PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO"

Transcrição

1 Exame Nacional de 2010 (2.ª Fase) 1. Em primeiro lugar representaram-se as retas a e b, bem como o ponto P, pelas respetivas projeções. As projeções da reta a desenharam-se em função dos respetivos ângulos (dados no enunciado) e passando pelas projeções homónimas do ponto S. Já no que respeita à reta b, sublinha-se que não é dado qualquer ponto o enunciado refere, apenas, que se trata de uma reta do β 1/3. Por outro lado, tendo em conta que as retas a e b definem um plano, as retas são complanares, pelo que ou são paralelas ou são concorrentes. Não são paralelas, pois as suas projeções frontais não fazem, com o eixo X, o mesmo ângulo, pelo que são necessariamente concorrentes. Uma vez que se trata de retas concorrentes, então é porque existe um ponto de concorrência, que é necessariamente um ponto do β 1/3. De facto, tendo em conta que a reta b é uma reta do β 1/3, todos os seus pontos pertencem ao β 1/3, pelo que o ponto de concorrência das duas retas é, necessariamente, um ponto do β 1/3 que pertence, também, à reta a. Nesse sentido, após a determinação das projeções da reta a, há que determinar o traço da reta a no β 1/3 (o ponto da reta a que tem projeções simétricas em relação ao eixo X) que será, então, o ponto de concorrência das duas retas. O ponto Q (o traço da reta a no do β 1/3 ) é, assim, o ponto de concorrência das duas retas. Após a determinação do ponto Q foi possível desenhar as projeções da reta b, que é uma reta do β 1/3 as suas projeções são simétricas em relação ao eixo X. O plano α está, assim, definido pelas retas a e b (representadas pelas suas projeções), concorrentes no ponto Q. É pedido um plano π, paralelo ao plano α e contendo o ponto P. Para o plano π ser paralelo ao plano α, o plano π tem de conter duas retas concorrentes paralelas a duas retas concorrentes do plano α, ou seja, os dois planos têm de ter duas «famílias» de retas em comum. Por outro lado, para o plano π conter o ponto P, o ponto P tem de pertencer a uma reta que pertença ao plano (condição para que um ponto pertença a um plano). Das várias hipóteses de resolução deste exercício, optou-se pela situação mais óbvia, que foi conduzir, pelo ponto P, duas retas concorrentes, paralelas às retas a e b. Assim, pelo ponto P conduziu-se uma reta a, paralela à reta a. Por um lado já garantimos que o ponto P pertence ao plano π, pois pertence a uma reta do plano π a reta a. Por outro lado, já garantimos que o plano π contém uma reta paralela a uma reta do plano α a reta a. Falta-nos uma outra reta do plano π, concorrente com a reta a e paralela a uma outra reta do plano α, reta essa que seja concorrente com a reta a (à qual a reta a é paralela). A reta b é uma outra reta do plano α que é concorrente com a reta a. Assim, pelo ponto P conduziu-se uma reta b, paralela à reta b. Já garantimos o paralelismo entre os dois planos o plano π contém duas retas concorrentes (a reta a e a reta b ) paralelas a duas retas concorrentes do plano α (a reta a e a reta b). No enunciado são pedidos os traços do plano π. Para tal determinaram -se os traços frontais das retas a e b, os pontos F e F, respetivamente. O traço frontal do plano π (f π ) está definido por dois pontos os pontos F e F. Para determinar o traço horizontal do plano π determinou-se o traço horizontal da reta b, o ponto H. O traço horizontal do plano π (h π ) está definido por dois pontos o ponto H e o ponto do eixo X que é o ponto de concorrência dos traços do plano π. Note que, para a resolução do exercício acima exposta, não se determinaram os traços do plano α, que não são pedidos no enunciado. De facto, um outro processo para resolver o exercício consistiria em determinar previamente os traços do plano α e, em seguida, usar o raciocínio acima exposto para outras duas retas do plano α os seus traços. 63

2 2. Em primeiro lugar representaram-se o plano δ, pelos seus traços, bem como o ponto R, pelas suas projeções, em função dos dados. O plano θ contém o ponto R e trata-se de um plano projetante frontal, pelo que o traço frontal do plano contém a projeção frontal do ponto R e faz, com o eixo X, o ângulo dado recorde-se que as projeções frontais de todos os pontos pertencentes a um plano projetante frontal estão sobre o traço frontal do plano, o que se verifica neste caso. O traço horizontal do plano θ é uma reta de topo com cota nula. Após a representação dos dados do exercício, procedeu-se à resolução do mesmo. É pedida a amplitude (a verdadeira grandeza) do ângulo formado pelos dois planos. A primeira etapa do método geral consiste em identificar a aresta do diedro, que é a reta de interseção entre os dois planos trata-se de uma reta oblíqua. Em seguida, há que conduzir o plano ortogonal à aresta do diedro. Acontece que o plano ortogonal à aresta do diedro não tem determinação direta (é necessário, em primeiro lugar, determinar a reta de interseção dos dois planos) e não é, com certeza, um plano projetante (será um plano oblíquo, por ser um plano ortogonal a uma reta oblíqua). Assim, optou-se pelo segundo processo para a determinação do ângulo entre dois planos. Nesse sentido conduziu-se, por um ponto exterior aos dois planos (o ponto P), duas retas uma reta ortogonal ao plano θ (a reta p) e uma reta ortogonal ao plano δ (a reta p ). O ângulo formado pelas duas retas tem a mesma amplitude do ângulo formado pelos dois planos. Para uma reta ser ortogonal a um plano, as suas projeções têm de ser perpendiculares aos traços homónimos do plano, o que garante a ortogonalidade da reta a duas retas concorrentes do plano. Assim, as projeções da reta p são perpendiculares aos traços homónimos do plano θ a reta p é uma reta frontal. Também as projeções da reta p são perpendiculares aos traços homónimos do plano δ a reta p é uma reta oblíqua. Em seguida procedeu-se à determinação da verdadeira grandeza do ângulo formado entre as duas retas. O ângulo formado entre as duas retas está contido no plano definido pelas duas retas trata - -se de um plano oblíquo (é o plano ortogonal à aresta do diedro). Uma vez que o plano definido pelas duas retas não é paralelo a nenhum dos planos de projeção, o ângulo formado pelas duas retas não se projeta em verdadeira grandeza em nenhum dos planos de projeção, pelo que é necessário o recurso a um Processo Geométrico Auxiliar. Optou-se pelo rebatimento do plano definido pelas duas retas para um plano frontal o plano frontal que contém a reta p (que é uma reta frontal). Assim, identificou-se o plano frontal (o plano ϕ) pelo seu traço horizontal h ϕ. Tendo em conta que o plano ϕ é um plano projetante horizontal, o traço horizontal do plano fica sobre a projeção horizontal da reta p p 1 (h ϕ ). Para efetuar o rebatimento do plano definido pelas retas p e p para o plano ϕ, é necessário identificar a charneira do rebatimento (reta e), que é a reta de interseção dos dois planos a charneira do rebatimento é a própria reta p, o que se identificou em ambas as projeções (as duas projeções da reta e estão coincidentes com as projeções homónimas da reta p). A reta p, que é a própria charneira do rebatimento, roda sobre si própria, pelo que p r fica coincidente com a própria reta p p r e 2 p 2. É necessário, agora, rebater a reta p, ou seja, definir a reta p em rebatimento. Para definir uma reta são necessários dois pontos ou um ponto e uma direção. O ponto P é um ponto da charneira, pelo que roda sobre si próprio tem-se imediatamente P r P 2. Já temos um ponto para definir a reta p em rebatimento o ponto P r. Falta-nos outro ponto ou uma direção. Representou-se um outro ponto, qualquer, pertencente à reta p o ponto A. Para rebater o ponto A é necessário recorrer ao triângulo do rebatimento, pois o plano que está a ser rebatido (o plano definido pelas retas p e p ) é um plano oblíquo. Pela projeção frontal do ponto A (A 2 ) conduziram-se uma reta perpendicular à charneira (que corresponde ao plano ortogonal à charneira que contém o arco do rebatimento do ponto A) e uma paralela à charneira. Na paralela à charneira representou-se a distância do ponto A ao plano ϕ (o afastamento de A em relação ao plano ϕ). Com um extremo nesse ponto e outro na charneira (no ponto de interseção da perpendicular à charneira com a própria charneira) desenhou-se a hipotenusa do triângulo do rebatimento do ponto A. Com o recurso ao compasso, fazendo centro na charneira e raio igual à hipotenusa do triângulo do rebatimento, transportou-se essa medida (que é o raio do arco do rebatimento do ponto A) para a perpendicular à charneira, obtendo A r (o ponto A rebatido). A reta p rebatida fica, assim, definida por dois pontos P r e A r. Qualquer dos dois ângulos menores formados entre as duas retas, em rebatimento (p r e p r ) tem a amplitude pedida a amplitude do ângulo formado entre os planos δ e θ. Assinalou-se um desses dois ângulos com a expressividade adequada (nas semirretas que limitam o ângulo) e indi cou-se a sua verdadeira grandeza (pedida no enunciado) com a notação βº. 64

