DESEMPREGO. Estudo / Proposta para Redução do Desemprego

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESEMPREGO. Estudo / Proposta para Redução do Desemprego"

Transcrição

1 DESEMPREGO Estudo / Proposta para Redução do Desemprego

2 1. Introdução A concelhia de Pinhel do CDS-PP, debruçou-se sobre a problemática do desemprego, sobretudo a nível do concelho de Pinhel, para verificar o estado do desemprego e ao mesmo tempo verificar quais as medidas que a entidade Local, Centro de Emprego, tem disponíveis para fazer face à realidade que vivemos. O concelho de Pinhel não foge à regra nacional em relação a este assunto, pois o desemprego continua a aumentar, devido, não só ao encerramento de algumas unidades industriais, mas também devido ao fraco ou mesmo reduzido crescimento de novas unidades no interior do Pais. A objectivo deste estudo é mostrar outra forma de apoiar as entidades empregadoras com incentivos financeiros de modo a que estas tenham a percepção que será mais vantajoso este tipo de medidas do que as actualmente disponíveis e claro também mostrar que para o Centro de emprego é mais viável, devido à redução de encargos. Este estudo tem como base os dados referentes ao Concelho de Pinhel, mas a sua aplicação também pode ser vista numa perspectiva nacional. Com este Estudo / Proposta a Concelhia de Pinhel do CDS-PP, pretende mostrar que é possível reduzir despesa com os desempregados subsidiados, por parte do Estado, e ao mesmo tempo contribuir para a redução de custos na contratação e manutenção de postos de trabalho por parte das empresas, tendo estas oportunidade e apoio para aumentar a sua produtividade e competitividade.

3 2. Enquadramento Este estudo teve como base os dados disponibilizados pelo Centro de Emprego de Pinhel à data de 31 de Março de 2010, bem com informação financeira prestada pelo Centro de Segurança Social da Guarda e os dados Estatísticos referentes à população disponibilizados pelo Instituto Nacional de Estatística Os dados fornecidos, informação relativa à situação dos desempregos nos concelhos integrados no Centro de Emprego de Pinhel (Almeida, Figueira Castelo Rodrigo, Pinhel, Mêda e Trancoso), permitiram identificar entre outros, a Taxa de Desemprego, Variação do Desemprego e percentagem de subsidiados face inscritos no Centro de Emprego. ao numero total de desempregados Os gráficos seguintes mostram a informação quantitativa referente aos itens acima indicados.

4 Evolução Desemprego 4º Trim09 vs 1º Trim 10 Qt Almeida Fig.C.R Mêda Pinhel Trancoso Concelhos 4º trim º trim 2010 Variação 2009/2010 Almeida Fig.C.R Mêda Pinhel Trancoso 17% 22% 25% 18% 7% TX Desemprego Trancoso; 4,5% Almeida; 5,5% Pinhel; 8,6% Fig.C.R; 7,3% Mêda; 4,5% População (Activa) Almeida Fig.C.R Mêda Pinhel Trancoso Fonte: População INE

5 Subsidiados vs Desempregados Total Q T Almeida Fig.C.R Mêda Pinhel Trancoso Concelhos Subsidiados Total Desempregados Tx Desempregados Subsidiados Almeida Fig.C.R Mêda Pinhel Trancoso 55% 46% 49% 59% 55%

6 3. Medidas Actuais do IEFP Entre outras medidas, para o estudo em questão destacámos as seguintes: Medida Apoio à Contratação sem Termo Descrição Na contratação de jovens, até aos 35 anos, à procura do 1.º emprego ou de desempregados inscritos nos Centros de Emprego há mais de 6 meses: Apoio à Contratação a Termo - Isenção do pagamento das contribuições para a segurança social a cargo da entidade empregadora pelo período de 36 meses ou - Apoio directo à contratação no montante de em acumulação com a isenção de contribuições para a segurança social a cargo da entidade empregadora, pelo período de 24 meses Na contratação de beneficiários do Rendimento Social de Inserção, Apoio directo à contratação no montante de em acumulação com a isenção de contribuições para a segurança social a cargo da entidade empregadora, pelo período de 36 meses Na contratação de desempregados com mais de 40 anos - Redução de 50% das contribuições para a segurança social a cargo da entidade empregadora, durante o 1.º ano do contrato - Redução de 65% nos dois anos seguintes Na contratação de beneficiários do Rendimento Social de Inserção, ex toxicodependentes e ex-reclusos, desempregados há pelo menos 2 anos e beneficiários de pensão de invalidez - Redução de 65% das contribuições para a segurança social a cargo da entidade empregadora, durante o 1.º ano do contrato - Redução de 80% nos anos seguintes

7 Apoio à Contratação de Ex-Estagiários Estágios Profissionais para Licenciados - Isenção do pagamento das contribuições para a segurança social a cargo da entidade empregadora, pelo período de 36 meses ou - Apoio directo à contratação no montante de em acumulação com a isenção de contribuições para a segurança social a cargo da entidade empregadora, pelo período de 24 meses Os apoios dependem cumulativamente da criação líquida de emprego, por um período de 3 anos, e de manutenção, pelo período de 36 meses, do posto de trabalho criado Estágios de 12 meses, para jovens até aos 35 anos de idade, inclusive, à procura do 1.º ou novo emprego, com formação de nível superior: Comparticipação na bolsa de estágio, de acordo com as seguintes situações: - 60% - para entidades privadas sem fins lucrativos - 55% - para entidades privadas com fins lucrativos com menos de 50 trabalhadores - 50% - para entidades privadas com fins lucrativos com 50 ou mais trabalhadores e menos de 100 trabalhadores - 35% - para entidades privadas com fins lucrativos com 100 ou mais trabalhadores e menos de 250 trabalhadores - 20% - para entidades privadas com fins lucrativos com mais de 250 trabalhadores Comparticipação a 100% do valor das despesas com alimentação e seguro Fonte: Como podemos verificar, nas medidas destinadas a desempregados, sem formação superior, o incentivo para as entidades empregadoras traduzem-se na isenção do pagamento das contribuições para a segurança social.

