CONSULTANDO VISÕES XML DE BANCOS DE DADOS OBJETO-RELACIONAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSULTANDO VISÕES XML DE BANCOS DE DADOS OBJETO-RELACIONAIS"

Transcrição

1 CONSULTANDO VISÕES XML DE BANCOS DE DADOS OBJETO-RELACIONAIS Lineu Antonio de Lima Santos: Aluno Vânia Maria Ponte Vidal: Orientadora Universidade Federal do Ceará Departamento de Computação Campus do PICI, Bloco 910 CEP Fortaleza CE Brasil {lineu, Resumo XML vem se firmando como o formato padrão para troca de dados entre aplicações Web. Como a grande maioria dos dados está armazenada em bancos de dados convencionais, o problema de publicá-los como XML assume especial significância. Uma maneira de resolver esse problema é criar visões XML sobre o banco de dados. Essas visões podem ser consultadas usando a linguagem de consulta própria para XML tal como XQuery. Consultas nas visões XML devem ser traduzidas em consultas numa linguagem especifica do banco de dados correspondente. Nesse trabalho, propomos um framework para publicar dados objeto-relacionais através de visões XML. No nosso enfoque, utilizamos uma visão de objetos como interface entre a visão XML e o banco de dados. Toda consulta XQuery submetida a uma visão XML deve ser traduzida numa consulta SQL para a visão de objetos. O resultado dessa consulta SQL será então transformado no documento XML de resposta. Um software será desenvolvido para traduzir consultas XQuery e gerar um documento XML de resposta. Será desenvolvida também uma ferramenta para gerar de forma automática a definição da visão de objetos a partir das assertivas de correspondências (ACs) [10] entre o esquema da visão de objetos e o esquema do banco de dados. Palavras-chave: Visões XML, Consulta, XQuery, Objeto-Relacional, Visões de Objeto 1. Introdução XML [2] vem se firmando como um formato universal para publicação e troca de dados na Web. Isso porque XML é uma linguagem para representação de dados autodescritível e bastante flexível, conseguindo representar dados estruturados e semiestruturados. Isso motivou o interesse de muitas empresas em desenvolver aplicações para disponibilizar e trocar dados no formato XML. Mas como esses dados geralmente estão armazenados em bancos de dados convencionais, o problema de publicá-los como XML assume especial significância. Uma maneira de resolver esse problema é criar visões XML sobre o banco de dados. O uso de visões XML também tem uma grande importância em sistemas de integração de dados que adotam uma arquitetura de mediadores baseada em XML [1][10]. O 112

2 mediador suporta uma visão integrada XML e as fontes locais exportam visões XML. Consultas submetidas a mediador são decompostas em sub-consultas que serão submetidas às visões XML das fontes locais. Estas devem ser traduzidas em consultas numa linguagem especifica do banco de dados correspondente. Já existem muitas propostas para publicação de dados relacionais como visões XML [5][6][9][12][13][14]. No entanto, pouco esforço tem sido empreendido para resolver o problema de publicar o conteúdo de um banco de dados objeto-relacional como visão XML. Nesse contexto o problema é bem mais complexo, pois o modelo objeto-relacional permite o desenvolvimento de estruturas complexas (tabelas aninhadas, tipos de dados estruturados e de referência) além das estruturas relacionais. O nosso trabalho está estruturado da seguinte forma: na seção 2, apresentamos nosso enfoque para consulta de bancos de dados objeto-relacionais através de visões XML; na seção 3 apresentamos as contribuições e resultados esperados; na seção 4, citamos alguns trabalhos relacionados ao nosso, procurando enfatizar suas desvantagens; na seção 5, mostramos as principais vantagens do nosso enfoque. 2. Framework para consultar visões XML de um banco de dados objeto-relacional Para processar consultas XQuery sobre visões XML de banco de dados objetorelacionais (BDOR) nosso framework utiliza uma visão de objeto default como camada intermediaria. Essa visão de objetos possui uma estrutura compatível com a estrutura da visão XML, ou seja, os objetos sintetizados pela visão de objetos possuem a mesma estrutura do elemento raiz da visão XML. Consultas XQuery submetidas a visão XML serão traduzida em consultas SQL sobre a visão de objeto default. O processamento dessas consultas consiste dos seguintes passos (Figura 1): 1) Consultas XQuery submetidas à visão XML são tratadas pelo módulo Tradutor de Consultas. Esse módulo analisa a consulta para separar as informações pertinentes aos dados das informações relacionadas à apresentação dos resultados. Essa analise resulta num Figura 1: Passos do conjunto de expressões de caminho (XPath) e num Processamento de Consultas documento XML Modelo. As expressões de caminho identificadas deverão ser traduzidas em comandos SQL para a visão de objetos default e gera um documento XML Modelo para construção do resultado. 2) As consultas SQL definidas sobre a visão de objeto são traduzidas em consultas no banco de dados. Em bancos de dados como o Oracle 9i [11] esta tradução é realizada pelo próprio SGBD com base na definição da visão. 3) A tabela de objetos resultante é submetida ao módulo gerador XML juntamente com o XML modelo para gerar o documento XML de resposta apropriado. 113

