GOVERNO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GOVERNO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PDE"

Transcrição

1 GOVERNO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PDE JOSÉ SIQUEIRA DA MATA ESCOLA: QUAL SUA VERDADEIRA FUNÇÃO? LONDRINA/PR Outubro 2008

2 ESCOLA: QUAL SUA VERDADEIRA FUNÇÃO? Artigo desenvolvido por José Siqueira da Mata, professor pedagogo da rede Estadual de Educação do Estado do Paraná e concluinte do Programa de Desenvolvimento Educacional PDE 2007, sob a orientação da professora Ana Lucia Ferreira Aoyama, da Universidade Estadual de Londrina. LONDRINA 2008

3 RESUMO A educação é sempre influenciada pelo mercado que a deixa subordinada ao sistema produtivo que exige a oferta de conhecimentos e habilidades para o indivíduo adaptar-se às diversas atribuições exigidas pelo capital. O Banco Mundial e os organismos multilaterais recomendam a reforma da educação destinando recursos para o nível básico e recomendando a privatização de outros níveis de educação. Com isso, o Estado afasta-se de suas responsabilidades e a iniciativa privada fica encarregada de atuar onde o Estado deveria. No Paraná, para atender as exigências do mercado, o governo Lerner ( ) extinguiu os cursos profissionalizantes e atribuiu às escolas e a sociedade, a responsabilidade de angariar fundos para a sua manutenção e a contratação de funcionários através do PARANAEDUCAÇÃO. É preciso recuperar a função social da escola como local de aquisição do saber sistematizado, para que o futuro cidadão compreenda as contradições dessa sociedade e possa nela atuar. Isso acontecerá à medida que se resgate na escola o trabalho coletivo, ensinando o que é essencial em cada disciplina e haja um maior comprometimento com a função cognitiva do aluno, tanto do profissional da educação como dele próprio. Palavras-chave: educação, mercado, saber sistematizado, comprometimento, privatização.

4 ABSTRACT The education is always influenced by the market that leaves her subordinate to the productive system that demands the offer of knowledge and abilities for the individual to adapt to the several attributions demanded by the capital. The World Bank and the multilateral organisms recommend the reform of the education destining resources for the basic level and recommending the privatization of other education levels. With that, the State stands back of your responsibilities and the deprived initiative is entrusted of acting where the State would owe. In Paraná, to assist the demands of the market, the government Lerner ( ) it extinguished the vocational courses and it attributed to the schools and the society, the responsibility of recruiting bottoms for your maintenance and the employees' recruiting through PARANA EDUCAÇÃO. It is necessary to recover the social function of the school as place of acquisition of the systematized knowledge, so that the future citizen understands the contradictions of that society and it can in her to act. That will happen as it is rescued at the school the collective work, teaching what is essential in each discipline and there be a larger compromising with the student's cognitive function, as much of the professional of the education as of him own. Word-key: education, market, to know systematized, compromising, privatization.

5 ESCOLA: QUAL SUA VERDADEIRA FUNÇÃO? Introdução O presente texto tem como objetivo propor uma discussão acerca da educação, mais especificamente sobre a função da escola, bem como refletir sobre a influência que as políticas neoliberais exercem sobre ela. Parte-se do pressuposto que a escola, em especial a partir da década de 1990, tem buscado adequar-se ao mercado e tais princípios têm gerado conseqüências desastrosas. O estudo foi realizado por meio de pesquisa bibliográfica e a análise teórica encontra respaldo, uma vez que os pressupostos neoliberais podem ser percebidos no cenário educacional e tem seus reflexos na maneira como o professor organiza o trabalho pedagógico no interior da sala de aula, desvalorizando o saber sistematizado. O Estado do Paraná (no período de ) seguiu à risca as determinações das agências multilaterais ao extinguir os cursos profissionalizantes e atribuir às escolas a responsabilidade de captar recursos para sua manutenção junto aos pais e estabelecendo, com isso, um clima de competição entre os estabelecimentos de ensino atribuindo as Associações de Pais e Mestres a responsabilidade de conseguir recursos para a escola, criando o prêmio de excelência das Escolas públicas do Paraná ao estabelecer critérios de pontuação das mesmas, formando, assim, um ranking de melhores e piores escolas e atribuindo a cada uma delas, a responsabilidade de arcar com o ônus para a sua manutenção (HIDALGO e SILVA, 2001). Com isso, as escolas que estão situadas numa comunidade com um maior poder aquisitivo são ainda mais privilegiadas, ficando privilegiados os já beneficiados social e financeiramente e diminuindo ainda mais a qualidade do ensino destinado às camadas populares. A escola deixou de cumprir seu papel como local de acesso ao saber sistematizado e empreendeu esforços para se adequar às exigências do mercado. É preciso resgatar urgentemente sua função, rediscutindo o que é específico do processo ensino-aprendizagem e o que é específico do

6 mundo dos negócios (ou do mercado) e empreender esforços para ofertar um ensino de boa qualidade.