8 4. Proposta Estudo da Concelhia A medida proposta destina-se à contratação sem termo de desempregados beneficiários de subsídio de desemprego, havendo uma comparticipação do Centro de emprego e da entidade empregadora, relativamente ao salário que o beneficiário vier a usufruir após a sua contratação. Assim, a entidade empregadora que reúna os requisitos da medida, vai comparticipar o salário do desempregado contratado, conforme o quadro seguinte: 1º Ano 50% 2º Ano 75% 3º Ano 100% No caso da entidade empregadora apresentar um Resultado Liquido negativo, após o primeiro ano, então no ano seguinte mantém-se as condições do ano anterior. O Centro de Emprego irá comparticipar o Salário atribuído ao subsidiário pela entidade empregadora, até ao montante máximo de 1.25 salário mínimo nacional (593,75 ), de acordo com a tabela seguinte: 1º Ano 50% 2º Ano 25% 3º Ano 0% A entidade empregadora beneficiará de isenção do pagamento das contribuições para a segurança social durante os 36 meses.

9 1) Descrição da Proposta O quê: Apoio financeiro e isenção do pagamento das contribuições para a segurança social a cargo da entidade empregadora, na contratação de desempregados subsidiados. Para quem: Entidades empregadoras de direito privado, contribuintes do regime geral de segurança social dos trabalhadores por conta de outrem Requisitos: Situação contributiva regularizada na segurança social e a de impostos na administração fiscal Não se encontrar em situação de atraso no pagamento dos salários Encontrar-se regularmente constituída e devidamente registada, caso seja pessoa colectiva O nível de emprego no mês anterior ao da contratação ser igual ou superior ao verificado a 31 de Dezembro do ano transacto

10 2) Análise do Impacto: Empregador e Centro de Emprego Para iniciarmos este estudo tivemos como ponto de partido os seguintes pressupostos: Informação Base do Estudo Universo Desempregados Subsidiados 251 Taxa Social única Empregador 23,75 % Salário Mínimo Nacional 475,00 mês Subsidio de Refeição 4,50 dia Seguro Funcionário 150,00 Ano Formação HST 90,00 Ano Tendo como ponto de partida os elementos apresentados, podemos apurar qual o custo para o centro de emprego em assegurar um desempregado subsidiado e ao mesmo tempo apurar quanto representa um novo funcionário para uma empresa, assim: Centro de Emprego Considerando que o Centro de Emprego atribuiu um subsídio de desemprego de acordo com a seguinte formula: SB x 14 (ou 12) = R R / 360 = MD 65% de MD x 30 = SD Onde SB: Salário base R: Remuneração de referência MD: Montante diário SD: Subsídio de desemprego temos que mensalmente cada desempregado subsidiado, que beneficiou de salário mínimo irá receber 360,21 Centro de Emprego 360,21

11 De acordo com as regras actuais, o número de dias a que tem direito a Subsídio de Desemprego e Subsídio Social de Desemprego varia em função da idade e do número de meses com registo de remunerações no período anterior à data do desemprego. Entidade Empregadora Já em relação à entidade empregadora, vamos partir do cenário que ela não recebe qualquer apoio na contratação ou manutenção de um novo posto de trabalho, assim mensalmente temos: Salário 475,00 Sub Alimentação 99,00 Seguro 12,50 Formação e HST 7,50 Seg Social 112,81 Total Mensal 705,63 No entanto, caso a entidade empregadora aderisse a um programa em que obtinha isenção do pagamento das contribuições para a segurança social, durante 36 meses, a entidade teria mensalmente o seguinte encargo: Total Mensal Sem Seg Social 594,00

12 Vamos agora ver qual o impacto desta medida num período de 3 anos para ambas as entidades, Centro de Emprego e Entidade Empregadora, começando por recordar o quadro de comparticipações: Comparticipação Empregador IEFP 1º ano 50% 50% 2º ano 75% 25% 3º ano 100% 0% Como sabemos, nem todos os desempregados subsidiados irão beneficiar do subsidio de desemprego ao longo dos 3 anos, pois o tempo de subsidio varia de acordo com os anos de trabalho e idade. Assim no nosso estudo considerámos que a evolução do número de beneficiários de subsídio de Desemprego sofre a seguinte evolução: Desempregados SUB a que corresponde a uma redução de 50% dos beneficiários no segundo ano e de 75% no terceiro. Com a implementação desta medida, podemos ver no quadro seguinte, os respectivos encargos que ambas as entidades irão suportar ao longo do programa: Encargos Mensais Por Desempregado Encargos Empregador 356,50 475,25 594,00 Centro de Emprego 237,50 118,75 0,00 Agora que se apresentaram os encargos, vamos apresentar o valor que ambas as entidades beneficiam, por desempregado mensalmente, com esta medida: Poupança do Empregador 350,31 231,56 112,81 Redução de Encargos do C. de Emprego 122,71 241,46 360,21

13 Com base nas comparticipações, na evolução estimada dos desempregados subsidiados e no universo do Concelho de Pinhel, a tabela seguinte quantifica o retorno desta medida para o Centro de Emprego, assim temos: Redução de Encargos do C. de Emprego 122,71 241,46 360,21 Redução de Encargos do C. de Emprego Mensal , , ,07 Redução de Encargos do C. de Emprego Anual , , ,88

14 3) Análise do Impacto: Empregador, Centro de Emprego e Município Como sabemos, são competências dos órgãos municipais no domínio do apoio ao desenvolvimento local colaborar no apoio a iniciativas locais de emprego e participar em programas de incentivo à fixação de empresas. Neste sentido o nosso estudo também submeteu a presença e contribuição do (s) Município (s) à medida aqui exposta. Assim, numa primeira aproximação de contribuição do (s) Município (s) nesta medida, é o Município comparticipar a parte que cabe à entidade empregadora, assim vamos simular que o município contribuiu 15% do salário suportado pela entidade empregadora, até um salário base máximo de 1.25 salário mínimo nacional (593,75 ): Do Salário Base oferecido Empresa o Município Comparticipa Participação do (s) Município (s) 15% Entidade Empregadora 85% Esta comparticipação traduz-se, conforme quadro seguinte, nos seguintes valores por desempregado e mensalmente Encargos Mensais Por Desempregado Encargos Empregador 320,88 421,81 522,75 Município 35,63 53,44 71,25 Tendo com base as comparticipações e o universo de desempregados subsidiados do Concelho de Pinhel, a tabela seguinte quantifica o investimento nesta medida por parte do (s) Município (s), assim temos: Investimento Município Anual Município Anual , , ,00

