Procura de Codificadores BGU para utilização em Códigos com Concatenação Serial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Procura de Codificadores BGU para utilização em Códigos com Concatenação Serial"

Transcrição

1 Procura de Codificadores BGU para utiização em Códigos com Concatenação Seria Manish Sharma e Jaime Portugheis Resumo Este artigo apresenta um método para a procura de codificadores a serem utiizados em códigos com concatenação seria, baseado em diretrizes de projeto previamente estabeecidas. Utiiza-se do conceito de codificadores binariamente geometricamente uniformes (BGU) para se garantir que as distâncias Eucidiana mínima e efetiva entre as seqüencias geradas são equivaentes aos pesos Eucidiano mínimo e efetivo. A utiização deste tipo de codificadores também garante a propriedade de uniformidade de erro de bit (UBEP). Um exempo da utiização do método é mostrado. Paavras-Chave Códigos Convoucionais, Concatenação Seria, Codificadores BGU, UBEP. Abstract This paper presents a method for the search of encoders to be used in a seriay concatenated coding scheme, based on previousy determined project guideines. The concept of Bit Geometricay Uniform (BGU) encoders is used to assure that the minimum and free effective eucidian distances between sequences are equivaent to the minimum and free effective eucidian weights. By using this type of encoders we aso guarantee the uniform bit error property (UBEP). One exampe of the method s usage is shown. Keywords Convoutiona Codes, Seria Concatenation, BGU encoders, UBEP. I. INTRODUÇÃO Códigos Turbo apresentam desempenhos muito próximos dos imites teóricos com uma compexidade de impementação razoáve. Esses códigos se baseiam na concatenação paraea de dois códigos mais simpes, utiizando um entreaçador entre ees. Códigos com concatenação seria (CCS) diferem dos códigos turbo por concatenar um código externo com um código interno, também através de um entreaçador. Esses códigos apresentam, em aguns casos, desempenho mehor do que os códigos Turbo. O projeto de um sistema com concatenação seria difere do projeto de um sistema com concatenação paraea porque existe uma dependência maior entre os códigos no primeiro caso. Assim, somos imitados na escoha de um código interno dado um código externo, considerando propriedades deste para projetar o código interno de modo a tornar o desempenho do sistema o mehor possíve. O imitante superior anaítico para a probabiidade de erro de bit é dominado pea distância eucidiana de seqüências de informação que geram seqüências internas com um peso de Hamming específico. Esta distância é chamada de distância Manish Sharma e Jaime Portugheis Departamento de Comunicações, Facudade de Engenharia Eétrica e de Computação, Universidade Estadua de Campinas, Campinas, Brasi, E-mais: Este trabaho foi parciamente financiado peo CNPq (bosa 13154/004-8) e FAPESP (projeto 0/ ) Eucidiana ivre efetiva, d ef. O código interno deve ser preferenciamente recursivo para que haja sempre um ganho ao se utiizar um entreaçador. Em [1], rotuamentos e codificadores binariamente geometricamente uniformes (BGU) foram introduzidos e utiizados para projetar um codificador interno de um CCS. Os resutados obtidos foram promissores, com um aumento significativo na d ef. Condições para a existência destes rotuamentos e códigos foram apresentados. Entretanto, um método para a construção de tais códigos com bons parâmetros não foi proposto. Tentamos preencher esta acuna através de um método que permite controar razoavemente o peso Eucidiano de segmentos críticos de seqüências internas que dominam o imitante anaítico da probabiidade de erro de bit. Na seção II, revisamos os rotuamentos e codificadores BGU. Na seção III, revisamos os imitantes de probabiidade de erro de bit para CCS. Na seção IV, expomos o nosso método e mostramos que ee gera codificadores BGU, exempificando. E na seção V, anaisamos os resutados obtidos. II. ROTULAMENTOS E CODIFICADORES BGU Seja uma consteação geometricamente uniforme(gu) S com grupo gerador G, onde as regiões de decisão são congruentes. Seja um rotuamento ε[s i ] : S H k, s i S, e H k o espaço de Hamming com k bits. Como há uma reação um para um entre os eementos de G e os de S, podemos dizer que ε é um rotuamento G H k. Se o rotuamento ε satisfaz a seguinte propriedade : d h (ε(g i ), ε(g j )) = w h (ε(g 1 j g i )) g i, g j G, (1) onde d h (a, b) é a distância de Hamming entre a e b, e w h (a) é o peso de Hamming de a, ee possui a propriedade de uniformidade de erro de bit (UBEP), i.e., a probabiidade de erro de bit independe da seqüencia enviada [1]. Assim, a uniformidade geométrica da consteação se extende à uniformidade de bit, e ε é binariamente geometricamente uniforme(bgu). A UBEP nos permite anaisar a probabiidade de bit observando somente um dos sinais transmitidos. Vemos na figura 1 (a) um exempo de rotuamento BGU para a consteação 8-PSK, utiizando o grupo D 4 como gerador. Anaogamente, a probabiidade de erro de bit, P b (e), em codificadores BGU independe da seqüencia transmitida. Logo, podemos anaisar todo o desempenho do código observando somente os pesos das seqüencias transmitidas, já que estes pesos são as distâncias para a paavra toda nua. Códigos de treiça (do ingês: Treis Coded Moduation - TCM) com codificadores BGU são matematicamente descritos através do seguinte teorema [1]:

2 Teorema 1: Seja S uma consteação GU e C S Z um TCM GU invariante no tempo sobre S e T um dos grupos de uma seção de treiça. Se um codificador binário E[C, k]:c H k satisfaz: d h (E(t i ), E(t j )) = w h (E(t i t 1 j )) t i, t j T, () ee possui a UBEP. O seguinte teorema de [1] contém as condições necessárias e suficientes para que um codificador seja BGU: Teorema : Seja S uma consteação GU, e C S Z um TCM GU invariante no tempo sobre S e T um dos grupos de uma seção de treiça. Seja A um subconjunto de T que contém todos os ramos que são rotuados pea paavra toda nua. Seja S 0 um subconjunto de S com os sinais associados aos ramos que partem do estado identidade. Seja F 0 o subconjunto de T que contém todos os ramos que partem do estado identidade. Um codificador binário E[T, k] é BGU se e somente se as seguintes condições são satisfeitas para peo menos um dos possíveis T s: E 0 [F 0, k] é um rotuamenteo BGU para F 0 ; E j (f a) = E 0 (f),para todo f F 0, e para todo a j A; A é um subgrupo de T, i.e., T = F 0 A, onde denota o produto semi-direto; Para todo a j A, w h (E 0 (f)) = w h (E 0 (f )), com f = a 1 j f a j. Logo, a procura de um codificador BGU consiste em procurar E 0 e A. Todo este formaismo é necessário porque precisamos de agum tipo de estrutura para poder manipuar os codificadores. Ao nos restringirmos a codificadores BGU, arriscamos não obter a soução ótima. Embora todos os codificadores BGU possuam a UBEP, é possíve que codificadores não BGU a possuam também. Como motivação mostramos a figura 1 (b), que possui a UBEP mas não é BGU. Para rotuamentos BGU, é trivia mostrar que w H (E(g)) = w H (E(g 1 )). A consteação 8PSK admite como grupo gerador o grupo D 4 ou o grupo Z 8. Em ambos os casos, tomando o eemento 000 como identidade, temos que, para E(g) = 111, E(g 1 ) = 010, o que prova que o rotuamento não é BGU. Entretanto, a probabiidade de erro de bit independe do sina transmitido. Uma questão em aberto é como manipuar rotuamentos com UBEP sem recorrer aos rotuamentos BGU, e estender esta propriedade para abranger também consteações com dimensões maiores, possibiitando assim gerar códigos UBEP não BGU. A compexidade de uma procura para um rotuamento de uma consteação mutidimensiona por um rótuo com muitos bits torna a procura exaustiva proibitiva. III. CONCATENAÇÃO SERIAL DE CÓDIGOS E LIMITANTES DE PROBABILIDADE DE ERRO A concatenação seria de códigos consiste na utiização de mais de um código utiizados em cascata com um entreaçador de comprimento N entre ees que embaraha os bits de saída do código externo C e antes que estes bits aimentem o código interno C i, como mostra a figura. A taxa do sistema é k/p. Consideramos a aproximação por um código de boco equivaente de um CCS que possui um codificador interno Fig. 1. Fig.. 8-PSK (a) Rotuamento BGU. (b) Rotuamento com UBEP, não BGU Esquema de concatenação seria TCM BGU terminado (zero-tai). Utiizando a função de distribuição de pesos dos códigos, podemos escrever o imitante de união para P b (e) como: P b (e) NR o w=1 w NR o A o (w, )A i (, D) ( ) N D=e RcEs 4N 0 Por utiizarmos como código interno um codificador BGU, não precisamos percorrer todas as seqüencias de saída possíveis, pois utiizamos como referência somente a paavra toda nua. Nesta equação, temos os seguintes eementos: w = Peso de Hamming da paavra de entrada R o =Taxa do código externo N = Tamanho em bits do entreaçador = Peso de Hamming da paavra intermediária A o (w, ) = Número de paavras com peso de entrada w e peso de saída que o codificador externo gera quando o boco de entrada tem tamanho R o N. A i (, D) = IOWEF (do ingês: Input-Output Weight Enumerating Function) do código interno, para paavras com peso de entrada igua a E s = energia do sina, N 0 = densidade uniatera do ruído. Para os cácuos utiizamos o conceito de entreaçador uniforme como apresentado em [3]. Devido à sua presença, cada ( seqüência ) do código interno tem a probabiidade de 1 N de ser permutada para uma seqüência específica de entrada para o código interno, pois uma seqüência de entrada com peso de Hamming é distribuída uniformemente entre todas as possibiidades. A equação 3 pode ser re-escrita da seguinte forma: P b (e) d e Es N 0 d w w k (3) A o (w, )A i (, d) ( ) (4) N

