etc.) tomam suas decisões em situações de interação estratégica.

Leia mais

VARIÁVEIS ALEATÓRIAS

VARIÁVEIS ALEATÓRIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA VARIÁVEIS ALEATÓRIAS Joaquim H Vianna Neto Relatório Técnico RTE-03/013 Relatório Técnico Série Ensino Variáveis

Leia mais

Exemplo: Monopólio de segundo grau

Exemplo: Monopólio de segundo grau Notas de Aula - Teoria dos Jogos - FCE/UERJ 2016.2 (Versão preliminar - favor não circular) Professor Pedro Hemsley Horário: xxxx Sala: xxxx Ementa e informações relevantes: página do curso 1 Seleção Adversa

Leia mais

1.3 Conjuntos de medida nula

1.3 Conjuntos de medida nula 1.3 Conjuntos de medida nula Seja (X, F, µ) um espaço de medida. Um subconjunto A X é um conjunto de medida nula se existir B F tal que A B e µ(b) = 0. Do ponto de vista da teoria da medida, os conjuntos

Leia mais

Probabilidade I. Departamento de Estatística. Universidade Federal da Paraíba. Prof. Tarciana Liberal (UFPB) Aula Esperança e Variância 06/14 1 / 19

Probabilidade I. Departamento de Estatística. Universidade Federal da Paraíba. Prof. Tarciana Liberal (UFPB) Aula Esperança e Variância 06/14 1 / 19 Probabilidade I Departamento de Estatística Universidade Federal da Paraíba Prof. Tarciana Liberal (UFPB) Aula Esperança e Variância 06/14 1 / 19 Nos modelos matemáticos aleatórios parâmetros podem ser

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 3 - Soluções. x 2 5 = 40 x.

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 3 - Soluções. x 2 5 = 40 x. Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 3 - Soluções 1) Dada as funções de demanda p(x) = 40 x e de oferta p(x) = x 5, pede-se: a) O ponto

Leia mais

Teoria dos Jogos. Jogos simultâneos. Roberto Guena de Oliveira USP. 31 de outubro de 2013

Teoria dos Jogos. Jogos simultâneos. Roberto Guena de Oliveira USP. 31 de outubro de 2013 Teoria dos Jogos Jogos simultâneos Roberto Guena de Oliveira USP 31 de outubro de 2013 Roberto Guena (USP) Teoria dos Jogos 31 de outubro de 2013 1 / 58 Sumário 1 Representação de jogos com movimentos

Leia mais

Notas de Aula. tal que, para qualquer ponto (x, y) no plano xy, temos: p XY

Notas de Aula. tal que, para qualquer ponto (x, y) no plano xy, temos: p XY UNIVERSIDDE FEDERL D BHI INSTITUTO DE MTEMÁTIC DEPRTMENTO DE ESTTÍSTIC v. demar de Barros s/n - Campus de Ondina 40170-110 - Salvador B Tel:(071)247-405 Fax 245-764 Mat 224 - Probabilidade II - 2002.2

Leia mais

Otimização. Otimização e Teoria dos Jogos. Paulo Henrique Ribeiro Gabriel Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia

Otimização. Otimização e Teoria dos Jogos. Paulo Henrique Ribeiro Gabriel Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia Otimização Otimização e Teoria dos Jogos Paulo Henrique Ribeiro Gabriel phrg@ufu.br Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia 2016/2 Paulo H. R. Gabriel (FACOM/UFU) GSI027 2016/2 1 / 26

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 2.2 Oligopólio em Preços (Bertrand)

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 2.2 Oligopólio em Preços (Bertrand) Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 2.2 Oligopólio em Preços (Bertrand) Isabel Mendes 2007-2008 18-03-2008 Isabel Mendes/MICRO II 1 O modelo de Cournot

Leia mais

Modelos de Oligopólio. Paulo C. Coimbra

Modelos de Oligopólio. Paulo C. Coimbra Modelos de Oligopólio Paulo C. Coimbra 1 Modelos de Oligopólio Existem três modelos de oligopólio dominantes Cournot Bertrand Stackelberg líder-seguidora Eles são distinguidos pela variável de decisão

