UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA LARISSA CARLOTTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA LARISSA CARLOTTO"

Transcrição

1 0 UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA LARISSA CARLOTTO SISTEMAS CAD-CAM: AVALIAÇÃO LABORATORIAL E CLÍNICA PASSO FUNDO 2009

2 1 LARISSA CARLOTTO SISTEMAS CAD-CAM: AVALIAÇÃO LABORATORIAL E CLÍNICA Monografia apresentada à unidade de Pósgraduação da Faculdade Ingá UNINGÁ Passo Fundo-RS, como requisito parcial para obtenção do título de Especialista em Prótese Dentária. Orientador: Prof. Dr.Cezar Augusto Garbin PASSO FUNDO 2009

3 2 LARISSA CARLOTTO SISTEMAS CAD-CAM: AVALIAÇÃO LABORATORIAL E CLÍNICA Monografia apresentada à comissão julgadora da Unidade de Pós-graduação da Faculdade Ingá UNINGÁ Passo Fundo RS, como requisito parcial para obtenção do título de Especialista em Prótese Dentária. Aprovada em / /. BANCA EXAMINADORA: Prof. Dr.Cezar Augusto Garbin Orientador Prof. Ms. Lilian Rigo Prof. Ms. Cristiano Magagnin

4 3 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho ao meu pai Armir, à minha mãe Maria e às minhas irmãs Kharen e Roberta pelo amor, incentivo e motivação em mais uma conquista da minha vida. Vocês foram muito importantes no meu crescimento, agradeço por acreditarem em mim. Amo vocês.

5 4 AGRADECIMENTOS Ao meu orientador e amigo Prof. Dr. Cezar Augusto Garbin, pela atenção e dedicação durante a confecção deste trabalho, pelo incentivo nos momentos de desânimo e por acreditar no meu potencial. Aos professores, Ms. Christian Schuh e Leonardo Federizzi, pela preocupação com o nosso aprendizado, pela paciência durante as minhas dificuldades e pelo carinho. Com vocês aprendi que tudo tem seu tempo e que a dedicação é imprescindível. À professora de metodologia Lílian Rigo, pelas inúmeras elucidações durante a produção deste trabalho. Às minhas amigas e companheiras Katiane, Márcia e Natália, pelos meses de convivência e pelos jantares inesquecíveis. À minha dupla Fernando, pela paciência com a minha inquietação e por me ensinar que a humildade vale a pena. Obrigada pela confiança. A toda a minha família, em especial à minha irmã Kharen. Você faz parte desta minha conquista. Ao amigo Lauter, pela ajuda na confecção deste trabalho. Aos amigos, pelas sementes plantadas quando tudo era apenas um sonho. Obrigada pelo incentivo. Vocês foram muito importantes. Aos funcionários do CEOM, pelo carisma e pela alegria com que me receberam durante todos os módulos. Muito obrigada!

6 5 As dificuldades despertam em nós capacidades que em circunstâncias normais estariam adormecidas (Horácio).

7 6 RESUMO A odontologia moderna tem exigido uma evolução nos materiais dentários, tornandoos mais estéticos e biocompatíveis. Esta exigência está embasada na procura dos pacientes por tratamentos que, além de recuperar a forma e função, também promovam uma reabilitação ou melhoramento estético. Assim, surgiram as próteses totalmente cerâmicas produzidas pelos sistemas CAD-CAM. Diante disso, o objetivo deste trabalho foi avaliar, através de uma revisão bibliográfica, o comportamento clínico e laboratorial dos sistemas analisados. Os resultados estudos indicaram que cerâmicas usináveis apresentam maior taxa de sucesso médio que as restaurações inlays. A zircônia apresenta propriedades mecânicas superiores a outros materiais restauradores livres de metal. A precisão de adaptação do sistema Procera está dentro da faixa de aceitação clínica. Com o desenvolvimento desta revisão de literatura, foi possível concluir que as restaurações confeccionadas pelos sistemas CAD-CAM são adequadas sobre dentes e sobre implantes, tanto para a região anterior como para a posterior, pelas suas propriedades estéticas e mecânicas. Palavras-chave: Prótese Parcial Fixa. Porcelana Dentária. Projeto Auxiliado Por Computador (CAD-CAM)

8 7 ABSTRACT The modern dentistry has required an evolution of dental materials, making them more aesthetic and biocompatible. This requirement is based on the demand of the patients for treatments that not just recover the shape and function, but also promote a rehabilitation and aesthetic improvement. Therefore, the all-ceramic prostheses made using CAD-CAM systems emerged. Towards this, the aim of this study was to evaluate the clinical and laboratorial behavior of the analyzed systems from a bibliographic revision. The results of the studies indicated the workable ceramics present higher rate of medium success than inlays restorations. The zirconia presents mechanical properties superior than other metal free restoration materials. The Procera system has adaptation accuracy in the range of clinical acceptance. Based in the development of this literature review, it was possible to conclude that restorations made by CAD-CAM systems are appropriate to teeth and implants, both as anterior as posterior regions, due its aesthetic and mechanical properties. Key words: Denture Partial Fixed. Dental Porcelain. Computer-Aided Design

9 8 LISTA DE ABREVIATURAS, SIGLAS E SÍMBOLOS C - Graus centígrados CAD-CAM- Computer Assisted Design/Computer Assisted Machining CET - Coeficiente de expansão térmica Gpa - Gigapascais Kg - Quilograma MEV - Microscópio eletrônico de varredura Min - Minutos µm - Micrômetro mm - Milímetro mm/min - Milímetro por minutos Mpa - Megapascal N - Newton % - Porcento USPHS - Serviço Público de Saúde Americano Mpa.m1/2- Megapascal/comprimento da trinca

10 9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA AVALIAÇÃO DE ESTUDOS LABORATORIAIS AVALIAÇÃO DE ESTUDOS CLÍNICOS DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICE... 39

11 10 1 INTRODUÇÃO A maioria dos dentistas experientes concorda que o padrão da sobrevivência a longo prazo, para as coroas de cobertura total, é a restauração fundida em ouro. Apesar da durabilidade desse tipo de coroa ter suportado o teste do tempo, ela não contempla as exigências estéticas cada vez maiores por parte dos pacientes. Essa exigência tem levado ao desenvolvimento e uso de vários tipos de restaurações metalocerâmicas e de cerâmica pura. Dentro desses dois tipos de categorias de restaurações, existe um número de materiais dentários estéticos e técnicas para serem escolhidos. Apesar de que poucas pessoas desafiariam o fato de que coroas metalocerâmicas têm um registro comprovado de resistência, durabilidade a longo prazo e estética melhorada, o componente metálico pode permitir perda da estética natural em alguns casos. O fato de as coroas de cerâmica pura não possuírem estrutura metálica, a qual pode interferir com a transmissão natural da luz, faz delas uma consideração restauradora lógica. Porcelana é o termo empregado para a classe das cerâmicas, onde o componente principal é o feldspato, o que não se aplica aos materiais compostos essencialmente por óxidos, portanto, toda porcelana é uma cerâmica, mas nem toda cerâmica é uma porcelana (AGRA; MORIMOTO; VIEIRA, 2006). Coroas de porcelana pura têm sido usadas por mais de 60 anos, mas foi na década de oitenta que houve uma nova onda de produtos cerâmicos. A maioria dos materiais disponíveis, ou em desenvolvimento atualmente, são apenas materiais aperfeiçoados dos sistemas de porcelana originados há mais de cem anos. Em grandes reabilitações, pequenas reposições dentárias, sobre elementos dentais ou sobre implantes, os trabalhos protéticos ainda são as melhores alternativas para se obter, em áreas de perda ou grande destruição dental, estética associada à resistência mecânica, bem como restabelecimento e manutenção da função oclusal. Pesquisas atuais em cerâmica têm centrado na melhora da resistência, adaptação e na capacidade para a união da porcelana. Várias proposições diferentes para a realização desses fins têm levado ao desenvolvimento de infraestruturas resistentes, vidro fundível, restaurações produzidas por computador, e cerâmicas básicas alteradas quimicamente. Melhora nesses parâmetros básicos de

12 11 sucesso clínico tem levado ao uso dos sistemas de cerâmica pura com inlays, onlays, facetas conservadoras, coroas anteriores e posteriores e inclusive ponte fixa. A tecnologia moderna da porcelana dentária tem percorrido um longo caminho, desde que ela foi originalmente introduzida como uma substituição estética para restaurações à base de metal. Nos sistemas CAD-C A M ( computer-assisted design/computer assisted machining), o desenho em computador é obtido através da leitura de toda superfície de um troquel, desde o bordo cervical até a porção oclusal-incisal, por uma ponta de rubi em um scanner conectado ao computador. Esta leitura pode levar cerca de 2 a 3 minutos e registra cerca de pontos do troquel escaneado. Registrados em software próprio, estes pontos fornecem uma imagem tridimensional que pode ser analisada e trabalhada pelo técnico de laboratório. Com este ponto determinado, o computador tem condições de traçar uma linha que corresponde ao término cervical do preparo dental. Através da magnificação e rotação da imagem virtual, o técnico pode então visualizar e retificar ponto a ponto todo o limite cervical, assegurando ao futuro coping uma adaptação marginal próxima da perfeição. Após esta etapa, passa-se à seleção no computador do tipo e espessura do coping (CORREIA, 2006). Peças protéticas em cerâmica pura devem oferecer excelência estética, biocompatibilidade e ser uma alternativa funcional aos materiais restauradores tradicionais. Estes sistemas permitem um variado número de indicações, tais como inlays, pontes fixas e próteses parciais fixas, cada vez mais usadas nas regiões posteriores (BLATZ, 2002). Este trabalho tem por objetivo analisar, através de uma revisão bibliográfica, resultados clínicos e laboratoriais dos sistemas CAD-CAM.

