4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL"

Transcrição

1 4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL 4.1- TIPOS DE ESTRATÉGIA DE MARKETING 4.2- PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O MARKETING 4.3- ESTRUTURA CONCEPTUAL PARA ESTRATÉGIA DE MARKETING 4.4- MODELOS COMO INSTRUMENTOS PARA A ESTRATÉGIA DE MARKETING

2 4.1- TIPOS DE ESTRATÉGIAS DE MARKETING Estratégia de Marketing Global Marketing não faz sentido isolado da estratégia global da empresa Marketing doméstico procura obter e manter os clientes no mercado doméstico (nacional) Marketing Internacional visa criar e assegurar clientes no mercado multinacional e/ou global Factores que influenciam e determinam a estratégia global A gestão dos custos financeiros internacionais A estrutura e organização da empresa Os aspectos culturais, políticos e legais das economias nacionais A estrutura económica dos países e condições de competitividade A atitude e comportamento dos gestores na perspectiva da visão global das estratégias A estratégia global deverá considerar O contexto global (empresa/mercado) A actividade/negócio (mercado) A empresa (empresa)

3 A empresa necessita de recursos e de aproveitar oportunidades para alcançar determinados objectivos e impô-los no mercado, de onde obtém informações, dados, recursos, etc., para o que adopta duas possíveis estratégias: -- estandardização -- uniformização. Estratégias Ofensivas Estratégias Defensivas

4 As grandes famílias das estratégias de marketing

5 Fases do processo da elaboração da estratégia empresarial Preparação Análise Definição Elaboração Execução Controlo

6 Desenvolvimento de Estratégias A concentração tem a ver com a integração vertical podendo orientar-se para jusante, mais ligada ao cliente, ou para montante, mais ligada ao fornecedor. A conglomeração refere-se à reunião de diferentes negócios e actividades. As alianças estratégicas decorrem da procura de acordos externos.

7 4.2- PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O MARKETING Processo de Planeamento Estratégico para o Marketing Global

8 Estrutura Conceptual para o Marketing Multinacional Mercado Nacional. Dimensões do contexto 1.Características do mercado 2. Acções de marketing a. Sistema de distribuição b. Comunicação media c. Serviços de pesquisa de marketing 3. Envolvimento legal 4. Condições industriais 5. Políticas e atitudes governamentais 6. Posição dos recursos 7. Contexto Financeiro Características próprias Diferenciação Características similares Processo conceptual para o marketing multinacional

9 Processo de Marketing Estratégico (1) Especificar objectivos Analisar oportunidades Segmentar e objectivar mercados Decidir programas de marketing Implementar e executar Controlar programa Processo de Marketing Estratégico (2) Oportunidades de mercado Objectivos empresa Estratégia marketing Plano marketing Implementar marketing Controlo marketing

10 Metodologia para o Processo de Planeamento do Marketing Global Oportunidades Contexto mkt global Identificação e análise global Formular planos Organização Controlo Ameaças Análise e diagnóstico Planeamento Controlo A estratégia de marketing realiza-se aproveitando as oportunidades e forças, com as quais poderá ganhar dinheiro e ter sucesso

11 Para construir uma estratégia global Prospectiva Concorrência global Clientes Níveis de crescimento Barreiras à entrada Vantagens competitivas Contexto global Actividade (negócio) Empresa Acções governo nacional Fornecedores Ciclo de vida produtos Ciclo de vida actividade Valor acrescentado (fileira) Depois da estratégia delineada deverá atender-se aos mercados individualmente O marketing global envolve todos os mercados no que respeita às suas similitudes. Neste caso, a decisão sobre a estratégia deve considerar: Se deverá ser a mesma para todos os mercados (global) Se deverá adequar-se a cada mercado (estratégia multinacional) Planeamento de marketing: que planos executar para realizar os negócios?

12 Processo de planeamento de marketing Produto Objectivos e metas Objectivos Mercado Preço Estratégias tácticas Standards Análise e diagnóstico - Desafios da empresa - Necessidades do mercado Opções e decisões sobre a estratégia de marketing Adaptar o marketing-mix aos objectivos do Mercado (oportunidades) Desenvolver o plano de marketing Executar e controlar Empresa Comunicação Distribuição Programas recursos Orçamentos Responsabilidade Medidas de correcção

13 MARKETING INTERNACIONAL ESTRATÉGIA DE MARKETING PARA OPERAÇÕES INTERNACIONAIS Etapas do processo de identificação e selecção do mercado-alvo: (1) Quadro preliminar (2) Estimativa do mercado potencial (3) Estimativa do potencial de vendas (4) Identificação de segmentos (1) (2) (3) (4) Quadro preliminar 1) Factores gerais 2) Factores esppecíficos. Produtos genéricos Estimar mercados potenciais para produtos tipo 1) Dimensão 2) Potencial Potencial de vendas por produto: 1) Comparação produtos; 2) Concorrência; 3) Estrutura mercado Identificar segmentos no mercado alvo MIX SEGMENTO ÓPTIMO NO MERCADO ALVO TODOS PAÍSES PROSPECTIVA PAÍSES ALVO PAÍSES DE MERCADO DE ALTO POTENCIAL PAÍSES MAIORES VENDAS POTENCIAIS (MERCADO-ALVO)

