UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADEMICA DE GARANHUNS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADEMICA DE GARANHUNS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADEMICA DE GARANHUNS Aluno: Alex Marques Resende Curso de Zootecnia Relatório final apresentado ao Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Cientifica/ PIBIC-PIC. ORIENTADOR: Prof. Dr. Victor Pereira de Oliveira GARANHUNS-PE JULHO 2013

2 Projeto de pesquisa: TERRITÓRIO DO AGRESTE MERIDIONAL, DO SERTÃO DO PAJEÚ E DA MATA SUL EM PERNAMBUCO: acompanhamento e avaliação dos resultados do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável de Territórios Rurais. Subprojeto de pesquisa: Análise da estrutura da cadeia produtiva de peixes na microrregião de Garanhuns (PE): estágio atual e potencialidades Instituição: Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE Unidade Acadêmica de Garanhuns UAG Candidato: Alex Marques Resende Discente de zootecnia UAG/UFRPE Numero do processo: Orientador: Prof. Dr. Victor Pereira de Oliveira Professor adjunto I UAG/UFRPE Tel.: (87) Cel.: (87) Referência: Relatório parcial referente à Bolsa de

3 RESUMO A produção de peixes no estado de Pernambuco é bastante diferenciada, sendo no litoral onde se concentra a maior comercialização e produção de peixes marinhos, em contra partida a região do vale do São Francisco têm produzido em abundância peixes de água doce de caráter econômico como a tilápia do nilo (Oreochromis niloticus). A região do agreste meridional, especialmente a microrregião de Garanhuns PE, não possui ainda dados sobre a comercialização deste tipo de produto agropecuário. Foram elaborados e aplicados questionários a respeito da produção e comercialização de peixes na região, respectivamente em comunidades rurais produtoras e em feiras livres, supermercados dentre outros. A cadeia produtiva é bastante desorganizada e não dispõem ainda de assistência técnica voltada a sua estruturação. 1. INTRODUÇÃO O consumo de peixe em todo o mundo tem aumentado nas cinco últimas décadas, sendo observado em 1961 um consumo per capita em média de 9,9 kg, 12,6 kg em 1980, nos anos 1990 para 14,4 kg e em 2008 para 17,1 kg. O que se observa um crescimento de 58% ao longo das últimas cinco décadas (FAO, 2010). No Brasil, o total produzido pela a aquicultura brasileira no ano de 2008 foi de toneladas, e em 2009 de 415,649 toneladas, tendo sido registrado um aumento de 13,8% entre esse período. A piscicultura é a área da aquicultura que mais movimenta este setor responsável por um crescimento de 19,6% entre os anos de 2008 e Nos últimos anos o estado do Mato Grosso vem apresentando os maiores índices de crescimento da piscicultura vêm se desenvolvendo ao longo dos anos e alcançando lugar de destaque no cenário nacional, principalmente no período de 1992 a 2005 quando cresceu mais de 600%, para isso necessitou de importantes mudanças estruturais ao longo dos anos de acordo com Souza et al.(2008). O estado de Pernambuco produziu toneladas de organismos aquáticos de água doce no ano de 2009, abaixo da média nacional e ainda mais quando comparado no Nordeste pela quantidade produzida pelo estado do Ceará, quarto maior produtor, com uma produção de toneladas ANUÁRIO DE PESCA (2009). Ainda em Pernambuco a região que mais se destaca na piscicultura de água doce pertence ao Vale do São Francisco com produção anual de toneladas nos canais de irrigação em

4 áreas loteadas no perímetro Nilo Coelho e Bebedouro segundo Melo; Santos; Damasceno (2011). No Agreste Meridional, local dessa investigação, a piscicultura se apresenta de forma artesanal, porém apesar de ter problemas com estiagem, uma vez que se localiza também no semiárido, ainda possui rios perenes, açudes e barragens que possuem potencial para exploração da piscicultura. Existem municípios com alguns métodos de criação como em tanques rede, viveiro escavado, e açudes. As importações de pescado no Brasil vêm desde 2006, tendo um crescimento a cada ano. Os produtos de maior importação são: peixes frescos, congelados e crustáceos. E exportando peixes ornamentais, filés frescos e crustáceos, levando a movimentação de US$ ,00 dólares na balança comercial do país. Segundo a Balança Comercial do Pescado (2009). A região Nordeste responde por 60% das exportações de pescado no país, o estado do Ceará e Rio Grande do Norte respondem por 75% das exportações de camarão no ano de 2006, representando um valor de US$ 16,5 milhões. A exportação de peixes se apresenta na forma de congelados como forma de processamento, sendo o pargo, a corvina, os atuns e a tilápia as principais espécies de acordo com Carvalho & Kolb (2008). Este trabalho teve início em 2012 na cidade de Garanhuns (PE), que atende a microrregião formada por mais oito cidades que a compõem: Angelim, Bom Conselho, Brejão, Caetés, Correntes, São João, jupi, jucati e contribuem economicamente, para o agreste meridional de pernambucano. Com o intuído de conhecer a produção de peixes e analise da estruturação da cadeia produtiva, promovendo o desenvolvimento da região e diversificando a produção pecuária da região, além de conhecer os entraves que dificultam o avanço desta atividade a fim de promover o desenvolvimento econômico. 2. OBJETIVOS Objetivo Geral Pesquisar as condições de produção de peixes nos municípios do Agreste Meridional, próximos a Garanhuns (PE). Objetivo Específico

5 1. Conhecer a estrutura atual da produção de peixes; 2. Verificar as condições socioeconômicas relacionadas aos sistemas produtivos; 3. Analisar o potencial existente para a organização de uma cadeia produtiva. 3. MATERIAIS E MÉTODOS Os questionários foram elaborados de acordo com alguns questionamentos indagados por CLARA MELO (2010). O questionário com 19 perguntas subdivididas em três áreas distintas: descrição física da propriedade, produção e manejo e comercialização. Para os produtores, procurou-se conhecer a localização da propriedade, a área total da propriedade, atividades agropecuárias desenvolvidas, área utilizada pela piscicultura, aquisição de alevinos, forma de cultivo, parâmetros físico-químicos da água, como também reuso de água residual. Foi aplicada na comunidade de Mata Virgem, zona rural de Bom Conselho PE, os entrevistados pertenciam a um grupo de piscicultores num assentamento no município. Nos municípios de Correntes e Brejão, não foi encontrado nem um grupo ou piscicultor que pertence a alguma associação ou cadastro de piscicultores em sindicatos rurais nos mesmos ou em outros municípios pertencentes à microrregião de Garanhuns. Todos os questionários utilizados procuraram corresponder a um percentual que representa toda a microrregião formada por: Garanhuns, Angelim, Saloá, Bom Conselho, Terezinha, Brejão, Correntes, São João, Caetés. Para os que comercializam o peixe, os questionários foram aplicados em feiras-livre, supermercados, restaurantes e peixaria em Garanhuns, contendo dez quesitos com as principais indagações a respeito da comercialização de peixe como: espécies mais procuradas pelo o consumidor, forma de aquisição do produto, origem do produto, quantidade comercializada, potencial de perdas do produto, época mais vendida. As pessoas eram escolhidas aletoriamente, nos principais pontos de trânsito de pessoas pelos locais determinados da pesquisa, elas responderam os questionários a próprio punho sendo aplicados trinta questionários ao total, sendo posteriormente reunidos e concentrados para analise dos dados e discussão dos resultados encontrados.

6 4. RESULTADO E DISCUSSÃO 1. Diagnóstico da produção de peixes A produção de peixes na área que contempla várias cidades no entorno de Garanhuns PE que visa abastecer a região com essa fonte de proteína animal, ainda é muito pequena. Foi encontrado um número muito reduzido de produtores e de registro nas secretárias de agricultura dos municípios, bem como associações de produtores. Através desta pesquisa foi possível obter algumas informações de como está à produção de peixes na microrregião e seu fornecimento para o consumo. Foi observado que no assentamento na comunidade de Mata Virgem, zona rural de Bom Conselho PE onde 100 por cento dos peixes produzidos são tilápias e adquiridos de um produtor de alevinos do estado da Bahia, mostrando que não foi encontrado produção de alevinos na região estudada, que dificulta e onera a produção, sendo este um insumo fundamental para a cadeia produtiva e com isso fica claro como sendo um elo fraco na produção de peixes na microrregião. Os peixes são todos produzidos em sistema de tanques escavados por serem mais práticos, visto que os produtores desempenham outras atividades na propriedade, além da piscicultura. A baixa produtividade observada se dá pela falta de assistência técnica e a falta de tecnologias que poderiam maximizar a produção, rotinas como a manutenção e controle da qualidade de água não são realizados, o que impacta diretamente na produtividade dos animais, pois saber como lidar com níveis de ph e oxigênio dissolvido (OD) são medidas básicas de manejo. As fontes de água utilizadas para a produção tem origem de nascentes, próximas às propriedades e localizadas em um resquício de mata atlântica, que são represadas e posteriormente direcionadas às propriedades, através de córregos por ação da gravidade. Os produtores comercializam os peixes produzidos em feiras livres do município de Bom Conselho PE e em comunidades próximas do assentamento, cada produtor é responsável por comercializar seu produto, o que sinaliza uma falta de organização em termos de associativismo e cooperativismo, o que poderia contribuir diretamente para valorização e ampliação de sua atuação no mercado. A forma de o peixe ser repassado ao consumidor pelos produtores são fresco e eviscerado, ficando evidente a falta de treinamento dos produtores, pois, através de capacitação e treinamento seja por meio de cooperativa, associação ou outras unidades, o produtor terá capacidade de aumentar seu

7 faturamento, agregando valor aos seus produtos o que denota um tempo de vida útil menor ao produto. A utilização de metodologias rústicas de criação de peixes por parte dos produtores reflete no produto final, práticas de manejo como a biometria, prática simples e rápida, poderia auxiliar em um maior controle de sua produção, pois a partir dela podemos estimar a produção e manter um padrão do produto, visto que o consumidor final visa um produto padronizado e de qualidade. A Figura 1 mostra que os peixes comercializados não seguem um tamanho padrão, consequência da falta de manejo. 50% 28,57% 14,29% 7,14% cm cm cm cm Figura 1 Tamanho dos peixes comercializados em quantidade de entrevistados e porcentagem em relação ao tamanho. Como podemos observar na Figura 2, não há controle do custo de produção, sendo este feito de forma empírica o que dificulta a compreensão do negócio, de maneira que não é possível observar em números se a atividade é financeiramente viável, ou até mesmo impedindo o planejamento estratégico, visando à ampliação do negócio, ressaltando que o controle do custo de produção é uma medida básica para qualquer atividade que visa a lucratividade.

8 SIM NÃO Total % Figura 2 Controle dos custos de produção dos peixes realizado pelos produtores. 2. Diagnóstico da comercialização de peixes Este estudo identificou quais são as espécies comercializadas em vários tipos de estabelecimentos comerciais da microrregião de Garanhuns que se encontram no agreste meridional do estado de Pernambuco, os locais mais comuns são: restaurantes, feiras livres e supermercados. Foram encontradas espécies bastante comuns de norte a sul do país, principalmente espécies de água salgada como está apresentado na Tabela 1, além disso, foram identificadas algumas espécies de peixes de água doce típicos do semiárido, como também de outras regiões do Brasil, sendo difícil encontrar peixes da região amazônica. Dentre os mais comercializados se destaca a tilápia representando 13,04% das espécies vendida, seguida por bacalhau, salmão, sardinha e tainha com 7,25% para cada espécie, revelando a grande importância da tilápia para a cadeia produtiva do peixe. A tilápia é a espécie mais produzida, podendo ser encontrada em praticamente todo o território nacional, exceto nas regiões abrangidas pelas Bacias do Amazonas e Paraguai, onde seu cultivo não é permitido pela legislação ambiental vigente. A produção de tilápias, em 2009, representou 39% do total de pescado proveniente da piscicultura continental ANUÁRIO DE PESCA (2009). E foi a única espécie cultivada na região, outros peixes menos consumidos são carito, piaba, piau e tambaqui com 1,45% respectivamente. Tabela 1 Peixes comercializados no município de Garanhuns PE.

9 Nome comum Nome científico Total (%) Atum³ Thunnus spp. 2,90 Bacalhau³ Gadus morhua 7,25 Cavalinha³ Scomber japonicus 2,90 Corvina³ Micropogonias fumieri 4,35 Dourado² Salminus maxillosus 4,35 Mandi¹ Pimelodus spp. 2,90 Manjuba¹ Anchoyiella lepidentostole 4,35 Merluza³ Merluccius hubbs 5,80 Pescada branca³ Cynoscion leiarchus 4,35 Piaba 1 Leporinus spp. 1,45 Piau² Leporinus elongatus 1,45 Piramutaba² Branchyplatystoma vaillant 4,35 Salmão³ Salmo salar 7,25 Sardinha³ Sardinops sagax 7,25 Surubim 1 Pseudoplatystoma corruscans 5,80 Tainha³ Agonostomos spp. 7,25 Tambaqui² Colossoma macropumum 1,45 Tilápia³ Oreochromis niloticus 13,05 Traíra 1 Hoplias spp. 4,35 Total ( 1 ) peixes nativos da região semiárida. ( 2 ) peixes nativos de outras regiões do Brasil. ( 3 ) peixes comumente comercializados de em todo território nacional. Os peixes comercializados são adquiridos em grande parte por empresas distribuidoras localizadas nos estados da Bahia, Ceará, Rio Grande do Norte e Pernambuco, como mostrado na Figura 4, além de outros que não apresentaram tanta significância. Outro fato de interesse é que a mesma porcentagem representa os intermediadores, ou seja, pessoas que compram diretamente dos produtores e vendem para rede varejista, que reduz significativamente o ganho por parte dos produtores, pois, os intermediadores (atravessadores) pagam aos produtores um valor abaixo do mercado pelo produto como mostrado na Figura 3. Por consequência disso, os produtores rurais ficam com uma parcela muito pequena da comercialização dos peixes, muitas vezes por falta de organização dos produtores que vendem seus produtos individualmente, sem

10 nenhum tipo de organização, o que dificulta ainda mais sua estabilização no mercado, nas pesquisas não foi encontrada outra forma de comercialização. 14,3% Produtor Rural 0% outros 42,85% Distribuidor 42,85% Intermediador Figura 3 Formas de aquisição de peixes pelos comerciantes, no município de Garanhuns PE. 26,32% 31,58% 10,53% 15,79% 5,26% 5,26% 5,26% PE BA CE AL RN PA SC Figuras 4 Principais estados fornecedores de peixes ao município de Garanhuns PE. De acordo com a Figura 5, a quantidade de peixes comercializados em diferentes estabelecimentos denota como é variada a forma de venda desses animais, os restaurantes possuem a maior parcela de comercialização de peixes, devido ao uso de pratos variados que atraem os clientes a procura de novos sabores, em segundo vem os supermercados, seguido de peixaria e feiras livres. O que se observou nos

11 estabelecimentos que comercializam peixes, sem ser diretamente para o consumo, são as condições de higiene, qualidade do produto e sua confiabilidade. A falta de processamento na carne de peixe é o principal aspecto que reduz o consumo segundo Melo; Santos; Damasceno (2011). 3,5 3 2,5 2 1,5 1 Feiras Peixaria Restaurante supermercado 0,5 0 (10-20) Kg (20-30) Kg (30-40) Kg (40-50) Kg (50-60) Kg (>100) Kg (>500) Kg (>1000) Kg Figura 5 Quantidade comercializada por estabelecimentos, relação de número de entrevistados quantidades em quilogramas (Kg) comercializadas por semana. Ainda utilizando a Figura 5, observa-se que a quantidade de carne de peixe comercializada nos diferentes estabelecimentos apresenta as seguintes parâmetros: a partir da pesquisa com os feirantes entrevistados foi possível estabelecer quantitativos de comercialização de peixes por feira e por semana. Nesse caso, especificamente para feiras os parâmetros foram os seguintes: (20-30 Kg); (30-40Kg), (40-50) e (50-60 Kg).., assim como para peixarias, restaurantes e supermercados. Em Garanhuns existe apenas um estabelecimento que comercializa somente peixes e frutos do mar, nele encontramos uma variedade de peixes e pescados e o quantitativo de vendas varia de (50-60 Kg) até (>100 Kg) por semana. Nos supermercados ocorre também uma alta amplitude de venda por semana, variando de (50-60 Kg) à (>500 Kg). O segmento dos restaurantes, também especializado com a venda de peixes, oferta um quantitativo variando de (>100 Kg) até (>1000 Kg). 5. CONCLUSÃO

12 Podemos concluir que primeiro, os piscicultores existentes na região não possuem nem um treinamento ou experiência com a piscicultura, visto que essa atividade foi recentemente introduzida no assentamento rural e também não se tem registro de piscicultores nos sindicatos rurais, sendo essa atividade realizada de forma rudimentar e complementar a outras atividades. A comercialização é realizada eficientemente por parte das grandes empresas atacadistas como supermercados, porém a aquisição dos peixes, em grande parte, ocorre a partir de intermediadores que não contribuem diretamente para o retorno financeiro ao produtor, onerando o custo de produção por ter um menor valor agregando. 6. LITERATURA CITADA ANUÁRIO DE PESCA Boletim Estatístico da Pesca e Aquicultura. Ministério da pesca e Aquicultura, Brasil CARVALHO, R. M; KOLB, P. C. Análise do comércio de pescado entre Brasil e os Estados Unidos. Sociedade brasileira de economia, administração e sociologia rural, Rio Branco AC, CLARA MELO, C. O. E; ARAÚJO, R. C. P. Análise da sustentabilidade da cadeia produtiva de peixes ornamentais na região metropolitana de Fortaleza-CE. 48º Congresso, Sociedade brasileira de economia, administração e sociologia rural, Campo Grande, MS, Jul CORRÊA, C. F. et al. Caracterização e situação atual da cadeia de produção da piscicultura no Vale do Ribeira. Informações Econômicas, São Paulo, v.38, n.5, maio MELO; SANTOS; DAMASCENO. Comercialização e perfil do consumidor da carne de peixe na região do semiárido de Juazeiro (BA) e Petrolina (PE). Informações Econômicas, São Paulo, v. 41, n. 12, dez SOUZA, P. A. R. et al. Estratégias competitivas na cadeia produtiva do peixe da região de Dourados-MS. Sociedade brasileira de economia, administração e sociologia rural, Rio Branco AC, 2008.

13 The state of world fisheries and aquaculture. Rome: FAO, Disponível em: <http://www.fao.org/fishery/sofia/en>. Acesso em: 01 mar Balança Comercial do pescado, Coordenação-Geral de Comercialização e promoção Comercial, Ministério da Pesca e Aquicultura, <ftp://ftp.sp.gov.br/ftppesca/bal/comer/pesc09.pdf>. Acesso em: 05 mar CRONOGRAMA DE ATIVIDADES Atividades Preparação de questionário XX XX A S O N D J F M A M J J Aplicação do questionário XX XX Pesquisa bibliográfica XX XX XX XX XX XX XX Tabulação dos dados XX XX XX Elaboração/apresentação do relatório parcial XX XX Discussão e análise XX XX Elaboração/apresentação do relatório final XX XX Apresentação do projeto XX 7. ATIVIDADES RELEVANTES Curso de inglês pelo projeto ciência sem fronteiras através da plataforma do Rosetta Stone, concluído em Junho de Participação no Simpósio de Biotecnologia do Agreste SIMBA, pela Universidade Federal de Pernambuco, Unidade Acadêmica de Garanhuns UFRPE/UAG, realizado em Fevereiro de 2013.

14 Participação no XXII Congresso Brasileiro de Zootecnia, realizado pela UFMT, em Cuiabá (MT), com apresentação de trabalho, realizado em Maio de DIFICULDADES ENCONTRADAS Aplicação dos questionários aos produtores, devido à disponibilidade de tempo dos produtores e acesso até o assentamento. Encontrar produtores de peixes cadastrados nos sindicatos rurais do município da microrregião de Garanhuns PE. Dificuldade de encontrar artigos, projetos e outros materiais literários a respeito do tema da pesquisa. Alex Marques Resende - Aluno Bolsista Prof. Dr. Victor Pereira de Oliveira Orientador Garanhuns (PE), 14 de Julho de Anexos: Foto 1 Sindicato dos trabalhadores rurais de Bom Conselho - PE

15 Foto 2 Assentamento rural em Bom Conselho PE. Foto 3 Peixaria de Garanhuns PE.

16 Foto 4 Feira livre em Garanhuns PE.

Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas

Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas Ricardo Neukirchner Presidente da ABCT Ass. Brasileira dos Criadores de Tilápia Sócio-Diretor Piscicultura Aquabel Ltda Sócio-Diretor

Leia mais

Informativo. O Mercado da Tilápia - 1 trimestre de 2015. Comportamento do varejo - Mercado Nacional. Mercado da Tilápia

Informativo. O Mercado da Tilápia - 1 trimestre de 2015. Comportamento do varejo - Mercado Nacional. Mercado da Tilápia Informativo Mercado da Tilápia 03 O Mercado da Tilápia - 1 trimestre de 2015 Palmas, TO Abril, 2015 Renata Melon Barroso Med. Veterinária, Dra. em Genética Analista da Embrapa, renata.barroso@embrapa.br

Leia mais

Aquicultura Desenvolvimento Sustentável

Aquicultura Desenvolvimento Sustentável Aquicultura Desenvolvimento Sustentável Cenário Brasileiro Adalmyr Morais Borges Ministério da Pesca e Aquicultura Potencial Mundial Produção Mundial de Proteína Animal (em milhão t) 120 Suínos 100 Pesca

Leia mais

SEGURO AQUÍCOLA LONGLINE ENVIRONMENT PANORAMA DA AQUICULTURA COMO FUNCIONA O SEGURO AQUÍCOLA?

SEGURO AQUÍCOLA LONGLINE ENVIRONMENT PANORAMA DA AQUICULTURA COMO FUNCIONA O SEGURO AQUÍCOLA? ÍNDICE LONGLINE ENVIRONMENT 3 PANORAMA DA AQUICULTURA 3 COMO FUNCIONA O SEGURO AQUÍCOLA? 3 ESPÉCIES ASSEGURADAS 4 RISCOS COBERTOS 5 QUANTO CUSTA O SEGURO AQUÍCOLA? 6 COMO OBTER O SEGURO AQUÍCOLA? 7 3 SEGURO

Leia mais

Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais. CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig.

Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais. CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig. Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig.br Parques Aquícolas Decreto Nº 4.895 de 25 de novembro de 2003 (autorização

Leia mais

O Aquanegócio Brasileiro: uma visão diferente. SEBRAE/MT Cuiabá, 16 Outubro 2014

O Aquanegócio Brasileiro: uma visão diferente. SEBRAE/MT Cuiabá, 16 Outubro 2014 O Aquanegócio Brasileiro: uma visão diferente SEBRAE/MT Cuiabá, 16 Outubro 2014 28 Estados-Membros; 507 milhões de habitantes; Maior importadora mundial de alimentos; Alta demanda por qualidade, segurança

Leia mais

PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE. Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA

PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE. Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA Demanda do Governo do Estado Elaborar um PROGRAMA com oobjetivodeotimizar o uso dos recursos hídricos existentes

Leia mais

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Prevenção, controle e erradicação de doenças e pragas animais e vegetais de interesse econômico e de importância para a saúde pública. Assegurar a sanidade,

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERCADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: JULHO/2014

Leia mais

Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015

Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015 Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015 O País é banhado por uma costa marítima de 8,5 mil quilômetros e possui 12% da água doce do planeta; O pescado é a proteína animal mais saudável e consumida

Leia mais

Plano Safra da Pesca e Aquicultura 2012/2013/2014. Você investe no pescado. O Brasil investe em você.

Plano Safra da Pesca e Aquicultura 2012/2013/2014. Você investe no pescado. O Brasil investe em você. Plano Safra da Pesca e Aquicultura 2012/2013/2014 Você investe no pescado. O Brasil investe em você. Plano Safra da Pesca e Aquicultura. 4,1 bilhões em crédito e investimentos. Mais crédito e investimentos.

Leia mais

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil Revista Ovinos, Ano 4, N 12, Porto Alegre, Março de 2008. Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil João Garibaldi Almeida Viana 1 Os ovinos foram uma das primeiras espécies de animais domesticadas

Leia mais

Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira. Ministro Marcelo Crivella

Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira. Ministro Marcelo Crivella Ministério da Pesca e Aquicultura Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira Ministro Marcelo Crivella SEMINÁRIO PESCA, AQUICULTURA e CARCINICULTURA

Leia mais

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria Médio Integrado em Agroindústria A importância da cadeia do leite A cadeia do leite e de seus derivados desempenha papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda, se igualando

Leia mais

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA SOUZA, Weysser Felipe Cândido de 1 MAGALHÃES, Jeysiane Alves 2 SILVA, José Elenilson Ferreira 2 FILHO, Pedro Brito

Leia mais

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA-

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Índice Sobre o diagnóstico Aspectos sociais e produtivos Aspectos econômicos e mercadológicos Mercado consumidor Análise estratégica Sobre o diagnóstico

Leia mais

Indústria avícola paranaense

Indústria avícola paranaense Indústria avícola paranaense Evoluçã o do consumo de fãrelo de sojã e milho pãrã criãçã o de frãngos no Pãrãnã Ana Luiza Lodi analuiza.lodi@intlfcstone.com Thadeu Silva thadeu.silva@intlfcstone.com Natália

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Geografia 7 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Complete o quadro com as características dos tipos de clima da região Nordeste. Tipo de clima Área de ocorrência Características

Leia mais

Complexo regional do Nordeste

Complexo regional do Nordeste Antônio Cruz/ Abr Luiz C. Ribeiro/ Shutterstock gary yim/ Shutterstock Valter Campanato/ ABr Complexo regional do Nordeste Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, MA. Sertão de Pai Pedro, MG. O norte

Leia mais

EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i

EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i INTRODUÇÃO Entre as inúmeras formas de diálogo que a UFRB (Universidade

Leia mais

Programa BB Aqüicultura e Pesca

Programa BB Aqüicultura e Pesca Programa BB Aqüicultura e Pesca O Banco do Brasil é o maior parceiro dos empreendedores brasileiros, sejam grandes ou pequenos produtores. Isso vale, também, para a aqüicultura e pesca. Assim, com o objetivo

Leia mais

O MERCADO DE PESCADO EM SÃO PAULO

O MERCADO DE PESCADO EM SÃO PAULO O MERCADO DE PESCADO EM SÃO PAULO Unidad Laboral de Referencia en Tecnología del Pescado - ULRTP Instituto de Pesca - APTA -Santos/ SP Brasil Agente financiador: INFOPESCA Equipe Executora Cristiane Rodrigues

Leia mais

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL:

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: UMA ATUALIZAÇÃO Aníbal Rodrigues - anibal@iapar.br Pesquisador - Área de Sócioeconomia Instituto Agronômico do Paraná IAPAR, Curitiba - PR 1 Introdução 2 Metodologia

Leia mais

Parques aquícolas: Oportunidades para Transformar a Aquicultura Brasileira em Agronegócios

Parques aquícolas: Oportunidades para Transformar a Aquicultura Brasileira em Agronegócios V Encontro de Negócios da Aquicultura da Amazônia Manaus/AM Parques aquícolas: Oportunidades para Transformar a Aquicultura Brasileira em Agronegócios André Luiz Scarano Camargo Zootecnista Mestre em Aquicultura

Leia mais

PORTARIA N o 23, DE 25 DE MAIO DE 2007 (publicada no DOU de 28/05/2007, seção I, página 77)

PORTARIA N o 23, DE 25 DE MAIO DE 2007 (publicada no DOU de 28/05/2007, seção I, página 77) PORTARIA N o 23, DE 25 DE MAIO DE 2007 (publicada no DOU de 28/05/2007, seção I, página 77) A SECRETÁRIA DE ORÇAMENTO FEDERAL, tendo em vista a autorização constante do art. 62, inciso III, da Lei n o

Leia mais

Título: PROJETO UNISOL: MÓDULO REGIONAL - CURSO DE PESCADO E PRODUTOS DERIVADOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS. ÁGUA PRETA-PE

Título: PROJETO UNISOL: MÓDULO REGIONAL - CURSO DE PESCADO E PRODUTOS DERIVADOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS. ÁGUA PRETA-PE Título: PROJETO UNISOL: MÓDULO REGIONAL - CURSO DE PESCADO E PRODUTOS DERIVADOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS. ÁGUA PRETA-PE Autores: Marcelo Rodrigues da Silva1Ana C. da Silva Caetano; Danielle F. da Silva;

Leia mais

Plano de Marketing ACEAQ. Junho

Plano de Marketing ACEAQ. Junho Plano de Marketing ACEAQ 2015/16 Junho 2015 Crescimento da População Mundial e demanda Crescimento da População Mundial e demanda por Alimentos Fonte: http://www.ufrgs.br/redesan/demanda mundial de alimentos

Leia mais

Laboratório Embrapa Agropecuária Oeste

Laboratório Embrapa Agropecuária Oeste Laboratório Embrapa Agropecuária Oeste Mecanismos para apoio à C&T em pesca e aquicultura Celebração de convênios (2003 a 2009) Investimentos 199 projetos com componentes de pesquisa apoiados Investimento

Leia mais

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 Pilares do PSPA CRÉDITO PROMOÇÃO PROMOÇÃO DO DO CONSUMO PESQUEIRO PSPA INFRAESTRUTURA ASSISTÊNCIA TÉCNICA COMERCIALI

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing Edson José de Lemos Júnior Ermeson Gomes da Silva Jardson Prado Coriolano da Silva Marcos Antonio Santos Marinho Rosinaldo Ferreira da Cunha RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

CLIPPING De 19 de fevereiro de 2015

CLIPPING De 19 de fevereiro de 2015 CLIPPING De 19 de fevereiro de 2015 VEÍCULO EDITORIA Negógios: Fernando Castilho DATA 11/02/2015 Codevasf estuda ampliar experiência com camarão marinho em viveiros A experiência da Companhia de Desenvolvimento

Leia mais

Boas Praticas Agropecuárias: Buscando a Sustentabilidade na Produção Pecuária

Boas Praticas Agropecuárias: Buscando a Sustentabilidade na Produção Pecuária Boas Praticas Agropecuárias: Buscando a Sustentabilidade na Produção Pecuária Dr. Guilherme Cunha Malafaia Embrapa Gado de Corte Estruturação do Debate A Cadeia Produtiva da Pecuária de Corte e seus Agentes;

Leia mais

A REALIDADE DAS AGROINDÚSTRIAS DOS MUNICÍPIOS DE BARRACÃO E BOM JESUS DO SUL, PR. Ivanira Correia de Oliveira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

A REALIDADE DAS AGROINDÚSTRIAS DOS MUNICÍPIOS DE BARRACÃO E BOM JESUS DO SUL, PR. Ivanira Correia de Oliveira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) A REALIDADE DAS AGROINDÚSTRIAS DOS MUNICÍPIOS DE BARRACÃO E BOM JESUS DO SUL, PR. Área Temática 07: Tecnologia e Produção Ivanira Correia de Oliveira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Kérley Braga Pereira

Leia mais

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta MERCADO -Comportamento das principais cultivares plantadas no Brasil; -Situação da Safra 2009/2010;

Leia mais

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA.

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. FICHA TÉCNICA Coordenação de População e Indicadores Sociais: Bárbara Cobo Soares Gerente de Pesquisas e Estudos Federativos: Antônio

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Piscicultura. Fatores competitivos. Valor aproximado. Agronegócios

Piscicultura. Fatores competitivos. Valor aproximado. Agronegócios Piscicultura Descrição Empreender e atrair projetos para consolidação e expansão da piscicultura em Alagoas, envolvendo todos os elos da cadeia produtiva: criadores, beneficiadores, fornecedores de insumos

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

VII SEMINÁRIO DE EXTENSÃO RURAL EM PERNAMBUCO

VII SEMINÁRIO DE EXTENSÃO RURAL EM PERNAMBUCO INCENTIVO A CRIAÇÃO DE GALINHA DE CAPOEIRA NA PERSPECTIVA DA SEGURANÇA ALIMENTAR, GERAÇÃO DE RENDA E CONVIVÊNCIA COM O SEMIÁRIDO, PETROLINA-PE. Petrolina, 2014 Incentivo a criação de galinha de capoeira

Leia mais

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO 10 2 ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS Loiva Maria Ribeiro de Mello INTRODUÇÃO A maçã é a fruta de clima temperado mais importante comercializada como fruta fresca, tanto no contexto internacional quanto no nacional.

Leia mais

REGIÃO NORDESTE. As sub-regiões do Nordeste 2ª unidade

REGIÃO NORDESTE. As sub-regiões do Nordeste 2ª unidade REGIÃO NORDESTE As sub-regiões do Nordeste 2ª unidade NORDESTE Características gerais 9 Estados / 18, 25% do território do Brasil; 2ª maior população regional; Área de colonização mais antiga; A maior

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins

Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins Edição1 2014 Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins Piscicultores e técnicos da região central do Tocantins se reuniram no dia 24 de julho de

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR UTILIZANDO A MODELAGEM MATEMÁTICA

UMA INVESTIGAÇÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR UTILIZANDO A MODELAGEM MATEMÁTICA Comunicação Científica UMA INVESTIGAÇÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR UTILIZANDO A MODELAGEM MATEMÁTICA Emanuella Filgueira Pereira - UFRB Joana Angelina dos Santos Silva- UFRB Núbia de Andrade Santos - UFRB

Leia mais

Aquicultura Brasileira Avanços da Regulamentação Estadual quanto ao Licenciamento Ambiental da Aquicultura

Aquicultura Brasileira Avanços da Regulamentação Estadual quanto ao Licenciamento Ambiental da Aquicultura Aquicultura Brasileira Avanços da Regulamentação Estadual quanto ao Licenciamento Ambiental da Aquicultura Felipe Matias Secretário de Planejamento e Ordenamento da Aquicultura Agosto de 2011 A Aquicultura

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Desafios do Mercado de Alimentos e Bebidas Orgânicas. Fabio Ramos Novembro 2008

Desafios do Mercado de Alimentos e Bebidas Orgânicas. Fabio Ramos Novembro 2008 Desafios do Mercado de Alimentos e Bebidas Orgânicas Fabio Ramos Novembro 2008 Fundada em 1982 com a missão de prestar serviços de consultoria agropecuária, agroindustrial e desenvolvimento rural no Brasil

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

82,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada

82,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada Saneamento no Brasil Definição: Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), saneamento é o controle de todos os fatores do meio físico do homem que exercem ou podem exercer efeitos nocivos sobre o bem

Leia mais

Piscicultura no Brasil Estatísticas, espécies, pólos de produção e fatores limitantes à expansão da atividade

Piscicultura no Brasil Estatísticas, espécies, pólos de produção e fatores limitantes à expansão da atividade 1 Panorama da Piscicultura no Brasil Estatísticas, espécies, pólos de produção e fatores limitantes à expansão da atividade Por: Fernando Kubitza João Lorena Campos Eduardo Akifumi Ono Pedro Iosafat Istchuk

Leia mais

Desempenho da piscicultura de água doce

Desempenho da piscicultura de água doce Desempenho da piscicultura de água doce Epagri/Cedap: Fernando Soares Silveira, oceanógrafo, fernando@epagri.sc.gov.br; Fabiano Müller Silva, engenheiro-agrônomo, fabiano@epagri.sc.gov.br; Alex Alves dos

Leia mais

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO Termo de Referência CONSULTORIA PARA AVALIAÇÃO DOS FINANCIAMENTOS DO BANCO DA AMAZÔNIA BASA, PARA FORTALECIMENTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AMAZÔNIA BRASILEIRA, COM DESTAQUE PARA

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS. Equipe executora: Coordenador: Alina Stadnik Komarcheuski. Integrante 1: Gislaine Cristina Bill Kaelle

INFORMAÇÕES BÁSICAS. Equipe executora: Coordenador: Alina Stadnik Komarcheuski. Integrante 1: Gislaine Cristina Bill Kaelle INFORMAÇÕES BÁSICAS Título do projeto: Nutrilápia - Elaboração de um Software de formulação de ração destinado à Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus). Equipe executora: Coordenador: Alina Stadnik Komarcheuski

Leia mais

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina (Órgão reconhecido pelo Governo Italiano Decreto Mise29/7/2009) Tel.: +55 48 3027 2710 / Fax: +55 48 3222 2898 www.brasileitalia.com.br info@brasileitalia.com.br

Leia mais

Perguntas e respostas Mais Qualidade

Perguntas e respostas Mais Qualidade Perguntas e respostas Mais Qualidade O que é o Programa Mais Qualidade? O Mais Qualidade é um programa da Bayer CropScience que tem como objetivo a obtenção de frutas com qualidade superior. Tudo isso

Leia mais

Desenvolvimento Regional Sustentável - DRS. Crise Mundial e o Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades

Desenvolvimento Regional Sustentável - DRS. Crise Mundial e o Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades Desenvolvimento Regional Sustentável - DRS Crise Mundial e o Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades Grandes números do Banco do Brasil Ativos totais: R$ 598 bilhões Clientes: 48,1 milhões Carteira

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE.

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE. O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE Ano 4 200 Nº 20 O nosso negócio

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

Diagnóstico da Cadeia Produtiva da Pesca nos Municípios do litoral centro-norte catarinense. - Resultados. Março 2010

Diagnóstico da Cadeia Produtiva da Pesca nos Municípios do litoral centro-norte catarinense. - Resultados. Março 2010 Diagnóstico da Cadeia Produtiva da Pesca nos Municípios do litoral centro-norte catarinense - Resultados Março 2010 1 Índice Objetivos Metodologia Resultados Cadeia Produtiva da pesca Armadores de pesca

Leia mais

Engloba 4,3 milhões de unidades produtivas (84%); 14 milhões de pessoas ocupadas (74%trabalhadores rurais); Ocupa 80,25 milhões de ha (25% da área

Engloba 4,3 milhões de unidades produtivas (84%); 14 milhões de pessoas ocupadas (74%trabalhadores rurais); Ocupa 80,25 milhões de ha (25% da área Engloba 4,3 milhões de unidades produtivas (84%); 14 milhões de pessoas ocupadas (74%trabalhadores rurais); Ocupa 80,25 milhões de ha (25% da área total ocupada por estabelecimentos rurais) Produz 70%

Leia mais

Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia. Novembro de 2009

Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia. Novembro de 2009 Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia Novembro de 2009 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. METODOLOGIA... 2 2.1. BASE DE DADOS... 2 2.2. MÉTODO DE ANÁLISE... 3 3. EVOLUÇÃO DOS

Leia mais

SERVIÇOS DE AVALIAÇÃO VETERINÁRIA E EMISSÃO DE PARECER SANITÁRIO E GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL DA ESTAÇÃO DE PISCICULTURA DE PAULO AFONSO EPPA

SERVIÇOS DE AVALIAÇÃO VETERINÁRIA E EMISSÃO DE PARECER SANITÁRIO E GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL DA ESTAÇÃO DE PISCICULTURA DE PAULO AFONSO EPPA DIRETORIA DE ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO DE SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO DA EXPANSÃO SPE DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE DMA DIVISÃO DE MEIO AMBIENTE DE GERAÇÃO DEMG ET-DEMG nº 08/2013 SERVIÇOS DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Sondagem Festas Juninas 2015

Sondagem Festas Juninas 2015 Sondagem Festas Juninas 0 de Maio de 0 0 Copyright Boa Vista Serviços Índice o Objetivo, metodologia e amostra... 0 o Perfil dos respondentes... 0 o Comemoração das Festas Juninas... 09 o Do que os consumidores

Leia mais

Licenciamento Ambiental na CETESB IV Aquishow

Licenciamento Ambiental na CETESB IV Aquishow SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO 120 anos Licenciamento Ambiental na CETESB IV Aquishow Pesquisadora Científica Dra. Daercy Mª M. de Rezende Ayroza Polo Regional Médio Paranapanema Regularização

Leia mais

Situação Atual e Desafios

Situação Atual e Desafios III ENCONTRO DE NEGÓCIOS DA AQUICULTURA DA AMAZÔNIA Políticas para o Desenvolvimento Sustentável da Aquicultura da Amazônia CADEIA PRODUTIVA DOS SURUBINS Situação Atual e Desafios Thiago Tetsuo Ushizima

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura.

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura. VI-039 - SANEAMENTO BÁSICO: UMA ANÁLISE ESTRUTURAL DO BAIRRO PEDRA DO LORDE EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL. Roberta Daniela da

Leia mais

ANÁLISE DA COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ORGANICOS NO MERCADO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE SANTA ROSA-RS

ANÁLISE DA COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ORGANICOS NO MERCADO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE SANTA ROSA-RS ANÁLISE DA COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ORGANICOS NO MERCADO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE SANTA ROSA-RS Maykell Costa¹; Aline Guterres Ferreira²; Andréa Cristina Dörr³; Abel Panerai Lopes 4 ¹Acadêmico do Curso

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

Objetivo do Projeto Articular, organizar e animar uma Rede Nacional

Objetivo do Projeto Articular, organizar e animar uma Rede Nacional Objetivo do Projeto Articular, organizar e animar uma Rede Nacional de Comercialização Solidária constituída por empreendimentos econômicos comerciais feiras permanentes, lojas e centrais/centros públicos

Leia mais

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: "PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO

Leia mais

Estabelecimento de Unidades de Referência Tecnológica e Econômica no Estado de Mato Grosso: Proposta de Avaliação Econômica - O Projeto URTE (Fase 1)

Estabelecimento de Unidades de Referência Tecnológica e Econômica no Estado de Mato Grosso: Proposta de Avaliação Econômica - O Projeto URTE (Fase 1) Estabelecimento de Unidades de Referência Tecnológica e Econômica no Estado de Mato Grosso: Proposta de Avaliação Econômica - O Projeto URTE (Fase 1) Júlio César dos Reis Pesquisador Embrapa Agrosssilvipastoril

Leia mais

CLIPPING De 05 de maio de 2015

CLIPPING De 05 de maio de 2015 CLIPPING De 05 de maio de 2015 VEÍCULO EDITORIA DATA 2 3 VEÍCULO DATA 04/05/2015 Cultivares do IPA contam com proteção de direitos de propriedade intelectual A Tomate Ferraz IPA 8 será a primeira cultivar,

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

Anita de Souza Dias Gutierrez Engenheira agrônoma Centro de Qualidade em Horticultura hortiescolha@ceagesp.gov.br 11 36433890/ 27

Anita de Souza Dias Gutierrez Engenheira agrônoma Centro de Qualidade em Horticultura hortiescolha@ceagesp.gov.br 11 36433890/ 27 Anita de Souza Dias Gutierrez Engenheira agrônoma Centro de Qualidade em Horticultura hortiescolha@ceagesp.gov.br 11 36433890/ 27 Centro de Qualidade em Horticultura CEAGESP Construção e adoção de ferramentas

Leia mais

Carcinicultura. (Camarão de Água Doce) AQUICULTURA. José NAILTON Canuto e Silva Engenheiro de Pesca - IFES

Carcinicultura. (Camarão de Água Doce) AQUICULTURA. José NAILTON Canuto e Silva Engenheiro de Pesca - IFES Carcinicultura (Camarão de Água Doce) AQUICULTURA José NAILTON Canuto e Silva Engenheiro de Pesca - IFES Carcinicultura Carcinicultura O Camarão Espécie: Macrobrachium rosenbergii Popular: camarão da Malásia

Leia mais

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA POR QUE O PROJETO Decisão Estratégica do Governo do Estado da Bahia Necessidade de avançar na erradicação da pobreza rural Existência de

Leia mais

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos Componente 1 Título da Ação Estratégia de Produto Turístico Item 1.4 Objetivos Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas O PERFIL DA CACHAÇA CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SETOR No mercado de cachaça, existem dois tipos da bebida: a caninha industrial e a cachaça artesanal de alambique. A primeira possui teor alcoólico de 38%

Leia mais

Aquacultura de peixes ornamentais no Brasil

Aquacultura de peixes ornamentais no Brasil Aquacultura de peixes ornamentais no Brasil Túlio Pacheco Boaventura Universidade Federal de Minas Gerais Disciplina de Limnologia Aplicada à Aquiculura. Prof. Ricardo Motta Pinto-Coelho Curso de Aquacultura/

Leia mais

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia 81 81 83 72 88 68 Figura 1. Percentual de estabelecimentos de agricultura familiar nas regiões

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA FLORICULTURA BRASILEIRA

CARACTERIZAÇÃO DA FLORICULTURA BRASILEIRA Hoje a floricultura é um dos principais segmentos do agronegócio no Brasil. A qualidade das flores, a crescente competitividade e o crescimento do segmento são percebidos quando observa-se que muitos estados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO EDITAL Nº 05/2015- ESPECÍFICO DE ABERTURA DE CONCURSO

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO EDITAL Nº 05/2015- ESPECÍFICO DE ABERTURA DE CONCURSO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO EDITAL Nº 05/2015- ESPECÍFICO DE ABERTURA DE CONCURSO A REITORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO, no uso de suas atribuições regimentais e em conformidade

Leia mais

Política de alimentação escolar para populações indígenas

Política de alimentação escolar para populações indígenas Política de alimentação escolar para populações indígenas IV Encontro do Programa Nacional de Alimentação Escolar 25 a 28 de novembro de 2008 Profª Dulce Ribas Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Leia mais

A Importância da Extensão Empreendedora em Assentamentos Rurais no Município de Rosário Oeste MT

A Importância da Extensão Empreendedora em Assentamentos Rurais no Município de Rosário Oeste MT A Importância da Extensão Empreendedora em Assentamentos Rurais no Município de Rosário Oeste MT Flávia Cristina Solidade Nogueira Débora Fabiana Aparecida Tenutes Silva Sandro Ribeiro da Costa Universidade

Leia mais

SANIDADE DE ANIMAIS AQUÁTICOS E AS NOVAS ATRIBUIÇÕES DO MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA

SANIDADE DE ANIMAIS AQUÁTICOS E AS NOVAS ATRIBUIÇÕES DO MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA SANIDADE DE ANIMAIS AQUÁTICOS E AS NOVAS ATRIBUIÇÕES DO MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA Henrique César Pereira Figueiredo Professor da Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais Coordenador-Geral

Leia mais

Atuação Internacional da Embrapa

Atuação Internacional da Embrapa Atuação Internacional da Embrapa Atuação Internacional Cooperação Científica Negócios Tecnológicos Cooperação Técnica Cooperação Científica Conhecimentos do Mundo Agricultura Brasileira Cooperação Científica

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL INTEGRAÇÃO CONTRATUAL Uma Estratégia de Acesso ao Mercado Internacional Pedro Viana Borges Esp. Pol. Públicas P e Gestão Governamental Internacionalização de Cooperativas Integração Regional no Mercosul

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE Autor(a): Josineide Braz de Miranda Coautor(es): Anderson Carlos Maia da Silva, Josefa Sandra de Almeida Silva, kelren Jane

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

Informativo. O Mercado da Tilápia em 2014. Mercado da Tilápia

Informativo. O Mercado da Tilápia em 2014. Mercado da Tilápia Informativo Mercado da Tilápia 01 Palmas, TO Outubro, 2014 Renata Melon Barroso Med. Veterinária, Dra. em Genética Analista da Embrapa Pesca e Aquicultura, Palmas, TO, renata.barroso@embrapa.br Manoel

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM

Rainforest Alliance Certified TM Secretaría de la Red de Agricultura Sostenible Rainforest Alliance P. O. Box 1129 1 San José Costa Rica standards@sanstandards.org Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Certificação

Leia mais