CIRURGIAS DO TRATO URINÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CIRURGIAS DO TRATO URINÁRIO"

Transcrição

1 CIRURGIAS DO TRATO URINÁRIO DEFINIÇÃO Abertura cirúrgica da bexiga. Kystis = bexiga + tomia = incisão INDICAÇÕES: Cálculos principal indicação PRÉ-OPERATÓRIO: Suspeita ou diagnóstico Anamnese Avaliações física, laboratorial e por imagem Preparo do paciente 1

2 PREPARO E ANESTESIA DO PACIENTE: 1. Depilação 2. Anestesia / medicações 3. Posicionamento decúbito dorsal 4. Antissepsia 5. Colocação dos panos de campo 1. Celiotomia retroumbilical em cães machos desvio lateral ao pênis até a linha alba 4. Colocação dos afastadores exploração 5. Isolamento da bexiga com compressas estéreis umedecidas 6. Suturas de apoio 7. Esvaziamento punção / sucção (pós-incisão) 7. Incisão da bexiga perfuração (estocada) com bisturi e, depois, tesoura Corpo Linha mediana Região hipovascularizada Superfícies ventral ou dorsal 8. Cistorrafia (parede normal) Sutura contínua, não penetrante, invaginante, em dois planos Cushing ou Lembert, com fio monofilamentado, absorvível ou inabsorvível, sintético, 3-0 ou 4-0, agulhado (agulha cilíndrica) 2

3 8. Cistorrafia (parede muito espessada) Sutura separada, penetrante, em único plano simples separada*, com fio monofilamentado, absorvível, sintético, 3-0 ou 4-0, agulhado (agulha cilíndrica) 9. Descarte do material contaminado 10. Omentopexia 11. Lavagem da cavidade contaminação 12. Celiorrafia (síntese da parede abdominal) PÓS-OPERATÓRIO: Curativo e inspeção da ferida cirúrgica Monitoração do fluxo urinário Antibióticos e analgésicos Colar protetor Retirada dos pontos Peritonite extravasamento de urina CIRURGIAS URETRAIS PRÉ-OPERATÓRIO: CIRURGIAS URETRAIS Suspeita ou diagnóstico Anamnese Avaliações física, laboratorial e por imagem Preparo do paciente Estabilização do quadro clínico, se necessário 3

4 CIRURGIAS URETRAIS PRÉ-OPERATÓRIO: Desobstrução uretral sondagem Descompressão vesical sondagem ou cistocentese Correção dos desequilíbrios hidroeletrolíticos CIRURGIAS URETRAIS PREPARO E ANESTESIA DO PACIENTE: 1. Depilação 2. Anestesia / medicações 3. Posicionamento decúbito dorsal 4. Antissepsia 5. Introdução de sonda uretral estéril URETROTOMIA URETROTOMIA DEFINIÇÃO Incisão cirúrgica da uretra. Uretra + tomia (incisão) URETROTOMIA URETROTOMIA INDICAÇÕES: CLASSIFICAÇÃO: Obstruções cálculos Uretrotomia peniana ou pré-escrotal Uretrotomia perineal 4

5 URETROTOMIA PENIANA PENIANA OU PRÉ-ESCROTAL PERINEAL 1. Colocação dos panos de campo 2. Incisão da pele na linha mediana ventral da margem cranial do escroto à base do pênis, com bisturi 3. Divulsão do subcutâneo, com tesoura URETROTOMIA PENIANA 4. Localização do músculo retrator do pênis dissecar, rebater lateralmente e fixar 5. Visualização do corpo esponjoso incisão longitudinal, com bisturi (lâmina 15) até a luz da uretra URETROTOMIA PENIANA 6. Remoção dos cálculos, sondagem e lavagem da uretra com solução fisiológica 7. Cicatrização por segunda intenção* ou uretrorrafia ponto simples separado, fio absorvível sintético monofilamentado, 4-0 a 6-0, agulhado (agulha cilíndrica) URETROTOMIA PENIANA 8. Aproximação do subcutâneo ponto simples contínuo, fio absorvível sintético, 4-0, agulhado (agulha cilíndrica) 9. Sutura da pele ponto simples separado, fio inabsorvível sintético monofilamentado, 4-0, agulhado (agulha triangular/trifacetada) URETROTOMIA PÓS-OPERATÓRIO: Curativo e inspeção da ferida cirúrgica Monitoração do fluxo urinário Antibióticos e analgésicos Repouso Colar protetor Retirada dos pontos 5

6 URETROTOMIA URETROTOMIA PERINEAL COMPLICAÇÕES: Hemorragia Estenose Recidiva URETROSTOMIA URETROSTOMIA DEFINIÇÃO Fistulação cirúrgica da uretra. Uretra + stomia (estoma, orifício, abertura) Pele URETROSTOMIA INDICAÇÕES: Mucosa uretral Corpo cavernoso Obstruções recidivantes ou não passíveis de correção por uretrotomia 6

7 Peniana Escrotal URETROSTOMIA CLASSIFICAÇÃO: Uretrostomia peniana ou pré-escrotal Perineal Uretrostomia escrotal Uretrostomia perineal URETROSTOMIA PENIANA 1 a 4. Idem à uretrotomia 5. Visualização do corpo esponjoso incisão longitudinal de 3 a 4 cm, com bisturi (lâmina 15) até a luz da uretra 6. Remoção dos cálculos, sondagem e lavagem da uretra com solução fisiológica URETROSTOMIA PENIANA 7. Sutura da mucosa uretral à pele ponto simples separado, fio inabsorvível ou absorvível sintético monofilamentado, 4-0 a 5-0, agulhado 8. Sutura da pele cranial/caudal à abertura uretral, ponto simples separado, fio inabsorvível sintético monofilamentado, 4-0 a 5-0, agulhado URETROSTOMIA PENIANA URETROSTOMIA ESCROTAL PÓS-OPERATÓRIO idem à uretrotomia COMPLICAÇÕES: Hemorragia Estenose Infecção urinária Recidiva 7

8 CIRURGIAS RENAIS PRÉ-OPERATÓRIO: CIRURGIAS RENAIS Suspeita ou diagnóstico Anamnese Avaliações física, laboratorial e por imagem Preparo do paciente CIRURGIAS RENAIS PREPARO E ANESTESIA DO PACIENTE: 1. Depilação 2. Anestesia / medicações 3. Posicionamento decúbito dorsal 4. Antissepsia 5. Colocação dos panos de campo INDICAÇÕES: DEFINIÇÃO Remoção cirúrgica do rim. Nephrós = rim + ectomia = remoção Neoplasias Traumas severos Abscessos Hidronefrose Dioctophyma renale Alterações ureterais avulsão, estenose, ruptura 8

