AMBIENTE EM MATOSINHOS ETAR - TRATAMENTO SECUNDÁRIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AMBIENTE EM MATOSINHOS ETAR - TRATAMENTO SECUNDÁRIO"

Transcrição

1 Obra: AMBIENTE EM MATOSINHOS ETAR - TRATAMENTO SECUNDÁRIO PLANO DE ESTALEIRO Elaborado por: Verificado por: Validado por: Aprovado por: Data: Data: Data: Data: Mod I/0871.1

2 Índice 1 - INTRODUÇÃO ESTALEIRO CARACTERIZAÇÃO DO ESTALEIRO ADMINISTRATIVO / SOCIAL E DE APOIO À PRODUÇÃO INSTALAÇÕES SOCIAIS Vedação física do estaleiro Escritórios Instalações Sanitárias Vestiários Refeitório INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS Ferramentaria Estaleiro de Ferro e Carpintaria Zonas de armazenamento INFRA-ESTRUTURAS Abastecimento de água Rede eléctrica Rede de telecomunicações GERAL Sinalização/Sinalética Vitrine de segurança Meios de 1ª intervenção Caminhos de circulação (internos) Ponto de Encontro Recolhas de lixos... 9 Mod I/087.1 Página 2 de 10

3 1 - INTRODUÇÃO O presente Plano de Estaleiro diz respeito à Obra AMBIENTE EM MATOSINHOS ETAR - TRATAMENTO SECUNDÁRIO e tem como principal objectivo dispor de todas as instalações de apoio á execução da obra de modo a criar boas condições de trabalho (satisfazendo todos os intervenientes). Este documento foi elaborado de acordo com o definido no Plano de Segurança e Saúde e na legislação específica para estaleiros temporários ou móveis, respeitando-se as prescrições previstas pelo Decreto-Lei nº 273/2003 de 29 de Outubro, bem como dando cumprimento ás exigências da legislação aplicável em Estaleiros de Construção Civil Dec. Lei n.º Tendo em vista a aproximação fiel com a realidade, este documento foi elaborado de forma a ter um carácter dinâmico permitindo assim adaptações e actualizações sempre que seja necessário. 2 - ESTALEIRO Local onde se efectuam trabalhos de construção de edifícios e de engenharia civil, nomeadamente: escavações, terraplanagem, construção de edifícios, ampliação de edifícios, alterações de edifícios, reparação de edifícios, restauro de edifícios, conservação de edifícios, montagem e desmontagem de elementos pré-fabricados, montagem e desmontagem de andaimes, montagem e desmontagem de gruas e outros aparelhos elevatórios, demolição, construção de estradas, pontes e vias férreas, obras de arte fluviais e marítimas, trabalhos especializados no domínio da agua (irrigação, drenagem e adução, redes e tratamentos de esgotos), canalizações (instalação de gás, agua e equipamento sanitário), instalações de aquecimento e ventilação, isolamento térmico, acústico, anti vibrações e impermeabilizações, instalações eléctricas, de antenas, de pára-raios, de telefones e outros trabalhos que possam ter de ser efectuados em obras de construção de edifícios e de engenharia civil, bem como, os locais onde se desenvolvem actividades de apoio directo a esses trabalhos. Mod I/087.1 Página 3 de 10

4 3 - CARACTERIZAÇÃO DO ESTALEIRO ADMINISTRATIVO / SOCIAL E DE APOIO À PRODUÇÃO Este estaleiro irá ser composto pelas seguintes estruturas de apoio: INSTALAÇÕES SOCIAIS Vedação Física do Estaleiro Escritórios Instalações Sanitárias Vestiários Refeitório INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS Ferramentaria Estaleiro de Aço Carpintaria Zonas de armazenamento INFRAESTRUTURAS Abastecimento de água Rede Eléctrica Rede de Telecomunicações GERAL Sinalização/Sinalética Vitrine Segurança Meios de 1ª intervenção Caminhos de circulação (internos) Ponto de Encontro Mod I/087.1 Página 4 de 10

5 4 - INSTALAÇÕES SOCIAIS PLANO DE ESTALEIRO Vedação física do estaleiro A vedação exterior do estaleiro, tem como finalidade criar um ambiente de trabalho mais resguardado, com a respectiva privacidade e controlo de acessos exigido. O estaleiro social será localizado num terreno junto à zona de intervenção da obra. A vedação do estaleiro será composta por rede malha-sol Escritórios Destinam-se ao pessoal administrativo, técnico e dirigentes da obra. São instalados em contentores os engenheiros, encarregados, preparadores, apontadores, projectistas, Técnicos, secretariado, topógrafos etc. Tem mobiliário de escritório adequado e em quantidades necessárias ao conforto do pessoal dos escritórios, estes situam-se numa moradia junto do estaleiro da obra. Os contentores estarão munidos de: Meios de protecção contra riscos de incêndio extintores e sinalética de emergência; Caixa de Primeiros Socorros/1.ª Intervenção; Instalações Sanitárias Existirão, convenientemente localizadas e resguardadas das vistas, WC s Químicos para o pessoal pelo menos uma por cada 25 indivíduos, dispondo de água em quantidade suficiente para se manterem limpas e em boas condições de utilização. Existirá ainda um WC privado no contentor da fiscalização Vestiários Existirá um contentor vestiário destinado à troca de roupa. A limpeza e arrumação serão asseguradas pelos próprios trabalhadores. Mod I/087.1 Página 5 de 10

6 4.5 Refeitório PLANO DE ESTALEIRO Não está previsto a instalação de uma unidade deste tipo no estaleiro, uma vez que não existirão tomas de refeições dentro do mesmo. Se, durante o desenrolar da obra, vier a ser necessário será criado um local apropriado para a toma das mesmas. 5 - INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS Ferramentaria Esta instalação será constituída por um módulo, destinado ao armazenamento de todos os equipamentos e matérias afectos à produção. Estes materiais serão arrumados e organizados de forma a permitir o fácil/acesso/circulação dentro da ferramentaria. No interior de cada uma das ferramentarias serão colocados extintores e respectiva sinalização, sendo igualmente proibido fumar ou foguear no interior deste espaço Estaleiro de Ferro e Carpintaria Existirá uma zona específica para o estaleiro de ferro e para a carpintaria. A zona da máquina de dobrar/cortar ferro será devidamente abrigada e iluminada Zonas de armazenamento obra. Existirão zonas delimitadas para o armazenamento de materiais e equipmanentos de apoio à Mod I/087.1 Página 6 de 10