7 1 Contextualização das políticas neoliberais: sua influência na educação brasileira O modelo educacional que temos hoje começou a ser pensado a partir da década de 1970 e foi implantado em meados da década de 1990 em nosso país (SHIROMA, 2002, sp). Esse é o resultado de acordos previamente estabelecidos entre as agências multilaterais e nosso país, num momento em que a economia mundial estava demonstrando sinais de exaustão. Esse processo gerou entre os educadores a perda de seus referenciais teóricos e, conseqüentemente, a educação ficou a mercê das políticas neoliberais que prega a participação mínima do Estado nas atividades econômicas do país, pois considera a concorrência fator essencial para garantir o bem-estar da sociedade e a perfeita harmonia entre o público e o privado, ou seja, a economia é o centro regulatório e o Estado não deve intervir nesta liberdade (PERES e CASTANHA, 2006, p. 234). A escola ficou sem um horizonte a perseguir e passou a seguir qualquer caminho. De acordo com Saviani (1985, p. 28), é preciso urgentemente resgatar a sua função social como espaço de apropriação do conhecimento sistematizado, próprio da cultura letrada. As formas pelas quais o professor organiza o processo ensinoaprendizagem na sala de aula são o reflexo das diferentes concepções sobre o processo de conhecer que são decorrentes de determinadas visão do homem e do mundo (VASCONCELOS, 1995, p. 20), num contexto sócio-histórico onde os conteúdos são considerados verdades absolutas ou resultados da evolução cultural do homem ao longo de sua história. Na educação, a política neoliberal apresenta suas estratégias para a escola pública. Assim, [...] a partir de uma série de estratégias privatizantes mediante a aplicação de uma política de descentralização autoritária e ao mesmo tempo, mediante uma política de reforma cultural que pretende apagar o horizonte ideológico de nossa sociedade a possibilidade de uma educação democrática, pública e de qualidade para a maioria. (GENTILLI, 2005, p. 242).

8 Faz parte da estratégia neoliberal a transferência para o mercado de questões referentes à saúde, educação, transporte e os serviços sociais em geral alegando que o governo não sabe gerenciar essas questões e dá prejuízo, mas proporciona lucro na iniciativa privada (PERES e CASTANHA, 2006, sp). Nesse sentido, as reformas neoliberais são: [...] centradas na desregulamentação dos mercados, na abertura comercial e financeira, na privatização do setor público e na redução da influência do Estado. Medidas estas recomendadas pelo Banco Mundial, aceitas praticamente por todos os países da América Latina (SOARES, 2003, p. 19). A Constituição Federal de 1988 (CF/88), em seu Art. 213 estimula a iniciativa privada a atuar na educação. Pode-se observar a partir da década de 1990 o aumento de escolas particulares em nosso país, principalmente as instituições de ensino superior. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira (LDB, Lei 9394/96), cujo projeto inicial, [...] foi elaborado pela comunidade educacional e atrelado aos anseios que viessem atender a maioria da população defendendo a primazia da escola pública, que tramitou no legislativo quase uma década, foi derrotada, e em seu lugar foi aprovado o projeto do senador Darci Ribeiro, que vinha a atender a reivindicação dos empresários da educação. (ANZOLIN, 2006, p. 272). Estavam dadas as diretrizes para a privatização da educação em nosso país. Privatização esta que foi acenada anteriormente, quando, em 1990 foi realizada em Jomtien na Tailândia, a Conferência Mundial de Educação para Todos, patrocinada e financiada pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância), Banco Mundial e PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) que se comprometeram a garantir uma educação básica de qualidade para todos (SHIROMA, p.56). Para garantir esse redirecionamento no âmbito educacional, os países teriam que investir em reformas de seus sistemas educativos a fim de adequá-los a ofertar conhecimentos e habilidades exigidos pelo setor