3 onde A i (, d) é o número de seqüências com peso de Hamming de entrada que geram seqüências de saída com peso Eucidiano quadrático igua a d. Desta forma percebemos que, para grandes N s, paavras que tem grandes s intermediários não são reevantes para o desempenho do código. Assim, paavras com baixos vaores de d e baixos vaores de são as mais importantes. Para atos vaores da reação sina ruído (RSR), a distância mínima do código ainda domina o desempenho, já que a exponencia decai mais devagar quanto menor for o vaor de d. Paavras com atos vaores de k normamente geram seqüências com atos vaores de. Paavras com próximos a N normamente geram seqüências com atos pesos de saída, cuja infuência desaparece rapidamente com um aumento da RSR. A escoha apropriada do código externo infuencia no vaor do min, que é a distância ivre do código externo. Tanto o código externo como o interno devem ser escohidos de forma a minimizar a mutipicidade das seqüências, principamente aqueas com peso de Hamming intermediário baixo. Podemos perceber que o entreaçador é uma grande causa de ganho, distribuindo bem as seqüências intermediárias com peso de Hamming baixo. Na prática não existem entreaçadores uniformes, mas é possíve que haja aguns entreaçadores com desempenho igua ou mehor que o entreaçador idea. Assim, vamos seguir as seguintes diretrizes: Para seqüências com baixos vaores de, > d 0 f, onde d 0 f é a distância ivre do código externo, aumentar ao máximo a distância Eucidiana de saída, dando prioridade às paavras com menor. O termo a ser maximizado, caso (d 0 f ) seja par é: Para que haja sempre um ganho do entreaçador, o código interno deve ser recursivo, i.e, nenhuma seqüência de peso de entrada 1 deve gerar uma seqüência de saída com peso Eucidiano finito. Uma anáise mais detahada foi feita em [5]. IV. MÉTODO PARA GERAR CODIFICADORES BGU Nesta seção vamos mostrar como construir um codificador interno BGU para ser utiizado num sistema de concatenação seria. Como parâmetros de entrada temos a consteação S a ser utiizada, a distância de Hamming ivre do código externo e o tamanho em bits da entrada. Utiizaremos a seguinte nomencatura: S uma consteação, Σ m o conjunto dos estados de um codificador com m memórias, T um dos grupos que representa uma seção de treiça de um código TCM, composto peo estado inicia, sina e estado fina, F 0 o subgrupo de T com os ramos que saem do estado identidade, E 0 o mapeamento entre F 0 e o espaço de Hamming correspondente e H k um grupo de entrada. Não é necessário que o grupo de entrada seja todo o espaço de Hamming de tamanho k. Utiizaremos uma consteação 8P SK para um código de taxa 5/6. Representaremos os sinais desta consteação através do rótuo dado na figura 3. Utiizaremos dois codificadores externos, um com d o f = e outro com do f =3. e caso (d 0 f ) seja ímpar é: d o f d i f,ef (5) (d o f 3)di f,ef + h (3) m (6) onde h (3) m é peso mínimo das seqüências do código interno geradas por uma entrada com peso de Hamming 3, e d i f,ef é o peso Eucidiano mínimo das seqüências do código interno geradas por uma entrada com peso de Hamming igua a. O que se deseja através disso é aumentar o peso mínimo de um primeiro evento de erro do código interno. Para códigos externos com distância ivre ímpar, é muito vantajoso fazer com que h (3) m =, pois assim só há eventos de erro com peso par, tornando mais fáci o projeto do codificador interno. Fazer com que seqüências com peso Eucidiano baixo e menor do que a distância ivre efetiva tenham o peso de Hamming intermediário o maior possíve. Esta condição é ainda mais importante para o caso das paavras que geram seqüências com distância mínima do código interno. Assim, não somente minimizamos o número de seqüências de entrada que geram seqüências de saída com peso mínimo, mas também aproveitamos o ganho do entreaçador para minimizar o mutipicador do expoente da distância mínima. Desta forma, a distância mínima domina o imitante para vaores ainda maiores da RSR. Fig. 3. Consteação 8P SK e grupo associado Seguindo os seguintes passos, obtemos C i. 1 o passo: Escoher quantas memórias o código terá. O espaço de memórias será Σ m, isomorfo a Z m. Vamos construir um código com memórias. O espaço de estados será então isomorfo a Z. o passo: Escoher equações de paridade Q que definam o estado fina a partir do estado inicia e da paavra de entrada, resutando num mapeamento do par (H k,σ m ) em Σ m. Deve ser preferenciamente par, i.e, somente seqüências de entrada com peso de Hamming par geram seqüências que saem do estado identidade e retornam a ee mesmo. Isto faz com que h (3) min =, o que é desejáve. As equações devem ser escohidas de ta forma que minimizem a mutipicidade de caminhos com peso de Hamming de entrada e 4. Isso pode ser feito observando iniciamente as paavras que causam transições paraeas. Minimizar estas mutipicidades também eva a códigos com mehor desempenho.

