TERMOGRAFIA: MEIO COMPLEMENTAR DE DIAGNÓSTICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERMOGRAFIA: MEIO COMPLEMENTAR DE DIAGNÓSTICO"

Transcrição

1 Introdução Em Portugal, embora não exista obrigatoriedade legal para a realização de Análises Termográficas, este diagnóstico está vulgarizado nos planos de Manutenção e é recomendado por diversas Seguradoras, fundamentados nas Normas Norte-Americanas. The National Fire Protection Association (NFPA) 70B suggests that every commercial and industrial building in the United States should have an IR survey at least once a year. A Termografia por infravermelhos é o método de aquisição e análise de informações térmicas recolhidas por uma câmara termográfica. Trata-se de um meio complementar à manutenção preventiva e tem como objetivo diagnosticar precocemente anomalias em desenvolvimento, sem necessitar de contacto físico com o equipamento, mantendo o utilizador em segurança, não interferindo nem afetando o alvo de modo algum. A MANVIA vem desenvolvendo competências na área da termografia há mais de uma década. Desde 2006 que a empresa tem investido na Manutenção Condicionada, incluindo um serviço de diagnósticos elétricos em parceria com a TEGG Corp., obtendo Certificação Técnica ao nível de ASNT Level 1 em Termografia. Especializou-se na área elétrica para médios/grandes Clientes, oferecendo-lhes soluções de fiabilidade nas áreas em que desenvolvem a sua atividade. Fiabilidade essa, resultado da capacidade técnica desenvolvida, conseguida através da competência técnica e de equipamentos de diagnóstico. Realizar uma Análise Termográfica Nas inspeções termográficas são recolhidas imagens da radiação de infravermelhos emitida pelos alvos e através da análise dos dados recolhidos, é possível obter conclusões precisas e indicar medidas preventivas ou corretivas adequadas. Não é suficiente possuir o equipamento de medição de radiação infravermelha, acima de tudo é necessário saber utilizá-lo, ter formação e conhecimentos técnicos, de forma a poder fornecer um diagnóstico técnico eficaz e soluções ao Cliente. Numa Inspeção Termográfica deve ser tomado em conta: Verificação térmica dos equipamentos. Conhecimentos técnicos dos vários equipamentos existentes no mercado e seu funcionamento. Informar o Cliente se os equipamentos estão a cumprir as normativas dos mesmos, bem como as Regras Técnicas Nacionais. O Técnico que está a inspecionar deve sugerir uma intervenção sempre que considere necessário. Inspeção não é sinonimo de Fiscalização.

2 Os resultados finais nas análises dos Termogramas recolhidos são influenciados por diversos fatores, sendo os principais: Local de inspeção e condições operacionais dos equipamentos. A interação com o Cliente, ou os seus Técnicos, é fator decisivo no resultado final, em virtude do conhecimento do Cliente acerca das condições operacionais dos equipamentos. Conhecimentos técnicos do Termógrafo. Formação contínua em Termografia e sobre os desenvolvimentos tecnológicos aplicáveis aos equipamentos passiveis de serem submetidos a inspeção. Aspetos a considerar na Análise Termográfica Na área das inspeções termográficas podem ser encontradas diversos tipos de anomalias e situações que devem ser levadas em consideração. Na figura 1 encontram-se dois exemplos. Na imagem da esquerda encontra-se um problema interno num disjuntor e na imagem da direita um aquecimento e vibração da chapa metálica por indução. Figura 1: Exemplos de anomalias detetadas Problema Interno de um Disjuntor Aquecimento e Vibração de Chapa por Indução A análise das imagens termográficas deve ser realizada pelo Técnico que efetuou a recolha dos dados e os Termogramas. A imagem real que acompanha um termograma, pode não ser suficiente para a identificação correta de um problema. Por exemplo, na figura 2 as marcas alaranjadas são reflexão de um emissor de raios infravermelhos, possivelmente uma lâmpada ou até a pessoa que está a realizar o ensaio. O Técnico que executa a inspecção é a pessoa indicada para avaliar qual a origem do elemento externo ao objeto em análise.

3 Figura 2: Reflexão de um emissor de raios infravermelhos Outra situação prende-se com a participação ativa do Cliente. A qualidade final do serviço é sempre fruto do trabalho em equipa, e torna-se mais produtiva quando o Cliente participa no processo, identificando habituais disparos intempestivos de equipamentos, histórico de anomalias ou pela interação com o Termógrafo, o reconhecimento de anomalias, não detetáveis a olho nu, ou por pessoa não qualificada. Também a inspeção visual tem um caráter determinante no resultado final do Serviço. O Técnico que realiza a inspeção deve sugerir uma intervenção sempre que considere necessário. Algumas anomalias não são detetadas por termografia mas por inspeção visual, vejamos um exemplo. Na figura 3 podem verificar-se que as condições funcionais do equipamento foram excedidas, sendo necessário averiguar as causas, além da imagem termográfica. Figura 3: Anomalia não detetada por termografia Classificação da unidade de disparo Temperatura ambiente do ar (para funcionamento) Temperatura ambiente do ar (para armazenamento) 100 a 40 C C C Anomalia não detetada por termografia mas na inspeção visual em que se pode verificar que as condições funcionais do equipamento foram excedidas. Quais as razões? O Termógrafo deverá ter a capacidade técnica para avaliar, concluir e apresentar soluções ao produzir o relatório. Outra situação é a importância da Análise Termográfica, prévia às ações de Manutenção. Na figura 4 encontra-se um transformador de intensidade em barramento de Média Tensão com anomalia grave, tendo sido efetuada manutenção antes da termografia. Esta anomalia detetada pelo Termógrafo, exigiu paragem da fábrica e

4 manutenção do barramento de Media Tensão. Para além da paragem da fábrica, não planeada, esta anomalia poderia ter tido outras consequências mais graves, nomeadamente risco de incêndio, danificação do barramento de chegada e distribuição para outras áreas da fábrica. Figura 4: Anomalia grave em transformador de intensidade em barramento de Media Tensão O reconhecimento de erros de dimensionamento são igualmente fundamentais. O equipamento que se encontra na figura 5 é uma bateria de condensadores, que se encontrava num quadro com dimensão diminuta, faltando-lhe ventilação para a dissipação térmica produzida pelos equipamentos do quadro (condensadores, reactâncias e contactores). Este tipo de anomalia tem como consequência risco elevado de incêndio e diminuição da longevidade dos componentes. Figura 5: Bateria de condensadores, equipamento novo mal dimensionado As boas práticas recomendam que: A análise de um termograma deve ser realizada pelo Técnico responsável pela sua recolha. O Cliente deve participar ativamente no processo. É ele que detém o conhecimento do funcionamento quotidiano das instalações. O Termógrafo deve estar dotado para fazer uma análise visual crítica da instalação.

5 É aconselhável uma inspeção termográfica antes de qualquer intervenção, ações de manutenção preventiva, por exemplo, para que os pontos quentes sejam identificados e alvo de verificação e correção durante eventuais cortes de energia. O Termógrafo deve possuir capacidade técnica para avaliar falhas de dimensionamento. Uma nota técnica adicional: Nos equipamentos com apertos de precisão e selagem, deve ser reposto lacre de cor diferente, após um reaperto. Conclusão Na área da Termografia, a MANVIA tem uma enorme diversidade de Clientes. Desde a indústria alimentar, onde o ambiente é o mais limpo possível e a fiabilidade tem que ser constante, até Clientes que simplesmente pretendem fazer uma verificação a um determinado quadro. Os Clientes com exigências de grande fiabilidade, exigem e respondem aos problemas detetados com correções quase imediatas, diminuindo o risco de paragem ou falhas, valorizando e vinculando o serviço prestado. Em suma, a termografia é um meio auxiliar a inspeções em que o objetivo é melhorar a rentabilidade da empresa e antecipar problemas não detetáveis a olho nu. Um diagnóstico correto implica que todas as partes envolvidas intervenham e forneçam informações complementares, o envolvimento do Cliente acelera as ações a tomar, reduzindo os riscos e incrementando os níveis de Segurança.

Termografia na inspeção preditiva

Termografia na inspeção preditiva Termografia na inspeção preditiva Antônio Paulo de Oliveira Marins* Rômulo Assis da Silva Melo** Gabriel Félix Andretti*** Resumo A termografia, utilizada corretamente, é uma excelente ferramenta para

Leia mais

Vamos evitar isto? Termografia e Sensores Contínuos de Sobreaquecimento (SCS) 24x7x365 05/05/2014. Problemas: Resposta:

Vamos evitar isto? Termografia e Sensores Contínuos de Sobreaquecimento (SCS) 24x7x365 05/05/2014. Problemas: Resposta: Vamos evitar isto? Termografia e Sensores Contínuos de Sobreaquecimento (SCS) 24x7x365 Aprimorando, com Economia, a Prevenção de Falhas e o Monitoramento de Anomalias Térmicas em Sistemas Produtivos e

Leia mais

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 1014

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 1014 ANÁLISE TERMOGRÁFICA DAE - Monte Alegre do Sul 1. OBJETIVO Apresentar ao DAE a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Monte Alegre do Sul 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor

Leia mais

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714 ANÁLISE TERMOGRÁFICA LEME - Leme SAECIL 1. OBJETIVO Apresentar ao SAECIL a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades na cidade de Leme. 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor Flir

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. 1ª Actualização publicada no

Leia mais

Análise Termográfica Relatório Técnico 0914

Análise Termográfica Relatório Técnico 0914 ANÁLISE TERMOGRÁFICA DAE - Cosmópolis DAE 1. OBJETIVO Apresentar ao DAE a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Cosmópolis 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor Flir Systems

Leia mais

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714 ANÁLISE TERMOGRÁFICA SAAE - Amparo SAAE 1. OBJETIVO Apresentar ao SAAE a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Amparo 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor Flir Systems

Leia mais

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0914

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0914 ANÁLISE TERMOGRÁFICA DAE - Analandia DAE 1. OBJETIVO Apresentar ao DAE a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Analandia 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor Flir Systems

Leia mais

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A.

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. ELÉTRICO DE E AS AÇÕES ADOTADAS PARA BUSCAR A MÁXIMA 1 ELÉTRICO DE E AS AÇÕES ADOTADAS PARA BUSCAR A MÁXIMA OS IMPACTOS DA APLICAÇÃO DA TERMOGRAFIA NA OPERAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO DE E AS AÇÕES ADOTADAS

Leia mais

ENERGIA SOLAR EDP AGORA MAIS DO QUE NUNCA, O SOL QUANDO NASCE É PARA TODOS MANUAL DO UTILIZADOR

ENERGIA SOLAR EDP AGORA MAIS DO QUE NUNCA, O SOL QUANDO NASCE É PARA TODOS MANUAL DO UTILIZADOR AGORA MAIS DO QUE NUNCA, O SOL QUANDO NASCE É PARA TODOS MANUAL DO UTILIZADOR A ENERGIA DO SOL CHEGOU A SUA CASA Com a solução de energia solar EDP que adquiriu já pode utilizar a energia solar para abastecer

Leia mais

Aplicação da termografia na análise preditiva

Aplicação da termografia na análise preditiva Aplicação da termografia na análise preditiva Leonardo Pires de Souza* Otávio Pinto Pires** Caio Terin Hufnagel Alves*** Resumo A termografia em conjunto com a inspeção preditiva é um grande passo para

Leia mais

/sonarengenharia

/sonarengenharia A Sonar Engenharia, empresa atuante nos setores de ELÉTRICA e GÁS, possui em seu quadro profissionais graduados em Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Eletrotécnica e Engenharia de Segurança no Trabalho.

Leia mais

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714 ANÁLISE TERMOGRÁFICA SAAE - Mogi Mirim SAAE 1. OBJETIVO Apresentar ao SAAE a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Mogi Mirim 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor Flir

Leia mais

Reabilitação e Reforço de Estruturas

Reabilitação e Reforço de Estruturas Mestrado em Engenharia Civil 2011 / 2012 Reabilitação e Reforço de Estruturas Aula 06: Métodos de inspecção e diagnóstico. 6.3. Termografia de infra-vermelho. Eduardo S. Júlio 1/22 João Ramos ESTG Leiria

Leia mais

SemTec Curitiba. terça-feira, 9 de Maio de 2017

SemTec Curitiba. terça-feira, 9 de Maio de 2017 SemTec Curitiba terça-feira, 9 de Maio de 2017 A Revolução Industrial Da Industria 1.0 à Industria 4.0 1ª Revolução industrial Introdução de equipamentos de produção mecânica impulsionados por agua e vapor

Leia mais

Análise Termográfica Relatório Técnico 1014

Análise Termográfica Relatório Técnico 1014 ANÁLISE TERMOGRÁFICA SANASA - CAMPINAS 1. OBJETIVO Apresentar ao SANASA a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Campinas 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor Flir Systems

Leia mais

Artigo para Publicação Versão final

Artigo para Publicação Versão final Artigo para Publicação Versão final Julho 2005 AC05105LIS/ENG Termografia por Infravermelhos Aplicações em Edifícios Luís Viegas Mendonça (lvm@spybuilding.com) 1 Termografia por Infravermelhos Aplicações

Leia mais

Capítulo 2 - Norma EB 2175

Capítulo 2 - Norma EB 2175 Capítulo 2 - Norma EB 2175 2.1 Introdução Para o teste de sistemas de alimentação ininterrupta de potência, a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) indica a norma EB 2175 (Sistemas de Alimentação

Leia mais

ANEXO OBJETIVO: Este Anexo aplica-se a faróis cuja intenção é melhorar a visibilidade do veículo durante a luz diurna.

ANEXO OBJETIVO: Este Anexo aplica-se a faróis cuja intenção é melhorar a visibilidade do veículo durante a luz diurna. ANEXO 14 FAROL DE RODAGEM DIURNA 1. OBJETIVO: Este Anexo aplica-se a faróis cuja intenção é melhorar a visibilidade do veículo durante a luz diurna. 2. DEFINIÇÕES Para o objetivo deste Anexo: 2.1 "Farol

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO PARA MESA DE PASSADORIA THEOBOARD 03 CONFORME NORMAS DA NR-12

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO PARA MESA DE PASSADORIA THEOBOARD 03 CONFORME NORMAS DA NR-12 MANUAL DE INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO PARA MESA DE PASSADORIA THEOBOARD 03 CONFORME NORMAS DA NR-12 SINAIS DE ATENÇÃO! Atenção! Alta Voltagem 230/240V Atenção! Superfície quente! Vapor quente ou líquido. Atenção!

Leia mais

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO EXEMPLOS TIPO DE REGISTOS DE SEGURANÇA

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO EXEMPLOS TIPO DE REGISTOS DE SEGURANÇA MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO EXEMPLOS TIPO DE REGISTOS DE SEGURANÇA Mapa dos relatórios de Vistorias, Inspeções e Fiscalizações Ref.ª relatório ¹ () Vistorias Inspeções Fiscalizações Outros anexos ² Vistorias/Inspeções/Fiscalizações

Leia mais

ENERGIA SOLAR EDP AGORA MAIS DO QUE NUNCA, O SOL QUANDO NASCE É PARA TODOS MANUAL DO UTILIZADOR

ENERGIA SOLAR EDP AGORA MAIS DO QUE NUNCA, O SOL QUANDO NASCE É PARA TODOS MANUAL DO UTILIZADOR AGORA MAIS DO QUE NUNCA, O SOL QUANDO NASCE É PARA TODOS MANUAL DO UTILIZADOR A ENERGIA DO SOL CHEGOU A SUA CASA Com a solução de energia solar EDP que adquiriu já pode utilizar a energia solar para abastecer

Leia mais

A metrologia na manutenção das instalações e equipamentos de saúde

A metrologia na manutenção das instalações e equipamentos de saúde A metrologia na manutenção das instalações e equipamentos de saúde EXEMPLO DE BOAS PRÁTICAS S A R A S I LV A, 2 2 J U N H O 2017 A importância da metrologia na saúde A metrologia na saúde é fundamental

Leia mais

Análise Termográfica Relatório Técnico 0814

Análise Termográfica Relatório Técnico 0814 ANÁLISE TERMOGRÁFICA SAMAE - TIETE SAMAE 1. OBJETIVO Apresentar ao SAMAE AMBIENTAL a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Tietê 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor Flir

Leia mais

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo:

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo: Título da Pesquisa: Aquecimento de um motor elétrico em uma subestação elevatória de bombeamento de água Palavras-chave: Aquecimento de motor elétrico, Sobrecarga, Vida útil. Campus: Formiga Tipo de Bolsa:

Leia mais

ANEXO 13 LANTERNA DE POSIÇÃO LATERAL

ANEXO 13 LANTERNA DE POSIÇÃO LATERAL ANEXO 13 LANTERNA DE POSIÇÃO LATERAL 1. PROPÓSITO Este Anexo aplica-se à lanterna de posição lateral utilizada para aumentar a visibilidade da lateral dos veículos rodoviários. 2. DEFINIÇÕES 2.1. As definições

Leia mais

O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra Incêndio (ANPC)

O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra Incêndio (ANPC) O Enquadramento Legal da Manutenção de O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra

Leia mais

Certificação de edificações

Certificação de edificações Certificação de edificações O consumo de energia elétrica nas edificações corresponde a cerca de 45% do consumo faturado no país. Potencial estimado de redução em 50% para novas edificações e de 30% para

Leia mais

Sistemas de gestão energética ISO 50001

Sistemas de gestão energética ISO 50001 Sistemas de gestão energética ISO 50001 Marisa Almeida Ambiente e sustentabilidade 6 Maio 2015 1 CTCV Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro Centro para a promoção da inovação e do desenvolvimento das

Leia mais

Smoke Alarm FERION 4000 O

Smoke Alarm FERION 4000 O Smoke Alarm FERION 4000 O pt Smoke Alarm Índice pt 3 Índice 1 Graphics 4 2 Introdução 6 3 Montagem 7 4 Manutenção 9 5 Dados técnicos 10 6 Assistência ao cliente 12 Bosch Sicherheitssysteme GmbH 08.2015

Leia mais

A certificação de um SGE de acordo com o referencial NP EN ISO 50001:2012. Vantagens e Mercado. Orador:

A certificação de um SGE de acordo com o referencial NP EN ISO 50001:2012. Vantagens e Mercado. Orador: A certificação de um SGE de acordo com o referencial NP EN ISO 50001:2012 Orador: Vantagens e Mercado Introdução Implementação Vantagens Mercado Outros referenciais legislativos e normativos INTRODUÇÃO

Leia mais

Normas. Proteção da cabeça:

Normas. Proteção da cabeça: Normas Proteção da cabeça: Norma EN397 - Capacetes de proteção para a indústria A norma EN 397, que diz respeito aos capacetes de proteção para a indústria, exige em termos de marcação as indicações seguintes:

Leia mais

Certificação Energética em Portugal. Keep Cool in Zero Energy Buildings. LNEG, Alfragide, 17 Maio 2010

Certificação Energética em Portugal. Keep Cool in Zero Energy Buildings. LNEG, Alfragide, 17 Maio 2010 Certificação Energética em Portugal Revisão da Directiva Europeia e futuras implicações na regulamentação energética Keep Cool in Zero Energy Buildings LNEG, Alfragide, 17 Maio 2010 Sistema de Certificação

Leia mais

Curso de Engenharia de Manutenção de Linhas de Transmissão - ENGEMAN LT (Recife Novembro de 2007) Ementas das Palestras. Dia 19/11/2007(segunda-feira)

Curso de Engenharia de Manutenção de Linhas de Transmissão - ENGEMAN LT (Recife Novembro de 2007) Ementas das Palestras. Dia 19/11/2007(segunda-feira) Curso de Engenharia de Manutenção de Linhas de Transmissão - ENGEMAN LT (Recife Novembro de 2007) Ementas das Palestras Dia 19/11/2007(segunda-feira) Fundamentos de Projeto de Linhas de Transmissão O Setor

Leia mais

Manutenção e Segurança. Conceitos básicos e tipologia

Manutenção e Segurança. Conceitos básicos e tipologia Manutenção e Segurança Conceitos básicos e tipologia Não existem equipamentos, máquinas, instalações prediais e obras civis que sejam eternas e não necessitem de cuidados Riscos e ameaças são inerentes

Leia mais

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico Alencar Instalações Resolvo seu problema elétrico Trabalhamos com : Venda de material elétrico em geral. Manutenção elétrica predial, residencial, comercial e em condomínios Aterramentos Redes lógicas

Leia mais

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS TERMOGRAFIA

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS TERMOGRAFIA Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS Técnicas de Inspecção e Avaliação do Desempenho de Edifícios Inês Simões

Leia mais

ENERGIA SOLAR EDP AGORA MAIS DO QUE NUNCA, O SOL QUANDO NASCE É PARA TODOS MANUAL DO UTILIZADOR

ENERGIA SOLAR EDP AGORA MAIS DO QUE NUNCA, O SOL QUANDO NASCE É PARA TODOS MANUAL DO UTILIZADOR AGORA MAIS DO QUE NUNCA, O SOL QUANDO NASCE É PARA TODOS MANUAL DO UTILIZADOR A ENERGIA DO SOL CHEGOU A SUA CASA Com a solução de energia solar EDP que adquiriu já pode utilizar a energia solar para abastecer

Leia mais

Luz amiga do ambiente A ausência de metais pesados, chumbo e mercúrio tornam a tecnologia LED especialmente amiga do ambiente.

Luz amiga do ambiente A ausência de metais pesados, chumbo e mercúrio tornam a tecnologia LED especialmente amiga do ambiente. Tecnologia LED Valores da tecnologia LED Luz que não aquece, mas emociona. O LED é uma fonte de luz que não emite calor (não produz radiação infravermelha) e oferece a capacidade de personalizar o fluxo

Leia mais

FM Manual de uso e manutenção. Unidades de tratamento de ar. Série FM

FM Manual de uso e manutenção. Unidades de tratamento de ar. Série FM Manual de uso e Unidades de tratamento de ar Série Manual de uso e Instalação e As unidades de tratamento de ar da Marca FAST modelo devem ser correctamente instaladas e objecto de preventiva de forma

Leia mais

As ondas ou radiações eletromagnéticas não precisam de um meio material para se propagarem.

As ondas ou radiações eletromagnéticas não precisam de um meio material para se propagarem. Radiação As ondas ou radiações eletromagnéticas não precisam de um meio material para se propagarem. O espetro eletromagnético é o conjunto de todas as radiações eletromagnéticas. Radiação A transferência

Leia mais

O exemplo prático das Energias Renováveis como solução na Gestão de Energia e Eficiência Energética.

O exemplo prático das Energias Renováveis como solução na Gestão de Energia e Eficiência Energética. SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS DE ENERGIAS RENOVÁVEIS Workshop Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas PAINEL II O exemplo prático das Energias Renováveis como solução na Gestão de Energia e Eficiência

Leia mais

Diretiva ERSE n.º 8/2017

Diretiva ERSE n.º 8/2017 Diretiva ERSE n.º 8/2017 Aprova a alteração ao Procedimento n.º 9 do Manual de Procedimentos da Qualidade de Serviço do setor elétrico relativo a medições da qualidade da energia elétrica na sequência

Leia mais

Termografia em painéis elétricos. Thermography in electrical panels

Termografia em painéis elétricos. Thermography in electrical panels Termografia em painéis elétricos Anselmo Cecatto (UNOPAR) anselmo.cecatto@gmail.com Carlos Henrique Passarelli (UNOPAR) carloshpassarelli@gmail.com Marcos Ferreira Padilha (UNOPAR) marcos_fpadilha@outlook.com

Leia mais

RESUMO DA PAUTA REUNIÃO NR 16, ANEXO IV ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS COM ENERGIA ELÉTRICA

RESUMO DA PAUTA REUNIÃO NR 16, ANEXO IV ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS COM ENERGIA ELÉTRICA RESUMO DA PAUTA REUNIÃO NR 16, ANEXO IV ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS COM ENERGIA ELÉTRICA 1. Tem direito ao adicional de periculosidade os trabalhadores das empresas que operam em instalações ou equipamentos

Leia mais

Utilidade da discussão

Utilidade da discussão Lei 146 XII Utilidade da discussão REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo aos ensaios clínicos de medicamentos para uso humano e que revoga a Diretiva 2001/20/CE Votação Março 2014 Necessidade

Leia mais

Aprendizagens Essenciais e Metas Curriculares na Física 10. ano

Aprendizagens Essenciais e Metas Curriculares na Física 10. ano Aprendizagens Essenciais e Metas Curriculares na Física 10. ano Apresenta-se em seguida uma tabela que visa permitir uma fácil consulta e comparação das Aprendizagens Essenciais com as Metas Curriculares.

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 022/2014 FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A.

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 022/2014 FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 022/2014 FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Audiência Pública 022/2014 EMENTA: Obter subsídios para Obter subsídios à proposta

Leia mais

Informação técnica Disjuntor

Informação técnica Disjuntor Informação técnica Disjuntor 1 Introdução A selecção do disjuntor correcto depende de diversos factores. Especialmente em sistemas fotovoltaicos, os efeitos resultantes de alguns factores são mais acentuados

Leia mais

Auditoria ao Guia de Medição, Leitura e Disponibilização de Dados

Auditoria ao Guia de Medição, Leitura e Disponibilização de Dados Auditoria ao Guia de Medição, Leitura e Disponibilização Auditoria promovida pela EDP Distribuição nos termos estabelecidos no Regulamento de Relações Comerciais 2010 Enquadramento As regras e os procedimentos

Leia mais

Boas Práticas da Distribuição - Da regulamentação à prática -

Boas Práticas da Distribuição - Da regulamentação à prática - Boas Práticas da Distribuição - Da regulamentação à prática - 27 de outubro de 2016 Carmen Bessa Diretora de Logística AGENDA 1. Enquadramento 2. As principais alterações das BPD 3. A implementação 4.

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L Accreditation Annex nr.

Anexo Técnico de Acreditação Nº L Accreditation Annex nr. Tel +351.212 948 21 Fax +351.212 948 22 Anexo Técnico de Acreditação Nº L318-1 A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo a norma NP EN ISO/IEC 1725:25 Endereço Address

Leia mais

IT-41/2011 INSPEÇÃO VISUAL EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS DE BAIXA TENSÃO

IT-41/2011 INSPEÇÃO VISUAL EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS DE BAIXA TENSÃO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA Inspeção Visual em Instalações Elétricas POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO CORPO DE BOMBEIROS DEPARTAMENTO DE PREVENÇÃO IT-41/2011 INSPEÇÃO VISUAL

Leia mais

2016 Formação CERTIEL

2016 Formação CERTIEL 2016 Formação CERTIEL Formação CERTIEL Em 2016, a CERTIEL continua a aposta na sua oferta formativa, a qual continuará a incidir na atualização e reforço das competências dos técnicos responsáveis pela

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para identificação de não-conformidades, assim como a implantação de ação corretiva e ação preventiva, a fim de eliminar as causas das não-conformidades

Leia mais

MANUTENÇÃO de SADI nota técnica 12 da ANPC. Francelino da Silva

MANUTENÇÃO de SADI nota técnica 12 da ANPC. Francelino da Silva MANUTENÇÃO de SADI nota técnica 12 da ANPC Francelino da Silva 1 1. OBJETIVO e APLICAÇÃO da NT 12 Segurança contra incêndio em edifícios Nota técnica N.º 12 da ANPC (NT 12) Sistemas automáticos de deteção

Leia mais

Experiência 02 Ensaio do Disjuntor de Baixa Tensão

Experiência 02 Ensaio do Disjuntor de Baixa Tensão Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Materiais Elétricos EEL 7051 Professor Clóvis Antônio Petry Experiência 02 Ensaio do Disjuntor de Baixa Tensão

Leia mais

FABRICO DE TERMOACUMULADORES E BOMBAS DE CALOR

FABRICO DE TERMOACUMULADORES E BOMBAS DE CALOR fabrico de termoacumuladores e bombas de calor www.termobrasa.com TERMOSSIFÃO FABRICO DE TERMOACUMULADORES E BOMBAS DE CALOR 45 Anos HISTÓRIA A Termobrasa foi criada em 1970 com o objetivo de fabricar

Leia mais

Serviços de Energia Corporate. Integra

Serviços de Energia Corporate. Integra Um fornecimento elétrico eficaz e seguro é essencial para a sua empresa A eletricidade é um elemento fundamental para a atividade da generalidade das empresas. Neste contexto, é essencial para as empresas

Leia mais

ANEXO B CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE LABORATÓRIOS NÃO ACREDITADOS

ANEXO B CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE LABORATÓRIOS NÃO ACREDITADOS Rev. Outubro/2011 Página 1 de 6 Conforme anexo B da NIT DICOR 024 rev. 03 de fevereiro/2010 - Critérios para a Acreditação de Organismo de Certificação de Produto e de Verificação de Desempenho de Produto.

Leia mais

14.0 INTRODUÇÃO 14. INSPEÇÃO, MANUTENÇÃO E RECARGA EM EXTINTORES DE INCÊNDIO (NBR 12962): UNIDADE: 14

14.0 INTRODUÇÃO 14. INSPEÇÃO, MANUTENÇÃO E RECARGA EM EXTINTORES DE INCÊNDIO (NBR 12962): UNIDADE: 14 UNIDADE: 14 INSPEÇÃO, MANUTENÇÃO E RECARGA EM EXTINTORES DE INCÊNDIO (NBR 12962) 14. INSPEÇÃO, MANUTENÇÃO E RECARGA EM EXTINTORES DE INCÊNDIO (NBR 12962): 14.0 INTRODUÇÃO O principal objetivo desta unidade

Leia mais

FONTES DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA

FONTES DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA FONTES DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA Lâmpadas de vapor de sódio de alta pressão Características e ensaios Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do CA de 2017 01 02 Edição: 5ª. Substitui a edição de JUN

Leia mais

ACS7F V - 60Hz ACS9F V - 60Hz ACS12F V - 60Hz M A N U A L D E I N S T A L A Ç Ã O

ACS7F V - 60Hz ACS9F V - 60Hz ACS12F V - 60Hz M A N U A L D E I N S T A L A Ç Ã O ACS7F-02-220V - 60Hz ACS9F-02-220V - 60Hz ACS12F-02-220V - 60Hz M A N U A L D E I N S T A L A Ç Ã O SUMÁRIO MANUAL DE INSTALAÇÃO Instalação da Unidade Interna Posição da Unidade Externa Fixando a Unidade

Leia mais

Smoke Alarm FERION 1000 O

Smoke Alarm FERION 1000 O Smoke Alarm FERION 1000 O pt Smoke Alarm Índice pt 3 Índice 1 Graphics 4 2 Introdução 6 3 Montagem 7 4 Manutenção 9 5 Dados técnicos 10 6 Assistência ao cliente 12 Bosch Sicherheitssysteme GmbH 08.15

Leia mais

Chegou a solução completa em projetos de franquia.

Chegou a solução completa em projetos de franquia. Chegou a solução completa em projetos de franquia. CONCEITO DIFERENCIAL PROCESSOS PRODUTOS FERRAMENTAS Não falta mais nada para o sucesso do seu negócio CONCEITO SOLUÇÕES COMPLETAS NO DESENVOLVIMENTO DE

Leia mais

Organização dos serviços de SST nas empresas: aspetos críticos na seleção. Rogério Filipe

Organização dos serviços de SST nas empresas: aspetos críticos na seleção. Rogério Filipe Organização dos serviços de SST nas empresas: aspetos críticos na seleção Rogério Filipe Enquadramento Em Portugal, o mercado dos serviços externos de Segurança e Saúde no Trabalho (SST), apresenta disparidades

Leia mais

Relatório Final CONTRIBUIÇÕES PARA A ESTIMATIVA DA POTÊNCIA A ALIMENTAR DE UMA INSTALAÇÃO

Relatório Final CONTRIBUIÇÕES PARA A ESTIMATIVA DA POTÊNCIA A ALIMENTAR DE UMA INSTALAÇÃO Relatório Final CONTRIBUIÇÕES PARA A ESTIMATIVA DA POTÊNCIA A ALIMENTAR DE UMA INSTALAÇÃO Nuno Ricardo de Oliveira Pinho FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA

Leia mais

O Presidente da República usando da atribuição que lhe confere o artigo 81, item III, da Constituição, Decreta:

O Presidente da República usando da atribuição que lhe confere o artigo 81, item III, da Constituição, Decreta: DECRETO Nº 93.412, de 14/10/1986 Revoga o Decreto nº 92.212, de 26 de dezembro de 1985, regulamenta a Lei nº 7.369, de 20 de setembro de 1985, que institui salário adicional para empregados do setor de

Leia mais

MANUAL DE SERVIÇO. Condicionadores de Ar Split High-Wall. Modelos LX-HX

MANUAL DE SERVIÇO. Condicionadores de Ar Split High-Wall. Modelos LX-HX Condicionadores de Ar Split High-Wall Modelos LX-HX Prezado Assistente Técnico, Este documento foi desenvolvido com o objetivo de proporcionar a você, o maior número de informações possíveis, buscando

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA TERMOGRAFIA NA MANUTENÇÃO DE LOCOMOTIVAS E INSPEÇÃO DE VAGÕES.

UTILIZAÇÃO DA TERMOGRAFIA NA MANUTENÇÃO DE LOCOMOTIVAS E INSPEÇÃO DE VAGÕES. UTILIZAÇÃO DA TERMOGRAFIA NA MANUTENÇÃO DE LOCOMOTIVAS E INSPEÇÃO DE VAGÕES. Atualmente no Brasil estão em operação diversos modelos de locomotivas diesel-elétricas, desde locomotivas mais antigas e de

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Nº ATA Nº DATAA DATA DA VIGÊNCIA 00-30/07/2012 30/07/2012 APROVADO POR Edson Hideki Takauti SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

CURSO: SUBESTAÇÕES - CONCEITOS, EQUIPAMENTOS, MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO.

CURSO: SUBESTAÇÕES - CONCEITOS, EQUIPAMENTOS, MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO. CURSO: SUBESTAÇÕES - CONCEITOS, EQUIPAMENTOS, MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO. WWW.ENGEPOWER.COM TEL: 11 3579-8777 treinamentos@engepower.com PROGRAMA DO CURSO DE: SUBESTAÇÕES - CONCEITOS, EQUIPAMENTOS, MANUTENÇÃO

Leia mais

Auditoria de Primeira Parte

Auditoria de Primeira Parte 1 4 Auditoria de Primeira Parte Corresponde a declaração feita pela própria empresa, atestando, sob a sua exclusiva responsabilidade, que um produto, processo ou serviço está em conformidade com uma norma

Leia mais

órgão emissor: ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária alcance do ato: federal - Brasil relacionamento(s):

órgão emissor: ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária alcance do ato: federal - Brasil relacionamento(s): título: Resolução RDC nº 81, de 14 de abril de 2003 ementa: Dispõe sobre a obrigatoriedade de identificação do fabricante do produto palmito em conserva, litografada na parte lateral da tampa metálica

Leia mais

MANUAL TÉCNICO AQUECEDOR SOLAR SOLETROL. Utilização Instalação Dados técnicos

MANUAL TÉCNICO AQUECEDOR SOLAR SOLETROL. Utilização Instalação Dados técnicos MANUAL TÉCNICO AQUECEDOR SOLAR SOLETROL Utilização Instalação Dados técnicos Importante Não instale e não use o seu Aquecedor Solar Soletrol antes de ler este manual. Edição 10/2002 APRESENTAÇÃO PARABÉNS!

Leia mais

Manual instruções bomba submersível poço

Manual instruções bomba submersível poço Manual instruções bomba submersível poço Bomba Submersível Poço 1. Recomendações Antes de proceder à instalação, leia atentamente o conteúdo deste manual. Ele pretende fornecer toda a informação necessária

Leia mais

Conexões Infravermelhas A Termografia e os Ônibus Espaciais Eng. Attílio Bruno Veratti Nível III ITC e ABENDI

Conexões Infravermelhas A Termografia e os Ônibus Espaciais Eng. Attílio Bruno Veratti Nível III ITC e ABENDI Conexões Infravermelhas A Termografia e os Ônibus Espaciais Eng. Attílio Bruno Veratti Nível III ITC e ABENDI Conexão 1 A missão STS 1 Esta se encerrando memorável capítulo na exploração espacial, com

Leia mais

1. FINALIDADE. Estabelecer os requisitos a serem atendidos para o fornecimento de medidor eletrônico de energia elétrica para tarifa branca.

1. FINALIDADE. Estabelecer os requisitos a serem atendidos para o fornecimento de medidor eletrônico de energia elétrica para tarifa branca. MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE SERVIÇOS E CONSUMIDORES SUBSISTEMA MEDIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-321.0019 MEDIDOR ELETRÔNICO PARA TARIFA BRANCA 1/9 1. FINALIDADE Estabelecer os requisitos a serem atendidos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA SELEÇÃO DE EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PROJETO ACT-APSEI-IPQ GUIAS DE APOIO À SELEÇÃO DE EPI

A IMPORTÂNCIA DA SELEÇÃO DE EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PROJETO ACT-APSEI-IPQ GUIAS DE APOIO À SELEÇÃO DE EPI A IMPORTÂNCIA DA SELEÇÃO DE EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PROJETO ACT-APSEI-IPQ GUIAS DE APOIO À SELEÇÃO DE EPI Seminário-Exposição Ocupacional a Agentes Químicos IPQ- 8 de maio de 2017 Contexto Necessidade

Leia mais

Novos desafios na Inspeção de Veículos. Diretiva 2014/45/EU

Novos desafios na Inspeção de Veículos. Diretiva 2014/45/EU Novos desafios na Inspeção de Veículos Diretiva 2014/45/EU Alterações relevantes da Diretiva 2014/45/UE relativamente à Diretiva José Pereira Martins --18 junho 2015-- Art.º 2º - Âmbito de aplicação Prevista

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE DESEMPENHO DA AUTARQUIA (ADENDA) 2015

RELATÓRIO ANUAL DE DESEMPENHO DA AUTARQUIA (ADENDA) 2015 INDICE 1. Introdução 2. Política da Qualidade 3. Manual da Qualidade 4. Âmbito da Certificação 5. Objetivos Operacionais da Gestão da Qualidade 6. Auditorias 7. Reclamações 8. Questionários 9. Avaliação

Leia mais

1 Iluminação (SAT + Recepção + Acesso Coberto + WC PNE)

1 Iluminação (SAT + Recepção + Acesso Coberto + WC PNE) Introdução Este documento técnico tem por objetivo descrever os critérios utilizados nos projetos elétricos e telefônicos do Centro de Referência de Assistência Social CRAS da cidade de Cachoeira de Goiás,

Leia mais

Emprego da termografia na manutenção preditiva

Emprego da termografia na manutenção preditiva Emprego da termografia na manutenção preditiva Arthur Maia da Silva* Walaci Dias Borba Netto** Ruan Carlos Corsina da Silva*** Resumo A termografia é uma técnica poderosa na predição de falhas funcionais

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 9/2017

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 9/2017 ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 9/2017 VERIFICAÇÕES ADMINISTRATIVAS RELATIVAS A CADA PEDIDO DE PAGAMENTO Tratamento dos Erros Aleatórios Materialmente Relevantes e dos Erros Sistémicos Detetados na Amostra Documental

Leia mais

Ensaio de fluência. Nas aulas anteriores de ensaios de materiais, Nossa aula. O que é a fluência

Ensaio de fluência. Nas aulas anteriores de ensaios de materiais, Nossa aula. O que é a fluência A U A UL LA Ensaio de fluência Introdução Nossa aula Nas aulas anteriores de ensaios de materiais, estudamos que todo corpo submetido a um esforço mecânico sofre uma deformação elástica, em maior ou menor

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS EDIÇÃO Nº 2016

FICHA TÉCNICA DO CURSO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS EDIÇÃO Nº 2016 FICHA TÉCNICA DO CURSO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS EDIÇÃO Nº 2016 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Desempenho energético de edifícios 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER - Saber dotar um edifício de boas condições

Leia mais

Instalações Elétricas e de Instrumentação em Atmosferas Explosivas

Instalações Elétricas e de Instrumentação em Atmosferas Explosivas Especificação Técnica de Caixa de Junção (Junction-Box) com tipo de proteção Ex eb Descrição básica de Caixas de Junção (JB - Junction Box) com tipo de proteção Ex eb (Segurança aumentada): Caixa de junção

Leia mais

Sumário. Do Sol ao aquecimento. Energia do Sol para a Terra 22/04/2014

Sumário. Do Sol ao aquecimento. Energia do Sol para a Terra 22/04/2014 Sumário Do Sol ao Aquecimento Unidade temática 1 Equilíbrio térmico Lei zero da termodinâmica. Temperatura média da Terra. - Potência da radiação proveniente do Sol. - Potência da radiação emitida pela

Leia mais

Cantoneira de montagem para detectores de incêndio

Cantoneira de montagem para detectores de incêndio INFORMAÇÃO SOBRE O PRODUTO PI 34.92 Cantoneira de montagem para detectores de incêndio Página Página 1 1 BDL F.01U.004.354 Índice 1. Descrição do produto.............................. 3 2. Características....................................

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Curso nº 95 aprovado pela portaria Cetec nº 38 de 30/10/2009 Etec Sylvio de Mattos Carvalho Código: 103 Município: Matão Eixo Tecnológico: Controle

Leia mais

Anexo K - Gráficos de temperatura do edifício em Castelo Branco

Anexo K - Gráficos de temperatura do edifício em Castelo Branco Anexo K - Gráficos de temperatura do edifício em Castelo Branco No sentido de avaliar as possíveis deficiência de funcionamento que justificam a necessidade da avaliação técnica, que se optou por implementar

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR Aluno: Igor Szczerb Orientador: Marcos Venicius Soares Pereira Introdução A termografia ativa é um método

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0071 FUSÍVEIS TIPO NH DE BAIXA TENSÃO

Leia mais

Física e Química A 10.º ano

Física e Química A 10.º ano Energia, fenómenos térmicos e radiação I 1. Coloca os sistemas mencionados por ordem, de forma a corresponder à sequência: Sistema isolado, Sistema fechado, sistema aberto A. Piscina. B. Frigorífico fechado.

Leia mais

Energia É definida como tudo aquilo capaz de realizar ou produzir trabalho. Ela existe em diversas modalidades sob várias formas:

Energia É definida como tudo aquilo capaz de realizar ou produzir trabalho. Ela existe em diversas modalidades sob várias formas: 1. Instalações Elétricas de Baixa Tensão: 1.1. Introdução A energia elétrica está presente em inúmeras atividades do ser humano. Ela é sinônimo de desenvolvimento de um país e de padrão de vida de sua

Leia mais

Evento REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE DE EDIFÍCIOS URBANOS. Termografia. Técnicas de Inspecçãoe Avaliação do Desempenho de Edifícios

Evento REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE DE EDIFÍCIOS URBANOS. Termografia. Técnicas de Inspecçãoe Avaliação do Desempenho de Edifícios Evento REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE DE EDIFÍCIOS URBANOS Técnicas de Inspecçãoe Avaliação do Desempenho de Edifícios Termografia Inês Simões www.itecons.uc.pt O que é a termografia infravermelha?

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO

A EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO A EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO Antes da Revolução Industrial: processos artesanais. A função da manutenção começou a emergir com o advento das primeiras máquinas têxteis (século XVI) Quem projetava a máquina,

Leia mais

MOTORES ELÉCTRICOS. Cat Out / 11. Telef: Mail:

MOTORES ELÉCTRICOS. Cat Out / 11. Telef: Mail: MOTORES ELÉCTRICOS Cat 021 - Out 2015 1 / 11 Motores com rotor em gaiola de esquilo, fechados, com ventilação exterior. Esta série compreende 16 alturas de veios: de 56 a 355mm. Isolamento classe "F",

Leia mais

REVISÃO DO LIG AT 2017 ITENS 12.7, 14.1 E

REVISÃO DO LIG AT 2017 ITENS 12.7, 14.1 E CT-69 REVISÃO DO LIG AT 2017 ITENS 12.7, 14.1 E 20. Comunicado Técnico Diretoria de Planejamento, Engenharia e Obras da Distribuição Gerencia de Tecnologia da Distribuição 2 de 10 FOLHA DE CONTROLE Comunicado

Leia mais