Leia mais

MAT 461 Tópicos de Matemática II Aula 8: Resumo de Probabilidade

MAT 461 Tópicos de Matemática II Aula 8: Resumo de Probabilidade MAT 461 Tópicos de Matemática II Aula 8: Resumo de Probabilidade Edson de Faria Departamento de Matemática IME-USP 28 de Agosto, 2013 Probabilidade: uma Introdução / Aula 8 1 Desigualdades de Markov e

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes: Introdução a Teoria dos Jogos com Aplicações a Redes de Computadores

Tópicos Especiais em Redes: Introdução a Teoria dos Jogos com Aplicações a Redes de Computadores Tópicos Especiais em Redes: Introdução a Teoria dos Jogos com Aplicações a Redes de Computadores Aula passada: Discussão sobre situações de conflito Exemplos de jogos Jogo em aula Aula de hoje: Introdução

Leia mais

O valor esperado de uma quantidade aleatória Paulo Cezar Pinto Carvalho IMPA e EMAp/FGV

O valor esperado de uma quantidade aleatória Paulo Cezar Pinto Carvalho IMPA e EMAp/FGV O valor esperado de uma quantidade aleatória Paulo Cezar Pinto Carvalho IMPA e EMAp/FGV Um conceito simples e útil mas que não é normalmente explorado no Ensino Fundamental no Brasil é o de valor esperado

Leia mais

Lista de exercícios 5 Microeconomia 1

Lista de exercícios 5 Microeconomia 1 Lista de exercícios 5 Microeconomia 1 Graduação em economia Exercícios para entrega 08 de junho de 2016 Exercício 1. Uma empresa produz bolas de gude e possui a seguinte função de produção: Q = 2(KL) 0.5,

Leia mais

Teoria do Consumidor: Equilíbrio do Consumidor

Teoria do Consumidor: Equilíbrio do Consumidor Teoria do Consumidor: Equilíbrio do Consumidor Roberto Guena de Oliveira 16 de março de 2012 Roberto Guena de Oliveira () Equilíbrio 16 de março de 2012 1 / 36 Sumário 1 Restrição orçamentária 2 Restrição

Leia mais

Busca competitiva. Inteligência Artificial. Profª. Solange O. Rezende

Busca competitiva. Inteligência Artificial. Profª. Solange O. Rezende Profª. Solange O. Rezende 1 O que vimos até agora... Busca não informada Baseada somente na organização de estados e a sucessão entre eles Busca informada Utiliza, também, informações a respeito do domínio

Leia mais

ELEMENTOS DE PROBABILIDADE. Prof. Paulo Rafael Bösing 25/11/2015

ELEMENTOS DE PROBABILIDADE. Prof. Paulo Rafael Bösing 25/11/2015 ELEMENTOS DE PROBABILIDADE Prof. Paulo Rafael Bösing 25/11/2015 ELEMENTOS DE PROBABILIDADE Def.: Um experimento é dito aleatório quando o seu resultado não for previsível antes de sua realização, ou seja,

Leia mais

Teoria da Decisão. Rev.1)Vendedor ambulante de camisas esportivas: Paulo Lobo

Teoria da Decisão. Rev.1)Vendedor ambulante de camisas esportivas: Paulo Lobo Teoria da Decisão Rev.1)Vendedor ambulante de camisas esportivas: Teoria da Decisão Custo: $ 10 Preço: $ 35 Perda: 30 % Custos Fixos: $ 1.000 por dia Camisas não vendidas, Preço: $ 2/Unidade(Devolução)

Leia mais

ANÁLISE DE DECISÃO 2013/2014

ANÁLISE DE DECISÃO 2013/2014 ANÁLISE DE DECISÃO 2013/2014 Caderno de Exercícios n.º 1 Modelação de Incerteza A. Representação de problemas em árvores de decisão e em diagramas de influência Exercício 1 Antes de conceder crédito a

Leia mais

Uma Ferramenta para Simulação de Leilões

Uma Ferramenta para Simulação de Leilões Monografia Renata Luiza dos Santos Claro e Thiago Figueiredo da Silva Universidade de São Paulo Instituto de Matemática e Estatística Bacharelado em Ciência da Computação Uma Ferramenta para Simulação

Leia mais

Objeto da ciência econômica: é a questão da escassez, ou seja, economizar recursos.

