Você não está sozinha

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Você não está sozinha"

Transcrição

1 Você não está sozinha Não jogue este impresso em vias públicas lei maria da penha e a rede de proteção da mulher Untitled /12/ :05:35

2 Papo de amiga... 3 e 4 O agressor arrependido... 5 e 6 Os vários tipos de violência... 7 e 8 Delegacia da Mulher e CRM... 9 e 10 Fazendo a denúncia e 12 Resguardando a integridade física e 14 A Casa Abrigo e 16 Onde procurar ajuda? e 18 Quem é Ana Rita Esgário e 20 Em uma linguagem mais ilustrativa, esta cartilha tem o objetivo de esclarecer sobre a Lei Maria da Penha e alertar para diversas formas de violência contra a mulher. Como em outras publicações do mandato sobre o assunto, a intenção é divulgar a legislação para que mais mulheres tenham conhecimento dos seus direitos, em especial, aquelas que vivem em situação de violência doméstica, para que saibam onde procurar ajuda. Dados da Organização das Nações Unidas (ONU) mostram que a violência doméstica é a principal causa de lesões de mulheres de 15 a 44 anos no mundo. No Brasil, nos últimos 30 anos (1980 a 2010), 91 mil mulheres foram assassinadas, mais de 43 mil só nos últimos dez anos. Levantamentos também apontam que uma em cada três mulheres no mundo sofrerá violência ao longo de sua vida. Os dados são alarmantes. A Lei Maria da Penha é a terceira lei mais avançada entre países que têm legislação especifica sobre o tema. Mas para que sejamos vitoriosas na batalha pelo fim da violência a mulher, é preciso que toda a sociedade abrace esta causa. Uma vida sem violência é um direito de toda mulher. Ana Rita (PT-ES) 1 Untitled /12/ :05:39

3 3 4 Untitled /12/ :05:43

4 O agressor arrependido - A gente era casado há um ano e meio, quando tudo começou. Com o tempo, ele passou a me tratar mal. No início, ele só fazia essas coisas quando estávamos sozinhos. Mas depois passou até a me humilhar na frente das crianças. Um dia, em uma discussão, ele me deu um tapa no rosto. Aquilo me doeu tanto! E não só no corpo... Não podia acreditar que aquilo estava acontecendo! 5 Untitled Sempre ele dizia que tinha se arrependido, que não ia acontecer mais, que me amava... Acontece que só foi piorando com o tempo e eu passei até a usar maquiagem para esconder os hematomas. No fundo, eu tinha esperança de que ele ia parar e melhorar. - Mas como você tomou coragem para pedir ajuda? 6 13/12/ :05:46

5 Os vários tipos de violência - Meu caso foi parecido com o seu. Uma amiga minha começou a reparar que eu estava muito triste, e acabei me abrindo com ela. Ela também não sabia como fazer, então resolvemos descobrir juntas. Depois de conversar muito com muita gente, fui entender que o que eu estava passando, na verdade, eram vários tipos de violência. Vou explicar melhor isso. 7 Untitled Quando ele me humilhava e fazia chantagens, eu estava sofrendo violência psicológica e moral; Quando ele me agredia, passei a sofrer também violência física; Em alguns casos, a mulher pode também sofrer violência patrimonial, que é quando o homem controla seu dinheiro, ou te impede de ter acesso a alguns de seus bens. E pode chegar a sofrer até mesmo a violência sexual, que é quando lhe obrigam a fazer sexo mesmo quando você não quer. - Nossa! 8 13/12/ :05:49

6 Delegacia da Mulher e Casa Abrigo - Mais adiante, descobrimos que existia a Delegacia da Mulher. Em alguns municípios, onde não tenha a delegacia da mulher, a pessoa pode se dirigir a uma delegacia normal mesmo. Lembrando que, infelizmente, nem todos os profissionais estão preparados para receber as mulheres. Mas não desanime! Eu mesma passei muito desaforo, só depois descobri que eu podia denunciar o desrespeito. Se isso acontecer com você, não aceite! Disque de graça para o 180 e denuncie também! Voltando ao assunto, eu ainda estava insegura de denunciar. Ainda não entendia bem como tudo funcionava e o que podia ser feito. Por isso, fui encaminhada para o Centro de Referência da Mulher (CRM). Me acolheram super bem, conversaram bastante comigo ao longo de dias e me colocaram pra cima! Soube que, em alguns municípios, infelizmente ainda não tem o CRM. Nesse caso, o CRAS e o CREAS cumprem essa função. ^ 9 Untitled /12/ :05:53