9 1. Celiotomia pré-retroumbilical (em cães machos desvio lateral ao pênis até a linha alba) 2. Colocação dos afastadores exploração 3. Isolamento do rim afetado 4. Localização dos vasos renais e ureter (hilo) 5. Ligaduras fio abs./inabs. sintético, 2-0 Artéria renal próxima à aorta abdominal Veia renal próxima ao rim Ureter próxima à bexiga 6. Remoção do rim e ureter 7. Celiorrafia PÓS-OPERATÓRIO: Curativo e inspeção da ferida cirúrgica Monitorar fluxo urinário e função renal Antibióticos e analgésicos Colar protetor Retirada dos pontos COMPLICAÇÕES: Hemorragia Peritonite extravasamento de urina 9

10 DEFINIÇÃO Incisão cirúrgica do rim. Nephrós = rim + tomia = incisão INDICAÇÕES: Cálculos Hematúria Neoplasias 1 a 3. Idem à nefrectomia 4. Localização dos vasos renais hemostasia temporária 5. Mobilização do rim exposição da superfície convexa (oposta ao hilo) 6. Incisão, com bisturi, na superfície convexa do rim (linha média), da cápsula à pelve Alternativa: incisão na cápsula e afastamento do parênquima com pinça 7. Exploração da pelve 8. Lavar a pelve com solução salina ou Ringer 9. Nefrorrafia Sutura da cápsula Sutura do parênquima e da cápsula Isquemia, necrose, infarto, hemorragia 10

11 Sutura da cápsula: Sutura do parênquima e da cápsula: Aproximação das partes afastadas e aplicação de pressão digital (por aproximadamente 5 minutos) enquanto se restabelece o fluxo sanguíneo hemostasia Cápsula sutura simples contínua, fio abs. sintético, 3-0 ou 4-0, agulhado (agulha cilíndrica) Hemostasia (idem anterior) Parênquima 3 pontos em U (Wolff), com fio abs. sintético, 3-0 ou 4-0, agulha reta Cápsula sutura simples contínua, com fio abs. sintético, 3-0 ou 4-0, agulhado (agulha cilíndrica) 10. Descarte do material contaminado 11. Reposicionamento do rim e fixação com suturas no peritônio 12. Celiorrafia PÓS-OPERATÓRIO idem à nefrectomia COMPLICAÇÕES: Hemorragia Peritonite extravasamento de urina Insuficiência renal Formação de cálculos fios, adesivos PIELOLITOTOMIA cálculo CIRURGIAS URETERAIS pelve 11

12 URETEROTOMIA 12

CELIOTOMIA 2/9/2016 CELIOTOMIA. CELIOTOMIA (laparotomia mediana) DEFINIÇÃO CLASSIFICAÇÃO:

CELIOTOMIA 2/9/2016 CELIOTOMIA. CELIOTOMIA (laparotomia mediana) DEFINIÇÃO CLASSIFICAÇÃO: Prof a. Dr a. Aline A. Bolzan DEFINIÇÃO Abertura cirúrgica da cavidade abdominal, em qualquer região. Celio (koilia) = abdome + tomia (tome) = corte (laparotomia mediana) CLASSIFICAÇÃO: de acordo com a

Leia mais

17/10/2016 ANATOMIA DO REPRODUTOR DE CANINO CIRURGIAS DO APARELHO REPRODUTOR MASCULINO ANATOMIA DO REPRODUTOR DE FELINO ANATOMIA DO REPRODUTOR

17/10/2016 ANATOMIA DO REPRODUTOR DE CANINO CIRURGIAS DO APARELHO REPRODUTOR MASCULINO ANATOMIA DO REPRODUTOR DE FELINO ANATOMIA DO REPRODUTOR ANATOMIA DO REPRODUTOR DE CANINO CIRURGIAS DO APARELHO REPRODUTOR MASCULINO Profº Ms. Paula R. Galbiati Terçariol ANATOMIA DO REPRODUTOR DE FELINO ANATOMIA DO REPRODUTOR Os testículos são órgãos ovóides

Leia mais

Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES. Traumatismos. Urolitíase. Neoplasias. Infecções do trato t urinário

Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES. Traumatismos. Urolitíase. Neoplasias. Infecções do trato t urinário CIRURGIAS DO OSS SISTEMA URINÁRIO Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas Escola de Medicina Vetrinária -UFBA Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES Traumatismos Urolitíase

Leia mais

DISCIPLINA DE OTORRINOLARINOGOLOGIA UNESP- BOTUCATU

DISCIPLINA DE OTORRINOLARINOGOLOGIA UNESP- BOTUCATU TRAQUEOTOMIA Profa Livre Docente Regina H. Garcia Martins DISCIPLINA DE OTORRINOLARINOGOLOGIA UNESP- BOTUCATU Unesp TRAQUEOTOMIA X TRAQUEOSTOMIA INDICAÇÕES DE TRAQUEOTOMIA DESOBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS

Leia mais

CONSENTIMENTO INFORMADO PARA PIELOLITOTOMIA VIDEOLAPAROSCÓPICA (CALCULOSE RENAL).

CONSENTIMENTO INFORMADO PARA PIELOLITOTOMIA VIDEOLAPAROSCÓPICA (CALCULOSE RENAL). CONSENTIMENTO INFORMADO PARA PIELOLITOTOMIA VIDEOLAPAROSCÓPICA (CALCULOSE RENAL). Eu, abaixo assinado, autorizo o Dr....e/ou os seus assistentes a realizar uma PIELOLITOTOMIA VIDEOLAPAROSCÓPICA (remoção

Leia mais

Trauma Urogenital Proteus 2016

Trauma Urogenital Proteus 2016 Trauma Urogenital Proteus 2016 Fernando Ferreira Gomes Filho Medico do Departamento de Urologia - Faculdade de Medicina de Botucatu Unesp Membro Titular da Sociedade Brasileira de Urologia Trauma Renal

Leia mais

SITIOS DE INCISÃO ABDOMINAL. Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas UFBA

SITIOS DE INCISÃO ABDOMINAL. Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas UFBA SITIOS DE INCISÃO ABDOMINAL Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas UFBA E-mail: jmcn@ufba.br SITIOS DE INCISÃO ABDOMINAL Celiotomia Celi; celio: do grego koilía =abdome.

Leia mais

CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL FEMININO. João Moreira da Costa Neto

CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL FEMININO. João Moreira da Costa Neto CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL FEMININO João Moreira da Costa Neto CIRURGIAS DO OVÁRIO E ÚTERO Ovariosalpingohisterectomia Cesariana Ovariosalpingohisterectomia Indicações Inibição do ciclo estral Distúrbios

Leia mais

CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL MASCULINO. Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas UFBA E-mail: jmcn@ufba.

CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL MASCULINO. Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas UFBA E-mail: jmcn@ufba. CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL MASCULINO Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas UFBA E-mail: jmcn@ufba.br Aspectos anatômicos Sistema genital masculino de bovino Aspectos

Leia mais

CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS

CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS FACULDADE UNIGRAN CAPITAL TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA PRINCÍPIOS E TÉCNICAS DA ENFERMAGEM CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS ACESSO VENOSO PERIFÉRICO Definido como acesso ao sistema venoso sistêmico por punção

Leia mais

PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA

PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA HÉRNIAS RENATO LINHARES SAMPAIO INTRODUÇÃO CONCEITO É A PROTRUSÃO, INSINUAÇÃO OU PASSAGEM DE UM ÓRGÃO OU PARTE DELE, DE SUA CAVIDADE ORIGINAL PARA OUTRA VIZINHA, ATRAVÉS DE

Leia mais

Sistema urinário. Aparelho Urinário. Órgãos urinários. Órgãos urinários. Rins. Ureteres. Bexiga urinária. Uretra. Sistema urogenital

Sistema urinário. Aparelho Urinário. Órgãos urinários. Órgãos urinários. Rins. Ureteres. Bexiga urinária. Uretra. Sistema urogenital Sistema urinário Aparelho Urinário Sistema urogenital - Órgãos urinários - Órgãos genitais -- Origem embriológica comum (mesoderma intermediário) -- Anatomicamente ligados Profa. Rosane Silva cadela ovário

Leia mais

CIRURGIAS RESPIRATÓRIO CICATRIZAÇÃO RESPIRATORIO CRIPTORQUIDECTOMIA

CIRURGIAS RESPIRATÓRIO CICATRIZAÇÃO RESPIRATORIO CRIPTORQUIDECTOMIA CIRURGIAS RESPIRATÓRIO CICATRIZAÇÃO RESPIRATORIO CRIPTORQUIDECTOMIA Prof. Esp. Walderson Zuza 1 CIRURGIA DO TRATO RESPIRATÓRIO EM EQUINOS 2 TRAQUEOSTOMIA Pode ser realizada de urgência ou eletiva. As situações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE CLÍNICA E CIRURGIA VETERINÁRIAS. Disciplina:

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE CLÍNICA E CIRURGIA VETERINÁRIAS. Disciplina: UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE CLÍNICA E CIRURGIA VETERINÁRIAS Disciplina: Técnica Cirúrgica e Anestesiologia Veterinárias CCV-005 Prof. Álvaro Enéas Ribeiro

Leia mais

Ureter, Bexiga e Uretra

Ureter, Bexiga e Uretra Ureter, Bexiga e Uretra 1 Ureter, Bexiga e Uretra 2 URETER 3 Estrutura do Ureter Tubo muscular que conecta o rim à bexiga Porção superior (abdominal) e inferior (pélvica) 4 Trajeto do Ureter Ao nível do

Leia mais

PLANILHA GERAL - CIRURGIA I - 1º 2014

PLANILHA GERAL - CIRURGIA I - 1º 2014 PLANILHA GERAL - CIRURGIA I - 1º 2014 Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo 7:05 FERNANDA 204 D Apresentação da Disciplina - Formação de Grupos Ambiente cirúrgico, instalações e equipamentos, paramentação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA. Disciplina de Técnica Operatória e Cirurgia Experimental.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA. Disciplina de Técnica Operatória e Cirurgia Experimental. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA Disciplina de Técnica Operatória e Cirurgia Experimental Drenos e Sondas DRENOS I CONCEITO Os drenos são tubos ou lâminas de tecido mole,

Leia mais

RIM PRINCIPAIS FUNÇÕES

RIM PRINCIPAIS FUNÇÕES RIM PRINCIPAIS FUNÇÕES Filtração do sangue produção de urina. Remoção de resíduos do sangue Manutenção do equilíbrio hídrico Manutenção do equilíbrio eletrolítico Manutenção da Homeostase interna Regulação

Leia mais

INTRODUÇÃO SISTEMA URINÁRIO RINS INTRODUÇÃO RINS. Formação: Funções: Formato. Excreção da urina. Coloração. Localização. Doisrins.

INTRODUÇÃO SISTEMA URINÁRIO RINS INTRODUÇÃO RINS. Formação: Funções: Formato. Excreção da urina. Coloração. Localização. Doisrins. : INTRODUÇÃO Doisrins Dois ureteres Bexiga Uretra Funções: Remoção resíduos SISTEMA URINÁRIO Filtração do plasma Funções hormonais INTRODUÇÃO Excreção da urina Sangueéfiltradonosrins Atravésdosureteresofiltradoélevadoatéabexiga

Leia mais

TÉCNICAS DE VARREDURA ABDOMINAL ULTRASSONOGRAFIA

TÉCNICAS DE VARREDURA ABDOMINAL ULTRASSONOGRAFIA TÉCNICAS DE VARREDURA ABDOMINAL ULTRASSONOGRAFIA Introdução Pré-requisitos para um bom ultrassonografista Alto nível de destreza e coordenação olhos. de mãos e Conhecimento completo de anatomia, fisiologia

Leia mais

Básicos Especiais. Variedade - grande

Básicos Especiais. Variedade - grande Instrumentos Básicos Especiais Variedade - grande Ponta com e sem dente Garra tipo de ranhuras Caixilho (articulação) Hastes - curtas - longas anéis cremalheira - asséptico - fixo TEMPOS CIRÚRGICOS Diérese

Leia mais

INTESTINO GROSSO 29/03/2017 INTESTINO GROSSO INTESTINO GROSSO. Ceco, cólon, reto e canal anal Ceco canino saca-rolha ; C

INTESTINO GROSSO 29/03/2017 INTESTINO GROSSO INTESTINO GROSSO. Ceco, cólon, reto e canal anal Ceco canino saca-rolha ; C PROFA. DRA. JULIANA PELOI VIDES Ceco, cólon, reto e canal anal Ceco canino saca-rolha ; C normalmente contém gás intraluminal Ceco felino difícil visualização, curto Cólon: Ascendente Transversa Descendente

