Curso Estatuto da Criança e do Adolescente ECA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso Estatuto da Criança e do Adolescente ECA"

Transcrição

1 Associação Brasileira de Formação e Desenvolvimento Social - ABRAFORDES DICA: Tecle Ctrl+s para salvar este PDF no seu computador. Curso Estatuto da Criança e do Adolescente ECA Lição 01: Introdução ao ECA Introdução ao ECA A Constituição Brasileira introduz uma nova dimensão às políticas públicas da infância e da adolescência ao declarar prioridade absoluta à promoção da proteção integral da criança e do adolescente, por parte do Estado, da família e da sociedade. Esta inovação tem provocado, desde então, transformações legais e institucionais, regulamentadas em diversas legislações, sendo a principal o Estatuto da Criança e do Adolescente ECA (Lei Federal 8069 de 13 de julho de 1990). O ECA orienta-se pela doutrina da proteção integral às crianças e adolescentes contida na Doutrina das Nações Unidas para a proteção dos direitos da infância, a qual reflete, basicamente, quatro instrumentos: (i) a Convenção Nacional das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança; (ii) as Regras Mínimas das Nações Unidas para a Administração da Justiça dos Menores (Regras de Beijing); (iii) as Diretrizes das Nações Unidas para a Prevenção da Delinqüência Juvenil; e (iv) as Regras Mínimas das Nações Unidas para a Proteção dos Jovens Privados de Liberdade. No Estatuto também foram incluídos dispositivos decorrentes da Convenção nº 138 da Organização Internacional do Trabalho, de 1973, sobre a Idade Mínima de Admissão ao Trabalho, fixada em 16 anos, e da Convenção de Haia sobre a Proteção das Crianças em Matéria de Adoção Internacional, ratificadas pelo Brasil em O ECA garante à criança e ao adolescente todos os direitos constantes na Convenção sobre os Direitos da Criança e destaca o princípio democrático da participação e do controle da sociedade civil na formulação e na execução das ações públicas de promoção e de defesa de direitos. O Estatuto propõe-se a instituir um novo modelo de políticas públicas voltadas para a garantia dos direitos da infância e da adolescência, baseado em ações intersetoriais orientadas por alguns princípios fundamentais, como: (i) o direito à vida e à saúde; (ii) o direito à liberdade, ao respeito e à dignidade; (iii) o direito à convivência familiar e comunitária; (iv) o direito à educação, à cultura, ao esporte e ao lazer; e (v) o direito à profissionalização e à proteção ao trabalho. O cumprimento da legislação, que é considerada avançada por se constituir a única no contexto latino-americano adequada aos princípios da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito da Criança, ainda é um desafio no Brasil, principalmente quando se consideram as características históricas que marcaram as ações de atenção à criança e ao adolescente no país, cuja prática enfatizava os aspectos caritativos e repressivos em detrimento da garantia de direitos básicos de cidadania para grande parte da população infanto-juvenil. Titulares de direitos (arts. 227/229 CF) são titulares de direitos fundamentais com absoluta prioridade:

2 Crianças - são pessoas com até 12 anos incompletos. Adolescente pessoas entre 12 e 18 anos incompletos. Jovem ECA não define quem é o jovem. A lei do pro-jovem define jovem como uma pessoa entre 18 a 29 anos (EC 65/2010) Estatuto da Juventude (está para ser aprovado). Art. 2 Aplicação do ECA: > 18a e < 21 anos, quando: Caráter excepcional Expressa previsão legal Os < 18 anos são inimputáveis (não pratica crime) pratica ato infracional. A prescrição também se aplica aos atos infracionais (STJ/STF). Momento para aferir a inimputabilidade? É aferida no momento da conduta. Princípio da insignificância ou bagatela se aplica ao adolescente? Segundo o STF, este p. também se aplica aos atos infracionais, mas se o adolescente tem maus antecedentes será processado. Art. 229 CF aduz que os pais tem o dever de cuidar de seus filhos menores, e os filhos maiores tem o dever de assistir seus pais na velhice, carência ou enfermidade. Lição 02: Sistemas de responsabilidade infanto-juvenil Sistemas de responsabilidade infanto-juvenil Criança criança só recebe medida de proteção. Rol não taxativo, art. 101, ECA. Adolescente recebe medida sócio-educativa: rol taxativo do art. 112, ECA. O adolescente pode receber medida de proteção quando: Como complemento da medida sócio educativa Se for vítima. Criança Adolescente < 12 anos >12 e 18 anos Ato infracional Medida de proteção (art. 101, ECA). Quem aplica? Juiz e Conselho Tutelar. Exceção: a colocação em família substituta só Juiz. Ato infracional Medida sócioeducativa. Quem aplica? Só o Juiz.

3 Medida de proteção (art. 101, ECA). Encaminhamento aos pais Matrícula e frequência na escola Tratamento psicológico/psiquiátrico Tratamento de toxicômanos Acolhimento institucional / familiar prazo máximo: até 2 anos. Colação em família substituta (+ grave), esta tem 3 modalidades: Guarda Tutela Adoção Podem ser aplicadas isoladamente / cumulativamente (depende da necessidade da criança caso concreto), e podem ser revistas a todo o tempo. Lição 03: Direitos do adolescente infrator Direitos do adolescente infrator Flagrante de ato infracional, Ordem judicial (juiz), A apreensão do adolescente deve ser comunicada ao juiz e aos pais / responsável, O adolescente apreendido tem o direito de saber qual a autoridade que o apreendeu, O adolescente civilmente identificado (RG/Carteira profissional/passaporte etc) não será submetido à identificação compulsória (colheita de impressões digitais, fotográficas) salvo se houver dúvida quanto a sua identidade. Pode ser transportada no chiqueirinho? Não pode ser transportado em locais fechados de viaturas policiais. Direitos processuais do adolescente infrator Devido processo legal o juiz não pode desistir das demais provas em razão da confissão do adolescente, Igualdade processual Defesa técnica Assistência judiciária gratuita

4 Direito de ser ouvido pessoalmente pela autoridade Direito de solicitar a presença dos pais/ responsável Lição 04: Medidas sócioeducativas Medidas sócioeducativas 1. Advertência (art. 115, ECA) Conceito: trata-se admoestação verbal, esporro. Única medida que para ser aplicada não precisa comprovar a autoria, basta que haja indícios suficientes de autoria (art. 114, único) Obrigação de reparar o dano (art. 116, ECA) A reparação do dano é ampla, inclusive pela restituição da coisa reflexo patrimonial, o adolescente deve reparar o dano. 1. Prestação de serviços à comunidade (art.117, ECA) Trabalhos forçados são vedados. A prestação de serviços à comunidade tem caráter educativo. Prazo máximo até 6 meses. Horas de trabalho 8 horas semanais, preferencialmente no final de semana, feriados ou outro dia que não prejudique estudo e trabalho. 1. Liberdade assistida (art. 118 e 119, ECA) Juiz nomeia um orientador, este acompanhará o adolescente, este também tem que fazer relatórios periódicos para o juiz. Tem maior chance de recuperação. Prazo mínimo 6 meses, o juiz pode prorrogar, revogar ou converter em outra medida. O ECA não fixa prazo máximo para a liberdade assistida, mas a doutrina e jurisprudência falam em 3 anos. 1. Semi-liberdade e internação (art. 120, 121 a 125 ECA) São as únicas medidas que restringem a liberdade. Tudo que se aplica na internação aplica-se na semiliberdade, mas as atividades internas ocorrerão independentemente de ordem judicial. São as únicas medidas aplicáveis ao > 18 e < 21 anos. Pode ser fixado inicialmente /forma autônoma (direto na sentença) ou comoforma de progressão (depois da internação). 1. Internação (art. 121 ao 125, ECA) É pautada por 2 princípios constitucionais:

