Posição. de espera. Posição de espera

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Posição. de espera. Posição de espera"

Transcrição

1 Redes de Petri 1 Considere o sistema de produção representado na figura em que o produto final resulta da montagem de 2 pinos (preparados no torno) sobre uma base (preparada na máquina de furar). Posição de espera Máquina de Furar Torno Posição de espera Posição de espera Estação de montagem Posição de saída Posição de espera a) Represente este sistema sob a forma de rede de Petri considerando (numa simplificação) que as posições de espera indicadas têm capacidade infinita. b) Considere agora que a posição de espera entre o torno e a estação de montagem tem capacidade para 2 pinos e todas as outras posições de espera indicadas têm capacidade para 1 peça cada. Como seria uma rede de Petri correspondente?

2 Episódios relevantes: Entra uma base Base espera furo Entra pino Pino espera torneamento Base entra na máquina de furar Pino entra no torno Máquina de furar livre Máquina de furar a furar Torno livre Torno a tornear Base sai da máquina de furar Pino sai do torno Base espera montagem Pino espera montagem Base e 2 pinos entram na estação Estação livre Produto a ser montado Produto acabado sai Produto espera saída Produto sai para exterior

3 Classificação de Episódios relevantes: Entra uma base Base espera furo Entra pino Pino espera torneamento Base entra na máquina de furar Pino entra no torno Máquina de furar livre Máquina de furar a furar Torno livre Torno a tornear Base sai da máquina de furar Pino sai do torno Base espera montagem Pino espera montagem Base e 2 pinos entram na estação Estação livre Produto a ser montado Produto acabado sai Produto espera saída Produto sai para exterior

4 a) Maq. furar livre Entrada de base Estação montagem livre furo Entra na maq. furar A furar Sai da maq. furar montagem A montar saída Saída Sai do torno Entra na Est. montagem Sai produto acabado Entrada de toro torno Entra no torno A tornear montagem Torno livre

5 b) Solução 1 Maq. furar livre Entrada de base furo Estação montagem livre A furar Entra na maq. furar Sai da maq. furar montagem A montar saída Saída Sai do torno montagem Entra na Est. montagem Sai produto acabado Entra no torno A tornear Entrada de toro torno Torno livre

6 b) Solução 2 Entrada de base C=1 Entrada de toro furo C=1 torno Entra na maq. furar Entra no torno A furar C=1 A tornear Sai da maq. furar montagem C=1 Sai do C=1 torno C=2 Entra na C=1 Est. montagem montagem A montar Sai produto acabado saída C=1 Saída

7 2 Considere uma máquina rudimentar de venda de bebidas. A máquina apenas vende bebidas de 1.5 ou 2. Para pagamento podem ser introduzidas moedas de ou de êntimos (introduzidas em ranhuras diferentes). A máquina não devolve troco. Note que para comprar uma bebida de 2 euros o cliente tem várias possibilidades: introduzir 2 moedas de, ou 1 moeda de e duas de, ou 4 de. a) Considere que após a introdução da quantia certa o cliente pode seleccionar Comprar (obtendo a bebida correspondente à quantia introduzida) ou Cancelar (o dinheiro é devolvido). Represente, sobre a forma de rede de Petri, a lógica de controlo desta máquina. b) Considere agora uma alteração à máquina: em vez do botão Comprar existiriam 2 botões A para seleccionar bebida de 1.5 e B para seleccionar bebida de 2. Faça as necessárias alterações na rede de Petri Comprar Cancelar

8 Episódios significativos (numa representação gráfica): Vende bebida de Vende bebida de 2

9 a) 1ª versão (simplificada) Vende Vende 2 2

10 a) 2ª versão (com botões de Comprar e Cancelar ) Vende 1.50 Devolver Comprar 2 Cancelar Vende 2 Devolver

11 a) 3ª versão (com entrada de moedas) Vende 1.50 Devolver Introduzido Comprar Introduzido Vende 2 2 Cancelar Devolver

12 b) 4ª versão (com botões A e B) Devolver Vende 1.50 Introduzido A B Introduzido Vende 2 2 Cancelar Devolver

13 3 Todas as manhãs uma família composta por 3 pessoas pai, mãe, filho realizam as seguintes actividades: -Levantar da cama -Ocupar casa de banho (só há 1) -A mãe prepara pequeno almoço -Todos tomam pequeno almoço em conjunto (após banho) -A mãe lava loiça -O filho abre porta da garagem -O pai liga e aquece motor do (velho) carro -Todos vão no carro para a cidade. Represente este cenário com uma Rede de Petri.

14 EXERCÍCIO 1: Considere a rede de Petri representada na figura. Desenvolva a árvore de acessibilidade a partir duma marcação inicial µ 0 = (1, 0, 1). Que conclui sobre a evolução de marcas no lugar P3? p3 t1 t3 p1 t2 p2 t4 EXERCÍCIO 2: Um determinado processo químico exige que um reservatório contendo determinada substância seja sujeita a um movimento oscilatório linear durante 5 minutos. Esse movimento é proporcionado por um tapete rolante que move esse reservatório da esquerda para a direita e vice-versa. Ou seja, sempre que o reservatório tocar num dos sensores s_esq ou s_dir (do tipo binário) o seu movimento é invertido. O processo é iniciado logo que o botão (ligar/ desligar) passar para o estado ligado. Elabore um diagrama em redes de Petri que modele a sua funcionalidade.

Problemas para Automação Industrial. Série 4: Modelação usando o diagrama funcional GRAFCET. Programação de autómatos

Problemas para Automação Industrial. Série 4: Modelação usando o diagrama funcional GRAFCET. Programação de autómatos Problemas para Automação Industrial Série 4: Modelação usando o diagrama funcional GRAFCET. Programação de autómatos Nota prévia: Estes problemas têm como principal objectivo dar a possibilidade ao aluno

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR/A DE MÁQUINAS FERRAMENTAS

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR/A DE MÁQUINAS FERRAMENTAS PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR/A DE MÁQUINAS FERRAMENTAS Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. Publicação e atualizações 1ª

Leia mais

EXPERIMENTO II MOVIMENTO RETILÍNEO UNIFORME E MOVIMENTO RETILÍNEO UNIFORMEMENTE VARIADO.

EXPERIMENTO II MOVIMENTO RETILÍNEO UNIFORME E MOVIMENTO RETILÍNEO UNIFORMEMENTE VARIADO. EXPERIMENTO II MOVIMENTO RETILÍNEO UNIFORME E MOVIMENTO RETILÍNEO UNIFORMEMENTE VARIADO. Este experimento consiste em duas etapas. A primeira é a realização do Movimento Retilíneo Uniforme. A segunda é

Leia mais

a) Defina em Prolog iguais/1, um predicado que recebe um estado do jogo e que verifica que todas as pilhas têm o mesmo número de peças.

a) Defina em Prolog iguais/1, um predicado que recebe um estado do jogo e que verifica que todas as pilhas têm o mesmo número de peças. Introdução à Inteligência Artificial 2ª Época 29 Janeiro 2015 Nº Aluno: Nome Completo: Exame com consulta. Responda às perguntas nesta própria folha, nos espaços indicados. (I) O jogo do Nim (também chamado

Leia mais

Fluxogramas. Fluxogramas: motivação e conceitos base Uso dos fluxogramas para especificar um circuito.

Fluxogramas. Fluxogramas: motivação e conceitos base Uso dos fluxogramas para especificar um circuito. Fluxogramas - Taguspark Fluxogramas: motivação e conceitos base Uso dos fluxogramas para especificar um circuito. Nesta aula foram usados slides concebidos pelo Prof. Carlos Serro e alterados para esta

Leia mais

LAB4 Introdução aos Controladores Lógicos Programáveis

LAB4 Introdução aos Controladores Lógicos Programáveis LAB4 Introdução aos Controladores Lógicos Programáveis 4.1 Introdução Os Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) são dispositivos digitais, muito utilizados na indústria, capazes de armazenar instruções

Leia mais

OPERADOR/A TÉCNICO/A DE MÁQUINAS-FERRAMENTAS

OPERADOR/A TÉCNICO/A DE MÁQUINAS-FERRAMENTAS PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR/A TÉCNICO/A DE MÁQUINAS-FERRAMENTAS ÁREA DE ACTIVIDADE - METALURGIA E METALOMECÂNICA OBJECTIVO GLOBAL - Regular, operar e controlar máquinas-ferramentas destinadas ao torneamento,

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS LETI, LEE Ano lectivo de 2013/2014 Trabalho 5 Circuitos Sequenciais Síncronos

SISTEMAS DIGITAIS LETI, LEE Ano lectivo de 2013/2014 Trabalho 5 Circuitos Sequenciais Síncronos SISTEMAS DIGITAIS LETI, LEE Ano lectivo de 2013/2014 Trabalho 5 Circuitos Sequenciais Síncronos 1. Introdução Este trabalho foi concebido para que os alunos familiarizem com a utilização e projeto de Circuitos

Leia mais

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS Operações de Torneamento Operações de Torneamento Eixos de um Torno CNC Eixos de um Torno CNC Segurança é Fundamental!!! Área de Trabalho de

Leia mais

ContiTech: Conselhos dos especialistas sobre a substituição de correias dentadas

ContiTech: Conselhos dos especialistas sobre a substituição de correias dentadas ContiTech: Conselhos dos especialistas sobre a substituição de correias dentadas Instruções detalhadas para Audi A3 1,8 l T com o código do motor ARZ A ContiTech mostra como se podem evitar erros durante

Leia mais

ContiTech: Conselhos dos especialistas sobre a substituição de correias dentadas

ContiTech: Conselhos dos especialistas sobre a substituição de correias dentadas ContiTech: Conselhos dos especialistas sobre a substituição de correias dentadas Instrução detalhada para o Ford Focus C-Max 1,6 litros Ti com código do motor HXDA, SIDA Durante a substituição da correia

Leia mais

SEMEADEIRA MANUAL INSTRUÇÕES DO OPERADOR

SEMEADEIRA MANUAL INSTRUÇÕES DO OPERADOR R SEMEADEIRA MANUAL INSTRUÇÕES DO OPERADOR INDÚSTRIA MECÂNICA KNAPIK LTDA Rua Prefeito Alfredo Metzler, 480 Bairro Santa Rosa 89.400-000 Porto União - SC Telefone (42)3522-2789 - 3522-1819 E-mail: vendas@knapik.com.br,

Leia mais

AA e AA

AA e AA Manual Kit Trava Elétrica UP (a partir 2014) AA.42.0114 e AA.42.0115 www.softautomotiva.com.br UP (4P e 2P) A Soft coloca a disposição para o mercado automotivo o Kit Trava Elétrica para o UP a partir

Leia mais

ContiTech: Conselhos dos especialistas sobre a substituição de correias dentadas

ContiTech: Conselhos dos especialistas sobre a substituição de correias dentadas Conselho prático ContiTech Power Transmission Group ContiTech: Conselhos dos especialistas sobre a substituição de correias dentadas Instruções detalhadas para o kit de correia dentada CT 881 WP1 de um

Leia mais

Centro de Educação Profissional da Universidade Estadual de Campinas

Centro de Educação Profissional da Universidade Estadual de Campinas Professor - Romeu Corradi Júnior Centro de Educação Profissional da Universidade Estadual de Campinas Atividades: Resolução de exercícios com alguns comentários (Lista 01-FSM1) 1. Obter as tabelas de transição

Leia mais

Arquitectura de Computadores

Arquitectura de Computadores Escola Secundária D. Afonso Sanches Arquitectura de Computadores Módulo 3 Técnicas de Detecção de Avarias Nuno Pereira nuno@nfp.com.pt 2009/2010 1. Introdução 1.1 Técnicas de detecção de avarias A disciplina

Leia mais

Sistema Embalador de Resmas de Papel

Sistema Embalador de Resmas de Papel Sistemas Industriais FEUP, 5º Ano da LEIC AJS Teste de 25 de Janeiro de 2006 Duração 1.5 Horas I Sistema Embalador de Resmas de Papel Considere uma hipotética máquina de embalar resmas de papel. As embalagens

Leia mais

Aula 18. Máquina de Estados Parte 2. SEL Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

Aula 18. Máquina de Estados Parte 2. SEL Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Aula 8 Máquina de Estados Parte 2 SEL 44 - Sistemas Digitais Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Eemplo de Projetos Síntese de Circuitos Sequenciais Eemplo de Projeto: l Contador binário síncrono

Leia mais

Sistema de monitorização da pressão dos pneus (TPMS)

Sistema de monitorização da pressão dos pneus (TPMS) Instrução n.º Versão Peça N.º 31330604 1.7 31414189, 31201481 Sistema de monitorização da pressão dos pneus (TPMS) Página 1 / 9 Ferramentas especiais T9513035 Ferramenta TPMS Número de ferramenta: T9513035

Leia mais

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS Operações de Torneamento Operações de Torneamento Eixos de um Torno CNC Eixos de um Torno CNC Segurança é Fundamental!!! Área de Trabalho de

Leia mais

Cross-functional Flowcharts Swimlanes

Cross-functional Flowcharts Swimlanes Cross-functional Flowcharts Swimlanes Numa primeira abordagem a este tipo de representação, é possível afirmar que os Cross-functional Flowcharts, que neste documento serão, para mais fácil interpretação

Leia mais

Processos e Concorrência

Processos e Concorrência Processos e Concorrência Exercícios 14 de Setembro de 2007 1. Considere a seguinte rede de petri elementar que modela um protocolo de conversa cruzada. stop1 wait1 ack1 echo2 start1 idle1 sent1 sent2 idle2

Leia mais

06/ REV. 2. imagem meramente ilustrativa SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções

06/ REV. 2. imagem meramente ilustrativa SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções 06/11 705-09-05 775361 REV. 2 imagem meramente ilustrativa SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha do Ventilador Coluna Turbo 40 Inox. Para garantir o melhor desempenho

Leia mais

ContiTech: Conselhos dos especialistas sobre a substituição de correias dentadas

ContiTech: Conselhos dos especialistas sobre a substituição de correias dentadas Conselho prático ContiTech Power Transmission Group ContiTech: Conselhos dos especialistas sobre a substituição de correias dentadas Instruções detalhadas para Audi A3 1,8 l T com o código do motor ARZ

Leia mais

Automação Industrial Parte 8

Automação Industrial Parte 8 Automação Industrial Parte 8 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html -Vamos supor que seja necessário determinar a função lógica interna de um sistema desconhecido.

Leia mais

Use sempre uma pulseira Anti-estática para não danificar o hardware

Use sempre uma pulseira Anti-estática para não danificar o hardware Aprenda a montar seu computador Recomendações: Use sempre uma pulseira Anti-estática para não danificar o hardware Colocação da Placa Mãe no Gabinete. Vamos pegar a placa-mãe sem nenhum periférico adicional

Leia mais

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO EXERCÍCIO DE PROGRAMAÇÃO CNC

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO EXERCÍCIO DE PROGRAMAÇÃO CNC TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO EXERCÍCIO DE PROGRAMAÇÃO CNC Matéria-Prima para a Peça Exemplo Peça usada como exemplo para programação Ferramenta T0202: desbaste externo Direção de Corte: direita Dimensões

Leia mais

3. REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS

3. REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS 3. REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS A abordagem à teoria dos sistemas, seguida até agora, partiu de alguns exemplos de sistemas físicos, determinou descrições das suas dinâmicas em termos de equações diferenciais

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 706/7 Págs. Duração da prova: 150 minutos 2007 1.ª FASE PROVA PRÁTICA DE DESENHO A V.S.F.F.

Leia mais

ContiTech: Conselhos dos especialistas sobre a substituição

ContiTech: Conselhos dos especialistas sobre a substituição Conselho prático ContiTech Power Transmission Group ContiTech: Conselhos dos especialistas sobre a substituição de correias dentadas Instrução detalhada para o Ford Focus C-Max 1,6 litros Ti com código

Leia mais

Sistemas de cotagem. Observe a vista frontal de uma peça cilíndrica formada por várias partes com diâmetros diferentes.

Sistemas de cotagem. Observe a vista frontal de uma peça cilíndrica formada por várias partes com diâmetros diferentes. A UU L AL A Sistemas de cotagem Você já sabe que, embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. Os profissionais que

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 706/7 Págs. Duração da prova: 150 minutos 2007 1.ª FASE PROVA PRÁTICA DE DESENHO A V.S.F.F.

Leia mais

Uso da calculadora científica 82MS... 2

Uso da calculadora científica 82MS... 2 Uso da calculadora científica 82MS... 2 Ligar a calculadora... 2 Modo de operação... 2 Digitação de números... 2 Correção de digitação... 3 Segunda função... 3 Desligar a calculadora... 3 Fixação do número

Leia mais

Acesse:

Acesse: Segurando as pontas As operações de tornear superfícies cilíndricas ou cônicas, embora simples e bastante comuns, às vezes apresentam algumas dificuldades. É o que acontece, por exemplo, com peças longas

Leia mais

Kit de luzes de travão e de sinalização Veículo Workman MD/MDX/MDE Modelo nº Instruções de instalação

Kit de luzes de travão e de sinalização Veículo Workman MD/MDX/MDE Modelo nº Instruções de instalação Form No. 3366-127 Rev B Kit de luzes de travão e de sinalização Veículo Workman MD/MDX/MDE Modelo nº 115-7749 Instruções de instalação Segurança Autocolantes de segurança e de instruções Os autocolantes

Leia mais

Laboratório de Física

Laboratório de Física Laboratório de Física Experimento 03 - Trilho de Ar Movimento a Força Constante Disciplina: Laboratório de Física Experimental I Professor: Turma: Data: / /20 Alunos: 1: 2: 3: 4: 5: 1/11 03 - Trilho de

Leia mais

PORTUGUÊS INSTRUÇÕES ANALÓGICAS

PORTUGUÊS INSTRUÇÕES ANALÓGICAS PORTUGUÊS INSTRUÇÕES ANALÓGICAS 1 2 Acerto da Hora 1. Puxe a coroa para fora para a posição 2. 2. Rode a coroa para acertar os ponteiros das horas e dos minutos para a hora pretendida. 3. Volte a colocar

Leia mais

Prova Escrita de Matemática. 3.º Ciclo do Ensino Básico 8.ºAno de Escolaridade

Prova Escrita de Matemática. 3.º Ciclo do Ensino Básico 8.ºAno de Escolaridade ESCOLA SECUNDÁRIA C/3º CICLO DO ENSINO BÁSICO DE LOUSADA Prova Escrita de Matemática 3.º Ciclo do Ensino Básico 8.ºAno de Escolaridade Versão 1 Duração da Prova: 90 minutos Data: /10/2010 A PREENCHER PELO

Leia mais

Segurança PERIGO. Índice AVISO CUIDADO. Alterações em relação à edição Elster GmbH Edition Ler e guardar

Segurança PERIGO. Índice AVISO CUIDADO. Alterações em relação à edição Elster GmbH Edition Ler e guardar 0 Elster GmbH Edition 0. Tradução do Alemão D GB F NL I E DK S N GR TR CZ L RUS H www.docuthek.com Instruções de operação Transformação da válvula solenóide sem amortecimento em válvula solenóide com amortecimento

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO 07S RQC. Quadro de Comando

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO 07S RQC. Quadro de Comando MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO RQC 07S Quadro de Comando www.compatec.com.br 1. Apresentação... 3 2. Características Gerais... 3 3. Conhecendo o seu produto... 4 4. Diagrama de Ligação... 4 5. Como resetar

Leia mais

Instrução de Montagem de Portas Rollup Tipo Rolo Tensionado Fechamento por Barra de Travamento sem Chave

Instrução de Montagem de Portas Rollup Tipo Rolo Tensionado Fechamento por Barra de Travamento sem Chave Página 1 de 13 Objetivo: O objetivo dessa instrução é definir e orientar a instalação das esperas necessárias para a montagem de uma porta rollup tipo rolo tensionado, além de detalhar o processo de montagem

Leia mais

Semana Kaizen Redução de Setup

Semana Kaizen Redução de Setup 2010 Semana Kaizen Redução de Setup Sumário Nenhuma entrada de sumário foi encontrada. Rafael Andrade / Samuel Amate /Edson Ap. Lanmar Ind. Met. Ltda 8/2/2010 a 12/02/2010 Conteúdo Escopo de Projeto...4

Leia mais

Exercícios de revisão fundamentos mecânicos

Exercícios de revisão fundamentos mecânicos 1. O desenho técnico é a ferramenta necessária para a interpretação e representação de um projeto, por ser o meio de comunicação entre a equipe de criação e a de fabricação (ou de construção); nesse contexto

Leia mais

ACTIVIDADE Nº II. Fracções. Números racionais

ACTIVIDADE Nº II. Fracções. Números racionais ACTIVIDADE Nº II Nome do Formando: Data: / / Fracções. Números racionais A D. Maria tem um terreno que quer dividir pelos 7 sobrinhos. Cada sobrinho ficou com a sétima parte do terreno ou um sétimo do

Leia mais

Brincadeira científica - Câmera fotográfica

Brincadeira científica - Câmera fotográfica Brincadeira científica - Câmera fotográfica Você, provavelmente, está acostumado a tirar fotos com uma câmera digital ou um celular. Mas você sabe como a imagem de um grande edifício, ou de uma pessoa,

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE EXPANSÃO DE LATÃO, AÇO E VIDRO

DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE EXPANSÃO DE LATÃO, AÇO E VIDRO Termodinâmica Expansão Térmica Expansão térmica de corpos sólidos DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE EXPANSÃO DE LATÃO, AÇO E VIDRO Medição da expansão térmica do comprimento respectivamente de um tubo de

Leia mais

SEM534 Processos de Fabricação Mecânica. Professor - Renato G. Jasinevicius. Aula: Máquina ferramenta- Torno. Torno

SEM534 Processos de Fabricação Mecânica. Professor - Renato G. Jasinevicius. Aula: Máquina ferramenta- Torno. Torno SEM534 Processos de Fabricação Mecânica Professor - Renato G. Jasinevicius Aula: Máquina ferramenta- Torno Torno Torno Existe uma grande variedade de tornos que diferem entre si pelas dimensões, características,

Leia mais

Perguntas e Respostas de parametrização de Inversores de Frequência MS10

Perguntas e Respostas de parametrização de Inversores de Frequência MS10 Perguntas e Respostas de parametrização de Inversores de Frequência MS10 Índice 1. Conhecendo as teclas do inversor 2 2. Como faço para alterar os parâmetros? 2 3. Como instalar uma chave liga-desliga

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA DEFINIÇÃO: TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA PLACA ARRASTADORA E ARRASTADOR São acessórios do torno que servem para transmitir o movimento de rotação do eixo principal em peças a serem usinadas entrepontas

Leia mais

Base de dados: Encomendas

Base de dados: Encomendas Base de dados: Encomendas Vamos criar a BD do modelo de dados seguinte: 144 Base de dados: Encomendas (exemplos de dados) Repare no exemplo de duas encomendas, uma com 3 produtos, a 10249 E outra, a 10250

Leia mais

Manual de Utilizador. Acesso à Consulta de Recibos de Vencimentos e Declaração Anual de Rendimentos DIRECÇÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO DA JUSTIÇA

Manual de Utilizador. Acesso à Consulta de Recibos de Vencimentos e Declaração Anual de Rendimentos DIRECÇÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO DA JUSTIÇA Manual de Utilizador Acesso à Consulta de Recibos de Vencimentos e Declaração Anual de Rendimentos DIRECÇÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO DA JUSTIÇA Índice de Figuras Figura 1 - Ecrã de Login Figura 2 - Mensagem

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO - Basquete Duplo Instruções de Montagem

MANUAL DO USUÁRIO - Basquete Duplo Instruções de Montagem MANUAL DO USUÁRIO - Basquete Duplo Instruções de Montagem Por favor, contate-nos antes de retornar o produto à loja: (19) 3573-8999. Garantia Limite de 90 dias Este produto tem garantia de até 90 dias

Leia mais

Welcome to the World of PlayStation Manual de início rápido

Welcome to the World of PlayStation Manual de início rápido Welcome to the World of PlayStation Manual de início rápido Português PCH-2016 7025578 Utilizar o teu sistema PlayStation Vita pela primeira vez Manter premido durante 5 segundos Liga o teu sistema PS

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Informática DEI/ISEP Linguagens de Programação 2006/07

Licenciatura em Engenharia Informática DEI/ISEP Linguagens de Programação 2006/07 Licenciatura em Engenharia Informática DEI/ISEP Linguagens de Programação 2006/07 Ficha 3 Autómatos Finitos Objectivos: Introdução ao conceito de Autómato Finito e notações utilizadas na sua representação;

Leia mais

Trabalho de Programação 2 Processador CESAR

Trabalho de Programação 2 Processador CESAR Trabalho de Programação 2 Processador CESAR 1. Descrição Geral A empresa TABLETEROS S.A. assinou um contrato milionário de fornecimento de ultrabooks e teve que aumentar o número de estantes. Agora, a

Leia mais

Classificação: Professor: Enc. Educ.: Esta ficha é constituída por duas partes, a 1ª parte é de escolha múltipla e a 2ª parte é de desenvolvimento.

Classificação: Professor: Enc. Educ.: Esta ficha é constituída por duas partes, a 1ª parte é de escolha múltipla e a 2ª parte é de desenvolvimento. FICHA DE AV ALI AÇ ÃO DE M ATEM ÁTIC A 3º Ciclo 7º ano Junho de 2010 Duração da prova: 90 minutos A Nome: Nº: Turma: Classificação: Professor: Enc. Educ.: Esta ficha é constituída por duas partes, a 1ª

Leia mais

Manual de instruções

Manual de instruções Manual de instruções ÖWS/ATM-M, Sistema de lavagem de caixas de velocidades automáticas da Mercedes-Benz Cor: 7015 Copyright H:Heinzer GmbH 1 Uma vez que, através da mudança do óleo não é efectuada qualquer

Leia mais

Professor Ventura Ensina Tecnologia

Professor Ventura Ensina Tecnologia Professor Ventura Ensina Tecnologia Experimento PV008-a VM1/VM2 Carrinho Mecatrônico Parte Eletrônica Ensino Médio Direitos Reservados Newton C. Braga 1 Prof. Ventura Ensina Tecnologia VM-1 - Carrinho

Leia mais

Redes de Petri. 1 Introdução. José de Oliveira Guimarães DC-UFSCar

Redes de Petri. 1 Introdução. José de Oliveira Guimarães DC-UFSCar Redes de Petri José de Oliveira Guimarães DC-UFSCar jose@dc.ufscar.br 1 Introdução Uma rede de petri (RP) é uma quádrupla (P, T, F, M 0 ) onde P é um conjunto de lugares, T um conjunto de transições, F

Leia mais

Diferenciação Funcional Taxonomias PRIMAVERA ERP 9.15

Diferenciação Funcional Taxonomias PRIMAVERA ERP 9.15 Diferenciação Funcional Taxonomias PRIMAVERA ERP 9.15 Versão 1.0 Abril de 2017 Índice Índice... 2 Introdução... 3 Módulo Contabilidade... 4 Referencial contabilístico...4 Plano alternativo...5 Máscaras

Leia mais

Minimax. Manual de Instruções

Minimax. Manual de Instruções Minimax Manual de Instruções MANUAL DE INSTRUÇÕES Minimax Prezado Cliente: Antes de por em funcionamento sua Minimax - Lassane solicitamos ler com atenção este manual, que lhe dará todas instruções necessárias

Leia mais

Seladora MODELO SP 300 ECON 127V / SP 300 ECON 220V. Versão 1 (maio de 2014)

Seladora MODELO SP 300 ECON 127V / SP 300 ECON 220V. Versão 1 (maio de 2014) MANUAL DE INSTRUÇÕES Seladora MODELO SP 300 ECON 127V / SP 300 ECON 220V Versão 1 (maio de 2014) - 0000.308 INSTALAÇÃO * Leia atentamente todo o manual do usuário antes de ligar a mesma. Sr. Cliente: Você

Leia mais

Base de Dados de Gestão de Anilhagem e Recapturas Manual do Utilizador

Base de Dados de Gestão de Anilhagem e Recapturas Manual do Utilizador 4 - ANILHAGEM QUADRO DE INSERÇÃO DE DADOS DE ANILHAGEM Ao seleccionar o botão Anilhagem, obtêm-se acesso ao quadro de inserção de dados de anilhagem, cujo aspecto pode ser visto nas figuras 22 e 22a, uma

Leia mais

10 - FRESAGEM HELICOIDAL 10.1

10 - FRESAGEM HELICOIDAL 10.1 10 - FRESAGEM HELICOIDAL 10.1 10.1 Introdução Para se abrir cortes helicoidais (Fig. 10.1) na fresadora, é preciso que a mesa possa girar de um ângulo ϕ correspondente ao complemento do ângulo α que a

Leia mais

Para essa conversão utiliza-se o valor posicional

Para essa conversão utiliza-se o valor posicional Conversão de Hexadecimal para decimal Para essa conversão utiliza-se o valor posicional N = d n 16 n + d n-1 16 n-1 +... D 2 16 2 + d 1 16 1 + d 0 16 0 + d -1 16-1 + d -2 16-2 +... Exemplo: a) 23 16 =

Leia mais

Manual de reparação Caixa de velocidades VW 02T. INA GearBOX

Manual de reparação Caixa de velocidades VW 02T. INA GearBOX Manual de reparação Caixa de velocidades VW 02T INA GearBOX Ferramentas especiais Peça de encaixe: Usada para empurrar o rolamento de esfera de ranhura dupla profunda para fora do corpo. Refª: 400 0428

Leia mais

Manutenção de Computadores Manuseio, cuidados e montagem de microcomputadores. Professor: Francisco Ary

Manutenção de Computadores Manuseio, cuidados e montagem de microcomputadores. Professor: Francisco Ary Manutenção de Computadores Manuseio, cuidados e montagem de microcomputadores Professor: Francisco Ary Cuidados e Manuseio Energia estática: surgem de forma natural, principalmente devido a atrito com

Leia mais

BMW Motorrad. Pelo prazer de conduzir. Instruções de operação. Cavalete de apoio

BMW Motorrad. Pelo prazer de conduzir. Instruções de operação. Cavalete de apoio BMW Motorrad Pelo prazer de conduzir Instruções de operação Cavalete de apoio Indicações gerais z Introdução Alegramo-nos por se ter decidido pelo cavalete de apoio da BMW Motorrad. Abreviaturas e símbolos

Leia mais

Exercícios de Programação CLP

Exercícios de Programação CLP Exercícios de Programação CLP 1 - Monte um esquema para acionar um contator, utilizando uma chave liga/desliga (knob) de duas posições. 2 - Monte um esquema para acionar um contator, utilizando push-bottoms,

Leia mais

FICHA DE TRABALHO N.º 6: PROPORCIONALIDADE DIRETA

FICHA DE TRABALHO N.º 6: PROPORCIONALIDADE DIRETA Escola EB 2,3 de Sande 7.º ANO ANO LETIVO 2011/2012 FICHA DE TRABALHO N.º 6: PROPORCIONALIDADE DIRETA 1. A 3. 3.1. 3.2. 2. 2.1. 4. 2.2. 5. Na extremidade de uma mola colocaram-se sucessivamente pesos diferentes

Leia mais

Programação Linear. (3ª parte) Informática de Gestão Maria do Rosário Matos Bernardo 2016

Programação Linear. (3ª parte) Informática de Gestão Maria do Rosário Matos Bernardo 2016 Programação Linear (3ª parte) Informática de Gestão 61020 Maria do Rosário Matos Bernardo 2016 Conteúdos Excel Solver Instalação do Solver Resolução de problemas de programação linear Problema de minimização

Leia mais

Programação Linear. (2ª parte) Informática de Gestão Maria do Rosário Matos Bernardo 2016

Programação Linear. (2ª parte) Informática de Gestão Maria do Rosário Matos Bernardo 2016 Programação Linear (2ª parte) Informática de Gestão 61020 Maria do Rosário Matos Bernardo 2016 Conteúdos Representação e resolução gráfica dos problemas de programação linear Problema de minimização Problema

Leia mais

Escola Superior de Enfermagem. ANEXO I Procedimentos para requisição de material

Escola Superior de Enfermagem. ANEXO I Procedimentos para requisição de material ANEXO I Procedimentos para requisição de material 7 1. Acesso ao Programa Para aceder ao programa clique sobre o atalho PHC_ESEUM, no ambiente de trabalho. Este poderá ser apresentado da seguinte forma:

Leia mais

Algoritmo. O algoritmo foi desenvolvido tendo em conta os 2 principais motivos para o funcionamento dos electrodomésticos:

Algoritmo. O algoritmo foi desenvolvido tendo em conta os 2 principais motivos para o funcionamento dos electrodomésticos: Algoritmo O algoritmo foi desenvolvido tendo em conta os 2 principais motivos para o funcionamento dos electrodomésticos: Horário de permanência do utilizador na casa e/ou horário com diferentes preços

Leia mais

Aula: Geometria da Cunha de corte

Aula: Geometria da Cunha de corte SEM34 Processos de Fabricação Mecânica Professor - Renato G. Jasinevicius Aula: Geometria da Cunha de corte Geometria da Cunha cortante Para cada par material de ferramenta / material de peça têm uma geometria

Leia mais

Yep. Balcão Inferior Lava-Louças 60-53cm Balcão Inferior Lava-Louças 60-57cm. Partes do Produto. Componentes

Yep. Balcão Inferior Lava-Louças 60-53cm Balcão Inferior Lava-Louças 60-57cm. Partes do Produto. Componentes Yep Partes do Produto Balcão Inferior Lava-Louças 60-53cm Balcão Inferior Lava-Louças 60-57cm Tampo Vendido Separadamente - Lateral Direita/Esquerda (x) - Base (x) 3- Travessa (x) 4- Traseiro (x) 5- Fechamento

Leia mais

UML Aula I Diagramas de Caso de Uso. Ricardo Argenton Ramos

UML Aula I Diagramas de Caso de Uso. Ricardo Argenton Ramos UML Aula I Diagramas de Caso de Uso Ricardo Argenton Ramos Engenharia de Software II 2016.1 25/04/2016 Um Exercício Como você pode representar? Uma casa de 2 andares, 4 quartos, 2 banheiros, 1 sala, 1

Leia mais

EXERCÍCIOS FÍSICA 3ª SÉRIE

EXERCÍCIOS FÍSICA 3ª SÉRIE 3ª SÉRIE PROF. HILTON 1. A figura a seguir mostra a posição inicial de uma espira retangular acoplada a um eixo de rotação, sob a ação de um campo magnético originado por ímãs permanentes, e percorrida

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA TORNO MEC. HORIZONTAL (NOMENCL./CARACT./ACESSÓRIOS) DEFINIÇÃO: É a máquina-ferramenta usada para trabalhos de torneamento, principalmente de metais que, através da realização

Leia mais

Estruturas de controle. Wilmax M. Cruz

Estruturas de controle. Wilmax M. Cruz Wilmax M. Cruz (wilmcruz@icmc.usp.br) 1 O que veremos? "! Relembrando... Scratch! Relembrando... Algoritmos! Estruturas de controle! Estrutura de sequência! Instruções de seleção! Instruções de repetição

Leia mais

2 a Lista de Exercícios

2 a Lista de Exercícios Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Bacharelado em Ciências da Computação INE 5406 - Sistemas Digitais - semestre 2011/2 Prof. José Luís Güntzel guntzel@inf.ufsc.br

Leia mais

Lista de Figuras Figura 1 1: Figura 1 2: Figura 1 3: Figura 1 4: Figura 1 5: Figura 1 6: Figura 1 7: Figura 2 1: Figura 2 2: Figura 2 3: Figura 2 4:

Lista de Figuras Figura 1 1: Figura 1 2: Figura 1 3: Figura 1 4: Figura 1 5: Figura 1 6: Figura 1 7: Figura 2 1: Figura 2 2: Figura 2 3: Figura 2 4: Lista de Figuras Figura 1 1: Diagrama de Funcionamento do Laço while 34 Figura 1 2: Diagrama de Funcionamento do Laço do-while 35 Figura 1 3: Diagrama de Funcionamento do Laço for 36 Figura 1 4: Diagrama

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CHAVE DE PARTIDA COM SIMULADOR DE DEFEITOS

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CHAVE DE PARTIDA COM SIMULADOR DE DEFEITOS WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CHAVE DE PARTIDA COM SIMULADOR DE DEFEITOS CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CHAVE DE PARTIDA COM SIMULADOR DE DEFEITOS

Leia mais

O Grafcet e a programação de lógica seqüencial em CLPs

O Grafcet e a programação de lógica seqüencial em CLPs O Grafcet e a programação de lógica seqüencial em CLPs 1) Introdução Em problemas nos quais as ações de comando são seqüenciais ou então tempo dependentes, a modelagem lógica, representada unicamente com

Leia mais

OPERAÇÕES MECÂNICAS I

OPERAÇÕES MECÂNICAS I Professor Miguel Reale Professor Me. Claudemir Claudino Alves OPERAÇÕES MECÂNICAS I Aluno: data: / / ATIVIDADE 4 REVISÃO GERAL DE AJUSTAGEM, TORNEARIA. Exercício 9 Um eixo de comprimento L = 250mm, Vc

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS LETI, LEE Ano lectivo de 2015/2016 Trabalho 4 Módulos Sequenciais: Contadores e Registos

SISTEMAS DIGITAIS LETI, LEE Ano lectivo de 2015/2016 Trabalho 4 Módulos Sequenciais: Contadores e Registos SISTEMAS DIGITAIS LETI, LEE Ano lectivo de 2015/2016 Trabalho 4 Módulos Sequenciais: Contadores e Registos 1. Introdução Este trabalho foi concebido para que os alunos ganhem experiência na concepção de

Leia mais

Instalações Eléctricas

Instalações Eléctricas ENUNCIADOS DE PROBLEMAS DE CIRCUITOS DE COMANDO DE CONTACTORES ELECTROMAGNÉTICOS Baseados nos problemas propostos por : José L. Pereira da Silva José Mário T. Oliveira Manuel Fernando Izidoro Revistos,

Leia mais

BMW Motorrad. Pelo prazer de conduzir. Instruções de operação. Bolsa traseira

BMW Motorrad. Pelo prazer de conduzir. Instruções de operação. Bolsa traseira BMW Motorrad Pelo prazer de conduzir Instruções de operação Bolsa traseira Indicações gerais z Introdução A bolsa traseira da BMW Motorrad é o acompanhante ideal para viagens de moto. A BMW Motorrad é

Leia mais

VESTIBULAR ª Fase. RACIOCÍNIO LÓGICO- MATEMÁTICO Grade de Correção. Instruções Gerais: Instruções para a prova de Raciocínio Lógico- Matemático:

VESTIBULAR ª Fase. RACIOCÍNIO LÓGICO- MATEMÁTICO Grade de Correção. Instruções Gerais: Instruções para a prova de Raciocínio Lógico- Matemático: VESTIBULAR 2013 1ª Fase RACIOCÍNIO LÓGICO- MATEMÁTICO Grade de Correção Instruções Gerais: Hoje você deverá responder às questões de Artes e Questões Contemporâneas, História, Geografia e de Raciocínio

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. CARACTERÍSTICAS

1. INTRODUÇÃO 2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO 2. CARACTERÍSTICAS O TediPrompter é um projetor de textos portátil especialmente desenvolvido para apresentações em público como seminários, programas ao vivo e discursos políticos e religiosos.

Leia mais

24/02/2017 Como fazer ROOT no Note 4 Nuno Agonia

24/02/2017 Como fazer ROOT no Note 4 Nuno Agonia 24/02/2017 Como fazer ROOT no Note 4 Nuno Agonia O processo de conseguir o acesso ROOT no teu Note4 não varia muito do método tradicional que que já tem sido habitual. Como sei que muitos de vós possuem

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA JAIME MONIZ Matemática Aplicada às Ciências Sociais 10º ano

ESCOLA SECUNDÁRIA JAIME MONIZ Matemática Aplicada às Ciências Sociais 10º ano ESCOLA SECUNDÁRIA JAIME MONIZ Matemática Aplicada às Ciências Sociais 10º ano Ficha de Trabalho: Matemática Financeira- parte2 2009/2010 Nos arredondamentos que efectuar, conserve sempre 3 casas decimais.

Leia mais

Nova tecnologia em fresamento Soluções em Fresamento

Nova tecnologia em fresamento Soluções em Fresamento Fresamento Dupla face, Inserto de 6 arestas, cabeçote 90 com baixo esforço de corte Nova tecnologia em fresamento Soluções em Fresamento 6 vantagens competitivas para alta eficiência em fresamento Maior

Leia mais

Exercício Avaliação Torno

Exercício Avaliação Torno Técnico de Maquinação CNC UFCD [5842] Maquinação Torneamento CNC Relatório de Maquinação Exercício Avaliação Torno Luís Miguel Lopes Romudas Data: 04.05.2012 1. Projecto Designação: Avaliação Torno Processo

Leia mais

SAFETY Tecnologia de Safety Passivo

SAFETY Tecnologia de Safety Passivo SAFETY Tecnologia de Safety Passivo Fiação SAFETY MVK Metálico Cube67 MASI67 / MASI68 02 O MÓDULO SAFETY Combinados de forma inteligente, módulos de rede de campo e saídas seguras de acordo com as exigências

Leia mais

Sistema Resistivo Diagrama de funcionamento Legendas

Sistema Resistivo Diagrama de funcionamento Legendas Sistema Resistivo Os sistemas tipo Resistivo podem ser empregados em máquinas de pequeno e médio porte que necessitem de uma lubrificação a óleo dosada e freqüente. Uma bomba de acionamento manual ou elétrico

Leia mais

POUPA ÁGUA OU VAIS SENTIR A SUA FALTA

POUPA ÁGUA OU VAIS SENTIR A SUA FALTA POUPA ÁGUA OU VAIS SENTIR A SUA FALTA Se o actual consumo se mantiver, em 2025, duas em cada três pessoas irão ser vítimas da falta de água. Se detectares uma fuga numa boca de rega ou noutro ponto da

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE HARDWARE E SOFTWARE

CONCEITOS BÁSICOS DE HARDWARE E SOFTWARE CONCEITOS BÁSICOS DE HARDWARE E SOFTWARE Conceitos Básicos A Informática é a informação automática, ou seja, é a utilização de algumas técnicas para o tratamento de informações por meio de um computador.

Leia mais

MANUAL DE TRABALHO Reprografia

MANUAL DE TRABALHO Reprografia Página 1 de 6 MANUAL DE TRABALHO Reprografia Página 2 de 6 Quadro de revisões Edição Revisão Página(s) Alterações efetuadas Data Elaborado Verificado Aprovado Página 3 de 6 I ÂMBITO Aplicável às tarefas

Leia mais

O uso de materiais manipuláveis e a construção de conceitos matemáticos

O uso de materiais manipuláveis e a construção de conceitos matemáticos Formação Continuada - Matemática O uso de materiais manipuláveis e a construção de conceitos matemáticos Professores - 3º ano 2º Encontro 24/05/2016 Coordenadora Pedagógica: Adriana da Silva Santi MATERIAL

Leia mais