Leia mais

Prof. Diogo Mayer Fernandes Disciplina de Técnica Cirúrgica Medicina Veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados

Prof. Diogo Mayer Fernandes Disciplina de Técnica Cirúrgica Medicina Veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados Prof. Diogo Mayer Fernandes Disciplina de Técnica Cirúrgica Medicina Veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados INTRODUÇÃO - Utilizado para acesso terapêutico - Acesso para diagnóstico e coleta de materiais

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS

Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS 01.01.01.002-8 02.01.01.006-2 Procedimento x CBO ATIVIDADE EDUCATIVA

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA O CUIDADO DOMICILIAR POR PROFISSIONAIS DE NÍVEL SUPERIOR - PARACENTESE ABDOMINAL TERAPÊUTICA. Apresentação da Unidade

PRINCÍPIOS PARA O CUIDADO DOMICILIAR POR PROFISSIONAIS DE NÍVEL SUPERIOR - PARACENTESE ABDOMINAL TERAPÊUTICA. Apresentação da Unidade PRINCÍPIOS PARA O CUIDADO DOMICILIAR POR PROFISSIONAIS DE NÍVEL SUPERIOR - PARACENTESE ABDOMINAL TERAPÊUTICA Apresentação da Unidade Esta unidade aborda a paracentese abdominal terapêutica. Serão destacados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA LIGA DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO ACESSO CIRÚRGICO ÀS VIAS AÉREAS SUPERIORES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA LIGA DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO ACESSO CIRÚRGICO ÀS VIAS AÉREAS SUPERIORES UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA LIGA DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO ACESSO CIRÚRGICO ÀS VIAS AÉREAS SUPERIORES Maria Gabriela Guimarães / Jobert Mitson 2012 OBJETIVOS Jobert Mitson

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Trato urinário superior Rins Ureteres Professora: Juliana Peloi Vides Trato urinário inferior Bexiga Uretra FREQUENTES!!! Parênquima renal Pelve renal Ureteres Bexiga Uretra

Leia mais

CLÍNICA E TÉCNICA CIRÚRGICAS (RCG 321) 2011

CLÍNICA E TÉCNICA CIRÚRGICAS (RCG 321) 2011 CLÍNICA E TÉCNICA CIRÚRGICAS (RCG 321) 2011 OBJETIVOS GERAIS Fornecer ao aluno conhecimento sobre os processos fisiológicos, fisiopatológicos, metabólicos e psicológicos envolvidos no trauma cirúrgico,

Leia mais

Cirurgia de Dentes Inclusos

Cirurgia de Dentes Inclusos Pós-Graduação Cirurgia de Dentes Inclusos 16ª Edição Coordenação 2017-00 Prof. Doutor Francisco Salvado Prof. Doutor Paulo Maia Pós-Graduação Cirurgia de Dentes Inclusos A frequência de retenções dentárias

Leia mais

ANTIBIOTICOPROFILAXIA PRT.SESA.002

ANTIBIOTICOPROFILAXIA PRT.SESA.002 ANTIBIOTICOPROFILAXIA EM NEONATOS* Cirurgia/Patologia Derivação ventrículo - peritoneal Atresia esofágica, duodenal ou jejunal. Esterose hipertófica de piloro Atresia ileal Má rotação intestinal Invaginação

Leia mais

Anatomia Comparada do Sistema Reprodutor Masculino nos Animais Domésticos (Equinos, Bovinos, Suínos, Ovinos e Caninos)

Anatomia Comparada do Sistema Reprodutor Masculino nos Animais Domésticos (Equinos, Bovinos, Suínos, Ovinos e Caninos) Anatomia Comparada do Sistema Reprodutor Masculino nos Animais Domésticos (Equinos, Bovinos, Suínos, Ovinos e Caninos) - Órgãos urinários - Órgãos genitais Aparelho urogenital Rosane Maria Guimarães da

Leia mais

INFECÇÃO EM CIRURGIA. Prof. Gustavo Santos

INFECÇÃO EM CIRURGIA. Prof. Gustavo Santos INFECÇÃO EM CIRURGIA Prof. Gustavo Santos "i sing and play the guitar and i'm a walking, talking bacterial infection" - Kurt Cobain INTRODUÇÃO Incidência sempre temível Imaginologia fundamental para o

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS INFECÇÕES DE SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)¹ MANUAL DA CCIH. POP nº 10. Versão: 01

CLASSIFICAÇÃO DAS INFECÇÕES DE SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)¹ MANUAL DA CCIH. POP nº 10. Versão: 01 PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO DE CIRURGIA CARDÍACA OBJETIVO Padronizar a prática de medidas preventivas para minimizar a ocorrência de infecção de sítio cirúrgico, destinadas a equipe multiprofissional

Leia mais

23/08/2016 HÉRNIAS HÉRNIAS EM PEQUENOS ANIMAIS HÉRNIAS HÉRNIAS PARTES DE UMA HÉRNIA: CLASSIFICAÇÃO PARTES DE UMA HÉRNIA: DEFINIÇÃO:

23/08/2016 HÉRNIAS HÉRNIAS EM PEQUENOS ANIMAIS HÉRNIAS HÉRNIAS PARTES DE UMA HÉRNIA: CLASSIFICAÇÃO PARTES DE UMA HÉRNIA: DEFINIÇÃO: EM PEQUENOS ANIMAIS PROFA. MSC. ANALY RAMOS MENDES PARTES DE UMA HÉRNIA: DEFINIÇÃO: Saída de uma víscera de seu local de origem através de um anel herniário PARTES DE UMA HÉRNIA: Anel herniário Saco herniário:

Leia mais

ORQUIECTOMIA EM GRANDES ANIMAIS

ORQUIECTOMIA EM GRANDES ANIMAIS ORQUIECTOMIA EM GRANDES ANIMAIS VCI 421: Técnica Cirúrgica Prof. Dr. Rodrigo Romero Corrêa romero@usp.br ORQUIECTOMIA EM GRANDES ANIMAIS - Origem embriológica das gônadas; - Anatomia da região; - Por que

Leia mais

Programa para Seleção Clínica Cirúrgica e Obstetrícia de Pequenos Animais

Programa para Seleção Clínica Cirúrgica e Obstetrícia de Pequenos Animais Programa para Seleção Clínica Cirúrgica e Obstetrícia de Pequenos Animais - Princípios cirúrgicos básicos: assepsia/antissepsia; pré, trans e pós-operatório; instrumentação cirúrgica; fundamentos em esterilização

Leia mais

RUPTURA DE BEXIGA OCASIONADA POR UROLITÍASE - RELATO DE CASO

RUPTURA DE BEXIGA OCASIONADA POR UROLITÍASE - RELATO DE CASO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

Patologia Clínica e Cirúrgica

Patologia Clínica e Cirúrgica V e t e r i n a r i a n D o c s Patologia Clínica e Cirúrgica Prolapso Retal Definição É uma enfermidade caracterizada pela protrusão de uma ou mais camadas do reto através do ânus. Ele pode ser parcial

Leia mais

Profº Ms. Paula R. Galbiati Terçariol.

