Prof. MSc MARCOS FABIO DE LIMA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prof. MSc MARCOS FABIO DE LIMA"

Transcrição

1 PRINCÍPIOS BÁSICOS DE INCUBAÇÃO Prof. MSc MARCOS FABIO DE LIMA

2 01.INTRODUÇÃO: O desenvolvimento do embrião no interior do ovo se dá em duas etapas, a saber: Desenvolvimento antes da postura: ovo ainda no oviduto. Desenvolvimento após a postura. *Existe ainda uma terceira etapa que pode ocorrer, e que se refere ao período após a postura e início da incubação, neste período pode ocorrer eventos não desejáveis ao processo de incubação em função de variações de temperatura e umidade que interferem diretamente no desenvolvimento do embrião.

3 02. DESENVOVIMENTO ANTES DA POSTURA: Inicia-se aproximadamente três horas após a fertilização, que ocorre na porção superior do Infundíbulo, e continua progredindo paralelamente à formação do ovo no interior do oviduto da ave. Como a duração da formação do ovo é de cerca de 26 horas, o desenvolvimento embrionário não organismo da ave leva aproximadamente 22 horas.

4 SEGMENTO EVENTO TEMPO PERMANENCIA INFUNDÍBULO Onde ocorre o ponto de fertilização ( o sptz n pode penetrar após formação do albúmem) 15 minutos MAGNO Formação do albúmem que irá constituir a clara 3 horas ISTMO Secreção das duas membranas da casca e o ovo recebe mais 1,5 horas clara ÚTERO Formação da casca e cutícula + pigmentação do ovo. 20 a 23 horas VAGINA Somente passagem do ovo do útero para a cloaca 15minutos TEMPO TOTAL 25 a 28 horas

5

6 03. FASES DE DESENVOLVIMENTO DO EMBRIÃO: A célula mãe, blastômero, divide-se por mitose em duas células-filhas no momento em que o ovo entra no istmo. Após 20 min ocorre outra divisão e, ainda no istmo, se dá uma terceira divisão oito células. No momento em que o zigoto atinge o útero, cerca de cinco horas após a fertilização, a divisão está no estágio de 16 células e nas próximas 17 horas, o desenvolvimento continua até a formação de 256 células, formando o blastoderme indiferenciado (período de prégastrula).

7 03. FASES DE DESENVOLVIMENTO DO EMBRIÃO: Antes da postura o blatoderme inicia a diferenciação em duas camadas germinativas, começando a gastrulação. A camada acima do blastocele dará origem ao epiblasto ectoderma. A camada abaixo dará origem ao hipoblasto endoderma. A gastrulação é completada com a origem da terceira camada germinativa o mesoblasto mesoderma, já no período de incubação.

8 03. FASES DE DESENVOLVIMENTO DO EMBRIÃO: EPIBLASTO: pele, penas, bico, unhas, sistema nervoso, retina dos olhos e mucosa da boca e cloaca. HIPOBLASTO: tratos digestivos e respiratórios e órgãos dos sistemas circulatório e secretor. MESOBLASTO: ossos, músculos e órgãos reprodutivos e excretores.

9 03. FASES DE DESENVOLVIMENTO DO EMBRIÃO: Depois da postura, o ovo, que antes estava submetido a uma temperatura no corpo da ave entre 40 e 41ºC, sofre um resfriamento. O embrião, fases iniciais de desenvolvimento, age como um organismo de sg frio (poiquilotermo), sofrendo influencia direta da temperatura do meio ambiente. Se a temperatura exterior for abaixo de 23,3ºC o desenvolvimento embrionário é paralizado. Esta temperatura de 23,3ºC é denominada de zero fisiológico.

10 03. FASES DE DESENVOLVIMENTO DO EMBRIÃO: O armazenamento de ovos para posterior incubação deve ser em ambientes com temperaturas inferiores ao zero fisiológico ( 20 a 22ºC ) para assegurar a parada completa do desenvolvimento embrionário até o momento do início da incubação. Esta prática permite que se tenha nascimento mais uniforme.

11 SALA DE OVOS

12 Alem da temperatura deve-se também manter os ovos a uma umidade relativa de 70%, sendo que o tempo entre a postura e o início da incubação deverá ser de no máximo quatro dias, para que este período também não venha a comprometer a uniformidade dos pintainhos.

13 CONTROLE DE UMIDADE

14 CLASSIFICAÇÃO DE OVOS

15 PRE-INCUBAÇÃO Antes da incubação os ovos deverão passar por um período de pré-incubação para que os ovos não sofram um choque térmico. Esta préincubação é realizada deixando-se os carrinhos de ovos em uma sala a 30ºC durante cerca de tre horas. Existem outras formas de pré-aquecimento realizadas de forma gradativa deve-se no entanto usar o bom senso para tal operação.

16 PRE-INCUBAÇÃO

17 PRE-INCUBAÇÃO

18 SEQUÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO. Primeiras 24 horas

19 INFÉRTIL

20 FÉRTIL

21 SEQUÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO. 18h = Início da formação do trato alimentar

22 SEQUÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO. 19h = Início da formação da prega neural

23 SEQUÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO. 20h = Início de formação do cérebro e sistemas nervoso

24 SEQUÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO. 21h = Início da formação da cabeça

25 SEQUÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO. 23h = Aparecimento das ilhotas de sg

26 SEQUÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO. 24h = Início da formação dos ollhos

27 SEQUÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO. Até 48 horas

28

29 Até 48 horas 01. O embrião começa a se colocar no seu lado esquerdo 02. Formação dos vasos sanguíneos e do coração, que começa a bater 03. Fechamento do canal neural para formar o tubo neural

30 Até 48 horas 04. Início da formação da vesícula auditiva 05. Término de formação das três regiões do cérebro 06. Aparecimento dos primeiros sinais de âmnio

31 Até 72 horas

32 Até 72 horas 01. Aparece o vestígio da cauda 02. Formação do botões dos membros inferiores e superiores 03. Presença do âmnio e do córion

33 Até 72 horas 04. Início da formação das narinas. 05. Aparecimento do cristalino dos olhos.

34 Até 96 horas

35

36 Até 96 horas 01. Completa-se a formação das membranas extra-embrionárias âmnio, córion e alantóide 02. O corpo do embrião posiciona-se sobre o lado esquerdo

37 Até 96 horas 03. A gema, no ponto de implantação, torna-se mais alongada 04. O embrião se apresenta na forma de C

38 Aos 5 dias 01. Aumento da tamanho do embrião, do saco vitelino e da alantóide 02. Distingue-se a estrutura externa dos olhos (olhos pretos e grandes) 03. Formação do proventrículo e moela

