Quero ser uma menina uma aplicação da psicanálise

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Quero ser uma menina uma aplicação da psicanálise"

Transcrição

1 Quero ser uma menina uma aplicação da psicanálise Cristina Drummond Palavras-chave: criança, tratamento, sexuação, psicanálise aplicada. Todo o movimento do Campo Freudiano em relação à psicanálise com crianças tem sido o de insistir no fato de que só existe uma psicanálise e que a criança, na expressão dos Lefort, é um analisante por inteiro. Isso quer dizer que se a psicanálise tem uma aplicação na terapêutica das crianças é porque, aqui também, tratamos do real e buscamos dar conta dele de uma maneira lógica. Para o tratamento das relações da criança com o gozo, nos orientamos primeiramente pela Nota sobre a criança i onde Lacan distingue duas posições da criança: como sintoma do par familiar ou como objeto do fantasma materno. Dando continuidade ao ensino de Lacan, Miller tomou suas diferentes formulações sobre o gozo e construiu a partir delas seis paradigmas. Lançando mão desses paradigmas do gozo propostos por Miller ii que nos orientam ainda mais em nosso trabalho, Eric Laurent iii formulou os seis paradigmas da criança, definindo a partir de cada um deles um lugar do psicanalista e uma resposta que este pode dar à criança no enfrentamento do gozo. Se Freud nos ensinou que o lugar de uma criança para sua mãe é o de falo, Lacan demonstrou que há um resto que não é metaforizado pelo Nome-do-Pai. Para Lacan a resposta de Freud é parcial e é preciso ir além no sentido de articular a criança à sexualidade feminina. A direção do tratamento aponta para a localização do gozo em uma ficção que permita à criança responder ao gozo da mãe, isto é, da mulher, sem que necessariamente essa solução seja uma identificação edípica. E é porque essa ficção pode ser construída no tratamento que podemos falar da aplicação da psicanálise na clínica com crianças. Freud nos deu as referências teóricas para articularmos o processo de sexuação da criança, nos indicando que a anatomia não é suficiente para que um menino se torne homem. Assim, cada sujeito deve fazer uma escolha forçada para se inscrever do lado homem ou do lado mulher nos quais os seres falantes, para quem a relação sexual não existe, se repartem. É só através da via simbólica, da relação lógica do menino com o falo,

2 significante próprio para representar a falta que regula a sexualidade, que o sujeito se porá na via da sexuação. É na construção dessa lógica que encontramos muitos sujeitos num impasse. Quero ser uma menina - O que poderia ser uma tal demanda por parte de um menino? Para esclarecer essa questão que penso não ser própria a uma determinada estrutura, mas nos apontar para o cerne de uma resposta para a criança que, às voltas com a subjetivação de seu sexo, encontra problemas para regular o gozo pela via simbólica, gostaria de discutir dois fragmentos de duas análises que tiveram início a partir dessa demanda. Não preciso dizer que é uma demanda que com certeza angustia os pais e que tem, por parte deles, uma resposta pedagógica. A imputação à criança de homossexualidade, esboço freqüente de feminização, por parte dos pais, da família e até mesmo da escola é tomada numa série de acusações que têm em comum uma alusão a um gozo desenfreado. Ser menina uma solução imaginária André tem cinco anos e seus pais se queixam de um comportamento bastante efeminado, muitas vezes rebolando, desmunhecando e falando de forma enfatuada. Eles se sentem bastante incomodados, não querem que seu filho seja discriminado. O pai lhe diz constantemente que esse não é um comportamento de homem e busca corrigi-lo. André é um menino criativo e tem um irmão dois anos mais novo. Quando o vejo pela primeira vez, ele me diz que tinha vindo para resolver um problema, mas que não queria me contar o que era. Diz-me que seu pai estudou no colégio perto de meu consultório. Ele estudou, depois ficou adolescente, depois estudou medicina, casou, saiu um neném da barriga da mamãe, dois nenéns e ele foi estudar sobre mamas. Fala que tem uma semente na barriga da mãe que cresce e vira neném. Tem um cordão que vai alimentando o bebê até ele crescer e depois corta. Como o bebê sai, sua mãe é que sabe. Se André não formula a questão de sua posição subjetiva da mesma maneira que seus pais, podemos observar que ele me diz que seu pai tem o olhar dirigido não para a mulher, mas para a mãe e que a questão da separação entre a criança e a mãe fica sob a jurisprudência da mãe. Ele se apresenta como um sintoma do casal sendo que a questão da assunção subjetiva de seu sexo está articulada à castração materna.

3 André me pergunta o que há atrás daquela porta. Digo que ele pode olhar. Abre a porta do banheiro e me diz que tinha pensado que ali havia um buraco no qual ele poderia cair. Temos aqui então colocado pelo sujeito a mãe, o pai, a criança e a falta que aparece no registro do falo imaginário, ou ainda como real, já que a articulação com o falo simbólico parece para ele problemática. Ele diz que quer fazer um desenho para mim. É o olhar do analista que ele busca de início capturar, a partir de sua habilidade em desenhar. Primeiro uma paisagem que ele sabe fazer muito bem e depois uma pintura. Pinta um vestido longo. Cai um pingo de tinta fora do vestido e ele me diz que aquilo era um buraquinho, mas que não ia nem ligar pra ele. Mais uma vez aqui aparece a falta como algo que ele sabe que existe mas que mesmo assim... ele encobre.vai misturando as tintas sobre o desenho e quando pergunto o que era aquilo, me diz que ele era um homem que não queria contar nada para uma menina curiosa. Um dia canta uma música como se fosse em outra língua: assombraumanautiesó a que eu pergunto o que, assombra uma noite só?. Ele continua cantando e desenha nuvens e fumaças saindo de plantas no meio da noite. A partir de então se mostra bastante silencioso muitas vezes fazendo mímicas para se comunicar. Parece que sobre o que acontece à noite André não quer falar. Gosta de fazer máscaras, óculos com os quais ele se fantasia para enganar a mãe.vai dessa maneira contornando esse objeto olhar que para ele é privilegiado. Como numa mascarada ele brinca de ser o falo. Busca se sentar confortavelmente fazendo uso de todas as almofadas, quase que como num trono e me dar ordens. Passa a querer levar sempre seus desenhos para a mãe. Numa ocasião desenha ele mesmo confortavelmente deitado em cima de uma montanha na beirada da praia. Estão presentes seus pais, tios, seu irmão e uma tia que traz seu filho agarrado nela. Termino a seção e digo que aquele desenho do filho agarrado na mãe iria ficar comigo. Ele fica transtornado, começa a chorar e a berrar que aquele desenho era para sua mãe. Dirijo-me à sua mãe e lhe digo que tenho certeza de que ela poderia ficar sem aquele desenho. Ela responde que sim, mas ele continua enfurecido. A tentativa aqui é a de fazer vacilar sua identificação com o falo, fazendo incidir a falta sobre a mãe.

4 Na seção seguinte ele quer novamente desenhar e derrama quase um vidro de cola sobre o papel. Vai se lavar e depois de sair de meu consultório se lembra que deixara seu desenho lá dentro. Digo que aquela cola poderia ficar ali. Ele sorri e sai tranqüilo. Ao voltar das férias, vem de óculos escuros. Pergunta-me se o buraco do banheiro continuava lá. Entra e volta dizendo que ele estava lá, mas que o havia enfeitado, me mostrando o ralo. Ao sair esquece seus óculos, sendo interpretado pelo próprio inconsciente. André continua me pedindo aquele desenho, mas passa a deixar comigo os outros que faz. Pede-me ajuda para fazer uma roupa que proteja da mordida de morcego. Eu desenho a roupa e ele risca o papel até fazer um buraco. Desenha por cima uma árvore e aquele buraco é como uma máscara por onde ele, escondido e protegido da mordida, pode olhar. Ser menina uma solução real Distinta é a posição de Bernardo. Quando seus pais me procuram se queixam de que ele se vestia de mulher, se interessava o tempo todo pelos objetos da mãe e dançava como a Xuxa. A mãe tem um irmão homossexual e fica sem saber se o menino já estaria fazendo uma escolha sexual ou se ela, por causa de sua estória é que estaria distorcendo as coisas. Ao contrário de André, Bernardo não tem nenhuma dificuldade em falar de seu interesse pelos objetos da mulher pelos quais ele tem um verdadeiro fascínio. Passa muito tempo construindo uma estória, um mito de dois mundos. Um, só para homens, outro só para mulheres, bem separados. O mundo só para homens era repleto de objetos desinteressantes ao passo que o só para mulheres era repleto de brilhos, dourados, sapatos altos, colares, enfim o mundo dos cosméticos. Trazia objetos para classificar como pertencentes a algum desses dois mundos. Os que cabiam no mundo dos homens eram restos. Trata-se de uma invenção de repartição sexual. Podemos supor aqui uma deficiência da metáfora paterna que é exatamente a operação que põe em conexão o pai e a mãe e uma busca do sujeito de inscrever uma separação aí onde, para ele, há relação sexual. Um dia ele chega com um cachorrinho com uma gravata borboleta. Pergunto logo: um cachorro só para homens? Ele me diz que na loja também havia uma cachorra mulher

5 com um cabelo amarelo de tranças, mas que ela era horrorosa. Com esse ao menos um essa necessidade de classificação desaparece. Ao mesmo tempo fala das roupas. Ele também desenha um vestido de mulher só que é um retrato de sua mãe de tomara que caia. Se o significante indica uma promessa, essa queda parece não ser uma operação possível para esse sujeito. Conta-me das roupas interessantes da mãe, dos sapatos, dos brincos, me chama sempre a atenção para suas próprias roupas. Entre as roupas começa a aparecer um casaco amarelo de engenheiro do avô. Ele vinha me falando de um medo à noite quando ouvia um barulho como que um uivo que ele pensava poder ser um ladrão. Pensava várias estratégias para não ter aquele medo e só fica mais pacificado quando começa a pensar que esse avô poderia enfrentar esse ladrão. Esse casaco amarelo surge também como uma pequena exceção no universo de vestimentas femininas. Um dia me diz que vai ser o padre no casamento da festa junina. Conta-me que um padre veste uma roupa que parece um vestido, mas que é de homem. Essa roupa, diz ele, é melhor do que qualquer vestido. A importância de falar das roupas nas seções diminui bastante. Parece que essa roupa poderia conjugar algo do que para ele parece impossível de se articular. Passa a uma posição de quem tem alguma piada para me contar, algo para me mostrar ou ensinar. Deixo-me ficar nessa posição. Na escola assim como no grupo de primos ou amigos, prefere a companhia das meninas, mas sempre numa posição de líder. Penso ser outra forma de fazer o lugar da exceção. Sobre seu pai, pouco fala. É um sujeito que é usuário de drogas e que teve complicações neurológicas depois das quais não conseguiu mais um trabalho fixo. Bernardo me conta que ele mora com a avó e está sempre lhe prometendo algum presente ou dinheiro. Suas questões giram sempre em torno de sua relação com sua mãe, ele não se incluindo nunca numa situação organizada edipianamente. Se a roupa parece dar um contorno a seu corpo, às vezes sua dificuldade em lidar com ele aparece de forma mais clara. Ao voltar de férias, por exemplo, me conta que um dia havia ficado enjoado, vomitando. A mãe ligou para a médica e sabe o que eles inventaram agora? Um remédio que não se toma pela boca, mas pelo bumbum. Mamãe pôs com luvas, é claro. No dia

6 seguinte ele continuava passando mal, mas não disse nada para não ter que tomar mais daquele remédio. Já pensou se eles inventarem um remédio de enfiar no pinto?. Relata-me que sua mãe teria que fazer uma operação à laser naquele lugar de ter neném. Ele antes queria ser médico, mas depois pensou que eles mandam os mortos para a faculdade de medicina para os estudantes abrir. Ele acha isso muito nojento. Imagina um médico abrindo a perereca para operar uma mulher. É horrível ter que ver aquelas coisas, olhar lá dentro. Pensou também em ser advogado como o pai, mas desistiu dessas duas profissões. Prefere mesmo é ser músico que todo mundo gosta e ainda pode ganhar muito dinheiro, para comprar vários objetos para a mãe ou para o pai: presentes, enfeites, um carro. Lacan que insistiu tanto em demarcar o momento do desencadeamento na psicose nos mostrou como ele é mais difícil de ser precisado em relação às crianças e que a posição psicótica da criança deve ser buscada em sua relação com o fantasma materno. Se não encontramos em Bernardo um desencadeamento, buscamos referências para determinar sua estrutura. O que falta a esse sujeito não é o uso das riquezas da língua, mas uma articulação regulada de seu ser de gozo com o campo da linguagem. Assim, se ele não apresenta fenômenos de imposição, tais como alucinações, em algumas ocasiões alguns fenômenos de borda, marginais em relação ao conjunto de questões que ele traz, podem ser observados. Por exemplo, ao chegar à análise ele disse à mãe que iria a uma ginecanalista. Uma vez ao desenhar um capeta o fez com uma capa preta e me disse se eu não sabia que ele chamava capeta porque usava uma capa preta. No final do ano passado a mãe chega bastante assustada me dizendo que Bernardo lhe havia dito que queria fazer uma operação para virar mulher. Aqui podemos pensar que por faltar a máscara do pai simbólico surge essa figura do gozo ilimitado que é A mulher. Bernardo me diz sobre isso que sua mãe lhe havia dito que aquilo era uma bobagem e que ele ficara pensando que ela tinha razão, já que ele não teria mais como fazer xixi. Digo que deveríamos falar mais sobre isso. Num sonho ele e os primos estavam brincando de procurar prêmios escondidos no jardim. Quando ele levanta um pano pensando em encontrar esse objeto precioso, o que ele encontra é uma pantera. Sua estratégia é fingir de morto e quando a pantera sai, ele corre para pegar uma menininha no colo e salva-la da pantera. Entra com as crianças na casa e lá

7 tampam todos os buraquinhos para ela não entrar. Quando pensam que não tem mais perigo, saem da casa, mas a pantera volta e pede a ele que lhe dê tudo de valioso senão ela iria comer todos. Ele pega umas coisinhas, brinquedos, dobraduras de papel dourado, salva os colares da mãe e entrega tudo dizendo que era ouro. A pantera lhe pergunta se ele estava querendo enganá-la. Ele diz que vai procurar outra coisa e encontra uma varinha mágica com a qual transforma a pantera num carneiro com dez filhotes e em seguida em formigas que ele mata com inseticida. Nesse sonho aparece de forma mais clara que esses objetos preciosos não são de grande valia para regular a boca devoradora do Outro. Mesmo assim, é essa a sua estratégia, interpor entre ele e o Outro objetos para que não seja preciso oferecer o real de seu corpo. Assim, se para André o querer ser uma menina se verificou ser uma forma de se mascarar de falo da mãe, para Bernardo querer ser uma menina é uma resposta ao gozo transsexualista desregulado que o invade. O tratamento, tal como a posição do analista, de forma diferente, buscaram uma nova articulação com o gozo para cada um desses sujeitos.

8 i J. Lacan, Autres Ecrits, Note sur l enfant, p. 373, Ed. Seuil. ii J-A. Miller, Os seis paradigmas do gozo, in Opção Lacaniana n º 26/27, p. 87. iii E.Laurent, Responder al niño del mañana, in Carretel n º 4.

A criança, a lei e o fora da lei

A criança, a lei e o fora da lei 1 A criança, a lei e o fora da lei Cristina Drummond Palavras-chave: criança, mãe, lei, fora da lei, gozo. A questão que nos toca na contemporaneidade é a do sujeito às voltas com suas dificuldades para

Leia mais

Os princípios da prática analítica com crianças

Os princípios da prática analítica com crianças Os princípios da prática analítica com crianças Cristina Drummond Palavras-chave: indicação, tratamento, criança, princípios. As indicações de um tratamento para crianças Gostaria de partir de uma interrogação

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania?

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? 2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? Giselle Fleury(IP/UERJ), Heloisa Caldas(IP/UERJ) Para pensar, neste trabalho, a neurose e a psicose em relação

Leia mais

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise.

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise. A FUNÇÃO DO PAI NA INTERDIÇÃO E NA LEI: UMA REFLEXÃO SOBRE IDENTIFICAÇÃO E VIOLÊNCIA NA CONTEMPORANEIDADE. Jamille Mascarenhas Lima Psicóloga, Universidade Federal da Bahia. Especialista em psicomotricidade,

Leia mais

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO Lucia Serrano Pereira 1 Afirmo em nada mais ser entendido, senão nas questões do amor. Isso é o que está dito por Sócrates na obra de Platão O Banquete. O Banquete nos é indicado

Leia mais

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança.

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança. Ser mãe hoje Cristina Drummond Palavras-chave: família, mãe, criança. Hoje em dia, a diversidade das configurações familiares é um fato de nossa sociedade. Em nosso cotidiano temos figuras cada vez mais

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito interessantes a respeito do acting out, entre elas, que ele é uma mensagem... sempre dirigido

Leia mais

A palavra que humaniza o desejo

A palavra que humaniza o desejo 1 A palavra que humaniza o desejo Cristina Drummond Palavras-chave: pai, desejo, criança, Gide. Proponho tomarmos o caso Amâncio como um paradigma da função do romance familiar para a amarração de um sujeito.

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

A criança objetalizada

A criança objetalizada A criança objetalizada Cristina Drummond Psicanalista, Membro da Escola Brasileira de Psicanálise A posição de objeto da criança Para ler as evidências, em nosso mundo contemporâneo, de que os sujeitos

Leia mais

Vínculo entre mãe e bebê

Vínculo entre mãe e bebê Vínculo mãe/bebê Vínculo entre mãe e bebê Tenha uma idéia audaciosa hoje. Amanhã ela já não será nova. O bebê precisa reconhecer quem cuida dele, por isso, precisa ser cuidado sempre pela mesma pessoa.

Leia mais

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA Adriana Grosman Pretendo tratar de um caso clinico que coloca em evidencia que não é só a questão fálica que está em jogo na maternidade se não o resto do desejo, algo que escapa

Leia mais

A QUESTÃO DA PROCRIAÇÃO NA PSICOSE

A QUESTÃO DA PROCRIAÇÃO NA PSICOSE A QUESTÃO DA PROCRIAÇÃO NA PSICOSE Lauro Barbosa Sonia Alberti A teoria psicanalítica das psicoses, de Freud a Lacan, atribui um mecanismo específico para a psicose conceituado como Foraclusão, que designa

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

Um Quarto de Volta. Maria Cristina Vecino de Vidal. Discursos

Um Quarto de Volta. Maria Cristina Vecino de Vidal. Discursos Um Quarto de Volta Maria Cristina Vecino de Vidal Este escrito versará em torno da estrutura dos quatro discursos e seu funcionamento na clínica psicanalítica. As questões se centrarão na problemática

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Quando o sujeito se perde

Quando o sujeito se perde Quando o sujeito se perde Adriana Dias de Assumpção Bastos O tema do congresso é violência e poder, instâncias eloquentemente referidas nos fragmentos do caso clínico que trago à análise. Mariana é uma

Leia mais

Associação Lar do Neném

Associação Lar do Neném Criança Esperança 80 Associação Lar do Neném Recife-PE Marília Lordsleem de Mendonça Abraço solidário Todas as crianças são de todos : esse é o lema do Lar do Neném, uma instituição criada há 26 anos em

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas,

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas, Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? Fernanda Samico Küpper É notória a contribuição que as mulheres sempre deram à engrenagem da psicanálise enquanto campo teórico. Desde Anna O., passando

Leia mais

A fala freada Bernard Seynhaeve

A fala freada Bernard Seynhaeve Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 Bernard Seynhaeve Uma análise é uma experiência de solidão subjetiva. Ela pode ser levada suficientemente longe para que o analisante

Leia mais

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Gresiela Nunes da Rosa Diante do enigma primeiro a respeito do desejo do

Leia mais

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1 FUNÇÃO MATERNA Luiza Bradley Araújo 1 Entendemos por função materna a passagem ou a mediação da Lei que a mãe opera. Nós falamos de uma função e não da pessoa da mãe, função de limite entre o somático

Leia mais

Eu sempre ouço dizer. Que as cores da pele são diferentes. Outros negros e amarelos. Há outras cores na pele dessa gente

Eu sempre ouço dizer. Que as cores da pele são diferentes. Outros negros e amarelos. Há outras cores na pele dessa gente De todas as cores Eu sempre ouço dizer Que as cores da pele são diferentes Que uns são brancos Outros negros e amarelos Mas na verdade Há outras cores na pele dessa gente Tem gente que fica branca de susto

Leia mais

Há ou não um ato sexual? 1

Há ou não um ato sexual? 1 Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 Há ou não um ato sexual? 1 Patrícia Badari Um, dois, três..., uma série de homens, uma série de encontros sexuais é o que ouvimos

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada.

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Cláudia Barral (A sala é bastante comum, apenas um detalhe a difere de outras salas de apartamentos que se costuma ver ordinariamente: a presença de uma câmera de vídeo

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

Coisas de pais. partes I e II Língua Portuguesa e Matemática. texto 1. Você pode utilizar o verso de todas as folhas e a última página como rascunho.

Coisas de pais. partes I e II Língua Portuguesa e Matemática. texto 1. Você pode utilizar o verso de todas as folhas e a última página como rascunho. Você pode utilizar o verso de todas as folhas e a última página como rascunho. partes I e II Língua Portuguesa e Matemática texto 1 Coisas de pais Eu estudava em um colégio bom, ele tinha uma ótima localização.

Leia mais

SEGREDO NO CAIR DA TARDE

SEGREDO NO CAIR DA TARDE SEGREDO NO CAIR DA TARDE Ele chegou a galope, num alazão que eu não conhecia. Depois o alazão ergueu-se em duas patas e desapareceu e meu irmão também desapareceu. Fazia tempo que eu o chamava e ele não

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Relatório de Grupo. 1º Semestre/2015

Relatório de Grupo. 1º Semestre/2015 Relatório de Grupo 1º Semestre/2015 Turma: Maternal B Professora: Larissa Galvão de Lima Professora auxiliar: Giseli Jancoski Floriano Coordenação: Lucy Ramos Torres Professora: Eleonora Dantas Brum Professora

Leia mais

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano O Menino do Futuro Dhiogo José Caetano 1 Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno inventor que

Leia mais

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta Copyright Betina Toledo e Thuany Motta Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 MERGULHO FADE IN: CENA 1 PRAIA DIA Fotografia de

Leia mais

A Marca do Medo. Silvia Emilia Espósito* Palavras-chave: psicanálise, medicina, drogadição, auto-ajuda:

A Marca do Medo. Silvia Emilia Espósito* Palavras-chave: psicanálise, medicina, drogadição, auto-ajuda: A Marca do Medo Silvia Emilia Espósito* Palavras-chave: psicanálise, medicina, drogadição, auto-ajuda: Ficou lugar comum declarar a morte da psicanálise porque está desatualizada ou fora de moda ou, o

Leia mais

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada 2001 Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Márcio Peter de Souza Leite Conteúdo Argumento...

Leia mais

O amor em análise: algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa

O amor em análise: algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN 2177-2673 : algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa [...] Falar de amor, com efeito, não se

Leia mais

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Filho, não vês que estou queimando! Ondina Maria Rodrigues Machado * Fui a Salvador para o XV Encontro Brasileiro do Campo Freudiano, mas não só para isso. Fui

Leia mais

Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br]

Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br] FONTE: CRP-RJ DEZEMBRO DE 2006 Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br] Como funciona a terapia junguiana? A Análise junguiana está dentro da

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador O sujeito e o sexual: no contado já está o contador Nilda Martins Sirelli Psicanalista, doutoranda em Memória Social pela UNIRIO, professora do curso de graduação em Psicologia da Universidade Estácio

Leia mais

noite e dia marconne sousa

noite e dia marconne sousa noite e dia marconne sousa Mais uma noite na terra a terra é um lugar tão solitário cheio de pessoas, nada mais onde se esconderam os sentimentos? um dedo que aponta um dedo que desaponta um dedo que entra

Leia mais

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA Donald Woods Winnicott, pediatra e psicanalista, foi uma das figuras de grande expressão no cenário psicanalítico. Ele nos trouxe contribuições valiosas e

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 III A JOGOS DIVERTIDOS Fizemos dois campeonatos com a Turma da Fazenda, o primeiro com o seguinte trajeto: as crianças precisavam pegar água em um ponto e levar até o outro,

Leia mais

Só As Mães São Felizes 1 Cazuza

Só As Mães São Felizes 1 Cazuza Só As Mães São Felizes 1 Cazuza Palavras chaves: mãe-mulher desejo da mãe criança-falo real do sexo Sandra Conrado A frase me deixou intrigado, diz Agenor de Miranda Araújo Neto, conhecido por todos nós

Leia mais

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE Regina Cibele Serra dos Santos Jacinto Ana Maria Medeiros da Costa Podemos afirmar que o interesse de Lacan pela questão do corpo esteve

Leia mais

POR QUE ESTOU ASSIM? OS MOMENTOS DIFÍCEIS DA ADOLESCÊNCIA

POR QUE ESTOU ASSIM? OS MOMENTOS DIFÍCEIS DA ADOLESCÊNCIA POR QUE ESTOU ASSIM? OS MOMENTOS DIFÍCEIS DA ADOLESCÊNCIA Cybelle Weinberg Eles saem com os amigos, "a turma é a sua família", mas quando a coisa aperta lá fora eles voltam para a segurança da casa. Por

Leia mais

AT NA ESCOLA: UM DISPOSITIVO POSSÍVEL?

AT NA ESCOLA: UM DISPOSITIVO POSSÍVEL? 1 Autora: Juliana Ribeiro Câmara Lima Eixo Temático: AT e instituição de educação Pertinência Institucional: IECE- Instituto Educacional Casa Escola Domicílio: R Raimundo Chaves, 1652. Casa H 03, Candelária,

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

Temos refletido sobre a profissão que gostaríamos de, um dia, ter. O sonho da Ana. A Ana vivia no Porto e tinha sonhos como todas as crianças da sua

Temos refletido sobre a profissão que gostaríamos de, um dia, ter. O sonho da Ana. A Ana vivia no Porto e tinha sonhos como todas as crianças da sua Temos refletido sobre a profissão que gostaríamos de, um dia, ter O sonho da Ana A Ana vivia no Porto e tinha sonhos como todas as crianças da sua idade. Gostava de brincar com as suas bonecas, fazer penteados

Leia mais

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior O exterior da inclusão e a inclusão do exterior www.voxinstituto.com.br O tema do V Simpósio Derdic- "Mecanismos de exclusão, estratégias de inclusão" permitiu que a problemática da inclusão social do

Leia mais

ACOMPANHE O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA

ACOMPANHE O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ACOMPANHE O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA 1 Mês: Sucção vigorosa Levanta a cabeça e rasteja as pernas, se deitado de frente Sustenta a cabeça momentaneamente Preensão de objetos que vão à mão Aquieta-se com

Leia mais

Não temos tempo a perder 1

Não temos tempo a perder 1 Não temos tempo a perder 1 Ana Martha Wilson Maia Em entrevista concedida a uma revista brasileira, o filósofo Carl Honoré 2 descreve a pressão exercida sobre os pais para oferecerem uma infância perfeita

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43 O Gotinhas 43 Era uma vez um País feito de nuvens. Ficava no cimo de uma enorme montanha impossível de expugnar. Lá viviam muitos meninos. Cada um tinha a sua própria nuvem. Uma enorme cegonha do espaço

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

Terapia de Família: relações familiares e o processo de inclusão

Terapia de Família: relações familiares e o processo de inclusão Terapia de Família: relações familiares e o processo de inclusão Sonia Beatriz Sodré Teixeira Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Psiquiatria. Doutora em Ciências da Saúde pelo IPUB/UFRJ,

Leia mais

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2 DAR CORPO AO SINTOMA NO LAÇO SOCIAL Maria do Rosário do Rêgo Barros * O sintoma implica necessariamente um corpo, pois ele é sempre uma forma de gozar, forma substitutiva, como Freud bem indicou em Inibição,

Leia mais

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta Mesa: 4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta OS RISCOS NA CONSTITUIÇÃO PSÍQUICA Autora: CRISTINA HOYER Breve Nota Curricular da Autora -

Leia mais

Só que tem uma diferença...

Só que tem uma diferença... Só que tem uma diferença... Isso não vai ficar assim! Sei. Vai piorar. Vai piorar para o lado dela, isso é que vai! Por enquanto, só piorou para o seu, maninho. Pare de me chamar de maninho, Tadeu. Você

Leia mais

A intervenção do analista na clínica com crianças: uma complexa operação no campo da transferência

A intervenção do analista na clínica com crianças: uma complexa operação no campo da transferência A intervenção do analista na clínica com crianças: uma complexa operação no campo da transferência Lia Lima Telles Rudge Na psicanálise com crianças a pergunta inescapável é: quem demanda? Há sempre mais

Leia mais

Catálogo Livros. Editora: Minutos de Leitura REF: LB08 PVP: 12 euros (IVA incluído)

Catálogo Livros. Editora: Minutos de Leitura REF: LB08 PVP: 12 euros (IVA incluído) Crocodilo e Girafa Este livro aborda temáticas fundamentais para o desenvolvimento da criança tais como aceitação das diferenças, tolerância à frustração, regras de convivência em grupo; o respeito pelos

Leia mais

Ato Único (peça em um ato)

Ato Único (peça em um ato) A to Ú nico Gil V icente Tavares 1 Ato Único (peça em um ato) de Gil Vicente Tavares Salvador, 18 de agosto de 1997 A to Ú nico Gil V icente Tavares 2 Personagens: Mulher A Mulher B Minha loucura, outros

Leia mais

A Outra: o delírio da histérica

A Outra: o delírio da histérica Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 1 Ana Martha Maia e Maria Fátima Pinheiro Desde Freud, podemos dizer que a fantasia e o delírio são construções ficcionais

Leia mais

LEILÃO DA PALACE RECEPÇÕES. Anexo I lista dos lotes

LEILÃO DA PALACE RECEPÇÕES. Anexo I lista dos lotes LEILÃO DA PALACE RECEPÇÕES Anexo I lista dos lotes LOTES DESCRIÇÃO FOTOS 01 10 vestidos de damas: tamanhos, lance inicial: R$: 500,00 02 10 vestidos de damas: tamanhos, lance inicial: R$: 500,00 03 10

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Sinthoma e fantasia fundamental no caso do homem dos ratos * Cleide Maschietto Doris Rangel Diogo ** O Homem dos ratos 1 é um caso de neurose muito comentado,

Leia mais

A DOMÉSTICA (FILME CURTA) Final 2

A DOMÉSTICA (FILME CURTA) Final 2 A DOMÉSTICA (FILME CURTA) Final 2 Roteiro de Alcir Nicolau Pereira Versão de NOVEMBRO DE 2012. 1 A DOMÉSTICA (FILME-CURTA) --------------------------------------------------------------- PERSONAGENS Empregada

Leia mais

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br Marcos Vinicius Z. Portela** Depressão* Em primeiro lugar, gostaria de agradecer a oportunidade para estar aqui hoje nesta breve exposição - a qual pretendo, com a ajuda de todos, transformar numa conversa

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Plano Anual. Interação e socialização da criança no meio social familiar e escolar. Ampliação progressiva do conhecimento do mundo.

Plano Anual. Interação e socialização da criança no meio social familiar e escolar. Ampliação progressiva do conhecimento do mundo. Centro Educacional Mundo do Saber Maternal II Ano Letivo: 2013 Tema: A fazenda do tio Chico Professora: Heloiza Regina Gervin Plano Anual Eu sou tio Chico, um menino muito esperto e que adora brincar e

Leia mais

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES Daniela de Oliveira Martins Mendes Daibert Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ);

Leia mais

ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA

ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA MARIA DA GLORIA SCHWAB SADALA 1. BREVE CURRICULO PSICÓLOGA E PSICANALISTA DOUTORA, MESTRE E ESPECIALISTA PELA UFRJ COORDENADORA DO MESTRADO EM PSICANÁLISE

Leia mais

Os nós e o amor. Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros

Os nós e o amor. Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros Os nós e o amor Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros Aprendemos com Freud que o amor é sempre narcísico, ou seja, não importa de que escolha de objeto se trate, ele

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Angústia e sexualidade masculina

Angústia e sexualidade masculina Angústia e sexualidade masculina Palavras-chave: angústia, falo, órgão real, virilidade Sérgio Laia * Em psicanálise, a associação entre angústia e sexualidade masculina é geralmente abordada a partir

Leia mais

NÃO HÁ RAPPORT, RAZÃO, RELAÇÃO SEXUAL

NÃO HÁ RAPPORT, RAZÃO, RELAÇÃO SEXUAL NÃO HÁ RAPPORT, RAZÃO, RELAÇÃO SEXUAL Ana Lúcia Bastos Falcão 1 Desde o início, em seus seminários, Lacan foi bordejando alguns conceitos que deram contorno à afirmação - Não há rapport, razão, relação

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

A verdadeira mãe é a mãe adotiva

A verdadeira mãe é a mãe adotiva A verdadeira mãe é a mãe adotiva 1 Maria Rita de Oliveira Guimarães Palavras-chave: caso clínico, verdadeira mãe, adoção, romance familiar Primeiramente, gostaria de contextualizar a clínica de onde extraí

Leia mais

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho Guilherme Argenta Souza Ceres Helena Ziegler Bevilaqua UFSM A obra Chapeuzinho Vermelho é um clássico da literatura universal, apreciada por

Leia mais

PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR

PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR ANO LETIVO 2012/2013 Era uma vez um peixinho azul muito pequenino, que nadava no fundo

Leia mais

ROTEIRO DE:Luccas Miguel e Higor Espedito. 2 revisão ROTEIRO ORIGINAL PARA CURTA METRAGEM

ROTEIRO DE:Luccas Miguel e Higor Espedito. 2 revisão ROTEIRO ORIGINAL PARA CURTA METRAGEM ROTEIRO DE:Luccas Miguel e Higor Espedito. 2 revisão ROTEIRO ORIGINAL PARA CURTA METRAGEM FADE IN: CENA 1.DIA-EXT-CEMITERIO Cemitério.vemos dois garotos brincando,o sorrisos em seus rostos.a baderna que

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

2.1. Freud e os pilares do gozo

2.1. Freud e os pilares do gozo 2.1. Freud e os pilares do gozo O prazer de chupar o dedo, o gozo da sucção, é um bom exemplo de tal satisfação auto-erótica partida de uma zona erógena. (Freud, 1910[1909]/1996) Na frase escolhida para

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

24 Questionário para Meses

24 Questionário para Meses De 23 meses e 0 dia até 25 meses e 15 dias 24 Questionário para Meses Por favor, preencha o formulário abaixo. Use caneta preta ou azul e escreva em letra de forma. Data do preenchimento: D D M M A A A

Leia mais

A coruja pergunta... A coruja pergunta... Ler e fazer... Maio 2015. Abril Histórias Fim de Tarde + Jogo didático todas as QUINTAS FEIRAS. Maio.

A coruja pergunta... A coruja pergunta... Ler e fazer... Maio 2015. Abril Histórias Fim de Tarde + Jogo didático todas as QUINTAS FEIRAS. Maio. A coruja pergunta... Abril Histórias Fim de Tarde Jogo didático todas as QUINTAS FEIRAS Hora do Conto Atividade todos os SÁBADOS às 11h Serviço Educativo e Dinamização Cultural Abril Junho Maio 2015 Maio

Leia mais