FUNCIONAMENTO DO CONGRESSO NACIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNCIONAMENTO DO CONGRESSO NACIONAL"

Transcrição

1 FUNCIONAMENTO DO CONGRESSO NACIONAL - legislatura: tem duração de quatro anos e corresponde ao período que vai do início do mandato dos membros da Câmara dos Deputados até o seu término (art. 44, par. ún.) - sessões preparatórias: realizadas no início de cada legislatura, a partir de 1.º de fevereiro (art. 57, 4.º) - sessão legislativa ordinária: - período no qual deve estar reunido o Congresso para os trabalhos Legislativos - ocorre em dois períodos legislativos: de 02 de fevereiro a 17 de julho e de 1.º de agosto a 22 de dezembro (art. 57) - não será interrompida: (i) sem a aprovação do projeto de lei de diretrizes orçamentárias (art. 57, 2.º), que deve ocorrer até o encerramento do primeiro período legislativo (art. 35, 2.º, do ADCT), (ii) sem a aprovação do projeto de lei orçamentária anual, que deve ocorrer até o encerramento da sessão legislativa (art. 35, 3.º, do ADCT) - recesso parlamentar: de 23 de dezembro a 01 de fevereiro (31 de janeiro para o primeiro ano da legislatura) - sessão legislativa extraordinária (art. 57, 6.º): pode ser convocada durante o recesso parlamentar, nas seguintes situações: (i) pelo Presidente do Senado Federal, em caso de decretação de estado de defesa ou de intervenção federal, de pedido de autorização para a decretação de estado de sítio e para o compromisso e posse do Presidente e do Vice-Presidente da República (ii) pelo Presidente da República, pelos Presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, ou a requerimento da maioria dos membros de ambos, em caso de urgência ou interesse público relevante - o Congresso Nacional só pode deliberar sobre matéria para a qual foi convocada a sessão legislativa extraordinária, sendo vedado o

2 pagamento de parcela indenizatória em valor superior ao subsídio mensal (art. 57, 7.º), incluindo-se automaticamente as medidas provisórias em vigor (art. 57, 8.º) - sessões ordinárias: são as reuniões diárias dos congressistas, realizadas nos dias úteis (art. 57, 1.º), de acordo com a disciplina estabelecida no regimento interno, sendo divididas, em regra, em 3 partes: (i) pequeno expediente, com duração de aproximadamente 1h (ii) grande expediente, com duração de aproximadamente 1h30m (iii) ordem do dia, com duração de aproximadamente 2h30m - sessões extraordinárias: são as reuniões dos congressistas fora do horário das sessões ordinárias, para apreciar matéria já determinada ou concluir a apreciação do que já tenha tido discussão iniciada - reuniões conjuntas: quando todos os congressistas (do Senado Federal e da Câmara dos Deputados) se reúnem para tratar de alguns assuntos (art. 57, 3.º), em sessão conduzida pela Mesa do Congresso Nacional (art. 57, 5.º): (i) inaugurar a sessão legislativa (ii) elaborar o regimento comum e regular a criação de serviços comuns às duas Casas (iii) receber o compromisso do Presidente e do Vice-Presidente da República (iv) conhecer do veto e sobre ele deliberar - quórum (art. 47): (i) de instalação: exigido para se dar início a uma sessão. A regra é a maioria absoluta (primeiro número inteiro acima da metade) (ii) de deliberação: exigido para que haja a decisão positiva sobre a matéria discutida. A regra é a maioria simples, mas em alguns casos se exige maioria absoluta (art. 55, 2.º; art. 66, 4.º e 69) ou maioria qualificada de 3/5 dos membros da casa legislativa

3 (art. 60, 2.º) ou de 2/3 dos membros da casa legislativa (art. 51, I; art. 52, par. ún. e 86) (a) atos legislativos - emendas à Constituição - leis complementares - leis ordinárias - leis delegadas - medidas provisórias - decretos legislativos - resoluções (b) atos do processo legislativo (b.1) iniciativa legislativa: PROCESSO LEGISLATIVO - faculdade que se atribui a alguém ou a algum órgão de apresentar projeto de lei, deflagrando o processo legislativo - iniciativa pode ser privativa (exclusiva) ou concorrente - iniciativa privativa do Presidente da República (art. 61, 1.º) - iniciativa privativa do STF (arts. 93 e 99, 2.º, I) - iniciativa privativa dos Tribunais Superiores (STJ, TST, TSE, STM): alteração do número dos membros dos Tribunais Inferiores; criação e extinção de cargos e fixação de subsídios de seus membros, dos juízes, inclusive dos Tribunais Inferiores, onde houver, e dos serviços auxiliares e os do juízo que lhes forem vinculados - Súmula 5/STF: a sanção do projeto supre a falta de iniciativa do Poder Executivo (cancelada)

4 - princípio da simetria : vinculação dos Estados, DF e Municípios às regras de iniciativa privativa - existe a iniciativa popular (art. 61, 2.º): projeto de lei subscrito por, no mínimo, um por cento do eleitorado nacional, distribuído pelo menos por cinco Estados, com não menos de três décimos por cento dos eleitores de cada um deles (b.2) emendas: - possibilidade conferida aos membros ou órgãos (p. ex. Comissões) de cada uma das Casas do Congresso Nacional de se alterar o projeto de lei, apresentando-se emendas aditivas ou supressivas - impossibilidade de emenda parlamentar que introduza em projeto de lei matéria de iniciativa privativa do Presidente da República ou que não guarde pertinência temática com o projeto de lei - possibilidade, porém, de emenda parlamentar que introduza em projeto de lei matéria de iniciativa privativa dos Tribunais Superiores. Só não pode haver aumento de despesa e as emendas devem guardar pertinência temática - impossibilidade, em regra, de emendas parlamentares que aumentem despesas em projetos de lei de iniciativa privativa do Presidente da República - admite-se, porém, emendas que resultem no aumento de despesa, no caso de projeto de lei do orçamento anual ou a projetos que o modifiquem, desde que: (i) compatíveis com o plano plurianual e com a lei de diretrizes orçamentárias; (ii) indiquem os recursos necessários, mediantes anulação de despesas que não sejam de dotações de pessoal e seus encargos, serviço da dívida e transferências tributárias constitucionais para os Estados, Municípios e DF; (iii) sejam relacionadas com a correção de erros ou omissões ou com os dispositivos do texto do projeto de lei. Também são permitidas emendas ao projeto de lei de diretrizes orçamentárias quando compatíveis com o plano plurianual (art. 63, I c/c 166, 3.º e 4.º)