13 12 2 REVISÃO DE LITERATURA Dentre os vários sistemas CAD-CAM pode-se citar: Everest (Kavo Dental Corporation), Nobel Procera (Nobel Biocare), inlab CAD/CAM System (Sirona Dental Systems), InVision DP 3-D Printer (3 D Systems Corporation), Lava (3M ESPE), Neo System (Cynovad), WaxPro (Cynoad), Cercon (DeguDent GmdH), Cercon Zircônia (DENTSPLY Ceramco), Preci-Fit (Popp Dental Inc.), Turbodent (UBest Dental Technology Inc.), IPS Empress (Ivoclar-Vivadent), conforme ilustrações no Apêndice A. 2.1 AVALIAÇÃO DE ESTUDOS LABORATORIAIS Karlsson (1993) avaliou a adaptação de 12 coroas sobre dentes humanos, confeccionadas com Procera titanium. Para isto o autor utilizou, por meio de uma técnica de replicação, a adaptação deste sistema inicialmente no término do preparo sobre o troquel e após sobre o dente antes da cimentação. O preparo foi realizado com linha de término em chanfro, preparo arredondado, contornos suaves e sem ângulos internos. Para a moldagem, a qual foi realizada em toda arcada, foi utilizada uma silicona-a (President, Coltene). Gesso pedra foi vazado em 2 horas. Sobre esse modelo foi realizada a confecção, através de usinagem do coping e o material estético aplicado sem a prova da estrutura. Para a visualização da desadaptação, as amostras foram reassentadas sobre os troqueis, com silicona leve, para que se obtivesse uma fina camada deste material, representando a desadaptação entre a coroa e o término do troquel, sendo a mesma metodologia realizada para o assentamento sobre o preparo na boca. Não ocorreram ajustes entre os testes. A silicona representativa da desadaptação foi dividida com um bisturi em duas direções: vetíbulo-lingual e mésio-distal, para possibilitar as medidas, as quais foram realizadas sob aumento de 50X com um total de 576 medidas. Durante a avaliação, a adaptação marginal foi superior, quando comparada a adaptação às áreas oclusais e superfícies axiais, respectivamente. Além disso, as coroas tiveram um espaçamento interno melhor ao término do troquel, do que no dente. A discrepância marginal foi de aproximadamente 60 µm in vitro e 70 µm in vivo, com os resultados

14 13 variando entre 3 e 205 µm. Portanto, o autor concluiu que a partir dos resultados deste estudo, a precisão do sistema Procera está dentro da faixa de aceitação clínica. Wagner e Chu (1996) avaliaram a resistência flexural biaxial e a dureza de fratura de três preenchimentos cerâmicos, sendo as ligas em ouro tradicionais, as metalocerâmicas e coroas de cerâmica pura. Para isto utilizaram dez espécimes, com 2 mm de espessura e 16 mm de diâmetro de Empress, In-Ceram e Procera AllCeram, preparados de acordo com as normas do fabricante. Os resultados revelaram diferenças significantes na resistência flexural dos três materiais. Sendo a média para os sistemas AllCeram, In-Ceram e Empress respectivamente 687 MPa, 352 MPa e 134 MPa. Não houve diferença significante com relação a tenacidade dos sistemas Procera e In-Ceram (4,48 MPa.m1/2 e 4,49 MPa.m1/2 respectivamente), já o sistema Empress obteve uma dureza significantemente menor 1,74 MPa.m1/2. Após os testes os espécimes foram examinados sob microscopia eletrônica, para observar a natureza microestrutural e as linhas de fratura. Rachaduras no sistema Procera seguiram um padrão intergranular, através de uma estrutura de fase única. Já o In-Ceram mostrou duas fases distintas, uma com a matriz vítrea e outra com alumina e as rachaduras se propagaram através desta última fase. No sistema Empress não foram observadas características distintas e não houve padrão na propagação da rachadura. Os estudos de Mörmann et al. (1998) mostraram os efeitos sobre peças protéticas cerâmicas, confeccionadas por computador, bem como examinaram o efeito da forma interna da coroa, em relação à resistência de fratura de coroas cimentadas ou fixadas adesivamente com 60 amostras. Para isto 4 formas de preparos foram consideradas: (1) o clássico com o término reto de 1,2mm, de 4mm de altura e 6 graus de convergência; (2) idem ao primeiro com cavidade mésioocluso-distal; (3) idem ao primeiro com redução de 50% na altura; (4) com término reto, altura zero e com uma cavidade na câmara pulpar. Para a cimentação foi utilizado cimento de fosfato de zinco, conforme o fabricante, e também o cimento Panavia 21, tendo um grupo controle, no qual foi deixado sem cimentação. As coroas cimentadas com cimento resinoso obtiveram os maiores valores de resistência à fratura, seguidos pelo fosfato de zinco e pelo grupo controle. Os autores observaram que, quando eram aplicadas cargas sobre as coroas não

15 14 cimentadas (grupo controle), o preparo não apresentava danos, ocorria simplesmente a fratura da coroa, além disso, os preparos tipo 3 e 4 tiveram valores maiores de resistência, em relação aos preparos 1 e 2. Quando aplicada carga no grupo cimentado com fosfato de zinco, os preparos obtiveram a seguinte ordem de resistência 2, 1, 3 e 4. Já com as coroas cimentadas com o Panavia 21, a ordem foi 2, 1, 4 e 3. Portanto, coroas de cerâmica pura, cimentadas com cimentos resinosos e morfologia interna com retenção aumentada, mostraram maiores valores de resistência à fratura. J á K enneth et al. (1998) verificaram a precisão de adaptação de coroas Procera AllCeram em pré-molares e molares, tendo como requisitos a resistência, estabilidade de cor e precisão de adaptação, sendo este último o foco principal do estudo. Para isto os autores utilizaram primeiro, pré-molares e molares preparados para coroas totais, totalizando dez dentes. Os preparos foram padronizados com um ângulo de convergência de 10 graus, margem em chanfro de 1,3 a 1,5 circunferencialmente, e redução oclusal de 2 mm. As coroas foram fabricadas através do sistema Procera CAD-CAM, para término em zero e adaptação determinada pelo uso de um procedimento padrão, moldando com um material a base de silicone, sendo possível sua fixação com agente cimentante e para replicar os aspectos internos da coroa. A dimensão do espaço entre a coroa e o término, a parede axial, a ponta de cúspide e a adaptação oclusal foram medidas através de videografia a laser. As dimensões médias da falta de adaptação foram calculadas para a abertura na margem, adaptação interna e precisão na adaptação. As dimensões médias de espaços, na adaptação da superfície marginal, foram de 56 µm para os pré-molares e 63 µm para os molares. As dimensões dos espaços da adaptação interna foram de 69 µm para a parede axial, 48 µm em ponta de cúspide e 36 µm em adaptação oclusal para os pré-molares. Já para os molares, os valores foram respectivamente 49 µm, 67 µm e 74 µm. Os resultados obtidos nestes quesitos foram todos abaixo de 70 µm, mostrando que, segundo este estudo, esse tipo de coroa pode ser indicada, sabendo que a sua precisão de adaptação será adequada. Neiva et al. (1998) analisaram, in vitro, a resistência à fratura de três sistemas de cerâmica pura, sendo eles IPS Empress, In-Ceram e Procera AllCeram. Para isto 30 términos de preparo foram duplicados, de um modelo de aço inoxidável,