Objeto da ciência econômica: é a questão da escassez, ou seja, economizar recursos. Escassez e Curvas de Produção Como visto anteriormente, a economia é uma ciência social uma vez que objetiva atender às necessidade humanas: como o indivíduo e a sociedade utilizam os recursos, na produção

Leia mais

Estatística. Capítulo 3 - Parte 1: Variáveis Aleatórias Discretas. Professor Fernando Porto

Estatística. Capítulo 3 - Parte 1: Variáveis Aleatórias Discretas. Professor Fernando Porto Estatística Capítulo 3 - Parte 1: Variáveis Aleatórias Discretas Professor Fernando Porto Lançam-se 3 moedas. Seja X o número de ocorrências da face cara. O espaço amostral do experimento é: W = {(c,c,c),(c,c,r),(c,r,c),(c,r,r),(r,c,c),(r,c,r),(r,r,c),(r,r,r)}

Leia mais

Enunciados dos Exercícios Cap. 2 Russell & Norvig

Enunciados dos Exercícios Cap. 2 Russell & Norvig Enunciados dos Exercícios Cap. 2 Russell & Norvig 1. (2.2) Tanto a medida de desempenho quanto a função de utilidade medem o quanto um agente está desempenhando bem suas atividades. Explique a diferença

Leia mais

por Partes Objetivo Dividir para conquistar! Aprender a técnica de integração por partes.

por Partes Objetivo Dividir para conquistar! Aprender a técnica de integração por partes. MÓDULO 2 - AULA 9 Aula 9 Técnicas de Integração Integração por Partes Objetivo Aprender a técnica de integração por partes. Dividir para conquistar! Júlio César Nas duas últimas aulas, você aprendeu a

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 3.1 Introdução à Teoria das Probabilidades e da Preferência pelo Risco Isabel Mendes 2007-2008 18-03-2008 Isabel Mendes/MICRO

Leia mais

Econometria II. Equações simultâneas

Econometria II. Equações simultâneas Eco monitoria Leandro Anazawa Econometria II Este não é um resumo extensivo. O intuito deste resumo é de servir como guia para os seus estudos. Procure desenvolver as contas e passos apresentados em sala

Leia mais

Exercícios resolvidos sobre Teoremas de Probabilidade

Exercícios resolvidos sobre Teoremas de Probabilidade Exercícios resolvidos sobre Teoremas de Probabilidade Aqui você tem mais uma oportunidade de estudar os teoremas da probabilidade, por meio de um conjunto de exercícios resolvidos. Observe como as propriedades

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Departamento de Economia

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Departamento de Economia Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto REC MICROECONOMIA II EXERCÍCIOS SOBRE MONOPÓLIO PROF. DR. ROBERTO GUENA DE OLIVEIRA () O seguinte jogo é oferecido a uma consumidora:

Leia mais

Escol Superior Agrária de Ponte de Lima Disciplina de Economia Ambiental Exercício sobre Recursos Renováveis: Gestão de um Pesqueiro

Escol Superior Agrária de Ponte de Lima Disciplina de Economia Ambiental Exercício sobre Recursos Renováveis: Gestão de um Pesqueiro Escol Superior Agrária de Ponte de Lima Disciplina de Economia Ambiental Exercício sobre Recursos Renováveis: Gestão de um Pesqueiro (A) Preencha a Tabela fornecida, dada a seguinte informação sobre o

Leia mais

REC 2110 Microeconomia II exercícios sobre monopólio

REC 2110 Microeconomia II exercícios sobre monopólio REC 21 Microeconomia II exercícios sobre monopólio Prof. Dr. Roberto Guena de Oliveira 24 de novembro de 2011 1. A função de custo de uma empresa monopolista é dada por C T(q)=0,5q 2, sendo C T o custo