14 Tipologias de estratégias de Marketing Internacional P1 P2 P3 Pn Pre-internacionalização das empresas Internacionalização inicial (extensão) Multinacionalização Globalização Escolha dos países Modificação da estratégia de marketing Coordenação do marketing-mix Modo de entrada Tempo de sequência de entrada Desenvolvimento e criação de filiais Publicidade promoção e custos distribuição Integração das partes e produtos com o marketing Atribuição de recursos para objectivos globais

15 Relação entre factores competitivos e o êxito nos negócios (FCS dominantes) Factores competitividade (negócio) FCS (negócio) Factores competitivos FCS (empresa) FCS dominantes Factores diferenciação (empresa) Vantagem competitiva (empresa) Os factores de competitividade influenciam o desempenho da empresa, negócio ou produto no sentido de assegurar o desenvolvimento da empresa

16 Metodologia para factores de diferenciação (competências) Qualidade Novos materiais e capacidade de processamento Marketing Serviços Inovação tecnologia Posicionamento Publicidade Relativas ao produto Relativas ao mercado Relativas às áreas funcionais Capacidade para identiicar exigências dos clientes Capacidade introfuzir produtos desejados pelos consumidores Imagem Distribuição Produção R&D

17 Tipologia das estratégias (global) da empresa e de marketing Estratégia da Empresa Internacionalização Multi-doméstica Global Internacionalização Multinacional Globalização Estratégia de marketing Extensão Adaptação Extensão Adaptação Criação Uniformização

18 4.3- ESTRUTURA CONCEPTUAL PARA ESTRATÉGIA DE MARKETING Estrutura conceptual para estratégia de Marketing Multinacional Validação das metas de cada mercado Metas Características de cada mercado nacional Pontos em comum de cada mercado Necessidades que o produto satisfaz Benefícios para os clientes dados pelo produto Estrutura orgânica Recursos Painel de medidas Análise contexto mercados nacionais Planeamento Estratégico Planeamento Operacional Controlo Feedback Cluster nacional Condições em que é usado o produto Programas Avaliação Oportunidades Ameaças Dimensão dos objectivos Marketing-Mix Validação objectivos com oportunidades, riscos, ameaças Apreciação marketing-mix

19 História sector empresa (continuação) Processo para a elaboração de uma estratégia de marketing Oportunidades Forças Missão Segmentos alvo Concorrência Produtos 1) 2) 3) 4) Estrutura organizacional Recursos Factores competitividade Modelo mkt estratégico História sector empresa Mercado Empresa Análise estratégica FCS Opções estratégicas História do sector Factores de diferenciação 1) Matriz de segmentos 2) Modelo de Concorrência de Porter 3) Ciclo de vida do mercado 4) Modelo do BCG Variáveis marketing Cadeia de valor

20 4.4- MODELOS COMO INSTRUMENTOS PARA A ESTRATÉGIA DE MARKETING Modelo de Porter ou modelo de concorrência Produtos substitutos Clientes Rivalidade Concorrentes s Fornecedores Novos entrantes

21 Ciclo de Vida do domínio de actividade

22 Modelo Competitivo do BCG (tipologia dos sistemas concorrenciais Fonte de diferenciação Múltiplos Fragmentados Especializados (diferenciados) Limitados Impasse Volume Fraca Elevada Vantagem concorrencial potencial

23 Modelo de actividades do BCG (matriz de posicionamento estratégico) Taxa de crescimento Alta Estrelas (manter) Dilemas Baixa Vacas leiteiras (rendibilidade) Pesos mortos (abandonar) Forte Fraca Quota de Mercado relativa

24 Modelo das vantagens estratégicas de Porter Alvo estratégico/vantage ns estratégicas Multi segmentos Diferenciação Domínio global ao nível custos (preço) Todo o sector Poucos segmentos Concentração Um segmento específico Nível estratégico

25 Contexto interno Modelo de Acção estratégica Forças Saída ofensiva Aposta ofensiva Fraquezas Saída defensiva Aposta defensiva Ameaças Oportunidades Contexto externo

26 Metodologia de Estratégia Empresarial Objectivos Missão Oportunidades Ameaças Forças fraquezas Políticas Vantagens competitivas Modelo vantagens estratégicas História Informação Contexto externo Contexto interno Avaliação competitiva Opções estratégicas Selecção escolha Objectivos estratégicos da empresa Metodologia de planeamento estratégico de marketing Factores competitividade Factores diferenciação FCS Modelo vantagens estratégicas Investimento Negócio Produto Metas Preço Modelo acção estratégica Programas História Informação Mercado e Empresa Avaliação competitiva Mkt-Mix Opções estratégicas Plano Mkt Execução Controlo Objectivos estratégicos do negócio Clientes consumidores Concorrentes Comunicação Distribuição Modelo acção estratégica Recursos Orçamentos Segmento alvo Empresa