3 3. Em primeiro lugar representaram-se os pontos O e A, pelas suas projeções, em função dos dados. Em seguida representaram-se, pelos seus traços, os planos de perfil que contêm as duas bases do sólido o plano π (que contém os pontos O e A) e o plano π, com 5 de abcissa, de acordo com o enunciado. Em seguida procedeu-se à execução dos traçados necessários à construção das projeções do sólido. Tendo em conta que se trata de um prisma regular, as suas bases são pentágonos regulares. A base [ABCDE] (a base mais à esquerda do sólido) está contida num plano que não é paralelo a nenhum dos planos de projeção, pelo que é necessário o recurso a um Processo Geométrico Auxiliar. Optou-se pelo rebatimento do plano de perfil (o plano que contém a figura) para o Plano Frontal de Projeção. A charneira do rebatimento foi o traço frontal do plano (f π ), que se identificou como tal. Rebateu - -se o ponto O, obtendo O r. O ponto A, porque é um ponto da charneira, rodou sobre si próprio, pelo que se tem imediatamente A r A 2. Em rebatimento, a circunferência circunscrita ao pentágono [ABCDE] tem centro em O r e passa por A r (o que significa que tem 4,5 cm de raio). Desenhou-se a circunferência e construiu-se o pentágono regular, inscrito na circunferência, de que A r é um dos vértices. Tendo em conta que não é dada nenhuma indicação sobre os restantes vértices da base (no enunciado), optou-se por se considerar que o vértice B seria o vértice de maior cota da base. Após a construção do pentágono em verdadeira grandeza (em rebatimento), inverteu-se o rebatimento do plano π e determinaram-se as projeções de todos os vértices da base mais à esquerda do prisma. Uma vez que se trata de um prisma regular, sabe-se que as arestas laterais estão contidas em retas ortogonais aos planos das bases, que são retas fronto-horizontais. Por cada um dos vértices da base [ABCDE] do prisma conduziram-se retas fronto - -horizontais (as retas suporte das respetivas arestas laterais) e determinaram-se os vértices da base mais à direita do sólido (o pentágono [A B C D E ]) nos pontos em que aquelas intersetam o plano π (o plano que contém aquela base). A partir das projeções de todos os vértices do sólido, desenharam-se as projeções do prisma, atendendo às invisibilidades das suas arestas. Em projeção frontal, existe uma única aresta lateral invisível a aresta [AA ] (por se tratar da aresta de menor afastamento do sólido), que se identificou com o traçado respetivo (traço interrompido). As restantes arestas laterais são visíveis porque integram o contorno aparente frontal (caso das arestas [BB ] e [EE ]) ou porque são as arestas de maior afastamento do sólido (caso das arestas [CC ] e [DD ]). Já em projeção horizontal, todas as arestas laterais invisíveis (as arestas [EE ] e [DD ]) estão ocultas por arestas laterais visíveis (as arestas [BB ] e [CC ], respetivamente), pelo que não há lugar à representação de invisibilidades do sólido em projeção horizontal. Em seguida, para determinar a sombra do sólido, proce deu-se à determinação da linha separatriz luz/sombra, o que se processou com o recurso à determinação dos pla nos tangen tes luz/sombra, através das quatro etapas para o efeito e que em seguida se (Continua na página seguinte) 65

