Processo de Retrocomissionamento Relato de Caso do Projeto Demonstrativo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processo de Retrocomissionamento Relato de Caso do Projeto Demonstrativo"

Transcrição

1 Projeto Demonstrativo para o Gerenciamento Integrado no Setor de Chillers Processo de Retrocomissionamento Relato de Caso do Projeto Demonstrativo Maurício Salomão Rodrigues & Pedro Hoffmann 01/04/ Fortaleza Execução Implementação Realização

2 Processo de Retrocomissionamento ATIVIDADES REALIZADAS Análise do Projeto Executivo Definição dos Requisitos Atuais do Sistema de Ar Condicionado Verificação da Instalação Verificação de Operação Verificação de Desempenho Análise dos Resultados da Investigação Programa de Melhorias e Plano de Ação de Correções

3 Chillers - Edifício 1

4 Chiller com HCFC-22

5 Bombas de Água Gelada

6 Bombas de Água de Resfriamento

7 Painéis Elétricos

8 Torre de Resfriamento

9 Torre de Resfriamento

10 Análise do Projeto Executivo VERIFICAÇÃO DA FUNCIONALIDADE DO SISTEMA NOVO PROJETO DA CAG Aumento da Capacidade Máxima da CAG; Chiller Reserva; Válvulas de Balanceamento nos Chillers; Inversores de Frequência nas Torres e Controle da Temperatura de Água de Resfriamento; Inversor de Frequência nas BACs Circuito Único de Água Gelada com Vazão Variável Monitoração da Capacidade Atual e Eficiência Energética dos Chillers e da CAG.

11 Análise do Projeto Executivo CAPACIDADE MÁXIMA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Sistema em Sistema Atual kw ton kw ton Potência Absorvida - Chillers kw Potência Absorvida - TOTAL kw kw/kw Capacidade Máx. do Sistema Capacidade Máx. dos Chillers COP - TOTAL

12 Análise do Projeto Executivo DOCUMENTOS DE PROJETO DESATUALIZADOS Desenhos As Built da CAG Desenhos As Built da Área das Torres de Resfriamento Manual do Sistema e dos Equipamentos do Projeto de Alteração (incluindo UR-03, BAC-03/ 03R, TR-03, Válvulas de Bloqueio e Sistema de Automação). PMOC Revisão para atender requisitos de Otimização Energética.

13 Análise do Projeto Executivo Sistema de Distribuição de Ar DOCUMENTOS DE PROJETO DESATUALIZADOS Desenhos As Built dos pavimentos Não foi identificado o sistema de extração de fumaça dos pavimentos nos projetos fornecidos. Este item está descrito no memorial descritivo da instalação. As salas de reunião podem apresentar desconforto ao usuário, visto que a ocupação não é constante e não há dispositivos VAV para cada uma destas salas;

14 Análise do Projeto Executivo Sistema de Distribuição de Ar DIMENSIONAMENTO DO AR EXTERNO Pavimento Nº de pessoas Vazão Atual de Ar Externo Projeto (m³/h) Vazão Mínima de Ar Externo NBR16401 (m³/h) Desvio (%) 2º º º º

15 Análise do Projeto Executivo Sistema de Distribuição de Ar PRESSURIZAÇÃO DO EDIFÍCIO VAZÃO DE AR EXTERNO VAZÃO DE EXAUSTÃO TAG Vazão (m³/h) VC CV Total VA VA VA VC VC Total 32927

16 Análise do Projeto Executivo Sistema de Distribuição de Ar Resumo: Atualização dos documentos de projeto; Verificação para atendimento da vazão de ar externo dos pavimentos; Melhor desempenho dos condicionadores de ar em função da substituição do etileno glicol por água gelada; Adequação do sistema existente para o Lay Out atual.

17 Verificação da Instalação CENTRAL DE ÁGUA GELADA Equipamento Desvio Atividade BAGM-01 Vibração excessiva Manutenção Mecânica UR-01A Atuador - Válvula Motorizada Manutenção Elétrica UR-01B Atuador - Válvula Motorizada Manutenção Elétrica TR-01 Atuador - Válvula Motorizada Manutenção Elétrica TR-02 Atuador - Válvula Motorizada Sujeira no circuito de água gelada Leitura errada no sistema supervisório Não instalados Manutenção Elétrica Filtros - Geral Medidor de Vazão FE-01 Purgadores de Ar Manutenção Mecânica Manutenção de Automação Instalação Mecânica

18 Verificação da Instalação CONDICIONADORES DE AR Desvio Equipamentos Sujeira nos filtros de água gelada Geral Isolamento Térmico da Tubulação Geral FCH-01A FCH-01B FCH-03D FCH-03F FCH-10A FCV-02 FCH-11 FCH-08A FCH-08B FCH-03I FCH-03J FCH-06 FCH-14 Válvula de 2 Vias Sem Atuador/ Atuador Desconectado Válvula de 2 Vias Atuador não modula/ Modula muito rápido Válvula de 2 Vias Não veda totalmente quando fechada Válvula de 2 Vias Não Instalada Válvula de 2 Vias Vazamento de Água FCV-03 FCH-03B FCH-09 Atividade Manutenção Mecânica Instalação Mecânica Manutenção Mecânica Instalação Mecânica/ Elétrica/ Automação Manutenção Mecânica Instalação Mecânica/ Elétrica/ Automação Manutenção Mecânica

19 Verificação da Instalação CONDICIONADORES DE AR Desvio Equipamentos Bandeja de condensado entupida FCV-02 FCV-04 FCV-08 FCH-14 FCV-03 FCH-03J FCH-16 FCH-02 FCH-03F FCH-06 FCH-03A FCH-03G FCH-07 FCV-07 Fan Coil desativado FCH-03K Inversor de Frequência Acionamento Direto Inversor de Frequência Não Modula Inversor de Frequência Faltante Inversor de Frequência Apresenta Falha/ Ruído Excessivo Atividade Manutenção Elétrica/ Automação Manutenção Automação Instalação Elétrica/ Automação Manutenção Elétrica/ Automação Manutenção Mecânica Manutenção Mecânica

20 Purgadores de Ar Manuais

21 Verificação da Instalação Sistema de Distribuição de Ar Difusores desacoplados:

22 Verificação da Instalação Sistema de Distribuição de Ar Difusores com fitas adesivas:

23 Verificação da Instalação Sistema de Distribuição de Ar A B C D E G H J K 4 5 F

24 Verificação da Instalação Sistema de Distribuição de Ar Desbalanceamento da distribuição de ar; Desbalanceamento da vazão de ar dos condicionadores: 35% da vazão total do pavimento atende as regiões centrais, atendidas por VACs; 65% da vazão total do pavimento atende as regiões periféricas, atendidas por VAVs;

25 Verificação da Instalação Sistema de Distribuição de Ar As VACs operam como Dampers 0 ou 100% (on off); Este conceito prejudica o controle de temperatura do pavimento.

26 Verificação de Operação TESTES OPERACIONAIS BOMBAS Edifício 01 - São Paulo- SP BAGM-01A - Curva Característica 60 Altura Manométrica (mca) Medições em Campo 30 Q_máx 25 Dado de Placa 20 Q_proj 15 Curva de Projeto Poly. (Medições em Campo) Vazão (m³/h)

27 Verificação de Operação TESTES OPERACIONAIS BOMBAS Edifício 01 - São Paulo - SP BAGM-01A - Eficiência 90 Eficiência (%) Medições em Campo 40 Q_máx Q_proj Dado de Placa 30 Curva de Projeto Poly. (Medições em Campo) Vazão (m³/h)

28 Verificação de Operação TESTES OPERACIONAIS BOMBAS Edifício 01 - São Paulo- SP BAC-01B - Curva Característica 50 Altura Manométrica (mca) Medições em Campo 25 Q_máx Dado de Placa 20 Q_proj 15 Curva de Projeto Poly. (Medições em Campo) Vazão (m³/h)

29 Verificação de Operação TESTES OPERACIONAIS BOMBAS Edifício 01 - São Paulo - SP BAC-01B - Eficiência 90 Eficiência (%) Medições em Campo 40 Q_máx Q_proj Dado de Placa 30 Curva de Projeto Poly. (Medições em Campo) Vazão (m³/h)