9 produtivo, tais como: flexibilidade para adaptar-se às diversas tarefas, capacidade de inovação, comunicação e respeito às diversidades (SHIROMA, p ). No caso do Brasil, essas competências e habilidades estão contempladas nos Parâmetros Curriculares Nacionais - PCNs. Assim, [...] a partir da mediação microeletrônica com seus impactos na forma toyotista de organizar o trabalho, esse passa a significar enfrentar eventos, o que desloca o eixo da competência de memorização de procedimentos a serem repetidos para o enfrentamento de situações anormais, com um maior ou menor grau de previsibilidade. Competência passa a ser resolver questões não previstas e até mesmas desconhecidas, que articulem conhecimentos tácitos e científicos adquiridos ao longo da vida através de formação escolar, profissional e da experiência laboral. (NAGEL, 2007, sp). A partir do modelo de produção toyotista o funcionário de uma empresa tem que executar mais de uma função no trabalho. Ele não é o responsável somente por operar a máquina com a qual trabalha, mas tem de entender também do seu funcionamento para poder captar algo de anormal e prevenir possíveis defeitos antes que o mesmo venha a acontecer. Além de ter conhecimento técnico e científico, ele precisa pôr em prática toda a sua experiência para solucionar possíveis problemas que venham a ocorrer no ambiente de trabalho. Outro documento seguido a risco para a elaboração de diretrizes para a educação foi o relatório Delors. Este relatório propõe um novo conceito de educação: uma educação ao longo de toda a vida. Recomenda que seja usado o potencial educativo dos meios de comunicação, da profissão, cultura e lazer. A escola não é mais o único lócus educativo. Essa educação seria alcançada a partir de quatro tipos de aprendizagens: aprender a conhecer, aprender a ser, aprender a fazer e aprender a viver juntos (SHIROMA, 2002, p. 67). Trata-se de competências e habilidades úteis ao setor produtivo. O funcionário que só sabe executar uma função não é mais o que a empresa necessita. Além da competência técnica, é necessário saber se comunicar, conviver com os demais gerando assim um clima de harmonia

10 no ambiente de trabalho para favorecer o desenvolvimento, valores a aptidões que o mundo do trabalho necessita (Shiroma, 2002, p. 67) Como vivemos em uma sociedade caracterizada como sociedade da informação, torna-se necessária a aquisição e constante atualização dos conhecimentos, sendo exigida, então, uma formação básica que dê suporte para aprendizagens futuras. Na educação de nível médio a recomendação do relatório Delors tem como objetivo: [...] a revelação de talentos, preparar técnicos e trabalhadores para os postos de trabalho existentes e a adaptação a estes trabalhos, sendo o aluno um futuro empreendedor. A duração dos cursos é flexível. Sua organização deve-se dar em parceria com os empregadores. Recomenda também este relatório o treinamento para reforçar um conjunto de idéias como nacionalismo aliado ao universalismo, preconceitos étnicos e culturais resolvidos com tolerância e pluralismo. (SHIROMA, 2002, p. 67). Além das competências profissionais, exige-se do professor: [...] a pesquisa em nível superior que não precisa ser realizado na academia. O relatório recomenda também que o professor exerça outras profissões além da sua para que haja uma maior mobilidade de ser empregável. O exercício de outras profissões deve-se dar nos períodos de licença, férias ou fora do seu horário de trabalho. (SHIROMA, 2002, p. 69). Em se tratando do Banco Mundial, este recomenda a reforma do financiamento da educação e a busca de novas fontes de recursos, canalizando os recursos para o nível básico e mais atenção aos resultados da avaliação (SHIROMA, 2002, p. 65). Para financiar a educação básica, o governo criou em 1996 o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério FUNDEF, que financia o ensino fundamental de 1ª a 8ª séries no país, utilizando como critério para o repasse de recursos aos estados e municípios, o número de alunos matriculados nessas séries. Observa-se que as políticas impostas a partir da década de 1990 pelo FMI, UNESCO e Banco Mundial aos países da América Latina e Caribe têm a função de:

11 [...] desobrigar o Estado de seu papel mantenedor dos serviços sociais, transferindo responsabilidade à sociedade civil, contribuindo assim para a exclusão de uma grande parcela da população que vive em condições precárias de moradia, saúde e educação, legitimando assim a primazia neoliberal de mercado, fazendo com que a classe trabalhadora perca os direitos outrora conquistados. (VIRIATO, 2004, p.13). Ainda de acordo com Viriato (2004), conseqüentemente, houve um descompromisso do Estado em relação às políticas educacionais visando implantar as políticas neoliberais. O Estado afastou-se de suas responsabilidades no que concerne às políticas sociais e vem atribuindo estas funções à sociedade. Houve grande proliferação de escolas particulares, cursos de formação à distância, tudo isso para contemplar os acordos realizados e às grandes empresas das áreas de comunicação que já haviam sido privatizadas. Nessa ótica as políticas educacionais concorrem para a transferência e a oferta dos serviços educacionais para instituições nãoestatais (VIRIATO, 2001, sp). Tornando a educação apenas mais uma mercadoria a ser adquirida no mercado. A sociedade capitalista leva as pessoas a sempre querer mais, a nunca estar satisfeitas, criando falsas necessidades. A ânsia do consumo perde toda a relação com as necessidades reais do homem, o que faz com que as pessoas gastem sempre mais do que tem (ARANHA; MARTINS, 2000, p. 64). O apelo ao consumo está na forma como são facilitadas as compras de um determinado produto, nas mais diversas formas de pagamento. Mas, e a grande parcela da população que não pode comprar e fica apenas com o desejo de consumir, por que se mantém na passividade? Essa parcela da população não reage por que: (a) própria sociedade impede a sua tomada de consciência que alimenta a esperança de um dia pelo trabalho e educação conseguir chegar lá. E se não conseguir chegar é porque não teve sorte e competência. O torvelinho produção-consumo em que mergulha o homem