3 2.1. Um Exemplo Nesta seção utilizamos um exemplo para descrever cada passo do processamento de consultas em visões XML. Suponha o esquema do BD apresentado na figura 2 e que desejamos criar uma publicar os dados desse banco através da visão XML (V), cuja estrutura está representada na figura 3. O esquema da visão de objetos default está ilustrado na figura 4. Livros_R ISBN Titulo Autores_R Nome ISBN (FK) Endereco Figura 2 : BD Livraria Figura 3 : Esquema XML da visão V Figura 4 : Esquema da Visão de Objetos default Considere a consulta da figura 5 especificada sobre a visão V. O tradutor extrai da consulta XQuery a expressão de caminho /Livros/Livro/Autores/Autor[Nome= Lineu ] e a transforma em uma consulta SQL na visão de objeto default Livros_V (Figura 6). Um algoritmo para traduzir expressões de caminho (XPath) em consultas SQL sobre um banco de dados relacional pode ser encontrado em [14]. Esse algoritmo inicialmente gera um comando SQL para selecionar o elemento raiz da visão XML. Em seguida, ele gera um comando SQL para cada passo da consulta XPath, sendo que a cláusula FROM dessa consulta SQL está associada a consulta SQL do passo anterior. A consulta SQL produzida pelo último passo constitui a consulta resultante. No nosso trabalho, estamos adaptando essa estratégia para traduzir consultas XPath em consultas SQL da visão de objeto default. FOR $i IN document($v)/livros/livro/autores/autor WHERE $i./nome = Lineu RETURN <LIVRO> $i/isbn $i/titulo </LIVRO> Figura 5: Atualização XQuery Figura 5 : Consulta XQuery Select value(y) as O From (Select * From (Select value(x) as O From VLivros X)) X, Table(X.O.Autores) y Where Y.Nome= Lineu Figura 6 : Tradução SQL 3. Contribuições Pretendemos alcançar os seguintes resultados com esse trabalho: a) Construção de uma ferramenta para gerar a visão de objeto default correspondente a uma determinada visão XML. Esse processo consiste dos seguintes passos: 1. Geração do esquema da visão de objeto default a partir do XML Schema da visão XML. Caso o banco de dados não exista, ele deve ser projetado com uma estrutura que melhor armazene essa visão. O problema de armazenar documentos XML num banco de dados objeto-relacional ainda não foi tratado pela literatura de forma satisfatória. 114

4 2. Geração das assertivas de correspondências (ACs) entre os dados da visão de objeto default e os dados do banco de dados. Essas ACs são obtidas a partir do matching entre os respectivos esquemas. 3. Geração da definição da visão de objeto default. A definição da visão de objeto default será gerada de forma automática a partir das ACs geradas no passo 2. b) Desenvolvimento de um software (BDORXML) que funciona como middleware entre uma visão XML e a visão de objetos default correspondente. Esse software será constituído por dois módulos: um tradutor de consultas que transforma uma consulta XQuery numa consulta SQL sobre a visão de objeto default e um gerador XML que gera um documento XML a partir do resultado da consulta SQL. Atualmente, estamos desenvolvendo algoritmos para fazer traduções XQuery em consultas XPath e um documento XML Modelo, bem como um algoritmo para gerar a resposta XML adequada baseado nas tabelas de objetos de resultado e o XML Modelo. 4. Trabalhos Relacionados Muitos enfoques já foram propostos [3][4][6][7][12] como solução para o problema de consultar bancos de dados relacionais a partir de uma visão XML. O que essas propostas têm em comum é uma forte dependência entre a visão XML e o banco de dados, ou seja, se a estrutura do banco de dados mudar, a visão XML deve ser totalmente redefinida. No caso do XPeranto [4] isso ocorre porque a visão XML é construída a partir do esquema desse banco. No caso do SilkRoute [6], a visão XML é definida por uma consulta escrita na linguagem RXL (Relational to XML Transformation Language) sobre o banco. Sendo assim, qualquer alteração estrutural no banco de dados implica na alteração do esquema da visão XML (XPeranto) ou na alteração da consulta RXL (SilkRoute). Resumidamente, esse problema ocorre porque nesses casos a visão XML foi definida a partir do esquema original do banco de dados. Já existem alguns SGBDs comerciais [11][9][8] que disponibilizam publicação de dados no formato XML. O Oracle XSQL Pages Publishing Framework [11] é o único software do qual temos conhecimento que permite a definição de visões XML sobre um banco de dados objeto-relacional, mas consultas sobre essas visões não são suportadas. O Microsoft SQL Server é o único que suporta consultas sobre visões XML, mas esse suporte é bastante limitado, pois elas são especificadas usando XPath, que é um subconjunto de XQuery. 5. Conclusões Nesse trabalho propomos um framework para publicar visões XML de banco de dados objeto-relacionais. O framework utiliza uma visão de objetos como interface entre uma visão XML e o respectivo banco de dados. Uma das vantagens desse enfoque é o aumento do grau de independência lógica, uma vez que alterações no esquema do BD não implicam em alterações na definição da visão XML, sendo somente refletida na visão de objetos default. Assim, no caso de evolução do BD, somente a visão de objetos default será redefinida, o que pode ser feito através do uso da ferramenta discutida na seção 3, executando-se apenas os passos 2 e

5 Outra vantagem do nosso framework é que as traduções de consultas XQuery em consultas SQL da visão de objetos default são diretas, como mostrado no exemplo anterior (figuras 5 e 6). Isso ocorre por causa da compatibilidade estrutural entre a visão XML e a visão de objetos default. A tradução de consultas XQuery em SQL é facilmente definida quando os elementos na consulta XQuery possuem o mesmo aninhamento dos objetos da visão de objetos default. Caso contrário não podemos garantir a eficiência das traduções geradas. Como na maior parte das aplicações o usuário conhece a estrutura dos elementos que vai manipular, uma visão XML apropriada deve ser criada para atender seus requisitos. Esse processo é semi-automatizado pelo uso da ferramenta proposta na seção Referências Bibliográficas [1] S. Abiteboul, P. Buneman and D. Suciu. Gerenciando Dados na WEB.Editora Campos, Rio de Janeiro, [2] World Wide Web Consortium, Extensible Markup Language (XML) Version 1.0, W3C Recommendation, [3] J. Shanmugasundaram, et. al., Relational Databases for Querying XML Documents: Limitations and Opportunities, Very Large Data Bases (VLDB) Conference, Scotland, September [4] J.Shanmugasundaram, et al. XPERANTO: Bridging Relational Tecnology and XML IBM Research Report, June [5] J.Shanmugasundaram, et al. Querying XML Views of Relational Data. In Proceeding of 27th VLDB Conference, Roma, Italy, [6] M. Fernández, W. Tan and D. Suciu. Silkroute: Trading between relations and XML. In Proceedings of the Ninth International World Wide Web Conference, [7] T. Shimura, M. Yoshikawa, and S. Uemura. Storage and Retrieval of XML Documents Using Object-Relational Databases. In Database and Expert Systems Applications, pages Springer, [8] J.M. Cheng, J. Xu, XML and DB2, Proceedings of the International Conference on Data Engineering, California, USA, March [9] L.S. Hayashi and J. Hatton. Combining UML, XML and relational database technologies the best of all worlds for robust linguistic databases. SIL International, Dallas, USA. [10] V.M.P. Vidal, B.F. Loscio, A.C. Salgado. Using Correspondence Assertions for Specifying the Semantics of XML-Based Mediators. Workshop on Information Integration on the Web [11] Oracle Corporation [12] C.M. Vittori, C.F. Dorneles, and C.A Heuser. Creating XML documents from relational data sources. EC-Web 2001: [13] J. Shanmugasundaram, K. Tufte, G. He, C. Zhang, D. DeWitt, and J. Naugthon. Efficiently Publishing Relational Data as XML Documents. VLDB Conference, September [14] J. Shanmugasundaram, C. Zhang, I. Tatarinov, S. D. Viglas, K. Beyer and E. Shekita. Storing and Querying Ordered XML Using a Relational Database System. ACM SIGMOD, June