39

40 Aos 6 dias 01. Início da formação do bico 02. O coração está bem grande e fora do corpo 03. Os apêndices locomotores começam a adquirir a forma da ave

41

42 Aos 7 dias 01. Já se tornam proeminentes os dígitos da asa e das pernas 02. O abdome se torna saliente devido ao desenvolvimento das vísceras 03. O coração está dentro da cavidade 04. Conduto auditivo completo 05. A alantóide cobre completamente a gema

43

44 Aos 8 dias 01. Início da formação das penas 02. Asas e pernas diferenciadas

45

46 Aos 9 dias 01. Bico, apêndices superiores e inferiores estão bastante diferenciados

47

48 Aos 10 dias 01. Ocorre endurecimento do bico 02. Os poros da pele estão visíveis a olho nu

49

50 Aos 11 dias 01. O corpo e o pescoço assumem a forma característica de ave 02. O embrião está coberto por uma penugem fina

51

52 Aos 12 dias 01. Os dedos estão formados. 02. As unhas dos pés começam a se formar. 03. Completa-se o empenamento.

53

54 Aos 13 dias 01. Aparecem as escamas e unhas 02. A cabeça move-se para a direita do corpo

55

56 Aos 14 dias 01. O embrião dirige a cabeça em direção à câmara de ar

57

58 Aos 15 dias 01. O corpo e a cabeça são mais proporcionais em tamanho. 02. Ocorre a penetração do intestino para o interior da cavidade.

59

60 Aos 16 dias 01. O embrião está emplumado

61

62 Aos 17 dias 01. O bico está voltado para a câmara de ar 02. Há uma diminuição do líquido amniótico

63

64 Aos 18 dias 01. A crista está visível 02. O embrião esta quase do tamanho normal. 03. A cabeça está sob a asa direita

65

66 Aos 19 dias 01. Começa a penetração do saco vitelino na cavidade 02. O embrião ocupa totalmente o ovo, exceto a câmara de ar

67

68 Aos 20 dias 01. O saco vitelino está totalmente na cavidade. 02. O umbigo está aberto. 03. A alantóide para de funcionar e começa a secar. 04. O embrião rompe o âmnio e começa a respirar através da câmara de ar. 05. O embrião atinge o tamanho normal.

69

70 Aos 21 dias 01. O pintainho bica a casca. 02. O pintainho emerge da casca eclosão. 03. Secam-se as penas e o umbigo é cicatrizado.

71

72 04. FLUXOGRAMA DO INCUBATÓRIO: 1. TRANSPORTE DOS OVOS DA GRANJA AO INCUBATÓRIO.

73 04. FLUXOGRAMA DO INCUBATÓRIO: 2. ÁREA DE RECEBIMENTO E DESINFECÇÃO DOS OVOS.

74 04. FLUXOGRAMA DO INCUBATÓRIO: 3. SALA DE OVOS

75 04. FLUXOGRAMA DO INCUBATÓRIO: 4. SALA DE ESTOCAGEM DOS OVOS ( 20 a 22ºC durante 4 dias/ UR: 70 a 80%).

76 04. FLUXOGRAMA DO INCUBATÓRIO: 5. CÂMARA FRIA (superior a sete dias/ 12 a 15ºC ).

77 04. FLUXOGRAMA DO INCUBATÓRIO: 6. SALA DE PRÉ-INCUBAÇÃO (30ºC durante 3 horas a 60% UR ).

78 7. SALA DE INCUBAÇÃO (Incubadoras = 1 a 19 dias/ 37,5ºC UR: 60% ).

79 8. SALA DE NASCIMENTO (Nascedouros = 19 a 21 dias/ 36,7ºC - UR: 70%).

80 9. SALA DE PINTOS (temp: 24 a 28ºC/UR: 60-70%).

81 10. ÁREA DE EXPEDIÇÃO DOS PINTOS.

82 04. FLUXOGRAMA DO INCUBATÓRIO: 11. LAVATÓRIOS

83 04. FLUXOGRAMA DO INCUBATÓRIO: 12. ESCRITÓRIO

84 05. SISTEMAS DE INCUBAÇÃO: 01. ESTÁGIO MÚLTIPLO

85 05. SISTEMAS DE INCUBAÇÃO: 02. ESTÁGIO ÚNICO

86 06. TEMPO DE INCUBAÇÃO: ESPÉCIE PERÍODO GALINHA DIAS ( 504 HORAS). PERU: 28 DIAS DIAS. PATOS/ MARRECOS DIAS. GANSOS DIAS. AVESTRUZ DIAS. CODORNA DIAS. PASSÁROS DIAS.

87 06. TEMPO DE INCUBAÇÃO: Durante o período de incubação o ovo sofre um desidratação fisiológica de tal sorte que o pintainho pesa cerca de 70 a 75% do peso do ovo, sendo que esta relação está ligada a uma série de variáveis

88 07. CONTROLE SANITÁRIO DO INCUBATÓRIO:

89 08. TRANSPORTE DOS PINTAINHOS:

90 MATRIZES

91 MATRIZES

92 NINHOS

93 INICIO E FINAL DE PRODUÇAO

94 DEBICAGEM

95 DEBICAGEM

96 PAZ E BEM!

ORGANOGÊNESE FASE EMBRIONÁRIA

ORGANOGÊNESE FASE EMBRIONÁRIA ORGANOGÊNESE FASE EMBRIONÁRIA ORGANOGÊNESE (organo: organismo e gênese: origem) Importância: embrião. A maior parte do desenvolvimento dos órgãos: (varia com a espécie) Ao final deste período: Principais

Leia mais

Embriogênese. Natália A. Paludetto

Embriogênese. Natália A. Paludetto Embriogênese Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com Embriogênese Após fusão dos núcleos durante a fecundação, formase uma célula ovo ou zigoto. Zigoto primeira célula de um novo ser vivo (2n).

Leia mais

01/06/2014. Deve ser: - Escrita a mão. - Incluir bibliografia (preferencialmente LIVRO).