12 contemporâneo impede-o de ver com clareza a própria exploração e a perda de liberdade, de tal modo que se acha mergulhado na alienação, perdendo a capacidade de contestação, da crítica, sendo destruída a possibilidade de oposição no campo da política, da arte, da moral. (ARANHA; MARTINS, 2000, p. 64). Para impedir à tomada de consciência da população mais necessitada a mídia investe em propaganda chamando a população para cada vez mais buscar na educação o aprimoramento que falta para entrar no mercado de trabalho, justificando que há vagas de sobra no mercado, mas falta mão-de-obra especializada. Sobre a década de 1980, Duarte (2007) afirma que: [...] a educação brasileira foi invadida por um conjunto de concepções das idéias americanas, centradas nas pedagogias do aprender a aprender onde as discussões e o conhecimento das teorias pedagógicas não tiveram lugar na escola. (I SEMINÁRIO TEMÁTICO PDE LONDRINA, 2007). Essas idéias colaboraram para não mostrar as contradições da sociedade capitalista e o conhecimento de sua ideologia. Nesse sentido, tudo gira em função do mercado, há uma crença entre boa parte dos educadores que a escola só ganha status se contribuir com algum retorno para o sistema econômico. (PARO, 1998, sp). O fato das pessoas não conseguirem vaga no mercado de trabalho é atribuído à falta de escolarização, levando a crer que a escola possa criar empregos que o sistema produtivo por conta da crise do capitalismo não conseguiu criar. (PARO, 1998, sp), como se todos os escolarizados estivessem inseridos no mercado de trabalho. Os empregadores têm usado a mídia para reclamar da falta de mão-de-obra especializada para suas empresas, como se a escola devesse estar subordinada a eles, preparando o trabalhador para suas empresas e com isso aumentar os seus lucros. Da forma como têm se apresentado as políticas educacionais têm procurado atrelar a escola ao setor produtivo, prejudicando a qualidade da educação ofertada nos estabelecimentos de ensino, moldando todo o gerenciamento desses estabelecimentos ao de uma empresa, como se o

13 objeto de trabalho fosse o mesmo, num momento em que mais precisaria introduzir a contradição, a crítica e o questionamento da sociedade que aí está. (PARO, 1998, sp.). O trabalho alienado na escola, implícito na pedagogia do aprender a aprender (Escola Nova, Tecnicista, Construtivista) cuja finalidade é disseminar o ideário neoliberal, é responsável pelo próprio fracasso do sistema educacional, ou esse fracasso é a razão do seu sucesso, [...] (ao) concorrer para imbecilizar as pessoas envolvidas, impedindo a reflexão sobre o real, ao vir embutido numa concepção de mundo a sua ideologia, que procura fazer crer que não há salvação possível fora do mercado. (PARO, 1998, sp.) Tal perspectiva tem refletido na prática pedagógica do professor, deixando-o sem um referencial teórico que norteie seu trabalho e à mercê das políticas governamentais, não se sentindo sujeito do processo educativo, mas mero executor de decisões localizadas em níveis hierárquicos superiores. O saber historicamente produzido que permite que a humanidade não tenha que reinventar tudo a cada nova geração, que precisa ser repassado, para as gerações subseqüentes, mediado pela educação, entendido como apropriação do saber historicamente produzido (PARO, 1997b, p. 108) deixou de ser importante. Prega-se que a aprendizagem que se adquire sozinho tem maior valor que a que se realiza por meio de alguém, ou seja, o método de aquisição do conhecimento é mais importante que o conhecimento existente na sociedade. 1.1 Influências das políticas neoliberais na Educação Estado do Paraná O Paraná foi um dos pioneiros em implantar suas políticas educacionais nos moldes das políticas neoliberais. Em outubro de 1996, a SEED/PR adiantando-se à legislação federal, ordena o fechamento de todos os cursos profissionalizantes, incluindo também o curso de