7 Fazendo a denúncia Depois, já segura e compreendendo que eu não merecia estar passando por nada daquilo, comecei a não aceitar mais as humilhações. Até cheguei a convidar ele para ir ao Centro de Referência da Mulher, mas não adiantou. Ele continuava me violentando. Enfim, acabei decidindo voltar à delegacia para denunciar. 11 Untitled Fiz a ocorrência e eles me explicaram que agora um inquérito policial seria enviado para o Poder Judiciário. Depois, a Justiça marcou uma audiência, onde chamaram a mim, o agressor e testemunhas, que no caso era minha amiga. - Mas e até lá? E se ele quiser me agredir depois que souber que eu denunciei? 12 13/12/ :05:56

8 Resguardando a integridade física - Nesse caso, quando fizer a ocorrência você pode solicitar o que eles chamam de medida protetiva. Assim, você pode exigir que o agressor se afaste de casa, de familiares, estará proibido de se aproximar de você, entre outras coisas. Os pedidos de medidas protetivas devem ser rapidamente encaminhados, em 48 horas depois que você fez a ocorrência. - Então, não tenha medo. Por que ao ser marcada a audiência, você pode pedir de imediato para ser ouvida separadamente. No meu caso, como no de muitas mulheres, eu procurei a Defensoria Pública, onde consegui um defensor público, um advogado gratuito do governo, que me ajudou e me apoiou no dia da audiência. Eu sugiro que você faça o mesmo. - Entendi...Mas... Espera! Quando acontecer essa audiência aí que você falou, eu vou ficar cara a cara com ele? Untitled /12/ :05:58

9 A Casa-Abrigo. - Amiga, mas se a situação estiver muito ruim, se você se sentir ameaçada ou em risco de morte, existe um lugar para onde a gente possa ir, levar os filhos até que a situação se resolva. Esse lugar se chama Casa-Abrigo Untitled /12/ :06:10

10 Delegacia de Mulher ou Delegacia de Polícia - Faz o registro da ocorrência de violência e apura as informações e provas e solicita medidas protetivas, de acordo com a Lei Maria da Penha. Todos esses dados são enviados ao Ministério Público ou a Justiça. Após o registro Boletim de Ocorrência (BO) a autoridade policial deve encaminhar o pedido de medidas protetivas ao Poder Judiciário em até 48 horas. Também, caso haja risco de morte ou novas agressões, solicitar a prisão preventiva do agressor. E, se houver necessidade, fornecer transporte à mulher e seus dependentes para abrigo ou local seguro e acompanhá-la na retirada de seus pertences no domicílio da vítima ou local da agressão. Defensoria Pública Defende gratuitamente a mulher vitima de violência. Ela tem direito de ser defendida e acompanhada por defensora ou defensor público (advogado) em todos os atos processuais, cíveis e criminais. Ou seja: em todas as audiências de violência domésticas. Ministério Público Apresenta a denuncia à Justiça contra o agressor. O Ministério Público também pode solicitar medidas protetivas para a vítima e a prisão preventiva do agressor, solicitar força policial e serviços públicos de saúde, educação, assistência social, segurança entre outros. Também deve fiscalizar os serviços públicos e particulares de atendimento a mulheres e tomar as providências quando houver irregularidades. Casa-abrigo - A Casa abrigo é um lugar para situações de risco de morte, onde a mulher pode ficar, com seus filhos, por um período curto, até que a situação seja normalizada e ela não corra mais perigo. Centro de Referência da Mulher - O Centro de Referência é um lugar para atendimento jurídico, psíquico e social às mulheres em situação de violência. No Centro de Referência, as mulheres podem consultar com psicóloga, obter informações jurídicas, atendimento social e ser encaminhada a outros programas da rede. Centros Especializados de Assistência Social (CREAS) e Centros de Assistência Social (CRAS) - Oferecem ajuda psicológica e social as mulheres vitimas de violência. É só procurar os CRAS e CREAS em seu município. Juizados ou Varas da Violência Doméstica e Varas Criminais É onde se julgam os casos que lhe são encaminhados e determinam as medidas de proteção. Vale destacar que a mulher ser informada dos atos processuais, por exemplo, se o seu agressor sairá da prisão. Enderecos e telefones úuteis Delegacias de Atendimento a Mulher Cariacica/Viana: (27) Avenida Expedito Garcia, 220, Campo Grande Cachoeiro de Itapemirim: (28) Rua 25 de Março, 126, Centro. Colatina: (27) / 7121 (ramal 32) Rua Benjamin Costa, 110, Bairro Marista Guarapari (27) / Rua Santo Antonio, 213, Centro Linhares (27) Avenida Getúlio Vargas, 1200, Centro São Mateus (27) Rua Arlindo Sodré, 162, Centro Serra (27) Rua Gonçalves Dias, 55, Bairro Laranjeiras Vila Velha (27) Rua Luciano das Neves, 340, Prainha Vitória (27) atendimento 24h Rua Portinari, s/n, Bairro Santa Luiza Coordenação de Atendimento a Vítimas de Violência Doméstica, Gênero, Discriminação Racial e por Orientação Sexual (CAVVID) Vitória (27) Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres Serra (27) Centro Integrado da Mulher Vila Velha (27) Gerência dos Direitos da Mulher Cariacica (27) Programa Municipal de Atenção à Família (PRAFAM) Viana (27) Untitled /12/ :06:13

