Projeto Físico de Indutores e Transformadores em Alta Freqüência

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto Físico de Indutores e Transformadores em Alta Freqüência"

Transcrição

1 Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica e Transformadores em Alta Freqüência Eletrônica de Potência II - Laboratório Instituto de Eletrônica de Potência

2 Introdução Projeto e aspectos construtivos de indutores e transformadores. Qual é o propósito de usar alta freqüência em conversores? - Redução dos filtros (capacitores e indutores); - Redução do ruído audível; - Dinâmica. 2

3 Introdução O sucesso na construção e no perfeito funcionamento de um conversor CC-CC está intimamente ligado com um projeto adequado dos elementos magnéticos. Problemas: Elementos parasitas (indutância de magnetizante e dispersão, capacitância entre enrolamentos, capacitâncias entre espiras, etc) Conseqüências: picos de tensão nos semicondutores, altas perdas e emissão de ruídos 3

4 Introdução 4

5 Forma de onda da corrente sobre o indutor: I pico I min 5

6 Escolha do úcleo Apropriado num Indutor Lei de Ampère: I H dl H l i Lei de indução de Faraday: Relação volt-ampère: Indução magnética: dφ() t Δφ vt () dt Δ t di() t Δi vt () L L dt Δ t B μ o H Fluxo magnético: φ B Ae 6

7 úcleos de Ferrite do Tipo E Ferrite Desvantagens: -Baixa densidade de fluxo de saturação (0,3T); -Baixa robustez a choques mecânicos; Por que não ferro-silício? Perdas por histerese e por correntes parasitas induzidas. C Ae Aw D B A úcleos Carretel 7

8 Escolha do úcleo Apropriado num Indutor dφ() t Δφ di() t Δi vt () vt () L L dt Δ t dt Δ t Δφ Δi L Δt Δt Δi L Δ φ ΔφΔB Ae Δi L Δ B Ae 8

9 Escolha do úcleo Apropriado num Indutor Considerando que, quando a corrente no indutor é máxima (Ipico) temse o máximo valor de B (B) I I pico min Δi L Δ B Ae I pico L B Ae A máxima densidade de corrente é definida: J I A eficaz p Ap área transversal do enrolamento de cobre 9

10 Escolha do úcleo Apropriado num Indutor K w fator de ocupação do cobre dentro do carretel Aw Ap kw Aw área ocupada pelos enrolamentos k w 0,7 Então: J I A eficaz p Ap kw Aw J I k w eficaz A w 10

11 Escolha do úcleo Apropriado num Indutor Isolando : J k A w w I eficaz Relacionando as duas equações de ( indução magnética e densidade de corrente): J k A w w I eficaz I pico L B Ae AA e w L Ipico Ieficaz 10 B J k w 4 11

12 úmero de Espiras I L pico B Ae Entreferro A indutância depende diretamente do número de espiras e da relutância total do circuito magnético L R 2 total Por melhor que seja o material utilizado no núcleo sempre existe uma oposição à passagem de fluxo (relutância) R nucleo l μ núcleo núcleo A e 12

13 Entreferro Os entreferros são utilizados em indutores por duas razões: Faz com que o valor de L seja praticamente insensível às variações na permeabilidade do núcleo, que é dependente da temperatura. L 2 lnúcleo Rnucleo Rtotal μnúcleo A e A adição de entreferro permite que o indutor opere com valores maiores de corrente no enrolamento sem que ocorra saturação do núcleo. 13

14 Entreferro O entreferro aumenta-se a relutância total do circuito magnético e evita variações da indutância com a permeabilidade relativa do núcleo. R entrefeero l μ entreferro o A e entreferro de ar metade do comprimento do entreferro caminho magnético 14

15 Entreferro Considerando a relutância do entreferro muito maior que a relutância do núcleo. R entreferro R nucleo R total R entreferro L R total 2 2 R entreferro R entrefeero l μ entreferro o A e l entreferro 2 μo Ae L 10 2 o núcleo E-E normalmente cada perna lateral possui a metade do valor calculado do entreferro. 15

16 Entreferro A adição de entreferro permite que o indutor opere com valores maiores de corrente no enrolamento sem que ocorra saturação do núcleo. BAe Bsat. Ae 1 Rnucleo 1 R +R nucleo entreferro n.isat1 n.isat2 ni α H Bsat. Ae 16

17 Cálculo da Bitola dos Condutores Alta freqüência é necessário considerar o efeito pelicular (skin efect). O valor da profundidade de penetração pode ser obtido através da expressão abaixo: Δ 7.5 f 17

18 Cálculo da Bitola dos Condutores O cálculo da bitola necessária para conduzir a corrente do enrolamento depende da máxima densidade de corrente admitida no condutor. fio eficaz Para respeitar as equações: S I J 7.5 Δ S f fio I J eficaz Utiliza-se condutores em paralelo: n condutores S S fio skin 2Δ. S skin área do condutor cujo o diâmetro máximo é limitado pelo valor 18

19 Cálculo da Elevação de Temperatura Perdas totais Perdas cobre + Perdas magnéticas Perdas cobre (efeito joule) R cobre ρ fio n l espira condotores P cobre R cobre I ef 2 Perdas magnéticas (histerese) ( ) P ΔB K f + K f V 2,4 2 nucleo h f núcleo Kh coeficiente de perdas por histerese; Kf coeficiente de perdas por correntes parasitas; Vnucleo volume do núcleo. Para núcleos da Thornton: Kh ; Kf

20 Cálculo da Elevação de Temperatura Resistência Térmica do úcleo: Rt nucleo ( A A ) 23 e w Elevação de Temperatura ΔT ( Pcobre + Pnúcleo ) Rt nucleo 20

21 Possibilidade de Execução Verificar se é possível colocar os enrolamentos na janela do núcleo escolhido (Aw). S fio considerando isolamento Aw min n S condutores fio _ escolhido A Possibilidade de execução é definida como: K w Exec Aw min Aw núcleo < 1 Caso não seja possível construir o enrolamento na janela disponível, deve-se ajustar os parâmetros B, J, e ncondutores ou ainda escolher outro núcleo. 21

22 Projeto Físico de Trasformadores Usa a mesma metodologia do projeto do indutor; Analisar a forma de onda da tensão aplicada sobre o transformador; Considerar o numero de enrolamentos; ão usa entreferro (com exceção do transformador do conversor Flyback); 22

23 Projeto Físico de Trasformadores Escolha do úcleo Apropriado num Transformador dφ() t Δφ Δφ vt () V dt Δ in p t Δ t ΔφΔB Ae V in ΔB Ae p Δt Δ t t c D t c fs T Δ t D T D V in ΔB Ae p D f s A e Vin D f B p s 23

24 Projeto Físico de Trasformadores Escolha do úcleo Apropriado num Transformador A máxima densidade de corrente é definida: Onde: J I A eficaz Ap Kw Kp Aw p Ap área da seção transversal ocupada pelo enrolamento primário kpfator de ocupação da área de janela por este enrolamento Kw fator de ocupação do cobre dentro do carretel A w J p Ip eficaz kk p w 24

25 Projeto Físico de Trasformadores Escolha do úcleo Apropriado num Transformador Como: Corrente de magnetização A e Vin D f B p s A w p J ( 1, 2 Ipeficaz ) k k p w A e V D ( 1, 2 Ipeficaz ) in p Aw p fs B J kp kw 25

26 úmero de Espiras Projeto Físico de Trasformadores A e Vin D f B p s p Vin D A f B e s s a p 26

27 Projeto Físico de Trasformadores Possibilidade de Execução S fio considerando isolamento Aw min i n S i condutores. i fio. i K w A Possibilidade de execução é definida como: Exec Aw min Aw núcleo < 1 27

INSTITUTO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA PROJETO FÍSICO DE INDUTORES E TRANSFORMADORES

INSTITUTO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA PROJETO FÍSICO DE INDUTORES E TRANSFORMADORES INSTITUTO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA Departamento de Engenharia Elétrica Centro Tecnológico UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROJETO FÍSICO DE INDUTORES E TRANSFORMADORES Prof. Ivo Barbi, Dr. Ing.

Leia mais

Projeto de Indutores para Alta Frequência

Projeto de Indutores para Alta Frequência Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Eletrônica de Potência Projeto de Indutores para Alta Frequência Prof. Clóvis Antônio Petry. Florianópolis,

Leia mais

Flyback MCD 72V -> 48V; 50W; 40kHz

Flyback MCD 72V -> 48V; 50W; 40kHz INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA ESPECIALIZAÇÃO EM DES. DE PRODUTOS ELETRÔNICOS Flyback MCD 7V -> 48V; 50; 40kHz Disciplina: Conversores Estáticos e Fonte Chaveadas

Leia mais

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II Módulo V CIRCUITOS ACOPLADOS MAGNETICAMENTE INTRODUÇÃO AOS TRANSFORMADORES UFBA Curso de Engenharia Elétrica Prof. Eugênio Correia Teixeira Campo Magnético Linhas de fluxo

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry.

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry. Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores Força Magnetizante, Histerese e Perdas Magnéticas Prof. Clóvis Antônio Petry. Florianópolis, setembro de

Leia mais

Retificadores (ENG ) Lista de Exercícios de Eletromagnetismo

Retificadores (ENG ) Lista de Exercícios de Eletromagnetismo Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Eletromagnetismo 01) Para o eletroimã da figura abaixo, determine: a) Calcule a densidade de fluxo no núcleo; b) Faça um esboço das linhas de campo e

Leia mais

Aulas de Eletromagnetismo

Aulas de Eletromagnetismo Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Gerência Educacional de Eletrônica Fundamentos de Eletricidade Aulas de Clóvis Antônio Petry, professor. Florianópolis, novembro de 2006. Bibliografia

Leia mais

Máquinas Elétricas. Odailson Cavalcante de Oliveira

Máquinas Elétricas. Odailson Cavalcante de Oliveira Máquinas Elétricas Odailson Cavalcante de Oliveira Campo Magnético Fluxo magnético Permeabilidade Magnética Relutância Experiência de Oersted Densidade do Campo Magnético Solenoide Vetor Força Magnetizante

Leia mais

Curvas de Magnetização e Histerese Perdas Magnéticas Materiais Magnéticos

Curvas de Magnetização e Histerese Perdas Magnéticas Materiais Magnéticos Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores Curvas de Magnetização e Histerese Perdas Magnéticas Materiais Magnéticos Clóvis Antônio Petry, professor.

Leia mais

Transdutores de Deslocamento

Transdutores de Deslocamento Transdutores de Deslocamento Potenciômetros são formados por um material condutor resistivo depositado em superfície isolante, com contatos fixos nas duas extremidades e um contato móvel (cursor) que se

Leia mais

LABORATÓRIO INTEGRADO III

LABORATÓRIO INTEGRADO III FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO INTEGRADO III Experiência 03: Ensaio de Vazio e Curto em Transformadores Trifásicos Prof. Norberto Augusto Júnior USJT

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA. Excitação CA

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA. Excitação CA Os circuitos magnéticos dos transformadores e das máquinas CA são excitados por fontes CA. Com excitação CA, a indutância influi no comportamento do regime permanente. Joaquim Eloir Rocha 1 Com excitação

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Centro das Ciências Exatas e Tecnologia Faculdades de Engenharia, Matemática, Física e Tecnologia

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Centro das Ciências Exatas e Tecnologia Faculdades de Engenharia, Matemática, Física e Tecnologia EXPERIÊNCIA - TORÓIDE FLUXÔMETRO A FLUXÔMETRO Instrumento por meio do qual pode ser executada a exploração de um campo magnético, podendo ser determinada a intensidade dos fluxos locais de indução magnética.

Leia mais

Fundamentos de Eletrônica

Fundamentos de Eletrônica 6872 - Fundamentos de Eletrônica Lei de Ohm Última Aula Elvio J. Leonardo Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Associação de Resistores Análise

Leia mais

Indutor ou bobina. É um componente formado por um fio esmaltado enrolado em torno de um núcleo.

Indutor ou bobina. É um componente formado por um fio esmaltado enrolado em torno de um núcleo. Indutor ou bobina. É um componente formado por um fio esmaltado enrolado em torno de um núcleo. A sua principal característica é introduzir indutância no circuito. Símbolos do indutor Indutância é a propriedade

Leia mais

Indução Magnética. E=N d Φ dt

Indução Magnética. E=N d Φ dt Indução Magnética Se uma bobina de N espiras é colocada em uma região onde o fluxo magnético está variando, existirá uma tensão elétrica induzida na bobina, e que pode ser calculada com o auxílio da Lei

Leia mais

Avaliação 5 Fonte Chaveada Flyback

Avaliação 5 Fonte Chaveada Flyback IFSC - INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento Acadêmico de Eletrônica Pós-Graduação em Desenvolvimento de Produtos Eletrônicos Conversores Estáticos e Fontes Chaveadas Avaliação 5 Fonte Chaveada

Leia mais

Conversão de Energia II

Conversão de Energia II Departamento de Engenharia Elétrica Aula 6.1 Máquinas Síncronas Prof. João Américo Vilela Bibliografia FITZGERALD, A. E., KINGSLEY Jr. C. E UMANS, S. D. Máquinas Elétricas: com Introdução à Eletrônica

Leia mais

Electromagnetismo Aula Teórica nº 22

Electromagnetismo Aula Teórica nº 22 Electromagnetismo Aula Teórica nº 22 Departamento de Engenharia Física Faculdade de Engenharia Universidade do Porto PJVG, LMM 1 Breve revisão da última aula O motor de corrente contínua Inductâncias A

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CTT ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CTT ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CTT ENGENHARIA ELÉTRICA PROPOSTA E IMPLEMENTAÇÃO DE UM INDUTOR ACOPLADO PARA O CONVERSOR FLYBACK ANDRÉ CEVINSKI ALISSON MENGATTO

Leia mais

2 Topologias básicas de conversores CC-CC com isolação

2 Topologias básicas de conversores CC-CC com isolação Fontes Chaveadas Cap 2 opologias básicas de conversores CC-CC com isolação J A Pomilio 2 opologias básicas de conversores CC-CC com isolação m muitas aplicações é necessário que a saída esteja eletricamente

Leia mais

Capítulo 1: Componentes discretos e modelos equivalentes para RF

Capítulo 1: Componentes discretos e modelos equivalentes para RF Componentes discretos e modelos equivalentes para RF Radiofrequências Cir. Eletrônica Aplica. espectro eletromagnético de9 khz a 300 GHz utilizada na radiocomunicação 2 3 Efeito pelicular Cir. Eletrônica

Leia mais

5 Transdutor Indutivo

5 Transdutor Indutivo 5 Transdutor Indutivo De modo análogo aos transdutores resistivos e capacitivos, os transdutores indutivos são transdutores ativos que requerem uma fonte de excitação externa para proporcionar uma tensão

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 3: Bobinagem de máquina CA Objetivos: Apresentar um método prático e simples de cálculo da bitola do fio e quantidade de espiras/bobinas de motores de indução, especialmente motores de indução

Leia mais

Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta

Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta 1 Sumário Capacitor Indutor 2 Capacitor Componente passivo de circuito. Consiste de duas superfícies condutoras separadas por um material não condutor

Leia mais

LABORATÓRIO INTEGRADO II

LABORATÓRIO INTEGRADO II FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO INTEGRADO II Experiência 05: MOTOR TRIFÁSICO DE INDUÇÃO ENSAIOS: VAZIO E ROTOR BLOQUEADO Prof. Norberto Augusto Júnior

Leia mais

Capítulo 1 Teoria sobre Transformadores

Capítulo 1 Teoria sobre Transformadores Capítulo 1 Teoria sobre Transformadores Transformadores ou trafos são dispositivos elétricos que têm a finalidade de isolar um circuito, elevar ou diminuir uma tensão. Servem também para casar impedância

Leia mais

PHELIPPE FARIAS NUNES DE FREITAS. INDUTOR 153µH

PHELIPPE FARIAS NUNES DE FREITAS. INDUTOR 153µH DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE SISTEMAS ELETRÔNICOS PHELIPPE FARIAS NUNES DE FREITAS INDUTOR 153µH FLORIANÓPOLIS, MAIO DE 2008. CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICO

Leia mais

TRANSFORMADOR MONOFÁSICO. Prof. Nelson M. Kanashiro 1. N0ÇÕES DE ELETROMAGNETISMO I I. Densidade de Fluxo Magnético ou simplesmente Campo Magnético,

TRANSFORMADOR MONOFÁSICO. Prof. Nelson M. Kanashiro 1. N0ÇÕES DE ELETROMAGNETISMO I I. Densidade de Fluxo Magnético ou simplesmente Campo Magnético, TRASFORMADOR MOOFÁSCO 1 0ÇÕES DE ELETROMAGETSMO Os materiais magnéticos, denominados como Magnetitas ou Ímãs Permanentes já eram conhecidos pelos gregos a mais de 2500 anos Certas pedras da região da Magnésia

Leia mais

Materiais Elétricos - Teoria. Aula 04 Materiais Magnéticos

Materiais Elétricos - Teoria. Aula 04 Materiais Magnéticos Materiais Elétricos - Teoria Aula 04 Materiais Magnéticos Bibliografia Nesta aula Cronograma: 1. Propriedades gerais dos materiais; 2. ; 3. Materiais condutores; 4. Materiais semicondutores; 5. Materiais

Leia mais

AULAS UNIDADE 1 MÁQUINAS ELÉTRICAS ROTATIVAS (MAE) Prof. Ademir Nied

AULAS UNIDADE 1 MÁQUINAS ELÉTRICAS ROTATIVAS (MAE) Prof. Ademir Nied Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Graduação em Engenharia Elétrica AULAS 03-04 UNIDADE 1 MÁQUINAS ELÉTRICAS ROTATIVAS (MAE) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

Leia mais

Análise de Circuitos Acoplados Com a finalidade de mostrar os sentidos dos enrolamentos e seus efeitos sobre as tensões de inductância mútua: L M

Análise de Circuitos Acoplados Com a finalidade de mostrar os sentidos dos enrolamentos e seus efeitos sobre as tensões de inductância mútua: L M Análise de Circuitos Acoplados Com a finalidade de mostrar os sentidos dos enrolamentos e seus efeitos sobre as tensões de inductância mútua: a) L M = L ( + ) e e L M d = L + L d = L + L = L = L M M d

Leia mais

Eletromagnetismo: Bobinas, Eletroímanes e Motores Elétricos.

Eletromagnetismo: Bobinas, Eletroímanes e Motores Elétricos. Eletromagnetismo: Bobinas, Eletroímanes e Motores Elétricos www.fator-f.com info@fator-f.com Campo Magnético criado por uma corrente elétrica Campo Magnético criado por um fio, percorrido por uma corrente

Leia mais

INTRODUÇÃO A ELETRICIADE BÁSICA

INTRODUÇÃO A ELETRICIADE BÁSICA 1 INTRODUÇÃO A ELETRICIADE BÁSICA Na eletricidade básica existem três grandezas fundamentais que são a tensão elétrica, a corrente elétrica, a resistência elétrica. Para estuda-las utilizaremos o conceito

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino DISCIPLINA: Tópicos Especiais em Modelagem e Controle de Sistemas: Fontes Chaveadas CÓDIGO: MEE 017 Validade: Carga Horária: 45 horas-aula Créditos: 03 Área de Concentração / Módulo: Modelagem e Sistemas

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ENERGIA E AUTOMAÇÃO ELÉTRICAS PEA-2211: INTRODUÇÃO À ELETROMECÂNICA E À AUTOMAÇÃO

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ENERGIA E AUTOMAÇÃO ELÉTRICAS PEA-2211: INTRODUÇÃO À ELETROMECÂNICA E À AUTOMAÇÃO PEA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ENERGIA E AUTOMAÇÃO ELÉTRICAS PEA-11: INTRODUÇÃO À ELETROMECÂNICA E À AUTOMAÇÃO Produção de Forças 1 Introdução à Eletromecânica e à Automação PEA11 Produção de Forças

Leia mais

Conversores Estáticos

Conversores Estáticos Conversores Estáticos Circuitos Retificadores Monofásicos 08/03/2009 www.corradi.junior.nom.br Sinal Senoidal Os circuitos eletrônicos podem trabalhar com tensões e correntes continuas e alternadas. Um

Leia mais

6661 CIRCUITOS MAGNÉTICOS ENSAIOS. Rubens Zenko Sakiyama Departamento de Engenharia Química Universidade Estadual de Maringá

6661 CIRCUITOS MAGNÉTICOS ENSAIOS. Rubens Zenko Sakiyama Departamento de Engenharia Química Universidade Estadual de Maringá 6661 CIRCUITOS MAGNÉTICOS ENSAIOS Rubens enko Sakiyama rubens@deq.uem.br Departamento de Engenharia Química Universidade Estadual de Maringá INTRODUÇÃO Dois ensaios são utilizados para determinar os parâmetros

Leia mais

Ensaios em Transformadores

Ensaios em Transformadores O ensaio de curto-circuito é usado para obter a impedância equivalente em série R eq + j X eq. O curto-circuito é aplicado ao secundário do transformador e a tensão reduzida, ao primário. Joaquim Eloir

Leia mais

INDUÇÃO MAGNÉTICA (2)

INDUÇÃO MAGNÉTICA (2) INDUÇÃO MAGNÉTICA Material Utilizado: - uma bobina de campo (l = 750 mm, n = 485 espiras / mm) (PHYWE 11006.00) - um conjunto de bobinas de indução com número de espiras N e diâmetro D diversos (N = 300

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13. CAPÍTULO 2 Padronizações e Convenções em Eletricidade 27. CAPÍTULO 3 Lei de Ohm e Potência 51

Sumário. CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13. CAPÍTULO 2 Padronizações e Convenções em Eletricidade 27. CAPÍTULO 3 Lei de Ohm e Potência 51 Sumário CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13 Estrutura do átomo 13 Carga elétrica 15 Unidade coulomb 16 Campo eletrostático 16 Diferença de potencial 17 Corrente 17 Fluxo de corrente 18 Fontes de eletricidade

Leia mais

Acionamentos Elétricos

Acionamentos Elétricos Engenharia Elétrica - 9o período Hélio Marques Sobrinho hmarx@linuxtech.com.br http://linuxtech.com.br/downloads 1 / 58 Horários das aulas Segunda e Quarta 19:00 às 20:40 2 / 58 Bibliografia Referências

Leia mais

Máquinas Elétricas I PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Máquinas Elétricas I PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Máquinas Elétricas I PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO 1. PARTES PRINCIPAIS As Máquinas elétricas tem duas partes principais (Figuras 1): Estator Parte estática da máquina. Rotor Parte livre para girar Figura

Leia mais

APLICATIVO PARA CÁLCULO FÍSICO DE INDUTORES COM NÚCLEO DO TIPO E UTILIZANDO LINGUAGEM DE ALTO NÍVEL

APLICATIVO PARA CÁLCULO FÍSICO DE INDUTORES COM NÚCLEO DO TIPO E UTILIZANDO LINGUAGEM DE ALTO NÍVEL APLICATIVO PARA CÁLCULO FÍSICO DE INDUTORES COM NÚCLEO DO TIPO E UTILIZANDO LINGUAGEM DE ALTO NÍVEL Cleiton Gili cgilinet@gmail.com Luiz Carlos Gili luizcarlosgili@gmail.com Laio Oriel Seman laioseman@gmail.com

Leia mais

Magnetismo e Eletromagnetismo. Adrielle de Carvalho Santana

Magnetismo e Eletromagnetismo. Adrielle de Carvalho Santana Magnetismo e Eletromagnetismo Adrielle de Carvalho Santana Denomina-se imã, um corpo que possui a propriedade de atrair materiais ferromagnéticos. Magnetismo: Propriedade em virtude da qual esta atração

Leia mais

METAHEURO TECNOLOGIA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA

METAHEURO TECNOLOGIA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA METAHEURO TECNOLOGIA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA Projetos de retificadores não controlados Caso trifásico de meia onda com carga muito indutiva PROJETO RETIFICADOR TRIFÁSICO DE MEIA ONDA José Roberto Marques

Leia mais

Experiência I Lab. de Conv. Eletrom. de Energia B Prof. N.SADOWSKI GRUCAD/EEL/CTC/UFSC 2005/2

Experiência I Lab. de Conv. Eletrom. de Energia B Prof. N.SADOWSKI GRUCAD/EEL/CTC/UFSC 2005/2 Experiência I Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Trifásico Ensaio com o Rotor Travado e Ensaio a Vazio O Laboratório de Máquinas Elétricas do Departamento

Leia mais

A força magnética tem origem no movimento das cargas eléctricas.

A força magnética tem origem no movimento das cargas eléctricas. Grandezas Magnéticas Força e Campo Magnético A força magnética tem origem no movimento das cargas eléctricas. Considere os dois fios condutores paralelos e imersos no espaço vazio representados na Figura

Leia mais

SISTEMAS ELÉCTRICOS DE ENERGIA I Funcionamento das linhas aéreas. Porquê? Agora que eu sabia...

SISTEMAS ELÉCTRICOS DE ENERGIA I Funcionamento das linhas aéreas. Porquê? Agora que eu sabia... E ENERGIA I Parâmetros das linhas Resistência linear R = ρ S ' Isto já eu aprendi! Parece-me é que falta ol mas S S ρ ρ S secção efectiva ou equivalente S - secção real do condutor Porquê? Agora que eu

Leia mais

Parte 3 Fontes Chaveadas Circuitos auxiliares (snubber, partida, fonte, etc)

Parte 3 Fontes Chaveadas Circuitos auxiliares (snubber, partida, fonte, etc) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Projeto de Fontes Chaveadas Parte 3 Fontes Chaveadas Circuitos auxiliares (snubber, partida, fonte,

Leia mais

Prof. Rogério Eletrônica Geral 1

Prof. Rogério Eletrônica Geral 1 Prof. Rogério Eletrônica Geral 1 Apostila 3 Continuação de Diodos III - CIRCUITOS COM DIODOS 1 - Sinal senoídal Um dos sinais elétricos alternados mais comuns é o senoídal. O sinal senoídal pode ser representado

Leia mais

Princípios de Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti

Princípios de Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Princípios de Circuitos Elétricos Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Resistência, Indutância e Capacitância Resistor: permite variações bruscas de corrente e tensão Dissipa energia Capacitor:

Leia mais

Tutorial: Componentes passivos.

Tutorial: Componentes passivos. Tutorial: Componentes passivos. Autor: Samuel Cerqueira Pinto T-16 Data: 24/02/2013 Componentes Passivos Componentes passivos são os componentes eletrônicos que não possuem a capacidade de amplificar um

Leia mais

Duração do exame: 2:30h Leia o enunciado com atenção. Justifique todas as respostas. Identifique e numere todas as folhas da prova.

Duração do exame: 2:30h Leia o enunciado com atenção. Justifique todas as respostas. Identifique e numere todas as folhas da prova. Duração do exame: :3h Leia o enunciado com atenção. Justifique todas as respostas. Identifique e numere todas as folhas da prova. Problema Licenciatura em Engenharia e Arquitetura Naval Mestrado Integrado

Leia mais

Campos Magnéticos, Densidade de Fluxo, Permeabilidade e Relutância

Campos Magnéticos, Densidade de Fluxo, Permeabilidade e Relutância Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Retificadores Campos Magnéticos, Densidade de Fluxo, Permeabilidade e Relutância Prof. Clóvis

Leia mais

1. Conceito de capacidade 2. Tipos de condensadores. 3. Associação de condensadores. 4. Energia de um condensador. 5. Condensador plano paralelo com

1. Conceito de capacidade 2. Tipos de condensadores. 3. Associação de condensadores. 4. Energia de um condensador. 5. Condensador plano paralelo com 1. Conceito de capacidade 2. Tipos de condensadores. 3. Associação de condensadores. 4. Energia de um condensador. 5. Condensador plano paralelo com dieléctrico. Utilidade: Armazenamento de carga e energia

Leia mais

Circuitos Periféricos Sistema Amplificador de Áudio

Circuitos Periféricos Sistema Amplificador de Áudio Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Curso Superior de Tecnologia em Sistemas Eletrônicos Circuitos Periféricos Sistema Amplificador

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. É característica que determina a um transformador operação com regulação máxima:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. É característica que determina a um transformador operação com regulação máxima: 13 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 35 É característica que determina a um transformador operação com regulação máxima: a) A soma do ângulo de fator de potência interno do transformador com o

Leia mais

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO CORRIGIDO CONFORME A ERRATA

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO CORRIGIDO CONFORME A ERRATA Dados: ANATEL - DEZ/2008 RADIOELETRICIDADE TESTE DE AVALIAÇÃO 1 RADIOELETRICIDADE O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO CORRIGIDO CONFORME A ERRATA Fonte:

Leia mais

Aquino, Josué Alexandre.

Aquino, Josué Alexandre. Aquino, Josué Alexandre. A657e Eletrotécnica para engenharia de produção : análise de circuitos : corrente e tensão alternada / Josué Alexandre Aquino. Varginha, 2015. 53 slides; il. Sistema requerido:

Leia mais

INDUÇÃO MAGNÉTICA. Indução Magnética

INDUÇÃO MAGNÉTICA. Indução Magnética INDUÇÃO MAGNÉTIA Prof. ergio Turano de ouza Lei de Faraday Força eletromotriz Lei de Lenz Origem da força magnética e a conservação de energia.. 1 Uma corrente produz campo magnético Um campo magnético

Leia mais

Indutância Elétrica. Professor João Luiz Cesarino Ferreira

Indutância Elétrica. Professor João Luiz Cesarino Ferreira Indutância Elétrica Um indutor é essencialmente um condutor enrolado em forma helicoidal. Pode ser enrolado de forma auto-sustentada ou sobre um determinado núcleo. Para lembrar sua constituição, o símbolo

Leia mais

A penetração de campos em meios condutores

A penetração de campos em meios condutores A penetração de campos em meios condutores I. INTRODUÇÃO Os fenômenos eletromagnéticos que variam no tempo são abordados na magnetodinâmica. A equação de maior interesse e que caracteriza o domínio da

Leia mais

Circuitos Ativos em Micro-Ondas

Circuitos Ativos em Micro-Ondas Circuitos Ativos em Micro-Ondas Unidade 1 Comportamento de Dispositivos Passivos e Semicondutores em Micro-Ondas Prof. Marcos V. T. Heckler 1 Conteúdo Introdução Resistores operando em Micro-Ondas Capacitores

Leia mais

Motores de Alto Rendimento. - Utilizam chapas magnéticas de aço silício que reduzem as correntes de magnetização;

Motores de Alto Rendimento. - Utilizam chapas magnéticas de aço silício que reduzem as correntes de magnetização; 1 Motores de Alto Rendimento - Utilizam chapas magnéticas de aço silício que reduzem as correntes de magnetização; - Mais cobre nos enrolamentos, diminuindo as perdas por efeito Joule; - Alto fator de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANA CAARINA DEPARAMENO DE ENGENHARIA ELÉRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório AULA 07 POÊNCIA MONOFÁSICA E FAOR DE POÊNCIA 1 INRODUÇÃO A análise de circuitos em corrente

Leia mais

Fluxo magnético através de um circuito

Fluxo magnético através de um circuito Fluxo magnético através de um circuito É sempre possível escrever o fluxo magnético através de um circuito γ percorrido por uma corrente I γ, devido ao campo gerado por essa e outras correntes I β em outros

Leia mais

Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição)

Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição) Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia Elétrica Disciplina: Conversão da Energia Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição) 5.3) Cálculos

Leia mais

Outros tópicos transformadores. Placa de identificação trafo de potência Trafos de instrumentos

Outros tópicos transformadores. Placa de identificação trafo de potência Trafos de instrumentos Outros tópicos transformadores Placa de identificação trafo de potência Trafos de instrumentos Placa de identificação Transformadores para Instrumentos São dispositivos utilizados de modo a tornar compatível

Leia mais

Em um circuito DC, seja ele resistivo ou não, a corrente varia somente no instante em que o circuito é aberto ou fechado.

Em um circuito DC, seja ele resistivo ou não, a corrente varia somente no instante em que o circuito é aberto ou fechado. Em um circuito DC, seja ele resistivo ou não, a corrente varia somente no instante em que o circuito é aberto ou fechado. Quando o circuito é puramente resistivo essas variações são instantâneas, porém

Leia mais

TRANSFORMADOR CONCEITOS TEORICOS ESSENCIAIS

TRANSFORMADOR CONCEITOS TEORICOS ESSENCIAIS EXPERIÊNCIA TRANSFORMADOR OBJETIVOS: - Verificar experimentalmente, o funcionamento de um transformador; - Conhecer as vantagens e desvantagens dos transformadores. CONCEITOS TEORICOS ESSENCIAIS O transformador

Leia mais

Se uma carga puramente resistiva for alimentada por uma fonte de tensão AC ou DC, certamente pela mesma circularão correntes idênticas.

Se uma carga puramente resistiva for alimentada por uma fonte de tensão AC ou DC, certamente pela mesma circularão correntes idênticas. Num circuito DC a resistência é o único elemento que se opõe ao fluxo da corrente. Assim num circuito DC que possui uma resistência muito baixa, a tendência da corrente é aumentar muito, podendo assumir

Leia mais

CIRCUITOS MAGNÉTICOS LINEARES E NÃO LINEARES

CIRCUITOS MAGNÉTICOS LINEARES E NÃO LINEARES 7 9 CIRCUITOS MAGÉTICOS LIEARES E ÃO LIEARES Circuitos magnéticos são usados para concentrar o efeito magnético de uma corrente em uma região particuar do espaço. Em paavras mais simpes, o circuito direciona

Leia mais

Prof. Henrique Barbosa Edifício Basílio Jafet - Sala 100 Tel

Prof. Henrique Barbosa Edifício Basílio Jafet - Sala 100 Tel Prof. Henrique Barbosa Edifício Basílio Jafet - ala 100 Tel. 3091-6647 hbarbosa@if.usp.br http://www.fap.if.usp.br/~hbarbosa Tarefas da semana (1) Calibração da bobina sonda em carretel: Usando a bobina

Leia mais

Lista de Exercícios 1 (L1)

Lista de Exercícios 1 (L1) 1 ELETRÔNICA DE POTÊNICA II Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Lista de Exercícios 1 (L1) 1) Determine o valor da indutância e capacitância do conversor Boost operando no modo de condução contínuo a

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ELETRICIDADE BÁSICA Exercícios Eletricidade Básica

EXERCÍCIOS DE ELETRICIDADE BÁSICA Exercícios Eletricidade Básica EXERCÍCIOS DE ELETRICIDADE BÁSICA Exercícios Eletricidade Básica Q1) Qual o valor de energia convertida por um ferro de passar roupas, de 600W, ligado por 2min? ( 2min=120s E=P*t=600*120= 72000J ) Q2)

Leia mais

Integridade de Sinais Elétricos

Integridade de Sinais Elétricos UFPR-DELT Programa de Pós Graduação em Engenharia Elétrica Integridade de Sinais Elétricos Prof. Dr. Marlio Bonfim 1º semestre 2014 1 UFPR-DELT Programa de Pós Graduação em Engenharia Elétrica Composição

Leia mais

Revisão de Eletromagnetismo

Revisão de Eletromagnetismo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Deartamento Acadêmico de Eletrônica Pós-Graduação em Desen. de Produtos Eletrônicos Conversores Estáticos e Fontes Chaveadas Revisão

Leia mais

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar.

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar. ATEÇÃO: O material a seguir é parte de uma das aulas da apostila de MÓDULO 2 que por sua vez, faz parte do CURO de ELETRO AALÓGICA -DIGITAL que vai do MÓDULO 1 ao 4. A partir da amostra da aula, terá uma

Leia mais

Prof. Fábio de Oliveira Borges

Prof. Fábio de Oliveira Borges Corrente Elétrica Prof. Fábio de Oliveira Borges Curso de Física II Instituto de Física, Universidade Federal Fluminense Niterói, Rio de Janeiro, Brasil http://cursos.if.uff.br/fisica2-0116/ Corrente elétrica

Leia mais

Sensores Indutivos, Capacitivos e Piezoelétricos. Acelerômetros.

Sensores Indutivos, Capacitivos e Piezoelétricos. Acelerômetros. Sensores Indutivos, Capacitivos e Piezoelétricos. Acelerômetros. Outubro de 21 1 Sensores Indutivos 2 Sensores Capacitivos 3 Sensores Piezoelétricos 4 Acelerômetros Sensores Indutivos I Princípio Físico

Leia mais

PSI 3263 Práticas de Eletricidade e Eletrônica I 2016

PSI 3263 Práticas de Eletricidade e Eletrônica I 2016 PSI 3263 Práticas de Eletricidade e Eletrônica I 2016 Relatório da Experiência 6 Condutores e Dispositivos de Proteção Nomes: N o USP: 1. Procedimento experimental 1.1 - Levantamento de curva de aquecimento

Leia mais

Prof. Amauri Assef. UTFPR Campus Curitiba 1

Prof. Amauri Assef. UTFPR Campus Curitiba 1 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA Disciplina de Eletrônica de Potência ET66B Aula 3 amauriassef@utfpr.edu.br 1 Principais

Leia mais

Eletrodinâmica REVISÃO ENEM CORRENTE ELÉTRICA

Eletrodinâmica REVISÃO ENEM CORRENTE ELÉTRICA REVISÃO ENEM Eletrodinâmica CORRENTE ELÉTRICA Corrente elétrica em um condutor é o movimento ordenado de suas cargas livres devido a ação de um campo elétrico estabelecido no seu interior pela aplicação

Leia mais

PCE Projeto de Conversores Estáticos. Aula 2

PCE Projeto de Conversores Estáticos. Aula 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PCE Projeto de Conversores Estáticos Aula 2 Tópicos Introdução Necessidade de conversores isolados

Leia mais

Projeto Final - Projeto de Fontes Chaveadas

Projeto Final - Projeto de Fontes Chaveadas Projeto Final - Projeto de Fontes Chaveadas Dados de entrada: Vac := 175 V Vac := 0.514 Fr := 60 Hz ηret := 0.9 ηcon := 0.7 Vo1 := 5 V Vo2 := 4 V Vcret := 0.1 Io1 := 1 A Io2 := 0.2 A Vco := 0.01 Vd :=

Leia mais

Electromagnetismo Aula Teórica nº 21

Electromagnetismo Aula Teórica nº 21 Electromagnetismo Aula Teórica nº 21 Departamento de Engenharia Física Faculdade de Engenharia Universidade do Porto PJVG, LMM 1 Breve revisão da última aula Rotacional Rotacional Teorema de Stokes Forma

Leia mais

Exercícios Exercício 1) Como são chamados os pequenos volumes magnéticos formados em materiais ferromagnéticos?

Exercícios Exercício 1) Como são chamados os pequenos volumes magnéticos formados em materiais ferromagnéticos? Exercícios Exercício 1) Como são chamados os pequenos volumes magnéticos formados em materiais ferromagnéticos? Exercício 2) Em um átomo, quais são as três fontes de campo magnético existentes? Exercício

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Tecnologista Junior Padrão I TEMA: CADERNO DE PROVAS

Leia mais

E DE E NERGIA ENERGIA LTE

E DE E NERGIA ENERGIA LTE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE Efeitos Ambientais na Transmissão de Energia Elétrica Aula 3: Efeitos Ambientais na Transmissão Prof. Fabiano F. Andrade 2010 Roteiro da Aula 5.1 Efeito Pelicular da

Leia mais

Conceitos Fundamentais

Conceitos Fundamentais Conceitos Fundamentais 1.1 Introdução O objetivo desta seção introdutória é estudar alguns conceitos para dar suporte ao prosseguimento dos estudos desta disciplina. Primeiramente alguns conceitos fundamentais

Leia mais

Circuitos Elétricos. Dispositivos Básicos e os Fasores. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti

Circuitos Elétricos. Dispositivos Básicos e os Fasores. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Circuitos Elétricos Dispositivos Básicos e os Fasores Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Fasores Método válido porém longo é somar algebricamente as ordenadas em cada ponto ao longo da abscissa.

Leia mais

Transformador Monofásico [de Isolamento]

Transformador Monofásico [de Isolamento] Transormador Monoásico [de Isolamento] Transormação de Tensão Transormação de tensão para várias tensões de entrada:, 3, 3 = ( 1 ) Inormação 1.1. Generalidades Além da conversão de energia natural - carvão,

Leia mais

CF360 - Resumo Experimentos Prova 2

CF360 - Resumo Experimentos Prova 2 CF360 - Resumo Experimentos Prova 2 Fabio Iareke 19 de dezembro de 2011 1 Força Magnética sobre Condutores de Corrente 1.1 Roteiro de Estudos 1. Qual é a expressão para o campo magnético

Leia mais

Aula 1 - Circuitos Magnéticos

Aula 1 - Circuitos Magnéticos Aula 1 - Circuitos Magnéticos Tópicos 1. Introdução 2. Circuito Magnético 3. Indutância 4. Alimentação em Corrente Contínua 5. Alimentação em Corrente Alternada 6. Fluxo de Dispersão e Fluxo Mútuo 7. Indutância

Leia mais

Capitulo 28: A Lei de Faraday

Capitulo 28: A Lei de Faraday Capitulo 8: A Lei de Faraday 1.A Lei de Faraday Michael Faraday e Joseph Henry(1830) verificaram que campos magnéticos variáveis induzem corrente elétrica. Fem induzida na bobina Fem induzida não é localizada

Leia mais

aracterísticas Comuns

aracterísticas Comuns Aspectos con nstrutivos e características DOS TRANSFORMADORES UTILIZADOS EM SUBESTAÇÕES DE ENERGIA aracterísticas Comuns Isolar eletricamente dois circuitos; Ajustar a tensão de saída de um estágio do

Leia mais

Prof. Fábio de Oliveira Borges

Prof. Fábio de Oliveira Borges Exercícios Prof. Fábio de Oliveira Borges Curso de Física II Instituto de Física, Universidade Federal Fluminense Niterói, Rio de Janeiro, Brasil http://cursos.if.uff.br/fisica2-2015/ Exercício 01 01)

Leia mais

1. Na Figura, o fluxo de campo magnético na espira aumenta de acordo com a equação

1. Na Figura, o fluxo de campo magnético na espira aumenta de acordo com a equação Lista de exercícios 9 - Indução e Indutância 1. Na Figura, o fluxo de campo magnético na espira aumenta de acordo com a equação φ B = 6,0t2 + 7,0t, onde φb está em miliwebers e t em segundos. (a) Qual

Leia mais

Universidade Paulista Unip

Universidade Paulista Unip As máquinas de corrente contínua podem ser utilizadas tanto como motor quanto como gerador. 1 Uma vez que as fontes retificadoras de potência podem gerar tensão contínua de maneira controlada a partir

Leia mais