A CONTABILIDADE NAS REPÚBLICAS ITALIANAS DA BAIXA IDADE MÉDIA: O BERÇO DA DIGRAFIA. Resumo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CONTABILIDADE NAS REPÚBLICAS ITALIANAS DA BAIXA IDADE MÉDIA: O BERÇO DA DIGRAFIA. Resumo"

Transcrição

1 A CONTABILIDADE NAS REPÚBLICAS ITALIANAS DA BAIXA IDADE MÉDIA: O BERÇO DA DIGRAFIA Maria da Conceição da Costa Marques, Ph.D Professora Adjunta no Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Doutora em Gestão, especialidade em Contabilidade Miguel Maria Carvalho Lira, MsC Equiparado a Assistente do 1.º Triénio no Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Mestre em Contabilidade e Auditoria Resumo Neste trabalho procuraremos apresentar uma resenha sobre a evolução sofrida pela Contabilidade na Península Itálica, desde a Alta Idade Média à Baixa Idade Média, designadamente o desenvolvimento registado nesse período nas Repúblicas Italianas que surgiram após a queda do Império Romano do Ocidente. Para além desta análise e da apresentação de alguns exemplos de registos contabilísticos Italianos, da citada época, e dado que a quase totalidade dos historiadores da contabilidade considerarem que o método digráfico surgiu nessas Cidades-Estado, abordaremos de uma forma sintética a conjugação de factores que levaram ao aparecimento das Partidas Dobradas, nos finais do séc. XIII, no território da actual Itália. Em resumo, este trabalho procura demonstrar a enorme importância que as Repúblicas Italianas tiveram no desenvolvimento da Contabilidade mundial. 1

2 INTRODUÇÃO É inegável a peculiar importância da Península Itálica na evolução do pensamento contabilístico mundial, na medida em que foi aí que se deram os primeiros desenvolvimentos realmente importantes na Contabilidade. Deles sobressai a invenção, algures nos finais do século XIII, do método de registo contabilístico por partidas dobradas, fruto de um desenvolvimento gradual da técnica contabilística. Assim, o que este trabalho pretende é traçar o desenvolvimento sofrido pela Contabilidade nas Repúblicas Italianas no período compreendido, sensivelmente, entre os séculos XII a XVI. Para além dos aspectos contabilísticos, aqui serão incluídas breves caracterizações históricas, de forma a clarificar toda o contexto socio-económico da época anteriormente referida. Após estas caracterizações históricas, daremos início ao estudo da evolução da contabilidade na península itálica, apoiando-nos, para isso, em vários exemplos de registos contabilísticos da Baixa Idade Média. Existirá espaço ainda para uma análise dos factores que resultaram na criação do método digráfico, não esquecendo uma breve apresentação das primeiras formas de difusão desse método que foram apresentadas por autores italianos. 1 - BREVE CARACTERIZAÇÃO HISTÓRICA DA IDADE MÉDIA Após as invasões bárbaras, que resultaram no fim do Império Romano do Ocidente, a administração pública baseada nos métodos romanos desapareceu quase completamente, ao mesmo tempo que se deu uma considerável redução da actividade económica, nomeadamente do tráfico comercial. E isto porque após o desaparecimento do referido Império se seguiu o caos político, económico e social, de que resultou a total destruição de tudo aquilo que os romanos, paciente e metodicamente, haviam concebido e realizado ao longo de muitos séculos. Enumerando de forma sucinta as causas mais importantes para esta decadência, temos: 2

3 diminuição da população; incremento do latifúndio 1 ; corte das comunicações com a economia oriental; ruptura da unidade política. Assim foi decorrendo um período que os historiadores designaram de Ídade Média e que abrangeu, aproximadamente, mil anos, desde o fim do Império Romano do Ocidente, em 476, até à queda de Constantinopla, capital do Império Romano do Oriente, em Os historiadores modernos subdividiram este longo espaço temporal em duas etapas: Alta Idade Média (séc. V a X); e Baixa Idade Média (séc. XI a XV) Alta Idade Média A Alta Idade Média, com uma economia assente no latifúndio e na autosubsistência e auto-eficiência, apresentava como características próprias uma completa decadência das instituições públicas e da actividade económica e uma segmentação da população em classes sociais distintas, integrando a nobreza, o clero e o povo. Os membros do povo eram servos dos senhores feudais 2, de que recebiam certos direitos em troca de certos deveres 3, e toda a sociedade medieval se baseava numa obediência indiscutível. O feudalismo era, assim, um sistema em que os membros da 1 O incremento do número das grandes propriedades funcionará como o começo de um círculo vicioso interligando várias das causas para a decadência a vários níveis registadas na Alta Idade Média. Por exemplo, os donos dessas propriedades irão virar-se para a auto-subsistência e a auto-eficiência, vendendo os excedentes apenas a nível local, o que resultará no declínio das trocas comerciais. Podemos apontar igualmente o facto de termos a trabalhar nestas terras, camponeses que não têm dinheiro para ter e cultivar terras próprias. Progressivamente, os senhores feudais irão ter cada vez mais poder sobre eles e assim temos a génese da obediência indiscutível que caracterizava a sociedade medieval. 2 Os senhores feudais surgiram da aristocracia fundiária representada pelos chefes bárbaros invasores ou pelos líderes de bases locais onde a agricultura comunitária já era predominante (Cosenza, 1999, pg. 90). 3 Como na época a mão-de-obra era o mais importante factor produtivo, o sistema feudal era desenhado para manter os servos nas terras dos senhores feudais. 3

4 sociedade deviam obediência a alguém hierarquicamente superior, até se atingir a autoridade suprema do Rei. A economia internacional da bacia do Mediterrâneo característica da civilizção romana retornou a uma economia regional, dividida em compartimentos estanques ou, pelo menos, com escassa comunicação entre si. Podemos inferir que a uma economia unitária sucedeu um mosaico de círculos económicos fechados. Portanto, e tendo em consideração este ambiente economicamente inóspito, não é de admirar que não sejam conhecidos registos contabilísticos inovadores datados deste período, até porque, segundo Noel Monteiro (1973, pg. 19), os mesmos acabaram por se tornar quase dispensáveis. Dentro desta perspectiva, e de acordo com Melis 4, citado por Cosenza (1999, pg. 90), a Contabilidade adquiriu, no início da Idade Média, formas tão rudimentares que chegava a lembrar os milénios anteriores. Com toda a legitimidade podemos considerar que neste período se assistiu a um retrocesso temporal de todo o desenvolvimento da Contabilidade da civilização romana. O único sector da sociedade onde, porventura, existiu uma organização administrativa e contabilística digna desse nome foi no seio da Igreja Católica, que se tornou determinante para a forte influência que esta teve durante o período em estudo. Cosenza (Ibidem), argumenta que esta organização se fica a dever a vários factores, dos quais os mais importantes serão: 1. Pertencerem à Igreja grande parte dos domínios territoriais; 2. Possuir muitos bens móveis, obtidos através de heranças e doações dos fiéis; 3. E, decorrentes dos dízimos, serem seus, em grande parte, os escassos recursos financeiros. Tal facto impunha uma ordenada administração, bem como registos dos factos de cada entidade a ela subordinada. Desta forma, as escolas de formação religiosas 4 Melis, Federigo (1950). Storia de la Ragioneria: contibuto alla conoscenza e interpretazone delle fonti piú significativa della storia ecomica. Cesare Zuffi Editore, Bolonha, pg. 9. 4