01/06/2014. Deve ser: - Escrita a mão. - Incluir bibliografia (preferencialmente LIVRO). Trabalho a ser entregue no dia da prova (escrita a mão): Este trabalho terá valor de 3,0 na prova prática. Deve ser: - Escrita a mão. - Incluir bibliografia (preferencialmente LIVRO). Escolha uma malformação

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS EMBRIOLOGIA

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS EMBRIOLOGIA UFRGS EMBRIOLOGIA 1. (Ufrgs 2012) Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas do enunciado abaixo, na ordem em que aparecem. Em mamíferos, o... e as células trofoblásticas interagem com

Leia mais

Reprodução e Embriologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA

Reprodução e Embriologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Reprodução e Embriologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Ciclo Menstrual Menstruação - fluxo de sangue e restos de mucosa uterina periodicamente eliminados pela vagina. Ciclo Menstrual Menstruação

Leia mais

Embriologia. Prof. César Lima

Embriologia. Prof. César Lima Embriologia A embriologia é a parte da Biologia que estuda o desenvolvimento dos embriões animais. Há grandes variações, visto que os animais invertebrados e vertebrados apresentam muitos diferentes aspectos

Leia mais

REPRODUÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO. Professor Heverton Alencar

REPRODUÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO. Professor Heverton Alencar REPRODUÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO Professor Heverton Alencar Sistema reprodutor masculino Testículo - produção de espermatozoides e também a produção de testosterona (hormônio sexual masculino);

Leia mais

ASPECTOS EVOLUTIVOS. originaram dos répteis. Escamas móveis semelhantes as penas antes do surgimento da endotermia e no início, sem relação com o vôo.

ASPECTOS EVOLUTIVOS. originaram dos répteis. Escamas móveis semelhantes as penas antes do surgimento da endotermia e no início, sem relação com o vôo. Classe das Aves ASPECTOS EVOLUTIVOS originaram dos répteis. Escamas móveis semelhantes as penas antes do surgimento da endotermia e no início, sem relação com o vôo. redução do peso. o planar vôo nicho

Leia mais

ANEXOS EMBRIONÁRIOS EMBRIOLOGIA

ANEXOS EMBRIONÁRIOS EMBRIOLOGIA ANEXOS EMBRIONÁRIOS EMBRIOLOGIA Embriologia A embriologia é a parte da Biologia que estuda o desenvolvimento dos embriões animais. Há grandes variações, visto que os animais invertebrados e vertebrados

Leia mais

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO Desenvolvimento animal Indirecto - Metamorfoses Directo Forma definitiva - ovo - fase embrionária - fase juvenil - fase adulta ou de maturidade Transformações no desenvolvimento

Leia mais

Porque EMBRIOLOGIA? 02-Sep Malformações craniofaciais tem origem embriológica. 2. Vão achar que você saberá responder:

Porque EMBRIOLOGIA? 02-Sep Malformações craniofaciais tem origem embriológica. 2. Vão achar que você saberá responder: 1. A interação do EPITÉLIO com o MESÊNQUIMA é necessária para odontogênese Porque EMBRIOLOGIA? 2. Malformações craniofaciais tem origem embriológica 2. Vão achar que você saberá responder: O que é placenta?

Leia mais

ACERVO DIGITAL FASE II. Embriologia. I Anfíbios. Lâmina F Mórula da Rã

ACERVO DIGITAL FASE II. Embriologia. I Anfíbios. Lâmina F Mórula da Rã ACERVO DIGITAL FASE II Embriologia I Anfíbios Lâmina F2-01 1.Mórula da Rã de 40x: Observar os macrômeros (células maiores) e os micrômeros (células menores). Nesta fase ainda não há cavidade na figura

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 46 ANEXOS EMBRIONÁRIOS

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 46 ANEXOS EMBRIONÁRIOS BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 46 ANEXOS EMBRIONÁRIOS Como pode cair no enem? (PUC) O desenvolvimento embrionário nos vertebrados leva à formação, em determinado estágio, de certas estruturas que não

Leia mais

Exercícios de Embriogênese e Anexos

Exercícios de Embriogênese e Anexos Exercícios de Embriogênese e Anexos Material de apoio do Extensivo 1. (VUNESP) Uma senhora deu à luz dois gêmeos de sexos diferentes. O marido, muito curioso, deseja saber informações sobre o desenvolvimento

Leia mais

Manejo de Incubação. Eduardo Costa Fortaleza, 04 de setembro de 2013

Manejo de Incubação. Eduardo Costa Fortaleza, 04 de setembro de 2013 Manejo de Incubação Eduardo Costa Fortaleza, 04 de setembro de 2013 Frango de corte aos 42 dias de idade 1990 2000 2010 2020 Peso (g) 1.588 2.041 2.495 2.948 Conversão alimentar 2,22 2,02 1,82 1,62 Gordura

Leia mais

Noções de Embriologia Geral

Noções de Embriologia Geral Noções de Embriologia Geral EMBRIOLOGIA É o estudo do desenvolvimento de um ser pluricelular desde o estágio de uma célula (zigoto) até a diferenciação e especialização das células, tecidos e órgãos que

Leia mais

Blastocisto. Embrião Membranas fetais. Embrioblasto. Trofoblasto parte fetal da placenta. Cavidade blastocística

Blastocisto. Embrião Membranas fetais. Embrioblasto. Trofoblasto parte fetal da placenta. Cavidade blastocística 2 Implantação Blastocisto Embrioblasto Embrião Membranas fetais Trofoblasto parte fetal da placenta Cavidade blastocística 3 Após a adesão: Trofoblasto diferencia-se: Embrioblasto sofre delaminação: Citotrofoblasto

Leia mais

Embriologia Geral BMH-120. Clivagem e Implantação

Embriologia Geral BMH-120. Clivagem e Implantação Embriologia Geral BMH-120 Clivagem e Implantação Rodrigo A. P. Martins ICB -UFRJ A fertilização é só o começo Fertilização Clivagem Gastrulação Organogênese Determinação/Formação de eixos AP antero-posterior

Leia mais

REPRODUÇÃO. Prof. Edgard Manfrim - Biologia

REPRODUÇÃO. Prof. Edgard Manfrim - Biologia REPRODUÇÃO Prof. Edgard Manfrim - Biologia REPRODUÇÃO ASSEXUADA BROTAMENTO OU GEMIPARIDADE ESPONGIÁRIO E CELENTERADO ESTROBILIZAÇÃO MEDUSAS REGENERAÇÃO PLANÁRIAS Prof. Edgard Manfrim - Biologia Prof. Edgard

Leia mais

Gametogênese e Embriologia

Gametogênese e Embriologia Material de apoio para Aula ao Vivo 1. (Fuvest) Um pesquisador fez o seguinte desenho de uma célula observada ao microscópio óptico. Pode tratar-se de uma célula de a) ovário. b) sangue. c) linfa. d) medula

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE DISCIPLINA DE VIROLOGIA BÁSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE DISCIPLINA DE VIROLOGIA BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE DISCIPLINA DE VIROLOGIA BÁSICA Fabrine Finkler Mestranda em Virologia UFRGS/IPVDF 1 Biologia Ovo: zigoto Óvulo: haplóide

Leia mais

Disciplina: Criação e Exploração de Aves Prof. Msc. Alício José Corbucci Moreira

Disciplina: Criação e Exploração de Aves Prof. Msc. Alício José Corbucci Moreira Produção de Pintainhos - Incubação Disciplina: Criação e Exploração de Aves Prof. Msc. Alício José Corbucci Moreira Objetivos Compreender as principais atividades envolvidas na produção de pintos de corte

Leia mais

FIM DA NIDAÇÃO (IMPLANTAÇÃO) E FORMAÇÃO DOS ANEXOS EMBRIONÁRIOS 2ª SEMANA. Valeska Silva Lucena

FIM DA NIDAÇÃO (IMPLANTAÇÃO) E FORMAÇÃO DOS ANEXOS EMBRIONÁRIOS 2ª SEMANA. Valeska Silva Lucena FIM DA NIDAÇÃO (IMPLANTAÇÃO) E FORMAÇÃO DOS ANEXOS EMBRIONÁRIOS 2ª SEMANA Valeska Silva Lucena valeskasl@hotmail.com EMBRIOGÊNESE Zigoto Mórula Blástula Gástrula Nêurula NIDAÇÃO A implantação do blastocisto

Leia mais

Problemas Microbiológicos na Incubação Artificial.

Problemas Microbiológicos na Incubação Artificial. Data: Agosto /2006 Problemas Microbiológicos na Incubação Artificial. 1) Introdução O objetivo da incubação artificial é a transformação de ovos embrionados em pintos de um dia. A incubação não pode modificar

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina CBI212 Histologia e Embriologia

Programa Analítico de Disciplina CBI212 Histologia e Embriologia Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina CBI1 Histologia e Embriologia Campus Rio Paranaíba - Campus Rio Paranaíba Número de créditos: 5 Teóricas Práticas Total Duração em semanas:

Leia mais

Embriologia: É a parte da Biologia que estuda as transformações que se tem no embrião, desde a formação da célula-ovo até o nascimento.

Embriologia: É a parte da Biologia que estuda as transformações que se tem no embrião, desde a formação da célula-ovo até o nascimento. Embriologia Embriologia: É a parte da Biologia que estuda as transformações que se tem no embrião, desde a formação da célula-ovo até o nascimento. Fecundação Mitoses sucessivas; Crescimento celular: Zigoto:

Leia mais

Disco embrionário bilaminar

Disco embrionário bilaminar Origem do embrião 1 Disco embrionário bilaminar 2 3 GASTRULAÇÃO - 3 a semana Aparecimento da linha primitiva Desenvolvimento da notocorda Diferenciação das três camadas germinativas (disco bilaminar trilaminar)

Leia mais

QUARTA A OITAVA SEMANA DO DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO

QUARTA A OITAVA SEMANA DO DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO QUARTA A OITAVA SEMANA DO DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO ASPECTOS INTERNOS E EXTERNOS DO EMBRIÃO 1 O PERÍODO DE ORGANOGÊNESE OCORRE DA QUARTA À OITAVA SEMANA DO DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO. AO FINAL DA OITAVA

Leia mais

ACERVO DIGITAL FASE II. Embriologia I GALINHA. Lâmina F3-01. Tempo do desenvolvimento 24h em corte transversal

ACERVO DIGITAL FASE II. Embriologia I GALINHA. Lâmina F3-01. Tempo do desenvolvimento 24h em corte transversal ACERVO DIGITAL FASE II Embriologia I GALINHA Lâmina F3-01 Tempo do desenvolvimento 24h em corte transversal de 100x: É possível observar-se os três folhetos embrionários, ectoderme, mesoderme e endoderme

Leia mais

(seleção, sexagem, vacinação, condições de armazenagem, temperatura umidade e ventilação da sala, expedição dos pintos).

(seleção, sexagem, vacinação, condições de armazenagem, temperatura umidade e ventilação da sala, expedição dos pintos). a arte de incubar parte 4 sala de pintos (seleção, sexagem, vacinação, condições de armazenagem, temperatura umidade e ventilação da sala, expedição dos pintos). Os manejos de Sala de Pintos dependem da

Leia mais

ANATOMIA DE UM ESPERMATOZÓIDE

ANATOMIA DE UM ESPERMATOZÓIDE EMBRIOLOGIA ANATOMIA DE UM ESPERMATOZÓIDE Acrossomo: vesícula formada por lisossomos, com função de romper as barreiras do óvulo. Gameta masculino Responsável pela determinação do sexo do bebê. Região

Leia mais

Desenvolvimento Embrionário e Anexos Embrionários. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Desenvolvimento Embrionário e Anexos Embrionários. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Desenvolvimento Embrionário e Anexos Embrionários Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto 1 a Semana de Desenvolvimento embrionário Massa Celular Interna Blastocisto Blastocele Trofoblasto 2 a Semana de Desenvolvimento:início

Leia mais

01) (UFRRJ/2003) Os óvulos apresentam diferentes quantidades e distribuição do vitelo ou deutoplasma (substância de reserva).

01) (UFRRJ/2003) Os óvulos apresentam diferentes quantidades e distribuição do vitelo ou deutoplasma (substância de reserva). 01) (UFRRJ/2003) Os óvulos apresentam diferentes quantidades e distribuição do vitelo ou deutoplasma (substância de reserva). Considerando-se o vitelo das aves, podemos afirmar que, ao longo do desenvolvimento

Leia mais

Filo Annelida Vermes Anelados

Filo Annelida Vermes Anelados Filo Annelida Vermes Anelados CARACTERÍSTICAS GERAIS Anelídeo anelo = anel Metameria Meta = sucessão; meros = partes Externa e Interna Triblástico ( endoderme, mesoderme e ectoderme) Celomados Simetria

Leia mais

13-Nov-14. Intestino de humanos; 6-7X tamanho do corpo Intestinto de ruminantes: 20x tamanho do corpo. Desenvolvimento Gastrointestinal

13-Nov-14. Intestino de humanos; 6-7X tamanho do corpo Intestinto de ruminantes: 20x tamanho do corpo. Desenvolvimento Gastrointestinal 13-Nov-14 Desenvolvimento Gastrointestinal Folhetos embrionários Ectoderma Pele Sistema Nervoso Crista Neural (ecto=externa) Mesoderma Intestino de humanos; 6-7X tamanho do corpo Intestinto de ruminantes:

Leia mais

Embriodiagnóstico CHAPTER 3. Introdução

Embriodiagnóstico CHAPTER 3. Introdução CHAPTER 3 Embriodiagnóstico Introdução As condições de eclobilidade influenciam a produção de pintos de um dia porque durante o processo de incubação podemos submeter esses ovos a situações que podem produzir

Leia mais

Tipos de Ovos ou. óvulos ou. ovócitos ou. gametas femininos. Onde Ficam?

Tipos de Ovos ou. óvulos ou. ovócitos ou. gametas femininos. Onde Ficam? Tipos de Ovos ou óvulos ou ovócitos ou gametas femininos Onde Ficam? Nos ovários ou gônadas (glândulas) das fêmeas. artropodes Total blastômeros Holoblástica ocorre em todo o ovo; Meroblástica ocorre em

Leia mais

Desenvolvimento de Aves - Embriologia Comparada 2016/2

Desenvolvimento de Aves - Embriologia Comparada 2016/2 Alana Guaragni Alessa B. Benetti Cristiane L. L. Garbinato Fabricia Zem Giovane Z. Arus 2016/1 Lado esquerdo do corpo: 1 ovário + 1 oviduto. Lado direito do corpo: Atrofia durante a organogênese. Ovário

Leia mais

Em Biologia, o desenvolvimento envolve diversos aspectos:

Em Biologia, o desenvolvimento envolve diversos aspectos: Embriologia A embriologia é a parte da Biologia que estuda o desenvolvimento dos embriões animais. Há grandes variações, visto que os animais invertebrados e vertebrados apresentam muitos diferentes aspectos

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina BIO220 Histologia e Embriologia

Programa Analítico de Disciplina BIO220 Histologia e Embriologia Catálogo de Graduação 206 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Biologia Geral - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas:

Leia mais

EMBRIOLOGIA. Prof. Kauê Costa 2014

EMBRIOLOGIA. Prof. Kauê Costa 2014 EMBRIOLOGIA Prof. Kauê Costa kaue.costa@ymail.com 2014 Zigoto Ocorre variação na reserva nutricional (vitelo) dos zigotos de diferentes seres vivos. Clivagem É o nome que se dá à divisão, por mitose, do

Leia mais

16) Piaractus mesopotamicus (Holmberg, 1887)

16) Piaractus mesopotamicus (Holmberg, 1887) 130 Ovos e larvas de peixes de água doce... 16) Piaractus mesopotamicus (Holmberg, 1887) Nomes comuns : Pacu e pacu-caranha. Distribuição geográfica: Bacia do rio da Prata (Romagosa; Paiva; Godinho; Storfer,

Leia mais

a) multiplicação de células, através de mitoses sucessivas.

a) multiplicação de células, através de mitoses sucessivas. Embbr ri iiool llooggi iiaa Huumaannaa... 1 Introdução... 1 Gastrulação... 1 Tipos de óvulos (ovos): classificação e ocorrência.... 2 Tipos de clivagem:... 2 Fases do Desenvolvimento... 3 Destino dos Folhetos

Leia mais

BIOLOGIA FOLHETOS EMBRIONÁRIOS. a) Hydra. b) Planária. c) Actínea. d) Esponja. e) Obélia.

BIOLOGIA FOLHETOS EMBRIONÁRIOS. a) Hydra. b) Planária. c) Actínea. d) Esponja. e) Obélia. BIOLOGIA Prof. Fred FOLHETOS EMBRIONÁRIOS 1. Observe a figura ao lado, que representa um corte transversal de um cordado. A estrutura apontada pela seta está presente a) na galinha. b) na minhoca c) no

Leia mais

02)(UFPEL-2007) O desenvolvimento embrionário dos vertebrados é dividido nas seguintes etapas: segmentação, gastrulação e organogênese.

02)(UFPEL-2007) O desenvolvimento embrionário dos vertebrados é dividido nas seguintes etapas: segmentação, gastrulação e organogênese. COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO REVISÃO DE EMBRIOLOGIA PROFESSOR NANNI (TERCEIRÃO 2012) 01)(UFPR-modificado) Os diferentes modos

Leia mais

Tipos de óvulos: os óvulos possuem uma substancia de reserva nutritiva chamada vitelo, de acordo com a quantidade e a distribuição do vitelo, os

Tipos de óvulos: os óvulos possuem uma substancia de reserva nutritiva chamada vitelo, de acordo com a quantidade e a distribuição do vitelo, os Embriologia Embriologia é a parte da Biologia que estuda as transformações que se processa no embrião, desde a formação da célula-ovo até o nascimento. Tipos de óvulos: os óvulos possuem uma substancia

Leia mais

Disciplina Embriologia Humana FAMEMA

Disciplina Embriologia Humana FAMEMA EMBRIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR: Teoria e Plano de Estudo Prático Profa. Dra. Maria Angélica Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA SISTEMA CARDIOVASCULAR CRONOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO ESTABELECIMENTO

Leia mais

Biologia do desenvolvimento: Gastrulação, indução e neurulação

Biologia do desenvolvimento: Gastrulação, indução e neurulação Faculdade Maurício de Nassau Curso: Odontologia Disciplina: Formação e concepção do ser Biologia do desenvolvimento: Gastrulação, indução e neurulação Prof. MSc.: Luiz Eduardo Lacerda Setembro/2016 Desenvolvimento

Leia mais

AS AVES. Sabiá laranjeira (Turdus rufiventris) Ave símbolo do Brasil Capítulo 6 Sistema Poliedro de Ensino Professora Vanessa Rodrigues Granovski

AS AVES. Sabiá laranjeira (Turdus rufiventris) Ave símbolo do Brasil Capítulo 6 Sistema Poliedro de Ensino Professora Vanessa Rodrigues Granovski AS AVES Sabiá laranjeira (Turdus rufiventris) Ave símbolo do Brasil Capítulo 6 Sistema Poliedro de Ensino Professora Vanessa Rodrigues Granovski ANATOMIA DAS AVES VERTEBRADOS OSSOS PNEUMÁTICOS Ossos longos,

Leia mais

PLACENTA E MEMBRANAS FETAIS

PLACENTA E MEMBRANAS FETAIS Início da implantação embrioblasto trofoblasto Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Disciplina de Embriologia -Após a adesão, o trofoblasto se diferencia em: Citotrofoblasto Sinciciotrofoblasto sinciciotrofoblasto

Leia mais

Reino Animalia 0 (Metazoa)

Reino Animalia 0 (Metazoa) Reino Animalia 0 (Metazoa) Filo Chordata (Parte II) Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/ Chordata Triblásticos, celomados, deuterostômios e possuem simetria bilateral;

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 60 CORDADOS

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 60 CORDADOS BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 60 CORDADOS ixação F ) Um aluno esquematizou um anfioxo, indicando, com legendas, os principais caracteres do 2 lo Chordata. p Indique a legenda que aponta o ERRO cometido

Leia mais

EMBRIOLOGIA. Prof. André Maia. Conceito. 1. Ovos Isolécitos

EMBRIOLOGIA. Prof. André Maia. Conceito. 1. Ovos Isolécitos EMBRIOLOGIA Prof. André Maia Conceito É a parte da Biologia que estuda os processos através dos quais se forma o embrião, a partir da célula ovo ou zigoto (embriogênese). Períodos de desenvolvimento Clivagem

Leia mais

Tio Ton Ciências. Cap Gravidez e Parto

Tio Ton Ciências. Cap Gravidez e Parto Tio Ton Ciências Cap. 17 - Gravidez e Parto Reprodução É a capacidade de gerar descendentes, uma propriedade da vida que pode ser realizada de diferentes formas. Reprodução Assexuada Reprodução sexuada

Leia mais

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO GABARITO DISCIPLINA: QUÍ. II/ BIO. II COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 52 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA QUEM NÃO É O MAIOR TEM QUE SER O MELHOR Rua Frei Vidal, 1621 São João do Tauape/Fone/Fax: 3272-1295

Leia mais

Anexos embrionários. Universidade de Brasília (UnB) Universidade Aberta do Brasil (UAB) Aula 7:

Anexos embrionários. Universidade de Brasília (UnB) Universidade Aberta do Brasil (UAB) Aula 7: Universidade de Brasília (UnB) Universidade Aberta do Brasil (UAB) Aula 7: Anexos embrionários síntese: Origem, função e destino das vesículas vitelina, amniótica e alantoidiana/alantoide 1 Sumário Informações

Leia mais

MAMÍFEROS. 15 Sistema Poliedro de Ensino Professora Giselle Cherutti

MAMÍFEROS. 15 Sistema Poliedro de Ensino Professora Giselle Cherutti MAMÍFEROS Capítulo 15 Sistema Poliedro de Ensino Professora Giselle Cherutti CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MAMÍFEROS Aquáticos: Habitat: Mamíferos podem ser terrestres: Único mamífero que voa: Pelos Estratificada

Leia mais

Ano Lectivo 2009/2010

Ano Lectivo 2009/2010 Ano Lectivo 2009/2010 Feito por: Carlos Grilo Caracteres sexuais primários e secundários.3 Sistema reprodutor masculino.4 Sistema reprodutor feminino.5 Ciclo ovário.5 Ciclo uterino.7 Fecundação 9 Caracteres

Leia mais

Sanguessugas. Poliquetos. Minhocas

Sanguessugas. Poliquetos. Minhocas Sanguessugas Poliquetos Minhocas Representados pelas minhocas, sanguessugas e poliquetos Vivem em solos úmidos, água doce ou marinhos Podem ser parasitas ou vida livre São triblásticos, simetria bilateral

Leia mais

Por quê o conforto das aves é importante?

Por quê o conforto das aves é importante? Checar se suas aves estão confortáveis Por quê o conforto das aves é importante? Logo após o nascimento as aves não são capazes de controlar sua temperatura corporal A temperatura correta da sala de pintinhos

Leia mais

2) Observe o esquema. Depois, seguindo a numeração, responda às questões. C) Onde a urina é armazenada antes de ser eliminada do corpo?.

2) Observe o esquema. Depois, seguindo a numeração, responda às questões. C) Onde a urina é armazenada antes de ser eliminada do corpo?. Professor: Altemar Santos. Exercícios sobre os sistemas urinário (excretor), reprodutores masculino e feminino e fecundação para o 8º ano do ensino fundamental. 1) Analise o esquema: Identifica-se pelas

Leia mais

INCUBAÇÃO ARTIFICIAL. Alexandre Pires Rosa. alexandreprosa@smail.ufsm.br. Elenice Zucuni Franco. elenicefranco@mail.ufsm.br

INCUBAÇÃO ARTIFICIAL. Alexandre Pires Rosa. alexandreprosa@smail.ufsm.br. Elenice Zucuni Franco. elenicefranco@mail.ufsm.br INCUBAÇÃO ARTIFICIAL alexandreprosa@smail.ufsm.br Elenice Zucuni Franco elenicefranco@mail.ufsm.br QUALIDADE DA CASCA Segurança Considerações iniciais CUIDADOS NA INCUBAÇÃO ARTIFICIAL NA ARMAZENAGEM Posição:

Leia mais

TECIDOS. Professora Débora Lia Biologia

TECIDOS. Professora Débora Lia Biologia TECIDOS Professora Débora Lia Biologia TECIDOS HISTOLÓGICOS DEFINIÇÃO : Do grego, histo= tecido + logos= estudos. Tecidos = É um conjunto de células especializadas, iguais ou diferentes entre si, que realizam

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE BIOLOGIA

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE BIOLOGIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE BIOLOGIA Aluno(a): Nº Ano: 1º Turma: Data: Nota: Professor(a): Regina Volpato e Gabriela Valor da Prova: 65 pontos Orientações

Leia mais

MANEJO DE MATRIZES DE CORTE. Alexandre Pires Rosa

MANEJO DE MATRIZES DE CORTE. Alexandre Pires Rosa MANEJO DE MATRIZES DE CORTE Alexandre Pires Rosa MATRIZ DE CORTE O QUE É UMA MATRIZ DE CORTE? PQ A MATRIZ NÃO PODE SER GORDA? O QUE É UNIFORMIDADE DE LOTE? PQ UM LOTE DE MATRIZES DEVE SER UNIFORME? O QUE

Leia mais

NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO DOS SERES VIVOS E PRINCIPAIS TIPOS DE TECIDOS

NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO DOS SERES VIVOS E PRINCIPAIS TIPOS DE TECIDOS NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO DOS SERES VIVOS E PRINCIPAIS TIPOS DE TECIDOS Profª MSc Monyke Lucena Átomos Compostos químicos Célula Tecidos Órgão Sistema Organismo Os animais apresentam diferentes tipos de tecidos,

Leia mais

AVES: ORIGENS E MORFOLOGIA. Disciplina: Biologia Geral

AVES: ORIGENS E MORFOLOGIA. Disciplina: Biologia Geral AVES: ORIGENS E MORFOLOGIA Disciplina: Biologia Geral 150-160 milhões de anos >10,000 espécies vivas Cladograma dos Amniotas Anfíbios Tartarugas Serpentes Crocodilos Mamíferos Lagartos Aves Dinossauros

Leia mais

Apresentam simetria bilateral o corpo pode ser dividido longitudinalmente em duas partes iguais.

Apresentam simetria bilateral o corpo pode ser dividido longitudinalmente em duas partes iguais. OS PLATELMINTOS Prof. André Maia III. Os Platelmintos Características São vermes dotados de corpo geralmente achado dorsoventramente. São destituídos de sistemas respiratório e circulatório. São animais

Leia mais

BIOLOGIA AULA 12: ZOOLOGIA CORDADOS (Aves e mamíferos)

BIOLOGIA AULA 12: ZOOLOGIA CORDADOS (Aves e mamíferos) BIOLOGIA AULA 12: ZOOLOGIA CORDADOS (Aves e mamíferos) 1. Classe das aves Apresentam um padrão estrutural muito bem adaptado e homogêneo. São dióicos, geralmente com dimorfismo sexual, fecundação interna

Leia mais

EMBRIOLOGIA. Prof. Leonardo F. Stahnke. Embriologia (Ontogênese)

EMBRIOLOGIA. Prof. Leonardo F. Stahnke. Embriologia (Ontogênese) EMBRIOLOGIA Prof. Leonardo F. Stahnke Embriologia (Ontogênese) São os processos de transformação que ocorrem no zigoto após a fecundação e que levam à formação de um indivíduo. 1 Embriologia (Ontogênese)

Leia mais

Tetrápodes e a Conquista do Ambiente Terrestre

Tetrápodes e a Conquista do Ambiente Terrestre Tetrápodes e a Conquista do Ambiente Terrestre Formação dos Elementos de Apoio Conquista da Terra A transição da água para a terra é talvez o evento mais dramático da evolução animal. Podemos perceber

Leia mais

TECIDO EPITELIAL 13/10/2014. Mamíferos: Tipos de tecidos. Epitelial Conjuntivo Muscular Nervoso. Tecido epitelial: Origem ECTODERMA MESODERMA

TECIDO EPITELIAL 13/10/2014. Mamíferos: Tipos de tecidos. Epitelial Conjuntivo Muscular Nervoso. Tecido epitelial: Origem ECTODERMA MESODERMA TECIDO EPITELIAL Mamíferos: Tipos de tecidos Epitelial Conjuntivo Muscular Nervoso Origem ECTODERMA MESODERMA ENDODERMA 1 Tecido epitelial Ectoderma: epitélios sensoriais dos olhos; aparelho auditivo e

Leia mais

Anatomia Funcional do Sistema Digestório das Aves

Anatomia Funcional do Sistema Digestório das Aves Anatomia Funcional do Sistema Digestório das Aves Cristina Fotin Especialização Anclivepa-SP esôfago inglúvio pró-ventrículo ventrículo intestino Ritchie, Harrisson and Harrison. Avian Medicine:principles

Leia mais

Segmentação ou clivagem; Gastrulação; Organogênese.

Segmentação ou clivagem; Gastrulação; Organogênese. A embriologia é o estudo do crescimento e da diferenciação sofridos por um organismo no curso de seu desenvolvimento, desde o estágio de ovo até o de um ser altamente complexo, de vida independente e semelhante

Leia mais

9/11/2010. Prof. MSc. Weverson Pires. wlp_cell@yahoo.com.br pirescell@gmail.com. 3 meses - O sexo já pode ser identificado externamente;

9/11/2010. Prof. MSc. Weverson Pires. wlp_cell@yahoo.com.br pirescell@gmail.com. 3 meses - O sexo já pode ser identificado externamente; Desenvolvimento Humano Prof. MSc. Weverson Pires wlp_cell@yahoo.com.br pirescell@gmail.com Eventos Importantes do Desenvolvimento do Embrião Humano. 24 horas - Primeira divisão do zigoto, com formação

Leia mais

Melhorar A Eclodibilidade De Ovos Armazenados

Melhorar A Eclodibilidade De Ovos Armazenados Melhorar A Eclodibilidade MELHORAR A ECLODIBILIDADE USANDO PERÍODOS DE INCUBAÇÃO CURTOS DURANTE A ARMAZENAGEM DE OVOS (SPIDES) 09 Ovos armazenados por longos períodos não eclodem tão bem quanto os ovos

Leia mais

EMBRIOLOGIA MÓDULO 2 CITOLOGIA

EMBRIOLOGIA MÓDULO 2 CITOLOGIA EMBRIOLOGIA MÓDULO 2 CITOLOGIA EMBRIOLOGIA EMBRIOLOGIA é o estudo do desenvolvimento do animal antes do nascimento. Nosso estudo começa com a gametogênese, a formação dos gametas masculino e feminino.

Leia mais

Utilize-se das informações acima e de seus conhecimentos sobre esse assunto e assinale a melhor resposta a ser fornecida pelo ginecologista:

Utilize-se das informações acima e de seus conhecimentos sobre esse assunto e assinale a melhor resposta a ser fornecida pelo ginecologista: Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Biologia Questão 1 A questão da fertilização é muito discutida hoje na mídia, principalmente em programas que visam a informação para leigos interessados

Leia mais

AVES PROF. MARCELO MIRANDA

AVES PROF. MARCELO MIRANDA AVES Características gerais: - penas, membros anteriores modificados em asas, homeotermia(endotermia). Penas: estruturas que revestem e isolam termicamente o corpo, permitindo a manutenção da temperatura.

Leia mais

Cordados I. Peixes, Anfíbios e Répteis. Cursinho Popular de Ensino Pré-Vestibular TRIU Pela popularização da universidade pública

Cordados I. Peixes, Anfíbios e Répteis. Cursinho Popular de Ensino Pré-Vestibular TRIU Pela popularização da universidade pública Cursinho Popular de Ensino Pré-Vestibular TRIU Pela popularização da universidade pública Cordados I Peixes, Anfíbios e Répteis Prof. Rafael Rosolen T. Zafred Revisão Peixes ; Anfíbios; Répteis; Aves;

Leia mais

Reino Animalia. Desenvolvimento Embrionário

Reino Animalia. Desenvolvimento Embrionário Reino Animalia Características Gerais Seres eucariontes (seres vivos que possuem o núcleo de suas células delimitado por uma membrana, a carioteca); Maioria desses seres possui capacidade de locomoção

Leia mais

Período Embrionário 3ª a 8ª semana Terceira Semana

Período Embrionário 3ª a 8ª semana Terceira Semana Período Embrionário 3ª a 8ª semana Terceira Semana É a primeira semana após a não ocorrência da última menstruação normal ou cinco semanas após a data da última menstruação (UM) Vera Andrade Testes de

Leia mais

Herpetologia Estudo dos répteis. Prof. Pablo Paim Biologia

Herpetologia Estudo dos répteis. Prof. Pablo Paim Biologia Herpetologia Estudo dos répteis Prof. Pablo Paim Biologia Atualmente segundo a SBH são descritas para o Brasil 1026 espécies de anfíbios e 760 espécies de répteis. Anfíbios 988 Anuros; 1 Caudata; 33 Gymnophionas

Leia mais

PLACENTA E ANEXOS EMBRIONÁRIOS

PLACENTA E ANEXOS EMBRIONÁRIOS EMBRIONÁRIOS Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Prof. Adjunto da Disciplina de Embriologia Início da implantação embrioblasto trofoblasto 1 -Após a adesão, o trofoblasto se diferencia em: Citotrofoblasto

Leia mais

O CÉREBRO DA CONCEPÇÃO AO ENVELHECIMENTO. Rui Vasconcelos Embriologia do SNC

O CÉREBRO DA CONCEPÇÃO AO ENVELHECIMENTO. Rui Vasconcelos Embriologia do SNC O CÉREBRO DA CONCEPÇÃO AO ENVELHECIMENTO Rui Vasconcelos 2013 Embriologia do SNC Embriologia Estudo da origem e desenvolvimento de um organismo Período pré-natal 38 sem. da concepção ao nascimento (idade

Leia mais

Início do Desenvolvimento Humano: 1ª Semana

Início do Desenvolvimento Humano: 1ª Semana Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Início do Desenvolvimento Humano: 1ª Semana Prof. Msc. Macks Wendhell Gonçalves mackswenedhell@gmail.com Fertilização Normalmente o local

Leia mais

Reprodução e Noções de Embriologia. Professora: Emmanuelle Disciplina: Biologia Turma: 2º Médio

Reprodução e Noções de Embriologia. Professora: Emmanuelle Disciplina: Biologia Turma: 2º Médio Reprodução e Noções de Embriologia Professora: Emmanuelle Disciplina: Biologia Turma: 2º Médio São Paulo, 2013 Estrutura da Aula Tipos de Reprodução Processos assexuados de Reprodução Ciclos de vida Gametogênese

Leia mais

Aula Prática N 4. Gastrulação Protocolo da Aula 8 (08/05)

Aula Prática N 4. Gastrulação Protocolo da Aula 8 (08/05) Aula Prática N 4. Gastrulação Protocolo da Aula 8 (08/05) Dois exemplos de organismo modelo são os embriões de anfíbios (especificamente a espécie Xenopus laevis) e os embriões de galinha (Gallus gallus).

Leia mais

6/18/2015 ANATOMIA DO OLHO ANATOMIA DO OLHO CÓRNEA CRISTALINO RETINA EPITÉLIO PIGMENTAR NERVO ÓPTICO

6/18/2015 ANATOMIA DO OLHO ANATOMIA DO OLHO CÓRNEA CRISTALINO RETINA EPITÉLIO PIGMENTAR NERVO ÓPTICO ANATOMIA DO OLHO CÓRNEA CRISTALINO RETINA EPITÉLIO PIGMENTAR NERVO ÓPTICO CÂMARA ANTERIOR IRIS CORPO CILIAR ANATOMIA DO OLHO CÓRNEA CRISTALINO RETINA EPITÉLIO PIGMENTAR NERVO ÓPTICO CÂMARA ANTERIOR IRIS

Leia mais

CEF Tratamento de Animais em Cativeiro 9º F. Higiene e Nutrição Animal

CEF Tratamento de Animais em Cativeiro 9º F. Higiene e Nutrição Animal Aves As aves são animais endotérmicos, que produzem seu próprio calor, e são homeotérmicas, capazes de manter esta temperatura de certa forma alta e constante, com certo grau de oscilação diária, conforme

Leia mais

Sistema reprodutivo Alexandre P. Rosa

Sistema reprodutivo Alexandre P. Rosa Fisiologia das aves Sistema reprodutivo Aparelho Reprodutor da Fêmea Espécie Gallus gallus domesticus Até o sétimo dia do desenvolvimento embrionário não existe uma diferenciação entre macho e fêmea. As

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesucol@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

Universidade de Brasília (UnB) Universidade Aberta do Brasil (UAB) Aula 11: Dobramentos do embrião

Universidade de Brasília (UnB) Universidade Aberta do Brasil (UAB) Aula 11: Dobramentos do embrião Universidade de Brasília (UnB) Universidade Aberta do Brasil (UAB) Embriologia Animal Aula 11: Síntese: Dobramentos longitudinal e transversal: transformação do embrião da forma plana para cilíndrica 1

Leia mais

O sistema reprodutor feminino. Os ovários e os órgãos acessórios. Aula N50

O sistema reprodutor feminino. Os ovários e os órgãos acessórios. Aula N50 O sistema reprodutor feminino. Os ovários e os órgãos acessórios. Aula N50 Sistema reprodutor feminino Ovários = produz óvulos Tubas uterinas = transportam e protegem os óvulos Útero = prove meio adequado

Leia mais

Universidade de Brasília (UnB) Universidade Aberta do Brasil (UAB) Aula 6: Gastrulação em Anfíbios e Mamíferos

Universidade de Brasília (UnB) Universidade Aberta do Brasil (UAB) Aula 6: Gastrulação em Anfíbios e Mamíferos Universidade de Brasília (UnB) Universidade Aberta do Brasil (UAB) Aula 6: Gastrulação em Anfíbios e Mamíferos Síntese: Territórios presuntivos e características gerais da formação dos tecidos embrionários

Leia mais

1. Os óvulos de aves e répteis, por possuírem grande quantidade vitelo no pólo vegetativo, denominam-se:

1. Os óvulos de aves e répteis, por possuírem grande quantidade vitelo no pólo vegetativo, denominam-se: 1. Os óvulos de aves e répteis, por possuírem grande quantidade vitelo no pólo vegetativo, denominam-se: a) oligolécitos b) heterolécitos c) mediolécitos d) telolécitos e) centrolécitos 2. O esquema abaixo

Leia mais

RÉPTEIS PROF. MARCELO MIRANDA

RÉPTEIS PROF. MARCELO MIRANDA RÉPTEIS Padrões evolutivos Surgimento dos amniotas Âmnio: membrana que envolve completamente o embrião e delimita uma cavidade cheia de líquido que protege contra choques mecânicos e evita o ressecamento

Leia mais

AS CÉLULAS ORGANIZAM-SE EM TECIDOS

AS CÉLULAS ORGANIZAM-SE EM TECIDOS AS CÉLULAS ORGANIZAM-SE EM TECIDOS AS CÉLULAS ORGANIZAM-SE EM TECIDOS 1 AS CÉLULAS ORGANIZAM-SE EM TECIDOS Um grupamento de células diferenciadas e especializadas na execução de certa função denomina-se

Leia mais