15 Com esta comparticipação do (s) Município (s) a entidade Empregadora vai beneficiar da seguinte redução de encargos: Poupança Empresa Por Desempregado Redução Custos Empresa 385,94 285,00 184,06

16 5. Conclusões No seguimento do estudo realizado chegamos à conclusão que esta medida é bastante positiva para ambas as partes, pois todas conseguem redução de encargos substanciais. Na perspectiva do Centro de Emprego, e no universo de desempregados subsidiados do Concelho de Pinhel, esta instituição consegue ao longo dos três anos da medida uma redução de 1 milhão de euros, tendo como base os dados acima indicados. Já do ponto de vista da entidade empregadora observamos que a redução de encargos com contratação e manutenção de postos de trabalho ao abrigo desta medida, obtém uma redução de 33% no período de 3 anos, como podemos ver no quadro seguinte: Impacto Redução de Encargos Empresa Encargos Empregador - Adesão à Medida 356,50 475,25 594,00 Encargos Empregador - Sem Medida 706,81 706,81 706,81 Impacto Anual 50% 33% 16% Impacto Triénio 33% Com a intervenção do (s) Município (s), no caso de Pinhel esta comparticipação representa cerca de 1% do total da Receita de Capital do Orçamento de 2010 ( ) Com esta comparticipação do Município, o impacto para a entidade empregadora é significativo, 40%. Impacto Redução de Encargos Empresa ( Com Município) Encargos Empregador - Adesão à Medida 320,88 421,81 522,75 Encargos Empregador - Sem Medida 706,81 706,81 706,81 Impacto Anual 55% 40% 26% Impacto Triénio 40%

17 Impacto Redução de Encargos Empresa Encargos Empregador - Adesão à Medida 344,63 457,44 570,25 Encargos Empregador - Sem Medida 706,81 706,81 706,81 Impacto Anual 51% 35% 19% Impacto Triénio 35% Concluímos que esta medida, com os pressupostos apresentados se torna numa medida útil e vantajosa para todas as partes. Acrescentamos que com a redução de encargos por parte do Centro de emprego, esse montante poderia ser aplicado a um programa semelhante mas para desempregados sem subsídio.

MEDIDA CONTRATO-EMPREGO

MEDIDA CONTRATO-EMPREGO MEDIDA CONTRATO-EMPREGO EM QUE CONSISTE A medida Contrato-Emprego é um apoio financeiro aos empregadores que celebrem contratos de trabalho sem termo ou a termo certo, por prazo igual ou superior a 12

Leia mais

MEDIDA ESTÁGIOS EMPREGO

MEDIDA ESTÁGIOS EMPREGO MEDIDA ESTÁGIOS EMPREGO Entidades Promotoras: Entidades privadas, com ou sem fins lucrativos e Autarquias Locais. Destinatários: Jovens à procura de emprego, entre os 18 e os 30 anos, inscritos no IEFP

Leia mais

MEDIDAS DE ESTÍMULO EMPREGO (ACTUALIZAÇÃO)

MEDIDAS DE ESTÍMULO EMPREGO (ACTUALIZAÇÃO) MEDIDAS DE ESTÍMULO EMPREGO (ACTUALIZAÇÃO) INTRODUÇÃO Nos últimos anos e com o intuito de contrariar os efeitos da recessão económica no emprego, o legislador tem seguido uma política de estímulo ao mercado

Leia mais

NOTA INFORMATIVA ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO DO TRABALHO

NOTA INFORMATIVA ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO DO TRABALHO 03.02.2009 NOTA INFORMATIVA ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO DO TRABALHO MEDIDAS EXCEPCIONAIS DE APOIO AO EMPREGO E À CONTRATAÇÃO PARA O ANO DE 2009 Como forma de reacção à actual conjuntura económica e financeira

Leia mais

INCENTIVOS À CONTRATAÇÃO DE JOVENS À PROCURA DO PRIMEIRO EMPREGO E DE DESEMPREGADOS DE LONGA DURAÇÃO E DE MUITO LONGA DURAÇÃO Decreto-Lei n.

INCENTIVOS À CONTRATAÇÃO DE JOVENS À PROCURA DO PRIMEIRO EMPREGO E DE DESEMPREGADOS DE LONGA DURAÇÃO E DE MUITO LONGA DURAÇÃO Decreto-Lei n. INCENTIVOS À CONTRATAÇÃO DE JOVENS À PROCURA DO PRIMEIRO EMPREGO E DE DESEMPREGADOS DE LONGA DURAÇÃO E DE MUITO LONGA DURAÇÃO Decreto-Lei n.º 72/2017 O Decreto-Lei n.º 72/2017, de 21 de junho veio estabelecer

Leia mais

Briefing Laboral #32 MEDIDA CONTRATO MEDIDA DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS EMPREGO MEDIDA CONTRATO-EMPREGO ÂMBITO DA MEDIDA DESTINATÁRIOS

Briefing Laboral #32 MEDIDA CONTRATO MEDIDA DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS EMPREGO MEDIDA CONTRATO-EMPREGO ÂMBITO DA MEDIDA DESTINATÁRIOS MEDIDA CONTRATO-EMPREGO MEDIDA DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS MEDIDA CONTRATO EMPREGO PORTARIA N.º 34/2017, DE 18 DE JANEIRO ÂMBITO DA MEDIDA No próximo dia 01 de Maio irá abrir a segunda fase de candidaturas

Leia mais

INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DISPENSA PARCIAL OU ISENÇÃO TOTAL DO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO, DESEMPREGADO DE LONGA DURAÇÃO E DESEMPREGADO DE MUITO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO REDUÇÃO DE TAXA CONTRIBUTIVA APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO

Leia mais

Rede Social. Quadro I - População residente activa e empregada segunda seguindo o sexo e o ramo de actividade taxas de actividades em 1991 e 2001.