11 Ana Rita Esgario (PT-ES) É formada em Serviço Social pela Universidade Federal do Espírito Santo. Nasceu, em Conceição do Castelo, Estado do Espírito Santo. Suplente do ex-senador Renato Casagrande (PSB-ES), atual governador do Estado do Espírito Santo, assumiu o cargo de senadora em 3 de janeiro de 2011, sendo a única mulher a representar o Estado no Senado Federal e a primeira a ocupar o cargo pelo PT-ES. No Senado, é presidenta da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) e integra a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania; a Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle e a Comissão de Assuntos Sociais. A senadora Ana Rita foi a relatora da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investigou a Violência contra a Mulher no Brasil e apurarou denúncias de omissão por parte do poder público com relação à aplicação de instrumentos instituídos em lei para proteger as mulheres em situação de violência. A Comissão foi presidida pela deputada federal Jô Moraes (PCdoB-MG). Em um ano e meio de trabalho a CPMI investigou 17 estados brasileiros e fez 73 recomendações gerais a todos os poderes constituídos e recomendações a todos os estados brasileiros. O Relatório Final, apresentado pela senadora Ana Rita e aprovado por unanimidade pela Comissão, além de trazer um diagnóstico da situação e apresenta propostas de legislação, entre outras recomendações que visam o enfrentamento a violência contra a mulher no país. Documento entregue à presidenta Dilma Rousseff e representantes do Judiciário, de governos estaduais e municipais. O Relatório está disponível nos sites: e Ficha técnica Realização Mandato da Senadora Ana Rita Esgário (PT-ES) Coordenação geral Emílio Font Leonardo Almenara Consultoria e revisão Carmen Hein de Campos Texto e edição Estúdio Cosmonauta Roteiro Estúdio Cosmonauta Quadrinhos Laíssa Gamaro Ilustrações Laíssa Gamaro Arte final e coloração Estúdio Cosmonauta Projeto gráfico Estúdio Cosmonauta Untitled /12/ :06:15

12 Senadora Ana Rita (PT-ES) Gabinete Brasília - DF Ala Senador Filinto Müller, Gabinete 14, Anexo II CEP (61) / Não jogue este impresso em vias públicas Escritório Espírito Santo Rua Des. Ferreira Coelho, 113 Vitória - ES - CEP (27) face/anaritaesgario Se você é vitima de algum tipo de violência saiba onde buscar ajuda ligando para o número 180. A ligação é gratuita. O serviço funciona 24 horas todos os dias, inclusive feriados. Caso tenha se sentido intimidada ou constrangida durante qualquer atendimento fale também com a central. Untitled /12/ :06:17

Combate e prevenção à violência contra a mulher

Combate e prevenção à violência contra a mulher Combate e prevenção à violência contra a mulher O CIM - Centro Integrado de Atendimento à Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar - tem por objetivo fazer valer a Lei n.º 11.340/06, Lei Maria da

Leia mais

O que deve fazer uma mulher vítima de agressão?

O que deve fazer uma mulher vítima de agressão? PERGUNTAS FREQUENTES O que deve fazer uma mulher vítima de agressão? A mulher em situação de violência doméstica poderá comparecer a uma delegacia de Defesa da Mulher mais próxima à sua casa para registrar

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

Formas de Violência Doméstica (contra crianças, adolescentes e mulheres)

Formas de Violência Doméstica (contra crianças, adolescentes e mulheres) VIOLÊNCIA DOMÉSTICA A violência é uma questão social que afeta a todas as pessoas, mulheres e homens, sejam elas crianças, adolescentes, jovens, adultos, idosos. Ela acontece em todas as classes sociais,

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Coordenadoria Estadual de da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Coordenadoria Estadual de da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar VCM REC 000043 ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Coordenadoria Estadual de da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar Vitória, 19 de abril de 2012 A Senhora Deputada

Leia mais

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Três anos depois, lei Maria da Penha diversifica perfil de mulheres que procuram ajuda contra violência doméstica. Quais são os resultados trazidos pela lei Maria da Penha?