Usando Visões SQL/XML para publicação de Dados Relacionais

Usando Visões SQL/XML para publicação de Dados Relacionais Usando Visões SQL/XML para publicação de Dados Relacionais Luiz Aires de Souza Neto, Vânia Maria Ponte Vidal, Bernadette Farias Lóscio, Fernando Cordeiro Lemos Departamento de Computação - UFC {luiz_aires,

Leia mais

Banco de Dados. Professor: Marcelo Machado Cunha IFS Campus Aracaju

Banco de Dados. Professor: Marcelo Machado Cunha IFS Campus Aracaju Banco de Dados Professor: Marcelo Machado Cunha IFS Campus Aracaju Definição Banco de Dados Conjunto de dados interrelacionados que objetivam atender as necessidades de um conjunto de usuários. Inglês:

Leia mais

Banco de Dados. Perspectiva Histórica dos Bancos de Dados. Prof. Walteno Martins Parreira Jr

Banco de Dados. Perspectiva Histórica dos Bancos de Dados. Prof. Walteno Martins Parreira Jr Banco de Dados Perspectiva Histórica dos Bancos de Dados Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Histórico Antes dos computadores, as informações eram

Leia mais

Obtendo Interoperabilidade Semântica em Sistemas. Metamorphosis

Obtendo Interoperabilidade Semântica em Sistemas. Metamorphosis Obtendo Interoperabilidade Semântica em Sistemas Heterogéneos de Informação com Metamorphosis Giovani R. Librelotto José Carlos Ramalho Pedro R. Henriques Departamento de Informática Universidade do Minho

Leia mais

Armazenamento de Dados XML em SGBDs. Agenda

Armazenamento de Dados XML em SGBDs. Agenda Armazenamento de Dados XML em SGBDs Fernanda Baião fernanda.baiao@uniriotec.br Apresentação baseada no material de Humberto José Vieira Junior e Gabriela Ruberg 2006 1 Agenda Introdução Armazenamento de

Leia mais

Modelagem de Dados MODELAGEM DE DADOS. Sistemas de Banco de Dados. Profa. Rosemary Melo

Modelagem de Dados MODELAGEM DE DADOS. Sistemas de Banco de Dados. Profa. Rosemary Melo MODELAGEM DE DADOS Sistemas de Banco de Dados Profa. Rosemary Melo SISTEMAS DE BANCO DE DADOS OBJETIVOS Apresentar os conceitos fundamentais de Sistemas de Banco de Dados. Principais componentes dos SGBDs

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução. Prof. Marcelo Machado Cunha

BANCO DE DADOS. Introdução. Prof. Marcelo Machado Cunha BANCO DE DADOS Introdução Prof. Marcelo Machado Cunha Profissionais Envolvidos Administrador de Banco de Dados (DBA) responsável por autorizar o acesso ao banco de dados e coordenar e monitorar seu uso;

Leia mais

Unidade 1 Introdução

Unidade 1 Introdução Unidade 1 UFCG/CEEI/DSC Banco de Dados I Prof. Cláudio Baptista, PhD O que é um Banco de Dados (BD)? É uma coleção de dados relacionados e armazenados em algum dispositivo. Propriedades de um BD: Um BD

Leia mais

Introdução XML. Vanessa Braganholo

Introdução XML. Vanessa Braganholo Introdução XML Vanessa Braganholo {vanessa@ic.uff.br} Curso baseado em mini-cursos apresentados no SBBD. Autores: Carlos Heuser, Carina Dorneles e Vanessa Braganholo O que é XML? } XML = extensible Markup

Leia mais

Sistemas de Informação (SI) Gestão da informação e de banco de dados (II)

Sistemas de Informação (SI) Gestão da informação e de banco de dados (II) Sistemas de Informação (SI) Gestão da informação e de banco de dados (II) Prof.ª Dr.ª Symone Gomes Soares Alcalá Universidade Federal de Goiás (UFG) Regional Goiânia (RG) Faculdade de Ciências e Tecnologia

Leia mais

Introdução à Banco de Dados

Introdução à Banco de Dados Introdução à Banco de Dados Disciplina de Sistemas de Banco de Dados Prof. Marcos Antonio Schreiner /08/2015 Banco de dados Definição Coleção de dados relacionados. Fatos conhecidos que podem ser armazenados.

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini   / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SIG Aula N : 06 Tema: Fundamentos da inteligência

Leia mais

Introdução. descrever os tipos de interfaces e linguagens oferecidas por um SGBD. mostrar o ambiente de programas dos SGBD s

Introdução. descrever os tipos de interfaces e linguagens oferecidas por um SGBD. mostrar o ambiente de programas dos SGBD s Introdução Contribuição do Capítulo 2: discutir modelos de dados definir conceitos de esquemas e instâncias descrever os tipos de interfaces e linguagens oferecidas por um SGBD mostrar o ambiente de programas

Leia mais

MATA60 BANCO DE DADOS Aula 5- Modelo Relacional. Prof. Daniela Barreiro Claro

MATA60 BANCO DE DADOS Aula 5- Modelo Relacional. Prof. Daniela Barreiro Claro MATA60 BANCO DE DADOS Aula 5- Modelo Relacional Prof. Daniela Barreiro Claro Agenda Histórico Modelo em Redes e Hierárquico Modelo Relacional Restrições de Integridade Chaves FORMAS - UFBA 2 de X Histórico

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados Aula II

Fundamentos de Banco de Dados Aula II Fundamentos de Banco de Dados Aula II Modelos de Banco de Dados Prof. Kelyn Schenatto Modelos de Banco de Dados Modelo Hierárquico Modelo em rede Modelos mais antigos Modelo relacional Modelo hierárquico

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Banco de Dados INE 5323

Conceitos de Sistemas de Banco de Dados INE 5323 Conceitos de Sistemas de Banco de Dados INE 5323 Prof. Mario Dantas Introdução Por quê Sistemas de Banco de Dados Visão dos Dados Modelos de Dados Linguagem de Definição de Dados (DDL) Linguagem de Manipulação

Leia mais

Banco de Dados I. Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br

Banco de Dados I. Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br Banco de Dados I Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br Conceitos Dados Fatos conhecidos que podem ser registrados e que possuem significado implícito Banco de dados (BD) Conjunto de dados interrelacionados

Leia mais

Sérgio Koch Van-Dall

Sérgio Koch Van-Dall PROTÓTIPO PARA ATUALIZAÇÃO ASSÍNCRONA DE DADOS UTILIZANDO WEB SERVICES Sérgio Koch Van-Dall sergiod@inf.furb.br Orientador: Prof. Paulo Fernando da Silva UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CURSO DE CIÊNCIAS

Leia mais

Korth Silberschatz Sundarshan. Sistema de Banco de Dados, 5/E

Korth Silberschatz Sundarshan. Sistema de Banco de Dados, 5/E Sistema de Banco de Dados, 5/E Capítulo 1: Introdução Finalidade dos sistemas de banco de dados Visão dos dados Linguagens de banco de dados Bancos de dados relacionais Projeto de banco de dados Bancos

Leia mais

Banco de Dados e Engenharia de Software

Banco de Dados e Engenharia de Software Banco de Dados e Engenharia de Software Agenda Introdução a Banco de Dados Lógica Elementar, Conjuntos e Relações Arquitetura de Banco de Dados Linguagem SQL Modelo conceitual para Banco de Dados Transações

Leia mais

Rui Carneiro, Rui Pereira, Tiago Orfão

Rui Carneiro, Rui Pereira, Tiago Orfão Geração de Gráficos SVG através de PHP Rui Carneiro, Rui Pereira, Tiago Orfão Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, R. Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto. {ei04073,ei04077,ei03102}@fe.up.pt

Leia mais

XML 3XEOLVKHU:Um )UDPHZRUN para Publicar Dados Objeto-Relacionais Através de Visões XML

XML 3XEOLVKHU:Um )UDPHZRUN para Publicar Dados Objeto-Relacionais Através de Visões XML XML 3XEOLVKHU:Um )UDPHZRUN para Publicar Dados Objeto-Relacionais Através de Visões XML Lineu Antonio de Lima Santos Orientadora: Profª. Drª. Vânia Maria Ponte Vidal Dissertação apresentada ao Mestrado

Leia mais

BANCO DE DADOS. Araújo Lima. Fev / Araújo

BANCO DE DADOS. Araújo Lima. Fev / Araújo BANCO DE DADOS Lima Fev / 2016 1 Aula 3 3.Modelos de dados Modelo Conceitual Modelo Lógico Modelo Físico Classificação de Bancos de Dados Hierárquico Rede Relacional 2 MODELOS DE DADOS... Ferramenta usada

Leia mais

Curso: Banco de Dados I. Conceitos Iniciais

Curso: Banco de Dados I. Conceitos Iniciais Curso: Conceitos Iniciais Discussão inicial O que são Bancos de Dados? Quais os programas de Bancos de Dados mais conhecidos no mercado? Quais as vantagens do uso de Bancos de Dados nas empresas? Como

Leia mais

Oracle Database 10g: Fundamentos de SQL e PL/SQL

Oracle Database 10g: Fundamentos de SQL e PL/SQL Oracle University Contact Us: 0-800-167225 Oracle Database 10g: Fundamentos de SQL e PL/SQL Duration: 5 Dias O que é que gostaria de aprender Conheça os fundamentos de SQL e PL/SQL usando o SQL Developer

Leia mais

Aula 01 Conceito de Banco de Dados e SGBD

Aula 01 Conceito de Banco de Dados e SGBD Aula 01 Conceito de Banco de Dados e SGBD Dado: conjunto de símbolos arranjados a fim de representar a informação fora da mente humana. Elemento de Dado: subconjunto de símbolos que compõem um dado com

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Curso de Gestão em SI Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Banco de Dados (BD) BD fazem parte do nosso dia-a-dia!

Leia mais

Capítulo 6. Projeto de arquitetura. 2011 Pearson Pren0ce Hall. Todos os direitos reservados. 1. slide 1

Capítulo 6. Projeto de arquitetura. 2011 Pearson Pren0ce Hall. Todos os direitos reservados. 1. slide 1 Capítulo 6 Projeto de arquitetura slide 1 2011 Pearson Pren0ce Hall. Todos os direitos reservados. 1 Os tópicos abordados Decisões de projeto de arquitetura Visões de arquitetura Padrões de arquitetura

Leia mais

Armazenamento de Documentos XML em SGBDs Objeto-Relacionais. Vanessa Braganholo

Armazenamento de Documentos XML em SGBDs Objeto-Relacionais. Vanessa Braganholo Armazenamento de Documentos XML em SGBDs Objeto-Relacionais Vanessa Braganholo XML em diferentes contextos Na gerência de dados e conteúdo Para comunicação entre aplicações XML Para comunicação entre componentes

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DE BANCOS DE DADOS OBJETO-RELACIONAIS ATRAVÉS DE VISÕES XML. Wamberg Gláucon Chaves de Oliveira