5 Brevidade não tem prazo previamente determinado, pois visa a recuperação do adolescente, mas não se sabe quanto tempo este estará recuperado. Excepcionalidade significa que a medida somente será aplicada como última hipótese. Modalidades: Provisória antes da sentença. Prazo: 45 dias. Definitiva a partir da sentença. Cabimento (art. 122) rol taxativo Ato infracional com violência ou grave ameaça, Internação Reiteração de atos infracionais grave, sanção A reiteração ocorre a partir da 3ª conduta. Descumprimento reiterado e injustificado de medida anteriormente imposta internação regressão. Ex: tráfico de drogas não pode ser internado. É obrigatória a oitiva do adolescente para a internação regressão. Prazo: a internação não tem prazo determinado. Aos 21 anos a desinternação / liberação é compulsória. Prazo internação sanção: prazo máximo de até 3 anos. Com reavaliação máxima a cada 6 meses. Prazo de internação regressão: prazo máximo 3 meses. O abrigamento é medida de proteção com prazo máximo de 2 anos ereavaliação máxima a cada 6 meses. Peculiaridades: É vedada a incomunicabilidade. A visita até mesmo dos pais pode ser suspensa, se for nocivo para o adolescente, mas não a do advogado. É permitida a visita íntima para esposa/ marido ou companheiro(a). Atividades externas são permitidas, desde que não estejam proibidas na sentença. O juiz pode rever essa decisão. O adolescente poderá ficar no estabelecimento prisional desde que separados dos adultos e pelo prazo máximo de 5 dias.

6 Podem ser algemados nas mesmas hipóteses dos adultos: risco de fuga ou risco de segurança pessoal. Lição 05: Procedimento para apuração de ato infracional Procedimento para apuração de ato infracional O processo do adolescente é sempre na justiça ESTADUAL. A ação é sempre promovida pelo MP. Declaração de Riad o adolescente não poderá ser tratado de maneira mais rigorosa do que o adulto. Fases: Policial (art. 171 a 178) Apreensão em flagrante ==> DELEGADO AI leve e pais comparecem Flagrante Liberação com BO MP O adolescente não pode ser levado em compartimento fechado em veículo oficial (policia). O adolescente somente poderá ser submetido a identificação criminal se houver dúvida fundada para fins de confrontação (se é adolescente ou não). Ministerial (179 a 182) O MP faz a oitiva informal que poderá: arquivar, remissao ou representar. O MP faz a oitiva informal, esta não é obrigatória. O MP pode arquivar, vai para o juiz, se este discordar do arquivamento, este remeterá os autos para o procurador geral. Representação é peça que inicia o processo. Judicial (183 a 190) Representação notificação (186) (182) Defesa prévia Audiência de (186) apresentação Audiência em continuação apelação (198) A representação pode ser oferecida sem prova pré constituída da autoria e da materialidade.

7 A notificação do adolescente e de seus pais. Se os pais não forem encontrados o juiz dará curador ao adolescente. Se o adolescente não for encontrado o juiz suspende o processo e determina a expedição de busca e apreensão contra ele. Audiência de apresentação é nula a desistência de outras provas é face da confissão do adolescente. Aplica-se prescrição a medida sócio educativa. A Defesa prévia é facultativa, no prazo de 3 dias[1]. Após a audiência será dada uma sentença. Se a medida sócio educativa aplicada for internação ou semi liberdade, serão intimados o adolescente e seu advogado. Para as outras medidas, será intimado apenas o advogado. Apelação prazo de 10 dias e tem efeito regressivo (juízo de retratação). Lição 06: Execução de medida sócio educativa Execução de medida sócio educativa É feito um plano individual e deste plano promotor e defesa serão intimados para se manifestarem no prazo de 3 dias. O plano pode ser impugnado sem efeito suspensivo. Remissão (perdão) Quem Efeito Limite MP Exclusão do processo Representação Juiz Suspensão/ extinção do processo Sentença O juiz pode cumular a remissão com todas as medida sócio educativas, salvo internação e semi liberdade (não pode cumular). Lição 07: Crimes do ECA Crimes do ECA (arts. 225 a 244-B) Ação penal nos crime de ECA Ação penal pública incondicionada para todos os crimes Tortura contra criança ou adolescente É previsto na lei de tortura e não no ECA. 1. Pornografia infantil (foto /vídeo)

8 2. a. Art. 241-E conceito de sexo explicito ou pornográfica. Qualquer atividade sexual explicita real ou simulada. Exibição dos órgãos genitais para fins primordialmente sexuais (seios e nádegas não entra neste item). 1. Art. 241 B crime do PC Adquirir, possuir ou armazenar por qualquer meio foto ou vídeo, pouco importa o meio de armazenagem. Pena de 1 a 4 anos. Se for de pequena quantidade o material apreendido a pena será diminuída de 1/3 a 2/3. Causa se isenção de pena Não há crime se a posse deste material tem por finalidade a comunicação das autoridades deste que furtar por: Agente público no exercício da função Membro de associação legalmente constituída e que inclua entre as suas finalidades a repressão à estes crimes. c. (art. 241-C) Simular a participação de criança ou adolescente em cena de sexo explícito ou pornográfico. d. (art.241-d) Aliciar, assediar, instigar ou constranger criança com o fim de com ela praticar ato libidinoso (não abrange o adolescente). e. Pornografia infantil e competência (art.109 CF) a competência da justiça federal ocorre quando houver crime à distância e também um tratado (entre países diferentes). O Brasil tem tratado contra a pornografia infantil. Se forem distribuídas fotos entre as pessoas de uma mesma sala a competência é estadual. Se estas fotos forem publicadas em ambiente aberto (blog, site, twitter,facebook etc) na internet a competência será federal. Mas se forem enviadas fotos de para a competência é estadual. 4. Corrupção de menores (art.244-b) Corromper <18 anos ou facilitar sua corrupção. Corromper = conspurcar (manchar). Houve alteração na jurisprudência ainda que o adolescente seja corrompido haverá o crime pois o adulto mantém o adolescente em estado de corrupção. 5. Crime vender fogos de artifício que sejam capazes de provocar dano quando manuseados inadequadamente depende do potencial lesivo(art.244).

9 Lição 08: Infrações administrativas Infrações administrativas (art. 245 e 258-B) Art.250 criança e adolescente não podem se hospedar em hotel, motel, pensão ou congênere, salvo: Acompanhado dos pais ou responsáveis Autorização por escrito Autorização judicial Responsabilidade dos pais / responsáveis O ECA prevê que os pais também possam ser responsabilizados caso violem os direitos de seus filhos nos termos do art. 129 ECA. Obrigação de matricular filho /pupilo e acompanhar a freqüência e aproveitamento escolar Tem obrigação de matricular o filho e acompanhar o seu desenvolvimento escolar. Lição 09: Parte cível Parte cível 1. Garantia da prioridade (art.4, u) garantia de primazia em receber proteção e socorro em quaisquer circunstâncias: crianças, adolescentes e mulheres. Garantia de pensar, formular políticas públicas e destinar recursos (verbas) com preferência segundo o STF pode o poder judiciário determinar ao município que construa escola em determinado bairro para criança e adolescente. 1. Direito à vida e à saúde (art. 8 e 10) O médico do parto será preferencialmente o médico do pré-natal. Tem direito ao alojamento conjunto para mãe e o bebê. Deve haver identificação plantar e digital do bebê e digital da mãe identificação mínima. Todos os documentos do parto e suas intercorrências devem ficar arquivados por 18 anos, no mínimo. 1. Direito à liberdade (art.16) A criança e o adolescente têm o direito de ir, vir e estar nos logradouros públicos observadas as restrições legais. Toque de recolher / toque de acolher consiste na restrição à liberdade de criança ou adolescente feita por juízes com base em portarias. O STJ considerou essa restrição ilegal.

10 O adolescente internado provisoriamente tem direito a voto. Lição 10: Atualização legislativa Atualização legislativa Lei 12594/12 lei de execução de medidas sócios educativas. 1. Princípio da legalidade (art.35, lei) o adolescente não pode ter tratamento mais severo do que o adulto. 2. Direitos do adolescente internado tem direito a visita íntima se for casado ou viver em união estável. 3. Competência (art.36) a execução da medida sócio-educativa nodomicilio ou residência dos pais / responsável ou se não existirem, no local onde a criança for encontrada Extinção da medida sócio educativa (art.46) Pela morte Ao completar 21 anos Se houver condenação por crime em regime fechado ou semi-aberto em execução provisória ou definitiva. Estado de filiação Direito personalíssimo: é imprescritível e irrenunciável. Formas de reconhecimento de paternidade: é irrevogável. Formas Qualquer documento público ou particular Em testamento ainda que revogado o reconhecimento continua válido. Lei 8560/92 investigação administrativa de paternidade. CRCPN (cartório registro civil de pessoas naturais) fórum audiênciacomparece o suposto pai e a mãe. Faz-se o DNA (não há sanção pela ausência de exame de DNA). O pai reconhece a paternidade. Investigação judicial de paternidade neste caso se faltar no exame de DNA, presumi-se a paternidade. Ação negatória de paternidade Se reconhece a paternidade sabendo que não é seu filho biológico, não poderá mover a ação

11 negatória. Obs. O STJ entendeu que a paternidade sócio-afetiva tem prevalência sobre a paternidade biológica. Modalidades de família Natural pais ou qualquer um deles. Extensa ou ampliada parentes próximos com os quais a criança / adolescente tem afinidade, afetividade e convivência. Substituta Guarda Tutela Adoção (irrevogável) única que estrangeiro pode usar. Cuidado: Curatela não é modalidade de colocação em família substituta. Guarda (art.33) Noção: destina-se a regularizar uma situação de fato. Não necessariamente implica em afastamento com o contato de pais biológicos. Deveres materiais e morais: pode haver até mesmo oposição em relação aos pais. Adoção (art. 39/52) Concordância da criança/adolescente: Se > 12 anos é imprescindível seu consentimento. Se < 12 anos, será ouvido sempre que possível. Consentimento dos pais biológicos Regra: obrigatório, porém o consentimento pode ser reiterado até a publicação da sentença. Exceção (não precisa de consentimento) Quando forem desconhecidos Ou destituídas do poder familiar Idade do adotante Mínima para adotar: 18 anos. Tem que haver 16 anos de diferença entre o adotante e o adotado. Vedações

12 Não se pode adotar por procuração Ascendente não pode dotar descendentes Irmãos não podem se adotar O tutor e o curador podem adotar após prestar contas da tutela ou curatela. Modalidades de adoção Adoção conjunta 2 pessoas só podem adotar se forem casadas ou se viverem em união estável. Adoção de união homoafetiva ECA não prevê, jurisprudência autoriza. Adoção unilateral é a adoção do padrasto ou madrasta. Adoção post mortem (nuncupativa) adoção que se dá quando o adotante falece no curso da adoção. Continua a adoção desde que haja inequívoca prova da vontade de adotar. Normalmente a adoção produz efeitos a partir da sentença, mas neste caso, os efeitos se dão a partir do óbito do adotante. Adoção internacional ela se dá quando o adotante é residente / domiciliado fora do Brasil, ex: Gisele. O brasileiro tem preferência neste caso. Lição 11: Adoção e registro civil Adoção e registro civil O registro original do adotado é cancelado. O novo registro poderá ser feito no domicílio do adotante. Pode haver a mudança do pré-nome, e se for >12 anos é indispensável a concordância do adotado. Se o adotado é > 18 anos ele tem direito de conhecer sua origem biológica. Se < 18 anos, também é garantido esse acesso assegurado a assistência jurídica e psicológica. O ECA não prevê idade mínima. Estágio de convivência Período em que adotante e adotado passam juntos para ver se funcionam como família. Se adoção internacional prazo min. 30 dias cumpridos em território nacional. Se for adoção nacional não há prazo mínimo. Autorização para viajar Viagem nacional (art 83)

13 Adolescente não precisa de autorização, só a criança. Para a criança é dispensável a autorização quando: Estiver acompanhada dos pais/ responsável Acompanhada dos ascendentes comprovada documentalmente Comarca contígua desde que na mesma unidade da federação. Viagem Internacional Criança e adolescente precisam de autorização judicial, salvo: Se estiver acompanhada de ambos os pais Se tiver acompanhada por um dos pais com autorização por escrito com firma reconhecida do outro. Lição 12: Conselho tutelar Conselho tutelar Trata-se de órgão permanente, não jurisdicional, responsável pela proteção da infância e juventude. Não é órgão do poder judiciário. É criado, organizado e mantido pelo Município. Formação? É formado por 5 conselheiros, Escolhidos pelo Povo, Para mandato de 4 anos, com direito a 1 recondução. O conselheiro tutelar tem direitos trabalhistas como: férias remuneradas, 1/3 de férias, licença maternidade/paternidade, bônus de natal etc. Quantidade: deve haver no min. 1 Conselho Tutelar por município, e cada conselho tutelar é composto por: 5 conselheiros. Se a função de conselheiro tutelar for remunerada, exige-se dedicação exclusiva. Condição de elegibilidade Idade mínima: 21 anos. O candidato precisa residir no município. Tem que ter idoneidade moral. Atribuições do conselho tutelar (art. 136) Assessorar o município na elaboração da lei orçamentária.

14 Receber comunicações dos estabelecimentos de ensino, acerca de determinados índices de repetência, faltas injustificadas ou evasão escolar. Requisitar certidão de óbito / nascimento de criança ou adolescente. Aplicar as medidas de proteção do art. 101, I a VI; só não pode aplicar colocação em família substituta, acolhimento institucional e acolhimento familiar. As decisões do conselho tutelar são tomadas pelo voto dos 5 conselheiros, vedada a deliberação em quórum inferior. [1] 3 anos é o prazo do mandato do conselheiro tutelar. Clica aqui e baixe essa apostila ECA

TESES INSTITUCIONAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE INFRACIONAL

TESES INSTITUCIONAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE INFRACIONAL TESES INSTITUCIONAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE INFRACIONAL SÚMULA 01: Não cabe medida socioeducativa de internação por ato infracional de tráfico de entorpecentes, exceto nos casos de reiteração em ato infracional

Leia mais

Conselheira Meliane Higa Cimatti Conselho Tutelar Norte

Conselheira Meliane Higa Cimatti Conselho Tutelar Norte Conselheira Meliane Higa Cimatti Conselho Tutelar Norte O Conselho Tutelar é um instrumento fundamental de defesa dos direitos da criança e do adolescente. Ele existe para corrigir os desvios dos que,

Leia mais

CORREGEDORIA-GERAL DA JUSTIÇA PROVIMENTO Nº 15, DE 11 DE JUNHO DE 2012.

CORREGEDORIA-GERAL DA JUSTIÇA PROVIMENTO Nº 15, DE 11 DE JUNHO DE 2012. PROVIMENTO Nº 15, DE 11 DE JUNHO DE 2012. Disciplina a execução das medidas socioeducativas de liberdade assistida e prestação de serviços à comunidade, bem como as de internação e de semiliberdade nas

Leia mais

INTRODUÇÃO. b) direitos previdenciários e trabalhistas. d) pleno e formal conhecimento do ato infracional

INTRODUÇÃO. b) direitos previdenciários e trabalhistas. d) pleno e formal conhecimento do ato infracional ESTUDOS SOBRE O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE LEITURA COMPLEMENTAR: Constituição Federal: arts. 227 a 229 INTRODUÇÃO I TRATAMENTO CONSTITUCIONAL (art. 227 a 229, CF) - art. 227: absoluta prioridade!!!

Leia mais

DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Aula 1 Sistema Jurídico dos Direitos da Criança e do Adolescente Prof. Diego Vale de Medeiros 1.1 INTRODUÇÃO Especialização da organização judiciária Contextualização

Leia mais

O Conselho Tutelar e o Ministério Público PAOLA DOMINGUES BOTELHO REIS DE NAZARETH PROMOTORA DE JUSTIÇA COORDENADORA CAO-DCA

O Conselho Tutelar e o Ministério Público PAOLA DOMINGUES BOTELHO REIS DE NAZARETH PROMOTORA DE JUSTIÇA COORDENADORA CAO-DCA O Conselho Tutelar e o Ministério Público PAOLA DOMINGUES BOTELHO REIS DE NAZARETH PROMOTORA DE JUSTIÇA COORDENADORA CAO-DCA CONSELHO TUTELAR 1. CONCEITO (art. 131, ECA): órgão permanente e autônomo, não

Leia mais

Prof. Edison Luiz Devos Barlem

Prof. Edison Luiz Devos Barlem Prof. Edison Luiz Devos Barlem O artigo 227 da Constituição Federal de 1988 originou o ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE ( ECA ) e diz: É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança

Leia mais

AULA 04 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; ; LEI DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 04

AULA 04 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; ; LEI DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 04 AULA 04 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 04 CAPÍTULO VII DA FAMÍLIA, DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO

Leia mais

S u m á r i o. Capítulo 1 Conceitos Capítulo 2 Aplicação do ECA Princípio da Proteção Integral da Criança e do Adolescente...

S u m á r i o. Capítulo 1 Conceitos Capítulo 2 Aplicação do ECA Princípio da Proteção Integral da Criança e do Adolescente... S u m á r i o Capítulo 1 Conceitos... 1 1. Nascituro...1 2. Criança...6 3. Adolescente...6 4. Menor Adulto ou Jovem (EC n o 65/2010)...7 5. Adulto...8 Capítulo 2 Aplicação do ECA... 13 Capítulo 3 Princípio

Leia mais

Da Ordem Social: da família, da criança, do adolescente e do idoso.

Da Ordem Social: da família, da criança, do adolescente e do idoso. Da Ordem Social: da família, da criança, do adolescente e do idoso. Cretella Júnior e Cretella Neto Direito Constitucional III Prof. Dr. João Miguel da Luz Rivero jmlrivero@gmail.com Base da ordem social

Leia mais

DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Aula 9 Política de Atendimento Profa. Leila Rocha Sponton 9.1 Política de Atendimento Art. 86. A política de atendimento dos direitos da criança e do adolescente far-se-á

Leia mais

Direito à Saúde da Criança e do Adolescente

Direito à Saúde da Criança e do Adolescente Direito à Saúde da Criança e do Adolescente Constituição Federal de 1988 Art. 227. É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade,

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL SECRETARIA DE ESTADO DE POLÍTICAS PARA CRIANÇAS, ADOLESCENTES E JUVENTUDE DO DISTRITO FEDERAL

CURSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL SECRETARIA DE ESTADO DE POLÍTICAS PARA CRIANÇAS, ADOLESCENTES E JUVENTUDE DO DISTRITO FEDERAL CURSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL SECRETARIA DE ESTADO DE POLÍTICAS PARA CRIANÇAS, ADOLESCENTES E JUVENTUDE DO DISTRITO FEDERAL MÓDULO I: Legislação Aplicada e Ordenamento Interno PLANO DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO:

Leia mais

ART. 245 ART. 246 ART. 247

ART. 245 ART. 246 ART. 247 ART. 245 Sujeito ativo: responsável pela comunicação de maus tratos (ex.: médico, professor, etc.); Sujeito passivo: criança ou adolescente vítima de maus tratos; Tipo objetivo: deixar de comunicar à autoridade

Leia mais

Constituição de 1988

Constituição de 1988 Constituição de 1988 Mas o que é constituição Conjunto de regras e normas estabelecidas pela sociedade para se governar. Ela é a Carta Magna ( Latim:Grande Carta) de uma E nação. Carta Magna = Constituição

Leia mais

Instruções: iv. O penúltimo candidato a terminar seu teste deverá aguardar a que o último termine para sair da sala. Questões:

Instruções: iv. O penúltimo candidato a terminar seu teste deverá aguardar a que o último termine para sair da sala. Questões: Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Timbó - SC Teste de Qualificação para os Candidatos ao Conselho Tutelar Novembro de 2010 Número do Nota Candidato Instruções: i. Marque seu

Leia mais

DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Aula 5 DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR Prof. Diego Vale de Medeiros 5.1 PRINCÍPIOS INCORPORADOS COM A LEI 12010/09 NA APLICAÇÃO DAS MEDIDAS DE PROTEÇÃO Novos Princípios

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE JUÍZO DE DIREITO DA COMARCA DE PARNAMIRIM VARA DE INFÂNCIA E JUVENTUDE E DO IDOSO

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE JUÍZO DE DIREITO DA COMARCA DE PARNAMIRIM VARA DE INFÂNCIA E JUVENTUDE E DO IDOSO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE JUÍZO DE DIREITO DA COMARCA DE PARNAMIRIM VARA DE INFÂNCIA E JUVENTUDE E DO IDOSO PORTARIA Nº 01/2012 Disciplina a participação de crianças e adolescentes

Leia mais

ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Dos crimes praticados contra crianças e adolescentes Arts. 225 a 244-B, ECA. Atenção para os delitos dos arts. 240 a 241 (A, B, C, D e E), bem como 244-B. Est. do Desarmamento

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE PROVA OBJETIVA - CONSELHO TUTELAR CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE PROVA OBJETIVA - CONSELHO TUTELAR CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROVA OBJETIVA - CONSELHO TUTELAR CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 1. Art. 3º do ECA: a criança e adolescente gozam de todos os inerentes à pessoa humana, sem prejuízo da de que trata esta lei (...). Assinale

Leia mais

ECA ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

ECA ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE ECA ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 01. Segundo o eca, Artigo 36, a tutela será deferida, nos termos da lei civil, a pessoa de até: (A) 12 anos incompletos. (B) 14 anos incompletos. (C) 16 anos incompletos.

Leia mais

DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Aula 4 Direitos Fundamentais II, Sistema de Prevenção e Medidas de Proteção Prof. Diego Vale de Medeiros CAPÍTULO V DO DIREITO À PROFISSIONALIZAÇÃO E À PROTEÇÃO NO TRABALHO

Leia mais

Art. 44. O Poder Legislativo é exercido pelo Congresso Nacional, que se. eleitos, pelo sistema proporcional, em cada Estado, em cada Território e no

Art. 44. O Poder Legislativo é exercido pelo Congresso Nacional, que se. eleitos, pelo sistema proporcional, em cada Estado, em cada Território e no Art. 44. O Poder Legislativo é exercido pelo Congresso Nacional, que se compõe da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. Parágrafo único. Cada legislatura terá a duração de quatro anos. Art. 45. A Câmara

Leia mais

CONTROLE DE CONTEÚDO POLÍCIA MILITAR GOIÁS CADETE

CONTROLE DE CONTEÚDO POLÍCIA MILITAR GOIÁS CADETE CONTROLE DE CONTEÚDO POLÍCIA MILITAR GOIÁS CADETE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO AULA LEITURA LEITURA QUESTÕES REVISÃO 1 Linguagem: como instrumento de ação e interação presente em todas as atividades

Leia mais

Renata Tibyriçá Defensora Pública do Estado

Renata Tibyriçá Defensora Pública do Estado Renata Tibyriçá Defensora Pública do Estado Defensoria Pública é instituição prevista na Constituição Federal (art. 134), presta assistência jurídica gratuita à população necessitada (geralmente são atendidas

Leia mais

comunitária, além de colocá-los a salvo de todas as formas de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão.

comunitária, além de colocá-los a salvo de todas as formas de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. SISTEMA DE GARANTIA DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Art. 227 - É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida,

Leia mais

Introdução ao Direito de Família Casamento e União Estável Formalidades Preliminares. Habilitação para o Casamento

Introdução ao Direito de Família Casamento e União Estável Formalidades Preliminares. Habilitação para o Casamento Sumário 1 Introdução ao Direito de Família 1.1 Compreensão 1.2 Lineamentos Históricos 1.3 Família Moderna. Novos Fenômenos Sociais 1.4 Natureza Jurídica da Família 1.5 Direito de família 1.5.1 Características

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação 2007/1 ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO ELEITORAL E PARTIDÁRIO Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito

Leia mais

VIOLÊNCIA SEXUAL E TIPOS PENAIS QUADRO-RESUMO ABUSO SEXUAL NO CÓDIGO PENAL - CP

VIOLÊNCIA SEXUAL E TIPOS PENAIS QUADRO-RESUMO ABUSO SEXUAL NO CÓDIGO PENAL - CP VIOLÊNCIA SEXUAL E TIPOS PENAIS QUADRO-RESUMO Artigo Tipo Penal Descrição ABUSO SEXUAL NO CÓDIGO PENAL - CP 213 Estupro Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou

Leia mais

ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Guilherme Freire de Melo Barros Graduado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ; Pós-graduado em Direito Processual Civil pelo Instituto Romeu Bacellar; LLM em Contratos Internacionais e Resolução

Leia mais

4. AÇÃO CIVIL EX DELICTO 4.1 Questões

4. AÇÃO CIVIL EX DELICTO 4.1 Questões SUMÁRIO 1. APLICAÇÃO DO DIREITO PROCESSUAL PENAL 1.1 A lei processual no espaço 1.2 A lei processual no tempo (irretroatividade) 1.3 A lei processual em relação às pessoas 1.3.1 Imunidades 1.3.2 Imunidade

Leia mais

LIVRAMENTO CONDICIONAL

LIVRAMENTO CONDICIONAL LIVRAMENTO CONDICIONAL Arts. 83 a 90 do CP e 131 e s. da LEP. Consagrado no CP de 1890, mas com efetiva aplicação pelo Decreto 16.665 de 1924. É mais uma tentativa de diminuir os efeitos negativos da prisão.

Leia mais

Anexo II do Provimento 3/ CÍVEL SENTENÇA DE JULGAMENTO COM RESOLUÇÃO DE MÉRITO (CÍVEL) :

Anexo II do Provimento 3/ CÍVEL SENTENÇA DE JULGAMENTO COM RESOLUÇÃO DE MÉRITO (CÍVEL) : ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO CORREGEDORIA-GERAL DE JUSTIÇA CENTRO ADMINISTRATIVO GOVERNADOR VIRGÍLIO TÁVORA Av. Gal. Afonso Albuquerque de Lima s/n.º - Cambeba Fortaleza Ceará CEP 60.830-120 DDD (0**85)

Leia mais

RESPONSABILIDADE PENAL DOS MENORES NA ORDEM NACIONAL E INTERNACIONAL

RESPONSABILIDADE PENAL DOS MENORES NA ORDEM NACIONAL E INTERNACIONAL RESPONSABILIDADE PENAL DOS MENORES NA ORDEM NACIONAL E INTERNACIONAL O XVII Congresso Internacional de Direito Penal, reunido em Beijing, de 12 a 19 de setembro de 2004. Considerando que os menores requerem

Leia mais

IX CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CMDCA CAMPINAS II ENCONTRO ESTADUAL DE GESTORES MUNICIPAIS DE CONVÊNIO

IX CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CMDCA CAMPINAS II ENCONTRO ESTADUAL DE GESTORES MUNICIPAIS DE CONVÊNIO II ENCONTRO ESTADUAL DE GESTORES MUNICIPAIS DE CONVÊNIO FUNDO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE FIA O Estatuto da Criança e Adolescente - ECA estabelece a Política de Atendimento a Criança e Adolescente:

Leia mais

Marco Civil e a Proteção de Dados Brasília, 10 de novembro de 2016

Marco Civil e a Proteção de Dados Brasília, 10 de novembro de 2016 Marco Civil e a Proteção de Dados Brasília, 10 de novembro de 2016 Carlos Bruno Ferreira da Silva Procurador da República Secretário de Cooperação Internacional Adjunto da PGR Coordenador do GT de Tecnologia

Leia mais

Criança ou adolescente com indícios de. exploração sexual. Se é flagrante

Criança ou adolescente com indícios de. exploração sexual. Se é flagrante s nas rodovias estaduais e O cidadão ou profissional que deixar de prestar assistência à criança ou ao em situação de exploração sexual, quando possível fazê-lo sem risco pessoal, responderá pelo crime

Leia mais

Modificações no Estatuto das Famílias

Modificações no Estatuto das Famílias Modificações no Estatuto das Famílias Projeto de Lei 2.285/2007, apensado ao PL 675/2007 PROJETO ORIGINAL deputado Sérgio Barradas (PT-BA) Art. 91 Constituindo os pais nova entidade familiar os direitos

Leia mais

Estado de Mato Grosso MINISTÉRIO PÚBLICO 2ª Promotoria de Justiça Cível de Alta Floresta/MT

Estado de Mato Grosso MINISTÉRIO PÚBLICO 2ª Promotoria de Justiça Cível de Alta Floresta/MT ASSUNTO: RECOMENDAÇÃO MINISTERIAL ACERCA DO USO DE APARELHOS ELETRÔNICOS EM SALA DE AULA NOTIFICAÇÃO RECOMENDATÓRIA Nº. 03/2014 O DO ESTADO DE MATO GROSSO, por intermédio da Promotora de Justiça titular

Leia mais

Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências.

Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. Resolução nº 121, de 5 de outubro de 2010 Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

ESTATUTO DA CRIANÇA E ADOLECENTE PROF. GUILHERME MADEIRA DATA 30.07.2009 AULA 01 e 02

ESTATUTO DA CRIANÇA E ADOLECENTE PROF. GUILHERME MADEIRA DATA 30.07.2009 AULA 01 e 02 TEMAS TRATADOS EM SALA ECA ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE PARTE CIVIL 1) Objeto art. 2º do ECA: a) Criança = 12 anos incompletos. b) Adolescente = 12 e 18 anos. Atenção: Pode o ECA ser aplicado à

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º

PROJETO DE LEI N.º Processo n.º 541-4/2008 PROJETO DE LEI N.º 10.139 Art. 1º - Fica criado o Programa Família Acolhedora, sob a coordenação da Secretaria Municipal de Integração Social, destinado ao acolhimento provisório

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça HABEAS CORPUS Nº 50.582 - SP (2005/0199175-2) RELATOR IMPETRANTE IMPETRADO PACIENTE : MINISTRO PAULO MEDINA : FLÁVIO AMÉRICO FRASSETO - PROCURADORIA DA ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA : TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

5 Celebração e Prova do Casamento, Ritos matrimoniais, Cerimônia do casamento, Suspensão da cerimônia, 85

5 Celebração e Prova do Casamento, Ritos matrimoniais, Cerimônia do casamento, Suspensão da cerimônia, 85 Sumário Nota do Autor à lfi edição, xiii 1 Introdução ao Direito de Família, 1 1.1 Compreensão, 1 1.2 Lineamentos históricos, 2 1.3 Família moderna. Novos fenômenos sociais, 5 1.4 Natureza jurídica da

Leia mais

Estatuto da Criança e do Adolescente

Estatuto da Criança e do Adolescente Estatuto da Criança e do Adolescente Material Teórico Atos Infracionais e Medidas Socioeducativas Responsável pelo Conteúdo: Profa. Ms. Reinaldo Zychan de Moraes Revisão Textual: Profa. Esp. Márcia Ota

Leia mais

Secretaria de Políticas Para Crianças Adolescentes e Juventude do Distrito Federal

Secretaria de Políticas Para Crianças Adolescentes e Juventude do Distrito Federal Secretaria de Políticas Para Crianças Adolescentes e Juventude do Distrito Federal Criada pelo Decreto nº 32.716 de 01 de janeiro de 2011 CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 227. É dever da família, da sociedade

Leia mais

ELEIÇÕES DO CONSELHO TUTELAR DE MARACANAÚ-CE

ELEIÇÕES DO CONSELHO TUTELAR DE MARACANAÚ-CE :: QUESTÃO 01 :: Para efeitos do Estatuto da Criança e do Adolescente, considera-se criança a pessoa com: :: QUESTÃO 05 :: O direito à liberdade da criança e do adolescente não compreende o seguinte aspecto:

Leia mais

Nacionalidade Alemã I. CONDIÇÕES PARA OBTENÇÃO

Nacionalidade Alemã I. CONDIÇÕES PARA OBTENÇÃO A Embaixada e os Consulados Gerais da República Federal da Alemanha no Brasil 1 informam: Gz.: RK 10 512 (Porto Alegre) Em: 28.08.2007 Nacionalidade Alemã I. CONDIÇÕES PARA OBTENÇÃO 1. Nascimento 1.1 ser

Leia mais

SUPREMO TRIBUNALDE JUSTIÇA LEI N.º 10/91

SUPREMO TRIBUNALDE JUSTIÇA LEI N.º 10/91 LEI N.º 10/91 A Assembleia Nacional no uso das atribuições que lhe são conferidas ao abrigo da alínea d) do artigo 87º. Da Constituição, aprova a seguinte Lei: ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO

Leia mais

INQUÉRITO POLICIAL - V TERMO CIRCUNSTANCIADO - ARQUIVAMENTO

INQUÉRITO POLICIAL - V TERMO CIRCUNSTANCIADO - ARQUIVAMENTO INQUÉRITO POLICIAL - V TERMO CIRCUNSTANCIADO - ARQUIVAMENTO TERMO CIRCUNSTANCIADO TERMO CIRCUNSTANCIADO -Substitui o inquérito policial, é utilizado para crimes de menor potencial ofensivo (pena máxima

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 4.255, DE 2008 VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA RITA CAMATA

PROJETO DE LEI Nº 4.255, DE 2008 VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA RITA CAMATA PROJETO DE LEI Nº 4.255, DE 2008 Dispõe sobre a dedução de imposto de renda aos contribuintes que procederem à adoção de menores. Autor: Deputado VICENTINHO ALVES Relator: Deputado ANDRÉ ZACHAROW VOTO

Leia mais

Código de Processo Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social

Código de Processo Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Código de Processo Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Artigo 86. o Publicidade do processo e segredo de justiça 1. O processo penal é, sob pena de nulidade, público a partir

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ESQUEMATIZADO: ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ESQUEMATIZADO: ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ESQUEMATIZADO: ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA DE ACORDO COM O EDITAL N 1, DE 24 DE NOVEMBRO DE 201, DO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO, TRE-SP CONHECIMENTOS BÁSICOS

Leia mais

LEGISLAÇÃO INSTITUCIONAL 2013

LEGISLAÇÃO INSTITUCIONAL 2013 LEGISLAÇÃO INSTITUCIONAL 2013 21. A função estabelecida constitucionalmente à Defensoria Pública consiste em (a) defender a ordem jurídica, o regime democrático e os interesses sociais e individuais indisponíveis.

Leia mais

CF/88 - CONSTITUIÇÃO FEDERAL DO BRASIL DE 1988

CF/88 - CONSTITUIÇÃO FEDERAL DO BRASIL DE 1988 CF/88 - CONSTITUIÇÃO FEDERAL DO BRASIL DE 1988 01. A Constituição Federal, no Artigo 211 e parágrafos 1., 2., 3. e 4., estabelece a organização e competências da União, Estados, Distrito Federal e Municípios

Leia mais

Para você conhecer melhor seus direitos, trago, nesta edição, informações sobre o que se pode fazer com que idade.

Para você conhecer melhor seus direitos, trago, nesta edição, informações sobre o que se pode fazer com que idade. ANTONIO BULHÕES Deputado Federal PRB/SP Brasília Maio/2008 Prezados amigos, Para você conhecer melhor seus direitos, trago, nesta edição, informações sobre o que se pode fazer com que idade. É muito importante

Leia mais

ECA NA ESCOLA ANEXO 1 TEXTO DE APOIO

ECA NA ESCOLA ANEXO 1 TEXTO DE APOIO ECA NA ESCOLA ANEXO 1 TEXTO DE APOIO ECA NA ESCOLA AGENTES EDUCACIONAIS I E II Constatamos em nosso cotidiano enormes preocupações com as violências que ocorrem em vários espaços de convivência social,

Leia mais

NOTA TÉCNICA N o 19/2017

NOTA TÉCNICA N o 19/2017 NOTA TÉCNICA N o 19/2017 Brasília, 18 de abril de 2017. ÁREA: Assistência Social TÍTULO: Recursos para os Fundos Municipais da Infância e Adolescência (FIA) REFERÊNCIAS: Lei Federal 4.320, de 17 de março

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE ESTAGIÁRIOS DE PÓS-GRADUAÇÃO PARA A DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARANÁ EDITAL Nº 086/2016

PROCESSO SELETIVO DE ESTAGIÁRIOS DE PÓS-GRADUAÇÃO PARA A DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARANÁ EDITAL Nº 086/2016 PROCESSO SELETIVO DE ESTAGIÁRIOS DE PÓS-GRADUAÇÃO PARA A DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARANÁ EDITAL Nº 086/2016 A DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARANÁ, no exercício de suas atribuições legais, torna

Leia mais

CONTROLE DE CONTEÚDO POLÍCIA MILITAR GOIÁS SOLDADO DE 3ª CLASSE

CONTROLE DE CONTEÚDO POLÍCIA MILITAR GOIÁS SOLDADO DE 3ª CLASSE CONTROLE DE CONTEÚDO POLÍCIA MILITAR GOIÁS SOLDADO DE 3ª CLASSE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO AULA LEITURA LEITURA QUESTÕES REVISÃO 1 Linguagem: como instrumento de ação e interação presente

Leia mais

Atenção! As declarações deverão ser impressas em frente e verso.

Atenção! As declarações deverão ser impressas em frente e verso. Abaixo listamos os modelos de declarações que serão impressas e preenchidas somente na ausência de alguma documentação comprobatória. Por favor, solicitamos que imprima apenas a declaração necessária.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 67, DE 16 DE MARÇO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº 67, DE 16 DE MARÇO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº 67, DE 16 DE MARÇO DE 2011. Dispõe sobre a uniformização das fiscalizações em unidades para cumprimento de medidas socioeducativas de internação e de semiliberdade pelos membros do Ministério

Leia mais

Sumário DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO AMBIENTAL Fernando Baltar Ronny Charles. Romeu Thomé

Sumário DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO AMBIENTAL Fernando Baltar Ronny Charles. Romeu Thomé Sumário DIREITO ADMINISTRATIVO... 17 Fernando Baltar Ronny Charles 1. Direito Administrativo e o Regime Jurídico-Administrativo... 17 2. Organização da Administração Pública... 22 3. Entes de cooperação

Leia mais

DIREITO DA INFÂNCIA, DA JUVENTUDE E DO IDOSO

DIREITO DA INFÂNCIA, DA JUVENTUDE E DO IDOSO DIREITO DA INFÂNCIA, DA JUVENTUDE E DO IDOSO O Estatuto da Criança e do Adolescente é taxativo nas nomenclaturas, tornando necessária cautela nas categorias aplicáveis. Para a lei, é criança aquele que

Leia mais

Prova Objetiva para Conselheiro

Prova Objetiva para Conselheiro Resolução 004 de 30 de março de 2015 Concurso 2015 Prova Objetiva para Conselheiro Organização 1 Questão 01: Para o Estatuto da Criança e do Adolescente considera-se: (A) criança pessoa até dez anos de

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO IV DAS FUNÇÕES ESSENCIAIS À JUSTIÇA Seção I Do Ministério Público Art. 127. O Ministério Público é instituição

Leia mais

QUESTÃO 1 ASPECTOS MACROESTRUTURAIS QUESITOS AVALIADOS

QUESTÃO 1 ASPECTOS MACROESTRUTURAIS QUESITOS AVALIADOS QUESTÃO 2. Foro competente (ECA, art. 209) 0.75 2.2 Legitimidade para a propositura da ação civil pública (ECA, art. 20) 0.75 2.3 Cabimento da ação mandamental / objetivo da ação (ECA, art. 22) 0.75 QUESTÃO

Leia mais

EDITAL CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE ESCOLHA DOS MEMBROS CONSELHO TUTELAR

EDITAL CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE ESCOLHA DOS MEMBROS CONSELHO TUTELAR EDITAL 001-2015 CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE ESCOLHA DOS MEMBROS CONSELHO TUTELAR Instruções ao Candidato Além deste caderno, você deverá ter recebido o cartão destinado

Leia mais

Ministério Público DO ESTADO DE MATO GROSSO 1ª Promotoria de Justiça Cível da Comarca de Barra do Bugres

Ministério Público DO ESTADO DE MATO GROSSO 1ª Promotoria de Justiça Cível da Comarca de Barra do Bugres SIMP nº. 000954-033/2016 NOTIFICAÇÃO RECOMENDATÓRIA nº 002/2016 O Promotor de Justiça, oficiante na Comarca de Barra do Bugres/MT, no uso de suas atribuições legais e constitucionais, na defesa do patrimônio

Leia mais

Ponto 12 do plano de ensino

Ponto 12 do plano de ensino Ponto 12 do plano de ensino Livramento condicional: conceito e natureza jurídica, requisitos (objetivos e subjetivos), concessão, condições, revogação obrigatória e revogação facultativa, prorrogação,

Leia mais

SEGURANÇA PÚBLICA: TERCEIRIZAÇÃO E IGUALDADE. ADILSON ABREU DALLARI Prof. Titular da PUC/SP

SEGURANÇA PÚBLICA: TERCEIRIZAÇÃO E IGUALDADE. ADILSON ABREU DALLARI Prof. Titular da PUC/SP SEGURANÇA PÚBLICA: TERCEIRIZAÇÃO E IGUALDADE ADILSON ABREU DALLARI Prof. Titular da PUC/SP I Introdução Estado de Direito: contenção do poder e garantia de direitos vida humana e segurança urbanização,

Leia mais

Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21

Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21 Sumário Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21 Capítulo I LIÇÕES PRELIMINARES... 23 1. Introdução... 23 2. Proteção

Leia mais

PORTARIA CONJUNTA Nº 008/2008 CRMB Diário da J ustiça de 14/10/2008

PORTARIA CONJUNTA Nº 008/2008 CRMB Diário da J ustiça de 14/10/2008 PORTARIA CONJUNTA Nº 008/2008 CRMB Diário da J ustiça de 14/10/2008 DISCIPLINA O PROCEDIMENTO DE INSCRIÇÃO DE PRETENDENTES A GUARDIÕES, EVITANDO A INSTITUCIONALIZAÇÃO EM ABRIGOS E GARANTIDO ÀS CRIANÇAS

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE ESTAGIÁRIOS DE DIREITO PARA A DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO EDITAL Nº 003/2016

PROCESSO SELETIVO DE ESTAGIÁRIOS DE DIREITO PARA A DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO EDITAL Nº 003/2016 PROCESSO SELETIVO DE ESTAGIÁRIOS DE DIREITO PARA A DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO EDITAL Nº 003/2016 O DEFENSOR PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ, no exercício de suas atribuições legais, promove a abertura de

Leia mais

Delegado Polícia Federal Direito Internacional Nacionalidade Paulo Portela

Delegado Polícia Federal Direito Internacional Nacionalidade Paulo Portela Delegado Polícia Federal Direito Internacional Nacionalidade Paulo Portela Nacionalidade Ponto 3.3. População; nacionalidade; tratados multilaterais; estatuto da igualdade. Professor: Paulo Henrique Gonçalves

Leia mais

LFG MAPS. INQUÉRITO POLICIAL 08 questões. qualquer diligência, que será realizada, ou não, a juízo da autoridade.

LFG MAPS. INQUÉRITO POLICIAL 08 questões. qualquer diligência, que será realizada, ou não, a juízo da autoridade. NOÇÕES DE DIREITO PENAL Nível de importância Tema QTDE de Questões Porcentagem (%) 1 Inquérito Policial 8 32% 2 Prisões 7 28% 3 Provas 6 24% 4 Ação Penal 2 8% 5 Habeas Corpus 2 8% TOTAL 25 100% INQUÉRITO

Leia mais

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL. SINDICÂNCIA e PROCESSO DISCIPLINAR MAURINO BURINI ASSESSOR JURÍDICO E ADVOGADO

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL. SINDICÂNCIA e PROCESSO DISCIPLINAR MAURINO BURINI ASSESSOR JURÍDICO E ADVOGADO TOMADA DE CONTAS ESPECIAL SINDICÂNCIA e PROCESSO DISCIPLINAR MAURINO BURINI ASSESSOR JURÍDICO E ADVOGADO TOMADA DE CONTAS ESPECIAL Instrução Normativa N.TC-13/2012 Definição e Objetivo A tomada de contas

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Processo Penal II Código

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA DO ENFRENTAMENTO À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PARA FINS COMERCIAIS.

CARTA DE BRASÍLIA DO ENFRENTAMENTO À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PARA FINS COMERCIAIS. CARTA DE BRASÍLIA DO ENFRENTAMENTO À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PARA FINS COMERCIAIS. A. PREÂMBULO I CONSIDERANDO que o Brasil é signatário da Declaração dos Direitos da Criança, adotada

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 6 17/11/2010 16:05 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.015, DE 7 DE AGOSTO DE 2009. Mensagem de veto Altera o Título VI da Parte Especial do Decreto-Lei

Leia mais

Ministério Público do Estado de Mato Grosso 1ª Promotoria de Justiça Cível de Barra do Bugres-MT

Ministério Público do Estado de Mato Grosso 1ª Promotoria de Justiça Cível de Barra do Bugres-MT NOTIFICAÇÃO RECOMENDATÓRIA nº 003/2015 Considerando o teor de fls. 17/19, o Sr. José Damião é o locador do imóvel em questão, e o Sr. José Limeira da Silva Filho é o locatário, o Promotor de Justiça, oficiante

Leia mais

SUMÁRIO DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO CONSTITUCIONAL

SUMÁRIO DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO CONSTITUCIONAL SUMÁRIO DIREITO ADMINISTRATIVO 1. Administração pública e terceiro setor... 15 2. Administração direta e indireta... 31 3. Regulação, concessões e parcerias... 53 4. Intervenção do estado na propriedade...

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE DIREITO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE DIREITO 1 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE DIREITO Capítulo I: Da Natureza e dos objetivos: Artigo 1º - O presente regulamento disciplina o aproveitamento de 360 horas do Estágio Supervisionado

Leia mais

PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO E COMBATE AO TRABALHO INFANTIL. Araucária 2016

PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO E COMBATE AO TRABALHO INFANTIL. Araucária 2016 PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO E COMBATE AO TRABALHO INFANTIL. Araucária 2016 Soeli do Rocio Nunes Lechinhoski Pedagoga do Departamento de Ensino Fundamental da Secretaria Municipal de Educação (2013-2016) Secretaria

Leia mais

CONSIDERANDO os princípios referendados na Declaração Universal dos Direitos Humanos;

CONSIDERANDO os princípios referendados na Declaração Universal dos Direitos Humanos; RESOLUÇÃO Nº 066-CONSELHO SUPERIOR, de 14 de fevereiro de 2012. REGULAMENTA A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RORAIMA IFRR. O PRESIDENTE DO

Leia mais

LEGALIDADE EM MATÉRIA PENAL TRIBUNAL DO JÚRI PUNIÇÃO DAS DISCRIMINAÇÕES RETROATIVIDADE DA LEI PENAL BENIGNA RESPONSABILIDADE PESSOAL

LEGALIDADE EM MATÉRIA PENAL TRIBUNAL DO JÚRI PUNIÇÃO DAS DISCRIMINAÇÕES RETROATIVIDADE DA LEI PENAL BENIGNA RESPONSABILIDADE PESSOAL TRIBUNAL DO JÚRI É reconhecida a instituição do júri, com a organização que lhe der a lei, assegurados (VIII): a) a plenitude de defesa; b) o sigilo das votações; c) a soberania dos veredictos; d) a competência

Leia mais

TABELA "F" - EXTRAJUDICIAL DOS TABELIÃES

TABELA F - EXTRAJUDICIAL DOS TABELIÃES ANEXO DA RESOLUÇÃO Nº 19/2015 SECRETARIA DE CONTAS JUDICIAIS E DE APOIO AOS JUIZADOS ESPECIAIS SUBSECRETARIA DE CONTROLE GERAL DE CUSTAS E DE DEPÓSITOS JUDICIAIS REGIMENTO DE CUSTAS / DECRETO-LEI Nº 115/67

Leia mais

PORTARIA No- 204, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2016

PORTARIA No- 204, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PORTARIA No- 204, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2016 Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território

Leia mais

1. Sobre as medidas cautelares pessoais no processo penal, é correto afirmar que:

1. Sobre as medidas cautelares pessoais no processo penal, é correto afirmar que: P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO PROCESSUAL PENAL 1. Sobre as medidas cautelares pessoais no processo penal, é correto afirmar que: I - De acordo com o Código de Processo Penal, as

Leia mais

PLANOS DECENAIS DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES: FORTALECENDO OS CONSELHOS DE DIREITOS

PLANOS DECENAIS DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES: FORTALECENDO OS CONSELHOS DE DIREITOS X CONFERÊNCIA DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PLANOS DECENAIS DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES: FORTALECENDO OS CONSELHOS DE DIREITOS Objetivos do encontro Esclarecer sobre

Leia mais

TJ - SP Exercício Processo Penal Exercício I Emerson Castelo Branco Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

TJ - SP Exercício Processo Penal Exercício I Emerson Castelo Branco Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. TJ - SP Exercício Processo Penal Exercício I Emerson Castelo Branco 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1-Normatiza o art. 274 do Código de Processo Penal: as

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES/MATRÍCULA PARA DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES DE PRÁTICA JURÍDICA E MONITORIA JUNTO AO NPJ-FACEAR.

EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES/MATRÍCULA PARA DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES DE PRÁTICA JURÍDICA E MONITORIA JUNTO AO NPJ-FACEAR. EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES/MATRÍCULA PARA DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES DE PRÁTICA JURÍDICA E MONITORIA JUNTO AO NPJ-FACEAR. EDITAL N. 03/2016 2º SEMESTRE/2016 O Coordenador do Núcleo de Prática

Leia mais

SUMÁRIO. Direito do Trabalho Direito Processual Civil Direito Processual do Trabalho

SUMÁRIO. Direito do Trabalho Direito Processual Civil Direito Processual do Trabalho SUMÁRIO Direito do Trabalho... 05 Direito Processual Civil... 139 Direito Processual do Trabalho... 195 DIREITO DO TRABALHO ÍNDICE CAPÍTULO 01... 7 Fontes e Princípios de Direito do Trabalho... 7 Surgimento

Leia mais

Escola de Ciências Jurídicas-ECJ

Escola de Ciências Jurídicas-ECJ Posição legal Momento processual Necessidade, finalidade, objeto e limites Natureza jurídica Liquidação na pendência de recurso Liquidação concomitante com execução Modalidades Liquidação de sentença Sumário

Leia mais

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Penal e Processual Penal Professor: Maurício Lopes

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Penal e Processual Penal Professor: Maurício Lopes PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Penal e Processual Penal Professor: Maurício Lopes DIREITO PENAL 1 - Quem pode ser o sujeito ativo dos crimes comuns, próprios e de mão própria? Esclareça qual deles não admite

Leia mais

Lei n.º 113/2009, de 17/9 1

Lei n.º 113/2009, de 17/9 1 (Não dispensa a consulta do Diário da República) Lei n.º 113/2009, de 17/9 1 Estabelece medidas de proteção de menores, em cumprimento do artigo 5.º da Convenção do Conselho da Europa contra a Exploração

Leia mais

]âü áw ûé x T ûé cxçtä MARQUE CERTO ( C ) OU ERRADO ( E ) PARA AS QUESTÕES DE JURISDIÇÃO E AÇÃO PENAL

]âü áw ûé x T ûé cxçtä MARQUE CERTO ( C ) OU ERRADO ( E ) PARA AS QUESTÕES DE JURISDIÇÃO E AÇÃO PENAL MARQUE CERTO ( C ) OU ERRADO ( E ) PARA AS QUESTÕES DE JURISDIÇÃO E AÇÃO PENAL 1 - (CESPE/Agente Penitenciário/1998) Embora a função jurisdicional seja função precípua do Poder Judiciário, não pode o juiz,

Leia mais

DIREITO PENAL IV TÍTULO VI - CAPÍTULO II DOS CRIMES SEXUAIS CONTRA O VULNERÁVEL. Prof. Hélio Ramos

DIREITO PENAL IV TÍTULO VI - CAPÍTULO II DOS CRIMES SEXUAIS CONTRA O VULNERÁVEL. Prof. Hélio Ramos DIREITO PENAL IV TÍTULO VI - CAPÍTULO II DOS CRIMES SEXUAIS CONTRA O VULNERÁVEL Prof. Hélio Ramos DOS CRIMES SEXUAIS CONTRA VULNERÁVEL Sedução - Art. 217: REVOGADO lei 11.106/2005. Estupro de vulnerável

Leia mais

REQUERIMENTO PRESTAÇÕES POR ENCARGOS FAMILIARES ABONO DE FAMÍLIA PRÉ-NATAL E ABONO DE FAMÍLIA PARA CRIANÇAS E JOVENS

REQUERIMENTO PRESTAÇÕES POR ENCARGOS FAMILIARES ABONO DE FAMÍLIA PRÉ-NATAL E ABONO DE FAMÍLIA PARA CRIANÇAS E JOVENS REQUERIMENTO PRESTAÇÕES POR ENCARGOS FAMILIARES ABONO DE FAMÍLIA PRÉ-NATAL E ABONO DE FAMÍLIA PARA CRIANÇAS E JOVENS INFORMAÇÕES E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO O requerimento deve ser preenchido manualmente.

Leia mais

LEI Nº , DE 7 DE AGOSTO DE 2009

LEI Nº , DE 7 DE AGOSTO DE 2009 LEI Nº 12.015, DE 7 DE AGOSTO DE 2009 Altera o Título VI da Parte Especial do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal, e o art. 1º da Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, que dispõe

Leia mais