5 ensinavam técnicas de administração patrimonial das paróquias, incluindo a aprendizagem e prática de Contabilidade. Mas viria o ressurgimento económico e o intercâmbio intelectual e económico entre o Ocidente e o Oriente iria ser restabelecido. Para isso, muito contribuíram alguns recantos do desaparecido Império Romano do Ocidente. 1.2 Baixa Idade Média A partir do século XI observa-se na Europa um movimento de renascimento económico que, com a ascensão da burguesia, dá inicio à alteração da ordem vigente no mundo medieval. Estas alterações irão levar, por exemplo, a que a Igreja tenha cada vez menos poder sobre os indivíduos e os Estados. É neste contexto que surge a prática de cobrança de juros e o conceito de preço incluindo lucro, que se tornaram os alicerces do advento do capitalismo. Com estas alterações o espírito capitalista passou a encontrar maiores oportunidades de realização (Kam, 1990, pg. 14). Esta mudança de mentalidade pode considerar-se como verdadeiramente revolucionária, pois na Alta Idade Média a realização de lucro era considerada imoral. Daí que os que praticavam o comércio não fossem apreciados, nem estimados pelo resto da sociedade. Os dois principais pólos deste ressurgimento económico e social foram as Repúblicas Italianas do Norte e a Flandres. Nestas duas regiões, para além de um intenso comércio com outros povos, desenvolve-se a pequena indústria, principalmente a dos tecidos. A economia monetária volta a substituir o quase total regresso à economia natural, ocorrido no período anterior, o crédito propaga-se e com ele surgem as letras de câmbio e outros títulos, indiciados pelo surgimento, nesta época, dos banqueiros que ganhavam a vida a fazer empréstimos com garantia, ao mesmo tempo que promoviam transacções comerciais mediante a comandita de empresas e o seguro dos navios. Marques (2000, pg. 69), é de opinião que todo este desenvolvimento da actividade comercial é que forçou um aperfeiçoamento, gradual mas rápido, da técnica 5

6 contabilística. E assim, num período relativamente curto, se evolui do registo por partida simples para o método de registo por partidas dobradas 5. 2 EVOLUÇÃO DA CONTABILIDADE NAS REPÚBLICAS ITALIANAS O desenvolvimento da Contabilidade registado na península itálica, dentro do período em análise, foi algo de notável: o uso da partida simples foi sendo sucessivamente aperfeiçoado até surgir o que designamos por sistema digráfico ou método da partida dobrada. Nos próximos parágrafos, apresentaremos, então, a referenciada evolução. Os primeiros registos italianos conhecidos indicam que nos primórdios desta evolução os factos contabilísticos eram registados numa espécie de Memorial. Posteriormente, e como primeiro grande aperfeiçoamento, as contas dos devedores e credores passaram a estar destacadas. Em resumo, podemos afirmar que nestes primeiros tempos estamos perante uma contabilidade baseada na partida simples. Neste âmbito, as contas dizem-se simples porque cada assento consta ou só de débito ou só de crédito, conforme se refira ao registo da transacção inicial ou ao da sua liquidação. Quando liquidadas, as contas eram traçadas de modo a se saber, por simples inspecção visual, quais as que se encontravam extintas. Nelas aparecem as expressões deve dare (deve) e deve avere (tem a haver) que se tornaram na dialéctica da Contabilidade até aos nossos dias (Noel Monteiro, 1978, pg. 614). De um modo geral, e como assinala Goff (1991, pg. 28), a escrita dos livros de comércio tornou-se cada vez mais cuidada e os métodos de escrituração tornaram mais fácil a leitura dos livros contabilísticos. A opinião de Noel Monteiro (1978, pg. 618), sobre o que originou a digrafia, é clara: foi a extensão das contas, primeiro de pessoas, na partida simples, aos elementos do património e do rédito, até representarem todo um sistema, o sistema patrimonial. 5 Os requisitos necessários para se poder falar do método de partidas dobradas divergem de autor para autor; mas é geralmente aceite que o método digráfico é caracterizado pela existência de lançamentos simultâneos e antitéticos, de igual valor absoluto, em contas que constituem um sistema fechado (Gomes, 2000, pg. 14). 6

7 As partidas dobradas foram, assim, precedidas pelas partidas simples e pelas partidas mistas, constituindo a última fase desta evolução. Podemos mesmo afirmar que são o resultado final de um sem número de graduais aperfeiçoamentos. Lopes Amorim (1969, pg. 71 e 72) admite que a responsabilidade desta evolução se deveu aos contabilistas que, em virtude das alterações do comércio da época, designadamente, ao facto de as mercadorias nas viagens marítimas através do Mediterrâneo deixarem de estar sob os olhos vigilantes dos seus possuidores, viramse forçados a ir alargando progressivamente o método já conhecido para o registo contabilístico dos débitos e dos créditos inerentes às pessoas e aos restantes elementos e componentes do património dos seus patrões. Segundo Fourquin 6, citado por Cosenza (1999, pg. 104), a Contabilidade por partidas dobradas surgiu no termo de quatro fases, a saber: 1. O registo das operações de crédito a terceiros foi confiado ao Guarda- Livros, criando-se assim as contas individuais. A conta de cada cliente ou associado cobre duas páginas do registo: à esquerda, o deve, onde são lançados os débitos, somas devidas pelo titular da conta; à direita, o haver, onde são lançados os créditos, somas devidas ao titular. 2. O aperfeiçoamento da conta tradicional de Caixa, para a pôr de acordo com a técnica das contas-correntes individuais. 3. A presença, na Contabilidade, de contas que descrevem a totalidade dos negócios da sociedade, as contas de valores. 4. Finalmente, a conciliação destas novas contas pela interposição de uma conta também de natureza nova: o registo de lucros e perdas. Este processo evolutivo culminou numa série de três tipos de contas em vez da conta única de Caixa anteriormente utilizada as individuais, as de valores, e as de lucro e perdas, as quais eram unidas entre si mediante a aplicação da metodologia preconizada na escrita por partidas dobradas. 6 Fourquin, Guy (1991). História económica do ocidente medieval, 3.ª edição. Edições 70. Lisboa, pgs. 405 e

8 No entanto, este método não se desenvolveu da mesma maneira em toda a Península Itálica: o avanço no Norte foi maior do que o registado na Toscana. Génova e Milão foram pioneiras, enquanto que Florença não utilizou o sistema bilateral até fins do século XIV. Por outro lado, na Toscana as contas eram registadas em italiano, enquanto que no Norte ainda se continuava a usar o latim no século XV. Em Florença, quando em 1382 um comerciante de seu nome Paliano indica que registava as suas contas alla Veneziana, a expressão que este utiliza parece sugerir que, para a capital toscana, o sistema teria vindo de Veneza. No entanto, Hodgett (1975, pg. 87) é da opinião que Veneza não estivesse tão mais adiantada do que Génova e Milão na prática de fazer balancetes. 3 OS MAIS IMPORTANTES REGISTOS CONTABILÍSTICOS DAS REPÚBLICAS ITALIANAS DA BAIXA IDADE MÉDIA Data de 1211 o primeiro livro de registos contabilísticos da Idade Média hoje conhecido: um Diário 7, onde se registava as operações por meio de parágrafos. É o Libri di Banchieri Fiorentinis escriturado na República de Florença, e que utilizava o princípio da unigrafia (Brito, 1997, pg. 3). Neste livro eram descritas, dia a dia, as operações do comerciante: nele se debitava o indivíduo que recebia bens para troca, e do mesmo modo que se creditava quem entregava bens. Mais pormenores sobre esta obra são adiantados por Lee (1994, pgs. 162 e 163), nomeadamente que é constituída por duas folhas de formato de 43x28 cm/s, o texto é escrito em italiano, com algumas expressões em latim, e que pertencia a uma firma bancária que operava em Bolonha, Florença e Pisa. De acrescentar que as entradas não estavam por ordem cronológica, o que leva a supor que deveriam ter sido lançadas no momento em que chegavam ao conhecimento dos contabilistas as evidências dos empréstimos 8. 7 Este documento encontra-se na Biblioteca Mediceo-Laurenciana, sob o código AEDIL67 (Lopes de Sá, 1998, pg. 46). 8 Este livro dizia respeito a empréstimos em moedas florentina e estrangeira (Noel Monteiro, 1973, pg. 20). 8

