IMUNIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS, CALENDÁRIO VACINAL 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMUNIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS, CALENDÁRIO VACINAL 2014"

Transcrição

1 DISCIPLINA: PEDIATRIA III (PED014) IMUNIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS, CALENDÁRIO VACINAL 2014 Jorge A. Pinto Departamento de Pediatria - FMUFMG

2 Imunização Conceitos básicos Calendário de imunização da criança do Programa Nacional de Imunizações do Brasil (PNI)

3 Proteção contra infecção microbiana Imunidade natural Passiva (anticorpos maternos) Transferência transplacentária Leite materno Ativa (doença induz imunidade) Imunidade artificial Passiva (administração de anticorpos-ac) Imunoglobulinas humanas homólogas Soro heterólogo Ativa (antígenos-ag induzem memória imunológica)

4 Proteção contra infecção microbiana Resposta imune aos microrganismos Imunidade inata Imunidade adaptativa Habilidade de: adaptar aprender lembrar

5 Princípios da imunização ativa Vacinas vivas atenuadas e não-vivas Vacina com agente infeccioso vivo atenuado BCG, Rubéola, Sarampo, Caxumba, Varicela, Poliomielite oral, Febre Amarela Vacina inativada DTP, dt e DT, dtpa-r, Influenza, Hepatite B, Hepatite A, Meningocócicas, Pneumocócicas, Hemófilos, Pentavalente, Pólio injetável, Vacinas contra HPV

6 Imunização ativa Vacinas conjugadas e combinadas Vacinas conjugadas (polissacarídeo da cápsula bacteriana + proteína = complexo indutor de resposta imune T-dependente) Hemofilos (Hib) Conjugado com toxoide tetânico Conjugado com toxina diftérica Conjugado com proteína da membrana externa do Meningococo B Pneumococo conjugado com proteína Meningococo C conjugado com proteína Vacinas combinadas (múltiplos antígenos para prevenir diferentes doenças ou proteger contra múltiplas cepas) DPT difteria, coqueluche, tétano Polio oral cepas P 1, P 2 e P 3 dt- difteria, tétano DPT-Hib tetravalente DPT-Hib-HepB pentavalente (rede pública) SCR tríplice viral SCRV - Tetraviral HepA-HepB DTPa-HepB-IPV-Hib - hexavalente DTPa-IPV DTPa-IPV-Hib pentavalente (rede privada)

7 Imunização ativa Considerações para vacinação dos lactentes Suscetibilidade a infecções graves vacinação logo após o nascimento Sistema imunológico imaturo Reduzida capacidade de produzir IgG no 1º ano de vida; Resposta ineficaz a antígenos polissacarídeos (timo-independentes) necessidade de vacinas polissacarídeas conjugadas a proteínas; Resposta inadequada a antígenos timo-dependentes necessidade de maior número de doses das vacinas Influência inibitória dos anticorpos maternos sobre a imunização A utilização de esquemas vacinais com múltiplas doses e, algumas vezes, com antígenos conjugados, permite... produção de células de memória que estarão prontas em novo contato com o antígeno. Farhat et al., 2008.

8 Imunização ativa Efeitos adversos ao uso de vacinas Todas as vacinas licenciadas são seguras e eficazes, mas nenhuma é completamente segura e eficaz em todos os indivíduos. Reações causadas por deposição de complexo antígeno-anticorpo em casos de reforços vacinais repetidos e desnecessários vacina antitetânica. Reações alérgicas mediadas por IgE (ocorrem geralmente dentro de 4 horas da administração da vacina) A constituintes da vacina (ao estabilizante, à proteína do ovo nas vacinas cultivadas em embrião de galinha, ao látex quando acondicionas com tampa de borracha) À alguma vacina específica evento raro e geralmente localizado. Reações não mediadas por IgE neomicina, timerosal ou à vacina Leves e autolimitados dor, calor, edema e eritema locais Em geral não contra-indicam outras doses da vacina.

9 Imunização ativa Contra-indicações gerais ao uso de vacinas (risco da vacina é superior ao risco da doença - proibição absoluta à utilização da vacina) vacinas de bactérias atenuadas ou vírus vivo atenuado: imunodepressão e gravidez para qualquer vacina: alergia anafilática a componente da vacina ou dose anterior encefalopatia nos primeiros sete dias após a aplicação de vacina que inclua o componente pertussis

10 Imunização ativa Precauções ao uso de vacinas (maior risco de efeito adverso ou resposta inadequada à vacina - avaliar risco/benefício de vacinar) imunodepressão primária ou secundária uso de corticosteróides em doses elevadas e tempo prolongado uso de imunoglobulinas ou sangue e derivados gravidez alergia à vacina reação anafilática - aparecimento, na primeira hora após a exposição, de uma ou mais das manifestações: urticária, sibilos, laringo-espasmo, edema de lábios, hipotensão e choque. doenças agudas moderadas ou graves

11 Imunização ativa Falsas contra-indicações ou precauções ao uso de vacinas doenças agudas leves com febre baixa uso de antimicrobianos reação local à vacina tríplice bacteriana, ainda que intensa história ou diagnóstico clínico da doença contra a qual se pretende vacinar vacinação contra a raiva desnutrição doença neurológica estável tratamento com corticosteróide em dose não imunossupressora história familiar de alergia gravidez da mãe ou de outro contato domiciliar aleitamento não há contra-indicação de vacinar lactantes prematuridade e baixo peso de nascimento (exceto BCG em < 2kg) internação hospitalar (precaução com vacina de poliomielite oral e contato imunossuprimido) administração simultânea de vacinas

12 Imunização ativa Esquema básico de vacinação interrompido Desnecessário reinício da vacinação Dar seqüência à vacinação respeitando: intervalos mínimos entre as doses das vacinas a idade da criança

13 Imunização Conceitos básicos Calendário de imunização da criança do Programa Nacional de Imunizações do Brasil (PNI) Considera a epidemiologia das doenças imunopreveníveis Factível e viável operacionalmente Dinâmico

14 Calendário Básico SUS (0-10 anos) Nascimento: HepB + BCG 2 Meses: Penta+IPV+Rota+Pneumo10 3Meses: Meningo C 4Meses: Penta+IPV+Rota+Pneumo10 5Meses: Meningo C 6Meses: Penta+OPV+Pneumo10 9Meses: Febre amarela (áreas endêmicas) 12Meses: SRC + Pneumo10 + HepA 15Meses: TETRAVIRAL + OPV+ Meningo C +DTP 4 anos: DTP Influenza < 2 anos, nas campanhas.

15 BCG ID vacina contra tuberculose Bacilos atenuados do Mycobacterium bovis Proteção contra formas graves da tuberculose Deve ser aplicada em dose única Recomenda-se uma segunda dose da vacina quando, após 6 meses, não se observa cicatriz no local da aplicação Eventos adversos são raros (0,04% dos vacinados) Contra-indicada em recém-nascidos com peso inferior a 2000g e imunossuprimidos Pode ser aplicada simultaneamente ou a qualquer intervalo de outras vacinas

16 Calendário Básico SUS (0-10 anos) Nascimento: HepB + BCG 2 Meses: Penta+IPV+Rota+Pneumo10 3Meses: Meningo C 4Meses: Penta+IPV+Rota+Pneumo10 5Meses: Meningo C 6Meses: Penta+OPV+Pneumo10 9Meses: Febre amarela (áreas endêmicas) 12Meses: SRC + Pneumo10 + HepA 15Meses: TETRAVIRAL + OPV+ Meningo C +DTP 4 anos: DTP Influenza < 2 anos, nas campanhas.

17 Vacina contra Hepatite B HepB Primeira dose aplicada idealmente nas primeiras 12 horas de vida Segunda dose com 1 ou 2 meses e terceira aos 6 meses Pentavalente brasileira: DTP (pertussis células inteiras) + Hib + HepB Pentavalente rede privada: DTPa + VIP + Hib Hexavalente rede privada: DTPa + VIP + Hib + HepB Recém-nascidos com peso de nascimento igual ou inferior a 2kg ou idade gestacional < 33 semanas 4 doses da vacina (0,1,2 e 6 meses) Crianças e adolescentes não vacinados esquema de três doses

18 Prevenção da transmissão vertical da Hepatite B Situação 1 mãe com HBsAg positivo e RN com peso 2000 g Primeira dose da vacina (HepB) aplicada nas primeiras 12 horas de vida Imunoglobulina anti-hepatite B (HBIG) aplicada nas primeiras 12 horas de vida (proteção por 3 6 meses) Segunda dose da vacina com 1-2 meses Terceira dose da vacina com 6 meses Após última dose (9 18 meses de idade) testar HBsAg e anti-hbs (protetor se 10mUI/mL) Se HBsAg negativo e anti-hbs < 10mUI/mL, repetir série de 3 doses e retestar. Situação 2 Status materno de HBsAg desconhecido e RN com peso 2000 g Primeira dose da vacina (HepB) aplicada nas primeiras 12 horas de vida Segunda dose da vacina com 1-2 meses Terceira dose da vacina aos 6 meses Total de 4 doses, se utilizar vacina combinada a partir da 2ª dose. Total de 4 doses, se utilizar vacina combinada a partir da 2ª dose. Situação 3 mãe HBsAg negativa e RN com peso 2000 g Primeira dose da vacina (HepB) aplicada ao nascer ou antes da alta do berçário Segunda dose da vacina com 1-2 meses Terceira dose da vacina aos 6 meses Total de 4 doses, se utilizar vacina combinada a partir da 2ª dose. Red Book, 2012

19 Calendário Básico SUS (0-10 anos) Nascimento: HepB + BCG 2 Meses: Penta+IPV+Rota+Pneumo10 3Meses: Meningo C 4Meses: Penta+IPV+Rota+Pneumo10 5Meses: Meningo C 6Meses: Penta+OPV+Pneumo10 9Meses: Febre amarela (áreas endêmicas) 12Meses: SRC + Pneumo10 + HepA 15Meses: TETRAVIRAL + OPV+ Meningo C +DTP 4 anos: DTP Influenza < 2 anos, nas campanhas.

20 Vacina Tríplice Bacteriana DTP Contra difteria, tétano e coqueluche em menores de 7 anos de idade A partir dos 7 anos utilizar dt (dupla tipo adulto) Eficácia de 90% a 95%. DTP utiliza células inteiras de Bordetella pertussis inativada etoxóides tetânico e diftérico inativados. É eficaz e bem tolerada. Utilizada na rede pública. DTPa utiliza três antígenos purificados da Bordetella pertussis (acelular), Toxóides Diftérico e Tetânico inativados é menos reatogênica. Esquema de aplicação: 2, 4, 6 e 15 meses de vida. Reforço entre 4 e 6 anos de idade. Entre a terceira dose e o primeiro reforço, deve-se respeitar intervalo de 6 meses. Manter reforço de 10/10 anos com dt (Dupla Tipo Adulto). Se possível, tomar uma dose de dtpa-r (Tríplice Bacteriana Acelular Adulto).

21 Proteção contra tétano Prevenção do tétano neonatal imunização da gestante (dt) Grávidas com história vacinal desconhecida ou incerta - dois esquemas são possíveis, devendo a última dose ser aplicada preferencialmente até 20 dias antes do parto. 1º esquema: três doses durante a gravidez com intervalos de 30 a 60 dias entre as doses. 2º esquema: duas doses durante a gravidez com intervalo mínimo de trinta dias e reforço 6 meses após 1ª dose. Grávidas com esquema completo: última dose há menos de 5 anos, não é necessário reforço. última dose há mais de 5 anos, indica-se uma dose durante a gravidez. Grávidas com uma ou duas doses anteriormente: completar três doses durante a gravidez atual. Prevenção do tétano acidental História vacinal Ferimento limpo ou superficial Outros tipos de ferimentos Vacina Soro Vacina Soro Incerta ou menor de três doses Sim Não Sim Sim 3 doses, última a menos de 5 anos Não Não Não Não 3 doses, última entre 5 e 10 anos Não Não Sim Não 3 doses, última a mais de 10 anos Sim Não Sim Não

22 Ressurgimento da coqueluche Ausência vacinação ou baixa cobertura em crianças Alta cobertura DPT em crianças Alta incidência pertussis é precoce Boosters naturais são frequentes Adolescentes imunes Baixa incidência em crianças Redução dos boosters naturais Redução imunidade adolescentes e adultos Doença mais comum em lactentes e crianças Ressurgimento da Doença Forsyth K, et al. Pediatr Infect Dis J May;24(5 Suppl):S69-74.

23 Prevenção da coqueluche no lactente jovem Vacinar gestantes a partir de 20 semanas de gestação (ideal a partir de 28 semanas). Previsão para PNI: setembro de 2014 Vacina Situação antes de engravidar Conduta na gravidez Conduta após a gravidez Tríplice bacteriana acelular (dtpa) Previamente vacinada com pelo menos 3 doses de antitetânica, sendo a última dose a menos de 5 anos. Previamente vacinada com pelo menos 3 doses de antitetânica, sendo a última dose a mais de 5 anos. Vacinação antitetânica incompleta (apenas 1 dose na vida) Vacinação antitetânica incompleta (apenas 2 doses na vida) Nada ou 1 dose de dtpa Fazer dtpa no puerpério se optou por não vacinar na gestação 1 dose de dt ou dtpa Fazer 1 dose de dtpa no puerpério se optou por vacinar com dt na gestação 1 dose de dt e uma 2ª dose de dt ou dtpa com intervalo de dois meses Fazer 1 dose de dtpa no puerpério se optou por vacinar apenas com dt na gestação 1 dose de dt ou dtpa Fazer 1 dose de dtpa no puerpério se optou por vacinar com dt na gestação Vacinação desconhecida 1 dose de dt e uma 2ª dose de dt ou dtpa com intervalo de dois meses Fazer 1 dose de dtpa no puerpério se optou por vacinar apenas com dt na gestação e uma dose de dt após 6 meses da última dose recebida na gestação

24 Calendário Básico SUS (0-10 anos) Nascimento: HepB + BCG 2 Meses: Penta+IPV+Rota+Pneumo10 3Meses: Meningo C 4Meses: Penta+IPV+Rota+Pneumo10 5Meses: Meningo C 6Meses: Penta+OPV+Pneumo10 9Meses: Febre amarela (áreas endêmicas) 12Meses: SRC + Pneumo10 + HepA 15Meses: TETRAVIRAL + OPV+ Meningo C +DTP 4 anos: DTP Influenza < 2 anos, nas campanhas.

25 Vacina anti-hemofilos Hib Vacina de Polissacarídeo capsular do Hemófilos (PRP) conjugado à proteína carreadora. Eficácia de 88% a 97% - infecções invasivas por Haemophilus influenzae tipo B, capsulado, em menores de 5 anos de idade. Após 5 anos, apenas em pacientes com risco aumentado para a infecção (ex: esplenectomizados) Disponível nas vacinas combinadas (na Pentavalente calendário do PNI) Esquema de aplicação varia de acordo com a idade de início da vacinação: Início a partir de 2 meses de idade (4 doses): três doses com intervalo de dois meses e um reforço aos 15 meses de idade. Início entre 6 a 12 meses de idade (3 doses): duas doses com intervalos de dois meses e um reforço após 12 meses de idade. A partir de 1 ano de idade: dose única. Em imunocomprometidos, 2ª dose após 2 meses. Ao combinar DTPa + Hib, deve-se realizar reforço para Hib após os 12 meses (porque a combinação DTPw + Hib melhora muito a imunogenicidade de Hib, o que não ocorre coma vacina acelular).