27 Modelos de acção estratégica Matriz de Harvard ou Matriz SWOT Forças Saída ofensiva Aposta ofensiva Fraquezas Saída defensiva Aposta defensiva Ameaças Oportunidades Ameaças Sobreviver Manter Exemplos: I II Segmentos altos Segmentos baixos Oportunidades Aproveitar III IV Apostar Pontos fracos Pontos fortes

28 Matriz BCG: Posicionamento estratégico Taxa de crescimento Alta Manter Dilemas Baixa Rendibilidade Abandonar) Forte Fraca Quota de Mercado relativa

29 Taxa de crescimento + Rendibilidade recursos financeiros Vedetas - Rendibilidade -Necessidades financeiras fortes Vacas leiteiras - Rendibilidade elevada -Necessidades financeiras fracas Dilemas - Rendibilidade fraca -Necessidades financeiras fortes Pesos mortos - Rendibilidade fraca -Necessidades financeiras fracas Necessidades financeiras Quota de Mercado relativa

30 Modelo de actividades do BCG (matriz de posicionamento estratégico) Taxa de crescimento Alta Estrelas Dilemas Baixa Vacas leiteiras Pesos mortos Forte Fraca Quota de Mercado relativa

31 Fonte da vantagem concorrencial Matriz BCG: tipologia dos sistemas concorrenciais Múltiplas Actividades diferenciadas (especializada) Actividades fragmentadas Limitadas Actividade volume Impasse concorrencial Forte Fraca Vantagem concorrencial potencial

32 Matriz ADL dominante Grau de maturidade da actividade Arranque Crescimento Maturidade Envelhecimento Rendibilidade + - Boa rendibilidade Boa rendibilidade forte favorável Posição concorrencial fraca Risco médio Forte necessidade fundos Risco forte Risco fraco Fraca necessidade fundos Risco médio Risco concorrencial marginal Fraca rendibilidade Fraca rendibilidade Necessidade financeira Risco sectorial

33 Matriz ADL A C M E D FT FAN FR Desenvolvimento natural Selecção M Abandono Trajectória estratégia D FT FAN FR M

34 Matriz McKinsey Posição competitiva Forte Média Fraca Forte Investir Atractividade Média Selectividade Média Colher abandonar

35 Matriz McKinsey : Estratégias elementares Posição competitiva Forte Média Fraca Forte Manter posição de líder custe o que custar Manter a posição seguir o desenvolvimento Rendibilidade Posição concorrencial Média Melhorar a posição Rendibilizar prudentemente Retirar-se selectivamente (segmentar) Fraca Dobrar a parada ou desinvestir Retirar-se progressivamente e progressivamente Abandonar desvinvestir Estratégias elementares do Modelo McKinsey - Desenvolver-se - Manter-se com rendibilidade - Retirar-se parcial ou totalmente

36 Modelo de Igor Ansoff: Estratégias de desenvolvimento Mercados Actuais Penetração integral no mercado (horizontal) Desenvolvimento de produtos Novos Desenvolvimento mercado Diversificar e/ou integração vertical Produtos Actuais Novos

37 Movimentos estratégicos (duplo) para a excelência num dado domínio de actividade Valor forte (valor ao consumidor e no interesse criado ao seu nível) Posição concorrencial ideal Inovação Inovação Novo entrante Produtividade Custo fraco

38 Matriz da McKinsey: Tabuleiro Estratégico Campo de batalha Global Selectivo Idênticas Ataque frontal Nicho (preço) Regras do jogo Novas Diferenciação Produtos

39 Matriz de Posicionamento

40 Modelo de Igor Ansoff: Estratégias de desenvolvimento Preço Alta Estratégia de perfil elevado Estratégia de penetração selectiva Baixo Estratégia de penetração antecipada Estratégia de perfil reduzido Promoção Alta Baixa

41 Matriz das Opções estratégicas (sobre as estratégias de expansão de mercado) Concentração Mercado (segmentos) Diversificação Concentração Poucos segmentos poucos países 1. (ponto de partida de muitas empresas) Vários segmentos poucos países 2. Países Diversificação Poucos segmentos vários países 3. economia de escala volume de vendas baixos custos Vários segmentos vários países 4. multi-segmentos multi-negócios Estratégia clássica das multinacionais Servir cliente no mundo Estratégia cooperativa de uma grande empresa multi-negócios

42 Análise das Competências distintivas (Através dos factores críticos de sucesso) (-) (+) FCS Qualidade Preço baixo Bom atendimento Boa imagem Serviços de apoio e venda Penetração nos canais Delinear - Perfil crítico - O que o mercado pretende - O desempenho da empresa - O desempenho dos concorrentes