4 (Continuação da página anterior) apresentam. 1. Por um ponto P, exterior ao sólido, conduziram-se duas retas uma reta r, fronto-horizontal, paralela às arestas laterais do sólido, e um raio lumi noso l (com a direção convencional da luz a direção luminosa dada no enunciado). Estas duas retas definem um plano (o plano λ) que é paralelo aos planos tangentes luz/sombra (têm a mesma orientação). 2. Determinou-se a reta i, que é a reta de interseção do plano λ (o plano definido pelas retas r e l) com o plano da base de referência do sólido (a base mais à esquerda o plano π). A reta i está definida pelos pontos I e I, que são os pontos de interseção das retas r e l, respetivamente, com o plano da base de referência (o plano π). 3. Conduziram-se as retas tangentes à base de referência que são paralelas à reta i as retas t e t. Estas são as retas de interseção dos dois planos tangentes luz/sombra com o plano da base de referência do sólido (o plano π). Uma vez que tanto a reta i como as retas t e t são de perfil, as situações de paralelismo (entre as retas t e t e a reta i) bem como as situações de tangência (das retas t e t à base) não são visíveis de forma direta, pelo que foi necessário o recurso a um Processo Geométrico Auxiliar optou-se por recorrer ao rebatimento do plano π, já previamente efetuado para a construção das projeções da base [ABCDE]. Rebateram-se os pontos I e I, obtendo I r e I r a reta i, em rebatimento (a reta i r ) fica definida por I r e I r. As retas t e t, em rebatimento (as retas t r e t r ), são paralelas à reta i r e são tangentes (rasantes) à base do sólido a reta é tangente (rasante) à base no ponto B e a reta t é tangente (rasante) à base no ponto D. 4. As retas t e t são tangentes (rasantes) à base mais à esquerda do sólido (a base de referência) nos pontos B e D, respetiva mente. As arestas laterais [BB ] e [DD ] são, imediatamente, duas das arestas da linha separatriz luz/sombra são as arestas laterais ao longo das quais os planos tangentes luz/sombra são tangentes (rasantes) ao prisma. As arestas laterais [BB ] e [DD ] separam, assim, as faces laterais do prisma que estão iluminadas das que estão sombreadas (em sombra própria) dada a direção luminosa, apenas as faces laterais [BB C C] e [CC D D] estão iluminadas, sendo que as restantes faces laterais estão em sombra. Das três faces laterais em sombra própria, a face lateral [AA B B] é a única que é visível em projeção horizontal, pelo que a sombra própria a assinalar (em projeção horizontal) se resume àquela face nesse sentido, assinalou-se a referida face lateral com uma mancha clara e uniforme. Das três faces laterais em sombra própria, a face lateral [DD E E] é a única que é visível em projeção frontal, pelo que a sombra própria a assinalar (em projeção frontal) se resume àquela face nesse sentido, assinalou-se a referida face lateral com uma mancha clara e uniforme. A base mais à esquerda está iluminada e a base mais à direita está sombreada (em sombra), pelo que a linha separatriz luz/sombra é a linha fechada [BB C D DEA] (é a linha fechada que separa as faces em sombra das faces iluminadas). A sombra projetada do prisma nos planos de projeção estará delimitada pela sombra projetada da linha separatriz luz/sombra. Assim, há que determinar as sombras projetadas de todos os vértices da linha separatriz luz/sombra e, assim, poder determinar a sombra projetada do prisma. O ponto A é um ponto do Plano Frontal de Projeção, pelo que a sua sombra projetada no Plano Frontal de Projeção (A s2 ) está coincidente com o próprio ponto assim, tem-se imediatamente A s2 A 2. Para determinar as sombras projetadas dos restantes vértices da linha separatriz luz/sombra conduziram-se, por cada um desses vértices, um raio luminoso e determinaram-se as respetivas sombras reais. B s2, B s2 e C s2 são, respetivamente, as sombras reais dos vértices B, B e C da linha separatriz luz/sombra B s2, B s2 e C s2 situam-se no SPFS. E s1, D s1 e D s1 são, respetivamente, as sombras reais dos vértices E, D e D da linha separatriz luz/sombra E s1, D s1 e D s1 situam-se no SPHA. Os vértices A e E são dois vértices consecutivos da linha separatriz luz/sombra A s2 (a sombra real de A) situa-se no SPFS e E s1 situa-se no SPHA, pelo que a sombra da aresta [AE] admite um ponto de quebra este determinou-se com o recurso à sombra virtual do ponto E. E v2 é a sombra virtual de E e situa-se no SPFI. Desenhando o segmento de reta com extremos em A s2 e em E v2, determinou-se o ponto de quebra da sombra do segmento no ponto que este interseta o eixo X. Os vértices C e D são dois vértices consecutivos da linha separatriz luz/sombra C s2 (a sombra real de C) situa-se no SPFS e D s1 situa-se no SPHA, pelo que a sombra da aresta [C D ] admite um ponto de quebra este determinou-se recorrendo à situação de paralelismo do segmento em relação ao Plano Frontal de Projeção (o segmento [C D ] é vertical). Uma vez que o segmento [C D ] é paralelo ao Plano Frontal de Projeção, a sombra projetada do segmento é paralela ao próprio segmento, ou seja, é vertical. Nesse sentido conduziu-se, por C s2, uma linha vertical até ao eixo X o ponto de interseção daquela com o eixo X é o ponto de quebra da sombra do segmento [C D ]. A partir de todos os vértices do contorno da sombra projetada da linha separatriz luz/sombra do prisma, desenhou-se esse contorno, respeitando as suas invisibilidades (quer a parte oculta pelo prisma em projeção horizontal, quer a parte oculta pelo prisma em projeção frontal). Em seguida assinalou-se, com uma mancha clara e uniforme, a parte visível da sombra projetada. 4. Em primeiro lugar representaram-se as perspetivas dos três eixos, de acordo com os ângulos dados. Uma vez que se trata de uma trimetria, todos os eixos apresentam um coeficiente de deformação diferente. Em seguida, recorreu-se ao método dos cortes, com vista a representar, em verda deira grandeza, pelo menos uma das projeções do objeto. Nesse sentido, rebateu-se o plano XY para o interior da pirâmide axono métrica (em torno da charneira, que é perpendicular à perspetiva do eixo Z), obtendo a direção do eixo X r e do eixo Y r (que são perpendiculares entre si no ponto O r ). Note que a opção de rebater o plano XY e não qualquer outro dos planos coordenados teve a ver com a necessidade de construir a base da pirâmide em verdadeira grandeza uma vez que a base da pirâmide é paralela ao plano XY, sabe-se que o triângulo [RST] se projeta em verdadeira grandeza no plano XY e não noutro plano qualquer. Após o rebatimento do plano XY para o interior da pirâmide axonométrica, efetuou-se a translação do plano XY rebatido, através da perpendicular à charneira que passa pela perspetiva do ponto O, para fora da área da representação do desenho o eixo X r é paralelo ao eixo X r e o eixo Y r é paralelo ao eixo Y r (o eixo X r e o eixo Y r são perpendiculares entre si no ponto O r ). No plano XY, rebatido e transladado, representaram-se, em rebatimento, as projeções horizontais dos pontos R e S, dois pontos dados do prisma quadrangular, em função das respetivas coordenadas este procedimento permitiu-nos obter R 1r e S 1r. Os pontos R e S são dois vértices da base superior do prisma, que se considerou ser o quadrado [PQRS]. Nesse sentido, considerou-se que a base inferior do prisma (a base que está contida no plano coordenado horizontal XY) é o quadrado [P Q R S ]. Atendendo a que os vértices R e S definem a aresta de maior afastamento da base superior do prisma (o quadrado [PQRS]), conclui-se, de forma imediata, que o ponto P é um ponto do eixo Z e que o ponto Q é um ponto do plano coordenado XZ. As arestas laterais do sólido, por serem ortogonais aos planos das bases (trata-se de um prisma regular), estão contidas em retas projetantes horizontais, pelo que as projeções horizontais dos vértices da base inferior (o quadrado [P Q R S ]) estão coincidentes com as projeções horizontais dos vértices da base superior (o quadrado [PQRS]). Este raciocínio permitiu-nos construir a projeção horizontal do prisma, em reba- 66 (Continua na página seguinte)

5 (Continuação da página anterior) timento, no plano XY rebatido e transladado. Note que os vértices P e P do prisma se situam, necessariamente, no eixo Z o vértice P é a própria origem do referencial. A partir dos pontos R 1r e S 1r efetuou-se a construção do triângulo equilátero de que aqueles pontos são dois vértices o terceiro vértice do triângulo é T 1r, que é a projeção horizontal (em rebatimento) do terceiro vértice da base da pirâmide. O triângulo equilátero [R 1r S 1r T 1r ] é a projeção horizontal (em rebatimento) do triângulo [RST], que é a base da pirâmide. Em seguida procedeu-se à determinação da cota da face superior do sólido. Para tal poderia ter-se recorrido ao rebatimento de qualquer dos outros dois planos coordenados, mas optou-se por rebater apenas o eixo Z (recorde que os três eixos apresentam um coeficiente de deformação diferente, por se tratar de uma trimetria), o que se processou pelo rebatimento do plano projetante do eixo Z. Neste caso, a charneira do rebatimento é a própria perspetiva do eixo Z e o rebatimento processa-se perpendicularmente à charneira (perpendicularmente à perspetiva do eixo Z). Após o rebatimento do eixo Z, representou-se, no eixo Z rebatido (eixo Z r ), a cota da face superior do sólido (11 cm, que é a cota dos pontos R e S, dada no enunciado) a partir de O r e inverteu-se o rebatimento, com o recurso a uma perpendicular à charneira do rebatimento (uma perpendicular à perspetiva do eixo Z). Este procedimento permitiu-nos obter, sobre a perspetiva do eixo Z, um ponto com a cota da face superior do sólido esse ponto é a perspetiva do próprio ponto P, que é o vértice da base superior do prisma que se situa no eixo Z. Conduzindo, pela perspetiva do ponto P, uma paralela à perspetiva do eixo X, desenhou-se a perspetiva da reta suporte da aresta [PQ]. Conduzindo, por Q 1r, uma perpendicular à charneira do rebatimento do plano XY, determinou-se a perspetiva do ponto Q no ponto de concorrência das duas retas. Em seguida conduziu-se, pela perspetiva do ponto P, uma paralela à perspetiva do eixo Y, desenhando-se a perspetiva da reta suporte da aresta [PS]. Conduzindo, por S 1r, uma perpendicular à charneira do rebatimento do plano XY, determinou-se a perspetiva do ponto S no ponto de concorrência das duas retas. Estes dois procedimentos permitiram-nos, ainda, determinar as perspetivas de Q (sobre a perspetiva do eixo X) e de S (sobre a perspetiva do eixo Y). Recorrendo a paralelas às perspetivas do eixo X e do eixo Y, bem como à reta perpendicular à charneira do rebatimento do plano XY que passa por R 1r, foi possível determinar as perspetivas dos pontos R e R e, assim, obter as perspetivas de todos os vértices do prisma. Há, agora, que determinar a perspetiva do ponto T. Para tal, no plano XY rebatido e transladado, determinou-se o ponto do eixo Y r que tem o afastamento do ponto T (conduzindo, por T 1r, uma perpendicular ao eixo Y r que é paralela ao eixo X r ). Por esse ponto conduziu-se uma perpendicular à charneira do rebatimento do plano XY e determinou-se a perspetiva da projeção lateral do ponto T (T 3 ), sobre a perspetiva da reta suporte da aresta [PS], da base superior do prisma (tenha em conta que a cota do ponto T é igual à cota do quadrado [PQRS]). Por outro lado, essa mesma perpendicular à charneira que passa por T 1r permitiu-nos determinar, sobre a perspetiva do eixo Y, a perspetiva de um ponto com a abcissa do ponto T. Por esse ponto conduziu-se uma paralela à perspetiva do eixo X. O ponto de concorrência dessa paralela com a perpendicular à charneira do rebatimento do plano XY que passa por T 1r é a perspetiva de T 1. A perspetiva do ponto T é o ponto de concorrência da perpendicular à charneira do rebatimento do plano XY que passa por T 1r (e que corresponde à perspetiva da reta projetante horizontal do ponto T) com a paralela à perspetiva do eixo X que passa por T 3 (e que corresponde à perspetiva da reta projetante lateral do ponto T). Por fim, há que determinar a perspetiva do vértice da pirâmide, o que se efetuou da forma mais simples. Atendendo a que, de acordo com o enunciado, o vértice da pirâmide coincide com o centro da face de maior afastamento do prisma (a face lateral [RSS R ]), optou-se por, diretamente na perspetiva, desenhar as perspetivas das duas diagonais dessa face isso permitiu-nos determinar, de forma imediata, o respetivo centro em perspetiva (o ponto M) e, assim, a perspetiva do vértice da pirâmide (que está coincidente com a perspetiva de M tem-se V M). A partir das perspetivas de todos os vértices dos dois sólidos, desenhou-se a perspetiva do sólido resultante da justaposição daqueles, ocultando as linhas invisíveis, como pede expressamente o enunciado. Sublinha-se que se trata de um único sólido e não de dois sólidos juntos, pelo que as arestas desse sólido (o sólido composto pelo prisma e pela pirâmide) são linhas que separam fisicamente planos distintos (faces distintas). Assim, o segmento [RS] não é uma aresta do sólido final, pois, nesse sólido, o segmento não separa duas faces distintas o segmento [RS] não é uma aresta e não deve ser representada como tal. Na solução apresentada, o segmento [RS] está representado, apenas, como uma linha auxiliar (uma linha construtiva), necessária à determinação da perspetiva do sólido final. 67

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO Exame Nacional de 2011 (2.ª Fase) 1. Em primeiro lugar representaram-se a reta d, pelas suas projeções, bem como o plano ρ, pelos seus traços, em fun ção dos dados. É pedida a reta de interseção entre

Leia mais

Projeções de entidades geométricas elementares condicionadas por relações de pertença (incidência) 8

Projeções de entidades geométricas elementares condicionadas por relações de pertença (incidência) 8 Índice Item Representação diédrica Projeções de entidades geométricas elementares condicionadas por relações de pertença (incidência) 8 Reta e plano 8 Ponto pertencente a uma reta 8 Traços de uma reta

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto) PROVA 408/4 Págs. Duração da prova: 150 minutos 2007 1.ª FASE PROVA PRÁTICA DE DESENHO E GEOMETRIA

Leia mais

SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS

SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS NOTA: Se bem que os dados métricos dos enunciados estejam em centímetros, as soluções apresentadas a partir da página seguinte não consideraram o centímetro como unidade.

Leia mais

Escola Secundária de Alberto Sampaio - Braga Junho de Proposta de correcção do exame nacional de Geometria Descritiva A (prova 708) 1ª fase

Escola Secundária de Alberto Sampaio - Braga Junho de Proposta de correcção do exame nacional de Geometria Descritiva A (prova 708) 1ª fase Exercício 1-1ª hipótese de resolução (escala 1:1) Jorge Marques e Estefânio Lemos 1 10 Exercício 1-2ª hipótese de resolução (escala 1:1) Jorge Marques e Estefânio Lemos 2 10 Exercício 1-3ª hipótese de

Leia mais

13 PARALELISMO SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS

13 PARALELISMO SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS NOTA: Se bem que os dados métricos dos enunciados estejam em centímetros, as soluções apresentadas a partir da página seguinte não consideraram o centímetro como unidade.

Leia mais

Prova Prática de Geometria Descritiva A

Prova Prática de Geometria Descritiva A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Prática de Geometria Descritiva A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 708/1.ª Fase 3 Páginas Duração da Prova: 150 minutos.

Leia mais

Item 1 (Paralelismo) Item 2 (Distâncias)

Item 1 (Paralelismo) Item 2 (Distâncias) Item 1 (Paralelismo) 1. Representam-se os dados do enunciado; 2. Este relatório apresenta dois processos distintos para a resolução do primeiro exercício do Exame: o Processo A (que consiste em visualizar

Leia mais

SÓLIDOS DE BASE(S) HORIZONTAL(AIS) OU FRONTAL(AIS)

SÓLIDOS DE BASE(S) HORIZONTAL(AIS) OU FRONTAL(AIS) SÓLIDOS DE BASE(S) HORIZONTAL(AIS) OU FRONTAL(AIS) 56. Exame de 1998 Prova Modelo (código 109) Represente, no sistema de dupla projecção ortogonal, dois segmentos de recta concorrentes, [AE] e [AI]. Os

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTAR 1ª PROVA

LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTAR 1ª PROVA MINISTÉRI DA EDUCAÇÃ UNIVERSIDADE FEDERAL D PARANÁ SETR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENT DE EXPRESSÃ GRÁFICA Professora Elen Andrea Janzen Lor Representação de Retas LISTA DE EXERCÍCIS CMPLEMENTAR 1ª PRVA

Leia mais

Prova Prática de Geometria Descritiva A pontos

Prova Prática de Geometria Descritiva A pontos EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Prática de Geometria Descritiva A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 708/2.ª Fase Critérios de Classificação 7 Páginas

Leia mais

Dupla Projeção Ortogonal / Método de Monge

Dupla Projeção Ortogonal / Método de Monge Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade Para a Frequência do Ensino Superior dos Maiores de 23 Anos 2016 Prova de Desenho e Geometria Descritiva - Módulo de Geometria Descritiva

Leia mais

Prova Prática de Geometria Descritiva A

Prova Prática de Geometria Descritiva A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Prática de Geometria Descritiva A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 708/Época Especial Critérios de Classificação 8

Leia mais

Prova Prática de Geometria Descritiva A

Prova Prática de Geometria Descritiva A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Prática de Geometria Descritiva A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 708/2.ª Fase Critérios de Classificação 8 Páginas

Leia mais

Revisões de Geometria Descritiva

Revisões de Geometria Descritiva Revisões de Geometria Descritiva Projeção de Pontos Projeção de 2 Pontos numa reta proj. Hor., Frontal e simétricos Representação da reta Pontos Notáveis Percurso da reta, Visibilidades e Invisibilidade

Leia mais

exercícios de perspectiva linear

exercícios de perspectiva linear G E O M E T R I A D E S C R I T I V A E C O N C E P T U A L I exercícios de perspectiva linear MESTRADOS INTEGRADOS EM ARQUITECTURA e LICENCIATURA EM DESIGN - FA/UTL - 2010/2011 Prof.Aux. António Lima

Leia mais

ÂNGULOS. Sumário: Manual de Geometria Descritiva - António Galrinho Ângulos - 1

ÂNGULOS. Sumário: Manual de Geometria Descritiva - António Galrinho Ângulos - 1 12 ÂNGULOS Neste capítulo apresenta-se uma das partes dos Problemas Métricos (a outra é Distâncias). Estudam-se aqui os ângulos entre retas, entre planos e entre retas e planos. Veremos que para se determinar