5 (b.3) votação: - deliberações das Casas Legislativas - é precedida de estudos e pareceres de comissões técnicas (permanentes ou especiais) e de debates em plenário - é ato de decisão (arts. 65 e 66), que se toma por maioria de votos: (i) maioria simples (ou relativa), para aprovação de projetos de lei ordinária (art. 47); (ii) maioria absoluta, para aprovação de lei complementar (art. 69); (iii) maioria de três quintos, para aprovação de emendas constitucionais (art. 60, 2.º) (b.4) sanção/veto: - são atos privativos do Chefe do Poder Executivo (art. 84, IV e V), que recaem sobre os projetos de lei ordinária e de lei complementar (não existem para as emendas constitucionais) - a sanção pode ser expressa ou tácita (se decorridos 15 dias úteis e não houver manifestação art. 66, 1.º e 3.º) - o veto pode ser total ou parcial e é exercido quando o Chefe do Poder Executivo entende que o projeto de lei é inconstitucional ou contrário ao interesse público. Se parcial, deve se referir ao texto integral de artigo, parágrafo, de inciso ou alínea (art. 66, 2.º) - o veto não põe fim ao processo legislativo. O projeto de lei vetado é encaminhado ao Presidente do Senado Federal no prazo de 48 horas (art. 66, 1.º) e pode ser derrubado em sessão conjunta, com quorum qualificado de maioria absoluta e votação secreta (b.5) promulgação e publicação: - promulgação é a comunicação de que a lei foi criada com determinado conteúdo

6 - publicação é o instrumento pelo qual se transmite a promulgação, sendo condição para a lei entrar em vigor e se tornar eficaz (c) procedimentos legislativos (c.1) ordinário, com 5 fases: (c.1.1) introdutória: - só não se iniciam na Câmara dos Deputados a discussão e a votação de projetos propostos por Senador ou comissão do Senado - a Casa onde se inicia o processo legislativo é chamada de Casa Iniciadora (c.1.2) exame do projeto nas comissões permanentes: - aqui são feitas as emendas e, em alguns casos, os substitutivos dos projetos (c.1.3) discussões: - nas comissões e em plenário (c.1.4) decisória: - observando-se o quorum para aprovação do projeto (c.1.5) revisória: - quando o projeto de lei aprovado pela Casa Iniciadora é enviado à Casa Revisora, onde haverá também o exame do projeto nas comissões permanentes, a fase de discussões é a fase decisória - a Casa onde se revisa o projeto de lei é chamada de Casa Revisora - se houver alteração na Casa Revisora (aprovação de emendas), o projeto deve ser encaminhado à Casa

7 Iniciadora, que só poderá apreciar a matéria objeto de alteração, o que deverá ser feito no prazo de 10 dias, entrando, após o decurso desse prazo, em regime de urgência (art. 64, 3.º) - o projeto de lei pode ser rejeitado tanto na Casa Iniciadora quanto na Casa Revisora, quando será arquivado e só poderá ser objeto de novo projeto, na mesma sessão legislativa, mediante proposta da maioria absoluta de qualquer das Casas do Congresso Nacional (art. 67) * após a aprovação, o projeto de lei é enviado para sanção/veto do Presidente da República e, após a sanção tácita (decurso do prazo de 15 dias úteis sem manifestação) (art. 66, 3.º) ou a comunicação da derrubada do veto (art. 66, 5.º), se decorridos 48 horas e não houver a promulgação, o Presidente do Senado Federal a fará (art. 66, 7.º) (c.2) sumário (regime de urgência art. 64, 1.º e 2.º): - depende de solicitação do Presidente da República - 45 dias para a apreciação do projeto pela Câmara dos Deputados e 45 dias para a apreciação do projeto pelo Senado Federal, sendo que, se houver emendas pela Casa Revisora, o projeto deve ser novamente apreciado pela Casa Iniciadora em 10 dias (art. 64, 3.º) - decorrido o prazo, ficam sobrestadas todas as deliberações legislativas da Casa, com exceção das que tenham prazo constitucional determinado (p. ex.: MP) (d) atos legislativos em espécie: (d.1) emendas constitucionais: reforma constitucional - poder constituinte originário (inicial, ilimitado e incondicional (ou autônomo) x poder constituinte derivado (derivado, limitado e condicionado)

8 - reforma constitucional x revisão constitucional x mutação constitucional - revisão : art. 3.º do ADCT (5 primeiros anos de vigência da Constituição) - mutação : processo informal de mudança (ou reforma) da Constituição (p. ex., pela interpretação evolutiva ) - reforma : obra do poder constituinte derivado, sendo um processo formal de mudança da Constituição, com observância dos seguintes limites: (i) explícitos ou expressos: (i.a) formais: (art. 60, I a III e 2.º e 3.º) (i.b) circunstanciais (ou temporais): art. 60, 1.º e 5.º (i.c) materiais: cláusulas pétreas = cláusulas de identidade = cláusulas superconstitucionais = cláusulas intangíveis (art. 60, 4.º) (ii) implícitos: (ii.a) supressão dos limites expressos (ii.b) alteração referentes ao titular do poder constituinte derivado reformador (d.2) leis ordinárias e leis complementares: - a razão de existência da lei complementar consubstancia-se no fato do legislador constituinte ter entendido que determinadas matérias, apesar da evidente importância, não deveriam ser regulamentadas na própria Constituição Federal, sob pena de engessamento de futuras alterações; mas, ao mesmo tempo, não poderiam comportar constantes alterações através de um processo legislativo ordinário

9 - a única diferença no processo legislativo é que o quorum de deliberação para as leis complementares é de maioria absoluta (art. 69) - lei complementar pode tratar de matéria que não lhe foi reservada pela Constituição? - existe hierarquia entre lei complementar e lei ordinária? (d.3) lei delegada: - a delegação se dá por meio da edição de uma resolução - o Congresso pode estabelecer as restrições que entender necessárias, tais como: prazo para o exercício, linhas gerais da lei, período de vigência etc. - a delegação não pode ultrapassar a legislatura - a delegação não tem força vinculante. Uma vez concedida, cabe ao Presidente exercê-la ou não - a delegação pode ser: (a) típica ou própria: quando o processo legislativo se esgota no âmbito do Poder Executivo, que elabora, promulga e publica a lei; (b) atípica ou imprópria: se o Congresso Nacional se reservar o direito de apreciar o projeto elaborado pelo Presidente da República, devendo apreciá-lo em votação única, vedada a apresentação de qualquer emenda - o Congresso Nacional pode sustar a lei delegada elaborada em desrespeitos aos limites da delegação (art. 49, V) (d.4) leis ordinárias e leis complementares: - no sistema anterior, havia os Decretos-lei - a relevância e a urgência. Discricionariedade reside: (a) no momento da prática do ato; (b) no motivo do ato; (c) na finalidade do ato; e (d) no conteúdo do ato (só não

10 existe discricionariedade quanto à forma). O controle pelo Poder Judiciário - o força de lei (= eficácia de lei). Não revoga lei; suspende a sua eficácia - os abusos na utilização das medidas provisórias ( ditadura constitucional ) levaram à edição da EC n.º 32/ agora há vedação expressa à utilização de medidas provisórias sobre determinadas matérias (art. 62, 1. ), o que antes não existia - prazo de eficácia: 60 dias, prorrogável uma vez por igual período - o Presidente da República deve submetê-las de imediato ao Congresso Nacional, iniciando-se sua votação na Câmara dos Deputados - o Congresso Nacional pode: (a) aprovar a MP, com ou sem alterações; ou (b) rejeitá-la, expressa ou tacitamente - chegando ao Congresso Nacional, a MP será encaminhada para uma Comissão Mista de Deputados e Senadores, que apresentarão parecer sobre sua aprovação ou não (art. 62, 9.º) - após a análise pela Comissão Mista, a MP é encaminhada à Câmara dos Deputados, que realizará a primeira deliberação, devendo, antes de analisar o mérito, verificar a presença da relevância e urgência - quórum de deliberação: maioria simples - após a aprovação pela Câmara dos Deputados, deverá o Senado proceder da mesma forma, ou seja, realizará a deliberação, devendo, antes de analisar o mérito, verificar a presença da relevância e urgência

11 - podem haver emendas aditivas ou supressivas, sob pena de se vincular o Poder Legislativo integralmente à vontade inicial do Poder Executivo - aprovando-se a MP com alterações, estará o Congresso Nacional transformando-a em projeto de lei de conversão, devendo enviá-lo para sanção/veto do Presidente da República, mantendo-se integralmente em vigor a MP até que haja a sanção/veto do Presidente da República - se não houver alterações, cabe ao Presidente do Senado Federal promulgar a MP, devendo o Presidente da República publicá-la (não havendo oportunidade para sanção/veto) - a MP deve ser apreciada em até 45 dias contados de sua publicação, entrando, a partir daí, em regime especial de urgência, subseqüentemente, em cada uma das Casas do Congresso Nacional, ficando sobrestadas todas as deliberações legislativas até que se ultime a votação ( trancamento de pauta ) (art. 60, 6.º). Se ultrapassar os 60 dias e não houver deliberação do Congresso Nacional, prorroga-se uma vez e por igual período o período de vigência da MP (art. 60, 7.º) - tratando-se de sessão legislativa extraordinária (por força de convocação extraordinária), as MP s em vigor entram automaticamente na pauta de convocação (art. 57, 8.º) - há necessidade de edição de decreto legislativo pelo Congresso Nacional para disciplinar as relações jurídicas constituídas e decorrentes de atos praticados durante a vigência da MP, nos casos de (i) aprovação da MP com alterações, (ii) rejeição da MP; (iii) perda de eficácia pelo decurso do prazo. Nas duas últimas situações, se não for editado o decreto legislativo no prazo de 60 dias, as relações jurídicas constituídas e decorrentes de atos praticados durante a vigência da MP conservar-se-ão por ela regidas (art. 60, 11.º)

12 - art. 62, 10.º: é vedada a reedição, na mesma sessão legislativa, de medida provisória que tenha sido rejeitada ou que tenha perdido sua eficácia por decurso de prazo. A doutrina sustenta que não poderá mais haver a reedição em nenhuma hipótese. A jurisprudência do STF admitia, antes da alteração da EC n.º 32/2001, que pudesse haver a reedição só quando houvesse a rejeição tácita - revogação de MP por outra MP: o que ocorre é que a segunda MP suspende os efeitos da primeira, podeendo ao Congresso Nacional agir de três maneiras: (i) aprova a segunda MP, transformando-a em lei. Com isso a revogação da primeira MP torna-se definitiva; (ii) rejeita a segunda MP e aprova a primeira (que estava com seus efeitos suspensos), convertendo-a em lei, quando retornarão seus efeitos; (iii) rejeita ambas as MP s, devendo regulamentar as relações jurídicas por meio de decreto legislativo (d.5) decretos legislativos: - espécie normativa destinada a veicular matérias de competência exclusiva do Congresso Nacional (art. 49), além de ser utilizado para disciplinar as relações jurídicas decorrentes de Medida Provisória rejeitada (art. 62, 3.º) - os decretos legislativos devem ser, obrigatoriamente, instruídos, discutidos e votados em ambas as Casas Legislativas, e se aprovados serão promulgados pelo Presidente do Senado Federal, na qualidade de Presidente do Congresso Nacional, que determinará a sua publicação - não há participação do Presidente da República na elaboração de decretos legislativos - os tratados e atos internacionais são aprovados mediante a edição de decreto legislativo (art. 49, I). O decreto legislativo contém, a um só tempo, a aprovação do tratado e a autorização para que o Presidente da República o ratifique através da publicação - mas a edição do decreto legislativo, aprovando o tratado, não contém uma ordem de execução do tratado

13 no território nacional, uma vez que somente ao Presidente da República cabe decidir sobre sua ratificação (d.6) resoluções: - ato do Congresso Nacional ou de qualquer de suas casas, tomado por procedimento diferente do previsto para a elaboração das leis, destinado a regular matéria de competência do Congresso Nacional ou de competência privativa do Senado Federal ou da Câmra dos Deputados (Alexandre de Moraes) - o procedimento legislativo para a elaboração de resoluções é disciplinado nos regimentos internos - podem ter as seguintes finalidades: (a) atos políticos (que referenda nomeação em cargos públicos); (b) atos deliberativos (fixação de alíquotas de tributos); (c) atos de co-participação na função judicial (suspensão de lei declarada inconstitucional pelo STF); (d) atos-condição da função legislativa (autorização ao Executivo para elaborar lei delegada)

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

SUMÁRIO AGRADECIMENTOS... 17. INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21

SUMÁRIO AGRADECIMENTOS... 17. INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21 STF00094362 SUMÁRIO NOTA DO AUTOR... 15 AGRADECIMENTOS... 17 LISTA DE ABREVIATURAS UTILIZADAS... 19 INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21 CAPÍTULO 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 1, DE 2002-CN(*)

R E S O L U Ç Ã O Nº 1, DE 2002-CN(*) REPUBLICAÇÃO ATOS DO CONGRESSO NACIONAL R E S O L U Ç Ã O Nº 1, DE 2002-CN(*) Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Ramez Tebet, Presidente do Senado Federal, nos termos do parágrafo único

Leia mais

SABER DIREITO FORMULÁRIO

SABER DIREITO FORMULÁRIO Programa Saber Direito TV Justiça Outubro de 2010 Curso: Poder Constituinte Professor: André Alencar SABER DIREITO FORMULÁRIO TÍTULO DO CURSO PODER CONSTITUINTE PROFESSOR ANDRÉ ALENCAR TÍTULO Máximo de

Leia mais

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Tributário Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Processo Legislativo

Processo Legislativo Processo Legislativo Os Projetos de Lei Ordinária e de Lei Complementar são proposições que visam regular toda a matéria legislativa de competência da Câmara e devem ser submetidos à sanção do prefeito

Leia mais

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO Em resposta à questão de ordem apresentada pelo Senador

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do 3º do art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte Emenda ao texto constitucional:

Leia mais

CONGRESSO NACIONAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 675 DE, 21 DE MAIO DE 2015.

CONGRESSO NACIONAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 675 DE, 21 DE MAIO DE 2015. CONGRESSO NACIONAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 675 DE, 21 DE MAIO DE 2015. (Mensagem nº 153, de 2015, na origem) Altera a Lei nº 7.689, de 15 de dezembro de 1988, para elevar a alíquota da Contribuição Social

Leia mais

II - Fontes do Direito Tributário

II - Fontes do Direito Tributário II - Fontes do Direito Tributário 1 Fontes do Direito Tributário 1 Conceito 2 - Classificação 3 - Fontes formais 3.1 - principais 3.2 complementares 4 Doutrina e jurisprudência 2 1 - Conceito As fontes

Leia mais

Evolução do fenômeno da tributação

Evolução do fenômeno da tributação Evolução do fenômeno da tributação COM A GRADATIVA EVOLUÇÃO DAS DESPESAS PÚBLICAS, PARA ATENDER ÀS MAIS DIVERSAS NECESSIDADES COLETIVAS, TORNOU-SE IMPRESCINDÍVEL AO ESTADO LANÇAR MÃO DE UMA FONTE REGULAR

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO I DO PODER LEGISLATIVO Seção II Das Atribuições do Congresso Nacional Art. 49. É da competência exclusiva

Leia mais

Emendas a projetos de lei de crédito adicional

Emendas a projetos de lei de crédito adicional Emendas a projetos de lei de crédito adicional FRANCISCO DE PAULA SCHETTINI SUMÁRIO 1. Introdução. 2. Créditos adicionais. 2.1. Classificação. 2.2. Créditos extraordinários. 2.3. Créditos suplementares

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

Legislador VII - Etapas da Tramitação de um Projeto de Lei

Legislador VII - Etapas da Tramitação de um Projeto de Lei Legislador VII - Etapas da Tramitação de um Projeto de Lei Processo Legislativo é o procedimento a ser observado para a formação das Leis, estabelecido por disposições constitucionais e pelos regimentos

Leia mais

Organização dos Poderes: legislativo, executivo e judiciário

Organização dos Poderes: legislativo, executivo e judiciário Organização dos Poderes: legislativo, executivo e judiciário DA ESTRUTURA BÁSICA DA FEDERAÇÃO ENTIDADES COMPONENTES DA FEDERAÇÃO BRASILEIRA 1) Componentes do Estado Federal: a organização políticoadministrativa

Leia mais

Publicação, Identificação e Formulário dos Diplomas

Publicação, Identificação e Formulário dos Diplomas Publicação, Identificação e Formulário dos Diplomas Lei n.º 74/98, de 11 de novembro com as alterações introduzidas pela Lei n.º 2/2005, de 24 de janeiro 1 2, Lei n.º 26/2006, de 30 de junho, Lei n.º 42/2007,

Leia mais

REDAÇÃO OFICIAL LEIS

REDAÇÃO OFICIAL LEIS REDAÇÃO OFICIAL LEIS Lei Ordinária Definição A lei ordinária é um ato normativo primário e contém, em regra, normas gerais e abstratas. Embora as leis sejam definidas, normalmente, pela generalidade e