PROJECTO CRIAR EMPRESA

PROJECTO CRIAR EMPRESA PROJECTO CRIAR EMPRESA Análise SWOT Pedro Vaz Paulo 1. PROJECTO CRIAR EMPRESA 1. Projecto Definição 1. Âmbito do negócio 2. Inovação 3. Concorrência 4. Análise SWOT 5. ( ) 2. ANÁLISE SWOT Definição A Análise

Leia mais

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia Gestão em Farmácia Marketing 3 Manuel João Oliveira Análise Externa Análise do Cliente Segmentação, comportamento do cliente, necessidades não-correspondidas Análise dos Concorrentes Grupos estratégicos,

Leia mais

MBA em Gestão Empresarial Prof. Luiz Henrique Moreira Gullaci, Ms. : luizhenrique@gullaci.com.br

MBA em Gestão Empresarial Prof. Luiz Henrique Moreira Gullaci, Ms. : luizhenrique@gullaci.com.br Aula 3 Modelos de Estratégias de Crescimento MBA em Gestão Empresarial Prof. Luiz Henrique Moreira Gullaci, Ms. : luizhenrique@gullaci.com.br PRINCIPAIS MATRIZES DE ANÁLISE EM PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA

Leia mais

CONCEITO DE ESTRATEGIA

CONCEITO DE ESTRATEGIA CONCEITO DE ESTRATEGIA O termo estratégia deriva do grego stratos (exército) e agein (conduzir). O strategos era o que conduzia o exercito, isto é, o general, o comandante-chefe, o responsável pela defesa

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

Diagnostico Organizacional Compreendendo o sistema de definição de objetivos. Missão. As principais forças. Visão. O sonho que nos move.

Diagnostico Organizacional Compreendendo o sistema de definição de objetivos. Missão. As principais forças. Visão. O sonho que nos move. VALORES Qualificação / Valorização Disponibilização / Visibilidade. Diagnostico Organizacional Compreendendo o sistema de definição de objetivos Missão As principais forças Visão O sonho que nos move Princípios

Leia mais

CONCEITOS DE ESTRATÉGIA E PLANEAMENTO EMPRESARIAL

CONCEITOS DE ESTRATÉGIA E PLANEAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS DE ESTRATÉGIA E PLANEAMENTO EMPRESARIAL MÁRIO DE CARVALHO uma@welvitchia.com ou mjcuma@hotmail.com www.welvitchia.com 1. QUAL É A HISTÓRIA DA EMPRESA? QUAIS SÃO AS PONTO DE PARTIDA CONDIÇÕES

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Produtos Ecologicamente Corretos Introdução: Mercado Global O Mercado Global está cada dia mais atraente ás empresas como um todo. A dinâmica do comércio e as novas práticas decorrentes

Leia mais

Índice. Conceito de Marketing 19. Um Pouco de História 29. Capítulo 1. Capítulo 2. Prefácio 15 Apresentação 17

Índice. Conceito de Marketing 19. Um Pouco de História 29. Capítulo 1. Capítulo 2. Prefácio 15 Apresentação 17 Índice Prefácio 15 Apresentação 17 Capítulo 1 Conceito de Marketing 19 O Que é o Marketing? 19 A Evolução do Conceito 21 A Diversificação do Conceito de Marketing 21 Conceitos Centrais do Marketing 22

Leia mais

Prof. Jorge Romero Monteiro 1

Prof. Jorge Romero Monteiro 1 Marketing 1 CONCEITOS DE MARKETING 2 Conceitos de Marketing O MARKETING é tão importante que não pode ser considerado como uma função separada. É o próprio negócio do ponto de vista do seu resultado final,

Leia mais

Gestão Capítulo 3: Planeamento:

Gestão Capítulo 3: Planeamento: Gestão Capítulo 3: Planeamento: Tipos de Plano: Planos Estratégicos conjunto coerente de acções através das quais uma Organização procura alcançar as metas estratégicas (strategic goals). Longo prazo.

Leia mais

Planeamento e estratégia

Planeamento e estratégia Planeamento e estratégia Tipos de planos e vantagens Etapas do processo de planeamento Informação para o planeamento Análise SWOT Definir missão e objectivos Processo de gestão estratégica Níveis da estratégia

Leia mais

Referencial técnico-pedagógico da intervenção

Referencial técnico-pedagógico da intervenção Referencial técnico-pedagógico da intervenção De seguida explicitamos os referenciais técnico-pedagógicos das fases do MOVE-PME que carecem de uma sistematização constituindo factores de diferenciação

Leia mais

Strenghts: Vantagens internas da empresa ou produto(s) em relação aos seus principais concorrentes;

Strenghts: Vantagens internas da empresa ou produto(s) em relação aos seus principais concorrentes; Gerir - Guias práticos de suporte à gestão A análise SWOT A Análise SWOT é uma ferramenta de gestão muito utilizada pelas empresas para o diagnóstico estratégico. O termo SWOT é composto pelas iniciais

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

Prof. Marcopolo Marinho

Prof. Marcopolo Marinho Aula 05 Marketing Modelo E-C-D; Modelo de cinco forças de ameaças ambientais; Análise do Ambiente Externo; Ferramenta de mapeamento de processos e de planificação estratégica - 5w2h; O Plano Estratégico:

Leia mais

Marketing no Varejo e Serviços.