9 Para uma grande maioria de autores, o primeiro registo contabilístico completo conhecido e que usava o método digráfico data de , e intitula-se Libro dello Massari. Era o livro onde foram assentes as contas dos Massari 10 da Comuna de Génova. A análise deste documento demonstra o método digráfico aplicado com perfeição, usando para tal dois livros Razão: um pertencente aos Massari que eram em número de dois; e o outro pertença dos dois fiscais responsáveis pela auditoria da administração das contas da Comuna de Génova. Conforme refere Herrmann Jr. 11, citado por Cosenza (1999, pg. 109), estes livros foram escriturados em Latim e evidenciavam os lançamentos de débito e crédito. Para o débito, utilizava-se a expressão debet nobis pro e, para o crédito, recépimus in. Ao lado de contas abertas a diversas categorias de pessoas, encontravam-se contas abertas a diversos valores e a conta da Comuna que fazia as vezes da conta do Capital. As despesas eram escrituradas numa conta denominada Avarie; enquanto que as perdas sobre mercadorias e os lucros sobre trocas em uma conta de Lucros e Perdas sob o título Proventus cambii et damnum de rauba vendita. Atendendo que os livros tinham um carácter anual, e considerando que muitas das contas apresentadas no exercício de 1340 haviam sido transportadas do exercício anterior, há uma forte probabilidade de que as partidas dobradas já fossem utilizadas desde 1339 ou, eventualmente, mesmo antes desta data 12. Marques (2000, pg. 70) admite a existência de registos mais antigos do que este, e que utilizavam o metido digráfico, porventura não tão completos concretamente os da Compagnia Burlamacchi de Lucca, da região da Toscana, escriturados entre 1332 e Por seu lado, Kam (1990, pg. 12) refere a existência de outros registos que já denotavam este tipo de escrituração, nomeadamente os de pertença a Rinerio e Baldo 9 Segundo Yamey (1996, pg. 309) existirão livros contabilísticos datados de 1339, e que pertenciam a um mercador de seu nome Freris Bonis. No entanto, o autor não adianta muitos pormenores sobre os mesmos, impossibilitando uma maior referência. 10 Massari era a designação de uma espécie de administradores municipais, encarregados da gestão do património e das finanças. 11 Herrmann Jr., Frederico (1945). Contribuição para o progresso da economia. Revista Paulista de Contabilidade n.º 250, Abril de 1945, pg Hodgett (1975, pg. 87) aponta o ano de 1327 para o começo do uso das partidas dobradas pelos massari. 9

10 Fini, com movimentos entre 1296 e 1305, e o livro de Razão de Giovanni Forolfi que abarca os anos de 1299 e No entanto, para Lopes de Sá (1992, pg. 31), o mais antigo documento de que se tem prova do uso do método digráfico remonta a 1281, e foi produzido por uma casa mercantil e bancária 13. Um bom exemplo da passagem da unigrafia para a digrafia é apresentado por Fabio Besta 14, citado por Lopes Amorim (1969, pg. 72), e refere-se ao livro pertencente à corporação dos comerciantes do bairro veneziano de Castello, que contém lançamentos referentes ao período decorrente de 23 de Abril de 1430 a 1 de Setembro de As contas nele relevadas apresentam-se em secções divididas lateralmente, mas na sua primeira parte a escrituração não é digráfica porque lhe faltam quase sempre os históricos das contrapartidas e, a maior parte das vezes, as próprias contrapartidas. Todavia, à medida que os lançamentos se vão sucedendo no livro, vão-se integrando cada vez mais dados até que por volta do ano de 1436 (e daí em diante) a partida digráfica é aplicada correctamente. Este exemplo é muito curioso e sobretudo muito elucidativo, porque nos mostra como, na mesma entidade, a Contabilidade se foi adaptando progressivamente às necessidades da relevação do movimento patrimonial, mediante o melhoramento sucessivo do seu processo de registo, até se atingir a configuração do sistema digráfico, em que a causa e o efeito são simultaneamente postos em evidência no mesmo lançamento. A realização de inventário não era muito usual na época (séculos XIII a XV), na medida em que a regularização periódica das contas só começou a praticar-se no século XVII. Excepção a esta prática foi apontada por Cosenza (1999, pg. 110): a Contabilidade dos Datini, de Florença, cujas sucursais realizavam inventários anuais para a avaliação dos bens móveis e imóveis, levando em conta a depreciação desses activos, desde finais do século XIV. 13 No seu artigo, o autor não adianta muitos mais pormenores desse documento como, por exemplo, o nome da casa mercantil e bancária, cidade onde foi produzido, etc. 14 Besta, Fabio (1929). La ragioneria. Casa Editice Dottor Francesco Vallardi. Milão, pgs. 309 e 310, Vol III. 10

11 O mais antigo documento de inventário que conseguiu chegar até aos nossos dias, na opinião de Lopes de Sá (1977, pg. 110), pertenceu à Filiale di Pisa della Compagnia di Fillippo Peruzzi, e era relativo ao ano de O mesmo autor aponta o ano de 1280 como sendo a data da elaboração do mais antigo documento de Balanço de que se tem notícia, e que pertencia à Compagnia Ugolini di Siena. Mas o Balanço mais antigo e que se encontra escriturado na integra o anterior é um fragmento é de 1306, e está escrito no Libro Segreto 15 di Alberto del Giudice e Compagni. Tanto estes Balanços como o inventário referenciado no parágrafo anterior são da região italiana da Toscana. 4 PRIMEIRAS FORMAS DE DIFUSÃO DO MÉTODO DIGRÁFICO Foram igualmente naturais das Cidades-Estado italianas os primeiros a divulgar o método digráfico através de obras impressas. O primeiro foi o frade franciscano Luca Pacioli 16, no seu Tractactus de computis et scripturis, integrado na sua obra denominada Summa de Arithmetica, Geometria Proportioni et Proportionalita, publicada em Veneza em 10 de Novembro de Não se tratava de uma obra dedicada exclusivamente à Contabilidade, era sim uma espécie de enciclopédia das ciências matemáticas: aritmética, álgebra, matemática financeira, cálculo de probabilidades e geometria. A Contabilidade era apenas abordada no Tratado XI dividido em 36 capítulos que estava inserido na Distinção IX, da primeira parte 18. Aqui o autor disserta sobre como se deve escriturar, que cuidados são necessários, quais os principais registos, 15 Cosenza (1999, pgs. 98 e 99) relata a existência de um livro específico, denominado livro secreto (Libro Segreto), ou libro della ragione, assim denominado pelo carácter confidencial das suas anotações, sendo o seu acesso apenas permitido ao Guarda-Livros e aos sócios. Era objecto dos maiores cuidados, sendo utilizado para registro dos termos de associações e da participação dos associados no capital, dos dados que permitiam calcular, em qualquer momento, a posição destes sócios na sociedade, bem como da distribuição dos lucros e perdas. A importância da escrituração no libro della ragione residia no facto de ele ser o único capaz de mostrar com precisão os deveres e direitos dos associados, já que a parte de cada sócio no capital social, o montante de depósitos em dinheiro feitos por terceiros, a distribuição dos lucros ou perdas em fim de exercícios e o pagamento do salário do pessoal eram nele registrados. 16 Este autor é conhecido por vários nomes: Luca Pacioli, Luca Paciolo, Luca di Borgo (Marques, 2000, pg. 71), ou ainda Lucas Patiolus (Brown, 1968, pg. 108). 17 A obra de Pacioli teve quatro edições (1494, 1523, 1878 e 1911) e foi traduzida em várias línguas. 18 A Summa de Arithmetica, Geometria Proportioni et Proportionalita está dividida em duas partes, e cada uma em distinções, estas em tratados, que, por sua vez, se subdividem em capítulos. 11