ATUALIZAÇÃO DE BANCOS DE DADOS OBJETO-RELACIONAIS ATRAVÉS DE VISÕES XML. Wamberg Gláucon Chaves de Oliveira ATUALIZAÇÃO DE BANCOS DE DADOS OBJETO-RELACIONAIS ATRAVÉS DE VISÕES XML Por Wamberg Gláucon Chaves de Oliveira Orientadora: Profª. Drª.Vânia Maria Ponte Vidal Dissertação apresentada ao Mestrado em Ciência

Leia mais

Aula 2 BD Introdução. Profa. Elaine Faria UFU

Aula 2 BD Introdução. Profa. Elaine Faria UFU Aula 2 BD Introdução Profa. Elaine Faria UFU - 2017 Motivação A quantidade de informação disponível está crescendo exponencialmente Os dados e as informações tem um papel importante para as organizações

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha

Prof. Marcelo Machado Cunha Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

5a. Aula - XML 2013.2

5a. Aula - XML 2013.2 5a. Aula -XML 2013.2 Introdução Criando Documentos XML Validando Documentos XML DTD ( Documents Type Definition) XML Schema ConsultandoXML com Xpath com XQuery Modularizando XML Namespaces Entities TransformandoXML

Leia mais

XML - Extensible Markup Language

XML - Extensible Markup Language Por Sergio Crespo XML - Extensible Markup Language Extensible Markup Language (XML) é linguagem de marcação de dados (meta-markup language) que provê um formato para descrever dados estruturados. Isso

Leia mais

Diagrama Funcional das Informações

Diagrama Funcional das Informações Arquitetura Processo Diagrama Funcional das Informações Produção das Informações Coleta das Informações Gestores Algoritmo de Processamento / Data Loader Decriptografia e descompactação Armazenamento Consumo

Leia mais

INE 5423 Banco de Dados I

INE 5423 Banco de Dados I UFSC-CTC-INE Curso de Ciências da Computação INE 5423 Banco de Dados I 2011/1 http://www.inf.ufsc.br/~ronaldo/ine5423 Programa da Disciplina Objetivo Conteúdo Avaliação Bibliografia Cronograma (Previsto)

Leia mais

Introdução de XML. Dados da Web. Gerência de Dados da Web. A Web representa, nos dias de hoje, um repositório universal de dados, onde:

Introdução de XML. Dados da Web. Gerência de Dados da Web. A Web representa, nos dias de hoje, um repositório universal de dados, onde: Dados da Web Introdução de XML Banco de Dados II Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM

Leia mais

Apresentação da Unidade Curricular

Apresentação da Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E BASES DE DADOS Apresentação da Unidade Curricular António Manuel Silva Ferreira UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA asfe@di.fc.ul.pt Sumário

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

Descrição do Requisito

Descrição do Requisito ANEXO III 1 REQUISITOS TÉCNICOS A SOLUÇÃO deverá atender obrigatoriamente aos requisitos não funcionais e às características técnicas descritos nos itens deste Anexo. Os requisitos não funcionais e técnicos

Leia mais

Tipos para uma Linguagem de Transformação

Tipos para uma Linguagem de Transformação Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática Proposta de Trabalho de Graduação Tipos para uma Linguagem de Transformação Aluno: Orientador: Alexandra Barreto

Leia mais

Bases de dados semi-estruturadas, XML

Bases de dados semi-estruturadas, XML Bases de dados semi-estruturadas, XML Fernando Lobo Base de Dados, Universidade do Algarve 1 / 40 Modelo de informação semi-estruturado Esquema está impĺıcito nos dados. Ao invés do modelo relacional,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO FRAMEWORK HIBERNATE NA CONSTRUÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO

UTILIZAÇÃO DO FRAMEWORK HIBERNATE NA CONSTRUÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO UTILIZAÇÃO DO FRAMEWORK HIBERNATE NA CONSTRUÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO Anderson Carlos Lopes 1, Luiz Fernando Braga Lopes 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí - PR Brasil andersoncarloslopes@hotmail.com,

Leia mais

JADEX: A BDI REASONING ENGINE. Alexander Pokahr, Lars Braubach e Winfried Lamersdorf Springer US - Multi-Agent Programming 2005 pp.

JADEX: A BDI REASONING ENGINE. Alexander Pokahr, Lars Braubach e Winfried Lamersdorf Springer US - Multi-Agent Programming 2005 pp. JADEX: A BDI REASONING ENGINE Alexander Pokahr, Lars Braubach e Winfried Lamersdorf Springer US - Multi-Agent Programming 2005 pp. 149-174 Volume 15 Motivação Existem muitas plataformas para desenvolvimento

Leia mais

2 Instalando e configurando o ambiente de desenvolvimento do Microsoft SQL Server

2 Instalando e configurando o ambiente de desenvolvimento do Microsoft SQL Server Sumário Parte 1 Introdução ao desenvolvimento de banco de dados com o Microsoft SQL Server 2005 1 Apresentando o desenvolvimento de banco de dados com o Microsoft SQL Server 2005... 21 O processo de armazenar

Leia mais

Protótipo de uma ferramenta de apoio para desenvolvimento de sistemas web para WebIntegrator

Protótipo de uma ferramenta de apoio para desenvolvimento de sistemas web para WebIntegrator Protótipo de uma ferramenta de apoio para desenvolvimento de sistemas web para WebIntegrator Ederson Evaristo Jantsch Orientador: Marcel Hugo 09/07/2002 Roteiro Introdução Aplicação multicamadas Tecnologias

Leia mais

Sistemas de Gerência de Bancos de Dados. Módulo 1 - Armazenamento

Sistemas de Gerência de Bancos de Dados. Módulo 1 - Armazenamento Sistemas de Gerência de Bancos de Dados Módulo 1 - Armazenamento Tópicos Introdução Gerência do Buffer Pool Armazenamento em SGBDs Convencionais Armazenamento em SGBDs Orientados a Objeto Introdução Etapas

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Leia mais

PROCESSAMENTO ESTRUTURADO DE DOCUMENTOS. Departamento de Documentação Curso de Arquivologia

PROCESSAMENTO ESTRUTURADO DE DOCUMENTOS. Departamento de Documentação Curso de Arquivologia PROCESSAMENTO ESTRUTURADO DE DOCUMENTOS Departamento de Documentação Curso de Arquivologia - extensible Markup Language Definida pela W3C - World Wide Web Consortium Activity Grupos de trabalho que desenvolvem,

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação UNIDADE III Banco de Dados Professor : Hiarly Alves www.har-ti.com Fortaleza - 2014 Tópicos Conceito de Banco de Dados. Problemas com Banco de Dados. Modelos de Relacionamento de um Banco de Dados. SGDB

Leia mais

Introdução a Banco de Dados

Introdução a Banco de Dados Sumário DCC011: Introdução a Banco de Mirella Moro mirella@dcc.ufmg.br DCC011 Conceitos Básicos O que é um banco de dados Como manipular um banco de dados Projeto de Banco de Tópicos Importantes Aplicações

Leia mais

Introdução. O que é um Banco de Dados (BD)?

Introdução. O que é um Banco de Dados (BD)? O que é um Banco de Dados (BD)? É uma coleção de dados relacionados e armazenados em algum dispositivo Associações aleatórias de dados não podem ser chamadas de base de dados Conceito de dados Valor de

Leia mais

Um Mediador para o Processamento de Consultas sobre Bases XML Distribuídas

Um Mediador para o Processamento de Consultas sobre Bases XML Distribuídas Um Mediador para o Processamento de Consultas sobre Bases XML Distribuídas Guilherme Figueiredo 1, Vanessa Braganholo 2, Marta Mattoso 1 1 Programa de Engenharia de Sistemas e Computação COPPE/UFRJ 2 Departamento

Leia mais

Banco de Dados Geográficos

Banco de Dados Geográficos Banco de Dados Geográficos Valéria Gonçalves Soares Professora DIMAp/UFRN Conteúdo Bancos de Dados Geográficos 1. Conceitos e Definições Características Gerais 2. Modelos de Dados Geográficos Modelos de

Leia mais

Arquitetura de Banco de Dados

Arquitetura de Banco de Dados Arquitetura de Banco de Dados Modelos de Dados Alto Nível Utilizam conceitos tais como Entidades, Atributos e Relacionamentos. Uma entidade é um objeto que é representado na base de dados. Um atributo

Leia mais

Resolução de Conflitos em Documentos XML

Resolução de Conflitos em Documentos XML Resolução de Conflitos em Documentos XML Frantchesco Cecchin 1 Orientadora: Carmem Satie Hara PPGInf - Programa de Pós-Graduação em Informática Departamento de Informática Universidade Federal do Paraná

Leia mais

Banco de Dados I. Sejam bem-vindos! Prof. Fred Lucena. 1

Banco de Dados I. Sejam bem-vindos! Prof. Fred Lucena. 1 Banco de Dados I Sejam bem-vindos! 1 Bibliografia Básica COUGO, Paulo. Modelagem conceitual e projeto de banco de dados. 3.ed. Rio de Janeiro: F & W Publications, 1997. 284p. HEUSER, Carlos Alberto. Projeto

Leia mais

Oracle Database 11g: Introdução à Linguagem SQL Novo

Oracle Database 11g: Introdução à Linguagem SQL Novo Oracle University Contact Us: 0800 891 6502 Oracle Database 11g: Introdução à Linguagem SQL Novo Duration: 5 Days What you will learn Neste curso, os alunos aprendem os conceitos de bancos de dados relacionais.

Leia mais

saída durante o runtime Usando Functions de uma Única Linha para Personalizar Relatórios Mostrar as diferenças entre as functions SQL de uma única

saída durante o runtime Usando Functions de uma Única Linha para Personalizar Relatórios Mostrar as diferenças entre as functions SQL de uma única Tópicos do Curso: Introdução Listar os principais recursos do Banco de Dados Oracle 10g Apresentar uma visão geral de: componentes, plataforma de internet, servidor de aplicações e suite do desenvolvedor

Leia mais

Adriano Maranhão PROFISSIONAIS E ATIVIDADES ENVOLVIDAS EM UM SGBD

Adriano Maranhão PROFISSIONAIS E ATIVIDADES ENVOLVIDAS EM UM SGBD Adriano Maranhão PROFISSIONAIS E ATIVIDADES ENVOLVIDAS EM UM SGBD ADMINISTRADOR DA BASE DE DADOS Em qualquer organização onde muitas pessoas compartilham muitos recursos, existe a necessidade de um administrador

Leia mais

Conteúdo Minicurso. Modelo Conceitual (Alto Nível) Modelo Lógico (Nível Intermediário) Modelo Físico (Baixo Nível)

Conteúdo Minicurso. Modelo Conceitual (Alto Nível) Modelo Lógico (Nível Intermediário) Modelo Físico (Baixo Nível) Abstração II Simpósio de Informática do IF Baiano Campus Itapetinga 11 a 14 de julho de 2012 Conteúdo Minicurso Modelagem de Dados usando a Ferramenta ERwin Prof. MSc Pablo Freire Matos Informática - Instituto

Leia mais

CES-30 Técnicas de Banco de Dados - BD e CE-240 Projeto de Sistema de BD. Introdução e Orientações Gerais

CES-30 Técnicas de Banco de Dados - BD e CE-240 Projeto de Sistema de BD. Introdução e Orientações Gerais CURSO DE GRADUAÇÃO e DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA 1º SEMESTRE 2002 CES-30 Técnicas de Banco de Dados - BD e CE-240 Projeto de Sistema de BD Prof. Dr. Adilson Marques da Cunha Introdução e Orientações Gerais

Leia mais

Breve Histórico do Curso de Ciência da Computação

Breve Histórico do Curso de Ciência da Computação Breve Histórico do Curso de Ciência da Computação 1 Geração adaptativa de malha baseada em erro de curvatura Daniel Lima Sousa Esse trabalho descreve uma estratégia de adaptação para geração de malhas,

Leia mais

Sistema de Informação Geográfica

Sistema de Informação Geográfica Sistema de Informação Geográfica Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2016 Arquiteturas SIG 2 1 Tipos de Implementação 3 Tipos de Implementação Em geral, um