Marketing no Varejo e Serviços. Aula 9-11 Marketing no Varejo e Serviços. Nogueira Aula 9_11 Planejamento Estratégico orientado para o mercado (Varejo e Serviços) Porque a empresa deve fazer o seu planejamento estratégico? Existe uma

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Análise SWOT. A Análise SWOT (FOFA) SWOT e FOFA FUNÇÃO DA SWOT

Análise SWOT. A Análise SWOT (FOFA) SWOT e FOFA FUNÇÃO DA SWOT Análise SWOT A Análise SWOT (FOFA) Prof. Cláudio Márcio cmarcio@gmail.com Diagnóstico estratégico que permite estabelecer relação entre os pontos fortes e fracos, oportunidades e ameaças no ambiente organizacional

Leia mais

Marketing Estratégico

Marketing Estratégico Análise Competitiva Ambiente de Marketing Prof. José M. Veríssimo 1 Objectivos Discutir a importância de analisar o ambiente externo à empresa Apresentar e compreender as metodologia de análise externa

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

_APRESENTAÇÃO. Elevus People & Business Results

_APRESENTAÇÃO. Elevus People & Business Results _APRESENTAÇÃO Elevus People & Business Results _A Elevus apresenta-se ao mercado numa lógica de Outsourcing na área da consultoria de Recursos Humanos, apresentando soluções profissionais adequadas aos

Leia mais

Marketing em Design. 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing. Profª Ms. Angela Maria Ramos

Marketing em Design. 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing. Profª Ms. Angela Maria Ramos Marketing em Design 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing Profª Ms. Angela Maria Ramos 4. Planejamento de novos negócios, redução de negócios superados Os planos da empresa para seus negócios

Leia mais

Como organizar um processo de planejamento estratégico

Como organizar um processo de planejamento estratégico Como organizar um processo de planejamento estratégico Introdução Planejamento estratégico é o processo que fixa as grandes orientações que permitem às empresas modificar, melhorar ou fortalecer a sua

Leia mais

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO CORPORATIVO E O PROCESSO DE MARKETING

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO CORPORATIVO E O PROCESSO DE MARKETING O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO CORPORATIVO E O PROCESSO DE MARKETING Planejamento estratégico é o processo de desenvolver e manter um ajuste estratégico entre os objetivos, habilidades e recursos de uma organização

Leia mais

Visão, Missão e Intenção Estratégica

Visão, Missão e Intenção Estratégica Visão, Missão e Intenção Estratégica Visão Declaração de aponta ao futuro, deve ser coerente com a missão, ambiciosa, clara, atractiva, partilhada, consensual para as pessoas da organização. Deve responder

Leia mais

As Vendas e Prestações de Serviços

As Vendas e Prestações de Serviços Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano lectivo: 2009/2010 Prof: Adelina Silva As Vendas e Prestações de Serviços Trabalho Realizado por: Susana Carneiro 12ºS Nº18 Marketing Marketing é a parte do processo

Leia mais

O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo

O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo João Carvalho das Neves Professor catedrático, Finanças e Controlo, ISEG Professor convidado, Accounting & Control, HEC Paris Email: Página Web:

Leia mais

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo 7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo A COMUNICAÇÃO Comunicar Comunicar no marketing emitir mensagem para alguém emitir mensagem para o mercado

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Administração Estratégica Conceitos Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Alternativas Estratégicas É a estratégia que a alta administração formula para toda a empresa. Reestruturação Empresarial

Leia mais

Desenvolver uma estratégia de marketing

Desenvolver uma estratégia de marketing Gerir - Guias práticos de suporte à gestão Desenvolver uma estratégia de marketing O principal objectivo de uma Estratégia de Marketing é o desenvolvimento do negócio, tendo em linha de conta, a análise

Leia mais

Federação Nacional de Karate - Portugal. Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos

Federação Nacional de Karate - Portugal. Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos Federação Nacional de Karate - Portugal Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos Índice Fórum de Formadores 2013 Introdução Diferentes influências e realidades Pessoal qualificado e Especializado em Serviços

Leia mais

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor, 23 de Novembro de 2012 É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Índice PREFÁCIO 13. 1. Introdução 40 2. O que é ser empreendedor? 41. Capítulo 1 Introdução ao empreendedorismo. Capítulo 2 O empreendedor

Índice PREFÁCIO 13. 1. Introdução 40 2. O que é ser empreendedor? 41. Capítulo 1 Introdução ao empreendedorismo. Capítulo 2 O empreendedor introdução ao empreendedorismo 7 Índice PREFÁCIO 13 Capítulo 1 Introdução ao empreendedorismo 1. Dinamizar o empreendedorismo e promover a criação de empresas 16 2. O empreendedorismo em Portugal e no

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor 2014 Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para a estruturação e defesa

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO INTEGRADA: PESSOAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TURMA V E EIXOS TEMÁTICOS PARA A MONOGRAFIA FINAL Professor Ms. Carlos Henrique

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação 6.5 - Reestruturação de Empresas O Contexto Mudança constante Pressões diversas sobre as empresas Concorrência intensa e global Exigências

Leia mais

Objectivos. e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens competitivas. tecnologias da informação.