12 como saldar contas, quais os principais livros que deveriam ser usados, etc. Por reflectir as práticas correntes na Veneza da época, o método digráfico aqui exposto ficou também a ser conhecido como método de Veneza ou método veneziano. Dada a importância desta obra, Melis 19, citado por Lopes de Sá (1998, pg. 49), estabelece como marco da era da literatura contabilística o ano de 1494, tendo como base a obra do religioso toscano, que marca, inegavelmente, o aparecimento da Contabilidade sistemática. Não obstante a Summa de Pacioli ter sido a primeira obra impressa em que era abordado este tema, já 36 anos antes Benedetto Cotrugli escrevera Della mercatura e del mercante perfetto 20, que tal como a obra de Pacioli, foi escrita em italiano, mas que só foi publicada em Este era um trabalho sobre métodos comerciais, que continha um pequeno capítulo descrevendo o método digráfico. O primeiro livro importante impresso depois do de Pacioli foi, na opinião de Castel-Branco (1964, pg. 41), o Quaderno doppio col suo giornale, de Domenico Manzoni, publicado em 1534 ou O autor era contabilista profissional e professor, e deve salientar-se ainda que foi o primeiro a introduzir a prática de numerar os lançamentos do Diário. Antes de surgirem estes livros, designadamente desde inícios do século XIII, a divulgação da Contabilidade era feita através das scuole d abaco, cujos mestres, os abachisti, ensinavam aritmética e Contabilidade, através de diversos documentos que continham, entre outras, lições de aprendizagem de Contabilidade. Embora nenhum deles tenha chegado até nós, sabe-se da sua existência porque algumas companhias debitavam nas suas contas de despesas a aquisição destes manuais. Todavia, não foram nem estes manuscritos de aprendizagem nem a obra de Beneditto Cotrugli que impulsionaram a difusão do método de Veneza. Esse papel coube à obra de Luca Pacioli. Citando Julve (2003, pg. 4): a obra de Pacioli não deve a sua importância à originalidade ou à novidade, visto que o método já era utilizado, nada mais tendo ele feito 19 Melis, Federigo (1950). Storia de la Ragioneria: contibuto alla conoscenza e interpretazone delle fonti piú significativa della storia ecomica. Cesare Zuffi Editore, Bolonha. 20 É uma anotação no fim deste trabalho que sugere o ano de 1458 como a data da sua conclusão (Zeff, 1961, pg. 24). 12

13 senão recolher em volume a prática do seu tempo, tal como então se desenvolvia, expondo os princípios e a estrutura matemática do que amplamente se viria a conhecer como o modo de «Veneza». A sua importância deriva, sim, do facto de ser o primeiro tratado sistemático impresso acerca de Contabilidade e de constituir um veículo eficaz para a expansão e difusão além-alpes dos princípios do método. Durante o século XVI publicaram-se vários livros dentro desta temática não só por autores italianos 21, mas também por alemães, holandeses e ingleses. Todas estas obras, na opinião de Hendriksen (1970, pg. 28), apresentavam uma descrição da escrituração comercial por partidas dobradas semelhante à apresentada pelo frade, e que durante os séculos XVI e XVII levaram à disseminação do método italiano por toda a Europa. É esta a razão pelo qual Melis 22, citado por Lopes de Sá (1998, pg. 49), estabelece como marco da era da literatura contabilística o ano de 1494, tendo como base a obra do religioso toscano, que marca, inegavelmente, o aparecimento da Contabilidade sistemática. 5 FACTORES QUE LEVARAM À INVENÇÃO DO MÉTODO DIGRÁFICO NA PENÍNSULA ITÁLICA Como podemos deduzir pelos pontos anteriores, a importância das repúblicas italianas no desenvolvimento da Contabilidade resulta, principalmente, do facto de ter sido nestas Cidades-Estado que foi desenvolvido o método das partidas dobradas. Mas, algumas perguntas se levantam: porquê é que esse desenvolvimento aconteceu lá e não noutro qualquer ponto do mundo?; e porquê é que o método digráfico surgiu nos finais do século XIII e não noutro período temporal? A resposta está na conjugação de vários factores, a saber: 21 É apresentada, no Anexo 2, uma extensa lista dos livros mais importantes e representativos escritos por autores italianos, até princípios do século XIX. 22 Melis, Federigo (1950). Storia de la Ragioneria: contibuto alla conoscenza e interpretazone delle fonti piú significativa della storia ecomica. Cesare Zuffi Editore, Bolonha. 13

14 Geo-Políticos; Cruzadas e o comércio com o Oriente; Banca e instrumentos de crédito; Sociedades comerciais; Aumento da população urbana europeia; Desenvolvimentos científicos e tecnológicos. A junção de todos os factores que irão ser de seguida estudados criou um clima económico adequado ao surgimento e posterior evolução da Contabilidade mercantil, na medida em que conduziram ao desenvolvimento do comércio e, posteriormente, da banca e das sociedades comerciais na Península Itálica, o que levou a que fosse necessária uma Contabilidade cada vez mais complexa e fiável. Isto é, resultaram num gradual aperfeiçoamento da Contabilidade até ser atingido o método das partidas dobradas no século XIII 23, sendo este precedido pelas partidas simples e pelas partidas mistas. Não será também de descurar a relevância de alguns desenvolvimentos científicos e tecnológicos que contribuíram, entre outros aspectos, para uma melhor e mais rápida divulgação do método digráfico. 5.1 Factores Geo-Políticos As Repúblicas do Norte da Península Itálica retiveram algo da cultura e do espírito empreendedor da civilização romana, bem como os seus preceitos legais. Para além disso, conseguiram manter-se à parte do sistema feudal que dominou a Europa durante perto de cinco séculos Kam (1990, pg. 12) refere a existência de registos que já denotavam este tipo de escrituração, nomeadamente os de pertença a Rinerio e Baldo Fini, com movimentos entre 1296 e 1305, e o livro de Razão de Giovanni Forolfi que abarca os anos de 1299 e No entanto, para Lopes de Sá (1992, pg. 31), o mais antigo documento de que se tem prova do uso do método digráfico remonta a 1281, e foi produzido por uma casa mercantil e bancária italiana. 24 Os elementos apresentados neste ponto foram retirados da obra de Kam (1990, pgs. 16 e 17). 14

15 A sua posição geográfica privilegiada, especialmente de Veneza e Génova, foi essencial para as estabelecer como importantes intermediárias no comércio com o Oriente. Analisando pormenorizadamente os sistemas políticos, constatamos que Veneza teve uma organização governamental memorável. Isso deveu-se ao facto de a sua economia não ser baseada no trabalho da terra, mas sim no comércio e na indústria, levando a que o poder passasse a estar associado àqueles cuja riqueza provinha de outras fontes de rendimento diferentes da terra. Em Veneza, fundada depois da queda do Império Romano do Ocidente, os poderosos cedo compreenderam que a cooperação entre si era essencial para maximizarem as suas oportunidades. Por volta do século XII, a sua estrutura governamental passou a ser dirigida por um chefe, o doge, que prometeu respeitar as leis e a constituição, dispondo ainda de um parlamento eleito, o Grande Conselho. A classe que ditava as regras, proveniente dos sectores do comércio e da indústria, controlava o Conselho e assegurava-se de que as leis que eram promulgadas o fossem no seu interesse económico. Ao contrário de Veneza, uma hierarquia de senhores feudais controlava Florença, o que levou os mercadores a terem de lutar para fazerem ouvir a sua voz no governo. Como consequência, o século XIII assistiu a uma luta feroz de comerciantes e industriais com a nobreza, com vista a retirarem-lhe o poder, o que só conseguiram quando se agruparam em guildas 25. Logo que a prosperidade da cidade passou a depender do comércio e da indústria, as guildas passaram a estar em condições de atingirem o seu objectivo. Em 1282, estas criaram um órgão chamado Priores das Artes, que assumiu o poder supremo da administração daquela Cidade-Estado. Ora, como eram os chefes das guildas que designavam os Priores, e como um Prior tinha de ser membro de uma das maiores guildas 26, a política do governo era direccionada no sentido de proteger os interesses dessas guildas mais influentes. Historicamente, Génova é conhecida pela mortal luta de classes entre a nobreza e a burguesia. Várias formas de governo foram ensaiadas, incluindo a atribuição da autoridade a dirigentes estrangeiros. No entanto, quando muita da nobreza se tornou comerciante, as políticas governamentais passaram a favorecer os negócios. 25 Guilda é uma associação corporativa de artesãos, mercadores, artistas, etc. 26 Como eram o caso das guildas dos juízes, importadores de roupa estrangeira, banqueiros, fabricantes de tecidos, mercadores de sedas, fabricantes de peles e boticários. 15

16 5.2 As Cruzadas e o Comércio com o Oriente Como factores que impulsionaram grandemente este desenvolvimento comercial podem apontar-se as Cruzadas 27. E porquê? Por um lado, os cruzados necessitavam de barcos e de mantimentos, por outro, ao regressarem da guerra santa, aumentaram a procura dos produtos orientais 28, que tinham tido a oportunidade de conhecer. Portanto, as cruzadas serviram para, numa primeira fase, estimular o comércio, e, numa segunda fase, para o desenvolvimento da indústria, pois era indispensável ao Ocidente criar produtos que servissem de objecto de troca Banca e Instrumentos de Crédito O desenvolvimento do comércio e, consequentemente, da economia nas Cidades-Estado italianas levou à acumulação de capital, cujo efeito directo foi a realização de operações de crédito (Chatfield e Vangermeersch, 1996, pg. 184). Os italianos não só se tornaram os mercadores da Renascença, como, na opinião destes dois autores, quase monopolizaram a banca internacional. O posterior desenvolvimento natural de instrumentos de crédito, que surgiram devido à necessidade de encontrar alternativas para o transporte de dinheiro nas viagens comerciais, levou a que, segundo Marques (2000, pg. 70), fossem necessários livros para registar os montantes em causa e as datas de recebimentos e pagamentos, isto é, exigiu um sistema de registos mais integrado. Em resumo, a partir do século XII, desenvolveram-se na Península Itálica métodos bancários e contabilísticos que ajudaram a minimizar o risco sobre o capital 27 As cruzadas surgiram na sequência da conquista de Jerusalém pelos Turcos, em Esta captura levou o Papa Urbano II, 16 anos depois, a declarar uma guerra santa que ficou conhecida pela 1ª Cruzada. Outras sete se seguiram: 1.ª ( ); 2.ª ( ); 3.ª ( ); 4.ª ( ); 5.ª ( ); 6.ª ( ); 7.ª ( ); e 8.ª (1270) (Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, Vol. 8, pg. 171). 28 De entre todas as mercadorias destacavam-se produtos de tinturaria, especiarias, perfumarias, marfim, pérolas, objectos de ouro e prata, pedras preciosas, tecidos de lã, seda, etc, sem esquecer a projecção que passaram a ter os vinhos do Oriente (Hodgett, 1975, pg. 77). 29 Os produtos mais exportados para o Oriente eram o sal, couros curtidos e trabalhados, madeiras, armas, vidros, espelhos, cristais e tecidos de lã, de linho, etc. 16

17 investido, assegurando um rendimento atraente. Todas estas inovações contribuíram, e muito, para o desenvolvimento do comércio da época. 5.4 Sociedades Comerciais À medida que o desenvolvimento económico continuava a expandir-se, o comércio por particulares isolados foi sendo substituído, em grande parte, pelo intercâmbio realizado através de sociedades e agências. A este respeito, Astuti 30, citado por Amzalak (1997, pg. 525) 31, afirma que na Itália, onde apareceram as primeiras formas de capitalismo na época das Cruzadas e até antes, é que se entrou a formar para o comércio um livro das associações efémeras, geralmente para a duração de uma única viagem, entre mercadores dotados de espírito de empreendimento e capitalistas aliciados pela perspectiva de grossos lucros. Estas sociedades poderiam ser divididas em quatro tipos diferentes, a saber: 1. Commenda associação onde o possuidor do capital emprestava os recursos para o empreendimento, correndo todos os riscos financeiros em caso de perda ou prejuízo, ao passo que o tomador do empréstimo apenas perdia o esforço pelo seu trabalho. Havendo lucro, o mesmo era repartido na proporção de 75% para o capitalista e 25% para o mercador; 2. Societas maris ou collegantia associação onde o possuidor do capital emprestava 67% dos recursos para o empreendimento e o tomador do empréstimo aportava os 33% restantes, contribuindo, ainda, com o seu trabalho. Se houvesse perda ou prejuízo, repartia-se proporcionalmente ao capital investido. No caso de lucro, cada um tinha direito a 50% deste; 3. Societas terrae associação ao nível do comércio terrestre, onde os riscos eram por conta do credor, sendo os ganhos partilhados 30 Astuti, Guido (1933). Rendiconti mercantili inediti di Giovini Scriba. Roover. Turim, pg De referir que Moses Bensabat Amzalak faleceu em 6 de Junho de 1978, por isso esta referência bibliográfica resulta da republicação dum artigo seu. 17

18 igualmente. De modo geral, apresentava certa flexibilidade em termos de capital investido e durabilidade do negócio; 4. Fraterna compagnia associação comercial onde o investimento, o prejuízo e o lucro eram divididos igualmente entre as partes envolvidas. Efectivamente, a formação das sociedades comerciais foi um factor de progresso no desenvolvimento da técnica contabilística, pois estas levaram a que fosse necessário uma Contabilidade cada vez mais complexa e fiável. Recorrendo às palavras de Noel Monteiro (1978, pg. 614), podemos afirmar que estas sociedades conduziram ao reconhecimento da empresa como entidade separada e distinta dos donos, surgindo, assim, a conta Capital como fundo de valores da empresa, quer na forma colectiva quer na de uma conta aberta a cada sócio. Como os activos incorporados por um novo sócio eram anotados como um débito que entrava na firma, é muito natural que a contribuição do sócio fosse considerada como um crédito da sua conta de Capital. Ora, este aspecto é decisivo para o uso generalizado e sistemático do método digráfico: com o surgimento das Contas de Capital e Resultados radica-se o duplo assento de cada facto ou operação, o que caracteriza as partidas dobradas. 5.5 Aumento da População Urbana Europeia Não se poderá descurar a importância do aumento da população nas cidades europeias derivado da desintegração do sistema senhorial. Muitos aproveitaram esta oportunidade para se fixarem na cidade, onde esperavam alcançar um nível de vida superior ao que tinham anteriormente. Assim, esta migração levou a um movimento social encadeado: aumento da procura de bens nas cidades; aumento da procura de mão-de-obra, ou seja, maior visibilidade no campo da oferta de postos de trabalho; e maior poder de compra, como resultado final desta escala ascendente, entrando-se assim num ciclo de crescimento económico urbano. 18