Rede Social. Quadro I - População residente activa e empregada segunda seguindo o sexo e o ramo de actividade taxas de actividades em 1991 e 2001. Emprego e Formação Profissional Alguns dos dados constantes nesta área do Pré-diagnóstico foram fornecidos pelo Centro de Emprego de Pinhel e os restantes retirados do XVI Recenseamento geral da População

Leia mais

O novo Norte Conjuntura Eduardo Pereira

O novo Norte Conjuntura Eduardo Pereira O novo Norte Conjuntura Eduardo Pereira 2 a sessão NORTE & TERRITÓRIO 30 setembro Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro www.ccdr-n.pt/norte-territorio O Norte Conjuntura ao 11º ano de publicação:

Leia mais

SALÁRIO MÍNIMO - UGT EXIGE COMPROMISSO DO GOVERNO A 4 ANOS

SALÁRIO MÍNIMO - UGT EXIGE COMPROMISSO DO GOVERNO A 4 ANOS SALÁRIO MÍNIMO - UGT EXIGE COMPROMISSO DO GOVERNO A 4 ANOS Na Política de Rendimentos 2005/2006 apresentada a 01 de Setembro, a UGT reivindicou que, em sede de Comissão Permanente de Concertação Social,

Leia mais

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS DADOS ESTATÍSTICOS A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas I. DADOS NACIONAIS 1. POPULAÇÃO 1.1 População Residente por Sexo e Grupo Etário: Censos 1 1.2 População Residente - Estimativas 1 2.

Leia mais

GUIA PRÁTICO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO MEDIDA EXCECIONAL DE APOIO AO EMPREGO: REDUÇÃO DE 0,75 PONTOS PERCENTUAIS DA TAXA CONTRIBUTIVA PARA A SEGURANÇA SOCIAL A CARGO DA ENTIDADE EMPREGADORA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA

Leia mais

Lisboa, 26 de Junho de 2012

Lisboa, 26 de Junho de 2012 Lisboa, 26 de Junho de 2012 Estímulo 2012 A medida ativa de emprego Estímulo 2012, aprovada pela Portaria nº 45/2012, tem por objetivo: Apoiar a contratação de desempregados; Promovendo e aumentando a

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE AS NOVAS REGRAS PARA A ATRIBUIÇÃO DO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO

INFORMAÇÃO SOBRE AS NOVAS REGRAS PARA A ATRIBUIÇÃO DO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO INFORMAÇÃO SOBRE AS NOVAS REGRAS PARA A ATRIBUIÇÃO DO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO O Governo publicou, a 15 de Março, dois diplomas em matéria de protecção no desemprego: Decreto-Lei nº 64/2012, de 15 de Março

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Seguro Social Voluntário

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Seguro Social Voluntário Seguro Social Voluntário Ficha Técnica Título Autor de Segurança Social Seguro Social Voluntário Conceção gráfica Edição Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação http://www.seg-social.pt/dgss-direccao-geral-da-seguranca-social

Leia mais

INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO APOIO À CONTRATAÇÃO DE JOVENS, DE DESEMPREGADOS DE LONGA DURAÇÃO E DE DETERMINADOS PÚBLICOS INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL,

Leia mais

Repartição dos rendimentos

Repartição dos rendimentos Repartição dos rendimentos Repartição primária do rendimento rendimentos primários Rendimentos primários e rendimentos secundários Os rendimentos do trabalho (salários) e do capital (juros, lucros e rendas)

Leia mais

Briefing Laboral # 18 1

Briefing Laboral # 18 1 Briefing Laboral # 18 1 CRIAÇÃO DA MEDIDA ESTÍMULO EMPREGO E ALTERAÇÃO ÀS MEDIDAS ESTÁGIO EMPREGO Portaria n.º 149-A/2014, de 24 de Julho Concessão de Apoio Financeiro à celebração de contrato de Trabalho

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO ISENÇÃO DO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO DOS JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL,

Leia mais

INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação

INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação INDICE 1. OBJECTIVO 2. PORQUÊ A INICIATIVA? 3. PARA OS JOVENS: UMA OPORTUNIDADE NOVA 4. PARA OS ADULTOS:

Leia mais

BALANÇA DE PAGAMENTOS Balança de Pagamentos Externos de Portugal Valores Líquidos Base de transacções Balança de Pagamentos Externos

BALANÇA DE PAGAMENTOS Balança de Pagamentos Externos de Portugal Valores Líquidos Base de transacções Balança de Pagamentos Externos ÍNDICE DE QUADROS Parte I ESTATÍSTICAS MONETÁRIAS E FINANCEIRAS Balanço do Banco de Portugal Dez 1947-Dez 1956... 11 Balanço do Banco de Portugal Dez 1957-Dez 1965... 12 Balanço do Banco de Portugal Mar

Leia mais

Taxas. A percentagem das taxas varia em função da qualidade do trabalhador, da entidade empregadora ou da actividade exercida.

Taxas. A percentagem das taxas varia em função da qualidade do trabalhador, da entidade empregadora ou da actividade exercida. Taxas Conheça as taxas aplicáveis aos es por conta de outrem e as taxas aplicáveis aos gerentes e administradores, utilizadas para apurar as contribuições que a empresa tem de entregar à Segurança Social.

Leia mais

Direção Regional de Estatística da Madeira

Direção Regional de Estatística da Madeira 28 de novembro de 2014 PROTEÇÃO SOCIAL 2004-2013 Nota introdutória A Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM) divulga, pela primeira vez, no seu novo portal, uma série retrospetiva com os principais

Leia mais

Regulamento do Cartão Municipal do Idoso

Regulamento do Cartão Municipal do Idoso Regulamento do Cartão Municipal do Idoso Preâmbulo Considerando a importância crescente do papel das autarquias locais, no âmbito do apoio às populações, a Câmara Municipal de Grândola atenta que está

Leia mais

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA MEDIDA EXCEPCIONAL DE APOIO AO EMPREGO PARA O ANO 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA MEDIDA EXCEPCIONAL DE APOIO AO EMPREGO PARA O ANO 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I. GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA MEDIDA EXCEPCIONAL DE APOIO AO EMPREGO PARA O ANO 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Redução da taxa contributiva Medida

Leia mais

INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO

INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO DOSSIER INFORMATIVO 4 INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO EMPRESAS ÍNDICE 1 - Medida Estágio Emprego...4 2 - Medida Estímulo Emprego...10 3 - Medida REATIVAR...16 4 - Dispensa de pagamento de contribuições

Leia mais

A DESPESA COM O PESSOAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REDUZ-SE MILHÕES DE EUROS ENTRE 2011 E 2013!

A DESPESA COM O PESSOAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REDUZ-SE MILHÕES DE EUROS ENTRE 2011 E 2013! A DESPESA COM O PESSOAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REDUZ-SE 3.800 MILHÕES DE EUROS ENTRE 2011 E 2013! 1. Quais são as medidas de Consolidação Orçamental que mais afetam os trabalhadores da AP e os aposentados?