16 15 utilizando resina de preenchimento com um módulo de elasticidade similar ao da dentina (12.9 GPa). Dez copings de cada sistema foram fabricados com espessura de 0,5 mm. O restante da porcelana foi aplicado utilizando o processo de escultura, o que produziu uma espessura final de 1 mm axial e 2,5 oclusal. Dez coroas IPS Empress foram enceradas nas mesmas dimensões e prensadas conforme orientação do fabricante. A superfície interna de todas as coroas de Empress foram condicionada com ácido hidrofluorídrico a 9,5% por 2,5 minutos e silanizada previamente a cimentação, a qual foi realizada com cimento resinoso (Panavia 21) e submetida imediatamente a uma carga de 5 Kg por 10 minutos. Sobre as amostras cimentadas foi aplicada força até a sua fratura. As médias de carga de fratura foram 222,45 Kg para o IPS Empress, 218,8 Kg para o In-Ceram e 194,2 Kg para o Procera AllCeram. Esses resultados mostraram não haver diferença significante entre os três sistemas, em relação à resistência à fratura, mas o sistema IPS Empress obteve o melhor resultado, além disso, um espaço de cimentação maior foi encontrado nas coroas Procera AllCeram, na abertura marginal e nas paredes axiais. Nas pesquisas de Andersson et al. (1998) foi observado o sistema Procera. Fatores tais como resistência, precisão de adaptação, estabilidade de cor, cimentação e características de uso são os fatores que preocupam o clínico, quando considera o uso de restaurações de cerâmicas puras. Os preparos devem ser arredondados com contornos suaves e sem a presença de ângulos vivos. A linha interna do preparo também deve ser arredondada e a profundidade deve estar entre 0,8 e 1 mm. A redução oclusal deve ser de pelo menos 2 mm, para assegurar uma adequada espessura para o material do coping e da parte estética da porcelana. Caixas proximais e rugosidades devem ser evitadas. Entretanto, concavidades interproximais que dão uma forma de resistência, podem ser usadas em posteriores. Após o preparo a moldagem não requer considerações especiais, a partir da qual é realizado um troquel, sobre o qual é compactado um pó de alumínio de alta pureza e então esculpido. A sua linha de término possui 0,3 ou 0,4 mm, o que assegura um perfil de emergência ideal, que possibilita uma estética adequada. A alta temperatura de fusão do alumínio (2050ºC) permite a aplicação da porcelana sem distorções, pois esta necessita 910ºC durante o seu processo de aplicação.

17 16 Chen et al. (1999) avaliaram, in vitro, os efeitos das superfícies de polimento e testaram a fadiga de coroas prensadas pelos sistemas CAD-CAM. Para isto utilizaram 160 coroas de molares, padronizadas pelos sistemas Vita Mark II e Procad, divididas em grupos de acordo com seu acabamento (glaze e polimento). Para a cimentação dos elementos, a superfície interna foi condicionada com ácido hidrofluorídrico por 60 segundos, após silanizada e então utilizado o cimento resinoso Variolink II e as coroas assentadas com pressão digital e o excesso do material removido, após foi aplicada luz por 120 segundos. Metade das amostras foi então submetida à carga cíclica, simulando as condições orais e então aplicado o teste de compressão até a sua fratura. As coroas Procad suportaram carga de 2120 N até à fratura e as coroas Vita Mark II, 1905 N. O estudo também mostrou que o glaze aumentou a resistência à fratura para 2254 N para o sistema Procad. A ciclagem nas amostras diminuiu significativamente a resistência à fratura, obtendo valores médios de 1358 N para o sistema Vita Mark II, 1823 N para o sistema Procad e 1212 N para o sistema Empress. Os autores concluíram que as coroas Procad mostraram maior resistência que o sistema Vita Mark II. A ciclagem reduziu a força em todas as amostras, mas esta teve menos efeito no sistema Procad, o qual mostrou melhores resultados em relação ao Vita Mark II. Chai et al. (2000), em suas pesquisas, verificaram a probabilidade de fratura de 4 sistemas de coroas, em cerâmica pura, fabricadas para incisivos centrais superiores. Para isto utilizaram os sistemas In-Ceram convencional, o sistema Cerec 2, IPS Empress e sistema Procera, utilizando 10 coroas para cada sistema. Para cimentação foi utilizado o cimento resinoso Panavia 21 e os espécimes então armazenados em água destilada a 37 C por 1 dia, antes do teste mecânico. A resistência à fratura de cada coroa foi determinada pela aplicação de uma força com 45 graus, em relação ao longo eixo do preparo, com velocidade de 0,2 mm/min até a sua fratura inicial, a qual foi classificada como fratura somente da coroa, fratura da estrutura da coroa e do término da resina composta e fratura somente do término da resina composta. Os dados foram avaliados utilizando o teste de Weibull. Os resultados mostraram uma média de resistência à fratura do sistema In-Ceram de 982,7 MPa, para o sistema Cerec 2 de 761,1 MPa, para o sistema Empress 1087,6 MPa e para o sistema Procera 817,5 MPa. Ocorreram falhas somente no término em 2, 3, 1 e 3 amostras de cada grupo respectivamente. Os autores concluíram que não

18 17 puderam ser notadas diferenças na resistência das coroas de cerâmica pura, devido à semelhança nos resultados entre os quatro sistemas. Apholt et al. (2001), em seus estudos, procuraram avaliar a resistência flexural de barras dos sistemas Cerec 2, In-Ceram Alumina e Zircônia. O foco desse estudo in vitro foi identificar o processo de união, que pode ser utilizado para produzir padrões de coroas em cerâmica pura. Para isto 90 barras foram utilizadas para o teste de resistência flexural de 3-pontos, as quais não tinham ponto de união, possuíam união reta, em 45 graus com face de 4 mm, em 45 graus com face de 3 mm e um ponto de união arredondado. Esta união foi realizada com alumina e zircônia e colocada no forno por 5 min a 1000 C para desidratação e então realizada a queima, de acordo com as recomendações de cada fabricante. As amostras foram submetidas ao teste que mostrou com união reta com 324 MPa, 45 C/4mm com 373 MPa, 45 C/3mm com 406 Mpa e as faces arredondadas obtiveram resistência flexural de 434 Mpa. Os grupos sem união obtiveram valores de média entre 498 e 630 MPa. Os resultados mostraram que, comparados os sistemas com a união convencional In-Ceram Alumina e In-Ceram Zircônia, em relação à força flexural de uma união mecânica, o sistema In-Ceram Zircônia parece ser mais adequado para a confecção de pontes fixas de cerâmica pura, quando a ele é associada a união de forma arredondada. Guazzato et al. (2002) compararam as propriedades mecânicas dos sistemas In-Ceram Zircônia e In-Ceram alumina, neste estudo observaram 94 discos e 6 barras preparados com estes materiais. Os discos foram utilizados para avaliar a resistência flexural biaxial, módulo de Weibull, dureza e tenacidade. As barras foram utilizadas para medir o módulo de elasticidade, apresentando valores de 267 GPa para alumina e 242 GPa para zircônia, segundo o teste de Young. A análise de difração por raio-x foi utilizada nos espécimes preparados e nas superfícies de fratura. A média de resistência flexural biaxial do sistema alumina foi de 600 MPa e do zircônia 620 MPa. Já a tenacidade obteve 3.2 MPa.m1/2 para o sistema alumina e 4 MPa.m1/2 para o zircônia. A análise do raio-x mostrou uma discreta diferença de resistência à fratura entre os dois sistemas. Não foi encontrada diferença estatística em relação à dureza. Em relação ao módulo de Weibull, este estudo mostrou valores elevados consideravelmente maiores do que as forças as quais são submetidas na boca, sendo estes materiais passíveis de utilização em restaurações.

19 18 Nos estudos de Pallis et al. (2004), verificou-se a resistência à fratura de 3 sistemas restauradores de cerâmica pura, com indicação para dentes posteriores. Nestes estudos foram utilizados os sistemas IPS Empress 2, Procera AllCeram e InCeran Zircônia, e utilizadas 60 coroas com eixo simétrico, preparadas com redução oclusal de 1,5 a 2,0 mm. Foram aplicadas cargas no centro da superfície oclusal e a carga máxima antes da fratura foi registrada. As superfícies da fratura foram então examinadas, utilizando microscópio óptico e de varredura, a fim de determinar qual a origem das fraturas. Os intervalos de força foram de 771 a 1115 N no sistema IPS Empress 2, 859 a 1086 N para o sistema Procera AllCeram e 998 a 1183 N para o sistema In-Ceram Zircônia. A origem da falha mais comum foi encontrada nas interfaces entre o coping cerâmico e a porcelana da coroa somente no sistema IPS Empress 2, para os outros sistemas a falha ocorreu entre o coping cerâmico e a camada de agente cimentante. Os autores concluíram que o sistema In-Ceram Zircônia possui a maior resistência à falha, quando da aplicação de carga e também a menor variação no tipo de falha sem diferença significante; entretanto, ocorreu diferença significante entre os tipos de falha nos diferentes sistemas. O objetivo da pesquisa de Attia et al. (2006) foi avaliar a resistência à fratura de coroas em resina composta e cerâmica feldspática pura (CAD-CAM). Como objeto desta pesquisa, foram utilizados 112 pré-molares superiores extraídos intactos, preparados para coroas de cerâmica pura e resina composta. Os preparos tinham as seguintes características: 6 graus de inclinação axial, linha de ombro de 1,5 mm, com uma distância de 0,5 mm da junção amelo-cementária, redução axial de 1,5 mm, redução oclusal de 2 mm e altura de 5 mm no sentido ocluso gengival. Como grupo controle foram utilizados 16 pré-molares não preparados. Coroas de cerâmica pura, num total de 48, foram confeccionadas com sistema CAD-CAM Cerec 3 (Vita Mark II) e 48 coroas, de resina composta, usináveis. Para cimentação foram utilizados os sistemas RelyX ARC, CG Fuji CEM e fosfato de zinco. Após a cimentação as amostras foram armazenadas em água por uma semana. À metade dos espécimes de cada subgrupo, foi aplicada a ciclagem mastigatória de 600 mil ciclos sob condições úmidas e 3500 ciclagens térmicas (58 C/4 C e 60 segundos), num simulador mastigatório. A estes subgrupos foi então aplicada a fratura, com velocidade de 1 mm/min, até a quebra. Os resultados mostraram haver influência na resistência das amostras, de acordo com o agente cimentante e a carga cíclica, no

20 19 entanto o material da coroa não teve diferença significante. A carga cíclica diminuiu significantemente a resistência à fratura nos grupos testados, independentemente do agente cimentante utilizado. Para os grupos Vita Mark II cimentados com fosfato de zinco, Fuji CEM e RelyX as médias foram de 772,3, 923,6 e 929,1, quando não foi utilizada a ciclagem térmica. Quando esta foi utilizada os valores declinaram para 571,5, 721,1 e 752,7 N, respectivamente. Por outro lado, as coroas em resina composta para os mesmos agentes cimentantes, apresentaram valores de 827,1, 914,7 e 955,9 N, quando não utilizado ciclagem. Com a ciclagem, os valores diminuíram para 552,5, 706,2 e 724,4 N, respectivamente. Entretanto, não houve diferença significante nos valores médios de fraturas no grupo controle, quando foram ou não aplicadas as cargas cíclicas (1066,2 e 1140,1 respectivamente). Portanto, os agentes cimentantes RelyX ARC e GC Fuji CEM aumentaram significantemente a carga necessária para a fratura das amostras, quando comparados ao fosfato de zinco. Chay et al. (2007) analisaram, a solubilidade química e a resistência flexural de cerâmicas à base de zircônia de três sistemas, In-Ceram Zircônia, In-Ceram 2000 e Cercon. Além disso, o sistema IPS Empress 2 foi utilizado como controle. Para esta análise, 10 blocos com dimensões de 12x6,0x4,0 mm de cada material, foram preparados para testar a solubilidade química, a qual foi realizada com refluxo de ácido acético a 4% por 16 horas. A porcentagem de perda de massa por unidade de área foi calculada. Dez blocos com 21x5,0x2,0 mm e 10 discos de 16 mm de diâmetro por 1,2 mm de espessura de cada material, foram preparados para teste de resistência flexural uni e biaxial. As amostras foram avaliadas sob microscopia óptica com 20X de aumento, para verificar a integridade superficial. Também foi utilizada análise por difração de raio-x, para avaliar as superfícies fraturadas das amostras. Não houve diferença entre as cerâmicas em relação à solubilidade química. Para o teste de resistência flexural uniaxial, o sistema In-Ceram 2000 obteve 899 MPa, o Cercon 458 MPa, o sistema In-Ceram 409 MPa e o IPS Empress com 2252 MPa. Para o teste biaxial ocorreu a mesma seqüência, com valores respectivamente 1107, 927, 523 e 359 MPa. As superfícies fraturadas nos testes foram avaliadas sob microscopia eletrônica de varredura, o que mostrou a sua natureza irregular. Todos os sistemas satisfizeram a tolerância à solubilidade química. As cerâmicas à base de zircônia obtiveram resultados flexurais maiores que o grupo controle, o que sugere

21 20 que sua aplicação clínica aparenta ser suficientemente promissora para estudos clínicos longitudinais. Já Miskinis et al. (2008) apresentaram o efeito da variação nas espessuras dos copings, na resistência à fratura do sistema Procera AllCeram, cimentados com dois cimentos à base de ionômero de vidro, modificados por resina. As situações clínicas indicam que estes copings devam ser fabricados e ajustados em 0,4 mm, ao invés do padrão 0,6 mm. O objetivo deste estudo foi determinar a força relativa entre essas duas espessuras e verificar o efeito dos agentes cimentantes nos valores de fraturas destes copings. Então 40 preparos em titânio foram padronizados nas dimensões de um molar inferior e escaneados, utilizando o Procera CAD-CAM, com espessuras de leitura de 200 µm e aproximadamente pontos de leitura para cada término; 20 copings de alumina foram feitos em espessura 0,4 mm e 20 com espessura 0,6 mm. Foram selecionados dois cimentos, com os quais dez copings de cada espessura foram cimentados, sendo ele RelyX e Fuji Plus. Imediatamente após a cimentação, os copings foram submetidos a uma carga estática de 5 Kg por 10 minutos e então armazenados por uma semana em uma câmara, com umidade de 100%. As amostras foram arranjadas para que, durante o teste, a força aplicada fosse no sentido vertical, com velocidade de 0,5 mm/min. A média da carga até a fratura dos copings cimentados com RelyX, foi de 450 N para a espessura de 0,4 mm e 884 N para a espessura de 0,6 mm. Já para os copings cimentados com Fuji Plus, os resultados foram 808 N e 1071 N, respectivamente. Os copings com espessura de 0,6 mm mostraram valores de resistência significantemente maiores que os de 0,4 mm, independentemente do agente cimentante. Já em relação ao cimento, o Fuji Plus apresentou melhores resultados do que o RelyX. Charlton, Roberts, Tiba (2008) avaliaram as propriedades mecânicas e físicas, tais como resistência e módulo flexural, resistência à fratura e CET de três materiais cerâmicos, sendo eles: IPS Empress, Vitablocs Mark 2 e Paradigm C. Para cada um dos materiais foram preparados 25 espécimes, com dimensões de 6,0x4,0x12 mm, para testar cada propriedade, com exceção do CET, para o qual foram feitas 5 amostras, com dimensões de 2,0x12x12 mm. Os valores de dureza Vickers foram de 511,3 para Paradigm C, 519,9 para o IPS Empress e 569,3 para o Vitablocs Mark 2. A resistência flexural foi maior para o IPS Empress com 137,51 MPa e a menor para o Vitablocs Mark 2 com 94,08 MPa. O módulo flexural variou de

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PRÓTESE DENTÁRIA 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante: a) Tratamento endodôntico. b) Perda da estrutura

Leia mais

Marcação dos contatos: Ajuste interno e dos contornos proximais: Carbono líquido ou Base leve silicone e carbono Accufilm;

Marcação dos contatos: Ajuste interno e dos contornos proximais: Carbono líquido ou Base leve silicone e carbono Accufilm; DEFINIÇÃO AJUSTES E CIMENTAÇÃO Desgaste e polimento necessários para o correto assentamento da peça protética sobre o preparo, garantindo o vedamento marginal e um adequado equilíbrio de contatos proximais

Leia mais

CURSO EXTENSIVO DE ENCERAMENTO E CERÂMICA

CURSO EXTENSIVO DE ENCERAMENTO E CERÂMICA Dr. Dario Adolfi Dr. Ivan Ronald Huanca Duração: 6 meses/módulos de 2 dias. Datas: 11 e 12 de março de 2010 8 e 9 de abril de 2010 13 e 14 de maio de 2010 17 e 18 de junho de 2010 15 e 16 de julho de 2010

Leia mais

www.laboratoriojulio.com.br TELEFAX: (11) 3082-0306 R. Navarro de Andrade, 155 Pinheiros São Paulo SP CEP 05418-020

www.laboratoriojulio.com.br TELEFAX: (11) 3082-0306 R. Navarro de Andrade, 155 Pinheiros São Paulo SP CEP 05418-020 O Laboratório Julio utiliza produtos com qualidade garantida: www.laboratoriojulio.com.br TELEFAX: (11) 3082-0306 R. Navarro de Andrade, 155 Pinheiros São Paulo SP CEP 05418-020 V I S Ã O & I N S P I R

Leia mais

Cercon CAD/CAM. Soluções Flexíveis, econômicas, prontas para o futuro

Cercon CAD/CAM. Soluções Flexíveis, econômicas, prontas para o futuro Cercon CAD/CAM Soluções Flexíveis, econômicas, prontas para o futuro O que você considera mais importante ao investir em soluções de CAD/CAM? Flexibilidade Quão importante é a flexibilidade para produção

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROTESE DENTÁRIA 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são: a) Polígonos de Roy e de Kent. b) Polígono

Leia mais

APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL DO SISTEMA CAD/CAM

APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL DO SISTEMA CAD/CAM APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL Data: 24 a 27 de novembro de 2015 Atualmente existe uma forte tendência no mercado mundial sobre os Sistemas CAD/CAM. A proposta deste programa é brindar-lhes com toda

Leia mais

Preparos para elementos unitários

Preparos para elementos unitários 11 Preparos para elementos unitários ALFREDO JÚLIO FERNANDES NETO FLÁVIO DOMINGUES DAS NEVES ADÉRITO SOARES DA MOTA REABILITAÇÕES COMPLEXAS INTERAGINDO - PRÓTESE Apesar dos avanços nos níveis iniciais

Leia mais

Cimentos para cimentação

Cimentos para cimentação Curso de Auxiliar em Saude Bucal - ASB Faculdade de Odontologia - UPF Requisitos de um agente cimentante ideal Cimentos para cimentação Ser adesivo; Ser insolúvel no meio bucal; Permitir bom selamento

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Cristina Rech Grandi Molin

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Cristina Rech Grandi Molin Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Cristina Rech Grandi Molin Adaptação marginal de infraestruturas de próteses dentossuportadas obtidas por diferentes técnicas: Revisão de literatura

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Ciências da Saúde Departamento de Odontologia EMANUELLE DE CARLI

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Ciências da Saúde Departamento de Odontologia EMANUELLE DE CARLI UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Ciências da Saúde Departamento de Odontologia EMANUELLE DE CARLI RESTAURAÇÕES CERÂMICAS DE ZIRCÔNIO: UMA REVISÃO MARINGÁ 2006 2 EMANUELLE DE CARLI RESTAURAÇÕES

Leia mais

Classificação dos Núcleos

Classificação dos Núcleos OBJETIVO Núcleos Permitir que o dente obtenha características biomecânicas suficientes para ser retentor de uma prótese parcial fixa. Classificação dos Núcleos Núcleos de Preenchimento Núcleos Fundidos

Leia mais

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Materiais Professora: Patrícia Cé Introdução AULA I Vernizes Cimento de hidróxido de Cálcio Cimento de Ionômero de Vidro Cimento de

Leia mais

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa.

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa. Mauro A Dall Agnol UNOCHAPECÓ mauroccs@gmail.com Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Dentística I Terapêutica ou protética; Simples, composta

Leia mais

LEANDRO ASSUNÇÃO MOREIRA ADAPTAÇÃO MARGINAL DAS CERÂMICAS À BASE DE ZIRCÔNIA

LEANDRO ASSUNÇÃO MOREIRA ADAPTAÇÃO MARGINAL DAS CERÂMICAS À BASE DE ZIRCÔNIA LEANDRO ASSUNÇÃO MOREIRA ADAPTAÇÃO MARGINAL DAS CERÂMICAS À BASE DE ZIRCÔNIA Monografia apresentada ao Departamento de Odontologia Restauradora da UFMG para obtenção do título de Especialista em Dentística

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 55

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 55 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 55 QUESTÃO 17 A Prótese Dentária é considerada uma especialidade odontológica de rico intercâmbio com as outras especialidades da odontologia. Esse intercâmbio

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 37. Em relação à resina composta para restaurações indiretas, é CORRETO afirmar:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 37. Em relação à resina composta para restaurações indiretas, é CORRETO afirmar: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 37 QUESTÃO 17 Em relação à resina composta para restaurações indiretas, é CORRETO afirmar: a) Sua composição química é bem diferente das resinas compostas de uso

Leia mais

CELTRA CAD E DUO. Porcelana/Cerâmica Odontológica. Instruções de Uso. Apresentação. Composição. Indicações de Uso.

CELTRA CAD E DUO. Porcelana/Cerâmica Odontológica. Instruções de Uso. Apresentação. Composição. Indicações de Uso. Apresentação 5365410005 - CELTRA Cad FC LT A1 C14 (6PCS); ou 5365410011 - CELTRA Cad FC LT A2 C14 (1PCS) ; ou 5365410021 - CELTRA Cad FC LT A3 C14 (1PCS) ; ou 5365410025- CELTRA Cad FC LT A3 C14 (6PCS)

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso

Trabalho de Conclusão de Curso Trabalho de Conclusão de Curso Tecnologia CAD/CAM Odara Íris Petter Universidade Federal de Santa Catarina Curso de Graduação em Odontologia UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA

Leia mais

APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL DO SISTEMA CAD/CAM

APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL DO SISTEMA CAD/CAM APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL DO SISTEMA CAD/CAM DATA à definir Atualmente existe uma forte tendência no mercado mundial sobre os Sistemas CAD/CAM. A proposta deste programa é brindar-lhes com toda

Leia mais

Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível

Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível Weider Silva Especialista em Dentística. Especialista em Prótese. Especialista em Implantodontia. Professor do Curso de Especialização de Dentística

Leia mais

ISABELLA LIMA ARRAIS RIBEIRO

ISABELLA LIMA ARRAIS RIBEIRO 0 ISABELLA LIMA ARRAIS RIBEIRO DISCREPÂNCIAS MARGINAL VERTICAL E INTERNA DE INFRAESTRUTURAS CERÂMICAS DE ZIRCÔNIA: INFLUÊNCIA DO TIPO DE SISTEMA DE FRESAGEM E DO TÉRMINO CERVICAL Dissertação apresentada

Leia mais

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Em um dente íntegro, suas imagens são facilmente identificáveis, pois já conhecemos a escala de radiopacidade. Estudamos as imagens das estruturas anatômicas, suas

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio

Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio Prof. Dr. Glauco Rangel Zanetti Doutor em Clínica Odontológica - Prótese Dental - FOP-Unicamp

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA SANDRA MARIA PANIZZON SPAGNOL

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA SANDRA MARIA PANIZZON SPAGNOL UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA SANDRA MARIA PANIZZON SPAGNOL ADAPTAÇÃO MARGINAL EM PRÓTESE FIXA LIVRE DE METAL PASSO FUNDO 2008 SANDRA

Leia mais

Injete essa Idéia. WOLCAM PRESS Inject Sistem SISTEMA DE CERÂMICA PRENSADA

Injete essa Idéia. WOLCAM PRESS Inject Sistem SISTEMA DE CERÂMICA PRENSADA Injete essa Idéia WOLCAM PRESS Inject Sistem SISTEMA DE CERÂMICA PRENSADA www.wolcampress.com.br 0xx62 3210 3671 Manual Técnico CTO-Central de cursos- 0xx19 3405 6545 www.overtec.com.br Índice: I. Sistema

Leia mais

SIMPLES E EFICIENTES PROCEDIMENTOS PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE DENTES NATURAIS E IMPLANTES

SIMPLES E EFICIENTES PROCEDIMENTOS PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE DENTES NATURAIS E IMPLANTES PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE Dr. Dario Adolfi Dr. Oswaldo Scopin de Andrade Dr. Maurício Adolfi Data: 7 a 11 de outubro de 2013 OBJETIVOS: Saiba como planejar uma reabilitação total e mostrar ao paciente

Leia mais

Introdução a Prótese Fixa Princípios Biomecânicos Aplicados a Prótese Dentária (Atualizado com Imagens)

Introdução a Prótese Fixa Princípios Biomecânicos Aplicados a Prótese Dentária (Atualizado com Imagens) Introdução a Prótese Fixa Princípios Biomecânicos Aplicados a Prótese Dentária (Atualizado com Imagens) Prótese é a ciência e arte que proporciona substitutos adequados para as porções coronárias de um

Leia mais

Associação Odontológica Norte do Paraná AONP. Metal Free. João Fernando Souza Bazzo

Associação Odontológica Norte do Paraná AONP. Metal Free. João Fernando Souza Bazzo Associação Odontológica Norte do Paraná AONP Metal Free João Fernando Souza Bazzo Londrina Associação Odontológica Norte do Paraná AONP Metal Free João Fernando Souza Bazzo Monografia apresentada ao curso

Leia mais

Single Bond Universal Adesivo. Single Bond. Universal. O adesivo que você. sempre quis

Single Bond Universal Adesivo. Single Bond. Universal. O adesivo que você. sempre quis Universal Adesivo Universal O adesivo que você sempre quis Chegou o Universal O adesivo mais versátil e confiável do mundo O Universal é o primeiro e único adesivo que pode ser utilizado sob qualquer técnica

Leia mais

Protemp TM 4. Material Provisório à Base de Bisacril. Restauração provisória. qualidade. com a 3M ESPE

Protemp TM 4. Material Provisório à Base de Bisacril. Restauração provisória. qualidade. com a 3M ESPE Protemp TM 4 Material Provisório à Base de Bisacril Restauração provisória com a qualidade 3M ESPE Protemp TM 4 Com 40 anos de experiência em materiais provisórios e amplo conhecimento em produtos com

Leia mais

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas.

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas. Restaurações estéticas anteriores diretas. O crescente desenvolvimento de materiais resinosos e técnicas adesivas, possibilita o planejamento e execução de restaurações de resina composta na dentição anterior.