Objectivos. e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens competitivas. tecnologias da informação. Capítulo 2 1 Enfrentar a concorrência com tecnologias da informação 2 Objectivos ƒ Identificar estratégias de concorrência básicas e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens

Leia mais

FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES

FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES QUADRO RESUMO: FORMAÇÃO UFCD (H) Noções de Economia de Empresa 5437 25 Métodos e Práticas de Negociação 5442 50 Empresa Estrutura Organizacional 7825 25 Perfil e Potencial

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 2006-2015 Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 Portugal 2015 Portugal 2015 - Metas 2005 2015 Douro Douro Oeste Oeste Serra da Estrela Serra da Estrela Alqueva Litoral Alentejano Litoral Alentejano

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Internacionalização da Arquitetura Brasileira

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Internacionalização da Arquitetura Brasileira PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Internacionalização da Arquitetura Brasileira PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SETORIAL PARA INTERNACIONALIZAÇÃO DA ARQUITETURA BRASILEIRA AMBIENTE EXTERNO WORKSHOP APRESENTAÇÃO PES AMBIENTE

Leia mais

IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova

IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova Guião do estudo económico e financeiro IDN - Incubadora de Idanha - Guião de candidatura Pág. 1 I CARACTERIZAÇÃO DO PROMOTOR 1.1 - Identificação sumária da empresa 1.2 -

Leia mais

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI (1) PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI Docente: Turma: T15 Grupo 5 Mestre António Cardão Pito João Curinha; Rui Pratas; Susana Rosa; Tomás Cruz Tópicos (2) Planeamento Estratégico de SI/TI Evolução dos SI

Leia mais

PLANO DE MARKETING. Baseado num documento das Prof. Dras. Ana Filipa Beirão e Ana Paula Quiroga. Aspectos introdutórios

PLANO DE MARKETING. Baseado num documento das Prof. Dras. Ana Filipa Beirão e Ana Paula Quiroga. Aspectos introdutórios Baseado num documento das Prof. Dras. Ana Filipa Beirão e Ana Paula Quiroga Aspectos introdutórios RESUMO (máximo cinco linhas) SUMÁRIO EXECUTIVO: Normalmente não excede uma página e no máximo duas. Apresenta

Leia mais

Guia Plano de E-Marketing

Guia Plano de E-Marketing Guia Plano de E-Marketing FONTE: Greb Babayans e Maria Manuel Busto. Estratégias de e-marketing. Matosinhos: E&D Data - Sistemas de Informação e Assessoria Empresarial, Lda; 2005: 368 4 passos essenciais

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 6 Integração Vertical. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 6 Integração Vertical. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 6 Integração Vertical João Pedro Couto Natureza da integração vertical A integração vertical consiste na execução de várias funções da cadeia operacional sob a égide de

Leia mais

Gestão Estratégica da Inovação e da Tecnologia

Gestão Estratégica da Inovação e da Tecnologia Gestão Estratégica da Inovação e da Tecnologia Por: Luis Todo Bom Professor Associado Convidado do ISCTE Presidente do Conselho de Gerência da Multitel Conferência apresentada no Workshop Tecnológico da

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Marketing Territorial: uma aposta regional?

Marketing Territorial: uma aposta regional? Marketing Territorial: uma aposta regional? Conferência Alentejo Atractivo: nas rotas do Investimento Global Évora, 10 de Março de 2012 Contexto Contexto de competição entre territórios - regiões, cidades,

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 1 Negócios Internacionais: Fundamentos 2004 Prentice Hall, Inc 1-1 Objectivos do Capítulo Definir negócios internacionais

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS PROCESSOS DE CANDIDATURA A FINANCIAMENTO DO BANCO DE DESENVOLVIMENTO DE ANGOLA REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

Leia mais

O Sistema de Gestão da Qualidade - um meio para a Profissionalização. Exemplo de uma empresa familiar

O Sistema de Gestão da Qualidade - um meio para a Profissionalização. Exemplo de uma empresa familiar O Sistema de Gestão da Qualidade - um meio para a Profissionalização Exemplo de uma empresa familiar CAPITULOS DA INTERVENÇÃO ALGUNS DADOS SOBRE EMPRESAS FAMILIARES CARACTERÍSTICAS DO CRESCIMENTO- EMPRESA

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

PROJECTO CRIAR EMPRESA

PROJECTO CRIAR EMPRESA PROJECTO CRIAR EMPRESA Conceito, Análise de Concorrência 1. INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO INDÚSTRIA CONSTRUÇÃO Custos Prazo de execução /Esforço Qualidade EXTRAS Ambiente Socio-Políticos Imposições legais Segurança

Leia mais

Centro de Economia e Administração - CEA. Docente: Profa. Patricia Stella Pucharelli Fontanini

Centro de Economia e Administração - CEA. Docente: Profa. Patricia Stella Pucharelli Fontanini Centro de Economia e Administração - CEA Docente: Profa. Patricia Stella Pucharelli Fontanini AULA 6 Docente: Profa. Patricia Stella Pucharelli Fontanini Administraçãodo Portfólio Empresarial e Questões

Leia mais

O CICLO DE VIDA DOS PRODUTOS E A GESTÃO ESTRATÉGICA DAS EMPRESAS. Trabalho elaborado por: Ana Cristina de Sousa Pereira Bruno Miguel Q. E.

O CICLO DE VIDA DOS PRODUTOS E A GESTÃO ESTRATÉGICA DAS EMPRESAS. Trabalho elaborado por: Ana Cristina de Sousa Pereira Bruno Miguel Q. E. O CICLO DE VIDA DOS PRODUTOS E A GESTÃO ESTRATÉGICA DAS EMPRESAS Trabalho elaborado por: Ana Cristina de Sousa Pereira Bruno Miguel Q. E. Marques O CICLO DE VIDA DOS PRODUTOS O ciclo de vida dos produtos

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

MASTER EM DIRECÇÃO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL E DE MARKETING OBJECTIVOS DO PROGRAMA A Escola de Negócios EUDEM apresenta o seu programa MCIM - Master em Direcção de Comércio Internacional e de Marketing,

Leia mais

Formulário de Projecto de Investimento

Formulário de Projecto de Investimento Formulário de Projecto de Investimento 1. Identificação do Projecto Título do projecto: Nome do responsável: Contacto Telefónico: Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características

Leia mais

Marketing. Objectivos. Conceito de estratégia. Planeamento Estratégico

Marketing. Objectivos. Conceito de estratégia. Planeamento Estratégico Marketing Planeamento Estratégico Prof. José M. Veríssimo 1 Objectivos Compreender como o planeamento estratégico é conduzido nos diversos níveis organizacionais Identificar as diversas fases do processo

Leia mais

8. POLÍTICA DISTRIBUIÇÂO. 8.1- Variável distribuição 8.2- Canal 8.3- Transporte 8.4- Logística

8. POLÍTICA DISTRIBUIÇÂO. 8.1- Variável distribuição 8.2- Canal 8.3- Transporte 8.4- Logística 8. POLÍTICA DISTRIBUIÇÂO 8.1- Variável distribuição 8.2- Canal 8.3- Transporte 8.4- Logística 8.1- Variável distribuição Variável DISTRIBUIÇÃO A distribuição pode entender-se em diferentes sentidos: -

Leia mais

ESTRATÉGIA ESTRATÉGIA NAS ORGANIZAÇÕES ANA CATARINA PAULO SARAIVA. Aluno Nº 20001004 JOÃO LUÍS SEMEDO BORREGO. Aluno Nº 9901028

ESTRATÉGIA ESTRATÉGIA NAS ORGANIZAÇÕES ANA CATARINA PAULO SARAIVA. Aluno Nº 20001004 JOÃO LUÍS SEMEDO BORREGO. Aluno Nº 9901028 ESTRATÉGIA ESTRATÉGIA NAS ORGANIZAÇÕES ANA CATARINA PAULO SARAIVA Aluno Nº 20001004 JOÃO LUÍS SEMEDO BORREGO Aluno Nº 9901028 RESUMO: O presente trabalho tem como objectivo dar a conhecer a Estratégia

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

PROPOSTA CURRICULAR DO ENSINO MÉDIO INTEGRADO COM ADMINISTRAÇÃO PARTE TÉCNICA GESTÃO EMPRESARIAL

PROPOSTA CURRICULAR DO ENSINO MÉDIO INTEGRADO COM ADMINISTRAÇÃO PARTE TÉCNICA GESTÃO EMPRESARIAL PROPOSTA CURRICULAR DO ENSINO MÉDIO INTEGRADO COM ADMINISTRAÇÃO PARTE TÉCNICA GESTÃO EMPRESARIAL 1. História da Teoria da Administração: fundamentos da Administração: Era Clássica; Revolução Industrial;

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIAC / 2011 SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE Nos termos do Regulamento

Leia mais

1. IDT Consulting. 2. Gestão da Inovação: importância e ferramentas. 3. Promoção da Criatividade e Gestão de Ideias

1. IDT Consulting. 2. Gestão da Inovação: importância e ferramentas. 3. Promoção da Criatividade e Gestão de Ideias GESTÃO DA INOVAÇÃO AGENDA 1. IDT Consulting 2. Gestão da Inovação: importância e ferramentas 3. Promoção da Criatividade e Gestão de Ideias 4. Diagnósticos Estratégicos de Inovação 5. Implementação de

Leia mais

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, estratégias de segmentação e posicionamento. Análise do potencial de demanda. Definição da missão. liderança.