4 O mapeamento do par (H k,σ m ) em Σ m é um dos dois fatores que infuencia a distância mínima do código, pois define as partições a serem utiizadas. Estas partições podem ser diferentes das partições normamente utiizadas na construção de bons códigos GU, pois estas não evam em conta as condições de otimização de um sistema com concatenação seria. Por exempo, em [4], a partição ótima com 4 eementos nos subconjuntos da consteação x8p SK foi gerada peo subgrupo: {00,44,04,40}. Se tivéssemos que associar o grupo binário {0000,1100, 1111,1100} a este subgrupo, as paavras com peso teriam peso Eucidiano 4, e a paavra com peso 4 teria peso 8. Se quiséssemos dar o maior peso possíve às paavras com peso, e ao mesmo tempo ter um rótuo BGU, poderíamos utiizar o subgrupo: {00,4,40,64}. Associando os eementos na mesma ordem em que aparecem, teríamos que as paavras com peso teriam peso 6, e a paavra com peso 4 teria peso 4. Note que, enquanto no primeiro caso o subgrupo é gerado por dois geradores de ordem, {44 e 40} (e o subgrupo é isomorfo a Z), o segundo é gerado por um único gerador de ordem 4 {4} (e o isomorfismo é com Z 4 ). Sendo a paavra de entrada do codificador interno representada peos 5 bits {b 1, b, b 3, b 4, b 5 }, escohemos as seguintes equações: p 1 = b 1 + b + b 3 + b 4 + b 5 p = b + b 3 + b 4 (7) Para fazer com que o código seja par, utiizamos as equações 8 abaixo para a definição das transições da treiça: E 1,k = p 1 + E 1,k 1 E,k = p + E 1,k 1 + E,k 1 (8) onde E i é o i-ésimo bit da memória, e k, k 1 são índices temporais. As paavras que causam uma transição paraea são: {00000, 10001, 01100, 01010, 00110, 11101, 11011, 10110}. 3 o passo: Escoher grupo gerador C de S. Há mais de uma possibiidade. Para a consteação 8P SK utiizaremos o grupo D4. Outras possibiidades seriam D 4 Z 8 e Z8. 4 o passo: Escoher um grupo de igação L, que seja tanto um grupo de simetria de H k como de um subgrupo G C. Não faremos mais distinção entre o conjunto de eementos de H k e o grupo que gera este conjunto. Escoher geradores de H k cuja reação entre si seja a mesma da reação dos geradores de L. Os geradores de H k podem ser descritos através de combinações de permutações e somas. Este conjunto será chamado de C H. Escoher geradores de S que satisfaçam à mesma condição. Este conjunto será chamado de C G, pois seus eementos geram o subgrupo G.apeamento do par (H k,σ m ) em Σ m O grupo L faz com que o grupo H k e C sejam estruturamente os mesmos, e o homomorfismo existente entre ees seja um automorfismo trivia, com apenas uma troca de nomes. No nosso caso, C será um dos grupos que representa uma seção de treiça, contendo somente os eementos que saem do estado identidade. Futuros isomorfismos de C definirão o subgrupo F 0 da treiça. Dado um mapeamento dos eementos de C H em C G, existe no máximo um homomorfismo de H k em G [6]. Sejam g 1, g (h 1, h ) geradores de G(H). Teremos este isomorfismo se: f : G H, f(g 1 g ) = h 1 h É fáci perceber que o homomorfismo é um rotuamento BGU. Assim sendo, já garantimos esta propriedade. Basta agora procurar entre os possíveis codificadores BGU, aquee que tem as mehores características. Como o grupo de entrada tem 3 eementos (H 5 ), o grupo que utiizaremos para representa-o será o D(Z 4 Z 4 ). Há outras possibiidades, mas escohemos esta por ter poucos geradores com ordem baixa. As reações entre os geradores deste grupo são: r 4 1 = r 4 = s = (r 1 s) = (r s) = (r 1 r s) = er 1 r = r r 1 5 o passo: Procurar mapeamentos do conjunto C H que gerem automorfismos em H k, dando preferência à geradores com baixo peso de Hamming. Deve haver um mapeamento entre os geradores do espaço de Hamming e eementos do espaço Z m. Isto é: Q(e i, p) = e f, Q(e i, p g) = g (e f ) (9) para todo e i, e f Σ m, g gerador de L pertencente a C H e p uma paavra de entrada. A função g () é uma operação de soma sobre Z m. Através deste automorfismo obtemos um novo automorfismo I H : H k H k, que é competamente determinado peo mapeamento dos geradores. A tabea VI mostra três possibiidades de se gerar H 5 através das reações entre os geradores definidas anteriormente. Os primeiros 5 termos indicam uma permutação, os útimos 5 termos indicam o que deve ser somado, móduo, ao eemento inicia. Parte-se da identidade (00000) para gerar H 5. TABELA I GERADORES DE H 5 r 1 r s (5431)(11000) (1435)(01100) (1345)(00111) (1345)(10000) (1354)(00001) (1345)(01110) (1435)(01100) (5431)(10000) (1345)(00011) A primeira inha fornece um bom controe sobre a posição das paavras que causam uma transição paraea, aém de permitir um controe sobre o estado fina. De acordo com as equações de paridade, a apicação de r 1, r e s sobre o espaço de estados eva às equações 10 abaixo, utiizando a representação binária, onde E i representa o estado inicia: r 1 (E i ) = E i, r (E i ) = E i (10), s(e i ) = E i (11), (10) Assim temos um isomorfismo de H k ou G em Σ m. 6 o passo: Conhecemos a ordem dos geradores que geram segmentos críticos (i.e., todas a transições paraeas, sendo mais importantes aqueas com peso baixo, ou, ramos que saem do estado identidade com peso 1 ). Procurar automorfismos

5 do subgrupo gerado por C G de modo a fornecer atos pesos Eucidianos para estes ramos críticos. Obtemos assim uma função I G : G G. Este automorfismo é competamente determinado peo mapeamento dos geradores. Este ponto é extremamente importante na otimização do código. Como critério para a escoha do automorfismo, vamos tentar maximizar o peso Eucidiano das paavras com peso que causam uma transição paraea. Isto nos fornece um imite superior para d i f,ef. Vamos também fazer com que as paavras com peso de entrada 1 tenham no mínimo a metade deste vaor. Vamos também tentar fazer com que os sinais com baixo peso Eucidiano tenham atos pesos de Hamming de entrada, de modo que a infuência destes seja minimizada devido ao ganho do entreaçador. A tabea II mostra três possibiidades de se gerar subgrupos de 3 eementos de 8P SK utiizando-se a representação da figura 3 e geradores que respeitam a ei acima, sendo assim isomorfos ao grupo D(Z 4 Z 4 ). TABELA II GERADORES DE 3 ELEMENTOS EM 8P SK r 1 r s ( 0) (0 ) (1 1) ( 4) (0 ) (3 5) ( 4) ( ) (1 5) A utima inha fornece bons vaores para paavras com peso que causam transições paraeas e também fornece bons pesos Eucidianos para as paavras com peso 1 e que saem do estado identidade. 7 o passo: Associar os grupos até agora definidos da seguinte forma: I H (H) H k L G S I G (G) (11) Como um homomorfismo de um homomorfismo ainda é um homomorfismo, ainda temos um homomorfismo de H k em G, o que faz com que o código seja BGU. Através deste mapeamento obtemos E 0. Este mapeamento (que é um isomorfismo) é competamente determinado peo mapeamento dos geradores. O estado inicia de cada ramo é o estado identidade, e o estado fina é obtido através das equações 10. Assim, temos o subgrupo F 0 de T. A associação fina obtida é definida pea tabea III TABELA III ASSOCIAÇÃO DE GERADORES Gerador de H 5 Gerador de G (5431)(11000) ( ) (1435)(01100) ( 4) (1345)(00111) (1 5) 8 o passo: Encontrar candidatos para o grupo A. Dentre todos os eementos do grupo S, escoher aquees que satisfazem à condição: wh(e 0 (f)) = wh(e 0 (a f a 1 )) (1) para todo f F. Estes candidatos formam o conjunto A. Para o código que estamos procurando, os candidatos encontrados foram :{00, 03, 04, 07, 30, 33, 34, 37, 40, 43, 44, 47, 70, 73, 74, 77}. 9 o passo: Para cada estado distinto da identidade, definir qua a paavra de entrada do codificador interno que causa uma transição que faz com que o codificador retorne ao estado identidade. Estas paavras estão associadas, através de E 0, a sinais. Esta é a partição da consteação que, ao ser mutipicada por um eemento a apropriado, gera os sinais que fazem o codificador retornar ao estado identidade. 10 o passo: Para cada estado e para candidato de A, obter o vetor d ij ( ), mutipicando a partição obtida no nono passo para o i-ésimo estado peo j-ésimo eemento de A. O n- ésimo termo de d ij ( ) possui a distância Eucidiana mínima que resuta da mutipicação para o ramo com rótuo cujo peso de Hamming é igua a n, n k passo: Organizar os vetores d ij ( ), em reação a j, para cada estado i. Os mehores são aquees que resutam no maior vaor para a primeira dimensão do vetor. Entre estes os mehores são aquees que resutam no maior vaor para a segunda dimensão, e assim sucessivamente, até a utima dimensão. Se, para aguma dimensão a distância Eucidiana for zero, o vetor geraria codificadores ruins, e deve ser coocado no fim da cassificação. Os passos anteriores resutam na tabea IV TABELA IV CANDIDATOS À FORMAREM O GRUPO A Por definição, o passo: Através da cassificação obtida, tentar formar um grupo com o mehor candidato possíve para cada estado. Devemos evitar escohas de candidatos que resutem, na treiça, em auto-aços com peso Eucidiano nuo (com peso de Hamming não nuo), pois isso faria com que paavras com ato peso de Hamming teriam baixo peso Eucidiano de saída. Também devemos escoher os candidatos de modo a utiizar todos os sinais da consteação. A escoha dos candidatos deve ser de ta forma que ees formem um grupo isomorfo ao grupo de estados Σ m. Não é úti fazer com que um ramo com peso de entrada 1 tenha peso Eucidiano muito maior do que d i f,ef, pois isso não resutaria em nenhum grande ganho. Os menores pesos Eucidianos devem ficar com sinais com os maiores pesos de Hamming. Devemos também tentar tornar a distância mínima

6 do código ata, pois para atos vaores da RSR, é esta distância que determina o desempenho do código. Como não conseguimos montar o grupo desejado com o mehor para cada estado, escohemos sacrificar um pouco das distâncias das sequencias que saem do estado 11. Assim, chegamos à seguinte associação: TABELA V GRUPO A FINAL. Estado Eemento correspondente V. RESULTADOS A figura 4 apresenta os imitantes de união para o código encontrado aqui (código A) e para o código encontrado em [1] (código B). A inha com pontos indica o desempenho do código A e a inha cheia representa o desempenho para o código B. As inhas mais grossas são para o sistema com d 0 f igua a, e as inhas mais finas são para o caso com d0 f igua a 3. Comparado com o desempenho do código B, cujo código interno tinha apenas uma memória, podemos esperar uma mehora significativa no desempenho. TABELA VI CÓDIGO DE MEMÓRIAS, 5/6, MAPEADO EM X8PSK. Paavra Estado inicia de entrada Fig. 4. Desempenho de códigos O código encontrado, embora não possa ser representado através de somadores e registradores de desocamento, pode ser descrito através da tabea VI. O estado fina de cada ramo pode ser obtido utiizando as equações 7 e 8. REFERÊNCIAS [1] R. Gareo, G. Montorsi, S. Benedetto, D. Divsaar e F. Poara, Labeings and Encoders With the Uniform Bit Error Property With Appications to Seriay Concatenated Treis Codes,IEEE Transactions on Information Theory, v. 48, n. 1, p , Janeiro de 00. [] A. G. i Amat, G. Montorsi, S. Benedetto, Design and Decoding of Optima High-Rate Convoutiona Codes, IEEE Transactions on Information Theory, v. 50, n. 5, p , Maio de 004. [3] S. Benedetto, G. Montorsi, Unveiing Turbo Codes: Some Resuts on Parae Concatenated Coding Schemes, IEEE Transactions on Information Theory, v. 4, n., p , Março de [4] S. Benedetto, R. Gareo, M. Mondin, G. Montorsi, Geometricay Uniform Partitions of L x MPSK Consteations and Reated Binary Treis Codes, IEEE Transactions on Information Theory, v. 39, n. 6, p , Novembro de [5] S. Benedetto, D. Divsaar, G. Montorsi, F. Poara, Seria Concatenation of Intereaved Codes: Performance Anaysis, Design, and Iterative Decoding, IEEE Transactions on Information Theory, v. 44, n. 3, p , Maio de [6] S. Lang, Agebra,Addison-Wesey,1965. VI. CONCLUSÃO Embora não seja uma soução ótima para o probema, o método apresentado aqui fornece bons resutados. Uma única busca exaustiva foi substituída por três buscas guiadas, simpes o suficiente para poderem ser feitas a mão. O código encontrado foi utiizado num esquema de concatenação seria obtendo resutados mehores do que os anteriores, com compexidade não muito maior.

Estruturas de Betão Armado II

Estruturas de Betão Armado II Estruturas de Betão Armado II A. P. Ramos Set. 006 ANÁLISE ELÁSTICA DOS ESFORÇOS Métodos de anáise eástica dos esforços: Métodos anaíticos Séries de Fourier Métodos numéricos: - Diferenças Finitas - Eementos

Leia mais

11 Sistemas resolvem problemas

11 Sistemas resolvem problemas A UA UL LA Sistemas resovem probemas Introdução Na aua anterior, mostramos como resover sistemas de duas equações de 1º grau com duas incógnitas. Agora vamos usar essa importante ferramenta da matemática

Leia mais

Análise de Segurança Estática em Sistemas de Potência

Análise de Segurança Estática em Sistemas de Potência Universidade Federa do Rio de Janeiro Escoa Poitécnica Departamento de Engenharia Eétrica NOTAS DE AULA Anáise de Segurança Estática em Sistemas de Potência Prof. Carmen Lucia Tancredo Borges, D.Sc Juiana

Leia mais

Leandro Lima Rasmussen

Leandro Lima Rasmussen Resoução da ista de eercícios de Resistência dos Materiais Eercício 1) Leandro Lima Rasmussen No intuito de soucionar o probema, deve ser feita a superposição de casos: Um, considerando a chapa BC como

Leia mais

Exame Nacional de 2005 1. a chamada

Exame Nacional de 2005 1. a chamada Exame Naciona de 200 1. a chamada 1. Na escoa da Rita, fez-se um estudo sobre o gosto dos aunos pea eitura. Um inquérito reaizado incuía a questão seguinte. «Quantos ivros este desde o início do ano ectivo?»

Leia mais

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo A UU L AL A Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo, pra baixo todo santo ajuda, pra cima é um Deus nos acuda... Essas são frases conhecidas, ditos popuares

Leia mais

Triângulos especiais

Triângulos especiais A UA UL LA Triânguos especiais Introdução Nesta aua, estudaremos o caso de dois triânguos muito especiais - o equiátero e o retânguo - seus ados, seus ânguos e suas razões trigonométricas. Antes, vamos

Leia mais

ECV 5220 - ANÁLISE ESTRUTURAL II

ECV 5220 - ANÁLISE ESTRUTURAL II UNIVERSIDDE FEDERL DE SNT CTRIN CENTRO TECNOLÓGICO DEPRTMENTO DE ENGENHRI CIVIL ECV 5 - NÁLISE ESTRUTURL II Prof a Henriette Lebre La Rovere, Ph.D. Prof a Poiana Dias de Moraes, Dr Forianópois, fevereiro

Leia mais

Leiaute ou arranjo físico

Leiaute ou arranjo físico Leiaute ou arranjo físico A UU L AL A Quaquer posto de trabaho, incusive o nosso, está igado aos demais postos de trabaho, num oca quaquer de uma empresa. Esse oca pode ser uma área grande ou pequena.

Leia mais

2 O Problema do Fluxo de Custo Mínimo

2 O Problema do Fluxo de Custo Mínimo 2 O Probema do Fuo de Custo Mínimo 2.1. O Probema de Transbordo Os Probemas de Fuo de Custo Mínimo, doravante referenciados pea siga PFCM, encerram uma casse de probemas de programação inear ampamente

Leia mais

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito A UU L AL A Just-in-time Podemos dizer que estamos usando a técnica ou sistema just-in-time ou, abreviadamente, JIT, quando produzimos ago sem desperdício de matéria-prima; quando soicitamos e utiizamos

Leia mais

através do reticulado hexagonal

através do reticulado hexagonal Anais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Construção de códigos esféricos através do reticulado hexagonal Carina Alves UFU - Faculdade de Matemática Campus Santa Mônica 38408-100, Uberlândia, MG E-mail: carina

Leia mais

Aluno: Filipe Sacchi da Silva Orientador: Marco Antonio Meggiolaro. Figura 1 Primeira telecirurgia mundial

Aluno: Filipe Sacchi da Silva Orientador: Marco Antonio Meggiolaro. Figura 1 Primeira telecirurgia mundial Desenvovimento e controe de um manipuador robótico de ata potência com dois graus de iberdade Auno: Fiipe Sacchi da Siva Orientador: Marco Antonio Meggioaro. Introdução Na sociedade atua, há uma crescente

Leia mais

Unidade 8 - Trigonometria no Triângulo Retângulo. Trigonometria História Triângulo retângulo Teorema de Pitágoras Teorema de Tales

Unidade 8 - Trigonometria no Triângulo Retângulo. Trigonometria História Triângulo retângulo Teorema de Pitágoras Teorema de Tales Unidade 8 - Trigonometria no Triânguo Retânguo Trigonometria História Triânguo retânguo Teorema de Pitágoras Teorema de Taes História O significado etimoógico da paavra trigonometria vem do grego e resuta

Leia mais

4. SOLUÇÕES FUNDAMENTAIS

4. SOLUÇÕES FUNDAMENTAIS 4. SOLUÇÕES FUNDAMENAIS Como visto no Capítuo (Seção.), os métodos de anáise de estruturas têm como metodoogia a superposição de casos básicos. No Método das Forças os casos básicos são souções estaticamente

Leia mais

SEGUNDA LISTA DE EXERCÍCIOS Álgebra III MATEMÁTICA DCET UESC Humberto José Bortolossi. Grupos e Subgrupos H H

SEGUNDA LISTA DE EXERCÍCIOS Álgebra III MATEMÁTICA DCET UESC Humberto José Bortolossi. Grupos e Subgrupos H H SEGUNDA LISTA DE EXERCÍCIOS Ágebra III MATEMÁTICA DCET UESC Humberto José Bortoossi Grupos e Subgrupos (Entregar todos os exercícios até o dia 14/04/2004 [01] Sejam (G, um grupo, a um eemento de G e H

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software Aula 01

Princípios da Engenharia de Software Aula 01 Princípios da Engenharia de Software Aua 01 Prof.: José Honorato Ferreira Nunes honorato.nunes@bonfim.ifbaiano.edu.br Materia cedido por: Frankin M. Correia frankin.correia@bonfim.ifbaiano.edu.br Objetivo

Leia mais

É preciso fabricar adubo?

É preciso fabricar adubo? A U L A A U L A Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ É preciso fabricar adubo? O que você vai aprender Eementos essenciais para as pantas Fertiizantes NPK O que é um sa Queima da amônia Produção de ácido

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira Intervalar: Análise Intervalar de Investimentos

Introdução à Matemática Financeira Intervalar: Análise Intervalar de Investimentos Introdução à Matemática Financeira Intervaar: náise Intervaar de Investimentos Gabriea do Carmo Pantoa Duarte Depto de Informática e Matemática picada, CCET, UFRN 5907-970, Nata, RN E-mai: gabrieapantoa@yahoo.com.br

Leia mais

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação Organização do trabaho Neste móduo, você vai estudar agumas noções básicas de organização do trabaho. Na primeira aua é anaisada a importância do trabaho para o bem de cada um, da sociedade e da nação.

Leia mais

Por que o cobre não precisa de proteção?

Por que o cobre não precisa de proteção? Por que o cobre não precisa de proteção? AUUL AL A Sobre o atão A recicagem do cobre Os usos do cobre metáico Decapagem do cobre metáico Especificação de um produto Souções diuídas e concentradas O que

Leia mais

ESTABELECIMENTO DE LIMITES DE VIBRAÇÃO EM GRUPOS DIESEL-GERADORES

ESTABELECIMENTO DE LIMITES DE VIBRAÇÃO EM GRUPOS DIESEL-GERADORES ESTABELECIMENTO DE LIMITES DE VIBRAÇÃO EM GRUPOS DIESEL-GERADORES Erb Ferreira Lins Manoe José dos Santos Sena Mauro Guerreiro Veoso José Américo Braga Dutra Universidade Federa do Pará, Centro Tecnoógico,

Leia mais

MINHA VISÃO DO CAP 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS

MINHA VISÃO DO CAP 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS Os processos de ateração da estabiidade à agregação dos sistemas cooidais evam, em aguns casos, à separação em macro fases, isto é, contatos de fase ou coaescência e,

Leia mais

17 Como escolher um extintor de incêndio?

17 Como escolher um extintor de incêndio? A UA UL LA Como escoher um extintor de incêndio? O que você vai aprender Como apagar fogo Tipos de incêndios Tipos de extintores O que fazer em caso de incêndio? Seria bom já saber O que é fogo Composição

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 branca A P R E S E N TA Ç Ã O Construindo um novo futuro Para tornar-se íder goba em souções de transporte

Leia mais

No posto de gasolina

No posto de gasolina A UU L AL A No posto de gasoina Gaspar estava votando para casa, após passar um dia muito agradáve na praia, apesar da dor de ouvido. Ee parou num posto de gasoina para abastecer e verificar as condições

Leia mais

Cursos Profissionalizantes

Cursos Profissionalizantes Cursos Profissionaizantes O Teecurso Profissionaizante foi feito para você que está à procura de profissionaização; para você que está desempregado e precisa aprender uma profissão; para você que já estuda

Leia mais

Cálculo analítico das reações de apoio das lajes maciças de concreto

Cálculo analítico das reações de apoio das lajes maciças de concreto nais do XVI ncontro de Iniciação ientífica e Pós-Graduação do IT XVI NIT / 010 Instituto Tecnoógico de eronáutica São José dos ampos SP rasi 0 de outubro de 010 ácuo anaítico das reações de apoio das ajes

Leia mais

UFPa ESTRUTURAS DE CONCRETO II Prof Ronaldson Carneiro - Nov/2006

UFPa ESTRUTURAS DE CONCRETO II Prof Ronaldson Carneiro - Nov/2006 UFPa ESTRUTURAS DE CONCRETO II Prof Ronadson Carneiro - Nov/006 1. INTRODUÇÃO 1. DEFINIÇÃO: Eementos panos (pacas), geramente em posição horizonta, que apresentam uma dimensão, a espessura, muito menor

Leia mais

referência para Cálculo de Concreto Armado

referência para Cálculo de Concreto Armado UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS E FUNDAÇÕES ÍNDICE referência para Conceitos Básicos... Cargas Características... Esforços Soicitantes e Reações...

Leia mais

DIAGNÓSTICO E PROPOSTA PARA UTILIZAÇÃO DO ESTOQUE DE SEGURANÇA EM PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PLÁSTICOS. *E-mail: elpidio@unisc.

DIAGNÓSTICO E PROPOSTA PARA UTILIZAÇÃO DO ESTOQUE DE SEGURANÇA EM PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PLÁSTICOS. *E-mail: elpidio@unisc. DIAGNÓSTICO E PROPOSTA PARA UTILIZAÇÃO DO ESTOQUE DE SEGURANÇA EM PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PLÁSTICOS Epídio O. B. Nara 1 *, Leirson Eckert 2, Jaqueine de Moraes 3 1 SPI - Sistemas de Processos

Leia mais

Os aplicativos e sua utilização

Os aplicativos e sua utilização Os apicativos e sua utiização Baixando, Instaando e usando o Avast A B C D Os Apicativos Tipos de Apicativos Baixando e Instaando Usando o apicativo Tipos de Apicativos/Programas Os apicativos são programas

Leia mais

1 O mundo da Física. A curiosidade do homem pode ser compreendida

1 O mundo da Física. A curiosidade do homem pode ser compreendida A U A UL LA O mundo da Física A curiosidade do homem pode ser compreendida de várias maneiras: aguns dizem que vem de uma necessidade de sobrevivência, outros dizem que é uma forma de prazer ou, ainda,

Leia mais

Codificação de Canal

Codificação de Canal Laboratório de Processamento de Sinais Laboratório de Sistemas Embarcados Universidade Federal do Pará 26 de janeiro de 2012 Sumário 1 Introdução a 2 Códigos de Blocos Lineares 3 Códigos Cíclicos Introdução

Leia mais

Dimensional A B C. 1000(2x) 1000(3x) 1000(4x) 1000(5x) 1000(6x)

Dimensional A B C. 1000(2x) 1000(3x) 1000(4x) 1000(5x) 1000(6x) 64 novo Condensador Remoto a r 31011 550806 W 26670 473693 105832 1879733 BTU/h Baixo níve de ruído Mais eve e compacto Características técnicas ta eficiência térmica, resutando em e c o n o m i a d e

Leia mais

Problemas comuns Desenvolvimento e Design de Sistemas Web Categorias de problemas Exemplo de problema de funcionamento

Problemas comuns Desenvolvimento e Design de Sistemas Web Categorias de problemas Exemplo de problema de funcionamento Desenvovimento e Design de Sistemas Web Probemas comuns Web Sites ma definidos e projetados Necessidade de atuaização constante das informações: eternamente em construção Evoução extremamente rápida da

Leia mais

CAPÍTULO 6 CIRCUITOS SEQUENCIAIS IV: PROJETO DE REDES SEQUENCIAIS

CAPÍTULO 6 CIRCUITOS SEQUENCIAIS IV: PROJETO DE REDES SEQUENCIAIS 92 CAPÍTULO 6 CIRCUITOS SEQUENCIAIS IV: PROJETO DE REDES SEQUENCIAIS Sumário 6.. Introdução... 94 6... Máquina de Estados de Moore... 94 6..2. Máquina de Estados de Mealy... 95 6.2. Projeto de Redes Sequenciais...

Leia mais

Relação entre setores

Relação entre setores Reação entre setores Na empresa existem outros tipos de trabaho aém daquees que produzem bens, como automóveis, geadeiras etc. Esses trabahos precisam de pessoas especiaizadas para que toda a empresa possa

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2011 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2011 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 0 a Fase Profa. Maria Antônia Gouveia. QUESTÃO 0 Considere o conjunto de todos os números de cinco agarismos distintos, formados com os agarismos,, 5, 8 e 9. Escoendo,

Leia mais

Galaxy Dimension UMA SOLUÇÃO INTEGRADA ÚNICA PARA GERIR E PROTEGER PESSOAS E BENS, A NÍVEL GLOBAL. Uma nova dimensão em segurança

Galaxy Dimension UMA SOLUÇÃO INTEGRADA ÚNICA PARA GERIR E PROTEGER PESSOAS E BENS, A NÍVEL GLOBAL. Uma nova dimensão em segurança Gaaxy Dimension UMA SOLUÇÃO INTEGRADA ÚNICA PARA GERIR E PROTEGER PESSOAS E BENS, A NÍVEL GLOBAL Uma nova dimensão em segurança A nova Gaaxy Dimension Controo integrado de intrusão e acessos Como poderá

Leia mais

Instituto Superior Técnico. 19 de Janeiro de 2001. Parte I

Instituto Superior Técnico. 19 de Janeiro de 2001. Parte I Exame de Compressão e Codificação de Dados Secção de Telecomunicacções DEEC, Instituto Superior Técnico 19 de Janeiro de 1 Parte I Esta parte do exame é constituida por 20 perguntas de resposta múltipla.

Leia mais

ADERÊNCIA E ANCORAGEM CAPÍTULO 10. Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo ADERÊNCIA E ANCORAGEM

ADERÊNCIA E ANCORAGEM CAPÍTULO 10. Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo ADERÊNCIA E ANCORAGEM ADERÊNCIA E ANCORAGEM CAPÍTULO 10 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo 25 setembro 2003 ADERÊNCIA E ANCORAGEM Aderência (bond, em ingês) é a propriedade que impede que haja escorregamento de uma barra

Leia mais

Como se pode proteger o ferro?

Como se pode proteger o ferro? Como se pode proteger o ferro? A UUL AL A Todos os componentes de uma bicieta recebem proteção contra ferrugem. A proteção do aço. Gavanização,cromação, zincagem e estanhagem A importância dos óxidos na

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA CÓDIGOS GEOMETRICAMENTE UNIFORMES EM ESPAÇOS HIPERBÓLICOS. Por

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA CÓDIGOS GEOMETRICAMENTE UNIFORMES EM ESPAÇOS HIPERBÓLICOS. Por UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA CÓDIGOS GEOMETRICAMENTE UNIFORMES EM ESPAÇOS HIPERBÓLICOS Por ANA PAULA FARIA MACHADO Orientador: Prof. Dr. MÁRIO JOSÉ DE SOUZA DISSERTAÇÃO

Leia mais

Calculando engrenagens cilíndricas

Calculando engrenagens cilíndricas Cacuando engrenagens ciíndricas A UU L AL A Em uma empresa, o setor de manutenção mecânica desenvove um importante pape na continuidade do fuxo da produção. Após o diagnóstico do defeito, reaizam-se a

Leia mais

Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h

Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 60h Representação de grandeza com sinal O bit mais significativo representa o sinal: 0 (indica um número

Leia mais

Calculando a rpm e o gpm a partir da

Calculando a rpm e o gpm a partir da Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Cacuando a rpm e o gpm a partir da veocidade de corte A UU L AL A Para que uma ferramenta corte um materia, é necessário que um se movimente em reação ao outro a uma

Leia mais

O primeiro passo para o projeto das vigas consiste em identificar os dados iniciais. Entre eles incluem-se:

O primeiro passo para o projeto das vigas consiste em identificar os dados iniciais. Entre eles incluem-se: VIGAS CAPÍTULO 15 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 30 setembro 003 VIGAS são eementos ineares em que a fexão é preponderante (NBR 6118: 003, item 14.4.1.1). Portanto, os esforços

Leia mais

ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA

ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA CAPÍTULO 7 Voume 1 ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA 1 7.1 Ancoragem por aderência R sd τ b = Força de tração de cácuo = tensões de aderência f bd = vaor médio de cácuo das tensões de aderência

Leia mais

ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA

ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA CAPÍTULO 7 Voume 1 ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA Prof. José Miton de Araújo - FURG 1 7.1 Ancoragem por aderência R sd τ b = Força de tração de cácuo = tensões de aderência f bd = vaor médio

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Púbico de Ingresso no Magistério Púbico Estadua EDITAL Nº 21/2012/SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Educação Física 11) Segundo

Leia mais

UM MODELO DE OTIMIZAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DE INSUMOS NA OPERAÇÃO DE CALDEIRAS INDUSTRIAIS

UM MODELO DE OTIMIZAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DE INSUMOS NA OPERAÇÃO DE CALDEIRAS INDUSTRIAIS XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. UM MODELO DE OTIMIZAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DE INSUMOS NA OPERAÇÃO DE CALDEIRAS INDUSTRIAIS Ceber Damião Rocco (DEP/UFSCar) cdrocco@dep.ufscar.br Reinado

Leia mais

TÉCNICAS DA PESQUISA OPERACIONAL NO PROBLEMA DE HORÁRIOS DE ATENDENTES EM CENTRAIS TELEFÔNICAS

TÉCNICAS DA PESQUISA OPERACIONAL NO PROBLEMA DE HORÁRIOS DE ATENDENTES EM CENTRAIS TELEFÔNICAS TÉCNICAS DA PESQUISA OPERACIONAL NO PROBLEMA DE HORÁRIOS DE ATENDENTES EM CENTRAIS TELEFÔNICAS Angea Oandoski Barboza Departamento de Matemática, Centro Federa de Educação Tecnoógica do Paraná, Av. 7 de

Leia mais

Processamento e Comunicação Multimédia

Processamento e Comunicação Multimédia Universidade da Beira Interior Departamento de Informática Processamento e Comunicação Multimédia Mestrado em Eng. Informática João Caldeira Maio 2008 Tema Códigos Convolucionais: Codificação JC 2007/2008

Leia mais

Estimativa da Probabilidade de Bloqueio em Redes Ópticas WDM com Topologia em Anel e com Encaminhamento no Comprimento de Onda

Estimativa da Probabilidade de Bloqueio em Redes Ópticas WDM com Topologia em Anel e com Encaminhamento no Comprimento de Onda Estimativa da Probabiidade de Boqueio em Redes Ópticas WDM com Topoogia em Ane e com Encaminhamento no Comprimento de Onda Mário M. Freire,3 e Ávaro M. F. de Carvaho 2,3 Departamento de Matemática e Informática,

Leia mais

PAPER 1/6. Algoritmo para Localização de Faltas em Redes de Distribuição de Energia Elétrica com a Presença de Unidades de Geração Distribuída

PAPER 1/6. Algoritmo para Localização de Faltas em Redes de Distribuição de Energia Elétrica com a Presença de Unidades de Geração Distribuída PAPER 1/6 Tite Agoritmo para Locaização de Fatas em Redes de Distribuição de Energia Eétrica com a Presença de Unidades de Geração Distribuída Registration Nº: (Abstract) Empresa o Entidad Universidade

Leia mais

Notas de aula número 1: Otimização *

Notas de aula número 1: Otimização * UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA II Primeiro Semestre/2001 Professor: Sabino da Silva Porto Júnior

Leia mais

1 2 CR 2) CM = Assim: 3 2 = CR 2 CR = 3 3) BC = CR + RB Assim: BC = 3 + 4 BC BC = 7. ( 3) x + y + z = 10,00 + 3x + y + 2z = 21,50 ( 3) ( 8)

1 2 CR 2) CM = Assim: 3 2 = CR 2 CR = 3 3) BC = CR + RB Assim: BC = 3 + 4 BC BC = 7. ( 3) x + y + z = 10,00 + 3x + y + 2z = 21,50 ( 3) ( 8) João entrou na anchonete G e pediu hambúrgueres, suco de aranja e cocadas, gastando $,0. Na mesa ao ado, agumas pessoas pediram 8 hambúrgueres, sucos de aranja e cocadas, gastando $ 7,00. Sabendo-se que

Leia mais

Descobrimos como fabricar soda cáustica!

Descobrimos como fabricar soda cáustica! Descobrimos como fabricar soda cáustica! O que você vai aprender Recicagem de pape Fabricação de pape Produção de hidróxido de sódio: eetróise Partícuas carregadas: íons Indicadores Seria bom já saber

Leia mais

O que você vai aprender. Seria bom já saber. Isto lhe interessa. entendia nada! Tinha que decorar tudo!

O que você vai aprender. Seria bom já saber. Isto lhe interessa. entendia nada! Tinha que decorar tudo! A UA UL LA Eu Química O que você vai aprender Ciência Química Matéria Substância Progresso tecnoógico Novos materiais Como faz o cientista Seria bom já saber Para inicar o seu curso de Química, procure

Leia mais

A primeira fase da normalização

A primeira fase da normalização U L A A primeira fase da normaização A partir do momento em que o homem entra na era industria e inicia a produção em massa, isto é, a fabricação de um mesmo produto em grande quantidade, surge uma grande

Leia mais

Pré-Seleção OBM Nível 3

Pré-Seleção OBM Nível 3 Aluno (a) Pré-Seleção OBM Nível 3 Questão 1. Hoje é sábado. Que dia da semana será daqui a 99 dias? a) segunda-feira b) sábado c) domingo d) sexta-feira e) quinta feira Uma semana tem 7 dias. Assim, se

Leia mais

34 Ritmos e movimentos da população mundial

34 Ritmos e movimentos da população mundial A U A UL LA Ritmos e movimentos da popuação mundia Nessa aua, vamos estudar o crescimento da popuação mundia reacionando-o com as mudanças ocorridas na sociedade. Vamos conhecer o modeo expicativo da desaceeração

Leia mais

Guia de operação para 4334

Guia de operação para 4334 MO1211-PA Prefácio Congratuações por sua escoha deste reógio CASIO. Para obter o máximo de sua compra, certifique-se de er atentamente este manua. Advertência! As funções de medição incorporadas neste

Leia mais

Em um sistema de numeração de base b qualquer, um número positivo é representado pelo polinômio:

Em um sistema de numeração de base b qualquer, um número positivo é representado pelo polinômio: ELETRÔNICA DIGITAl I 1 SISTEMAS DE NUMERAÇÃO INTRODUÇÃO A base dos sistemas digitais são os circuitos de chaveamento (switching) nos quais o componente principal é o transistor que, sob o ponto de vista

Leia mais

BCC202 - Estrutura de Dados I

BCC202 - Estrutura de Dados I BCC202 - Estrutura de Dados I Aula 04: Análise de Algoritmos (Parte 1) Reinaldo Fortes Universidade Federal de Ouro Preto, UFOP Departamento de Ciência da Computação, DECOM Website: www.decom.ufop.br/reifortes

Leia mais

Capítulo III Circuitos Digitais Combinacionais

Capítulo III Circuitos Digitais Combinacionais Capítulo III Circuitos Digitais Combinacionais 1 Introdução Vimos no Capítulo II que uma desejada função lógica pode ser implementada mediante a combinação de portas lógicas. Esta combinação de portas

Leia mais

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E TÉCNICAS BÁSICASB Fernando Pereira Instituto Superior TécnicoT Digitalização Processo onde se expressa informação analógica de forma digital. A informação analógica

Leia mais

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013 Álgebra Linear Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru 19 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Matrizes e Determinantes 3 1.1 Matrizes............................................ 3 1.2 Determinante

Leia mais

Leia e informe-se. www.interaulaclube.com.br

Leia e informe-se. www.interaulaclube.com.br A UU L AL A Leia e informe-se M Ó D U L O 18 Na aua anterior, Gustavo, Miranda e Jeremias se encontraram em uma anchonete para discutir a respeito de um projeto: a pubicação de um jorna na Matrex Construtora,

Leia mais

ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA (CVCs) SOBRE AS PONTES DA REDE VIÁRIA SOB JURISDIÇÃO DO DER-SP

ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA (CVCs) SOBRE AS PONTES DA REDE VIÁRIA SOB JURISDIÇÃO DO DER-SP ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA 27 ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA (CVCs) SOBRE AS PONTES DA REDE VIÁRIA SOB JURISDIÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NA INDÚSTRIA DE COMPUTADORES

ANÁLISE DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NA INDÚSTRIA DE COMPUTADORES ANÁLISE DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NA INDÚSTRIA DE COMPUTADORES Pauo H. Parra Sívio R. I. Pires Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção UNIMEP, Via Santa Bárbara Iracemápois, km 1,

Leia mais

As substâncias que formam o nosso planeta

As substâncias que formam o nosso planeta As substâncias que formam o nosso paneta Observe com bastante atenção esta iustração de uma casa, com seus diversos componentes e as substâncias ŒŒ utiizadas para fabricá-os. Œ Œ Œ Œ Œ Œ Ž Œ Œ A UU L AL

Leia mais

Como se obtém gasolina de petróleo?

Como se obtém gasolina de petróleo? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ A UU L AL A Como se obtém gasoina de petróeo? Formação do petróeo Produtos derivados do petróeo Separação dos produtos do petróeo: destiação fracionada O que você vai

Leia mais

Atuais objetivos da normalização

Atuais objetivos da normalização A U L A Atuais objetivos da normaização Você agora vai estudar a útima parte deste assunto: os atuais objetivos da normaização. Pode-se dizer que a primeira fase da normaização, por vota de 1900 até os

Leia mais

Manual de instruções Sistema eletrônico VEGASON Série 60

Manual de instruções Sistema eletrônico VEGASON Série 60 Manua de instruções Sistema eetrônico VEGASON Série 60 Índice Índice 1 Sobre o presente documento 1.1 Função... 4 1.2 Grupo-avo... 4 1.3 Simboogia utiizada.... 4 2 Para a sua segurança 2.1 Pessoa autorizado...

Leia mais

Códigos Lineares CAPÍTULO 4

Códigos Lineares CAPÍTULO 4 CAPÍTULO 4 Códigos Lineares 1. Definição, pârametros e peso mínimo Seja F q o corpo de ordem q. Portanto, pelo Teorema 3.24, q = p m para algum primo p e inteiro positivo m. Definição 4.1. Um código linear

Leia mais

Versão Online ISBN 978-85-8015-040-7 Cadernos PDE VOLUME II. O PROFESSOR PDE E OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE Produção Didático-Pedagógica

Versão Online ISBN 978-85-8015-040-7 Cadernos PDE VOLUME II. O PROFESSOR PDE E OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE Produção Didático-Pedagógica Versão Onine ISBN 978-85-8015-040-7 Cadernos PDE VOLUME II O PROFESSOR PDE E OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE Produção Didático-Pedagógica 008 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

Resolução 10. Resolução básica

Resolução 10. Resolução básica QUÍMICA FUVEST 2005 2 a FASE QUÍMICA 1 Paíndromo Diz-se da frase ou paavra que, ou se eia da esquerda para a direita, ou da direita para a esquerda, tem o mesmo sentido Auréio Novo Dicionário da Língua

Leia mais

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas Processamento e Otimização de Consultas Banco de Dados Motivação Consulta pode ter sua resposta computada por uma variedade de métodos (geralmente) Usuário (programador) sugere uma estratégia para achar

Leia mais

para os Números de Fibonacci 1

para os Números de Fibonacci 1 TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 5, No. 2 (2004), 205-215. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Fórmula Explícita e Interpretação Combinatória para os Números de

Leia mais

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas?

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas? Recorrências Muitas vezes não é possível resolver problemas de contagem diretamente combinando os princípios aditivo e multiplicativo. Para resolver esses problemas recorremos a outros recursos: as recursões

Leia mais

Circuitos Lógicos e Digitais

Circuitos Lógicos e Digitais PUC-Campinas - Faculdade de Engenharia de Telecomunicações Circuitos Lógicos e Digitais Prof. Frank Behrens Circuitos Combinacionais Aplicação em Circuitos para Divididos em quatro classes de circuitos:

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

RAID Redundat Arrays of Inexpensive Disks

RAID Redundat Arrays of Inexpensive Disks RAID Redundat Arrays of Inexpensive Disks Criado em alternativa para os discos grandes e caros. Justificativa: Substituindo discos grandes por muitos discos pequenos, o desempenho melhoraria mais cabeças

Leia mais

Projeto e Análise de Algoritmos. Profa. Juliana Kaizer Vizzotto. Projeto e Análise de Algoritmos - Aula 1

Projeto e Análise de Algoritmos. Profa. Juliana Kaizer Vizzotto. Projeto e Análise de Algoritmos - Aula 1 Projeto e Análise de Algoritmos Profa. Juliana Kaizer Vizzotto Projeto e Análise de Algoritmos - Aula 1 Roteiro Introdução Exemplo: ordenação Introdução Análise de Algoritmos Estudo teórico da performance

Leia mais

O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos. > Princípios de Contagem e Enumeração Computacional 0/48

O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos. > Princípios de Contagem e Enumeração Computacional 0/48 Conteúdo 1 Princípios de Contagem e Enumeração Computacional Permutações com Repetições Combinações com Repetições O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos > Princípios de Contagem e Enumeração

Leia mais

1.7 Tensão superficial, espalhamento de líquidos, ângulo de contato e equação de Laplace.

1.7 Tensão superficial, espalhamento de líquidos, ângulo de contato e equação de Laplace. 1.7 Tensão superficia, espahamento de íquidos, ânguo de contato e equação de Lapace. 1.7.1 Tensão superficia As interfaces 6 entre íquidos e gases (superfícies) e entre diferentes íquidos são regiões de

Leia mais

o anglo resolve a prova de Matemática do ITA

o anglo resolve a prova de Matemática do ITA o ango resove a prova de Matemática do ITA A cobertura dos vestibuares de 00 está sendo feita peo Ango em parceria com a Foha Onine. É trabaho pioneiro. Prestação de serviços com tradição de confiabiidade.

Leia mais

Projeto de Máquinas de Estado

Projeto de Máquinas de Estado Projeto de Máquinas de Estado Organizado por Rodrigo Hausen. Original de Thomas L. Floyd. Versão 0: 15 de março de 2013 http://compscinet.org/circuitos Resumo Grande parte deste texto, exemplos e estrutura

Leia mais

Sinopse da Teoria da Escolha

Sinopse da Teoria da Escolha 14.126 Teoria dos Jogos Sergei Izmalkov e Muhamet Yildiz Outono de 2001 Sinopse da Teoria da Escolha Esta nota resume os elementos da teoria da utilidade esperada. Para uma exposição em detalhes dos quatro

Leia mais

Dicas para a 6 a Lista de Álgebra 1 (Conteúdo: Homomorfismos de Grupos e Teorema do Isomorfismo para grupos) Professor: Igor Lima.

Dicas para a 6 a Lista de Álgebra 1 (Conteúdo: Homomorfismos de Grupos e Teorema do Isomorfismo para grupos) Professor: Igor Lima. Dicas para a 6 a Lista de Álgebra 1 (Conteúdo: Homomorfismos de Grupos e Teorema do Isomorfismo para grupos) Professor: Igor Lima. 1 /2013 Para calcular Hom(G 1,G 2 ) ou Aut(G) vocês vão precisar ter em

Leia mais

Poliminós e o Tabuleiro de Xadrez Prof. Onofre Campos (onofrecampos@secrel.com.br) Prof. Carlos Shine (cyshine@yahoo.com)

Poliminós e o Tabuleiro de Xadrez Prof. Onofre Campos (onofrecampos@secrel.com.br) Prof. Carlos Shine (cyshine@yahoo.com) Poliminós e o Tabuleiro de Xadrez Prof. Onofre Campos (onofrecampos@secrel.com.br) Prof. Carlos Shine (cyshine@yahoo.com) 1. O dominó Você já deve conhecer o dominó. Não vamos pensar no jogo de dominós

Leia mais

EE210 Sistemas de Comunicação II 2ª Avaliação (PV2) 22/04/2015 15h30min Profs. Dayan A. Guimarães e Rausley A. A. de Souza. Aluno(a): Matrícula.

EE210 Sistemas de Comunicação II 2ª Avaliação (PV2) 22/04/2015 15h30min Profs. Dayan A. Guimarães e Rausley A. A. de Souza. Aluno(a): Matrícula. EE1 Sistemas de Comunicação II ª Avaliação (PV) /4/15 15h3min Profs. Dayan A. Guimarães e Rausley A. A. de Souza Nota : Nota P: Aluno(a): Matrícula. Prova sem consulta, com duração de 1h5min. A interpretação

Leia mais

Preparando a organização para o mundo digital

Preparando a organização para o mundo digital Ideas Preparando a organização para o mundo digita Por que você pode estar fazendo as perguntas erradas O mundo digita está em todas as partes e vem, aparentemente, ameaçando as maneiras mais tradicionais

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS DIGITAIS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 1 - SISTEMA DE NUMERAÇÃO BINÁRIA E DECIMAL Todos os computadores são formados por circuitos digitais, onde as informações e os dados são codificados com dois níveis de tensão, pelo que o seu sistema

Leia mais

Estudo da Constelação 16-QAM

Estudo da Constelação 16-QAM Estudo da Constelação 6-QAM Luciano Leonel Mendes Aluno do INATEL Santa Rita do Sapucaí - MG Prof. Geraldo Gil Ramundo Gomes Professor do INATEL Santa Rita do Sapucaí - MG Resumo O tutorial aqui apresentado

Leia mais

VIGAS DE EDIFÍCIOS 1. INTRODUÇÃO 2. DEFINIÇÕES DE ESTADOS LIMITES

VIGAS DE EDIFÍCIOS 1. INTRODUÇÃO 2. DEFINIÇÕES DE ESTADOS LIMITES UNESP - Bauru/SP 1309 - Estruturas de Concreto II Vigas de Edifícios 1 VIGAS DE EDIFÍCIOS 1. INTRODUÇÃO O texto seguinte apresenta vários itens da NBR 6118/2003 reativos às vigas contínuas de edifícios.

Leia mais

NEUROCONTROLADOR INVERSO DIRETO APLICADO A UM ATUADOR HIDRÁULICO

NEUROCONTROLADOR INVERSO DIRETO APLICADO A UM ATUADOR HIDRÁULICO NEUROCONTROLADOR INVERSO DIRETO APLICADO A UM ATUADOR HIDRÁULICO JOSÉ A. RIUL, UFPB - DTM - CT - Campus I - E-mai:riu@ct.ufpb.br JOSÉ H. F. CAVALCANTI, UFPB-DEE - CCT - Campus II - E-mai:homero@dsc.ufpb.br

Leia mais

Marcação, codificação e soluções de sistemas. Produtos químicos

Marcação, codificação e soluções de sistemas. Produtos químicos Marcação, codificação e souções de sistemas Produtos químicos Conhecemos os desafios únicos que você enfrenta em suas inhas de produção A codificação na fabricação de produtos químicos pode ser um desafio

Leia mais