Leia mais

Disciplina de Prótese Parcial Fixa

Disciplina de Prótese Parcial Fixa Disciplina de Prótese Parcial Fixa Docentes: Profa. Dra. Adriana Cristina Zavanelli Profa. Dra. Daniela Micheline dos Santos Prof. Dr. José Vitor Quinelli Mazaro Prof. Dr. Stefan Fiúza de Carvalho Dekon

Leia mais

Aprovados sem restrições para cavidades oclusais. Diamond

Aprovados sem restrições para cavidades oclusais. Diamond Grandio SO Heavy Grandio SO Heavy Aprovados sem restrições para cavidades oclusais Com o lançamento do compósito compactável, a VOCO introduziu no mercado um material de restauração semelhante ao dente

Leia mais

SEQUÊNCIA DE POLIMENTO DE CERÔMEROS

SEQUÊNCIA DE POLIMENTO DE CERÔMEROS SEQUÊNCIA DE POLIMENTO DE CERÔMEROS Dr. Alex Antônio Maciel de Oliveira Especialista em Implantodontia Consultor científico do Sistema Friccional de Implantes Kopp Contato: alexamaciel@hotmail.com Nos

Leia mais

CEREC. Feito para inspirar.

CEREC. Feito para inspirar. SOLUÇÕES CAD/CAM PARA O dentista CEREC. Feito para inspirar. sirona.com.br CEREC NO CONSULTÓRIO: CLINICAMENTE SEGURO. Mais de 28 anos de experiência por um bom motivo: tudo está sob seu controle com CEREC,

Leia mais

2 Revisão da Literatura

2 Revisão da Literatura 15 2 Revisão da Literatura Com o objetivo de avaliar e comparar a resistência de materiais totalmente cerâmicos e suas terminações cervicais utilizadas na confecção de próteses fixas investigou-se na literatura

Leia mais

Catálogo Dentística e prótese

Catálogo Dentística e prótese Catálogo Dentística e prótese Pinos e Núcleos Exacto Metal Free Pino intra-radicular cônico em fibra de vidro CURSOR PARA O AJUSTE DE CORTE Apoio de restaurações e coroas protéticas Fibra de vidro: alta

Leia mais

Técnica Laboratorial Laboratory technique

Técnica Laboratorial Laboratory technique Técnica Laboratorial Laboratory technique Juliana Nerculini Alexandretti 1 Metalocerâmica do dia a dia Everyday metal-ceramic Resumo As coroas metalocerâmicas são muito utilizadas pelo fato de proporcionar

Leia mais

Próteses Straumann CARES. Mais que eficiência. Soluções efetivas para seu fluxo de trabalho.

Próteses Straumann CARES. Mais que eficiência. Soluções efetivas para seu fluxo de trabalho. Próteses Straumann CARES Mais que eficiência. Soluções efetivas para seu fluxo de trabalho. PRÓTESES STRAUMANN CARES Experimente as soluções protéticas com Straumann CARES O mercado de restaurações dentárias

Leia mais

Harmonia. Caso Selecionado. Sidney Kina e José Carlos Romanini

Harmonia. Caso Selecionado. Sidney Kina e José Carlos Romanini Caso Selecionado Harmonia Sidney Kina e José Carlos Romanini Na busca para encontrar uma composição agradável no sorriso, alguns fatores de composição estética devem ser observados, para orientação na

Leia mais

RESTAURAÇÕES TOTALMENTE CERÂMICAS: CARACTERÍSTICAS, APLICAÇÕES CLÍNICAS E LONGEVIDADE

RESTAURAÇÕES TOTALMENTE CERÂMICAS: CARACTERÍSTICAS, APLICAÇÕES CLÍNICAS E LONGEVIDADE RESTAURAÇÕES TOTALMENTE CERÂMICAS: CARACTERÍSTICAS, APLICAÇÕES CLÍNICAS E LONGEVIDADE Luís Henrique Araújo Raposo Letícia Resende Davi Paulo Cézar Simamoto Júnior Flávio Domingues das Neves Paulo Vinícius

Leia mais

avaliação dos modos de descolagem e a presença de fraturas no esmalte, após os ensaios mecânicos.

avaliação dos modos de descolagem e a presença de fraturas no esmalte, após os ensaios mecânicos. da resistência ao cisalhamento destes materiais, com e sem condicionamento ácido do esmalte, após 48 horas e 10 dias; verificação da influência do período dos ensaios mecânicos sobre a resistência ao cisalhamento;

Leia mais

VITA ENAMIC O conceito

VITA ENAMIC O conceito O conceito VITA Farbkommunikation E En VITA Farbkommunikation Versão 03.15 VITA shade, VITA made. A fórmula de sucesso En : Resistência + Elasticidade = Confiabilidade² MARCOS DOS MATERIAIS DENTÁRIOS CAD/CAM

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

Clinical Update. Restauração com Resina Composta de Dentes Anteriores Fraturados Relato de Caso Clínico. Procedimento Restaurador

Clinical Update. Restauração com Resina Composta de Dentes Anteriores Fraturados Relato de Caso Clínico. Procedimento Restaurador Restauração com Resina Composta de Dentes Anteriores Fraturados Relato de Caso Clínico Dr Saul Antunes Neto Desde o surgimento das resinas compostas, das técnicas de condicionamento ácido, das estruturas

Leia mais

Tecnologias CAD/CAM a serviço da Odontologia

Tecnologias CAD/CAM a serviço da Odontologia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA MESTRADO EM ODONTOLOGIA TECNOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA PROFESSORAS: CARMEM DOLORES VILARINHO SOARES DE MOURA

Leia mais

Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst

Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst Técnica 1: Faceta I.Dente vital e preparo protético pronto. 1. Medir a altura e a largura do dente homológo do

Leia mais

Adper Easy One. Adesivo Autocondicionante. Um adesivo Um frasco. Muitas vantagens

Adper Easy One. Adesivo Autocondicionante. Um adesivo Um frasco. Muitas vantagens Adper Easy One Adesivo Autocondicionante Um adesivo Um frasco Muitas vantagens Um adesivo. Uma camada. Uma única etapa. Rápido! PRATICIDADE EM UM FRASCO Com o Adper Easy One, você precisa de apenas um

Leia mais

FORMAÇÃO EM IMPLANTOLOGIA E PRÓTESE FIXA

FORMAÇÃO EM IMPLANTOLOGIA E PRÓTESE FIXA 28 Maio - 2 Junho 2012 FORMAÇÃO EM IMPLANTOLOGIA E PRÓTESE FIXA curriculum v vitae curric u Prof. Dr. Fernando Almeida Phd 2006 FMDUP - Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto. Administrador

Leia mais

Resinas compostas: o estado da arte

Resinas compostas: o estado da arte Caso Selecionado Resinas compostas: o estado da arte Maurício U. Watanabe Na Odontologia atual, a resina composta é o material de eleição quando se trata de reconstruções de coroas fraturadas de dentes

Leia mais

Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 8 Especialidade: DENTÍSTICA RESTAURADORA

Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 8 Especialidade: DENTÍSTICA RESTAURADORA Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 8 Grupo: 100-Diagnose - As consultas deverão ser faturadas em Guias de Atendimento - GA, separadamente dos demais procedimentos, que serão faturados na

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Estruturas cerâmicas a base de zircônia

Leia mais

SISTEMAS CERÂMICOS SEM METAL

SISTEMAS CERÂMICOS SEM METAL 1 ETEC PHILADELPHO GOUVÊA NETTO LESSANE CARLA LOZANO SISTEMAS CERÂMICOS SEM METAL SÃO JOSÉ DO RIO PRETO 2009 2 ETEC PHILADELPHO GOUVÊA NETTO LESSANE CARLA LOZANO SISTEMAS CERÂMICOS SEM METAL Trabalho de

Leia mais

VITRO-CERAM ALUMINA. Alumina infiltrada com vidro para copings e estruturas de próteses fixas de porcelana sem metal.

VITRO-CERAM ALUMINA. Alumina infiltrada com vidro para copings e estruturas de próteses fixas de porcelana sem metal. VITRO-CERAM ALUMINA Alumina infiltrada com vidro para copings e estruturas de próteses fixas de porcelana sem metal Instruções de Uso Introdução Nos últimos anos o desenvolvimento de porcelanas com extraordinárias

Leia mais

Laura Tagliari Costa LAMINADOS CERÂMICOS COM DIFERENTES PREPAROS DA ESTRUTURA DENTÁRIA: REVISÃO LITERÁRIA

Laura Tagliari Costa LAMINADOS CERÂMICOS COM DIFERENTES PREPAROS DA ESTRUTURA DENTÁRIA: REVISÃO LITERÁRIA 1 Laura Tagliari Costa LAMINADOS CERÂMICOS COM DIFERENTES PREPAROS DA ESTRUTURA DENTÁRIA: REVISÃO LITERÁRIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA PUCRS PARA A OBTENÇÃO DO TÍTULO DE CIRURGIÃ-DENTISTA

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SISTEMA BICON

INTRODUÇÃO AO SISTEMA BICON BR INTRODUÇÃO AO SISTEMA BICON BR O Design de um Implante Dita suas Capacidades Clínicas 4.5 x 6.0mm 6.0 x 5.7mm 5.0 x 6.0mm OSistema Bicon é um sistema único de implante dentário, que oferece a comunidade

Leia mais

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC A) TIPOS DE SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A.1 Consulta Inicial Entende-se como exame clínico,

Leia mais

In-Ceram Zirconia: Prótese Parcial Fixa In-Ceram Zirconia: Fixed Partial Prosthesis

In-Ceram Zirconia: Prótese Parcial Fixa In-Ceram Zirconia: Fixed Partial Prosthesis CASO CLÍNICO In-Ceram Zirconia: Prótese Parcial Fixa In-Ceram Zirconia: Fixed Partial Prosthesis Renato Sussumu Nishioka* Luis Gustavo Oliveira de Vasconcellos** Karina Tiemi Tanaka*** Gilberto Duarte

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Marcos Anito Loss

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Marcos Anito Loss 0 Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Marcos Anito Loss Análise do comportamento de próteses cerâmicas com infraestrutura de zircônia para elementos posteriores CURITIBA 2012 1

Leia mais

ORIENTAÇÕES DE PREPARO DO DENTE

ORIENTAÇÕES DE PREPARO DO DENTE ORIENTAÇÕES DE PREPARO DO DENTE NEODENT DIGITAL Índice Fluxos de trabalho que se adaptam às suas necessidades 1. INFORMAÇÕES GERAIS... 04 2. OPÇÕES DE MATERIAIS RESTAURADORES... 05 A tecnologia CAD/CAM

Leia mais

Ponto de Contato. Reabilitação Estética Sobre Implante em Função Imediata. Aesthetic rehabilitation with implants in immediate function

Ponto de Contato. Reabilitação Estética Sobre Implante em Função Imediata. Aesthetic rehabilitation with implants in immediate function Ponto de Contato Reabilitação Estética Sobre Implante em Função Imediata Aesthetic rehabilitation with implants in immediate function José Norberto Garcia Nesello* Manoel Martin Junior** Carlos Marcelo

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ODONTÓLOGO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ODONTÓLOGO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ODONTÓLOGO QUESTÃO 21 Assinale a alternativa CORRETA quanto à obtenção da analgesia (anestesia regional): a) O método do bloqueio de nervo é aplicado para a obtenção

Leia mais

CURSOS ICMDS PROSTODONTIA

CURSOS ICMDS PROSTODONTIA CURSOS ICMDS PROSTODONTIA OBJECTIVOS Aprimorar a pratica clinica dos profissionais que praticam Prostodontia no seu dia dia e buscam a exelência no planeamento Estético, Mock up, Metal Free, nos Preparos

Leia mais

Dentes Alemães Classic A Solução Perfeita 4x4

Dentes Alemães Classic A Solução Perfeita 4x4 Dentes Alemães Classic A Solução Perfeita 4x4 Carta Molde Informação de Produto Magister Dentes anteriores Classic Magister Dentes anteriores com 4 camadas Os dentes Magister apresentam estética semelhante

Leia mais

Aluna: Lucy Shiratori. Dissertação apresentada à Faculdade de. obtenção do título de Mestre, pelo Programa de Pós-

Aluna: Lucy Shiratori. Dissertação apresentada à Faculdade de. obtenção do título de Mestre, pelo Programa de Pós- FOUSP Avaliação da precisão da tomografia computadorizada por feixe cônico (cone beam) como método de medição do volume ósseo vestibular em implantes dentários Dissertação apresentada à Faculdade de Odontologia

Leia mais

Técnicas de fundição. Técnicas De Fundição. Page 1 1. Odontologia: tem por função restituir ao dente: Saúde Forma Função Estética

Técnicas de fundição. Técnicas De Fundição. Page 1 1. Odontologia: tem por função restituir ao dente: Saúde Forma Função Estética Disciplina Titulo da aula Expositor Slides 34 Materiais Dentários I Técnicas de fundição Prof. Dr. Eclérion Chaves Duração Aproximadamente 1:30 Plano de aula Publicado em: http://usuarios.upf.br/~fo/disciplinas/materiais%20dentarios/materiais1.htm

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS ZIRCÔNIA COMO MATERIAL DE ESCOLHA PARA INFRA-ESTRUTURA DE PRÓTESES FIXAS REVISÃO DE LITERATURA

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS ZIRCÔNIA COMO MATERIAL DE ESCOLHA PARA INFRA-ESTRUTURA DE PRÓTESES FIXAS REVISÃO DE LITERATURA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS BRUNO SEEMANN VIEIRA ZIRCÔNIA COMO MATERIAL DE ESCOLHA PARA INFRA-ESTRUTURA DE PRÓTESES FIXAS REVISÃO DE LITERATURA Florianópolis, 2011 BRUNO SEEMANN VIEIRA

Leia mais

Protocolo para laminados cerâmicos: Relato de um caso clínico

Protocolo para laminados cerâmicos: Relato de um caso clínico rtigo Inédito Protocolo para laminados cerâmicos: Relato de um caso clínico Oswaldo Scopin de ndrade*, José Carlos Romanini** RESUMO literatura científica atual preconiza para a dentição anterior a opção

Leia mais

REABILITAÇÃO ATRAVÉS DE HÍBRIDA APARAFUSADA.

REABILITAÇÃO ATRAVÉS DE HÍBRIDA APARAFUSADA. LABORATÓRIO Joaquín Madrueño Arranz Direção Técnica em laboratório de prótese dental próprio Formação e Peritagem em próteses dentais (Fotografias clínicas cedidas pelo Dr. Villar) REABILITAÇÃO ATRAVÉS

Leia mais

Cerâmicas odontológicas: o estado atual. (Ceramic in dentistry: current situation)

Cerâmicas odontológicas: o estado atual. (Ceramic in dentistry: current situation) Cerâmica 54 (2008) 319-325 319 Cerâmicas odontológicas: o estado atual (Ceramic in dentistry: current situation) E. A. Gomes, W. G. Assunção, E. P. Rocha, P. H. Santos R. José Bonifácio, 1193, Vila Mendonça,

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Daniel da Costa Parrella CERÂMICAS METAL- FREE: UMA REVISÃO DE LITERATURA

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Daniel da Costa Parrella CERÂMICAS METAL- FREE: UMA REVISÃO DE LITERATURA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Daniel da Costa Parrella CERÂMICAS METAL- FREE: UMA REVISÃO DE LITERATURA Montes Claros 2014 DANIEL DA COSTA PARRELLA CERÂMICAS METAL- FREE: UMA REVISÃO DE LITERATURA Monografia

Leia mais

Prof. Dr. Ivo Contin icontin@usp.br. Disciplina de Prótese Parcial Fixa da F. O. Universidade de São Paulo

Prof. Dr. Ivo Contin icontin@usp.br. Disciplina de Prótese Parcial Fixa da F. O. Universidade de São Paulo ATENÇÃO O uso deste material didático está autorizado, desde que seja divulgado que ele foi desenvolvido dentro do Departamento de Prótese Dentária da Faculdade de Odontologia da USP - São Paulo RESTAURAÇÃO

Leia mais

Guia de Indicações e Preparo

Guia de Indicações e Preparo Guia de Preparo e Manuseio para Dentistas e Laboratórios Lava Sistema CAD/CAM Guia de Indicações e Preparo C R C 3 M E S P E : 0 8 0 0 0 1 5 5 1 5 0 Acesse site: www.3mespe.com.br/laboratórios 3M, ESPE,

Leia mais

Clinical Update. Uso Combinado de TPH - ESTHET-X na Resolução de Fratura em Dentes Anteriores - Relato de Caso Clínico. Introdução.

Clinical Update. Uso Combinado de TPH - ESTHET-X na Resolução de Fratura em Dentes Anteriores - Relato de Caso Clínico. Introdução. Uso Combinado de TPH - ESTHET-X na Resolução de Fratura em Dentes Anteriores - Relato de Caso Clínico PEREIRA, Marcelo Agnoletti Especialista em Dentística restauradora FUNBEO-FOB-USP Mestre em Dentística

Leia mais

Fundamentos de Prótese Parcial Fixa

Fundamentos de Prótese Parcial Fixa Fundamentos de Prótese Parcial Fixa Roteiro de estudo - Preparo do Dente: 1. Técnica da silhueta modificada. 2. Desgaste do dente com ponta diamantada (PD) 1,4 mm na região cervical e terço médio respeitando

Leia mais

BRADENT. Alumina BRADENT. Manual Técnico. i m p o r t s

BRADENT. Alumina BRADENT. Manual Técnico. i m p o r t s BRADENT i m p o r t s Alumina Manual Técnico Rua Indochina, 201 - Jardim Fontana CEP.: 06713-030 - Cotia - SP - Brasil Tel/Fax.: 55 11 3726-5953 Mais informações no Web Site www.bradent.com.br BRADENT

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Adriana Cláudia de Oliveira

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Adriana Cláudia de Oliveira Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Adriana Cláudia de Oliveira A tecnologia CAD/CAM e a importância das linhas de referências Faciais na busca da e estética CURITIBA 2010 Adriana

Leia mais

www.sirona.com.br CURSOS ACADEMIA DENTAL SIRONA

www.sirona.com.br CURSOS ACADEMIA DENTAL SIRONA www.sirona.com.br CURSOS ACADEMIA DENTAL SIRONA INICIANTES SW INLAB 4.2 Objetivo: visa iniciar os novos usuários do sistema Cerec inlab a manusear o SW 4.2 e seus periféricos (CEREC MC XL e infire HTC

Leia mais

Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14

Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 C U R S O O D O N T O L O G I A Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: ODONTOLOGIA PRÉ-CLÍNICA II Código: ODO-028 Pré-requisito:

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Cibele Cândida de Almeida Kintopp

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Cibele Cândida de Almeida Kintopp UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Cibele Cândida de Almeida Kintopp SISTEMAS COMPUTADORIZADOS UTILIZADOS PARA CONFECÇÃO DE RESTAURAÇÕES PROTÉTICAS: CAD-CAM. RELATO DE CASO CLíNICO. CURITIBA 2010 Cibele Cândida

Leia mais

Calgaro. Mais de 40 anos criando resultados surpreendentes.

Calgaro. Mais de 40 anos criando resultados surpreendentes. O Laboratório Calgaro conhece bem o poder transformador de um sorriso e sabe que só é possível mudar a vida das pessoas com muita dedicação e profissionalismo. É por isso que o Calgaro é o parceiro ideal

Leia mais

Catálogo de Produtos. Desde 1985» Simples. Previsível. Rentável

Catálogo de Produtos. Desde 1985» Simples. Previsível. Rentável BR Catálogo de Produtos Desde 1985» Simples. Previsível. Rentável 2012 IMPLANTES Cavidade Conectora de 3.0mm Integra-CP COMPONENTES DE MOLDAGEM A NÍVEL DE IMPLANTE SYNTHOGRAFT Nº DO PROD. DIÂMETRO COMPRIMENTO

Leia mais

INDICAÇÕES E CONTRA-INDICAÇÕES DA CERÂMICA METAL- FREE NA CONFECÇÃO DE PRÓTESES FIXAS

INDICAÇÕES E CONTRA-INDICAÇÕES DA CERÂMICA METAL- FREE NA CONFECÇÃO DE PRÓTESES FIXAS UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE UNIVALE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACS. CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA Flavyany Dal Col Ferreira INDICAÇÕES E CONTRA-INDICAÇÕES DA CERÂMICA METAL- FREE NA

Leia mais

CURSO INTENSIVO CLINICO E LABORATORIAL PARA CIRURGÕES DENTISTAS

CURSO INTENSIVO CLINICO E LABORATORIAL PARA CIRURGÕES DENTISTAS CURSO INTENSIVO CLINICO E LABORATORIAL PARA CIRURGÕES Dr. Dario Adolfi Dr. Gustavo Javier Vernazza Dr. Oswaldo Scopin de Andrade Data: 20 a 24 de setembro de 2010 PROGRAMA DO CURSO PRIMERO DIA Dr. Gustavo

Leia mais

Curso de Extensão em Clínica Odontológica Faculdade de Odontologia de Piracicaba - UNICAMP

Curso de Extensão em Clínica Odontológica Faculdade de Odontologia de Piracicaba - UNICAMP Restauração Indireta em Dente Posterior Associando Adesivo e Compósito com Nanopartículas Mario Fernando de Góes Cristiana Azevedo Vinicius Di Hipólito Luís Roberto Martins Cláudio Bragoto Curso de Extensão

Leia mais

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA 1 Cada candidato receberá: CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA - 01 (um) Caderno de Prova de 10 (dez) páginas, contendo 25 (vinte e cinco) questões de múltipla

Leia mais

MANUAL DE ACIONAMENTO DO SISTEMA CONE MORSE FRICCIONAL BATE CONEXÃO

MANUAL DE ACIONAMENTO DO SISTEMA CONE MORSE FRICCIONAL BATE CONEXÃO MANUAL DE ACIONAMENTO DO SISTEMA CONE MORSE FRICCIONAL BATE CONEXÃO O SISTEMA CONE MORSE FRICCIONAL Cursos Gratui tos Sistema Friccio de Implante nal Bio lógico - Cone Morse -L ocking 41 336 Taper - 3

Leia mais

Serviços preliminares

Serviços preliminares Vazagem de modelo em gesso tipo lv Vazagem de modelo em gesso sintético colocação de gengiva em silicone (elemento) colocação de gengiva em silicone total Vazagem do modelo de transferência Montagem em

Leia mais

Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c. Ufi Gel SC / P Ufi Gel hard / C. aplicação

Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c. Ufi Gel SC / P Ufi Gel hard / C. aplicação Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c Ufi Gel SC / P Ufi Gel hard / C O sistema reembasador para qualquer aplicação Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c O sistema reembasador para qualquer aplicação A atrofia do osso alveolar

Leia mais

Coluna Visão Protética

Coluna Visão Protética Coluna Visão Protética 88 PROSTHESIS Prosthes. Lab. Sci. 2013; 2(6):88-97. L A B O R A T O R Y i n Gustavo Bertholdo 1 Elson Bertholdo 2 Eduardo Souza Junior 3 Luis Gustavo Barrote Albino 4 Thays Bertoldo

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

Restabelecimento estético anterior: clareamento, facetas e coroas em cerâmica

Restabelecimento estético anterior: clareamento, facetas e coroas em cerâmica Restabelecimento estético anterior: clareamento, facetas e coroas em cerâmica Mariana Veras Godeiro Cirurgiã-dentista graduada pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN. Especialista em Dentística

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Ademir Kiffer DESADAPTAÇÃO MARGINAL VERTICAL DE COROAS CONFECCIONADAS COM CERÂMICA NO SISTEMA COMPUTADORIZADO

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Ademir Kiffer DESADAPTAÇÃO MARGINAL VERTICAL DE COROAS CONFECCIONADAS COM CERÂMICA NO SISTEMA COMPUTADORIZADO UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Ademir Kiffer DESADAPTAÇÃO MARGINAL VERTICAL DE COROAS CONFECCIONADAS COM CERÂMICA NO SISTEMA COMPUTADORIZADO Taubaté - SP 2007 UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Ademir Kiffer DESADAPTAÇÃO

Leia mais

Por: Renato Fabrício de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst

Por: Renato Fabrício de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst Por: Renato Fabrício de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst 1. Anamnese, exame clínico e exames complementares (inclusive radiográfico); 2. Moldagem e Modelagem para estudo

Leia mais

Somos uma empresa especializada em importar e distribuir materiais de última

Somos uma empresa especializada em importar e distribuir materiais de última 1 »» A Oraltech Somos uma empresa especializada em importar e distribuir materiais de última geração destinados as diversas áreas da Odontologia. A nossa filosofia é oferecer excelência de qualidade através

Leia mais

Laminados cerâmicos - relato de caso. Ceramic laminates - case report

Laminados cerâmicos - relato de caso. Ceramic laminates - case report 246 COLUNA VISÃO CLÍNICA Laminados cerâmicos - relato de caso Ceramic laminates - case report Weider Silva 1 Moises Cronemberger 2 Gil Montenegro 3 Lêndiel Olímpio 4 Tarcísio Pinto 5 Resumo Os parâmetros

Leia mais

Adaptação cervical de elementos livres de metal confeccionados pelo sistema CAD/CAM: uma revisão de literatura

Adaptação cervical de elementos livres de metal confeccionados pelo sistema CAD/CAM: uma revisão de literatura Adaptação cervical de elementos livres de metal confeccionados pelo sistema CAD/CAM: uma revisão de literatura DARTORA, Gustavo 1 ; BACCHI, Ataís 2 (1) Aluno do curso de Odontologia, IMED, Brasil. E-mail:

Leia mais

Restabelecimento da Estética e Função em Paciente com Amelogênese Imperfeita: Relato de um Caso Clínico

Restabelecimento da Estética e Função em Paciente com Amelogênese Imperfeita: Relato de um Caso Clínico CASO CLÍNICO Restabelecimento da Estética e Função em Paciente com Amelogênese Imperfeita: Relato de um Caso Clínico Recovering Function and Aesthetic for a Patient with Amelogenesis Imperfecta: Clinical

Leia mais