Leia mais

NÃO EXISTE ANALOGIA SUBSTANCIAL PARA CRIANÇA, ADOLESCENTE, IDOSO, ENFERMO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

NÃO EXISTE ANALOGIA SUBSTANCIAL PARA CRIANÇA, ADOLESCENTE, IDOSO, ENFERMO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NÃO EXISTE ANALOGIA SUBSTANCIAL PARA CRIANÇA, ADOLESCENTE, IDOSO, ENFERMO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Por Carlos Eduardo Rios do Amaral Caro leitor, observe bem esta

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 37, de 2010, da Senadora Lúcia Vânia, que altera o art. 10 do Código de

Leia mais

A Lei Maria da Penha e a Falta de Proteção da Vítima

A Lei Maria da Penha e a Falta de Proteção da Vítima A Lei Maria da Penha e a Falta de Proteção da Vítima Após uma longa luta das mulheres contra a violência doméstica, o legislador brasileiro criou a Lei 11.340, de 22 de setembro de 2006, que ficou conhecida

Leia mais

1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta.

1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta. 1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta. I. Por expressa determinação legal não se aplicam aos crimes praticados com violência

Leia mais

www.senado.leg.br/datasenado

www.senado.leg.br/datasenado www.senado.leg.br/datasenado Lei Maria da Penha completa 9 Promulgada em 2006, a Lei Maria da Penha busca garantir direitos da mulher, além da prevenção e punição de casos de violência doméstica e familiar.

Leia mais

Os números da violência contra a

Os números da violência contra a Mensagem à Mulher Os números da violência contra a mulher são alarmantes. São vários os tipos de violência. Para se ter uma ideia, a cada ano 50 mil mulheres sofrem violência, sendo dez delas assassinadas.

Leia mais

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro O QUE É VIOLÊNCIA SEXUAL Todos os anos, estima-se que 500.000 70% Mulheres das vítimas sejam vítimas de estupro no Brasil, e que outros tantos milhões sofram com abusos e violências sexuais. de estupro

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

EXMA. SRA. DRA. JUÍZA DE DIREITO DO JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER DA COMARCA DE FORTALEZA CEARÁ

EXMA. SRA. DRA. JUÍZA DE DIREITO DO JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER DA COMARCA DE FORTALEZA CEARÁ 1 EXMA. SRA. DRA. JUÍZA DE DIREITO DO JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER DA COMARCA DE FORTALEZA CEARÁ DENÚNCIA Referência: Inquérito Policial n.º XXX-00XXX/2010 O MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

Cidadão com Segurança. Respeito mútuo entre Cidadão e Polícia

Cidadão com Segurança. Respeito mútuo entre Cidadão e Polícia Cidadão com Segurança Respeito mútuo entre Cidadão e Polícia Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público e Procurador-Geral da República Roberto Monteiro Gurgel Santos Comissão do Sistema Prisional,

Leia mais

O Paraná Está Ligado!

O Paraná Está Ligado! VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER O Paraná Está Ligado! Lançamento de rede estadual marca o enfrentamento à violência contra a mulher no Paraná O lançamento simbólico de uma rede de atenção à mulher em situação

Leia mais

As Medidas Protetivas na Lei de Violência Doméstica do Paraguai e o caso brasileiro.

As Medidas Protetivas na Lei de Violência Doméstica do Paraguai e o caso brasileiro. 1 As Medidas Protetivas na Lei de Violência Doméstica do Paraguai e o caso brasileiro. Francisco de Salles Almeida Mafra Filho. 1 Sumário: Introdução. Artigo 1º. Alcance e bens protegidos. Art. 2º. Medidas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS

CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS Os Juizados Especiais foram criados para atender; de uma forma rápida e simples, problemas cujas soluções podem ser buscadas por qualquer cidadão. Antes deles,

Leia mais

Representação da UNESCO no Brasil. DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia

Representação da UNESCO no Brasil. DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia Representação da UNESCO no Brasil DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia 1ª Edição Brasília e São Paulo UNESCO e OBORÉ Setembro de 2009 2009 Organização das Nações

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE MISTA DE COMBATE À VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER. Plano de Trabalho

COMISSÃO PERMANENTE MISTA DE COMBATE À VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER. Plano de Trabalho COMISSÃO PERMANENTE MISTA DE COMBATE À VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER Plano de Trabalho CONCEPÇÃO A violência contra a mulher constitui qualquer ação ou conduta, baseada no gênero, que cause morte, dano ou

Leia mais

Informações práticas para denunciar crimes raciais

Informações práticas para denunciar crimes raciais Informações práticas para denunciar crimes raciais O que é racismo? Racismo é tratar alguém de forma diferente (e inferior) por causa de sua cor, raça, etnia, religião ou procedência nacional. Para se

Leia mais

Karen Silva Carvalho [karen-carvalho@dpe.rs.gov.br] segunda-feira, 14 de maio de 2012 16:28 SSCEPI Ofício Oficio 114-2012.pdf

Karen Silva Carvalho [karen-carvalho@dpe.rs.gov.br] segunda-feira, 14 de maio de 2012 16:28 SSCEPI Ofício Oficio 114-2012.pdf \' SSCEPI VCM REC 000093 De: Enviado em: Para: Assunto: Anexos: Prioridade: Karen Silva Carvalho [karen-carvalho@dpe.rs.gov.br] segunda-feira, 14 de maio de 2012 16:28 SSCEPI Ofício Oficio 114-2012.pdf

Leia mais

O artigo 8º da referida lei, contemplando exatamente a dimensão do sofrimento e dos danos que a violência doméstica e familiar provoca, determina:

O artigo 8º da referida lei, contemplando exatamente a dimensão do sofrimento e dos danos que a violência doméstica e familiar provoca, determina: TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO VARA CENTRAL DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER SP Projeto: DE MÃOS DADAS COM A REDE Introdução A violência doméstica e familiar contra a mulher é um fenômeno

Leia mais

Curso de. Direito. Núcleo de Prática Jurídica. Crimes Sexuais Estupro e Pedofilia. www.faesa.br

Curso de. Direito. Núcleo de Prática Jurídica. Crimes Sexuais Estupro e Pedofilia. www.faesa.br Curso de Direito Núcleo de Prática Jurídica Crimes Sexuais Estupro e Pedofilia www.faesa.br mportante: Serviços especializados em crimes sexuais: Ÿ Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA)

Leia mais

Eixo 4 - Enfrentamento de todas as formas de violência contra as mulheres.

Eixo 4 - Enfrentamento de todas as formas de violência contra as mulheres. Eixo 4 - Enfrentamento de todas as formas de violência contra as mulheres. Estes dados são resultado de um processo participativo sem desenho amostral e cumprimento de cotas, cuja margem de erro não pode

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório

SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório I Seminário de Enfrentamento à Violência de Gênero no Município de Natal 26 e 27/03/2015 Local: Auditório do Conselho Regional

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA RELATÓRIO CENTRO DE REFERÊNCIA DA MULHER

INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA RELATÓRIO CENTRO DE REFERÊNCIA DA MULHER INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA O Município de Araraquara está localizado no centro do Estado de São Paulo, possuindo uma área total 1.312 Km2 com 77,37 Km2 ocupados pela área urbana. Sua posição

Leia mais

PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher

PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher Lucinery Helena Resende Ferreira do Nascimento Túlio Carlos Souza Ortiz Desde o nascimento da Lei 11.340, em

Leia mais

Questões Fundamentadas Da Lei Maria da Penha Lei 11.340/2006

Questões Fundamentadas Da Lei Maria da Penha Lei 11.340/2006 1 Para adquirir a apostila digital de 150 Questões Comentadas Da Lei Maria da Penha - Lei 11.340/2006 acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ATENÇÃO: ENTREGA SOMENTE VIA E-MAIL ESSA APOSTILA SERÁ

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESPÍRITO SANTO EDIFÍCIO SEDE Av. Marechal Mascarenhas de Moraes 1877, Monte Belo Vitória ES; CEP 29053-245 PABX: (27) 3183-5000

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESPÍRITO SANTO EDIFÍCIO SEDE Av. Marechal Mascarenhas de Moraes 1877, Monte Belo Vitória ES; CEP 29053-245 PABX: (27) 3183-5000 SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESPÍRITO SANTO EDIFÍCIO SEDE Av. Marechal Mascarenhas de Moraes 1877, Monte Belo Vitória ES; CEP 29053-245 PABX: (27) 3183-5000 1ª VARA FEDERAL CÍVEL - 7º ANDAR 01vfci@jfes.jus.br Assessoria

Leia mais

Depoimento Sem Dano Porto Alegre, AGOSTO de 2009

Depoimento Sem Dano Porto Alegre, AGOSTO de 2009 Depoimento Sem Dano Depoimento Sem Dano Porto Alegre, AGOSTO de 2009 Texto DR. Breno Beutler Júnior DR. José Antônio Daltoé Cezar Expediente projeto gráfico e Ilustrações Paulo Guilherme Marques Taylor

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

LEI MARIA DA PENHA UMA CONQUISTA, NOVOS DESAFIOS

LEI MARIA DA PENHA UMA CONQUISTA, NOVOS DESAFIOS LEI MARIA DA PENHA UMA CONQUISTA, NOVOS DESAFIOS VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER TOLERÂNCIA NENHUMA DIRETORIA DO SINDICATO - GESTÃO 2004/2007 Diretoria Executiva Jacy Afonso de Melo Presidente Enilson Cardoso

Leia mais

* DECRETO Nº 21.459, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2009. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais,

* DECRETO Nº 21.459, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2009. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais, Governo do Estado do Rio Grande do Norte Gabinete Civil Coordenadoria de Controle dos Atos Governamentais * DECRETO Nº 21.459, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2009. Institui o Programa Estadual de Proteção a Vitimas