14 Magistério. Impõe o Programa Expansão, Melhoria e Inovação no Ensino Médio do Paraná (PROEM), que previa a estruturação do ensino profissionalizante com Pós-Médio para os egressos do Ensino Médio (SEED/ DEP/ 2003), materializando-se o processo de privatização da rede de ensino profissionalizante. Para ajustar a oferta à demanda do sistema produtivo e a necessidade de recursos, são mobilizadas as unidades escolares, segmentos do governo e da sociedade para elevação da qualidade. O governo Jaime Lerner ( ), Para motivar as APMs a assumirem a responsabilidade de conseguir recursos para a escola cria o prêmio de excelência das Escolas públicas do Paraná que estabelece critérios de pontuação das escolas, formando um ranking de melhores e piores escolas. (SILVA, 2000, sp). Conseqüentemente, estabelece uma competição entre cada escola, atribuindo a cada uma delas a responsabilidade para solucionar os seus problemas e buscar a superação destes. No Estado do Paraná, o papel do Estado no governo de Lerner ( ), foi o de coordenador das políticas públicas, enquanto a comunidade local assumia a sua execução. O sistema neoliberal defende a idéia de que o Estado é ineficiente e o setor privado é eficiente na condução de políticas sociais introduzindo, [...] mecanismo de mercado no sistema educacional, segundo teóricos dos organismos internacionais, fará com que as unidades escolares busquem desenvolver experiências inovadoras que contribuam para a melhoria a qualidade do ensino. (HIDALGO; SILVA, 2001, p. 172). A busca pela qualidade fica a cargo de cada estabelecimento. Não há uma política para a educação pública e, sim, um sistema competitivo entre as escolas, visando o atendimento das necessidades imediatas de aprendizagem. Criou-se o Programa de Qualidade do ensino Básico PQE (HIDALGO; SILVA, 2001, p.177) que partia do pressuposto que a expansão

15 do sistema de ensino acarretou ao Estado inúmeras atribuições que não permitem a oferta do ensino de boa qualidade, propondo, então, a participação da comunidade na gestão da escola, sendo adotado um sistema centralizador aperfeiçoando o sistema de informações e avaliação, ao determinar que as escolas funcionem nos moldes de uma empresa. Passa a ser cobrada a responsabilidade pela inovação da unidade escolar isoladamente, enquanto os sistemas de avaliação se encarregam da divulgação dos melhores resultados (HIDALGO; SILVA, 2001, p. 175) formando um ranking das melhores escolas sem considerar as especificidades de cada uma. Criou-se, na gestão Lerner ( ) uma agência social privada com a qual estabelece um contrato de gestão e também o PARANAEDUCAÇÃO sendo que, [...] PARANATEC agência social autônoma destinada a gerenciar o Ensino Técnico, o PARANAEDUCAÇAO agência social autônoma destinada a administrar os recursos humanos do sistema público de Ensino Fundamental e Médio, que passa a contratar professores e demais trabalhadores da educação por tempo determinado e sem vínculos diretos com o Estado, embora o financiamento dessa agência social continue sendo com o dinheiro público. (SILVA, 2000, s.p). A seleção e avaliação dos professores e do pessoal técnicoadministrativo para trabalhar nas escolas eram realizadas no próprio estabelecimento. No que concerne a Gestão, a SEED (Secretaria de Estado da Educação) promoveu através das APMs (Associação de Pais e Mestres) a captação de recursos juntos aos pais dos alunos para o financiamento das atividades escolares para o desenvolvimento do ensino, ou seja, fazer com que a comunidade arque com o ônus do financiamento da escola. (HIDALGO, 2001, p.184). As APMs (Associação de Pais e Mestres) das escolas deveriam encontrar formas alternativas de manutenção e expansão das atividades escolares, se responsabilizando pela qualidade do ensino e pela cobrança de mensalidade. Com isso, as escolas com maiores dificuldades, situadas

16 em regiões cuja comunidade é mais carente e que não podia pagar são as mais prejudicadas. O conselho escolar teve seu papel reduzido. É acionado pelo diretor quando este tem um problema com o professor ou aluno, para legitimar suas decisões ou tirando do diretor os desgastes que a situação poderia ocasionar (HIDALGO; SILVA, 2001, p. 190). O diretor é uma liderança que deve canalizar as potencialidades dos profissionais da escola e de toda a comunidade externa para a obtenção de melhorias e fazer com que a sua escola se destaque das demais. A escola que mais se destaca recebe prêmios. O diretor/gestor das escolas destacadas é aquele que assume uma postura de administrador de empresas, que centraliza o controle sobre todas as atividades e que tem sempre a última palavra. (HIDALGO; SILVA, 2001, p. 193). Observa-se que a grande preocupação dos educadores ao justificar o objetivo do seu trabalho é preparar o aluno para o mercado de trabalho, ou seja, servir ao capital (PARO, 1998, sp). A escola quando deixa de cumprir sua função específica, não colocando em discussão as formas alienadas de trabalho já está preparando para ele, ou seja, Políticos, empresários, intelectuais, sindicalistas conservadores, transformam qualquer debate sobre educação em problemas de custos. Os termos eficiência, produtividade, produto educativo, rentabilidade, clientealuno, qualidade total. (GENTILI, 2005, p.158). Com isso, são agregados ao discurso educativo, expressões que adentraram o ambiente escolar e passaram a fazer parte do seu cotidiano, em detrimento de outros relacionados à didática e a pedagogia. 1.2 Resultado do trabalho de intervenção na escola É preciso resgatar a função social da escola: acesso à cultura letrada transformando-a em cultura escolar (SAVIANI, p.27) de caráter científico. Monteiro (2006, p.169) afirma ser imprescindível que se