Leia mais

Aula 6. Testes de Hipóteses Paramétricos (I)

Aula 6. Testes de Hipóteses Paramétricos (I) Aula 6. Testes de Hipóteses Paramétricos (I) Métodos Estadísticos 2008 Universidade de Averio Profª Gladys Castillo Jordán Teste de Hipóteses Procedimento estatístico que averigua se os dados sustentam

Leia mais

Exemplo do jogo dos fósforos Terça-feira, 9 de maio. Exemplo para o Problema do Corpo de Bombeiros. Exemplo: Localidade do Corpo de Bombeiros

Exemplo do jogo dos fósforos Terça-feira, 9 de maio. Exemplo para o Problema do Corpo de Bombeiros. Exemplo: Localidade do Corpo de Bombeiros 15.053 Terça-feira, 9 de maio Busca Heurística: métodos para resolver problemas de otimização difíceis Distribuir: Anotações da Aula Veja a introdução ao trabalho Very Large Scale Neighborhood Search (está

Leia mais

Manual básico de Go. MANUAL BÁSICO DE GO. Distribuição Gratuita.

Manual básico de Go. MANUAL BÁSICO DE GO. Distribuição Gratuita. MANUAL BÁSICO DE GO Distribuição Gratuita. Regras do GO: 1 As peças pretas começam a não ser que seja um jogo com handicap. 2 Os jogadores alternam suas jogadas, jogando-se uma peça por vez. 3 As peças

Leia mais

Aula 3 A Reta e a Dependência Linear

Aula 3 A Reta e a Dependência Linear MÓDULO 1 - AULA 3 Aula 3 A Reta e a Dependência Linear Objetivos Determinar a equação paramétrica de uma reta no plano. Compreender o paralelismo entre retas e vetores. Entender a noção de dependência

Leia mais

Teste de hipóteses para uma média populacional com variância conhecida e desconhecida

Teste de hipóteses para uma média populacional com variância conhecida e desconhecida Teste de hipóteses para uma média populacional com variância conhecida e desconhecida Teste de hipóteses para uma média populacional com variância conhecida Tomando-se como exemplo os dados de recém-nascidos

Leia mais

Análise I Solução da 1ª Lista de Exercícios

Análise I Solução da 1ª Lista de Exercícios FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS Centro de Ciências e Tecnologia Curso de Graduação em Matemática Análise I 0- Solução da ª Lista de Eercícios. ATENÇÃO: O enunciado

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) Microeconomía II CSA-140 Prof. Martin H. Vargas Barrenechea Lista

Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) Microeconomía II CSA-140 Prof. Martin H. Vargas Barrenechea Lista Questão 1 (Preferências Altruísticas) A persona 1 se importa con sua renda e com a renda da persona 2. Precisamente, o valor que ela coloca sobre sua renda é o mesmo que dá para duas unidades de renda

Leia mais

Curso Profissional de Nível Secundário

Curso Profissional de Nível Secundário Curso Profissional de Nível Secundário Técnico Auxiliar de Saúde 2 TAS Ano Letivo: 2014/2015 Matemática (200 horas) 11º Ano PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO A7 Probabilidades Fenómenos aleatórios. 2 aulas Argumento

Leia mais

Estatística Empresarial. Fundamentos de Probabilidade

Estatística Empresarial. Fundamentos de Probabilidade Fundamentos de Probabilidade A probabilidade de chuva é de 90% A probabilidade de eu sair é de 5% Conceitos Básicos Conceitos Básicos 1. Experiência Aleatória (E) Processo de obtenção de uma observação

Leia mais

Unidade IV ESTRATÉGIA APLICADA. Profª. Lérida Malagueta

Unidade IV ESTRATÉGIA APLICADA. Profª. Lérida Malagueta Unidade IV ESTRATÉGIA APLICADA TEORIA DOS JOGOS Profª. Lérida Malagueta Estratégia estritamente dominada Representa estrategicamente a fraqueza algébrica da escolha. Os jogadores têm uma ou mais opções

Leia mais

Capítulo 2: Procedimentos e algoritmos

Capítulo 2: Procedimentos e algoritmos Capítulo 2: Procedimentos e algoritmos Para estudar o processo de computação de um ponto de vista teórico, com a finalidade de caracterizar o que é ou não é computável, é necessário introduzir um modelo

Leia mais

CAPÍTULO 4 PROBABILIDADE PROBABILIDADE PPGEP Espaço Amostral e Eventos Espaço Amostral e Eventos UFRGS. Probabilidade.

CAPÍTULO 4 PROBABILIDADE PROBABILIDADE PPGEP Espaço Amostral e Eventos Espaço Amostral e Eventos UFRGS. Probabilidade. PROBABILIDADE CAPÍTULO 4 PROBABILIDADE UFRGS A Teoria das s estuda os fenômenos aleatórios. Fenômeno Aleatório: são os fenômenos cujo resultado não pode ser previsto exatamente. Se o fenômeno se repetir,

Leia mais

Então (τ x, ) é um conjunto dirigido e se tomarmos x U U, para cada U vizinhança de x, então (x U ) U I é uma rede em X.

Então (τ x, ) é um conjunto dirigido e se tomarmos x U U, para cada U vizinhança de x, então (x U ) U I é uma rede em X. 1. Redes Quando trabalhamos no R n, podemos testar várias propriedades de um conjunto A usando seqüências. Por exemplo: se A = A, se A é compacto, ou se a função f : R n R m é contínua. Mas, em espaços

Leia mais

TÉCNICAS DE AMOSTRAGEM

TÉCNICAS DE AMOSTRAGEM TÉCNICAS DE AMOSTRAGEM Ralph dos Santos Silva Departamento de Métodos Estatísticos Instituto de Matemática Universidade Federal do Rio de Janeiro Sumário Definições e Notação Estimação Amostra Aleatória

Leia mais

Decisão Decidir Análise / Teoria da Decisão

Decisão Decidir Análise / Teoria da Decisão Decisão Decidir é o acto de seleccionar uma linha de acção preferida entre várias alternativas existentes. Existem diversos instrumentos que podem contribuir para a tomada de decisões, dependentes do ambiente

Leia mais

TEORIA MICROECONÔMICA I N

TEORIA MICROECONÔMICA I N CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA ECO 1113 TEORIA MICROECONÔMICA I N PROFESSOR: JULIANO ASSUNÇÃO TURMA: 2JA Monopólio 1. Indique se as afirmações a seguir são verdadeiras ou falsas e

Leia mais

Valor Esperado. Valor Esperado. Valor Esperado. Valor Esperado. Valor Esperado

Valor Esperado. Valor Esperado. Valor Esperado. Valor Esperado. Valor Esperado 1 2 Sumário (7ª aula), pp. 32-48 1. Conceitos básicos de estatística descritiva 1.8 Noção de valor esperado Fim da estatística descritiva 2. Noção de valor e de preço/cotação 2.1 Noção de preço relativo

Leia mais

Considere a função f(x). Para algum x a f (x) pode não existir. Suponha que. Max f(x) s. a a x b

Considere a função f(x). Para algum x a f (x) pode não existir. Suponha que. Max f(x) s. a a x b Considere a função f(x). Para algum x a f (x) pode não existir. Suponha que se queira resolver o seguinte PPNL: Max f(x) s. a a x b Pode ser que f (x) não exista ou que seja difícil resolver a equação

Leia mais

Significância do Coeficiente de Correlação

Significância do Coeficiente de Correlação Significância do Coeficiente de Correlação A primeira coisa que vamos tentar fazer nesta aula é apresentar o conceito de significância do coeficiente de correlação. Uma vez entendido este conceito, vocês

Leia mais

PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL. Introdução Considere f uma função, não constante, de uma variável real ou complexa, a equação f(x) = 0 será denominada equação de uma incógnita. EXEMPLO e x + senx

Leia mais

Noções sobre Probabilidade

Noções sobre Probabilidade Noções sobre Probabilidade Introdução Vimos anteriormente como apresentar dados em tabelas e gráficos, e também como calcular medidas que descrevem características específicas destes dados. Mas além de

Leia mais

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin ECO/UnB 2013-I. Aula 09-Parte 2 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin ECO/UnB 2013-I. Aula 09-Parte 2 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin Toria dos Jogos Prof. Maurício Bugarin CO/UnB -I Aula 9-Part Toria dos Jogos Maurício Bugarin Cap.. Jogos Dinâmicos com Informação Complta Rotiro Capítulo. Jogos Dinâmicos com Informação Complta.. Jogos

Leia mais

Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015

Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015 bras.png Cálculo I Logonewton.png Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015 Objetivos da Aula: Definir limite de uma função Definir limites laterias Apresentar as propriedades operatórias

Leia mais

Lecture 3a Testes de Hipótese

Lecture 3a Testes de Hipótese Métodos Quantitativos em Contabilidade I Programa de Pós-Graduação em Controladoria e Contabilidade Lucas Barros lucasbarros@usp.br Henrique Castro hcastro@usp.br Universidade de São Paulo 1 of 19 Lecture

Leia mais

Mercados de Emparelhamento

Mercados de Emparelhamento Mercados de Emparelhamento Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti Mercados de Emparelhamento Mercados - interação econômica entre pessoas numa rede estruturada Mercados de Emparelhamento modelam:

Leia mais

Introdução à Macroeconomia. Danilo Igliori Desemprego

Introdução à Macroeconomia. Danilo Igliori Desemprego Introdução à Macroeconomia Danilo Igliori (digliori@usp.br) Desemprego 1 Taxa natural de desemprego É a taxa média de desemprego em torno da qual a economia flutua (equilíbrio). Em uma recessão, a taxa

Leia mais

Funções Geradoras de Variáveis Aleatórias. Simulação Discreta de Sistemas - Prof. Paulo Freitas - UFSC/CTC/INE

Funções Geradoras de Variáveis Aleatórias. Simulação Discreta de Sistemas - Prof. Paulo Freitas - UFSC/CTC/INE Funções Geradoras de Variáveis Aleatórias 1 Funções Geradoras de Variáveis Aleatórias Nos programas de simulação existe um GNA e inúmeras outras funções matemáticas descritas como Funções Geradoras de

Leia mais

Estatística. Probabilidade. Conteúdo. Objetivos. Definições. Probabilidade: regras e aplicações. Distribuição Discreta e Distribuição Normal.

Estatística. Probabilidade. Conteúdo. Objetivos. Definições. Probabilidade: regras e aplicações. Distribuição Discreta e Distribuição Normal. Estatística Probabilidade Profa. Ivonete Melo de Carvalho Conteúdo Definições. Probabilidade: regras e aplicações. Distribuição Discreta e Distribuição Normal. Objetivos Utilizar a probabilidade como estimador

Leia mais

Capítulo Equações da reta no espaço. Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que

Capítulo Equações da reta no espaço. Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que Capítulo 11 1. Equações da reta no espaço Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que AP = t AB Fig. 1: Reta r passando por A e B. Como o ponto

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Pesquisa Operacional Casos Especiais do Método Simplex e Gráfica Profa. Sheila Morais de Almeida DAINF-UTFPR-PG setembro - 2015 1 Casos Especiais do Método Simplex Degeneração Múltiplas soluções ótimas

Leia mais

Exemplo: Uma indústria usa um parafuso importado, que deve satisfazer algumas exigências, como resistência a tração. Esses parafusos são fabricados

Exemplo: Uma indústria usa um parafuso importado, que deve satisfazer algumas exigências, como resistência a tração. Esses parafusos são fabricados 1 2 3 Feita alguma afirmação sobre uma população, normalmente sobre um parâmetro dela, desejamos saber se os resultados experimentais provenientes de uma amostra contrariam ou não a afirmação. A idéia

Leia mais