26 Calendário Básico SUS (0-10 anos) Nascimento: HepB + BCG 2 Meses: Penta+IPV+Rota+Pneumo10 3Meses: Meningo C 4Meses: Penta+IPV+Rota+Pneumo10 5Meses: Meningo C 6Meses: Penta+OPV+Pneumo10 9Meses: Febre amarela (áreas endêmicas) 12Meses: SRC + Pneumo10 + HepA 15Meses: TETRAVIRAL + OPV+ Meningo C +DTP 4 anos: DTP Influenza < 2 anos, nas campanhas.

27 Vacina anti-poliomielite Eficácia 85 a100% As duas primeiras doses devem ser do tipo inativada (IPV) No calendário do PNI, as doses subsequentes são de polio oral (VOP) Recomenda-se que todas as crianças com menos de 5 anos de idade recebam vacina oral (VOP) nos Dias Nacionais de Vacinação, desde que já tenham recebido 2 doses de vacina inativada. Indica-se dose de reforço para crianças entre 4 e 6 anos de idade que não tenham recebido a 5ª dose em campanhas de vacinação. A vacina inativada (VIP) pode ser aplicada em imunossuprimidos e seus contactantes, por não apresentar risco de paralisia vacinal.

28 Princípios da imunização ativa Intervalo mínimo necessário entre vacinas diferentes Vacinas Entre 2 inativadas Entre 1 inativada e 1 viva atenuada Entre 2 vivas atenuadas injetáveis Entre 2 vivas atenuadas por via oral Intervalo mínimo entre vacinas NENHUM NENHUM 30 dias (alguns autores admitem 15 dias) NENHUM, exceto se fez Polio Oral, esperar 15 dias para Rotavirus

29 Calendário Básico SUS (0-10 anos) Nascimento: HepB + BCG 2 Meses: Penta+IPV+Rota+Pneumo10 3Meses: Meningo C 4Meses: Penta+IPV+Rota+Pneumo10 5Meses: Meningo C 6Meses: Penta+OPV+Pneumo10 9Meses: Febre amarela (áreas endêmicas) 12Meses: SRC + Pneumo10 + HepA 15Meses: TETRAVIRAL + OPV+ Meningo C +DTP 4 anos: DTP Influenza < 2 anos, nas campanhas.

30 Vacina anti-rotavírus Vacina monovalente de vírus atenuado derivado de cepa humana sorotipo G1 (há imunidade heterotípica (G1 e G2) ao final das duas doses) Eficácia 65,4 a 93% para hospitalizações por doença causada por rotavírus A vacina disponível no PNI é monovalente e deve ser administrada em 2 doses: 1ª dose aos 2 meses (1 mês e 15 dias até no máximo 3 meses e 15 dias) 2ª dose aos 4 meses (3 meses e 15 dias até no máximo 7 meses e 29 dias) O intervalo mínimo entre as 2 doses é de quatro semanas Na rede privada temos a vacina pentavalente, que deve ser administrada em 3 doses (2, 4 e 6 meses), sendo a 3ª dose administrada até no máximo 7 meses e 29 dias) Caso a criança regurgite não se repete a dose.

31 Calendário Básico SUS (0-10 anos) Nascimento: HepB + BCG 2 Meses: Penta+IPV+Rota+Pneumo10 3Meses: Meningo C 4Meses: Penta+IPV+Rota+Pneumo10 5Meses: Meningo C 6Meses: Penta+OPV+Pneumo10 9Meses: Febre amarela (áreas endêmicas) 12Meses: SRC + Pneumo10 + HepA 15Meses: TETRAVIRAL + OPV+ Meningo C +DTP 4 anos: DTP Influenza < 2 anos, nas campanhas.

32 Vacina anti-pneumocócica conjugada Recomendada a todas as crianças até 5 anos de idade 84,5% de internações evitadas Redução de 28,69% das pneumonias após introdução da pneumo-10 no Brasil. Esquema de 3 doses no primeiro ano de vida (2, 4 e 6 meses) e reforço aos 15 meses. Crianças com risco aumentado para doença pneumocócica invasiva (DPI) entre 2 e 18 anos devem receber uma dose adicional com a vacina 13 valente. Para crianças e adolescentes com risco aumentado de DPI recomenda-se também a vacina pneumocócica polissacarídica 23-valente, mesmo que tenham recebido a vacina conjugada anteriormente ver recomedações do CRIEs (Centro de Referencia de Imunobiológicos Especiais).

33 Vacina anti-pneumocócica conjugada Esquema de aplicação (varia de acordo com a idade de início da vacinação) Inicio entre 2 a 5 meses de idade: 4 doses (3 doses com intervalo de 2 meses e 4ª dose após um ano de idade; Início entre 5 e 11 meses de idade: 3 doses (2 com intervalo de 2 meses e 3ª após um ano de idade; Início entre 12 e 23 meses de idade: 2 doses com intervalo mínimo de 2 meses; Início após 24 meses: dose única. Esquemas em atraso: crianças com idade entre 6 e 12 meses: se já tomou 1 ou 2 doses antes dos 6 meses, fazer 1 dose nesse momento e 1 reforço após 1 ano; crianças com idade entre 1 e 2 anos: se tomou 1 dose antes de um ano, aplicam-se mais 2 doses. Se já tomou 2 doses, aplica-se uma. crianças maiores que 2 anos de idade: 1 dose independente das doses anteriores.

34 Calendário Básico SUS (0-10 anos) Nascimento: HepB + BCG 2 Meses: Penta+IPV+Rota+Pneumo10 3Meses: Meningo C 4Meses: Penta+IPV+Rota+Pneumo10 5Meses: Meningo C 6Meses: Penta+OPV+Pneumo10 9Meses: Febre amarela (áreas endêmicas) 12Meses: SRC + Pneumo10 + HepA 15Meses: TETRAVIRAL + OPV+ Meningo C +DTP 4 anos: DTP Influenza < 2 anos, nas campanhas.

35 Vacina anti-meningocócica C conjugada Após os 12 meses de idade a vacina deve ser aplicada em dose única Recomenda-se um reforço aos 5 anos de idade devido perda rápida de proteção. Recomenda-se um segundo reforço, preferencialmente com a vacina antimeningocócica ACWY, nos adolescentes (> 11 anos de idade) disponível na rede privada. Na doença meningocócica, o adulto transmite a bactéria para a criança (ao contrário do pneumococo), portanto, é importante imunizar adolescentes!

36 Calendário Básico SUS (0-10 anos) Nascimento: HepB + BCG 2 Meses: Penta+IPV+Rota+Pneumo10 3Meses: Meningo C 4Meses: Penta+IPV+Rota+Pneumo10 5Meses: Meningo C 6Meses: Penta+OPV+Pneumo10 9Meses: Febre amarela (áreas endêmicas) 12Meses: SRC + Pneumo10 + HepA 15Meses: TETRAVIRAL + OPV+ Meningo C +DTP 4 anos: DTP Influenza < 2 anos, nas campanhas.

37 Vacina contra Febre Amarela A OMS considera que a vacina confere pelo menos 10 anos de imunidade. Os anticorpos aparecem 10 dias após a aplicação da vacina. Está indicada para os residentes e viajantes para as áreas endêmicas, de transição e de risco potencial, a partir dos 9 meses de idade (em situações excepcionais pode ser aplicada a partir dos 6 meses) Para os que se mantém em risco, o reforço deve ser feito a cada 10 anos. A vacina contra febre amarela não deve ser administrada no mesmo dia que a vacina tríplice viral devido ao risco de interferência e diminuição da imunogenicidade. Recomenda-se que essas vacinas sejam aplicadas com intervalo de 30 dias entre elas (mínimo de 15 dias). Lactentes com menos de 6 meses em aleitamento materno, cujas mães receberam vacina contra febre amarela devem suspender o aleitamento materno por pelo menos 15 dias.

38 Calendário Básico SUS (0-10 anos) Nascimento: HepB + BCG 2 Meses: Penta+IPV+Rota+Pneumo10 3Meses: Meningo C 4Meses: Penta+IPV+Rota+Pneumo10 5Meses: Meningo C 6Meses: Penta+OPV+Pneumo10 9Meses: Febre amarela (áreas endêmicas) 12Meses: SRC + Pneumo10 + HepA 15Meses: TETRAVIRAL + OPV+ Meningo C +DTP 4 anos: DTP Influenza < 2 anos, nas campanhas.

39 Vacinas tríplice (SCR) e tetraviral (SCRV) A vacina tríplice viral protege contra rubéola, sarampo e caxumba (eficácia de 95% para as duas primeiras e inferior para a caxumba). Efeitos adversos podem ocorrer entre 5-12 dias após a vacinação (dor e edema locais, febre,exantema, edema, vermelhidão e calor nas articulações. Raramente: encefalite, pancreatite, orquite, púrpura e parotidite). A vacina tetraviral (SCRV), na 1ª dose, apresenta maior risco de febre e convulsão febril nos lactentes (5-12 dias após vacina), quando comparados com os que recebem a 1ª dose das vacinas tríplice viral e varicela em injeções separadas No calendário do PNI, a 1ª dose deve ser feita com a vacina tríplice viral (SCR), mesmo em caso de atraso vacinal. Calendário do PNI: 12 meses vacina triplice viral (SCR); 15 meses - reforço com a tetraviral (SCRV) - Não há necessidade do reforço com SCR aos 4 anos. ATENÇÃO: vacina monovalente para varicela e tríplice viral devem ser aplicadas no mesmo dia ou em intervalos de 30 dias.

40 Vacina tetraviral (SCRV) Se esquema antivaricela prevê apenas 1 dose de vacina (PNI) maior eficácia se aplicada em crianças com idade 15 meses. Vacina tetraviral será administrada para todas as crianças que nasceram a partir de junho de 2012 (ou seja, que fizeram 15 meses em setembro de 2013) e será feita até os dois anos de idade. Crianças que receberam apenas uma dose da vacina e apresentam contato domiciliar ou em creche com indivíduo com a doença podem antecipar a segunda dose, respeitando o intervalo mínimo de 1 mês entre as doses. Durante surtos ou contatos íntimos com caso de varicela - possível vacinar crianças imunocompetentes menores que 1 ano (entre 9-12 meses), mas não considerar essas doses válidas. Vacinação pós-exposição: até cinco dias após contato, preferencialmente nas primeiras 72 horas (protegem contra a doença ou levam a forma branda). Dose única da vacina contra varicela muito eficaz para prevenção das formas graves da doença (>95%). As duas doses da vacina contra varicela diminuem a ocorrência da infecção.

41 Calendário Básico SUS (0-10 anos) Nascimento: HepB + BCG 2 Meses: Penta+IPV+Rota+Pneumo10 3Meses: Meningo C 4Meses: Penta+IPV+Rota+Pneumo10 5Meses: Meningo C 6Meses: Penta+OPV+Pneumo10 9Meses: Febre amarela (áreas endêmicas) 12Meses: SRC + Pneumo10 + HepA 15Meses: TETRAVIRAL + OPV+ Meningo C +DTP 4 anos: DTP Influenza < 2 anos, nas campanhas.

42 Vacina contra Hepatite A (HepA) Vírus cultivados em células diplóides humanas e inativados em formaldeído. Introdução no PNI em Jul/2014 Indicada a partir de 12 meses de idade. Eficaz na 1ª dose (95% a 100%). Segunda dose após 6 meses é considerada reforço para não haver perda de imunidade no futuro (proteção por três décadas) Protege até 15 dias após o contato. Sorologia não é capaz de avaliar eficácia da vacina. Argentina implantou 1 dose queda drástica do número de casos (imunidade de rebanho) 2ª dose é necessária para proteção quando se perde imunidade de rebanho (viagens)

43

44 Vacina contra o vírus Influenza Vírus cultivados em células de galinha, inativados e fracionados. É produzida anualmente com as cepas dos vírus recomendadas pela Organização Mundial de Saúde. Eficácia de 70% a 90%. Na rede pública aplicada em crianças com idade entre 6 meses e 2 anos através de campanhas. Na rede privada aplicada em crianças com idade entre 6 meses e 5 anos. Esquema de aplicação para crianças com idade inferior a 9 anos: no 1º ano de aplicação duas doses com intervalo de 30 dias no 2º ano de aplicação apenas uma dose por ano. se a criança recebeu apenas uma dose no primeiro ano, deve receber duas doses no segundo. Contra-indicada em caso de alergia grave ao ovo. Na gestação, deve ser realizada em qualquer idade gestacional! Ao vacinar a mãe, protege-se o bebê (menos consultas por problemas respiratórios) Vacina deve ser aplicada antes do inverno (no Brasil, entre abril e maio)

45 Nº Casos Tasas*10000 hab Hepatits A. Casos y tasas casos tasas 4,59 4,29 3,54 7,03 8,35 5,07 1,86 0,56 0,24 0,13 0, casos tasas

46

47 Vacina contra Papilomavirus Humano (HPV) Introdução no PNI em março 2014, para as meninas: 1º ano: 13, 12 e 11 anos 2º ano: 11, 10 e 9 anos 3º ano em diante: 9 anos A cada dia, 21 mulheres morrem por câncer do colo do útero no Brasil - mais de mortes/ano. Vacina: Subunidades dos tipos de HPV, produzidas em culturas de células por recombinação genética. Eficácia: A vacina bivalente protege as mulheres do câncer de colo de útero (95%) A vacina quadrivalente protege mulheres e homens do câncer e de verrugas ano-genitais causadas pelos tipos 6 e 11 (90%). Proteção cruzada para outros HPVs. Vacinas disponíveis: bivalente (16, 18) indicada para meninas de anos quadrivalente (6, 11, 16, 18) indicada para meninos e meninas de 9-26 anos. Esquema: 3 doses (0, 1, 6 meses) Eventos adversos: como é uma vacina purificada e inativada, não são esperados efeitos relevantes. O HPV é transmitido por relação sexual vacinar é a melhor forma de prevenir. A vacinação não dispensa o exame ginecológico preventivo do câncer.

48 IMPACTO DA VACINAÇÃO EM ALGUMAS DOENÇAS NO BRASIL

49 IMPACTO DA VACINAÇÃO EM ALGUMAS DOENÇAS NO BRASIL

50 Calendário vacinal é dinâmico e as informações devem ser atualizadas Fontes bibliográficas: Centers for Disease Control and Prevention - Ministério da Saúde do Brasil Sociedade Brasileira de Pediatria Sociedade Brasileira de Imunizações -

51 Agradecimento Profa. Gláucia Queiroz Andrade Professora Aposentada do Departamento de Pediatria da FM/UFMG Membro do Grupo de Infectologia Pediátrica do HC/UFMG

52

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013 IDADE Ao 2m 3m 4m 5m 6m 7m 12m 15m 18m 4 a 6 11 14 a 16 Nascer anos anos anos BCG ID 1 Hepatite B 2 DTP / DTPa 3 dt/dtpa 4 Hib 5 VIP / VOP 6 Pneumo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS O presente instrumento estabelece as normatizações técnicas do Programa Nacional de Imunizações referentes ao Calendário

Leia mais

CÓLERA/ DIARRÉIA DO VIAJANTE

CÓLERA/ DIARRÉIA DO VIAJANTE ANTITETÂNICA Indicada para prevenção do tétano. Utilizada para imunização de adultos e idosos, inclusive gestantes (após a 12ª semana). Contraindicação: Não há, exceto àquelas comuns a todas as vacinas:

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE FRIO GOIÁS EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO CAMPANHA DE MULTIVACINAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DA VACINA INATIVADA POLIOMIELITE

Leia mais

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 Institui, em todo o território nacional, o Calendário de vacinação para os Povos Indígenas. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

Calendário de Vacinas 2011

Calendário de Vacinas 2011 Calendário de Vacinas 2011 Untitled-2 1 4/4/11 4:59 PM Atualizações + atualizações_arquivo.indd 1 2 Atualizações Calendário Básico de Vacinação 2011 Idade Vacina Dose Doenças evitadas Ao nascer BCG-ID

Leia mais

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Central de Atendimento: (61) 3329-8000 Calendário de Vacinação do Prematuro Vacinas BCG ID (intradérmica) Hepatite B (HBV) Pneumocócica conjugada Recomendações

Leia mais

- Vacina monovalente contra a poliomielite (VIP)

- Vacina monovalente contra a poliomielite (VIP) VACINAÇÃO PERTENCENTE AO PNV - A Vacina contra a Tuberculose (BCG) Tipo de vacina: Vacina de bacilos vivos atenuados Mycobacterium bovis : Gravidez Imunodeficiência celular, congénita ou adquirida Tratamentos

Leia mais

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CENTRO DE EPIDEMIOLÓGICA DO PARANÁ PROGRAMA ESTADUAL DE IMUNIZAÇÃO TODO DIA É DIA

Leia mais

PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO. Prof. Enf. Hygor Elias

PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO. Prof. Enf. Hygor Elias PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Prof. Enf. Hygor Elias PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI 1973 erradicação da varíola no Brasil e instituição do PNI 1975 instituído o Serviço Nacional de Vigilância Epidemiológica

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II. Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com

Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II. Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com Calendário de Vacinação Infantil 2011 1. BCG (contra Tuberculose); 2. Vacina contra Hepatite B;

Leia mais

Calendário de Vacinação do Prematuro

Calendário de Vacinação do Prematuro Calendário de Vacinação do Prematuro Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2013/2014 RECOMENDAÇÕES, E CUIDADOS ESPECIAIS BCG ID (1) Deverá ser aplicada, preferencialmente ainda na

Leia mais

Política de Vacinação

Política de Vacinação Rol de s cobertas por esta Política Catapora ou Varicela contra Varicela Biken Crianças de 1 a 12 anos: esquema vacinal em dose única. Pacientes imunocomprometidos: portadores de leucemia linfóide aguda

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Agosto - 2012 APRESENTAÇÃO O Sistema Único de Saúde (SUS) altera

Leia mais

Instrumento Administrativo Política Institucional Nº 02.03 Política de Vacinação

Instrumento Administrativo Política Institucional Nº 02.03 Política de Vacinação Rev: 03 Data: 19/07/2010 Página 1 de 5 Anexo I - Rol de Vacinas cobertas por esta Política Vacina Nome da Droga Pré-requisitos para cobertura Documentação necessária Observação Crianças de 1 a 12 anos:

Leia mais

Protocolo. Vacinação em TCTH

Protocolo. Vacinação em TCTH Protocolo Vacinação em TCTH Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Este protocolo envolve: Vacinação em pacientes e familiares candidatos e tratados com transplante de células-tronco hematopoéticas

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS NA UNIDADE NEONATAL

IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS NA UNIDADE NEONATAL USO DE IMUNOBIOLÓGICOS NA ENFERMAGEM UNIDADE NEONATAL Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro A garantia da imunização por meio das vacinas básicas disponibilizadas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO O presente instrumento estabelece as normatizações técnicas do Programa Nacional de Imunizações referentes ao Calendário Nacional de Vacinação,

Leia mais

IMUNIZAÇÕES. Jacy Amaral Freire de Andrade (*)

IMUNIZAÇÕES. Jacy Amaral Freire de Andrade (*) IMUNIZAÇÕES Jacy Amaral Freire de Andrade (*) Imunização é um campo crescente do conhecimento científico que tem exigido um repensar constante do calendário ideal de vacinação, o qual deve ser adaptado

Leia mais

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM CALENDÁRIOS VACINAIS Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM VACINA É PARA A VIDA TODA... Oportunidades para a Vacinação criança adolescente adulto Programa infantil Catch up (repescagem)

Leia mais

QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI

QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI 1 - (Concurso CFO/CQ 2003) A criança C.M.B. tem dois meses e foi encaminhada à unidade de saúde para ser vacinada. Já tomou BCG, a primeira e a segunda dose da vacina contra

Leia mais

Imunizações FUNSACO 2009

Imunizações FUNSACO 2009 Imunizações FUNSACO 2009 Vacinação os primórdios Edward Jenner - maio de 1796 - inoculação de criança de 8anos com material retirado da vesícula de uma paciente com varíola. Semanas após, a criança foi

Leia mais

PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 Institui em todo o território nacional, o Calendário Básico de Vacinação da Criança, o Calendário do Adolescente e o Calendário do Adulto e Idoso. O MINISTRO

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição; e

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição; e PORTARIA Nº- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 Institui em todo o território nacional, o Calendário Básico de Vacinação da Criança, o Calendário do Adolescente e o Calendário do Adulto e Idoso. O MINISTRO

Leia mais

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ,

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ, VACINAÇÃO DE GESTANTES Isabella Ballalai (MD) Diretora Médica da VACCINI - Clínica de Vacinação Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ Edimilson Migowski (MD, PhD, MSc) Professor Adjunto de

Leia mais

Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil

Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil Ana Goretti Kalume Maranhão Programa Nacional de Imunização/Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde ana.goretti@saude.gov.br Programa Nacional

Leia mais

Responsável Técnico. Dr. José Geraldo Leite Ribeiro - CRMMG 13231

Responsável Técnico. Dr. José Geraldo Leite Ribeiro - CRMMG 13231 Responsável Técnico Dr. José Geraldo Leite Ribeiro - CRMMG 13231 Esta seção destina-se à consulta rápida de profissionais de saúde que indicam e aplicam vacinas. Não visa esgotar cada um dos temas abordados,

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE Orientador Empresarial Vacinação - Calendário Básico - Criança, Adolescente, Adulto e Idoso Revogação da Portaria

Leia mais

Imunização. IMUNIZAÇÃO Profa. MS. KELLI COELHO DOS SANTOS

Imunização. IMUNIZAÇÃO Profa. MS. KELLI COELHO DOS SANTOS IMUNIZAÇÃO Profa. MS. KELLI COELHO DOS SANTOS Kelli Santos Enfermeira SES GO Especialista em Saúde Pública, Epidemiologia, PSF e Auditoria dos Sistemas de Saúde Mestre em Gestão dos Serviços de Saúde Membro

Leia mais

Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação. Brasília - agosto de 2012

Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação. Brasília - agosto de 2012 Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação Brasília - agosto de 2012 18/08/2012 Atualização da Caderneta de Vacinação A campanha será realizada no período de 18 a 24 de agosto Dia da Mobilização

Leia mais

NOTAS TÉCNICAS. Propostas para 2013. Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS

NOTAS TÉCNICAS. Propostas para 2013. Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS NOTAS TÉCNICAS Propostas para 2013 Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS NT Nº193/2012/ CGPNI/DEVEP/SVS/MS Alteração da idade para

Leia mais

PREMATURO. Recomendações, esquemas e cuidados especiais. Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2014/2015

PREMATURO. Recomendações, esquemas e cuidados especiais. Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2014/2015 Calendário do prematuro Comentários numerados devem ser consultados. Vacinas Recomendações, esquemas e cuidados especiais BCG ID (1) Em recém-nascidos com peso maior ou igual a 2.000 g. Hepatite B (2)

Leia mais

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família 1º. a 3 de junho de 2004 lourdes.maia@funasa.gov.br PNI. Dados Históricos No Brasil, vacina-se desde 1804. 1973 foi criado um Programa Nacional

Leia mais

VACINAÇÃO PRÉ E PÓS-TRANSPLANTES DE ÓRGÃOS ADULTO

VACINAÇÃO PRÉ E PÓS-TRANSPLANTES DE ÓRGÃOS ADULTO VACINAÇÃO PRÉ E PÓS-TRANSPLANTES DE ÓRGÃOS ADULTO Os candidatos a transplantes de órgão sólidos, os receptores, seus comunicantes domiciliares, os doadores e a equipe assistencial devem ter seus esquemas

Leia mais

SÍNDROME DE DOWN Diário Oficial do Estado Nº 197, Seção 1 sexta-feira, 17 de outubro de 2014

SÍNDROME DE DOWN Diário Oficial do Estado Nº 197, Seção 1 sexta-feira, 17 de outubro de 2014 Circular 565/2014 São Paulo, 20 de Outubro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) "CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO" PARA OS PORTADORES DA SÍNDROME DE DOWN Diário Oficial do Estado Nº 197, Seção 1 sexta-feira, 17

Leia mais

Vacina Pentavalente. Nomenclatura. Proteção. Forma Farmacêutica Apresentação

Vacina Pentavalente. Nomenclatura. Proteção. Forma Farmacêutica Apresentação Vacina Pentavalente Nomenclatura Proteção Forma Farmacêutica Apresentação Lab. Produtor Composição Indicação Precauções Contra Indicações - Vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis, hepatite B (recombinante)

Leia mais

IMPORTANTE. Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C.

IMPORTANTE. Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C. Administração de Imunobiológicos IMPORTANTE Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C. Contra indicações gerais: Imunodeficiência congênita ou adquirida Neoplasias

Leia mais

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria Atualização de Condutas em Pediatria nº 35 Departamentos Científicos da SPSP, gestão 2007-2009. Departamento de Pneumologia Infecção respiratória por vírus emergentes Calendário de vacinação 2007 Sociedade

Leia mais

Imunização ativa x passiva

Imunização ativa x passiva A IMUNIZAÇÃO É DEFINIDA COMO A AQUISIÇÃO DE PROTEÇÃO IMUNOLÓGICA CONTRA UMA DOENÇA INFECCIOSA. Imunização ativa x passiva A imunização ativa ocorre quando o próprio sistema imune da criança, ao entrar

Leia mais

Guia Prático de Vacinas 2013

Guia Prático de Vacinas 2013 Guia Prático de Vacinas 2013 Índice 4 7 11 21 27 31 33 37 43 47 51 54 Apresentação Calendário Básico de Vacinação do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde (PNI/MS) 8. Vacina tuberculose

Leia mais

vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única.

vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única. 1 vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única. A vacina tétano deve ser administrada por via intramuscular. Não utilize a vacina

Leia mais

VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS PREVENÍVEIS POR IMUNIZAÇÃO. Profa. Regina Flauzino Disciplina de Epidemiologia IV

VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS PREVENÍVEIS POR IMUNIZAÇÃO. Profa. Regina Flauzino Disciplina de Epidemiologia IV VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS PREVENÍVEIS POR IMUNIZAÇÃO Profa. Regina Flauzino Disciplina de Epidemiologia IV Tópicos Histórico Doenças Preveníveis por Imunização Crianças Adultos Idosos Vacinação para Profissionais

Leia mais

Manual para registro de doses aplicadas no Sistema de Informação online de Avaliação do Programa de Imunizações APIWEB

Manual para registro de doses aplicadas no Sistema de Informação online de Avaliação do Programa de Imunizações APIWEB Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações GT- Análise e Informação em Imunizações Manual para

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI. Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com

PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI. Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com HISTÓRIA DO PNI Desde que foi criado, em 18 de setembro de 1973, o PNI tornou-se ação de governo caracterizada

Leia mais

13 RESUMO DAS INDICAÇÕES DOS CRIES, POR IMUNOBIOLÓGICO

13 RESUMO DAS INDICAÇÕES DOS CRIES, POR IMUNOBIOLÓGICO 13 RESUMO DAS INDICAÇÕES DOS CRIES, POR IMUNOBIOLÓGICO Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS)/MS Manual dos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais 2014 1 Vacina inativada poliomielite (VIP)

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

Enfermagem. Imunização 2016

Enfermagem. Imunização 2016 Enfermagem Imunização 2016 Imunização O tema imunização sempre está presente nas provas de enfermagem, sendo complexo de ser estudado em decorrência dos inúmeros detalhes e atualizações constantes. Esta

Leia mais

Sucessos, Desafios e Perspectivas

Sucessos, Desafios e Perspectivas Sucessos, Desafios e Perspectivas Carla Magda A. S. Domingues Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Cenário Epidemiológico 1970 Doença

Leia mais

INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE)

INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE) SUBPAV/SVS COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÕES INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE) VACINA INATIVADA CONTRA POLIOMIELITE (VIP) Crianças imunocomprometidas (com deficiência imunológica congênita ou

Leia mais

SECRETARIA DE VACINAS ESQUEMA PRIMEIRA VISITA PRIMEIRA DOSE A 3 6 MESES APÓS A A CADA 10 ANOS REFORÇO. 4 Disponível na

SECRETARIA DE VACINAS ESQUEMA PRIMEIRA VISITA PRIMEIRA DOSE A 3 6 MESES APÓS A A CADA 10 ANOS REFORÇO. 4 Disponível na CALENDÁRIO PARA CRIANÇAS ATÉ SEIS ANOS DE IDADE IDADE Ao NASCER BCG 1, 2 2 MESESS 3 MESESS 4 MESESS 5 MESESS VIP 3 + PENTAVALENTE (DTP-Hib-HB) + ROTAVÍRUS 4 PNEUMOCÓCICA 10 VALENTE + MENINGOCÓCICA C VIP

Leia mais

GUIA PRÁTICO: VACINAÇÃO DO IDOSO

GUIA PRÁTICO: VACINAÇÃO DO IDOSO Autoras Dra. Priscila Gaeta CRM: 133.871 Dra. Carolina Toniolo CRM: 157.464 Médica especialista em Geriatria pela Sociedade Brasileira de Medica residente do Instituto Geriatria e Gerontologia/ Associação

Leia mais

CARTILHA DE VACINAÇÃO. Prevenção não tem idade. Vacine-se!

CARTILHA DE VACINAÇÃO. Prevenção não tem idade. Vacine-se! CARTILHA DE VACINAÇÃO Prevenção não tem idade. Vacine-se! A saúde é o nosso bem mais precioso, e a vacinação é um meio acessível, seguro e efetivo de protegê-la! A vacinação protege não apenas aqueles

Leia mais

FICHA DE SOLICITAÇÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS

FICHA DE SOLICITAÇÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - SUVISA GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE DE FRIO GIRF COORDENAÇÃO DE EAPV/CRIE FICHA DE SOLICITAÇÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS

Leia mais

RESUMO DAS INDICAÇÕES DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS E ESQUEMAS RECOMENDADOS PELO CRIE/MINISTÉRIO DA SAÚDE

RESUMO DAS INDICAÇÕES DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS E ESQUEMAS RECOMENDADOS PELO CRIE/MINISTÉRIO DA SAÚDE RESUMO DAS INDICAÇÕES DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS E ESQUEMAS RECOMENDADOS PELO CRIE/MINISTÉRIO DA SAÚDE Procedimentos para Avaliação e Indicação de Imunobiológicos Especiais: 1. Avaliar histórico vacinal

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005.

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005. O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005. COORDENADORA Prof Dra. Denise Siqueira de Carvalho EQUIPE EXECUTORA

Leia mais

PREMATURO. Recomendações, esquemas e cuidados especiais. Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2014/2015

PREMATURO. Recomendações, esquemas e cuidados especiais. Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2014/2015 Calendário de vacinação do prematuro Comentários numerados devem ser consultados. Vacinas Recomendações, esquemas e cuidados especiais BCG ID (1) Em recém-nascidos com peso maior ou igual a 2.000 g. Hepatite

Leia mais

Saúde Naval CARTILHA DA CRIANÇA

Saúde Naval CARTILHA DA CRIANÇA Saúde Naval CARTILHA DA CRIANÇA (0-12 ANOS) DICAS DE VACINAÇÃO O calendário vacinal é uma sequência cronológica de vacinas que se administram sistematicamente às crianças de determinada área ou região.

Leia mais

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS As vacinas conjugadas são aquelas nas quais os antígenos bacterianos são ligados a carreadores protéicos, facilitando o processamento pelos linfócitos T, gerando então,

Leia mais

Sala de Vacina. Afastar o refrigerador da parede, pelo menos 20 cm; Verificar a temperatura 2 vezes ao dia;

Sala de Vacina. Afastar o refrigerador da parede, pelo menos 20 cm; Verificar a temperatura 2 vezes ao dia; Sala de Vacina Equipamento distante de fonte de calor e raios solares; Afastar o refrigerador da parede, pelo menos 20 cm; Usar tomada exclusiva para cada equipamento; Temperatura interna preferencialmente

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2013 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS 20 de outubro de 2012 Centro de Vacinação SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO

Leia mais

Calendário de vacinação do prematuro Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2015/2016

Calendário de vacinação do prematuro Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2015/2016 Calendário de vacinação do prematuro Comentários numerados devem ser consultados. Vacinas Recomendações, esquemas e cuidados especiais BCG ID (1) Em recém-nascidos (RNs) com peso maior ou igual a 2.000

Leia mais

Imunizações Prof. Orlando A. Pereira FCM - Unifenas

Imunizações Prof. Orlando A. Pereira FCM - Unifenas Imunizações Prof. Orlando A. Pereira FCM - Unifenas Imunização ativa A imunização ativa é realizada pela introdução no organismo de diferentes tipos de antígenos, representados tanto por cepas vivas e

Leia mais

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE 2013 IDADE VACINA A PARTIR DO NASCIMENTO 2 MESES BCG 1 HEPATITE B 2 VACINA VIP 3 PENTAVALENTE 7 ROTAVÍRUS

Leia mais

Curso Completo de Enfermagem para Concursos Aula nº 8 - Imunização

Curso Completo de Enfermagem para Concursos Aula nº 8 - Imunização Curso Completo de Enfermagem para Concursos Aula nº 8 - Imunização O tema imunização sempre está presente nas provas de enfermagem, sendo complexo em decorrência dos inúmeros detalhes e atualizações constantes.

Leia mais

Preparatório para Concurso do IPASGO

Preparatório para Concurso do IPASGO w w w. i n s t i t u t o c o n s c i e n c i a g o. c o m. b r Preparatório para Concurso do IPASGO Aula: Programa Nacional de Imunização Profª MSc. Marise Ramos de Souza Parte 02 de 03 CALENDÁRIOS BÁSICOS

Leia mais

VACINA PENTAVALENTE CADERNO DO TREINANDO

VACINA PENTAVALENTE CADERNO DO TREINANDO SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE DE FRIO Av. Anhanguera, 5195 Setor Coimbra Goiânia GO Fone: (62) 3201-4547/4543 FAX: (62) 3201-4545 E-mail: pnigoias@gmail.com VACINA

Leia mais

vacina tétano Potência estimada com o limite inferior de confiança em P = 0.95.

vacina tétano Potência estimada com o limite inferior de confiança em P = 0.95. 1 vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única. A vacina tétano deve ser administrada por via intramuscular. Não utilize a vacina

Leia mais

Vacinas contra o pneumococo

Vacinas contra o pneumococo .... Simpósio Nacional de Doença Pneumocócica e Influenza São Paulo, 20 e 21 de Setembro de Vacinas contra o pneumococo Lúcia Helena de Oliveira Assessora Regional para Novas Vacinas Unidade de Imunizações

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone/fax (11) 4742-6674 Desde 1987 Legislação Consultoria Assessoria Informativos Treinamento Auditoria Pesquisa Qualidade Relatório

Leia mais

Mais de 1,2 milhão de visitantes únicos por mês, com mais de 3,5 milhões de visualizações mensais.

Mais de 1,2 milhão de visitantes únicos por mês, com mais de 3,5 milhões de visualizações mensais. Mais de 1,2 milhão de visitantes únicos por mês, com mais de 3,5 milhões de visualizações mensais. O Brasil é o único país com mais de 100 milhões de habitantes que assumiu o desafio de ter um Sistema

Leia mais

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO - 2016 IDADE VACINAS A PARTIR DO NASCIMENTO BCG 1 2 3 2 MESES ROTAVÍRUS 4 3 MESES MENINGOCÓCICA C 3 4 MESES ROTAVÍRUS 5 5 MESES MENINGOCÓCICA C 6 MESES

Leia mais

BEPA 2013;10(120):1-15

BEPA 2013;10(120):1-15 Artigo especial Programa Estadual de Imunização De São Paulo 45 anos Pioneirismo, dedicação e compromisso State Immunization Program of São Paulo - 45 years Pioneering spirit, dedication and commitment

Leia mais

MENINGOCÓCICA C (CONJUGADA) DOSE < DE1ANO 1ANO 2a4 ANOS 5 a 8ANOS 9 a 12ANOS 13 a 19ANOS 20 a 59ANOS D1 VIP/VOP (SEQUENCIAL) DTP/HB/HIB (PENTA)

MENINGOCÓCICA C (CONJUGADA) DOSE < DE1ANO 1ANO 2a4 ANOS 5 a 8ANOS 9 a 12ANOS 13 a 19ANOS 20 a 59ANOS D1 VIP/VOP (SEQUENCIAL) DTP/HB/HIB (PENTA) IDENTIFICAÇÃO BOLETIM MENSAL DE S APLICADAS SI - API VERSÃO 10 MÊS ANO CÓDIGO DA UNIDADE NOME DA UNIDADE UF REGIONAL CÓDIGO DO MUNICÍPIO NOME DO MUNICÍPIO BCG ROTINA MENOR DE 1 ANO 1 ANO 2 ANOS 3 ANOS

Leia mais

do Acidente Vascular Cerebral

do Acidente Vascular Cerebral Tratamento Vacina Contra da Fase a Rubéola Aguda do Acidente Vascular Cerebral Academia Sociedade Brasileira de de Neurologia Pediatria Elaboração Final: 24 19 de Julho de 2001 2002 Autoria: Gagliardi

Leia mais

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO DA REDE PÚBLICA DE SANTA CATARINA Última atualização em 05 de janeiro de 2016

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO DA REDE PÚBLICA DE SANTA CATARINA Última atualização em 05 de janeiro de 2016 Grupo alvo Idade BCG Hepatite B (1) VIP e VOP (10) Pentavalente Pneumo 10 Rotavírus (2) Meningo C Hepatite A Febre Amarela (3) Tríplice Viral (4) Tetraviral (5) HPV dtpa (8) Influenza (gripe) (9) Dupla

Leia mais

VACINAÇÃO EM PREMATUROS, CRIANÇAS E ADOLESCENTES

VACINAÇÃO EM PREMATUROS, CRIANÇAS E ADOLESCENTES VACINAÇÃO EM PREMATUROS, CRIANÇAS E ADOLESCENTES Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. VACINAÇÃO EM PREMATUROS... 3 2.1 BCG... 5 2.2 Hepatite B... 5 2.3 Palivizumabe... 5 2.4 Pneumocócica Conjugada... 6 2.5 Influenza...