Leia mais

Prova Prática de Geometria Descritiva A

Prova Prática de Geometria Descritiva A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Prática de Geometria Descritiva A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 708/Época Especial Critérios de Classificação 9

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS - AXONOMETRIA - Ano lectivo 2010/2011

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS - AXONOMETRIA - Ano lectivo 2010/2011 EXERCÍCIOS RESOLVIDOS - AXONOMETRIA - Ano lectivo 2010/2011 Este documento contém 12 exercícios sobre o tema da representação axonométrica. A resolução dos dois primeiros exercícios está comentada. Os

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 708/6 Págs. Duração da prova: 150 minutos 2007 1.ª FASE PROVA PRÁTICA DE

Leia mais

UARCA-E.U.A.C. Escola Universitária de Artes de Coimbra

UARCA-E.U.A.C. Escola Universitária de Artes de Coimbra GDI - Geometria Descritiva I Exercícios práticos para preparação da frequência de semestre. Objectivos: Estes exercício-tipo, pretendem por um lado apresentar uma minuta, uma definição de exercício-tipo

Leia mais

Prova Prática de Geometria Descritiva A

Prova Prática de Geometria Descritiva A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Prática de Geometria Descritiva A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 708/1.ª Fase Critérios de Classificação 8 Páginas

Leia mais

Geometria Descritiva. Desenho de Sólidos. Departamento de EXPRESSÃO GRÁFICA

Geometria Descritiva. Desenho de Sólidos. Departamento de EXPRESSÃO GRÁFICA Geometria Descritiva Desenho de Sólidos Departamento de EXPRESSÃO GRÁFICA Material elaborado para Disciplina CD014 - Geometria Descritiva do curso de Agronomia pelo Prof Dr. Rossano Silva em março de 2014

Leia mais

Um plano fica definido por duas retas paralelas ou concorrentes.

Um plano fica definido por duas retas paralelas ou concorrentes. 1 3 - ESTUDO DOS PLANOS Um plano fica definido por duas retas paralelas ou concorrentes. 3.1. Traços do plano São as retas de interseção de um plano com os planos de projeção. απ' - traço vertical de (α)

Leia mais

Prova Prática de Geometria Descritiva A pontos

Prova Prática de Geometria Descritiva A pontos EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Prática de Geometria Descritiva A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 708/1.ª Fase Critérios de Classificação 8 Páginas

Leia mais

SÓLIDOS I. Sumário: Manual de Geometria Descritiva - António Galrinho Sólidos I - 1

SÓLIDOS I. Sumário: Manual de Geometria Descritiva - António Galrinho Sólidos I - 1 7 SÓLIDOS I Neste capítulo mostra-se como se representam pirâmides, prismas, cones e cilindros em diferentes circunstâncias, recorrendo ou não a processos auiliares. Mostra-se também como se traçam e determinam

Leia mais

Expressão Gráfica II EXPRESSÃOGRÁFICA. Departamento de. Unidade I - GEOMETRIA DESCRITIVA

Expressão Gráfica II EXPRESSÃOGRÁFICA. Departamento de. Unidade I - GEOMETRIA DESCRITIVA Expressão Gráfica II Unidade I - GEOMETRIA DESCRITIVA Departamento de EXPRESSÃOGRÁFICA Material elaborado por: Profª MSc.Andrea Faria Andrade Curitiba, PR / 2011 I Introdução A Geometria Descritiva (também

Leia mais

Representação de sólidos

Representação de sólidos 110 Representação de sólidos Pirâmides e prismas regulares com base(s) contida(s) em planos verticais ou de topo Desenhe as projecções de uma pirâmide quadrangular regular, situada no 1. diedro e com a

Leia mais

4. Superfícies e sólidos geométricos

4. Superfícies e sólidos geométricos 4. Superfícies e sólidos geométricos Geometria Descritiva 2006/2007 4.1 Classificação das superfícies e sólidos geométricos Geometria Descritiva 2006/2007 1 Classificação das superfícies Linha Lugar das

Leia mais

Manual de. Geometria Descritiva. António Galrinho

Manual de. Geometria Descritiva. António Galrinho Manual de Geometria Descritiva António Galrinho FICHA TÉCNICA Título Manual de Geometria Descritiva Autor António Galrinho Grafismo Do autor Edição 2ª - 2012 APRESENTAÇÃO Este livro apresenta uma compilação

Leia mais

Apostila de Geometria Descritiva. Anderson Mayrink da Cunha GGM - IME - UFF

Apostila de Geometria Descritiva. Anderson Mayrink da Cunha GGM - IME - UFF Apostila de Geometria Descritiva Anderson Mayrink da Cunha GGM - IME - UFF Novembro de 2013 Sumário Sumário i 1 Poliedros e sua Representação 1 1.1 Tipos de Poliedros.............................. 1 1.1.1

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ensino Secundário Ano Letivo 2016/2017

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ensino Secundário Ano Letivo 2016/2017 Apresentação da disciplina: Objetivos, funcionamento e avaliação. 1. Módulo inicial 2. Introdução à Geometria Descritiva Domínios: Socio Afetivo e Cognitivo. Avaliação e sumativa. Lista de material e sua

Leia mais

PERPENDICULARIDADES. Sumário:

PERPENDICULARIDADES. Sumário: 9 PERPENDICULARIDADES Neste capítulo estudam-se as retas e os planos nas suas relações de paralelismo e de perpendicularidade, nas diferentes possibilidades: retas com retas, planos com planos e retas

Leia mais

Capítulo 1 - O Ponto. Capítulo 2 - A Reta

Capítulo 1 - O Ponto. Capítulo 2 - A Reta Capítulo 1 - O Ponto Lista de Exercícios de GD0159 O Ponto, A Reta, O Plano e Métodos Descritivos Professor: Anderson Mayrink da Cunha 1. Represente os pontos (A),..., (F ) em épura, onde (A)[1; 2; 3],

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD COD

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD COD CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 16 outubro de 2012 ) No caso específico da disciplina de Geometria Descritiva do 11º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda

Leia mais

PARALELISMOS. Sumário:

PARALELISMOS. Sumário: 9 PARALELISMOS Neste capítulo estudam-se as rectas e os planos nas suas relações de paralelismo, nas diferentes possibilidades: rectas com rectas, planos com planos e rectas com planos. Mostra-se também

Leia mais

PHA ( ) PHP ( ) Iº DIEDRO: PVI ( ) IIIº DIEDRO:

PHA ( ) PHP ( ) Iº DIEDRO: PVI ( ) IIIº DIEDRO: GEOMETRIA DESCRITIVA UNIDADE 01 GEOMETRIA DESCRITIVA PLANO DE PROJEÇÃO PHA ( ) PHP ( ) Iº DIEDRO: PVS ( ) IIº DIEDRO: PVI ( ) IIIº DIEDRO: LT ( ) IVº DIEDRO: 1 GEOMETRIA DESCRITIVA UNIDADE 01 Linha Terra

Leia mais

MATEMÁTICA A - 12o Ano N o s Complexos - Conjuntos e condições

MATEMÁTICA A - 12o Ano N o s Complexos - Conjuntos e condições MATEMÁTICA A - 1o Ano N o s Complexos - Conjuntos e condições Exercícios de exames e testes intermédios 1. Na figura ao lado, está representado, no plano complexo, um quadrado cujo centro coincide com

Leia mais

Intersecção de duas rectas

Intersecção de duas rectas 3.6. Intersecções Geometria Descritiva 2006/2007 Intersecção de duas rectas É condição necessária e suficiente para que duas rectas sejam concorrentes que as suas projecções homónimas se intersectem sobre

Leia mais

FACULDADE DE ARQUITECTURA DA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA ÁREA CIENTÍFICA DE DESENHO E COMUNICAÇÃO GRUPO DE DISCIPLINAS DE GEOMETRIA

FACULDADE DE ARQUITECTURA DA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA ÁREA CIENTÍFICA DE DESENHO E COMUNICAÇÃO GRUPO DE DISCIPLINAS DE GEOMETRIA FACULDADE DE ARQUITECTURA DA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA ÁREA CIENTÍFICA DE DESENHO E COMUNICAÇÃO GRUPO DE DISCIPLINAS DE GEOMETRIA MÚLTIPLA PROJECÇÃO ORTOGONAL (exercícios resolvidos) 2006 EXERCÍCIOS

Leia mais

Exercícios de testes intermédios

Exercícios de testes intermédios Exercícios de testes intermédios 1. Na figura abaixo, está representado, num referencial o.n. Oxyz, o cubo [OPQRSTUV] de aresta 2. Os pontos, P, R e T pertencem aos semieixos positivos. Numa das opções

Leia mais

FAMEBLU Arquitetura e Urbanismo

FAMEBLU Arquitetura e Urbanismo FAMEBLU Arquitetura e Urbanismo Disciplina GEOMETRIA DESCRITIVA APLICADA A ARQUITETURA 1 Aula 8: Revisão Geral Exercícios Professor: Eng. Daniel Funchal, Esp. Revisão PLANOS Um plano pode ser determinado

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS - SUPERFÍCIES - Ano lectivo 2010/2011

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS - SUPERFÍCIES - Ano lectivo 2010/2011 EXERCÍCIOS RESOLVIDOS - SUPERFÍCIES - Ano lectivo 2010/2011 Este documento contém um conjunto de exercícios resolvidos sobre o tema das superfícies. Os exercícios foram retirados de provas de frequências

Leia mais

In: Campo Sujeito e Representação no Ensino e na Prática do Desenho/Projecto

In: Campo Sujeito e Representação no Ensino e na Prática do Desenho/Projecto CCAH/UMa ProvasdeAdmissãoaoEnsinoSuperiorparaMaioresde23anos ProvadeAvaliaçãodeDesenhoeGeometriaDescritiva 14:Junho:2012 Duraçãodaprova:120minutos(60+60) Módulo:DESENHO Oqueinteressaretercomoconhecimentooperatórioéavalênciado

Leia mais

3. Representação diédrica de pontos, rectas e planos

3. Representação diédrica de pontos, rectas e planos 3. Representação diédrica de pontos, rectas e planos Geometria Descritiva 2006/2007 Geometria de Monge Utilizam-se simultaneamente dois sistemas de projecção paralela ortogonal. Os planos de projecção

Leia mais

GDC I AULA TEÓRICA 07

GDC I AULA TEÓRICA 07 GDC I AULA TEÓRICA 07 Perspectiva linear de quadro plano: - Determinação de pontos de fuga de direcções de figuras planas contidas em orientações (dadas) ortogonais e oblíquas ao quadro. - O rebatimento

Leia mais

DISTÂNCIAS. Sumário: Manual de Geometria Descritiva - António Galrinho Distâncias - 1

DISTÂNCIAS. Sumário: Manual de Geometria Descritiva - António Galrinho Distâncias - 1 11 DISTÂNCIAS Neste capítulo estuda-se uma das partes dos Problemas Métricos (a outra é o capítulo Ângulos). Apresentam-se as várias possibilidades de conjugar pontos, rectas e planos e mostra-se como

Leia mais

Geometria Descritiva Mudança de Planos Introdução

Geometria Descritiva Mudança de Planos Introdução Mudança de Planos Introdução As projecções de uma figura só representam as suas verdadeiras grandezas se essa figura está contida num plano paralelo aos planos projectantes. Caso contrário as projecções

Leia mais

❷ Uma recta e um ponto exterior à recta definem um e um só plano.

❷ Uma recta e um ponto exterior à recta definem um e um só plano. Uma resolução da Ficha de Trabalho (10.º Ano) POSIÇÕES RELATIVAS, PERSPECTIVAS, CORTES. 1. FORMAS DE DEFINIR UM PLANO: ❶ Três pontos não colineares definem um e um só plano. ❷ Uma recta e um ponto exterior

Leia mais

PERPENDICULARIDADES. Sumário:

PERPENDICULARIDADES. Sumário: 10 PERPENDICULARIDADES Neste capítulo estudam-se as rectas e os planos nas suas relações de perpendicularidade, nas diferentes possibilidades: rectas com rectas, planos com planos e rectas com planos.

Leia mais

Geometria Descritiva Básica (Versão preliminar)

Geometria Descritiva Básica (Versão preliminar) Geometria Descritiva Básica (Versão preliminar) Prof. Carlos Kleber 5 de novembro de 2008 1 Introdução O universo é essencialmente tridimensonal. Mas nossa percepção é bidimensional: vemos o que está à

Leia mais

GEOMETRIA DESCRITIVA A

GEOMETRIA DESCRITIVA A GEOMETRIA DESCRITIVA A 10.º Ano Sólidos I - Poliedros antónio de campos, 2010 GENERALIDADES - Sólidos O sólido geométrico é uma forma limitada por porções de superfícies, O sólido geométrico é uma forma

Leia mais

Prova Prática de Geometria Descritiva A. Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância: 30 minutos pontos

Prova Prática de Geometria Descritiva A. Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância: 30 minutos pontos Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Prática de Geometria Descritiva A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 708/2.ª Fase 7 Páginas Duração da Prova: 150 minutos.

Leia mais

Prova Prática de Geometria Descritiva A. Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância: 30 minutos

Prova Prática de Geometria Descritiva A. Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância: 30 minutos EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Prática de Geometria Descritiva A 11.º/ 12.º anos de Escolaridade Prova 708/1.ª Fase 7 Páginas Duração da Prova: 150 minutos.

Leia mais

Exercícios de exames e provas oficiais

Exercícios de exames e provas oficiais mata Exercícios de exames e provas oficiais. Na figura, está representado, no plano complexo, um quadrado cujo centro coincide com a origem e em que cada lado é paralelo a um eixo. Os vértices deste quadrado

Leia mais

Tarefa nº_ 2.2. (A) Um ponto (B) Uma reta (C) Um plano (D) Nenhuma das anteriores

Tarefa nº_ 2.2. (A) Um ponto (B) Uma reta (C) Um plano (D) Nenhuma das anteriores Tarefa nº_. MATEMÁTICA Geometria Nome: 11º Ano Data / / 1. Num referencial o.n. Oxyz, qual das seguintes condições define uma recta paralela ao eixo Oz? (A) x = y = 1 (C) z = 1 (B) (x, y, z) = (1,,0) +

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho Mecânico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato

Desenho Técnico. Desenho Mecânico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Desenho Técnico Desenho Mecânico Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Introdução O desenho, para transmitir o comprimento, largura e altura, precisa recorrer a um modo especial de representação gráfica:

Leia mais

1. SISTEMA DE PROJEÇÕES

1. SISTEMA DE PROJEÇÕES Expressão Gráfica I 1 Desde a pré-história o homem já defrontou-se com o problema de representar em um só plano. O desenho assumiu a função simbólica, mística (os povos primitivos representavam em cavernas

Leia mais

Curso Científico-Humanístico de Artes Visuais - Ensino Secundário

Curso Científico-Humanístico de Artes Visuais - Ensino Secundário ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA - ANO LECTIVO 2014/2015 DEPARTMENTO DE EXPRESSÕES GRUPO 600 Planificação Anual Geometria Descritiva A 10º Ano Curso Científico-Humanístico de Artes Visuais - Ensino Secundário

Leia mais

Escola Secundária de Francisco Franco Matemática 12.º ano Números Complexos - Exercícios saídos em (Exames Nacionais 2000)

Escola Secundária de Francisco Franco Matemática 12.º ano Números Complexos - Exercícios saídos em (Exames Nacionais 2000) Mais exercícios de.º ano: www.prof000.pt/users/roliveira0/ano.htm Escola Secundária de Francisco Franco Matemática.º ano Números Complexos - Exercícios saídos em (Exames Nacionais 000). Seja C o conjunto

Leia mais

Geometria Descritiva. Alfabeto do Plano:

Geometria Descritiva. Alfabeto do Plano: Geometria Descritiva Alfabeto do Plano: Posição de um plano em relação aos: Planos projectantes - Paralelo - perpendicular a um só plano - perpendicular aos dois planos Planos não projectantes: Retas contidas

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA. Geometria Descritiva A 10º Ano Artes Visuais Curso Científico - Humanísticos do Ensino Secundário

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA. Geometria Descritiva A 10º Ano Artes Visuais Curso Científico - Humanísticos do Ensino Secundário PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Escola Secundária Campos de Melo Geometria Descritiva A 10º Ano Artes Visuais Curso Científico - Humanísticos do Ensino Secundário Professor: Ana Fidalgo Ano letivo 2011/2012

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II

COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENO NOVO II Terceira projeção da reta de perfil Determinação dos traços Pertinência de ponto à reta de perfil - 2º no do Ensino Médio Prof a. Soraya Coord. Prof. JORGE MRCELO

Leia mais

Prova Prática de Geometria Descritiva A. Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância: 30 minutos pontos

Prova Prática de Geometria Descritiva A. Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância: 30 minutos pontos Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Prática de Geometria Descritiva A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 708/1.ª Fase 6 Páginas Duração da Prova: 150 minutos.

Leia mais

Profº Luiz Amiton Pepplow, M. Eng. DAELT - UTFPR

Profº Luiz Amiton Pepplow, M. Eng. DAELT - UTFPR Fonte:http://www.bibvirt.futuro.usp.br/textos/didaticos_e_tematicos/telecurso_2000_cursos_profissio nalizantes/telecurso_2000_leitura_e_interpretacao_de_desenho_tecnico_mecanico Telecurso 2000 - Leitura

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS - PERSPECTIVA - Ano lectivo 2010/2011

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS - PERSPECTIVA - Ano lectivo 2010/2011 EXERCÍCIOS RESOLVIDOS - PERSPECTIV - no lectivo 2010/2011 Este documento contém um conjunto de exercícios resolvidos sobre o tema da perspectiva. Os exercícios foram retirados de provas de frequências

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

REGRAS GERAIS DE GEOMETRIA DESCRITIVAII 2010

REGRAS GERAIS DE GEOMETRIA DESCRITIVAII 2010 1 Isabel coelho 20. SECÇÕES PLANAS 20.1 Secções planas em poliedros 20.1.2 Secções planas produzidas por planos paralelos aos planos das bases A figura da secção será paralela à figura da base. Identificar

Leia mais

Geometria Analítica - AFA

Geometria Analítica - AFA Geometria Analítica - AFA x = v + (AFA) Considerando no plano cartesiano ortogonal as retas r, s e t, tais que (r) :, (s) : mx + y + m = 0 e (t) : x = 0, y = v analise as proposições abaixo, classificando-

Leia mais

Poliedros 1 ARESTAS FACES VERTICES. Figura 1.1: Elementos de um poliedro

Poliedros 1 ARESTAS FACES VERTICES. Figura 1.1: Elementos de um poliedro Poliedros 1 Os poliedros são sólidos cujo volume é definido pela interseção de quatro ou mais planos (poli + edro). A superfície poliédrica divide o espaço em duas regiões: uma região finita, que é a parte

Leia mais

4.6 Sombras de sólidos geométricos

4.6 Sombras de sólidos geométricos 4.6 Sombras de sólidos geométricos Geometria Descritiva 2006/2007 Sombras de sólidos geométricos Os corpos opacos produzem sombras quando expostos a uma fonte luminosa Fonte luminosa A posição da fonte

Leia mais

Estas notas de aulas são destinadas a todos aqueles que desejam ter. estudo mais profundo.

Estas notas de aulas são destinadas a todos aqueles que desejam ter. estudo mais profundo. Geometria Descritiva Prof. Sérgio Viana Estas notas de aulas são destinadas a todos aqueles que desejam ter um conhecimento básico de Geometria Descritiva, para um posterior estudo mais profundo. GEOMETRIA

Leia mais

Plano Curricular de Matemática 6ºAno - 2º Ciclo

Plano Curricular de Matemática 6ºAno - 2º Ciclo Plano Curricular de Matemática 6ºAno - 2º Ciclo Domínio Conteúdos Metas Nº de Tempos Previstos Numeros e Operações Geometria Números naturais - Números primos; - Crivo de Eratóstenes; - Teorema fundamental

Leia mais

MATÉRIAS SOBRE QUE INCIDIRÁ CADA UMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

MATÉRIAS SOBRE QUE INCIDIRÁ CADA UMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MATÉRIAS SOBRE QUE INCIDIRÁ CADA UMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Prova de: GEOMETRIA DESCRITIVA Conteúdos: 1.1 Ponto 1.2 Recta 1.3 Posição relativa de duas rectas: - complanares - paralelas

Leia mais

a média de gols da primeira rodada, M G a média de gols das duas primeiras rodadas e x o número de gols da segunda rodada, tem-se 15 + x 15 M G

a média de gols da primeira rodada, M G a média de gols das duas primeiras rodadas e x o número de gols da segunda rodada, tem-se 15 + x 15 M G MATEMÁTICA O número de gols marcados nos 6 jogos da primeira rodada de um campeonato de futebol foi 5,,,, 0 e. Na segunda rodada, serão realizados mais 5 jogos. Qual deve ser o número total de gols marcados

Leia mais

PROJECÇÃO DE SÓLIDOS

PROJECÇÃO DE SÓLIDOS PROJECÇÃO DE SÓLIDOS I- GENERALIDADES 1- BREVES NOÇÕES SOBRE SUPERFÍCIES 1.1- Noção Uma superfície pode definir-se como sendo o lugar geométrico gerado por uma linha (geratriz) que se desloca, segundo

Leia mais

Geometria Descritiva 28/08/2012. Elementos Primitivos da Geometria

Geometria Descritiva 28/08/2012. Elementos Primitivos da Geometria Geometria Descritiva Prof. Luiz Antonio do Nascimento ladnascimento@gmail.com www.lnascimento.com.br A Geometria, como qualquer outra ciência, fundamenta-se em observações e experiências para estabelecer

Leia mais

Soluções do Capítulo 8 (Volume 2)

Soluções do Capítulo 8 (Volume 2) Soluções do Capítulo 8 (Volume 2) 1. Não. Basta considerar duas retas concorrentes s e t em um plano perpendicular a uma reta r. As retas s e t são ambas ortogonais a r, mas não são paralelas entre si.

Leia mais

TESTE DE LÓGICA, ÁLGEBRA E GEOMETRIA 10.º ANO

TESTE DE LÓGICA, ÁLGEBRA E GEOMETRIA 10.º ANO TESTE DE LÓGICA, ÁLGEBRA E GEOMETRIA 10.º ANO NOME: N.º: TURMA: ANO LETIVO: / DATA: / / DURAÇÃO DO TESTE: 90 MINUTOS O teste é constituído por dois grupos. O Grupo I é constituído por itens de seleção

Leia mais

SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS

SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS 1 CONCEITOS GERAIS RELATIVOS A GEOMETRIA 1. O ponto, como elemento visual, é uma mancha pequena, de forma mais ou menos circular e de dimensões variáveis. O ponto, como

Leia mais

AULA SISTEMA DE PROJEÇÃO

AULA SISTEMA DE PROJEÇÃO 1 É a parte da matemática aplicada que tem por finalidade representar sobre um plano as figuras do espaço de modo que seja possível resolver por geometria os problemas de três dimensões SISTEMAS PROJETIVOS

Leia mais

MATEMÁTICA - 3o ciclo Posição relativa de retas e planos (9 o ano) Propostas de resolução

MATEMÁTICA - 3o ciclo Posição relativa de retas e planos (9 o ano) Propostas de resolução MTMÁT - 3o ciclo Posição relativa de retas e planos (9 o ano) Propostas de resolução xercícios de provas nacionais e testes intermédios 1. nalisando as quatro retas indicadas podemos ver que a reta é paralela

Leia mais

às definições da geometria euclidiana relativas ao ângulo de uma recta com um plano e ao ângulo de ( Distancias)

às definições da geometria euclidiana relativas ao ângulo de uma recta com um plano e ao ângulo de ( Distancias) 11º ANO DESENVOLVIMENTO 3.11 Paralelismo de rectas e de planos 3.12 Perpendicularidade de rectas e de planos Nº AULAS (90 Min.) 2 5 SUGESTÕES METODOLÓGICAS Sugere-se que, através da simulação das situações

Leia mais

1. Quantos são os planos determinados por 4 pontos não coplanares?justifique.

1. Quantos são os planos determinados por 4 pontos não coplanares?justifique. Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Disciplina: Geometria euclidiana espacial (GMA010) Assunto: Paralelisno e Perpendicularismo; Distância e Ângulos no Espaço. Prof. Sato 1 a Lista

Leia mais

Aula 4 Leitura e Interpretação de Desenhos Pearson Education do Brasil. Todos os direitos reservados.

Aula 4 Leitura e Interpretação de Desenhos Pearson Education do Brasil. Todos os direitos reservados. Aula 4 Leitura e Interpretação de Desenhos slide 1 reservados. Definição e Pré- Requisitos Ler um desenho significa entender a forma espacial do objeto representado O principal pré-requisito para fazer

Leia mais

Escola Naval 2010 ( ) ( ) 8 ( ) 4 ( ) 4 (

Escola Naval 2010 ( ) ( ) 8 ( ) 4 ( ) 4 ( Escola Naval 0 1. (EN 0) Os gráficos das funções reais f e g de variável real, definidas por f(x) = x e g(x) = 5 x interceptam-se nos pontos A = (a,f(a)) e B = (b,f(b)), a b. Considere os polígonos CAPBD

Leia mais

REVISÃO FUVEST Ensino Médio Geometria Prof. Sérgio Tambellini

REVISÃO FUVEST Ensino Médio Geometria Prof. Sérgio Tambellini REVISÃO FUVEST Ensino Médio Geometria Prof. Sérgio Tambellini Aluno :... Questão 1 - (FUVEST SP/014) GEOMETRIA PLANA Uma das piscinas do Centro de Práticas Esportivas da USP tem o formato de três hexágonos

Leia mais

Exercícios de Matemática Geometria Analítica

Exercícios de Matemática Geometria Analítica Eercícios de Matemática Geometria Analítica. (UFRGS) Considere um sistema cartesiano ortogonal e o ponto P(. ) de intersecção das duas diagonais de um losango. Se a equação da reta que contém uma das diagonais

Leia mais

SOMBRAS II. Sumário: Manual de Geometria Descritiva - António Galrinho Sombras II - 1

SOMBRAS II. Sumário: Manual de Geometria Descritiva - António Galrinho Sombras II - 1 14 SOMBRAS II Neste capítulo mostra-se como se determinam sombras próprias e projetadas de sólidos sobre os planos de projeção, nomeadamente de pirâmides, prismas, cones e cilindros. Sumário: 2. Sombras

Leia mais

PARALELISMOS E PERPENDICULARIDADES

PARALELISMOS E PERPENDICULARIDADES 7 PARALELISMOS E PERPENDICULARIDADES Neste capítulo estudam-se as rectas e os planos nas suas relações de paralelismo e de perpendicularidade, nas diferentes possibilidades: rectas com rectas, planos com

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 02 Projeção, vistas, diedros. Desenho Técnico Mecânico I

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 02 Projeção, vistas, diedros. Desenho Técnico Mecânico I DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Aula 02 Projeção, vistas, diedros PROJEÇÕES Utiliza-se de projeções para comunicar a forma de um desenho 3D (três dimensões) em uma folha de papel (2D duas dimensões). São envolvidos

Leia mais

DESENHO TÉCNICO I - EM

DESENHO TÉCNICO I - EM DESENHO TÉCNICO I - EM Conteúdo teórico e referência para os exercícios práticos extraídos da publicação: Desenho Técnico Básico - Fundamentos teóricos e exercícios à mão livre, Volumes I e II. José Carlos

Leia mais

Na forma reduzida, temos: (r) y = 3x + 1 (s) y = ax + b. a) a = 3, b, b R. b) a = 3 e b = 1. c) a = 3 e b 1. d) a 3

Na forma reduzida, temos: (r) y = 3x + 1 (s) y = ax + b. a) a = 3, b, b R. b) a = 3 e b = 1. c) a = 3 e b 1. d) a 3 01 Na forma reduzida, temos: (r) y = 3x + 1 (s) y = ax + b a) a = 3, b, b R b) a = 3 e b = 1 c) a = 3 e b 1 d) a 3 1 0 y = 3x + 1 m = 3 A equação que apresenta uma reta com o mesmo coeficiente angular

Leia mais

1. Encontre a equação das circunferências abaixo:

1. Encontre a equação das circunferências abaixo: Nome: nº Professor(a): Série: 2ª EM. Turma: Data: / /2013 Nota: Sem limite para crescer Exercícios de Matemática II 2º Ano 2º Trimestre 1. Encontre a equação das circunferências abaixo: 2. Determine o

Leia mais

MATEMÁTICA MÓDULO 13 FUNDAMENTOS 1. INTRODUÇÃO 1.1. POSTULADOS PRINCIPAIS 1.2. DETERMINAÇÃO DO PLANO. Conceitos primitivos: ponto, reta e plano.

MATEMÁTICA MÓDULO 13 FUNDAMENTOS 1. INTRODUÇÃO 1.1. POSTULADOS PRINCIPAIS 1.2. DETERMINAÇÃO DO PLANO. Conceitos primitivos: ponto, reta e plano. FUNDAMENTOS 1. INTRODUÇÃO Conceitos primitivos: ponto, reta e plano. 1.1. POSTULADOS PRINCIPAIS Dois pontos distintos determinam uma única reta que passa por eles. Três pontos não colineares determinam

Leia mais

INTRODUÇÃO À TEORIA DAS PROJEÇÕES ORTOGONAIS

INTRODUÇÃO À TEORIA DAS PROJEÇÕES ORTOGONAIS INTRODUÇÃO À TEORIA DAS PROJEÇÕES ORTOGONAIS (Método Mongeano estudo do Ponto, Reta, Plano e representação em Épuras) Conteúdo teórico e referência para os exercícios práticos extraídos da publicação:

Leia mais

Exercícios de testes intermédios

Exercícios de testes intermédios Exercícios de testes intermédios 1. Na figura abaixo, está representado um triângulo equilátero [ABC]. Seja a o comprimento de cada um dos lados do triângulo. Seja M o ponto médio do lado [BC]. Mostre

Leia mais

Prova de Avaliação de Desenho e Geometria Descritiva. Módulo : DESENHO. Tradução do modelo

Prova de Avaliação de Desenho e Geometria Descritiva. Módulo : DESENHO. Tradução do modelo CCAH/UMa ProvasdeAdmissãoaoEnsinoSuperiorparaMaioresde23anos ProvadeAvaliaçãodeDesenhoeGeometriaDescritiva 17:Junho:2011 Duraçãodaprova:120minutos(60+60) Módulo:DESENHO Uma vez que uma impressão é registada

Leia mais

Cidália Fonte Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra

Cidália Fonte Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra 1. Introdução Geometria Descritiva 2006/2007 Geometria Descritiva Programa 1. Introdução 2. Projecções 2.1 Sistemas de projecção plana 2.2 Propriedades das projecções cónicas e cilíndricas 2.3 Métodos

Leia mais

3.5 Posições relativas

3.5 Posições relativas 3.5 Posições relativas Geometria Descritiva 2006/2007 Paralelismo Paralelismo de duas rectas É condição necessária e suficiente para que duas rectas, não de perfil, sejam paralelas que as suas projecções

Leia mais