Leia mais

Projecto de Lei n.º 12/XI

Projecto de Lei n.º 12/XI Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 12/XI Altera as Regras da Atribuição do Subsídio de Desemprego, introduzindo uma maior justiça social O desemprego em Portugal atinge actualmente níveis dramáticos,

Leia mais

RESPOSTAS ÀS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A REFORMA ANTECIPADA NA SEGURANÇA SOCIAL

RESPOSTAS ÀS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A REFORMA ANTECIPADA NA SEGURANÇA SOCIAL Respostas às questões mais frequentes sobre a pensão antecipada na Segurança Social Pág. 1 RESPOSTAS ÀS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A REFORMA ANTECIPADA NA SEGURANÇA SOCIAL Trabalhadores empregados e desempregados

Leia mais

REGIME DOS TRABALHADORES INDEPENDENTES

REGIME DOS TRABALHADORES INDEPENDENTES REGIME DOS TRABALHADORES INDEPENDENTES TERESA FERNANDES 1 REGIME DOS TRABALHADORES INDEPENDENTES Âmbito Pessoal Âmbito Material Relação Jurídica de Vinculação Relação Jurídica Contributiva 2 ÂMBITO PESSOAL

Leia mais

AS DESIGUALDADES ENTRE HOMENS E MULHERES NÃO ESTÃO A DIMINUIR EM PORTUGAL

AS DESIGUALDADES ENTRE HOMENS E MULHERES NÃO ESTÃO A DIMINUIR EM PORTUGAL A situação da mulher em Portugal Pág. 1 AS DESIGUALDADES ENTRE HOMENS E MULHERES NÃO ESTÃO A DIMINUIR EM PORTUGAL RESUMO DESTE ESTUDO No 8 de Março de 2008, em que se comemora o Dia Internacional da Mulher,

Leia mais

Quebras de Produção Intensificam-se

Quebras de Produção Intensificam-se Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas ANEOP Associação Nacional dos Empreiteiros

Leia mais

Exemplo: Uma empresa efetua despedimentos, no âmbito de uma reestruturação, em

Exemplo: Uma empresa efetua despedimentos, no âmbito de uma reestruturação, em Em cada triénio, só são consideradas para efeitos de proteção no desemprego as situações de cessação do contrato de trabalho por acordo, com fundamento em motivos que permitam o recurso ao despedimento

Leia mais

ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2011

ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2011 ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2011 CODIGO CONTRIBUTIVO DA SEGURANÇA SOCIAL Depois da publicação da Lei nº 110/2009 de 16 de Setembro e da sua suspensão através da Lei nº 119/2009 de 30 de Dezembro, entrou em

Leia mais

DESEMPREGO DA CONSTRUÇÃO: O PIOR AINDA ESTÁ PARA VIR?

DESEMPREGO DA CONSTRUÇÃO: O PIOR AINDA ESTÁ PARA VIR? (%) (%) DESEMPREGO DA CONSTRUÇÃO: O PIOR AINDA ESTÁ PARA VIR? É possível evitar o colapso e as suas consequências para o País? 1) DESEMPREGO NA CONSTRUÇÃO: UM FLAGELO SOCIAL O desemprego global da economia

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional

MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional No âmbito da medida de incentivos ao emprego "Estímulo 2012", estabelecida pela Portaria n 45/2012, de 13.2, o Instituto

Leia mais

Estudo sobre o Regime de Flexibilização da Idade de Reforma ESTUDO SOBRE O REGIME DE FLEXIBILIZAÇÃO DA IDADE DE REFORMA

Estudo sobre o Regime de Flexibilização da Idade de Reforma ESTUDO SOBRE O REGIME DE FLEXIBILIZAÇÃO DA IDADE DE REFORMA ESTUDO SOBRE O REGIME DE FLEXIBILIZAÇÃO DA IDADE DE REFORMA Julho de 2006 1 APRESENTAÇÃO O Decreto-Lei n.º 9/99 de 8 de Janeiro veio estabelecer um novo regime de flexibilização da idade de reforma, que

Leia mais

Soluções Globais Benefícios

Soluções Globais Benefícios 2012 Soluções Globais Benefícios Diminuir a carga fiscal Gerir eficazmente a utilização dos recursos disponíveis Aumentar o poder de compra em áreas de primeira necessidade Estimular o desempenho do trabalhador

Leia mais

FAQ S: 1. O/A destinatário/a do estágio deverá estar inscrito/a no Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP)?

FAQ S: 1. O/A destinatário/a do estágio deverá estar inscrito/a no Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP)? FAQ S: 1. O/A destinatário/a do estágio deverá estar inscrito/a no Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP)? Sim, o/a destinatário/a do estágio tem que estar inscrito/a como desempregado/a num

Leia mais

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DE TAXA CONTRIBUTIVA PRÉ REFORMA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DE TAXA CONTRIBUTIVA PRÉ REFORMA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DE TAXA CONTRIBUTIVA PRÉ REFORMA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Redução de Taxa Contributiva Pré Reforma (2005 v5.4) PROPRIEDADE Instituto da

Leia mais

Regulamento do Programa Municipal de Estágios Jovem Ativo. Nota Justificativa

Regulamento do Programa Municipal de Estágios Jovem Ativo. Nota Justificativa Regulamento do Programa Municipal de Estágios Jovem Ativo Nota Justificativa Considerando a crescente taxa de desemprego e os problemas de natureza social a ela associados, flagelo que conduz à urgência

Leia mais

>< Grandes Opções do Plano e Orçamento 2016 Câmara Municipal do Seixal ENQUADRAMENTO ORÇAMENTAL

>< Grandes Opções do Plano e Orçamento 2016 Câmara Municipal do Seixal ENQUADRAMENTO ORÇAMENTAL >< Grandes Opções do Plano e Orçamento 2016 ENQUADRAMENTO ORÇAMENTAL >< 47 >< Grandes Opções do Plano e Orçamento 2016 Enquadramento Orçamental para o Exercício de 2016 Dando cumprimento ao disposto na

Leia mais

Mercado de Trabalho da Região Norte Eduardo Pereira

Mercado de Trabalho da Região Norte Eduardo Pereira Mercado de Trabalho da Região Norte Eduardo Pereira 1 a sessão NORTE & PESSOAS 12 MAIO Instituto de Design de Guimarães www.ccdr-n.pt/norte-pessoas O Mercado de Trabalho da Região Norte 1. Da viragem do

