Sala do Empreendedor. Programa Empresa Fácil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sala do Empreendedor. Programa Empresa Fácil"

Transcrição

1 Sala do Empreendedor e Programa Empresa Fácil

2 2010. Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Paraná SEBRAE/PR Todos os direitos reservados. A produção não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (lei n ). Informações e contato: Sebrae/PR Rua Caeté, 150 Prado Velho CEP Curitiba PR Telefone: (41) Internet: Presidente do Conselho Deliberativo Jefferson Nogaroli Diretoria Executiva Allan Marcelo de Campos Costa Julio Cezar Agostini Vitor Roberto Tioqueta Coordenação Técnica do Desenvolvimento Unidade de Desenvolvimento de Soluções - Educação Márcia Valéria Paixão Autoria César Reinaldo Rissete Cirineu do Nascimento Rodrigues Danieli Clemente Doneda Emerson Cechin Juliana Marina Schvenger Marilea Rodrigues de Britto Rodrigo Melo Viana Orestes Hotz Editoração e Projeto Gráfico Ceolin & Lima Serviços Ltda. Revisão de Texto Ceolin & Lima Serviços Ltda.

3 Sumário 05 Sala do Empreendedor e Programa Empresa Fácil Termo de Referência Existência de Legislação Desburocratizante no Município Integração dos Serviços Prestados Pelos Diversos Órgãos Municipais Formalização de Parcerias com Entidades, Órgãos Públicos e Instituições de Ensino Infraestrutura da Sala do Empreendedor e Capacitação Procedimentos na Sala do Empreendedor em Relação ao Processo de Abertura de Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Passo a Passo Procedimentos na Sala do Empreendedor em Relação ao MEI Passo a Passo Das Notas Fiscais Do Termo de Adesão ao Programa Empresa Fácil 28 Anexos 30 Anexo I Sala do Empreendedor 42 Anexo II Modelo de Termo de Cooperação Técnica Para a Sala do Empreendedor 46 Anexo III Quadro de Capacitação da Sala do Empreendedor 50 Anexo IV Fluxo de Atendimento da Sala do Empreendedor 51 Anexo V Processo de Atendimento da Sala do Empreendedor 52 Anexo VI Lei Complementar Programa Empresa Fácil 55 Anexo VII Decreto de Regulamentação do Programa Empresa Fácil

4 60 Anexo VIII Modelo de Termo de Cooperação Técnica Para o Programa Empresa Fácil 63 Anexo IX Decreto da Nota Fiscal de Serviços do Microempreendedor Individual - MEI 66 Anexo Único Modelo de Nota Fiscal do MEI 67 Anexo X Decreto que Dispõe sobre Atividades Consideradas de Alto Risco 69 Anexo XI Decreto que Permite Funcionamento Residencial de Pequenos Estabelecimentos

5 Sala do Empreendedor e Programa Empresa Fácil 1 Termo de Referência Nos últimos anos, nota-se um significativo avanço na desburocratização e simplificação de procedimentos de abertura de empresas no Brasil. Mesmo organismos internacionais classificando o país como um dos mais burocráticos e onerosos no mundo, a instituição da Lei Geral tem contribuído para a redução de prazos, procedimentos e custos da abertura e alterações de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. 5 Tal avanço foi notado com mais intensidade a partir da instituição do Microempreendedor Individual que, de certa forma, induziu os órgãos públicos a repensarem procedimentos. No âmbito Federal, destaca-se a modernização a partir da adoção do Cadastro Sincronizado Nacional e da Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios (Redesim), esta última mais recente. No Paraná, a experiência que o Sebrae/PR acumulou com a Central Fácil e o trabalho em alguns municípios na abertura da Sala do Empreendedor e Programas que tanto facilitam a abertura como garantem o atendimento necessário ao empreendedor, a exemplo do Programa Empresa Fácil nos municípios de Foz do Iguaçu e Cascavel, motivaram a elaboração deste Termo de Referência. Sala do Empreendedor e Programa Empresa Fácil O presente Termo tem como principal função ser um documento referencial para as prefeituras municipais avançarem no processo de desburocratização e simplificação de procedimentos de abertura de empresas, contribuindo de forma decisiva para a redução da informalidade e o apoio ao empreendedorismo. Para isso propõem-se duas ações complementares: Módulo I - Criação da Sala do Empreendedor: espaço físico em que a prefeitura, em parceria com instituições locais, oferece serviços de abertura de empresa e informações importantes para os negócios. Módulo II - Instituição do Programa Empresa Fácil: programa de apoio à formalização de empreendimentos, com incentivos tributários e não tributários, para que os empreendedores possam se formalizar por meio do Empreendedor Individual. 1 - Importante destacar que a Sala do Empreendedor é um espaço físico em que a Prefeitura oferece ao Empreendedor (Informal, MEI, Microempresa e Empresa de Pequeno Porte) informações e orientações sobre negócios e sobre o processo de registro e legalização de empreendimentos. O Programa Empresa Fácil (ou outro nome dado pela prefeitura e parceiros), doravante denominado Programa, é destinado ao informal que se dispõe a formalizar sua atividade por meio da figura jurídica criada pela Lei Complementar 128/2008, ao Microempreendedor Individual (MEI) e que passam a ter alguns benefícios definidos por Lei ou outro instrumento formal.

6 6 Destaca-se a importância que o Programa Empresa Fácil apresenta para a consolidação dos pequenos negócios. Como se sabe, o primeiro ano de atividade é o mais crítico para uma pequena empresa, e o apoio da prefeitura, Sebrae/ PR e parceiros no acompanhamento ao longo deste período é fundamental para que as empresas não apenas iniciem suas atividades por meio da Sala do Empreendedor, mas que possam continuar sua atividade, aumentando a taxa de sobrevivência das empresas no município e, consequentemente, no estado e país. SEBRAE-PR

7 1. Existência de Legislação Desburocratizante no Município Pode-se afirmar que é esse aspecto (legislação) que vai proporcionar o ambiente propício para a instalação e funcionamento da Sala do Empreendedor. Nesse âmbito, podemos apontar: 7 a) Como passo primeiro e essencial, o município deverá ter aprovada sua Lei Geral Municipal; b) O capítulo de desburocratização dessa lei deverá estar regulamentado, nos seus aspectos essenciais, a saber: b.1) criação da sala do empreendedor: criação de um local único na prefeitura, ou em outro local, que concentre todos os tipos de atendimento ao empresário, seja para informação, orientação ou para a disponibilização de serviços. A sala do empreendedor deverá ter infraestrutura de informática e funcionalidade para prestar serviço de legalização e formalização do Microempreendedor Individual MEI e das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte12 ; Sala do Empreendedor e Programa Empresa Fácil b.2) definição das atividades de grau de risco alto: com essa definição é possível atender à legislação que dispõe sobre o procedimento especial para o registro e legalização do Microempreendedor Individual MEI e das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte baixada pelo Comitê Gestor da Redesim e a implantação do Alvará de Funcionamento Provisório, bem como a fiscalização a posteriori; b.3) criação do Alvará Provisório, com o funcionamento da empresa de imediato, sem a vistoria prévia, para as atividades de baixo risco. Obs: recomenda-se a adoção da lista de atividades de alto risco para o Microempreendedor Individual e Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, baixada pela Resolução (REDESIM) nº 22, de 22 de junho DE Caso a Sala do Empreendedor não tenha estrutura para fornecer os serviços de formalização das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, recomenda-se parceria com o Sindicato Local de contadores para disponibilizar este serviço aos interessados por meio do profissional contábil. 3 - Acesse em:

8 SEBRAE-PR 8 Obs.: em muitos municípios pequenos já é uma realidade a concessão de alvará de funcionamento em prazo médio de 48 horas. Em tais casos, seria dispensável a criação formal do alvará provisório. Mas, seja alvará provisório ou definitivo, o importante é que seja garantida pela legislação local a regra geral introduzida pelo artigo 7º do Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte (LC 123/2006) que assegura ao empresário o início de operação do estabelecimento imediatamente após o ato de registro, exceto nos casos em que o grau de risco da atividade seja considerado alto. Por isso, é necessário que haja uma legislação local tornando isso bem claro, que expresse essas atividades, e os procedimentos de atuação dos órgãos municipais responsáveis pela vistoria e fiscalização. c) revisão das legislações básicas municipais, relacionadas com abertura, baixa e alterações de empresas, com o objetivo de desburocratização, desregulamentação e simplificação dos procedimentos adotados pelo Município, tais como, tributação, concessão de alvarás, alterações e baixas das inscrições municipais, normas de vigilância sanitária, meio ambiente, uso e ocupação do solo, publicidade, propaganda, e, se for o caso, corpo de bombeiros.

9 2. Integração dos Serviços Prestados Pelos Diversos Órgãos Municipais O objetivo básico da Sala do Empreendedor é a disponibilização de um espaço único de atendimento aos empresários, proporcionando-lhes informação, orientação e serviços, de forma integrada, objetiva, simples e eficaz. É o serviço público proativo, saindo da passividade e indo ao encontro da população empreendedora do Município. Um objetivo desses só pode ser atingido com a integração de todas as Secretarias que, de alguma forma, envolvam-se com as atividades empreendedoras. Assim, é desejável que participem da Sala do Empreendedor: a) Secretaria da Fazenda ou Finanças; b) Secretaria da Indústria e Comércio ou do Desenvolvimento Econômico ou similar; Sala do Empreendedor e Programa Empresa Fácil 9 c) Secretaria de Urbanismo; d) Secretaria de Meio Ambiente; e) Secretaria da Saúde; f) Secretaria da Administração e Planejamento; g) Secretaria da Agricultura ou similar; h) Outras Secretarias, Empresas, Fundações ou Autarquias, que, de alguma forma, tenham envolvimento com as atividades empreendedoras. Por se tratar de um envolvimento amplo de tantas Secretarias, é recomendável que sua coordenação seja realizada pelo Comitê Gestor Municipal 14, criado pela Lei Geral Municipal, que, por sua natureza, já é um órgão colegiado na qual essas secretarias são representadas e que tem a função de assessoria do próprio Prefeito. 4 - Comitê Gestor Municipal é constituído pelas entidades públicas e privadas do município e tem como função garantir a implantação da Lei Geral no município, previsto no Artigo 76 da Lei Complementar 123/2006.

10 3. Formalização de Parcerias com Entidades, Órgãos Públicos e Instituições de Ensino 10 A Sala do Empreendedor e o Programa Empresa Fácil estão abertos a parcerias com diversos tipos de instituições e outros órgãos da esfera estadual ou mesmo federal. SEBRAE-PR No âmbito federal é desejável formalização de parceria com a Receita Federal do Brasil para tornar mais rápida a liberação do CNPJ. É importante que a prefeitura faça convênio com a Agência Regional da Junta Comercial para que seja disponibilizada uma pessoa que se responsabilize pelos tramites necessários com este órgão. Caso seja inviável, recomenda-se que a Sala do Empreendedor assuma alguns serviços de intermediação entre esse órgão e o empreendedor, visando simplificar e agilizar os procedimentos de legalização das atividades. Da mesma forma, seria necessário um Convênio com a Secretaria da Fazenda Estadual ou com a Delegacia Regional dessa Secretaria, para tornar mais simples o processo de autorização de Nota Fiscal para o MEI, principalmente, e também para a obtenção de Inscrição Estadual. Também por convênio, poderia ser simplificado o trâmite para aprovação do Corpo de Bombeiros, quando do pedido de licença para funcionamento do estabelecimento, sendo ideal que haja um funcionário deste órgão na própria Sala do Empreendedor15. Imprescindível a parceria com a representação local dos contabilistas e/ou com o Conselho Regional dos Contabilistas (CRC) para a abertura de empresa, e o necessário apoio técnico na escrituração, elaboração e controle das informações econômico-fiscais do Microempreendedor Individual MEI e das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. Da mesma forma, é importante a parceria com o SEBRAE/PR, nos termos definidos em termo de cooperação técnica com o município. Na linha de orientação empresarial, importante verificar a presença de entidades como Associação Comercial e Industrial, Sindicatos Patronais, além de entidades de financiamento, como Sicoob, Sicredi, Bancos Públicos e Privados que possam oferecer linhas de financiamento e orientação de como acessá-las. 5 - No Âmbito Estadual, está em estruturação pela Celepar a liberação do pedido de vistoria do Corpo de Bombeiros (em andamento) e também o desenvolvimento do Integrador Estadual da Redesim (proposta em desenvolvimento pela Jucepar e Celepar).

11 Em vários municípios, a presença de Instituições de Ensino e Pesquisa facilita a oferta de serviços aos empresários de forma a reduzir os custos de operacionalização da Sala e do Programa e também promover a desejável integração Academia-Comunidade. Em instituições que tenham cursos ligados às Ciências Sociais Aplicadas (Administração, Ciências Contábeis, Economia), pode-se formalizar parcerias para orientação empresarial nos aspectos de gestão e contabilidade. Naquelas que possuem curso de Direito, pode-se oferecer aos empresários serviços que facilitem o acesso à Justiça, como previsto na Lei Geral, instituindo mecanismos extrajudiciais de resolução de conflitos (Conciliação, Mediação e Arbitragem). 11 As parcerias serão formalizadas mediante celebração de CONVÊNIOS DE CO- OPERAÇÃO TÉCNICA, em que estarão consignadas as atribuições das partes e demais itens de compromisso em relação à Sala do Empreendedor e ao Programa. Importante destacar que o sucesso da Sala do Empreendedor e do Programa Empresa Fácil depende do comprometimento das entidades acima mencionadas, entendendo as necessidades e oferecendo orientação e produtos adequados aos Empreendedores Individuais, Microempresas e Empresas de Pequeno Porte de seu município. Sala do Empreendedor e Programa Empresa Fácil

12 4. Infraestrutura da Sala do Empreendedor e Capacitação SEBRAE-PR Infraestrutura Física Como um local único que o empreendedor deverá procurar para obter informação, orientação e serviços, deverá se situar em lugar de fácil acesso, preferencialmente na própria prefeitura, ou, se houver convênio com o estado, na Agência do Trabalhador. É imprescindível infraestrutura de informática e funcionalidade para prestar os serviços requeridos, bem como espaço para abrigar funcionários da administração direta ou indireta do município ligados aos serviços eventualmente prestados, e eventualmente representantes da administração estadual ou federal conveniados e funcionários de entidades parceiras. Além de ter infraestrutura de informática e funcionalidade para prestar serviço de legalização e formalização das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte e do Microempreendedor Individual MEI, necessariamente deverá possibilitar o acesso ao Portal do Empreendedor (www.portaldoempreendedor.gov.br) para registro e legalização do MEI. A amplitude da estrutura física dependerá, naturalmente, dos serviços que serão colocados à disposição dos empresários. Uma configuração mínima pode ser a seguinte: computador com acesso à internet, impressora, fotocopiadora, linha telefônica, aparelho telefônico, mesa e cadeira, armário com arquivo, cadeira de espera, senha de atendimento e material de expediente. Desejável que tenha igualmente um endereço eletrônico para disponibilidade de serviços eletrônicos ( DADE.pr.gov.br). Como ação de desenvolvimento, poderia se pensar em evoluir para a constituição de um Portal do Empreendedor, onde seriam oferecidas as mesmas funcionalidades da Sala do Empreendedor, ou seja, informações, orientações e serviços, porém, evidentemente, de forma eletrônica Infraestrutura Operacional Operacionalmente, no mínimo, a Sala do Empreendedor deverá atender ao serviço de legalização e formalização do Microempreendedor Individual MEI e informar e orientar as Microempresas e Empresas de Pequeno Porte quanto à consulta prévia, concessão de alvará provisório ou definitivo, documentação

13 necessária para abertura e legalização da empresa, inclusive quanto aos órgãos externos no âmbito estadual e federal, e outros órgãos ou entidades de controle, na conformidade da atividade exercida. Para atender serviço de legalização e formalização do Microempreendedor Individual MEI, necessariamente deverá possibilitar o acesso ao Portal do Empreendedor (www.portaldoempreendedor.gov.br) para registro e legalização do MEI Infraestrutura Organizacional Por se tratar de um envolvimento amplo de diversas Secretarias e Órgãos municipais, é recomendável que a coordenação da Sala do Empreendedor seja realizada pelo Comitê Gestor Municipal, criado pela Lei Geral Municipal, que, por sua natureza já é um órgão colegiado na qual essas secretarias estão representadas e que já tem a função de assessoramento ao próprio Prefeito. Sob a coordenação do Comitê Gestor, o Agente de Desenvolvimento Municipal poderá ser o responsável operacional e pela orientação técnica da Sala. Sala do Empreendedor e Programa Empresa Fácil 4.4. Capacitação A Sala do Empreendedor deverá estar capacitada a atender, todos os serviços colocados à disposição dos empreendedores que a procuram, seja por meio dos funcionários permanentes ou por agentes das instituições parceiras. Principalmente, deve ter pleno conhecimento do trâmite burocrático para a abertura e legalização de negócios que o empreendedor está obrigado nas três esferas de governo (Federal, Estadual e Municipal) e em outros órgãos ou entidades, a fim de informá-lo e orientá-lo desde o tipo jurídico mais adequado da perspectiva do empreendedor (empresário, sociedade limitada, sociedade simples, etc.) até o início do funcionamento regular da empresa. De modo geral, para os serviços de orientação e informação do registro e formalização de Empreendedores Individuais, Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, a Sala do Empreendedor deverá, no mínimo: Conhecer a legislação municipal no que se refere a: a) locais permitidos para funcionamento de determinadas atividades, segundo o Plano Diretor do Município, Lei de Zoneamento, Lei de Uso e Ocupação do Solo, Lei do Silêncio, Legislação que regula determinadas atividades, como boates, bares e casas noturnas, etc.;

14 b) concessão e baixa de alvará de funcionamento e os órgãos municipais envolvidos; SEBRAE-PR 14 c) código tributário municipal, no que se relaciona com a inscrição municipal e a baixa do estabelecimento, e inscrição no cadastro de contribuintes municipal, se prestador de serviço; d) vigilância sanitária, principalmente no caso de atividades industriais e outras expressamente indicadas na legislação, como estabelecimentos de saúde (hospitais, clínicas, farmácias, etc.) e produção e comércio de bebidas; e) meio ambiente, e documentação exigida pelas diversas secretarias ou pelos órgãos do seu município relacionados com a abertura e fechamento das empresas Conhecer a atuação dos demais órgãos e entidades envolvidos na abertura e fechamento das empresas dos demais entes da federação (União e Estado), como: a) Junta Comercial; b) Receita Federal; c) Corpo de Bombeiros; d) Secretaria da Fazenda Estadual; e) Ibama, IAP e demais órgãos correlatos do Estado; f) INSS - Instituto Nacional de Seguridade Social; g) e, dependendo da atividade a ser desenvolvida, outros órgãos ou Conselhos, seja na esfera estadual ou na esfera federal Em especial deve conhecer a legislação que rege a condição de microempresa e empresa de pequeno porte nas Juntas Comerciais: a Instrução Normativa nº 103 de 30/04/ DOU 1 de 22/05/2007, que dispõe sobre o enquadramento, reenquadramento e desenquadramento de microempresa e empresa de pequeno porte, constantes da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006; Instrução Normativa nº 104, de 30/04/ DOU 1 de 22/05/2007, que dispõe sobre a formação de nome empresarial, sua proteção e dá outras providências; Instrução Normativa nº 105, de 16/05/ DOU 1 de

15 22/05/2007, que dispõe sobre os atos sujeitos à comprovação de quitação de tributos e contribuições sociais federais para fins de arquivamento no Registro Público de Empresas Mercantis e Atividades Afins; e Instrução Normativa nº 112, de 12/04/ DOU 1 de 22/05/2007, que dispõe sobre o processo de transformação de sociedades empresárias, contratuais, em empresário e viceversa Conhecer algumas das legislações que regem o SIMPLES NACIONAL, tais como a Resolução CGSN n o 4/2007, que dispõe sobre a opção pelo Simples Nacional; Resolução CGSN n o 6/2007, que dispõe sobre os códigos de atividades econômicas previstos na Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) a serem utilizados para fins da opção; Resolução CGSN n o 10/2007, que dispõe sobre as obrigações acessórias relativas às microempresas e empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional e Resolução CGSN 59/2009, que dispõe sobre a entrega da Declaração Anual Quanto à orientação e informação do registro e formalização do Microempreendedor Individual MEI, seus funcionários deverão conhecer, no mínimo, todo o processo de registro, tanto o baixado pelo Comitê Gestor da Redesim, principalmente a Resolução n o 16, de 17 de dezembro de 2009, como as atividades permitidas pela Resolução CGSN n o 58, de 27 de abril de Deverão ser capazes de informar ao empreendedor: Sala do Empreendedor e Programa Empresa Fácil a) quem pode ser MEI, como se registra e se legaliza, as obrigações, custos e periodicidade, qual a documentação exigida e quais os requisitos que deve atender perante cada órgão e entidade para seu funcionamento; b) a necessidade de pesquisa prévia ao ato de formalização, para fins de verificar sua condição perante à legislação municipal no que se refere à descrição oficial do endereço de sua atividade e da possibilidade do exercício dessa atividade no local desejado; c) o conteúdo do termo de Ciência e Responsabilidade com Efeito de Alvará de Licença e Funcionamento Provisório, que será transmitido eletronicamente pelo Portal do Empreendedor e que permitirá o início de suas atividades, salvo nos casos de atividade considerada de alto risco; d) os benefícios outorgados pelo Programa Empresa Fácil, os direitos e as obrigações do MEI dentro desse Programa; 6 - As instruções normativas devem ser consultadas no site 7 - As resoluções podem ser baixadas no site

16 16 e) tratando-se de empreendedor que não atende aos requisitos para se qualificar como Microempreendedor Individual MEI, a possibilidade de ser microempresa ou qual o regime tributário mais adequado, bem como os procedimentos para abertura de uma empresa, inclusive para a elaboração de um contrato social adequado, registro na Junta Comercial e obtenção do CNPJ. SEBRAE-PR

17 5. Procedimentos na Sala do Empreendedor em Relação ao Processo de Abertura de Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Passo a Passo Consulta Prévia Objetivo: fazer as pesquisas nos órgãos para sanar eventuais problemas antes do processo de constituição. Documentos Necessários dos Empreendedores: RG e CPF (todos os sócios) - cópia autenticada18 ; Certidão de casamento cópia autenticada (Somente é necessário quando os sócios forem casados entre si)29. Sala do Empreendedor e Programa Empresa Fácil Formulário de pesquisa cadastral na Receita Federal (um para cada sócio). A pesquisa deverá ser feita pelo empreendedor e está disponível no site: https://cav.receita.fazenda.gov.br/scripts/cav/login/login. asp Certidão Negativa do CPF dos Sócios Receita Estadual: fazenda.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=266 Carnê do IPTU (cópia da capa) - para fins da Consulta Comercial da Prefeitura Municipal; Classificação Nacional de Atividade Econômica CNAE da atividade pretendida pelo empreendedor: Consulta de Nome Comercial Junta Comercial; Certificado de Regularidade do Contador (Caso o empreendedor não tenha um contador, não conseguirá solicitar o CNPJ na Receita Federal do Brasil). 8 - Não pode haver divergência no nome da pessoa que consta no RG e CPF. Por exemplo, se contraiu matrimônio ou dissolveu e não alterou no RG ou CPF, o processo não terá continuidade até que regularize a situação. 9 - Conforme o artigo 977 da Lei /2002 (Código Civil), os casados sob o Regime de Comunhão Universal de Bens ou Separação Obrigatória de Bens não poderão constituir sociedades entre si.

18 Obs.: as pesquisas realizadas nos órgãos fazendários federal e estadual informam se os sócios não apresentam pendências que possam impedir a abertura da empresa Averiguar junto à prefeitura se a atividade a ser exercida é permitida no local pretendido para o endereço comercial, conforme lei de Zoneamento do Município (Consulta Comercial). SEBRAE-PR Identificar o Grau de Risco da Atividade, conforme CNAE, para verificar as vistorias prévias necessárias (Corpo de Bombeiros, Vigilância Sanitária, Meio Ambiente e demais órgãos) Verificar se o CNAE não é impedido de optar pelo Simples Nacional (Lei Complementar 123/2006, Artigo 17) Constituição de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. Esta fase é composta pelas seguintes etapas: Registro do Contrato Social ou Requerimento de Empresário Junta Comercial; Solicitação de CNPJ Receita Federal; Solicitação de Alvará Prefeitura Municipal; Solicitações de Vistorias se necessário (Grau de Risco do CNAE); Solicitação da Inscrição Estadual Receita Estadual (Comércio e Indústria deve ser feita pelo contador); Solicitação de Inscrição no Simples Nacional, Lucro Presumido ou Lucro Real (deve ser feita pelo contador); Solicitação de Nota Fiscal (deve ser feita pelo contador); Inscrição em entidade de Classe se o CNAE exigir (deve ser feito pelo empresário); 10 - Caso a atividade seja vedada, deve-se optar pelo regime tributário Lucro Presumido ou Lucro Real.

19 5.2.1 Elaborar ato de Constituição da Empresa Ltda. ou Empresário Individual Contrato Social ou Requerimento de Empresário. Modelo e Orientação de Contrato Social; 19 Requerimento de Empresário; Preencher e imprimir a capa do processo (Nome, CPF e Ato: 080 Inscrição para empresas individuais e o código 090 para empresas limitadas): Recolher a Taxa e Protocolar na Agência Regional da Junta Comercial. Sala do Empreendedor e Programa Empresa Fácil Após o registro (NIRE) da Empresa ou Empresário Individual na Junta Comercial, acessar o site ColetaWeb.htm, e solicitar o CNPJ Solicitar o Alvará de Funcionamento na Secretaria de Fazenda Municipal. No caso das prefeituras conveniadas no Cadastro Sincronizado da Receita Federal, como Curitiba, o pedido é simultâneo à solicitação do CNPJ no site da Receita Federal do Brasil411. Se o CNAE for de grau de risco alto terá de providenciar laudos antes de solicitar o alvará, conforme indicado na Consulta Comercial Encaminhar para o Contador fazer a Inscrição Estadual para empresas de comércio, indústria, serviços gráficos e transporte no site: br, solicitar a inscrição no Simples Nacional, Lucro Presumido ou Lucro Real, Notas Fiscais e Inscrição no Conselho de Classes (se cabível) Se a prefeitura tiver interesse em firmar Convênio com a Receita Federal do Brasil, acessar o site https://www16. receita.fazenda.gov.br/cadsinc/ e verificar os procedimentos em Como Participar.

20 6. Procedimentos na Sala do Empreendedor em Relação ao MEI Passo a Passo SEBRAE-PR Consulta Prévia Obs.: o MEI deverá ter em mãos o RG e CPF (originais); o Comprovante de Residência e o Carnê do IPTU (cópia da capa). a) Antes de realizar o processo eletrônico de inscrição do MEI no Portal do Empreendedor, a Sala do Empreendedor deverá efetuar pesquisa prévia da descrição oficial do endereço onde será exercida a atividade desejada e da possibilidade de exercício dessa atividade no local. Nos municípios os quais já estão integrados ao Portal do Empreendedor essas informações deverão estar no próprio portal. Nos demais, há que se fazer essa pesquisa consultando as respectivas legislações internas: Plano Diretor; Lei de Zoneamento; Lei do Parcelamento do Solo, etc. Pesquisa da Tabela de Atividades de alto risco. A descrição oficial do endereço dirá se a atividade pode ou não pode ser exercida no local. Se pode, em que condições. Se não pode, o MEI deverá ser informado de que não poderá se formalizar com base naquele endereço. Na consulta à tabela de alto risco, será verificada se a atividade é considerada de alto risco perante a legislação municipal. Caso seja, será obrigatória a fiscalização prévia antes de ser concedida a licença de funcionamento e serão identificados os órgãos que farão essa fiscalização (meio ambiente, vigilância sanitária, corpo de bombeiros, etc). Neste caso, de atividade considerada de alto risco, poderá ser feita a formalização pelo Portal do Empreendedor, mas no Certificado da Condição de MEI (CCMEI) emitido pelo sistema, deverá ser aposto carimbo com os dizeres ATIVIDADE DE ALTO RISCO. O MEI NÃO PODERÁ EXERCER A ATIVIDADE ENQUANTO NÃO HOUVER A FISCALIZAÇÃO PRÉVIA. Nesse caso, o processo interno para concessão do Alvará de Funcionamento Definitivo deverá ter trâmite interno prioritário, devendo ser concluído no prazo máximo de 20 (vinte) dias. Se não houver possibilidade de uma resposta imediata nessa etapa de Pesquisa Prévia, a resposta deverá ser dada em prazo posterior, desde que não exceda a 2 (dois) dias úteis.

21 6.2 Pesquisa prévia do nome da empresa: Essa pesquisa mostrará se o nome da empresa a ser registrado está disponível. No caso do MEI, essa pesquisa se torna dispensável, pois ela será feita no próprio processo eletrônico de inscrição, com base no nome do empreendedor e de seu CPF. 6.3 Do Processo de Registro e Legalização do MEI: Efetuada a pesquisa prévia prevista no item 6.1 e sendo viável o registro do MEI, deverá ser acessado o Portal do Empreendedor, no endereço: Obs.: o MEI deverá ter em mãos o RG e CPF (originais); o Comprovante de Residência e o Carnê do IPTU (cópia da capa). Sala do Empreendedor e Programa Empresa Fácil Durante o preenchimento do formulário eletrônico: a) Serão efetuadas a validação do CPF e a verificação de existência de impedimento para ser MEI. Se houver alguma irregularidade, o MEI deverá ser informado e instruído, como segue: a.1) a.2) Tratando-se de irregularidade no CPF, dirigir-se à Secretaria da Receita Federal do Brasil e promover a sua regularização; Tratando-se de impedimento para ser MEI, dirigir-se à Secretaria da Receita Federal do Brasil para obtenção de informações complementares e de orientações quanto ao tratamento da questão. b) Também durante o preenchimento do formulário eletrônico, o MEI dará sua conformidade com as seguintes declarações: b.1) b.2) Declaração de Desimpedimento: declarando que não tem impedimentos para exercer a atividade empresarial e que não possui outro registro de empresário; Declaração de Opção pelo Simples Nacional;

22 SEBRAE-PR 22 b.3) Termo de Ciência e Responsabilidade com efeito de Alvará de Licença e Funcionamento Provisório: declaração de que conhece os requisitos da legislação estadual e municipal para emissão do Alvará de Licença e Funcionamento, compreendidos os aspectos sanitários, ambientais, tributários, de segurança pública, uso e ocupação do solo, atividades domiciliares e restrições ao uso de espaços públicos Transmitidos os dados do formulário eletrônico para as bases de dados da Junta Comercial e da Secretaria da Receita Federal do Brasil a inscrição será confirmada com o fornecimento para o MEI, respectivamente, do Número de Identificação do Registro de Empresa NIRE e do número de inscrição no CNPJ. 6.4 Do Certificado da Condição de Microempreendedor Individual CCMEI Após a inscrição, o sistema disponibilizará no Portal do Microempreendedor o documento Certificado da Condição de Microempreendedor Individual CCMEI: esse documento será a identificação do MEI e comprovará sua condição ativa de empresário. A emissão do Certificado da Condição de Microempreendedor Individual CCMEI terá o efeito de Alvará de Licença e Funcionamento Provisório, com prazo de vigência de 180 (cento e oitenta) dias, e permitirá o início de suas atividades, exceto nos casos de atividades consideradas de alto risco. A prefeitura, nesse prazo, deverá se manifestar sobre a regularidade em relação ao endereço e quanto à possibilidade de a atividade ser ali exercida, sob pena de conversão automática em Alvará de Funcionamento. 6.5 Do Carnê de Pagamento Concluída a inscrição, o sistema disponibilizará no Portal do Microempreendedor o Carnê de Pagamento, no link PGMEI. Esse carnê poderá ser gerado mês a mês ou simultaneamente para todos os meses do exercício. A Sala do Empreendedor fará a impressão do documento para o empresário para todos os meses do exercício. Obs.: o pagamento deverá ser feito na rede bancária e casas lotéricas, até o dia 20 de cada mês.

23 6.6 Relatório Mensal de Receitas Brutas e Declaração Anual do Simples Nacional Microempreendedor Individual a) Resumo Mensal de Vendas /Receitas 23 O artigo 7º da Resolução CGSN nº 10, de 28/06/2007, diz que o MEI fará a comprovação da receita bruta, mediante apresentação do registro de vendas ou de prestação de serviços, que deverá ser preenchido até o dia 20 (vinte) do mês subsequente àquele em que for auferida a receita bruta. O MEI deverá manter anexado a esse registro de vendas ou de prestação de serviços os documentos fiscais comprobatórios das entradas de mercadorias e dos serviços tomados referentes ao período, bem como os documentos fiscais relativos às operações ou prestações realizadas eventualmente emitidos. Sala do Empreendedor e Programa Empresa Fácil O resumo não precisará ser enviado a nenhum órgão, mas deverá ser guardado por, no mínimo, 5 anos pelo MEI para apresentação ao fisco, quando solicitado, e será utilizado para preenchimento da Declaração Anual do Simples Nacional Microempreendedor Individual (DASN-SIMEI). b) Declaração Anual do Simples Nacional Microempreendedor Individual (DASN-SIMEI) A Resolução CGSN nº 58, de 27 de abril de 2009, no seu artigo 7º, diz que o MEI deverá apresentar até o último dia útil do mês de janeiro de cada ano, à Receita Federal do Brasil (RFB), a Declaração Anual do Simples Nacional Microempreendedor Individual (DASN-SIMEI), em relação ao seu movimento do ano anterior. Essa Declaração será elaborada com base nos Resumos Mensais de Vendas/Receitas de cada mês. ATENÇÃO: o DASN-SIMEI será elaborado eletronicamente via Portal do Simples Nacional (http://www8.receita.fazenda.gov.br/simplesnacional/mei/default. asp) até o último dia do mês de janeiro de cada ano, tão somente com as seguintes informações: receita bruta total; receita bruta sujeita ao ICMS; se contratou empregado. Essa Declaração Anual do Simples Nacional Microempreendedor Individual (DASN-SIMEI) constitui confissão de dívida e instrumento hábil e suficiente para a exigência dos tributos e contribuições que não tenham sido recolhidos resultantes das informações nela prestadas.

24 6.7 Contratação de Empregado pelo MEI: A legislação admite que o MEI possa ter 1 único empregado que receba exclusivamente 1 salário mínimo ou o piso salarial da categoria profissional. 24 Nesse caso, serão suas obrigações: SEBRAE-PR a) Reter e recolher a contribuição previdenciária desse empregado, no percentual de 8% do salário. Esse não é um custo do Empreendedor e sim uma retenção do salário do empregado; b) Recolher contribuição patronal previdenciária de 3% sobre o salário desse empregado; c) Recolher 8% do salário para o FGTS; d) Preencher e entregar mensalmente à Caixa Econômica Federal - CEF a Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social (GFIP). Empregador_09.asp Obs.: não haverá, em nenhuma hipótese, supressão de direitos trabalhistas (13º salário, férias, vale transporte, aviso prévio, etc.). A Certidão Negativa de Débitos da Previdência Social para o MEI que tem empregado é obtida diretamente no site contexto/cnd/cnd.html. Caso não tenha empregado, o MEI deve solicitar a CND nas Unidades de Atendimento da Receita Federal do Brasil (http://www.receita. fazenda.gov.br/atendcontrib/atendimento/unidatendimento/pr.htm).

25 7. Das Notas Fiscais Já formalizado, o MEI será instruído quanto à emissão de Notas Fiscais. Será orientado que: Não precisarão emitir tais documentos nas vendas ou prestações de serviços a pessoas físicas. 7.2 Deverão emiti-las, no entanto, quando realizar vendas ou prestações de serviços a pessoas jurídicas, com CNPJ, devendo obedecer a legislação própria, ou do Estado ou do Município. Se for contribuinte do ISS (serviços) obedecerá a legislação do município. Se for contribuinte do ICMS (Indústria e Comércio), obedecerá a legislação do Estado. Obs.: essa informação, ICMS ou ISS, está na Lista de atividades enquadradas como Empreendedor Individual Anexo único da Resolução CGSN 58, de 27 de abril de Sala do Empreendedor e Programa Empresa Fácil 7.3 Se o MEI for contribuinte do ICMS, deverá ser informado de que o Estado do Paraná acrescentou ao Regulamento do ICMS estadual, no Anexo VIII, pelo DECRETO Nº 5.566, de 14 DE OUTUBRO DE 2009, o CAPÍTULO IV - DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI, dispensando o MEI da inscrição no CAD/ICMS, desde que pratique apenas operações e prestações que estão dispensadas de emissão de Nota Fiscal segundo a Resolução CGSN nº 10, de 28/06/2007, ou seja: a) Nas operações com venda de mercadorias ou nas prestações de serviços para consumidor final pessoa física; b) Nas operações com venda de mercadorias para pessoa jurídica, desde que o destinatário emita Nota Fiscal de Entrada. Já pelo Decreto nº 6.548/2010, o MEI, quando obrigado a emitir documento fiscal nas operações com mercadorias e nas prestações de serviços realizadas para destinatário cadastrado no CNPJ, emitirá Nota Fiscal Avulsa, na forma estabelecida em Norma de Procedimento Fiscal - NPF.

26 A NPF em questão é a norma de procedimento fiscal N 029/2010, que diz que a emissão de Nota Fiscal Avulsa Eletrônica (NFAe) para o contribuinte MEI será realizada exclusivamente nas Agências da Receita Estadual-ARE, por Auditor Fiscal, no ambiente SEFANET. 26 Se houver convênio da Sala do Empreendedor com a Agência da Receita Estadual, deve proceder de acordo com o referido convênio. SEBRAE-PR 7.4 Se o MEI for contribuinte do ISS, deve iniciar os procedimentos para entrega de talonário de Nota Fiscal de Serviços ao MEI, de acordo com a legislação municipal.

27 8. Do Termo de Adesão ao Programa Empresa Fácil Como providência final de formalização, a Sala do Empreendedor deve explicar ao MEI o Programa e os benefícios e compromissos do empreendedor dentro do Programa. 27 Para adesão ao programa, o empresário deve firmar o Termo de Adesão, documento que lhe dá o direito de usufruir dos benefícios fiscais outorgados às empresas dentro do programa, de acompanhamento contábil e de cursos de capacitação e orientação empresarial. Sala do Empreendedor e Programa Empresa Fácil

28 Anexos 28 Módulo I - Sala do Empreendedor Anexo I. Decreto que cria a Sala do Empreendedor. SEBRAE-PR Anexo II. Modelo de Termo de Cooperação Técnica para a Sala do Empreendedor (Modelo de Termo de Cooperação Técnica entre o Município e o Sebrae/PR para a Sala do Empreendedor. Esse modelo pode ser utilizado para a adesão das entidades mencionadas no item 3 deste termo de referência) Anexo III. Quadro de Capacitação da Sala do Empreendedor Anexo IV. Fluxo de Atendimento da Sala do Empreendedor Anexo V. Processo de Atendimento da Sala do Empreendedor Módulo II Programa Empresa Fácil Anexo VI. Lei Complementar: Cria o Programa Empresa Fácil (Como há renúncia fiscal no artigo 6º, a Lei Complementar 101/2000 (lei de responsabilidade fiscal) exige legislação específica. Importante destacar que esta renúncia não afeta as metas de receita da LDO, pois como se trata de informal, não havia receita estimada, portanto não há necessidade de eventuais medidas de compensação (redução de outras despesas ou aumento de receitas). Caso a prefeitura não queira conceder os benefícios tributários previstos no artigo 6º, não há necessidade de regulamentação por meio de lei, podendo ser por decreto). Anexo VII. DECRETO: regulamenta o programa Empresa Fácil e oferece outras providências. (Como já referido, não havendo benefício fiscal, não há necessidade de Lei, podendo o programa ser instituído pelo próprio decreto). Anexo do Decreto: Anexo I termo de adesão Anexo VIII. Termo de Cooperação Técnica para o programa Empresa Fácil.

29 (Modelo de Termo de Cooperação Técnica entre o Município e o Sebrae/PR para o programa Empresa Fácil. Esse modelo pode ser utilizado para a adesão das entidades mencionadas no item 3 deste termo de referência.) Módulo III Atos Legais (Utilizados tanto para a sala do empreendedor quanto para o programa empresa fácil.) 29 Anexo IX. Decreto que institui Nota Fiscal de Serviços do Microempreendedor Individual MEI. Anexo X. Decreto que dispõe sobre atividades consideradas de alto risco. (Acolhe no Município a Resolução CGSIM n o 22, de 22/06/2010) Anexo XI. Decreto que permite o funcionamento residencial de pequenos estabelecimentos comerciais, industriais ou de prestação de serviços. Sala do Empreendedor e Programa Empresa Fácil

30 Anexo I Sala do Empreendedor 30 DECRETO Nº DE DE DE 20. Institui a Sala do Empreendedor. SEBRAE-PR, no uso das suas atribui- O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ções legais, DECRETA:

31 Capítulo I Das Disposições Gerais da Sala do Empreendedor Artigo 1º Para assegurar ao contribuinte a entrada única de dados e simplificar os procedimentos de registro e funcionamento de empresas no município, fica criada a Sala do Empreendedor com as seguintes funcionalidades: 31 I II III disponibilizar aos interessados as informações necessárias à emissão da inscrição municipal e alvará de funcionamento, mantendo-as atualizadas nos meios eletrônicos de comunicação oficiais; emissão de certidões de regularidade fiscal e tributária; orientação sobre os procedimentos necessários para a regularização de registro e funcionamento, bem como situação fiscal e tributária das empresas; Sala do Empreendedor e Programa Empresa Fácil IV V VI emissão da Certidão de Zoneamento na área do empreendimento; analisar os expedientes necessários para viabilizar a implantação de empreendimentos; deferir ou não os pedidos de inscrição municipal; VII atendimento preferencial ao Microempreendedor Individual MEI, às Microempresas e às Empresas de Pequeno Porte; VIII disponibilizar um local preferencial para uso, auxílio e orientação a todo o contribuinte dos benefícios, facilidades e respectiva legislação para abertura, desenvolvimento e encerramento de empresas e empreendimentos no município; IX outros serviços criados por ato próprio da Secretaria Municipal de Finanças ou de outras Secretarias, em ato conjunto, que tenha o objetivo de prestar serviços de orientação ou que facilite e agilize a implantação de empreendimentos no Município. 1º Em relação ao inciso VI, na hipótese de indeferimento, o interessado será informado sobre os fundamentos e será oferecida orientação para adequação à exigência legal.

32 SEBRAE-PR 32 2º Para a consecução dos seus objetivos na implantação da Sala do Empreendedor, a Administração Municipal poderá firmar parceria com outras instituições públicas ou privadas, para oferecer orientação sobre a abertura, funcionamento e encerramento de empresas, incluindo apoio para elaboração de plano de negócios, pesquisa de mercado, orientação sobre crédito, associativismo e programas de apoio oferecidos no Município. 3º A Sala do Empreendedor poderá funcionar, nos termos de Convênio, como: I Agente Operacional do CNPJ junto à Secretaria da Receita Federal, com o objetivo de efetuar inscrição, baixa e alteração de ME e EPP no cadastro único daquela Secretaria, notadamente em relação ao empresário de pequeno porte; II facilitador, junto a Agência Regional da Junta Comercial, nos processos de formalização e legalização das atividades junto a esse órgão. Art. 2º A Sala do Empreendedor: I II III poderá ser instalada em local próprio da prefeitura ou em local disponibilizado por eventuais parceiros, que, para efeito deste decreto, também se denominará Sala do Empreendedor; estará subordinada formalmente à Secretaria Municipal que presidir o Comitê Gestor Municipal e atuará sob a coordenação deste, cabendo a responsabilidade operacional ao Agente de Desenvolvimento Municipal; terá representantes de todas as Secretarias e órgãos municipais na medida dos serviços prestados, bem como de pessoal técnico oriundo de parceria com outras instituições públicas ou privadas, na conformidade de Convênios realizados pela municipalidade.

33 Capítulo II Do Atendimento na Sala do Empreendedor Seção I Da infraestrutura da Sala do Empreendedor e da Capacitação. Art. 3º A Sala do Empreendedor deverá ser dotada de infraestrutura física e técnica mínima para atendimento: 33 I II do Microempreendedor Individual MEI, visando ao oferecimento de orientação e serviços, inclusive com acesso ao Portal do Empreendedor (www.portaldoempreendedor.gov.br) para seu registro e legalização: das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. 1º A Sala do Empreendedor deverá estar capacitada a atender todos os serviços colocados à disposição dos empreendedores que a procuram, seja por meio dos funcionários permanentes ou por agentes das instituições parceiras, devendo conhecer, no mínimo: Sala do Empreendedor e Programa Empresa Fácil I II III IV a legislação municipal relativa à concessão de alvarás, inscrição e baixa no cadastro municipal, e a documentação exigida pelas diversas Secretarias ou órgãos municipais, relacionados com a abertura e fechamento das empresas; a atuação dos órgãos e entidades envolvidos na abertura e fechamento das empresas das demais esferas de governo, seus órgãos ou entidades; a legislação aplicável às microempresas e empresas de pequeno porte emanadas do Departamento Nacional do Registro do Comércio (DNRC); a legislação emanada do Conselho Gestor do Simples Nacional (CGSN), principalmente sobre a opção pelo Simples Nacional; os códigos de atividades econômicas previstos na Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) a serem utilizados para fins da opção; as obrigações acessórias relativas às microempresas e empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional e a que dispõe sobre a entrega da Declaração Anual. 2º Em relação ao Microempreendedor Individual MEI, a Sala do Empreendedor deverá estar capacitada a informar:

34 34 I II quem pode ser, como se registra e se legaliza, as obrigações, custos e periodicidade; qual a documentação exigida; e quais os requisitos que devem atender perante cada órgão e entidade para seu funcionamento; a necessidade de pesquisa prévia ao ato de formalização, para fins de verificar sua condição perante a legislação municipal no que se refere à descrição oficial do endereço de sua atividade e da possibilidade do exercício dessa atividade no local desejado; SEBRAE-PR III o conteúdo do termo de Ciência e Responsabilidade com Efeito de Alvará de Licença e Funcionamento Provisório, que será emitido eletronicamente e que permitirá o início de suas atividades, salvo nos casos de atividade considerada de alto risco. 2º Tratando-se de empreendedor que não atende aos requisitos para se qualificar como Microempreendedor Individual MEI, a Sala do Empreendedor o informará do fato, adicionando outras informações de interesse para orientação do empresário, tais como: I II III IV possibilidade de ser microempresa; procedimentos para abertura de uma empresa, inclusive para a elaboração de um contrato social adequado, registro na Junta Comercial e obtenção do CNPJ; quais as legislações que terá de cumprir para a abertura e funcionamento do estabelecimento no âmbito municipal, estadual e federal, e instituições como conselhos e sindicatos; realização de consulta prévia para utilização do nome e para a verificação da possibilidade de funcionamento no endereço escolhido e em relação à atividade a ser desenvolvida. Seção II Da Pesquisa Prévia Art. 4º Preliminarmente ao processo de inscrição do Microempreendedor Individual MEI e das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, obrigatoriamente deverá ser realizada pela Sala do Empreendedor, pesquisa prévia na qual se informará ao interessado: I a descrição oficial do endereço de seu interesse e se esse endereço oferece condições perante as leis do município para as atividades a serem exercidas;

35 II todos os requisitos a serem cumpridos para obtenção de licenças de autorização de funcionamento, segundo a natureza da atividade pretendida, o porte, o grau de risco e a localização. 1º Para fins da Pesquisa Prévia, o empreendedor deverá ter em mãos, no mínimo, o RG e CPF (originais); o Comprovante de Residência e o Carnê do IPTU (cópia da capa). 35 2º Havendo irregularidade no endereço apresentado ou sendo proibida a atividade no endereço indicado não será realizada a formalização e o empreendedor será orientado quanto ao fato e quanto ao procedimento que deverá adotar. 3º Sendo a atividade do MEI considerada de alto risco, poderá ser feita a formalização pelo Portal do Empreendedor, mas no Certificado da Condição de MEI (CCMEI) emitido pelo sistema, deverá ser aposto carimbo com os dizeres ATIVIDADE DE ALTO RISCO. O MEI NÃO PODERÁ EXERCER A ATIVI- DADE ENQUANTO NÃO HOUVER A FISCALIZAÇÃO PRÉVIA. Sala do Empreendedor e Programa Empresa Fácil 4º Na hipótese do parágrafo anterior, o processo interno para concessão do Alvará de Funcionamento Definitivo deverá ter trâmite prioritário, devendo ser concluído no prazo máximo de 20 (vinte) dias. 5º A Sala do Empreendedor poderá, se não houver possibilidade de uma resposta imediata, diferir a data da resposta, desde que não exceda a 2 (dois) dias úteis.

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM

CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM 1- ATRAVÉS DA REDESIM PORTAL REGIN 1.1 -SOLICITAÇÃO DE INSCRIÇÃO MUNICIPAL ( EMPRESA SEM REGISTRO NA JUCEB) PASSO 1: PEDIDO DE VIABILIDADE DE INSCRIÇÃO A empresa

Leia mais

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012.

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. *Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. O Prefeito Municipal de Chapecó, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA Equipe Portal de Contabilidade Para encerrar as atividades de uma empresa, é preciso realizar vários procedimentos legais, contábeis e tributários, além de, é claro,

Leia mais

MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI

MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI 1. NOÇÕES GERAIS MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI 1.1. O que é Micro Empreendedor Individual? É o contribuinte que tenha auferido receita bruta no ano calendário

Leia mais

MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI

MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI 1. NOÇÕES GERAIS MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI 1.1. O que é Micro Empreendedor Individual? É o contribuinte que tenha auferido receita bruta no ano calendário

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 (consolidada com as alterações da Resolução CGSIM nº 17/2010)

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 (consolidada com as alterações da Resolução CGSIM nº 17/2010) RESOLUÇÃO Nº 16, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 (consolidada com as alterações da Resolução CGSIM nº 17/2010) Dispõe sobre o procedimento especial para o registro e legalização do Microempreendedor Individual.

Leia mais

CIRCULAR SUACIEF nº 013/2012 Em 11 de abril de 2012. Assunto Sobre a autorização de impressão de NF para Micro Empreendedor Individual - MEI.

CIRCULAR SUACIEF nº 013/2012 Em 11 de abril de 2012. Assunto Sobre a autorização de impressão de NF para Micro Empreendedor Individual - MEI. CIRCULAR SUACIEF nº 013/2012 Em 11 de abril de 2012 Assunto Sobre a autorização de impressão de NF para Micro Empreendedor Individual - MEI. Senhor Inspetor, Em reunião da qual participei hoje e onde estavam

Leia mais

Abrir uma empresa PRÉ-CONSTITUIÇÃO

Abrir uma empresa PRÉ-CONSTITUIÇÃO Abrir uma empresa As três formas jurídicas mais utilizadas são as Empresas de Sociedade Simples, Sociedade Empresária e Empresário Individual, é nelas que eu vou me basear para mostrar os procedimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 Dispõe sobre os procedimentos para cadastramento de Fundações Privadas ou Associações pela Comissão de Cadastramento de ONGs e Associações, de

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS SOCIAIS DA APM

OBRIGAÇÕES FISCAIS SOCIAIS DA APM COMUNICADO FDE / DRA Nº 001/2015 OBRIGAÇÕES FISCAIS E SOCIAIS DA APM 2 0 1 5 Página 1 de 9 O objetivo deste texto é informar aos dirigentes das Associações de Pais e Mestres APMs de Escolas Estaduais conveniadas

Leia mais

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA *Lei Complementar 374/2009: LEI COMPLEMENTAR Nº 374, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. REGULAMENTA O TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS, ÀS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E AOS MICROEMPRESÁRIOS

Leia mais

I Compatibilização e integração de procedimentos; III Garantir a linearidade do processo, sob a perspectiva do usuário;

I Compatibilização e integração de procedimentos; III Garantir a linearidade do processo, sob a perspectiva do usuário; RESOLUÇÃO Nº 25, DE 18 OUTUBRO DE 2011. Dispõe sobre parâmetros e padrões para desenvolvimento do modelo de integração da Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios

Leia mais

MUNICÍPIO DE ITAQUIRAÍ ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL CNPJ 15.403.041/0001-04

MUNICÍPIO DE ITAQUIRAÍ ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL CNPJ 15.403.041/0001-04 DECRETO N º 2.888 Institui a Sala do Empreendedor e Programa Fácil no Município de Itaquiraí e dá outras providências. RICARDO FÁVARO NETO,Prefeito Municipal de Itaquiraí, Estado de Mato Grosso do Sul,

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE RIO CLARO AUTOR(ES):

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Panorama para 2010

SIMPLES NACIONAL. Panorama para 2010 SIMPLES NACIONAL Panorama para 2010 SILAS SANTIAGO Rio de Janeiro, 14 de janeiro de 2010. Fundamentação legal Histórico: Fundamentação legal Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte

Leia mais

Guia Rápido Registro Integrado/ES

Guia Rápido Registro Integrado/ES Guia Rápido Registro Integrado/ES O Registro Integrado/ES, através do sistema REGIN integra os órgãos públicos envolvidos no registro de empresas como Junta Comercial (JUCEES), Receita Federal (RFB), Secretaria

Leia mais

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI?

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI? FAQ -MEI 1. Qual o significado da sigla MEI? R: MEI é a sigla utilizada para Micro Empreendedor Individual 2. Qual é a definição de MEI? R: O MEI é o empresário individual a que se refere o art. 966 do

Leia mais

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta:

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2005 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Dispõe sobre a desburocratização dos processos de constituição, funcionamento e baixa das microempresas e empresas de pequeno porte, nos

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI COMPLEMENTAR Nº. 97 DE 1º DE JULHO DE 2010

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI COMPLEMENTAR Nº. 97 DE 1º DE JULHO DE 2010 Regulamenta o tratamento diferenciado e favorecido ao microempreendedor individual de que trata a Lei Complementar Federal nº 128, de 19 de dezembro de 2008, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 20, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 20, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013 Presidência da República Secretaria da Micro e Pequena Empresa Secretaria de Racionalização e Simplificação Departamento de Registro Empresarial e Integração INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 20, DE 5 DE DEZEMBRO

Leia mais

8. Regularização do Negócio

8. Regularização do Negócio 8. Regularização do Negócio Conteúdo 1. Forma Jurídica das Empresas 2. Consulta Comercial 3. Busca de Nome Comercial 4. Arquivamento do contrato social/requerimento de Empresário 5. Solicitação do CNPJ

Leia mais

1. OBJETIVO Prestar atendimento ao cidadão de maneira rápida, eficiente e eficaz, de acordo com os requisitos especificados pelo cliente.

1. OBJETIVO Prestar atendimento ao cidadão de maneira rápida, eficiente e eficaz, de acordo com os requisitos especificados pelo cliente. Sistema de Gestão do Programa Vapt Vupt SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO INSTRUÇÃO DE TRABALHO VAPT VUPT EMPRESARIAL PREFEITURA DE GOIANIA Responsável: Rosana Mérola Martins Cópia

Leia mais

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009.

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009. M.E.I. (Micro empreendedor Individual) Lei Complementar numero 128 de 19 de dezembro de 2008. Considera-se MEI o empresário individual a que se refere o art. 966 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002

Leia mais

DECRETO Nº 659 DE 26 DE MAIO DE 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE TUPANDI, no uso de suas atribuições legais, D E C R E T A

DECRETO Nº 659 DE 26 DE MAIO DE 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE TUPANDI, no uso de suas atribuições legais, D E C R E T A DECRETO Nº 659 DE 26 DE MAIO DE 2014. REGULAMENTA A LEI MUNICIPAL N.º 1.209, DE 02 DE MAIO DE 2014, QUE INSTITUI A NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS, A DECLARAÇÃO ELETRÔNICA DE SERVIÇOS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO DE INSCRIÇÃO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI)

MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO DE INSCRIÇÃO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO DE INSCRIÇÃO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Organização: Patrícia Bianchi Machado, membro da Secretaria Executiva do Comitê Gestor do Simples Nacional V 1.01-05.02.2010

Leia mais

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Prefeito Empreendedor Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Março/2012 Expediente Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Fernando

Leia mais

Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 DECRETA:

Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 DECRETA: Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 Av. Presidente Vargas, 3.215 Vila Maria INSTITUI O GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DO ISSQN, A ESCRITURAÇÃO ECONÔMICO- FISCAL E A EMISSÃO DE GUIA DE RECOLHIMENTO POR MEIOS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO 1 LEI Nº. 949/2010 INSTITUI A NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS E DISPÕE SOBRE A DECLARAÇÃO MENSAL DO IMPOSTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA - ISSQN. O Prefeito Municipal de São Mateus,

Leia mais

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012.

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. Regulamenta o uso da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica no ISSQN, a forma e o prazo de recolhimento dos tributos municipais e respectivos acréscimos perante o Código

Leia mais

Quem tem conhecimento vai pra frente

Quem tem conhecimento vai pra frente blogdosempreendedores.com.br facadiferente.sebrae.com.br contabilidadeschmitt.com.br Fotos: Produtos do Projeto Gemas e Joias do Sebrae-PA Livro Artesanato- Um negócio genuinamente brasileiro (Sebrae,

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1.1. O que é O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006, aplicável

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTABILIDADE

LABORATÓRIO DE CONTABILIDADE LABORATÓRIO DE CONTABILIDADE 2015 O PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO DE EMPRESAS - - 1 O Módulo Integrador da JUCEMG nos permitiu emitir praticamente todos os documentos que compõem o processo que deverá ser entregue

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. O microempreendedor individual pode participar de compras públicas? Sim, o Microempreendedor (MEI), pode participar de licitações. A Administração deverá

Leia mais

CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP)

CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP) CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP) Edição 2013 01) O que é Microempreendedor Individual - MEI? Considera-se Microempreendedor Individual - MEI o empresário individual

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DE FORMULÁRIO DE REGISTRO CADASTRAL 1 Preenchimento pela Prefeitura Municipal de Viana

ORIENTAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DE FORMULÁRIO DE REGISTRO CADASTRAL 1 Preenchimento pela Prefeitura Municipal de Viana ORIENTAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DE FORMULÁRIO DE REGISTRO CADASTRAL 1 Preenchimento pela Prefeitura Municipal de Viana São campos de informações, destinado exclusivamente a Prefeitura Municipal de Viana.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 7, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 7, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013 Presidência da República Secretaria da Micro e Pequena Empresa Secretaria de Racionalização e Simplificação Departamento de Registro Empresarial e Integração INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 7, DE 5 DE DEZEMBRO

Leia mais

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDEDOR INDIVIDUAL Oportunidade de regularização para os empreendedores individuais, desde a vendedora de cosméticos, da carrocinha de cachorro-quente ao pipoqueiro. 2 Empresas em geral Microempresas

Leia mais

Resolução CGSIM nº 2 de 01.07.2009

Resolução CGSIM nº 2 de 01.07.2009 Procedimentos para Legalização e Inscrição do MEI Resolução CGSIM nº 2 de 01.07.2009 Perguntas e respostas Atualizado até 15/07/2009 MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL PERGUNTAS E RESPOSTAS (Resolução CGSIM

Leia mais

Prefeitura Municipal de Castelo Av. Nossa Senhora da Penha, 103 Centro Cep: 29360 000 Castelo/ES Tel.: +55 28 3542 2124 8526

Prefeitura Municipal de Castelo Av. Nossa Senhora da Penha, 103 Centro Cep: 29360 000 Castelo/ES Tel.: +55 28 3542 2124 8526 DECRETO Nº 13.492 DE 25 DE SETEMBRO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 017/2014, DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO NA PREFEITURA MUNICIPAL DE CASTELO / ES, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa PGMEI PGMEI Pág. 1 MANUAL DO PGMEI 1 Introdução 1.1 Apresentação do Programa O Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional para o Microempreendedor Individual (PGMEI) é um sistema

Leia mais

CARTILHA PARA CONDOMINIOS DAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS DOS CONDOMÍNIOS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA

CARTILHA PARA CONDOMINIOS DAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS DOS CONDOMÍNIOS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA CARTILHA PARA CONDOMINIOS DAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS DOS CONDOMÍNIOS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Os condomínios comerciais e residenciais devem proceder à retenção e o recolhimento do Imposto Sobre Serviços

Leia mais

Formalizando o negócio

Formalizando o negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Formalizando o negócio Manual Etapa 3/Parte 2 Bem-vindo! É um prazer ter você participando da Etapa 3 do Programa de Auto-Atendimento Negócio Certo,

Leia mais

DECRETO Nº 11.560 D E C R E T A:

DECRETO Nº 11.560 D E C R E T A: DECRETO Nº 11.560 Estabelece normas para o tratamento diferenciado e favorecido às Microempresas, Empresas de Pequeno Porte e Empreendedor Individual nos termos da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS Orientador Empresarial CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF nº 580/2005

Leia mais

QSM NEWS B O L E T I M I N F O R M A T I V O. São Paulo, 02 de janeiro de 2012 - Ano 8 - nº 01 ANO NOVO, NOVAS MUDANÇAS!

QSM NEWS B O L E T I M I N F O R M A T I V O. São Paulo, 02 de janeiro de 2012 - Ano 8 - nº 01 ANO NOVO, NOVAS MUDANÇAS! QSM NEWS B O L E T I M I N F O R M A T I V O São Paulo, 02 de janeiro de 2012 - Ano 8 - nº 01 www.qsm.com.br ANO NOVO, NOVAS MUDANÇAS! O fato de mudarmos de ano nos faz revigorados e prontos para novos

Leia mais

Estatuto é utilizado em casos de sociedades por ações ou entidades sem fins lucrativos.

Estatuto é utilizado em casos de sociedades por ações ou entidades sem fins lucrativos. Documento 1 Estatuto ou Contrato Social consolidado com todas as alterações realizadas, devidamente arquivado no registro de comércio da sede da sociedade participante. É o documento pelo qual uma empresa

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.390/12 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL MARCOS ARAÚJO Presidente do SINDSIME ÍNDICE 1 3 5 7 9 INTRODUÇÃO LEI 2 VANTAGENS COMO ME ESCREVO OBTENÇÃO DE ALVARÁ 4 OBTENÇÃO DE ALVARÁ DOCUMENTAÇÃO FISCAL 6 AMBULANTES

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS Prefeitura Municipal de Pirenópolis DECRETO N 2.492714. Gabinete DE 31 DE 01 DE 2014.

ESTADO DE GOIÁS Prefeitura Municipal de Pirenópolis DECRETO N 2.492714. Gabinete DE 31 DE 01 DE 2014. DECRETO N 2.492714. DE 31 DE 01 DE 2014. "INSTITUI O GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DO ISSQN, A ESCRITURAÇÃO ECONÔMICO- FISCAL E A EMISSÃO DE GUIA DE RECOLHI MENTO POR MEIOS ELETRÔNICOS, RELATI VÁS AO ISSQN

Leia mais

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99)

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) A aprovação da Lei nº 9.841/99, de 05 de outubro de 1999, mais conhecida por "Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte",

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

Ata da 8ª Reunião do CONFAZ-M/SC

Ata da 8ª Reunião do CONFAZ-M/SC Ata da 8ª Reunião do CONFAZ-M/SC Aos vinte e oito dias do mês de julho de dois mil e nove, reuniram-se no auditório da Junta Comercial do Estado de Santa Catarina (JUCESC), na cidade de Florianópolis,

Leia mais

18/03/2015. O que é o Projeto Integrar? Uma parceria do DREI, SEBRAE

18/03/2015. O que é o Projeto Integrar? Uma parceria do DREI, SEBRAE O que é o Projeto Integrar? Uma parceria do DREI, SEBRAE nacional, JUCEMG e Juntas Comerciais para a implantação da REDESIM no País. 1 O que o Projeto Integrar irá fazer? 1) Transferir tecnologia para

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 37, de 26 de agosto de 2013. D.O.U de 27/08/2013

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 37, de 26 de agosto de 2013. D.O.U de 27/08/2013 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 37, de 26 de agosto de 2013. D.O.U de 27/08/2013 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual 10/07 12/08 07/09 12/06 03/07 03/07 07/07 09/07 09/07 Sanção da Lei Geral da MPE (re)fundação da Frente Parlamentar da MPE Criação da subcomissão Permanente da MPE Entrada em vigor do Simples Nacional

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Apresentação: O Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços ou SIG-ISS é um sistema para gerenciamento do Imposto sobre

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.371/11 Dispõe sobre o Registro das Entidades Empresariais de Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE: CAPÍTULO

Leia mais

1ª FASE DE IMPLANTAÇÃO DA REDESIM NA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE GOIÁS

1ª FASE DE IMPLANTAÇÃO DA REDESIM NA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE GOIÁS 1ª FASE DE IMPLANTAÇÃO DA REDESIM NA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE GOIÁS O que é o Projeto Integrar? Uma parceria do DREI, SEBRAE nacional, JUCEMG e Juntas Comerciais para a implantação da REDESIM no País.

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014.

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. Regulamenta a Lei nº 1.775, de 10 de junho de 2014, dispondo sobre o modelo, requisitos, emissão e cancelamento da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e, institui

Leia mais

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE 1 SIMPLES NITERÓI. Lei nº 2115 de 22 de dezembro 2003. A Câmara Municipal de Niterói decreta e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Fica instituído, na forma

Leia mais

Sumário. Alerta às empresas de serviços contábeis... 3

Sumário. Alerta às empresas de serviços contábeis... 3 Sumário Atualizada em 19.08.2009 Alerta às empresas de serviços contábeis... 3 Das disposições preliminares... 4 1. Quem deve observar a resolução?... 4 2. Como se caracteriza o MEI?... 4 Diretrizes...

Leia mais

http://www.consultorpublico.com.br falecom@consultorpublico.com.br

http://www.consultorpublico.com.br falecom@consultorpublico.com.br LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006. (ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE) O ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE E O ESTADO E MUNICÍPIOS

Leia mais

Documentação Exigida para Inscrição no Cadastro Fiscal do Distrito Federal

Documentação Exigida para Inscrição no Cadastro Fiscal do Distrito Federal Documentação Exigida para Inscrição no Cadastro Fiscal do Distrito Federal Secretaria de Estado de Fazenda do Distrito Federal 2005 ÍNDICE 1) SOCIEDADE EMPRESÁRIA LTDA:... 3 2) SOCIEDADE ANONIMA S/A:...

Leia mais

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013.

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. Disciplina a liberação, o cancelamento e a baixa de Alvará de Localização e Funcionamento no município de Erechim. O Prefeito Municipal de Erechim, Estado do

Leia mais

1º O acesso ao Sistema deverá ser feito por meio de Senha Web ou certificado digital.

1º O acesso ao Sistema deverá ser feito por meio de Senha Web ou certificado digital. ÍNTEGRA DA INSTRUÇÃO NORMATIVA O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FINANÇAS, no uso de suas atribuições legais, considerando o disposto nos artigos 113 e 114 do Decreto n 53.151, de 17 de maio de 2012, RESOLVE:

Leia mais

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO COMO ABRIR SEU NEGÓCIO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Reflexão Qual o principal motivo para buscar a formalização de seu negócio? É importante lembrarmos que: Para desenvolver suas

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012.

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. DECRETO N 1426/2012 Regulamenta a entrega da Declaração Mensal de Serviços Eletrônica por prestadores e tomadores de serviços e dá outras

Leia mais

CeC. Cadastro eletrônico de Contribuintes. Usuário Anônimo

CeC. Cadastro eletrônico de Contribuintes. Usuário Anônimo CeC Cadastro eletrônico de Contribuintes Usuário Anônimo Versão 1.3 11/02/2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Objetivos... 3 1. Solicitação de CeC... 4 1.1. Cadastro de Pessoas Físicas... 6 1.1.1 Cadastro de

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

Microempreendedor Individual Aspectos Tributários

Microempreendedor Individual Aspectos Tributários Microempreendedor Individual Aspectos Tributários SILAS SANTIAGO Vitória, 28 de julho de 2009. Gestão do Simples Nacional Gestão do Simples Nacional Comitê-Gestor do Simples Nacional (CGSN) órgão colegiado

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BRUMADO ESTADO DA BAHIA CNPJ/MF Nº 14.105.704/0001-33 Praça Cel. Zeca Leite, nº 415 Centro CEP: 46100-000 Brumado-BA

PREFEITURA MUNICIPAL DE BRUMADO ESTADO DA BAHIA CNPJ/MF Nº 14.105.704/0001-33 Praça Cel. Zeca Leite, nº 415 Centro CEP: 46100-000 Brumado-BA DECRETO Nº 4.496, DE 22 DE JULHO DE 2011 Regulamenta os procedimentos para Escrituração Fiscal e Recolhimento de Tributos Municipais de forma Eletrônica no Município de Brumado, e dá outras providências.

Leia mais

a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração;

a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração; ALTERAÇÃO DE SOCIEDADE EMPRESÁRIA: *ELEMENTOS DA ALTERAÇÃO CONTRATUAL a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração; b) Preâmbulo; c) Corpo da alteração: Nova

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e. Prefeitura Municipal de Tupãssi

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e. Prefeitura Municipal de Tupãssi NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e Prefeitura Municipal de Tupãssi PERGUNTAS E RESPOSTAS O QUE É A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e? R NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e) é um documento

Leia mais

Quais as condições necessárias para que eu me cadastre como empreendedor individual? Faturar até R$ 36 mil por ano;

Quais as condições necessárias para que eu me cadastre como empreendedor individual? Faturar até R$ 36 mil por ano; cultura 1. Quais as condições necessárias para que eu me cadastre como empreendedor individual? 2. Faturar até R$ 36 mil por ano; Não participar de outra empresa, como sócio ou titular; Trabalhar sozinho

Leia mais

PROPOSTA COMERCIAL PARA ABERTURA DE EMPRESA

PROPOSTA COMERCIAL PARA ABERTURA DE EMPRESA PROPOSTA COMERCIAL PARA ABERTURA DE EMPRESA PROPOSTA DE ABERTURA DE EMPRESA INDIVIDUAL / SOCIEDADE / EIRELI É com grande satisfação que agradecemos a oportunidade de apresentarmos nossa proposta comercial,

Leia mais

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 Informativo 19 - Página 285 - Ano 2009 ORIENTAÇÃO MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Opção pelo SIMEI Conheça as condições para recolhimento

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMFA Nº 01/2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMFA Nº 01/2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA SMFA Nº 01/2010 Define as regras e os prestadores de serviços e substitutos tributários do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza obrigados a efetuar a Declaração Eletrônica Mensal

Leia mais

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa PGMEI PGMEI Pág. 1 MANUAL DO PGMEI 1 Introdução 1.1 Apresentação do Programa O Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional para o Microempreendedor Individual (PGMEI) é um sistema

Leia mais

DECRETO EXECUTIVO nº. 014/2012 D E C R E T A:

DECRETO EXECUTIVO nº. 014/2012 D E C R E T A: DECRETO EXECUTIVO nº. 014/2012 INSTITUI A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE UBAPORANGA, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o disposto

Leia mais

Solicitando o Cartão BNDES no Portal de Operações do BNDES

Solicitando o Cartão BNDES no Portal de Operações do BNDES SOLICITANDO O CARTO BNDES NO PORTAL DE OPERAÇÕES DO BNDES CARTO Solicitando o Cartão BNDES no Portal de Operações do BNDES - Cartão BNDES Formatados: Marcadores e numeração C:\BNDES - SOLICITACAO DE CARTAO.doc

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Cortesia: FARO CONTÁBIL (www.farocontabil.com.br) Matéria publicada originalmente no Diário do Comércio Data: 01/08/2006 01 - CONCEITOS? 1.01.

Leia mais

em nome próprio, responde com a totalidade de seu patrimônio e é apenas equiparado a pessoa jurídica.

em nome próprio, responde com a totalidade de seu patrimônio e é apenas equiparado a pessoa jurídica. EIRELI A EIRELI é uma empresa individual de responsabilidade limitada. Com a publicação da Lei nº 12.441 de 11 de julho de 2011, foi alterado o Código Civil, com a finalidade de autorizar a criação das

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 PREENCHIMENTO DO PEDIDO DE VIABILIDADE E BUSCA PRÉVIA (CONSULTA PRÉVIA)...5 CONSULTA PEDIDO DE VIABILIDADE...13.

ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 PREENCHIMENTO DO PEDIDO DE VIABILIDADE E BUSCA PRÉVIA (CONSULTA PRÉVIA)...5 CONSULTA PEDIDO DE VIABILIDADE...13. Página 1 / 15 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 PREENCHIMENTO DO PEDIDO DE VIABILIDADE E BUSCA PRÉVIA (CONSULTA PRÉVIA)...5 CONSULTA PEDIDO DE VIABILIDADE...13 Página 2 / 15 APRESENTAÇÃO O que é: O Sistema de Registro

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belém Secretaria Municipal de Finanças

Prefeitura Municipal de Belém Secretaria Municipal de Finanças INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/2009 GABS/SEFIN Disciplina a emissão de Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) e dá outras providências. O Secretário de Finanças do Município de Belém, no uso das atribuições

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA JUCESP Nº 06, DE 11 DE MARÇO DE 2013 Disciplina a integração do serviço público de registro empresarial ao processo do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica. O PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO

Leia mais

DECRETO N. 134/2010, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010.

DECRETO N. 134/2010, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010. DECRETO N. 134/2010, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010. Institui o gerenciamento eletrônico do ISS - Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza - e a emissão de Documento de Arrecadação Municipal - DAM - por meios

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/DIR/2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/DIR/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/DIR/2011 ESTABELECE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA O PAGAMENTO DE SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA FÍSICA, EM CARÁTER EVENTUAL, POR MEIO DE RECIBO DE PAGAMENTO A CONTRIBUINTE INDIVIDUAL

Leia mais

Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação!

Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação! Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação! Para realizar sua contemplação providenciar a documentação solicitada abaixo e levar até uma loja do Magazine Luiza ou representação autorizada

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2011 Publicada no DOE em 01/12/2011 Dispõe sobre a solicitação eletrônica de baixa de inscrição no Cadastro Geral da Fazenda (CGF), e dá outras providências.

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 4.929. A Câmara Municipal de Volta Redonda aprova e eu sanciono a seguinte Lei: CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

LEI MUNICIPAL Nº 4.929. A Câmara Municipal de Volta Redonda aprova e eu sanciono a seguinte Lei: CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CÂMARA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA Regulamenta no Município de Volta Redonda o tratamento diferenciado e favorecido às microempresas e empresas de pequeno porte de que trata a Lei Complementar Federal nº.

Leia mais

Bradesco Administradora de Consórcios Ltda.

Bradesco Administradora de Consórcios Ltda. Prezado(a) Consorciado(a), Para melhor atendê-lo, elaboramos este Guia Prático de Contratação de Imóvel destacando as modalidades de aquisição, fases do processo, documentos necessários, emissão e registro

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTÂNCIA VELHA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTÂNCIA VELHA DECRETO MUNICIPAL N.º 102/2014, de 11 de dezembro de 2014. REGULAMENTA PROCEDIMENTOS, RELATIVOS A AIDOF, NOTAS FISCAIS DE SERVIÇO, ESCRITURAÇÃO FISCAL E REQUERIMENTOS E APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS FISCAIS

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO GARÇAS CONTROLE INTERNO

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO GARÇAS CONTROLE INTERNO 1/5 NORMA INTERNA : 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Disciplinar e orientar o fluxo das operações de crédito, bem como avais e garantias oferecidas para as operações de crédito; 1.2) Atender legalmente os dispositivos

Leia mais

INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com.

INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com. 1/7 INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com.br) INFORMAÇÕES I. O interessado na inscrição no Cadastro de Fornecedores

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ DECRETO Nº 1.742

ESTADO DO PARANÁ DECRETO Nº 1.742 Publicado no Diário Oficial Nº 8488 de 15/06/2011 DECRETO Nº 1.742 O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual, DECRETA Art. 1º

Leia mais

INSCRIÇÃO OU RENOVAÇÃO CADASTRAL

INSCRIÇÃO OU RENOVAÇÃO CADASTRAL INSCRIÇÃO OU RENOVAÇÃO CADASTRAL 1. DA ENTREGA DA DOCUMENTAÇÃO 1.1. Os interessados em se inscrever e/ou renovar o Registro Cadastral junto ao GRB deverão encaminhar a documentação a seguir estabelecida,

Leia mais