Leia mais

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia (PCTE) O papel do PCTE na energia solar em Portugal 8 e 9 de Fevereiro de 2010 António Mano - EDP Antonio.ermidamano@edp.pt A VISÃO do ENERGYIN Motivos da

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

Processo de Planejamento Estratégico

Processo de Planejamento Estratégico Processo de Planejamento Estratégico conduzimos o nosso negócio? Onde estamos? Definição do do Negócio Missão Visão Análise do do Ambiente Externo e Interno Onde queremos Chegar? poderemos chegar lá? saberemos

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma para a Construção Sustentável Seminário Construção Sustentável CONCRETA 2011 20/10/2011 Visão e Missão O Cluster Habitat? agregador

Leia mais

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing.

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing. Universidade do Algarve Escola superior de Tecnologia Engenharia Elétrica e Eletrónica MARKETING Docente: Jaime Martins Discentes: Mário Sousa Nº25649 Mário Fontainhas Nº24148 Paulo Rodrigues Nº23615 Introdução

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Planeamento e Controlo de Gestão Parte I

Planeamento e Controlo de Gestão Parte I Mestrado em Contabilidade, Fiscalidade e Finanças as Empresariais Planeamento e Controlo de Gestão Parte I António nio Samagaio Lisboa, 21 de Fevereiro de 2008 APRESENTAÇÃO I. Apresentação Docente Alunos

Leia mais

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Índice Quem Somos O SGI da AMBISIG; A implementação do SGIDI na AMBISIG; Caso de Sucesso. Quem somos? Somos uma empresa com 16 anos de experiência

Leia mais

A Análise DAFO. Toward a Theory of Library Administration Alan R. Samuels & Charles R. McClure.

A Análise DAFO. Toward a Theory of Library Administration Alan R. Samuels & Charles R. McClure. A Análise DAFO Nunca conseguiríamos atingir a plenitude sem a Teoria. Sobrepor-se-á sempre à prática, por uma simples razão: a prática é estática. Consegue fazer bem apenas o que sabe. Não tem, contudo,

Leia mais

G t es ã tão E t s t ra é té i g? ca O Que é isso? TEORIA TE DAS DA ORGANIZA OR Ç GANIZA Õ Ç ES E Prof. Marcio Peres

G t es ã tão E t s t ra é té i g? ca O Que é isso? TEORIA TE DAS DA ORGANIZA OR Ç GANIZA Õ Ç ES E Prof. Marcio Peres Gestão Et Estratégica? téi O Que é isso? TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES Prof. Marcio Peres Estratégias Linhas de ação ou iniciativas altamente relevantes que indicam como serão alcançados os Objetivos Estratégicos.

Leia mais

Traçando Cenários: Microambiente e Macroambiente. Prof. Marcopolo Marinho

Traçando Cenários: Microambiente e Macroambiente. Prof. Marcopolo Marinho Traçando Cenários: Microambiente e Macroambiente. Prof. Marcopolo Marinho A ORGANIZAÇÃO DA ESTRUTURA ESTRATÉGICA MISSÃO Impacto: 1. Organizacional 2. Ação de Mudança Nenhum Positivo Negativo OBJETIVOS

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

VINIPORTUGAL Plano Estratégico 2012 / 2014 VINIPORTUGAL. Associação Interprofissional. para a. Promoção dos Vinhos de Portugal

VINIPORTUGAL Plano Estratégico 2012 / 2014 VINIPORTUGAL. Associação Interprofissional. para a. Promoção dos Vinhos de Portugal VINIPORTUGAL Plano Estratégico 2012 / 2014 VINIPORTUGAL Associação Interprofissional para a Promoção dos Vinhos de Portugal I - PLANO ESTRATÉGICO (CORPORATE BUSINESS PLAN) Desenvolver e executar estratégias

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

Ambiente externo à empresa. Resumo

Ambiente externo à empresa. Resumo Ambiente externo à empresa Fábio Bruno Tavares de Sousa 1 1) Fábio Sousa fabiobtsousa@gmail.com Resumo O ambiente empresarial é bastante complexo. Na actualidade, é imprescindível avaliar o comportamento

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões

Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões São Paulo, 9 de outubro de 2006. 0 Apresentação da MKM Consulting 1 Mauro Martins Sócio Diretor da MKM Consulting MKM Consulting Mauro Martins

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com Moçambique Agenda EVENTOS 2013 NEW!! Também in Company INSCREVA-SE EM inscrip@iirportugal.com VISITE www.iirportugal.com INOVAÇÃO Estimado cliente, Temos o prazer de lhe apresentar em exclusiva o novo

Leia mais