Leia mais

INDICAÇÕES PARA USO DOS IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS NOS CENTRO DE REFERÊNCIA CRIE

INDICAÇÕES PARA USO DOS IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS NOS CENTRO DE REFERÊNCIA CRIE INDICAÇÕES PARA USO DOS IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS NOS CENTRO DE REFERÊNCIA CRIE Indicação: para indivíduos suscetíveis: Imunoglobulina humana anti-hepatite B (IGHAHB) - prevenção da infecção perinatal

Leia mais

RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA

RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA Residência Pediátrica 2014;4(3)(Supl. 1):S10-S22. RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA Artigo de revisão: Vacinação da criança e adolescente Immunization of children and the adolescents Aroldo Prohmann de Carvalho 1,

Leia mais

PORTARIA Nº 069 - DGP, DE 17 DE ABRIL DE 2003

PORTARIA Nº 069 - DGP, DE 17 DE ABRIL DE 2003 PORTARIA Nº 069 - DGP, DE 17 DE ABRIL DE 2003 Aprova as Normas Técnicas sobre Vacinação e Uso de Imunobiológicos no Exército. O CHEFE DO DEPARTAMENTO-GERAL DO PESSOAL, de acordo com o art. 117 das Instruções

Leia mais

CRIE CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS

CRIE CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS CRIE CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS Os Centros de referência de Imunobiológicos Especiais (CRIE) têm como finalidade facilitar o acesso à população, em especial

Leia mais

1. Motivos biológicos como imunodepressão, asplenia, transplante, AIDS;

1. Motivos biológicos como imunodepressão, asplenia, transplante, AIDS; IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS São produtos (vacinas e Imunoglobulinas), destinados aos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais CRIES, objetivando facilitar o acesso de usuários portadores de quadros

Leia mais

Fabiano Oliveira Novaes DEGUSTAÇÃO. Nadja de Carvalho Moreira

Fabiano Oliveira Novaes DEGUSTAÇÃO. Nadja de Carvalho Moreira 9 A Vacinação na Saúde da Criança e o Papel da Enfermagem PROTENF Ciclo 7 Volume 2 Resumo Amanda Souza Rodrigues Fabiano Oliveira Novaes Maria Inês Corrêa Cárcamo Nadja de Carvalho Moreira Suzana Curtinhas

Leia mais

VACINAS. Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194

VACINAS. Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 VACINAS Monitor: Alessandro Almeida Sumário 1 Introdução... 1 2

Leia mais

SBP - Calendário ideal para a Criança SBP lança Calendário de Vacinação 2008

SBP - Calendário ideal para a Criança SBP lança Calendário de Vacinação 2008 SBP - Calendário ideal para a Criança 2008 SBP lança Calendário de Vacinação 2008 Nota s: 1. A vacina contra hepatite B deve ser aplicada nas primeiras 12 horas de vida. A segunda dose pode ser feita com

Leia mais

do Acidente Vascular Cerebral

do Acidente Vascular Cerebral Tratamento Vacina Contra da Fase - Rubéola Aguda do Acidente Vascular Cerebral Autoria: Academia Sociedade Brasileira de de Neurologia Pediatria Elaboração Final: 24 22 de Julho Maio de 2001 2008 Participantes:

Leia mais

2) Qual a importância da vacina conter as duas linhagens de vírus B?

2) Qual a importância da vacina conter as duas linhagens de vírus B? VACINAS INFLUENZA NO BRASIL EM 2015 Renato Kfouri Vice-presidente da SBIm Juarez Cunha Diretor da SBIm 1) Como são as novas vacinas quadrivalentes? As vacinas influenza utilizadas em nosso país até o ano

Leia mais

o Varíola: desde 1979 ela foi erradicada no mundo. Por isso não tomamos mais esta vacina. o Poliomielite: desde 1994 ela foi erradicada das Américas.

o Varíola: desde 1979 ela foi erradicada no mundo. Por isso não tomamos mais esta vacina. o Poliomielite: desde 1994 ela foi erradicada das Américas. 24 de Abril de 2009. Imunizações / Vacinação Com exceção da água potável, nenhuma outra modalidade, nem mesmo ATBterapia, teve tão grande impacto na redução da mortalidade e no crescimento da população.

Leia mais

Lamentavelmente estamos vivenciando nos últimos meses um período de. escassez de vacinas combinadas contendo o componente pertussis acelular:

Lamentavelmente estamos vivenciando nos últimos meses um período de. escassez de vacinas combinadas contendo o componente pertussis acelular: NOTA TÉCNICA 17/11/2015 Desabastecimento das vacinas combinadas à DTPa Novidades sobre disponibilização da quíntupla do PNI para os reforços Comissão Técnica de Revisão de Calendários e Consensos SBIm

Leia mais

INFORME TÉCNICO DA VACINA HPV (PAPILOMAVÍRUS HUMANO 6, 11, 16, 18 (RECOMBINANTE)) - 2015

INFORME TÉCNICO DA VACINA HPV (PAPILOMAVÍRUS HUMANO 6, 11, 16, 18 (RECOMBINANTE)) - 2015 INFORME TÉCNICO DA VACINA HPV (PAPILOMAVÍRUS HUMANO 6, 11, 16, 18 (RECOMBINANTE)) - 2015 Apresentação O Ministério da Saúde com o objetivo de reforçar as atuais ações de prevenção do câncer do colo do

Leia mais

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS DA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS DA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS DA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE SUPERITENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÃO E REDE FRIO ESQUEMA VACINAL NOTA INFORMATIVA Nº143/CGPNI/DEVIT/SVS/MS/18/122014

Leia mais

A vacinação com a Pn13, no âmbito do Programa Nacional de Vacinação (PNV), inicia-se no dia 1 de julho de 2015.

A vacinação com a Pn13, no âmbito do Programa Nacional de Vacinação (PNV), inicia-se no dia 1 de julho de 2015. NÚMERO: 008/015 DATA: 01/06/015 ATUALIZAÇÃO 05/06/015 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Programa Nacional de Vacinação. Introdução da vacina conjugada de 13 valências contra infeções por Streptococcus

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 16-10-2010.

UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 16-10-2010. UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 16-10-2010 Vacinas SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO LEIA ATENTAMENTE AS

Leia mais

Calendário de Vacinação em Crianças e Adolescentes no Brasil

Calendário de Vacinação em Crianças e Adolescentes no Brasil Calendário de Vacinação em Crianças e Adolescentes no Brasil Otávio Augusto Leite Cintra 1. Introdução A vacinação constitui-se em uma das ações mais efetivas da medicina preventiva seja na saúde coletiva

Leia mais

TEXTO DE BULA DA VACINA PNEUMOCÓCICA 13-VALENTE (CONJUGADA) Excipientes: cloreto de sódio, ácido succínico, polissorbato 80 e água para injeção.

TEXTO DE BULA DA VACINA PNEUMOCÓCICA 13-VALENTE (CONJUGADA) Excipientes: cloreto de sódio, ácido succínico, polissorbato 80 e água para injeção. TEXTO DE BULA DA VACINA PNEUMOCÓCICA 13-VALENTE (CONJUGADA) I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES Cartucho com 1 estojo contendo 1 seringa preenchida com 0,5 ml de suspensão injetável (dose única)

Leia mais

20 GERÊNCIA DE SAÚDE-20º SDR PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO(PNI)

20 GERÊNCIA DE SAÚDE-20º SDR PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO(PNI) 20 GERÊNCIA DE SAÚDE-20º SDR PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO(PNI) ENF Msc: JANETE ZANDOMENICO. PROGRAMA IMUNIZAÇÃO A vacinação representa um grande avanço da tecnologia médica sendo uma das medidas mais

Leia mais

vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular), Haemophilus influenzae b (conjugada) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada)

vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular), Haemophilus influenzae b (conjugada) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular), Haemophilus influenzae b (conjugada) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) Formas farmacêuticas e apresentações: Suspensão injetável. - Cartucho contendo

Leia mais

CALENDÁRIO VACINAL Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Imunizações e Rede de Frio

CALENDÁRIO VACINAL Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Imunizações e Rede de Frio CALENDÁRIO VACINAL 2016 Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Imunizações e Rede de Frio CALENDÁRIO VACINAL 2016 Historicamente, diversos calendários de vacinação foram propostos em função

Leia mais