Profº Ms. Paula R. Galbiati Terçariol. Profº Ms. Paula R. Galbiati Terçariol. Cicatrização Após uma lesão, o processo de cicatrização é iniciado. O tecido lesionado passa por 4 fases de reparo da ferida: hemostasia, inflamação, proliferação

Leia mais

XVI Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen.

XVI Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen. XVI Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen www.digimaxdiagnostico.com.br CASO 1 Paciente: M. G. A., 38 anos, sexo feminino. Queixa: Infecção do trato urinário de repetição. Realizou ultrassonografia

Leia mais

DRENAGEM DE TÓRAX. Prof. Gustavo Santos. Medicina 4º. Bloco

DRENAGEM DE TÓRAX. Prof. Gustavo Santos. Medicina 4º. Bloco DRENAGEM DE TÓRAX Prof. Gustavo Santos Medicina 4º. Bloco INTRODUÇÃO Espaço pleural: espaço virtual (3 a 15 ml) Pleura parietal espaço pleural pleura visceral Parietal: 1 camada célula: poros Visceral:

Leia mais

Órgãos Uropoéticos Expelida do Organismo

Órgãos Uropoéticos Expelida do Organismo Sistema Urinário Franciele Guimarães de Brito Sistema Urinário Produzem Urina (Rins) Órgãos Uropoéticos Armazenam Urina (Bexiga) Expelida do Organismo 1 Sistema Urinário Órgãos secretores: que produzem

Leia mais

TRAUMATISMOS ABDOMINAIS. Fechados sem rotura da continuidade cutânea parietal (contusão) Abertos com rotura da continuidade cutânea parietal (feridas)

TRAUMATISMOS ABDOMINAIS. Fechados sem rotura da continuidade cutânea parietal (contusão) Abertos com rotura da continuidade cutânea parietal (feridas) TRAUMATISMOS ABDOMINAIS Trauma Abdominal Fechados sem rotura da continuidade cutânea parietal (contusão) Abertos com rotura da continuidade cutânea parietal (feridas) Trauma Aberto Penetrante com acesso

Leia mais

RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO

RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO Aspectos Radiográficos Normais de Rins e Ureteres Visualização variável da imagem renal quanto ao número, forma, contorno, tamanho, posição e densidade (intermediária entre

Leia mais

Processo Seletivo Técnico de Enfermagem INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA (LEIA ATENTAMENTE!)

Processo Seletivo Técnico de Enfermagem INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA (LEIA ATENTAMENTE!) Processo Seletivo Técnico de Enfermagem Nome: Nota: 1. A prova é individual sem consulta. INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA (LEIA ATENTAMENTE!) 2. O candidato deverá preencher o gabarito com caneta azul

Leia mais

Cateterização Cardíaca por Exposição Direta da Artéria e Veia. Renato Sanchez Antonio

Cateterização Cardíaca por Exposição Direta da Artéria e Veia. Renato Sanchez Antonio Cateterização Cardíaca por Exposição Direta da Artéria e Veia Renato Sanchez Antonio Introdução Monitorização Via de acesso Assepsia/antissepsia Drogas Incisão, Isolamento dos vasos e inserção do catéter

Leia mais

Atualização em Tonsilectomia

Atualização em Tonsilectomia MF Crânio faciais Sd de Down (sd de Grisel) Paralisia Cerebral Cardiopatia severa Discrasias de coagulação

Leia mais

Enfermagem Cirúrgica Centro Cirúrgico. Profa. MsC. Valéria Aguiar

Enfermagem Cirúrgica Centro Cirúrgico. Profa. MsC. Valéria Aguiar Enfermagem Cirúrgica Centro Cirúrgico Profa. MsC. Valéria Aguiar Biossegurança Aplicação e reflexão de princípios de segurança com o trabalhador e com o paciente, envolvidos no processo saúdedoença no

Leia mais

Fulguração: Coagulação superficial elimina pequenas proliferações celulares cutâneas e remove manchas.

Fulguração: Coagulação superficial elimina pequenas proliferações celulares cutâneas e remove manchas. Unidade Eletrocirurgica Conceito O Equipamento Eletrocirúrgico de Alta Frequência (EEAF), também denominado bisturi eletrônico ou unidade eletrocirúrgica (UEC), é um equipamento que permite a passagem

Leia mais

Suturas. Carlos Mesquita. Hospitais da Universidade de Coimbra

Suturas. Carlos Mesquita. Hospitais da Universidade de Coimbra Carlos Mesquita Hospitais da Universidade de Coimbra - classificação INTERROMPIDAS / PONTOS SEPARADOS os nós são dados e os fios cortados após uma ou duas passagens através dos tecidos cada nó é uma entidade

Leia mais

Trauma de TóraxT. Trauma de tórax. Trauma de tórax. Anatomia. Classificação Traumas estáveis Representam 60 a 70% dos casos que adentram os hospitais

Trauma de TóraxT. Trauma de tórax. Trauma de tórax. Anatomia. Classificação Traumas estáveis Representam 60 a 70% dos casos que adentram os hospitais Trauma de tórax VII Encontro de Enfermagem em Emergência São José do Rio Preto Trauma de TóraxT Lesões torácicas estão entre as 04 principais causas de morte nos traumatizados Nos EUA estima-se que ocorram

Leia mais

Para um valor total máximo de 7,84

Para um valor total máximo de 7,84 ESCORES DE TRAUMA Obs: servem para triagem pré-hospitalar, comunicação inter-hospilalar e na comparação de resultados de protocolos e atendimentos. ESCORE DE TRAUMA REVISADO GCS* BPM* FR* Valor* O valor

Leia mais

Engenharia Biomédica - UFABC

Engenharia Biomédica - UFABC Engenharia de Reabilitação e Biofeedback Dispositivos de Assistência Circulatória Professor: Pai Chi Nan 1 Fisiologia circulatória 2 1 Veia cava superior Fisiologia circulatória Artéria coronária esquerda

Leia mais

Introdução à Medicina I. Princípios básicos de Técnica Cirurgia

Introdução à Medicina I. Princípios básicos de Técnica Cirurgia Introdução à Medicina I Princípios básicos de Técnica Cirurgia 1. Assepsia cutânea e do campo operatório 2. Posicionamento do cirurgião e do doente 3. Anestesia local 4. Material de corte, dissecção e

Leia mais

Endoscopia da Coluna Lombar

Endoscopia da Coluna Lombar da Coluna Lombar O que é? As cirurgias realizadas por meio de câmeras são a primeira opção na maioria das especialidades, inclusive na ortopedia. A utilização de câmeras de alta resolução introduzidas

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO 1. Titulo: RETIRADA DE PONTOS DE SUTURA 2. Definição: Consiste na remoção de pontos de sutura, que são utilizados para fixar um dispositivo ou aproximar as bordas de uma lesão, com o intuito de facilitar

Leia mais

CIRURGIA PERIODONTAL

CIRURGIA PERIODONTAL Disciplina de Periodontia 5 o período CIRURGIA PERIODONTAL Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2012 Instrumentos Usados em Cirurgia Periodontal CIRURGIA PERIODONTAL INSTRUMENTAIS

Leia mais

Cuidados com Portacath

Cuidados com Portacath Procedimento médico tipo pequena cirurgia para a implantação. Este cateter(portacath) é instalado após anestesia local, o procedimento leva de 30minutos a 1 hora. A incisão para colocação é fechada por

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP 041/2012 CT PRCI n 99.505/2012 Tickets n s 277.537, 279.078, 279.487, 280.538, 284.222, 285.149, 286.345, 286.502, 288.450, 288.472, 289.899, 290.118, 290.569, 291.727, 292.563, 296.291,

Leia mais

XIV Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalazen.

XIV Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalazen. XIV Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalazen www.digimaxdiagnostico.com.br CASO CLÍNICO 1 Pcte do sexo feminino com queixa de dor abdominal difusa. Coronal Sagital Laudo Aspecto compatível

Leia mais

Posições Cirúrgicas. Professor: Eunaldo Dias

Posições Cirúrgicas. Professor: Eunaldo Dias Posições Cirúrgicas Professor: Eunaldo Dias Posições do paciente para cirurgia ou posições cirúrgicas são aquelas em que o paciente é colocado após procedimento anestésico, para ser submetido a intervenção

Leia mais

TRAUMA URO-GENITAL: Fernando da Rocha Camara A.TRAUMA RENAL

TRAUMA URO-GENITAL: Fernando da Rocha Camara A.TRAUMA RENAL TRAUMA URO-GENITAL: Fernando da Rocha Camara A.TRAUMA RENAL Tive oportunidade de redigir um capítulo sobre os itens 1 e 2, no livro Clínica Cirúrgica da FMB-UNESP. Os rins se situam no abdome em sua porção

Leia mais

Módulo 1 ABORDAGEM E OPÇÕES TERAPÊUTICAS NO DOENTE COM LITÍASE RENAL AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA CÓLICA RENAL 3 OBSERVAÇÃO 4 OPÇÕES TERAPÊUTICAS

Módulo 1 ABORDAGEM E OPÇÕES TERAPÊUTICAS NO DOENTE COM LITÍASE RENAL AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA CÓLICA RENAL 3 OBSERVAÇÃO 4 OPÇÕES TERAPÊUTICAS ABORDAGEM E OPÇÕES TERAPÊUTICAS NO DOENTE COM LITÍASE RENAL Módulo 1 Palestrante: Dr. Luis Miguel Abranches Monteiro Urologia Moderador: Prof. Carlos Martins Medicina Geral e Familiar 01 Abril 2017 URO/2017/0010/PTp,

Leia mais

CATETERISMO CARDÍACO. Prof. Claudia Witzel

CATETERISMO CARDÍACO. Prof. Claudia Witzel CATETERISMO CARDÍACO CATETERISMO CARDÍACO Método diagnóstico invasivo É avaliada a presença ou não de estreitamentos nas artérias coronárias secundário às "placas de gordura" além do funcionamento das

Leia mais

Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Objetivos.

Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Objetivos. Objetivos Avaliação inicial do paciente enfermo e cuidados na abordagem Avaliação de sinais vitais Contaminação Infecção Esterelização Antissepsia Assepsia Microorganismos Contaminação Presença de microorganismos

Leia mais

Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Esterilização.

Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Esterilização. Emergência e Primeiros Socorros Objetivos Avaliação inicial do paciente enfermo e cuidados na abordagem Avaliação de sinais vitais M.V. Guilherme Sposito Contaminação Infecção Esterelização Antissepsia

Leia mais

PREPARAÇÃO, COLOCAÇÃO E CUIDADOS PÓS-OPERATÓRIOS DA PEG/J

PREPARAÇÃO, COLOCAÇÃO E CUIDADOS PÓS-OPERATÓRIOS DA PEG/J INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE PREPARAÇÃO, COLOCAÇÃO E CUIDADOS PÓS-OPERATÓRIOS DA PEG/J Em Doentes com Doença de Parkinson em estado avançado tratados com Duodopa versão 1 (11/2013)

Leia mais

Ciências Ensino Fundamental, 8º Ano Caracterização dos órgãos que constituem o sistema urinário, suas funções e os principais excretas

Ciências Ensino Fundamental, 8º Ano Caracterização dos órgãos que constituem o sistema urinário, suas funções e os principais excretas Ciências Ensino Fundamental, 8º Ano Caracterização dos órgãos que constituem o sistema urinário, suas funções e os principais excretas Imagem: Schlomo Wiggins/ This image is free to use for any purpose

Leia mais

CORREÇÃO DE ESTENOSE URETRAL APÓS URETROSTOMIA EM GATO RELATO DE CASO Elisângela Barboza Silva 1 RESUMO

CORREÇÃO DE ESTENOSE URETRAL APÓS URETROSTOMIA EM GATO RELATO DE CASO Elisângela Barboza Silva 1 RESUMO 504 CORREÇÃO DE ESTENOSE URETRAL APÓS URETROSTOMIA EM GATO RELATO DE CASO Elisângela Barboza Silva 1 RESUMO Ana Manuella Souza Babo 2 Janaína Maria Xavier Corrêa 3 Mário Sérgio Lima Lavor 1 A doença do

Leia mais

POSICIONAMENTO CIRÚRGICO

POSICIONAMENTO CIRÚRGICO POSICIONAMENTO CIRÚRGICO O posicionamento cirúrgico é uma arte, uma ciência e também um fator chave no desempenho do procedimento seguro e eficiente, por meio da aplicação de conhecimentos relacionados

Leia mais

UNIC - UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA. DISCIPLINA DE CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS APLICADAS A MEDICINA VETERINÁRIA IV e V

UNIC - UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA. DISCIPLINA DE CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS APLICADAS A MEDICINA VETERINÁRIA IV e V UNIC UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS APLICADAS A MEDICINA VETERINÁRIA IV e V Roteiro de aula prática de Anatomia Veterinária Prof a. Juliana

Leia mais

(PRECOCE-TARDIO ). *MEDIATO.

(PRECOCE-TARDIO ). *MEDIATO. PÓS-OPERATÓRIO PERÍODOS IMEDIATO. (PRECOCE-TARDIO ). *MEDIATO. PÓS-OPERATÓRIO COMPLICAÇÕES DO P.O. IMEDIATO S.C.V. : PRESSÃO,RITMO,FREQUÊNCIA. (anestesia,volemia,hipóxia ) S.R. : HIPÓXIA (anest.,volemia,mecânica).

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE UFCG UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS DA VIDA UACV CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES CFP

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE UFCG UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS DA VIDA UACV CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES CFP Liga Acadêmica de Cirurgia Ambulatorial - LACE FIOS CIRÚRGICOS Rayane Figueirêdo Lucena UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE UFCG UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS DA VIDA UACV CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

ULTRASSONOGRAFIA PEQUENOS ANIMAIS

ULTRASSONOGRAFIA PEQUENOS ANIMAIS PEQUENOS ANIMAIS Professora: Juliana Peloi Vides O som é resultado da vibração, que provoca uma onda mecânica e longitudinal. Ela se propaga em todas as direções Hertz medida utilizada para medir o número

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA INSTRUMENTAÇÃO DA GAS- TRECTOMIA À REICHEL-POLYA

SISTEMATIZAÇÃO DA INSTRUMENTAÇÃO DA GAS- TRECTOMIA À REICHEL-POLYA REVISTA DE MEDICINA Maio-Junho, 1945 181 FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO l. a Cadeira de Clínica Cirúrgica: Prof. Alipio Correia Neto SISTEMATIZAÇÃO DA INSTRUMENTAÇÃO DA GAS- TRECTOMIA

Leia mais

IMPERMEÁVEL E ABSORVENTE. O Curativo Transparente com Compressa Absorvente consiste de:

IMPERMEÁVEL E ABSORVENTE. O Curativo Transparente com Compressa Absorvente consiste de: 3BOLETIM TÉCNICO TEGADERM TM PAD Curativo transparente com compressa absorvente IMPERMEÁVEL E ABSORVENTE DESCRIÇÃO DO PRODUTO O Curativo Transparente com Compressa Absorvente consiste de: DORSO - Filme

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina TOCE

Universidade Federal de Santa Catarina TOCE Universidade Federal de Santa Catarina TOCE Assepsia e Antissepsia Vestuário Instrumentação Assepsia e Antissepsia Semmelweis Histórico - Grandes Nomes da Assepsia e Antissepsia Semmelweis (1846) Lister

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CLEMENTINO FRAGA FILHO DIVISÃO DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CLEMENTINO FRAGA FILHO DIVISÃO DE ENFERMAGEM 1de 5 1. Definição: O cateterismo vesical de alívio consiste na introdução de um cateter estéril (cateter de Folley ou sonda Levine) na bexiga, através da uretra, com técnica asséptica. 2. Objetivo: Drenar

Leia mais

ABSCESSO RENAL OU PERI-RENAL - DRENAGEM PERCUTÂNEA, DRENAGEM DE ABSCESSO RENAL / PERI-RENAL (SUS)

ABSCESSO RENAL OU PERI-RENAL - DRENAGEM PERCUTÂNEA, DRENAGEM DE ABSCESSO RENAL / PERI-RENAL (SUS) 1 - Nome Procedimento ABSCESSO RENAL OU PERI-RENAL - DRENAGEM PERCUTÂNEA, DRENAGEM DE ABSCESSO RENAL / PERI-RENAL (SUS) Descrição do procedimento Abscesso renal ou peri-renal - drenagem percutânea CIDs

Leia mais

Avaliação tomográfica do trauma abdominal fechado

Avaliação tomográfica do trauma abdominal fechado Avaliação tomográfica do trauma abdominal fechado David C. Shigueoka Professsor afiliado Setor de Radiologia de Urgência / Abdome / US Departamento de Diagnóstico por Imagem Escola Paulista de Medicina

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR ASSOCIADA A CATETER VESICAL

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR ASSOCIADA A CATETER VESICAL PREVENÇÃO ASSOCIADA A CATETER VESICAL INSTALAÇÃO DO CATETER VESICAL 1. Realizar primeiramente rigorosa higiene da genitália externa com água e sabão, utilizando luvas de procedimento. Higiene feminina:

Leia mais

ABORDAGEM CIRÚRGICA DO SISTEMA DIGESTIVO EM RUMINANTES

ABORDAGEM CIRÚRGICA DO SISTEMA DIGESTIVO EM RUMINANTES ABORDAGEM CIRÚRGICA DO SISTEMA DIGESTIVO EM RUMINANTES Prof. Valentim A. Gheller Escola de Veterinária da UFMG INTRODUÇÃO Abordar todas as afecções passíveis de resolução cirúrgica no sistema digestivo

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

Curso de Cirurgia Laparoscópica Urológica Parte IV

Curso de Cirurgia Laparoscópica Urológica Parte IV 81 Curso de Laparoscopia Curso de Cirurgia Laparoscópica Urológica Parte IV Rui Lages*, Rui Santos** *Consultor de Urologia H. S. João de Deus Fão **Consultor de Urologia H. S.ta Isabel Marco de Canaveses

Leia mais

FÍSTULA EM FACE LATERAL DE MEMBRO PÉLVICO DE CADELA, CAUSADA POR REAÇÃO AO FIO DE SUTURA UTILIZADO EM OVÁRIO-HISTERECTOMIA

FÍSTULA EM FACE LATERAL DE MEMBRO PÉLVICO DE CADELA, CAUSADA POR REAÇÃO AO FIO DE SUTURA UTILIZADO EM OVÁRIO-HISTERECTOMIA 187 FÍSTULA EM FACE LATERAL DE MEMBRO PÉLVICO DE CADELA, CAUSADA POR REAÇÃO AO FIO DE SUTURA UTILIZADO EM OVÁRIO-HISTERECTOMIA Liliane Fernandes Moreira 1, Kelly Cristine de Sousa Pontes 2, Sâmara Turbay

Leia mais

TRAUMA CERVICAL - IMPORTÂNCIA. área restrita. vários sistemas. experiência individual pequena FCMSCSP - AJG

TRAUMA CERVICAL - IMPORTÂNCIA. área restrita. vários sistemas. experiência individual pequena FCMSCSP - AJG TRAUMA CERVICAL IMPORTÂNCIA área restrita vários sistemas experiência individual pequena TRAUMA CERVICAL IMPORTÂNCIA Nº de lesões Mortalidade Guerra de Secessão (EUA) 4114 15% Guerra Espanhola Americana

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

Prof. Diogo Mayer Fernandes Clínica Cirúrgica Medicina Veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados

Prof. Diogo Mayer Fernandes Clínica Cirúrgica Medicina Veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados Prof. Diogo Mayer Fernandes Clínica Cirúrgica Medicina Veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados CONCEITOS E DEFINIÇÕES HÉRNIAS ABDOMINAIS INTERNAS Passagem de conteúdo abdominal por um orifício interno

Leia mais

HÉRNIAS DA PAREDE ABDOMINAL. Brienze 2009

HÉRNIAS DA PAREDE ABDOMINAL. Brienze 2009 HÉRNIAS DA PAREDE ABDOMINAL Brienze 2009 HÉRNIAS DA PAREDE ABDOMINAL 75% são inguinais 07% são incisionais 05% são umbilicais 03% são femurais 03% são ventrais 07% são de outros locais Hérnia Spiegel Hérnia

Leia mais

TÉCNICAS DE CURATIVOS

TÉCNICAS DE CURATIVOS TÉCNICAS DE CURATIVOS Tipos de Curativos: O Tipo de curativo a ser realizado varia de acordo com: a Natureza Localização Tamanho da ferida. Tipos de Curativos: Em alguns casos é necessária uma compressão,

Leia mais

PAREDE ABDOMINAL E RETROPERITONEO

PAREDE ABDOMINAL E RETROPERITONEO PAREDE ABDOMINAL E RETROPERITONEO PAREDE ABDOMINAL Definição estrutura músculo aponeurotica fixada na coluna vertebral, ossos da pelve e costelas Funções: protege e restringe as vísceras abdominais flexão

Leia mais

VIAS DE ACESSO ARTERIAL: ANÁLISE COMPARATIVA E RECOMENDAÇÕES CUSTOMIZADAS PARA A ESCOLHA MAIS ADEQUADA

VIAS DE ACESSO ARTERIAL: ANÁLISE COMPARATIVA E RECOMENDAÇÕES CUSTOMIZADAS PARA A ESCOLHA MAIS ADEQUADA URSO ANUAL DE REVISÃO EM HEMODINÂMICA E CARDIOLOGIA INTERVENCIONISTA/ SBHCI SÃO PAULO SP - 2009 VIAS DE ACESSO ARTERIAL: ANÁLISE COMPARATIVA E RECOMENDAÇÕES CUSTOMIZADAS PARA A ESCOLHA MAIS ADEQUADA ANDRÉ

Leia mais

TÉCNICA CIRÚRGICA PARA CESARIANAS EM CADELAS E GATAS SURGICAL TECHNIQUE ENUCLEATION - REVIEW OF LITERATURE

TÉCNICA CIRÚRGICA PARA CESARIANAS EM CADELAS E GATAS SURGICAL TECHNIQUE ENUCLEATION - REVIEW OF LITERATURE TÉCNICA CIRÚRGICA PARA CESARIANAS EM CADELAS E GATAS SURGICAL TECHNIQUE ENUCLEATION - REVIEW OF LITERATURE SIMAS, Rafael de Carvalho BACCHIEGA, Thais Silva Discentes da Associação Cultural e Educacional

Leia mais

Traumatismo urinário. Capítulo 35

Traumatismo urinário. Capítulo 35 Capítulo 35 Dr. André Guilherme Cavalcanti Dra. Rebeka Cavalcanti Dr. Ricardo de Almeida Traumatismo urinário Palavras-chave: trauma, trato urinário, rim, bexiga, uretra, ureter Trauma renal Introdução

Leia mais

VULVOPLASTIA EM ÉGUA PARA TRATAMENTO DE PNEUMOVAGINA: RELATO DE CASO

VULVOPLASTIA EM ÉGUA PARA TRATAMENTO DE PNEUMOVAGINA: RELATO DE CASO VULVOPLASTIA EM ÉGUA PARA TRATAMENTO DE PNEUMOVAGINA: RELATO DE CASO [Vulvoplasty in marine for pneumovagine treatment: case report] Wagner Alexandre Rodrigues de SOUZA 1 Kelen NARDUCCI 1 Paulo Cezar VILLA

Leia mais

Resultados da Validação do Mapeamento. Administrar medicamentos vasoativos, se adequado.

Resultados da Validação do Mapeamento. Administrar medicamentos vasoativos, se adequado. Intervenções de Enfermagem da Classificação das Intervenções de Enfermagem (NIC) para o diagnóstico de Volume de líquidos deficiente em pacientes vitimas de trauma Quadro 1- Reestruturação dos níveis de

Leia mais

20/4/2017 DEFINIÇÃO. Protrusão/projeção de órgão (ou parte dele) por um defeito na parede da cavidade anatômica na qual está contido.

20/4/2017 DEFINIÇÃO. Protrusão/projeção de órgão (ou parte dele) por um defeito na parede da cavidade anatômica na qual está contido. DEFINIÇÃO Prof a. Dr a. Aline A. Bolzan VCI/FMVZ/USP Protrusão/projeção de órgão (ou parte dele) por um defeito na parede da cavidade anatômica na qual está contido. EVENTRAÇÃO EVISCERAÇÃO DEFINIÇÃO Protrusão/projeção

Leia mais