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: PLANEAR O ORÇAMENTO FAMILIAR IDENTIFICAR RENDIMENTOS E DESPESAS

ÁREA DE FORMAÇÃO: PLANEAR O ORÇAMENTO FAMILIAR IDENTIFICAR RENDIMENTOS E DESPESAS ÁREA DE FORMAÇÃO: PLANEAR O ORÇAMENTO FAMILIAR IDENTIFICAR RENDIMENTOS E DESPESAS Índice Planear o orçamento familiar Tipos de rendimentos Tipos de despesas Estrutura de despesas Saldo do orçamento familiar

Leia mais

Trabalhadores Independentes

Trabalhadores Independentes Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social - Principais alterações Trabalhadores Independentes Rita Rodrigues PwC Agenda 1. Trabalhadores abrangidos 8. Obrigações das

Leia mais

IEFP. O Instituto do Emprego e Formação Profissional promove uma série de medidas e programas destinados a fomentar e apoiar o emprego em Portugal.

IEFP. O Instituto do Emprego e Formação Profissional promove uma série de medidas e programas destinados a fomentar e apoiar o emprego em Portugal. IEFP O Instituto do Emprego e Formação Profissional promove uma série de medidas e programas destinados a fomentar e apoiar o emprego em Portugal. Desse conjunto, destacamos: I) Apoios à contratação II)

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Teste Intermédio

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Teste Intermédio NOVA SCHOOL OF BUSINESS AND ECONOMICS INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Teste Intermédio Ana Balcão Reis Catarina Ângelo 24 de Novembro de 2012 Inácia Pimentel Simão Arouca Duração Total: 1h45m I ( 8,1 val) Nos

Leia mais

As medidas do governo para incentivar a natalidade vão ter reduzidos efeitos Pág. 1

As medidas do governo para incentivar a natalidade vão ter reduzidos efeitos Pág. 1 As medidas do governo para incentivar a natalidade vão ter reduzidos efeitos Pág. 1 AS MEDIDAS ANUNCIADAS PELO GOVERNO PARA INCENTIVAR A NATALIDADE VÃO TER EFEITOS REDUZIDOS RESUMO O governo acabou de

Leia mais

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA - APOIO AO EMPREGO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA - APOIO AO EMPREGO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA - APOIO AO EMPREGO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Redução da taxa contributiva - Apoio ao emprego

Leia mais

FICHA TÉCNICA TÍTULO EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DE JANEIRO DE 2016

FICHA TÉCNICA TÍTULO EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DE JANEIRO DE 2016 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL JANEIRO DE 2016 FICHA TÉCNICA TÍTULO EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DE JANEIRO DE 2016 AUTOR/EDITOR INSTITUTO DE GESTÃO FINANCEIRA DA SEGURANÇA SOCIAL, I. P. Av. Manuel da Maia, n.º 58 1049-002

Leia mais

Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN

Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN 1. Beneficiários 1.1. As regras de enquadramento que se aplicam às empresas são as correspondentes à da região onde se localiza

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTAS 2014

RELATÓRIO DE CONTAS 2014 RELATÓRIO DE CONTAS 2014 CENTRO SOCIAL PADRE JOSÉ COELHO Agência Fontes de Júlio dos Santos Fontes Lda. @ geral@agenciafontes.pt tel. 227 441 281 FICHA TÉCNICA Proprietário CENTRO SOCIAL PADRE JOSÉ COELHO

Leia mais

As tarifas sociais dos serviços de águas e resíduos em Portugal Continental

As tarifas sociais dos serviços de águas e resíduos em Portugal Continental As tarifas sociais dos serviços de águas e resíduos em Portugal Continental David Alves Gisela Robalo Inês Gonçalves ENEG 2013 3 a 5 de dezembro, Coimbra Estrutura Introdução O setor das águas e resíduos

Leia mais

RELAÇÃO JURÍDICA CONTRIBUTIVA

RELAÇÃO JURÍDICA CONTRIBUTIVA Delimitação da base de incidência contributiva Despesasresultantes da utilização pessoal pelo Trabalhador, de viatura automóvel que gere encargos para a entidade empregadora, previsto em acordo escrito

Leia mais

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação. taxa de variação

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação. taxa de variação Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas 2013 2013 2014 2015 2016 2017 nível (10 6 euros) 1. PIB (real) 1 B1*g 162852,2-1,4 1,2 1,5 1,7 1,8 1,8 2. PIB (nominal) B1*g 165666,3 0,3 2,0 2,4 3,4 3,7 3,7 Componentes

Leia mais

CÓDIGO CONTRIBUTIVO Principais Implicações para as Empresas. João Santos

CÓDIGO CONTRIBUTIVO Principais Implicações para as Empresas. João Santos CÓDIGO CONTRIBUTIVO Principais Implicações para as Empresas João Santos Enquadramento Legal Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social (CC) Aprovado pela Lei n.º 110/2009,

Leia mais

PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO)

PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO) PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO) Condições de Acesso (Portaria n.º 985/2009 de 4 de Setembro) 0 PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR Nº 3/ GGF / 2011

OFÍCIO CIRCULAR Nº 3/ GGF / 2011 OFÍCIO CIRCULAR Nº 3/ GGF / 2011 Às Escolas Básicas e Secundárias. Agrupamentos de Escolas Escolas Profissionais Públicas. DATA: 2011/01/07 ASSUNTO: Processamento de Remunerações em 2011 Face à Lei nº

Leia mais

EDITAL Nº1/2015 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

EDITAL Nº1/2015 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EDITAL Nº1/2015 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Para os efeitos convenientes torna-se público que se encontra aberto, a partir do

Leia mais

Regras Técnicas

Regras Técnicas Regras Técnicas 2007-2008 2008 Considerando o regime de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do Ensino Superior Público, determino os critérios e procedimentos técnicos a adoptar pelos Serviços

Leia mais

Consumo de cimento em 2012: o menor dos últimos 39 anos

Consumo de cimento em 2012: o menor dos últimos 39 anos FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

Criatividade e Inovação Chaves do Sucesso

Criatividade e Inovação Chaves do Sucesso Criatividade e Inovação Chaves do Sucesso Uma resposta à crise no Distrito de Castelo Branco Promotor do Projecto: Execução do Projecto: 1. O retrato da crise no Distrito 2. A economia social no Distrito

Leia mais

Projecto de Lei n.º 620/X

Projecto de Lei n.º 620/X Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 620/X Altera as Regras da Atribuição do Subsídio de Desemprego, introduzindo uma maior justiça social A crise económica e financeira mundial tem vindo a gerar recessão

Leia mais

Proteção no desemprego para os trabalhadores independentes Decreto-Lei n.º 65/2012, de 15 de março

Proteção no desemprego para os trabalhadores independentes Decreto-Lei n.º 65/2012, de 15 de março Proteção no desemprego para os trabalhadores independentes Decreto-Lei n.º 65/2012, de 15 de março Através do presente decreto-lei o Governo instituiu um regime jurídico de proteção na eventualidade desemprego,

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDAS EXCECIONAIS DE APOIO AO EMPREGO PARA 2010 APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.

GUIA PRÁTICO MEDIDAS EXCECIONAIS DE APOIO AO EMPREGO PARA 2010 APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I. GUIA PRÁTICO MEDIDAS EXCECIONAIS DE APOIO AO EMPREGO PARA 2010 APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Medidas excecionais de apoio

Leia mais

PROMOÇÃO DO ESPÍRITO EMPRESARIAL (BAIXA DENSIDADE) AVISO NORTE SISTEMA DE APOIO ÀS AÇÕES COLETIVAS ANEXO Nº 1 DESPESAS ELEGÍVEIS

PROMOÇÃO DO ESPÍRITO EMPRESARIAL (BAIXA DENSIDADE) AVISO NORTE SISTEMA DE APOIO ÀS AÇÕES COLETIVAS ANEXO Nº 1 DESPESAS ELEGÍVEIS PROMOÇÃO DO ESPÍRITO EMPRESARIAL (BAIXA DENSIDADE) AVISO NORTE 51 2016 06 ANEXO Nº 1 DESPESAS ELEGÍVEIS Para além das condições de elegibilidade definidas em sede de aviso correspondente a cada tipologia

Leia mais

Plano CV Prevdata. Conheça mais sobre o seu Plano de Previdência Complementar

Plano CV Prevdata. Conheça mais sobre o seu Plano de Previdência Complementar Plano CV Prevdata Conheça mais sobre o seu Plano de Previdência Complementar A entidade Nossos números Patrimônio de R$ 1,1 bilhão (dez/2016) 2 planos de benefícios e plano de gestão administrativa 36

Leia mais

DOS MAIORES DE 23 ANOS NOME:

DOS MAIORES DE 23 ANOS NOME: Notas: Apresente o seu documento de identificação. Coloque o nome em todas as folhas. Leia atentamente cada questão antes de iniciar a sua resposta. Grupo 1 [10 VALORES] Relativamente a cada questão, assinale

Leia mais

Formação Algarve PROGRAMA FORMAÇÃO ALGARVE

Formação Algarve PROGRAMA FORMAÇÃO ALGARVE PROGRAMA FORMAÇÃO ALGARVE Em que consiste Concessão de um apoio financeiro à renovação, à conversão de contratos de trabalho a termo ou à celebração de novos contratos de trabalho com ex-trabalhadores

Leia mais

PRODUTIVIDADE PROJETO CONJUNTO > SI QUALIFICAÇÃO COMPETE 2020

PRODUTIVIDADE PROJETO CONJUNTO > SI QUALIFICAÇÃO COMPETE 2020 + PRODUTIVIDADE PROJETO CONJUNTO > SI QUALIFICAÇÃO COMPETE 2020 1 RESULTADOS OBTIDOS > 1ª edição 2013/2015 Aumento da Produtividade Aumento da produtividade > 25% Aumento da Volume Vendas Aumento de eficiência

Leia mais

Gostaria de manifestar todo o nosso reconhecimento aos Senhores Ministro da Economia e do Emprego e Secretário

Gostaria de manifestar todo o nosso reconhecimento aos Senhores Ministro da Economia e do Emprego e Secretário SESSÃO DE LANÇAMENTO DO MOVIMENTO PARA O EMPREGO FCG (SALA DIRECÇÕES) - 23.05.2013, 15H30 Senhor Ministro da Economia e do Emprego Senhor Secretário de Estado do Emprego Senhores Deputados Senhor Presidente

Leia mais

GRUPO I (7 valores) 3. Identifique uma das principais características do sistema de economia mista.

GRUPO I (7 valores) 3. Identifique uma das principais características do sistema de economia mista. INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO Unidade Orgânica: Escola Superior de Ciências Empresariais Prova de de acesso ao Regime Especial Maiores de 23 anos para o ano letivo 2016/2017 Junho 2016 Leia

Leia mais

Educação: Falta de planeamento compromete desenvolvimento do país*

Educação: Falta de planeamento compromete desenvolvimento do país* Educação: Falta de planeamento compromete desenvolvimento do país* Por Eugénio Rosa** RESUMO A educação é um factor determinante quer do desenvolvimento de um país, quer do nível de rendimento das famílias.

Leia mais

EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social

EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social DATA: Segunda-feira, 16 de setembro de 2013 NÚMERO: 178 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social DIPLOMA: Portaria n.º 286-A/2013 SUMÁRIO: Cria a medida Incentivo

Leia mais

Desemprego da Construção em máximo histórico

Desemprego da Construção em máximo histórico Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 62 Agosto

Leia mais

Regulamento da Ação Social Escolar - 1.º Ciclo do Ensino Básico

Regulamento da Ação Social Escolar - 1.º Ciclo do Ensino Básico Regulamento da Ação Social Escolar - 1.º Ciclo do Ensino Básico Preâmbulo A Educação constitui uma das atribuições fundamentais dos Municípios desde 1984 e a sua implementação obedece a um conjunto de

Leia mais

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Investimento. Variações trimestrais homólogas

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Investimento. Variações trimestrais homólogas Investimento Variações trimestrais homólogas Entre 2013 e o 3º trimestre de 2015, o Investimento em Portugal superou o existente na Zona Euro, devido não só às perspectivas de crescimento económico, mas

Leia mais

Trabalhadores dependentes

Trabalhadores dependentes Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social - Principais alterações Trabalhadores dependentes Ana Duarte PwC Agenda 1. Base de incidência (novas componentes) 2. Taxas 3.