19 Consequentemente, o aumento da população urbana fez regredir a economia de auto-subsistência do sistema socio-económico anterior, acarretando um crescimento das trocas comerciais, que somente os mercadores italianos poderiam suprir. 5.6 Desenvolvimentos Científicos e Tecnológicos Houve inovações técnicas com reflexos directos e indirectos na evolução do pensamento contabilístico. A título de exemplo, poderemos apontar a invenção da imprensa e da vela triangular ou vela latina 32, e a introdução na Europa da numeração hindu-arábica, de cariz decimal 33, e do papel. Intimamente ligada à divulgação do papel está a invenção da imprensa por Johannes Gensfleisch A grande vantagem deste tipo de vela é que permitia a navegação mesmo quando o vento soprava em direcção contrária à pretendida. 33 A grande vantagem do sistema posicional de base dez é a de, com apenas dez símbolos, fáceis de escrever, se poderem representar todos os números imagináveis, por maiores que sejam. Outra vantagem desta, e com grande interesse para a Contabilidade, é a de este sistema facilitar a execução de cálculos numéricos. Embora não tenha constituído uma pré-condição para o desenvolvimento da partida dobrada, é inegável que esta numeração desempenhou um importante papel no aperfeiçoamento dos registos e na simplificação dos cálculos (Gomes, 2002, pgs. 6 e 7). 34 Johannes Gensfleisch ficou mais conhecido pelo seu nome materno: Gutenberg. 19

20 CONCLUSÕES Do que se expôs sobre a evolução da Contabilidade na Península Itálica, permite-nos retirar algumas conclusões. Assim: 1. A evolução da Partida Simples para a Partida Dobrada, registou-se pela primeira vez nas Cidades-Estado Italianas, algures nos finais do séc. XIII; 2. Esse desenvolvimento foi gradual, sendo o método digráfico precedido pelas Partidas Simples e pelas Partidas Mistas; 3. Este método não se desenvolveu da mesma forma na Península Itálica, destacando-se um maior desenvolvimento (mais rapidamente) do Norte, em especial em Veneza; 4. Foi também um italiano, Luca Pacioli, quem publicou o primeiro livro impresso onde foi exposto o método digráfico. Dentro da Summa de Arithmetica, Geometria Proportioni et Proportionalita, espécie de enciclopédia das ciências matemáticas, publicada em Veneza, em 10 de Novembro de 1494, encontrava-se o Tractactus de computis et scripturis. Nele, o autor disserta sobre como se deve escriturar, que cuidados são necessários, quais os principais registos, como saldar contas, quais os principais livros que deveriam ser usados, etc, no citado método contabilístico; 5. Para além da obra de Luca Pacioli um marco na história da Contabilidade são de salientar outras obras como o Quaderno doppio col suo giornale, de Domenico Manzoni ou o Della mercatura e del mercante perfetto de Benedetto Cotrugli, que junto com outros autores Italianos e de outras nacionalidades levaram à disseminação do Método Italiano por toda a Europa, durante os sécs. XVI e XVII; 6. Os principais factores que levaram ao desenvolvimento do método digráfico nas Repúblicas Italianas foram essencialmente: condicionalismos de índole geo-política, como a sua posição geográfica privilegiada, o facto de se terem mantido à parte do sistema feudal, os sistemas políticos adoptados, etc; a evolução o desenvolvimento da banca e dos instrumentos de crédito; o 20

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA PERSPECTIVA DOS UTILIZADORES (DGCI)

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA PERSPECTIVA DOS UTILIZADORES (DGCI) SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA PERSPECTIVA DOS UTILIZADORES (DGCI) ÍNDICE 1.A RELAÇÃO ENTRE A CONTABILIDADE E A FISCALIDADE 2. IMPLICAÇÕES FISCAIS DO SNC 2.1 - Determinação do lucro tributável

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

2 A ESTRUTURA CONCEPTUAL DE ACORDO COM O SNC

2 A ESTRUTURA CONCEPTUAL DE ACORDO COM O SNC 1 INTRODUÇÃO Neste capítulo serão desenvolvidos os conceitos-base, princípios e normas que permitem à contabilidade processar os dados de forma a obter as Demonstrações Financeiras. 2 A ESTRUTURA CONCEPTUAL

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Contabilidade Financeira I O sistema de informação contabilística Ponto da situação Visão global dos principais produtos ( outputs ) da contabilidade como sistema de informação: Balanço, Demonstração de

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 Receitas x Despesas Podemos conceituar receitas como todos os recursos, em princípio, provenientes da venda de

Leia mais

CONDICIONALISMOS DA EXPANSÃO. Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons

CONDICIONALISMOS DA EXPANSÃO. Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons CONDICIONALISMOS DA EXPANSÃO Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons 3ª AULA - SUMÁRIO Os condicionalismos da expansão europeia e a busca de novas rotas comerciais. Condições da

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO. Contabilidade. Origem da Contabilidade. Sônia Maria de Araújo

CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO. Contabilidade. Origem da Contabilidade. Sônia Maria de Araújo CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO 01 Contabilidade Origem da Contabilidade Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância SEDIS equipe sedis

Leia mais

. Natureza de saldo das contas

. Natureza de saldo das contas . Natureza de saldo das contas Introdução Prezado candidato/aluno é de extrema importância entendermos a natureza de saldo das contas em contabilidade, em razão disse devemos separar as contas patrimoniais

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira Introdução à Contabilidade 2014/2015 Financeira 2 Sumário 1. O papel da contabilidade nas organizações. 2. A contabilidade externa vs a contabilidade interna. 3. Os diversos utilizadores da contabilidade.

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Samuel Fernandes de Almeida 17 e 18 de Fevereiro CONTABILIDADE E OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS Enquadramento Legal Decreto n.º 82/01, de 16 de Novembro Aprova o Plano Geral de Contabilidade

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

UNISALESIANO LINS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE BÁSICA PROFESSORA: NOELI BORDIM GRAMINHA

UNISALESIANO LINS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE BÁSICA PROFESSORA: NOELI BORDIM GRAMINHA UNISALESIANO LINS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE BÁSICA PROFESSORA: NOELI BORDIM GRAMINHA 1º Semestre/2012 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS MÓDULO 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

CONTABILIDADE. Docente: José Eduardo Gonçalves. Elementos Patrimoniais

CONTABILIDADE. Docente: José Eduardo Gonçalves. Elementos Patrimoniais CONTABILIDADE Docente: José Eduardo Gonçalves Ano: 2008/2009 Universidade da Madeira Elementos Patrimoniais Activo Recurso controlado pela entidade como resultado de acontecimentos passados e do qual se

Leia mais

Inquérito ao Crédito. Relatório

Inquérito ao Crédito. Relatório Inquérito ao Crédito Relatório Março 2012 Destaques O crédito bancário é a fonte de financiamento mais significativa referida por cerca de 70% das empresas. O financiamento pelos sócios ou accionistas

Leia mais

INTRODUÇÃO Á CONTABILIDADE

INTRODUÇÃO Á CONTABILIDADE INTRODUÇÃO Á CONTABILIDADE O computador, o carro, o avião e essa infinidade de máquinas sofisticadíssimas são coisas que, por estarem aí no dia-a-dia das pessoas, já não nos causam espanto. Porém, se essas

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

1.2- Breves Considerações sobre a Implementação do SISTAFE

1.2- Breves Considerações sobre a Implementação do SISTAFE I INTRODUÇÃO 1.1 Enquadramento Legal A Constituição da República de Moçambique estabelece, na alínea l) do n.º 2 do artigo 179, que é da exclusiva competência da Assembleia da República deliberar sobre

Leia mais

Material de Estudo para Recuperação 6 ano Historia do dinheiro no Brasil escambo 2.1- Outras formas de dinheiro cheque cartão de crédito

Material de Estudo para Recuperação 6 ano Historia do dinheiro no Brasil escambo 2.1- Outras formas de dinheiro cheque cartão de crédito Material de Estudo para Recuperação 6 ano Historia do dinheiro no Brasil Já imaginou como seria a vida sem usar o dinheiro? Estranho, não? Pois há muitos e muitos séculos atrás ele não existia, mas, como

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

NCRF 25 Impostos sobre o rendimento

NCRF 25 Impostos sobre o rendimento NCRF 25 Impostos sobre o rendimento Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 12 - Impostos sobre o Rendimento, adoptada pelo texto original

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO

CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO Existe conceito de Contabilidade como um todo. Contabilidade é a ciência que estuda e pratica as funções de orientação e controle relativas aos atos e

Leia mais

Crédito vem da mesma raiz da palavra credo, ou seja, profissão de fé, aquilo no que se acredita. Origem latina, credere.

Crédito vem da mesma raiz da palavra credo, ou seja, profissão de fé, aquilo no que se acredita. Origem latina, credere. Unidade 1. INTRODUÇÃO E METODOLOGIA DA CONTABILIDADE 1.3. QUATRO MIL ANOS DE CONTABILIDADE Renascença Sistemas de escrituração por partida dobra começaram a surgir gradativamente nos séculos XIII e XIV

Leia mais

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas C O M P I L A Ç Ã O D E M A T E R I A I S Conteúdo programático Código das contas Meios Financeiros Líquidos Contas a receber e a pagar

Leia mais

O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO

O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO ANA MARIA MAGALHÃES ISABEL ALÇADA [ ILUSTRAÇÕES DE CARLOS MARQUES ] O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO COLEÇÃO SEGUROS E CIDADANIA SUGESTÃO PARA LEITURA ORIENTADA E EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO

Leia mais

! " # $%&' (") *+)( *+)* , " # - %. " / 012 $ )"* *+)( 012+"4 "# *+)( 012 5"5 " 6! ! " '.! " 7 . % "' *+)( $%, % " ## *++* -. - ! $ ." )+#.

!  # $%&' () *+)( *+)* ,  # - %.  / 012 $ )* *+)( 012+4 # *+)( 012 55  6! !  '.!  7 . % ' *+)( $%, %  ## *++* -. - ! $ . )+#. !! " # $%&' (") *+)( *+)*, " # %. " / 012 $ )"* *+)( 3 012+"4 "# *+)( 012 5"5 " 6!! " '.! " 7. % "' *+)(!, $%, % " ## *++*. 7! $." )+#. *+)*!! 28" *+)(. "' $%981!5": *+)(*+);!)5) *++**++

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 No dia 3 de dezembro de 2008, foi editada a Medida Provisória nº 449,

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 5 Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 5 Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Introdução Representação gráfica. Ativo. Passivo. Patrimônio Líquido. Outros acréscimos ao Patrimônio Líquido (PL) As obrigações

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura).

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura). NCRF 18 Inventários Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 2 - Inventários, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008

Leia mais

Fundação Biblioteca Nacional ISBN 978-85-7638-769-5

Fundação Biblioteca Nacional ISBN 978-85-7638-769-5 Contabilidade Itamar Miranda Machado Contabilidade 1.ª edição 2007 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores e do detentor

Leia mais

Decreto-Lei n.º 36/1992 de 28/03 - Série I-A nº74

Decreto-Lei n.º 36/1992 de 28/03 - Série I-A nº74 Alterado pelo DL 36/92 28/03 Estabelece o regime da consolidação de contas de algumas instituições financeiras A Directiva do Conselho n.º 86/635/CEE, de 8 de Dezembro de 1986, procedeu à harmonização

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 6 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP UNIDADE DE ESTUDO 06 OBJETIVOS - Localizar, na História, a Idade Média;

Leia mais

Apontamentos de Contabilidade Nacional

Apontamentos de Contabilidade Nacional Apontamentos de Contabilidade Nacional Nuno Cancelo :: 31401 :: ISEL :: Semestre Verão :: Ano Lectivo 2009/2010 1/8 Índice Índices de Preços...3 Produto, Rendimento e Despesa...3 Produto...3 O Produto

Leia mais

Contabilidade Geral. Conceitos Básicos

Contabilidade Geral. Conceitos Básicos Contabilidade Geral Conceitos Básicos Contabilidade Os registos contabilísticos andaram sempre de mãos dadas com a atividade económica. A contabilidade terá nascido com o surgimento da vida económica organizada.

Leia mais

Percurso lógico para a criação de uma empresa:

Percurso lógico para a criação de uma empresa: Percurso lógico para a criação de uma empresa: [3] Formas jurídicas de criar um negocio: Os negócios desenvolvidos por uma pessoa poderão ter a forma jurídica de Empresário em Nome Individual, Estabelecimento

Leia mais

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Sistema de Incentivos à I&DT e Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONTRATO CONSÓRCIO EXTERNO Aplicável a projectos de I&DT

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 27

Norma contabilística e de relato financeiro 27 Norma contabilística e de relato financeiro 27 Instrumentos financeiros Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais de Contabilidade IAS 32 Instrumentos Financeiros:

Leia mais

Paula Gomes dos Santos 1

Paula Gomes dos Santos 1 Paula Gomes dos Santos 1 O Novo Modelo Contabilístico das Entidades Públicas Reclassificadas que aplicam SNC: Um Novo Desfio aos TOC Paula Gomes dos Santos AGENDA Compreender os diferentes conceitos de

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE SANTA MARGARIDA DA COUTADA

JUNTA DE FREGUESIA DE SANTA MARGARIDA DA COUTADA REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO Para dar cumprimento ao disposto nas alíneas f) do n.º 1 e a) do n.º 5 do artigo 34.º da lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, alterada pela Lei n.º 5-A/2002,

Leia mais

Impostos Diferidos e o SNC

Impostos Diferidos e o SNC Impostos Diferidos e o SNC Na vigência do anterior Plano Oficial de Contabilidade (POC) a Directriz Contabilistica (DC) nº 28, da Comissão de Normalização Contabilística (CNC) veio, em tempo, estabelecer

Leia mais

CONTABILIDADE NACIONAL 1

CONTABILIDADE NACIONAL 1 CONTABILIDADE NACIONAL 1 Ópticas de cálculo do valor da produção O produto de um país pode ser obtido por três ópticas equivalentes: Óptica do Produto permite-nos conhecer o valor do produto por sector

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

NAVEGAÇÃO, COMÉRCIO E RELAÇÕES POLÍTICAS: OS PORTUGUESES NO MEDITERRÂNEO OCIDENTAL (1385-1466)

NAVEGAÇÃO, COMÉRCIO E RELAÇÕES POLÍTICAS: OS PORTUGUESES NO MEDITERRÂNEO OCIDENTAL (1385-1466) TEXTOS UNIVERSITÁRIOS DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS NAVEGAÇÃO, COMÉRCIO E RELAÇÕES POLÍTICAS: OS PORTUGUESES NO MEDITERRÂNEO OCIDENTAL (1385-1466) Filipe Themudo Barata FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN JUNTA

Leia mais

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 1 - Apresentação de Demonstrações Financeiras,

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO

CONTABILIDADE E TURISMO Capítulo 1 CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Capítulo 1 Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

«PRIMEIRAS DEPÊNDENCIAS NO EXTERIOR»

«PRIMEIRAS DEPÊNDENCIAS NO EXTERIOR» «PRIMEIRAS DEPÊNDENCIAS NO EXTERIOR» Criação de dependências da Caixa Geral de Depósitos no estrangeiro Já muito se dissertou sobre a Caixa Geral de Depósitos, desde a sua criação até à sua real vocação,

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO NOÇÕES PRELIMINARES 25/10/2012. Informações iniciais. Definição de contabilidade. Grupos de interesse.