17 rediscuta o que é específico do mundo da educação e o que é específico do mundo dos negócios, pois se isto não ficar bem claro é bem provável que um setor coloque o outro a reboque de si. Portanto, a escola precisa dar conhecimentos aos seus alunos para que estes possam compreender as contradições da sociedade e tenham condições de fazer suas próprias escolhas e conseqüentemente se inserir no mercado de trabalho. O homem ao longo da história da humanidade sempre se apropriou da herança cultural das gerações que o antecedeu produzindo conhecimentos que o faz sujeito histórico num determinado contexto. Mas, Grande parte daquilo que aprendemos se dá automaticamente no seio da família, pelo contato com vários grupos sociais, através da mídia. É uma criação humana que visa superar a diferença entre o que conhecemos ao nascer e tudo aquilo que a humanidade criou de saber (PARO, 1998, sp). Por saber inclui-se desde o mais simples conhecimento que o homem adquiriu ao longo de sua existência sobre a realidade que o cerca até os mais complexos conhecimentos que demoraram milhares de anos para serem criados. Educação é atualização histórica de cada indivíduo e o educador é o mediador (PARO, 1998, sp) das situações de aprendizagem. É na escola que se deve dar a organização desses conhecimentos, pois esta é o local onde se dá a educação sistematizada objetivando prover o indivíduo de elementos culturais necessário para viver em sociedade. (PARO, 1998, sp). Mas para isso ocorra, é necessário um mínimo de conteúdos culturais que o indivíduo precisa apropriar-se para poder exercer seus direitos de cidadão na sociedade em que está inserido. Assim, a escola reveste-se, então, de: [...] uma dupla responsabilidade social: mediação indispensável para a cidadania ao prover, de modo sistemático e organizado, a educação que historicamente atualiza as novas gerações; e fazer de modo seletivo a seleção dos conteúdos que é mais significativo para a formação do cidadão. (PARO, 1998, sp).

18 Mas para que a escola possa cumprir a função que lhe compete não é suficiente à existência do saber sistematizado. É necessário convertê-lo em saber escolar, isto é, dosá-lo e seqüenciá-lo para efeito do processo de transmissão-assimilação no espaço e tempo escolares. (SAVIANI, 1985, p. 28). E isso só será possível se o professor obtiver uma boa formação, tanto dos conteúdos específicos da sua disciplina quanto das formas através das quais o saber sistematizado é convertido em saber escolar, tornando-o, pois, transmissível-assimilável na relação professor-aluno. (SAVIANI, 1985, p. 28). O pedagogo na escola deve procurar meios, juntamente com os professores e professoras de garantir, [...] (as) camadas populares o ingresso e o domínio da cultura letrada, sem se desviar do seu papel fundamental, que é a difusão do saber sistematizado, isto é, de caráter cientifico, velando para que este não se perca no interior das escolas em um sem-número de atividades acessórias. (SAVIANI, 1985, p. 28). É preciso redefinir os limites do ato educativo no interior das escolas à medida que nos dias atuais se aprimoram e se ampliam as demais agências informativas, como a imprensa, a televisão (AZANHA, 1997, p. 142) a internet. A escola tem uma importante função que é sistematizar os conhecimentos nas disciplinas que compõem a sua matriz curricular como mecanismos de conhecimentos que dê acesso para aquisição de uma cultura geral. Portanto, é preciso romper com a idéia que a escola ideal deve dispor de um currículo amplo integrado com as mais diversas atividades intra e extra-escolares eliminando o pout-porri curricular oferecido nas escolas (MANZANO, 1997, p. 142). A escola precisa definir junto com seu corpo docente seguindo as Diretrizes de cada disciplina, o que é básico para cada série da Educação Básica e a partir do mínimo necessário de cada disciplina estabelecer e buscar os objetivos que se pretendem alcançar e como eles serão alcançados. O professor de cada disciplina não deve ter somente o conhecimento dos conteúdos da série que vai trabalhar, mas, sim dos