Leia mais

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo Você Sabia Que o sexo de uma pessoa é dado pela natureza e por isso nascemos macho ou fêmea? Que o gênero é construído pelas regras da sociedade para definir, a

Leia mais

USUÁRIO QUE APANHOU NA PRISÃO, SOFREU

USUÁRIO QUE APANHOU NA PRISÃO, SOFREU NOME LUIS FILIPE PERTENCENTE A ALGUMA ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL? ESTADO MUNICÍPIO RIO DE JANEIRO (RJ) NOVA FRIBURGO DESCRIÇÃO DO CASO QUALIFICAÇÃO SEXO MASCULINO IDADE 22 25 COR GRAU DE INSTRUÇÃO

Leia mais

Violência de Gênero e Polí cas Públicas no Brasil

Violência de Gênero e Polí cas Públicas no Brasil Violência de Gênero e Polí cas Públicas no Brasil Nilcea Freire Representante da Fundação Ford no Brasil. Ex-ministra da Secretaria de Polí cas para as Mulheres da Presidência da República. Em primeiro

Leia mais

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL MEDIDAS CONCRETAS PARA O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ÂMBITO DOMÉSTICO/FAMILIAR A presente Matriz insere-se no

Leia mais

enfrentamento à violência doméstica

enfrentamento à violência doméstica enfrentamento à violência doméstica 1 enfrentamento à violência doméstica DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DA BAHIA APRESENTAÇÃO VITÓRIA BELTRÃO BANDEIRA Defensora Geral da Defensoria Pública do Estado da

Leia mais

PROJETO REDE ITINERANTE CONTRA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA DIVULGAÇÃO E MEMORIAL FOTOGRÁFICO DO PROJETO

PROJETO REDE ITINERANTE CONTRA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA DIVULGAÇÃO E MEMORIAL FOTOGRÁFICO DO PROJETO Veículo: Site Institucional do Ministério Público do Pará http://www.mppa.mp.br/index.php?action=menu.interna&id=4963&class=n Principal SANTARÉM: Rede itinerante de serviços de combate à violência doméstica

Leia mais

João Evangelista dos Santos Gestor da GPAC/SDS

João Evangelista dos Santos Gestor da GPAC/SDS A SDS através da Gerência de Prevenção e Articulação Comunitária GPAC/UPP, apresenta a mensagem informativa, por meio de Literatura popular sobre a lei 11.340/06, Lei Mª. da Penha. Parabenizamos o NUPREV-Sertão

Leia mais

coleção Conversas #6 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #6 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. coleção Conversas #6 Eu Posso com a s fazer próprias justiça mãos? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

Uma Prostituta Carioca Foi (de Novo) Sequestrada e Ameaçada pela Polícia

Uma Prostituta Carioca Foi (de Novo) Sequestrada e Ameaçada pela Polícia 1 2015 VICE Media LLC Uma Prostituta Carioca Foi (de Novo) Sequestrada e Ameaçada pela Polícia março 19, 2015 Por Matias Maxx Repórter Foto por Matias Max. No ano passado, poucas semanas antes do início

Leia mais

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR NASCIMENTO, Edinalva Neves Docente do Curso de Formação de Psicologia da ACEG/FASU-Garça/SP ediquata@gmail.com OLIVEIRA, Linda Marques Pedagoga e acadêmica do Curso de Formação

Leia mais

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado?

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Pesquisa Instituto Avon / Data Popular Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Com quem falamos? Jovens brasileiros Mulheres Homens Pesquisa online Autopreenchimento Amostra nacional de 16 a 24

Leia mais

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado?

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Pesquisa Instituto Avon / Data Popular Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Com quem falamos? Jovens brasileiros Mulheres Homens Pesquisa online Autopreenchimento Amostra nacional de 16 a 24

Leia mais

Combate à Violência contra a mulher

Combate à Violência contra a mulher Respeitar a mulher: Esta é a lei! Respeitar a mulher: Esta é a lei! Combate à Violência contra a mulher Respeitar a mulher: esta é a lei! RESPEITAR A MULHER: ESTA É A LEI! Durante muito tempo o ambiente

Leia mais

As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria (092-236-5568 e 092-985-5420)

As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria (092-236-5568 e 092-985-5420) Fica autorizada a reprodução do texto e ilustrações, no todo ou em parte, desde que se não altere o sentido, bem como seja citada a fonte. As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria

Leia mais

ASSALTO E MEDO. Dihego Pansini

ASSALTO E MEDO. Dihego Pansini ASSALTO E MEDO Dihego Pansini As relações humanas têm se aprofundado cada vez mais nas últimas décadas. Nesse processo, um dos grandes desafios do ser humano moderno é aprender a lidar com as diferenças

Leia mais

Serviços públicos destinados à pessoa idosa em Minas Gerais

Serviços públicos destinados à pessoa idosa em Minas Gerais Serviços públicos destinados à pessoa idosa em Minas Gerais Serviços instituídos pelo poder público, organizados de acordo com a parte do Estatuto do Idoso à qual estão relacionados. Serviços relacionados

Leia mais

Violência doméstica: cinco anos de punição mais rígida para agressores

Violência doméstica: cinco anos de punição mais rígida para agressores Violência doméstica: cinco anos de punição mais rígida para agressores A Lei Maria da Penha trouxe da sombra uma realidade escondida nos lares brasileiros. A violência praticada contra a mulher no ambiente

Leia mais

BALANÇO SEMESTRAL DO DISQUE DIREITOS HUMANOS DISQUE 100 PESSOA IDOSA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

BALANÇO SEMESTRAL DO DISQUE DIREITOS HUMANOS DISQUE 100 PESSOA IDOSA PESSOA COM DEFICIÊNCIA BALANÇO SEMESTRAL DO DISQUE DIREITOS HUMANOS DISQUE 100 PESSOA IDOSA LGBT PESSOA COM DEFICIÊNCIA CRIANÇA E ADOLESCENTE POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA PESSOAS EM RESTRIÇÃO DE LIBERDADE BALANÇO SEMESTRAL

Leia mais

Violência Sexual PIBID -Temas Transversais Unipampa campus Uruguaiana

Violência Sexual PIBID -Temas Transversais Unipampa campus Uruguaiana Violência Sexual PIBID -Temas Transversais Unipampa campus Uruguaiana Termos Utilizados Abuso Sexual; Violência Sexual doméstica; Prostituição; Tráfico para fins sexuais (interno e externo); Pornografia

Leia mais

A vez e a voz das crianças

A vez e a voz das crianças 119 outubro de 2010-ESPECIAL CRIANÇA PARA LER NO AR A vez e a voz das crianças Às vésperas de 12 de outubro, Dia das Crianças, eu convido você, ouvinte, a refletir sobre os direitos das meninas e meninos

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. Vocês acham possam a coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - cer d o t t o a r que ga cr ia n y ç a s s? Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

PROJETO CARTAS DE MULHERES

PROJETO CARTAS DE MULHERES PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMESP COORDENADORIA ESTADUAL DA MULHER EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR PROJETO CARTAS DE MULHERES I - HISTÓRICO: Criadas as VARAS

Leia mais

BALANÇO. 1º Semestre 2015

BALANÇO. 1º Semestre 2015 BALANÇO 1º Semestre 2015 Dilma Rousseff Presidenta da República Eleonora Menicucci Ministra de Estado Chefe da Secretaria de Políticas para as Mulheres Linda Goulart Secretária-Executiva Aparecida Gonçalves

Leia mais

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1994) Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher (Convenção de Belém

Leia mais

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Guilherme Schelb, Promotor de Justiça da Infância em Brasília (1992-1995), especialista em temas da infância e

Leia mais

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV Caso do Campo de Algodão: Direitos Humanos, Desenvolvimento, Violência e Gênero ANEXO I: DISPOSITIVOS RELEVANTES DOS INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER Fevereiro/2009 2 Mulheres conhecem a Lei Maria da Penha, mas têm medo de denunciar os agressores O destaque da terceira

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DE ALAGOAS É VIOLAÇÃO DE DIREITOS HUMANOS! REltATÓRIQ DE ATIVIDADES DESENVQLV1DAS PELA EQUIPE DA

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DE ALAGOAS É VIOLAÇÃO DE DIREITOS HUMANOS! REltATÓRIQ DE ATIVIDADES DESENVQLV1DAS PELA EQUIPE DA 111 II '... HI\ 1'1111 U '!lu " ''''1''" 1i ".11" DErESA DOS VGl REC 000123 " VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER É VIOLAÇÃO DE DIREITOS HUMANOS! li' REltATÓRIQ DE ATIVIDADES DESENVQLV1DAS PELA

Leia mais

HOSPITAL GERAL DR. WALDEMAR ALCÂNTARA RUA PERGENTINO MAIA, 1559 BAIRRO: MESSEJANA FORTALEZA/CE CEP: 60.840 045 CNPJ: 05.268.526.