30 Verificação de Operação TESTES OPERACIONAIS TORRES DE RESFRIAMENTO Edifício 01 - São Paulo - SP TR-03 - "Approach" da Torre Temp. da Água na Entrada da Torre Temp. da Água na Saída da Torre 40.0 Temp. de Bulbo Úmido do Ar na Entrada da Torre Approach Temperatura ( C) :00 09:00 10:00 11:00 12:00 13:00 14:00 15:00 16:00 17/11/ /11/ Hora (hh:mm) 17:00 18:00 19:00 20:00

31 Verificação de Operação TESTES OPERACIONAIS TORRES DE RESFRIAMENTO Edifício 01I - São Paulo - SP TR-03 - Coeficiente de Eficácia da Torre (K.A) Coef. de Eficácia da Torre (kw/ C) :00 09:00 10:00 11:00 12:00 13:00 14:00 15:00 16:00 17:00 18:00 17/11/ /11/ Hora (hh:mm) Potência Absorvida Motor do Ventilador = 10 kw 19:00 20:00

32 Verificação de Operação TESTES OPERACIONAIS TORRES DE RESFRIAMENTO Temp. da Água na Entrada da Torre Edifício 01 - São Paulo - SP TR-02 - "Approach" da Torre Temp. da Água na Saída da Torre Temp. de Bulbo Úmido do Ar na Entrada da Torre 40.0 Approach Temperatura ( C) :30 14:00 14:30 15:00 15:30 16:00 16:30 17:00 05/01/ Hora (hh:mm) 17:30 18:00 18:30 19:00 19:30 20:00

33 Verificação de Operação TESTES OPERACIONAIS TORRES DE RESFRIAMENTO Edifício 01 - São Paulo - SP TR-02 - Coeficiente de Eficácia da Torre (K.A) Coef. de Eficácia da Torre (kw/ C) :30 14:00 14:30 15:00 15:30 16:00 16:30 17:00 17:30 18:00 18:30 19:00 05/01/ Hora (hh:mm) Potência Absorvida Motor do Ventilador = 16 kw 19:30 20:00

34 Testes Operacionais nos FCs

35 Testes Operacionais nos FCs

36 Testes Operacionais nos FCs Conforme pode ser observado nos gráficos, a capacidade do fancoil deste pavimento atingiu picos de 200 kw, operando em uma média de 170 kw. Este valor está coerente com a simulação da serpentina realizada e mostrada no relatório de Verificação da Instalação. Podemos afirmar, também, que a carga térmica deste pavimento está atingindo o limite do equipamento mesmo durante o período observado, quando as temperaturas externas não estavam elevadas. Portanto poderá haver falta de capacidade em dias mais quentes. Esta capacidade elevada ocorreu apenas durante três horas no dia observado

37 Verificação de Desempenho TESTES DE DESEMPENHO - CHILLERS Edifício 01 - São Paulo - SP Chiller UR-01B - Temperatura da Água Gelada 15.0 Temperatura de Entrada no Chiller 14.0 Temperatura de Saída do Chiller 13.0 Temperatura ( C) :00 13:30 14:00 14:30 15:00 15:30 16:00 06/01/ Hora (hh:mm) 16:30 17:00 17:30 18:00 18:30

38 Verificação de Desempenho TESTES DE DESEMPENHO - CHILLERS Edifício 01 - São Paulo - SP Chiller UR-01B - Temperatura da Água de Resfriamento Temperatura ( C) Temperatura de Entrada no Condensador :00 Temperatura de Saída do Condensador 13:30 14:00 14:30 15:00 15:30 16:00 06/01/ Hora (hh:mm) 16:30 17:00 17:30 18:00 18:30

39 Verificação de Desempenho TESTES DE DESEMPENHO - CHILLERS Edifício 01 - São Paulo - SP Chiller UR-01B - Carga Parcial Part Load (%) % Capacidade Nominal 10 % Corrente Nominal (FLA) 0 13:00 13:30 14:00 14:30 15:00 15:30 16:00 06/01/ Hora (hh:mm) 16:30 17:00 17:30 18:00 18:30

40 Verificação de Desempenho TESTES DE DESEMPENHO - CHILLERS Edifício 01 - São Paulo - SP Chiller UR-01B - Eficiência Energética COP - Coeficiente de Prerformace (kw/kw) :00 13:30 14:00 14:30 15:00 15:30 16:00 06/01/ Hora (hh:mm) 16:30 17:00 17:30 18:00 18:30

41 Verificação de Desempenho TESTES DE DESEMPENHO - CHILLERS Edifício 01 - São Paulo - SP Chiller UR-03 - Temperatura da Água Gelada 14.0 Temperatura de Entrada no Chiller 13.0 Temperatura de Saída do Chiller 12.0 Temperatura ( C) :00 11:00 12:00 13:00 14:00 15:00 16:00 03/12/ Hora (hh:mm) 17:00 18:00 19:00 20:00

42 Verificação de Desempenho TESTES DE DESEMPENHO - CHILLERS Edifício 01 - São Paulo - SP Chiller UR-03 - Temperatura da Água de Resfriamento 37.0 Temperatura de Entrada no Condensador 36.0 Temperatura de Saída do Condensador 35.0 Temperatura ( C) :00 11:00 12:00 13:00 14:00 15:00 16:00 03/12/ Hora (hh:mm) 17:00 18:00 19:00 20:00

43 Verificação de Desempenho TESTES DE DESEMPENHO - CHILLERS Edifício 01 - São Paulo - SP Chiller UR-03 - Carga Parcial 110 % Capacidade Nominal 100 % Corrente Nominal (FLA) 90 Part Load (%) :00 11:00 12:00 13:00 14:00 15:00 16:00 03/12/ Hora (hh:mm) 17:00 18:00 19:00 20:00

44 Verificação de Desempenho TESTES DE DESEMPENHO - CHILLERS Edifício 01 - São Paulo - SP Chiller UR-03 - Eficiência Energética COP - Coeficiente de Prerformace (kw/kw) :00 11:00 12:00 13:00 14:00 15:00 16:00 03/12/ Hora (hh:mm) 17:00 18:00 19:00 20:00

45 Verificação de Desempenho TESTE FUNCIONAL DO SISTEMA DE AUTOMAÇÃO Sistema opera em modo manual remoto; Válvulas motorizadas dos Chillers antigos e Torres antigas não funcionam; Controle Visual de partida dos Chillers inadequada; Alguns sensores de campo apresentam problemas e precisam ser corrigidos; Faltam Telas específicas no Sistema Supervisório para monitoração das condições de operação dos Chillers. Faltam Telas específicas no Sistema Supervisório para monitoração da Capacidade Atual e Eficiência Energética dos Chillers e da CAG.

46 VERIFICAÇÃO FUNCIONAL da Rede de Distribuição de Ar As não conformidades identificadas na instalação da rede de distribuição de ar causam disfunção do sistema de controle de temperatura nos ambientes. Esta disfunção gera zonas muito frias e outras zonas quentes. Os usuários reclamam com a equipe de operação do edifício que na tentativa de atendê-los busca uma operação manual das VAVs anulando o sistema de controle automático. Esta ação, nem sempre atinge os resultados esperados causando mais desconforto e uma consciência coletiva de que o sistema não funciona e que os usuários devem se conformar com esta realidade ou buscar soluções individuais como, por exemplo, obstruir os difusores de insuflamento com fitas adesivas.

47 VERIFICAÇÃO FUNCIONAL da Rede de Distribuição de Ar Estas ações individuais, quando combinadas, geram mais desequilíbrio no sistema de distribuição de ar e, portanto uma situação caótica que se distancia da possibilidade de atingir-se o equilíbrio de temperaturas no ambiente condicionado Os sensores de pressão para indicação da saturação dos filtros dos fancoils não estavam operando. Alguns sensores de VAVs apresentaram desvios em suas leituras. Uma calibração e ajustes dos outros sensores trarão um resultado satisfatório.

48 PLANO DE AÇÃO DE CORREÇÕES SISTEMA DE ÁGUA GELADA Verificação de Desempenho Item Descrição Fase Impactos no Sistema Proposta de Solução Prioridade Atuadores das Válvulas de Bloqueio Motorizadas dos UR-01A/ UR-01B e TR-01/ TR-02 estão avariados. Operação/ Manutenção/ Automação Falta de controle. O sistema de automação da CAG está praticamente inoperante por causa destas válvulas. Substituição dos Atuadores e Válvulas 2 Vibração Excessiva na BAGM-01. Operação/ Manutenção Risco de avaria maior. Ruído e vibração excessivos que afeta os usuários do Térreo e Mezannino. Realizar uma revisão geral na bomba, motor elétrico, alinhamento, estrutura da base. Como opção verificar o custo de substituição da bomba. Alta 3 Válvulas de 2 Vias de controle de vazão de água gelada nos Fan Coils avariadas ou com mal funcionamento (16 de 38-42%). Operação/ Manutenção/ Automação Falta de Controle nos Fan Coils. Vazão Excessiva de Água Gelada. Aumento do consumo de energia na CAG. Desconforto no pavimento. Incluir no PMOC um plano de revisão geral e contínuo destas válvulas. Como opção, substituir estas válvulas (17 anos) por válvulas inteligentes com controle e monitoração de consumo de energia com ar condicionado nos pavimentos. Alta 4 BACs-01A/B/R apresentam um desempenho muito abaixo dos valores de projeto e com consumo de energia excessivo Operação/ Manutenção Aumento do consumo de energia na CAG Substituição das BACs Alta 5 O sistema de automação está deficiente e não é possível operar o sistema em automático. Automação Revisão de lógicas, habilitação das telas dos CAG operando em modo manual Chillers. Habilitação de telas de trends e remoto e sem controle adequado. benchmarks da CAG. 6 Os Fan Coils não possuem válvulas de balanceamento. Instalação/ Operação Falta de controle e vazão excessiva nos circuitos secundários. Instalação das válvulas de balanceamento Média 7 Documentação de Projeto Desatualizada. Projeto "As Built" Falta de dados para gerenciamento operacionald dos equipamentos e sistema Prover documentação adequada. Média 8 Inversores de Frequência dos Ventiladores dos Fan Coils apresentam problemas (13 de 38-35%). Operação/ Manutenção/ Automação Falta de Controle na vazão de ar. Incluir no PMOC um plano de revisão geral e Aumento do consumo de energia contínuo dos inversores. Como opção, substituir os no Fan Coil. Desconforto no inversores (17 anos). pavimento. Média 9 Sistema de purga de ar do circuito de água gelada é precário. Instalação/ Operação/ Manutenção Excesso de ar no sistema. Problemas de corrosão interna na Instalação de um sistema de purga automático. tubulação. Média As torres de resfriamento TR-01 e TR-02 apresentam baixo desempenho e afetam o desempenho dos chillers. Operação/ Manutenção Aumento do consumo de energia na CAG 1 10 Revisão geral nas torres TR-01 e TR-02 e substituição do enchimento, além de uma análise do ventilador OU substituição das torres. Urgente Alta Média

49 PLANO DE AÇÃO DE CORREÇÕES SISTEMA DE ÁGUA GELADA Verificação de Desempenho

50 PLANO DE AÇÃO DE CORREÇÕES SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE AR Verificação de Desempenho Item Descrição Fase Impactos no Sistema Proposta de Solução 1 Caixas VAC operando como damper on off sem exercer a função de contole de vazão Instalação/ Operação Sem autoridade para controle de substituindo todas as caixas VAC por caixas temperatura nos ambientes VAV condicionados 2 Adequação do sistema de distribuição de ar de cada pavimento ao respectivo Lay out atual; Instalação/ Operação Sem autoridade para controle de Projeto de adequação e posterior instalação das temperatura nos ambientes alterações condicionados 3 Calibração dos sensores de temperatura que apresentaram desvios maiores do que 1,0ºC; Operação/ Manutenção Falta de controle de temperatura Calibração de sensores nos ambientes condicionados 4 Execução do Teste, Ajuste e Balanceamento do Sistema de distribuição de ar com; Operação/ Manutenção Sem autoridade para controle de Execução do TAB após as alterações descritas temperatura nos ambientes acima condicionados 5 Definição dos novos setpoints do sistema de controle de temperatura dos pavimentos através de ensaio funcional do sistema de distribuição de ar Operação/ Manutenção Sem autoridade para controle de Durante a Execução do TAB fazer o teste temperatura nos ambientes funcional para definição dos set points condicionados 6 Emissão de documento contendo o mapeamento de caixas VAV condizente com o Lay out atual do pavimento para facilitar a identificação de possíveis problemas operacionais do sistema de controle; 7 Emissão do Manual de Operação do sistema de ar Condicionado que descreve o funcionamento correto Projeto do sistema, os setpoints atuais, as capacidades dos Built" condicionadores, a especificação dos componentes de controle, etc. Projeto Built" "As "As Sem autoridade para controle de temperatura nos ambientes Prover documentação adequada. condicionados Falta de dados para gerenciamento operacionald dos Prover documentação adequada. equipamentos e sistema

51 PLANO DE AÇÃO DE CORREÇÕES SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE AR Item Verificação de Desempenho Descrição Fase Prioridade Objetivos/ Resultados Estimativa de Custos Benefícios aos Usuários 1 Caixas VAC operando como damper on off sem exercer a função de contole de vazão Instalação/ Operação Alta Controlar a temperatura dos ambientes R$ Conforto termico 2 Adequação do sistema de distribuição de ar de cada pavimento ao respectivo Lay out atual; Instalação/ Operação Media Controlar a temperatura dos ambientes Depende de cada pavimento Conforto termico 3 Calibração dos sensores de temperatura que apresentaram desvios maiores do que 1,0ºC; Operação/ Manutenção Média Controlar a temperatura dos ambientes Depende de cada pavimento Conforto termico 4 Execução do Teste, Ajuste e Balanceamento do Sistema de distribuição de ar com; Operação/ Manutenção Média Controlar a temperatura dos ambientes estima-se R$ por pavimento Conforto termico 5 Definição dos novos setpoints do sistema de controle de temperatura dos pavimentos através de ensaio funcional do sistema de distribuição de ar Operação/ Manutenção Média Controlar a temperatura dos ambientes imbutir no custo de TAB Conforto termico 6 Emissão de documento contendo o mapeamento de caixas VAV condizente com o Lay out atual do Projeto pavimento para facilitar a identificação de possíveis Built" problemas operacionais do sistema de controle; Alta Controle de engenharia sobre o sistema existente.??? Emissão do Manual de Operação do sistema de ar Condicionado que descreve o funcionamento correto Projeto do sistema, os setpoints atuais, as capacidades dos Built" condicionadores, a especificação dos componentes de controle, etc. Alta Controle de engenharia sobre o sistema existente.??? --- "As "As

52 Oportunidades de Melhorias Retrofit dos Chillers Antigos com HCFC-22; Chiller para Sistema Dedicado de Resfriamento de Ar Externo (DOAS); Válvulas de Controle de Vazão de Água Gelada e Monitoração do Consumo de Energia nos Fan Coils; Válvulas de Balanceamento nos Fan Coils.

53 Retrofit dos Chillers com HCFC-22 CAPACIDADE MÁXIMA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Sistema em Sistema Atual Real Retrofit - Chillers com HCFC-22 kw ton kw ton Potência Absorvida - Chillers kw Potência Absorvida - TOTAL kw COP - TOTAL kw/kw COP CHILLERS UR-01A/B kw/kw Capacidade Máx. do Sistema Capacidade Máx. dos Chillers O ganho de Eficiência Energética nos Chillers após o Retrofit será superior a 45%.

54 Execução Implementação Realização

Homologado pelos fabricantes de equipamentos

Homologado pelos fabricantes de equipamentos Homologado pelos fabricantes de equipamentos Confiabilidade e durabilidade são indispensáveis. A suspensão de uma sessão de radioterapia ou a perda de hélio em uma ressonância magnética precisam ser evitadas

Leia mais

APRESENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DA WRS CONSULTORIA LTDA

APRESENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DA WRS CONSULTORIA LTDA APRESENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DA WRS CONSULTORIA LTDA IMPORTÂNCIA DO COMISSIONAMENTO COMISSIONAMENTO COMISSIONAMENTO COMISSIONAMENTO COMISSIONAMENTO OBJETIVO DO COMISSIONAMENTO Verificar o cumprimento dos

Leia mais

Lista de problemas número 1. Exercícios de Refrigeração e Psicrometria A) REFRIGERAÇÃO

Lista de problemas número 1. Exercícios de Refrigeração e Psicrometria A) REFRIGERAÇÃO Lista de problemas número 1 Exercícios de Refrigeração e Psicrometria A) REFRIGERAÇÃO 1) Determinar as propriedades do R-134 nas seguintes condições: a) t = - 40 o C x = 1 b) p = 1 MPa t = 80 0 C c) p

Leia mais

SUMÁRIO. Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos

SUMÁRIO. Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos SUMÁRIO Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos 1.1 - Introdução 1.2 - Mecânica dos Fluidos e Hidráulica 1.3 - Viscosidade e Outras Propriedades 1.3.1 - Viscosidade

Leia mais

26/08/ Agosto/2012

26/08/ Agosto/2012 26/08/2012 1 Agosto/2012 Refrigeração. 26/08/2012 2 Circuito Frigorifico O ciclo de refrigeração ou ciclo frigorífico é um ciclo termodinâmico que constitui o modelo matemático que define o funcionamento

Leia mais

O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características:

O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características: 6. SIMULAÇÃO 6.1. Pré-requisitos específicos 6.1.1. Programa de simulação O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características: ser um programa para

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos QUEM SOMOS A MEGAPRESS é fabricante de sistemas de pressurização inteligentes e também painéis de comandos voltados para área de aquecimento, possuímos profissionais capazes de desenvolver

Leia mais

23/06/2010 ETIQUETAGEM DO PROCEL EDIFICA - ASPECTO DO CONDICIONAMENTO DE AR. Nathan Mendes - PUCPR Fernando Westphal ETIQUETAGEM PROCEL/INMETRO

23/06/2010 ETIQUETAGEM DO PROCEL EDIFICA - ASPECTO DO CONDICIONAMENTO DE AR. Nathan Mendes - PUCPR Fernando Westphal ETIQUETAGEM PROCEL/INMETRO ETIQUETAGEM DO PROCEL EDIFICA - ASPECTO DO CONDICIONAMENTO DE AR Nathan Mendes - PUCPR Fernando Westphal ETIQUETAGEM PROCEL/INMETRO 1 ENCE Etiqueta Nacional de Conservação de Energia Etiqueta Edifício

Leia mais

Sistemas de Climatização e Componentes - I

Sistemas de Climatização e Componentes - I Sistemas de Climatização e Componentes - I PME 2515 - Ar Condicionado e Ventilação Alberto Hernandez Neto -Direitos autorais reservados - É proibida a reprodução deste material sem a autorização expressa

Leia mais

A importância da ABNT NBR e a QUALIDADE DO AR INTERIOR

A importância da ABNT NBR e a QUALIDADE DO AR INTERIOR A importância da ABNT NBR 16401-1 e a QUALIDADE DO AR INTERIOR Validade: a partir de 04 / set / 2.008 NBR 16401-1 Projetos e Instalações NBR 16401-2 Parâmetros de Conforto Térmico NBR 16401-3 Qualidade

Leia mais

Gestão de Energia e Eficiência Energética em Sistemas de Climatização

Gestão de Energia e Eficiência Energética em Sistemas de Climatização PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão de Energia e Eficiência Energética em Sistemas de Climatização Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Modalidade: Presencial 1 1 OBJETIVOS EDUCACIONAIS 1.1 OBJETIVO

Leia mais

COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Endereço completo. Complemento Bairro Cidade UF

COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Endereço completo. Complemento Bairro Cidade UF ANEXO I PLANO DE MANUTENÇÃO, OPERAÇÃO E CONTROLE PMOC. 1 - Identificação do Ambiente ou Conjunto de Ambientes: Nome (Edifício/Entidade) Endereço completo N.º Complemento Bairro Cidade UF Telefone: Fax:

Leia mais

Eldorado Business Tower

Eldorado Business Tower Os desafios das soluções de sistemas prediais em edifícios altos: o caso do Eldorado Business Tower Engº.Luis Fernando Ciniello Bueno Gerente Geral de Obras Requisitos do Projeto > Ser Conectável > Ser

Leia mais

Msc. Eng. Fernando Pozza

Msc. Eng. Fernando Pozza Sistemas de Climatização por Condensação a Ar: Maximizando o Desempenho do Sistema em Cargas Parciais Através da Análise do Perfil de Temperaturas Externas Msc. Eng. Fernando Pozza Situação da Energia

Leia mais

Unidade Intercambiadora de Calor Série YE

Unidade Intercambiadora de Calor Série YE Unidade Intercambiadora de Calor Série YE A unidade intercambiadora de calor Série YE foi desenvolvida para proporcionar o máximo conforto térmico em ambientes. Projetada para atender diferentes demandas

Leia mais

ANEXO-II FREQÜÊNCIA DE MANUTENÇÃO

ANEXO-II FREQÜÊNCIA DE MANUTENÇÃO ANEXO-II FREQÜÊNCIA DE MANUTENÇÃO EQUIPAMENTO: CHILLER MODELO: RCU0303AS2A5P HITACHI AR CONDICIONADO DO BRASIL LTDA. Circuito de refrigerante Compressor Ventiladores do equipamento Serpentina do condensador

Leia mais

Benchmarking e Desempenho Energético Operacional ABRINSTAL 11 / 11 / 2014

Benchmarking e Desempenho Energético Operacional ABRINSTAL 11 / 11 / 2014 Benchmarking e Desempenho Energético Operacional ABRINSTAL 11 / 11 / 2014 Emissões de CO2 da energia elétrica Energia em edifícios no PNE 2050 Impacto EE Aumento de consumo Número de domicílios passa

Leia mais

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. São Paulo - SP - Brasil

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. São Paulo - SP - Brasil XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Implantação de Sistema de Ar Condicionado Central com Termoacumulação na Fundação Padre

Leia mais

FENERGIA

FENERGIA FENERGIA 2016 28.11.2016 Eficiência Energética: Cenários e Oportunidades CENÁRIO DE ENERGIA - MUNDO Mudança na demanda de Energia: atual - 2035 Insights» 21 % do consumo mundial atual = China» Crescimento

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife Dorival

Leia mais

Sistemas de Ar Condicionado Residenciais

Sistemas de Ar Condicionado Residenciais Eng. Dr. Fulvio Vittorino - IPT 1 Sistemas de Ar Condicionado Residenciais Eng. Dr. Fúlvio Vittorino IPT - Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo Objetivo Processos e equipamentos mecânicos

Leia mais

Lages Garden Shopping Sistema de Climatização

Lages Garden Shopping Sistema de Climatização NOVEMBRO/2014 Lages Garden Shopping Sistema de Climatização Expediente Ao Leitor Desenvolvida pela Rede Nacional de Mídia, a Revista HVAC MERCOSUL é a primeira revista 100% digital dirigida ao setor da

Leia mais

SEMINÁRIO GESTÃO DO USO DA ENERGIA ELÉTRICA NO SANEAMENTO

SEMINÁRIO GESTÃO DO USO DA ENERGIA ELÉTRICA NO SANEAMENTO AESBE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS ESTADUAIS DE SANEAMENTO SEMINÁRIO GESTÃO DO USO DA ENERGIA ELÉTRICA NO SANEAMENTO Tipologias de projeto Rio de Janeiro Março / 2013 Airton S. Gomes - Consultor

Leia mais

EXTREME POWER MODELO - TST MODELO - TX. Unidade Split de Alta Capacidade

EXTREME POWER MODELO - TST MODELO - TX. Unidade Split de Alta Capacidade ETREME POWER MODELO - TST Unidade Split de lta Capacidade MODELO - T Eficiência é cuidar da vida s Unidades Split lta Capacidade da TRO possuem altos índices de eficiência energética e performance, são

Leia mais

BSM 2080/2385 ALTA EFICIÊNCIA MESMO A CARGAS PARCIAIS CONDENSADOR MICROCANAL INSTALAÇÃO RÁPIDA E FÁCIL MODO DE OPERAÇÃO NOTURNA

BSM 2080/2385 ALTA EFICIÊNCIA MESMO A CARGAS PARCIAIS CONDENSADOR MICROCANAL INSTALAÇÃO RÁPIDA E FÁCIL MODO DE OPERAÇÃO NOTURNA by BSM 2080/2385 Chillers condensação a ar Instalação ao tempo Compressores parafuso Trocadores de calor casco e tubo Ventiladores axiais Capacidade de refrigeração 317-2273 kw (90-646 TR) ALTA EFICIÊNCIA

Leia mais

ANEXO II PLANO DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA

ANEXO II PLANO DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA CHILLER 001 1 Limpeza geral da CAG. Incluindo compressores. Mensal 2 Eliminar ruídos e vibrações anormais ou programar corretiva. Mensal 3 Verificar / completar nível de óleo Mensal 4 Registra pressões

Leia mais

Informação de produto Fancolete Hospitalar FCDF-HS I-BR/FCDF-HS/P/00

Informação de produto Fancolete Hospitalar FCDF-HS I-BR/FCDF-HS/P/00 Características: Os Fancoletes da série FCDF-HS são equipamentos de alto desempenho, indicados para uso em clinicas e hospitais. Graças à baixa altura que possui em todos os seus tamanhos, é indicado para

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO" Campus de Guaratinguetá, Departamento de Energia

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Guaratinguetá, Departamento de Energia UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO" Campus de Guaratinguetá, Departamento de Energia Disciplina: Laboratório de Sistemas Térmicos Professor: José Alexandre Matelli LEVANTAMENTO DO

Leia mais

MANUAL DE SISTEMAS DE BOMBEAMENTO

MANUAL DE SISTEMAS DE BOMBEAMENTO manual do usuário PROCEL SANEAR MANUAL DE SISTEMAS DE BOMBEAMENTO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AMT rotação máxima CURVA DA BOMBA ponto de operação curva de rendimento máximo CURVA DO SISTEMA VAZÃO HEBER PIMENTEL

Leia mais

MANUAL DE SERVIÇO. Condicionadores de Ar Split High-Wall. Modelos LX-HX

MANUAL DE SERVIÇO. Condicionadores de Ar Split High-Wall. Modelos LX-HX Condicionadores de Ar Split High-Wall Modelos LX-HX Prezado Assistente Técnico, Este documento foi desenvolvido com o objetivo de proporcionar a você, o maior número de informações possíveis, buscando

Leia mais

Projeto Demonstrativo para o Gerenciamento Integrado no Setor de Chillers CHILLERS EM SÉRIE. Cristiano Brasil Midea Carrier 27/04/2016 São Paulo

Projeto Demonstrativo para o Gerenciamento Integrado no Setor de Chillers CHILLERS EM SÉRIE. Cristiano Brasil Midea Carrier 27/04/2016 São Paulo Projeto Demonstrativo para o Gerenciamento Integrado no Setor de Chillers CHILLERS EM SÉRIE Cristiano Brasil Midea Carrier 27/04/2016 São Paulo Execução Implementação Realização AGENDA Tipos de arranjos

Leia mais

ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA ATRAVÉS DO USO DE CONVERSORES DE FREQUÊNCIA EM APLICAÇÕES COM BOMBAS CENTRÍFUGAS E VENTILADORES

ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA ATRAVÉS DO USO DE CONVERSORES DE FREQUÊNCIA EM APLICAÇÕES COM BOMBAS CENTRÍFUGAS E VENTILADORES ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA ATRAVÉS DO USO DE CONVERSORES DE FREQUÊNCIA EM APLICAÇÕES COM BOMBAS CENTRÍFUGAS E VENTILADORES Henrique Matheus Engenheiro Eletricista formado pela Universidade Federal de

Leia mais

Water Cooled Motor refrigerado à água

Water Cooled Motor refrigerado à água Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Water Cooled Motor refrigerado à água Baixo nível de ruído Fácil manutenção Baixo custo operacional Motores Water Cooled Os motores refrigerados

Leia mais

Ensaio de Bombas Centrífugas

Ensaio de Bombas Centrífugas Ensaio de Bombas Centrífugas 1. NORMAS DE ENSAIO Os ensaios de desempenho e de cavitação para bombas hidráulicas de fluxo (centrífugas, axiais e mistas), de classe C (bombas de utilização corrente) são

Leia mais

PLANEJAMENTO DO SISTEMA DE AUTOMAÇÃO, CONTROLE DE NÍVEL E SUPERVISÃO DE UM RESERVATÓRIO DE 1m 3 PARA UMA VAZÃO CONSTANTE DE ALIMENTAÇÃO

PLANEJAMENTO DO SISTEMA DE AUTOMAÇÃO, CONTROLE DE NÍVEL E SUPERVISÃO DE UM RESERVATÓRIO DE 1m 3 PARA UMA VAZÃO CONSTANTE DE ALIMENTAÇÃO PLANEJAMENTO DO SISTEMA DE AUTOMAÇÃO, CONTROLE DE NÍVEL E SUPERVISÃO DE UM RESERVATÓRIO DE 1m 3 PARA UMA VAZÃO CONSTANTE DE ALIMENTAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. DESCRIÇÃO GERAL DO PROCESSO O sistema destina-se

Leia mais

Eficiência Energética Cocelpa

Eficiência Energética Cocelpa Eficiência Energética Cocelpa 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Cocelpa Ramo de atividade: Papel e Celulose Localização: Araucária / PR Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul A4 Demanda Contratada:

Leia mais

Aplicação de Sistemas de Controle e Gestão de Redes de Distribuição. Autor: Carlos Rafael Bortolotto Galhardo 6º ENA - Março 2016

Aplicação de Sistemas de Controle e Gestão de Redes de Distribuição. Autor: Carlos Rafael Bortolotto Galhardo 6º ENA - Março 2016 Aplicação de Sistemas de Controle e Gestão de Redes de Distribuição Autor: Carlos Rafael Bortolotto Galhardo 6º ENA - Março 2016 Prolagos S/A Sistema de Água 2 2.460 3.470 222 Captações superficiais km

Leia mais

Workshop. Climatização e Cogeração Abril de Ronaldo Andreos

Workshop. Climatização e Cogeração Abril de Ronaldo Andreos Workshop Climatização e Cogeração Abril de 2008 Ronaldo Andreos Cia de Gás de São Paulo Fone: (11) 4504-5238/5072 Cel.: (11) 9638-8907 e-mail: randreos@comgas.com.br Climatização (Ar Condicionado) Agenda

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS PARA AR CONDICIONADO E REFRIGERAÇÃO

NORMAS BRASILEIRAS PARA AR CONDICIONADO E REFRIGERAÇÃO NORMAS BRASILEIRAS PARA AR CONDICIONADO E REFRIGERAÇÃO ESTAS NORMAS SÃO PRODUZIDAS E REVISADAS POR (ABNT) ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, ATRAVÉS DO COMITÊ BRASILEIRO Nº55 (CB 55) COM SEDE NA

Leia mais

Unidades condensadoras herméticas Blue Star e Compact Line

Unidades condensadoras herméticas Blue Star e Compact Line Unidades condensadoras herméticas Blue Star e Compact Line Estas unidades condensadoras são equipadas com os compressores herméticos reciprocos Danfoss Maneurop e podem ser utilizadas em aplicações de

Leia mais

CASSETE PISO TETO SOFISTICAÇÃO EM QUALIDADE E HARMONIA COM SEU AMBIENTE. AR CONDICIONADO. O novo grau de conforto. LINHA SPLIT

CASSETE PISO TETO SOFISTICAÇÃO EM QUALIDADE E HARMONIA COM SEU AMBIENTE. AR CONDICIONADO. O novo grau de conforto. LINHA SPLIT TO EN M A Ç N LA CASSETE PISO TETO SOFISTICAÇÃO EM HARMONIA COM SEU AMBIENTE. QUALIDADE E AR CONDICIONADO LINHA SPLIT 00485mn01.indd 1 O novo grau de conforto. 13/02/2015 14:20:24 Cassete Apresentação

Leia mais

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas.

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas. Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar Boas práticas O sistema de aquecimento solar e seus componentes O que é sistema de aquecimento solar (SAS) A ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas)

Leia mais

Equipamentos Água Gelada Água Torre

Equipamentos Água Gelada Água Torre Água Gelada Água Torre Equipamentos Equipamentos Bombeamento Água Torre Bombeamento Água Gelada Torres de Resfriamento Fancoil de Alvenaria Equipamentos Vista Externa Fancoil de Alvenaria Equipamentos

Leia mais

AR CONDICIONADO PARA PAINEL ELÉTRICO

AR CONDICIONADO PARA PAINEL ELÉTRICO AR CONDICIONADO PARA PAINEL ELÉTRICO CONTROLADOR DIGITAL DE TEMPERATURA MICROPROCESSADO INCORPORADO MODELO Características Técnicas CES-500W CES-800W 220V 538W 220V 380V 790W 453W 387W 665W 410W 412W 453W

Leia mais

RF - 2 min a 2 min 59 s RQ - 74 min a 74 min 59 s

RF - 2 min a 2 min 59 s RQ - 74 min a 74 min 59 s Funcionamento Saída Entrada RF - 0 a 2 min RQ - 0 a 74 min RF - 2 min a 2 min 59 s RQ - 74 min a 74 min 59 s RF - 2 min 59 s a 3 min RQ - 74 min 59 s a 75 min RF - Após 3 min RQ - Após 75 min RF RQ Vantagens

Leia mais

SISTEMAS DE CONDICIONAMENTO AMBIENTAL MARCELO DE ANDRADE ROMERO

SISTEMAS DE CONDICIONAMENTO AMBIENTAL MARCELO DE ANDRADE ROMERO SISTEMAS DE CONDICIONAMENTO AMBIENTAL MARCELO DE ANDRADE ROMERO QUANDO PRECISAMOS DE AR CONDICIONADO? DIAGRAMA BIOCLIMATICO DE GIVONI 30 30 zon Estratégias mais eficientes a 1 Conforto higrotérmico 10

Leia mais

Funcionamento. Vantagens. Secador de Ar Comprimido. por Adsorção. Construção em perfis de alumínio extrudado

Funcionamento. Vantagens. Secador de Ar Comprimido. por Adsorção. Construção em perfis de alumínio extrudado Secador de Ar Comprimido por Adsorção Funcionamento Saída Entrada RF - 0 a 2 min RQ - 0 a 74 min RF - 2 min a 2 min 59 s RQ - 74 min a 74 min 59 s RF - 2 min 59 s a 3 min RQ - 74 min 59 s a 75 min RF -

Leia mais

CALDEIRAS Winter 201 5

CALDEIRAS Winter 201 5 CALDEIRAS 201 Winter 5 30 CALDEIRAS COMPACTAS 31 CALDEIRAS COMPACTAS SZM A nova gama de caldeiras compactas Solzaima foi desenvolvida utilizando as mais modernas tecnologias e integra componentes de elevada

Leia mais

Controle térmico em processos de conformação de plásticos

Controle térmico em processos de conformação de plásticos Controle térmico em processos de conformação de plásticos O controle preciso da temperatura é essencial na indústria de plásticos. Para cada aplicação e matéria-prima processada há uma solução de resfriamento

Leia mais

Boletim Técnico TÍTULO: LANÇAMENTO DA NOVA SÉRIE DOS EQUIPAMENTOS DA FAMÍLIA CASSETE

Boletim Técnico TÍTULO: LANÇAMENTO DA NOVA SÉRIE DOS EQUIPAMENTOS DA FAMÍLIA CASSETE Julho / 01 Página 01/07 TÍTULO: LANÇAMENTO DA NOVA SÉRIE DOS EQUIPAMENTOS DA FAMÍLIA CASSETE SUMÁRIO: Informar o Lançamento das novas Unidades Evaporadoras da Linha Cassete. OBJETIVO: Informar as principais

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE BOMBAS INJETORAS DE LOCOMOTIVAS GE EFI (INJEÇÃO ELETRÔNICA)

RECUPERAÇÃO DE BOMBAS INJETORAS DE LOCOMOTIVAS GE EFI (INJEÇÃO ELETRÔNICA) RECUPERAÇÃO DE BOMBAS INJETORAS DE LOCOMOTIVAS GE EFI (INJEÇÃO ELETRÔNICA) RESUMO Com o início da utilização da frota de locomotivas GE que possui sistema de injeção eletrônica, o setor de manutenção da

Leia mais

BOMBA PRESSURIZADORA MANUAL DE SERVIÇO PB-088MA, 088JA PB-135MA, 135JA PB-S250MA, S250JA PB-350MA, 350JA MODELO

BOMBA PRESSURIZADORA MANUAL DE SERVIÇO PB-088MA, 088JA PB-135MA, 135JA PB-S250MA, S250JA PB-350MA, 350JA MODELO BOMBA PRESSURIZADORA MANUAL DE SERVIÇO MODELO PB-088MA, 088JA PB-135MA, 135JA PB-S250MA, S250JA PB-350MA, 350JA Leia atentamente este manual antes de instalar ou operar o equipamento para assegurar uma

Leia mais

Sistema TermoMistura

Sistema TermoMistura Sistema TermoMistura ESTABILIZADOR DE TEMPERATURA Linha MGE- 90 Aquecedores para Molde Sistema sem reservatório com bomba Sistema de troca direta ( Alta Vazão de água Alto poder de refrigeração ) O estabilizador

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Samarone Ruas

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Samarone Ruas EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Samarone Ruas 1 Introdução O aumento dos preços da energia, a consciência ambiental e o número crescente de regulamentações, têm levado as pessoas do mundo da indústria a cada vez

Leia mais

Cogeração em Centros. A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde Desenvolvimentos e Oportunidades 18 setembro 2015

Cogeração em Centros. A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde Desenvolvimentos e Oportunidades 18 setembro 2015 Cogeração em Centros Hospitalares Projeto CHSJ A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde Desenvolvimentos e Oportunidades 18 setembro 2015 Caracterização infraestrutura Hospital 1100 camas Área de

Leia mais

LINHA HERA DESCRITIVO TÉCNICO

LINHA HERA DESCRITIVO TÉCNICO LINHA HERA DESCRITIVO TÉCNICO 6ª Revisão NOMENCLATURA 4 1. APRESENTAÇÃO DO PRODUTO 5 2. CARACTERÍSTICAS GERAIS 6 2.1. CARACTERÍSTICAS GERAIS 6 2.2. GABINETE 7 2.3. SERPENTINAS 7 2.4. COMPRESSOR 7 2.5.

Leia mais

Consultoria em Irrigação e Fertirrigação. 3ª Reunião do GIC. Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012

Consultoria em Irrigação e Fertirrigação. 3ª Reunião do GIC. Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012 3ª Reunião do GIC Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012 Acionamento de motores elétricos em sistemas de irrigação via Inversor de Frequência e Qualidade na Aplicação e Operação de Sistema Carretel

Leia mais

Bombas pressurizadoras Bosch. Seu banho sempre com a pressão de água ideal.

Bombas pressurizadoras Bosch. Seu banho sempre com a pressão de água ideal. Bombas pressurizadoras Bosch. Seu banho sempre com a pressão de água ideal. www.bosch.com.br/termotecnologia 2 Bombas pressurizadoras com fluxostato Seu banho sempre com a pressão de água ideal PB-88 PB-135

Leia mais

Condensadores. Principais Tipos. Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial

Condensadores. Principais Tipos. Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Condensadores Principais Tipos Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Condensadores Resfriados a água sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Trocador casco e tubo

Leia mais

Instalações de Sistemas de Ar Condicionado Central, VRF, Ventilação, Exaustão.

Instalações de Sistemas de Ar Condicionado Central, VRF, Ventilação, Exaustão. Instalações de Sistemas de Ar Condicionado Central, VRF, Ventilação, Exaustão. SISTEMA DE AR CONDICIONADO VRF OU VRV Sistema VRF ou VRV:O VRV (Volume de refrigerante variável) ou VRF (do inglês variable

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1

ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1 ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1 Felipe Alex Trennepohl 2, Leandro Becker Kehler 3. 1 Estudo realizado para a

Leia mais

DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL ARQ5658 Eficiência Energética e Sustentabilidade em Edificações Prof. Fernando Simon Westphal Departamento de Arquitetura

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controle de Processos

Fundamentos de Automação. Controle de Processos Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controle

Leia mais

A Visão da Indústria sobre os Movimentos de Eficiência Energética e Conformidade. Fórum de Eficiência Energética

A Visão da Indústria sobre os Movimentos de Eficiência Energética e Conformidade. Fórum de Eficiência Energética A Visão da Indústria sobre os Movimentos de Eficiência Energética e Conformidade Fórum de Eficiência Energética Agenda Conceito de Esco; Conceito de Contrato de Performance; Potencial Nacional da Indústria

Leia mais

PLANILHA DE CUSTOS - SERVIÇOS DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE AR CONDICIONADO E EXAUSTÃO MECÂNICA. TOTAIS R$ 25.244,43 R$ 605.866,31

PLANILHA DE CUSTOS - SERVIÇOS DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE AR CONDICIONADO E EXAUSTÃO MECÂNICA. TOTAIS R$ 25.244,43 R$ 605.866,31 ANEXO 1- PLANILHAS ESTIMATIVAS DE CUSTO PLANILHA DE CUSTOS - SERVIÇOS DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE AR CONDICIONADO E EXAUSTÃO MECÂNICA. LOCAL TRT LAVRADIO EMPRESA: MANUTENÇÃO PREVENTIVA MANUTENÇÃO CORRETIVA

Leia mais

Projeto Demonstrativo para o Gerenciamento Integrado no Setor de Chillers

Projeto Demonstrativo para o Gerenciamento Integrado no Setor de Chillers Projeto Demonstrativo para o Gerenciamento Integrado no Setor de Chillers COMISSIONAMENTO EM SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE AR E DE ÁGUA GELADA Leonilton Tomaz Cleto Yawatz Engenharia Mauricio Salomão Rodrigues

Leia mais

DIRETORIA EXECUTIVA DE ENGENHARIA E GESTÃO PREDIAL - GERÊNCIA DE PROJETOS

DIRETORIA EXECUTIVA DE ENGENHARIA E GESTÃO PREDIAL - GERÊNCIA DE PROJETOS E SUB- 1 EQUIPQMENTOS R$ 2.002.017,60 1.1 RESFRIADOR DE LÍQUIDO - Incluso Material de e Transporte até ao Local da Obra 1.1.1 UNIDADE RESFRIADORA DE LIQUIDO - com condensação a ar e capacidade mínima de

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO EM PROCESSOS INDUSTRIAIS

INSTRUMENTAÇÃO EM PROCESSOS INDUSTRIAIS INSTRUMENTAÇÃO EM PROCESSOS INDUSTRIAIS Válvulas de controle (funções, componentes, tipos e aplicações) Patrícia Lins de Paula 25/03/2012 154 VÁLVULAS São dispositivos destinados a estabelecer, controlar

Leia mais

AR FUSION. Brasil. Pneumática. Resfriador de painel Tubo VORTEX SÉRIE VRP AR FUSION. Pneumática. VRP9-01 pressão de trab. 07bar

AR FUSION. Brasil. Pneumática. Resfriador de painel Tubo VORTEX SÉRIE VRP AR FUSION. Pneumática. VRP9-01 pressão de trab. 07bar Resfriador de painel Tubo VORTEX SÉRIE VRP VRP9-01 pressão de trab. 07bar WWW.ARFUSION.COM.BR Resfriador de painel VORTEX Os Resfriadores com Ar Comprimido - Vortex são destinados à aplicações especiais

Leia mais

Alguns questionamentos

Alguns questionamentos Alguns questionamentos Quais são as principais preocupações das administradoras e operadores prediais em relação ao desempenho do sistema de Ar Condicionado? - Atender a carga térmica (subdimensionamento

Leia mais

Chave Seccionadora Abertura Sob Carga Isolada em SF6. Power Quality

Chave Seccionadora Abertura Sob Carga Isolada em SF6. Power Quality Chave Seccionadora Abertura Sob Carga Isolada em SF6 Power Quality Introdução As chaves de abertura sob carga isoladas em SF6, modelo JK-Arteche foram projetadas para atender as crescente exigências do

Leia mais

Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos

Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos Grupo Light Distribuição Geração Serviços de Energia Restrita a parte do estado do RJ (incluindo a Grande Rio) Light Energia Itaocara Paracambi

Leia mais

AULA 4. Gustavo Franchetto Pereira. 29 de agosto de 2012

AULA 4. Gustavo Franchetto Pereira. 29 de agosto de 2012 AULA 4 Gustavo Franchetto Pereira 29 de agosto de 2012 0 Ementa 11) Noções de especificação; 12) Instalação; 13) Operação e controle; 14) Manutenção; 15) Fotos e vídeos; 16) Referências. 1 12) Instalação

Leia mais

ENERGIA HIDRÁULICA MÁQUINA DE FLUXO ENERGIA MECÂNICA

ENERGIA HIDRÁULICA MÁQUINA DE FLUXO ENERGIA MECÂNICA ª EXPERIÊNCIA - ESTUDO DAS BOMBAS APLICAÇÃO DA ANÁLISE DIMENSIONAL E DA TEORIA DA SEMELHANÇA 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS MÁQUINAS DE FLUXO ( BOMBAS, TURBINAS, COMPRESSORES, VENTILADORES) As máquinas que

Leia mais

AULA 9 ATUADORES ELÉTRICOS

AULA 9 ATUADORES ELÉTRICOS AULA 9 ATUADORES ELÉTRICOS Prof. Fabricia Neres Tipos de Acionamento Os acionadores são dispositivos responsáveis pelo movimento nos atuadores. Podem ser classificados em: Acionamento Elétrico; Acionamento

Leia mais

TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO

TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos A distribuição de ar aos diversos ambientes a serem

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS E FATORES DE DIMENSIONAMENTO

NORMAS TÉCNICAS E FATORES DE DIMENSIONAMENTO PROGRAMA DE EFICIENTIZAÇÃO INDUSTRIAL NORMAS TÉCNICAS E FATORES DE DIMENSIONAMENTO Prof. TOMAZ NUNES DEE - UFC NORMAS NBR 7094 - Máquinas Elétricas Girantes - Motores de Indução - Especificação. NBR 5031

Leia mais

Sistemas de Energia Solar e Eólica Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita

Sistemas de Energia Solar e Eólica Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Sistemas de Energia Solar e Eólica Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Especificações dos Módulos Fotovoltaicos Comerciais Sistemas de Energia Solar e Eólica Identificação e informações gerais Módulo

Leia mais

Gerenciamento de Energia. Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética

Gerenciamento de Energia. Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Gerenciamento de Energia Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Sistemas de tarifario Brasileiro: Conceitos Dois modelos de tarifação: Convencional e Horo-Sazonal. Clientes do Grupo

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Procuradoria Geral Departamento de Administração Coordenação de Arquitetura e Engenharia

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Procuradoria Geral Departamento de Administração Coordenação de Arquitetura e Engenharia ANEXO VIII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO EXECUTIVO DE INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS 1. Os projetos de instalações hidrossanitárias deverão atender às recomendações e especificações

Leia mais

BOMBA PRESSURIZADORA MANUAL DE SERVIÇO PB-088MA, 088JA PB-135MA, 135JA PB-S250MA, S250JA MODELO

BOMBA PRESSURIZADORA MANUAL DE SERVIÇO PB-088MA, 088JA PB-135MA, 135JA PB-S250MA, S250JA MODELO BOMBA PRESSURIZADORA MANUAL DE SERVIÇO MODELO PB-088MA, 088JA PB-135MA, 135JA PB-S250MA, S250JA Leia atentamente este manual antes de instalar ou operar o equipamento para assegurar uma montagem correta

Leia mais

SÍNDROME DE BAIXO ΔT EM SISTEMAS DE ÁGUA GELADA

SÍNDROME DE BAIXO ΔT EM SISTEMAS DE ÁGUA GELADA Projeto Demonstrativo para o Gerenciamento Integrado no Setor de Chillers SÍNDROME DE BAIXO ΔT EM SISTEMAS DE ÁGUA GELADA Mauricio de Barros CONSULTAR Engenharia 25/02/2016 - Rio de Janeiro Execução Implementação

Leia mais

TVP. Manual de Instruções. MEDIDOR DE VAZÃO Tipo Deslocamento Positivo TECNOFLUID

TVP. Manual de Instruções. MEDIDOR DE VAZÃO Tipo Deslocamento Positivo TECNOFLUID Português TVP MEDIDOR DE VAZÃO Tipo Deslocamento Positivo Manual de Instruções Leia este manual atentamente antes de iniciar a operação do seu aparelho. Guarde-o para futuras consultas. Anote o modelo

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 GRUPOS MOTOGERADORES REQUISITOS DE PROJETO PRELIMINARES GMG REQUISITOS PRELIMINARES O projeto da instalação de um

Leia mais

Sistemas Minisplit U-Match BTU/H 60 Hz

Sistemas Minisplit U-Match BTU/H 60 Hz Sistemas Minisplit U-Match 18.000-60.000 BTU/H 60 Hz Uma sensação de conforto em cada espaço... Uma única solução para três aplicações diferentes de produtos. Unidade Interna de Embutir/ Duto Unidade Externa

Leia mais

SUMÁRIO. Parte I. Capítulo 4 - Gerenciamento de Sistemas de Eletrônica Embarcada... 23

SUMÁRIO. Parte I. Capítulo 4 - Gerenciamento de Sistemas de Eletrônica Embarcada... 23 SUMÁRIO Parte I Capítulo 1 - Combustão... 3 Processo de combustão... 3 Motores de Combustão Interna... 4 Relação Ar/Combustível... 5 Relação Estequiométrica... 5 Tipos de misturas... 6 Fator Lambda...

Leia mais

Manual Técnico. Autotransformadores para Chave Compensadora. Versão: 3

Manual Técnico. Autotransformadores para Chave Compensadora. Versão: 3 Manual Técnico Autotransformadores para Chave Compensadora Versão: 3 Índice 1 Display 2 Ajuste 3 Conectores 4 Proteção 5 Cuidados 6 Assistência Técnica 2 2 2 4 4 5 Página 1 1 Introdução Este manual fornece

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS HIDRÁULICOS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS HIDRÁULICOS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS HIDRÁULICOS ENG. LUCIANO BELO COBEE/14 2 3 PRODUÇÃO DISTRIBUIÇÃO CONSUMO Produção Distribuição Consumo Produção Distribuição Consumo 4 3 2 1 Energia utilizada: Chiller

Leia mais

Conversão de Energia II

Conversão de Energia II Departamento de Engenharia Elétrica Aula 5.2 Acionamento e Controle dos Motores de Indução Trifásico Prof. João Américo Vilela Exercício 1 Para o motor de indução trifásico que tem as curva de torque,

Leia mais

Instalações Hidráulicas: Água Quente. Prof. Fabiano de Sousa Oliveira Curso: Engenharia Civil FTC/VC

Instalações Hidráulicas: Água Quente. Prof. Fabiano de Sousa Oliveira Curso: Engenharia Civil FTC/VC Instalações Hidráulicas: Água Quente Prof. Fabiano de Sousa Oliveira Curso: Engenharia Civil FTC/VC INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS: ÁGUA QUENTE Primeiro ponto: Apresentação da norma técnica, vigente. Projeto

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL. MINISTERIO DA EDyCAÇÃ~ 'UNIVERSIDADE FEDERAL RURÀL DO SEMI-ÁRIDO PRO-REITORIA DE GRADUA ÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL. MINISTERIO DA EDyCAÇÃ~ 'UNIVERSIDADE FEDERAL RURÀL DO SEMI-ÁRIDO PRO-REITORIA DE GRADUA ÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTERIO DA EDyCAÇÃ~ 'UNIVERSIDADE FEDERAL RURÀL DO SEMI-ÁRIDO PRO-REITORIA DE GRADUA ÃO IDENTIFICACÃO CURSO{S) I DEPARTAMENTO Engenharia Mecânica I Dep. de Ciências Ambientais

Leia mais

Introdução. Apresentação. Características da hidráulica. Evolução dos sistemas hidráulicos. Sistema hidráulico. Circuito hidráulico básico

Introdução. Apresentação. Características da hidráulica. Evolução dos sistemas hidráulicos. Sistema hidráulico. Circuito hidráulico básico Apresentação Características da hidráulica Evolução dos sistemas hidráulicos Sistema hidráulico Circuito hidráulico básico Unidade hidráulica Apresentação Com a constante evolução tecnológica há no mercado

Leia mais

O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Tubo de venturi. Ultrassônico carretel 22/2/2011. Introdução

O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Tubo de venturi. Ultrassônico carretel 22/2/2011. Introdução O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE Éaciênciaquedesenvolveeaplicatécnicasde medição, indicação, registro e controle de processos, visando a otimização e eficiência destes processos. Introdução

Leia mais

Portaria no de 28 de agosto de 1998

Portaria no de 28 de agosto de 1998 Portaria no. 3.523 de 28 de agosto de 1998 O Ministro do Estado da Saúde, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 87, Parágrafo único, item II, da Constituição Federal e tendo em vista o disposto

Leia mais

Hidráulica Geral (ESA024A)

Hidráulica Geral (ESA024A) Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Hidráulica Geral (ESA024A) 2º semestre 2011 Terças de 10 às 12 h Quintas de 08 às 10h Problema IV.1 Conhecendo-se as características da bomba descrita a

Leia mais

Controle de Indicadores por Áreas de Abastecimento Ferramenta para o Gerenciamento de Redes

Controle de Indicadores por Áreas de Abastecimento Ferramenta para o Gerenciamento de Redes Controle de Indicadores por Áreas de Abastecimento Ferramenta para o Gerenciamento de Redes MÁRCIO MARTINEZ KUTSCHER mkutscher@comusa.com.br Responsável pela automação e manutenção de sistemas eletromecânicos.

Leia mais

MANUAL CONTROL FAN COIL - MEGA

MANUAL CONTROL FAN COIL - MEGA Página 1 de 7 MANUAL CONTROL FAN COIL - MEGA Hardware: CPM2L0C4 CONTROLADOR PROGRAMAVEL C-PRO MEGA 24V LCD RTC RS4 Acessórios: CJAV06 KIT DE CONECTORES PARA C-PRO MEGA CPM EC TSF B011 TRANSFORMADOR DE

Leia mais

Implantação da ISO Sistemas de Gestão da Energia

Implantação da ISO Sistemas de Gestão da Energia Implantação da ISO 50001 Sistemas de Gestão da Energia Fundação: 1961 Jaraguá do Sul / SC - Brasil ROL 2014: R$ 7,84 Bilhões (51% ME e 49% MI) Colaboradores: 30.664 (75% Brasil) 1.592 Engenheiros Investimentos

Leia mais

26/11/ Agosto/2012

26/11/ Agosto/2012 26/11/2012 1 Agosto/2012 Motores Elétricos 26/11/2012 2 Motores Elétricos Conceitos Motor elétrico é uma máquina destinada a transformar energia elétrica em mecânica. É o mais usado de todos os tipos de

Leia mais

2, 3, 4 Multi Ambientes 8 Multi Ambientes Unidade Externa Compacta

2, 3, 4 Multi Ambientes 8 Multi Ambientes Unidade Externa Compacta 2, 3, 4 Multi Ambientes 8 Multi Ambientes Unidade Externa Compacta Dimensões 2 AMBIENTES Modelo: AOBG14LAC2 / AOBGLAC2 Vista superior 20 0 2 (Unidade : mm) 10 288 1 Aplicável em residências grandes, lojas,

Leia mais