Circuitos Elétricos I EEL420

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Circuitos Elétricos I EEL420"

Transcrição

1 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Conteúdo 5 - Capacitores e Indutores Capacitores Capacitor linear e invariante com o tempo Modelo Thévenin e Norton Capacitor linear variável com o tempo Capacitor não linear Energia acumulada no capacitor Associação de capacitores Associação série Associação paralela Redistribuição de cargas Indutores Indutor linear e invariante Modelo de Thévenin e Norton Indutor variável com o tempo Indutor não linear Histerese Energia armazenada no indutor Associação de indutores Associação série Associação paralela...19

2 Redistribuição de fluxo Componentes reais Lei dos nós e das malhas para equacionar circuitos RLC Considerações sobre condições iniciais Exercícios...25 Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 2

3 5 Capacitores e Indutores Capacitores e indutores são elementos passivos, como os resistores, porém ao invés de dissipar energia estes elementos são capazes de absorver e fornecer energia. Isto ocorre porque a energia absorvida fica armazenada na forma de campo elétrico ou magnético. Capacitores e indutores podem ser lineares ou não lineares, variantes ou invariantes e também podem ser associados como as resistências. A eles também se estendem todos os conceitos de análise considerados anteriormente. 5.1 Capacitores Capacitores são elementos capazes de armazenar energia sob a forma de campo elétrico. O símbolo do capacitor pode ser visto na figura abaixo. Alguns capacitores, por motivos meramente construtivos, podem ser polarizados e, nestes casos, utiliza-se um símbolo ligeiramente diferente onde uma das barras aparece curva ou na forma de um retângulo que pode estar pintado. Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 1

4 Os capacitores são formados por duas superfícies condutoras separadas por um isolante de tal forma que não há contato elétrico entre os dois terminais do capacitor. Estas superfícies, entretanto ficam muito próximas uma da outra de forma que cargas elétricas que se deslocam para uma das superfícies repelem cargas da outra superfície permitindo a circulação de corrente. Observe que a resistência entre os dois terminais do capacitor é infinita porém há circulação de corrente e ela respeita a lei das correntes de Kirchhoff, mesmo assim há uma diferença líquida de cargas entre os dois terminais do capacitor de forma que surge sobre seus terminais uma diferença de tensão que permanece no capacitor depois que ele é desconectado do circuito. Esta característica definida pela razão entre cargas no capacitor e tensão sobre seus terminais chama-se capacitância: C= q t, onde C é a capacitância (Farad F) v t 5.2 Capacitor linear e invariante com o tempo Um capacitor linear e invariante no tempo é definido como q t =c v t de tal forma que dq t =C dv t e i=c dv, (uma relação linear) ou v= 1 t C i t ' ' v 0, (uma relação linear apenas se v 0 =0 ) 0 Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 2

5 Observa-se que a equação de v só pode ser obtida se for conhecido o valor de v 0, ou seja, a condição inicial da integral e do capacitor. Por esta razão todas as equações que envolvam capacitor só podem ser resolvidas se, tanto o valor de C como de v 0 forem conhecidos (mesmo que se utilize a equação com diferencial, como veremos mais a frente). Além disto para que os circuitos envolvendo capacitores sejam lineares é necessário que v 0 seja nulo ou seja as condições iniciais sejam nulas. Esta situação é chamada de estado zero. Se v 0 não for nulo podemos representar o capacitor não linear por um modelo que emprega um capacitor descarregado em série com uma fonte de tensão conforme indicado na figura abaixo. Observe que esta associação (capacitor-fonte) é um equivalente ao capacitor carregado. Adicionalmente observa-se que a corrente no capacitor depende de uma derivada ao passo que a tensão depende de uma integral. Isto significa que a corrente no capacitor pode variar instantaneamente. Já a tensão sobre o capacitor só pode variar instantaneamente se i(t) for infinita como uma função impulso. Alguns autores utilizam o termo inércia de tensão para indicar que a tensão no capacitor não pode variar instantaneamente. Destas observações decorre que, em circuitos de corrente contínua (CC) e chaveados (com ondas de tensão ou corrente pulsadas), o capacitor irá se comportar como um curto circuito para transições rápidas (como degraus e impulsos) e como circuito aberto para corrente contínua. Entre o chaveamento e o estabelecimento de uma corrente contínua constante há um período transitório onde o capacitor se carrega e não pode ser considerado como nenhuma das duas situações acima. Exemplo: No circuito abaixo a chave ch1 feche em t=0. Calcular a corrente e a tensão no capacitor para t=0 + e t=. Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 3

6 t=0 +, (capacitor é um curto circuito) v C1 =0V i C1 = v1 R1 =10A t=, (capacitor é um circuito aberto) i C1 =0A v C1 = v1 R1 R2 R2=7,5V Modelo Thévenin e Norton Conforme apresentado na secção anterior um modelo para capacitor carregado é obtido pela associação série de um capacitor descarregado com uma fonte de tensão formando um equivalente Thévenin. Naturalmente este modelo Thévenin pode ser transformado em um modelo Norton equivalente como apresentado na figura abaixo Para o equivalente Thévenin Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 4

7 v= 1 C i vs i=c d v vs =C dv C dvs Para o equivalente Norton v= 1 C i is = 1 C i 1 C is i=c dv is Desta forma, para que as equações de v e i sejam iguais nos dois modelos temos que vs t = 1 t C is t ' e 0 is t =C dvs 5.3 Capacitor linear variável com o tempo Se um capacitor é linear então sua característica a qualquer instante de tempo é uma reta que passa pela origem. Se este capacitor, por outro lado, é variante, então a inclinação desta reta varia com o tempo. Conseqüentemente a carga no instante de tempo t pode ser expressa em termos da tensão neste instante por uma equação da forma q t =C t v t e derivá-la para se obter uma relação mais útil à análise de circuitos i t = dq. Esta derivada deve ser realizada pela regra da cadeia tal que Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 5

8 i t =C t dv v t dc Assim sendo um capacitor variante com o tempo pode resultar em um equacionamento ainda mais complicado que para os resistores variantes. Exemplo: Seja um capacitor C t =C 0 C 1 cos 3 t alimentado por uma fonte de tensão v t =A cos t, calcular a corrente que circula pelo capacitor. i t =C t dv v t dc i t =[C 0 C 1 cos 3 t ] [ A sen t ] [ C 1 sen 3 t 3 ] [ A cos t ] 5.4 Capacitor não linear Capacitores não lineares têm sua carga como uma função não linear da tensão. Alguns exemplos práticos de capacitores não lineares encontram-se nas junções semicondutoras de diodos e transistores. Nestes elementos dois semicondutores são unidos formando uma barreira de potencial e uma capacitância parasita (não desejada) Cj. Algumas componentes, entretanto, tentam aumentar esta capacitância, como é o caso do diodo de sintonia ou varactor. Este diodo apresenta capacitância de junção, polarizada reversamente como sendo aproximadamente C j0 C j = 2 V 1 Transistores e alguns tipos de sensores também apresentam capacitâncias não lineares cujas funções costumam ser bastante complexas. Para facilitar o trabalho de análise e projeto muitas vezes estas funções são linearizadas em torno de um ponto de operação do elemento. Este procedimento pressupõe um capacitor operando com tensão v 1, correspondente a uma carga q 1, e mais uma pequena variação em torno deste ponto de polarização. Isto corresponde a uma variação de tensão de ±v 2 tal que a carga varie de ± q conforme mostrado na figura Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 6