Leia mais

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas 2012 2012 2013 2014 2015 2016 nível (10 6 euros) 1. PIB (real) 1 B1*g 165644,9-3,2-2,3 0,6 1,5 1,8 2,2 2. PIB (nominal) B1*g 165409,2-3,3-0,6 1,8 2,7 3,5 3,7 Componentes

Leia mais

GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE EMPREGO DA MADEIRA, IP-RAM

GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE EMPREGO DA MADEIRA, IP-RAM GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE EMPREGO DA MADEIRA, IP-RAM CANDIDATURA AO PROGRAMA PROJOVEM MEDIDA EXPERIÊNCIA GARANTIA (Portaria nº 136/2014 de 6 de agosto)

Leia mais

ECONOMIZAR, POUPAR E INVESTIR

ECONOMIZAR, POUPAR E INVESTIR Dia Mundial da Poupança 2016 ECONOMIZAR, POUPAR E INVESTIR O sobre-endividamento, os rendimentos, as despesas e a poupança dos consumidores Economizar, poupar e investir: três etapas para uma boa saúde

Leia mais

Subsídio de Doença Direção-Geral da Segurança Social março 2015

Subsídio de Doença Direção-Geral da Segurança Social março 2015 Direção-Geral da Segurança Social março 2015 O é uma prestação em dinheiro atribuída ao beneficiário para compensar a perda de remuneração, resultante do impedimento temporário para o trabalho, por motivo

Leia mais

FINANCIAMENTO. PEDRO FILIPE Director Geral-Adjunto para a área de Segurança Social ENAD. 22 de Março MANUEL MOREIRA - Coordenador PSGSS

FINANCIAMENTO. PEDRO FILIPE Director Geral-Adjunto para a área de Segurança Social ENAD. 22 de Março MANUEL MOREIRA - Coordenador PSGSS Acções O SISTEMA do INSS DA para PROTECÇÃO o Cumprimento SOCIAL EM das ANGOLA: Obrigações Declarativas FUNDAMENTOS, e Contributivas OBJECTIVOS pelos E Contribuintes MEIOS DE FINANCIAMENTO PEDRO FILIPE

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE. N. o DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A. Artigo 7. o

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE. N. o DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A. Artigo 7. o N. o 87 14-4-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 1599 Artigo 7. o Transição 1 O Instituto Superior de Matemática e Gestão de Lisboa, estabelecimento de ensino reconhecido oficialmente, ao abrigo do disposto

Leia mais

1. O que é a Medida Incentivo à Aceitação de Ofertas de Emprego? 2. Que pessoas podem beneficiar do apoio financeiro?

1. O que é a Medida Incentivo à Aceitação de Ofertas de Emprego? 2. Que pessoas podem beneficiar do apoio financeiro? 1. O que é a Medida Incentivo à Aceitação de Ofertas de Emprego? E uma medida de emprego que pretende apoiar financeiramente os desempregados, a receber subsídio de desemprego, que celebrem contratos de

Leia mais

Oferta Agregada, Inflação e Desemprego Inflação e Desemprego ; salários, preços e curva AS

Oferta Agregada, Inflação e Desemprego Inflação e Desemprego ; salários, preços e curva AS MACROECONOMIA I Aula 4.Nov.2003 > A restrição orçamental do Governo > Visualização gráfica (apenas gráfica) dos efeitos de financiamentos por emissão de moeda dos défices orçamentais. >Défices e Dívida

Leia mais

Decreto-Lei n.º 188/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 188/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 188/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

OE 2011 Alterações ao Código Contributivo

OE 2011 Alterações ao Código Contributivo OE 2011 Alterações ao Código Contributivo Artigo 69.º - Alteração à Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro 1 - Os artigos 4.º, 5.º e 6.º da Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro, alterada pela Lei n.º 119/2009,

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 447/X

PROJECTO DE LEI N.º 447/X Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 447/X ALTERA A LEI N.º 53-B/2006, DE 29 DE DEZEMBRO, QUE CRIA O INDEXANTE DOS APOIOS SOCIAIS E NOVAS REGRAS DE ACTUALIZAÇÃO DAS PENSÕES E OUTRAS PRESTAÇÕES SOCIAIS

Leia mais

A REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL

A REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL A REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL ACORDO DE 10/10/06 POSIÇÃO DA UGT 26/10/06 1 APRESENTAÇÃO Temas a abordar I. Situação financeira da Segurança Social II. III. As Grandes Questões da Reforma Organização do

Leia mais

Sessões de esclarecimento online. Perguntas mais frequentes sobre. Jan.2011

Sessões de esclarecimento online. Perguntas mais frequentes sobre. Jan.2011 Sessões de esclarecimento online Perguntas mais frequentes sobre Código Contributivo Jan.2011 Ainda temos a versão 2010 da PHC. Como podemos aplicar o que referiram até termos a versão 2011? Não é possível

Leia mais

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Investimento. Variações trimestrais homólogas

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Investimento. Variações trimestrais homólogas Investimento Variações trimestrais homólogas Entre 2013 e o 3º trimestre de 2015, o Investimento em Portugal superou o existente na Zona Euro, devido não só às perspectivas de crescimento económico, mas

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1. Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) 2. Programa Investe Jovem 3. Apoio Técnico à Criação e Consolidação de Projetos

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 8 de setembro de Série. Número 138

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 8 de setembro de Série. Número 138 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Terça-feira, 8 de setembro de 2015 Série Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Portaria n.º 161/2015 Estabelece a Medida Incentivo

Leia mais

MANUAL DE APOIO NO DESEMPREGO PROTEÇÃO SOCIAL

MANUAL DE APOIO NO DESEMPREGO PROTEÇÃO SOCIAL A informação contida neste manual de apoio não é exaustiva e, como tal, não dispensa a consulta da legislação aplicável: Decreto-Lei n.º 64/2012, de 15 de março. Altera o Decreto-Lei 220/2006, de 03 de

Leia mais

INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DISPENSA PARCIAL DO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES PARA A SEGURANÇA SOCIAL RELATIVAMENTE AOS PRODUTORES DE LEITE CRU DE VACA E AOS PRODUTORES DE CARNE DE SUÍNO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Águeda. Índice CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS PARA 2017

Santa Casa da Misericórdia de Águeda. Índice CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS PARA 2017 CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS PARA 2017 Índice Assuntos Pág. 1 Demonstração de Resultados Previsionais para 2017 2 2 Investimentos 2 3 Memória justificativa 4 3.1 Custos

Leia mais

GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Dispensa de Pagamento de Contribuições 1º

Leia mais