7 6 - INFRA-ESTRUTURAS Abastecimento de água Em todos os locais onde se realiza a obra é assegurado o fornecimento de água potável em quantidade suficiente para as necessidades do respectivo pessoal Rede eléctrica A corrente elétrica será fornecida através da rede pública. Existirá um quadro geral junto à entrada da obra, devidamente sinalizado. As terras existentes no estaleiro e todas as instalações serão verificadas e Rede de telecomunicações Será utilizado o telemóvel como meio de comunicação em todo o estaleiro, estando dotados de telefone móvel do tipo GSM todos os chefes de equipa e encarregado geral. 7 - GERAL Sinalização/Sinalética A sinalização de carácter temporário de obras e obstáculos ocasionais na via pública é efectuada com recurso a sinais verticais, horizontais e luminosos. Os sinais e marcas utilizados sem sinalização de carácter temporário têm o mesmo significado e valor que os sinais e as marcas correspondentes previstos no Regulamento do Código da Estrada e legislação complementar, ainda que apresentem cor ou dimensões diferentes. Considera-se "zona regulada pela sinalização de carácter temporário" a plataforma da via pública em toda a extensão desta que fique compreendida entre o primeiro sinal de sinalização de aproximação e o último de sinalização final. Para a elaboração deste plano utilizaram-se como base o Decreto-lei nº 141/95, de 14 de Junho e a Portaria nº 1456-A/95, de 11 de Dezembro. Acha-se importante a adopção das seguintes medidas Mod I/087.1 Página 7 de 10

8 (nomeadamente ao nível de colocação de sinalização), como forma de evitar e diminuir a ocorrência de acidentes: Obrigatório o uso de equipamento de protecção individual; Proibida a entrada a pessoas estranhas; Cargas suspensas; Perigo vários; Localização das respectivas instalações do estaleiro; Localização das zonas de maior perigo; Localização dos meios de combate a incêndios; Limitação de velocidades Vitrine de segurança A vitrine de segurança será instalada num local visível a todos neste caso junto aos escritórios e ai constará a comunicação prévia, índices de sinistralidade, horário de trabalho, planta do estaleiro e emergencia, números de telefone de emergência e todos os avisos necessários Meios de 1ª intervenção As instalações de primeiros socorros dispõem de material e equipamentos indispensáveis ao cumprimento das suas funções, devidamente sinalizadas. Existe uma caixa de primeiros socorros, localizada na portaria do estaleiro. A prevenção contra incêndios merecerá especial atenção, no entanto e com o intuito de combater a eventual existência e propagação de pequenos focos de incêndio, o estaleiro será dotado de equipamentos de primeira intervenção, nomeadamente extintores portáteis adequados aos tipos de fogo e cargas térmicas inerentes a cada área. O endereço e o número de telefone do serviço de urgência local estão afixados de forma clara e visível na vitrine de segurança Caminhos de circulação (internos) Existirão vias de circulação devidamente delimitadas e com sinalização adequada que permitem a circulação segura de pessoas e veículos. Mod I/087.1 Página 8 de 10

9 Existirão também vias de emergência que permitem uma evacuação rápida de eventuais sinistrados. Estas vias estão desobstruídas e em condições de circulação. terceiros. Existem meios que permitem a limpeza de rodados de modo a evitar inconvenientes para Ponto de Encontro Existirá um local de encontro em caso de acidente onde todos os trabalhadores se devem dirigir para que se proceda a contagem destes para ver se todos estão em segurança, este local fica situado junto da entrada em obra Recolhas de lixos Para a recolha de lixos existirá um Ecoponto, onde se fará a recolha selectiva dos mesmos. A periodicidade da sua recolha será definida posteriormente (conforme quantidade de lixo produzida). Mod I/087.1 Página 9 de 10

10 Planta de Estaleiro Mod I/087.1 Página 10 de 10

PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE

PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL CONSTRUÇÃO CIVIL 2007 1 2 1 3 4 2 5 6 3 7 8 4 9 10 5 11 12 6 CONSIDERAÇÕES GERAIS O Plano de Segurança e Saúde

Leia mais

ÍNDICE CAPÍTULO 1 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA ÍNDICE DE SIGLAS E ABREVIATURAS 15 INTRODUÇÃO 17

ÍNDICE CAPÍTULO 1 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA ÍNDICE DE SIGLAS E ABREVIATURAS 15 INTRODUÇÃO 17 ÍNDICE ÍNDICE DE SIGLAS E ABREVIATURAS 15 INTRODUÇÃO 17 CAPÍTULO 1 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA 1. EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO CONTRA QUEDAS EM ALTURA 23 1.1. Introdução 23 1.2. Guarda-corpos 25 1.3.

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE ASPECTOS GERAIS O curso com uma duração de 128 horas é constituído pelas sessões a seguir indicadas. 1 Parte I Teórico prática 1.1

Leia mais

Empreitada n.º Execução das Redes de Saneamento de Benavente Cerrado das Águas Vale Tripeiro - Benavente

Empreitada n.º Execução das Redes de Saneamento de Benavente Cerrado das Águas Vale Tripeiro - Benavente Dono de Obra Entidade Executante AR Águas do Ribatejo, EM, S.A. PROTECNIL - Sociedade Técnica de Construções, S.A. PROJECTO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NA EMPREITADA Empreitada

Leia mais

PROJECTO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NA EMPREITADA

PROJECTO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NA EMPREITADA Dono de Obra AR Águas do Ribatejo, EM, S.A. Entidade Executante Consórcio: PROTECNIL - Sociedade Técnica de Construções, S.A. e PEOP Projecto e Execução de Obras Publicas, Lda. PROJECTO DE SINALIZAÇÃO

Leia mais

Medidas de Autoprotecção Utilizações Tipo IV - Escolares

Medidas de Autoprotecção Utilizações Tipo IV - Escolares Câmara Municipal da madora Medidas de utoprotecção Utilizações Tipo IV - Escolares CID D E D M D OR madoraeduca Grafismo:.Galvão/GDC/GIRP - Impressão e acabamento: OG/GIRP Minuta Técnica para Elaboração

Leia mais

Empreitada n.º Execução das Redes de Saneamento de Benavente Avenida António Calheiros Lopes Benavente 3º prolongamento

Empreitada n.º Execução das Redes de Saneamento de Benavente Avenida António Calheiros Lopes Benavente 3º prolongamento Dono de Obra Entidade Executante AR Águas do Ribatejo, EM, S.A. PROTECNIL - Sociedade Técnica de Construções, S.A. PROJECTO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NA EMPREITADA Empreitada

Leia mais

Empreitada n.º Execução das Redes de Saneamento de Benavente Avenida Egas Moniz troço até à Estrada das Sesmarias Samora Correia 9º prolongamento

Empreitada n.º Execução das Redes de Saneamento de Benavente Avenida Egas Moniz troço até à Estrada das Sesmarias Samora Correia 9º prolongamento Dono de Obra Entidade Executante AR Águas do Ribatejo, EM, S.A. PROTECNIL - Sociedade Técnica de Construções, S.A. PROJECTO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NA EMPREITADA Empreitada

Leia mais

Empreitada n.º Execução das Redes de Saneamento de Benavente Rua Alexandre Herculano Samora Correia

Empreitada n.º Execução das Redes de Saneamento de Benavente Rua Alexandre Herculano Samora Correia Dono de Obra Entidade Executante AR Águas do Ribatejo, EM, S.A. PROTECNIL - Sociedade Técnica de Construções, S.A. PROJECTO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NA EMPREITADA Empreitada

Leia mais

Qualificação Profissional Mínima Exigível aos Engenheiros e outros Técnicos na Atividade da Construção (DECLARAÇÕES)

Qualificação Profissional Mínima Exigível aos Engenheiros e outros Técnicos na Atividade da Construção (DECLARAÇÕES) Qualificação Profissional Mínima Exigível aos Engenheiros e outros Técnicos na Atividade da Construção (DECLARAÇÕES) Lei n.º 40/2015 de 1 de junho Aprova o regime jurídico que estabelece a qualificação

Leia mais

Empreitada de Execução das Redes de Saneamento de Benavente EN118 / Avenida do Seculo Samora Correia 4º prolongamento

Empreitada de Execução das Redes de Saneamento de Benavente EN118 / Avenida do Seculo Samora Correia 4º prolongamento Dono de Obra Entidade Executante AR Águas do Ribatejo, EM, S.A. PROTECNIL - Sociedade Técnica de Construções, S.A. PROJECTO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NA EMPREITADA Empreitada

Leia mais

Portaria nº 1379/2009, de 30 de Outubro

Portaria nº 1379/2009, de 30 de Outubro Portaria nº 1379/2009, de 30 de Outubro Anexo B A Lei n.º 31/2009, de 3 de Julho, que revogou o Decreto n.º 73/73, de 28 de Fevereiro, aprovou o regime jurídico que estabelece a qualificação exigível aos

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DA SEGURANÇA DE MÁQUINAS MÓVEIS

LISTA DE VERIFICAÇÃO DA SEGURANÇA DE MÁQUINAS MÓVEIS LISTA DE VERIFICAÇÃO DA SEGURANÇA DE MÁQUINAS MÓVEIS Tipo de máquina: Marca: Série Modelo de fabrico Ano de fabrico Máquina própria Fabricante (nome e endereço): Máquina alugada Representante (nome e endere

Leia mais

Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar

Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar Módulo Processos de construção LABORATÓRIO DE CONSTRUÇÃO A68262 Sara Cardoso A68222 Ana Catarina Silva Guimarães, 07 de fevereiro de 2014 Índice

Leia mais

Empreitada n.º Execução das Redes de Saneamento de Benavente Rua Popular / EN118 / Avenida do Seculo Samora Correia 2º prolongamento prazo

Empreitada n.º Execução das Redes de Saneamento de Benavente Rua Popular / EN118 / Avenida do Seculo Samora Correia 2º prolongamento prazo Dono de Obra Entidade Executante AR Águas do Ribatejo, EM, S.A. PROTECNIL - Sociedade Técnica de Construções, S.A. PROJECTO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NA EMPREITADA Empreitada

Leia mais

Máquinas e Equipamentos NR - 12

Máquinas e Equipamentos NR - 12 Máquinas e Equipamentos NR - 12 Publicação - Portaria GM N. 3.214, de 08 de julho de 1978 06/07/78. Atualizações - Portaria SIT N. 197, de 17 de dezembro de 2010 24/12/10. Entra em vigor - 01 de julho

Leia mais

PORTFOLIO DE OBRAS 2014

PORTFOLIO DE OBRAS 2014 Sociedade de Construções, Lda PORTFOLIO DE OBRAS 2014 PLANTA DE LOCALIZAÇÃO DO EDÍFICIO DE ESCRITÓRIOS PRESTIGE COQUEIROS OFFICE II DONO DE OBRA JOFERMAG LOCALIZAÇÃO Coqueiros - Luanda TIPO DE OBRA Edifício

Leia mais

Programas de conservação e manutenção

Programas de conservação e manutenção Caracterização do espaço Identificação de riscos Levantamento de meios e recursos Regras de exploração e comportamento Programas de conservação e manutenção Caderno de registo de segurança Abandonar todos

Leia mais

Empreitada n.º Execução das Redes de Saneamento de Benavente Avenida Egas Moniz Samora Correia

Empreitada n.º Execução das Redes de Saneamento de Benavente Avenida Egas Moniz Samora Correia Dono de Obra Entidade Executante AR Águas do Ribatejo, EM, S.A. PROTECNIL - Sociedade Técnica de Construções, S.A. PROJECTO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NA EMPREITADA Empreitada

Leia mais

Segurança Contra Incêndio em Edifícios Dificuldades Frequentes dos Projectistas na Aplicação do RJSCIE

Segurança Contra Incêndio em Edifícios Dificuldades Frequentes dos Projectistas na Aplicação do RJSCIE Segurança Contra Incêndio em Edifícios Dificuldades Frequentes dos Projectistas na Aplicação do RJSCIE Ordem dos Engenheiros, 21 de Novembro de 2011 Mário Grilo DECRETO LEI nº 220/2008, de 12 de Novembro

Leia mais

Curso Técnico/a Segurança e Higiene no Trabalho. Projecto Integrador Seminário Como Minimizar os Riscos no Trabalho

Curso Técnico/a Segurança e Higiene no Trabalho. Projecto Integrador Seminário Como Minimizar os Riscos no Trabalho Pág 1 Curso Técnico/a Segurança e Higiene no Trabalho Projecto Integrador Seminário Como Minimizar os Riscos no Trabalho Pág 2 Tema: Seminário: Como Minimizar os riscos no Trabalho Questões Geradoras:

Leia mais

PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA

PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA SANESTRADAS, S.A. Penedo da Freira Conceição da Abóboda 2785-297 São Domingos de Rana Tel: 214 457 230 / Fax: 214 457 239 www.sanestradas.pt PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA DONO DE OBRA SOCIEDADE DE GESTÃO

Leia mais

Método de Gretener. Método de Cálculo Simplificado de Avaliação do Risco de Incêndio

Método de Gretener. Método de Cálculo Simplificado de Avaliação do Risco de Incêndio Método de Gretener Método de Cálculo Simplificado de Avaliação do Risco de Incêndio INTRODUÇÃO Um método com estas características, ágil, de fácil aplicação e rápida utilização, tem que aglutinar muita

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 01. Procedimento para fundações, escavações e desmonte de rocha.

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 01. Procedimento para fundações, escavações e desmonte de rocha. Revisão: 00 Folha: 1 de 6 1. Objetivo Este Manual de Recomendação, tem como objetivo, assegurar que todas as obras efetuem proteção coletiva que prever a adoção de medidas que evitem a ocorrência de desmoronamento,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 DE S. PEDRO DO SUL

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 DE S. PEDRO DO SUL L ESCOLA SECUNDÁRIA/3 DE S. PEDRO DO SUL 2008 LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA IDENTIFICAÇÃO EM PLANTA DE: ESPAÇO ESCOLAR VIAS DE ACESSO DE VIATURAS DE SOCORRO QUARTEL DOS BOMBEIROS DA ÁREA ESQUADRA DA GUARDA NACIONAL

Leia mais

Convento de Cristo. Tomar. Obras de Conservação e Reabilitação. Locais de trabalho seguros e saudáveis. José Delgado

Convento de Cristo. Tomar. Obras de Conservação e Reabilitação. Locais de trabalho seguros e saudáveis. José Delgado Convento de Cristo Tomar Obras de Conservação e Reabilitação Locais de trabalho seguros e saudáveis ACÇÕES DO DONO DE OBRA Na fase de concepção: - Definir objectivos da empreitada; - Contratar projectistas

Leia mais

Turismo de Habitação Portaria nº 937/2008, de 20 de Agosto

Turismo de Habitação Portaria nº 937/2008, de 20 de Agosto Turismo de Habitação Portaria nº 937/2008, de 20 de Agosto (atualizada em Outubrol 2016) Turismo de habitação 1. Imóvel antigo particular Imóvel que pelo seu valor arquitetónico, histórico ou artístico,

Leia mais

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário PREVENÇÃO SAÍDAS DE EMERGÊNCIA Visam o abandono seguro da população, em caso de incêndio ou pânico, e permitir o acesso de bombeiros

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Formadora - Magda Sousa MÓDULO 1 NORMATIVOS LEGAIS OBJECTIVO Interpretar e aplicar a legislação, regulamentos

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VIII.I.02/

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VIII.I.02/ [ NT 22 : NOTA TÉCNICA Complementar do RG-SCIE / Ref.ª VIII.I.02 / 2007-05-31 ] NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VIII.I.02/2007-05-31 RESUMO Definir a estrutura das plantas

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS Componentes de Formação Componente de Formação Sociocultural Português (b) Língua Estrangeira I ou II (c) Área

Leia mais

b) Escritórios São disponibilizados 7 espaços individuais de 30 m², dotados de energia elétrica e de infraestrutura para comunicações.

b) Escritórios São disponibilizados 7 espaços individuais de 30 m², dotados de energia elétrica e de infraestrutura para comunicações. REGULAMENTO DE ACESSO 1. Condições gerais O presente normativo define as regras de acesso aos espaços físicos e serviços disponibilizados no Núcleo Empresarial de Almada Velha, equipamento municipal cuja

Leia mais

DECRETO N.º 210/IX REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO PELAS FORÇAS E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM LOCAIS PÚBLICOS DE UTILIZAÇÃO COMUM

DECRETO N.º 210/IX REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO PELAS FORÇAS E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM LOCAIS PÚBLICOS DE UTILIZAÇÃO COMUM DECRETO N.º 210/IX REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO PELAS FORÇAS E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM LOCAIS PÚBLICOS DE UTILIZAÇÃO COMUM A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 GRUPOS MOTOGERADORES REQUISITOS DE PROJETO PRELIMINARES GMG REQUISITOS PRELIMINARES O projeto da instalação de um

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

FICHA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A ANEXAR AOS PROJECTOS DE ARQUITECTURA DE EDIFÍCIOS DE OCUPAÇÃO EXCLUSIVA OU MISTA COM UTILIZAÇÕES TIPO DA 1ª E 2ª CATEGORIAS DE RISCO Ficha a ser apreciada pela Câmara Municipal (1ª Categoria) ou pelos

Leia mais

SISTEMAS DE SEGURANÇA

SISTEMAS DE SEGURANÇA Enquadramento das Instalação Eléctricas de acordo com Nova Legislação de Segurança Contra Incêndio em Edifícios João Paulo Rocha, Eng.º Tec. Elect. 1 Introdução INTRODUÇÃO 1 -Apresentação da 2 - Enquadramento

Leia mais

Planos de Gestão de Resíduos Hospitalares em UPCS

Planos de Gestão de Resíduos Hospitalares em UPCS Anabela Santiago Paulo Diegues Dezembro de 2007 Enquadramento Legislativo Principal Legislação aplicável aos Resíduos Hospitalares Despacho nº 242/96, de 13 de Agosto Portaria nº 174/97, de 10 de Março

Leia mais

LICENCIAMENTO E FISCALIZAÇÃO DE CONDIÇÕES DE SCI EM ALOJAMENTO LOCAL E EVENTOS. 27/05/2016 Eng.º Estevão Duarte

LICENCIAMENTO E FISCALIZAÇÃO DE CONDIÇÕES DE SCI EM ALOJAMENTO LOCAL E EVENTOS. 27/05/2016 Eng.º Estevão Duarte Título 1 27/05/2016 2 LICENCIAMENTO E FISCALIZAÇÃO DE CONDIÇÕES DE SCI EM ALOJAMENTO LOCAL Lei habilitante Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de Agosto, alterado pelo Decreto-Lei n.º 63/2015, de 23 de Abril,

Leia mais

IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 TEMA: QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM MATÉRIA DE SHST?

IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 TEMA: QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM MATÉRIA DE SHST? IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 TEMA: QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM MATÉRIA DE SHST? QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM

Leia mais

Anexo Procedimento de Instalação de Alojamento

Anexo Procedimento de Instalação de Alojamento Anexo 1.4-8 - Procedimento de Instalação de Alojamento Revisão 00 Data 02/02/2015 1 de 15 Elaborado por: Verificado por: Aprovado por: Eng. Segurança do Trabalho Gestão de QSMS Direção Indústria e Energia

Leia mais

ARTIGO 1º Legislação Habilitante. ARTIGO 2º Objecto. ARTIGO 3º Âmbito de Aplicação. ARTIGO 4º Princípios

ARTIGO 1º Legislação Habilitante. ARTIGO 2º Objecto. ARTIGO 3º Âmbito de Aplicação. ARTIGO 4º Princípios ARTIGO 1º Legislação Habilitante O presente Regulamento tem suporte legal no n.º 4 do artigo 16.º da Lei n.º 2/2007, de15 de Fevereiro (Lei das Finanças Locais) e na alínea a) do n.º 2 do artigo 53.º e

Leia mais

C Â M A R A M U N I C I P A L D E B A R C E L O S

C Â M A R A M U N I C I P A L D E B A R C E L O S O presente regulamento visa dar cumprimento ao disposto no artigo 5.º do REGULAMENTO INTERNO DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO do MUNICIPIO DE BARCELOS. Pretende-se estabelecer um conjunto de normas

Leia mais

REGULAMENTO DE TARIFAS PARA UTILIZAÇÃO DE BENS DOMINIAIS DO PORTO DE VIANA DO CASTELO 2016

REGULAMENTO DE TARIFAS PARA UTILIZAÇÃO DE BENS DOMINIAIS DO PORTO DE VIANA DO CASTELO 2016 REGULAMENTO DE TARIFAS PARA UTILIZAÇÃO DE BENS DOMINIAIS DO PORTO DE VIANA DO CASTELO 2016 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito de aplicação 1. O presente regulamento, elaborado em conformidade

Leia mais

REGULAMENTO Semana da Juventude 2015 ( Sector do Desporto e Juventude )

REGULAMENTO Semana da Juventude 2015 ( Sector do Desporto e Juventude ) REGULAMENTO Semana da Juventude 2015 ( Sector do Desporto e Juventude ) Abertura - Encerramento Quinta-Feira 3 Setembro 20H00-03H00 Sexta-Feira 4 Setembro 20H00 03H00 Sábado 5 20H00 03H00 ARTIGO 1º - (Objecto

Leia mais

LISTAGEM DE LEGISLAÇÃO

LISTAGEM DE LEGISLAÇÃO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO LISTAGEM DE LEGISLAÇÃO Divisão de Higiene e Segurança no Trabalho Rua de João Gago, 4-2º

Leia mais

Prevenção de riscos elétricos em locais de trabalho

Prevenção de riscos elétricos em locais de trabalho Prevenção de riscos elétricos em locais de trabalho SEGURANÇA DE PESSOAS: TECNOLOGIAS E CONCEITOS 1 Sumário Acidentes com a eletricidade. Porque acontecem Proteção contra choques elétricos Prevenção de

Leia mais

Operadores de Sistemas de Assistência e Socorros OPSAS. Estrutura da prova específica da especialidade. Nº de questões no BCQ

Operadores de Sistemas de Assistência e Socorros OPSAS. Estrutura da prova específica da especialidade. Nº de questões no BCQ Operadores de Sistemas de Assistência e Socorros OPSAS Estrutura da prova específica da especialidade Disciplina Capítulo Nº de questões no BCQ Nº de questões a sair no Teste Organização e Sistemas de

Leia mais

SEGURANÇA EM ESTALEIROS TEMPORÁRIOS E MÓVEIS

SEGURANÇA EM ESTALEIROS TEMPORÁRIOS E MÓVEIS SEGURANÇA EM ESTALEIROS TEMPORÁRIOS E MÓVEIS Exercício 39 21 Es 48 21 Grua (12m lança) Vias de circulação Central de betão Armazém de ferro Ferramentaria Estacionamento Guarda/porteiro Ep SEGURANÇA EM

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE 9 de Janeiro de 2010 1 Modelo CRITÉRIOS RIOS MEIOS CRITÉRIO 1. LIDERANÇA, PLANEAMENTO E ESTRATÉGIA Como a gestão desenvolve e prossegue a missão, a visão e os valores da

Leia mais

IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS EM SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS

IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS EM SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS EM SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS Dec. Lei 220/2008 de 12 novembro (224/2015 de 9/10) Regime Jurídico

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO

QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO Gestão de Resíduos Hospitalares em Unidades de Saúde CONCELHO: DATA: / / IDENT IF ICAÇÃ O DA UN IDADE D E SAÚDE NOME DA UNIDADE DE SAÚDE: MORADA: TELEFONE: FAX: E-MAIL: SERVIÇO

Leia mais

REGRAS DE SEGURANÇA PARA INSTALADORES

REGRAS DE SEGURANÇA PARA INSTALADORES 9 REGRAS DE SEGURANÇA PARA INSTALADORES 9. REGRAS DE SEGURANÇA PARA INSTALADORES Deve ser cumprido o disposto no plano de segurança e na regulamentação em vigor. 9.1 IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS OPERAÇÕES,

Leia mais

EMISSOR: Ministérios da Saúde e para a Qualificação e o Emprego

EMISSOR: Ministérios da Saúde e para a Qualificação e o Emprego DATA: Quarta-feira, 3 de Abril de 1996 NÚMERO: 80/96 SÉRIE I-B EMISSOR: Ministérios da Saúde e para a Qualificação e o Emprego DIPLOMA/ACTO: Portaria n.º 101/96 SUMÁRIO: Regulamenta as prescrições mínimas

Leia mais

LAUDO TÉCNICO PARCIAL Nº 2 SOBRE OS DANOS ESTRUTURAIS DO INCÊNDIO OCORRIDO EM 03/10/2016 NO ED. JORGE MACHADO MOREIRA - UFRJ

LAUDO TÉCNICO PARCIAL Nº 2 SOBRE OS DANOS ESTRUTURAIS DO INCÊNDIO OCORRIDO EM 03/10/2016 NO ED. JORGE MACHADO MOREIRA - UFRJ LAUDO TÉCNICO PARCIAL Nº 2 SOBRE OS DANOS ESTRUTURAIS DO INCÊNDIO OCORRIDO EM 03/10/2016 NO ED. JORGE MACHADO MOREIRA - Alexandre Landesmann, Prof. Associado, D.Sc. Dep. Estruturas (FAU) e Lab. Estruturas

Leia mais

Legislação. para a Exploração de Postos de Enchimento de Gás Natural Carburante.

Legislação. para a Exploração de Postos de Enchimento de Gás Natural Carburante. Princípios e Bases do Sector do Gás Natural Decreto-Lei n.º 66/2010: Estabelece o procedimento aplicável à extinção das tarifas reguladas de venda de gás natural a clientes finais, com consumos anuais

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA N.º

NORMA REGULAMENTADORA N.º SUMÁRIO SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NORMA REGULAMENTADORA N.º 10 2. Formação profissional 2.1 Qualificação 2.2 Habilitação 2.3 Capacitação 2.4 Autorização 3. Medidas de controle

Leia mais

Legislação GPL 1.ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTOS 2.QUALIFICAÇÕES PROFISSIONAIS ENTIDADES CREDENCIADAS

Legislação GPL 1.ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTOS 2.QUALIFICAÇÕES PROFISSIONAIS ENTIDADES CREDENCIADAS Legislação GPL 1.ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTOS Decreto-Lei n.º 142/2010. D.R. n.º 253, Série I de 2010-12-31 Altera as normas de especificação técnica para a composição da gasolina e do gasóleo rodoviário,

Leia mais

Dimensão Adequação e Conforto das Instalações Check-list Adequação e Conforto das Instalações

Dimensão Adequação e Conforto das Instalações Check-list Adequação e Conforto das Instalações A - ADEQUAÇÃO DAS INSTALAÇÕES 1. Acessos e mobilidade 1.1 Garante a existência de rampas de acesso para pessoas com mobilidade reduzida 1.2 Mantém atualizada a comunicação visual e sinalética 1.3 Está

Leia mais

Empresas titulares de alvará de empreiteiro de obras públicas

Empresas titulares de alvará de empreiteiro de obras públicas Empresas titulares de alvará de empreiteiro de obras públicas (O alvará é válido por tempo indeterminado, sem prejuízo do controlo oficioso do cumprimento dos requisitos) Alvará 1747 - PUB Data de inscrição

Leia mais

Conhecendo a NR-12 e Suas Obrigatoriedades

Conhecendo a NR-12 e Suas Obrigatoriedades Conhecendo a NR-12 e Suas Obrigatoriedades CLT Consolidação das Leis do Trabalho É de obrigação legal para os empregadores a Lei nº 6.514, de 22 de dezembro de 1977 relativa a segurança e medicina do trabalho

Leia mais

REQUERIMENTO DE REGISTO

REQUERIMENTO DE REGISTO REQUERIMENTO DE REGISTO PRESTADORES ESTABELECIDOS NOUTROS ESTADOS MEMBROS DA UNIÃO EUROPEIA (Art. 6.º-A do Decreto-Lei n.º12/2004, de 09.01, com a redação introduzida pelo Decreto-Lei n.º69/2011, de 15.06)

Leia mais

LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. LOCALIZAÇÃO 3 III. ENQUADRAMENTO PDM 3 VII. CEDÊNCIAS E INFRAESTRUTURAS 3 V. PROPOSTA 3 VI. ÍNDICES URBANÍSTICOS 4 VII.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMILO CASTELO BRANCO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMILO CASTELO BRANCO PLANO DE EVACUAÇÃO 1. INTRODUÇÃO I O plano de evacuação tem como finalidade promover a saída, o mais rápido possível, de todos os utentes das instalações (alunos, professores, funcionários e pessoas externas).

Leia mais

Tecnologias e inovações na extinção de incêndio. Nuno Azevedo

Tecnologias e inovações na extinção de incêndio. Nuno Azevedo Tecnologias e inovações na extinção de incêndio Nuno Azevedo Temas: 1- Classes de fogos; 2- Agentes Extintores; 3- Extintores portáteis; 4- Utilização de um extintor. 2 Classes de Fogo Para o estudo dos

Leia mais

FOSSA SEPTICA ECODEPUR

FOSSA SEPTICA ECODEPUR Rev.1_21.07.16 FOSSA SEPTICA ECODEPUR APRESENTAÇÃO As Fossas Sépticas tipo ECODEPUR são recipientes estanques, destinados ao armazenamento e tratamento de águas residuais domésticas ou similares, através

Leia mais

AS PERDAS DE ENERGIA NOS EDIFÍCIOS SERVIDOS PELA Rede Urbana de Frio e Calor do Parque das Nações

AS PERDAS DE ENERGIA NOS EDIFÍCIOS SERVIDOS PELA Rede Urbana de Frio e Calor do Parque das Nações AS PERDAS DE ENERGIA NOS EDIFÍCIOS SERVIDOS PELA Rede Urbana de Frio e Calor do Parque das Nações 1. O que são e onde ocorrem as perdas de energia? O serviço prestado pela Climaespaço consiste no fornecimento

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Meias canas para isolamento de tubagens, com diâmetros variáveis.

FICHA TÉCNICA. Meias canas para isolamento de tubagens, com diâmetros variáveis. FICHA TÉCNICA 1. APRESENTAÇÃO DO PRODUTO Aglomex Acoustic é um produto resultante da aglomeração de espuma flexível de poliuretano de diferentes densidades que evidencia uma composição homogénea e estável.

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA TRABALHOS PRÓXIMOS DE INSTALAÇÕES EM TENSÃO 2 DESCRIÇÃO Nas tarefas de exploração, construção e manutenção das instalações eléctricas são susceptíveis

Leia mais

INSTALAÇÕES DE GÁS. Profª Maria Cleide. Curso técnico em edificações 2014

INSTALAÇÕES DE GÁS. Profª Maria Cleide. Curso técnico em edificações 2014 INSTALAÇÕES DE GÁS Profª Maria Cleide Curso técnico em edificações 2014 Os gases combustíveis oferecidos no Brasil são: Gás natural; Gás Liquefeito de Petróleo (GLP). Gás natural É composto por uma mistura

Leia mais

SINALIZAÇÃO RODOVIÁRIA

SINALIZAÇÃO RODOVIÁRIA FICHA TÉCNICA SINALIZAÇÃO RODOVIÁRIA Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 3 Nível Táctico Tema 5 - Conhecimento das Regras de Trânsito; Tema 6 - Domínio das Situações de Trânsito Objecto

Leia mais

Sinalização Temporária

Sinalização Temporária Sinalização Temporária A sinalização temporária compreende a sinalização de aproximação, a sinalização de posição e a sinalização final. Sempre que existam obras e obstáculos ocasionais na via pública,

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres - Anexo XI Regulamento dos procedimentos de Segurança Artigo 1.º Medidas de autoproteção 1. São consideradas medidas de autoproteção: a) Registos de segurança (relatórios

Leia mais

M U N I C Í P I O D E J U Í N A P O D E R E X E C U T I V O G A B I N E T E D O P R E F E I T O

M U N I C Í P I O D E J U Í N A P O D E R E X E C U T I V O G A B I N E T E D O P R E F E I T O DECRETO N.º 374, de 25 de Junho de 2014 Regulamenta o 1º, do art. 126, da Lei Municipal n.º 1.046/2008 (Código Tributário do Município de Juína), com redação dada pela Lei Municipal n.º 1.296/2011, referente

Leia mais

Índice. 1. Identificação. 2. Requisitos de Funcionamento. 3. Requisitos da Instalação. 3.1 Requisitos Gerais. 3.2 Estabelecimentos

Índice. 1. Identificação. 2. Requisitos de Funcionamento. 3. Requisitos da Instalação. 3.1 Requisitos Gerais. 3.2 Estabelecimentos Índice 1. Identificação 2. Requisitos de Funcionamento 3. Requisitos da Instalação 3.1 Requisitos Gerais 3.2 Estabelecimentos 3.3 Água destinada ao Consumo Humano 3.4 Águas Quentes Sanitárias 3.5 Águas

Leia mais

Redes de defesa da floresta contra incêndios FGC Aplicação do Regime Jurídico das Ações de Arborização e Rearborização

Redes de defesa da floresta contra incêndios FGC Aplicação do Regime Jurídico das Ações de Arborização e Rearborização Redes de defesa da floresta contra incêndios FGC Aplicação do Regime Jurídico das Ações de Arborização e Rearborização PENELA 05 setembro de 2015 Redes de defesa da floresta contra incêndios Legislação

Leia mais

C.R.C.P.Com de GRÂNDOLA BALCÃO ÚNICO

C.R.C.P.Com de GRÂNDOLA BALCÃO ÚNICO C.R.C.P.Com de GRÂNDOLA BALCÃO ÚNICO PROJECTO EXECUÇÃO PLANO PREVENÇÃO E GESTÃO RESÍDUOS CONSTRUÇÃO (PPG) (Out. 2009) INSTITUTO DOS REGISTOS E DO NOTARIADO Av. D. João II, nº 1.8.01D, Edifício H, Campus

Leia mais

CIRCULAR. ASSUNTO: Geolocalização no contexto laboral. Deliberação da CNPD.

CIRCULAR. ASSUNTO: Geolocalização no contexto laboral. Deliberação da CNPD. CIRCULAR N/REFª : 14/2015 DATA: 28/01/15 ASSUNTO: Geolocalização no contexto laboral. Deliberação da CNPD. Exmos. Senhores, Pelo eventual interesse, anexa-se Informação relativa à Geolocalização no contexto

Leia mais

Regimes ITUR - ITED. Paulo Mourato Mendes / Duarte Alves Direcção de Fiscalização

Regimes ITUR - ITED. Paulo Mourato Mendes / Duarte Alves Direcção de Fiscalização Regimes ITUR - ITED Paulo Mourato Mendes / Duarte Alves Direcção de Fiscalização Santarém, 4 de Julho de 2011 Regime ITUR Criação de condições para o livre acesso às infra-estruturas por parte dos diferentes

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS REGULAMENTO MUNICIPAL DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS (Aprovado na 8ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 5 de Março de 1997, na 3ª Reunião da 2ª Sessão Ordinária

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 29/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 29/2011 Instrução Técnica nº 29/2011 - Comercialização, distribuição e utilização de gás natural 689 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

EQUIPAMENTO DE SEGURANÇA EQUIPAMENTO DE INFORMAÇÃO ATIVADO PELOS VEÍCULOS

EQUIPAMENTO DE SEGURANÇA EQUIPAMENTO DE INFORMAÇÃO ATIVADO PELOS VEÍCULOS A. Âmbito da Nota Técnica A presente Nota Técnica pretende estabelecer o enquadramento do Equipamento de Segurança: Equipamento de Informação Ativado pelos Veículos. O referido equipamento poderá ser instalado

Leia mais

As regras completas para a sinalização de emergência estão contidas na IT-20 Sinalização de Emergência.

