A PRODUÇÃO TEXTUAL SUGERIDA NO ENEM: REFLEXÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PRODUÇÃO TEXTUAL SUGERIDA NO ENEM: REFLEXÕES"

Transcrição

1 A PRODUÇÃO TEXTUAL SUGERIDA NO ENEM: REFLEXÕES Cláudia Lopes Nascimento Saito (LETRAS-UEL) Maria Ilza Zirondi ( LETRAS-UEL) RESUMO: Os gêneros textuais, como ações de linguagem vivas e, constantemente, mutáveis realizadas por sujeitos sociais, constituem-se de número e aspecto ilimitado mediante as infindáveis situações, funções e facetas do agir humano. Atrelados aos objetivos da linguística em refletir sobre o uso da linguagem como ferramenta para o desenvolvimento humano (DOLZ & SCHNEUWLY, 2004), propomo- nos com esse trabalho a apresentar reflexões acerca do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), sob uma visão sóciointeracionista da linguagem (BRONCKART, 1999/2006). Buscamos, assim, debater sobre a produção textual sugerida na Prova (teste empírico da capacidade escrita/ argumentativa) e as atividades de linguagem praticadas na escola. Preocupados com a importância social que reveste o teste, buscamos discutir esse grave problema que circunda, principalmente, o ambiente escolar, o que pode significar iniciativas para revisão e reavaliação dos PCNEM, do material fornecido pelo Plano Nacional do Livro Didático (PNLD) e da própria estruturação curricular elaborada pelas escolas que desenvolvem trabalho com Ensino Médio e, consequentemente, capacidades para os alunos agirem com a linguagem. Palavras-chave: prova do ENEM; produção textual; gêneros textuais. 366

2 Introdução O presente trabalho é fruto da participação no projeto de pesquisa Atividades de linguagem e trabalho educacional (ALTED), desenvolvido na Universidade Estadual de Londrina Coordenação: Profª. Drª. Elvira Lopes Nascimento. Este projeto objetiva, a partir dos pressupostos de base do interacionismo sociodiscursivo, elaborar materiais para as aulas de língua portuguesa para o Ensino Básico, que toma como base os conhecimentos sobre gêneros textuais acumulados na forma de um modelo didático e que fornece os elementos ensináveis sobre o gênero. Esses elementos irão constituir os objetos e objetivos do ensino para a elaboração de projetos pedagógicos que visem ao ensino/aprendizagem da produção e da leitura de textos das diferentes esferas de comunicação. Tal pesquisa justifica-se pela importância social que reveste o ENEM, no Ensino Médio brasileiro da rede pública de ensino, impõe reflexões sobre a produção textual sugerida na Prova (teste empírico da capacidade escrita/ argumentativa) e as atividades de linguagem praticadas na escola. Tendo como perspectiva teórica adotada, vinda da abordagem do interacionismo sociodiscursivo proposto por Bronckart (1999; 2006), em que sua base epistemológica faz emergir uma preocupação comum: o estudo das relações entre a linguagem e o desenvolvimento humano. Nossos objetivos de pesquisa são: Apresentar o plano global do enunciado de comando da redação do ENEM (estrutura e configuração);discutir o documento que norteia a realização da prova de redação (Guia do Participante);examinar duas coleções de livros didáticos de língua portuguesa, destinada à 3º série do Ensino Médio, distribuídas pelo PNLD.A metodologia de pesquisa de cunho interpretativo-qualitativo, seguindo a metodologia de desconstrução e descrição do corpus, proposta por Bronckart (1999; 2006). 1.Pressuposto teórico Bronckart ( 1996, apud NASCIMENTO, 2006, p.58), define a ação de linguagem no nível sociológico, como uma porção da atividade de linguagem de um grupo social (formação discursiva) e, num segundo nível, psicológico, como o 367

3 conhecimento disponível, no organismo ativo, das diferentes facetas da sua própria responsabilidade na intervenção verbal. É nesse segundo nível que a noção de ação de linguagem integra as representações dos parâmetros do contexto de produção e do conteúdo temático, tais como o agente (locutor, autor, enunciador) as mobiliza quando realiza uma intervenção verbal. Assim, essas ações estão ligadas à utilização das formas comunicativas que se encontra em uso numa determinada formação social, isto é, à utilização dos gêneros textuais. 1.1.O contexto de produção e o propósito comunicativo O ISD está centrado na questão das condições externas de produção dos textos, o que provoca um abandono da noção clássica de tipologia textual (narração, descrição e dissertação) a favor da de gênero de texto. De acordo com Bronckart (2003), pode- se elencar seis fatores que correspondem às condições enunciativas que constituem toda produção de linguagem: 1º). esfera de comunicação: o cenário ou formação social, com suas regras e rotinas interacionais em que o texto circula; 2º) identidade social dos interlocutores: o lugar social de onde falam os parceiros da interação. A avaliação que o locutor faz de si mesmo e dos outros quanto às suas capacidades de ação com e pela linguagem e quanto às suas intenções na interação. Os traços ou marcas que os interlocutores deixam das imagens que têm de si mesmo e dos outros nesse contexto particular; 3º) finalidade: o intuito discursivo da interação, ou seja, o seu propósito comunicativo nessa interação; 4º) concepção de referente: o conteúdo temático, o referente de que se fala e como é julgado/avaliado nessa situação de interação; 5º) suporte material: as circunstâncias físicas em que o ato de interação se desenrola; 6º) a relação interdiscursiva: o modo como se dá o diálogo entre as vozes que circulam na sociedade: qual é a voz que fala em certas passagens do discurso (da esfera religiosa, da propaganda ou da política), as vozes que emergem se confrontam, polemizam entre si ou se confirmam. A partir desse contexto de produção, segundo o autor, o enunciador toma decisões para a seleção do gênero e para a arquitetura interna do texto que é a sua materialização linguística. 368

4 Schneuwly (1994, p.65) ressalta que dessa operação resultam os esquemas de utilização que vão, desde a escolha do gênero e de sua adequação à situação, ao tratamento do conteúdo, ao tipo de composição, à relação que instaura com os participantes da troca verbal, até ao tratamento linguístico que lhe dá o estilo (elemento constitutivo do gênero). Para o autor, vai ser a partir do esquema de utilização, que o gênero será adequado ao contexto comunicativo, já que a base de orientação da ação de linguagem será dada por ele. Esse esquema compreende, então, a capacidade de integrar as relações do texto com o contexto. Ao falar ou escrever, de acordo com o lugar social que ocupa (os papeis sociais que desempenha), o enunciador (o sujeito produtor) sempre tem uma imagem, opiniões e valores construídos, quer sejam dos destinatários, quer sejam do tema ao qual se refere valoração apreciativa (cf. BAKHTIN, 1972, p. 87) - em relação ao interlocutor ou ao tema tratado. Esses são os parâmetros que constituem a situação imediata de produção, devendo ser sempre combinados com a abordagem do contexto amplo de produção, ou seja, as condições sócio-históricas. São essas representações sobre o contexto de produção que levam o locutor/enunciador de um texto oral ou escrito a tomar decisões sobre o gênero do texto mais adequado à situação de interação, como também a escolha das operações discursivas e linguísticas mais eficazes para a sua textualização. 2.Contextualizando a prova do ENEM A prova do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) foi desenvolvida pelo Instituto Nacional de Ensino e Pesquisa (INEP), em 1999, e elaborada por especialistas com questões, envolvendo situações-problema de maneira interdisciplinar e a atividade de produção de texto. O seu objetivo inicial era a deque o aluno se autoavaliasse e a avaliação pelo MEC da qualidade do ensino; propor modificações no ensino e transformação práticas pedagógicas. 369

5 Sabemos que o foco de testagem da Prova do ENEM em relação à Língua Portuguesa não se limita apenas à produção textual e questões de múltipla escolha correspondentes à língua/ linguagens e literatura, ela perpassa esses itens situando-se na compreensão de leitura da Prova como um todo. Diante disso questionamos se: 1º) a proposta do ENEM não está sendo trabalhada nos contextos de sala de aula; 2º) o gênero de texto dissertação e a tipologia argumentativa não estão sendo ensinados e/ou estudados ou compreendidos pelos alunos; 3º) os critérios de avaliação contradizem a proposta e não dão possibilidade de avaliação das pretensões à verdade (relacionadas ao mundo objetivo), das pretensões à adequação às normas sociais (relacionadas ao mundo social) e das pretensões à veracidade (quando se trata do mundo subjetivo); 4º) os problemas apresentados ao candidato estão avaliando competências que não estão sendo desenvolvidas nos contextos escolares. Entre as competências exigidas pelo Exame, estão: a) o domínio da norma culta da língua escrita; b) a compreensão da proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo- argumentativo; c) saber selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista; d) ter domínio dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação; e) a elaboração proposta de intervenção para problema abordado, demonstrando respeito aos direitos humanos. Dados revelam (INFOENEM, 2013) que as redações realizadas por alunos do Ensino Médio apresentam ideias conturbadas, complexas em relação à apresentação do tema, à estrutura do texto (adequação ao gênero de texto dissertação) e ao desenvolvimento. Também o fato de quase 50% das redações necessitarem de uma terceira correção sinaliza para problemas que devem ser discutidos, pois podem estar relacionados às dificuldades de produção escrita apresentadas por esses alunos, pois dos textos corrigidos apenas 481 redações conseguiram a nota máxima (1.000 pontos). 370

6 2.1. Plano textual global da redação do ENEM A proposta de redação exige uma nova captura da dimensão textual que se instituiu para a Prova, assim como, no reconhecimento da infraestrutura textual pertinente às condições de produção, circulação e recepção real desses textos: 1º) O enunciador solicita a leitura dos textos motivadores que incidirão na descoberta do tema a ser discutido no texto a ser produzido; 2º) Deverá associar esse tema aos conhecimentos construídos ao longo de sua formação; 3º) Deverá redigir um texto dissertativo-argumentativo; 4º) O candidato à avaliação deverá apresentar seu texto na modalidade formal da língua; 5º) Os comandos ainda exigem o respeito aos direitos humanos. Quanto aos conteúdos: Linguagens, códigos e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias; ciências da natureza e suas tecnologias; ciências humanas e suas tecnologias, assim como a elaboração de uma redação. Já quanto ao plano textual global da prova de redação, a leitura de textos de apoio, tanto verbais quanto multimodais; o tema associado aos conhecimentos construídos ao longo de sua formação; a produção de textodissertativo- argumentativo; produzir um texto na modalidade formal da língua, respeitando os direitos humanos O Guia do Participante (2013) Os critérios de avaliação da redação do ENEM parecem não ser claros aos participantes, visto o número baixíssimo de notas na média ou abaixo dela. Na tentativa de esclarecer esses aspectos e, talvez, tornar claros os critérios estabelecidos para a redação, o INEP criou um Guia, cujo objetivo é, além de esclarecer aspectos de avaliação adotados no processo, também, apresentar como seria uma redação considerada exemplar e responder a dúvidas dos participantes interessados. Logo após as páginas iniciais de apresentação e do sumário, o Guia do Participante, destinado a esclarecer dúvidas sobre a redação do ENEM 2013 (MEC: INEP, 2014), traz como carta 371

7 de apresentação ao participante que funciona como diálogo travado entre a instituição organizadora da Prova (INEP) e seus interlocutores, como podemos ler a seguir: Para essa análise, vamos nos reportar aos pressupostos do ISD em que (BRONCKART, 2003) afirma que ao produzir um texto, o agente mobiliza suas representações em relação ao contexto físico, social e subjetivo que aparecem no Guia da seguinte maneira: Contexto físico de produção O lugar físico da produção deste Guia do Participanteé o INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira).Desde 2012, no entanto, o INEP lançou um Guia exclusivo para a redação no ENEM com objetivos de ser um veículo de esclarecimento e compreensão da Prova escrita. Contexto físico de circulação Destinado a todos os brasileiros concluintes ou que já concluíram o Ensino Médio desejam concorrer a uma vaga em universidades, ou maiores que ainda não completaram a Educação Básica e que desejam o diploma de conclusão do Ensino Básico. Contexto sócio-subjetivo de produção Contexto sócio-subjetivo de circulação Os emissores são os organizadores da Prova e a carta assinada pelo representante e responsável maior pelo Exame, o então Presidente do INEP Luiz Cláudio da Costa, que fala em nome de um grupo de pessoas. Esse grupo forma uma comissão responsável pelas decisões e por organizar o Exame em todas as suas dimensões. O objetivo dessa interação proposta pelo Presidente do Os interlocutores deste Guia do Participante são todos os participantes que desejam usar as suas notas para o processo seletivo do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), para vagas em universidades e institutos federais que adotaram o sistema. O Enem também é usado para o candidato pedir bolsa de estudos pelo Programa Universidade para Todos (Prouni), solicitar benefícios do 372

8 INEP é estabelecer um diálogo com os Participantes. Programa de Financiamento Estudantil (Fies), o Sistema de Seleção Unificada da Educação Profissional e Tecnológica (Sisutec), o Ciências Sem Fronteiras e obter certificado de conclusão do Ensino Médio.. Esses recursos linguísticos tornam-se estratégias enunciativas, desta forma, recursos linguístico-discursivos e enunciativos, que fazem emergir as vozes sociais e da instituição governamental responsável pelo sucesso e bom andamento da Prova. As vozes que emergem dizem respeito ao próprio trabalho desenvolvido pelo INEP. Há uma busca por ofuscar as ações malsucedidas da Prova como vazamento de questões, correções insuficientes etc. Porém, o presidente não chama a responsabilidade apenas para o grupo e reforça a importância de seu trabalho dividindo-o com outras instâncias da educação como a equipe da Diretoria de Avaliação da Educação Básica (DAEB) e por especialistas na área de avaliação de textos escritos. Por fim, apresenta os objetivos desse trabalho como que atendendo ao apelo da sociedade para que sejam esclarecidos os critérios avaliativos da redação do ENEM que tanta polêmica causou no ano anterior. No quadro a seguir, apresentamos o plano textual global do Guia do Participante 2013 : 373

9 374

10 2.3. O livro didático de Língua Portuguesa Rojo (2010) chama a atenção para o fato de os livros didáticos (LD) voltarem- se para os letramentos dominantes, aqueles institucionalizados, formalizados e padronizados pela escola, as igrejas, o local de trabalho, o sistema legal, o comércio, a burocracia, o que envolve agentes como professores, autores de LD, especialistas e se distinguem dos letramentos locais vernaculares (ou autogerados) que têm sua origem na vida cotidiana e nas culturas locais (ROJO, 2010). Os Novos Estudos de Letramento, enfatizados pela autora, têm se voltado para as novas tecnologias da comunicação e da informação (NTIC). Porém, o LD tem sido considerado um das ferramentas mais utilizadas em contextos de ensino (ROJO, op.cit.). Apresentaremos como dois dos LD mais usados da região de Londrina organizam as práticas de letramento que recairão sobre a produção de texto do ENEM. Os livros selecionados, Português linguagens: literatura produção de texto gramática (CEREJA; MAGALHÃES, 2010) e Língua Portuguesa: linguagem e interação (FARACO; MOURA; MARUXO JR, 2010), Volume 3, destinado ao 3ª série do EM, pois, predominantemente, nessa série se concentram os gêneros de textos de base tipológica argumentativa. Em nossa análise, verificaremos como o gênero escolar dissertação a tipologia textual, argumentativa são abordadas nestes livros. assim como,. Portanto, como é tratado o gênero de texto dissertativo-argumentativo. No quadro a seguir, buscamos sintetizar como os dois LD, anteriormente citados, tratam da veiculação tanto do gênero (dissertação) quanto da tipologia (argumentativa): 375

11 Aspectos abordadosno ld sobre o gênero dissertativoargumentativo Plano geral LD Capítulos em que são trabalhados o gênero textual dissertação Capítulos em que é trabalhada a tipologia textual argumentativa Português linguagens: literatura produção de texto gramática, vol.3 (CEREJA; MAGALHÃES, 2010) O LD é dividido em unidades que partem de temáticas relacionadas à literatura e cada unidade em capítulos referentes à produção de textos, interpretação de textos, intervalo (sobre vestibular), intervalo (sobre projetos). Unidade 4 Capítulo 2 O texto dissertativo-argumentativo; Unidade 4 Capítulo 5 O texto dissertativo-argumentativo: o parágrafo Unidade 2 capítulo 5 As cartas argumentativas de reclamação e solicitação. Unidade 3 capítulo 2 O debate regrado público: estratégias de contra-argumentaçãoe capítulo 5 O texto argumentativo: a seleção de argumentos. Língua Portuguesa: linguagem e interação, Vol. 3 (FARACO; MOURA; MARUXO JR, 2010) O LD é dividido em unidades que se subdividemem capítulos que apresentam um gênero de texto específico; atividades para entender o texto ; as palavras no contexto; gramática textual; literatura: teoria e história; linguagem oral; língua: análise e reflexão; prática de linguagem;produção escrita. Unidade 4 Capítulo 11 A dissertação em prosa Unidade 4 capítulo 10 Correspondência formal argumentativa; capítulo 11 A dissertação em prosa e capítulo 12 O discurso político as orações coordenadas e subordinadas na 376

12 Unidade 4 - Capítulo 2 O texto elaboração dos textos dissertativo-argumentativo e argumentativos. capítulo 5 O texto dissertativoargumentativo: o parágrafo. Ocapítulo 2 trata da produção de texto, nesse caso específico do texto dissertativo-argumentativo. Em um primeiro momento com aspectos e atividades relacionados ao gênero e depois com a produção do texto dissertativoargumentativo lançando um Plano geral dos questionamento e textos sobre um tema para coleta de informações. Depois apresenta uma proposta de discussão opinando e debatendo capítulos referentes com várias perguntas relacionadas ao gênero ao tema para debate e, por fim, a dissertativoargumentativo produção do texto escrito e um quadro indicando aspectos que podem servir para o aluno avaliar o próprio texto. O capítulo 5 segue mais ou menos a mesma estrutura, mas agora o foco são os tipos de parágrafos do texto dissertativo-argumentativo e são propostos alguns exercícios relacionados e novosdados para cumprir a proposta de produção de texto. O capítulo 11 A dissertação em prosa traz no texto 1um exemplo de dissertação, e atividades relacionadasà compreensão do texto. No tópico gramática textual trabalha compercursos argumentativos e formas de raciocínio. Traz aindatextos relacionados às tendências contemporâneas da literatura brasileira. Nas páginas 213 a 218apresenta proposta de atividades orais, análise e reflexão da língua. Somente na página 318 é retomada em práticas de linguagem a relação entre a argumentação, a modalização e as orações subordinadas substantivas e a proposta de produção escrita. Plano textual global dos LD: Cereja; Magalhães (2010) e Faraco; Moura; Maruxo Jr (2010) 377

13 Embora os LD apresentados tratem do tema (dissertaçãoargumentação), as atividades oferecidas por ambos os livros parecem ser insuficientes. Além disso, se esses forem os únicos mecanismos para ensinar tanto o gênero quanto a tipologia, parece que isso não irá capacitar aos alunos para a Prova, pois, nem mesmo, são discutidas as competências e muito menos são suficientes para desenvolvê-las, quando levamos em consideração o ensino de um gênero textual sob uma concepção sociointeracionistada linguagem (BRONCKART, 2003). Como podemos observar pelo plano geral proposto pelos LD, os capítulos, referentes a cada unidade, não trabalham os aspectos relacionados à leitura (compreensão e interpretação e literatura), os tópicos de gramática e análise linguística e a produção de textos, de maneira interligada/integrada, mas como fatos linguísticos isolados, contrariando os novos princípios para ensino da língua/linguagem. Considerações finais As conquistas propostas pelo ENEM não representam, necessariamente, a melhoria do ensino e da forma como se aprende, embora o Brasil tenha estabelecido metas educacionais que estão promovendo transformações significativas no cenário educacional brasileiro, mas que revelam que não estamos alcançando qualidade educacional, principalmente, na leitura (PISA) e na escrita (redações do ENEM e provas de diferentes vestibulares).os critérios de avaliação da redação do ENEM parecem não ser claros aos participantes, visto o número baixíssimo de notas na média ou abaixo dela.os enunciados de comando do ENEM propõem objetivos diferentes dos trabalhados em sala de aula, assim, o estudante deve reconhecer e compreender, por meio da proposta, o texto gerador da questão e a prática social que o motivou. O contexto de produção da questão (nesse caso da proposta de redação) exige uma nova captura da dimensão textual que se instituiu para a prova, assim como, no reconhecimento da infraestrutura textual pertinente às condições de produção, circulação e recepção real desses textos. 378

14 Na escola, geralmente, a produção textual ocorre dissociada de qualquer contexto comunicativo constituindo, na maioria das vezes, em instrumento de avaliação utilizada pelo professor. Os alunos pouco sabem sobre as temáticas decorrentes da falta de leitura e de conhecimento dos temas e discussões atuais.há dificuldades em arrolar os aspectos relacionados a dimensões cognitivas, sociais e ideológicas para ação de linguagem a ser empreendida na produção do texto. O LD tem sido considerado uma das ferramentas mais utilizadas em contextos de ensino, segundo dados do Indicador Nacional de Alfabetismo Funcional (INAF) e é por meio da coletânea de textos do LD que podem ocorrer os eventos de letramentos (ROJO, 2010). A prática da produção da dissertação escolar é praticamente exclusiva no Ensino Médio, os alunos exercitam uma forma escrita que raramente dialoga com outros textos e/ou com vários autores. Desta forma, a escrita torna-se um trabalho nulo de função, destituído de qualquer valor interacional, sem autoria e sem recepção. As atividades oferecidas pelos livros didáticos analisados parecem ser insuficientes para ensinar tanto o gênero quanto a tipologia, parece que isso não irá capacitar aos alunos para a Prova, pois, nem mesmo, são discutidas as competências e muito menos são suficientes para desenvolvê-las. 379

15 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BAKHTIN, M /VOLOSHINOV, V. N. Marxismo e filosofia da Linguagem. Problemas fundamentais do Método Sociológico na Ciência da Linguagem. Tradução de Michel Lahud e Yara F. Vieira. 7. ed. São Paulo: Hucitec, BRONCKART, J. P. Atividade de Linguagem, Textos e Discursos: por um interacionismosociodiscursivo. 2. ed. Trad. Anna Rachel Machado e Pericles Cunha. Sao Paulo: EDUC ROJO, R. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, ZIRONDI, M. I. Um debate sobre a produção textual sugerida no ENEM e as atividades de linguagem praticadas na escola. Entretextos, Londrina, n. 6, p , jan/dez ; NASCIMENTO, E. L. Prova do Enem: o impacto de um gênero textual no ensino médio. Anais do III SIGET, ISSN: III Simpósio Internacional de Estudos de Gêneros Textuais UFMS, Santa Maria, RS: Desvendando aspectos de linguagem no ENEM: uma contribuição para o processo educacional brasileiro. Dissertação (Mestrado EM Estudos da Linguagem) Universidade estadual de Londrina,

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM MARÇO/ABRIL/2012 Considerações sobre as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio Resolução CNE/CEB

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais

ANÁLISE DOS TEXTOS PRODUZIDOS POR UMA TURMA DO 3ºANO DO ENSINO MÉDIO À LUZ DOS CRITÉRIOS DO ENEM

ANÁLISE DOS TEXTOS PRODUZIDOS POR UMA TURMA DO 3ºANO DO ENSINO MÉDIO À LUZ DOS CRITÉRIOS DO ENEM ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ANÁLISE DOS TEXTOS PRODUZIDOS POR UMA TURMA DO 3ºANO DO ENSINO

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

PROJETOS DE LETRAMENTO, SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS E PRÁTICAS DE LETRAMENTO: INSTRUMENTOS (INTER)MEDIADORES PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR

PROJETOS DE LETRAMENTO, SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS E PRÁTICAS DE LETRAMENTO: INSTRUMENTOS (INTER)MEDIADORES PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR PROJETOS DE LETRAMENTO, SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS E PRÁTICAS DE LETRAMENTO: INSTRUMENTOS (INTER)MEDIADORES PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR Thassiana Reis Félix (PG-UEL) Maria IlzaZirondi (UEL) Resumo:

Leia mais

M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1. Manual do Enem 2015

M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1. Manual do Enem 2015 M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1 Manual do Enem 2015 Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), segundo o INEP, tinha o objetivo de avaliar o desempenho do aluno ao término da escolaridade

Leia mais

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio.

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Dalva Aparecida do Carmo Constantino, UFMT, Faculdades Integradas de Rondonópolis (FAIR/UNIR). Este trabalho

Leia mais

PROPAGANDA SOCIAL: UM INSTRUMENTO DIDÁTICO DE AÇÕES DOCENTES

PROPAGANDA SOCIAL: UM INSTRUMENTO DIDÁTICO DE AÇÕES DOCENTES PROPAGANDA SOCIAL: UM INSTRUMENTO DIDÁTICO DE AÇÕES DOCENTES Jacqueline Ribeiro Fernandes Pós-Graduação Universidade Estadual de Londrina Jacfer101@hotmail.com Didática e Práticas de Ensino na Educação

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300 Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Gestão dos Profissionais da Educação Coordenação de Administração de Pessoas Instituição CETEB A adolescência e o ensino da

Leia mais

BRITO, Jéssika Pereira Universidade Estadual da Paraíba (jessikagba@hotmail.com)

BRITO, Jéssika Pereira Universidade Estadual da Paraíba (jessikagba@hotmail.com) ATUAÇÃO PIBID: REFLEXÕES SOBRE A APLICAÇÃO DO PROJETO LEITURA E PRODUÇÃO DO TEXTO OPINATIVO: DIALOGANDO COM A TIPOLOGIA TEXTUAL DISSERTATIVA/ARGUMENTATIVA BRITO, Jéssika Pereira (jessikagba@hotmail.com)

Leia mais

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Rouseleyne Mendonça de Souza NEVES Mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG Órgão financiador: CAPES

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas DISCIPLINA: Atividades de Estágio em Língua Portuguesa (Licenciatura em Letras)

Leia mais

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alciene Ribeiro Feitoza da SILVA 1 Módulo Centro Universitário Ao atuar na formação de professores de

Leia mais

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Bruna Mendes Muniz 1 Gislaine Aparecida Puton Zortêa 2 Jéssica Taís de Oliveira Silva

Leia mais

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS Dificuldades de Palestra EF e EM Todas Conscientizar sobre as dificuldades de aprendizagem aprendizagem que podem ser manifestadas pelos alunos numa sala de aula e sugerir ações de encaminhamento, conforme

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas

Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas Manoela Afonso UNESP - Campus Bauru-SP manoela_afonso@hotmail.com Comunicação Oral Pesquisa Concluída

Leia mais

CONCEPÇÕES DE PROFESSORES SOBRE GÊNEROS TEXTUAIS/DISCURSIVOS NA ESCOLA. Fernanda Cargnin Gonçalves goncalves.fernandac@gmail.com

CONCEPÇÕES DE PROFESSORES SOBRE GÊNEROS TEXTUAIS/DISCURSIVOS NA ESCOLA. Fernanda Cargnin Gonçalves goncalves.fernandac@gmail.com CONCEPÇÕES DE PROFESSORES SOBRE GÊNEROS TEXTUAIS/DISCURSIVOS NA ESCOLA Fernanda Cargnin Gonçalves goncalves.fernandac@gmail.com O que faremos? Recorte de uma pesquisa realizada no ano de 2010 com 84 professores

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC: PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DIRETORIA REGIONAL DE ARAGUAÍNA COLÉGIO ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ANANÁS TO

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DIRETORIA REGIONAL DE ARAGUAÍNA COLÉGIO ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ANANÁS TO GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DIRETORIA REGIONAL DE ARAGUAÍNA COLÉGIO ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ANANÁS TO PROJETO REFORÇO ESCOLAR PORTUGUÊS E MATEMÁTICA ATRAVÉS

Leia mais

GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE. NOME DAS DISCIPLINAS Nº DE CRÉDITOS EMENTA Teorias da Linguagem (60h/a - 04 créditos)

GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE. NOME DAS DISCIPLINAS Nº DE CRÉDITOS EMENTA Teorias da Linguagem (60h/a - 04 créditos) GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS - 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a - 04 Teorias Sociológicas (60h/a - 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA ACERCA DO PROJETO A CONSTRUÇÃO DO TEXTO DISSERTATIVO/ARGUMENTATIVO NO ENSINO MÉDIO: UM OLHAR SOBRE A REDAÇÃO DO ENEM

ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA ACERCA DO PROJETO A CONSTRUÇÃO DO TEXTO DISSERTATIVO/ARGUMENTATIVO NO ENSINO MÉDIO: UM OLHAR SOBRE A REDAÇÃO DO ENEM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA ACERCA DO PROJETO A CONSTRUÇÃO DO TEXTO DISSERTATIVO/ARGUMENTATIVO NO ENSINO MÉDIO: UM OLHAR SOBRE A REDAÇÃO DO ENEM Daniela Fidelis Bezerra Túlio Cordeiro de Souza Maria Elizabete

Leia mais

ENEM, o que é, o que objetiva?

ENEM, o que é, o que objetiva? ENEM, o que é, o que objetiva? Enem Exame Nacional do Ensino Médio Criado em 1998 com o objetivo de diagnosticar a qualidade do ensino médio no país. Em 2009, o exame ganhou uma nova função: selecionar

Leia mais

Considerações iniciais

Considerações iniciais A produção do gênero textual relatório pelo aluno pesquisador no âmbito do Projeto Bolsa Alfabetização Ana Paula P. R. Germanos Fátima Aparecida de Souza Este trabalho é resultado de pesquisa acerca da

Leia mais

OBJETIVOS 3º TRIMESTRE ENSINO MÉDIO

OBJETIVOS 3º TRIMESTRE ENSINO MÉDIO Ano: 3º ANO Disciplina: História Professor Responsável: Wladson Quiozine OBJETIVOS 3º TRIMESTRE ENSINO MÉDIO 1. Retomar os aspectos essenciais do conteúdo programático da disciplina de História do Ensino

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

Prof. Daniel Santos Redação RECEITA PARA DISSERTAÇÃO ARGUMENTAÇÃO ESCRITA - ENEM. E agora José?

Prof. Daniel Santos Redação RECEITA PARA DISSERTAÇÃO ARGUMENTAÇÃO ESCRITA - ENEM. E agora José? Prof. Daniel Santos Redação RECEITA PARA DISSERTAÇÃO ARGUMENTAÇÃO ESCRITA - ENEM E agora José? Respondam Rápido: O que encanta um homem? O que encanta uma mulher? E o que ENCANTA um corretor do ENEM?

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

DIGITAL STORYTELLING: O GÊNERO NARRATIVA AUTOBIOGRÁFICA DIGITAL EM AULAS DE INGLÊS

DIGITAL STORYTELLING: O GÊNERO NARRATIVA AUTOBIOGRÁFICA DIGITAL EM AULAS DE INGLÊS DIGITAL STORYTELLING: O GÊNERO NARRATIVA AUTOBIOGRÁFICA DIGITAL EM AULAS DE INGLÊS Débora Bortolon (Colégio Estadual Castelo Branco /Paraná) Terezinha Marcondes Diniz Biazi (/UNICENTRO/GP) e-mail: emebiazi@hotmail.com

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PLANO DE ENSINO. Modalidade de Ensino: Componente Curricular: Comunicação e Linguagem

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PLANO DE ENSINO. Modalidade de Ensino: Componente Curricular: Comunicação e Linguagem 1 IDENTIFICAÇÃO Curso: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Licenciatura em Química Componente Curricular: Comunicação e Linguagem PLANO DE ENSINO Modalidade de Ensino: Superior

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES ESCOLA BÁSICA LUÍS DE STTAU MONTEIRO - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE LOURES AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES DOMÍNIOS / CRITÉRIOS 3º Ciclo DISCIPLINA COGNITIVO / OPERATIVO E INSTRUMENTAL CONHECIMENTOS

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA COM ÊNFASE EM MULTILETRAMENTOS O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS Monissa Mattos - 2 Ten CMPA LETRAMENTO letrar é mais do que alfabetizar,

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula OFICINA SEMIPRESENCIAL O(S) USO(S) DE DOCUMENTO(S) DE ARQUIVO NA SALA DE AULA ALUNA: Alcinéia Emmerick de Almeida / Núcleo de Ação Educativa - APESP SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula TEMA:

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS 1 A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS RESUMO: Este trabalho apresenta a pesquisa, que está em andamento, que tem como objetivo

Leia mais

como tutor, com a finalidade de estimular o processo de aprendizagem dos estudantes da

como tutor, com a finalidade de estimular o processo de aprendizagem dos estudantes da PROJETO FEIRA DE ITABAIANA: RELATOS DE UMA ATIVIDADE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DO FUTURO PROFESSOR Crislaine Barreto de Gois (UFS) 1 Antônio Carlos Pinto Oliveira (UFS) Sérgio Matos Santos (UFS)

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

Elaboração de projetos

Elaboração de projetos Ano: 2013 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ARLINDO RIBEIRO Professor: ELIANE STAVINSKI PORTUGUÊS Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA / LITERATURA Série: 2ª A e B CONTEÚDO ESTRUTURANTE: DISCURSO COMO

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática PROF. MS. JOSÉ JOÃO DE MELO (josejoaomelo@gmail.com) PROF ESP. AUGUSTO RATTI FILHO (gutoratti@outlook.com.br) PROF DR. ROGERIO

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

REVISÃO E REESCRITA DO GÊNERO CARTA DO LEITOR: O FOCO NA CORREÇÃO DO PROFESSOR

REVISÃO E REESCRITA DO GÊNERO CARTA DO LEITOR: O FOCO NA CORREÇÃO DO PROFESSOR REVISÃO E REESCRITA DO GÊNERO CARTA DO LEITOR: O FOCO NA CORREÇÃO DO PROFESSOR Gabriela Martins Mafra (PICV), Eliana Merlin Deganutti de Barros (orientadora), e-mail: gabi_martins_mafra@hotmail.com. Universidade

Leia mais

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA Maria Ignez de Souza Vieira Diniz ignez@mathema.com.br Cristiane Akemi Ishihara crisakemi@mathema.com.br Cristiane Henriques Rodrigues Chica crischica@mathema.com.br

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Exame Nacional do Ensino Médio ENEM 2013

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Exame Nacional do Ensino Médio ENEM 2013 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Exame Nacional do Ensino Médio ENEM 2013 Balanço ENEM 2012 ENEM 2012 INSCRITOS / PARTICIPANTES (milhões) ENEM

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Médio ETEC: MONSENHOR ANTÔNIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA SP Área de conhecimento: Linguagem, Código e suas Tecnologias. Componente Curricular: LÍNGUA PORTUGUESA

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2010 Programa: Pós-Graduação stricto sensu em Educação/PPGE Área de Concentração: Sociedade,

Leia mais

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL Jéssica Goulart da Silva Universidade Federal do Pampa

Leia mais

OS GÊNEROS ORAIS NO ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA: ANÁLISE DE ATIVIDADES DE COMPREENSÃO ORAL

OS GÊNEROS ORAIS NO ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA: ANÁLISE DE ATIVIDADES DE COMPREENSÃO ORAL OS GÊNEROS ORAIS NO ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA: ANÁLISE DE ATIVIDADES DE COMPREENSÃO ORAL Viviane Cristina POLETTO-LUGLI (UEM FAFIJAN) ISBN: 978-85-99680-05-6 REFERÊNCIA: POLETTO-LUGLI, Viviane Cristina.

Leia mais

Anais do X Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR

Anais do X Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR Marta Aline Buckta (G-CLCA-UENP/CJ) Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (Orientadora CLCA-UENP/CJ) Introdução Motivada pelo desejo e pela necessidade,

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

A REDAÇÃO DO ENEM Brasília DF, outubro de 2011

A REDAÇÃO DO ENEM Brasília DF, outubro de 2011 A REDAÇÃO DO ENEM Brasília DF, outubro de 2011 Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Malvina Tania Tuttman Diretora de Avaliação da Educação Básica Maria

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE ARTIGO DE OPINIÃO : UM OLHAR INCLUSIVO E UM SER MAIS CIDADÃO

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE ARTIGO DE OPINIÃO : UM OLHAR INCLUSIVO E UM SER MAIS CIDADÃO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SEQUÊNCIA

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos UMA ANÁLISE DOS GÊNEROS DIGITAIS PRESENTES NOS LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO MÉDIO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo elainevasquez@ig.com.br RESUMO Este artigo discute os gêneros digitais que são abordados

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

OS GÊNEROS E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA: MUITAS PEDRAS NO CAMINHO.

OS GÊNEROS E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA: MUITAS PEDRAS NO CAMINHO. OS GÊNEROS E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA: MUITAS PEDRAS NO CAMINHO. Tânia Cristina Lemes Machado (UFMT) * Novos horizontes, velhas práticas A formação docente tem sido cada vez mais questionada

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 C U R S O D E E N G E N H A R I A C I V I L Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 Componente Curricular: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL Código: ENG. 000 Pré-requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais

Leitura e Literatura

Leitura e Literatura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAB Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para Educação BásicaB Leitura e Literatura Dia e Semana Nacional da Leitura

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos (RE)DISCUTINDO AS ATIVIDADES DE LEITURA EM LIVROS DIDÁTICOS DE LINGUA PORTUGUESA SOB O VIÉS DO LETRAMENTO CRÍTICO Rosenil Gonçalina dos Reis e Silva (UFMT) rosenilreis@gmail.com Simone de Jesus Padilha

Leia mais

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente A Prova Docente: Breve Histórico Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Instituída pela Portaria Normativa nº 3, de

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

COMO SERÁ ELABORADA A PROPOSTA DE TEMA PARA A REDAÇÃO DO ENEM?

COMO SERÁ ELABORADA A PROPOSTA DE TEMA PARA A REDAÇÃO DO ENEM? COMO SERÁ ELABORADA A PROPOSTA DE TEMA PARA A REDAÇÃO DO ENEM? A proposta para a redação do Enem é elaborada de forma a possibilitar que os participantes, a partir dos subsídios oferecidos, realizem uma

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

Novas possibilidades de leituras na escola

Novas possibilidades de leituras na escola Novas possibilidades de leituras na escola Mariana Fernandes Valadão (UERJ/EDU/CNPq) Verônica da Rocha Vieira (UERJ/EDU/CNPq) Eixo 1: Leitura é problema de quem? Resumo A nossa pesquisa pretende discutir

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções:

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: PROJETO DE PESQUISA Antonio Joaquim Severino 1 Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: 1. Define e planeja para o próprio orientando o caminho a ser seguido no desenvolvimento do trabalho

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

FUNDAÇÃO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE LINHARES - FACELI FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES - FACELI

FUNDAÇÃO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE LINHARES - FACELI FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES - FACELI FUNDAÇÃO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE LINHARES - FACELI FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES - FACELI CURSO DE PEDAGOGIA PROJETO DE EXTENSÃO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DAS

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco REDAÇÃO AULA 5 Professora Sandra Franco DISSERTAÇÃO 1. Definição de Dissertação. 2. Roteiro para dissertação. 3. Partes da dissertação. 4. Prática. 5. Recomendações Gerais. 6. Leitura Complementar. 1.

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PARANÁ GOVERNO DO ESTADO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS - DPPE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PDE Anexo I Professor PDE FORMULÁRIO DE ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Filosofia e Redação Interpretação, Argumentação e Produção Textual. Analisando o Conteúdo Filosófico Presente nas Redações nota 1000 do ENEM

Filosofia e Redação Interpretação, Argumentação e Produção Textual. Analisando o Conteúdo Filosófico Presente nas Redações nota 1000 do ENEM Filosofia e Redação Interpretação, Argumentação e Produção Textual Analisando o Conteúdo Filosófico Presente nas Redações nota 1000 do ENEM Projeto de Produção Discente Elaborado pelo Departamento de Filosofia

Leia mais

Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná

Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE METODOLOGIA PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS E ALFABETIZAÇÃO FORMAÇÃO DE DOCENTES

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

As Formas de Ingresso em Universidades Públicas e Privadas através do ENEM

As Formas de Ingresso em Universidades Públicas e Privadas através do ENEM As Formas de Ingresso em Universidades Públicas e Privadas através do ENEM Prof. Ph. D. João Benedito dos Santos Jr. Prof. M. Sc. Will Ricardo dos Santos Machado Curso de Bacharelado em Ciência da Computação

Leia mais