CONTABILIDADE E TURISMO NOÇÕES PRELIMINARES 25/10/2012. Informações iniciais. Definição de contabilidade. Grupos de interesse. CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006. 9 cópias na biblioteca

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007 Autor - Manoel Moraes Jr OBJETIVOS DA DOAR Apresentar de forma ordenada e sumariada as informações relativas

Leia mais

MUDANÇAS NO FEUDALISMO. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG

MUDANÇAS NO FEUDALISMO. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG MUDANÇAS NO FEUDALISMO Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG MUDANÇAS NO FEUDALISMO A partir do século XI Expansão das áreas de cultivo, as inovações técnicas.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010 Universidade Técnica de Lisboa - Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Ciências da Comunicação Pesquisa de Marketing Docente Raquel Ribeiro Classes sociais Ainda são importantes no comportamento

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19)

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Portaria n.º 701-E/2008 de 29 de Julho O Código dos Contratos Públicos consagra a obrigação das entidades adjudicantes de contratos

Leia mais

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS BOLETIM INFORMATIVO N.º 3/2010 IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS ASPECTOS CONTABILÍSTICOS E FISCAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria,

Leia mais

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação;

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação; 14.5 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS I - Informações relativas às empresas incluídas na consolidação e a outras 1. Relativamente às empresas incluídas na consolidação a)

Leia mais

Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças

Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças A Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã, através do seu Departamento Jurídico e Fiscal, presta auxílio a empresas

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

C N INTERPRETAÇÃO TÉCNICA Nº 2. Assunto: RESERVA FISCAL PARA INVESTIMENTO Cumprimento das obrigações contabilísticas I. QUESTÃO

C N INTERPRETAÇÃO TÉCNICA Nº 2. Assunto: RESERVA FISCAL PARA INVESTIMENTO Cumprimento das obrigações contabilísticas I. QUESTÃO C N C C o m i s s ã o d e N o r m a l i z a ç ã o C o n t a b i l í s t i c a INTERPRETAÇÃO TÉCNICA Nº 2 Assunto: RESERVA FISCAL PARA INVESTIMENTO Cumprimento das obrigações contabilísticas I. QUESTÃO

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património Regulamento de Inventário e Cadastro do Património União das Freguesias de Benavila e Valongo Rua 25 de Abril, 35 7480-226 BENAVILA NIF 510 835 084 Telefones: 242 434 251 / 242 434 231 Fax: 242 434 242

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO Sofia Vale Agosto de 2015 Foi publicada recentemente a nova Lei do Investimento Privado 1 (doravante A Nova LIP ), que contém

Leia mais

TEORIA DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL

TEORIA DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL TEORIA DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: Apresentamos uma breve análise sobre a teoria do estabelecimento empresarial, considerando o seu teorema e axiomas,

Leia mais

Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas. Prefácio

Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas. Prefácio Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas Prefácio Quando a Declaração de Lima, das directivas sobre os princípios do controlo, foi adoptada por unanimidade pelos delegados

Leia mais

www.editoraatlas.com.br

www.editoraatlas.com.br www.editoraatlas.com.br 6278curva.indd 1 04/04/2011 11:11:12 Equipe de Professores da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP Contabilidade Introdutória Manual do Professor Coordenação

Leia mais

Conceito de Contabilidade

Conceito de Contabilidade !" $%&!" #$ "!%!!&$$!!' %$ $(%& )* &%""$!+,%!%!& $+,&$ $(%'!%!-'"&!%%.+,&(+&$ /&$/+0!!$ & "!%!!&$$!!' % $ $(% &!)#$ %1$%, $! "# # #$ &&$ &$ 0&$ 01% & $ #$ % & #$&&$&$&* % %"!+,$%2 %"!31$%"%1%%+3!' #$ "

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INTRODUÇÃO O objetivo da Administração Financeira é maximizar o patrimônio dos acionistas. A função do administrador financeiro é orientar as decisões de investimentos

Leia mais

HISTORIA DE PORTUGAL

HISTORIA DE PORTUGAL A. H. DE OLIVEIRA MARQUES HISTORIA DE PORTUGAL Manual para uso de estudantes e outros curiosos de assuntos do passado pátrio EDITORIAL PRESENÇA ÍNDICE GERAL PREFACIO 11 INTRODUÇÃO AS RAÍZES DE UMA NAÇÃO

Leia mais

Contabilidade bancária no século XIX português: regulamentação, práticas de relato e controlo estatal

Contabilidade bancária no século XIX português: regulamentação, práticas de relato e controlo estatal Contabilidade bancária no século XIX português: regulamentação, práticas de relato e controlo estatal Luis Ramalho VI Encontro de História da Contabilidade da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas 6 de

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Lei n 5/97 de 27 de Junho Lei Cambial PREÂMBULO Considerando que como consequência da reorganização do sistema financeiro, torna se indispensável actualizar princípios e normas

Leia mais

As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX

As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX Perguntas mais frequentes sobre As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX Quais as empresas que estão obrigadas a enviar os elementos das Facturas à AT? As pessoas, singulares ou colectivas,

Leia mais

Lei do ICMS São Paulo Lei 12.268 de 2006

Lei do ICMS São Paulo Lei 12.268 de 2006 Governo do Estado Institui o Programa de Ação Cultural - PAC, e dá providências correlatas. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 - Demonstrações de Fluxos de Caixa, adoptada pelo texto

Leia mais

DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21

DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21 DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21 Dezembro de 1997 Índice 1. Introdução do Euro 2. Preparação e Apresentação das Demonstrações Financeiras 3. Definições

Leia mais

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Legislação: Decreto-Lei n.º 71/2013 de 30 de Maio Data de entrada em vigência: 1 de Outubro de 2013 Aplicação: o regime de IVA de caixa aplica-se a todas

Leia mais

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Creixomil- Guimarães

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Creixomil- Guimarães Página 1 de 7 Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Creixomil- Guimarães CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Âmbito de aplicação 1 - O presente Regulamento estabelece

Leia mais

VIAGEM À HISTÓRIA DA MOEDA

VIAGEM À HISTÓRIA DA MOEDA VIAGEM À HISTÓRIA DA MOEDA Diariamente utilizamos dinheiro para comprar o que desejamos ou precisamos, como alimentos, roupa, jogos, gelados, bilhetes de cinema, livros e muitas outras coisas Actualmente,

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CONCEITO É uma técnica contábil que consiste na unificação das

Leia mais

Documentação Comercial Controlo de Tesouraria

Documentação Comercial Controlo de Tesouraria Documentação Comercial Controlo de Tesouraria 1.Introdução A tesouraria surgiu da necessidade das entidades possuíssem um órgão que efectua-se a cobrança das receitas e os pagamentos de despesas. Tendo

Leia mais

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20.12.2010 COM(2010) 774 final Anexo A/Capítulo 08 ANEXO A à Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo ao Sistema europeu de contas nacionais

Leia mais