PROTOCOLO DA ENTREVISTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROTOCOLO DA ENTREVISTA"

Transcrição

1 [Legitimação da entrevista] Ent. Em relação ao primeiro bloco, o objetivo específico é conhecer as razões e motivações que levam a educadora a utilizar a metodologia do trabalho de projeto. A primeira questão é: como define a metodologia de trabalho de projeto? Ed. Como é que eu defino É o aprender fazendo. É pegar no que as crianças já sabem é dar-lhes autonomia para eles irem desenvolvendo os interesses deles, as motivações deles, as necessidades deles. Acho que é por aí, mas tem muito a ver com, o aprender fazendo. Ent. Quais foram as razões que a levaram a optar por esta metodologia? Ed. - Começou logo os nossos estágios acabam logo por nos influenciar, comecei logo por aí. Eu desenvolvi um estágio no terceiro ano, onde a educadora nos permitiu experimentar. A partir daí tenho tentado conhecer outras metodologias, tenho algumas coisas na sala que vou buscar ao MEM, por exemplo os mapas, a organização do espaço, essas coisas, mas para mim a metodologia é essa [metodologia de trabalho por projetos]! É a que eu quero! É com essa que eu me sinto bem. Ent. De que forma considera que a metodologia de trabalho de projeto contribui para o desenvolvimento das crianças? Ed. Olha não quero dizer que as outras não sejam boas metodologias, mas a forma como desenvolvemos esta [metodologia de trabalho por projetos], dá-lhes uma motivação especial, uma autonomia, um querer fazer, é porque as coisas partem deles. Há um interesse muito maior começam a ser autónomos, a decidir o que querem fazer, como querem fazer e acho que isso os prepara para o futuro, para nos outros ciclos, eles terem muito mais à vontade, terem um gosto pela pesquisa, pela experiência, por ir fazendo e desenvolvendo. Penso que esta [metodologia de trabalho por projetos] promove uma autonomia e uma capacidade de querer fazer e de pesquisar muito maior que qualquer outra. Ent. Considera que a metodologia de trabalho de projeto contribui para uma maior pré disposição para aprender? 8

2 Ed. Acho que sim, muito, porque são eles que decidem, porque são eles que querem fazer, porque são eles que conduzem, de certa maneira, o projeto. Nós até podemos dar a primeira ideia, mas a partir daí perdemos um bocadinho o controle. Ao fazermos, numa primeira instância, a rede de ideias, as ideias vão surgindo! Provavelmente em grupos com três anos será o educador que mais conduz, mas à medida que eles vão crescendo são eles que conduzem o projeto, são eles que dão as ideias, nós transformamos essas ideias, pondo-as em prática. Já não me lembro qual era a pergunta Ent. Considera a metodologia trabalho de projeto como pré disposição para aprender e de que modo. Ed. Sem dúvida eu acho que através da experiência, do fazer, do manipular os objetos, tudo isso, os predispõe mais para a aprendizagem. Ent. Perante esta metodologia, de que forma organiza, gere o grupo e o espaço da sala de atividades? Ed. O espaço da sala com esta metodologia tem obrigatoriamente que estar em mudança, nós no início do ano organizamo-lo, mas ele acaba por ser alterado à medida que o projeto evolui, à medida que vamos construindo as coisas há uma necessidade de alterar o espaço e o espaço vai sendo alterado de acordo com o projeto. Ent. De que modo é gerido o tempo? Ed. O tempo nós somos muito condicionadas pelas rotinas, mas pronto. No entanto as rotinas para eles são ótimas, porque eles sabem o que têm de fazer a cada altura do dia. O tempo é flexível, se tivermos que prolongar prolongamos, portanto, o tempo é muito flexível, através das rotinas nós tentamos que seja o mais flexível possível, para que tenhamos o maior tempo possível para acabar o projeto. Ent. Como é gerido o grupo? Ed. O grupo O projeto é desenvolvido em grande grupo. Todo o grupo participa no projeto e há uma divisão de tarefas: há atividades que são desenvolvidas em grande grupo, há atividades desenvolvidas em pequeno grupo e depois há por vezes a necessidade de desenvolver atividades individualmente, mas é sempre uma divisão 9

3 muito grande de tarefas. As atividades feitas em pequenos grupos funcionam muito bem. Ent. Como é feita a gestão dos materiais? Ed. Nos materiais é igual. Os materiais são eles que acabam por autonomamente os manusear em função das atividades desenvolvidas, havendo no entanto uma preparação prévia dos materiais da nossa parte. Depois, naturalmente eles gerem da forma como escolhem. É-lhes dada essa autonomia. Ent. O seguinte bloco é relativamente às estratégias que utiliza na sua intervenção educativa. Como surgem os projetos realizados com as crianças? Ed. De muitas maneiras existem projetos que surgem pelo nome da sala, que é o mais fácil, há projetos que surgem de uma história, há projetos que surgem de uma novidade que um menino traz, há projetos que surgem de um sonho, houve inclusive uma vez que se desenvolveu um projeto a partir de um sonho de uma criança que sonhava todas as noites que era de um planeta diferente portanto, eles surgem das mais variadas formas Ent. Na sua opinião, mediante esta metodologia de trabalho, qual é o papel da educadora? Ed. - O papel da educadora é conduzir. É assim mais um elemento do grupo, é um companheiro que vai guiando, mas no meio da intervenção não é assim intervenção como é que eu hei de dizer não é tudo dirigido assim é fazer parte do grande grupo e estar com eles como um elemento do grupo sem ser aquela pessoa que dirige Ent. - Orientar? Ed. Sim. Ent. - E qual é o papel das crianças? Ed. O papel deles é fundamental, é o principal. Eles são os atores principais do projeto. É um papel muito importante, é um papel muito dinâmico, o anteprojeto é aliciante e é motivante, é um papel extraordinário, porque eles envolvem-se nele de uma 10

4 maneira muito intensa, eles vivem o projeto, aprendem com o projeto, e nós naturalmente, aprendemos com eles. Ent. Qual o lugar ou o papel da avaliação nessa metodologia? Ed. Eu acho que a avaliação é importantíssima em qualquer metodologia. Na de projeto, nós avaliamos diariamente, à medida que trabalhamos com eles vamos percebendo as dificuldades, o que fazem mais facilmente o que fazem com mais dificuldade. Esta avaliação é feita diariamente, através de observações, de registos e no final do projeto faço uma avaliação em grande grupo, tentando perceber o que aprenderam com o projeto, o que mais gostaram de fazer, o que mais gostaram de saber Ent. O seguinte bloco tem como objetivo conhecer o trabalho desenvolvido no âmbito projeto de ação realizado com as crianças. Como surgiu o projeto de ação a ser desenvolvido no presente ano letivo? Ed. Neste ano letivo eles são os marinheiros. Surgiu a partir do nome da sala, acho que foi a motivação para o início do projeto. Ent. Que objetivos pretende alcançar? Ed. O desenvolvimento deles, a autonomia, sobretudo a autonomia, a capacidade de pesquisar, a capacidade de fazer, a capacidade de decidir e que adquiram o maior número de competências possível. Ent. Que competências pretende desenvolver nas crianças com este projeto? Ed. Todas as que estão inerentes à idade deles. Acho que já as referi anteriormente. Ent. Autonomia, etc..? Ed. Sim, tem a ver com isso, com a tomada de decisões, com a aprendizagem, o interesse, a motivação, depois todas as outras inerentes a estas Ent. De que forma se irá realizar o projeto? 11

5 Ed. Através de uma rede de ideias e é a partir dessa rede de ideias que vamos desenvolvendo o projeto, pois é a rede de ideias que contem num todo, aquilo que em conjunto decidimos fazer. Ent. Como prevê avaliar as crianças? Ed. Como disse anteriormente, através de registos, através de fichas avaliativas, através de grelhas de observação e conversas em grande grupo. Ent. E chegou ao fim a entrevista. É só, muito obrigada. Ed. Espero que tenha ajudado. Ent. Sim, vai ajudar com certeza. 12

1º Tomar consciência da decisão a tomar (envolve definição de objectivos pessoais). 2º Procurar informação pertinente (auto-conhecimento e informação

1º Tomar consciência da decisão a tomar (envolve definição de objectivos pessoais). 2º Procurar informação pertinente (auto-conhecimento e informação Intervenção Vocacional no 9º Ano Serviço de Psicologia, Externato da Luz 2008/2009 1º Tomar consciência da decisão a tomar (envolve definição de objectivos pessoais). 2º Procurar informação pertinente

Leia mais

Modelo PLUS: uma estratégia para a pesquisa e uso da informação.

Modelo PLUS: uma estratégia para a pesquisa e uso da informação. Modelo PLUS: uma estratégia para a pesquisa e uso da informação. PLANIFICAR o trabalho LOCALIZAR a melhor informação USAR com eficácia a informação AUTO-AVALIAR o trabalho PLANIFICAR: 1ª parte, o que pretendo?

Leia mais

Problemática 1 Percurso na vida associativa. Dimensões Entrevista E2 Análise

Problemática 1 Percurso na vida associativa. Dimensões Entrevista E2 Análise Problemática 1 Percurso na vida associativa Início da prática associativa (local e idade) Tipo de trabalho desenvolvido Associações que está envolvido «Comecei aqui na JS ( )» (P.1) «18 anos( )» (P. 2)

Leia mais

Protocolo da primeira entrevista

Protocolo da primeira entrevista Ent: Boa tarde, antes de mais gostaria de agradecer a sua colaboração ao longo da minha prática pedagógica e também por ter aceite realizar esta entrevista. Ah Gostaria, ainda, que escolhesse um nome fictício,

Leia mais

Guião de pesquisa de. informação

Guião de pesquisa de. informação Volume 2 LITERACIA DE INFORMAÇÃO Guião de pesquisa de informação PLUS 1 Guião de pesquisa de informação. Modelo PLUS: uma estratégia para a pesquisa e uso da informação. PLANIFICAR o trabalho LOCALIZAR

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DIÁRIA 11/01/2011

PLANIFICAÇÃO DIÁRIA 11/01/2011 INSTITUIÇÃO FORMADORA: ISEC CURSO: Mestrado de Qualificação para a Docência em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1º ciclo do ensino Básico PLANIFICAÇÃO DIÁRIA 11/01/2011 INSTITUIÇÃO DE INTERVENÇÃO: Jardim

Leia mais

O QUE IREMOS APRENDER HOJE?

O QUE IREMOS APRENDER HOJE? SEJA BEM VINDO! O QUE IREMOS APRENDER HOJE? O QUE É O MD FUNCIONA NO MMN? INTRODUÇÃO A INBOUNDMARKETING PRIMEIROS PASSOS NO MD P/MMN ANTES DE TUDO... QUERO ME APRESENTAR Meu nome é Jhon Viana, sou empreendedor

Leia mais

Anexo 2.2- Entrevista G1.2

Anexo 2.2- Entrevista G1.2 Entrevistado: E1.2 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 53 anos Masculino Cabo-Verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: 4ª classe Imigrações prévias : -- Língua materna: Outras línguas: Agregado

Leia mais

Identificação. ML01 Duração da entrevista 21:39 Data da entrevista Ano de nascimento (Idade) 1953 (59) Local de nascimento/residência

Identificação. ML01 Duração da entrevista 21:39 Data da entrevista Ano de nascimento (Idade) 1953 (59) Local de nascimento/residência 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 Identificação ML01 Duração da entrevista 21:39 Data da entrevista 4-8-2012 Ano de nascimento (Idade) 1953 (59) Local de nascimento/residência

Leia mais

IDENTIDADES. Metamorfose. Nome:Stefany Santos

IDENTIDADES. Metamorfose. Nome:Stefany Santos Metamorfose IDENTIDADES Metamorfose Nome:Stefany Santos ÍNDICE O que significa metamorfose? O que significa metamorfose ambulante? Indagações Metamorfose Frase Citação Musica Considerações finais Dedicado

Leia mais

Boletim Missionário ROL DO BERÇO. Divisão Centro-oeste africana. Auxiliar Para Diretores e Professores da Escola Sabatina

Boletim Missionário ROL DO BERÇO. Divisão Centro-oeste africana. Auxiliar Para Diretores e Professores da Escola Sabatina Boletim Missionário Auxiliar Para Diretores e Professores da Escola Sabatina ROL DO BERÇO Divisão Centro-oeste africana 1º Trimestre de 2014 Estimado Líder da Escola Sabatina, Este trimestre damos especial

Leia mais

Transcrição da Entrevista

Transcrição da Entrevista Transcrição da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Praticante Fabrício Local: Núcleo de Arte do Neblon Data: 26.11.2013 Horário: 14h30 Duração da entrevista: 20min COR PRETA

Leia mais

APOIO AO ESTUDO 1º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/ INTRODUÇÃO

APOIO AO ESTUDO 1º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/ INTRODUÇÃO APOIO AO ESTUDO DEPARTAMENTO CURRICULAR DO 1.º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/20164 1º CICLO 1. INTRODUÇÃO O despacho normativo nº7/2013 tem como objetivo conceder maior flexibilidade na constituição das

Leia mais

(Ex. vice-presidente do Conselho Executivo) Como se constitui este Agrupamento, como surgiu. Porque surgiu?

(Ex. vice-presidente do Conselho Executivo) Como se constitui este Agrupamento, como surgiu. Porque surgiu? Protocolo da entrevista Professora Cristina EC (Ex. vice-presidente do Conselho Executivo) Como se constitui este Agrupamento, como surgiu. Porque surgiu? Os Agrupamentos horizontais apareceram com a possível

Leia mais

Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português

Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português Learning Outcomes Matrix, English Version Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português Compilado por: LMETB Título do módulo Perfil pessoal Matriz dos resultados da aprendizagem Nível introdutório

Leia mais

Actividades. portefólio( )

Actividades. portefólio( ) Categoria Sub-categoria Unidades de registo Ent. Actividades Com os profissionais: Com a profissional, ela orientou-nos sobre todo o processo( ) A3 -Explicação do processo de rvcc A primeira sessão foi

Leia mais

A paz já lá está A paz já lá está, Página 1

A paz já lá está A paz já lá está, Página 1 A paz já lá está! A paz já lá está, Página 1 A minha mensagem é muito, muito simples. Muitas pessoas vêm ouvir-me e sentam-se aí, meio tensas: "O que é que eu vou ouvir?" E eu digo-lhes sempre: "Relaxem."

Leia mais

TABUADA DAS OBJEÇÕES

TABUADA DAS OBJEÇÕES TABUADA DAS OBJEÇÕES Você já sentiu acuada, sem palavras ao ouvir alguma objeção de sua potencial iniciada!? As pessoas que você vai abordar são tão especiais quanto você e se elas disserem não, lembre-se

Leia mais

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância Colégio Valsassina Modelo pedagógico do jardim de infância Educação emocional Aprendizagem pela experimentação Educação para a ciência Fatores múltiplos da inteligência Plano anual de expressão plástica

Leia mais

Pesquisa Jornal Primeiras Letras Fortaleza

Pesquisa Jornal Primeiras Letras Fortaleza Pesquisa Jornal Primeiras Letras Fortaleza Pesquisa realizada em fevereiro 2013, mediante questionários anônimos aplicados nas capacitações realizadas nesse mês. Participaram coordenadoras pedagógicas

Leia mais

Protocolo da Entrevista a Anália

Protocolo da Entrevista a Anália Protocolo da Entrevista a Anália 1 Pedia-lhe que me contasse o que lhe aconteceu de importante desde que acabou a licenciatura até agora. Então, eu acabei o 4.º ano da licenciatura e tinha o 5.º ano que

Leia mais

Nenhum a Menos: Integração de um Povo que viveu debaixo das Estrelas... Comunicação Maria Helena Carvalho Dias Pereira

Nenhum a Menos: Integração de um Povo que viveu debaixo das Estrelas... Comunicação Maria Helena Carvalho Dias Pereira Nenhum a Menos: Integração de um Povo que viveu debaixo das Estrelas... Comunicação Maria Helena Carvalho Dias Pereira Nenhum a Menos: Integração de um Povo que viveu debaixo das Estrelas Objectivo da

Leia mais

Critérios de Avaliação na Educação Pré-Escolar

Critérios de Avaliação na Educação Pré-Escolar Agrupamento de Escolas de Carregal do Sal Critérios de Avaliação na Educação Pré-Escolar Revistos e aprovados na reunião de Departamento de 13 de setembro de 2016 Introdução O princípio consensualmente

Leia mais

Identificação. F03 Duração da entrevista 18:12 Data da entrevista Ano de nascimento (Idade) 1974 (36) Local de nascimento/residência

Identificação. F03 Duração da entrevista 18:12 Data da entrevista Ano de nascimento (Idade) 1974 (36) Local de nascimento/residência 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Identificação F03 Duração da entrevista 18:12 Data da entrevista 4-5-2011 Ano de nascimento (Idade) 1974 (36) Local de

Leia mais

Aula 1. Aula 1. Aula 1. Seja um bom professor comunicador

Aula 1. Aula 1. Aula 1. Seja um bom professor comunicador Seja um bom professor comunicador Introdução...9 Atributos para um bom professor comunicador...15 Ser humilde...15 Saber ouvir críticas...16 Ser comprometido...17 Ser empático...17 Ter senso de relevância

Leia mais

Transcrição da Entrevista

Transcrição da Entrevista Transcrição da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Praticante Sonia Local: Núcleo de Arte Nise da Silveira Data: 5 de dezembro de 2013 Horário: 15:05 Duração da entrevista:

Leia mais

Redação. O assunto é mais abrangente; o tema, por sua vez, é a delimitação de um aspecto a ser trabalhado.

Redação. O assunto é mais abrangente; o tema, por sua vez, é a delimitação de um aspecto a ser trabalhado. Redação E aí, galera do Me Salva! Tudo bem? Está chegando o grande dia, não é?! As provas do ENEM acontecerão logo logo, portanto, cá estamos para revisar este assunto: REDAÇÃO. A ideia é traçarmos um

Leia mais

Mais do que um Centro de Estudos Um Centro de Aprendizagem e Desenvolvimento

Mais do que um Centro de Estudos Um Centro de Aprendizagem e Desenvolvimento Mais do que um Centro de Estudos Um Centro de Aprendizagem e Desenvolvimento O Centro 4Brain é um Projeto Pedagógico Inovador, que trabalha o aluno como um todo, centrando os esforços tanto na Aprendizagem

Leia mais

Este é o vosso tempo Este é o vosso tempo, Página 1

Este é o vosso tempo Este é o vosso tempo, Página 1 Este é o vosso tempo! Este é o vosso tempo, Página 1 Há uma coisa muito simples de que quero falar. Eu sei que as pessoas vieram para ouvir falar de paz. Já lá irei. Porque isso não é difícil, isso é fácil.

Leia mais

Scholé é o braço da Perestroika que presta consultoria em educação/aprendizagem para escolas, universidades e governos. A ideia é compartilhar

Scholé é o braço da Perestroika que presta consultoria em educação/aprendizagem para escolas, universidades e governos. A ideia é compartilhar Scholé é o braço da Perestroika que presta consultoria em educação/aprendizagem para escolas, universidades e governos. A ideia é compartilhar conhecimentos, tendências e co-criar processos com instituições

Leia mais

GRELHA DE ANÁLISE DA ENTREVISTA EFETUADA À FUNCIONÁRIA C. A entrevistada tem 31 anos e é casada. Tem o 12º ano de escolaridade.

GRELHA DE ANÁLISE DA ENTREVISTA EFETUADA À FUNCIONÁRIA C. A entrevistada tem 31 anos e é casada. Tem o 12º ano de escolaridade. GRELHA DE ANÁLISE DA ENTREVISTA EFETUADA À FUNCIONÁRIA C CATEGORIAS DE ANÁLISE Caracterização sociodemográfica Idade Sexo Estado civil Grau de escolaridade / habilitações Experiência profissional Função

Leia mais

Personagens: Duas Frases Oração subordinada Guarda do Reino

Personagens: Duas Frases Oração subordinada Guarda do Reino Funcionamento da Língua O Reino das Orações O Reino das Orações Personagens: Duas Frases Oração subordinada Guarda do Reino ( Ao fim de um longo caminho, duas frases encontram um grande castelo envolto

Leia mais

Diretora Nacional Sênior

Diretora Nacional Sênior Diretora Nacional Sênior AULA ESPECIAL c Unidades com crescimento de 20% Oração Área Nacional Obrigada Senhor por esse dia maravilhoso que temos em nossas mãos. Agradeço pelo oportunidade de estarmos reunidas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3ºCICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário ao Pessoal Não Docente

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3ºCICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário ao Pessoal Não Docente ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3ºCICLO DE LOUSADA Avaliação Interna Questionário ao Pessoal Não Docente O pessoal dos serviços de administração e gestão da escola e o pessoal auxiliar de acção educativa e guardas-nocturnos

Leia mais

29/11/2009. Entrevista do Presidente da República

29/11/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na chegada ao hotel Villa Itália Cascais-Portugal, 29 de novembro de 2009 Jornalista: (incompreensível) Presidente:

Leia mais

A atuação psicopedagógica institucional

A atuação psicopedagógica institucional A atuação psicopedagógica institucional Psicopedagogia Dorival Rosa Brito 1 A psicopedagogia assume um compromisso com a melhoria da qualidade do ensino expandindo sua atuação para o espaço escolar, atendendo,

Leia mais

"Vendendo para quem não quer comprar" Enrique Staschower

Vendendo para quem não quer comprar Enrique Staschower "Vendendo para quem não quer comprar" Enrique Staschower Outros tempos, outros usos. Calças tinham vincos obrigatoriamente. Quem atendia no balcão detinha o conhecimento do produto, do preço e por isso

Leia mais

Transcrição da Entrevista

Transcrição da Entrevista Transcrição da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Praticante Igor Local: Núcleo de Arte Nise da Silveira Data: 05 de dezembro de 2013 Horário: 15:05 Duração da entrevista:

Leia mais

realidade das profissões

realidade das profissões 12 12 Escolha Certa! Certa! As profissões As profissões do século do 21 século 21 Uma decisão difícil, extremamente pessoal. É dessa maneira que pode ser encarado esse momento crucial na vida do jovem:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

Seca Sismos Vulcões Tornados Vagas de frio/calor Tempestades Tsunamis Matérias perigosas Incêndios Florestais

Seca Sismos Vulcões Tornados Vagas de frio/calor Tempestades Tsunamis Matérias perigosas Incêndios Florestais As políticas de prevenção são demasiado importantes para serem deixadas apenas no domínio dos serviços públicos competentes. KOFI ANNAN 1999 Educação para o Risco O papel da ESCOLA na prevenção de Catástrofes

Leia mais

A DOCUMENTAÇÃO DA APRENDIZAGEM: A VOZ DAS CRIANÇAS. Ana Azevedo Júlia Oliveira-Formosinho

A DOCUMENTAÇÃO DA APRENDIZAGEM: A VOZ DAS CRIANÇAS. Ana Azevedo Júlia Oliveira-Formosinho A DOCUMENTAÇÃO DA APRENDIZAGEM: A VOZ DAS CRIANÇAS Ana Azevedo Júlia Oliveira-Formosinho Questões sobre o portfólio respondidas pelas crianças: 1. O que é um portfólio? 2. Gostas do teu portfólio? Porquê?

Leia mais

AGENDAMENTO NA ERA DO WHATSAPP

AGENDAMENTO NA ERA DO WHATSAPP AGENDAMENTO NA ERA DO WHATSAPP FICHA DE PLANEJAMENTO SEMANAL SEG TER QUA QUI SEX SAB DOM 7:00-8:00 8:00-9:00 9:00-10:00 10:00-11:00 11:00-12:00 12:00-13:00 13:00-14:00 14:00-15:00 15:00-16:00 16:00-17:00

Leia mais

Fibonacci: A Ciência no Ensino Básico e Pré-escolar

Fibonacci: A Ciência no Ensino Básico e Pré-escolar Fibonacci: A Ciência no Ensino Básico e Pré-escolar SLIDE 1 Nome da formanda: Patrícia Santana Escola: EB1 José Jorge Letria Localidade: Cascais Nível de Ensino: 1º Ciclo Ano de escolaridade: 3º e 4º ano

Leia mais

BALANÇO DA OCUPAÇÃO DO TEMPO DURANTE A SEMANA DE PREENCHIMENTO DA GRELHA - 1º ANO

BALANÇO DA OCUPAÇÃO DO TEMPO DURANTE A SEMANA DE PREENCHIMENTO DA GRELHA - 1º ANO BALANÇO DA OCUPAÇÃO DO TEMPO DURANTE A SEMANA DE PREENCHIMENTO DA GRELHA - 1º ANO PROFESSORA Bom dia meninos, estão bons? TODOS Sim. PROFESSORA Então a primeira pergunta que eu vou fazer é se vocês gostam

Leia mais

ALIANDO A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE NO COTIDIANO DA ESCOLA ATRAVÉS DO PIBID

ALIANDO A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE NO COTIDIANO DA ESCOLA ATRAVÉS DO PIBID ALIANDO A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE NO COTIDIANO DA ESCOLA ATRAVÉS DO PIBID 2 ALIANDO A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE NO COTIDIANO DA ESCOLA ATRAVÉS DO PIBID BORGES Maria Jesus da Cunha 1 MORAES Adriana

Leia mais

PRIMEIRO TRATAMENTO DA ENTREVISTA

PRIMEIRO TRATAMENTO DA ENTREVISTA PRIMEIRO TRATAMENTO DA ENTREVISTA (Educadora Maria) [Características pessoais] ( ) sou uma pessoa muito honesta ( ) uma pessoa muito franca nas minhas funções ( ). ( ) sou uma pessoa muito sincera ( )

Leia mais

Ken Robinson. com Lou Aronica O ELEMENTO. Tradução de Ângelo dos Santos Pereira

Ken Robinson. com Lou Aronica O ELEMENTO. Tradução de Ângelo dos Santos Pereira Ken Robinson com Lou Aronica O ELEMENTO Tradução de Ângelo dos Santos Pereira P Índice Agradecimentos...7 Introdução...11 Capítulo Um O Elemento...15 Capítulo Dois Pensar Diferente...39 Capítulo Três Para

Leia mais

PROJECTO. DIVULGAÇÃO DA ESEnfC NAS ESCOLAS SECUNDÁRIAS ANO LECTIVO 2012/2013

PROJECTO. DIVULGAÇÃO DA ESEnfC NAS ESCOLAS SECUNDÁRIAS ANO LECTIVO 2012/2013 ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA PROJECTO DIVULGAÇÃO DA ESEnfC NAS ESCOLAS SECUNDÁRIAS ANO LECTIVO 2012/2013 COIMBRA, 2012 SUMÁRIO Pág. INTRODUÇÃO... 3 1- MISSÃO VISÃO VALORES... 4 2- OBJECTIVOS...

Leia mais

Inquérito por Questionário - Professores

Inquérito por Questionário - Professores Inquérito por Questionário - Professores INSTRUÇÕES Este questionário destina-se a recolher informação para um projecto de investigação sobre "Gestão Cooperada do Currículo como mecanismo de desenvolvimento

Leia mais

Do tamanho de mim (Bento, 3 anos)

Do tamanho de mim (Bento, 3 anos) Do tamanho de mim (Bento, 3 anos) Erguer torres, construir castelos ou ainda inventar algo novo a partir de cilindros expostos sem uma proposta conduzida exige que as crianças exercitem habilidades bastante

Leia mais

O PAPEL DO PROFESSOR DE ESCOLA PUBLICA NO ENSINO DA LÍNGUA ESPANHOLA

O PAPEL DO PROFESSOR DE ESCOLA PUBLICA NO ENSINO DA LÍNGUA ESPANHOLA O PAPEL DO PROFESSOR DE ESCOLA PUBLICA NO ENSINO DA LÍNGUA ESPANHOLA Magda Cristina COSTA magdacosta18@hotmail.com Andreza Araújo LIMA andreza.cfd@hotmail.com.br Susy Darley Gomes SILVA suzy_darleygomes@hotmail.com

Leia mais

Escola Básica do 2º e 3º Ciclos de Pinhal de Frades. Questionário sobre actividades a desenvolver no Estudo Acompanhado

Escola Básica do 2º e 3º Ciclos de Pinhal de Frades. Questionário sobre actividades a desenvolver no Estudo Acompanhado 9. Apêndices 47 Apêndice 1 Escola Básica do 2º e 3º Ciclos de Pinhal de Frades Questionário sobre actividades a desenvolver no Estudo Acompanhado Colega, O Estudo Acompanhado é uma área destinada a apoiar

Leia mais

Palavras-chave: Subprojeto PIBID da Licenciatura em Matemática, Laboratório de Educação Matemática, Formação de professores.

Palavras-chave: Subprojeto PIBID da Licenciatura em Matemática, Laboratório de Educação Matemática, Formação de professores. 00465 A IMPLANTAÇÃO DE UM LABORATÓRIO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM UMA ESCOLA PÚBLICA Regina Helena Munhoz Professora Adjunta Departamento de Matemática UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina RESUMO

Leia mais

Orientação Vocacional e Coaching Carlos Gomes

Orientação Vocacional e Coaching Carlos Gomes Índice Introdução... 2 Método Orienta... 3 Técnica das frases para completar... 6 Realização do Teste Vocacional... 8 Autoavaliação do Teste Vocacional... 9 Exploração de Valores... 10 Autoconhecimento...

Leia mais

Desde a sua construção, há cinco anos. O lar funciona há 4 anos. 1. Sou Vice-Provedor. Conforme os projectos, a minha intervenção varia.

Desde a sua construção, há cinco anos. O lar funciona há 4 anos. 1. Sou Vice-Provedor. Conforme os projectos, a minha intervenção varia. Entrevista A19 I Experiência no lar Há quanto tempo trabalha no lar? Desde a sua construção, há cinco anos. O lar funciona há 4 anos. 1 Qual é a sua função no lar? Sou Vice-Provedor. Conforme os projectos,

Leia mais

Integração entre Serviços e Benefícios. VI Seminário Estadual de Gestores e trabalhadores da Política de Assistência Social Santa Catariana/ 2015

Integração entre Serviços e Benefícios. VI Seminário Estadual de Gestores e trabalhadores da Política de Assistência Social Santa Catariana/ 2015 Integração entre Serviços e Benefícios VI Seminário Estadual de Gestores e trabalhadores da Política de Assistência Social Santa Catariana/ 2015 A desproteção e a vulnerabilidade são multidimensionais

Leia mais

União dos Escoteiros do Brasil CICLO DE PROGRAMA RAMO ESCOTEIRO

União dos Escoteiros do Brasil CICLO DE PROGRAMA RAMO ESCOTEIRO União dos Escoteiros do Brasil CICLO DE PROGRAMA RAMO ESCOTEIRO O CICLO DE PROGRAMA O ciclo de programa é a forma como se articulam as atividades Um ciclo de programa tem 4 fases sucessivas Em um ano,

Leia mais

TORRE DO PODER ENSINO SECUNDÁRIO / PROFISSIONAL

TORRE DO PODER ENSINO SECUNDÁRIO / PROFISSIONAL TORRE DO PODER ENSINO SECUNDÁRIO / PROFISSIONAL Ensino Secundário / Profissional Breve descrição Atividade dinâmica e divertida que pretende abordar os conceitos de gastos, rendimentos e lucro. Envolve

Leia mais

Inquérito por questionário Alunos

Inquérito por questionário Alunos Inquérito por questionário Alunos INSTRUÇÕES A seguir apresentamos-te um conjunto de perguntas sobre as tuas aulas. Não há respostas certas nem erradas, por isso pedimos-te que respondas com verdade. Obrigado

Leia mais

ANEXO 11A Protocolo da Entrevista ao Alberto (pai do Francisco) FASE 1 TRANCRIÇÃO DE ENTREVISTA E3

ANEXO 11A Protocolo da Entrevista ao Alberto (pai do Francisco) FASE 1 TRANCRIÇÃO DE ENTREVISTA E3 ANEXO A Protocolo da Entrevista ao Alberto (pai do Francisco) FASE TRANCRIÇÃO DE ENTREVISTA E3 Duração da entrevista: h35m A Não vou pedir uma cadeira se não me faz falta, não vou inclui-la no nível geral,

Leia mais

Resolvendo sistemas. Nas aulas anteriores aprendemos a resolver

Resolvendo sistemas. Nas aulas anteriores aprendemos a resolver A UA UL LA Resolvendo sistemas Introdução Nas aulas anteriores aprendemos a resolver equações de 1º grau. Cada equação tinha uma incógnita, em geral representada pela letra x. Vimos também que qualquer

Leia mais

P-48 AVALIAR É GERENCIAR. Bernardo Leite

P-48 AVALIAR É GERENCIAR. Bernardo Leite P-48 AVALIAR É GERENCIAR Bernardo Leite Há 8 anos (+-)= FEEDBACK Por derivação = AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO (Gestão de Performance) Avaliar como função Gerencial, foi natural. Escolher (avaliar), portanto,

Leia mais

PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016

PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016 PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016 Tema: Cuidando de mim, do outro e do meio Mês: Novembro Habilidade Sócio emocional: Este projeto visa promover atividades e dinâmicas que estimulem os alunos a valorizar os

Leia mais

...9º ano, o ano antes da grande mudança! Optar por um Curso Profissional.

...9º ano, o ano antes da grande mudança! Optar por um Curso Profissional. ...9º ano, o ano antes da grande mudança! Optar por um Curso Profissional. http://aecc.ccems.pt/index.php/spo spo@aecoelhocastro.pt http://www.facebook.com/spo.fiaes Atualizado em 29.10.2016 Mundo do Trabalho

Leia mais

PROTOCOLO DA ENTREVISTA

PROTOCOLO DA ENTREVISTA PROTOCOLO DA ENTREVISTA (Educadora Ana) Ent.: Boa tarde. Esta entrevista tem como tema Contributos da educação pré-escolar para a construção da identidade na criança e como objetivo conhecer a perspetiva

Leia mais

1. Princípios orientadores e funções da avaliação Objetivos da avaliação Processos de avaliação Avaliação Diagnóstica 3

1. Princípios orientadores e funções da avaliação Objetivos da avaliação Processos de avaliação Avaliação Diagnóstica 3 Índice 1. Princípios orientadores e funções da avaliação 2 2. Objetivos da avaliação 2 3. Processos de avaliação 3 3.1. Diagnóstica 3 3.2. Formativa 3 3.3. Instrumentos de avaliação 4 3.3. Períodos de

Leia mais

Trabalho 3: Visionamento de uma sessão no Webinars

Trabalho 3: Visionamento de uma sessão no Webinars Departamento de Matemática Mestrado em Ensino de Matemática no 3º Ciclo do Ensino Básico e no Ensino Secundário Trabalho 3: Visionamento de uma sessão no Webinars Meios Computacionais no Ensino Professor:

Leia mais

Parceria Ciências da Natureza / Biblioteca Escolar. Conhecer as Plantas. Helena Pereira. Vera Rigaud

Parceria Ciências da Natureza / Biblioteca Escolar. Conhecer as Plantas. Helena Pereira. Vera Rigaud Parceria Ciências da Natureza / Biblioteca Escolar Conhecer as Plantas Projeto de Trabalho Colaborativo Helena Pereira Vera Rigaud Ano Letivo 2012/2013 2 Planificação a Médio Prazo Disciplina: Ciências

Leia mais

Anexo D Primeiro Tratamento da Entrevista à Educadora Cooperante. Anexo D Primeiro Tratamento da Entrevista à Educadora Cooperante

Anexo D Primeiro Tratamento da Entrevista à Educadora Cooperante. Anexo D Primeiro Tratamento da Entrevista à Educadora Cooperante Anexo D Primeiro Tratamento da Entrevista à Educadora Cooperante [Formação académica] [tempo de serviço docente] Há 29 anos ( ) [motivações pela vertente artística] ( ) porque gosto muito das artes e porque

Leia mais

Aula 6 Livro físico.

Aula 6 Livro físico. Conteúdos da aula 1. Material didático 2. Formatos 3. 2 1. Material didático Nessa aula, teremos como foco a apresentação do material didático da etb Material didático pode ser definido amplamente como

Leia mais

PROJECTO PEDAGÓGICO C.A.T.L INDÍCE

PROJECTO PEDAGÓGICO C.A.T.L INDÍCE PROJECTO PEDAGÓGICO C.A.T.L. 2011-2012 INDÍCE 1. Introdução 2. Organização e Gestão de tempo 3. Fundamentação Teórica 4. Competências Transversais 5. Competências Essenciais 6. Atividades a Desenvolver

Leia mais

Planejamento de Carreira

Planejamento de Carreira Planejamento de Carreira Aulas 17 e 18 Plano de carreira Análise do ambiente Oportunidades Ameaças Objetivos Alvos concretos Estratégias Ações e prazos para atingir objetivos Follow-up Análise de potencial

Leia mais

Novo Programa de Português do Ensino Básico SD2_ANOS1/2. Quando for grande quero ser... 1.º ano

Novo Programa de Português do Ensino Básico SD2_ANOS1/2. Quando for grande quero ser... 1.º ano Quando for grande quero ser... 1.º ano 1 Apresentação 1. Nome da sequência: Quando for grande quero ser... 2. Ano de escolaridade: 1.º ano/ 2.º ano 3. Duração estimada: 1 semana 4. Competências: (Cf. Roteiro)

Leia mais

Descomplicar. a arte de estudar. regresso. às aulas. - i POR CARLOS EUGÊNIO AUGUSTO. OoLtnU do Instituto. SOU MSI I'olltlL IS. de Lisboa. í l -.

Descomplicar. a arte de estudar. regresso. às aulas. - i POR CARLOS EUGÊNIO AUGUSTO. OoLtnU do Instituto. SOU MSI I'olltlL IS. de Lisboa. í l -. 1, regresso às aulas Descomplicar a arte de estudar : - i - POR CARLOS EUGÊNIO AUGUSTO r í l -., OoLtnU do Instituto S,, r mo,j.lßnms SOU MSI I'olltlL IS d il mursidid. de Lisboa Conta O início de cada

Leia mais

AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INTERNA TERCEIRO CICLO DO ENSINO BÁSICO 7.º ANO. Ano letivo 2013/2014

AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INTERNA TERCEIRO CICLO DO ENSINO BÁSICO 7.º ANO. Ano letivo 2013/2014 AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO TERCEIRO CICLO DO ENSINO BÁSICO 7.º ANO Ano letivo 2013/2014 AVALIAÇÃO INTERNA A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa que permite a recolha

Leia mais

O conhecimento é a chave da vida!

O conhecimento é a chave da vida! Porto Alegre, 02 de janeiro de 2017 Sejam Bem Vindos Prezados(as) Educadores(as)! Bom Dia com Alegria! O conhecimento é a chave da vida! Contem sempre conosco e que tenhamos divertidas e abençoadas formações

Leia mais

COMEÇA JÁ A LER LANÇAMENTO MUNDIAL!

COMEÇA JÁ A LER LANÇAMENTO MUNDIAL! COMEÇA JÁ A LER LANÇAMENTO MUNDIAL! 01.11.16 A mãe está sempre a dizer que eu tenho muita sorte por ter a avó Nana a olhar mim, lá do céu. Acho que ela diz isso para me fazer sentir bem, mas eu tenho um

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Avaliação Educacional Código da Disciplina: EDU 340 Curso: Pedagogia Semestre de oferta da disciplina: 7º Faculdade responsável: Pedagogia Programa em vigência a partir

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Licenciatura EM educação básica intercultural TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Licenciatura EM educação básica intercultural TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Licenciatura EM educação básica intercultural TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º - O Estágio Supervisionado de que trata este regulamento refere-se à formação de

Leia mais

Critérios de Avaliação de Francês 2016 / ºano

Critérios de Avaliação de Francês 2016 / ºano Critérios de Avaliação de Francês 2016 / 2017 7ºano A avaliação certifica as aprendizagens e tem como objetivo a melhoria dessas aprendizagens. Os conteúdos programáticos serão trabalhados, desenvolvendo

Leia mais

Atividade - Sequência Eben Pagan

Atividade - Sequência Eben Pagan Atividade - Sequência Eben Pagan Este esquema é seu! Coloque os exemplos ados em aula, será um Atividade ótimo exercício para memorização. No fim do curso, você terá 24 esquemas para usar como material

Leia mais

Lição: O Polo Norte, o Polo Sul e a linha do Equador

Lição: O Polo Norte, o Polo Sul e a linha do Equador 1ª Série Lição: O Polo Norte, o Polo Sul e a linha do Equador Social Studies Standard(s): Standard III, Objective 2 Objetivo(s) do Conteúdo Curricular: Os alunos identificarão o Polo Norte, o Polo Sul

Leia mais

Jardim de Infância Azurva 2 12 crianças - 3, 4 e 5 anos

Jardim de Infância Azurva 2 12 crianças - 3, 4 e 5 anos Jardim de Infância Azurva 2 12 crianças - 3, 4 e 5 anos Esta sessão, tratando-se de crianças do pré-escolar, considerou-se pertinente fazer algumas adaptações. Pensou-se que seria conveniente sentarem-se,

Leia mais

LOS ANGELES Cerimônia de Boas Vindas Secretária de Comércio dos EUA, Penny Pritzker

LOS ANGELES Cerimônia de Boas Vindas Secretária de Comércio dos EUA, Penny Pritzker LOS ANGELES Cerimônia de Boas Vindas Secretária de Comércio dos EUA, Penny Pritzker Segunda feira, 13 de outubro de 2014 08:30 às 10:00 ICANN Los Angeles, EUA SECRETARY PENNY PRITZKER: (Steve), não faz

Leia mais

Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de

Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de Licenciatura em Educação Básica - 1º Semestre O jogo é

Leia mais

PROJETO: SOU LETRANDO.

PROJETO: SOU LETRANDO. PROJETO: SOU LETRANDO. Acadêmicos: Thainara Lobo e Ailton Ourique Escola Estadual de Ensino Fundamental Dr Mário Vieira Marques (CIEP) São Luiz Gonzaga, 2016 1.TEMA Projeto de Leitura: Sou Letrando. 2.PROBLEMA

Leia mais

Projeto Planejamento Orçamento Construção Limpeza Dicas finais

Projeto Planejamento Orçamento Construção Limpeza Dicas finais Projeto Planejamento Orçamento Construção Limpeza Dicas finais 3 4 7 10 13 14 Construir sem utilizar grandes quantidades de dinheiro não é algo impossível, mas sim uma questão de querer e saber como o

Leia mais

Doutor Q.I. Ataca Novamente Matheus Porfirio

Doutor Q.I. Ataca Novamente Matheus Porfirio Doutor Q.I. Ataca Novamente Matheus Porfirio (Baseado no livro A Droga da Obediência) Editora Matheuslândia Depois do mistério da Droga da Obediência, os Karas já estavam prontos para uma nova aventura.

Leia mais

Entrevista Rodrigo

Entrevista Rodrigo Entrevista 1.17 - Rodrigo (Bloco A - Legitimação da entrevista onde se clarificam os objectivos do estudo, se contextualiza a realização do estudo e participação dos sujeitos e se obtém o seu consentimento)

Leia mais

Projeto do trabalho A Música Erudita nos Dias de Hoje Visões, Críticas, Divulgação

Projeto do trabalho A Música Erudita nos Dias de Hoje Visões, Críticas, Divulgação Universidade do Algarve Escola Superior de Educação e Comunicação Projeto Multimédia Música na Comunicação Docentes: Fernando Carrapiço, Raquel Correia Ano letivo 2011/2012 Projeto do trabalho A Música

Leia mais

Minha História de amor

Minha História de amor Minha História de amor Hoje eu vou falar um pouco sobre a minha história de amor! Bem, eu namoro à distância faz algum tempinho. E não é uma distância bobinha não, são 433 km, eu moro em Natal-Rn, e ela

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INDIVIDUAL

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INDIVIDUAL GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INDIVIDUAL Chegamos ao momento de construir um plano de desenvolvimento para as necessidades identificadas a partir de seu autodiagnóstico e reflexões iniciais.

Leia mais

Expert Apps for Good. As 11 áreas de conhecimento.

Expert Apps for Good. As 11 áreas de conhecimento. Expert Apps for Good As 11 áreas de conhecimento. 1. Idea Generation Criação de Ideias É nesta fase que os alunos começam a apresentar as suas primeiras ideias para a app que vão criar e onde explicam

Leia mais

Dimensões. Institucionalização. Entrevistado

Dimensões. Institucionalização. Entrevistado Dimensões Institucionalização Entrevistado F 2 Imagem sobre a velhice Entristece-me muito chegar aqui e olhar para determinados idosos que estão aqui, venho cá três vezes por semana no mínimo e nunca vejo

Leia mais

Plano Nacional de Leitura

Plano Nacional de Leitura 2012-2014 Plano Nacional de Leitura 1 I. O que motivou o projeto? Centralidade da leitura Leitura como ponto de partida para: - Aprender (competência transversal ao currículo) - Colaborar - Interagir /

Leia mais

UFAC RBR ACRE

UFAC RBR ACRE UFAC RBR ACRE 31.10.2011 Nível de letramento Tudo bem. De 2009 pra cá nós assumimos essa Diretoria com o intuito de organizar né, os nossos estágios e verificar a questão das práticas investigativas. Porque

Leia mais

Escola Municipal de Ensino Fundamental Leopoldo Guilherme Ewerling

Escola Municipal de Ensino Fundamental Leopoldo Guilherme Ewerling Escola Municipal de Ensino Fundamental Leopoldo Guilherme Ewerling Concretizando sonhos na nossa escola 1 º,2 º,3º e 4 ºano Lidiane Maria Fagundes da Silva Michelle Leite São José do Hortêncio, 2016 Projeto

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÂO DA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS 2º CICLO ANO LETIVO 2015 / 2016 DOMÍNIOS DE APRENDIZAGEM DOMÍNIOS DE REFERÊNCIA PONDERAÇÃO INSTRUMENTOS DE

Leia mais

GABINETE DE APOIO PSICOLÓGICO Educação

GABINETE DE APOIO PSICOLÓGICO Educação Sessão de esclarecimento On-line Informação ao Encarregado de GABINETE DE APOIO PSICOLÓGICO Educação 1 ORIENTAÇÃO VOCACIONAL Gabinete de Apoio Psicológico Agrupamento de Escolas de Almeida 2 ORIENTAÇÃO

Leia mais