19 conteúdos da disciplina de todas as séries para construir um currículo em espiral, acrescentando sempre mais um conhecimento significativo a partir do instrumental conceitual do aluno. Definido o mínimo necessário dos conteúdos, [...] (a) ser alcançado no ensino de cada matéria que assegurem a formação geral de cada aluno, outros pontos precisam ser discutidos como a avaliação, a recuperação, utilização da biblioteca... Devem estar subordinados a esse ponto prioritário: o que é efetivamente indispensável ensinar em cada matéria e como fazê-lo, o resto vem por acréscimo. (AZANHA, 1981, p. 32). Os instrumentos avaliativos adquirem uma nova função neste processo. Avaliação é um juízo de qualidade sobre dados relevantes para uma tomada de decisão (LUCKESI, 1995, p. 66). Nesse processo, a média pode aprovar um aluno que não apresenta condições suficientes de aprendizagem ou fazer o inverso se não levar em consideração o padrão mínimo necessário do que está sendo ensinado. É preciso definir os dados relevantes de cada conteúdo e estes conhecimentos devem ser aprendidos na sua totalidade. Exemplificando: [...] um estudante de pilotagem de avião deve saber muito bem três grandes atos; decolar, voar e aterrissar a aeronave. Suponhamos que ele obteve 10 na decolagem, 8 no vôo e 3 na aterrissagem. Fazendo a média (10+8+3= 21, 21/3=7) podemos dizer que este estudante está aprovado, pois ele possui a média 7,0. No entanto, ele não tem nenhuma condição de pilotar o avião porque deixou de aprender na totalidade o básico necessário para pilotar uma aeronave. (LUCKESI, p. 80). A escola ao trabalhar com um mínimo de conhecimentos básico essencial, não pode contentar-se apenas com parte de sua apropriação pelo aluno, mas, sim, com que este seja aprendido pelo aluno na sua totalidade, caso contrário ele não pode ser aprovado porque não se apropriou dos conhecimentos necessários (LUCKESI, 1995, p. 80) que poderão ser pré-requisitos para a construção de novos conhecimentos. É preciso que as escolas redefinam quais são os conteúdos realmente necessários que os alunos aprendam e mobilizem seus esforços

20 para que estes sejam realmente assimilados na sua totalidade, recuperando assim a sua função sistematizadora do conhecimento em sala de aula e o comprometimento com a função cognitiva do aluno. No curso de formação de docentes, foco do projeto de intervenção, foram realizadas as seguintes atividades: - entrega do referencial teórico de cada disciplina para leitura e conhecimento do encaminhamento teórico metodológico das disciplinas; - reuniões de planejamento para transformação dos conteúdos estruturantes em conteúdos básicos; - elaboração coletiva do plano de trabalho docente; - reuniões bimestrais para avaliação das atividades realizadas. Com a implementação do trabalho de intervenção na escola, foi possível reunir os professores que trabalham com as disciplinas específicas do magistério nos três turnos. Estes fizeram a leitura do referencial teórico de cada disciplina e do seu encaminhamento metodológico. Buscaram em conjunto com seus pares os conteúdos específicos para desenvolver os conteúdos estruturantes de cada uma delas e assim poder estabelecer os conteúdos que vão trabalhar em cada bimestre superando a fragmentação que vinha acontecendo. O trabalho com os professores proporcionou o conhecimento do embasamento teórico e metodológico das disciplinas da formação específica do curso de Formação de docentes e o conhecimento dos conteúdos estruturantes de cada uma das disciplinas. Os professores passaram a planejar e a pesquisar em conjunto com seus pares os conteúdos a serem trabalhados na sala de aula com os alunos. Para trabalhar os conteúdos foram adquiridos vários livros com a bibliografia específica, nos quais os professores puderam se orientar para fazer a transposição didática desses conteúdos, que são objetos de estudo. Além do planejamento em conjunto, o mais importante foi o fato de que os professores, das mesmas disciplinas, trabalhassem os mesmos conteúdos nos três turnos, evitando a repetição e a defasagem de conteúdos, conforme estava acontecendo.

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 A palestra em algumas palavras... Provocações... reflexões...leitura

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

Educação técnica e desenvolvimento humano e social

Educação técnica e desenvolvimento humano e social Educação técnica e desenvolvimento humano e social Nacim Walter Chieco(*) 1. Educação e desenvolvimento social A partir de 1996 teve início, no Brasil, um processo de ampla e profunda reforma educacional.

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária Apresentação Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária A Vice-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pósgraduação da Universidad Arturo Prat del Estado de Chile, ciente da importância dos estudos

Leia mais

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád 1. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GICO 1.1 É a própria pria organização do trabalho pedagógico gico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis n e modalidades. 1.2 É Político por que diz respeito

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB.

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Profa. Dra. Nara Maria Pimentel Diretora de Ensino de Graduação da UnB Presidente do Fórum

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES?

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? BARREIROS, Marat Guedes Especialização em Gestão Estratégica de Recursos Humanos Coordenador de Curso, Professor Faculdade do Guarujá GODOY, Valdir

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS Carine Ferreira Machado Virago 1 Carla Cristiane Costa 2 Resumo: A nova conjuntura educacional, voltada especialmente a uma educação integral

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Resumo Elaine Carvalho de Campos Abib¹ Este trabalho foi realizado com base nas características das Tendências Pedagógicas e nas

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR Alex Vieira da Silva 1 RESUMO O presente artigo pretende discutir os princípios da gestão democrática no contexto educacional, visando perceber

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PORTARIA Nº 586/10/GS/SEDUC/MT

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PORTARIA Nº 586/10/GS/SEDUC/MT ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PORTARIA Nº 586/10/GS/SEDUC/MT Dispõe sobre os critérios para atribuição do professor articulador e professor da sala de recursos multifuncionais

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO-CURRICULAR, ORGANIZAÇÃO ESCOLAR E DOS PLANOS DE ENSINO 1

AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO-CURRICULAR, ORGANIZAÇÃO ESCOLAR E DOS PLANOS DE ENSINO 1 AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO-CURRICULAR, ORGANIZAÇÃO ESCOLAR E DOS PLANOS DE ENSINO 1 A avaliação da escola é um processo pelo qual os especialistas (diretor, coordenador pedagógico) e os professores

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS NEOLIBERAIS

AVALIAÇÃO EXTERNA NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS NEOLIBERAIS AVALIAÇÃO EXTERNA NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS NEOLIBERAIS Antonio Marcelo Pereira Sousa1 Graduando do curso de Pedagogia da FECLESC-UECE Maria Aline da Silva Graduanda do curso de Pedagogia da FECLESC-UECE2

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DO PLANO NACIONAL DA EDUCAÇÃO

ANÁLISE CRÍTICA DO PLANO NACIONAL DA EDUCAÇÃO ANÁLISE CRÍTICA DO PLANO NACIONAL DA EDUCAÇÃO HADDAD, Cristhyane Ramos UTP crisrhaddad@hotmail.com HADDAD, Monaliza Ehlke Ozório UTP monalizahaddad@uol.com.br PACHECO, Marinêz Menoncin UTP marinez_pacheco@hotmail.com

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN 1. A Lei de Diretrizes e Bases, Lei nº. 9394/96, em seu artigo 3º enfatiza os princípios norteadores do ensino no Brasil. Analise-os:

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA,

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA, REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA, Maria Jacqueline Girão Soares. jaclima@centroin.com.br GT: Educação Ambiental / n. 22 Introdução Entre professores

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais

anped 25ª reunião anual

anped 25ª reunião anual O PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA-PDE NO ENSINO FUNDAMENTAL:O QUE MUDOU NA ESCOLA 1 GT Ensino Fundamental N.º13 Catarina de Almeida Santos- UFG Laydes Seabra Guimarães e Souza-UCG Sueli Azevedo de Souza

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA

MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA José Roberto da silva Almeida, Arno Bayer jrsa12@hotmail.com,

Leia mais

INDICAÇÃO CME nº : 04/02 - Aprovada em 05/09/02 Plano Municipal de Educação. Relator : Conselheiro José Augusto Dias I - RELATÓRIO

INDICAÇÃO CME nº : 04/02 - Aprovada em 05/09/02 Plano Municipal de Educação. Relator : Conselheiro José Augusto Dias I - RELATÓRIO INDICAÇÃO CME nº : 04/02 - Aprovada em 05/09/02 Plano Municipal de Educação Relator : Conselheiro José Augusto Dias I - RELATÓRIO 1. Por quê o Plano Municipal de Educação? A idéia de planejamento da educação

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil Fernando Jose Spanhol, Dr www.egc.ufsc.br www.led.ufsc.br O Sistema UAB Denominação representativa genérica para a rede

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Segundo Fagundes & Martini (2003) as décadas de 1980 e 1990 foram marcadas por um intenso êxodo rural, provocado

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização OS MECANISMOS DE ATUALIZAÇÃO DAS EXPLICAÇÕES BIOLÓGICAS PARA JUSTIFICAR AS DIFICULDADES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO: ANÁLISE DO PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO LETRA E VIDA Cristiane Monteiro da Silva 1 ; Aline

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE Lilian Kemmer Chimentão Resumo O presente estudo tem como objetivo a compreensão do significado e da importância da formação continuada docente para o exercício

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE A POLÍTICA DA INTEGRAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL AO ENSINO MÉDIO NO PARANÁ. Introdução

APONTAMENTOS SOBRE A POLÍTICA DA INTEGRAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL AO ENSINO MÉDIO NO PARANÁ. Introdução 1 APONTAMENTOS SOBRE A POLÍTICA DA INTEGRAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL AO ENSINO MÉDIO NO PARANÁ Eliane Cleide da Silva Czernisz - UEL 1 Isabel Francisco de Oliveira Barion - UEL/SME-LD 2 Marci Batistão

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA Módulo 3 - Direitos Humanos e o Projeto Político Pedagógico da escola Objetivos: Nesta unidade vamos discutir

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04/2008

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04/2008 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04/2008 Ementa:Dispõe sobre as diretrizes e procedimentos para implantação do Sistema de Avaliação das Aprendizagens nas Escolas da Rede Estadual de Ensino a partir do ano letivo

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 Ementa: Realização de treinamentos, palestras, cursos e aulas por profissionais

Leia mais