HOSPITAL GERAL DR. WALDEMAR ALCÂNTARA RUA PERGENTINO MAIA, 1559 BAIRRO: MESSEJANA FORTALEZA/CE CEP: 60.840 045 CNPJ: 05.268.526. NORMAS DE ATENDIMENTO AO PACIENTE SOB SUSPEITA DE NEGLIGÊNCIA, MAUS TRATOS OU VIOLÊNCIA DE QUALQUER NATUREZA. 1. AMBITO DE APLICAÇÃO: Todas as Unidades do HGWA. 2. OBJETIVO: Garantir a notificação compulsória

Leia mais

Palestrante: Silvana Ferreira Fernandes silvanaff@yahoo.com.br Psicopedagoga e Neuropedagoga

Palestrante: Silvana Ferreira Fernandes silvanaff@yahoo.com.br Psicopedagoga e Neuropedagoga Palestrante: Silvana Ferreira Fernandes silvanaff@yahoo.com.br Psicopedagoga e Neuropedagoga CONTRA MULHERES, CRIANÇAS E IDOSOS CONCEITO DE VIOLÊNCIA A violência é um fenômeno polissêmico e complexo que

Leia mais

Estudo sobre Serviços e Apoios Não Residenciais de Violência Doméstica Formulário de feedback sobre o programa

Estudo sobre Serviços e Apoios Não Residenciais de Violência Doméstica Formulário de feedback sobre o programa Código do programa: Código do estado: Estudo sobre Serviços e Apoios Não Residenciais de Violência Doméstica Formulário de feedback sobre o programa Instruções: Responda às perguntas abaixo relacionadas

Leia mais

Violação dos Direitos da Criança e do Adolescente

Violação dos Direitos da Criança e do Adolescente Vara da Infância e da Juventude do Distrito Federal Violação dos Direitos da Criança e do Adolescente Conceito Onde denunciar Procedimentos Renato Rodovalho Scussel Juiz de Direito Simone Costa Resende

Leia mais

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. Saí da prisão volto coleção Conversas #26 - setembro 2015 - e estou ou não desempregado, para o crime? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS, da

Leia mais

A Promotora de Justiça discutiu os avanços que a alteração legislativa representa para a causa da mulher e os seus reflexos no Ordenamento Penal.

A Promotora de Justiça discutiu os avanços que a alteração legislativa representa para a causa da mulher e os seus reflexos no Ordenamento Penal. VI Conferência Internacional de Direitos Humanos foi organizada pela OAB/PA e ocorreu no período de 27 a 29 de abril, no período da manhã no Hangar Centro de Convenções da Amazônia, em Belém.. Neste ano,

Leia mais

Violência Contra as Mulheres no Âmbito das Relações Domésticas e Familiares. Acesso à Justiça. Direitos Fundamentais

Violência Contra as Mulheres no Âmbito das Relações Domésticas e Familiares. Acesso à Justiça. Direitos Fundamentais Violência Contra as Mulheres no Âmbito das Relações Domésticas e Familiares. Acesso à Justiça. Direitos Fundamentais 87 Marco Antonio Novaes de Abreu 1 INTRODUÇÃO Este trabalho, longe de pretender esgotar

Leia mais

ERRATA DOE DE 15/07/2011 Na Resolução nº 004/2011, publicada no Diário Oficial de 30/06/2011. PROMOTORIA DE JUSTIÇA CÍVEL DE GUARAPARI ONDE SE LÊ:

ERRATA DOE DE 15/07/2011 Na Resolução nº 004/2011, publicada no Diário Oficial de 30/06/2011. PROMOTORIA DE JUSTIÇA CÍVEL DE GUARAPARI ONDE SE LÊ: ERRATA DOE DE 15/07/2011 Na Resolução nº 004/2011, publicada no Diário Oficial de 30/06/2011. PROMOTORIA DE JUSTIÇA CÍVEL DE GUARAPARI 3º Promotor de 1ª Vara de Família e Órfãos e Sucessões (agente e interveniente).

Leia mais

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007.

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. Aprova a Política Nacional de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos - PNPDDH, define prazo para a elaboração do Plano Nacional de Proteção aos Defensores

Leia mais

CARTA DENÚNCIA: VIOLAÇÃO DE DIREITOS - DESPEJO FAMÍLIAS JD. DA UNIÂO

CARTA DENÚNCIA: VIOLAÇÃO DE DIREITOS - DESPEJO FAMÍLIAS JD. DA UNIÂO CARTA DENÚNCIA: VIOLAÇÃO DE DIREITOS - DESPEJO FAMÍLIAS JD. DA UNIÂO Viemos a partir dessa, denunciar e solicitar ações em relação às violações de direitos sofridas no dia 16 de setembro pelas FAMÍLIAS

Leia mais

MATO GROSSO: MUITO ALÉM DO DEVER FUNCIONAL

MATO GROSSO: MUITO ALÉM DO DEVER FUNCIONAL MATO GROSSO: MUITO ALÉM DO DEVER FUNCIONAL Cuiabá-MT teve a primeira Promotoria de Justiça a aplicar a Lei Maria da Penha no Brasil, iniciando seus trabalhos no dia 22/09/2006, dia em que a Lei Maria da

Leia mais

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes 1. Introdução Fenômeno dos mais graves de nosso tempo, a exploração sexual-comercial de crianças e adolescentes não deve ser

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais