DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-301/2010 R-00

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-301/2010 R-00"

Transcrição

1 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA /2010 R-

2 FOLHA DE CONTROLE

3 I APRESENTAÇÃO A presente Especificação Técnica define os requisitos gerais aplicados ao projeto, fabricação, ensaios, inspeção, transporte e recebimento dos Postes de Fibra de Vidro, destinados ao uso nas instalações da Coelce. Elaboração: Rômulo Thardelly Alves Moreira Sales Normas e Procedimentos Equipe de Consenso: Edgney Sarvio Oliveira Holanda Felipe Leite Cardoso Dos Santos Antônio Ribamar Melo Filgueira Raquel Santos Gondim Qualidade Normas e Procedimentos Normas e Procedimentos Normas e Procedimentos Apoio: Pedro Paulo Menezes Neto Sandra Lúcia Alenquer da Silva Lucas Cavalcante Normas e Procedimentos Normas e Procedimentos Normas e Procedimentos

4 II S U M Á R I O 1 OBJETIVO REFERÊNCIAS NORMATIVAS NORMAS BRASILEIRAS NORMAS DA COELCE REQUERIMENTO DE QUALIDADE CONDIÇÕES DE SERVIÇO CARACTERÍSTICAS NOMINAIS E CONSTRUTIVAS PROJETO GERAL NUMERAÇÃO SÉRIE POSTES PADRONIZADOS ELEMENTOS CARACTERÍSTICOS PLAQUETA DE IDENTIFICAÇÃO MARCAÇÕES ACABAMENTO FUROS TOLERÂNCIAS PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO INSPEÇÃO E ENSAIOS GENERALIDADES RELATÓRIO DE ENSAIOS CONDIÇÕES DE RECEBIMENTO INSPEÇÃO GERAL VERIFICAÇÃO DO CONTROLE DE QUALIDADE ENSAIOS PLANOS DE AMOSTRAGEM PARA INSPEÇÃO GERAL E PARA ENSAIO DE ELASTICIDADE PLANOS DE AMOSTRAGEM PARA OS ENSAIOS DE RESISTÊNCIA À RUPTURA, COMPRIMENTO E MOMENTO FLETOR (M A ) INSPEÇÃO POR ATRIBUTO ACONDICIONAMENTO E TRANSPORTE PRAZO DE ENTREGA GARANTIA...11 ANEXOS ANEXO A - PLANILHA PARA CONTROLE DE PRODUÇÃO DIÁRIA...12 DESENHO : POSTE DE FIBRA DE VIDRO...13 DESENHO : ENSAIO DE MEDIÇÃO DA SUPERFÍCIE DE CONTATO...14

5 1/14 1 OBJETIVO Estabelecer os requisitos mínimos aplicáveis ao fornecimento de Postes de Fibra de Vidro, de eixo retilíneo, base de seção circular e topo com seção quadrada, destinados ao uso no sistema elétrico da Coelce. 2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS Para fins de projeto, matéria-prima, qualidade, fabricação, ensaios, inspeção e transporte os postes de fibra de vidro a serem fornecidos devem satisfazer as exigências desta Especificação, e no que não a contrarie, às normas dos itens 2.1 e 2.2. As normas mencionadas não excluem outras reconhecidas que assegurem qualidade igual ou superior a elas, desde que o proponente cite em sua proposta as partes ou normas aplicáveis, e a Coelce as valide. Caso julgue necessário, a Coelce pode exigir do Proponente o fornecimento de cópias das normas adotadas por este. Em caso de dúvida ou contradição, tem primazia esta Especificação, em seguida as normas recomendadas e finalmente, as normas apresentadas pelo Proponente. As normas citadas nos itens 2.1 e 2.2, mesmo que destinadas a postes de concreto, podem em ser aplicadas, a critério da Coelce, aos postes de fibra de vidro. 2.1 Normas Brasileiras NBR ISO 91, Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos; NBR 5426, Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos - Procedimento; NBR 5427, Guia para aplicação da norma NBR Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos; NBR 7356, Plásticos - Determinação da flamabilidade; NBR 8451, Postes de concreto armado para redes de distribuição de energia elétrica- Especificação; NBR 8452, Postes de concreto armado para redes de distribuição de energia elétrica - Padronização. 2.2 Normas da Coelce DT-068, Transporte de Postes e de Resíduos de Concreto; CE-3, Qualificação Técnica de Equipamentos, Materiais e Fabricantes. 3 REQUERIMENTO DE QUALIDADE O Proponente deve demonstrar que tem implementado e funcionando em fábrica um sistema de Garantia de Qualidade com programas e procedimentos documentados em manuais, cumprindo a norma NBR ISO 91. A Coelce se reserva o direito de verificar os procedimentos e a documentação relativa à fabricação dos postes de fibra de vidro e o fabricante se obriga a colocar a sua disposição estes antecedentes. 4 CONDIÇÕES DE SERVIÇO Os postes de fibra de vidro abrangidos por esta especificação devem ser fabricados e projetados para operar em qualquer nível de contaminação, em clima tropical, atmosfera salina, exposição à ação direta do raio do sol, fortes chuvas, devendo receber tratamento adequado para resistir às condições ambientais da Tabela 1.

6 2/14 Tabela 1: Condições Ambientais Características Coelce Altitude Máxima (m) 1.0 Temperatura Mínima ( C) +14º Temperatura Máxima ( C) +40º Temperatura Média ( C) +30º Umidade Relativa Média(%) > 80 Pressão Máxima do Vento (N/m²) 7 Nível de Contaminação (ABNT IEC/TR 60815) Muito Alto (IV) Nível de Salinidade (mg/cm² dia) > 0,3502 Radiação Solar Máxima (wb/m²) CARACTERÍSTICAS NOMINAIS E CONSTRUTIVAS 5.1 Projeto Geral O projeto dos postes de fibra de vidro deve ser homologado previamente pela Coelce antes do primeiro fornecimento ou quando houver alteração no projeto ou revisão desta Especificação Técnica. O projeto, a matéria-prima, a mão-de-obra e a fabricação devem incorporar tanto quando possível, os melhoramentos que a técnica moderna sugerir, mesmo quando não mencionados nesta Especificação. Cada projeto diferente deve ser explicado em todos os seus aspectos na proposta. 5.2 Numeração Série Os postes de fibra de vidro devem ser identificados com um número de série seqüencial alfanumérico para cada fabricante, conforme recomendações a seguir: a) Todo controle de numeração utilizado pelo fabricante deve ser acompanhado e controlado pela área da Coelce responsável pela inspeção; b) A área responsável por projetos e construções deve implementar o uso desta numeração série para facilitar o registro e controle utilizado pela área de cadastro de rede. c) O número de série seqüencial alfanumérico deve possuir o seguinte formato A : uma letra identificadora do fabricante, cinco algarismos para seqüência numérica e dois algarismos para identificação do ano de fabricação. 5.3 Postes Padronizados Os postes de fibra de vidro padronizados pela Coelce e sua respectiva utilização estão definidos na Tabela 2. Tabela 2: Postes de Fibra de Vidro Padronizados e sua Utilização Altura (M) Resistência Nominal (DAN) Utilização Desenho de Estoque 9,0 150 LDMT e LDBT LDMT, LDBT e SED ,5 3 LDMT e LDBT ,0 3 LDMT e LDBT LDMT e LDBT Legenda: SED Subestações de Distribuição LDMT Linhas de Distribuição de Média Tensão LDBT Linhas de Distribuição de Baixa Tensão

7 3/ Elementos Característicos As características dos postes de fibra de vidro estão definidas na Tabela 3 e no desenho Item Comprimento Nominal L ± 0,5 (m) Tabela 3: Características dos Postes de Fibra de Vidro Resistência Nominal R n (dan) (2) Momento fletor nominal no plano de aplicação de Rn M A (dan x m) (3) Massa Aprox. (kg) (1) F E M Dimensões (mm) Topo quadrado S Base Redonda C Espessura mínima 1 9, , , , , , , NOTAS: 1: As massas são aproximadas e não possuem sentido normativo, não devendo ser exigida a sua observância, inclusive na inspeção; 2: Valores da resistência nominal deve ser obtido no plano de aplicação a 1 mm do topo do poste; 3: Valores mínimos para o plano de aplicação de Rn. LEGENDAS: F Distância do orifício para entrada do condutor de aterramento ao topo do poste; E Distância da marcação do ponto de engastamento a base do poste; M Comprimento mínimo do topo quadrado com furação 5.5 Plaqueta de Identificação Deve ser fixada uma plaqueta, protegida por uma cobertura de resina, que garanta que a mesma continue legível e indelével durante toda a vida útil dos postes de fibra. A placa de identificação deve possuir proteção contra raios UV e ser resistente as características ambientais descritas na Tabela 1. Devem ser gravadas as seguintes informações na plaqueta: Número de série do poste; Data (mês e ano) de fabricação; Comprimento nominal (m); Resistência nominal (dan); Peso; Nome ou marca comercial do Fabricante; Nome Coelce; Número do pedido de compra. 5.6 Marcações Devem ser marcadas no corpo do poste, conforme Desenho , as seguintes informações: a) Centro de gravidade; b) Ponto de referência; c) Ponto de engastamento. As marcações devem ficar alinhadas paralelamente ao eixo do poste, conforme indicado no Desenho A largura máxima dos caracteres não deve ultrapassar 40% do diâmetro da seção transversal.

8 4/ Acabamento Os postes devem apresentar superfícies externas suficientemente lisas, sem fendas ou fraturas. As faces quadradas do poste de fibra de vidro devem ser mais planas possíveis, permitindo a instalação adequada de equipamentos e de cruzetas utilizadas pela Coelce. A cura inicial é obrigatória, antes mesmo da retirada das formas. Deve ser inserido no relatório de ensaios o tempo utilizado para a cura dos postes. O poste deve possuir cor RAL 7038 (cinza). Com auxílio de um paquímetro, devem ser realizadas as medidas de profundidade das fendas e alturas das elevações nas faces do topo quadrado do poste. Valores de altura das elevações e profundidades das fendas maiores que 1,5 mm são consideradas como defeito. Deve ser medida a área de contato em três pontos da face quadrada com uso de um esquadro e de um gabarito cilíndrico de 1 mm de diâmetro e este valor deve ser anotado no relatório de inspeção. O procedimento de medição de superficie de contato deve ser conforme Desenho Furos Os furos destinados à fixação de equipamentos e passagem de cabos devem ser cilíndricos ou ligeiramente tronco-cônicos, de forma que não cause dificuldades para colocação de equipamentos ou cabos. Devem seguir ainda às seguintes exigências: a) Os furos devem ser vedados por tampa removível que propicie vedação adequada e que seja aprovado previamente pela Coelce. Todos os furos devem ter eixo perpendicular ao eixo do poste; b) O topo quadrado deve ser fechado e a base redonda deve ser aberta, conforme Desenho NOTA: De acordo com o uso, a furação deve obedecer aos desenhos e tabelas constantes nesta Especificação, conforme seja sua aplicação no sistema elétrico. 5.9 Tolerâncias Estabelecidos o formato e as dimensões do poste, admitem-se as seguintes tolerâncias não acumulativas: a) ± 50 milímetros para o comprimento nominal, para o traço de referência e marca de engastamento; b) ± 15 milímetros para as dimensões topo e da base; c) + 2mm e -1mm para o diâmetro dos furos, quando não indicado; d) O deslocamento transversal dos furos ao eixo central do poste não deve ser superior a 2 milímetros; e) A distância entre os centros dos furos de mesma face não deve variar mais que 2 milímetros das cotas estabelecidas no Desenho ; f) A distância vertical entre furos de faces diferentes não deve variar mais que 2 milímetros das cotas estabelecidas no Desenho ; g) Não deve haver elevações ou depressões na face quadrada do poste maior que 1,5 milímetros; h) Demais tolerâncias são indicadas nos desenhos. 6 PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO Todo fabricante de poste de fibra de vidro deve ser homologado antes de qualquer fornecimento. Para iniciar o processo de homologação o fabricante deve enviar para Coelce as seguintes informações: a) Certificado de Qualidade ISO 91, e o correspondente Manual de Gestão da Qualidade;

9 5/14 b) Plano de inspeção e controle da qualidade previsto, abrangendo fabricação, processamento, execução e tratamento do poste; c) Relação de todos os ensaios e o método proposto para sua realização; d) Relatório de ensaios efetuado em unidade protótipo; e) Relatório contendo as seguintes informações: Tipo de poste; Comprimento do engastamento; Carga nominal; Carga máxima permissível; Carga de ruptura; Teor de absorção de água; Flechas residuais (para 1,4 x Carga Nominal); f) Desenhos de contorno dos postes, indicando as dimensões principais e a localização dos dados de identificação e conicidade; g) Cortes na base e no topo do poste; h) Peso; i) Diagrama de momentos fletores; j) Garantia de acordo com o requerido no item 10; k) Detalhamento do processo de fabricação e das matérias primas utilizadas.; l) Relação de fornecimentos anteriores indicando tipo, quantidade, cliente, país, ano de fornecimento ; A Coelce pode solicitar instruções e ou informações adicionais caso considere as apresentadas insuficientes ou insatisfatórias, obrigando-se o fabricante a fornecê-las sem nenhum ônus para a Coelce. O processo de homologação segue o fluxograma definido no CE-3. 7 INSPEÇÃO E ENSAIOS 7.1 Generalidades Os postes devem ser submetidos à inspeção e ensaio pelo fabricante, em presença do inspetor da Coelce, de acordo com as normas recomendadas e com esta Especificação A Coelce se reserva o direito de inspecionar e ensaiar os postes, no período de fabricação, na época do embarque, ou a qualquer momento que julgar necessário. Para tal, devem ser propiciadas todas as facilidades quanto ao livre acesso aos laboratórios, dependências onde estiverem sendo fabricados os postes, etc., bem como fornecer pessoal qualificado a prestar informações e executar os ensaios e todas as documentações solicitadas O Fabricante deve informar à Coelce e enviar a planilha de controle do Anexo A, com antecedência mínima de 15 dias úteis a data que os postes estão prontos para inspeção. O período de ensaios deve estar incluso no prazo de entrega dos materiais. Qualquer alteração na data da inspeção deve ser comunicada a Coelce com um prazo mínimo de 72 horas. O não atendimento, por parte do fabricante, a estes prazos de comunicação, gerando uma inspeção improdutiva, a Coelce reserva-se o direito de cobrar do Fabricante, os custos referentes a transportes e diárias do seu inspetor, caso tenham sido custeadas pela Coelce O local de inspeção dos postes deve ser coberto, a fim de que as condições meteorológicas não impossibilitem a realização dos ensaios.

10 6/ O Fabricante deve dispor de pessoal e aparelhagem necessárias para a realização dos ensaios ou contratar, às suas expensas, laboratório previamente aceito pela Coelce. A aparelhagem deve estar devidamente aferida por laboratório aprovado pela Coelce No caso do inspetor da Coelce ser convocado e os postes não estiverem prontos para inspeção, ou o local da inspeção não oferecer condições de ensaios ou haja rejeição na inspeção, a nova visita do inspetor é custeada totalmente pelo fabricante O custo de controle de qualidade da fabricação e dos ensaios corre por conta do Fabricante. As repetições, quando solicitadas pela Coelce, correm por conta desta somente se os postes forem aprovados. Em caso contrário, correm por conta do Fabricante Todos os postes submetidos a ensaios destrutivos nas porcentagens fixadas nesta Especificação devem ser custeados pelo Fabricante. A Coelce não aceita postes recuperados A aceitação do material pela Coelce, com base nos ensaios ou nos relatórios que os substituam, não exime o Fornecedor de sua responsabilidade em fornecer o material em plena concordância com o Pedido de Compra e com esta Especificação, nem invalidará qualquer reclamação por parte da Coelce devido a material inadequado ou defeituoso A rejeição dos postes em virtude de falhas constatadas na inspeção não exime o Fornecedor de sua responsabilidade de fornecer os mesmos no prazo de entrega estabelecido no Pedido de Compra Caso o poste seja rejeitado na inspeção, o Fornecedor deve corrigir as falhas indicadas pelo relatório de inspeção sem ônus para a Coelce. Uma vez efetuadas todas as correções solicitadas pelo relatório de inspeção, o fabricante deve comunicar a Coelce a nova data de inspeção Se a gravidade da falha tornar impraticável a entrega pelo Fornecedor na data prevista, ou se tudo indicar que o Fornecedor não será capaz de satisfazer aos requisitos exigidos, a Coelce reserva-se o direito de rescindir o contrato e o Fornecedor estará sujeito às penalidades aplicáveis ao caso No caso da Coelce dispensar a presença do Inspetor para acompanhar os ensaios, o fornecedor deve apresentar além dos Relatórios de Ensaios, a garantia da autenticidade dos resultados devidamente assinada pelo responsável técnico do seu Controle de Qualidade. 7.2 Relatório de Ensaios Deve ser apresentado um relatório completo, em 2 (duas) vias, dos ensaios efetuados, com as indicações necessárias à sua perfeita compreensão. O relatório de ensaios, a ser providenciado pelo Fornecedor, deve conter no mínimo as seguintes informações: a) Nome da Coelce; b) Nome do Fornecedor; c) Número do Pedido de Compra; d) Descrição sucinta dos ensaios; e) Indicação das normas técnicas, métodos, instrumentos e constantes utilizadas; f) Tamanho do lote, número e identificação das unidades ensaiadas, e número de série inicial e final do lote ensaiado; g) Data de início e fim dos ensaios; h) Data de emissão do relatório; i) Nome do laboratório onde os ensaios foram executados; j) Nomes legíveis e assinaturas do responsável técnico do Fornecedor e do inspetor da Coelce.

11 7/ Depois da Coelce examinar o relatório, uma das cópias deve ser devolvida ao Fornecedor, aprovando ou não os postes No caso da Coelce dispensar a presença do inspetor na inspeção e ensaios, o Fornecedor deve apresentar, além do referido relatório com os requisitos exigidos normalmente, a garantia de autenticidade dos resultados. Esta garantia pode ser dada num item do mencionado relatório ou através de um Certificado devidamente assinado por um funcionário categorizado e responsável do Fornecedor Em qualquer dos casos, o Fornecedor deve apresentar um certificado, atestando que o material fornecido está de acordo com todos os requisitos desta Especificação e conforme as modificações ou acréscimos apresentados nos modelos ou propostas. 7.3 Condições de Recebimento Para recebimento de um lote de postes, devem ser realizados pelo inspetor da Coelce os seguintes ensaios em amostras escolhidas pelo mesmo no lote inspecionado: a) Inspeção geral; b) Verificação do controle de qualidade; c) Ensaios. 7.4 Inspeção Geral Antes de iniciar os ensaios, o inspetor deve fazer uma inspeção geral, para comprovar se os postes estão de conformidade com os elementos característicos requeridos, verificando: a) Acabamento conforme 5.7; b) Dimensões conforme desenhos e Tabela 3 c) Furação (posição, diâmetro e desobstrução) conforme 5.8; d) Identificação conforme 5.5 e 5.6. Devem ser adotadas as tolerâncias do item Verificação do Controle de Qualidade Devem ser apresentados ao inspetor os relatórios dos ensaios de controle de qualidade dos materiais. É assegurado ao inspetor o direito de presenciar a realização dos ensaios de controle de qualidade e acompanhar todas as fases de fabricação. 7.6 Ensaios Os ensaios são destinados à verificação de: a) Momento fletor no plano de aplicação dos esforços reais (MA); b) Elasticidade; c) Resistência à ruptura; d) Acabamento; e) Absorção de água; f) Ensaio de resistência a UV (ensaio de tipo) conforme ASTM G-155 método A com 20 horas; g) Flamabilidade (ensaio de tipo) - deve atender os valores especificados para a Categoria 2 da NBR Podem ser aceito como relatório de ensaios de recebimento, os ensaios das alíneas e, f e g realizado em um modelo de poste, desde que o fabricante comprove que o projeto e as matérias primas utilizadas são os mesmos dos postes pertencentes ao lote ensaiado.

12 8/ Momento Fletor no Plano de Aplicação dos Esforços Reais (MA) O poste deve satisfazer as exigências do momento fletor no plano de aplicação dos esforços reais M A, quando ensaiado conforme descrito na NBR Os valores mínimos de M A estão definidos na Tabela Elasticidade Os postes devem ser submetidos a uma tração igual à resistência nominal não devem apresentar flechas, no plano de aplicação dos esforços reais, superiores a 10 % do comprimento nominal do poste A flecha residual, medida depois que se anula a aplicação de um esforço correspondente a 140% da resistência nominal no plano de aplicação dos esforços reais não deve ser superior a 0,5% do comprimento nominal e deverá ser medida após 5 minutos da retirada da força aplicada Os postes submetidos aos ensaios de tração em e não devem apresentar deformações como: a) estiramento das fibras na face oposta a aplicação da força; b) esmagamento das fibras na face da aplicação da força; c) trincas ou qualquer estiramento ou esmagamento das fibras nas faces adjacentes Os ensaios dos itens e devem ser realizados conforme NBR Resistência à Ruptura Não deve haver ruptura do poste quando aplicada uma força de no mínimo 2 vezes a resistência nominal do poste. Este ensaio deve ser realizado conforme NBR Planos de Amostragem para Inspeção Geral e para Ensaio de Elasticidade Tamanho da Amostra O tamanho da amostra ou séries de tamanhos de amostras, bem como o critério de aceitação do lote, para o ensaio de elasticidade e para inspeção geral deve estar de acordo com as Tabelas 4 e 5. Caso o inspetor verifique a existência de poste com indício de defeito visível dentro do lote, mas fora das amostras a serem ensaiadas, é permitido que este poste seja incluído na amostra a ser ensaiada, substituindo-o por um poste de dentro da amostra Analise da aceitação ou rejeição de um lote Para analisar a aceitação ou rejeição de um lote, a Coelce inspecionará os postes segundo as categorias de inspeção. Os postes são classificados em bons ou defeituosos, estes últimos terão a graduação crítico, grave ou tolerável. Para a aceitação de ensaios de elasticidade e de inspeção geral, deve ser observado o Nível de Qualidade Aceitável - NQA. O NQA pode variar de crítico, grave e tolerável. Quando a análise de inspeção for realizada para os três tipos de NQA, o tamanho da amostra é definido pelo maior valor do número de amostras definido pelo NQA. Devem ser consultados os critérios de aceitação e rejeição da Tabela 4 para os ensaios de elasticidade e os da Tabela 5 para os ensaios gerais, o lote deve ser aceito ou rejeitado. Caso o lote seja aceito, o fabricante deve realizar a pintura da base dos postes em uma cor diferente da cor do poste. Para facilitar a rastreabilidade dos postes, cada lote liberado pela inspeção, que esteja armazenado em fábrica, deve ser identificados com cores diferentes. Todos os postes rejeitados nos ensaios de recebimento, integrantes de lote aceitos, devem ser substituídos por unidades novas e perfeitas, pelo Fabricante, sem qualquer ônus para a Coelce.

13 9/14 A aceitação de um determinado lote pela Coelce não exime o Fabricante da responsabilidade de fornecer os postes em conformidade com as exigências desta Especificação e nem invalida as reclamações que a Coelce possa fazer a respeito da qualidade do material empregado e/ou fabricação dos postes. A critério da Coelce, o Fabricante deve apresentar certificados na execução do controle de qualidade da fabricação. No caso de rejeição de um lote é permitido ao Fabricante reagrupar os postes na presença do inspetor e submetê-los a nova inspeção nas mesmas condições da realizada anteriormente. Tamanho do Lote Tabela 4: Critérios de Aceitação para Ensaios de Elasticidade Ensaios ( Amostragem normal e simples ) Nível de Inspeção NQA 1,5% - Crítico NQA 4,0% - Grave Tamanho da amostra Ac Re Tamanho da amostra Até a a a a a NOTAS: 1: Esta Tabela deve ser utilizada conforme Item 7.7; 2: Para tamanho do lote até 150 unidades podem ser estabelecidos de comum acordo entre comprador e fornecedor os valores do tamanho de Ac e de Re; 3: Ac número de peças defeituosas que ainda permite aceitar o lote; Re número de peças defeituosas que implica na rejeição do lote. Ac Re Tabela 5: Critérios de Aceitação para Ensaios de Inspeção Geral Inspeção Geral ( Amostragem normal e simples ) Nível de Inspeção I Tamanho do Lote NQA 1,5% NQA 4,0% NQA 10,0% Crítico Grave Tolerável Tamanho Tamanho Tamanho da Ac Re Ac Re da amostra da amostra amostra Ac Re Até a a a a a a NOTAS 1: Esta Tabela deve ser utilizada conforme Item 7.7; 2: Para tamanho de lote até 90 unidades podem ser estabelecidos de comum acordo entre comprador e fornecedor os valores do tamanho de Ac e de Re; 3: Ac número de peças defeituosas que ainda permite aceitar o lote; Re número de peças defeituosas que implica na rejeição do lote.

14 10/ Exemplo de Categorias de Inspeção e sua Respectiva Classificação de Defeito: Elasticidade (item 7.6.2) Na Tabela 6 são apresentados exemplos de classificação de defeitos para ensaios em eletricidade. Tabela 6: Exemplo classificação de defeitos para ensaios de elasticidade Descrição do Defeito Classificação do Defeito Crítico Grave Tolerável 1. Flecha sob carga nominal no valor de referência X 2. Flecha residual 2.1. No valor de referência X 2.2. Apresentando trincas X Inspeção Geral (item 7.4) Na Tabela 7 são apresentados exemplos de classificação de defeitos para inspeção em geral. Tabela 7: Exemplo de classificação de defeitos para inspeção geral Descrição do Defeito Classificação do Defeito Crítico Grave Tolerável 1. Acabamento 1.1. Imperfeições na superfície lisa X 1.2. Fratura X 1.3. Fenda não capilar X 2. Dimensões 2.1. Base X 2.2. Identificação X 2.3. Comprimento X 2.4. Topo X 2.5. Entre furos X 3. Furação 3.1. Diâmetro X 3.2. Obstrução X 3.3. Posição X 4. Identificação com erro X 7.8 Planos de amostragem para os ensaios de resistência à ruptura, comprimento e momento fletor (M A ) O tamanho da amostra para efetuar os ensaios de resistência à ruptura, e momento fletor (M A ), deve ser de 1 (um) poste em cada 2 unidades de um mesmo lote, convenientemente agrupados, em sublotes de 2 unidades No caso de lote não ser múltiplo exato de 2, deve aparecer forçosamente um sublote inferior a 2 unidades. Este sublote, ou qualquer lote inferior a 2 unidades pode ser dispensado dos ensaios referidos neste item, desde que acertado entre o fabricante e a Coelce Os ensaios são considerados satisfatórios se não houver nenhuma falha. Caso um dos ensaios realizados não seja satisfatório, o fabricante deve repetir esse ensaio em uma amostra equivalente ao dobro da primeira, sem qualquer ônus para a Coelce, e no caso de qualquer outra falha ocorrer, todo o lote sob inspeção deve ser rejeitado. 7.9 Inspeção por Atributo Para qualquer consideração adicional sobre determinação de planos de amostragem, devem ser consultadas as NBR 5426 e NBR 5427.

15 11/14 8 ACONDICIONAMENTO E TRANSPORTE 8.1 O acondicionamento e a preparação para embarque também estão sujeitos à aprovação pelo inspetor. O material deve ser acondicionado de modo a garantir um transporte seguro em quaisquer condições e limitações que possam ser encontrados. O sistema de acondicionamento deve ser tal que proteja todo o material contra empenos, quebras, danos e perdas, desde a saída da fábrica até o momento de sua chegada ao local de destino. O acondicionamento será considerado satisfatório se o material se encontrar em perfeito estado à sua chegada ao destino. 8.2 No acondicionamento, manuseio e transporte dos postes devem ser observadas as recomendações contidas na Decisão Técnica DT-068 na versão mais atualizada. 9 PRAZO DE ENTREGA O prazo para entrega do material deve ser contado a partir do aceite do Pedido de Compra. O Fornecedor deve considerar, no prazo de entrega, os dias para análise dos desenhos pela Coelce, sendo que os dias excedentes a este período, pela eventualidade de um atraso na análise, podem prorrogar a data de entrega por igual número de dias. No entanto, é de inteira responsabilidade do Fornecedor, o tempo necessário para reanálise dos desenhos que não tenham sido totalmente aprovados por estarem em desacordo com esta Especificação. A vinculação da aprovação dos desenhos no prazo de entrega é motivo de desclassificação da proposta. 10 GARANTIA 10.1 O fabricante deve indicar claramente em sua proposta o prazo de garantia e no que consiste a mesma A vida útil do poste de fibra deve ser de no mínimo 35 (trinta e cinco) anos e o prazo mínimo de garantia aceito pela Coelce é de 5 (cinco) anos a contar da data de entrega do equipamento em seu almoxarifado A garantia deve abranger defeitos de projeto, material e fabricação Durante o período de garantia, todos os custos referentes a reparos, carga, descarga, seguro, frete, etc., eventos estes associados a defeitos apresentados no poste, são de responsabilidade do Fabricante. Se necessário, o poste deve ser substituído Caso seja detectada falha de fabricação ou projeto do poste, a fabricante deve substituir todas as unidades do lote, instaladas em campo ou em estoque, sendo responsável por todos os custos desta operação como: transporte, retirada dos postes instalados, instalação dos novos postes, custos dos novos postes etc.

16 12/14 Anexo A - Planilha para Controle de Produção Diária do Material Descrição do Material Intervalo do N o de Série Data de Fabricação Quantidade Fabricada N o do Lote Armazenado NOTAS: 1: O envio desta planilha é de responsabilidade do fabricante e deve ser enviada no ato da solicitação da inspeção. 2: A inspeção deve ser marcada no intervalo de 5 a 10 dias úteis, após o recebimento da solicitação (via e- mail)

17

18

DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-300/2009 R-04

DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-300/2009 R-04 DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-300/2009 R-04 POSTES DE CONCRETO ARMADO FOLHA DE CONTROLE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA POSTES DE CONCRETO ARMADO Código

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0022 CRUZETAS DE CONCRETO ARMADO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO POSTES DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DEDISTRIBUIÇÃO EMISSÃO: REVISÃO: PAGINA: 1/33 A P R E S E N T A Ç Ã O Esta Norma fixa as características básicas de poste de concreto

Leia mais

NT MATERIAIS PARA REDES E LINHAS AEREAS URBANAS E RURAIS DE DISTRIBUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA.

NT MATERIAIS PARA REDES E LINHAS AEREAS URBANAS E RURAIS DE DISTRIBUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. REV. Página 1 de 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. REQUISOS GERAIS 3.1. Projeto Geral 3.2. Normas Recomendadas 3.3. Unidade de Medida e Idiomas 3.4. Desenhos 3.5. Garantia 4. DEFINIÇÕES 3.6. Valor Nominal

Leia mais

Manual Técnico de Distribuição

Manual Técnico de Distribuição ESP ESPECIFICAÇÃO ESP - 205 POSTES DE CONCRETO PARA REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO ESP - 205 edição vigência aprovação Revisão 02 Agosto/98 DDPP Página 1 1. FINALIDADE Esta Especificação tem por finalidade

Leia mais

Comprimento nominal (L) menos o comprimento de engastamento (e).

Comprimento nominal (L) menos o comprimento de engastamento (e). MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DA DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0066 POSTES POLIMÉRICOS DE POLIÉSTER

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: setembro/08 FOLHA : 1 / 6 FURAÇÃO DA CRUZETA

Leia mais

MANUAL DE ENGENHARIA

MANUAL DE ENGENHARIA 02.04.2007 1/6 1. OBJETIVO Esta especificação padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas de concreto armado destinadas ao suporte

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ES.DT.PDN.01.01.025 POSTE DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO 01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ES.DT.PDN.01.01.025 POSTE DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.01.025 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA E CADASTRO SP MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO - ES

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA POSTES DE CONCRETO ARMADO CIRCULAR E DUPLO T E SUMÁRIO CONTEÚDO 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Serviço 03 5.2.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROTETOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROTETOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR PROTOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Características

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título: TRANSFORMADORES DE POTENCIAL PARA EQUIPAMENTOS ESPECIAIS Código ETD-00.062 Data da emissão 28.09.2012 Data da última revisão Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO Código ETD-00.016 Data da emissão 30.04.1987 Data da última revisão 29.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3 Definições

Leia mais

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE 1. OBJETIVO Esta norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas

Leia mais

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0041 CRUZETAS DE AÇO TUBULAR 1/14

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-300/2015 R-05

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-300/2015 R-05 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE ET-300/2015 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-300/2015 R-05 POSTES DE CONCRETO ARMADO E PROTENDIDO FOLHA DE CONTROLE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA POSTES DE CONCRETO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 03 2. ÂMBITO 03 3. CONCEITOS 03 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Condições de Serviços 04 5.2. Identificação dos transformadores 04 5.3.

Leia mais

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação.

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação. 25 / 10 / 2011 1 de 7 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do pontalete de aço para utilização em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Condições gerais 1. 4. Condições específicas 1. 5. Inspeção 2. Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas 4

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Condições gerais 1. 4. Condições específicas 1. 5. Inspeção 2. Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas 4 SUMÁRIO Pág. 1. Objetivo 1 2. Referências 1 3. Condições gerais 1 4. Condições específicas 1 DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS 02.118-CONEM-0003 5. Inspeção 2 Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas

Leia mais

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado NBR 7480/1996 Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado OBJETIVO Fixar as condições exigíveis na encomenda, fabricação e fornecimento de barras e fios de aço destinados a armaduras

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIV ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ELOS FUSÍVEIS TIPO EXPULSÃO PARA CIRCUITO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA COM EXTINÇÃO DE ARCO E ELOS FUSIVEIS

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO MA NU AL E SP EC IA L SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0032 ESPECIFICAÇÃO DE CONDUTORES

Leia mais

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. DESENVONVIMENTO DE EQUIPAMENTOS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 POSTE DE AÇO QUADRADO PARA ENTRADA DE CLIENTES 01

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 POSTE DE AÇO QUADRADO PARA ENTRADA DE CLIENTES 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 01 APROVADO POR PAULO J. TAVARES LIMA ENGENHARIA E CADASTRO-SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. APLICAÇÃO...

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-210/2015 R-00

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-210/2015 R-00 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE REDE /2015 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA /2015 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Especificação Técnica define os requisitos

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Postes de Concreto Armado para Redes de Distribuição Especificação e Padronização. NTC-01 Revisão 3

NORMA TÉCNICA CELG. Postes de Concreto Armado para Redes de Distribuição Especificação e Padronização. NTC-01 Revisão 3 NORMA TÉCNICA CELG Postes de Concreto Armado para Redes de Distribuição Especificação e Padronização NTC-01 Revisão 3 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO Código ETD-00.023 Data da emissão 28.12.1993 Data da última revisão 09.09.2009 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

ETD 007.01.53 POSTES DE CONCRETO ARMADO

ETD 007.01.53 POSTES DE CONCRETO ARMADO POSTES DE CONCRETO ARMADO Projeto: Dezembro de 2010 Palavras Chave: Postes, Concreto, Rede de Distribuição. Cooperativas Filiadas a FECOERGS: CELETRO Cachoeira do Sul CERFOX Fontoura Xavier CERILUZ Ijuí

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Local da Realização dos Serviços 02 5.2. Responsabilidade a cargo da DMED

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título: CRUZETAS POLIMÉRICAS PARA REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Código ETD-00.059 Data da emissão 04.07.2012 Data da última revisão Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 05/14 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 05/14 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I TUBOS DE PEAD 1 - OBJETIVO 1.1 A presente licitação tem por objeto o fornecimento e entrega, pela empresa a ser CONTRATADA, de tubos de POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE PE 100

Leia mais

COMPANHIA MUNICIPAL DE ENERGIA E ILUMINAÇÃO-RIOLUZ DIRETORIA TECNOLÓGICA E DE PROJETO DTP GERÊNCIA TECNOLÓGICA E DE DESENVOLVIMENTO GTD EM-RIOLUZ-14

COMPANHIA MUNICIPAL DE ENERGIA E ILUMINAÇÃO-RIOLUZ DIRETORIA TECNOLÓGICA E DE PROJETO DTP GERÊNCIA TECNOLÓGICA E DE DESENVOLVIMENTO GTD EM-RIOLUZ-14 DIRETORIA TECNOLÓGICA E DE PROJETO DTP GERÊNCIA TECNOLÓGICA E DE DESENVOLVIMENTO GTD EM-RIOLUZ-14 POSTES DE CONCRETO EMISSÃO 17 08-01-15 Página 1 de 20 1 OBJETIVO. SUMARIO 2 DEFINIÇÕES E CONVENÇÕES. 2.1

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA AQUISIÇÃO DE ESTRUTURAS DE BARRAMENTOS SE... ETAPA...

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA AQUISIÇÃO DE ESTRUTURAS DE BARRAMENTOS SE... ETAPA... 4.3.3 Estruturas DIRETORIA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO DIVISÃO DE SUBESTAÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA AQUISIÇÃO DE ESTRUTURAS DE BARRAMENTOS SE... ETAPA... 1 Í N D I C E SEÇÃO I OBJETO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO OBJETO. Constitui objeto deste Termo de Referência a aquisição de 06 (seis) troféus em acrílico.

ESPECIFICAÇÃO DO OBJETO. Constitui objeto deste Termo de Referência a aquisição de 06 (seis) troféus em acrílico. ESPECIFICAÇÃO DO OBJETO 1. DO OBJETO Constitui objeto deste Termo de Referência a aquisição de 06 (seis) troféus em acrílico. 2. ESPECIFICAÇÃO DO OBJETO Item Descrição Quantidade Troféu para o vencedor

Leia mais

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO PLUG TERMINAL COM CAPA (PTC) 600 A 8,7 / 15 KV OPERAÇÃO SEM CARGA SUMÁRIO ITEM CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Edição Data Alterações em relação à edição anterior Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Planeja o Desenvolvimento da Rede Código Edição Data VR01.01-00.015 Folha 6ª 1 DE 23 29/05/2012 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data

Leia mais

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos NBR 7483/2005 Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos OBJETIVO Fixar os requisitos para fabricação, encomenda, fornecimento e recebimento de cordoalhas de aço de alta resistência de três

Leia mais

Tabela 4 Poste de seção duplo T, tipo D, na direção de menor inércia... 13

Tabela 4 Poste de seção duplo T, tipo D, na direção de menor inércia... 13 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. REFERÊNCIAS... 3 3. CONDIÇÕES GERAIS... 5 4. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS... 8 5. Requisitos Específicos... 13 6. Inspeção... 19 7. INFORMAÇÕES A SEREM FORNECIDAS COM A PROPOSTA...

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA LÂMPADAS A VAPOR DE METÁLICO DME SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CHAVES DE AFERIÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CHAVES DE AFERIÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CHAVES DE AFERIÇÃO 1. OBJETIVO Este Termo de Referência define requisitos que devem ser observados pelos interessados, para o fornecimento de chave de aferição à CEEE-D, em complementação

Leia mais

BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA

BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA Especificação Técnica 02.112 - TI/SI 917a GERÊNCIA DE SUPORTE EM INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA

Leia mais

Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais.

Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. 1 Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

Leia mais

Número: TERMO DE REFERÊNCIA PRL 001/2012. Data: PRL Gerência do Programa Luz para Todos 26/01/2012 1.0 - OBJETO/FINALIDADE:

Número: TERMO DE REFERÊNCIA PRL 001/2012. Data: PRL Gerência do Programa Luz para Todos 26/01/2012 1.0 - OBJETO/FINALIDADE: 1.0 - OBJETO/FINALIDADE: Aquisição de 7.812 Unidades de Medição Eletrônica de Energia Elétrica, 1 elemento, 1 fase, 3 fios, 240V e 15(100)A para implantação em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO PARA TELHAS CERÃMICAS E TELHAS DE CONCRETO Portaria Inmetro nº 005/2013

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO PARA TELHAS CERÃMICAS E TELHAS DE CONCRETO Portaria Inmetro nº 005/2013 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria de Avaliação da Conformidade- Dconf Divisão de Fiscalização

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MANUTENÇÃO CORRIVA EM TRANSFORMADORES DE SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Local da Realização dos Serviços

Leia mais

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014.

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO ETM 006 VERSÃO 02 Jundiaí 2015 ETM Especificação Técnica de Material CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE

Leia mais

Procedimento de obra para recebimento de bloco cerâmico Estrutural

Procedimento de obra para recebimento de bloco cerâmico Estrutural Procedimento de obra para recebimento de bloco cerâmico Estrutural 1 OBJETIVO Procedimento padrão para recebimento blocos estruturais cerâmicos; 2 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA NBR 15270-2:2005 Componentes

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

CEEE-D ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO POSTES POLIMÉRICOS. Código ETD-00.056 Data da emissão 05.10.2012 Data da última revisão 10.06.2013.

CEEE-D ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO POSTES POLIMÉRICOS. Código ETD-00.056 Data da emissão 05.10.2012 Data da última revisão 10.06.2013. ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título: POSTES POLIMÉRICOS Código ETD-00.056 Data da emissão 05.10.2012 Data da última revisão 10.06.2013 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3 Definições 4

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Operação 03 5.2. Materiais e Construção 04 6. PROCEDIMENTOS

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão geral do documento 02 Adequação dos registros e padrões Adequação para o Sistema de Gestão Integrado, alteração do Item

Leia mais

PIM - PROCEDIMENTO PARA INSPEÇÃO DE MATERIAL PARAFUSO E PORCA PARA TALA DE JUNÇÃO ABNT SUMÁRIO

PIM - PROCEDIMENTO PARA INSPEÇÃO DE MATERIAL PARAFUSO E PORCA PARA TALA DE JUNÇÃO ABNT SUMÁRIO PIM - PROCEDIMENTO PARA INSPEÇÃO DE MATERIAL PARAFUSO E PORCA PARA TALA DE JUNÇÃO ABNT SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DEFINIÇÃO - CARACTERÍSTICAS - FABRICAÇÃO 3. FORMA - DIMENSÃO 3.1 - PARAFUSO 3.2 - PORCA 4.

Leia mais

CRITÉRIO DE EXECUÇÃO CE-003/2009 R-01

CRITÉRIO DE EXECUÇÃO CE-003/2009 R-01 DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT /2009 CRITÉRIO DE EXECUÇÃO /2009 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Este documento apresenta diretrizes e critérios básicos necessários

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E-62.014

ESPECIFICAÇÃO E-62.014 ESPECIFICAÇÃO E-62.014 Transformador de Corrente com Tensão Igual ou Superior a 69 kv Processo: Medição e Perdas Versão: 0.0 Início de Vigência: 30-01-2014 Órgão de Origem: Divisão de Medição e Proteção

Leia mais

CONTROLE DIMENSIONAL CALDEIRARIA INSTRUÇÕES AO CANDIDATO

CONTROLE DIMENSIONAL CALDEIRARIA INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo orientar os candidatos na execução de provas práticas, na qualificação de Inspetor de Controle Dimensional, modalidade Caldeiraria. 2. REGRAS

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

PGQ-2 PROGRAMA DE GARANTIA DA QUALIDADE DE COMPONENTES PARA CONSTRUÇÃO CIVIL FABRICADOS COM PERFIS DE PVC SETORIAL JANELAS

PGQ-2 PROGRAMA DE GARANTIA DA QUALIDADE DE COMPONENTES PARA CONSTRUÇÃO CIVIL FABRICADOS COM PERFIS DE PVC SETORIAL JANELAS AFAP-PVC: TESIS: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE PERFIS DE PVC PARA CONSTRUÇÃO CIVIL TECNOLOGIA DE SISTEMAS EM ENGENHARIA REFERÊNCIA: PGQ 2 - F - PGQ-2 PROGRAMA DE GARANTIA DA QUALIDADE DE COMPONENTES

Leia mais

PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL ARRUELA DE PRESSÃO DUPLA

PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL ARRUELA DE PRESSÃO DUPLA PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL ARRUELA DE PRESSÃO DUPLA SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DEFINIÇÃO - CARACTERÍSTICAS - FABRICAÇÃO 3. FORMA DIMENSÕES TOLERÂNCIAS 4. CALIBRES PARA INSPEÇÃO 5. INSPEÇÃO

Leia mais

Caixa para medidor polifásico com trava na tampa e visor

Caixa para medidor polifásico com trava na tampa e visor FIRUGA 1: CAIXA COM TAMPA 227 VISTA SUPERIOR 114 57 A 14 209 345 45 LENTE 46 171 PRÉ-FURO Ø5 53 VISTA LATERAL ESQUERDA Ø2 FURO PARA LACRE A VISTA FRONTAL MÍN. 10,5 15 LUVA W1/4 VISTA LATERAL DIREITA 48

Leia mais

ANEXO 01 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ARMÁRIOS PARA CRMS

ANEXO 01 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ARMÁRIOS PARA CRMS Página 1 de 5 ÍNDICE DE REVISÕES REV. DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 0 PARA LICITAÇÃO ORIGINAL REV. A REV. B REV. C REV. D REV. E REV. F DATA 01.08.11 25.04.14 EXECUÇÃO JADR AF VERIFICAÇÃO JADR JADR APROVAÇÃO

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D Ferramentas Manuais Especificação NTS-07 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D Ferramentas Manuais Especificação NTS-07 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Ferramentas Manuais Especificação NTS-07 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 4 4. CONDIÇÕES GERAIS

Leia mais

ETEM 41. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE TRANSFORMADORES DE POTENCIAL COM TENSÃO MÁXIMA IGUAL OU SUPERIOR A 69 kv Revisão, 2 de setembro de 2011

ETEM 41. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE TRANSFORMADORES DE POTENCIAL COM TENSÃO MÁXIMA IGUAL OU SUPERIOR A 69 kv Revisão, 2 de setembro de 2011 ETEM 41 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE TRANSFORMADORES DE POTENCIAL COM TENSÃO MÁXIMA IGUAL OU SUPERIOR A 69 kv Revisão, 2 de setembro de 2011 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...4 1.1 TABELAS DE CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS GARANTIDAS...4

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT 034/2008 PADRÃO DE ESTRUTURA PE-034/2008 R-02 ESTRUTURAS ESPECIAIS

DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT 034/2008 PADRÃO DE ESTRUTURA PE-034/2008 R-02 ESTRUTURAS ESPECIAIS DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT 034/2008 PADRÃO DE ESTRUTURA PE-034/2008 R-02 ESTRUTURAS ESPECIAIS FOLHA DE CONTROLE PADRÃO DE ESTRUTURA ESTRUTURAS ESPECIAIS Código Página

Leia mais

DEPARTAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO

DEPARTAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO 1 OBJETIVOS Esta norma estabelece os requisitos, condições técnicas mínimas e os procedimentos a serem seguidos na elaboração e apresentação de projetos de compartilhamento de infraestrutura das redes

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-195/2011 R-02

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-195/2011 R-02 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-195/2011 R-02 CAIXA DE MEDIÇÃO PARA UNIDADES CONSUMIDORAS DO GRUPO B FOLHA DE CONTROLE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CAIXA DE MEDIÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 86, de 26 de maio de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 29 / 07 / 2011 1 de 5 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para parafuso U 16x270mm utilizado nas Linhas de Distribuição da CEMAR. 2 CAMPO

Leia mais

PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL RETENSOR PARA VIA FÉRREA

PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL RETENSOR PARA VIA FÉRREA PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL RETENSOR PARA VIA FÉRREA SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DEFINIÇÃO - CARACTERÍSTICAS - FABRICAÇÃO 3. FORMA DIMENSÃO 4. CALIBRES PARA INSPEÇÃO 5. TOLERÂNCIAS 6. INSPEÇÃO

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO POSTES DE CONCRETO COM CAIXA INCORPORADA PARA ENTRADA DE UNIDADE CONSUMIDORA

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO POSTES DE CONCRETO COM CAIXA INCORPORADA PARA ENTRADA DE UNIDADE CONSUMIDORA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.0.0.005 ENTRADA DE UNIDADE CONSUMIDORA 0 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA-ES SUMÁRIO. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE REDE /25 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA /25 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Esta Especificação Técnica define os requisitos gerais

Leia mais

CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE

CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE PROJETO EXECUTIVO DE ESTRUTURAS METÁLICAS CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE MEMORIAL DESCRITIVO DE ESTRUTURAS METÁLICAS - CIE - R40-45 - R01 ESTRUTURA METÁLICA

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA 1 Solicitação de Abertura do Processo de Homologação 1.1 Os fornecedores interessados em ter seus materiais

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria n.º, de 0 de setembro de 00. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

4.3 Códigos Padronizados Conforme ANEXO II - ESPECIFICAÇÃO SUCINTA E DETALHADA.

4.3 Códigos Padronizados Conforme ANEXO II - ESPECIFICAÇÃO SUCINTA E DETALHADA. Elaborador: Mário Sérgio de Medeiros Damascena ET - 05.126.00 1 de 20 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de elo fusível para utilização nas

Leia mais

Tobogã com Escalada Mega. Manual de instruções

Tobogã com Escalada Mega. Manual de instruções Tobogã com Escalada Mega Manual de instruções Código do produto: MT.10812 Recomendado para crianças de 03 a 15 anos Parabéns! Você acaba de adquirir um brinquedo da Mundi Toys. Prezando pela sua segurança

Leia mais

PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009. 2.2.1. Painéis da caixa, inclusive o vertical interno, portas e prateleiras.

PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009. 2.2.1. Painéis da caixa, inclusive o vertical interno, portas e prateleiras. 1 CÓDIGO SUPRI: 71.654.002.001.0029-1 PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009 1. DESTINAÇÃO Para guarda de materiais de escritório em geral. 2. REQUISITOS GERAIS (VER DESENHOS

Leia mais

IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo A - Hidrantes de recalque do sistema de chuveiros automáticos 2 Aplicação B Sinalização dos Hidrantes de Recalque do Sistema de chuveiros

Leia mais

Defensas metálicas de perfis zincados

Defensas metálicas de perfis zincados MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Esta especificação cancela as padronizações P-01 e P-02 da especificação E-313.0001.

Esta especificação cancela as padronizações P-01 e P-02 da especificação E-313.0001. MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0010 POSTES DE CONCRETO ARMADO PARA

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 3.1. Siglas 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Características Gerais 03 5.2. Características Específicas e Exclusivas

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA 1 Conteúdo Introdução... 3 Objetivo... 3 Esclarecimentos... 3 O que é considerado garantia... 4 O que são considerados itens de manutenção... 4 O que são considerados materiais

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-124/2007 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-124/2007 R-00 /27 R- RECEBIMENTO, ARMAZENAMENTO, EXPEDIÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE ESTOQUE NAS DOCUMENTO NORMATIVO I MAR/27 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 DISPOSIÇÕES GERAIS...1 2.1 APLICAÇÃO...1 2.2 RESPONSABILIDADE...1

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria n.º 186, de 04 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-068/2010 R-03

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-068/2010 R-03 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-068/2010 R-03 FOLHA DE CONTROLE DECISÃO TÉCNICA Código Página Revisão Emissão DT-068 I 03 OUT/2010 APRESENTAÇÃO As prescrições

Leia mais

Instalação Concluida. IMPORTANTE: Não solte o conjunto Base-Projetor até que ele esteja. perfeitamente fixado ao suporte.

Instalação Concluida. IMPORTANTE: Não solte o conjunto Base-Projetor até que ele esteja. perfeitamente fixado ao suporte. IMPORTANTE: Não solte o conjunto Base-Projetor até que ele esteja perfeitamente fixado ao suporte. Após ter girado o conjunto inferior alinhando os furos como indicado abaixo, insira o parafuso allen no

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-199/2012 R-03

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-199/2012 R-03 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT /2012 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA /2012 R-0 FOLHA DE CONTROLE I 0 APRESENTAÇÃO A presente Especificação Técnica define os requisitos gerais, recomendações

Leia mais

CAPÍTULO 3 INSPEÇÃO E METROLOGIA

CAPÍTULO 3 INSPEÇÃO E METROLOGIA CAPÍTULO 3 INSPEÇÃO E METROLOGIA 3.1. INSPEÇÃO Conjunto de procedimentos técnicos com a finalidade de classificar o produto ou lote de produtos em aceito ou rejeitado. Pode ser efetuada em: Produtos acabados

Leia mais

Portaria Inmetro nº 528, de 03 de dezembro de 2014.

Portaria Inmetro nº 528, de 03 de dezembro de 2014. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria Inmetro nº 528, de 03 de dezembro de 2014. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Cent rais Elétricas de R ondônia S /A Cons t rução da S ubes tação de Alto P araís o PROJETO BÁSICO 001/2005

Cent rais Elétricas de R ondônia S /A Cons t rução da S ubes tação de Alto P araís o PROJETO BÁSICO 001/2005 PROJETO BÁSICO 001/2005 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA CONSTRUÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE ALTO PARAÍSO 34,5/13.8 kv 10/12,5MVA 1- OBJETIVO Este projeto tem por finalidade especificar os serviços para CONTRATAÇÃO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Código: ET: 07-02-202 SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Características Gerais

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece as condições necessárias para a concessão da Autorização para Uso do Selo de Identificação

Leia mais

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM Tarefas Envolvidas no Projeto de Operações de Usinagem: Planejamento do roteamento operações para fabricar uma peça ordem lógica Instruções suficientemente detalhadas para execução da usinagem? Projeto

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ITEM DESCRIÇÃO QUANT. UNIDADE DE MEDIDA III INFORMAÇÕES TÉCNICAS DOS PRODUTOS A SEREM ADQUIRIDOS ESPECIFICAÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA ITEM DESCRIÇÃO QUANT. UNIDADE DE MEDIDA III INFORMAÇÕES TÉCNICAS DOS PRODUTOS A SEREM ADQUIRIDOS ESPECIFICAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA I - OBJETO I.I Constitui objeto a aquisição de bandeiras oficiais do Brasil e do Distrito Federal e confecção de bandeira oficial do FNDE de acordo com as especificações, quantidades

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS Este documento tem por finalidade regulamentar o fornecimento de equipamentos e serviços pela ENGEVAP ENGENHARIA E EQUIPAMENTOS LTDA., de acordo com a legislação em

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MEDIDOR DE ENERGIA ELRICA ELRÔNICO SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Serviço 03 5.2. Características

Leia mais

Portaria n.º 558, de 19 de novembro de 2013.

Portaria n.º 558, de 19 de novembro de 2013. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 558, de 19 de novembro de 2013. O PRESIDENTE

Leia mais

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO Exigências Mínimas 1 Objetivo Estabelecer as condições mínimas para construção de postes de concreto armado ou concreto protendido, destinados à utilização em entradas de serviço de unidades consumidoras,

Leia mais

Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045

Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045 Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045 Tubo de Concreto Armado para Esgoto Sanitário Especificação São Paulo Maio - 1999 NTS 045 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1 2 REFERÊNCIAS

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 33,de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais