CONCEPÇÕES ACERCA DO SER NEGRO EM PESQUISA BIBLIOGRÁFICA PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCEPÇÕES ACERCA DO SER NEGRO EM PESQUISA BIBLIOGRÁFICA PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS"

Transcrição

1 CONCEPÇÕES ACERCA DO SER NEGRO EM PESQUISA BIBLIOGRÁFICA PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS Rebeca de Alcântara e Silva - UFPI Raira Maria Sousa Rocha - UFPI Introdução O presente trabalho é resultado de estudos realizados como atividade integrada ao projeto de ensino, pesquisa e extensão Formação de professores na UFPI CAFS para a Implementação da Lei N / obrigatoriedade do ensino de história e cultura africana e afrobrasileira e da educação das relações étnico-racias nas escolas de ensino básico vinculado ao Programa de Bolsa Permanência. No âmbito do projeto temos como objetivo principal formar estudantes universitários, em especial da UFPI, e professores da educação básica na cidade de Floriano, para que valorizem a diversidade étnico-racial, com ênfase na população negra. Para tanto nos baseamos na lei N de 9 de janeiro de 2003 que altera a Lei N 9394/96 e versa sobre a obrigatoriedade do ensino da história e da cultura africana e afrobrasileira nas escolas de ensino básico e da educação das relações étnico-racias. O projeto está organizado em várias etapas 1 entre as quais a pesquisa bibliográfica. Após várias sessões de estudo: debates e leituras individuais e coletivas, o grupo reuniu os elementos considerados mais significativos em torno de alguns temas, entre os quais : o ser negro, escolhido para o presente trabalho escrito. Através de nossa trilha investigativa observamos algumas concepções sobre o ser negro presentes em material bibliográfico e percebemos o quão estão permeadas por ideologias, que por sua vez são transmitidas para a sociedade em geral e, em especial para os estudantes de ensino básico. Tais conteúdos ideológicos, a nosso ver, contribuem significativamente para a 1 A primeira etapa do projeto é a pesquisa bibliográfica para que as estudantes bolsistas possam aproximar-se do tema e visitar cada uma sua etnicidade. Em seguida iremos realizar cursos de formação de professores acerca do tema em escolas de ensino fundamental na cidade de Floriano-PI.

2 2 leitura que fazemos da população negra, de sua história, cultura e de suas relações sociais, podendo elevar ou rebaixar a auto-imagem dos sujeitos negros. Mas afinal, que tendências e concepções sobre o negro estão presentes em nossas investidas investigativas? Quem é esse sujeito que nos aproximamos por meio da pesquisa bibliográfica? Primeiras aproximações com o conceito ser negro Em pesquisa 2 realizada acerca da construção coletiva de conceitos, sobre o ser negro por estudantes universitários, podemos perceber notadamente a variedade de ideologias atravessadas no imaginário individual e coletivo. Entre enumeras concepções presentes na pesquisa o ser negro aparece como coitado que necessita da ajuda do Estado para sobreviver e que não consegue ascender economicamente por esforço próprio. Nesse sentido foi comparado a um urubu que vive dos restos e dejetos da sociedade branca. Como demonstra um dos estudantes partícipe da pesquisa: É o pior bicho, um urubu. É o bicho mais seboso que existe. Esse bicho se sente inferior aos outros animais porque ele sobrevive de coisas deterioradas. Ele vive dos restos da sociedade, do que sobra. Os piores empregos, as piores moradias, uma vida difícil (SILVA, 2007, P. 151). Outra concepção presente no estudo é a do ser negro brasileiro miscigenado. Aquele que porta várias tendências culturais por ter sangue branco, indígena e negro, conceituado como pardo. Por outro lado surge a concepção do ser negro espiritualizado que não esquece suas raízes africanas e vem lutando desde os tempos da escravização criminosa até nossos dias pelos seus direitos como cidadão brasileiro. A pesquisa concluiu que não há uma única identidade negra ou apenas uma concepção acerca do ser negro, mas uma multiplicidade de percepções, o que gera várias tendências de idéias sobre o ser negro no imaginário coletivo. Seria perceber o ser negro sem uma única identidade cristalizada, parada, mas um ser negro móvel, dinâmico e reelaborado nas mentalidades dos povos dependendo das circunstâncias e condições 2 A menina e o erê nas viagens ao ser negro uma pesquisa sociopoética com educadores em formação é uma pesquisa de mestrado que usa como referencial teórico metodológico a sociopoética. Os sujeitos, considerados pelas pesquisas convencionais como objetos de pesquisa, nesse referencial constituem-se em co-pesquisadores e em conjunto com o pesquisador oficial procuram elaborar conceitos novos sobre um tema gerador a partir de técnicas especiais, que utilizam a inventividade e a escuta sensível para a produção do conhecimento científico.

3 3 históricas, educacionais, entre outras. A pesquisa elabora, finalmente, um devir 3 negro. Segundo Zila Bernd (1988,) o poeta senegalês Senghor acreditava que existe uma alma negra. Ele falava dessa alma negra como a psicologia do negro africano. Senghor acreditou nessa alma emotiva do negro em contraposição à racionalidade do branco. Essa alma do negro africano está carregada de valores negros, tais como a vida, a emoção e o amor. Para Lívio Sansone o termo negro se refere mais diretamente ao fenótipo negróide, bem como a algum contexto especial que liga o indivíduo a África. Adverte o pesquisador que o que aqui entendo por negro são as pessoas que, em algum contexto específico, vêem a si mesmas e são vistas pelas pessoas de fora como sendo de ascendência africana ou parcialmente africanas (2003, p. 212). Nesse caso ser negro associado à África nos remete a uma negritude tradicional. É negro o sujeito que preserva vínculo com o continente africano seja pelos traços negróides, ou por sua adesão às várias manifestações da cultural afrobrasileira independente da cor de sua pele. A estigmatização do ser negro No imaginário ocidental, a idéia do negro é relacionada ao perigoso, ao mal. Nesse sentido, Julvan Moreira de Oliveira analisa o mal nos mitos que influenciaram o pensamento ocidental. Segundo ele, no pensamento ocidental a escuridão, a sombra e a cor negra assumiram representações simbólicas do mal, da desgraça, da perdição e da morte. Estes atributos negativos, presentes em muitos mitos, são associados às populações que possuem a cor negra, como um estigma, principalmente através da educação (2003, p. 01). A mitologia solidificou no Ocidente as dicotomias: luz e trevas, Deus e diabo, branco e negro, deuses benéficos e divindades do horror. O mal sempre se opondo ao que é luz. O diabo é negro: Seth aparecia por vezes como um porco negro, Dioniso também era ocasionalmente negro e o mundo dos mortos é escuro desde a Grécia, passando 3 Maiores detalhes podem ser consultados em BAREMBLITT (1998).

4 4 pelo Irã, indo até Roma. Existe nesse imaginário ocidental a figura do herói, indivíduo que enfrenta criaturas monstruosas. O herói está relacionado à cor branca, na mesma medida em que o monstro ou demônio estão relacionados ao negro, às trevas (OLIVEIRA, 2003). Esse conjunto de heranças culturais, oriundas do pensamento mitológico, influenciou a construção da idéia do negro como um ser humano inferior. Posteriormente, no século XV, com as grandes descobertas, procurou-se saber se tanto os ameríndios quanto os vários grupos de negros africanos seriam realmente humanos como os europeus. Algumas teorias sustentaram a idéia de que os povos descobertos eram bestas, nãodescendentes de Adão, por força do pensamento teológico-político vigente naquele período. Mesmo com o enfraquecimento de tais ideologias cristãs e o fortalecimento da racionalidade universal, construída pelos filósofos ilustrados, diversos teóricos corroboraram a construção de um pensamento que privilegiava a raça branca em detrimento da negra. Segundo Santos, a chave de seus argumentos encontra-se na utilização do conceito de raça, transportado da zoologia e da botânica para a nascente ciência do homem em três grandes raças hierarquizadas dentro de uma escala de valores, na qual a sua própria raça ocuparia uma posição superior [...]. Buffon explicava a inferioridade dos negros africanos pela teoria do clima. Segundo ele, vivendo entre os trópicos [...] os negros não encontraram condições ideais para o desenvolvimento corporal, moral, intelectual e estético tal como o fizeram os povos europeus, situados num clima temperado (2002, p ). A teoria da distinção racial baseada nas ciências biológicas surge no século XIX, teoria sobre a qual se pauta a idéia de que alguns indivíduos são forjados pela natureza para o comando e outros para a obediência, que seria então o caso das raças branca e negra respectivamente. Consoante a essa visão, Santos afirma ainda a existência da idéia de que o sangue negro deteriora o branco. O negro seria marcado pela imaginação, sensibilidade e sensualidade e o branco, pela inteligência, praticidade, ética e moral (2002, p. 12). O branco estaria em um estágio evolutivo acima do negro, que se encontraria em estágio ainda primitivo. As teorias acima mencionadas potencializaram práticas racistas as mais variadas. Desde a colonização até a abolição da escravatura na penúltima década do século XIX, a população negra brasileira foi tratada pela elite branca como coisa, apesar das mais variadas maneiras de resistência a essa idéia de coisificação. As estratégias

5 5 de resistência variavam desde a fuga, passando pelo acordo entre escravizado e escravocrata e chegando mesmo à compra de alforrias, o que concorreu para amedrontar a elite brasileira à época. Estimava-se que a população negra brasileira de então girasse em torno de 70%. Não era difícil, portanto, temer um levante, pois, desde o início mesmo da escravidão no Brasil, os sujeitos escravizados elaboravam e reelaboravam formas de combate à escravização criminosa. O medo do ser negro e a elite branca brasileira. O conjunto de ideologias sobre o negro, elaboradas na história do Ocidente, impregna o Novo Mundo. Ao longo do regime de escravização negra no Brasil, foi constituindose o estigma da cor, norteado pelas teorias racistas de dominação da elite brasileira branca. No século XIX, é iminente a possibilidade da imigração. Com a esperada abolição, intelectuais e políticos vêem-se diante do problema de o que fazer com o negro ex-escravo e futuro cidadão. Esta temática tomou conta de debates, jornais, do Senado e demais segmentos sociais. Surge então o medo de o povo negro, ao ser liberto, tome o país, retirando a população branca de sua condição privilegiada (AZEVEDO, 1997). Como a sociedade brasileira constituía-se de uma minoria de ricos proprietários de terra, uma maioria de escravos (negros e mestiços) cativos e fugitivos e uma pequena parcela de cidadãos pobres livres, começou-se a pensar em inúmeras formas de deter a formação de uma possível nação negra no país. A imigração então passou a ser encarada como uma solução honrosa para eliminar o signo de atraso que o negro representava e o medo da miscigenação em larga escala. O alastramento das teorias racistas só aumentou com a Abolição: ora, se os negros não eram inferiores, por que não progrediram como os imigrantes que chegaram aqui? Somando-se um mito após o outro, inferioridade, vagabundagem incompetência. Foi-se esboçando o perfil do homem negro como anticidadão, como marginal (SANTOS, 2002, p. 119). Nyamien afirma que alguns autores brasileiros, como Oliveira Vianna, acreditavam que o imigrante europeu representava a possibilidade de purificação étnica. Apostava-se no mestiço como um tipo em evolução que, embora não chegasse a atingir a superioridade dos brancos, poderia ser utilizada em algumas profissões mais finas (1999, p. 84). O pensamento da intelectualidade brasileira era influenciado

6 6 pelas teses européias do racismo científico por um lado e também se casavam com as idéias brasileiras de superioridade branca por outro. Discursos ideológicos racistas sobre a etnia negra incorporaram-se ao imaginário social e orientaram as práticas dos cidadãos, transformando-se em senso comum. Estas práticas continuam exercendo seu poder ideológico tanto entre os segmentos brancos como entre uma grande parcela dos afrodescendentes. Valorização positiva do ser negro Contudo, ao lado de todo o mal, fruto do racismo criminoso, gingou a força determinada do povo negro que procurou singularizar, frente a todas as adversidades, seu ser negro, sua cosmovisão africana e logo a representação de si valorizada. A essa representação positiva do negro/a pelo negro/a Guimarães chama de modernidade negra que se inicia de fato com a abolição da escravatura e ainda significa efetivamente: A incorporação dos negros ao Ocidente enquanto ocidentais civilizados e acontece em dois tempos que às vezes coincidem, às vezes não: um primeiro, em que muda a representação dos negros pelos ocidentais, principalmente através da arte, fruto intelectual do mal-estar provocado pelas guerras e pelas lutas de classe na Europa; o segundo se inicia com a representação positiva de si, feita por negros para si e para os ocidentais (2003, p.03). Essa modernidade negra que apresenta ao mundo a positivação do negro por ele mesmo pode seguir três trilhas, de acordo com Guimarães: A norte-americana, cuja primeira contração foi o New Negro Movement (ou Harlem Renaissance); a franco-africana, que tem também início nos anos 1920, mas se consolida apenas nos anos 1940; e a latino americana, que também se inicia nos anos 1920 e se cristaliza no pós-guerra (2003, p.09). Muitos atores sociais contribuíram para a consolidação desse olhar positivado para o ser negro, ou como diria Guimarães, essa modernidade negra. Entre tantos nomes podemos aferir Alain Locker na América; Aimée Césaire das Antilhas e ainda o célebre Léopold Senghor do Senegal. No campo diretamente ligado às representações simbólicas posso ainda lembrar René Marran, com Batouala em 1921, o primeiro romance negro da história; Shuffle Along, primeiro All-black musical apresentado na Broadway de Flournoy Miller e Aubrey Lyles; Cane de Jean Toomer de E por

7 7 fim, Aimé Césaire escreve na década de 1930 o Cahier d um retour au pays natal na revista Volontés escrita esta que fundou o movimento francês da negritude. Já em 1947 surge a revista da negritude intitulada Présence africaine em Paris. Em nosso país tais tendências agigantam-se como ainda contribui Guimarães: No Brasil as iniciativas inspiradas no movimento pela valorização da negritude 4 já aparecem no primeiro jornal negro Menelick, em 1915, enquanto em 1931 a militância negra cria a Frente Negra Brasileira impulsionando assim, o movimento de valorização da identidade negra (2003, p.10). Nas três ultimas décadas do século XX, de acordo com a pesquisadora Florentina da Silva Souza (2005) cresce vertiginosamente o número de escritores/as que se julgam como negros/as exigindo a inscrição de suas vozes como parte de sua textualidade cultural na construção de suas auto-representações. Seguindo Fanon (1995), pode-se afirmar que os textos afrobrasileiros visam a denunciar os véus da representação de origem européia que coloca o seu padrão fenotípico e cultural como modelo absoluto SOUZA (apud Fanon 2005, p. 54). O movimento negro brasileiro quando passa a se preocupar em construir uma imagem valorizada do ser negro, seja no teatro experimental do negro, seja nos poemas, contos e romances negros, desenvolve uma máquina de guerra contra o racismo estigmatizador do esteriótipo afrodescendente. O movimento negro orienta e incentiva seus militantes à publicações de desenhos identitários os escritores militantes aproxima-se da cosmologia africana, os mitos africanos, as religiões de matriz africana, as práticas culturais próprias de seus ancestrais e os movimentos culturais de origem afro (SOUZA 2005). Entendemos que os conceitos que conferem ao ser negro/a valor positivo nessa pesquisa de teor bibliográfico, concordam com a tendência que o século XX impõe fruto da luta e da resistência, bem como da produção artística, literária e acadêmica do movimento negro e do povo negro em geral. São conceitos que se insurgem negando um padrão de 4 A negritude foi antes de tudo um movimento de aceitação de si por parte dos negros nos anos 1940 em Paris. Foi a descoberta da grandiosidade do ser negro.uma atitude política de reconhecimento da humanidade dos afrodescendentes por eles mesmos que sobreviveu ao linchamento psicológico condicionante imposto pela racionalidade científica que fazia crer na inferioridade biológica da raça negra.

8 8 pensamento historicamente construído pelas teorias racistas que impregnaram as mentalidades e as práticas sociais no mundo ocidental. Conclusões Encontramos em nossa trajetória de pesquisa várias concepções sobre o ser negro. Em primeiro percebemos tendência à denúncia de sua estigmatização por meio da inferiorização da raça negra africana e a superioridade da raça branca européia. Para os estudiosos que tratam das relações raciais a representação negativa do negro na sociedade brasileira é comum e recorrente, o que acaba interferindo na construção do imaginário coletivo e individual sobre esse segmento étnico, comprometendo a construção da identidade, já que a mesma nos parece ser uma construção histórica. Em seguida constatamos literatura voltada à reconstrução da história da escravização criminosa dos povos africanos. Os pesquisadores deixam entrever que o ser negro é um ator social que sempre lutou pelo seu reconhecimento como cidadão brasileiro, sem nunca ter se deixado escravizar. Não foi por menos que a elite branca racista brasileira temia fervorosamente a abolição da escravatura. Era o ser negro construindo sua história e suas lutas para alimentar o eterno enfrentamento da condição de escravizado imposta pela elite brasileira. Era um ser negro militante, abolicionista, politizado e partícipe das mudanças oriundas do Brasil ao final do século XIX, apesar do estigma da cor. Uma terceira tendência em nossa pesquisa nos permite perceber o ser negro como um sujeito que deseja uma nova representação de si. Desde o movimento internacional da negritude, passando pelo teatro experimental do negro (TEN), movimentos sociais de maioria afrodescendente até a produção cultural, literária, artística, científica contemporânea presentes em pesquisas, músicas, poemas, artigos científicos, entre outros. Passamos a perceber que existe na sociedade atual uma leitura positiva acerca do ser negro. Preocupa-nos, para além da denúncia da história racista e das estratégias de estigmatização da nação brasileira, a valorização positiva do ser negro/a, da sua pertença étnico-racial, notadamente no âmbito da educação. Sendo assim entendemos que a tendência de valorização do ser negro coaduna-se com os objetivos traçados nas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o ensino de História e Cultura Africana e Afrobrasileira. Ela pretende fortalecer o processo de afirmação identitária positiva do

9 9 povo negro e da elevação de sua auto-estima, bem como do reconhecimento de sua importância e de seu papel como ator social atuante e engajado na construção da nação. A nosso ver, após concluirmos essa breve, mas frutífera trajetória de pesquisa bibliográfica, o ser negro é um conceito rico em possibilidades associativas. Ou seja, entendemos o ser negro como um devir negro. Como para Baremblit quando assevera que Se o ser é devir, ele nunca se repete. O que se repete é a diferença absoluta (1988, p.88). Nesse sentido concluímos, sem a pretensão de encerrar o debate, que através do que os professores lêem e assimilaram sobre essa temática e, conseqüentemente, do que oferecem aos seus alunos como leitura de base para o entendimento do assunto é que são construídas grande parte das idéias, concepções e tendências acerca do ser negro. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AZEVEDO, C. M. M: Onda negra medo branco. Rio de Janeiro: Paz e Terra, BERND, Zilá. O que é negritude. In: Coleção Primeiros Passos. São Paulo: Editora Brasiliense, BAREMBLITT, Gregório. Introdução a esquizoanálise. In: Coleção Esquizoanálise e esquizodrama. Belo Horizonte: Biblioteca do instituto Félix Guatarri, FILHO, Domício Proença: A trajetória do negro na literatura brasileira. Estudos avançados. Vol 28 no 50. São Paulo 2004 GUIMARÃES, Antônio Sergio Alfredo: A modernidade negra Reunião da ANPOCS, Caxambu, outubro de 2002, GT: Teorias sociais e transformações contemporâneas. MUNANGA K. Para entendermos o negro no Brasil de hoje: história, realidade, problemas e caminhos. São Paulo: global: Ação Educativa Assessoria, pesquisa e Informação, (Coleção Viver, Aprender). NYAMIEN, Francy Rodrigues da Guia: Ser negro nas vozes da escola. Dissertação de Mestrado em Educação Brasileira; UFC, Fortaleza, OLIVEIRA, Julvan Moreira de: Matizes imaginárias e arquetipais do Negro como mal no pensamento educacional do Ocidente. Trabalho publicado no cd-rum da 26 a Reunião Anual da AMPED: Poço de Caldas, 2003.

10 10 SANSONE, lívio. Negritude sem etnicidade: o local e o global nas relações raciais e na produção cultural negra no Brasil. Tradução: Vera Ribeiro. Salvador: Edufba: Pallas, SANTOS, Giscele Aparecida dos. A invenção do ser negro Um percurso das idéias que naturalizam a inferioridade dos negros. São Paulo: Educ / Fapesc; Rio de Janei ro: Pallas, SOUZA, Florentina da Silva: Afrodescendência em Cadernos Negros e Jornal do MNU. Belo Horizonte: Autêntica, SILVA, Rebeca de Alcântara e. A Menina e o Erê nas Viagens ao Ser Negro: uma pesquisa sociopoética com educadores em formação. Dissertação (Mestrado em Educação) Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, 2007.

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Relações Raciais no Brasil. Teleaula 2. Para Refletir!

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Relações Raciais no Brasil. Teleaula 2. Para Refletir! Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana Teleaula 2 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza Relações Raciais no Brasil Características históricas para compreender

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB Introdução Este trabalho se insere nas discussões atuais sobre relação étnico-cultural

Leia mais

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Introdução No Brasil, a questão étnico-racial tem estado em pauta, nos últimos anos, em debates sobre políticas

Leia mais

A LEI Nº. 10.639/03 NO CURRÍCULOESCOLAR: CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DA HISTÓRIA E CULTURA AFRICANA E AFRODESCENDENTE

A LEI Nº. 10.639/03 NO CURRÍCULOESCOLAR: CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DA HISTÓRIA E CULTURA AFRICANA E AFRODESCENDENTE A LEI Nº. 10.639/03 NO CURRÍCULOESCOLAR: CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DA HISTÓRIA E CULTURA AFRICANA E AFRODESCENDENTE Cícera Nunes ciceranunes@hotmail.com Doutoranda em Educação Brasileira - UFC Professora

Leia mais

LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO

LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO 1 LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO Vanuza Oliveira do Carmo (UFS) 1- INTRODUÇÃO Presenciamos atualmente muitas discussões acerca da Lei 10.639 aprovada em janeiro

Leia mais

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 AULA 05 Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 FÁBRICA DE IDÉIAS PEDAGÓGICAS CONCURSO PMSP FUND II 2011 (em parceria com a APROFEM e o Jornal dos Concursos)

Leia mais

SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA

SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA Izaura Lila Lima Ribeiro 1 Maria de Lourdes Macena Filha 2 RESUMO Este artigo versa sobre o papel dos negros na

Leia mais

A INSERÇÃO DA CULTURA AFRO-BRASILIRA NOS CURRÍCULOS ESCOLARES

A INSERÇÃO DA CULTURA AFRO-BRASILIRA NOS CURRÍCULOS ESCOLARES A INSERÇÃO DA CULTURA AFRO-BRASILIRA NOS CURRÍCULOS ESCOLARES Delydia Cristina Cosme e Silva 1 Resumo Este trabalho apresenta um panorama da inclusão da história e cultura afro-brasileira nos currículos

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO 9. A constituição do Centro de Cultura e Arte Negra 17 O Coral Crioulo, o grupo teatral e o Cecan 22

Sumário INTRODUÇÃO 9. A constituição do Centro de Cultura e Arte Negra 17 O Coral Crioulo, o grupo teatral e o Cecan 22 Sumário INTRODUÇÃO 9 1. A PRIMEIRA FASE DO CECAN (1971-1974) O TEATRO FALANDO POR NÓS 17 A constituição do Centro de Cultura e Arte Negra 17 O Coral Crioulo, o grupo teatral e o Cecan 22 2. A SEGUNDA FASE

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF Resumo A presente pesquisa se debruça sobre as relações étnico-raciais no interior de uma escola

Leia mais

T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto

T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto O fato de um livro sobre o racismo ter sido organizado por um lingüista revela um ramo fecundo

Leia mais

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS Aline Cavalcante e Silva (Bolsista PIBIC/CNPq/UFPB) aline.mbz@hotmail.com Orientador: Dr. Elio Chaves Flores (PPGH/UFPB) elioflores@terra.com.br

Leia mais

Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula. Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro.

Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula. Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro. Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro. Prof.ª Sonia Helena Carneiro Pinto Justificativa: Este projeto

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Rosa Maria Cavalheiro Jefferson Olivatto da Silva UNICENTRO Resumo: No Brasil, a abordagem das questões relacionadas História e Cultura Afro-Brasileira e

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

VENCENDO O RACISMO NO CHÃO DA ESCOLA Edmilton Amaro da Hora Filho (UFPE) Irene Késsia das Mercês do Nascimento (UFPE) INTRODUÇÃO

VENCENDO O RACISMO NO CHÃO DA ESCOLA Edmilton Amaro da Hora Filho (UFPE) Irene Késsia das Mercês do Nascimento (UFPE) INTRODUÇÃO VENCENDO O RACISMO NO CHÃO DA ESCOLA Edmilton Amaro da Hora Filho (UFPE) Irene Késsia das Mercês do Nascimento (UFPE) INTRODUÇÃO A escola é o lugar onde o saber é socializado e onde é desenvolvida a transmissão

Leia mais

O racismo como subproduto da sociedade de classes

O racismo como subproduto da sociedade de classes O racismo como subproduto da sociedade de classes José Bezerra da Silva * & Maria Edna Bertoldo ** Resumo O racismo é descrito no texto como uma forma terrível de apropriação do trabalho humano. Assim,

Leia mais

Prof. Dra. Laiana Lannes.

Prof. Dra. Laiana Lannes. Entre a miscigenação e a multirracialização: brasileiros negros ou negros brasileiros? Os desafios do movimento negro brasileiro no período de valorização nacionalista Prof. Dra. Laiana Lannes. O tema

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

UNIDADE 8 RACISMO, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇAO RACIAL

UNIDADE 8 RACISMO, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇAO RACIAL UNIDADE 8 RACISMO, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇAO RACIAL Módulo 1 - Aspectos gerais da educação e das relações étnico-raciais Unidade 8 Racismo, preconceito e discriminação racial Objetivos: Apresentar aspectos

Leia mais

A estrutura social e as desigualdades

A estrutura social e as desigualdades 3 A estrutura social e as desigualdades Unidade As desigualdades sociais instalaram se no Brasil com a chegada dos portugueses. Os povos indígenas foram vistos pelos europeus como seres exóticos e ainda

Leia mais

Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população

Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população negra brasileira são fundamentadas historicamente na luta

Leia mais

O LUGAR DA INFÂNCIA NA RELIGIÃO DE MATRIZ AFRICANA Jaqueline de Fátima Ribeiro UFF Agência Financiadora: CAPES

O LUGAR DA INFÂNCIA NA RELIGIÃO DE MATRIZ AFRICANA Jaqueline de Fátima Ribeiro UFF Agência Financiadora: CAPES O LUGAR DA INFÂNCIA NA RELIGIÃO DE MATRIZ AFRICANA Jaqueline de Fátima Ribeiro UFF Agência Financiadora: CAPES Resumo O texto em questão é parte da pesquisa em desenvolvimento (mestrado) que tem como objetivo

Leia mais

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p.

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. Ana Cláudia da SILVA A publicação da Lei Nº. 10.639, de 9 de janeiro de 2003,

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA Por Neila Cristina N. Ramos Embora vivamos num país em que se tente transmitir uma imagem de igualdade e harmonia

Leia mais

CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE. Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014.

CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE. Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014. CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014. DEDICATÓRIA Para todas as crianças negras e de classes populares que são vítimas das atrocidades

Leia mais

RACISMO NA ESCOLA: O LIVRO DIDÁTICO EM DISCUSSÃO

RACISMO NA ESCOLA: O LIVRO DIDÁTICO EM DISCUSSÃO RACISMO NA ESCOLA: O LIVRO DIDÁTICO EM DISCUSSÃO Adriana Rosicléia Ferreira CASTRO Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte/ UERN - CAMEAM Pós-graduanda em Psicopedagogia

Leia mais

PROJETO CONEXÕES DE SABERES: UM OLHAR À BRASILEIRA O RACISMO OCULTO

PROJETO CONEXÕES DE SABERES: UM OLHAR À BRASILEIRA O RACISMO OCULTO PROJETO CONEXÕES DE SABERES: UM OLHAR À BRASILEIRA O RACISMO OCULTO Selma Dansi 1 RESUMO O Projeto Conexões de Saberes: Um olhar à Brasileira O Racismo Oculto trata-se de um estudo da bolsista e tem como

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO Área Temática: Educação Coordenador: Adilson de Angelo 1 Autoras: Neli Góes Ribeiro Laise dos

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

Revista África e Africanidades Ano 2 - n. 5 - Maio. 2009 - ISSN 1983-2354 www.africaeafricanidades.com

Revista África e Africanidades Ano 2 - n. 5 - Maio. 2009 - ISSN 1983-2354 www.africaeafricanidades.com Direitos Humanos A mulher negra brasileira Walkyria Chagas da Silva Santos Pós-graduanda em Direito do Estado pela Fundação Faculdade de Direito da Bahia - UFBA E-mail: kyriachagas@yahoo.com.br A articulação

Leia mais

A estrutura social e as desigualdades

A estrutura social e as desigualdades 3 A estrutura social e as desigualdades As desigualdades sociais instalaram-se no Brasil com a chegada dos portugueses. Os povos indígenas foram vistos pelos europeus como seres exóticos e ainda hoje são

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSA INSTITUCIONAL DE ENSINO E APRENDIZAGEM LICENCIATURAS DO TURNO NOTURNO - PIB LIC (2013.1)

PROGRAMA DE BOLSA INSTITUCIONAL DE ENSINO E APRENDIZAGEM LICENCIATURAS DO TURNO NOTURNO - PIB LIC (2013.1) PROGRAMA DE BOLSA INSTITUCIONAL DE ENSINO E APRENDIZAGEM LICENCIATURAS DO TURNO NOTURNO - PIB LIC (2013.1) TÍTULO DO PROJETO Literatura Afro-Brasileira como Debate para as Relações Étnico-Raciais na Escola

Leia mais

A CULTURA AFRO-BRASILEIRA COMO CONTEÚDO A SER ENSINADO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

A CULTURA AFRO-BRASILEIRA COMO CONTEÚDO A SER ENSINADO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A CULTURA AFRO-BRASILEIRA COMO CONTEÚDO A SER ENSINADO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Vagner Ferreira Reis 1 ; Jacqueline da Silva Nunes Pereira 2 RESUMO:

Leia mais

Palavras-chaves: Formação de professores/ras relações étnico-raciais - ensino de história.

Palavras-chaves: Formação de professores/ras relações étnico-raciais - ensino de história. 1 Estudo sobre as relações étnico-raciais e o ensino de história Karine Ferreira da Silva Resumo A implementação da Lei nº 10.639, aprovada em 09 de janeiro de 2003, torna obrigatório o ensino de História

Leia mais

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO Maria Angélica Zubaran Sabemos que, no âmbito das ciências humanas, a memória está relacionada aos processos da lembrança

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DAS LEIS 10.639/03 E 11.645/08 NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA NO RECÔNCAVO

IMPLEMENTAÇÃO DAS LEIS 10.639/03 E 11.645/08 NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA NO RECÔNCAVO IMPLEMENTAÇÃO DAS LEIS 10.639/03 E 11.645/08 NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA NO RECÔNCAVO ELIANE FÁTIMA BOA MORTE DO CARMO 1 Introdução Após a promulgação da lei 10.639/03 e 11.645/08, passando a ser oficialmente

Leia mais

EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE

EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE 19 EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE Alexandre do Nascimento - FAETEC - RJ Resumo No Brasil, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação,

Leia mais

REFLETIR SOBRE A HISTÓRIA DO NEGRO NO BRASIL: UMA REPOSTA AO RACISMO

REFLETIR SOBRE A HISTÓRIA DO NEGRO NO BRASIL: UMA REPOSTA AO RACISMO REFLETIR SOBRE A HISTÓRIA DO NEGRO NO BRASIL: UMA REPOSTA AO RACISMO FREITAS, Madalena Dias Silva 1 Universidade Estadual de Goiás - Unidade Universitária de Iporá ¹madalenafreitasf@hotmail.com RESUMO

Leia mais

A NOVA QUESTÃO SOCIAL *

A NOVA QUESTÃO SOCIAL * COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. A Nova Questão Social. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. A NOVA QUESTÃO SOCIAL

Leia mais

LITERATURA INFANTIL E IDENTIDADE ETNICORRACIAL NO COTIDIANO ESCOLAR

LITERATURA INFANTIL E IDENTIDADE ETNICORRACIAL NO COTIDIANO ESCOLAR 1 LITERATURA INFANTIL E IDENTIDADE ETNICORRACIAL NO COTIDIANO ESCOLAR INTRODUÇÃO Jiselda Meirielly de França (PIBIC/UFS) Maria Batista Lima (Orientadora PIBIC/ UFS) A problemática da questão racial no

Leia mais

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Coordenação de Diversidade SECAD/MEC Professora Leonor Araujo A escola é apontada como um ambiente indiferente aos

Leia mais

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Ementa da Disciplina. Teleaula 1. Conceitos Básicos.

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Ementa da Disciplina. Teleaula 1. Conceitos Básicos. Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana Teleaula 1 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza Grupo Uninter Ementa da Disciplina Contextos e conceitos históricos sobre

Leia mais

LEI 10.693/03: UM MECANISMO DE DESCONSTRUÇÃO DA REPRESENTAÇÃO DO NEGRO ETERNO-ESCRAVO NA HISTORIA

LEI 10.693/03: UM MECANISMO DE DESCONSTRUÇÃO DA REPRESENTAÇÃO DO NEGRO ETERNO-ESCRAVO NA HISTORIA LEI 10.693/03: UM MECANISMO DE DESCONSTRUÇÃO DA REPRESENTAÇÃO DO NEGRO ETERNO-ESCRAVO NA HISTORIA Sandra Mara D`Avila Sandri FIMES-Faculdades Integradas de Mineiros sandramarasandri@hotmail.com Ninguém

Leia mais

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO, CURRÍCULO E DIVERSIDADE CULTURAL RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Michelly Spineli de Brito Campos Vieira/Prefeitura de Itapissuma-PE Paloma Viana de

Leia mais

ATIVIDADE DIDÁTICA DE RECONHECIMENTO CULTURAL DA PRODUÇÃO DOS CADERNOS AFRO-PARAIBANOS NEABI/UFPB

ATIVIDADE DIDÁTICA DE RECONHECIMENTO CULTURAL DA PRODUÇÃO DOS CADERNOS AFRO-PARAIBANOS NEABI/UFPB ATIVIDADE DIDÁTICA DE RECONHECIMENTO CULTURAL DA PRODUÇÃO DOS CADERNOS AFRO-PARAIBANOS NEABI/UFPB RESUMO Autor (es) SILVA, ANDERSON DUARTE¹ TELLA, MARCO AURÉLIO DE PAZ ² VIEIRA, MAYSA MORAIS DA SILVA³

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA

UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA Módulo 1 - Aspectos gerais da educação e das relações étnico-raciais Unidade 10 - Para uma educação antirracista Objetivos: Analisar o conceito de multiculturalismo;

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência. diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se

A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência. diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se 1 A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se envolveram na arrumação da sociedade étnica que estava

Leia mais

A Política de Cotas nas Universidades Públicas Brasileiras

A Política de Cotas nas Universidades Públicas Brasileiras A Política de Cotas nas Universidades Públicas Brasileiras Muitas pessoas se assustam ao ouvirem a idéia de criação de cotas para negros nas universidades públicas Brasileiras. Este artigo busca compreender

Leia mais

Entrevista: o papel da escola na discussão sobre as relações étnicoraciais

Entrevista: o papel da escola na discussão sobre as relações étnicoraciais Entrevista: o papel da escola na discussão sobre as relações étnicoraciais A Lei 11.645/08, que inclui no currículo oficial de todas as escolas públicas e particulares a obrigatoriedade do ensino da História

Leia mais

Infância, Educação Infantil e Relações raciais no Brasil

Infância, Educação Infantil e Relações raciais no Brasil Infância, Educação Infantil e Relações raciais no Brasil TATIANE COSENTINO RODRIGUES ANETE ABRAMOWICZ Introdução A tentativa de transformação do Brasil em um país de população mestiça e isento de conflitos

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DOS CANDOMBLÉS PARA A EDUCAÇÃO PARA AS RELAÇÕES ETNICORRACIAIS

CONTRIBUIÇÕES DOS CANDOMBLÉS PARA A EDUCAÇÃO PARA AS RELAÇÕES ETNICORRACIAIS CONTRIBUIÇÕES DOS CANDOMBLÉS PARA A EDUCAÇÃO PARA AS RELAÇÕES ETNICORRACIAIS Lúcio André Andrade da Conceição (IFBA) 1 O Candomblé é um tipo de manifestação religiosa criada pelos negros em nosso país.

Leia mais

Universidade: Universo desigual

Universidade: Universo desigual 1 POLÍTICAS AFIRMATIVAS EM MATO GROSSO: EM QUESTÃO O PROJETO POLÍTICAS DA COR NA UFMT SOUZA, Elaine Martins da Silva UFMT ses_martins@yahoo.com.br GT-21: Afro-Brasileiros e Educação Agência Financiadora:

Leia mais

DESIGUALDADE RACIAL, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO ÂMBITO ESCOLAR.

DESIGUALDADE RACIAL, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO ÂMBITO ESCOLAR. DESIGUALDADE RACIAL, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO ÂMBITO ESCOLAR. Elienai R.Fonseca 1, Consuela de Souza Romão 2, Marcelo Expedito Costa 3, Ana Maria da S. Raimundo 4, Vera Lucia Ignácio Molina 5 1,

Leia mais

CURRICULUN VITAE EDUARDO DAVID DE OLIVEIRA FORTALEZA 2003.

CURRICULUN VITAE EDUARDO DAVID DE OLIVEIRA FORTALEZA 2003. CURRICULUN VITAE EDUARDO DAVID DE OLIVEIRA FORTALEZA 2003. 1.0 - DADOS PESSOAIS NOME:Eduardo David de Oliveira. DATA NASC: 20/05/72 idade: 30 anos. EST. CIVIL: Solteiro Sexo: mas. ENDEREÇO: Av. da Unversidade,

Leia mais

DAS RAÍZES AFRICANAS À REALIDADE SOCIAL: A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA ATRAVÉS DO TRABALHO COM O NEGRO

DAS RAÍZES AFRICANAS À REALIDADE SOCIAL: A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA ATRAVÉS DO TRABALHO COM O NEGRO DAS RAÍZES AFRICANAS À REALIDADE SOCIAL: A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA ATRAVÉS DO TRABALHO COM O NEGRO Eloíza de Oliveira Chaves Universidade Estadual da Paraíba eloisa_chaves@hotmail.com Jhonathan Antonny

Leia mais

O ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA E AFRICANA NUMA PERSPECTIVA VIRTUAL COLABORATIVA COM TECNOLOGIAS INTERATIVAS

O ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA E AFRICANA NUMA PERSPECTIVA VIRTUAL COLABORATIVA COM TECNOLOGIAS INTERATIVAS O ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA E AFRICANA NUMA PERSPECTIVA VIRTUAL COLABORATIVA COM TECNOLOGIAS INTERATIVAS Sonia Augusta de Moraes 1 Inajara Kaoana Weiss 2 Introdução Uma das grandes tarefas

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES. AULA 3.2 Conteúdo: Formação Étnico-Cultural da População Brasileira

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES. AULA 3.2 Conteúdo: Formação Étnico-Cultural da População Brasileira 3.2 Conteúdo: Formação Étnico-Cultural da População Brasileira 3.2 Habilidades: Verificar as características dos principais grupos étnicos formadores da população brasileira: indígenas, negros e brancos.

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DOS ESTUDOS DE HISTÓRIA E CULTURA DA ÁFRICA E AFRO-BRASILEIRA 1.

A IMPLEMENTAÇÃO DOS ESTUDOS DE HISTÓRIA E CULTURA DA ÁFRICA E AFRO-BRASILEIRA 1. A IMPLEMENTAÇÃO DOS ESTUDOS DE HISTÓRIA E CULTURA DA ÁFRICA E AFRO-BRASILEIRA 1. Benjamin Xavier de Paula 2 Cristina Mary Ribeiro Perón 3 1. INTRODUÇÃO. Neste texto, iniciaremos com uma breve revisão teórica

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03 RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA RESUMO LEI 10.639/03 Anne Caroline Silva Aires Universidade Estadual da Paraíba annec153@yahoo.com.br Teresa Cristina Silva Universidade Estadual da

Leia mais

O ENSINO DA HISTÓRIA E A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS. Palavras chaves: Ensino da História. Relações étnico-raciais. Formação acadêmica.

O ENSINO DA HISTÓRIA E A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS. Palavras chaves: Ensino da História. Relações étnico-raciais. Formação acadêmica. O ENSINO DA HISTÓRIA E A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS Nilvaci Leite de Magalhães Moreira¹ Resumo: Mesmo após 12 anos da promulgação da Lei nº 10.639/03, a História e cultura afrobrasileira ainda

Leia mais

MOVIMENTO NEGRO: MARCANDO A HISTÓRIA, A EDUCAÇÃO E A CULTURA PERNAMBUCANA

MOVIMENTO NEGRO: MARCANDO A HISTÓRIA, A EDUCAÇÃO E A CULTURA PERNAMBUCANA Cadernos Imbondeiro. João Pessoa, v.3, n.2, 2014. MOVIMENTO NEGRO: MARCANDO A HISTÓRIA, A EDUCAÇÃO E A CULTURA PERNAMBUCANA Irene Kessia das Mercês do Nascimento Glauciane da Silva Vieira Marilene Severina

Leia mais

Lei 11.645/08: A escola, as relações étnicas e culturais e o ensino de história - algumas reflexões sobre essa temática no PIBID.

Lei 11.645/08: A escola, as relações étnicas e culturais e o ensino de história - algumas reflexões sobre essa temática no PIBID. Lei 11.645/08: A escola, as relações étnicas e culturais e o ensino de história - algumas reflexões sobre essa temática no PIBID. CRUZ, Caroline Silva * JESUS, Simone Silva * RESUMO: A lei 11.645/08 regulamenta

Leia mais

Autor (Cláudio Robélio da Trindade); Co-autor (Karla Dayana Cardoso Veríssimo)

Autor (Cláudio Robélio da Trindade); Co-autor (Karla Dayana Cardoso Veríssimo) A LEI 10.639/03: OS DESAFIOS DOCENTES E A PÁTRICA PEDAGÓGICA EM TORNO DA RECEPÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DOS ALUNOS A RESPEITO DO ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA E AFRICANA EM SALA DE AULA Autor

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DOCENTES PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES RACIAIS NOS PLANOS NACIONAIS DA EDUCAÇÃO

A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DOCENTES PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES RACIAIS NOS PLANOS NACIONAIS DA EDUCAÇÃO A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DOCENTES PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES RACIAIS NOS PLANOS NACIONAIS DA EDUCAÇÃO Introdução Iolanda de Oliveira 1 Educação e diversidade humana é uma questão incorporada por teorias

Leia mais

UNIDADE 5 O MOVIMENTO NEGRO NO BRASIL: SUAS LUTAS E CONQUISTAS

UNIDADE 5 O MOVIMENTO NEGRO NO BRASIL: SUAS LUTAS E CONQUISTAS UNIDADE 5 O MOVIMENTO NEGRO NO BRASIL: SUAS LUTAS E CONQUISTAS Módulo 1 - Aspectos gerais da educação e das relações étnico-raciais Unidade 5- O movimento negro no Brasil: suas lutas e conquistas Objetivos:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º AM076- ANTROPOLOGIA OBRIG 60 0 60 4.0 Fórmula: CS013 CS013- ANTROPOLOGIA CAMPOS DA ANTROPOLOGIA. PROBLEMAS E CONCEITOS BÁSICOS: CULTURA, ETNOCENTRISMO, ALTERIDADE E RELATIVISMO. NOÇÕES DE MÉTODOS/PRÁTICAS

Leia mais

DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1

DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1 DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1 Naiara de Souza Araújo 2 Raquel Leandro Portal 3 Resumo O Brasil é um país com uma ampla diversidade cultural que necessita ser valorizada e por

Leia mais

Identidade: importância e significados. Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo?

Identidade: importância e significados. Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo? CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS NAYARA DE SOUZA ARAUJO Identidade: importância e significados Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo? SÃO PAULO 2012 O que define um povo

Leia mais

A Lei n. 10.639 na sala de aula

A Lei n. 10.639 na sala de aula Programa 1 A Lei n. 10.639 na sala de aula Mônica Lima 1 ENFRENTANDO OS DESAFIOS: A HISTÓRIA DA ÁFRICA E DOS AFRICANOS NO BRASIL NA NOSSA SALA DE AULA* No dia 9 de janeiro de 2003 foi aprovada a Lei n.

Leia mais

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática GEOGRAFIA, ECONOMIA E POLÍTICA Terreno montanhoso Comércio marítimo Cidades-estado

Leia mais

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Os estudos sobre a África e as culturas africanas têm ganhado espaço nas últimas décadas. No Brasil esse estudo começou, basicamente, com Nina Rodrigues em

Leia mais

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando:

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando: GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Educação e Cultura Conselho Estadual de Educação RESOLUÇÃO Nº 198/2010 REGULAMENTA AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O

Leia mais

Cotas para negros e a luta de classes na sociedade brasileira

Cotas para negros e a luta de classes na sociedade brasileira Cotas para negros e a luta de classes na sociedade brasileira Isaac Warden Lewis Resumo O artigo discute os conceitos de universalidade e de totalidade abstrata, absoluta e unilateralmente baseados na

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

Escola de pensamento surgida Faculdade de Direito do Recife na década de 1870.

Escola de pensamento surgida Faculdade de Direito do Recife na década de 1870. ESCOLA DO RECIFE Escola de pensamento surgida Faculdade de Direito do Recife na década de 1870. OS PRIMEIROS CURSOS SUPERIORES As Faculdades de Direito surgiram no Brasil no início do século XIX, ligadas

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO 11 1. DA INFÂNCIA EM DESTERRO À VOLTA PELO BRASIL 17. João da Cruz e Sousa 17 O Brasil aos olhos do viajante Cruz e Sousa 22

Sumário INTRODUÇÃO 11 1. DA INFÂNCIA EM DESTERRO À VOLTA PELO BRASIL 17. João da Cruz e Sousa 17 O Brasil aos olhos do viajante Cruz e Sousa 22 Sumário INTRODUÇÃO 11 1. DA INFÂNCIA EM DESTERRO À VOLTA PELO BRASIL 17 João da Cruz e Sousa 17 O Brasil aos olhos do viajante Cruz e Sousa 22 2. UM POETA NO JORNALISMO 25 O (quase) pai de família 35 3.

Leia mais

UMA LACUNA A SER PREENCHIDA HISTÓRIA E CULTURA AFRICANA NO CURRÍCULO ESCOLAR

UMA LACUNA A SER PREENCHIDA HISTÓRIA E CULTURA AFRICANA NO CURRÍCULO ESCOLAR UMA LACUNA A SER PREENCHIDA HISTÓRIA E CULTURA AFRICANA NO CURRÍCULO ESCOLAR Maria Inajara Ramos da Silveira 1 Qual é o papel da Escola em relação às questões etno-raciais num contexto de um mundo globalizado?

Leia mais

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA Apresentador 1 Merylin Ricieli

Leia mais

A FORMAÇÃO DOCENTE E A IMPLEMENTAÇÃO DOS ESTUDOS DE HISTÓRIA E CULTURA DA ÁFRICA E AFRO-BRASILEIRA[1].

A FORMAÇÃO DOCENTE E A IMPLEMENTAÇÃO DOS ESTUDOS DE HISTÓRIA E CULTURA DA ÁFRICA E AFRO-BRASILEIRA[1]. A FORMAÇÃO DOCENTE E A IMPLEMENTAÇÃO DOS ESTUDOS DE HISTÓRIA E CULTURA DA ÁFRICA E AFRO-BRASILEIRA[1]. Benjamin Xavier de PAULA benjaminx@usp.br Faculdade de Educação da Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

Seminário Diversidade nas Escolas: Preconceito e Inclusão Tema: Questões étnico-raciais

Seminário Diversidade nas Escolas: Preconceito e Inclusão Tema: Questões étnico-raciais Senado Federal Comissão de Educação, Cultura e Esporte Seminário Diversidade nas Escolas: Preconceito e Inclusão Tema: Questões étnico-raciais Prof. Dr. Paulo Vinicius Baptista da Silva paulovbsilva@uol.com.br

Leia mais

Sumário. Introdução 9

Sumário. Introdução 9 Sumário Introdução 9 1. A desigualdade racial brasileira 15 Os números da desigualdade 17 Existe racismo no Brasil? 21 A manifestação do preconceito no Brasil 23 A relação racial no espaço público e privado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 416/2006

RESOLUÇÃO Nº 416/2006 RESOLUÇÃO Nº 416/2006 Regulamenta o Ensino da História e Cultura Afro-Brasileira e Africanas e dá outras providências. O Conselho de Educação do Ceará CEC, no uso de suas atribuições legais no uso de suas

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 28 ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 FORMAÇÃO DE PROFESSORES A PARTIR DA LEI 10.639/03: UMA EXPERIÊNCIA NO PROJETO DE EDUCAÇÃO ANTIRRACISTA NO COTIDIANO ESCOLAR, DESENVOLVIDO PELA

Leia mais

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS Personalidade Personalidade Carreira 521 Personalidade Personalidade Perfil 412 Estética Cabelos Femininos 157 Negritude Discriminação Racial 130 Sociedade Eventos 122 Estética Moda Feminina & Masculina

Leia mais

HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo

HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo Comentário Geral Como sempre foi ressaltado em sala de aula, temas como Grécia, Idade Média, Revolução Francesa, Direitos Civis, refugiados,

Leia mais

Ser negro no Brasil hoje

Ser negro no Brasil hoje http://antroposmoderno.com/antro-articulo.php?id_articulo=527 Ser negro no Brasil hoje Milton Santos Há uma frequente indagação sobre como é ser negro em outros lugares, forma de perguntar, também, se

Leia mais

TÍTULO: AFRO-EDUCAÇÃO: DESAFIOS PARA A SUPERAÇÃO DO RACISMO NAS ESCOLAS A PARTIR DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI N. 10.639/03.

TÍTULO: AFRO-EDUCAÇÃO: DESAFIOS PARA A SUPERAÇÃO DO RACISMO NAS ESCOLAS A PARTIR DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI N. 10.639/03. TÍTULO: AFRO-EDUCAÇÃO: DESAFIOS PARA A SUPERAÇÃO DO RACISMO NAS ESCOLAS A PARTIR DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI N. 10.639/03. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: LETRAS INSTITUIÇÃO:

Leia mais