A ABERTURA COMERCIAL BRASILEIRA:ANÁLISE DE IMPACTOS NOS AGRONEGÓCIOS DA SOJA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ABERTURA COMERCIAL BRASILEIRA:ANÁLISE DE IMPACTOS NOS AGRONEGÓCIOS DA SOJA."

Transcrição

1 A ABERTURA COMERCIAL BRASILEIRA:ANÁLISE DE IMPACTOS NOS AGRONEGÓCIOS DA SOJA. DANIELA ALESSANDRA RUFATO NATALINO HENRIQUE MEDEIROS RESUMO Este artigo tem como objetivo analisar os efeitos que a abertura comercial trouxe para o complexo da soja brasileira, comparando o desempenho do complexo no mercado internacional, antes e depois da abertura comercial no período de 1985 a Para a consecução do objetivo delineado, utilizou-se a análise de grau de abertura e o indicador de competitividade. Os resultados mostraram expressivos ganhos de competitividade para a soja em grão, os demais setores do complexo da soja não apresentaram ganhos. No entanto, esses ganhos foram alcançados através de grande esforço exportador. A análise de grau de abertura mostrou que houve um aumento na produção interna no complexo da soja e principalmente no setor de soja em grãos, mas mesmo com este aumento, o complexo da soja ainda continua fechado, tendo somente o setor de farelo de soja apresentado coeficiente de grau de abertura alto. Palavras-chave: abertura comercial, complexo da soja, grau de abertura. 1.INTRODUÇÃO O sistema econômico hoje se destaca pela nova configuração do processo de produção e das relações comerciais. Produção com retornos crescentes de escala ao lado de maciços investimentos em capacitação tecnológica direcionam os rumos do comércio nacional e internacional. No entanto, a economia mundial contemporânea, nada mais é que um resultado do processo de globalização que assume cada vez mais um caráter de integração produtiva, que leva os países a procurarem formas de ampliar sua inserção internacional, movidos pela crença de que a liberalização do comércio internacional é uma tendência universal e irreversível. Assim, a economia mundial vem se tornando cada vez mais globalizada. O cenário que hoje prevalece no comércio mundial como um todo, exerce pressões no sentido de ampliação da integração global, ou seja, controlar os países em desenvolvimento. Aqueles países que buscam aumentar o comércio, independentemente do seu sistema econômico, e atrair investimento vão experimentar pressões para abrir suas economias e alinhar suas práticas às dos países desenvolvidos. Dentro desse espírito, o Neoliberalismo surge nos anos 80 a partir do governo conservador de Margaret Thatcher, na Inglaterra, e do governo republicano de Reagan, nos Estados Unidos, dando início a construção da hegemonia dessa doutrina em ritmo avassalador. A proposta deste novo modelo econômico é um ajuste que passa pela desregulamentação, pela descentralização e pela privatização das economias. O Brasil a partir dos anos 90 vem se inserindo nesse processo globalizante apregoado pelo discurso neoliberal. Dada esta mudança, o país vem sofrendo profundas transformações econômicas, pois de um processo de substituição de importações pós Segunda Guerra Mundial, passou para um sistema de liberalização econômica e comercial. Para que o Brasil pudesse inserir-se neste novo sistema econômico, precisou adotar os preceitos neoliberais e seguir a cartilha do Consenso de Washington. Foi então, a partir de 1990, no governo de Fernando Collor de Mello que se intensificou o processo de abertura econômica e comercial brasileiro. Foram implementadas políticas de desregulação com uma

2 gradual eliminação de barreiras não-tarifarias e redução acentuada nas alíquotas de importação, e o país passou a expor sua produção doméstica ao abrir a economia à concorrência internacional. Os fatos econômicos dos últimos dez anos tiveram impactos no setor industrial, notadamente após o conjunto de medidas adotadas na implementação do Plano Collor e no decorrer de sua execução Neste contexto, vale lembrar que o setor industrial está ligado ao setor agroindustrial e este ligado ao setor agrícola. A questão relevante é saber se o setor agroindustrial, a agricultura e mais especificamente o complexo da soja também sofreram mudanças estruturais e conjunturais a exemplo do setor industrial. A partir dessas considerações, o presente artigo se justifica por se tratar de um setor importante e muito expressivo nas relações comerciais com o exterior. Assim, o principal objetivo a ser alcançado é o de comparar o desempenho do complexo da soja brasileira no mercado externo antes e depois da abertura comercial. Este artigo está organizado em seis seções, a saber: 1. Introdução. 2. Liberalismo e protecionismo comercial: uma breve revisão teórica. 3. Metodologia. 4. O complexo da soja: um panorama estrutural e conjuntural. 5. Avaliação da abertura comercial no complexo da soja : um estudo empírico. 6. Considerações finais. 2.LIBERALISMO E PROTECIONISMO COMERCIAL: Marco Teórico Nesta seção, busca-se estabelecer uma breve revisão teórica ao se resgatar o princípio do pensamento protecionista e do pensamento liberal. Entende-se que se faz necessário este retrocesso para mostrar que o neoliberalismo implantado nos anos 80 na Europa esteve de alguma forma sustentado pelo liberalismo proposto por Adam Smith no século XVIII, que mais tarde fora criticado por David Ricardo. De fato, na história do pensamento econômico sempre existiu um impasse entre aqueles que defendem o princípio liberal do livre comércio e aqueles que argumentam em favor da adoção de medidas protecionistas. Se acompanharmos o pensamento histórico, desde o final do século XVII, podemos perceber a diferença do protecionismo que conhecemos hoje e do protecionismo divulgado pelo mercantilismo. Os escritos mercantilistas foram os primeiros a defender as práticas protecionistas, tendo como objetivo a obtenção de excedente na balança comercial, para que uma nação fosse próspera. Para a doutrina mercantilista o objetivo da imposição de barreiras era conter a saída de metais preciosos do país, o que poderia levá-lo ao empobrecimento.(blanchfield e OSER, 1983, p.19-20). Na segunda metade do século XVIII uma nova corrente do pensamento econômico se impõem, denominada de liberalismo econômico. O pensamento econômico e social então foi tomado pela filosofia liberal clássica, promovendo o liberalismo e consequentemente a ampliação dos mercados, até mesmo do comércio internacional. Como uma reação à política mercantilista, Adam Smith, o precursor da Escola Clássica, marca a história da Política Econômica, ao colocar o trabalho como a única fonte de riqueza, reagindo contra a concepção materialista dos mercantilistas. Adam Smith distinguia a riqueza em valor de uso e em valor de troca das mercadorias. A riqueza para ele era constituída pelo valor de uso, sendo que a riqueza de uma nação era expressa pelo seu produto per capita, o que é comumente aceito até hoje. Um aspecto importante, no entanto, que Smith ressalta é o fato de que a utilidade de uma mercadoria, isto é, sua capacidade de satisfazer necessidades humanas, não é o fundamento do seu valor de troca, da quantidade de outras mercadorias que em troca dela podem ser obtidas, o valor de troca reflete o trabalho gasto na produção da mercadoria. Deste modo, baseando-se na teoria do valor-trabalho, Smith mostra que o crescimento da riqueza de uma nação depende essencialmente da produtividade do trabalho, que é uma função do grau de especialização atingida pela divisão do trabalho. Esta por sua vez, na 2

3 medida em que pode ser introduzida gera, em cada ofício, um aumento proporcional das forças produtivas do trabalho. Smith mostra claramente este efeito no clássico exemplo da fábrica de alfinetes. (SMITH, 1983, p.41-42). A partir desses princípios, a análise de Smith prossegue com uma lógica rigorosa; a divisão do trabalho depende da expansão do mercado. Refutando, dessa maneira, a tese mercantilista de que, no comércio internacional, o que um país ganha o outro perde. Na verdade, a medida que o comércio expande a divisão do trabalho, todos os participantes ganham porque se beneficiam do aumento da produtividade do trabalho. Para ele a livre concorrência é o caminho para a melhor eficiência do desenvolvimento. Mais tarde, Ricardo no final do século XVIII, lança-se contra os ideais do livre comércio proposto por Adam Smith. Desse modo, é possível perceber em Ricardo uma sensível mudança na concepção econômica em relação a Adam Smith. Partidário da teoria de valor-trabalho, Ricardo procurou depurá-la das da formulação de Adam Smith, apontando a necessidade de distinguir entre o custo do trabalho, que era os salários, e o valor produzido pelo trabalho. Ricardo levanta um problema que não foi explorado por Smith, o valor de cada mercadoria se compõem não apenas do trabalho direto utilizado para sua produção, mas também do trabalho incorporado aos meios de produção. Portanto, o excedente que é o lucro, nem sempre será proporcional ao volume de capital imobilizado para a produção de cada uma. Partindo do pressuposto de que a taxa de lucro tende a ser a mesma nos diversos ramos, apesar de que a proporção de capital e trabalho em cada um possa ser bastante diverso, Ricardo desvenda uma contradição entre o valor de troca determinado pelo trabalho e o preço relativo das mercadorias, neste ponto ele começa a perceber que a riqueza advinda da divisão do trabalho não contribui para o enriquecimento de toda a sociedade, mais apenas de uma parcela latifundiária que obtém os lucros. (RICARDO, 1982, p. 262). Deste modo, Ricardo centra sua atenção sobre a repartição do produto entre trabalhadores, capitalistas e proprietários. E parte do pressuposto de que a população tende sempre a crescer até o limite dos meios de subsistência. Os salários tendem a se manter em níveis baixo, necessário apenas para assegurar a reprodução da força de trabalho. Ao mesmo tempo, o aumento da população força a expansão do cultivo, que cada vez mais precisa ser incorporado em terras menos produtiva ou com localidades impróprias para um melhor fluxo comercial. Isso leva a renda diferencial da terra, sendo que para Ricardo, a renda da terra decorre das diferenças de fertilidade e localização entre as explorações agrícolas que fazem com que a mesma quantidade de produtos possa chegar às mãos do consumidor com gastos diversos de trabalho. Ricardo também previa que com o aumento do cultivo de terras menos fértil, precisaria de mais trabalho e consequentemente, aumentaria os salários e a renda da terra em detrimento do lucro. Como somente dos lucros saem os recursos para a acumulação do capital, ele acreditava que a economia se encaminharia a um estado estacionário em que cessariam tanto a acumulação do capital como o crescimento da população. Desta forma, Ricardo considerava dois fatores cruciais para o retardamento deste estado estacionário : O primeiro seria o progresso técnico, pois com ele poderia se produzir mais com menos trabalho, reduzindo o custo e consequentemente o valor do produto final. O segundo fator e mais apregoado por Ricardo era com respeito ao comércio internacional onde ele desenvolveu a famosa teoria das vantagem comparativas, um programa liberal, análogo ao de Smith. (SINGER, 1982,p.17). A teoria das vantagens comparativas, tem como princípio a especialização, onde cada país se especializa nos ramos em que tem maiores vantagens, isto é, em que seus custos de produção sejam menores dos que os de seus parceiros. Com isto haveria um aumento da disponibilidade dos bens nos países especializados e consequentemente um crescimento da 3

4 4 satisfação da população dos países. Ricardo enfatiza que, em um país onde a agricultura se estendeu a terras de baixa fertilidade e/ou má localização, a solução é importar cereais dos países em que seu valor é reduzido, assim, o país em dificuldades pode ser estabilizar e recuperar sua taxa de lucro que antes não obtinha e com este processo o país pode retardar o estado estacionário e voltar a crescer. Vale ressaltar que Ricardo argumentava a favor da liberdade de comércio entre as nações e contra qualquer protecionismo. Contudo, segundo Singer (1982, p.19), ele não levou em conta as diferenças dos níveis de desenvolvimento das forças produtivas dos diversos países. Ou seja, os países mais desenvolvidos exportam produtos mais sofisticados, assegurando sua demanda no exterior, ao mesmo tempo, os países menos desenvolvidos ou nada industrializados se vêm obrigados a aumentar sua produção dos exportáveis, que são em geral alimentos e matérias-primas para suprir a demanda externa. Assim, os pressupostos da teoria das vantagens comparativas só se realizam quando o comércio se dá entre países de grau comparável de desenvolvimento. De acordo com este impasse nas relações de troca, no início do século XIX, surgiram novas idéias, chamadas de protecionistas. Nestes termos, em 1819, Sismondi publica uma obra com enfoque antiliberal e com idéias convictas a respeito do livre comércio.(sismondi, 1971, p.2). Uma das idéias inovadoras de Sismondi, se refere a intervenção do governo para regularizar a questão da miséria confrontando com a riqueza e assim evitando a desigualdade de renda. Ele apela para a intervenção do poder social para regular o progresso da riqueza, em lugar de reduzir a Economia Política à máxima tão simples, e em aparência tão liberal, de laissez faire et laissez passer. (SISMONDI, 1971, p.2). Sismondi condena o capitalismo, enfatizando que a miséria, a desigualdade social e os problemas econômicos são advindos dele. John Stuart Mill em 1848, também demostrou seus argumentos em defesa do protecionismo, dando enfoque a indústria nascente 1, argumentando que é a única proteção perfeitamente justificável. Ele admitiu com bastante reserva duas pequenas exceções a regra do livre comércio. A primeira seria imposta pelos motivos de segurança nacional, que justificava o protecionismo à indústria naval inglesa. A segunda, baseada em princípios de política econômica, era a indústria infante, no qual a imposição de um imposto protecionista temporário seria justificável, certamente para uma nação jovem e em desenvolvimento, quando um país estivesse procurando implementar uma nova indústria específica na qual um outro possuísse vantagens comparativas.(hollanda, 1998, p.39) PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS E BASE DE DADOS Os países desenvolvidos vem cada vez mais protegendo o seu setor agrícola, assim os países em desenvolvimento com forte potencial agrícola se vem prejudicados com este comportamento protecionista pois são afetados diretamente, por serem fortes setores exportadores. O Brasil é um forte concorrente internacional em produtos agrícolas, em particular, o complexo da soja se destaca por se tratar de um produto exportável e com altos preços internacionais. O complexo da soja é o maior complexo agroindustrial gerador de divisas do país, daí a razão da escolha deste para a análise do estudo. A organização metodológica deste artigo dar-se-á mediante a duas etapas fundamentais. Na primeira, buscar-se-á medir o grau de abertura comercial do complexo da soja, com o objetivo de mostrar se após a abertura comercial iniciada em 1990 no Brasil, o complexo da soja se tornou mais integrado ao resto do mundo. O instrumental utilizado para medir o grau de abertura do Brasil será: a razão entre 1 A aceitação do argumento da indústria nascente pelos neoclássicos é tratada dentro do conceito de falhas de mercado geradas no âmbito do sistema de comércio internacional.

5 5 importação e exportação e o valor bruto da produção. No entanto, consideraremos apenas do complexo da soja, a soja em grãos, o óleo refinado e bruto e o farelo de soja. Ei + Mi GA = i VBPi *100 Onde: GA i = grau de abertura comercial do complexo da soja E i = exportações do complexo da soja M i = importações do complexo da soja VBP i = Valor Bruto da Produção do complexo da soja Propondo realizar uma maior investigação neste artigo, vamos utilizar como parâmetro de análise um intervalo de eficiência de grau de abertura. Onde se {0 GA 30} será considerado como baixo grau de abertura, o intervalo de {30<GA<60} será considerado transitório e o intervalo de {60 GA 100) como alto grau de abertura. 2 Os dados para realização desta análise, foram obtidos e organizados de acordo com a classificação da ABIOVE Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais, conforme Quadro 1, Quadro 1 - Classificação da Soja I COMPLEXO SOJA 1 Soja em grãos 2 Óleo de soja bruto 3 Óleo de soja refinado 4 Farelo de soja Fonte: ABIOVE Os dados referentes a importação e exportação de soja do Brasil foram obtidos junto a ABIOVE e Secretaria de comércio exterior -SECEX Brasília DF, referente aos três principais setores do complexo soja, no período de 1985 a 2002, a preços US$ FOB. A produção de soja e seus derivados, foram definidos como representativos do valor bruto da produção do complexo da soja. Com estes dados obtivemos o valor bruto da produção do complexo soja, em dólar. A partir do valor do fluxo comercial em toneladas (exportação + importação) e do valor da produção de cada setor do complexo soja, de 1985 a 2002, foi possível calcular o grau de abertura do complexo da soja. Os dados de exportação e importação do complexo da soja internacional foram obtidos através da página site da United States Department of Agriculture (USDA).(www.usda.gov). A segunda etapa consiste em analisar a competitividade do complexo da soja no mercado mundial, com o intuito de mostrar se o processo de abertura comercial brasileiro aumentou a nossa competitividade no mercado externo. Para esta análise foram utilizados dois indicadores, propostos por VOLLRATH (1989): a) vantagem relativa na exportação (VRE) e b) competitividade revelada (CR). O indicador VRE permite analisar o desempenho de um país, ou grupo deles, nas exportações de determinado produto de um conjunto de produtos. Conforme apresentado, a VRE é calculada através da seguinte expressão: X ki / X kr VREki = ln X mi / X mr onde, X corresponde à exportação, o subscrito k refere-se ao produto e i, ao país. O subscrito m refere-se ao agregado dos produtos, exclusive k, e r ao agregado de todos os países, exclusive i. 2 Os intervalos foram definidos pelos autores.

6 6 Se VRE ki =0, significa que a participação das exportações do produto k no total das exportações do país i é idêntica à participação média observada nos demais países, caracterizando uma situação neutra, onde, o país não revela vantagem nem desvantagem no comércio do produto k. Se VRE ki >0, significa que o país i revela vantagem na exportação de k e, se VRE ki <0, o país estaria em desvantagem. Por sua vez o indicador de competitividade revelada (CR) é um indicador mais abrangente porque engloba todo o comércio, e não somente as exportações. Este indicador se constitui numa medida útil para análise agregadas quando produtos do setor são exportados e importados pelo país. Os resultados são obtidos pelo emprego da seguinte expressão algébrica: X ki / X kr M ki / M kr CRki = ln / X mi / X mr M mi / M mr onde, M indica o valor das importações. A interpretação do resultado do cálculo de CR segue a mesma lógica de VRE. Quando CR >0, significa que o país revela vantagem comparativa no comércio de k e, quando ki CR ki <0,significa que o país estaria em desvantagem. Os dados sobre exportação (X) foram os mesmos utilizados para a análise do grau de abertura, já os dados sobre importação (M) foram adquiridos na página site da United States Department of Agriculture (USDA). A hipótese básica em que se orienta o presente artigo, é que o processo de abertura comercial ao ampliar e inserir a economia de um país no mercado mundial, propicia maiores ganhos de bem estar e maior eficiência alocativa, criando melhores condições de um país se desenvolver. De acordo com estes argumentos, a hipótese se fundamenta no sentido de que a abertura comercial ao ampliar o fluxo de comercio internacional, altera a estrutura de mercado e abre opurtunidades para o setores (agroindustrial e agrícola) ampliarem sua capacidade de oferta interna e melhorar o nível de produção, influenciando a performance do setor e o crescimento econômico. As hipóteses auxiliares presente neste artigo fundamentam-se em dois pontos principais: O maior grau de abertura estimula o setor a atuar em níveis de eficiência semelhantes aos verificados nas economias mais competitivas, melhorando o grau de competitividade; com uma maior inserção econômica no mercado mundial, há uma melhora no desempenho das exportações, o que influência de forma positiva o nível de crescimento do produto. 4. O COMPLEXO DA SOJA: UM PANORAMA ESTRUTURAL E CONJUNTURAL Um conjunto expressivo de fatores estão ligados ao desenvolvimento e modernização da cultura da soja no Brasil. Além do estímulo do mercado internacional, há, naturalmente, algumas importantes condições internas que favoreceram a lavoura da soja no país. Entre elas ressaltam-se: a) existência de um parque de máquinas que apesar de originalmente destinado a outras produções como trigo ou arroz, pôde ser aproveitado na produção de soja; b) o aproveitamento, pela lavoura da soja, da mesma área plantada em sucessão ao trigo, assim como dos resíduos dos fertilizantes, das máquinas, equipamentos, armazém e mão-de-obra; c) as políticas de estímulo com base no crédito para produção e para investimentos; d) a possibilidade de total mecanização na produção; e) a expansão da agroindústria nacional; f) o aumento da demanda de óleos vegetais comestíveis com o crescimento do fenômeno da urbanização no Brasil, para substituir a gordura animal mais intensamente utilizada entre as populações rurais; g) o papel intensivo das cooperativas nos processos de produção, comercialização e industrialização do produto; h) a crescente utilização da soja via alimentação de suínos, aves e bovinos. (BONATO e BONATO, 1987). No entanto, as oportunidades criadas pelo mercado externo e a política agrícola, baseada no crédito subsidiado, transformaram rapidamente o Brasil, durante os anos 80, em um grande

7 7 produtor mundial de soja. A tabela 1 sintetiza as principais informações sobre a evolução da lavoura de soja no Brasil. A produção brasileira de soja atualmente vem surpreendendo com os números apresentados, alcançou 41,9 milhões de toneladas na safra de 2001/2002, ocupando uma área de 16,3 milhões de hectares com uma produtividade de Kg/ha, (CONAB, 2002). Historicamente a produção de soja no Brasil tem mostrado um desempenho crescente. Tabela 1 - BRASIL. Soja: produção, área plantada e produtividade a 2001 Safra Área 1000 ha Prod t Produtividade (t/ha) 80/ ,77 81/ ,56 82/ ,79 83/ ,65 84/ ,80 85/ ,45 86/ ,86 87/ ,72 88/ ,91 89/ ,74 90/ ,58 91/ ,08 92/ ,15 93/ ,17 94/ ,22 95/ ,17 96/ ,29 97/ ,38 98/ ,36 99/ ,39 00/ ,75 01/ ,86 Fonte: CONAB/DIPLA (2002). Na década de 80, o crescimento foi de 3% ao ano, tanto de área como de produção, mantendo praticamente a mesma produtividade. Os fatores que contribuíram para este desempenho foram; políticas de ajustamento macroeconômico na primeira metade da década de 80 que levou a uma limitação no volume de crédito da economia, e afetou o principal pilar da política agrícola de modernização do setor, o crédito rural farto e subsidiado. A aceleração do processo inflacionário contribuiu ainda mais para o racionamento de recursos do sistema de crédito agrícola. Essa nova situação colocou em crise o padrão anterior de financiamento da agricultura e elevou sistematicamente, ao longo da década de 80, as taxas de juros para a produção agrícola, cuja conseqüência para a cultura da soja foi a deterioração das condições de financiamento da produção. ( GASQUES et alli, 1998, p.104). Na primeira metade da década de 80, a produção manteve-se praticamente estagnada. A deterioração da rentabilidade da lavoura de soja e o aumento dos preços dos insumos agrícolas no período afetaram a produtividade da soja. O crescimento global foi sustentado pelo constante aumento da produção, produtividade e área da cultura no cerrado. 3 Os anos de 1988 a 1990 merecem destaque. Neste período constatou-se um crescimento da produção nacional, cujo principal fator propulsor foi o bom desempenho que teve a produção na região do cerrado. Na safra de 1990/1991, o desempenho favorável da produção de grãos de soja foi interrompido pela política econômica do governo Collor que restringiu fortemente o crédito a todos os setores da economia. Sem a assistência financeira à colheita e comercialização, a produção de grãos de soja declinou de 23 milhões de toneladas em 88/89 para 20 milhões de toneladas em 89/90 e 15 milhões de toneladas em 90/91. 3 Ver: Medeiros (2002).

8 (SILVA e TARGINO, 2002). A década de 90, marcou-se pelo crescimento da produtividade, pois o acréscimo de área plantada situou-se na faixa dos 2,9% ao ano, enquanto a produção apresentou taxa de 9,2%, em função de um aumento de 5,1% ao ano na produtividade média. De acordo com Silva e Targino (2002), na década de 90, apenas a safra de 90/91 apresentou grande redução se comparado a média dos anos 80. Esta grande redução da produção fez com que o governo federal implantasse um pacote agrícola emergencial no último trimestre daquele ano, na tentativa da retomada do crescimento da safra. Como pode ser observado na tabela 1, essas medidas parecem terem realmente surtido efeito, pois na safra seguinte a produção foi 19% superior. De acordo com Silva et alli (2002), a sojicultura brasileira na década de 90 desenvolveu bastante, e o crescimento da produção foi acompanhado pelo aumento do consumo per capita interno e externo e pela crescente importância do produto no mercado internacional. Esse aumento de produtividade pode ser explicado por dois movimentos diversos. A eliminação dos produtores menos modernizados tecnologicamente e/ou de escalas desfavoráveis, e o deslocamento da cultura da soja da região Sul para o Centro-Oeste, em busca de condições naturais que garantissem maior produtividade Dinâmica das Exportações do Complexo da Soja no Brasil O Brasil detém, atualmente, o título de segundo maior produtor mundial de soja, perdendo apenas para os Estados Unidos. Na década de 90, a cultura da soja no Brasil ocupou, aproximadamente, 12 milhões de hectares, com produção média de 27 milhões de toneladas por safra, sendo a segunda maior lavoura do país, perdendo apenas para a cultura do milho.(conab, 2002). O complexo soja, composto pela soja em grão, pelo farelo e pelo óleo, apesar da queda das cotações desses produtos no mercado internacional, obteve, em 2002, 29 milhões de toneladas, com uma importância de 5,19 bilhões de dólares em exportações, sendo a soja em grão responsável por milhões de toneladas significando 2,71 bilhões de dólares, o farelo milhões de toneladas e 2,06 bilhões de dólares e o óleo milhões de toneladas e 0,41 bilhões de dólares constituindo o maior setor exportador nacional, conforme será demonstrado na tabela 2 a seguir. (Ministério da Agricultura e ABIOVE, 2003). Dessa forma, o complexo soja é um segmento que gera importantes fluxos de divisas para o Brasil. O grão, o farelo e o óleo, segundo Mafioletti (2001), representaram, na última década, 9% do valor das exportações totais brasileiras e 30% das exportações agrícolas. Esse desempenho do complexo soja, principalmente no que tange o setor externo, é fruto das alterações que todo o agronegócio sofreu; das políticas públicas de incentivos dirigidas ao complexo soja; do significativo aumento real do preço internacional dos produtos primários a partir dos anos 70; da adaptação e desenvolvimento de cultivares para a região dos cerrados; do crescimento da avicultura brasileira no final da década de 60 início de 70 e da política de desvalorização cambial nas décadas de 70 e 80. De acordo com Silva e Targino (2002), o desempenho das exportações de grãos de soja e de seus derivados apresenta uma forte correlação positiva com os rumos da sojicultura nacional. Todavia, os fatores externos relacionados ao crescimento da demanda mundial por soja e ao comportamento da produção de grãos de soja nos países concorrentes do Brasil no mercado internacional também foram significativos à evolução das exportações brasileiras de soja. Para uma análise mais detalhada, a tabela 2 a seguir mostra os efeitos de políticas realizadas que desempenharam mudanças nas exportações de soja no Brasil. 8

9 9 A política de desvalorização cambial instituída pelo Plano Bresser em 1987 objetivava promover o crescimento das exportações e evitar possíveis desequilíbrios externos. A desvalorização da taxa de câmbio real efetiva parece ter impulsionado o crescimento das exportações totais e, em específico, o crescimento das exportações de soja em grão que em 1988 cresceu mais de 200% se comparado ao ano anterior, como pode ser observado na tabela 2. Na safra de 1990/91, a produção de grãos de soja nos Estados Unidos e na Argentina evidenciavam uma recuperação, o que elevou os estoques mundiais e diminui o preço da soja no mercado internacional. A valorização da taxa de câmbio real efetiva reforçou a queda das exportações no Brasil neste período, proporcionado assim uma queda nas exportações de soja em grão em (CARVALHO et alli, 2002). Tabela 2 - Exportação do complexo soja 1985/2003 (1000 toneladas) Anos Grão Farelo Óleo* Total ** *óleo bruto e refinado ; **Previsão FONTE: ABIOVE A partir de 1992, a situação da sojicultura é revertida. As boas colheitas propiciaram uma considerável recuperação da produção e produtividade no cultivo da soja. No mercado externo, a tendência crescente das importações mundiais de soja em grão sinalizava o momento favorável predominante no mercado internacional de soja. Entre 1992 e 1994, o crescimento no preço de exportação da soja em grãos refletia adequadamente a expansão da demanda mundial deste produto e de seus derivados. Com a recuperação da produção dos Estados Unidos no ano de 1995, o volume exportado de grãos de soja reduziu-se em relação ao período de 1992/94. (SILVA e TARGINO, 2002). A partir de 1994, houve uma reestruturação das exportações durante o início do Plano Real. A economia mundial voltou a crescer sob a liderança da economia americana, valorizando os preços das principais commodities de exportações do complexo agroindustrial brasileiro. A melhoria dos preços externos e os juros elevados, constantes nos contratos de adiantamentos de câmbio, mantiveram as exportações atrativas. Assim, os mercados internos e externos aqueceram-se simultaneamente, elevando a capacidade de produção e exportação. (STALDER, 1997 apud. SEREIA et alli, 2002). A recessão que se instalou no Brasil a partir de 1995, combinada com a sobre valorização cambial, direcionaram a demanda interna para produtos estrangeiros, enquanto as exportações sofreu queda, como mostrou a tabela 2. Neste período de análise, o comércio mundial estava em expansão e mostrou-se receptivo, enquanto internamente a situação era de incerteza por estar em processo de ajustes macroeconômicos (planos Collor e Real), mesmo

10 assim, as condições permitiram o desenvolvimento de formas capazes de ofertar produtos agroindustriais com competitividade ao comércio internacional. Outra conduta importante deriva-se do fato de as indústrias poderem comercializar tanto óleo e farelo quanto soja em grão. Isto abre alternativas de estratégia de exportação que, dependendo dos preços externos e internos, ora podem privilegiar a exportação dos derivados ora do produto in natura. Foi o que ocorreu a partir de 1997, as exportações de grãos se tornaram mais vantajosa que a de produtos processados devido a redução do ICMS sobre exportações de produto in natura ( Lei Kandir ), além do fato de ter tarifa 0% para ingresso na União Européia e Japão, enquanto farelo e óleo são taxados. (CARVALHO et alli, 2002). A partir de 1999, a economia brasileira sofreu uma mudança no câmbio, a taxa de câmbio é um fator importante para o estímulo às exportações das commodities, sendo fundamental para a competitividade do complexo da soja, como pode ser observado na tabela 2, as exportações do complexo da soja aumentaram mais de 50% em 2000 se comparado ao ano de Segundo Camargo et alli (2002), os efeitos de uma mudança na taxa de câmbio real efetiva sobre as exportações apresenta sinal positivo, indicando que, quando a moeda doméstica sofre uma desvalorização real com relação às moedas dos principais parceiros comerciais brasileiros, as exportações dos produtos agropecuários analisados são estimulados. Este fato analisado por Camargo et alli (2002), está acontecendo até os dias de hoje, como mostrou a tabela 2, as exportações do complexo da soja em 2001 aumentaram 27% em relação a 2000, e a previsão para 2003 é que aumente mais de 50% em relação a Atualmente as exportações estão em alta, mas este fato não é resultado de uma política de exportação eficiente, mais sim por uma desvalorização da moeda nacional. 5. AVALIAÇÃO DA ABERTURA COMERCIAL NO COMPLEXO DA SOJA : UM ESTUDO EMPÍRICO Grau de Abertura Econômica Com a finalidade de dimensionar formalmente a importância da relação comercial com o exterior, iniciaremos nossa investigação medindo o grau de abertura da economia brasileira a partir de 1985, quando a economia brasileira ainda era considerada fechada ao comércio exterior. O objetivo central da análise dos dados é verificar se o processo de abertura comercial implica em um maior fluxo de comércio internacional, abrindo oportunidades para os setores da soja ampliarem sua capacidade de oferta interna e externa, melhorando seu nível de produção com maior acesso a novas tecnologias. O instrumental utilizado para medir o grau de abertura do Brasil é razão entre a soma de exportações e importações e o valor bruto da produção do complexo da soja multiplicado por 100, conforme exposto na seção 2. A tabela 3 tráz o grau de abertura do complexo da soja. Tabela 3 - Grau de abertura do complexo da soja valor (US$ 1 /tonelada) período: 1985 à 2002 Anos Grão % Farelo % Óleo % Complexo da soja % ,7 79,9 37,5 44, ,4 72,0 25,8 40, ,1 74,6 39,2 41, ,1 78,2 29,1 40, ,5 77,6 34,2 41, ,6 70,2 29,5 39, ,0 60,7 15,4 32, ,3 79,7 31,8 42, ,1 80,2 30,8 43, ,2 78,8 57,0 52, ,8 78,7 53,9 49, ,5 63,7 37,4 39, ,9 60,3 33,0 38,1 10

11 ,8 68,1 34,2 46, ,6 63,7 39,3 44, , ,6 43, ,3 58,5 42,5 43, ,9 62,2 39,0 47,7 Fonte: Elaboração própria, a partir dos dados do ABIOVE//SECEX. 1 Valor em dólares americanos (FOB) Com relação a soja em grão, numa primeira observação geral acerca do desempenho brasileiro no comércio exterior, podemos dizer que a abertura comercial teve impactos muito mais nítidos sobre as exportações que sobre as importações brasileiras de soja em grão. As importações apresentaram variabilidade bastante elevada ao longo do período analisado, passando por um máximo de 5,7% do PIB em 1997 e um mínimo de 0,04% em 1990, chegando em 2002 com 2,2% do PIB. As exportações, ao contrário, de 11,8% do PIB em 1985, mostraram tendência crescente 4 até 2002, quando atingiram o máximo de 39,7% do PIB, como mostra a seguir o gráfico 1. Gráfico 1 Porcentagem 40,0 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 Relação entre Comércio Exterior e Produção Interna da Soja em Grão a M/PIB Anos E/PIB GA Quando analisamos o grau de abertura da economia para o setor de soja em grão, constatamos que os números parecem indicar que a economia brasileira vem realmente expandindo seu comércio com o exterior. A tabela 3, apresenta os dados estimados, e mostra que o mínimo grau de abertura (9,1% do PIB) se deu em 1987, último ano marcado pelas altas taxas de proteção na economia. Entre 1988 a 1990 esteve entre 13 e 19% do PIB cujo período esteve marcado pela transição tarifária. Após este período até 1997 esteve entre 20% do PIB. Somente após 1998, pode-se verificar que o setor de soja em grãos apresentou um aumento do grau de abertura para o exterior. Este aumento é creditado a uma elevação das exportações. O aumento nas exportações a partir de 1998 foi ocasionada pela desvalorização do real ocorrido neste período, onde houve um aumento nas exportações de mais de 40% se analisados em dólar, pois quando analisado em toneladas o aumento nas exportação foi mais de 80%, isto se deu a grande queda nos preços do soja no mercado externo. Outro fator importante foi o processo de redução de ICMS sobre as exportações de produtos in natura ( Lei Kandir) 5, as exportações cresceram e assim elevando o grau de abertura da economia. Observando de modo geral a evolução do grau de abertura ao longo dos anos de 1985 a 2002, notamos que o setor de soja em grão apresentou um aumento de mais de 180% do grau de abertura em 2002, em relação a Mesmo com este ótimo desempenho este setor não conseguiu se classificar no intervalo de alto grau de abertura, o seu maior coeficiente foi de 4 Houve algumas quedas durante o período que devem ser analisadas, na safra 1991/92, a produção de grãos de soja nos Estados Unidos e na Argentina evidenciavam uma recuperação, o que elevou os estoques mundiais e diminui o preço da soja no mercado internacional. A valorização da taxa de câmbio real efetiva reforçou a queda das exportações no Brasil neste período, proporcionado assim uma queda nas exportações de soja em grão em A partir de 1997, as exportações de grãos se tornaram mais vantajosa que a de produtos processados devido a redução do ICMS sobre exportações de produto in natura ( Lei Kandir ), além do fato de ter tarifa 0% para ingresso na União Européia e Japão, enquanto farelo e óleo são taxados. (CARVALHO et alli, 2002).

12 12 41,9% do PIB e o parâmetro utilizado para alto grau de abertura é acima de 60% do PIB. Para o setor de farelo de soja, a abertura comercial ocorrida no Brasil a partir de 1988 teve impacto pouco relevante sobre as exportações e as importações brasileiras. As exportações já apresentavam bom desempenho com o mercado externo desde 1985, passando por um máximo de 80,2% do PIB em 1993 e um mínimo de 57,9% em 2001, em média 70% da produção interna de farelo de soja no Brasil é exportada, (gráfico 2). Em 1991, o desempenho exportador do farelo de soja sofreu uma queda, devido a recuperação da produção dos Estados Unidos e da Argentina, que elevaram os estoques de farelo no mercado mundial, a implementação do Plano Collor com uma valorização cambial real efetiva também ocasionou perdas nas exportações, o que refletiu no setor exportador de farelo de soja, reduzindo o grau de abertura. Gráfico 2 Porcentagem Relação entre Comércio Exterior e Produção Interna do Farelo de Soja a 2002 M/PIB A partir de 1992 até 1995, o farelo de soja recuperou seu mercado mundial, ocasionado pelas boas safras e a ótima produtividade no cultivo da soja. Neste período ocorreu uma redução dos estoques mundiais de grãos, propiciando queda na produção de farelo. A ação conjunta do crescimento na produção interna de soja e da expansão da demanda mundial resultou num desempenho significativamente positivo da sojicultura brasileira voltada ao mercado externo, cujos resultados também foram observados por Carvalho (1995). Entre 1997 e 2002 o comportamento foi de queda no grau de abertura ocasionando pela queda nas exportações. Este comportamento se deu após a implementação da Lei Kandir em 1997, onde o farelo de soja sofreu alta nas tarifas. Com relação as importações, a análise fica incompleta para o setor, por falta de dados no início da série até A partir de 1997, as importações de farelo de soja são bem discretas, assim, o gráfico 2 não possibilita uma melhor análise. O grau de abertura para o setor de farelo de soja não apresentou crescimento, porque como já foi dito anteriormente até 1996 não se importava farelo, ocasionando alteração no resultado do grau de abertura. Vale ressaltar que o setor de farelo de soja, foi o setor que apresentou no período da análise o maior grau de abertura econômica do complexo soja em 2002 (62,2), o que caracteriza um alto grau de abertura econômica. Fazendo uma análise das exportações, importações e nível de produção, verifica-se que este setor está bem integrado com o comércio internacional, onde, mais da metade da produção interna é exportada. Podemos dizer que o desempenho no comércio exterior do setor de óleo de soja brasileiro, apresentou-se com modestos impactos sobre as importações e as exportações. As importações, apresentaram no período analisado um comportamento estável, passando por um máximo de 8,5% do PIB em 1994 e um mínimo de 0,3% em 1990, em média as importações situaram em 3,7% do PIB, como mostra o gráfico 3. As exportações, ao contrário, apresentaram um comportamento instável durante o AnosE/PIB GA

13 13 período de análise, de 35,8% do PIB em 1985 mostraram tendência decrescente até 1991, quando atingiram o mínimo de 13,8% do PIB. Daí em diante cresceram em participação no PIB até 48,5% em 1994 e 37,2% em Esta instabilidade ocasionada no período de análise do óleo de soja, está relacionado com as políticas agrícolas ocorridas entre 1990 e 1992 e com o comportamento do mercado externo, que em momentos de queda nas exportações de óleo de soja o mercado externo estava com elevados estoques deste produto. (CARVALHO et alli, 2002). A partir de 1994 de acordo com Stalder (1997, apud. SEREIA et alli, 2002), houve uma reestruturação das exportações durante o início do Plano Real. A economia mundial voltou a crescer sob a liderança da economia americana, valorizando os preços das commodities de exportação do complexo da soja, e o óleo de soja estava enquadrado neste comportamento de expansão. Gráfico 3 Relação entre Comércio Exterior e Produção Interna do Óleo de Soja a 2002 Porcentagem 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0, M/PIB Anos E/PIB GA Por outro lado, se avaliarmos o grau de abertura pela relação entre o comércio total, os números parecem indicar que a economia brasileira ficou apenas um pouca mais aberta em relação ao mercado externo. O grau de abertura em 1985 era de 37,5% do PIB e em 2002 este chegou a 39% do PIB um crescimento de 4% no período analisado. (tabela 3). No entanto, podemos sintetizar que o setor de óleo de soja apresentou no período de 1985 a 2002, taxas discretas de crescimento do grau de abertura, com quedas abruptas no intervalo do período, o ano de 1991 apresentou uma queda relevante, em razão da queda nas exportações deste ano De acordo com as análises realizadas, podemos perceber que entre os setores do complexo da soja, o que apresentou maior crescimento no grau de abertura foi o setor de soja em grãos. De uma maneira geral, se avaliarmos o grau de abertura do complexo da soja como um todo (tabela 3), podemos perceber que houve um aumento do grau de abertura em alguns períodos analisados. Em 1985 o grau de abertura era de 44,0%, no decorrer dos anos até 1993, este apresentou queda devido a cortes em incentivos a agricultura. Após a implementação do Plano Real em 1994, o grau de abertura do complexo da soja apresentou um ótimo desempenho chegando a 52,7%, este comportamento se deu principalmente a alta nas exportações de óleo de soja, que neste período tiveram incentivos a exportação pois o estoque mundial de soja estava em baixa. A partir de 1996 o grau de abertura apresentou quedas chegando em 1997 com 38,1%. Somente após a implementação da Lei Kandir em 1997 é que o grau de abertura voltou a crescer, ocasionado pelas altas de exportação de soja em grão, chegando em 2002 com 47,7% de grau de abertura. O aumento verificado nas exportações da soja em grão foi expressivo, desde meados da década de 90, onde a composição das exportações brasileiras do complexo da soja ( grão,

14 14 farelo e óleo) vem apresentando alterações no sentido de aumento do grão em detrimento do farelo e óleo. A soja em grão, que em 1995 respondia por 13,5%, em 2002 passou a representar 39,7% do valor total das exportações desse complexo. No mesmo período, a participação do farelo decresceu de 78,6% para 61%. A demanda por óleo de soja é caracterizada pelo suprimento do mercado interno, ao contrário do farelo que tem nas exportações o seu principal destino. Ainda assim, a parcela do óleo na pauta de exportações desses produtos foi reduzida de 47,7% para 37,5% no mesmo período de 1995 a Este fato está relacionado com a atual estrutura tributária brasileira, pautada na isenção de Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) à exportação simultaneamente à incidência de imposto na movimentação interna da safra, o que cria vantagem adicional para a exportação do grão, em detrimento dos seus derivados. Este mesmo aspecto também foi analisado por Freitas et alli (2000, p ). Finalmente podemos comparar o desempenho do grau de abertura do complexo da soja antes e depois da abertura comercial. A soja em grão apresentou em média 0,141 de grau de abertura antes da abertura comercial e 0,243 depois da abertura. O óleo de soja também apresentou mudanças, antes da abertura situou em um patamar médio de 0,328 de grau de abertura, após a abertura comercial ficou em 0,366. De acordo com as análises, a hipótese de que a abertura comercial aumenta o fluxo de comércio internacional, apresentando um crescimento de oferta interna e externa do produto melhorando o nível de produtividade e qualidade dos produtos, se confirmou para dois setores do complexo da soja, a soja em grão e o óleo de soja. Um ponto que deve ser enfatizado é que é preciso consolidar uma política de abertura comercial que reduza a dependência de produtos agrícolas (soja em grão), de baixo valor adicionado. Se o país mantiver a ampla liberalização comercial do presente, enquanto os outros países sustentam políticas protecionistas, a tendência é a crescente deterioração nas relações de troca previstas por Prebisch, até porque, o protecionismo dos países ricos são mais exacerbados exatamente no setor que o Brasil tem maiores vantagens comparativas. Outro ponto importante que deve ser enfatizado, é que diversos autores 6 em seus trabalhos destacaram com ênfase que a abertura comercial eliminou as firmas excedentes nos setores em que a maior eficiência microeconômica dependa fortemente do melhor aproveitamento de economias de escalas. Este comportamento também se verificou nas indústrias processadoras de soja, onde a utilização de plantas industriais com maior capacidade produtiva em detrimento das plantas menores, aumentaria os ganhos de escala 7. Mas estas mudanças ocorridas após a abertura comercial não trouxeram aumento no fluxo comercial dos produtos processados do complexo da soja (farelo e óleo), como pode ser observado na análise de grau de abertura, estes dois setores não aumentaram seu grau de abertura após a abertura comercial iniciada em Análise de Competitividade Pretende-se verificar com a análise de Vantagem Relativa na Exportação (VRE) e a Competitividade Revelada (CR) o desempenho do complexo da soja antes e depois da abertura comercial, verificando se o complexo ficou mais competitivo após a abertura. Conforme exposto na seção 2, utilizar-se-á dos instrumentos denominados de: Vantagem Relativa na Exportação (VRE) e Competitividade Revelada (CR). A VRE permite analisar o desempenho de um país, ou grupo deles, nas exportações de determinado produto de um conjunto de produtos. A tabela 4 apresenta a evolução do comércio brasileiro e mundial do complexo da soja no período de 1985 a 2000, por decorrência de não existir informações a nível mundial para os anos de 2001 e Destaque-se, inicialmente que nossas exportações totais cresceram ao 6 Nassif (2000) e Stallenges & Peres (2000). 7 Medeiros & Fraga (2002)

15 15 longo de todo o período de análise, em rítmo mais acelerado que o comércio mundial. A exceção foi o triênio , onde as exportações sofreram uma queda, ocasionado por políticas agrícolas no início do Plano Collor, que reduziu drasticamente os subsídios para agricultura. Quanto às importações, durante o período analisado apresentou um pequeno crescimento, com valores irrelevantes se comparados as importações do complexo da soja no mundo. Tabela 4 - Exportação e importação do complexo da soja no Brasil e no mundo (1000 t) Exportação do Complexo da Soja Importação do Complexo da Soja 8 Período Soja em Grão Brasil Mundo Brasil Mundo Farelo Óleo Soja em Grão Farelo Óleo Soja em Grão Farelo Óleo Soja em Grão Fonte: ABIOVE (2003) e USDA (2003). De acordo com os dados obtidos na tabela 4, faz-se necessário medir o grau de competitividade do complexo da soja mediante o mercado mundial. O gráfico 4 traz o desempenho da competitividade da soja em grão no período de 1985 a Gráfico 4 Farelo Óleo Competitividade da Soja em Grão, Brasil ,80 0,70 0,60 0,50 0,40 0,30 0,20 0,10 indicadores 0,00 0,15 0, ,42 0, ,11 0, ,29 0, ,20 0, VRE Grão 0,38 0, ,49 0, A análise permite inferir que em 1992 a competitividade da soja em grão brasileira apresentou o mesmo comportamento de A partir de 1992 houve reversão no 8 Entende-se que a importação do complexo da soja brasileiro seja decorrente da necessidade de se adequar as condições de oferta e demanda, contudo, não há informações nos órgãos representativos que possam confirmar esse entendimento. 0,17 0, ,30 0, CR Grão anos 0,37 0, ,22 0, ,30 0, ,58 0, ,53 Linear (VRE Grão) 0, ,57 0, ,69 0,

16 16 desempenho e o produto soja em grão recuperou competitividade no mercado mundial, a despeito da valorização da moeda entre 1994 e Essa recuperação pode ser observada pelos indicadores de vantagem relativa na exportação (VRE) e competitividade revelada (CR) para a soja em grão comercializadas pelo país. Esses indicadores atingiram ponto mínimo em 1985 e 1987 e após a abertura comercial o ponto mínimo foi atingido em VRE é um indicador que relaciona a participação relativa da soja em grão nas exportações brasileiras e mundiais. Em 1985 encontrava-se em torno de 0,15, indicando uma discreta vantagem relativa do Brasil nas exportações do produto 11. Em 1992, o indicador sofreu um queda, atingindo o mínimo de 0,17 patamar em que se manteve por 5 anos consecutivos. De 1997 em diante o setor mostrou recuperação da competitividade até 2000, ocasião em que o indicador apresentou 0,69 nível jamais observado após a abertura comercial. Um conjunto de fatores contribuíram para o aumento da quantidade exportada de soja em grão após 1997, mas o fator preponderante, foi a redução do ICMS sobre as exportações de produto in natura (Lei Kandir), tornando as exportações de soja em grão mais vantajosa que a de produtos processados (óleo e farelo). A CR é um indicador agregado mais abrangente, na medida que relaciona a participação brasileira nas exportações e importações de soja em grão as correspondentes participações no comércio mundial. Esse indicador permite observar as mesmas mudanças de tendência no comércio internacional do produto soja em grão. O aumento expressivo de competitividade em 1999 de correu do efeito conjugado da contração das importações internacionais de soja em grão. Na média, a soja em grão mostrou VRE iguala 0,23 no período que antecedeu a abertura comercial brasileira. Na etapa seguinte, ou seja após a abertura comercial, apresentou VRE igual a 0,42. Isso significa que a soja em grão brasileira aumentou sua competitividade após a abertura comercial. Já a competitividade do setor de farelo de soja no Brasil, mostrou-se em queda, como mostra o gráfico 5. Gráfico 5 indicadores 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 1,00 0,00 4,64 2,44 5,71 3,12 Competitividade do Farelo de soja, Brasil ,43 2,55 2,37 5,18 3,35 2,53 3,89 3,00 1,81 1,88 1, , VER Farelo anos Linear (VER Farelo) A VRE em 1985 foi de 4,64, indicando uma ótima vantagem relativa do Brasil nas exportações do farelo de soja, em 1990 este mesmo indicador apresentou-se em 2,55 e em 2000 atingiu o seu mínimo 1,54. O fator mais preponderante da queda da competitividade do 9 Um dos pilares do Plano Real era a política cambial que foi administrada com o propósito de inibir o retorno do processo inflacionário. Isso implicou valorização da moeda até janeiro de 1999, ocasião em que a taxa de câmbio passou a flutuar. 10 Os indicadores calculados encontram-se no ANEXO II. 11 Lembrar que se VRE<0 o país apresenta desvantagem nas exportações do produto em questão. Embora 0,15 implique competitividade, a agricultura em geral situava-se em 1,5 em 1985 (CARVALHO, 2001).

17 17 farelo de soja no final da década de 90, foi a implementação da Lei Kandir e o aumento da taxação deste produto na União Européia e Japão 12. A análise permite inferir que até 1990 houve ganho de competitividade do farelo de soja brasileiro. A partir desta data houve uma reversão no desempenho deste produto, perdendo competitividade no mercado mundial. Dois determinantes contribuíram para a perda de competitividade no período analisado; o primeiro se deve ao fato do farelo de soja manter o mesmo desempenho exportador em todo período, enquanto que as exportações mundiais expandiam-se, o segundo determinante, foi que as exportações brasileiras de soja em grão aumentaram substancialmente e as exportações de farelo de soja não acompanhou este mesmo desempenho. Em média, o farelo de soja mostro VRE igual a 4,07 antes da abertura comercial brasileira e após apresentou 2,70.Deste modo, conclui-se que o setor de farelo de soja perdeu competitividade após a abertura comercial. O gráfico 6 traz o desempenho da competitividade brasileira de óleo de soja no período de 1985 a De acordo com os indicadores obtidos através da VRE e CR podemos concluir que até 1990 houve perda de competitividade do óleo de soja brasileiro. Neste período o volume das exportações brasileiras sofriam quedas abruptas, enquanto as exportações no mundo apresentavam um comportamento crescente e linear. No período de 1991 até 1998 houve uma reversão no desempenho e o setor voltou a apresentar competitividade, a partir de 1998 a competitividade volta a cair. Este salto ocorrido em 1998 também está relacionado com a implementação da Lei Kandir. A análise da VRE mostra que em 1985 o indicador alcançou seu maior nível de competitividade 1,88 indicando vantagem relativa do brasil nas exportações de óleo de soja. Em 1991 o indicador atingiu o seu mínimo de 0,44, de 1992 em diante o setor mostrou recuperação da competitividade. Um conjunto de fatores contribuiu para o instável comportamento da quantidade exportada de óleo de soja no Brasil. A queda do VRE em 1991 se deu devido a baixa nas exportações brasileiras enquanto as exportações do mundo aumentavam, o mesmo ocorreu em Gráfico 6 indicadores 2,00 1,80 1,60 1,40 1,20 1,00 0,80 0,60 0,40 0,20 0,00 Competitividade do Óleo de Soja, Brasil ,88 0,83 0,76 0,10 1,65 0,76 1,22 0,07 1,05 0,22 1,02 0,07 0,44 0,23 0,95 0,43 0,83 0,45 1,09 0,34 1,26 0,38 1,16 0,47 0,87 0,46 1,11 0,93 1,28 0, ,83 0, VRE Óleo CR Óleo anos Linear (VRE Óleo) O CR permite observar a mesma mudança de comportamento no comércio internacional de óleo de soja, a única diferença é que em 2000 o indicador sofreu um aumento se comparado com 1999, devido a uma ligeira queda de importações no mercado mundial. No período que antecedeu a abertura comercial o VRE obteve uma média de 1,31, após a abertura comercial ficou em 0,98. Isto significa que o óleo de soja brasileiro perdeu competitividade após a abertura comercial. 12 A análise do indicador de CR não foi realizado por os dados não serem relevantes.

18 18 Finalmente, o conjunto de resultados obtidos no complexo da soja, tanto nas análises de VRE quanto na de CR, mostraram que somente soja em grão aumento sua competitividade após a abertura comercial, farelo e óleo de soja sofreram perda de competitividade no mercado mundial. Deste modo, a hipótese de que o aumento do fluxo comercial, dado a abertura comercial, melhora o nível de competitividade, não se verifica em todos os setores do complexo da soja. De acordo com a análise podemos concluir que os fatores que contribuíram para este desempenho do complexo da soja foi, políticas agrícolas e políticas protecionistas praticadas nos países importadores de óleo e farelo de soja. 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS A nova ordem econômica mundial, resultado do agressivo processo de globalização da economia, que assume cada vez mais um caráter expansionista, vem reascender uma antiga e interminável discussão, entre os defensores do protecionismo e os defensores do liberalismo. O argumento mais contundente do protecionismo é com relação à indústria nascente e setores prioritários, que segundo os defensores necessitam de determinada proteção para estarem em condições de igualdade com os concorrentes externos. Para os defensores do liberalismo, o mercado livre é o caminho para a modernização e inserção competitiva na economia mundial. Os argumentos do liberalismo põem em dúvida a validade das restrições ao comércio e a proteção à indústria nacional e acaba induzindo países antes considerados fechados a se inserirem no processo de abertura econômica, diante da constatação de que os países são cada vez mais interdependentes. Nesse sentido, uma das poucas realizações positivas que pode ser creditada ao governo de Fernando Collor de Mello, foi de perceber os rumos que a economia mundial seguia e tentar situar o Brasil neste caminho. Para tanto, promoveu uma série de modificações, entre elas, a política de abertura econômica. Assim, a dinâmica existente no processo de desenvolvimento da economia brasileira motivou-nos a realizar o presente artigo, onde se analisou o comportamento do complexo da soja antes e depois da abertura comercial. Entende-se que a contribuição deste artigo reside justamente no propósito de demonstrar empiricamente o desempenho do complexo da soja na economia brasileira neste processo de inserção internacional, iniciando com maior vigor no governo Collor. O que se pode constatar é que o complexo da soja no Brasil ainda continua fechado, tendo somente o setor de farelo de soja apresentado coeficientes de grau de abertura alto, (GA) alto, em média no período de análise foi de 74,5%. Apesar da grande evolução nas exportações de soja em grãos durante o período analisado, este ainda não conseguiu atingir um alto grau de abertura. De maneira complementar, a análise de grau de abertura confirmou a hipótese formulada, que, de 1985 a 2002 o complexo da soja, aumentou sua produção devido ao aumento do grau de abertura. Isto ocorreu porque o setor teve que buscar maior eficiência para concorrer no mercado internacional, reduzindo assim, os preços e aumentando a participação no mercado interno e externo, obtendo ganhos de escala. Cabe destacar que no período de 1985 a 2002, verificou-se um discreto aumento nas importações, ao passo que as exportações tiveram um ótimo desempenho. O motivo da grande elevação das exportações, está no avanço da reforma tarifária e nas políticas cambiais, notadamente a partir de A análise de competitividade confirmou a hipótese de que um maior fluxo comercial aumenta a competitividade do setor em relação à soja em grãos. Nesse caso, a soja em grãos se tornou mais competitiva após a abertura comercial. Os fatores que contribuíram para este desempenho foram, políticas agrícolas mais eficientes e preços competitivos via desvalorização cambial.

19 Finalmente, a economia brasileira e, especificamente o complexo da soja, tem apresentado nos últimos anos um bom desempenho em seu processo de integração comercial, o que propiciou uma crescente eliminação da mentalidade protecionista, fazendo com que se siga o caminho da abertura gradual e constante da economia. Cabe agora a capacidade de competitividade dos produtos brasileiros em relação aos congêneres, e isto inclui uma política agrícola mais eficiente para produtos semi industrializados e industrializados do complexo da soja, uma maior eficiência alocativa para obter ganhos de escala. 7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS DE ÓLEOS VEGETAIS ABIOVE. Disponível em <http:/www.abiove.com.br>. Acesso em 28 nov BLANCHFIELD, W.; OSER, J. História do pensamento econômico. Editora Atlas, São Paulo, BONATO, E. R; BONATO, L. V. A soja no Brasil: História e estatística. Londrina, Pr: CAMARGO, Geraldo S. et alli. Estimação de Equação de Oferta de Exportação de Produtos Agropecuários para o Brasil (1992/2000). In: Anais do XL CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, Passo Fundo, Rio Grande do Sul, jul., CARVALHO, Maria A.; SILVA. César R.; SILVA, Valquiria. Liberalização comercial e Competitividade da Agricultura Brasileira. In: Anais do XL CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, Passo Fundo, Rio Grande do Sul, jul., CARVALHO, Maria A. Estabilização dos preços agrícolas no Brasil: a política de garantia de preços mínimos. São Paulo, IEA. Coleção Estudos Agrícolas, COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO CONAB. Disponível em <http:/www.agricultura.com.br>. acesso em 28 jan FREITAS, S. M.de; BARBOSA; M. Z.; FRANCA, T. J.F. Cadeia de produção de soja no Brasil: o caso do óleo. Informações Econômicas, SP, vol.30, nº.12, dez., GASQUES, José G. et alli. Competitividade de Grãos e de Cadeias Selecionadas do Agribusiness. Texto para discussão nº 538,IPEA, HOLLANDA, B. Sérgio. Livre comércio versus protecionismo: uma antiga controvérsia e suas novas feições. Estudos Econômicos. São Paulo, vol. 28, nº1, jan/mar, MAFIOLETTI, Robson. L. Formação de preços na cadeia agroindustrial da soja na década de 90. Revista de Economia e sociologia Rural, vol 39, nº. 4, out/dez, MEDEIROS. Natalino, H.. Transição e movimento nos agronegócios brasileiros: A competitividade no eixo Centro-Oeste/Norte frente ao Mercosul. In: Anais do XL CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, Passo Fundo, Rio Grande do Sul, jul., MEDEIROS, Natalino H. E FRAGA; Gilberto, J. A concentração industrial nos agonegócios: análise do índice CR4 na indústria de refino do óleo de soja. In: Anais do XL CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, Passo Fundo, Rio Grande do Sul,.jul., MINISTRÉRIO DA AGRICULTURA. Disponível em <http/www.m.gov.br>. Acesso em 28 out NASSIF, André Luiz. A articulação das Políticas Industrial e Comercial nas Economias em Desenvolvimento contemporâneas: Uma Discussão analítica. Revista de Economia Política, vol.20, nº2, abr/jun, RICARDO, David. Princípios da Economia Política e Tributação. São Paulo. Editora Abril cultural, SEREIA, Vanderlei J.; NOGUEIRA, Jorge M.; CAMARA, Márcia R. G. As exportações paranaenses e a competitividade do complexo agroindustrial. In: Anos do XL CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, Passo Fundo, Rio Grande do Sul, jul., SILVA, Adriana F.; SANTOS, Cristiane; SANTOS, Maurinha. Análise do comportamento do setor de soja em grão Brasileiro 1985 a In: Anais do XL CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, Passo Fundo, Rio Grande do Sul, jul., SILVA, Edilean, K.; TARGINO, Ivan. Determinantes das exportações brasileiras de soja no período de 1961 a In: Anais do XL CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, Passo Fundo, Rio Grande do Sul, jul.,

20 SISMONDI, J. C. L. Sismonde de. Nouveaux Principes d Économie Politique ou de la Richesse dans ses rapports avec la Population. France: Calmann-Lévy, (tradução livre de Reginaldo Santana Figueiredo). SMITH, Adam. Investigação sobre a Natureza e as Causas da Riqueza das Nações. Os Economistas. São Paulo, editora Abril Cultural, vol. I, UNIDET STATES DEPARTMENT OF AGRICULTURE - USDA. Disponível em <http:/www.usda.gov>. acesso em 11 jan VOLLRATH, T. L. Competitivines and protection in world agriculture. Agriculture Information Bulletin. Nº. 567, USDA, jul,

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Prof. Esp. Lucas Cruz. www.proflucas.com

Prof. Esp. Lucas Cruz. www.proflucas.com Prof. Esp. Lucas Cruz www.proflucas.com O principal discípulo de Smith, David Ricardo, sofisticou um pouco mais essa teoria. Segundo ele, ainda que uma economia fosse mais eficiente em todos os produtos,

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009.

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Para os produtores de sorgo o ano de 2008 pode ser considerado como bom. As condições climatológicas foram favoráveis durante todo o ciclo

Leia mais

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014.

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil na Comissão de Assuntos Econômicos, no Senado Federal Página 1 de 8 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA 1 Outubro 2009 ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA Fernando Raphael Ferro de Lima * INTRODUÇÃO Este trabalho busca compreender como se modificaram, no período recente, os fluxos internos

Leia mais

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA.

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA A Federação da Rússia é o maior país do mundo, com 17 milhões de km2. O censo de 2001 revelou uma população de 142,9 milhões de habitantes, 74% dos quais vivendo nos centros

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

Conjuntura e perspectivas. Panorama do mercado de extração de óleos

Conjuntura e perspectivas. Panorama do mercado de extração de óleos Conjuntura e perspectivas Panorama do mercado de extração de óleos I Simpósio Tecnológico PBIO de Extração de Óleos Vegetais Daniel Furlan Amaral Economista Rio de Janeiro - RJ 03 Dezembro 2009 Roteiro

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 As exportações em novembro apresentaram diminuição de 27,64% em relação a outubro. Continuam a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela vigésima-segunda

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto

Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto Para analisar qualquer mercado é importante entender primeiramente o contexto no qual

Leia mais

PAINEL DÍVIDA PÚBLICA, POLÍTICA FISCAL E O IMPASSE NO DESENVOLVIMENTO

PAINEL DÍVIDA PÚBLICA, POLÍTICA FISCAL E O IMPASSE NO DESENVOLVIMENTO PAINEL DÍVIDA PÚBLICA, POLÍTICA FISCAL E O IMPASSE NO DESENVOLVIMENTO Painelistas: Prof. Dr. Benjamin Alvino de Mesquita (Brasil) Prof. Dr. Adriano Sarquis Bezerra de Menezes (Brasil) Prof. Dr. Jair do

Leia mais

Unidade 1.1 Teorias de Comércio Internacional Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2) Causas do Comércio Internacional Os países comerciam por que? São diferentes uns dos outros, isto é apresentam

Leia mais

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO?

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? Josué Pellegrini 1 As contas externas de um país estão retratadas no seu balanço de pagamentos, registros das transações econômicas entre residentes

Leia mais

Tributação na Indústria de Óleos Vegetais

Tributação na Indústria de Óleos Vegetais Câmara Setorial da Soja MAPA Tributação na Indústria de Óleos Vegetais Fabio Trigueirinho Secretário Geral Goiânia GO 12 de agosto de 2011 Estrutura da Apresentação Cadeia de produção da soja e seus derivados

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

Teoria do comércio Internacional

Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Surgimento de uma economia global; Comércio + ou - = conflito armado; Estado nacional moderno e a economia internacional moderna surgem

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL. Profa. Enimar J. Wendhausen

ECONOMIA INTERNACIONAL. Profa. Enimar J. Wendhausen ECONOMIA INTERNACIONAL Profa. Enimar J. Wendhausen Balanço de Pagamentos Registra contabilmente todas as transações econômicas realizadas entre residentes (pessoas físicas ou jurídicas, que tenham esse

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 203 ARTIGOS COMPLETOS... 204

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 203 ARTIGOS COMPLETOS... 204 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 203 ARTIGOS COMPLETOS... 204 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgou recentemente sua primeira estimativa para a safra brasileira

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 Depenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 As exportações em junho apresentaram redução de 8,57% sobre maio após expansão por quatro meses consecutivos. Desta forma, supera a marca de US$ 1 bilhão

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Índice 1. Apresentação da Disciplina...3 2 1. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina Economia de Mercado objetiva apresentar as relações econômicas que balizam

Leia mais

Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal

Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal INFORMATIVO n.º 35 AGOSTO de 2015 Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal Depreciação do yuan traz incertezas adicionais à economia chinesa neste ano

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

4 SETOR EXTERNO. ipea

4 SETOR EXTERNO. ipea 4 SETOR EXTERNO RESTRIÇÕES EXTERNAS AO CRESCIMENTO ECONÔMICO Tradicionalmente, as restrições ao crescimento da economia brasileira são consideradas como limites impostos pela deterioração incontornável

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DE ALGUMAS COMMODITIES (CAFÉ, SOJA, AÇÚCAR E SUCO DE LARANJA)

O COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DE ALGUMAS COMMODITIES (CAFÉ, SOJA, AÇÚCAR E SUCO DE LARANJA) O COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DE ALGUMAS COMMODITIES (CAFÉ, SOJA, AÇÚCAR E SUCO DE LARANJA) Ricardo Dalla Costa 1 RESUMO O presente artigo vem analisar o nível de preço e produtividade, tecnologia, comercialização

Leia mais

A Presença da Siderurgia Brasileira no Mercado Internacional: Desafios para Novos Avanços

A Presença da Siderurgia Brasileira no Mercado Internacional: Desafios para Novos Avanços A Presença da Siderurgia Brasileira no Mercado Internacional: Desafios para Novos Avanços Fernando Rezende 1 As importantes transformações ocorridas na siderurgia brasileira após a privatização promovida

Leia mais

Ciclos Econômicos. Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana

Ciclos Econômicos. Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana Ciclos Econômicos Abordagem keynesiana X neoclássica Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana Aula de Fernando Nogueira da Costa Professor

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA 580 5.3 EXPORTAÇÃO: ESTRUTURA E DESEMPENHO RECENTE José Antônio Nicolau * As vendas no mercado externo são um tradicional indicador de competitividade de empresas e setores produtivos. Ainda que seja resultado

Leia mais

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA)

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Alicia Ruiz Olalde Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Exportações Agronegócio (CEPEA) Em 2012, a receita das exportações do agronegócio brasileiro alcançou US$ 97 bilhões. Em 2014,

Leia mais

As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008

As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008 As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008 Julio Gomes de Almeida Mauro Thury de Vieira Sá Daniel Keller de Almeida Texto para Discussão. IE/UNICAMP n. 149, nov. 2008. ISSN

Leia mais

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2. GERÊNCIA SETORIAL 4 - SETOR DE BENS DE CAPITAL OR DE ENS DE CAPITAL - DESEMPENHO EM Data: 08/12/95 Nº 2

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2. GERÊNCIA SETORIAL 4 - SETOR DE BENS DE CAPITAL OR DE ENS DE CAPITAL - DESEMPENHO EM Data: 08/12/95 Nº 2 ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL 4 - SETOR DE BENS DE CAPITAL OR DE ENS DE CAPITAL - DESEMPENHO EM Data: 08/12/95 Nº 2 MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS INTRODUÇÃO Caracterização

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL

OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1. Produção de Leite Rodrigo Sant`Anna Alvim 1 O Brasil conta com um setor leiteiro que vem crescendo substancialmente nos últimos anos. Grande importador

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial BRICS Monitor A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial Outubro de 2011 Núcleo de Desenvolvimento, Comércio, Finanças

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA : Carta de Conjuntura do IPEA Apresentadoras: PET - Economia - UnB 25 de maio de 2012 1 Nível de atividade 2 Mercado de trabalho 3 4 5 Crédito e mercado financeiro 6 Finanças públicas Balanço de Riscos

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

Evolução Recente do Pronaf-Crédito 1999 a 2013

Evolução Recente do Pronaf-Crédito 1999 a 2013 1 Evolução Recente do Pronaf-Crédito 1999 a 2013 Fernando Gaiger Silveira Alexandre Arbex Valadares Resumo: O PRONAF está prestes a completar 20 anos, tendo seu carro chefe, o crédito, apresentado um desempenho,

Leia mais

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov.

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov. CAFÉ Jorge Queiroz 1. MERCADO INTERNACIONAL Segundo o USDA, a produção mundial de café deverá atingir no ano 2009/2010, um total de 127,4 milhões de sacas. Entretanto, a OIC (Organização Internacional

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração Prof. Tatiele Lacerda Curso de administração Vamos estudar a política fiscal: nessa visão ela é mais influente para o atingimento do pleno emprego, sem inflação Modelo keynesiano básico: preocupa-se mais

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

A inserção internacional brasileira*

A inserção internacional brasileira* cap_04_palestras.qxd:layout 1 8/1/11 11:38 PM Page 43 43 A inserção internacional brasileira* ANTÔNIO CORRÊA LACERDA O Brasil foi um dos países que mais mudou nos últimos dez anos, conquistando uma maior

Leia mais

EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002

EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002 EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002 Senhores Acionistas, A conjuntura política nacional continuou gerando turbulências no mercado, aumentando significativamente o risco do

Leia mais

Brasília, 24 de março de 2015.

Brasília, 24 de março de 2015. Brasília, 24 de março de 2015. Pronunciamento do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Página 1 de 16 Exmo. Sr. Presidente da Comissão

Leia mais

Setor Externo: Triste Ajuste

Setor Externo: Triste Ajuste 8 análise de conjuntura Setor Externo: Triste Ajuste Vera Martins da Silva (*) A recessão da economia brasileira se manifesta de forma contundente nos resultados de suas relações com o resto do mundo.

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA INTRODUÇÃO 1. COMPLEXO AGROINDUSTRIAL CAI 2. AGROINDÚSTRIA

INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA INTRODUÇÃO 1. COMPLEXO AGROINDUSTRIAL CAI 2. AGROINDÚSTRIA INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA ÁREA INDUSTRIAL MAIO/2009 Nº 11 INTRODUÇÃO Neste informe são apresentados alguns dados sobre os desembolsos do BNDES para a agroindústria no ano de 2008. 1. COMPLEXO

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 As exportações em maio apresentaram aumento de +39,13% em relação a abril, continuando a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela décima-sexta vez

Leia mais

A Indústria de Alimentação

A Indústria de Alimentação A Indústria de Alimentação 61 A indústria brasileira de alimentação está inserida na cadeia do agronegócio e representa parte significativa do PIB. O texto aponta as características do setor, seu desempenho

Leia mais

O BRASIL E O MUNDO. Mailson da Nóbrega. Ciclo de Grandes Conferências 2010. Fundação Calouste Gulbenkian. Lisboa, 6 de setembro de 2010

O BRASIL E O MUNDO. Mailson da Nóbrega. Ciclo de Grandes Conferências 2010. Fundação Calouste Gulbenkian. Lisboa, 6 de setembro de 2010 O BRASIL E O MUNDO Mailson da Nóbrega Ciclo de Grandes Conferências 2010 Fundação Calouste Gulbenkian Lisboa, 6 de setembro de 2010 Avanços institucionais: um novo Brasil Democracia consolidada Judiciário

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: MARÇO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES O modelo tradicional do setor elétrico estruturado através de monopólios naturais verticalizados foi a principal forma de provisionamento de energia elétrica no mundo

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Terceiro Trimestre 2014 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional 3 O Cimento no Brasil 3 Processo produtivo 4 Histórico 5 Indústria 6 Produção 7 Consumo 8 Produção e consumo aparente regional 9 Vendas internas e exportação 10 Características da Indústria Cimenteira

Leia mais

POR QUE O REAL SE VALORIZA EM RELAÇÃO AO DÓLAR DESDE 2002?

POR QUE O REAL SE VALORIZA EM RELAÇÃO AO DÓLAR DESDE 2002? POR QUE O REAL SE VALORIZA EM RELAÇÃO AO DÓLAR DESDE 2002? Resenha produzida por Paulo Springer de Freitas 1 Este texto é uma resenha do estudo O câmbio no Brasil: perguntas e respostas, de autoria de

Leia mais

O Paradoxo Cambial e as Exportações Brasileiras Roberto Giannetti da Fonseca*

O Paradoxo Cambial e as Exportações Brasileiras Roberto Giannetti da Fonseca* O Paradoxo Cambial e as Exportações Brasileiras Roberto Giannetti da Fonseca* Uma das perguntas mais freqüentes que me fazem hoje em dia, é por que as exportações brasileiras continuam batendo recordes

Leia mais

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada Análise setorial Agropecuária A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Vivian Fürstenau** Economista da FEE Introdução Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira

Leia mais

Departamento de Competitividade e Tecnologia

Departamento de Competitividade e Tecnologia Custos Econômicos e Sociais da Guerra Fiscal do ICMS na Importação DECOMTEC/FIESP Se não bastassem os efeitos da guerra cambial, dos elevados juros e da elevada carga, a indústria nacional enfrenta agora

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

Milho Período: 16 a 20/03/2015

Milho Período: 16 a 20/03/2015 Milho Período: 16 a 20/03/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,2434 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais