Lista de Exercícios 1 Cálculo Numérico - Professor Daniel

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lista de Exercícios 1 Cálculo Numérico - Professor Daniel"

Transcrição

1 Lista de Exercícios 1 Cálculo Numérico - Professor Daniel Observação: Esta lista abrange os três primeiros tópicos da ementa do curso, teoria dos erros, sistemas lineares, e zeros de funções. Ela abrange toda a matéria da primeira prova. Instruções para a entrega: Nem todos os exercícios dessa lista devem ser entregues. Essa lista é dividida em três partes. Uma parte contendo questões teóricas, uma parte com exercícios que envolvem cálculos, e uma terceira parte com exercícios de modelagem. Cada parte da lista contém exercícios que devem ser entregues ou não, dependendo do seu K. No caso de dúvidas sobre o valor do seu coeficiente K, você pode conferi-lo com o professor em qualquer aula, perguntar por O mesmo vale para dúvidas em relação às operações mod. data de entrega é 30/04, mesmo dia da primeira prova. lista pode ser entregue até o dia da prova pessoalmente, ou por , enviando para com o assunto Trabalho de Cálculo Numérico. Listas fora do prazo não serão aceitas! Sobre os exercícios teóricos: Seja NT o número do exercício teórico correspondente. Responda aos exercícios tais que K mod 9 = N T mod 9. ssim, por exemplo, se seu K for 22, então K mod 9 = 22 mod 9 = 4, então você deverá responder os exercícios cujo número também deixem resto 4 quando divididos por 9. Você faria para entrega os exercícios teóricos 4, 13, 22, 31, 40, 49, 58, 67 e 76. Se o seu K for 1, então K mod 1 = 1 mod 1 = 1, então você deverá fazer os exercícios que deixem resto 1 quando divididos por 9. No caso, os exercícios 1, 10, 19, 28, 37, 46, 55, 64, e 73. Nada impede de você fazer os outros exercícios para estudar, mas apenas esse serão para entrega. Sobre os exercícios de cálculos: O exercício de cálculo 1 deve ser entregue por todos. Se o seu K for par, você também deverá entregar os exercícios pares, se o seu K for ímpar, você deverá também entregar os ímpares. Resumindo, K pares: entregar os exercícios 1, 2, 4 e 6 K ímpares: entregar os exercícios 1, 3, 5 e 7 Para todos os exercícios teóricos, utilizar erro relativo, (ao eixo x no caso de zeros de funções). tenção: Sempre utilizar três casas decimais de precisão quando for trabalhar com sistemas lineares. Sempre utilizar cinco casas decimais de precisão quando for trabalhar com zeros de funções. Sobre os exercícios de modelagem: Seja NM o número do exercício de modelagem correspondente. Responda aos exercícios tais que K mod 4 = N M mod 4. Os exercícios de modelagem são baseados em apenas montar o problema, mas não resolver. penas mostre qual o sistema, função que resolve o problema, e descreva o raciocínio utilizado para se chegar a essa conclusão. Não é necessário chegar aos resultados numéricos desses problemas! tenção com os exercícios que deverão ser entregues. Exercícios que não são os devidos de acordo com o seu K serão descosiderados! Teóricos 1) Diferencie erro de modelagem, erro de transição binária e erro de arredondamento. 2) Dando um exemplo numérico, explique por que os erros de transição binária são inevitáveis em programas de computador. 3) Descreva a diferença entre erro relativo e erro absoluto, mencionando um exemplo numérico. 4) Caracterize erro de overflow e de underflow. 5) Explique a diferença entre um método direto e um método iterativo.

2 6) Já foi visto em aula que o erro relativo de um problema, onde a solução é x, e temos um valor x, é dado por ε = x x. Essa definição é viável computacionalmente? Explique. x 7) Escreva o algoritmo para a resolução de um sistema triangular inferior. Não se esqueça de declarar as variáveis antes de descrever o seu algoritmo. 8) Por que usamos a estratégia de pivoteamento para resolver um sistema linear pelo método de Gauss? 9) Escreva o algoritmo para o pivoteamento de uma matriz pelo método de Gauss Parcial. Não se esqueça de declarar as variáveis antes de descrever seu algoritmo. 10) Explique as diferenças quanto à abordagem entre o método de Gauss com pivoteamento parcial e total. 11) Mencione uma vantagem e uma desvantagem entre o método de Gauss parcial e o método de Gauss total. 12) Embora o método do pivoteamento total exija menor esforço computacional para as operações, por fazer cálculos com números menores do que o pivoteamento parcial, esse método não é muito utilizado. Por que? 13) Explique o princípio de funcionamento do método LU, deixando bem claro por que a decomposição é feita, e como o algoritmo funciona após a divisão. (Não é necessário explicar como a decomposição é feita nessa questão) 14) Quais são os critérios necessários para que seja possível fazer a decomposição LU em uma matriz? 15) Uma das condições para a decomposição LU seja possível é que os menores principais sejam não-nulos. Porém essa condição pode ser ignorada se adotarmos a estratégia de pivoteamento? Justifique. 16) Mencione uma vantagem e uma desvantagem do método LU em relação ao método de Gauss parcial. 17) Escreva as fórmulas para a obtenção das matrizes L e U na decomposição LU. 18) Enuncie (mas não demonstre) o teorema da decomposição LU. 19) Dê exemplo de uma situação, preferencialmente prática, onde é conveniente aplicar o método LU. 20) Explique a base de funcionamento do método de Gauss-Jordan. 21) Escreva um algoritmo para a resolução de um sistema pelo método de Gauss-Jordan. Não se esqueça de declarar as variáveis. 22) Mencione uma vantagem e uma desvantagem do método de Gauss-Jordan em relação ao método de Gauss Parcial. 23) Explique como (e porque) o método de Gauss-Jordan nos permite calcular matrizes inversas. 24) Tanto o método de Gauss Jordan quanto o método LU podem resolver vários sistemas que possuam a mesma matriz. Mencione uma vantagem e uma desvantagem de cada um deles sobre o outro nessa situação. 25) Quais são os requisitos da matriz para que se possa ser aplicada a decomposição de Cholesky nessa matriz? 26) Mencione uma vantagem e uma desvantagem da decomposição de Cholesky em relação à decomposição LU. 27) Explique a diferença entre métodos iterativos e métodos diretos para a resolução de sistemas lineares. 28) Descreva como é feito o processo de Gauss Jacobi (ou Jacobi-Richardson) para a resolução de sistemas. Não se esqueça de mencionar quais são os dados de entrada e de saída do processo, bem como o critério de parada. 29) Quais os requisitos para que haja convergência no método iterativo de Gauss Jacobi (ou Jacobi Richardson)? 30) Descreva as diferenças entre os métodos de Gauss Jacobi e Gauss Seidel. 31) Dado um vetor x 2 = n, x = (x1, x2,, xn), diga como são calculadas as três normas de vetores. 32) Dada uma matriz quadrada 2 = nxn, diga como são calculadas as três normas de matrizes. 33) Dentre as três normas de vetores, qual a mais utilizada computacionalmente? Por que?

3 34) Dentre as três normas de matrizes, qual a mais utilizada computacionalmente? Por que? 35) Como se calcula o erro relativo em um método iterativo para sistemas lineares? 36) Em geral, qual normas são utilizadas para calcular erro sobre um sistema linear? Por que essa norma é melhor do que as outras, computacionalmente? 37) teoria de zeros de funções, tem como objetivo encontrar os pontos x onde uma função f(x) se anula, ou seja, os pontos onde uma função f(x) = 0. Descreva como essa mesma teoria pode ser aplicada para se resolver uma equação genérica, do tipo g(x) = h(x). 38) Mostre uma aplicação prática na sua área sobre encontrar raízes de funções reais. 39) Enuncie (mas não demonstre) o teorema do anulamento. 40) Explique como o erro para zeros de funções pode ser calculado em relação a dois parâmetros diferentes, um relativo ao eixo x e um relativo ao eixo y. 41) Para as funções f(x) = log( x) 3 e g(x) = 10 x-3 1, diga qual erro (em x ou em y) é o mais apropriado. Justifique a necessidade de cada um deles, faça gráficos se julgar necessário. 42) Para problemas práticos, geralmente utilizamos o erro relativo ao eixo x. Justifique por que fazemos isso. 43) Foi visto em aula que, se f(x) é uma função contínua em um intervalo [a,b], e f(a).f(b) < 0, então existe uma raiz em (a;b). Justifique geometricamente essa afirmação. 44) Justifique por que a função deve ser contínua para aplicarmos o teorema do anulamento, mostrando um contraexemplo. 45) O teorema do anulamento não permite que encontremos raízes duplas. Essa afirmação é verdadeira ou falsa? Justifique. 46) O teorema do anulamento não permite que encontremos raízes triplas. Essa afirmação é verdadeira ou falsa? Justifique. 47) volta do teorema do anulamento é válido? Ou seja, é correto dizer que, para qualquer raiz x, então vão existir pontos a e b tais que f(a).f(b) < 0, com x 2 [a;b]? Se for verdadeiro, justifique, se for falso, mostre um contra-exemplo. 48) Deduza qual o número N de passos necessários pelo método da bissecção, partindo-se de um intervalo de tamanho inicial L0, a raiz possa ser determinada com erro menor que ε dado. 49) Escreva o algoritmo para o método da bissecção. Suponha que a convergência seja garantida, e os dados de entrada são ε, a função f(x) e o intervalo [a;b] 50) O método da bissecção consegue encontrar raízes duplas? Justifique. 51) Quais condições devem ser satisfeitas de modo que o método da bissecção tenha sua convergência assegurada? 52) Explique o graficamente princípio de funcionamento do método das aproximações sucessivas. 53) Dada uma função f(x) genérica, mostre que existem pelo menos dois modos distintos de criar funções φ1(x) e φ2(x), que possam ser aplicadas no método das aproximações sucessivas. (penas mostre que φ pode ser construída, mas não se preocupe em mostrar a convergência!) 54) Escreva um algoritmo para o método das aproximações sucessivas. Suponha que a sua convergência seja válida, e os dados de entrada são ε, o ponto inicial x0, e a função φ(x). 55) Escreva um algoritmo para o método das aproximações sucessivas, onde você não sabe se a convergência é garantida ou não. Os dados de entrada serão ε, o ponto inicial x0, a função φ(x), e o número máximo de iterações permitidas Nmax. 56) Quais condições devem ser satisfeitas de modo que o método das aproximações sucessivas tenha sua convergência assegurada?

4 57) Explique geometricamente o funcionamento do método das aproximações sucessivas, e faça gráficos que ilustrem essa situação, em três casos, quando a função converge, sendo crescente, onde ela converge e é decrescente, e um terceiro caso, quando a função diverge. 58) Justifique geometricamente os critérios de convergência do método das aproximações sucessivas. 59) Mencione uma vantagem e uma desvantagem do método das aproximações sucessivas em relação ao método da bissecção. 60) O método das aproximações sucessivas pode determinar raízes duplas? Justifique. 61) Explique geometricamente o funcionamento do método de Newton para zeros de funções. 62) Escreva um algoritmo para o método de Newton. Suponha que a convergência seja assegurada, e os dados de entrada são ε, o ponto inicial x0, e a função f(x). 63) Quais condições devem ser satisfeitas para que haja garantia de convergência no método de Newton? 64) Verdadeiro ou falso: O método de Newton sempre converge mais rapidamente que o método da bissecção. Caso você julgue a afirmação verdadeira, justifique, caso contrário, mostre um contra-exemplo. 65) O método de Newton é um caso especial do método das aproximações sucessivas. Justifique essa afirmação. 66) Deduza os critérios de convergência para o método de Newton a partir da convergência do método das aproximações sucessivas. 67) Explique com suas palavras o conceito de ordem de convergência. 68) Demonstre que o método de Newton para zeros de funções sempre converge para equações de primeiro grau. 69) Demonstre algebricamente que o método de Newton sempre encontra raízes de equações de primeiro grau utilizando uma única iteração. 70) Justifique geometricamente a afirmação da questão anterior. 71) O método de Newton pode ser utilizado para encontrar raízes duplas? Justifique algébrica e geometricamente. 72) O método de Newton, dentre todos os métodos estudados é o que apresenta a convergência mais rápida. No entanto ele não é muito aplicado computacionalmente. Justifique o porquê disso. 73) O método de Newton é sempre mais rápido que o método da bissecção. Essa afirmação é verdadeira ou falsa? Se julgar falsa, mostre um contra-exemplo, se julgar verdadeira, justifique o porquê. 74) Dê uma descrição geométrica para o método das secantes, fazendo um gráfico que explique como ele funciona, e deduza seu algoritmo. 75) Diferencie o método de Newton do método das Secantes, citando uma vantagem e uma desvantagem de cada um deles sobre o outro. 76) Verdadeiro ou falso: Os métodos de Newton e das Secantes apresentam o mesmo critério de convergência. Justifique o seu raciocínio. 77) Escreva um algoritmo para o método das secantes. Suponha que a convergência é garantida, e que os dados de entrada são dois pontos iniciais x0 e x1, a função f(x), e o erro ε. 78) função f(x) = x 2.(x-3) 2.(x+3) 2 possui três raízes reais, além de ser contínua, uma vez que é polinomial. Porém, ela é sempre não-negativa, para qualquer x real. Isso vai contra o teorema do anulamento? 79) O método da bissecção pode ser aplicado ao polinômio f(x) = x 2.(x-1), cujas raízes são 0 e 1, utilizando o intervalo [-2;3]. Para qual das raízes o método convergirá? 80) Na questão anterior, se tomássemos o intervalo [-2;2], o que aconteceria? 81) Se uma função f(x) possuir três raízes em um intervalo [a;b]. Proponha um modo para que se possa achar cada uma das três raízes. (Suponha que nenhuma das três raízes é dupla)

5 De cálculos 1) Dado o sistema linear { 4.2x x x 3 0.6x 4 = x x 2 0.7x 3 = x 1 0.8x x 3 1.6x 4 = x 1 + 2x 2 + (4 + K 2 ) x 4 = 6.5, onde K é o seu K na lista de chamada. a) Verifique quais métodos (diretos e iterativos) podem ser aplicados nesse sistema. b) Resolva esse sistema utilizando todos os métodos diretos. c) plique os dois métodos iterativos para esse sistema, a partir do ponto inicial x 0 = (0, 0, 0, 0) t, e faça as três primeiras iterações. Compare os erros encontrados ) Seja a matriz dada [ ] a) Verifique se é possível realizar a decomposição LU nessa matriz. b) Faça a decomposição LU dessa matriz c) Resolva os sistemas x = [ 7.6], x = [ 7.18] e x = [ 7.4], pelo método LU ) Determine a matriz inversa da matriz [ 4 2 6] pelo método de Gauss Jordan. Justifique o ocorrido x 1 + x 2 + 7x 3 = K 4 5x 1 + 2x 3 = K 4 3, onde K4 = K mod 4 2x 1 + 8x 2 + 2x 3 = 2K 4 a) Resolva esse sistema por todos os métodos diretos possíveis. (Verifique antes se cada método é possível!) b) plique, se possível os métodos iterativos para resolver esse sistema, com ε = ) Seja o sistema dado por { 5) Seja a função polinomial dada por p(x) = -1.2x x x a) Esboce um gráfico dessa função no intervalo [-5; 5]. (Você pode utilizar um software gráfico caso julgue necessário) b) Demonstre que essa função tem três raízes x1, x2 e x3, utilizando o teorema do valor intermediário, e determine intervalos I1, I2 e I3, de tamanho 1, tais que x1 2 I1, x2 2 I2 e x3 2 I3. c) Fazendo o método da bissecção no intervalo [-5, 5], para qual das raízes o método convergirá? d) Caso se deseje determinar uma das x1 com precisão ε = , quantas iterações seriam necessárias, partindo do intervalo I1? e) Determine x2 com precisão ε = pelo método da bissecção, partindo do intervalo I2, definido no item b) 6) Seja a função polinomial dada por p(x) = 2x 2 5x 17. a) Mostre que a função tem duas raízes reais no intervalo [-4; 6] b) Construa ao menos quatro funções φ(x) que possam ser utilizadas no método das aproximações sucessivas (mas não se preocupe em mostrar a convergência). c) Demonstre que utilizando a função iterativa φ(x) = 5x+17 converge para a raiz positiva da função. 2 d) plique o método das aproximações sucessivas com a função de iteração descrita no item anterior, e obtenha a raiz com precisão ε = ) Seja a função f(x) = ln(4x) x a) Determine o domínio dessa função. b) Mostre que o método de Newton converge no intervalo [0.1; 0,5] c) Calcule a raiz dessa função pelos métodos de Newton e das secantes, com ε = d) Calcule as quatro primeiras iterações para o método de Newton, partindo do ponto inicial x = 2.0. De modelagem 1) Escreva o sistema linear cuja solução é o ponto de intersecção entre os planos a: 3x 2y + z = 10, b: 7x + 5y z = 7, g: x 3y + z = 7 2) Modele um sistema linear que determine uma função de segundo grau que passa pelos pontos cujas coordenadas são (2; 4), (-1; 5) e (0; -2)

6 3) Modele um sistema linear que determine uma equação de terceiro grau do tipo y = ax 3 + bx 2 + cx + d tal que ela passe pelos pontos [2,1],[1,4],[0,-3],[-1,-2]. 4) soma dos primeiros n + 1 números naturais, ou seja, n, é dado por uma equação de segundo grau, do tipo ax 2 + bx + c. Modele um sistema linear que calcule os valores de a, b e c. (Embora seja possível se deduzir isso com soma de P.., faça o sistema linear correspondente) 5) soma dos n + 1 primeiros quadrados, ou seja: n 2 será uma equação de terceiro grau. Modele um sistema linear cuja solução determine os coeficientes da função de terceiro grau em questão. (Esse exercício também pode ser resolvido por séries, mas faça através de sistemas lineares!) 6) nalogamente, a soma dos primeiros n + 1 cubos perfeitos, n 3 será uma equação de quarto grau. Crie o sistema que modela esse problema. O método das frações parciais, muito utilizado em equações diferenciais transforma uma fração entre dois polinômios, onde o grau do polinômio numerador é menor do que o do polinômio denominador é transformado em uma soma de frações, onde cada uma delas tem numerador como sendo um número real, e denominador de primeiro grau. Todo o método é baseado na resolução de sistemas lineares. Descubra, para cada item, quais são os valores dos coeficientes reais, B, C... que tornem as equações verdadeiras: 7) 8) 9) 3x+1 (x+3)(x 1) = x 2 + 9x + 2 (x 2)x(x+1) = (x 1) + 5x 2 6x + 3 (x 1)x(x+1)(x+3) = 10) 2.5x2 + 9x 1.5 x(x 3)(x+1) B (x+3) (x 2) + B x + C (x+1) (x 1) + B x + = x + B x 3 + C x+1 C (x+1) + D (x+3) 11) Em um restaurante japonês são vendidas várias opções de combos de almoço, com preços variados. Na lista, nós temos as seguintes opções, seguida pelos relativos preços: Combo Individual Executivo: 4 Sushis + 2 Sashimis + 1 Bolinho da sorte + 1 Sakê = R$ 9,60 Combo Familiar : 15 Sushis + 10 sashimis + 5 Bolinhos da sorte = R$ 29,00 Combo Grupo Executivo :12 Sushis + 6 Sashimis + 3 Bolinhos da sorte + 7 Sakê = R$ 40,80 Combo Super Sumô : 20 Sushis + 20 sashimis + 4 Bolinhos da sorte + 2 Sakê = R$ 56,00 Suponha que não hajam promoções (ou seja, não há descontos em cada combo). Modele um sistema linear que determine o preço de cada item individual do cardápio. 12) Quarto números são tais que suas somas, três a três são iguais a 22, 24, 27 e 29. Modele um sistema linear que calcule que números são esses. 13) Seja f(x) a função f(x) = 3cos(x).x 2. Determine um modelo computacional para encontrar o menor valor para x positivo tal que f(x) = ) Um vendedor de churros percebeu que, vendendo churros à R$ 1,80, ele conseguia vender 1200 churros por dia. lém disso, para cada R$ 0,10 a mais no preço dos churros, ele perdia 50 clientes. Determine uma função que calcule o lucro dele, em função da variação de preço x. 15) Uma micro empresa tem seu custo, dado através do tempo, estimado pela função C(t) = (1.1) t, t em meses. Já a sua receita é estimada através da função R(t) = (2+0.1t) 3t, para t entre 0 e 15. Determine uma função que dê o lucro dessa empresa. E escreva uma equação que determine a partir de qual mês a empresa passa a dar lucro superior a 1000,00. 16) Seja o polinômio de 6º grau f(x) = x 6 x 5 25x x x 2 4x 12. Calcule o valor desse polinômio em todos os números de -4 a 4, incrementando de 0.5 em 0.5. nalise os sinais, e determine todas as raízes possíveis, utilizando o método de sua preferência. 1 17) Seja a função f(x) = 1+x2 e seja α um ponto qualquer de seu domínio. Passando-se retas tangentes à f(x) por α, teremos sempre uma inclinação com o eixo x, e um coeficiente angular. Determine uma equação que calcule para qual valor de α esse coeficiente angular será máximo.

7 18) Proponha uma método para determinar qual valor é maior: e p ou p e. 19) Para o polinômio do exercício 16, determine equações que calculem seus pontos críticos, e de inflexão. 20) Seja f(x) a função modelada na questão 14 (você pode supor ela como pré-calculada). Como proceder para saber qual o preço ideal para o lucro máximo?

A. Equações não lineares

A. Equações não lineares A. Equações não lineares 1. Localização de raízes. a) Verifique se as equações seguintes têm uma e uma só solução nos intervalos dados: i) (x - 2) 2 ln(x) = 0, em [1, 2] e [e, 4]. ii) 2 x cos(x) (x 2)

Leia mais

Cálculo Numérico / Métodos Numéricos. Solução de equações polinomiais Briot-Ruffini-Horner

Cálculo Numérico / Métodos Numéricos. Solução de equações polinomiais Briot-Ruffini-Horner Cálculo Numérico / Métodos Numéricos Solução de equações polinomiais Briot-Ruffini-Horner Equações Polinomiais p = x + + a ( x) ao + a1 n x n Com a i R, i = 0,1,, n e a n 0 para garantir que o polinômio

Leia mais

SME Cálculo Numérico. Lista de Exercícios: Gabarito

SME Cálculo Numérico. Lista de Exercícios: Gabarito Exercícios de prova SME0300 - Cálculo Numérico Segundo semestre de 2012 Lista de Exercícios: Gabarito 1. Dentre os métodos que você estudou no curso para resolver sistemas lineares, qual é o mais adequado

Leia mais

Exercícios de MATEMÁTICA COMPUTACIONAL. 1 0 Semestre de 2009/2010 Resolução Numérica de Equações Não-Lineares

Exercícios de MATEMÁTICA COMPUTACIONAL. 1 0 Semestre de 2009/2010 Resolução Numérica de Equações Não-Lineares Exercícios de MATEMÁTICA COMPUTACIONAL Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica 1 0 Semestre de 2009/2010 Resolução Numérica de Equações Não-Lineares 1. Considere a equação sin(x) e x = 0. a) Prove que

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação FCSAC Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação FCSAC Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação FCSAC Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Prof. Dr. Sergio Pilling (IPD/ Física e Astronomia) REVISÃO DA 1ª PARTE

Leia mais

Neste capítulo estamos interessados em resolver numericamente a equação

Neste capítulo estamos interessados em resolver numericamente a equação CAPÍTULO1 EQUAÇÕES NÃO-LINEARES 1.1 Introdução Neste capítulo estamos interessados em resolver numericamente a equação f(x) = 0, onde f é uma função arbitrária. Quando escrevemos resolver numericamente,

Leia mais

Equações não lineares

Equações não lineares Capítulo 2 Equações não lineares Vamos estudar métodos numéricos para resolver o seguinte problema. Dada uma função f contínua, real e de uma variável, queremos encontrar uma solução x que satisfaça a

Leia mais

CCI-22 LISTA DE EXERCÍCIOS

CCI-22 LISTA DE EXERCÍCIOS CCI-22 LISTA DE EXERCÍCIOS Capítulos 1 e 2: 1) Considere floats com 4 dígitos decimais de mantissa e expoentes inteiros entre -5 e 5. Sejam X =,7237.1 4, Y =,2145.1-3, Z =,2585.1 1. Utilizando um acumulador

Leia mais

Ana Paula. October 26, 2016

Ana Paula. October 26, 2016 Raízes de Equações October 26, 2016 Sumário 1 Aula Anterior 2 Método da Secante 3 Convergência 4 Comparação entre os Métodos 5 Revisão Aula Anterior Aula Anterior Aula Anterior Aula Anterior Método de

Leia mais

CÁLCULO NUMÉRICO. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano

CÁLCULO NUMÉRICO. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano CÁLCULO NUMÉRICO Profa. Dra. Yara de Souza Tadano yaratadano@utfpr.edu.br Aula 7 04/2014 Zeros reais de funções Parte 1 Objetivo Determinar valores aproximados para as soluções (raízes) de equações da

Leia mais

Encontre um valor aproximado para 3 25 com precisão de 10 5 utilizando o método da bissecção.

Encontre um valor aproximado para 3 25 com precisão de 10 5 utilizando o método da bissecção. 1 a) Mostre que f (x) = x cos x possui uma raiz no intervalo [0, 1]. b) Prove que essa raiz é única. c) Sem executar o método, preveja o número de iterações que o algoritmo da bissecção utilizaria para

Leia mais

Lista de exercícios de MAT / II

Lista de exercícios de MAT / II 1 Lista de exercícios de MAT 271-26 / II 1. Converta os seguintes números da forma decimal para a forma binária:x 1 = 37; x 2 = 2347; x 3 =, 75; x 4 =(sua matrícula)/1; x 5 =, 1217 2. Converta os seguintes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DISCIPLINA DE MÉTODOS NUMÉRICOS 2º SEMESTRE 2004 Professora Aurora T. R. Pozo 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DISCIPLINA DE MÉTODOS NUMÉRICOS 2º SEMESTRE 2004 Professora Aurora T. R. Pozo 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DISCIPLINA DE MÉTODOS NUMÉRICOS 2º SEMESTRE 2004 Professora Aurora T. R. Pozo 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS Representação de Números Reais e Erros 1. Converta os seguintes números

Leia mais

Exercícios de ANÁLISE E SIMULAÇÃO NUMÉRICA

Exercícios de ANÁLISE E SIMULAÇÃO NUMÉRICA Exercícios de ANÁLISE E SIMULAÇÃO NUMÉRICA Licenciaturas em Engenharia do Ambiente e Química 2 o Semestre de 2005/2006 Capítulo II Resolução Numérica de Equações Não-Lineares 1. Considere a equação sin(x)

Leia mais

Matemática Computacional - 2 o ano LEMat e MEQ

Matemática Computacional - 2 o ano LEMat e MEQ Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Matemática Aplicada e Análise Numérica Matemática Computacional - o ano LEMat e MEQ Exame/Teste - 1 de Janeiro de 1 - Parte I (1h3m) 1. Considere

Leia mais

Conjuntos Numéricos. I) Números Naturais N = { 0, 1, 2, 3,... }

Conjuntos Numéricos. I) Números Naturais N = { 0, 1, 2, 3,... } Conjuntos Numéricos I) Números Naturais N = { 0, 1, 2, 3,... } II) Números Inteiros Z = {..., -2, -1, 0, 1, 2,... } Todo número natural é inteiro, isto é, N é um subconjunto de Z III) Números Racionais

Leia mais

Cálculo Numérico. Santos Alberto Enriquez-Remigio FAMAT-UFU 2015

Cálculo Numérico. Santos Alberto Enriquez-Remigio FAMAT-UFU 2015 Cálculo Numérico Santos Alberto Enriquez-Remigio FAMAT-UFU 2015 1 Capítulo 1 Solução numérica de equações não-lineares 1.1 Introdução Lembremos que todo problema matemático pode ser expresso na forma de

Leia mais

Unidade II MATEMÁTICA APLICADA. Prof. Luiz Felix

Unidade II MATEMÁTICA APLICADA. Prof. Luiz Felix Unidade II MATEMÁTICA APLICADA Prof. Luiz Felix Equações do 1º grau Resolver uma equação do 1º grau significa achar valores que estejam em seus domínios e que satisfaçam à sentença do problema, ou seja,

Leia mais

Exercícios de ANÁLISE E SIMULAÇÃO NUMÉRICA

Exercícios de ANÁLISE E SIMULAÇÃO NUMÉRICA Exercícios de ANÁLISE E SIMULAÇÃO NUMÉRICA Licenciaturas em Engenharia do Ambiente e Química 2 o Semestre de 2005/2006 Capítulo III Resolução Numérica de Sistemas de Equações Normas, Erros e Condicionamento.

Leia mais

MÉTODOS NUMÉRICOS. ENGENHARIA e GESTÃO INDUSTRIAL

MÉTODOS NUMÉRICOS. ENGENHARIA e GESTÃO INDUSTRIAL UNIVERSIDADE DO MINHO MÉTODOS NUMÉRICOS ENGENHARIA e GESTÃO INDUSTRIAL EXERCÍCIOS PRÁTICOS Ano lectivo de 2005/2006 Métodos Numéricos - L.E.G.I. Exercícios práticos - CONUM Solução de uma equação não linear

Leia mais

étodos uméricos SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES (Continuação) Prof. Erivelton Geraldo Nepomuceno PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

étodos uméricos SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES (Continuação) Prof. Erivelton Geraldo Nepomuceno PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA étodos uméricos SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES (Continuação) Prof. Erivelton Geraldo Nepomuceno PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE DE JOÃO DEL-REI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA CENTRO

Leia mais

Exercícios de ANÁLISE E SIMULAÇÃO NUMÉRICA

Exercícios de ANÁLISE E SIMULAÇÃO NUMÉRICA Exercícios de ANÁLISE E SIMULAÇÃO NUMÉRICA Licenciaturas em Engenharia do Ambiente e Química 2 o Semestre de 2005/2006 Capítulo IV Aproximação de Funções 1 Interpolação Polinomial 1. Na tabela seguinte

Leia mais

x exp( t 2 )dt f(x) =

x exp( t 2 )dt f(x) = INTERPOLAÇÃO POLINOMIAL 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia Aproximação

Leia mais

Definição: Uma função de uma variável x é uma função polinomial complexa se pudermos escrevê-la na forma n

Definição: Uma função de uma variável x é uma função polinomial complexa se pudermos escrevê-la na forma n POLINÔMIO I 1. DEFINIÇÃO Polinômios de uma variável são expressões que podem ser escritas como soma finita de monômios do tipo : a t k k onde k, a podem ser números reais ou números complexos. Exemplos:

Leia mais

MÉTODOS NUMÉRICOS. ENGENHARIA ELECTRÓNICA INDUSTRIAL e de COMPUTADORES

MÉTODOS NUMÉRICOS. ENGENHARIA ELECTRÓNICA INDUSTRIAL e de COMPUTADORES UNIVERSIDADE DO MINHO MÉTODOS NUMÉRICOS ENGENHARIA ELECTRÓNICA INDUSTRIAL e de COMPUTADORES EXERCÍCIOS PRÁTICOS- 1 a parte Ano lectivo de 2004/2005 Exercícios práticos - CONUM Solução de uma equação não

Leia mais

Ficha de trabalho Decomposição e resolução de equações e inequações polinomiais

Ficha de trabalho Decomposição e resolução de equações e inequações polinomiais Ficha de trabalho Decomposição e resolução de equações e inequações polinomiais 1. Verifique, recorrendo ao algoritmo da divisão, que: 6 4 0x 54x + 3x + é divisível por x 1.. De um modo geral, que relação

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso Engenharia de Produção. Ênfase. Disciplina EM1 - Cálculo Numérico Computacional

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso Engenharia de Produção. Ênfase. Disciplina EM1 - Cálculo Numérico Computacional Curso 4402 - Engenharia de Produção Ênfase Identificação Disciplina 0002029EM1 - Cálculo Numérico Computacional Docente(s) Adriana Cristina Cherri Nicola Unidade Faculdade de Ciências Departamento Departamento

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA CARGA HORÁRIA TEÓRICA PRÁTICA TEO/PRAT OUTRAS NÚMERO MÁXIMO DE ALUNOS POR TURMA AULAS TEÓRICAS PRÁTICAS 80 40

DISTRIBUIÇÃO DA CARGA HORÁRIA TEÓRICA PRÁTICA TEO/PRAT OUTRAS NÚMERO MÁXIMO DE ALUNOS POR TURMA AULAS TEÓRICAS PRÁTICAS 80 40 unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS UNIVERSITÁRIO DE BAURU FACULDADE DE CIÊNCIAS PLANO DE ENSINO 2008 UNIDADE UNIVERSITÁRIA: FACULDADE DE CIÊNCIAS CURSO: LICENCIATURA EM MATEMÁTICA HABILITAÇÃO:

Leia mais

BANCO DE EXERCÍCIOS - 24 HORAS

BANCO DE EXERCÍCIOS - 24 HORAS BANCO DE EXERCÍCIOS - HORAS 9º ANO ESPECIALIZADO/CURSO ESCOLAS TÉCNICAS E MILITARES FOLHA Nº GABARITO COMENTADO ) A função será y,5x +, onde y (preço a ser pago) está em função de x (número de quilômetros

Leia mais

Resolução Numérica de Equações Métodos Parte II

Resolução Numérica de Equações Métodos Parte II Cálculo Numérico Resolução Numérica de Equações Métodos Parte II Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br MATERIAL ADAPTADO DOS SLIDES DA DISCIPLINA CÁLCULO NUMÉRICO DA UFCG - www.dsc.ufcg.edu.br/~cnum/

Leia mais

Matemática Computacional - Exercícios

Matemática Computacional - Exercícios Matemática Computacional - Exercícios o semestre de 009/00 - LEMat e MEQ Resolução de sistemas lineares. Inuência dos erros de arredondmento. Consideremos o sistema linear A x = b, onde 0 6 0 A = 0 6,

Leia mais

As funções do 1º grau estão presentes em

As funções do 1º grau estão presentes em Postado em 01 / 04 / 13 FUNÇÃO DO 1º GRAU Aluno(: 1.1.2 TURMA: 1- FUNÇÃO DO PRIMEIRO GRAU As funções do 1º grau estão presentes em diversas situações do cotidiano. Vejamos um exemplo: Uma loja de eletrodomésticos

Leia mais

Resolução de sistemas de equações lineares: Método dos Gradientes Conjugados

Resolução de sistemas de equações lineares: Método dos Gradientes Conjugados Resolução de sistemas de equações lineares: Método dos Gradientes Conjugados Marina Andretta/Franklina Toledo ICMC-USP 24 de março de 2015 Baseado no livro Cálculo Numérico, de Neide B. Franco Marina Andretta/Franklina

Leia mais

Sistemas de equações lineares

Sistemas de equações lineares É um dos modelos mais u3lizados para representar diversos problemas de Engenharia (cálculo estrutural, circuitos elétricos, processos químicos etc.) Conservação da carga: i 1 i 2 i 3 = 0 i 3 i 4 i 5 =

Leia mais

TÓPICOS DE MATEMÁTICA II. O Curso está dividido em três unidades, temos que concluir todas.

TÓPICOS DE MATEMÁTICA II. O Curso está dividido em três unidades, temos que concluir todas. TÓPICOS DE MATEMÁTICA II Roosevelt Imperiano da Silva Palavras iniciais Caros alunos, vamos iniciar o curso da disciplina Tópicos de Matemática II. Neste curso estudaremos os conjuntos numéricos e suas

Leia mais

Resolução de Sistemas de Equações Lineares

Resolução de Sistemas de Equações Lineares 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Resolução de Sistemas de Equações

Leia mais

Plano de Recuperação 1º Semestre EF2-2011

Plano de Recuperação 1º Semestre EF2-2011 Professor: Marcelo, Cebola e Natália Ano: 9º Objetivos: Proporcionar ao aluno a oportunidade de resgatar os conteúdos trabalhados em Matemática nos quais apresentou defasagens e os quais lhe servirão como

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Ciência da ComputaçãoUFRJ. Cálculo Numérico. S. C. Coutinho. Provas e gabaritos

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Ciência da ComputaçãoUFRJ. Cálculo Numérico. S. C. Coutinho. Provas e gabaritos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Ciência da ComputaçãoUFRJ Cálculo Numérico S. C. Coutinho Provas e gabaritos Lembre-se: Nas provas não são aceitas respostas sem justicativa. Você

Leia mais

Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma anxn + an 1 xn 1 + an 2 xn a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x

Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma anxn + an 1 xn 1 + an 2 xn a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x EQUAÇÃO POLINOMIAL Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma a n x n + a n 1 x n 1 + a n 2 x n 2 +... + a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x C a incógnita e a n, a n 1,..., a

Leia mais

Métodos Numéricos. Turma CI-202-X. Josiney de Souza.

Métodos Numéricos. Turma CI-202-X. Josiney de Souza. Métodos Numéricos Turma CI-202-X Josiney de Souza josineys@inf.ufpr.br Agenda do Dia Aula 5 (16/09/15) Zero de funções: Introdução Tipos de métodos Diretos Indiretos ou iterativos Fases de cálculos Isolamento

Leia mais

MAP CÁLCULO NUMÉRICO (POLI) Lista de Exercícios sobre Zeros de Funções

MAP CÁLCULO NUMÉRICO (POLI) Lista de Exercícios sobre Zeros de Funções MAP 2121 - CÁLCULO NUMÉRICO (POLI) Lista de Exercícios sobre Zeros de Funções 1: Mostre que a função f(x) = x 2 4x + cos x possui exatamente duas raízes: α 1 [0, 1.8] e α 2 [3, 5]. Considere as funções:

Leia mais

CCI-22 CCI-22. 4) Equações e Sistemas Não Lineares. Matemática Computacional. Bissecção, Posição Falsa, Ponto Fixo, Newton-Raphson, Secante

CCI-22 CCI-22. 4) Equações e Sistemas Não Lineares. Matemática Computacional. Bissecção, Posição Falsa, Ponto Fixo, Newton-Raphson, Secante Matemática Computacional 4) Equações e Sistemas Não Lineares Carlos Alberto Alonso Sanches Bissecção, Posição Falsa, Ponto Fio, Newton-Raphson, Secante Introdução Ponto Fio Introdução Ponto Fio Raízes

Leia mais

Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios sugeridos

Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios sugeridos MAT 1351 Cálculo para funções uma variável real I Curso noturno de Licenciatura em Matemática 1 semestre de 2016 Docente: Prof. Dr. Pierluigi Benevieri Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios

Leia mais

Matemática Básica EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS. Dê um contraexemplo para cada sentença falsa.

Matemática Básica EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS. Dê um contraexemplo para cada sentença falsa. DR. SIMON G. CHIOSSI @ GMA / UFF MB V 1 0/02/2016 NOME LEGÍVEL: Matemática Básica Prova V 1 turma A1 0 / 02 / 2016 MATRÍCULA: EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS (1) Sejam P(x) o predicado x 2 = x e Q(x) o predicado

Leia mais

ALUNO(A): Prof.: André Luiz Acesse: 02/05/2012

ALUNO(A): Prof.: André Luiz Acesse:  02/05/2012 1. FUNÇÃO 1.1. DEFINIÇÃO Uma função é um conjunto de pares ordenados de números (x,y) no qual duas duplas ordenadas distintas não podem ter o mesmo primeiro número, ou seja, garante que y seja único para

Leia mais

Universidade Portucalense Departamento de Inovação, Ciência e Tecnologia Curso Satélite - Módulo I - Matemática

Universidade Portucalense Departamento de Inovação, Ciência e Tecnologia Curso Satélite - Módulo I - Matemática Universidade Portucalense Departamento de Inovação, Ciência e Tecnologia Curso Satélite - Módulo I - Matemática Valor Absoluto: O valor absoluto de a, representa-se por a e é a distância do número a a

Leia mais

étodos uméricos ZEROS DE FUNÇÕES Prof. Erivelton Geraldo Nepomuceno PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

étodos uméricos ZEROS DE FUNÇÕES Prof. Erivelton Geraldo Nepomuceno PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA étodos uméricos ZEROS DE FUNÇÕES Prof. Erivelton Geraldo Nepomuceno PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE DE JOÃO DEL-REI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

Equações não lineares

Equações não lineares DMPA IME UFRGS Cálculo Numérico Índice Raizes de polinômios 1 Raizes de polinômios 2 raizes de polinômios As equações não lineares constituídas por polinômios de grau n N com coeficientes complexos a n,a

Leia mais

AULA 30/05/2017 MÁXIMOS E MÍNIMOS, ESTUDO COMPLETO DE FUNÇÕES, APLICAÇÃO DE DERIVADA

AULA 30/05/2017 MÁXIMOS E MÍNIMOS, ESTUDO COMPLETO DE FUNÇÕES, APLICAÇÃO DE DERIVADA AULA 30/05/2017 MÁXIMOS E MÍNIMOS, ESTUDO COMPLETO DE FUNÇÕES, APLICAÇÃO DE DERIVADA As derivadas têm inúmeras aplicações. Com o estudo da primeira e da segunda derivada podemos esboçar o gráfico de uma

Leia mais

Aula 2: Funções. Margarete Oliveira Domingues PGMET/INPE. Aula 2 p.1/57

Aula 2: Funções. Margarete Oliveira Domingues PGMET/INPE. Aula 2 p.1/57 Aula 2 p.1/57 Aula 2: Funções. Margarete Oliveira Domingues PGMET/INPE Definição e representação Aula 2 p.2/57 Aula 2 p.3/57 Função Definição: Uma função de um conjunto em um conjunto, é uma correspondência

Leia mais

Curso Satélite de. Matemática. Sessão n.º 1. Universidade Portucalense

Curso Satélite de. Matemática. Sessão n.º 1. Universidade Portucalense Curso Satélite de Matemática Sessão n.º 1 Universidade Portucalense Conceitos Algébricos Propriedades das operações de números reais Considerem-se três números reais quaisquer, a, b e c. 1. A adição de

Leia mais

CAP. II RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES NÃO LINEARES

CAP. II RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES NÃO LINEARES CAP. II RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES NÃO LINEARES Vamos estudar alguns métodos numéricos para resolver: Equações algébricas (polinómios não lineares; Equações transcendentais equações que envolvem funções

Leia mais

4 de outubro de MAT140 - Cálculo I - Método de integração: Frações Parciais

4 de outubro de MAT140 - Cálculo I - Método de integração: Frações Parciais MAT140 - Cálculo I - Método de integração: Frações Parciais 4 de outubro de 2015 Iremos agora desenvolver técnicas para resolver integrais de funções racionais, conhecido como método de integração por

Leia mais

Métodos Numéricos. Turma CI-202-X. Josiney de Souza.

Métodos Numéricos. Turma CI-202-X. Josiney de Souza. Métodos Numéricos Turma CI-202-X Josiney de Souza josineys@inf.ufpr.br Agenda do Dia Aula 9 (30/09/15) Método de Ponto Fixo: Método de Newton- Raphson ou Método das Tangentes O que é Como é calculado Particularidades

Leia mais

PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL. Introdução Considere f uma função, não constante, de uma variável real ou complexa, a equação f(x) = 0 será denominada equação de uma incógnita. EXEMPLO e x + senx

Leia mais

Semana 4 Zeros das Funções

Semana 4 Zeros das Funções 1 CÁLCULO NUMÉRICO Semana 4 Zeros das Funções Professor Luciano Nóbrega UNIDADE 1 Eixo das ordenadas www.professorlucianonobrega.wordpress.com 2 ZEROS DAS FUNÇÕES INTRODUÇÃO Nas diversas áreas científicas,

Leia mais

UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROVA DE CÁLCULO 1

UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROVA DE CÁLCULO 1 UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROVA DE CÁLCULO 1 PROVA DE TRANSFERÊNCIA INTERNA, EXTERNA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR - 16/10/2016 CANDIDATO: CURSO PRETENDIDO: OBSERVAÇÕES: 1.

Leia mais

TP062-Métodos Numéricos para Engenharia de Produção Introdução. Prof. Volmir Wilhelm Curitiba, Paraná, Brasil

TP062-Métodos Numéricos para Engenharia de Produção Introdução. Prof. Volmir Wilhelm Curitiba, Paraná, Brasil TP062-Métodos Numéricos para Engenharia de Produção Introdução Prof. Volmir Wilhelm Curitiba, Paraná, Brasil TP062-Métodos Numéricos para Engenharia de Produção Ementa Matrizes. Sistemas lineares. Zeros

Leia mais

Denominamos equação polinomial ou equação algébrica de grau n a toda equação da forma:

Denominamos equação polinomial ou equação algébrica de grau n a toda equação da forma: EQUAÇÕES POLINOMIAIS. EQUAÇÃO POLINOMIAL OU ALGÉBRICA Denominamos equação polinomial ou equação algébrica de grau n a toda equação da forma: p(x) = a n x n + a n x n +a n x n +... + a x + a 0 = 0 onde

Leia mais

1.1 Conceitos Básicos

1.1 Conceitos Básicos 1 Zeros de Funções 1.1 Conceitos Básicos Muito frequentemente precisamos determinar um valor ɛ para o qual o valor de alguma função é igual a zero, ou seja: f(ɛ) = 0. Exemplo 1.1 Suponha que certo produto

Leia mais

E. S. JERÓNIMO EMILIANO DE ANDRADE DE ANGRA DO HEROISMO. Conteúdo Programáticos / Matemática e a Realidade. Curso de Nível III Técnico de Laboratório

E. S. JERÓNIMO EMILIANO DE ANDRADE DE ANGRA DO HEROISMO. Conteúdo Programáticos / Matemática e a Realidade. Curso de Nível III Técnico de Laboratório E. S. JERÓNIMO EMILIANO DE ANDRADE DE ANGRA DO HEROISMO Curso de Nível III Técnico de Laboratório Técnico Administrativo PROFIJ Conteúdo Programáticos / Matemática e a Realidade 2º Ano Ano Lectivo de 2008/2009

Leia mais

Método de Newton-Raphson

Método de Newton-Raphson Método de Newton-Raphson Método de Newton-Raphson Joinville, 29 de Abril de 2013 Escopo dos Tópicos Abordados Solução de equações via métodos iterativos Método de Newton-Raphson 2 Operação de Sistemas

Leia mais

II. Funções de uma única variável

II. Funções de uma única variável II. Funções de uma única variável 1 II.1. Conceitos básicos A otimização de de funções de de uma única variável consiste no no tipo mais elementar de de otimização. Importância: Tipo de problema encontrado

Leia mais

3.6 Erro de truncamento da interp. polinomial.

3.6 Erro de truncamento da interp. polinomial. 3 Interpolação 31 Polinômios interpoladores 32 Polinômios de Lagrange 33 Polinômios de Newton 34 Polinômios de Gregory-Newton 35 Escolha dos pontos para interpolação 36 Erro de truncamento da interp polinomial

Leia mais

1. Considere os conjuntos A = {0; 2} e B = {1; 2; 3}. A respeito de produto cartesiano entre dois conjuntos, assinale a alternativa correta:

1. Considere os conjuntos A = {0; 2} e B = {1; 2; 3}. A respeito de produto cartesiano entre dois conjuntos, assinale a alternativa correta: . Considere os conjuntos A = {0; 2} e B = {; 2; 3}. A respeito de produto cartesiano entre dois conjuntos, assinale a alternativa correta: a. AxB = {(0; ); (0; 2); (0; 3); (2; ); (2; 2); (2; 3)} b. BxA

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento 2015 Mat - Polinômios

Exercícios de Aprofundamento 2015 Mat - Polinômios Exercícios de Aprofundamento 05 Mat - Polinômios. (Espcex (Aman) 05) O polinômio (x) x x deixa resto r(x). Sabendo disso, o valor numérico de r( ) é a) 0. b) 4. c) 0. d) 4. e) 0. 5 f(x) x x x, uando dividido

Leia mais

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS O conjunto dos números reais,, que possui as seguintes propriedades:, possui uma relação menor ou igual, denotada por O1: Propriedade Reflexiva:

Leia mais

Erivaldo. Polinômios

Erivaldo. Polinômios Erivaldo Polinômios Polinômio ou Função Polinomial Definição: P(x) = a o + a 1.x + a 2.x 2 + a 3.x 3 +... + a n.x n a o, a 1, a 2, a 3,..., a n : Números complexos Exemplos: 1) f(x) = x 2 + 3x 7 2) P(x)

Leia mais

ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I. Trabalho 1 (T1)

ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I. Trabalho 1 (T1) ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Trabalho 1 (T1) Grupo de até três acadêmicos; Entregar os algoritmos; Entregar as implementações dos algoritmos (arquivos.c), organizados em uma pasta (denominada

Leia mais

1. Prove que (a+b) c = a c+b c para todo a, b, c em ZZ /mzz. (Explique cada passo).

1. Prove que (a+b) c = a c+b c para todo a, b, c em ZZ /mzz. (Explique cada passo). 1 a Lista de Exercícios de Álgebra II - MAT 231 1. Prove que (a+b) c = a c+b c para todo a, b, c em ZZ /mzz. (Explique cada passo). 2. Seja A um anel associativo. Dado a A, como você definiria a m, m IN?

Leia mais

Visto do Professor: Prof. Rafael D N X Laboratório de Informática para essa prova? Sim Não X

Visto do Professor: Prof. Rafael D N X Laboratório de Informática para essa prova? Sim Não X Disciplina: Cálculo 1 Identificação da Prova: Simulado Ex. Final Nota: Professor e Visto: Visto da Coordenação: Período: Data: Visto do Professor: Prof. Rafael D N X Laboratório de Informática para essa

Leia mais

EFOMM , sabendo-se que I 1 corresponde ao ruído sonoro de 8 decibéis de uma aproximação de dois. metro quadrado.

EFOMM , sabendo-se que I 1 corresponde ao ruído sonoro de 8 decibéis de uma aproximação de dois. metro quadrado. EFOMM 009 (0) Qual é o número inteiro cujo produto por 9 é um número natural composto apenas pelo algarismo? (A) 459 (B) 4569 (C) 45679 (D) 45789 (E) 456789. (0) O logotipo de uma certa Organização Militar

Leia mais

CÁLCULO NUMÉRICO. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano

CÁLCULO NUMÉRICO. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano CÁLCULO NUMÉRICO Profa. Dra. Yara de Souza Tadano yaratadano@utfpr.edu.br Aula 4 Zeros reais de funções Parte 1 Objetivo Determinar valores aproimados para as soluções (raízes) de equações da forma: f

Leia mais

A. Equações não lineares

A. Equações não lineares A. Equações não lineares 1. Localização de raízes. a) Verifique se as equações seguintes têm pelo menos uma solução nos intervalos dados: i) (x - 2) 2 ln(x) = 0, em [1, 2] e [e, 4]. ii) 2 x cos(x) (x 2)

Leia mais

Pode-se mostrar que da matriz A, pode-se tomar pelo menos uma submatriz quadrada de ordem dois cujo determinante é diferente de zero. Então P(A) = P(A

Pode-se mostrar que da matriz A, pode-se tomar pelo menos uma submatriz quadrada de ordem dois cujo determinante é diferente de zero. Então P(A) = P(A MATEMÁTICA PARA ADMINISTRADORES AULA 03: ÁLGEBRA LINEAR E SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES TÓPICO 02: SISTEMA DE EQUAÇÕES LINEARES Considere o sistema linear de m equações e n incógnitas: O sistema S pode

Leia mais

(d) Quais das sentenças abaixo são verdadeiras? Explique sua resposta. (a) 3 IR (b) IN IR (c) Z IR. IR Q (i) 3 2

(d) Quais das sentenças abaixo são verdadeiras? Explique sua resposta. (a) 3 IR (b) IN IR (c) Z IR. IR Q (i) 3 2 LISTA - 1 1 Números Reais 1. Expresse cada número como decimal: (a) 7 10 (b) 2 5 (c) 9 15 (d) 7 8 (e) 17 20 (f) 4 11 (g) 8 7 (h) 56 14 2. Expresse cada número decimal como uma fração na forma mais reduzida

Leia mais

TECNÓLOGO EM CONSTRUÇÃO CIVIL. Aula 5 _ Função Polinomial do 1º Grau Professor Luciano Nóbrega

TECNÓLOGO EM CONSTRUÇÃO CIVIL. Aula 5 _ Função Polinomial do 1º Grau Professor Luciano Nóbrega 1 TECNÓLOGO EM CONSTRUÇÃO CIVIL Aula 5 _ Função Polinomial do 1º Grau Professor Luciano Nóbrega 2 FUNÇÃO POLINOMIAL DO 1º GRAU Uma função polinomial do 1º grau (ou simplesmente, função do 1º grau) é uma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática 2 a Lista - MAT 137 - Introdução à Álgebra Linear II/2005 1 Resolva os seguintes sistemas lineares utilizando o Método

Leia mais

Funções Reais a uma Variável Real

Funções Reais a uma Variável Real Funções Reais a uma Variável Real 1 Introdução As funções são utilizadas para descrever o mundo real em termos matemáticos, é o que se chama de modelagem matemática para as diversas situações. Podem, por

Leia mais

Cálculo Numérico Conceitos Básicos

Cálculo Numérico Conceitos Básicos Cálculo Numérico Conceitos Básicos Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br MATERIAL ADAPTADO DOS SLIDES DA DISCIPLINA CÁLCULO NUMÉRICO DA UFCG - www.dsc.ufcg.edu.br/~cnum/ 1 Princípios usados

Leia mais

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. MATEMÁTICA 7º Ano

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. MATEMÁTICA 7º Ano PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR MATEMÁTICA 7º Ano OBJETIVOS ESPECÍFICOS TÓPICOS SUBTÓPICOS METAS DE APRENDIZAGEM 1º Período - Multiplicar e dividir números inteiros. - Calcular o valor de potências em que

Leia mais

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Instituída pela Lei 10.425, de 19/04/2002 - D.O.U. de 22/04/2002 Pró-Reitoria de Ensino de Graduação - PROEN Disciplina: Cálculo Numérico Ano: 2012 Prof:

Leia mais

Cálculo Numérico Computacional

Cálculo Numérico Computacional Cálculo Numérico Computacional Apresentação Prof. Márcio Bueno cnctarde@marciobueno.com Ementa } Oferecer fundamentos e instrumentos da matemática aplicada e computacional, com a finalidade de permitir

Leia mais

MATEMÁTICA - 8.º Ano. Ana Soares ) Catarina Coimbra

MATEMÁTICA - 8.º Ano. Ana Soares ) Catarina Coimbra Salesianos de Mogofores - 2016/2017 MATEMÁTICA - 8.º Ano Ana Soares (ana.soares@mogofores.salesianos.pt ) Catarina Coimbra (catarina.coimbra@mogofores.salesianos.pt ) Rota de aprendizage m por Projetos

Leia mais

Matemática Básica. Fração geratriz e Sistema de numeração 1) 0, = ) 2, =

Matemática Básica. Fração geratriz e Sistema de numeração 1) 0, = ) 2, = Erivaldo UDESC Matemática Básica Fração geratriz e Sistema de numeração 1) 0,353535... = 35 99 2) 2,1343434... = 2134 21 99 0 Decimal (Indo-Arábico): 2107 = 2.10 3 + 1.10 2 + 0.10 1 + 7.10 0 Número de

Leia mais

Resolvendo inequações: expressões com desigualdades (encontrar os valores que satisfazem a expressão)

Resolvendo inequações: expressões com desigualdades (encontrar os valores que satisfazem a expressão) R é ordenado: Se a, b, c R i) a < b se e somente se b a > 0 (a diferença do maior com o menor será positiva) ii) se a > 0 e b > 0 então a + b > 0 (a soma de dois números positivos é positiva) iii) se a

Leia mais

Nivelamento Matemática Básica

Nivelamento Matemática Básica Faculdade de Tecnologia de Taquaritinga Av. Dr. Flávio Henrique Lemos, 8 Portal Itamaracá Taquaritinga/SP CEP 900-000 fone (6) -0 Nivelamento Matemática Básica ELIAMAR FRANCELINO DO PRADO Taquaritinga

Leia mais

Interpolação polinomial: Polinômio de Lagrange

Interpolação polinomial: Polinômio de Lagrange Interpolação polinomial: Polinômio de Lagrange Marina Andretta ICMC-USP 09 de maio de 2012 Baseado no livro Análise Numérica, de R. L. Burden e J. D. Faires. Marina Andretta (ICMC-USP) sme0500 - cálculo

Leia mais

Polinômios (B) 4 (C) 2 (D) 1 3 (E). 2

Polinômios (B) 4 (C) 2 (D) 1 3 (E). 2 Polinômios. (ITA 2005) No desenvolvimento de (ax 2 2bx + c + ) 5 obtém-se um polinômio p(x) cujos coeficientes somam 32. Se 0 e são raízes de p(x), então a soma a + b + c é igual a (A) 2 (B) 4 (C) 2 (D)

Leia mais

Zero de Funções ou Raízes de Equações

Zero de Funções ou Raízes de Equações Zero de Funções ou Raízes de Equações Um número ξ é um zero de uma função f() ou raiz da equação se f(ξ). Graficamente os zeros pertencentes ao conjunto dos reais, IR, são representados pelas abscissas

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba Professor Gilmar Bornatto

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba Professor Gilmar Bornatto Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba 1. Para fazer uma caixa sem tampa com um único pedaço de papelão, utilizou-se um retângulo de 16 cm de largura por 30 cm

Leia mais

Polinômios. 02) Se. (x 1), então. f(x) (x 2) (x 1) 5ax 2b, com a e b reais, é divisível por a b 1. 04) As raízes da equação

Polinômios. 02) Se. (x 1), então. f(x) (x 2) (x 1) 5ax 2b, com a e b reais, é divisível por a b 1. 04) As raízes da equação Polinômios 1. (Ufsc 015) Em relação à(s) proposição(ões) abaixo, é CORRETO afirmar ue: 01) Se o gráfico abaixo representa a função polinomial f, definida em por f(x) ax bx cx d, com a, b e c coeficientes

Leia mais

INEQUAÇÕES ESPECIALIZAÇÃO EM INSTRUMENTAÇÃO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA. Prof. M.Sc. Armando Paulo da Silva 1

INEQUAÇÕES ESPECIALIZAÇÃO EM INSTRUMENTAÇÃO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA. Prof. M.Sc. Armando Paulo da Silva 1 ANÁLISE DE MÉTODOS M MÁTEMÁTICOSTICOS INEQUAÇÕES Prof. M.Sc. Armando Paulo da Silva 1 ANÁLISE DE MÉTODOS M MÁTEMÁTICOS TICOS I INEQUAÇÕES 1º GRAU Prof. M.Sc. Armando Paulo da Silva 2 INEQUAÇÕES DE 1º 1

Leia mais

Exercícios de Matemática Funções Função Polinomial

Exercícios de Matemática Funções Função Polinomial Exercícios de Matemática Funções Função Polinomial 5. (Unesp) A figura a seguir mostra o gráfico da função polinomial f(x)=ax +x +x,(a 0). 1. (Ufpe) Seja F(x) uma função real, na variável real x, definida

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o

P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o 206-207 DISCIPLINA / ANO: Matemática A - ºano MANUAL ADOTADO: NOVO ESPAÇO - Matemática A º ano GESTÃO DO TEMPO Nº de Nº de Nº de tempos tempos tempos

Leia mais

Resolução das Questões Discursivas

Resolução das Questões Discursivas COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD CONCURSO PISM III - TRIÊNIO 008-010 Prova de Matemática Resolução das Questões Discursivas São apresentadas abaixo possíveis soluções

Leia mais

Universidade Federal de Campina Grande

Universidade Federal de Campina Grande Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Disciplina: Métodos e Software Numéricos Prof.: José Eustáquio Rangel de Queiroz Práticas de Avaliação e Planejamento das Atividades

Leia mais

MÉTODOS MATEMÁTICOS. Claudia Mazza Dias Sandra Mara C. Malta

MÉTODOS MATEMÁTICOS. Claudia Mazza Dias Sandra Mara C. Malta MÉTODOS MATEMÁTICOS Claudia Mazza Dias Sandra Mara C. Malta 1 Métodos Matemáticos Aulas: De 03/11 a 08/11-8:30 as 11:00h Ementa: 1. Funções 2. Eq. Diferenciais Ordinárias de 1 a ordem 3. Sistemas de Equações

Leia mais

PAULO XAVIER PAMPLONA

PAULO XAVIER PAMPLONA Universidade Federal de Campina Grande - UFCG Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar - CCTA Unidade Acadêmica de Ciências e Tecnologia Ambiental-UACTA Cálculo Numérico por PAULO XAVIER PAMPLONA

Leia mais

Zeros de Polinômios. 1 Resultados Básicos. Iguer Luis Domini dos Santos 1, Geraldo Nunes Silva 2

Zeros de Polinômios. 1 Resultados Básicos. Iguer Luis Domini dos Santos 1, Geraldo Nunes Silva 2 Zeros de Polinômios Iguer Luis Domini dos Santos, Geraldo Nunes Silva 2 DCCE/IBILCE/UNESP, São José do Rio Preto, SP, Brazil, iguerluis@hotmail.com 2 DCCE/IBILCE/UNESP, São José do Rio Preto, SP,Brazil,

Leia mais