As regras completas para a sinalização de emergência estão contidas na IT-20 Sinalização de Emergência. SINALIZAÇÃO As regras completas para a sinalização de emergência estão contidas na IT-20 Sinalização de Emergência. A sinalização de emergência tem como finalidade reduzir o risco de ocorrência de incêndio,

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 VisÇo Geral

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 VisÇo Geral Curso Técnico Segurança do Trabalho Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 VisÇo Geral A NR18 é a norma que regulamenta a Segurança e Medicina do Trabalho na Indústria da Construção

Leia mais

MANUAL DE OBRAS DE SANEAMENTO MOS 3ª EDIÇÃO

MANUAL DE OBRAS DE SANEAMENTO MOS 3ª EDIÇÃO 3ª EDIÇÃO ÍNDICE GERAL P/ 1/5 0 DISPOSIÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO, ORÇAMENTO... 2/39 CONTRATO, SUBCONTRATAÇÃO... 6/39 PRAZO DE EXECUÇÃO, GARANTIA DE SERVIÇO... 7/39 INST. DA OBRA, PESSOAL DA CONTRATADA... 8/39

Leia mais

Projecto de Regulamento que estabelece regras relativas à identificação e sinalização de estações de radiocomunicações

Projecto de Regulamento que estabelece regras relativas à identificação e sinalização de estações de radiocomunicações http://www.anacom.pt/template15.jsp?categoryid=71070 Projecto de Regulamento que estabelece regras relativas à identificação e sinalização de estações de radiocomunicações Nota Justificativa do Projecto

Leia mais

1. Nota introdutória:

1. Nota introdutória: 1. Nota introdutória: Este Regulamento tem como objectivo essencial garantir o normal funcionamento das aulas que possam decorrer no Laboratório de Química, atingindo assim um melhor desempenho dos alunos

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO

PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO O Plano de Segurança é um documento que sistematiza um conjunto de normas e regras, enquadradas nas modalidades de segurança ativa e passiva e destinadas a minimizar os

Leia mais

Linhas Gerais para uma Proposta de Alteração Legislativa relativa a Projectos e Obras de Instalações Eléctricas de Serviço Particular

Linhas Gerais para uma Proposta de Alteração Legislativa relativa a Projectos e Obras de Instalações Eléctricas de Serviço Particular ORDEM DOS ENGENHEIROS Colégio Nacional de Engenharia Electrotécnica Linhas Gerais para uma Proposta de Alteração Legislativa relativa a Projectos e Obras de Instalações Eléctricas de Serviço Particular

Leia mais

AQUECIMENTO CENTRAL VENTILAÇÃO AR CONDICIONADO ENERGIA SOLAR

AQUECIMENTO CENTRAL VENTILAÇÃO AR CONDICIONADO ENERGIA SOLAR Contribuinte: nº 502 706 775 Capital social: 7500,00 Matricula na C.R.C. de Aveiro nº 2810 Alvará: 59988 3800-034 Cacia - Aveiro Telf: 234 914 611; Fax: 234 914 979 Email: geral@climacom.pt AQUECIMENTO

Leia mais

Canteiro de Obras - Conceito

Canteiro de Obras - Conceito Canteiro de Obras Canteiro de Obras - Conceito Segundo a norma NR-18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção, define-se canteiro de obras como: Área de trabalho fixa e temporária

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 05 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 05 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 05 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir os locais de risco conforme artigos 10º e 11ºdo RJ-SCIE (Classificação dos locais de risco e Restrições do uso em locais de

Leia mais

Segurança: Todos os colaboradores devem utilizar Equipamentos de Proteção individual (E.P.I.), em condições de uso, tais quais:

Segurança: Todos os colaboradores devem utilizar Equipamentos de Proteção individual (E.P.I.), em condições de uso, tais quais: Segurança: 01 Equipamentos de Proteção Individual (E.P.I.): Ref.: NR-06 Todos os colaboradores devem utilizar Equipamentos de Proteção individual (E.P.I.), em condições de uso, tais quais: Botas; Óculos;

Leia mais

Q U E M S O M O S Presente no mercado desde 2004, a

Q U E M S O M O S Presente no mercado desde 2004, a Q U E M S O M O S Presente no mercado desde 2004, a Segursaúde é uma empresa autorizada para prestação de serviços na área da Higiene e Segurança no Trabalho, conforme despacho de 23 de Julho de 2009,

Leia mais

Matéria: Normas Regulamentadoras Aula 09 Resumo das normas

Matéria: Normas Regulamentadoras Aula 09 Resumo das normas NR 08 - Edificações Dispõe sobre os requisitos técnicos mínimos que devem ser observados nas edificações para garantir segurança e conforto aos que nelas trabalham. A desta NR, são os artigos 170 a 174

Leia mais

CONHEÇA O CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA QUE VOCÊ CONSOME

CONHEÇA O CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA QUE VOCÊ CONSOME CONHEÇA O CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA QUE VOCÊ CONSOME O SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto da cidade de Governador Valadares-MG, é uma Autarquia Municipal, criada pela Lei Municipal Nº276 de 01/09/1952,

Leia mais

REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS. Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares

REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS. Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares REGRAS GERAIS Cuidados a ter com o transporte e armazenamento de tubagens ou

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS AULA 01 Prof. Guilherme Nanni prof.guilherme@feitep.edu.br 7º Semestre Engenharia civil INST. HIDRÁULICAS AULA 01 7 semestre - Engenharia Civil EMENTA Elaborar projetos

Leia mais

Mapa de Risco da Empresa :

Mapa de Risco da Empresa : Mapa de Risco da Empresa : Questionário auxiliar para elaboração do Mapa de Riscos Objetivos: A - O objetivo deste questionário é de reunir as informações necessárias para estabelecer o diagnóstico da

Leia mais

ESTALEIROS DE OBRA José Amorim Faria. Março 2011

ESTALEIROS DE OBRA José Amorim Faria. Março 2011 ESTALEIROS DE OBRA José Amorim Faria Março 2011 1 OBJECTO 1. FORMULAÇÃO E ÂMBITO DO PROBLEMA TRATADO 2. Lista de meios e instalações fixas necessárias a realização de um edifício de habitação com estrutura

Leia mais

Órgãos de manobra e controlo. Tipos, função e localização. Válvulas de seccionamento. Ventosas. Válvulas de descarga.

Órgãos de manobra e controlo. Tipos, função e localização. Válvulas de seccionamento. Ventosas. Válvulas de descarga. DISCIPLINA DE SANEAMENTO AULA 8 / SUMÁRIO AULA 8 ÓRGÃOS E ACESSÓRIOS Órgãos de manobra e controlo. Tipos, função e localização. Válvulas de seccionamento. Ventosas. Válvulas de descarga. SANEAMENTO / FEVEREIRO

Leia mais