9 abaixo. Esta situação é muito comum em circuitos que misturam tensões de polarização com pequenas tensões de sinais externos e que devem ser processados. Então q q 1 dq v v dv 2 v1 i t = dq i t = dq v dv 2 dv v1 i t =C v 1 dv 2, ou seja o capacitor pode ser considerado linear para pequenos sinais. O procedimento apresentado aqui pode ser utilizado para qualquer outro elemento não linear. Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 7

10 5.5 Energia acumulada no capacitor A energia pode ser obtida pela integral da potência ao longo do tempo. Num capacitor a energia não é dissipada mas sim armazenada na forma de campo elétrico. Assim sendo a energia armazenada em um capacitor é igual a energia fornecida a ele por uma fonte. t w t 0, t = v t ' i t ' ' t 0 q t w t 0, t = v q 1 dq 1 (área entre o eixo q e a curva) q t 0 q t w t = v q 1 dq 1. 0 Para um capacitor linear invariante q t w t = q 1 C dq 1 0 w t = 1 2 q2 t C Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 8

11 w t = 1 2 C v2 Um capacitor passivo é aquele que apresenta energia armazenada maior ou igual a zero. Assim um capacitor linear invariante é passivo se sua capacitância é não negativa e ativo se sua capacitância é negativa. 5.6 Associação de capacitores Capacitores ligados em série ou paralelo podem ser substituídos por um capacitor equivalente tal que a relação entre v e i nos terminais da associação seja igual a relação entre v e i no equivalente Associação série Pela LTK e LCK v=v C1 v C2 v= 1 C 1 i t 1 C 2 i t v= 1 C 1 1 C 2 i t v= 1 C EQ i t onde 1 C EQ = 1 1 C 1 C 2. Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 9

12 Genericamente 1 = C EQ 1 C n Associação paralela Utilizando a LTK e a LCK i=i C1 i C2 i=c 1 dv C dv 2 i= C 1 C 2 dv i=c EQ dv onde C EQ = C 1 C 2 Genericamente C EQ = C n Redistribuição de cargas Suponha que dois capacitores C 1 e C 2 de 1F carregados com 10 e 5V respectivamente sejam conectados em paralelo. Qual a tensão resultante sobre o capacitor equivalente? Este é um problema interessante que merece ser analisado em separado. Neste caso, não é possível utilizar a conservação da energia antes e depois da ligação para prever a tensão final sobre os capacitores! Isto ocorre porque uma corrente impulsiva recarrega os capacitores e esta função apresenta todas as freqüências. Sendo assim, as leis de Kirchhoff não Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 10

13 se aplicam pois o circuito deixa de ser um circuito a parâmetros concentrados. Apesar disto, a conservação de carga ocorre e é possível utilizá-la para resolver o problema. Q TOT =Q 1 Q 2 Q TOT =C 1 V 1 C 2 V 2 Q TOT =C EQ V FINAL C EQ =C 1 C 2 (capacitores em paralelo) V FINAL = C 1 V 1 C 2 V 2 C 1 C 2 Calcule a carga total armazenada no problema acima. Confira se as tensões nos dois capacitores ficou igual após a redistribuição de cargas. Calcule a energia total antes e depois da redistribuição. Para onde foi o resto da energia? Resolva este problema equacionando as tensões e a corrente que circula pelos capacitores antes e depois da redistribuição de cargas (você deve encontrar o mesmo resultado apresentado aqui pois as leis de Kirchhoff se baseiam na conservação de cargas). 5.7 Indutores Indutores são elementos armazenadores de energia na forma de campo magnético. O símbolo do indutor é apresentado na figura abaixo. Algumas vezes o símbolo do indutor apresenta alguma marcação como um circulo próximo a um de seus terminais ou vem acompanhado de outro indutor. Estes símbolos pertencem a indutores acoplados que serão estudados separadamente em outros capítulos. Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 11

14 O indutor é formado por um fio enrolado de tal forma a concentrar o campo magnético produzido quando o condutor é percorrido por corrente elétrica. O resultado é que a corrente que percorre o indutor torna-se dependente do fluxo magnético gerado. A característica de indutância é dada pela razão entre fluxo magnético e corrente L= t i t onde é fluxo magnético (weber W) e L é indutância (Henry H). 5.8 Indutor linear e invariante O indutor linear e invariante apresenta a seguinte característica t =L i t. Pela lei da indução de Faraday temos que Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 12

15 v t = d. Esta lei, associada aos sentidos estabelecidos para corrente e tensão estão em acordo com a lei de Lenz que estabelece que a força eletromotriz induzida por uma variação de fluxo tem polaridade tal que se opõe à causa desta variação. Supondo que a corrente aumente, a derivada do fluxo e a tensão sobre o indutor também aumentarão. Neste caso a polaridade da tensão é tal que tende a impedir novos aumentos da corrente. Utilizando as duas relações acima é possível determinar uma forma mais útil para caracterizar o indutor em termos de tensão e corrente em seus terminais. di t v t =L (uma relação linear) ou i t = 1 t L v t ' ' i 0 (uma relação linear apenas se i 0 =0 ) 0 Assim como ocorre com o capacitor o indutor também só pode ser perfeitamente caracterizado se conhecermos sua indutância L e a condição inicial i 0, ou seja, a corrente que circulava por ele antes da análise começar. O indutor também só pode ser considerado linear se a sua condição inicial for nula e caso não seja, pode ser modelado por um indutor descarregado em paralelo com uma fonte de corrente, como mostrado na figura abaixo. Observa-se que a corrente no indutor é obtida por uma integral e que a tensão é obtida por uma derivada. Isto significa que a tensão no indutor pode mudar instantaneamente ao passo que a corrente só pode mudar instantaneamente se a tensão sobre o indutor assumir Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 13

16 valores infinitos (função impulso). Alguns autores denominam este efeito de inércia de corrente. Também resulta, desta observação, que em circuitos de corrente contínua ou pulsados o indutor se comporta como um circuito aberto para transições rápidas (degraus e impulsos) e como um curto circuito para corrente contínua (quando não há mais variações de tensão ou corrente). Entre o chaveamento e o estabelecimento de uma corrente contínua constante há um período transitório onde o indutor se carrega e não pode ser considerado como nenhuma das situações acima. Exemplo: Calcular as tensões e correntes no indutor para t=0 + e t=. Para t=0 + v L1 =v1=10v i L1 =0A Para t= v L1 =0V i L1 = v1 R1 =10A Modelo de Thévenin e Norton O modelo que representa o indutor carregado, apresentado acima, é semelhante ao modelo de Norton o que significa que ele também poderia ser representado por um modelo Thévenin equivalente. Os dois modelos estão apresentados na figura abaixo Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 14

17 Para que ambos os modelos sejam equivalentes é necessário que vs t =L dis t e is t = 1 t L vs t ' ' Indutor variável com o tempo O indutor linear variante com o tempo tem como característica uma reta passando pela origem mas sua inclinação muda a cada instante de tempo. O fluxo é expresso em função da corrente t =L i t e como v t = d v t =L t di i t dl 5.10 Indutor não linear Muitos indutores físicos têm característica não linear. Somente para uma faixa de valores de corrente em torno da origem o indutor é linear, para correntes de valor mais elevado o fluxo satura (apresenta pouca variação para uma mesma variação de corrente). Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 15

18 Para o caso típico do indutor com fluxo =tanh i excitado por uma corrente i t = A cos t a tensão sobre o indutor pode ser obtido como segue. Como t =tanh [ A cos t ] e v t = d então v t = d di di assim v t = d [tanh i ] d [ A cos t ] 1 v t = [ A sen t ] cosh 2 [ A cos t ] Histerese Indutores costumam ser construídos com núcleos ferromagnéticos que saturam. Nestes casos é comum o aparecimento de uma característica chamada de histerese apresentada no gráfico da figura abaixo. Quando a corrente aumenta o fluxo aumenta por uma curva 1 porém quando a corrente diminui o fluxo diminui por uma curva 2 diferente da primeira. Este comportamento é ilustrado na figura abaixo. Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 16

19 5.11 Energia armazenada no indutor A energia pode ser obtida pela integral da potência ao longo do tempo. O indutor, da mesma forma que o capacitor é capaz de armazenar energia ao invés de dissipá-la. Esta energia fica armazenada no campo magnético criado entorno do indutor. Assim sendo a energia armazenada em um indutor é igual a energia fornecida a ele por uma fonte. t w t 0, t = v t ' i t ' ' t 0 t w t 0, t = i 1 d 1 (área entre o eixo e a curva) t 0 t w t = i 1 d 1 0 A área entre as duas curvas 1 e 2 no gráfico da histerese representa perda de energia gasta para magnetizar o indutor. Quando maior a curva de histerese maior as perdas no indutor. Para um indutor linear e invariante Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 17

20 t w t = 1 0 L d 1 w t = t L w t = 1 2 L i2 t Um indutor passivo é aquele que apresenta energia armazenada maior ou igual a zero. Assim um indutor linear invariante é passivo se sua indutância é não negativa e ativo se sua indutância é negativa Associação de indutores Indutores ligados em série ou em paralelo também podem ser substituídos por um indutor equivalente do ponto de vista da tensão e da corrente nos terminais da associação Associação série Usando a LTK e LCK v=v L1 v L2 v L =L 1 di L di 2 v= L 1 L 2 di Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 18

21 v= L EQ di onde L EQ =L 1 L 2. Genericamente L EQ = L n Associação paralela Usando a LCK e a LTK i=i L1 i L2 i= 1 L 1 v t 1 L 2 v t i= 1 L 1 1 L 2 v t i= 1 L EQ v t onde 1 L EQ = 1 L 1 1 L 2 Genericamente 1 = L EQ 1 L n Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 19

22 Redistribuição de fluxo De forma semelhante ao que ocorre com os capacitores, se dois indutores com condições iniciais diferentes forem conectados em série haverá uma redistribuição instantânea de fluxo magnético entre eles de modo que a corrente resultante seja a mesma para ambos os indutores. Esta situação está ilustrada abaixo e, da mesma forma que para a redistribuição de cargas nos capacitores, não pode ser calculada pela conservação da energia no sistema. TOT = 1 2 TOT = L 1 I 1 L 2 I 2 TOT = L EQ I FINAL L EQ =L 1 L 2 I FINAL = L 1 I 1 L 2 I 2 L 1 L Componentes reais Os resistores, capacitores e indutores, conforme apresentados neste texto não existem. Aqui descrevemos modelos ideais de elementos reais. Na prática todos os condutores apresentam resistência não nula e todos os isolantes apresentam resistência não infinita. Além disto todo caminho elétrico apresenta indutância, entre espiras de um indutor existe capacitância e alguns resistores são construídos a partir de elementos enrolados. Desta forma todo elemento, seja ele um resistor, um capacitor ou um indutor pode ser modelado por um conjunto de elementos que incluem resistências, capacitâncias e indutâncias. Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 20

23 Outros parâmetros importantes são a temperatura e a faixa de operação. A temperatura costuma afetar todos os elementos, passivos e ativos sejam eles descritos aqui ou não. A faixa de operação dos elementos (valores nominais de tensão, corrente, potência, temperatura,...) também define se estão operando em condições normais e próximos da linearidade. A potência máxima de operação e uma informação importante para definir o tamanho de resistores reais e a tensão de operação de capacitores limita o uso destes elementos. Para finalizar vale a pena salientar que na prática os valores de resistores variam desde alguns Ohms até alguns mega Ohms, sendo os mais comuns aqueles no centro desta faixa (centenas até dezenas de kilo Ohms). A faixa de valores para capacitores variam de alguns pico Farads até alguns milhares de micro Farads sendo os valores mais comuns os de alguns nano Farads. Para indutor é comum encontrar valores na faixa de alguns micro Henrys até alguns Henrys sendo que os valores mais comuns situam-se na faixa de alguns mili Henrys Lei dos nós e das malhas para equacionar circuitos RLC As leis de Kirchhoff são válidas para circuitos com capacitores, indutores e resistores que incluam fontes dependentes ou não. Por esta razão as sistematizações apresentadas para a LCK e LTK também são válidas. No circuito abaixo iremos equacionar as tensões nós com objetivo de obter uma equação para determinar a tensão sobre R2. para o nó A (na fonte de corrente) t ' C dv A v A 1 R 1 L v A v B I 0 = I1 0 Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 21

24 para o nó B (no resistor R 2 ) t ' 1 L v B v A I 0 v B =0 R 0 2 a condição inicial do problema é v A 0 =V 0 Com estas equações já temos o sistema de equações diferenciais que resolvem o problema. Se a solução particular é a tensão sobre o resistor R 2 então podemos obter esta equação somando as duas equações C dv A v A R 1 v B R 2 =I1 e a tensão v A pode ser obtida derivando a segunda equação duas vezes 1 L v B 1 L v A 1 R 2 dv B =0 assim v A =v B L R 2 dv B dv A = dv B L R 2 d 2 v B 2 substituindo v A temos L C d 2 v B R 2 C L 2 R 1 dv B 1 R 2 1 R v B=R 2 I1 as condições iniciais são v A 0 =V 0 =R 2 I 0 e Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 22

25 dv B 0 = R 2 L [v A 0 v B 0 ]= R 2 L [V 0 R 2 I 0 ] O método de análise de malhas também pode ser utilizado. Neste caso a fonte de corrente em paralela com um resistor pode ser substituída pelo seu equivalente Thevenin. para a primeira malha R 1 i 1 V 0 1 t C i 1 i 2 ' =V1 0 para a segunda malha L di L2 R i V 1 t C i 2 i 1 '=0 0 a condição inicial do problema é i 2 0 =I 0 As equações acima garantem o sistema capaz de resolver o problema. Se estivermos interessados em uma resposta particular como a tensão sobre R 2 então podemos manipular as equações para obter a resposta desejada. Para isso podemos somar as duas equações acima R 1 i 1 L di 2 R 2 i 2 =V1 i 1 = L R 1 di 2 R 2 R 1 i 2 V1 R 1 Derivando a segunda equação obtemos Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 23

26 L d 2 i 2 2 R 2 di 2 i 2 C i 1 C =0 e substituindo i 1 L C d 2 i 2 R 2 C L 2 R 1 di 2 1 R 2 1 R i 2= V1 R 1 i 2 0 =I 0 di 2 0 = 1 L V 0 R 2 I 0 L C d 2 v 2 2 R 2 C L R 1 dv 2 1 R 2 R 1 v 2= R 2 I1 v 2 0 =R 2 I 0 dv 2 0 = R 2 L V R I Considerações sobre condições iniciais No exemplo resolvido pelos métodos das tensões de nós e correntes de malha as condições iniciais do capacitor e do indutor foram consideradas constantes, como na maioria dos livros de circuitos. Este procedimento utiliza as equações básicas do capacitor e do indutor conforme foram apresentadas no início deste capítulo. O mesmo problema poderia ter sido resolvido substituindo o capacitor e o indutor carregado pelos respectivos circuitos equivalentes. Neste caso a corrente I 0 e a tensão V 0 apareceriam multiplicados pela função degrau e ao serem derivadas se tornariam funções impulsivas. Como conseqüência apenas o lado direito da equação ficaria diferente, contendo uma função impulsiva a mais. Normalmente, em circuitos, estuda-se redes de primeira e segunda ordem com excitação polinomial (impulso ou degrau), exponencial ou senoidal cuja solução é obtida pelo método dos coeficientes a determinar para t>0. Nestes casos não há necessidade de considerar I 0 e V 0 multiplicando a função degrau. Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 24

27 5.16 Exercícios 1) Os circuitos das figuras abaixo estão operando em regime permanente, quando em t=0s, a chave S1 fecha ou troca de posição. Determinar as correntes e tensões nos capacitores e indutores para os instantes imediatamente antes e depois do fechamento da chave e para tempo infinito: i L (0 ), i L (0 + ), i L ( ), i C (0 ), i C (0 + ), i C ( ), v C (0 ), v C (0 + ), v C ( ), v L (0 ), v L (0 + ), v L ( ), di L (0 )/, di L (0 + )/, dv C (0 )/, dv C (0 + )/. a) Considere I S1 t uma fonte constante e independente. b) Considere I 1 t uma fonte constante e independente. c) Considere V 1 t uma fonte constante e independente. d) V 1 t é uma fonte constante e independente. Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 25

28 e) V 1 t é uma fonte constante e independente f) Considere que V 1 t é uma fonte constante e independente e que as chaves S1 e S2 trocam de posição simultaneamente: v L (0 + ) (atenção com as correntes impulsivas e a redistribuição de cargas nos capacitores) v C (t). 2) Determine i L1 ( ), i L1 (0 + ), v C ( ), v C (0 + ). Escreva as equações diferenciais para i L1 (t) e 3) Para o circuito abaixo determine v C (0 ), v C (0 + ), i C (0 ), i C (0 + ), v C ( ), i C ( ). Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 26

29 4) Supondo v 1 (t) e i 1 (t) fontes independentes e iguais a um degrau unitário de tensão e corrente respectivamente, determine a tensão sobre a fonte i 1 (t) e as expressões para v L2 (t) e iv(t). ideal. 5) Escreva a equação diferencial de vo(t). Considere que o amplificador operacional é 6) Escreva a equação diferencial para a determinação de v2(t) em função de v1(t). Considere que o amplificador operacional é ideal. Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 27

30 7) Na figura abaixo o circuito se apresenta em regime permanente (todas as tensões e correntes são constantes) quando, em t=0 a chave S1 troca de posição. Calcule i L1 (0 ), i L1 (0 + ), i C1 (0 ), i C1 (0 + ), i L1 ( ), i C1 ( ), v C1 (0 ), v C1 (0 + ), v C1 ( ), v L1 (0 ), v L1 (0 + ), v L1 ( ), di L1 (0 )/, di L1 (0 + )/, dv C1 (0 )/, dv C1 (0 + )/. Determine a equação diferencial para obtenção de vc(t). 8) Para t=0 o circuito abaixo esta em regime permanente. Determinar as correntes e tensões nos capacitores e indutores para t=0, t=0 + impulsivas ( d t = t ). e t=. As fontes V2 e V3 são Circuitos Elétricos I EEL420 UFRJ 28

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I - EEL420. Módulo 5

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I - EEL420. Módulo 5 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I - EEL420 Módulo 5 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 5 Capacitores e Indutores...1 5.1 Capacitores...1 5.2 Capacitor linear e

Leia mais

Circuitos Elétricos I EEL420

Circuitos Elétricos I EEL420 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Conteúdo 2 - Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 - Resistores lineares e invariantes...1 2.1.1 - Curto circuito...2

Leia mais

Programa de engenharia biomédica

Programa de engenharia biomédica Programa de engenharia biomédica princípios de instrumentação biomédica COB 781 Conteúdo 2 - Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 - Resistores lineares e invariantes...1 2.1.1 - Curto

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 5. Heaviside Dirac Newton

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 5. Heaviside Dirac Newton Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 5 Heaviside Dirac Newton Conteúdo 5 - Circuitos de primeira ordem...1 5.1 - Circuito linear invariante de primeira ordem

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica COB781. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica COB781. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica COB781 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 - Elementos básicos de circuito e suas associações...1

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL 420. Módulo 11

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL 420. Módulo 11 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL 420 Módulo Laplace Bode Fourier Conteúdo - Transformada de Laplace.... - Propriedades básicas da transformada de Laplace....2 - Tabela de

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL 420. Módulo 11

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL 420. Módulo 11 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL 420 Módulo Laplace Bode Fourier Conteúdo - Transformada de Laplace.... - Propriedades básicas da transformada de Laplace....2 - Tabela de

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL 420. Módulo 6

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL 420. Módulo 6 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL 420 Módulo 6 Heaviside Dirac Newton Conteúdo 6 Circuitos de primeira ordem...1 6.1 Equação diferencial ordinária de primeira ordem...1 6.1.1

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL 420. Módulo 10

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL 420. Módulo 10 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL 40 Módulo 10 Drawing of Michael Faraday's 1831 experiment showing electromagnetic induction between coils of wire, using 19th century apparatus,

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I - EEL420. Módulo 7

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I - EEL420. Módulo 7 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I - EEL420 Módulo 7 Musschenbroek Green Gauss Edison Tesla Lorentz Conteúdo 7 - Circuitos de Segunda Ordem...1 7.1 - Circuito RLC linear e invariante

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL 420. Módulo 9

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL 420. Módulo 9 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL 420 Módulo 9 Steinmetz Tesla Hertz Westinghouse Conteúdo 9 - Análise de Regime Permanente Senoidal...1 9.1 - Números complexos...1 9.2 -

Leia mais

Programa de engenharia biomédica. Princípios de instrumentação biomédica cob 781

Programa de engenharia biomédica. Princípios de instrumentação biomédica cob 781 Programa de engenharia biomédica Princípios de instrumentação biomédica cob 781 5 Circuitos de primeira ordem 5.1 Circuito linear invariante de primeira ordem resposta a excitação zero 5.1.1 O circuito

Leia mais

Eletricidade II. Aula 1. Resolução de circuitos série de corrente contínua

Eletricidade II. Aula 1. Resolução de circuitos série de corrente contínua Eletricidade II Aula 1 Resolução de circuitos série de corrente contínua Livro ELETRICIDADE II Avaliações Provas - 100 pontos lesp-ifmg.webnode.com 2 Conexão de um circuito série Um circuito série contém

Leia mais

Estudo do Indutor em Corrente Contínua

Estudo do Indutor em Corrente Contínua Unidade 5 Estudo do Indutor em Corrente Contínua Nesta unidade, você estudará os conceitos, características e comportamento do componente eletrônico chamado indutor. Objetivos da Unidade Enumerar as principais

Leia mais

Disciplina de Circuitos Elétricos I

Disciplina de Circuitos Elétricos I Disciplina de Circuitos Elétricos I Baldo Luque Universidade Federal do Acre - UFAC bluque@gmail.com Outubro 2017 Baldo Luque (UFAC) 2 semestre de 2017 Outubro 2017 1 / 37 Plano de Aula 1 Conceitos Básicos:

Leia mais

Tópico 01: Estudo de circuitos em CC com Capacitor e Indutor Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo

Tópico 01: Estudo de circuitos em CC com Capacitor e Indutor Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo Disciplina Eletrotécnica Tópico 01: Estudo de circuitos em CC com Capacitor e Indutor Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo Capacitor São dispositivos cuja finalidade é armazenar cargas elétricas em suas

Leia mais

CIRCUITOS CONCENTRADOS E LEIS DE KIRCCHOFF

CIRCUITOS CONCENTRADOS E LEIS DE KIRCCHOFF UNIDADE 1 1. Circuitos Concentrados CIRCUITOS CONCENTRADOS E LEIS DE KIRCCHOFF É qualquer ligação de elemento concentrado, de tal forma que as dimensões sejam pequenas comparadas com o comprimento de onda

Leia mais

Eletricidade Aplicada. Aulas Teóricas Prof. Jorge Andrés Cormane Angarita

Eletricidade Aplicada. Aulas Teóricas Prof. Jorge Andrés Cormane Angarita Eletricidade Aplicada Aulas Teóricas Prof. Jorge Andrés Cormane Angarita Conceitos Básicos Eletricidade Aplicada Função Na engenharia é usual que um fenômeno físico seja representado matematicamente através

Leia mais

Aula 17. Capacitor Introdução

Aula 17. Capacitor Introdução Aula 17 Capacitor Introdução Conceito Resistores: Elemento linear passivo que exclusivamente dissipa energia Capacitor Capacitores e indutores: Elementos lineares passivos que armazenam energia que posteriormente

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 6

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 6 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 6 Steinmetz Tesla Hertz Westinghouse Conteúdo 6 - Análise de Regime Permanente Senoidal...1 6.1 - Números complexos...1

Leia mais

PSI.3031 LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELETRICOS INTRODUÇÃO TEÓRICA EXPERIÊNCIA 10: REDES DE SEGUNDA ORDEM

PSI.3031 LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELETRICOS INTRODUÇÃO TEÓRICA EXPERIÊNCIA 10: REDES DE SEGUNDA ORDEM ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos PSI - EPUSP PSI.3031 LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELETRICOS INTRODUÇÃO TEÓRICA Edição 2017 E.Galeazzo / L.Yoshioka

Leia mais

Elementos de circuito Circuito é a interligação de vários elementos. Estes, por sua vez, são os blocos básicos de qualquer sistema

Elementos de circuito Circuito é a interligação de vários elementos. Estes, por sua vez, são os blocos básicos de qualquer sistema Elementos de circuito Circuito é a interligação de vários elementos. Estes, por sua vez, são os blocos básicos de qualquer sistema Um elemento pode ser ativo (capaz de gerar energia), passivo (apenas dissipam

Leia mais

BC 1519 Circuitos Elétricos e Fotônica

BC 1519 Circuitos Elétricos e Fotônica BC 1519 Circuitos Elétricos e Fotônica Capacitor / Circuito RC Indutor / Circuito RL 2015.1 1 Capacitância Capacitor: bipolo passivo que armazena energia em seu campo elétrico Propriedade: Capacitância

Leia mais

Fundamentos de Eletrônica

Fundamentos de Eletrônica 6872 - Fundamentos de Eletrônica Lei de Ohm Última Aula Elvio J. Leonardo Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Associação de Resistores Análise

Leia mais

Física 3. Fórmulas e Exercícios P3

Física 3. Fórmulas e Exercícios P3 Física 3 Fórmulas e Exercícios P3 Fórmulas úteis para a P3 A prova de física 3 traz consigo um formulário contendo várias das fórmulas importantes para a resolução da prova. Aqui eu reproduzo algumas que

Leia mais

Fundamentos de Eletrônica

Fundamentos de Eletrônica 6872 - Fundamentos de Eletrônica Elvio J. Leonardo Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação 2014 Última Aula Lei de Ohm Associação de Resistores

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE TENSÃO E CORRENTE ALTERNADAS NOS ELEMENTOS PASSIVOS DE CIRCUITOS

RELAÇÕES ENTRE TENSÃO E CORRENTE ALTERNADAS NOS ELEMENTOS PASSIVOS DE CIRCUITOS RELAÇÕES ENTRE TENSÃO E CORRENTE ALTERNADAS NOS ELEMENTOS PASSIVOS DE CIRCUITOS Sabemos, do estudo da física, que uma relação entre causa e efeito não ocorre sem um oposição, ou seja, a relação entre causa

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica COB781. Módulo 3

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica COB781. Módulo 3 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica COB781 Módulo 3 Conteúdo 3 - Teoremas e análise sistemática de redes...1 3.1 - Revisão de definições...1 3.2 - Teoremas de

Leia mais

Circuitos Elétricos I

Circuitos Elétricos I Universidade Federal do ABC Eng. De Instrumentação, Automação e Robótica Circuitos Elétricos I Capacitores e Indutores Redes de Primeira Ordem Circuitos RC e RL Prof. José Azcue; Dr. Eng. 1 Capacitor O

Leia mais

PROBLEMAS PROPOSTOS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS I. Universidade de Mogi das Cruzes - Engenharia Elétrica. Professor José Roberto Marques

PROBLEMAS PROPOSTOS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS I. Universidade de Mogi das Cruzes - Engenharia Elétrica. Professor José Roberto Marques PROBLEMAS PROPOSTOS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS I Universidade de Mogi das Cruzes - Engenharia Elétrica Professor José Roberto Marques 1-a Um agricultor precisa levar energia elétrica da estrada vicinal na

Leia mais

Indução Magnética. E=N d Φ dt

Indução Magnética. E=N d Φ dt Indução Magnética Se uma bobina de N espiras é colocada em uma região onde o fluxo magnético está variando, existirá uma tensão elétrica induzida na bobina, e que pode ser calculada com o auxílio da Lei

Leia mais

Circuitos Magneticamente Acoplados. Prof. André E. Lazzaretti

Circuitos Magneticamente Acoplados. Prof. André E. Lazzaretti Circuitos Magneticamente Acoplados Prof. André E. Lazzaretti lazzaretti@utfpr.edu.br Ementa Função de excitação senoidal Conceitos de fasor Análise de circuitos em CA Potência em circuitos CA Circuitos

Leia mais

Teoria de Eletricidade Aplicada

Teoria de Eletricidade Aplicada 1/46 Teoria de Eletricidade Aplicada Conceitos Básicos Prof. Jorge Cormane Engenharia de Energia 2/46 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Sistemas 3. Circuitos Elétricos 4. Componentes Ativos 5. Componentes Passivos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório AULA 05 SEGUNDA PARTE OSCILOSCÓPIO 1 INTRODUÇÃO Nas aulas anteriores de laboratório

Leia mais

2 - Circuitos Basicos

2 - Circuitos Basicos 2 - Circuitos Basicos Carlos Marcelo Pedroso 18 de março de 2010 1 Introdução A matéria é constituída por átomos, que por sua vez são compostos por 3 partículas fundamentais. Estas partículas são os prótons,

Leia mais

Indutância / Circuitos RL. Indutância Mútua

Indutância / Circuitos RL. Indutância Mútua 11/7/17 Eletricidade e Magnetismo ME ndutância / Circuitos R Oliveira Ed. Basilio Jafet sala crislpo@if.usp.br ndutância Mútua Anteriormente consideramos a interação magnética entre dois fios que conduziam

Leia mais

ENG ANÁLISE DE CIRCUITOS I ENG04030

ENG ANÁLISE DE CIRCUITOS I ENG04030 ENG43 ANÁISE DE CIRCUITOS I Aulas 21 Circuitos de 1ª 1 ordem: análise no domínio do tempo Circuitos de 1ª 1 ordem (R e RC, resposta natural (comportamento livre de circuitos R e RC Sérgio Haffner Comportamento

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos PSI - EPUSP

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos PSI - EPUSP ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos PSI - EPUSP PSI.31 LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELETRICOS INTRODUÇÃO TEÓRICA Edição 018 EXPERIÊNCIA 10: REDES

Leia mais

Capacitância C = Q / V [F]

Capacitância C = Q / V [F] Capacitância Na figura abaixo, como exemplo, tem-se duas placas paralelas, feitas de um material condutor e separadas por um espaço vazio. Essas placas estão ligadas a uma fonte de tensão contínua através

Leia mais

Capacitores e Indutores Associação e Regime Permanente DC. Raffael Costa de Figueiredo Pinto

Capacitores e Indutores Associação e Regime Permanente DC. Raffael Costa de Figueiredo Pinto Capacitores e Indutores Associação e Regime Permanente DC Raffael Costa de Figueiredo Pinto Fundamentals of Electric Circuits Chapter 6 Copyright The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for

Leia mais

Eletricidade Aula 09. Resistência, Indutância e Capacitância em Circuitos de Corrente Alternada

Eletricidade Aula 09. Resistência, Indutância e Capacitância em Circuitos de Corrente Alternada Eletricidade Aula 09 Resistência, Indutância e Capacitância em Circuitos de Corrente Alternada Tensão e corrente nos circuitos resistivos Em circuitos de corrente alternada em que só há resistores, como

Leia mais

Experimento 5 Circuitos RLC com onda quadrada

Experimento 5 Circuitos RLC com onda quadrada Experimento 5 Circuitos RLC com onda quadrada 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar a variação de voltagem nas placas de um capacitor, em função do tempo, num circuito RLC alimentado com onda quadrada.

Leia mais

Cap. 6 Conversores DC-DC

Cap. 6 Conversores DC-DC Cap. 6 Conversores DC-DC CONVERSORES DC-DC Regulador Linear de Tensão Conversores Chaveados Conversor Buck (abaixador) Conversor Boost (elevador) Conversor Buck-Boost Conversores Cuk Outros REGULADOR LINEAR

Leia mais

Avisos. Entrega do Trabalho: 8/3/13 - sexta. P2: 11/3/13 - segunda

Avisos. Entrega do Trabalho: 8/3/13 - sexta. P2: 11/3/13 - segunda Avisos Entrega do Trabalho: 8/3/13 - sexta P2: 11/3/13 - segunda Lista de Apoio: disponível no site até sexta feira não é para entregar é para estudar!!! Resumo de Gerador CA Símbolo Elétrico: Vef = ***

Leia mais

Experimento 4 Indutores e circuitos RL com onda quadrada

Experimento 4 Indutores e circuitos RL com onda quadrada Experimento 4 Indutores e circuitos RL com onda quadrada 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento de indutores associados a resistores em circuitos alimentados com onda quadrada. 2.

Leia mais

No caso do circuito magnético visto na figura ao lado. Se NI = 40 NA el=o,2m.

No caso do circuito magnético visto na figura ao lado. Se NI = 40 NA el=o,2m. No caso do circuito magnético visto na figura ao lado. Se NI = 40 NA el=o,2m. N espiras Comprimento médio l= 0,2 m Variação de µ com a força magnetizante A densidade de fluxo e a força magnetizante estão

Leia mais

Universidade Federal de São João del-rei. Material Teórico de Suporte para as Práticas

Universidade Federal de São João del-rei. Material Teórico de Suporte para as Práticas Universidade Federal de São João del-rei Material Teórico de Suporte para as Práticas 1 Amplificador Operacional Um Amplificador Operacional, ou Amp Op, é um amplificador diferencial de ganho muito alto,

Leia mais

Revisão de conceitos. Aula 2. Introdução à eletrónica médica João Fermeiro

Revisão de conceitos. Aula 2. Introdução à eletrónica médica João Fermeiro Revisão de conceitos Aula 2 Introdução à eletrónica médica João Fermeiro Objetivos Rever as grandezas elétricas e elementos de circuito passivos. Considerações sobre resistência/indutância/capacitância

Leia mais

Experimento 5 Circuitos RLC com onda quadrada

Experimento 5 Circuitos RLC com onda quadrada Experimento 5 Circuitos RLC com onda quadrada 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar a variação de voltagem nas placas de um capacitor, em função do tempo, num circuito RLC alimentado com onda quadrada.

Leia mais

Circuitos Elétricos I EEL420

Circuitos Elétricos I EEL420 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Conteúdo 3 - Teoremas e análise sistemática de redes...1 3.1 - Revisão de definições...1 3.2 - Teoremas de rede e transformações de fontes...1

Leia mais

Circuitos elétricos. Prof. Fábio de Oliveira Borges

Circuitos elétricos. Prof. Fábio de Oliveira Borges Circuitos elétricos Prof. Fábio de Oliveira Borges Curso de Física II Instituto de Física, Universidade Federal Fluminense Niterói, Rio de Janeiro, Brasil https://cursos.if.uff.br/!fisica2-0117/doku.php

Leia mais

Análise de Circuitos Acoplados Com a finalidade de mostrar os sentidos dos enrolamentos e seus efeitos sobre as tensões de inductância mútua: L M

Análise de Circuitos Acoplados Com a finalidade de mostrar os sentidos dos enrolamentos e seus efeitos sobre as tensões de inductância mútua: L M Análise de Circuitos Acoplados Com a finalidade de mostrar os sentidos dos enrolamentos e seus efeitos sobre as tensões de inductância mútua: a) L M = L ( + ) e e L M d = L + L d = L + L = L = L M M d

Leia mais

Respostas Finais Lista 6. Corrente Elétrica e Circuitos de Corrente Contínua ( DC )

Respostas Finais Lista 6. Corrente Elétrica e Circuitos de Corrente Contínua ( DC ) Respostas Finais Lista 6 Corrente Elétrica e Circuitos de Corrente Contínua ( DC ) Q 26.3) Essa diferença esta mais associada à energia entregue à corrente de um circuito por algum tipo de bateria e à

Leia mais

Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta

Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta 1 Sumário Capacitor Indutor 2 Capacitor Componente passivo de circuito. Consiste de duas superfícies condutoras separadas por um material não condutor

Leia mais

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II Módulo V CIRCUITOS ACOPLADOS MAGNETICAMENTE INTRODUÇÃO AOS TRANSFORMADORES UFBA Curso de Engenharia Elétrica Prof. Eugênio Correia Teixeira Campo Magnético Linhas de fluxo

Leia mais

Eletricidade (EL63A) CAPACITORES E INDUTORES

Eletricidade (EL63A) CAPACITORES E INDUTORES Eletricidade (EL63A) CAPACITORES E INDUTORES Prof. Luis C. Vieira vieira@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/vieira/el63a-eletricidade INTRODUÇÃO Capacitores e Indutores: Elementos Passivos

Leia mais

Resistores e CA. sen =. logo

Resistores e CA. sen =. logo Resistores e CA Quando aplicamos uma voltagem CA em um resistor, como mostrado na figura, uma corrente irá fluir através do resistor. Certo, mas quanta corrente irá atravessar o resistor. Pode a Lei de

Leia mais

Tutorial: Componentes passivos.

Tutorial: Componentes passivos. Tutorial: Componentes passivos. Autor: Samuel Cerqueira Pinto T-16 Data: 24/02/2013 Componentes Passivos Componentes passivos são os componentes eletrônicos que não possuem a capacidade de amplificar um

Leia mais

Chaveamento dos Dispositivos Semicondutores de Potência

Chaveamento dos Dispositivos Semicondutores de Potência Chaveamento dos Dispositivos Semicondutores de Potência Chaves Ideais Na análise de sistemas com semicondutores de potência ocorrem frequentemente casos nos quais considera-se os dispositivos de chaveamento

Leia mais

Experimento 4 Indutores e circuitos RL com onda quadrada

Experimento 4 Indutores e circuitos RL com onda quadrada 1. OBJETIVO Experimento 4 Indutores e circuitos RL com onda quadrada O objetivo desta aula é estudar o comportamento de indutores associados a resistores em circuitos alimentados com onda quadrada. 2.

Leia mais

Circuitos RLC alimentados com onda quadrada

Circuitos RLC alimentados com onda quadrada Circuitos RLC alimentados com onda quadrada 8 8.1 Material capacitor de 10 nf; resistores de 100 Ω; indutor de 23,2 mh; potenciômetro. 8.2 Introdução Nos experimentos anteriores estudamos o comportamento

Leia mais

Circuitos RLC alimentados com onda quadrada

Circuitos RLC alimentados com onda quadrada Circuitos RLC alimentados com onda quadrada 4 4.1 Material Gerador de funções; osciloscópio; multímetro; capacitor de 10 nf; resistores de 100 Ω; indutor de 10 a 50 mh; potenciômetro. 4.2 Introdução No

Leia mais

Aquino, Josué Alexandre.

Aquino, Josué Alexandre. Aquino, Josué Alexandre. A657e Eletrotécnica para engenharia de produção : análise de circuitos : corrente e tensão alternada / Josué Alexandre Aquino. Varginha, 2015. 53 slides; il. Sistema requerido:

Leia mais

Estudo do Capacitor em Corrente Contínua

Estudo do Capacitor em Corrente Contínua Unidade 4 Estudo do Capacitor em Corrente Contínua Nesta quarta unidade, você estudará alguns conceitos, características e comportamento do componente eletrônico, chamado capacitor. Objetivos da Unidade

Leia mais

Circuitos RLC alimentados com onda quadrada

Circuitos RLC alimentados com onda quadrada Capítulo 5 Circuitos RLC alimentados com onda quadrada 5.1 Material Gerador de funções; osciloscópio; multímetro; capacitor de 10 nf; resistores de 100 Ω; indutor de 10 a 50 mh; potenciômetro. 5.2 Introdução

Leia mais

Experimento 4 Indutores e circuitos RL com onda quadrada

Experimento 4 Indutores e circuitos RL com onda quadrada Experimento 4 Indutores e circuitos RL com onda quadrada 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento de indutores associados a resistores em circuitos alimentados com onda quadrada. 2.

Leia mais

ELETROTÉCNICA CAT124 O INDUTOR E OS CIRCUITOS MAGNÉTICOS Adrielle C. Santana

ELETROTÉCNICA CAT124 O INDUTOR E OS CIRCUITOS MAGNÉTICOS Adrielle C. Santana ELETROTÉCNICA CAT124 O INDUTOR E OS CIRCUITOS MAGNÉTICOS Adrielle C. Santana Força Magnetizante A força magnetomotriz por unidade de comprimento é chamada de força magnetizante (H). = F (Ae/m) ou = Força

Leia mais

Eletrotécnica. Circuitos Elétricos

Eletrotécnica. Circuitos Elétricos Eletrotécnica Circuitos Elétricos Introdução Caracterizamos um circuito elétrico como sendo um conjunto de componentes elétricos / eletrônicos ligados entre si formando pelo menos um caminho para a passagem

Leia mais

Circuitos Ativos em Micro-Ondas

Circuitos Ativos em Micro-Ondas Circuitos Ativos em Micro-Ondas Unidade 1 Comportamento de Dispositivos Passivos e Semicondutores em Micro-Ondas Prof. Marcos V. T. Heckler 1 Conteúdo Introdução Resistores operando em Micro-Ondas Capacitores

Leia mais

Eletromagnetismo - Instituto de Pesquisas Científicas

Eletromagnetismo - Instituto de Pesquisas Científicas ELETROMAGNETISMO Preciso avisar que muitas imagens dessa lição são tortas e nada profissionais. O fato é que foi eu quem as desenhei e por motivos de tempo (e preguiça) resolvi coloca-las aqui. Esse não

Leia mais

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO CORRIGIDO CONFORME A ERRATA

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO CORRIGIDO CONFORME A ERRATA Dados: ANATEL - DEZ/2008 RADIOELETRICIDADE TESTE DE AVALIAÇÃO 1 RADIOELETRICIDADE O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO CORRIGIDO CONFORME A ERRATA Fonte:

Leia mais

Prof. Henrique Barbosa Edifício Basílio Jafet - Sala 100 Tel

Prof. Henrique Barbosa Edifício Basílio Jafet - Sala 100 Tel Prof. Henrique Barbosa Edifício Basílio Jafet - Sala 100 Tel. 3091-6647 hbarbosa@if.usp.br http://www.fap.if.usp.br/~hbarbosa Tarefas da Semana (1) Medir a impedância do capacitor fornecido em função da

Leia mais

Corrente Alternada. Circuitos Monofásicos (Parte 2)

Corrente Alternada. Circuitos Monofásicos (Parte 2) Corrente Alternada. Circuitos Monofásicos (Parte 2) SUMÁRIO Sinais Senoidais Circuitos CA Resistivos Circuitos CA Indutivos Circuitos CA Capacitivos Circuitos RLC GERADOR TRIFÁSICO Gerador Monofásico GRÁFICO

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS EM CA. Fonte: profezequias.net

CIRCUITOS ELÉTRICOS EM CA. Fonte: profezequias.net CIRCUITOS ELÉTRICOS EM CA Fonte: profezequias.net OBJETIVO Ao final deste capitulo o aluno estará apto a entender, aplicar e realizar cálculos referente a Circuitos Elétricos em CA. CIRCUITOS DE CORRENTE

Leia mais

CAPÍTULO IX. Análise de Circuitos RLC

CAPÍTULO IX. Análise de Circuitos RLC CAPÍTULO IX Análise de Circuitos RLC 9. Introdução Neste capítulo, serão estudados os circuitos RLC s, ou seja, aqueles que possuem resistores, indutores e capacitores. Em geral, a análise desses circuitos

Leia mais

O que é um indutor? Constituição. Tipos de indutores

O que é um indutor? Constituição. Tipos de indutores O que é um indutor? A indução eletromagnética é um fenômeno causado por um campo magnético e gera corrente elétrica. Uma área delimitada por um determinado condutor sofre variação no de fluxo de indução

Leia mais

R R R. 7. corrente contínua e circuitos os circuitos são constituídos por um gerador e cargas ligadas em: Série. resistências & lei de Ohm R A

R R R. 7. corrente contínua e circuitos os circuitos são constituídos por um gerador e cargas ligadas em: Série. resistências & lei de Ohm R A resistências & lei de Ohm R A V R 7. corrente contínua e circuitos os circuitos são constituídos por um gerador e cargas ligadas em: Série Paralelo corrente Rsérie R R Rparalelo R R2 2 SÉREigual corrente

Leia mais

Oscilações Eletromagnéticas e Corrente Alternada

Oscilações Eletromagnéticas e Corrente Alternada Cap. 31 Oscilações Eletromagnéticas e Corrente Alternada Copyright 31-1 Oscilações Eletromagnéticas Oito estágios em um ciclo de oscilação de um circuito LC sem resistência. Os histogramas mostram a energia

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS CIRCUITOS ELÉTRICOS. Principais elementos de circuito e suas equações descritivas

INTRODUÇÃO AOS CIRCUITOS ELÉTRICOS. Principais elementos de circuito e suas equações descritivas Capítulo 2 INTRODUÇÃO AOS CIRCUITOS ELÉTRICOS Nesta aula serão apresentados os modelos que descrevem os principais componentes dos circuitos elétricos e os conceitos a eles associados, bem como as leis

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório Aula 05 Primeira parte UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório AULA 05 PRIMEIRA PARTE OSCILOSCÓPIO 1 INTRODUÇÃO Nas aulas

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS I PROGRAMAÇÃO 02/16

CIRCUITOS ELÉTRICOS I PROGRAMAÇÃO 02/16 CIRCUITOS ELÉTRICOS I PROGRAMAÇÃO 02/16 - Introdução - Método de avaliação - Data das provas: P1: 04/10/16 P2: 08/11/16 P3: 22/11/16 (somente para faltosos) - Suspensão de aulas: 09/08/16, 16/08/16, 15/11/16

Leia mais

Eletricidade básica. Aula 06: Circuitos em série

Eletricidade básica. Aula 06: Circuitos em série Eletricidade básica Aula 06: Circuitos em série Fonte elétrica As fontes elétricas são fundamentais na compreensão da eletrodinâmica, pois elas que mantém a diferença de potencial (ddp) necessária para

Leia mais

I N S T I T U T O F E D E R A L D E E D U C A Ç Ã O, C I Ê N C I A E T E C N O L O G I A D E S A N T A C A T A R I N A C A M P U S L A G E S

I N S T I T U T O F E D E R A L D E E D U C A Ç Ã O, C I Ê N C I A E T E C N O L O G I A D E S A N T A C A T A R I N A C A M P U S L A G E S INDUÇÃO E INDUTÂNCIA I N S T I T U T O F E D E R A L D E E D U C A Ç Ã O, C I Ê N C I A E T E C N O L O G I A D E S A N T A C A T A R I N A C A M P U S L A G E S G R A D U A Ç Ã O E M E N G E N H A R I

Leia mais

TEOREMAS: - SUPERPOSIÇÃO

TEOREMAS: - SUPERPOSIÇÃO TEOREMAS: - SUPERPOSIÇÃO - THEVENIN e NORTON - MILLMAN - MÁXIMA TRANSFERÊNCIA DE POTÊNCIA Professor: Paulo Cícero Fritzen E-mail: pcfritzen@utfpr.edu.br TEOREMAS PARA ANÁLISE EM CIRCUITOS ELÉTRICOS Os

Leia mais

AULA 08 CIRCUITOS E LEIS DE KIRCHHOFF. Eletromagnetismo - Instituto de Pesquisas Científicas

AULA 08 CIRCUITOS E LEIS DE KIRCHHOFF. Eletromagnetismo - Instituto de Pesquisas Científicas ELETROMAGNETISMO AULA 08 CIRCUITOS E LEIS DE KIRCHHOFF OS ELEMENTOS DO CIRCUITO Sabemos que o circuito é o caminho percorrido pela corrente elétrica. Nessa aula iremos analisar esses circuitos. Mas antes

Leia mais

Princípios de Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti

Princípios de Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Princípios de Circuitos Elétricos Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti INDUTORES: CONCEITOS E DEFINIÇÕES CAMPO MAGNÉTICO Campo Magnético Nem só os imãs possuem campo magnético, mas a corrente

Leia mais

Se no terminal b do circuito for conectado um terceiro componente, como na figura abaixo, os resistores R 1 e R 2 não estarão mais em série.

Se no terminal b do circuito for conectado um terceiro componente, como na figura abaixo, os resistores R 1 e R 2 não estarão mais em série. Circuitos em Série Um circuito consiste em um número qualquer de elementos unidos por seus terminais, com pelo menos um caminho fechado através do qual a carga possa fluir. Dois elementos de circuitos

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS I PROGRAMAÇÃO 02/15

CIRCUITOS ELÉTRICOS I PROGRAMAÇÃO 02/15 CIRCUITOS ELÉTRICOS I PROGRAMAÇÃO 02/15 Aula 1 04/08/15 - Introdução - Método de avaliação - Data das provas: P1: 29/09/15 P2: 03/11/15 P3: 10/11/15 (somente para faltosos) - Suspensão de aulas: Não há

Leia mais

Aula 3 Corrente alternada circuitos básicos

Aula 3 Corrente alternada circuitos básicos Aula 3 Corrente alternada circuitos básicos Objetivos Aprender os princípios básicos de corrente alternada. Aprender a analisar circuitos puros em corrente alternada utilizando as diversas formas de representação

Leia mais

Circuitos em Corrente Alternada contendo R, L e C. R = Resistor; L = Indutor; C = Capacitor

Circuitos em Corrente Alternada contendo R, L e C. R = Resistor; L = Indutor; C = Capacitor Circuitos em Corrente Alternada contendo R, L e C. R = Resistor; L = ndutor; C = Capacitor No Resistor Considerando uma corrente i( = m cos( ω t + φ) circulando no resistor, teremos nos seus terminais

Leia mais

LISTA DE EXECÍCIOS AULA 3 FÍSICA ELETRICIDADE

LISTA DE EXECÍCIOS AULA 3 FÍSICA ELETRICIDADE LISTA DE EXECÍCIOS AULA 3 FÍSICA ELETRICIDADE DENSIDADE DE CORRENTE E VELOCIDADE DE ARRASTE 1) A American Wire Gauge (AWG) é uma escala americana normalizada usada para padronização de fios e cabos elétricos.

Leia mais

5 Transdutor Indutivo

5 Transdutor Indutivo 5 Transdutor Indutivo De modo análogo aos transdutores resistivos e capacitivos, os transdutores indutivos são transdutores ativos que requerem uma fonte de excitação externa para proporcionar uma tensão

Leia mais

Prof. Joel Brito Edifício Basílio Jafet - Sala 102a Tel

Prof. Joel Brito Edifício Basílio Jafet - Sala 102a Tel Prof. Joel Brito Edifício Basílio Jafet - Sala 102a Tel. 3091-6925 jbrito@if.usp.br http://www.fap.if.usp.br/~jbrito 1 Semana passada Parte 1 Medir a impedância do capacitor fornecido em função da freqüência

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 3

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 3 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Módulo 3 Conteúdo 3 Teoremas e análise sistemática de redes...1 3.1 Revisão de definições...1 3.2 Análise de nós e malhas...1 3.2.1 Análise

Leia mais

A energia total do circuito é a soma da potencial elétrica e magnética

A energia total do circuito é a soma da potencial elétrica e magnética Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Física Física III - Prof. Dr. Ricardo Luiz Viana Referências bibliográficas: H. 35-, 35-4, 35-5, 35-6 S. 3-6, 3-7 T. 8-4 Aula 7 Circuitos

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA 1 - ET74C Prof.ª Elisabete Nakoneczny Moraes

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA 1 - ET74C Prof.ª Elisabete Nakoneczny Moraes UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA 1 - ET74C Prof.ª Elisabete Nakoneczny Moraes Aula 3- MODELO ELÉTRICO DO DIODO SEMICONDUTOR Curitiba, 10 março

Leia mais

Competências / Habilidades Utilizar o osciloscópio para determinar os valores de tensões em corrente continua.

Competências / Habilidades Utilizar o osciloscópio para determinar os valores de tensões em corrente continua. Utilização do Osciloscópio para Medições DC Determinar valores de tensão contínua com o osciloscópio. Utilizar o osciloscópio para determinar os valores de tensões em corrente continua. EQUIPAMENTO Osciloscópio:

Leia mais

CF360 - Resumo Experimentos Prova 2

CF360 - Resumo Experimentos Prova 2 CF360 - Resumo Experimentos Prova 2 Fabio Iareke 19 de dezembro de 2011 1 Força Magnética sobre Condutores de Corrente 1.1 Roteiro de Estudos 1. Qual é a expressão para o campo magnético

Leia mais