Leia mais

INE 5342 Banco de Dados III

INE 5342 Banco de Dados III UFSC-CTC-INE Curso de Ciências de Computação INE 5342 Banco de Dados III Ronaldo S. Mello 2008/1 http://www.inf.ufsc.br/~ronaldo/ine5342 Programa da Disciplina Objetivo Conteúdo Avaliação Bibliografia

Leia mais

Resolução dos exercícios da lista BD01

Resolução dos exercícios da lista BD01 Resolução dos exercícios da lista BD01 Pedro Losco Takecian Monitor João Eduardo Ferreira Professor 4 de abril de 2006 1. Quando faz sentido utilizar um SGBD ao invés de simplesmente utilizar o sistema

Leia mais

Manipulação de Dados em PHP (Integração PHP e MySql) Parte 1

Manipulação de Dados em PHP (Integração PHP e MySql) Parte 1 Desenvolvimento Web III Manipulação de Dados em PHP (Integração PHP e MySql) Parte 1 Prof. Mauro Lopes 1-31 21 Objetivos Nesta aula iremos trabalhar a manipulação de banco de dados através da Linguagem

Leia mais

Criação Automática de Visões Materializadas em SGBDs Relacionais

Criação Automática de Visões Materializadas em SGBDs Relacionais Andréa Weberling Carvalho Criação Automática de Visões Materializadas em SGBDs Relacionais Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre pelo

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Tópicos. Apresentando a família XML HTML HTML. XML extesible Markup Language. Problemas com o HTML

Tópicos. Apresentando a família XML HTML HTML. XML extesible Markup Language. Problemas com o HTML Tópicos Apresentando a família XML Prof.Tiago Lopes Telecken telecken@gmail.com IFRS Rio Grande HTML XML A família de tecnologias XML (DTD, XML Schemas, XHTML, SVG, MathML, MusicML, XMI, CSS, XSLT, XLINK,

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio formado por acadêmicos

Leia mais

Vantagens da Folha de Cálculo. UFCD 3776 Informática folha de cálculo e base de dados. Formadora: Sónia Rodrigues.

Vantagens da Folha de Cálculo. UFCD 3776 Informática folha de cálculo e base de dados. Formadora: Sónia Rodrigues. UFCD 776 Informática folha de cálculo e base de dados Objectivos da UFCD: Utilizar aplicações informáticas de folha de cálculo e de base de dados. UFCD 776 Informática folha de cálculo e base de dados

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Introdução. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Introdução Profa. Flávia Cristina Bernardini * Slides Baseados no material elaborado pelos professores Eduardo R. Hruschka, Cristina D. A. Ciferri e Elaine Parros Machado Motivação Operações

Leia mais

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes Microsoft.NET Lirisnei Gomes de Sousa lirisnei@hotmail.com Jair C Leite jair@dimap.ufrn.br Desenvolvimento Baseado em Componentes Resolução de problemas específicos, mas que podem ser re-utilizados em

Leia mais

contidos na descrição do serviço para localizar, contactar e chamar o serviço. A figura mostra os componentes e a interação entre eles.

contidos na descrição do serviço para localizar, contactar e chamar o serviço. A figura mostra os componentes e a interação entre eles. Web Services Web Service é um componente de software identificado por uma URI que independe de implementação ou de plataforma e pode ser descrito, publicado e invocado sobre uma rede por meio de mensagens

Leia mais

Aula 01. Introdução aos sistemas de informação Conceitos de banco de dados Modelos de BD Linguagens de Banco de Dados Usuários de um Banco de Dados

Aula 01. Introdução aos sistemas de informação Conceitos de banco de dados Modelos de BD Linguagens de Banco de Dados Usuários de um Banco de Dados INSTITUTO FEDERAL NORTE DE MINAS GERAIS Curso Técnico em Informática Disciplina: Banco de Dados Professor: Alessandro Carneiro Ribeiro E-mail: alessandro.carneiro@yahoo.com.br Aula 01 Introdução aos sistemas

Leia mais

Compiladores I Prof. Ricardo Santos (cap 1)

Compiladores I Prof. Ricardo Santos (cap 1) Compiladores I Prof. Ricardo Santos (cap 1) Compiladores Linguagens de programação são notações que permitem descrever como programas devem executar em uma máquina Mas, antes do programa executar, deve

Leia mais

Uma Abordagem para o Controle da Evolução de Software no Desenvolvimento Orientado a Modelos

Uma Abordagem para o Controle da Evolução de Software no Desenvolvimento Orientado a Modelos Uma Abordagem para o Controle da Evolução de Software no Desenvolvimento Orientado a Modelos Chessman Kennedy Faria Corrêa 1 Leonardo G. P. Murta 1 Claudia M. L. Werner 1 1 Programa de Engenharia de Sistemas

Leia mais

Banco de Dados. Banco de Dados

Banco de Dados. Banco de Dados Banco de Dados Banco de Dados Data Warehouse: banco de dados contendo dados extraídos do ambiente de produção da empresa, que foram selecionados e depurados, tendo sido otimizados para processamento de

Leia mais

MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS RELACIONAIS

MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS RELACIONAIS Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Sistemas de Informação RENATO SULZBACH MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Bacharelado em Ciências da Computacão Compiladores

Universidade Federal de Goiás Bacharelado em Ciências da Computacão Compiladores Universidade Federal de Goiás Bacharelado em Ciências da Computacão Compiladores 2013-2 Compilador para a Linguagem Cafezinho Especificação dos trabalhos: T2 (Geração da Representação Intermediária e Análise

Leia mais

Armazenamento Nativo. Vanessa Braganholo. Vanessa Braganholo

Armazenamento Nativo. Vanessa Braganholo. Vanessa Braganholo Armazenamento Nativo Vanessa Braganholo Vanessa Braganholo Como armazenar? 1. Sistema de arquivos 2. Banco de Dados Relacional/Objeto Relacional/etc. com suporte a XML (habilitado a XML ou híbrido) 3.

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Fundamentos em Bancos de Dados Relacionais Wladmir Cardoso Brandão www.wladmirbrandao.com Departamento de Ciência da Computação (DCC) Instituto de Ciências Exatas e Informática

Leia mais

Gestão e Tratamento de Informação. 1º Semestre 2011/2012 DEI IST

Gestão e Tratamento de Informação. 1º Semestre 2011/2012 DEI IST Gestão e Tratamento de Informação 1º Semestre 2011/2012 DEI IST Corpo docente Helena Galhardas responsável Alameda docente teóricas Pável Calado responsável Tagus docente teóricas Bruno Martins docente

Leia mais

XML para transferência de dados Estrutura hierárquica do XML DTDs e XML Schema Consultas de documentos XML: XPath e XQuery Transformação de

XML para transferência de dados Estrutura hierárquica do XML DTDs e XML Schema Consultas de documentos XML: XPath e XQuery Transformação de Capítulo 9: XML XML para transferência de dados Estrutura hierárquica do XML DTDs e XML Schema Consultas de documentos XML: XPath e XQuery Transformação de documentos XML: XSLT Mapeamento entre documentos

Leia mais

SAPBI. Introdução ao SAP BusinessObjects BI Solutions ESTRUTURA DO CURSO. Versão do curso: 15 Duração do curso: 3 Dias

SAPBI. Introdução ao SAP BusinessObjects BI Solutions ESTRUTURA DO CURSO. Versão do curso: 15 Duração do curso: 3 Dias SAPBI Introdução ao SAP BusinessObjects BI Solutions. ESTRUTURA DO CURSO Versão do curso: 15 Duração do curso: 3 Dias Direitos autorais e marcas da SAP 2015 SAP SE. Todos os direitos reservados. Nenhuma

Leia mais

HR306 Configuração do registro de tempos

HR306 Configuração do registro de tempos HR306 Configuração do registro de tempos. ESTRUTURA DO CURSO Versão do curso: 010 Duração do curso: 5 Dias Direitos autorais e marcas da SAP 2013 SAP AG. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta

Leia mais

Processamento de Consultas XML usando Máquinas de Inferência

Processamento de Consultas XML usando Máquinas de Inferência Processamento de Consultas XML usando Máquinas de Inferência Fábio G. Santos, Rafael de Araújo M. Pinheiro, Vanessa Braganholo Universidade Federal Fluminense fabiogomes@id.uff.br, {rpinheiro, vanessa}@ic.uff.br

Leia mais

Administração de Sistemas Operacionais. Prof. Marlon Marcon

Administração de Sistemas Operacionais. Prof. Marlon Marcon Administração de Sistemas Operacionais Prof. Marlon Marcon SGBD SGBD: Sistema de gerenciamento de banco de dados. é o conjunto de programas de computador (softwares) responsáveis pelo gerenciamento de

Leia mais

Revisão de Bancos de Dados

Revisão de Bancos de Dados Revisão de Bancos de Dados Conceitos Básicos 1. Defina o que é um banco de dados e o que é um sistema gerenciador de bancos de dados (SGBD). 2. Defina as arquiteturas de software em duas camadas (cliente/servidor)

Leia mais

Banco de Dados. Profa. Marta Mattoso. COPPE- Sistemas / UFRJ. Arquiteturas em Banco de Dados

Banco de Dados. Profa. Marta Mattoso.  COPPE- Sistemas / UFRJ. Arquiteturas em Banco de Dados Banco de Dados Profa. Marta Mattoso marta@cos.ufrj.br http://ww.cos.ufrj.br/~marta COPPE- Sistemas / UFRJ Arquiteturas em Banco de Dados Roteiro Introdução a arquiteturas de SGBD SGBD (ANSI/SPARC) SGBD

Leia mais

INFORMÁTICA. Instruções: Para responder às questões de números 71 e 72, considere o texto a seguir:

INFORMÁTICA. Instruções: Para responder às questões de números 71 e 72, considere o texto a seguir: INFORMÁTICA Prova de Agente Fiscal de Rendas do ICMS-SP/2013 - FCC. Por Ana Lucia Castilho* Instruções: Para responder às questões de números 71 e 72, considere o texto a seguir: A equipe de TI da empresa

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados II Aula 04. Prof. Érick de Souza Carvalho

Laboratório de Banco de Dados II Aula 04. Prof. Érick de Souza Carvalho Laboratório de Banco de Dados II Aula 04 Prof. Érick de Souza Carvalho 1 SQL (Structured Query Language ) Prof. Érick de Souza Carvalho 2 SQL Structured Query Language - Introdução É uma Linguagem para

Leia mais

Processos de software

Processos de software Processos de software 1 Processos de software Conjunto coerente de atividades para especificação, projeto, implementação e teste de sistemas de software. 2 Objetivos Introduzir modelos de processos de

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados

SQL Linguagem de Definição de Dados SQL Linguagem de Definição de Dados Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais

Leia mais

DDL). O resultado da compilação dos parâmetros DDLs é

DDL). O resultado da compilação dos parâmetros DDLs é Banco Dados Aula 2 Linguagens de Banco de Dados e Tipos de Usuários 1. Linguagens de Banco de Dados Um sistema de banco de dados proporciona dois tipos de linguagens: uma específica para os esquemas do

Leia mais

Universidade Regional de Blumenau

Universidade Regional de Blumenau Universidade Regional de Blumenau Curso de Bacharel em Ciências da Computação Protótipo de um Sistema de Informações Estratégicas para Consultórios Médicos utilizando Genexus Protótipo desenvolvido como

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES AULA 03 PROFº RITIELLE SOUZA DISTRIBUIÇÃO LÓGICA DISTRIBUIÇÃO LÓGICA Arquitetura de Von Neumann Uma unidade central de processamento recebe informações através de uma unidade

Leia mais

Sistemas Baseados em Conhecimento

Sistemas Baseados em Conhecimento Sistemas Baseados em Conhecimento Profa. Josiane M. P. Ferreira Baseado no capítulo 2 do livro Sistemas Inteligentes Fundamentos de Aplicações, organizadção: Solange Oliveira Rezende, ed. Manole, 2005.

Leia mais

Introdução a Teste de Software

Introdução a Teste de Software Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Introdução a Teste de Software Prof. Luthiano Venecian 1 Conceitos Teste de software

Leia mais