Leia mais

TRAMITAÇÃO DO PROJETO DE LEI DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL LOA: AUMENTO DA DESPESA TOTAL FIXADA PELO EXECUTIVO

TRAMITAÇÃO DO PROJETO DE LEI DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL LOA: AUMENTO DA DESPESA TOTAL FIXADA PELO EXECUTIVO TRAMITAÇÃO DO PROJETO DE LEI DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL LOA: AUMENTO DA DESPESA TOTAL FIXADA PELO EXECUTIVO Prezados amigos concursandos! Desejo a todos que estão se preparando para o concurso do TCU um

Leia mais

Vícios de Constitucionalidade

Vícios de Constitucionalidade Vícios de Constitucionalidade Vício Formal Nomodinâmico O Vício Formal ocorre durante o processo legislativo, dando a idéia de dinamismo, movimento. Vício quanto ao processo legislativo Vicio Formal é

Leia mais

CESPE/UnB Câmara dos Deputados Aplicação: 2014 PROVA DISCURSIVA P 3

CESPE/UnB Câmara dos Deputados Aplicação: 2014 PROVA DISCURSIVA P 3 PROVA DISCURSIVA P 3 Nesta prova, faça o que se pede, usando, caso queira, os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva os textos para o CADERNO DE TEXTOS DEFINITIVOS

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 200, DE 2015 (Do Sr. Pompeo de Mattos)

PROJETO DE LEI N.º 200, DE 2015 (Do Sr. Pompeo de Mattos) *C0051224A* C0051224A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 200, DE 2015 (Do Sr. Pompeo de Mattos) Altera o Parágrafo único do art. 66 da Lei nº 6.815, de 19 de agosto de 1980. DESPACHO: ÀS COMISSÕES

Leia mais

Controle de Constitucionalidade. Desenvolvido por :

Controle de Constitucionalidade. Desenvolvido por : Controle de Constitucionalidade Desenvolvido por : Prof. Raul de Mello Franco Júnior e-mail: raul@mp.sp.gov.br Página: www.raul.pro.br Versão para Impressão www.tonirogerio.com.br Conceito Controlar a

Leia mais

Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa:

Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa: Conceito Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa: a) impedir a subsistência da eficácia de norma contrária à Constituição (incompatibilidade vertical) b) conferir eficácia plena

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA UFPI Aprova o Regimento do Conselho de Administração da UFPI. O Reitor da Universidade Federal do Piauí e Presidente do Conselho de Administração,

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Tribunal de Justiça do Estado J julgou improcedente ação direta de inconstitucionalidade proposta pelo Prefeito do município W, tendo o acórdão declarado constitucional

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas TREINAMENTO AOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DE RORAIMA Módulo: Processos e Técnicas Legislativas Noções Básicas de Direito Administrativo e Administração Pública Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CONSELHEIRO LAFAIETE CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO Conselheiro Lafaiete - 2013 2 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 3 DAS

Leia mais

160945 Agrupamento de Escolas de Esgueira ÍNDICE

160945 Agrupamento de Escolas de Esgueira ÍNDICE ÍNDICE Artigo 1.... 4 Finalidades... 4 Artigo 2.... 4 Composição... 4 Artigo 3.... 4 Competências do Conselho Geral... 4 Artigo 4º... 5 Duração do Mandato... 5 Artigo 5º... 5 Perda do Mandato... 5 Artigo

Leia mais

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem:

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem: Regimento Interno Objeto Composição e Competência Presidência Reuniões Ordem dos Trabalhos Disposições Gerais Capítulo I Objeto Art. 1.º - Em cumprimento ao Estatuto Social da Associação dos Funcionários

Leia mais

Outrossim, ficou assim formatado o dispositivo do voto do Mn. Fux:

Outrossim, ficou assim formatado o dispositivo do voto do Mn. Fux: QUESTÃO DE ORDEM Nos termos do art. 131 e seguintes do Regimento do Congresso Nacional, venho propor a presente QUESTÃO DE ORDEM, consoante fatos e fundamentos a seguir expostos: O Congresso Nacional (CN)

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

Curso de Regimento Interno da Câmara dos Deputados Prof. Gabriel Dezen Junior

Curso de Regimento Interno da Câmara dos Deputados Prof. Gabriel Dezen Junior Curso de Regimento Interno da Câmara dos Deputados Prof. Gabriel Dezen Junior Teste 1 1. ( ) É competência da Mesa da Câmara dos Deputados a decisão de reunião dessa Casa fora do Palácio do Congresso Nacional,

Leia mais

PORTARIA Nº 103, DE 11DE MARÇO DE 2015

PORTARIA Nº 103, DE 11DE MARÇO DE 2015 PORTARIA Nº 103, DE 11DE MARÇO DE 2015 Aprova o Regimento Interno do Comitê Gestor do Sistema Brasileiro de Museus SBM. O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS IBRAM, no uso da atribuição que lhe

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE MAFRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. (Objecto)

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE MAFRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. (Objecto) REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE MAFRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Objecto) O presente Regimento Interno tem por objectivo definir o funcionamento e organização do

Leia mais

O SENADO FEDERAL resolve:

O SENADO FEDERAL resolve: PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 27, DE 2015 Altera o inciso II do caput do art. 383 do Regimento Interno do Senado Federal para disciplinar, no âmbito das comissões, a arguição pública dos indicados

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO Enunciado PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL - C003061 O Partido Político "Z", que possui apenas três representantes na Câmara dos Deputados, por entender presente a violação de regras da CRFB, o procura

Leia mais

DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005

DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005 DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005 REGINA MARIA GROBA BANDEIRA Consultora Legislativa da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal, Direito Administrativo,

Leia mais

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Banca: SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO/RJ Edital SMA Nº 84/2010 (data da publicação: 27/09/2010) Carga horária (aulas presenciais): 126 horas

Leia mais

O QUE FAZER COM OS RECURSOS SEM DESPESAS CORRESPONDENTES NA LOA EM RAZÃO DE VETO, EMENDA OU REJEIÇÃO?

O QUE FAZER COM OS RECURSOS SEM DESPESAS CORRESPONDENTES NA LOA EM RAZÃO DE VETO, EMENDA OU REJEIÇÃO? O QUE FAZER COM OS RECURSOS SEM DESPESAS CORRESPONDENTES NA LOA EM RAZÃO DE VETO, EMENDA OU REJEIÇÃO? Robison Carlos Miranda Pereira Aluno do 7º período do curso de Direito do Unicentro Newton Paiva, graduado

Leia mais

HIERARQUIA DAS LEIS. Priscila de Oliveira Stuque BITTENCOURT 1 José Carlos CLEMENTINO 2

HIERARQUIA DAS LEIS. Priscila de Oliveira Stuque BITTENCOURT 1 José Carlos CLEMENTINO 2 HIERARQUIA DAS LEIS Priscila de Oliveira Stuque BITTENCOURT 1 José Carlos CLEMENTINO 2 Resumo O presente estudo visa proporcionar conhecimentos básicos sobre cada norma jurídica que compõe o arcabouço

Leia mais

PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário.

PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário. 1 DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário. 1)Poderes Administrativos: Poder hierárquico continuação:

Leia mais

ATOS DO PODER EXECUTIVO. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição,

ATOS DO PODER EXECUTIVO. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N o 4.520, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002 Dispõe sobre a publicação do Diário Oficial da União e do Diário da Justiça pela Imprensa Nacional da Casa Civil da Presidência da República,

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ REGIMENTO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ REGIMENTO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ REGIMENTO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO TERESINA-PI 2005 RESOLUÇÃO Nº 011/84 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Aprova o Regimento do Conselho de

Leia mais

Justificativa ao Projeto de Emenda nº 1, da Lei Orgânica do Município de Restinga Sêca.

Justificativa ao Projeto de Emenda nº 1, da Lei Orgânica do Município de Restinga Sêca. Justificativa ao Projeto de Emenda nº 1, da Lei Orgânica do Município de Restinga Sêca. O presente projeto de Emenda à Lei Orgânica de Restinga Sêca tem por objetivo modificar, acrescer e revogar os seguintes

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput).

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput). MODELO DE ESTATUTO DE FUNDAÇÃO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Fundação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos 1, com autonomia administrativa

Leia mais

Material Complementar ENTENDA COMO FUNCIONA O CONGRESSO NACIONAL E A TRAMITAÇÃO DE PROPOSTAS LE- GISLATIVAS

Material Complementar ENTENDA COMO FUNCIONA O CONGRESSO NACIONAL E A TRAMITAÇÃO DE PROPOSTAS LE- GISLATIVAS Material Complementar ENTENDA COMO FUNCIONA O CONGRESSO NACIONAL E A TRAMITAÇÃO DE PROPOSTAS LE- GISLATIVAS Fluxo Simplificado do Processo Legislativo na Câmara dos Deputados O Senado Federal é composto

Leia mais

Processo Legislativo. Aula 2. Prof. Jorge Bernardi. A federação brasileira. A Federação Brasileira. O positivismo. Conceito de lei.

Processo Legislativo. Aula 2. Prof. Jorge Bernardi. A federação brasileira. A Federação Brasileira. O positivismo. Conceito de lei. Processo Legislativo Aula 2 Contextualização Prof. Jorge Bernardi A federação brasileira Conceito de lei O direito O jus naturalis O positivismo Validade da lei Tipologia das normas Decreto autônomo A

Leia mais

Processo Legislativo

Processo Legislativo www.pwc.com PL 276/2015 Aspectos Gerais do na Casa Iniciadora Senado ou Câmara apresentam o PL Emendas O PL pode ser emendado A iniciativa das leis ordinárias cabe, entre outros, a qualquer membro ou Comissão

Leia mais

PROCESSO LEGISLATIVO FEDERAL DA LEI COMPLEMENTAR E DA LEI ORDINÁRIA NO BRASIL 1

PROCESSO LEGISLATIVO FEDERAL DA LEI COMPLEMENTAR E DA LEI ORDINÁRIA NO BRASIL 1 PROCESSO LEGISLATIVO FEDERAL DA LEI COMPLEMENTAR E DA LEI ORDINÁRIA NO BRASIL 1 EDUARDO CANTERGI RESUMO O presente trabalho examina o processo legislativo da lei complementar e da lei ordinária no Brasil.

Leia mais

300 Questões Comentadas do Poder Executivo

300 Questões Comentadas do Poder Executivo 1 Para adquirir a apostila de 300 Questões Comentadas acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ESTA APOSTILA SERÁ ATUALIZADA ATÉ A DATA DO ENVIO S U M Á R I O Apresentação...3 Questões...4 Respostas...82

Leia mais

0emâe>6Ín& ;^- racámtfstfrúíe-jfcis6táijp&

0emâe>6Ín& ;^- racámtfstfrúíe-jfcis6táijp& r. 0emâe>6Ín& ;^- racámtfstfrúíe-jfcis6táijp& NOTA TÉCNICA N 15/2013 Assunto: Projeto de Lei n 02, de 2013-CN (Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2014). O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Partido Político "Z", que possui apenas três representantes na Câmara dos Deputados, por entender presente a violação de regras da CRFB, o procura para que, na

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 132 11 de julho de 2014 3805

Diário da República, 1.ª série N.º 132 11 de julho de 2014 3805 Diário da República, 1.ª série N.º 132 11 de julho de 2014 3805 suspende o prazo de propositura de ações nos tribunais administrativos na pendência da impugnação administrativa, bem como de requerer a

Leia mais

JUIZ FEDERAL TRF 1ª REGIÃO

JUIZ FEDERAL TRF 1ª REGIÃO DIREITO FINANCEIRO I. Finanças Públicas na Constituição Federal... 02 II. Orçamento... 04 III. Despesa Pública... 39 IV. Receita Pública... 76 V. Dívida Ativa da União de Natureza Tributária e não-tributária...

Leia mais

Seção II Das Reuniões Art. 2 O Parlamento Jovem Brasileiro reunir-se-á em período legislativo único, no segundo semestre de cada ano.

Seção II Das Reuniões Art. 2 O Parlamento Jovem Brasileiro reunir-se-á em período legislativo único, no segundo semestre de cada ano. PARLAMENTO JOVEM BRASILEIRO Módulo 2 - Parlamento Jovem Brasileiro Saiba Mais Anexo I ao Ato da Mesa n 49/04 Câmara dos Deputados Regimento Interno do Parlamento Jovem Brasileiro CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

COMUNICADO LEGISLATIVO Nº 1/2013. Projetos de Lei e Trâmites 1ª quinzena de novembro/2013

COMUNICADO LEGISLATIVO Nº 1/2013. Projetos de Lei e Trâmites 1ª quinzena de novembro/2013 Matérias na Câmara PEC 185/2012 Acrescenta parágrafos ao art. 37 da Constituição Federal para estabelecer data certa para a revisão geral anual da remuneração dos servidores públicos e dá outras providências.

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito e Aplicabilidade) 1. O presente regulamento estabelece as regras

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002. Regulamenta a Lei n o 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ALVARO DIAS I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ALVARO DIAS I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 22, de 2011, do Senador Lindbergh Farias, que autoriza a União a conceder isenção fiscal,

Leia mais

A Estrutura das Leis. Slide. nº / 1

A Estrutura das Leis. Slide. nº / 1 A Estrutura das Leis Constituição Federal Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I emendas à Constituição; (promulgada pelas Mesas da Câmara e do Senado) II leis complementares; III

Leia mais

O PROCESSO LEGISLATIVO E A NECESSIDADE DE INFORMAÇÃO

O PROCESSO LEGISLATIVO E A NECESSIDADE DE INFORMAÇÃO Revista General de Información y Documentación ISSN: 1132-1873 O PROCESSO LEGISLATIVO E A NECESSIDADE DE INFORMAÇÃO EDILENICE PASSOS Mestre em Biblioteconomia e Documentação Senado Federal - Consultoria

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO

ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO Artigo 1º - Sob a denominação de "ABEL - Associação Brasileira

Leia mais

CAPÍTULO III - DA ORGANIZAÇÃO Art. 3º. - O CEMACT funciona através do Plenário, das Câmaras Técnicas, comissões e Secretaria Administrativa.

CAPÍTULO III - DA ORGANIZAÇÃO Art. 3º. - O CEMACT funciona através do Plenário, das Câmaras Técnicas, comissões e Secretaria Administrativa. REGIMENTO DO CEMACT REGIMENTO INTERNO DO CEMACT CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. - Este Regimento estabelece as formas de organização e funcionamento do conselho Estadual de Meio Ambiente,

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL. fevereiro 2014

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL. fevereiro 2014 REGIMENTO DO CONSELHO GERAL fevereiro 2014 Agrupamento de Escolas Monte da Lua Regimento do Conselho Geral Capítulo I Enquadramento Legal Índice Artigo 1º Fundamento legal do Conselho Geral...... 2 Capítulo

Leia mais

PORTARIA Nº 486, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 486, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012 Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Gabinete da Presidência PORTARIA Nº 486, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012 Aprova o Regimento Interno do Conselho Consultivo do Patrimônio

Leia mais

Processo de internalização do Tratado sobre o Comércio de Armas no Brasil

Processo de internalização do Tratado sobre o Comércio de Armas no Brasil Processo de internalização do Tratado sobre o Comércio de Armas no Brasil PROCESSO DE INTERNALIZAÇÃO DO TRATADO SOBRE O COMÉRCIO DE ARMAS NO BRASIL INSTITUTO SOU DA PAZ JANEIRO DE 2014 2 Introdução Com

Leia mais

Créditos Extraordinários: admissibilidade de emendas em face ao art. 111 da Resolução nº 1/2006-CN.

Créditos Extraordinários: admissibilidade de emendas em face ao art. 111 da Resolução nº 1/2006-CN. Créditos Extraordinários: admissibilidade de emendas em face ao art. 111 da Resolução nº 1/2006-CN. Junho/2012 Endereços na Internet: http://www2.camara.gov.br/ativida de-legislativa/orcamentobrasil e-mail:

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art.1º _ O Conselho Nacional dos Direitos da Mulher CNDM, é órgão colegiado de natureza consultiva e deliberativa,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Conselho Municipal de Planejamento Urbano, criado pela Lei Complementar nº 510,

Leia mais

GRAN CUSROS ESCOLA PARA CONCURSOS PÚBLICOS

GRAN CUSROS ESCOLA PARA CONCURSOS PÚBLICOS GRAN CUSROS ESCOLA PARA CONCURSOS PÚBLICOS PROFESSOR: SÉRGIO WAGNER Analista Processual do MPU MPDFT Pós-Graduado em Direito Público, Estado e Constituição. Estudos sobre a Organização Político-Administrativa

Leia mais

FIXAÇÃO DO NÚMERO DE VEREADORES PELOS MUNICÍPIOS MÁRCIO SILVA FERNANDES

FIXAÇÃO DO NÚMERO DE VEREADORES PELOS MUNICÍPIOS MÁRCIO SILVA FERNANDES FIXAÇÃO DO NÚMERO DE VEREADORES PELOS MUNICÍPIOS MÁRCIO SILVA FERNANDES Consultor Legislativo da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal, Administrativo, Processo Legislativo e Poder Judiciário

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO. Regimento Interno CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO

CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO. Regimento Interno CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO Regimento Interno CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO Art. 1.º O Conselho Nacional do Trabalho, com sede na Capital da República e jurisdição em todo

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 SUBSTITUTIVO DO SENADO FEDERAL AO PROJETO DE LEI Nº 4.302-B, DE 1998, que altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3

Leia mais

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS DE SEGURANÇA SOCIAL Estatutos da Comissão Administrativa para a Coordenação dos Sistemas de Segurança

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO Conforme aprovado em reunião do Conselho Municipal de Habitação, realizada aos 29 de maio de 2012; REGIMENTO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SETORIAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SETORIAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SETORIAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Art. 1 - O Conselho Setorial de Pós-Graduação e Pesquisa constitui-se em órgão consultivo, deliberativo

Leia mais

FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA

FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA RESOLUÇÃO CNE Nº 01/2008, REPUBLICADA (*), DE 07/07/2008 Artigo 1º Este Regimento Interno contém as normas que regulam o funcionamento

Leia mais

FACULDADE DOS GUARARAPES REGIMENTO INTERNO DE CONSELHO DE CURSO. Jaboatão dos Guararapes/PE

FACULDADE DOS GUARARAPES REGIMENTO INTERNO DE CONSELHO DE CURSO. Jaboatão dos Guararapes/PE FACULDADE DOS GUARARAPES REGIMENTO INTERNO DE CONSELHO DE CURSO Jaboatão dos Guararapes/PE SUMÁRIO TÍTULO I: Do Regimento e Sua Finalidade... 03 TÍTULO II: Da Estrutura Colegiada da Administração Acadêmica

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnica n.º 8, de 2015. Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Subsídios acerca da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 670, de 10 de março de 2015. Núcleo da Receita

Leia mais

REGIMENTO DO X CONGRESSO DA UGT (EXTRAORDINÁRIO) DOS MEMBROS DO CONGRESSO

REGIMENTO DO X CONGRESSO DA UGT (EXTRAORDINÁRIO) DOS MEMBROS DO CONGRESSO REGIMENTO DO X CONGRESSO DA UGT (EXTRAORDINÁRIO) DOS MEMBROS DO CONGRESSO ARTIGO. 1º. (Definição e Mandato) 1. São membros de pleno direito os delegados eleitos e designados e os membros por inerência

Leia mais

BREVES COMENTÁRIOS SOBRE AS MEDIDAS PROVISÓRIAS DE ACORDO COM A EMENDA CONSTITUCIONAL N. 32, DE 11 DE SETEMBRO DE 2001

BREVES COMENTÁRIOS SOBRE AS MEDIDAS PROVISÓRIAS DE ACORDO COM A EMENDA CONSTITUCIONAL N. 32, DE 11 DE SETEMBRO DE 2001 BREVES COMENTÁRIOS SOBRE AS MEDIDAS PROVISÓRIAS DE ACORDO COM A EMENDA CONSTITUCIONAL N. 32, DE 11 DE SETEMBRO DE 2001 Pedro Lenza 1. Aspectos iniciais A medida provisória, prevista no art. 62 da atual

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DOS JOVENS ADVOGADOS DA OAB/BA. Art. 1º - O Conselho Consultivo dos Jovens Advogados compõe a estrutura

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DOS JOVENS ADVOGADOS DA OAB/BA. Art. 1º - O Conselho Consultivo dos Jovens Advogados compõe a estrutura REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DOS JOVENS ADVOGADOS DA OAB/BA CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º - O Conselho Consultivo dos Jovens Advogados compõe a estrutura organizacional da Ordem

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO I) CONCEITO: Também chamado de controle pela via de exceção ou de defesa ou controle aberto, o controle difuso pode ser realizado por qualquer juiz ou tribunal.

Leia mais

HIERARQUIA NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

HIERARQUIA NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA HIERARQUIA NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA No Brasil, a tributação decorre da utilização de uma série de normas jurídicas distintas. O conjunto dessas regras jurídicas, de diversos tipos, forças e finalidades,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Hierarquia das Leis Professora Rosinethe Monteiro Soares Vamos falar do produto, antes mesmo de descrever o processo formal de sua obtenção. Nosso propósito é facilitar a compreensão

Leia mais

Por que somos contrários ao capital estrangeiro na atenção à saúde: Veta Presidenta Dilma!

Por que somos contrários ao capital estrangeiro na atenção à saúde: Veta Presidenta Dilma! Por que somos contrários ao capital estrangeiro na atenção à saúde: Veta Presidenta Dilma! As entidades do Movimento da Reforma Sanitária que subscrevem essa nota, entendendo a gravidade da situação da

Leia mais

O PROCESSO LEGISLATIVO ESPÉCIES NORMATIVAS, CONCEITOS E QUESTÕES CONTROVERTIDAS

O PROCESSO LEGISLATIVO ESPÉCIES NORMATIVAS, CONCEITOS E QUESTÕES CONTROVERTIDAS O PROCESSO LEGISLATIVO ESPÉCIES NORMATIVAS, CONCEITOS E QUESTÕES CONTROVERTIDAS Rafael Diogo D. Lemos SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Emenda Constitucional. 3. Lei complementar. 4. Lei ordinária. 5. Medida

Leia mais

O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO ACRE

O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO ACRE Institui o auxílio-alimentação para os s da Magistratura do Estado do Acre, no efetivo exercício. O, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista a deliberação na 16ª Sessão Extraordinária do Pleno

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA Versão 1.0 Setembro/2014 Página2 2014 Programa de Desenvolvimento Econômico do Território Oeste do Paraná Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO Nº. 073/12-COGEP de 07/12/12 Curitiba

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI- possui atribuições de caráter propositivo

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 446, DE 2008

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 446, DE 2008 MEDIDA PROVISÓRIA Nº 446, DE 2008 (MENSAGEM Nº 865, DE 2009) Dispõe sobre a certificação das entidades beneficentes de assistência social, regula os procedimentos de isenção de contribuições para a seguridade

Leia mais

TEXTOS EM DELIBERAÇÃO CONTROLES DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO

TEXTOS EM DELIBERAÇÃO CONTROLES DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO WANDER MENDONÇA DE OLIVEIRA TEXTOS EM DELIBERAÇÃO CONTROLES DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO Projeto de pesquisa apresentado ao programa de Pós- Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais