TRABALHO SENTADO: RISCOS ERGONÔMICOS PARA PROFISSIONAIS DE BIBLIOTECAS, ARQUIVOS E MUSEUS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRABALHO SENTADO: RISCOS ERGONÔMICOS PARA PROFISSIONAIS DE BIBLIOTECAS, ARQUIVOS E MUSEUS"

Transcrição

1 TRABALHO SENTADO: RISCOS ERGONÔMICOS PARA PROFISSIONAIS DE BIBLIOTECAS, ARQUIVOS E MUSEUS Johnson Brito de Lima (*); Gleice Araújo da Cruz (*) (*) CICRAD - Curso de Introdução à Conservação e Restauro de Acervos Documentais em Papel Introdução As doenças ocupacionais são adquiridas por meio de exposição dos trabalhadores aos agentes ambientais, físicos, químicos, biológicos e ergonômicos em situação acima do limite tolerável. A NR 15, que dispõem sobre as Atividades e Operações Insalubres, define o Limite de Tolerância (LT) como a concentração ou intensidade máxima ou mínima relacionada com a natureza e o tempo de exposição ao agente, que não causará dano à saúde do trabalhador, durante a sua vida laboral. Dos agentes citados acima, o ergonômico é o mais recente, sendo responsável por ocasionar doenças do trabalho como Lesões por Esforço Repetitivo (LER) e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT). Segundo Moraes (2010), a LER e a DORT representam 80% dos afastamentos dos trabalhadores, sendo que algumas doenças ocupacionais podem surgir mesmo depois do trabalhador se afastar do agente causador. Neste artigo, propõe-se analisar o ato de trabalhar em posição sentado, bem como as consequências de uma postura ergonômica inadequada nas atividades diárias dos profissionais que atuam em bibliotecas, arquivos e museus. O artigo debate ainda aspectos teóricos e práticos do trabalho, da ergonomia e da postura sentada no mundo contemporâneo do trabalho. Pretende-se propor reflexão sobre o tema, com o objetivo de criar uma cultura preservacionista em relação à saúde do trabalhador nas referidas instituições. Materiais e Métodos utilizados na pesquisa O Brasil possui, atualmente, 34 Normas Regulamentadoras (NR), que obrigam as empresas ao cumprimento de normas relativas à segurança e medicina no trabalho. Para o desenvolvimento do artigo utilizaremos com mais afinco a NR17: Ergonomia, que trata da adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores. A pesquisa do artigo será descritiva porque se deseja conhecer a natureza, a composição e os processos de atividades realizadas em posição sentada através do conceitual teórico e de revisão de literatura especializada sobre o assunto em livros técnicos, artigos de periódicos especializados e outras fontes informacionais de caráter científico. Resultados. A análise realizada através da literatura especializada observou-se que é imprescindível seguir as recomendações de ergonomia para que o posto de trabalho esteja adequado ás atividades realizadas na postura sentada nas instituições culturais com objetivo de prevenir as doenças relacionadas ao trabalho. O artigo também poderá ser utilizado como referência para a compreensão de assuntos como: a dinâmica que existe sobre o meio ambiente do trabalho; o conceito de trabalho, ergonomia e postura sentada; doenças relacionadas à postura sentada; a ginástica laboral; conhecimento da Norma Regulamentadora Nº 17: Ergonomia. Conceitos: trabalho, ergonomia e postura sentada Segundo o dicionário Houaiss (2011), o trabalho pode ser conceituado como conjunto de atividades, produtivas ou criativas, que o homem exerce para atingir determinado fim. Porém essa atividade deve ser exercida de forma que não prejudique a saúde do trabalhador. O comitê misto OIT/OMS aprovou em 1950 uma resolução que foi a primeira definição sobre as funções da medicina do trabalho. Sua definição de saúde no trabalho aborda a promoção e manutenção do mais alto grau de bem estar físico, mental e social dos trabalhadores em todas as profissões; a prevenção, entre os trabalhadores, dos desvios de saúde causados pelas condições de trabalho; a proteção dos trabalhadores, em seus empregos, dos riscos resultantes de fatores adversos à saúde; a colocação e a manutenção do trabalhador adaptadas às aptidões fisiológicas e psicológicas, em suma: a adaptação do trabalho ao homem e de cada homem a sua atividade. Para contribuir com a saúde do trabalhador, iniciouse o estudo e desenvolvimento da ergonomia, que trata da adaptação do trabalho às características do indivíduo. Sua definição oficial foi divulgada em 1969 pelo Congresso Nacional de Ergonomia, sendo que: A ergonomia é o estudo científico da relação entre o homem e seus meios, métodos e espaços de trabalho. Seu objetivo é elaborar, mediante a contribuição de diversas disciplinas cientificas que a compõe, um corpo de conhecimento que, dentro de uma perspectiva de aplicação, deve resultar numa melhor adaptação ao homem dos meios tecnológicos e dos ambientes de trabalho e de vida. A contribuição da ergonomia para a boa postura foi muito importante, visto que a boa postura corporal é mais do que algo para melhorar a aparência. A postura corporal reflete o movimento dinâmico do corpo humano, sendo que sem uma boa postura corporal, a saúde geral pode ser comprometida. Isso porque os efeitos a longo prazo da má postura corporal podem afetar vários sistemas do organismo, podendo a pessoa

2 sentir-se cansada e incapaz de trabalhar eficientemente. Fig.1 Posição de postura sentada. A postura sentada imprópria pode causar lesões e dores, sendo caracterizada pela parte superior das costas curvada ou corcunda, cabeça direcionada para frente e região lombar curvada. A má postura sentada é um hábito ruim, que pode ser mudado com um pouco de esforço e dedicação. A postura sentada, o ser humano e a ergonomia Conforme tratamos anteriormente, a ergonomia desenvolve métodos e técnicas específicas para aplicar na melhoria do trabalho. Ela também se relaciona com outras áreas científicas como: a antrométrica, biomecânica ocupacional, anatomia, fisiologia do trabalho, psicologia do trabalho, desenho industrial, toxicologia, informática. O estudo ergonômico ajusta as capacidades e limitações do trabalho, adaptando o trabalho para o homem. Ela objetiva sempre a preservação da saúde, a segurança, a satisfação, e a eficiência do trabalhador. Morais (2010, p.194) destaca vários aspectos estudados pela ergonomia como: a) postura e movimentos corporais: trabalho sentado, trabalho em pé, movimentação de cargas, levantamento de peso; b) informações captadas pela visão e audição; c) controle (relação de mostradores e controles); d) cargos e tarefas. Para este artigo, analisaremos o aspecto descrito no item a posição sentada. O trabalho sentado proporciona maior eficiência e redução do trabalho estático, responsável pela fadiga muscular, pois reduz o esforço das pernas, diminui o consumo energético, desacelera o sistema circulatório, além de proporcionar maior estabilidade da parte superior do corpo que é suportado pela pele que cobre o osso ísquio, nas nádegas. Moraes (2010, p.202) destaca que o consumo de energia na posição sentada é de 3 a 10% maior em relação à posição horizontal. A postura sentada possui desvantagens também, como, flacidez dos músculos abdominais, curvatura da coluna vertebral, que prejudica o com funcionamento do sistema digestivo e respiratório, sobrecarga dos músculos das costas, entre outros. Doenças relacionadas à postura sentada. A postura sentada faz parte do cotidiano de qualquer cidadão, mas deve ser analisada as vantagens e desvantagens causadas ao profissional que trabalha sentado por um longo período nesta postura. Neste contexto, Saliba (2004, p ) diz que as vantagens da posição sentada são: baixa solicitação da musculatura dos membros inferiores, reduzindo, assim, a sensação de desconforto e cansaço; possibilidade de evitar posições forçadas do corpo; menor consumo de energia do corpo; facilitação da circulação sanguínea pelos membros inferiores. As desvantagens segundo Saliba (2004, p.342) são: pequena atividade física geral (sedentarismo); adoção de posturas desfavoráveis: lordose ou cifoses excessivas; estase sanguínea nos membros inferiores, situação agravada quando há compressão da face posterior das coxas ou da panturrilha contra a cadeira, se esta estiver mal posicionada. Coury (1995, p.1) diz que a sobrecarga imposta pela postura sentada vai sendo sentida gradualmente por todas as partes do nosso corpo; começam a surgir dores, formigamento, sensação de peso nas costas, pescoço, pernas, braços e mãos. Atualmente os profissionais que trabalham em instituições que possuem acervos culturais necessitam usar microcomputadores nas suas atividades diárias; podendo futuramente, caso não haja uma política de prevenção à saúde nas instituições, adquirir algum tipo de Lesão por Esforços Repetitivos (L.E.R.) ou Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (D.O.R.T.). As instituições culturais precisam criar e implementar programas que possibilitem análise de desconfortos posturais causados pelas atividades realizadas na postura sentada com o objetivo de reduzir as doenças relacionadas ao meio ambiente de trabalho. Os fatores econômicos, social, ocupacional e individual podem agravar ou eliminar tais desconfortos naquelas instituições. Inicialmente poderíamos supor que as doenças ocupacionais causadas pela postura sentada afetariam somente as costas, o pescoço e as pernas dos profissionais; mas dependendo da atividade executada outras partes do corpo humano poderão ser afetadas. Estão relacionadas às seguintes doenças ocupacionais que diretamente poderiam afetar os profissionais que trabalham sentados, independente da atividade que executam diariamente: mialgia tensional (síndrome da tensão do pescoço); síndrome vertical. As tendinites, cistos sinoviais, epicondilites, bursites, tendinite do supraespinhoso biciptal, tenossinovite de Quervain; dedo em gatilho, síndrome do túnel do carpo, síndrome do canal de Guyon, síndrome do pronador redondo estariam relacionadas ás atividades executadas pelo profissional em uma postura sentada

3 Couto (1995, p ) divide as condições antiergonômicas no trabalho sentado e suas conseqüêcias em duas variáveis: a) Dependentes da cadeira de trabalho. Cadeira sem ajuste de altura (muito alta: inchação das pernas; muito baixa: fadiga dos músculos das costas). Assento inclinado para trás: encurvamento da coluna sobre a superfície de trabalho. Falta de apoio para o dorso: dorsalgia e encurvamento da coluna. Falta de apoio para os pés: inchação das pernas. Apoio lombar exageradamente alto: limitação dos movimentos. Apoio lombar exageradamente fino: não funciona. Assento não almofadado ou espumado: cansaço precoce e degeneração de disco. Distância Antero-posterior do assento exagerada: fadiga ou edema. Ângulo assento-encosto reto (90 graus): fadiga dos músculos das costas e do pescoço. b) Condições inadequadas não dependentes da cadeira de trabalho Trabalhar sentado em balcões ou bancadas feitas para se trabalhar em pé: fadiga muscular generalizada. Máquina ou equipamento cuja área de trabalho está distante do trabalhador: fadiga no dorso. Falta de espaço para as pernas: torção no tronco. Arranjos longe do alcance do corpo: fadiga nos músculos das costas A ginástica laboral e a sua contribuição ao trabalho sentado A ginástica laboral caracterizada pela prática de atividade física diária realizada no local de trabalho, a GL inclui exercícios de compensação para movimentos repetitivos e para posturas incorretas [...] (CARDOSO, 2007, p.48). A ginástica laboral é ideal tanto para atividades profissionais que exigem grande esforço físico quanto para àquelas atividades menos intensas fisicamente, mas que por outro lado são repetitivas, por exemplo, os profissionais que trabalham no processamento automatizado da informação. Países como Japão, China e Coréia adotaram a ginástica laboral em suas atividades diárias nos locais de trabalho porque a ginástica laboral é um dos fatores para que o trabalho não se torne enfadonho, repetitivo e fatigante. A atividade física é um componente fundamental para melhor produtividade e para qualidade de vida dos profissionais em qualquer instituição. Na Europa países como Polônia, Holanda, Rússia, Bulgária, Alemanha, França, Bélgica e Suécia adotaram a ginástica laboral no século passado em suas empresas. No Brasil, os programas de ginástica laboral nas empresas se tornaram frequentes a partir da década de 80 e pesquisas realizadas sobre o tema indicam que há muitas vantagens quando a empresa decide adotar o programa de ginástica laboral sendo eles fisiológicos, psicológicos e sociais. A ginástica laboral cria nas instituições um clima de mais disposição às atividades diárias, menos tensão causada pelo estresse, além de tornar-se uma alternativa de prevenção ao combate as doenças relacionadas ao trabalho como as LER (Lesões por Esforço Repetitivo) e os DORT (Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho). Embora os benefícios para as empresas e para os funcionários gerados pelo programa de ginástica laboral sejam positivos é preciso notificar que outras intervenções ergonômicas são necessárias para evitar as doenças causadas pelo trabalho sentado; podemos citar como exemplo: os mobiliários dos postos de trabalho, equipamentos dos postos de trabalho, condições ambientais, organização do trabalho. É preciso alertar aos leitores deste artigo que programa de ginástica laboral deve ser acompanhado e elaborado por profissionais capacitados que estão relacionados á prevenção de doenças ocupacionais. Conhecimento da Norma Regulamentadora Nº 17: Ergonomia A Portaria MTB Nº 3.214, de 08 de junho de 1978, publicada no Diário Oficial da União de 06 de julho de 1978, aprovou as Normas Regulamentadoras relativas à Segurança e Medicina do Trabalho. Atualmente existem 34 Normas Regulamentadoras publicadas pelo Ministério do Trabalho e Emprego, sendo a Norma Regulamentadora Nº 17: Ergonomia (NR 17) a mais importante para este artigo, possuindo os seguintes fundamentos jurídicos: Redação atual dada pela Portaria MTPS n , de Art. 7º, XXII e XXXIII, da Constituição da República federativa do Brasil de Arts. 72, 198, 199, 253, 390 da Consolidação das Leis do Trabalho. Súmula do Tribunal Superior do Trabalho n A NR-17: Ergonomia (redação atual dada pela Portaria Ministério do Trabalho e da Previdência Social Nº 3.751, de 23 de novembro de 1990) dispõem os seguintes subitens que são fundamentais para que os profissionais que trabalham na postura sentada possam ter um posto de trabalho adaptado às capacidades psicofisiólogicas, antropométricas e biomecânicas humanas.

4 Devido à extensão da NR-17: Ergonomia foram selecionados os principais textos que são referentes ao trabalho em postura sentada: NR 17 Ergonomia Publicação D.O.U Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de /07/1978 Atualizações/Alterações D.O.U Portaria MTPS n.º 3.751, de 23 de novembro de /11/1990 Portaria SIT n.º 08, de 30 de março de /04/2007 Portaria SIT n.º 09, de 30 de março de /04/2007 Portaria SIT n.º 13, de 21 de junho de /04/2007 Fig. 2 Tabela de composição da NR Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente As condições de trabalho incluem aspectos relacionados ao levantamento, transporte e descarga de materiais, ao mobiliário, aos equipamentos e às condições ambientais do posto de trabalho e à própria organização do trabalho Para avaliar a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, cabe ao empregador realizar a análise ergonômica do trabalho, devendo a mesma abordar, no mínimo, as condições de trabalho, conforme estabelecido nesta Norma Regulamentadora Mobiliário dos postos de trabalho Sempre que o trabalho puder ser executado na posição sentada, o posto de trabalho deve ser planejado ou adaptado para esta posição Para trabalho manual sentado ou que tenha de ser feito em pé, as bancadas, mesas, escrivaninhas e os painéis devem proporcionar ao trabalhador condições de boa postura, visualização e operação e devem atender aos seguintes requisitos mínimos: a) ter altura e características da superfície de trabalho compatíveis com o tipo de atividade, com a distância requerida dos olhos ao campo de trabalho e com a altura do assento; b) ter área de trabalho de fácil alcance e visualização pelo trabalhador; c) ter características dimensionais que possibilitem posicionamento e movimentação adequados dos segmentos corporais Para trabalho que necessite também da utilização dos pés, além dos requisitos estabelecidos no subitem , os pedais e demais comandos para acionamento pelos pés devem ter posicionamento e dimensões que possibilitem fácil alcance, bem como ângulos adequados entre as diversas partes do corpo do trabalhador, em função das características e peculiaridades do trabalho a ser executado Os assentos utilizados nos postos de trabalho devem atender aos seguintes requisitos mínimos de conforto: a) altura ajustável à estatura do trabalhador e à natureza da função exercida; b) características de pouca ou nenhuma conformação na base do assento; c) borda frontal arredondada; d) encosto com forma levemente adaptada ao corpo para proteção da região lombar Para as atividades em que os trabalhos devam ser realizados sentados, a partir da análise ergonômica do trabalho, poderá ser exigido suporte para os pés, que se adapte ao comprimento da perna do trabalhador Para as atividades em que os trabalhos devam ser realizados de pé, devem ser colocados assentos para descanso em locais em que possam ser utilizados por todos os trabalhadores durante as pausas Equipamentos dos postos de trabalho Todos os equipamentos que compõem um posto de trabalho devem estar adequados às características psicofisiológicas dos trabalhadores e à natureza do trabalho a ser executado Nas atividades que envolvam leitura de documentos para digitação, datilografia ou mecanografia deve: a) ser fornecido suporte adequado para documentos que possa ser ajustado proporcionando boa postura, visualização e operação, evitando movimentação frequente do pescoço e fadiga visual; b) ser utilizado documento de fácil legibilidade sempre que possível, sendo vedada a utilização do papel brilhante, ou de qualquer outro tipo que provoque ofuscamento Os equipamentos utilizados no processamento eletrônico de dados com terminais de vídeo devem observar o seguinte: a) condições de mobilidade suficientes para permitir o ajuste da tela do equipamento à iluminação do ambiente, protegendo-a contra reflexos, e proporcionar corretos ângulos de visibilidade ao trabalhador; b) o teclado deve ser independente e ter mobilidade, permitindo ao trabalhador ajustálo de acordo com as tarefas a serem executadas; c) a tela, o teclado e o suporte para documentos devem ser colocados de maneira que as distâncias olho-tela, olho-teclado e olhodocumento sejam aproximadamente iguais; d) serem posicionados em superfícies de trabalho com altura ajustável.

5 Quando os equipamentos de processamento eletrônico de dados com terminais de vídeo forem utilizados eventualmente poderão ser dispensadas as exigências previstas no subitem , observada a natureza das tarefas executadas e levandose em conta a análise ergonômica do trabalho Condições ambientais de trabalho As condições ambientais de trabalho devem estar adequadas às características psicofisiológicas dos trabalhadores e à natureza do trabalho a ser executado Nos locais de trabalho onde são executadas atividades que exijam solicitação intelectual e atenção constantes, tais como: salas de controle, laboratórios, escritórios, salas de desenvolvimento ou análise de projetos, dentre outros, são recomendadas as seguintes condições de conforto: a) níveis de ruído de acordo com o estabelecido na NBR 10152, norma brasileira registrada no INMETRO; b) índice de temperatura efetiva entre 20ºC e 23ºC; c) velocidade do ar não superior a 0,75m/s; d) umidade relativa do ar não inferior a 40% Para as atividades que possuam as características definidas no subitem , mas não apresentam equivalência ou correlação com aquelas relacionadas na NBR 10152, o nível de ruído aceitável para efeito de conforto será de até 65 db (A) e a curva de avaliação de ruído (NC) de valor não superior a 60 db Os parâmetros previstos no subitem devem ser medidos nos postos de trabalho, sendo os níveis de ruído determinados próximos à zona auditiva e as demais variáveis na altura do tórax do trabalhador Em todos os locais de trabalho deve haver iluminação adequada, natural ou artificial, geral ou suplementar, apropriada à natureza da atividade A iluminação geral deve ser uniformemente distribuída e difusa A iluminação geral ou suplementar deve ser projetada e instalada de forma a evitar ofuscamento, reflexos incômodos, sombras e contrastes excessivos Os níveis mínimos de iluminamento a serem observados nos locais de trabalho são os valores de iluminâncias estabelecidos na NBR 5413, norma brasileira registrada no INMETRO A medição dos níveis de iluminamento previstos no subitem deve ser feita no campo de trabalho onde se realiza a tarefa visual, utilizando-se de luxímetro com fotocélula corrigida para a sensibilidade do olho humano e em função do ângulo de incidência Quando não puder ser definido o campo de trabalho previsto no subitem , este será um plano horizontal a 0,75m (setenta e cinco centímetros) do piso Organização do trabalho A organização do trabalho deve ser adequada às características psicofisiológicas dos trabalhadores e à natureza do trabalho a ser executado A organização do trabalho, para efeito desta NR, deve levar em consideração, no mínimo: a) as normas de produção; b) o modo operatório; c) a exigência de tempo; d) a determinação do conteúdo de tempo; e) o ritmo de trabalho; f) o conteúdo das tarefas Nas atividades que exijam sobrecarga muscular estática ou dinâmica do pescoço, ombros, dorso e membros superiores e inferiores, e a partir da análise ergonômica do trabalho, deve ser observado o seguinte: a) todo e qualquer sistema de avaliação de desempenho para efeito de remuneração e vantagens de qualquer espécie deve levar em consideração as repercussões sobre a saúde dos trabalhadores; b) devem ser incluídas pausas para descanso; c) quando do retorno do trabalho, após qualquer tipo de afastamento igual ou superior a 15 (quinze) dias, a exigência de produção deverá permitir um retorno gradativo aos níveis de produção vigentes na época anterior ao afastamento Nas atividades de processamento eletrônico de dados, deve-se, salvo o disposto em convenções e acordos coletivos de trabalho, observar o seguinte: a) o empregador não deve promover qualquer sistema de avaliação dos trabalhadores envolvidos nas atividades de digitação, baseado no número individual de toques sobre o teclado, inclusive o automatizado, para efeito de remuneração e vantagens de qualquer espécie; b) o número máximo de toques reais exigidos pelo empregador não deve ser superior a por hora trabalhada, sendo considerado toque real, para efeito desta NR, cada movimento de pressão sobre o teclado; c) o tempo efetivo de trabalho de entrada de dados não deve exceder o limite máximo de 5 (cinco) horas, sendo que, no período de tempo restante da jornada, o trabalhador poderá exercer outras atividades, observado o disposto no art.468 da Consolidação das Leis do Trabalho, desde que não exijam movimentos repetitivos, nem esforço visual; d) nas atividades de entrada de dados deve haver, no mínimo, uma pausa de 10 minutos para cada 50 minutos trabalhados, não deduzidos da jornada normal de trabalho; e) quando do retorno ao trabalho, após qualquer tipo de afastamento igual ou superior a 15 (quinze) dias, a exigência de produção em relação ao número de toques deverá ser

6 iniciado em níveis inferiores do máximo estabelecido na alínea "b" e ser ampliada progressivamente. Propostas para melhorar as condições do trabalho sentado Reformulando as dinâmicas de trabalho nas instituições e principalmente gerando a educação e conscientização de seus funcionários sobre a prevenção de doenças decorrentes de condições ergonômicas inadequadas, haverá menos riscos em relação á saúde dos trabalhadores que trabalham na postura sentada, contribuindo para melhoria da qualidade laboral. Couto (1995, p ) faz quinze recomendações ergonômicas para que o profissional que trabalha sentado possa ter um posto de trabalho mais adequado consequentemente melhorando a segurança, a saúde e as condições de trabalho: 1. A cadeira de trabalho deve ser estofada, e de preferência, com tecidos que permita a transpiração. 2. A altura da cadeira deve ser regulável. 3. A dimensão ântero-posterior do assento não pode ser nem muito comprida nem muito curta. 4. A borda anterior do assento deve ser arredondada. 5. O assento deve estar na posição horizontal; é desejável que o assento se incline 10 a 15 graus para frente. Assentos inclinados para trás são inadequados em cadeiras de trabalho. 6. Toda cadeira de trabalho deve ter apoio para o dorso. 7. O ângulo entre o assento e o apoio dorsal deveria ser regulável; caso não o seja, assento e encosto devem estar posicionados num ângulo de 100 graus. 8. O apoio para o dorso deve ter uma forma que acompanhe as curvaturas da coluna, sem retificá-la, mas também sem acentuas suas curvaturas. 9. O apoio para o dorso deve ter regulagem de altura; este apoio pode ser tanto estreito quanto de meio-tamanho; neste caso, a adaptação pessoal é que determina a decisão. 10. Deve haver espaço na cadeira para acomodar as nádegas. 11. Quando o posto de trabalho for semicircular ou perpendicular, a cadeira deve ser giratória; e quando o trabalho exigir mobilidade deve haver rodízios adequados. 12. Os pés devem estar sempre apoiados. 13. Deve haver espaço suficiente para pernas debaixo de mesa ou posto de trabalho. 14. A mesa de trabalho deve atender a alguns requisitos básicos de ergonomia. Entre eles, destacamos: borda anterior (que entra em contato com o antebraço do trabalhador) arredondada; gavetas leves; puxadores de gaveta a serem pegos em prensa, e não em pinça; último nível de gaveta elevado, de tal forma que seu puxador esteja a não menos que 40 cm do chão; espaço para as pernas do trabalhador; espaço para as pernas do interlocutor; é desejável que estrutura seja do tipo C, e não sob a forma de pés, pois permitirá a instalação de postos de trabalho em L permitindo ao trabalhador girar com facilidade; feita de material não reflexivo (nunca fórmica branca nem vidro sobre a mesa). 15. Deve-se ter atenção especial com outros arranjos do posto de trabalho, extra-cadeira, fundamentais para que se sentem bem. Conclusões O objetivo da ergonomia deve estar voltado à pesquisa das condições que não apenas evitem a degradação da saúde, mas, também, favoreçam a construção da saúde. É importante ressaltar que fatores do ambiente físico, organizacional e psicossocial possibilitam a análise ergonômica do posto de trabalho. O trabalho na posição sentada é produtivo e saudável quando a jornada de trabalho é realizada em condições ergonômicas corretas. A posição sentada não produzirá doenças ocupacionais nas instituições culturais onde a segurança e saúde dos funcionários são fatores primordiais para qualidade do meio ambiente de trabalho, gerando uma melhor qualidade de vida nas mesmas. A criação da Norma Regulamentadora N 17: Ergonomia é um avanço legal para as instituições culturais porque gera parâmetros para um ambiente de trabalho mais adequado, assim como a proposta do programa de ginástica laboral que bem estruturado pode auxiliar na prevenção de doenças ocupacionais como LER (lesão por esforços repetitivos) / DORT (distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho). Os resultados obtidos neste artigo permitiu concluir que o processo de trabalho tem seu ritmo próprio devido a diferentes fatores gerados pela organização do trabalho nas instituições culturais, mas como proposta em relação ao trabalho em postura sentada, recomendamos que exista a promoção do bem-estar dos funcionários naquelas instituições, que também terão lucros diversos com a implantação de um programa voltado à saúde e segurança do trabalhador. Referências (1) Cardoso, Marla. Provendo bem-estar. Proteção, v.20, n.182, p.34-52, fev (2) Coury, Helenice Gil. Trabalhando sentado: manual para postura confortáveis. 2.ed. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos, (3) Cidade, Paulo. Manual de ergonomia no escritório: 100 dicas para melhorar seu local de trabalho. Rio de Janeiro: Qualitymark, (4) Couto, Hudson de Araújo. Ergonomia aplicada ao trabalho: manual técnico da máquina humana. Belo Horizonte: ERGO Editora, v.1. (5) Dul, Jan; Weedmeester, Bernard. Ergonomia na prática. 2.ed. São Paulo: Edgard Blucher, 2004.

7 (6) Gonçalves, Edwar Abreu. Manual de segurança e saúde no trabalho.3. ed. São Paulo: LTR, (7) Moraes, Márcia Vilma Gonçalves de. Doenças ocupacionais: agentes: físico, químico, biológico, ergonômico. São Paulo: Látria, (8) Oliveira, José Ricardo Gabriel de. A prática da ginástica laboral. 3.ed. Rio de Janeiro: Sprint, (9) PONTOS de verificação ergonômica: soluções práticas...condições de trabalho. São Paulo: FUNDACENTRO, (10) Saliba, Tuffi Messias. Curso básico de segurança e higiene ocupacional. São Paulo: LTR, p. (11) Trabalho de Ergonomia. Disponível em:< Acesso em: 12 de julho de (12) Val, Mário César. Ergonomia na empresa: útil, prática e aplicada. 2. Ed. Rio de Janeiro: Editora Virtual Científica, s dos Autores (Johnson Lima); (Gleice Cruz).

NORMA REGULAMENTADORA NR 17

NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA - NR 17 ERGONOMIA 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características

Leia mais

ANÁLISE ERGONÔMICA DO POSTO DE TRABALHO EM UMA REVENDA DE INSUMOS AGRÍCOLA

ANÁLISE ERGONÔMICA DO POSTO DE TRABALHO EM UMA REVENDA DE INSUMOS AGRÍCOLA ANÁLISE ERGONÔMICA DO POSTO DE TRABALHO EM UMA REVENDA DE INSUMOS AGRÍCOLA 1 LUIZIANE DALLAVECHIA, 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel em Engenheira de Produção Agroindustrial (UNEMAT) e Estudante

Leia mais

Condições de Trabalho

Condições de Trabalho NR-17 Ergonomia OBJETIVO Visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto,

Leia mais

ERGONOMIA - Adaptação das Condições de Trabalho. Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 18/12/2012. Sumário:

ERGONOMIA - Adaptação das Condições de Trabalho. Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 18/12/2012. Sumário: ERGONOMIA - Adaptação das Condições de Trabalho Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 18/12/2012. Sumário: 1 - Introdução 2 - Conceito e Objetivo 3 - Análise Ergonômica do Trabalho 3.1

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 NR 17 - ERGONOMIA Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas

Leia mais

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos ERGONOMIA ERGONOMIA relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos deste relacionamento. Em

Leia mais

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS Alunos: Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR 7 PCMSO - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Esta Norma Regulamentadora - NR

Leia mais

LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17

LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17 LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Caixa Econômica Federal Endereço: Setor SBS Quadra 4 Bloco A Lote 3 e 4 Asa Sul Brasília/ DF CEP 70.092-900 CNPJ:

Leia mais

PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL NR 7

PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL NR 7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL NR 7 Esta norma estabelece a relação de obrigatoriedade para os empregadores e instituições que admitam empregados, da Elaboração de um Programa de

Leia mais

Cartilha da Norma Regulamentadora de Checkout

Cartilha da Norma Regulamentadora de Checkout Cartilha da Norma Regulamentadora de Checkout Índice Apresentação... 3 Publicação... 4 Sobre a NR17... 5 17.2. Levantamento, transporte e descarga individual de materiais... 6 17.3. Mobiliário dos postos

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO. Clique para editar os estilos do texto

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO. Clique para editar os estilos do texto Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa Clique para editar os estilos do texto de São Paulo XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO 2015 1 Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

ERGONOMIA NO CONTEXTO DO TRABALHO PRODUÇÃO E BACHAREL EM SISTEMA DE INFORMAÇÃO. Prof. Cristiano Diniz da Silva

ERGONOMIA NO CONTEXTO DO TRABALHO PRODUÇÃO E BACHAREL EM SISTEMA DE INFORMAÇÃO. Prof. Cristiano Diniz da Silva ERGONOMIA NO CONTEXTO DO TRABALHO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO E BACHAREL EM SISTEMA DE INFORMAÇÃO Prof. Cristiano Diniz da Silva O que é ergonomia? #ergonometria #ergologia Conceitos de ergonomia Conceito

Leia mais

Unidade II SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO / BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL. Prof. Joaquim Ribeiro

Unidade II SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO / BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL. Prof. Joaquim Ribeiro Unidade II SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO / BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL Prof. Joaquim Ribeiro 6. Conceito e importância da Ergonomia Origem nas palavras gregas: ergon (trabalho) e nomos (regras). 6.

Leia mais

Adaptação do trabalho às pessoas.

Adaptação do trabalho às pessoas. NR- 17 Estabelece parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho

Leia mais

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

Postura. As posturas prolongadas podem prejudicar os músculos e as articulações.

Postura. As posturas prolongadas podem prejudicar os músculos e as articulações. Postura A postura é, freqüentemente, determinada pela natureza da tarefa ou do posto de trabalho. Um porteiro de hotel tem uma postura estática, enquanto um carteiro passa a maior parte do tempo andando.

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 79 à 88

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 79 à 88 Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 79 à 88 ERGONOMIA APLICADA EM MOBILIÁRIO DE SECRETÁRIA Josiane Lino da Silva 1 Cristina Freire da Silva 2 RESUMO A presente pesquisa

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013 GESTÃO DE PESSOAS CEFET-MG / DIVINÓPOLIS 3o bimestre / 2013 Prof. MSc. Antônio Guimarães Campos Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho Higiene do Trabalho Conjunto de normas e procedimentos que visa

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES ERGONÔMICAS EM POSTOS DE TRABALHO INFORMATIZADOS

CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES ERGONÔMICAS EM POSTOS DE TRABALHO INFORMATIZADOS 1 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES ERGONÔMICAS EM POSTOS DE TRABALHO INFORMATIZADOS Versão fevereiro 2007 (UA: 30/06/10) Autor: Hudson Couto Colaborador: Dr. Edivaldo Sanábio e Remi Lópes Antonio

Leia mais

Ergo (trabalho) Nomos (regras)

Ergo (trabalho) Nomos (regras) ERGONOMIA Ergo (trabalho) Nomos (regras) Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamentos, ferramentas e ambiente, visando à solução dos problemas surgidos desse relacionamento

Leia mais

VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE?

VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE? VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE? Dicas Gerais para uma Boa Postura 1) Manter o topo da tela ao nível dos olhos e distante cerca de um comprimento de braço (45cm ~ 70cm); 2) Manter a cabeça e pescoço

Leia mais

Qualidade de vida laboral

Qualidade de vida laboral Qualidade de vida laboral Qualidade de vida laboral INTRODUÇÃO: Prevenir doenças ocupacionais (DORT Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho / LER Lesões por Esforços Repetitivos) decorrentes

Leia mais

OMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3

OMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3 Índice ÍNDICE...2 COMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3 O QUE É A ERGONOMIA?...3 ERGONOMIA NO TRABALHO....3 POSIÇÕES CORRECTAS A TER NO TRABALHO....4 O EQUIPAMENTO ERGONÓMICO...6 MONITOR...7 TECLADOS E

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação Análise Ergonômica do Trabalho - AET Ponto 02 Mario S. Ferreira Março, 2010 CONCEITUAÇÃO Análise Ergonômica do Trabalho Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo

Leia mais

ERGONOMIA NR-17 Ergonomia e Segurança do Trabalho

ERGONOMIA NR-17 Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA NR-17 Ergonomia e Segurança do Trabalho Prof. Mario S. Ferreira, Setembro, 2011 ERGONOMIA (CONFORTO & SEGURANÇA) PRODUTO-EQUIPAMENTO MÁQUINA COM QUALIDADE TAREFA-PROCESSO COM QUALIDADE ADEQUADO

Leia mais

A postura saudável para o digitador

A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador 2 Muitas vezes nos perguntamos: Qual é a postura mais adequada para se trabalhar durante horas em frente a um computador? Após anos

Leia mais

MANUAL COM SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS PARA A DISCIPLINA DE ERGONOMIA NO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO

MANUAL COM SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS PARA A DISCIPLINA DE ERGONOMIA NO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS - PUC MINAS Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática MANUAL COM SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS PARA A DISCIPLINA DE ERGONOMIA NO CURSO TÉCNICO

Leia mais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE TRABALHADORES DO SETOR ADMINISTRATIVO DA EMPRESA FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A., UNIDADE DE PORTO COLÔMBIA, PLANURA,

Leia mais

ergonomia fatores humanos Ergonomia cognitiva Ergonomia organizacional Qual o papel da Ergonomia para a saúde

ergonomia fatores humanos Ergonomia cognitiva Ergonomia organizacional Qual o papel da Ergonomia para a saúde A ergonomia (ou fatores humanos, como é conhecida nos Estados Unidos da América) é a disciplina científica relacionada ao entendimento das interações entre seres humanos e outros elementos de um sistema,

Leia mais

Legislação Comentada:

Legislação Comentada: Serviço Social da Indústria Departamento Regional da Bahia Legislação Comentada: NR 17 - Ergonomia Salvador-Bahia 2008 Legislação Comentada: NR 17 - Ergonomia FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DA BAHIA

Leia mais

Utilizadores de Computadores Conselhos ergonómicos

Utilizadores de Computadores Conselhos ergonómicos Utilizadores de Computadores Conselhos ergonómicos Ergonomia: Estuda a interacção física entre as pessoas e o seu trabalho adaptando este último, o equipamento e o ambiente de trabalho ao trabalhador.

Leia mais

Global Training. The finest automotive learning

Global Training. The finest automotive learning Global Training. The finest automotive learning Cuidar da saúde com PREFÁCIO O Manual de Ergonomia para o Motorista que você tem em agora em mãos, é parte de um programa da Mercedes-Benz do Brasil para

Leia mais

Introdução à Ergonomia

Introdução à Ergonomia Sumario 1 Introdução à Ergonomia 3 2 Conceito de Ergonomia 4 3 Qualidade de Vida 7 4 NR 17 8 5 Soluções ergonômicas 15 6 Equação de NIOSH 19 7 Transporte de cargas 23 8 Antropometria 31 9 Biomecânica 38

Leia mais

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 NR 17 - ERGONOMIA Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Atualizações/Alterações D.O.U. Portaria MTPS n.º 3.751, de 23 de novembro de 1990 26/11/90 Portaria SIT n.º 08,

Leia mais

Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes.

Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes. Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes. Tarefas que exijam elevada acuidade visual Visão desfocada e sensação de olhos a arder. Teclar de forma incorrecta

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

Relatório de Segurança e Medicina do Trabalho. Ciretran de Vitória/ES. Adendo

Relatório de Segurança e Medicina do Trabalho. Ciretran de Vitória/ES. Adendo Relatório de Segurança e Medicina do Trabalho Ciretran de Vitória/ES Ciretran Vitória/ES, situado à Avenida Nossa Senhora da Penha, nº1388, Vitória - ES foram encontradas várias condições inadequadas de

Leia mais

Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007 ETAPAS. Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007. Prof. Paulo C.

Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007 ETAPAS. Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007. Prof. Paulo C. Ergonomia Posto de trabalho Menor unidade produtiva Aplicação da antropometria no design do local de trabalho Homem e seu local de trabalho Fábrica / escritório > conjunto de postos Análise do posto Enfoque

Leia mais

Introdução PREVENINDO LER/DORT

Introdução PREVENINDO LER/DORT Introdução O homem (Homo sapiens) surgiu há cerca de 200.000 atrás e apenas após a Revolução Industrial é que conhecemos este modo de vida moderno, com trabalhos repetitivos, horário fixo de trabalho e

Leia mais

No contexto epidemiológico do Brasil, as alterações da. Postura Corporal e Qualidade de Vida na Escola

No contexto epidemiológico do Brasil, as alterações da. Postura Corporal e Qualidade de Vida na Escola 8 Postura Corporal e Qualidade de Vida na Escola Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física - Unicamp Estela Marina Alves Boccaletto Mestre em Educação Física - Unicamp Frederico Tadeu Deloroso

Leia mais

Análise da Postura de Trabalho com Computador

Análise da Postura de Trabalho com Computador Artigo Revista Científica da UFPA, V. 7, Nº 01, 2009 Análise da Postura de Trabalho com Computador Shahine Paccola Gonçalves 1 Cinthia Dias Rocha 1 Paulo Torres Fenner 2 Resumo Este artigo trata sobre

Leia mais

Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente".

Uma Definição: Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente. ERGONOMIA: palavra de origem grega. ERGO = que significa trabalho NOMOS = que significa regras Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente". Tríade básica da Ergonomia:

Leia mais

PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS?

PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS? Dores nas Costas PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS? O QUE CAUSA DORS NAS COSTAS? Várias podem ser as causas de suas dores nas costas: - Posturas inadequadas - Esforço exagerado - Permanecer por muito tempo

Leia mais

ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS).

ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS). ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS). Daniel Donida Schlottfeldt Graduando de Engenharia de Produção e Tecnologia de Segurança no Trabalho UNISA

Leia mais

ERGONOMIA: ATIVIDADES QUE COMPROMETEM A SAÚDE DO TRABALHADOR

ERGONOMIA: ATIVIDADES QUE COMPROMETEM A SAÚDE DO TRABALHADOR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ERGONOMIA: ATIVIDADES QUE COMPROMETEM A SAÚDE DO TRABALHADOR Danielle Satie Kassada 1 ; Fernando Luis Panin Lopes 2 ; Daiane Ayumi Kassada 3 RESUMO: O

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E ENGENHARIAS Curso de Pós Graduação Lato Sensu em Engenharia de Segurança do Trabalho LEANDRO JOSE URNAU

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR.

A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR. A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR. Márcia Maria Maia Advogada, pós-graduada em Direito Público e pós-graduanda em Direito e

Leia mais

ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE ACRÍLICOS NA REGIÃO DE JOINVILLE-SC

ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE ACRÍLICOS NA REGIÃO DE JOINVILLE-SC 1 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE ACRÍLICOS NA REGIÃO DE JOINVILLE-SC Thatiana Prado Brito* RESUMO Dentre as preocupações das empresas na melhoria da qualidade e competitividade

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE SEGURANÇA A SERVIÇOS DE INFORMÁTICA

APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE SEGURANÇA A SERVIÇOS DE INFORMÁTICA APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE SEGURANÇA A SERVIÇOS DE INFORMÁTICA Ana Carla da Silveira Lomba Osvaldo Luis Gonçalves Quelhas Gilson Brito Alves Lima ABSTRACT: The present work wants to stress, trough an application

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R O QUE SÃO AS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS LER são doenças do trabalho provocadas pelo uso inadequado e excessivo do

Leia mais

ERGONOMIA. FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino

ERGONOMIA. FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino O que é ergonomia? (e não ergonometria e muito menos ergologia) Adaptação do trabalho ao ser humano: O trabalho tem todo um pano de fundo de sofrimento:

Leia mais

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Ms. João Eduardo de Azevedo Vieira Fisioterapeuta (PUC-PR / 2000) Esp. Fisiologia do Exercício e do Desporto (IBPEX / 2001) Esp. Fisioterapia do Trabalho

Leia mais

Antropometria. A antropometria estuda as dimensões físicas e proporções do corpo humano.

Antropometria. A antropometria estuda as dimensões físicas e proporções do corpo humano. Antropometria A antropometria estuda as dimensões físicas e proporções do corpo humano.. O conhecimento dessas medidas e como saber usá-las é muito importante na determinação dos diversos aspectos relacionados

Leia mais

Influência da ginástica laboral em funcionários que trabalham com telemarketing

Influência da ginástica laboral em funcionários que trabalham com telemarketing 1 Influência da ginástica laboral em funcionários que trabalham com telemarketing Introdução A ginástica laboral tem como objetivo minimizar os impactos negativos oriundos do sedentarismo do trabalhador

Leia mais

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ROSÂNGELA MARION DA SILVA 1 LUCIMARA ROCHA 2 JULIANA PETRI TAVARES 3 O presente estudo, uma pesquisa descritiva bibliográfica, tem por

Leia mais

MANUAL DE EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ERGONOMIA

MANUAL DE EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ERGONOMIA MANUAL DE EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ERGONOMIA Autor : Geraldo Assis Cardoso Produto Vinculado ao Programa de Mestrado em Ensino em Ciências da Saúde e do Meio Ambiente do UniFOA Manual de treinamento ao Comitê

Leia mais

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014 A 4 Work - Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, Lda., vai realizar a partir do início do mês de Outubro, uma campanha de vacinação antigripal, desenvolvida e dirigida às empresas, independentemente

Leia mais

Sumario. 1 Introdução à Ergonomia... 2. 2 Conceito de Ergonomia... 3 3 NR 17... 7. 4 Equação de NIOSH... 28. 5 Transporte de cargas...

Sumario. 1 Introdução à Ergonomia... 2. 2 Conceito de Ergonomia... 3 3 NR 17... 7. 4 Equação de NIOSH... 28. 5 Transporte de cargas... Sumario 1 Introdução à Ergonomia........................... 2 2 Conceito de Ergonomia............................ 3 3 NR 17........................................... 7 Anexo I Trabalhos dos Operadores

Leia mais

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte LER/DORT Dr. Rodrigo Rodarte Há dois lados em todas as questões (Pitágoras, 410 445 a.c.) Definição: As L.E.R. são Lesões por Esforços Repetitivos (definição mais antiga) A D.O.R.T. (conhecidas como doenças

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL: OS CONTRASTES NOS RESULTADOS QUANDO ORIENTADA PELO EDUCADOR FÍSICO

A GINÁSTICA LABORAL: OS CONTRASTES NOS RESULTADOS QUANDO ORIENTADA PELO EDUCADOR FÍSICO A GINÁSTICA LABORAL: OS CONTRASTES NOS RESULTADOS QUANDO ORIENTADA PELO EDUCADOR FÍSICO Wagner Hauer Argenton 1 Rafael Godoy Cancelli Evandete Mitue Centro Universitário Positivo, Curitiba, PR Resumo:

Leia mais

Norma Regulamentadora NR 17

Norma Regulamentadora NR 17 Norma Regulamentadora NR 17 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo

Leia mais

DOENÇA PROFISSIONAL E DO TRABALHO RESUMO

DOENÇA PROFISSIONAL E DO TRABALHO RESUMO 1 DOENÇA PROFISSIONAL E DO TRABALHO Beatriz Adrieli Braz (Discente do 4º ano de administração AEMS) Bruna P. Freitas Godoi (Discente do 4º ano de administração AEMS) Ângela de Souza Brasil (Docente Esp.

Leia mais

Os direitos das trabalhadoras nos checkouts (caixas)

Os direitos das trabalhadoras nos checkouts (caixas) Os direitos das trabalhadoras nos checkouts (caixas) ANEXO 1 da NR-17 Trabalho em Checkouts e dos Operadores de Caixa de Supermercado Cartilha de responsabilidade da Secretaria de Saúde e Segurança do

Leia mais

3 ORIGENS E CONCEITUAÇÃO DA ERGONOMIA

3 ORIGENS E CONCEITUAÇÃO DA ERGONOMIA De acordo com dados da Ergonomics Research Society, Inglaterra, a Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e particularmente a aplicação dos conhecimentos

Leia mais

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva.

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: Entender os benefícios

Leia mais

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Objetivo Objetivo Apresentar os conceitos científicos sobre o Risco Ergonômico e sua relação com o corpo humano. Fazer

Leia mais

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA Juliana Camilla

Leia mais

GINÁSTICA LABORAL EM POSTOS DE TRABALHO COM COMPUTADORES

GINÁSTICA LABORAL EM POSTOS DE TRABALHO COM COMPUTADORES GINÁSTICA LABORAL EM POSTOS DE TRABALHO COM COMPUTADORES José Maurício Diascânio Maria do A. Gomes Diascânio Centro Federal de Ensino Tecnológico do Espírito Santo - ES José de Fátima Juvêncio Laboratório

Leia mais

Renata Matsmoto. renatamatsmoto@gmail.com

Renata Matsmoto. renatamatsmoto@gmail.com Aplicação dos aspectos legais do Anexo II da NR 17 Trabalho em teleatendimento/ telemarketing Renata Matsmoto renatamatsmoto@gmail.com TELEATENDIMENTO TELEMARKETING Definição Serviços de comunicação à

Leia mais

Como a Ergonomia de Conscientização pode ajudar a prevenção de doenças ocupacionais (musculoesquéticas) e melhorar a qualidade de vida como um todo

Como a Ergonomia de Conscientização pode ajudar a prevenção de doenças ocupacionais (musculoesquéticas) e melhorar a qualidade de vida como um todo ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA PROGRAMA PRÓ-QUALIDADE DE VIDA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO I COLÓQUIO DE QUALIDADE DE VIDA Como a Ergonomia de Conscientização pode ajudar a prevenção de doenças ocupacionais

Leia mais

1. ERGONOMIA. 3 2. INTRODUÇÃO. 4 3. TRABALHO EM FRENTE AOS TERMINAIS DE VÍDEO. 5 4. DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO (DORT).

1. ERGONOMIA. 3 2. INTRODUÇÃO. 4 3. TRABALHO EM FRENTE AOS TERMINAIS DE VÍDEO. 5 4. DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO (DORT). MANUAL DE ERGONOMIA PARA TRABALHOS COM TERMINAL DE VÍDEO 2 REVISÃO: AGOSTO/2009 1 ÍNDICE 1. ERGONOMIA... 3 2. INTRODUÇÃO... 4 3. TRABALHO EM FRENTE AOS TERMINAIS DE VÍDEO... 5 4. DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES

Leia mais

Carina Cristiane Teodoro Pierini¹; Terezinha Gomes Faria²

Carina Cristiane Teodoro Pierini¹; Terezinha Gomes Faria² V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 7 CONTRIBUIÇÕES DA GINÁSTICA LABORAL PARA A MELHORIA DA CONDIÇÃO FÍSICA DOS ORIENTADORES DE ESTACIONAMENTO REGULAMENTADO

Leia mais

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL Junior, A. C. de J. Sebastião, J. S. Pimentel, E. S. Moreira, R. S. T.. RESUMO A área da ginástica laboral vem crescendo bastante

Leia mais

PREVENÇÃO DE DOENÇAS OCUPACIONAIS

PREVENÇÃO DE DOENÇAS OCUPACIONAIS PREVENÇÃO DE DOENÇAS OCUPACIONAIS (NR-17 Anexo II item 6) CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES 1 MENSAGEM AOS FUNCIONÁRIOS Este manual de Prevenção de Doenças do Trabalho tem por objetivo atender

Leia mais

Atividade Física no Ambiente de Trabalho

Atividade Física no Ambiente de Trabalho Atividade Física no Ambiente de Trabalho Centro de Medicina da Atividade Física e do Esporte CEMAFE Escola Paulista de Medicina - EPM Universidade Federal de São Paulo UNIFESP 2007 Ginástica Laboral Histórico

Leia mais

Alunos: Italo Delgado José Rodrigo Rossi Marcelo Santos Mateus Alexandre Raphael Kamensek

Alunos: Italo Delgado José Rodrigo Rossi Marcelo Santos Mateus Alexandre Raphael Kamensek Alunos: Italo Delgado José Rodrigo Rossi Marcelo Santos Mateus Alexandre Raphael Kamensek O que é ergonomia? Origem da palavra ergonomia: Érgon = trabalho + nómos = regras 1857 o polonês Jastrezebowisky

Leia mais

IPAJM. 1.1- Edificação: paredes mofadas, infiltrações no teto, afundamento de piso, tampa de esgoto enferrujada.

IPAJM. 1.1- Edificação: paredes mofadas, infiltrações no teto, afundamento de piso, tampa de esgoto enferrujada. IPAJM Localizado na av. Vitória nº 2365 Consolação - Vitória/ES, foram encontradas várias condições inadequadas de trabalho levando o trabalhador à riscos diversos, que á seguir serão demonstradas. 1.1-

Leia mais

ERGONOMIA CENTRO DE EDUCAÇÃO MÚLTIPLA PROFESSOR: RODRIGO ARAÚJO 3 MÓDULO NOITE

ERGONOMIA CENTRO DE EDUCAÇÃO MÚLTIPLA PROFESSOR: RODRIGO ARAÚJO 3 MÓDULO NOITE ERGONOMIA CENTRO DE EDUCAÇÃO MÚLTIPLA PROFESSOR: RODRIGO ARAÚJO 3 MÓDULO NOITE A ERGONOMIA ESTUDA A SITUAÇÃO DE TRABALHO: Atividade Ambiente (iluminação, ruído e calor) Posto de trabalho Dimensões, formas

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

CUIDADOS COM A COLUNA

CUIDADOS COM A COLUNA SENADO FEDERAL CUIDADOS COM A COLUNA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuidados com a coluna 3 apresentação As dores na coluna vertebral são um grande transtorno na vida de muita gente, prejudicando os movimentos

Leia mais

Ergonomia. Lombalgias, Manejo de cargas, Posição estática, Trabalho na posição sentada e em pé. Prof.ª Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti

Ergonomia. Lombalgias, Manejo de cargas, Posição estática, Trabalho na posição sentada e em pé. Prof.ª Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Ergonomia Lombalgias, Manejo de cargas, Posição estática, Trabalho na posição sentada e em pé Prof.ª Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Natal/RN Fevereiro de 2011 Postura Um dos caminhos para encontrar

Leia mais

PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NA EMPRESA

PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NA EMPRESA PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NA EMPRESA Profª Ms. Laurecy Dias dos Santos 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 HISTÓRICO Polônia (1925) Ginástica de Pausa Experiências em outros países:

Leia mais

Ginástica Laboral Realizada no Hospital Cristo Rei Ibipora PR. Sidnei Luiz Alves e Aldeviro Cardoso

Ginástica Laboral Realizada no Hospital Cristo Rei Ibipora PR. Sidnei Luiz Alves e Aldeviro Cardoso Ginástica Laboral Realizada no Hospital Cristo Rei Ibipora PR Sidnei Luiz Alves e Aldeviro Cardoso Resumo No seu contexto geral a Ginástica Laboral procura promover a saúde e melhorar as condições dos

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO PREVINA-SE

ACIDENTES DE TRABALHO PREVINA-SE ACIDENTES DE TRABALHO PREVINA-SE NÚMEROS ALARMANTES São 160 milhões de trabalhadores no mundo. Não essa não é uma estatística sobre um mega evento comemorativo ou o número de vagas disponíveis no Mercado

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SÁUDE OCUPACIONAL (P.C.M.S.O.) JUNHO - 2013

PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SÁUDE OCUPACIONAL (P.C.M.S.O.) JUNHO - 2013 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SÁUDE OCUPACIONAL (P.C.M.S.O.) JUNHO - 2013 EMPRESA: OGMO/RG ÓRGÃO DE GESTÃO DE MÃO- DE-OBRA DO TRABALHADOR PORTUÁRIO AVULSO DO PORTO ORGANIZADO DE RIO GRANDE VALIDADE JUNHO

Leia mais

Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO. Visão Geral. Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010

Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO. Visão Geral. Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010 Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Visão Geral 1 Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010 NR 17 17.1 OBJETIVO CONDIÇÕES DE TRABALHO / PARÂMETROS BÁSICOS: Segurança: proteção / prevenção Conforto: saúde

Leia mais

A ERGONOMIA NA SALA DE AULA: UMA ABORDAGEM SOBRE A SÍNDROME DO IMPACTO DO OMBRO NO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA

A ERGONOMIA NA SALA DE AULA: UMA ABORDAGEM SOBRE A SÍNDROME DO IMPACTO DO OMBRO NO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA A ERGONOMIA NA SALA DE AULA: UMA ABORDAGEM SOBRE A SÍNDROME DO IMPACTO DO OMBRO NO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA Pedro Ferreira Reis Antonio Renato Pereira Moro 1 Introdução No mundo contemporâneo, percebe-se

Leia mais

Análise de fatores ergonômicos em um salão de beleza da cidade de Horizontina.

Análise de fatores ergonômicos em um salão de beleza da cidade de Horizontina. Análise de fatores ergonômicos em um salão de beleza da cidade de Horizontina. Diana Michele Pilz (FAHOR) dp000682@fahor.com.br Ricardo Muller (FAHOR) rm000820@fahor.com.br Luciéli Della Flora (FAHOR)

Leia mais

MEDIDAS PARA CONTROLE DE RISCOS OCUPACIONAIS NA INDÚSTRIA DE ABATE E PROCESSAMENTO DE CARNES

MEDIDAS PARA CONTROLE DE RISCOS OCUPACIONAIS NA INDÚSTRIA DE ABATE E PROCESSAMENTO DE CARNES NOTA TÉCNICA: MEDIDAS PARA CONTROLE DE RISCOS OCUPACIONAIS NA INDÚSTRIA DE ABATE E PROCESSAMENTO DE CARNES SUMÁRIO 1. OBJETIVOS... 2 2. APLICAÇÃO...2 3. JUSTIFICATIVAS...2 4. RECOMENDAÇÕES MÍNIMAS A SEREM

Leia mais

LER / DORT PREVINA-SE

LER / DORT PREVINA-SE LER / DORT PREVINA-SE Rio Claro SP Apoio: Prefeitura de Rio Claro Fundação Municipal de Saúde de Rio Claro Conselho Gestor CEREST Conselho Municipal de Saúde Rede Nacional de Atenção à Saúde do Trabalhador

Leia mais