Suporte Básico de Vida. European Resuscitation Council

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Suporte Básico de Vida. European Resuscitation Council"

Transcrição

1 Suporte Básico de Vida

2 Objectivos No fim deste curso deverá conseguir: Abordar a vítima inconsciente. Executar compressões torácicas e ventilação boca-a-boca/nariz/nariz e boca. Colocar a vítima inconsciente em PLS.

3 Adulto

4 Introdução Aproximadamente PCR por ano na Europa (em ambiente civil) Sobrevivência à chegada ao Hospital ronda os 5%-10% SBV precoce por leigos aumenta esperança de sobrevivência, ocorrendo em apenas 1% dos casos em Portugal Ressuscitação e desfibrilhação precoce (1-2 min) podem aumentar a taxa de sobrevivência em >60%

5 Cadeia de Sobrevivência -Prevenção, Reconhecimento e pedido de ajuda -SBV precoce -Desfibrilhação Precoce -Cuidados pós-paragem

6 Condições de Segurança Verificar Resposta Gritar por Ajuda Perm. Via Aérea Verificar Ventilação Ligar compressões torácicas 2 insuflações

7 Condições de Segurança Local Socorrista Vítima Mirones Condições de Segurança Verificar Resposta Gritar por ajuda Perm. via aérea Verificar Ventilação Ligar compressões torácicas 2 insuflações

8 Verificar Resposta Condições de Segurança Verificar Resposta Gritar por ajuda Perm. via aérea Verificar Ventilação Ligar compressões torácicas 2 insuflações

9 Verificar Resposta Abanar ombros gentilmente Perguntar Está-me a ouvir? Está tudo bem? Se responde: Não deslocar a vítima. Descobrir o que se passou e agir como tal. Reavaliar frequentemente.

10 Gritar por ajuda Condições de Segurança Verificar Resposta Gritar por ajuda Perm. via aérea Verificar Ventilação Ligar compressões torácicas 2 insuflações

11 Permeabilizar Via Aérea Condições de Segurança Verificar Resposta Gritar por ajuda Perm. via aérea Verificar Ventilação Ligar compressões torácicas 2 insuflações

12 Permeabilizar Via Aérea

13 Permeabilizar Via Aérea

14 Verificar Ventilação Condições de Segurança Verificar Resposta Gritar por ajuda Perm. via aérea Verificar Ventilação Ligar compressões torácicas 2 insuflações

15 Verificar Ventilação Ver movimentos torácicos, Ouvir a passagem do ar e Sentir o ar na sua face. Não confundir gasping (ventilação irregular, arfante, e espaçada) com ventilação normal.

16 Gasping Pode ocorrer após Paragem Cardíaca em até 40% dos doentes Descrita como ventilação ruidosa, arfante, pesada. Reconhecer como sinal de PCR!

17 Condições de Segurança Verificar Resposta Gritar por ajuda Perm. via aérea Verificar Ventilação Ligar compressões torácicas 2 insuflações

18 30 compressões torácicas Condições de Segurança Verificar Resposta Gritar por ajuda Perm. via aérea Verificar Ventilação Ligar compressões torácicas 2 insuflações

19 Compressões Torácicas Colocar base da mão no centro do tórax Colocar outra mão no topo da 1ª. Entrecruzar dedos Comprimir o tórax Rítmo 100 min -1 Profundidade 4-5 cm Compressão = Descanso

20 Compressões Torácicas Sempre que possível mudar socorrista em cada 2 min (5 ciclos). SBV (compressões e ventilações) apenas deve ser feito por um socorrista de cada vez, trocando aos 2 minutos. Evitar divisão de tarefas.

21 Compressões Torácicas ATENÇÃO: Técnica aqui demonstrada está incorrecta. Serve apenas para perceber os efeitos da compressão e a posição do coração em relação ao ponto de compressão

22 Compressões Torácicas Notar que: Compressões torácicas = Compressões cardíacas externas. Massagem cardíaca = Compressões cardíacas internas (involvem toracotomia).

23 Insuflações Condições de Segurança Verificar Resposta Gritar por ajuda Perm. via aérea Verificar Ventilação Ligar compressões torácicas 2 insuflações

24 Insuflações Pinçar o nariz Inspirar normalmente Colocar lábios sobre a boca da vítima Soprar até haver elevação torácica 1 segundo de insuflação Deixar tórax retrair Repetir

25 CONTINUAR SBV 30 2

26 Condições de Segurança Verificar Resposta Gritar por ajuda Perm. via aérea Verificar Ventilação Ligar compressões torácicas 2 insuflações

27 Pediátrico

28 Introdução Muitas vezes crianças não são socorridas pois os adultos têm medo de causar danos. PCR é secundária, sucedendo insuficiência ventilatória ou acidose. Três definições: Bebé: Até 1 ano Criança: Até puberdade Adulto: A partir da puberdade. Em caso de dúvida entre Criança/Adulto pode ser feito algoritmo de criança, uma vez que em caso de engano pouco mal será feito

29 Verificar Ventilação Condições de Segurança Verificar Resposta Gritar por ajuda Perm. via aérea Verificar Ventilação 5 insulações 1 min de SBV Ligar : 2

30 Verificar Ventilação Se não respira normalmente, retirar objectos estranhos que estejam evidentes.

31 5 Insuflações de Socorro Condições de Segurança Verificar Resposta Gritar por ajuda Perm. via aérea Verificar Ventilação 5 insulações Verificar Circulação 1 min de SBV Ligar 112 / 30:2

32 5 Insuflações de Socorro Extensão de Via Aérea Pinçar o nariz Abrir ligeiramente a boca e colocar os lábios ao redor da boca da vítima. Soprar por 1-1,5s Mantendo extensão, retirar boca. Repetir 5 vezes

33 5 Insuflações de Socorro Cabeça em posição Neutra, elevar mento. Inspirar e colocar os lábios ao redor da boca e nariz Soprar durante 1-1,5s apenas o suficiente para ser perceptível expansão do tórax. Mantendo posição, retirar boca. Repetir 5 vezes

34 Procurar por sinais de circulação, como movimentos, tosse ou ventilação normal. Verificar pulso (se profissional de saúde) - Crianças: Carotídeo - Bebés: Úmeral Verificar Circulação Condições de Segurança Verificar Resposta Gritar por ajuda Perm. via aérea Verificar Ventilação 5 insulações Verificar Circulação 1 min de SBV Ligar 112 / 30:2

35 1 Minuto de SBV Condições de Segurança Verificar Resposta Gritar por ajuda Perm. via aérea Verificar Ventilação 5 insulações Verificar Circulação 1 min de SBV Ligar 112 / 30:2

36 1 min de SBV Ritmo 30:2. 1/3 inferior do externo ou 1 dedo acima da apófise xifóide. Depressão de 1/3 do tórax Crianças: 1 ou 2 mãos. Técnica semelhante à do adulto

37 1 min de SBV Bebés: Comprimir com a ponta do indicador e médio, como se vê na figura

38 Ligar 112 / 30:2 Condições de Segurança Verificar Resposta Gritar por ajuda Perm. via aérea Verificar Ventilação 5 insulações Verificar Circulação 1 min de SBV Ligar 112 / 30:2

39 Ligar 112 Colapso de origem cardíaca que necessitará desfibrilhação Se possível, pedir a alguém para ligar 112 enquanto se inicia SBV. Se o socorrista estiver sozinho, ligar 112 apenas nesta fase carregando a criança para junto do telefone se possível e necessário. Não iniciar SBV se o socorrista testemunhar um colapso repentino: pedir ajuda o mais rapidamente possível

40 CONTINUAR SBV 30 2

41 POSIÇÃO LATERAL DE SEGURANÇA

42 Em Emergência Manter Material de SBV funcional, limpo e saber exactamente onde se encontra. Fora da viatura: Manter rigorosa vigilância das funções vitais da vítima; Em vítimas evidentemente instáveis, durante transferência local/maca (por exemplo em lona), vigiar permanentemente a ventilação, parando se necessário; Em caso de PCR, colocar a vítima num local duro e seco, preferencialmente o chão; Se for impossível a passagem para o chão, colocar um plano duro por baixo da vítima. Não transportar a vítima sem ordem para tal;

43 Em Emergência Na viatura: Manter controlo rigoroso das funções vitais; Manter o material acessível Em caso de PCR: Imediatamente deslocar a maca para o centro da viatura; Colocar o plano duro por baixo da vítima; Um socorrista prepara o AMBU enquanto o outro executa as primeiras 30 compressões; Transportar LENTAMENTE (20km/h será uma velocidade a considerar!) evitando trepidações, que, juntamente com o esforço do SBV, podem danificar a maca e diminuem a eficácia das próprias compressões.

44 DÚVIDAS? COMENTÁRIOS?

SUPORTE BÁSICO DE VIDA

SUPORTE BÁSICO DE VIDA SUPORTE BÁSICO DE VIDA INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO No final da acção devem conseguir demonstrar: Como abordar uma vitima inconsciente. Como realizar Compressões é Insuflações. Como colocar uma vitima inconsciente

Leia mais

PARADA CARDÍACA PARADA CARDÍACA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA CADEIA DE SOBREVIVENCIA

PARADA CARDÍACA PARADA CARDÍACA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA CADEIA DE SOBREVIVENCIA PARADA CARDÍACA... é a cessação súbita e inesperada da atividade mecânica ventricular útil e suficiente, em pessoas sem moléstia incurável e irreversível. " DISCIPLINA: URGÊNCIA E EMERGÊNCIA PARADA CARDÍACA

Leia mais

OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO (OVACE)

OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO (OVACE) OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO (OVACE) Lucimar Aparecida Françoso Definições: Lactente ou bebê: menor de um ano de idade Criança: de um ano até antes do início da puberdade (detectado na

Leia mais

Suporte Básico de Vida. Suporte Básico de Vida. Suporte Básico de Vida. Suporte Básico de Vida. Suporte Básico de Vida

Suporte Básico de Vida. Suporte Básico de Vida. Suporte Básico de Vida. Suporte Básico de Vida. Suporte Básico de Vida Objectivos : Reconhecer Paragem Respiratória Reconhecer Paragem Cardíaca Identificar elos da Cadeia Sobrevivência Algoritmo Oxigenação Paragem Respiratória Paragem Cardíaca Morte Cerebral Morte Súbita

Leia mais

Manual do Curso de Suporte Básico de Vida

Manual do Curso de Suporte Básico de Vida Manual do Curso de Suporte Básico de Vida Nelson Coimbra nkoimbra@gmail.com Rui Coelho enfcoelho@gmail.com Junho 2013 Activação dos Serviços de Emergência Em caso de doença súbita ou acidente ligue 112.

Leia mais

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS)

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) UNIDADE: 10 PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA - PCR TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) MODALIDADE: ONLINE 10.0 Introdução O estado de choque se caracteriza pela falta de circulação

Leia mais

Capítulo Suporte Básico de Vida 5 Pediátrico

Capítulo Suporte Básico de Vida 5 Pediátrico Capítulo Suporte Básico de Vida 5 Pediátrico 1. OBJETIVOS No final desta unidade modular os formandos deverão ser capazes de: Compreender as particularidades anatómicas e fisiológicas das crianças que

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS COM SUPORTE

PRIMEIROS SOCORROS COM SUPORTE PRIMEIROS SOCORROS COM SUPORTE BáSICO DE VIDA E DAE CERTIFICAçãO AHA E INEM (JUL 2016) PORTO "Primeiros Socorros com Suporte Básico de Vida e DAE é um curso rigoroso e testado, que contém a componente

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS COM SUPORTE

PRIMEIROS SOCORROS COM SUPORTE PRIMEIROS SOCORROS COM SUPORTE BáSICO DE VIDA E DAE CERTIFICAçãO AHA E INEM (FEV 2016) PORTO "Primeiros Socorros com Suporte Básico de Vida e DAE é um curso rigoroso, testado e certificado pela American

Leia mais

Urgência e Emergência

Urgência e Emergência 1/31/17 Urgência e Emergência Hemorragias e PCR 1. (AOCP EBSERH 2015) Fibrilação Ventricular, Taquicardia Ventricular sem pulso, Atividade Elétrica sem pulso e assistolia são mecanismos considerados modalidades

Leia mais

12/04/2011. O que mata mais rápido em ordem de prioridade é:

12/04/2011. O que mata mais rápido em ordem de prioridade é: Regras Básicas de Primeiros Socorros Análise Primária Prof. Carlos Cezar I. S. Ovalle Frente ao acidente, não se desespere. Não movimente o paciente, salvo quando for absolutamente necessário. Use barreiras:

Leia mais

É a aspiração de líquido não corporal causada por submersão ou imersão.

É a aspiração de líquido não corporal causada por submersão ou imersão. É a aspiração de líquido não corporal causada por submersão ou imersão. Sinais e sintomas: Em um quadro geral pode haver hipotermia, náuseas, vômito, distensão abdominal, tremores, cefaléia, mal estar,

Leia mais

VIII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Desfibrilador externo automático (DEA)

VIII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Desfibrilador externo automático (DEA) VIII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Desfibrilador externo automático (DEA) Resumo: Gabriel Rodrigues de Mendonça e-mail: gabriel_enfermagem@hotmail.com Adélia Maria

Leia mais

O que fazer quando seu bebê engasgar

O que fazer quando seu bebê engasgar O que fazer quando seu bebê engasgar? + Esta cartilha destina-se a todas as pessoas, em especial mães, pais e familiares de crianças menores de 1 ano de idade. Qualquer criança corre o risco de engasgar

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Manhã - 8:00 às 14:00 INVESTIMENTO

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Manhã - 8:00 às 14:00 INVESTIMENTO SUPORTE BáSICO DE VIDA (SBV) E DAE CERTIFICAçãO AHA E INEM (FEV 2017) - PORTO "Suporte Básico de Vida e DAE é um curso rigoroso e testado, certificado pela American Heart Association (AHA) e pelo Instituto

Leia mais

Sobre o conhecimento de primeiros socorros dos condutores:

Sobre o conhecimento de primeiros socorros dos condutores: Sobre o conhecimento de primeiros socorros dos condutores: Os automóveis clubes e as Sociedades Nacionais da Cruz Vermelha de 14 países da União Europeia promoveram em conjunto um inquérito sobre o conhecimento

Leia mais

RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR

RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR Conceito de PCR : interrupção súbita da atividade mecânica cardíaca. É a falência cardio-pulmonar aguda que torna insuficiente o fluxo sangüíneo para manter a função cerebral.

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. Estudando os Pontos. 4º Iniciar as compressões, com 1 ou 2 socorristas para Ad e Adol 30:2;

PRIMEIROS SOCORROS. Estudando os Pontos. 4º Iniciar as compressões, com 1 ou 2 socorristas para Ad e Adol 30:2; Edis Rodriguês Emergência Pré-Hospitalares PRIMEIROS SOCORROS Diretrizes criadas para os profissionais que executam a RCP e ACE. O Guidelines 2015 para RCP e ACE, foi revisado por 250 pessoas de 39 países.

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE GUARDA VIDAS REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO EXIGÊNCIAS PARA CONFIRMAÇÃO NO CURSO

CURSO PROFISSIONAL DE GUARDA VIDAS REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO EXIGÊNCIAS PARA CONFIRMAÇÃO NO CURSO EXIGÊNCIAS PARA CONFIRMAÇÃO NO CURSO 1. Cumprir os pré-requisitos abaixo até dia 20/01/2007, antes do teste físico: - Ter ciência e assinar o regulamento do curso. - Ter efetuado o pagamento integral do

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/6 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA COMO ACTUAR EM CASO DE ACIDENTE ELÉCTRICO 2 DESCRIÇÃO A sobrevivência da vítima de um acidente de origem eléctrica depende muitas vezes da actuação

Leia mais

Sabemos que afogamentos são constantes em praias, rios e até mesmo em piscinas, principalmente no verão.

Sabemos que afogamentos são constantes em praias, rios e até mesmo em piscinas, principalmente no verão. 7.0 AFOGAMENTO: Sabemos que afogamentos são constantes em praias, rios e até mesmo em piscinas, principalmente no verão. Calor e água combinam perfeitamente, mas o que costuma estragar essa harmonia são

Leia mais

Memória Descritiva. Curso: Suporte Básico de Vida Adulto (SBV-Adulto) Fundamentação:

Memória Descritiva. Curso: Suporte Básico de Vida Adulto (SBV-Adulto) Fundamentação: Curso: Suporte Básico de Vida Adulto (SBV-Adulto) Fundamentação: As situações de paragem cardiorrespiratória em vítimas adultas representam uma das principais causas de morte que ocorre habitualmente fora

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza

PRIMEIROS SOCORROS. Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza PRIMEIROS SOCORROS Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza Primeiros socorros Noções básicas b de sinais vitais Perfil do socorrista Vias aéreas a obstrução Ressuscitação cardiopulmonar RCP Ferimentos,

Leia mais

QUESTÕES. e) Realizar Reanimação Cardiopulmonar (RCP), iniciando. pelas ventilações. d) Iniciar apenas o procedimento de ventilação.

QUESTÕES. e) Realizar Reanimação Cardiopulmonar (RCP), iniciando. pelas ventilações. d) Iniciar apenas o procedimento de ventilação. Emergências Pré Hospitalares Elton Chaves QUESTÕES 1. Uma mulher de 75 anos, estava saindo de casa e subitamente apresentou uma Parada Cardiorrespiratória (PCR). Uma pessoa, que estava próxima de sua casa,

Leia mais

Curso de Emergências Obstétricas COLAPSO MATERNO

Curso de Emergências Obstétricas COLAPSO MATERNO Curso de Emergências Obstétricas COLAPSO MATERNO ASPECTOS GERAIS Raro mas extremamente grave Vários fatores etiológicos SOBREVIDA FETAL Ressuscitação agressiva SOBREVIDA MATERNA Fator etiológico Ambiente

Leia mais

ATENDIMENTO A PCR. Prof. Fernando Ramos -Msc 1

ATENDIMENTO A PCR. Prof. Fernando Ramos -Msc 1 ATENDIMENTO A PCR Prof. Fernando Ramos -Msc 1 HISTÓRICO Primeira reanimação - bíblia Trotar sobre um cavalo com a vítima debruçada sobre este, rolar a vítima sobre um barril 1899 - Prevost e Batelli introduziram

Leia mais

- Diagnosticar a situação de vítima inconsciente, de paragem cardio-respiratória, e saber quando pedir ajuda;

- Diagnosticar a situação de vítima inconsciente, de paragem cardio-respiratória, e saber quando pedir ajuda; 1 Ao realizar o curso de Suporte Básico de Vida, o formando ficará com competências para abordar a vítima em segurança, reconhecer a pessoa inconsciente em paragem cardiorespiratória e saber quando pedir

Leia mais

Teste Primeiros Socorros F.P.V.L. JUNHO 2204

Teste Primeiros Socorros F.P.V.L. JUNHO 2204 Teste Primeiros Socorros F.P.V.L. JUNHO 2204 Das questões que se seguem, a maioria tem para escolha quatro hipóteses como resposta, noutras questões tem duas hipóteses, no entanto, em qualquer dos casos,

Leia mais

Recursos manuais da Fisioterapia Respiratória

Recursos manuais da Fisioterapia Respiratória Recursos manuais da Fisioterapia Respiratória (aula 2) AVALIAÇÃO INICIAL DA NECESSIDADE DA TERAPIA DE HB AVALIAR: Prontuário médico (HMA e HMP). Pctes c/ indicação de cirurgia abdominal alta ou torácica,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO DESFIBRILADOR EXTERNO AUTOMÁTICO (DEA) Enfa. Eurilene de Assis Maia

UTILIZAÇÃO DO DESFIBRILADOR EXTERNO AUTOMÁTICO (DEA) Enfa. Eurilene de Assis Maia UTILIZAÇÃO DO DESFIBRILADOR EXTERNO AUTOMÁTICO (DEA) Enfa. Eurilene de Assis Maia Belo Horizonte 2011 DEFINIÇÃO O desfibrilador Externo Automático (DEA) é um equipamento portátil,bifásico, utilizado em

Leia mais

HEMORRAGIAS. Não deve tentar retirar corpos estranhos dos ferimentos; Não deve aplicar substâncias como pó de café ou qualquer outro produto.

HEMORRAGIAS. Não deve tentar retirar corpos estranhos dos ferimentos; Não deve aplicar substâncias como pó de café ou qualquer outro produto. HEMORRAGIAS O controle de uma hemorragia deve ser feito imediatamente, pois uma hemorragia abundante e não controlada pode causar morte em 3 a 5 minutos. A hemorragia externa é a perda de sangue pelo rompimento

Leia mais

Ana Cardoso Interna de Medicina Geral e Familiar, 4º Ano. Orientadora Dra. Elsa Melo. USF Eborae Centro de Saúde de Évora

Ana Cardoso Interna de Medicina Geral e Familiar, 4º Ano. Orientadora Dra. Elsa Melo. USF Eborae Centro de Saúde de Évora 11 de Abril de 2012 USF Eborae Centro de Saúde de Évora Coordenador Dr. Rogério Costa Ana Cardoso Interna de Medicina Geral e Familiar, 4º Ano Orientadora Dra. Elsa Melo Asfixia Conjunto de situações em

Leia mais

Curso de técnico de emergência

Curso de técnico de emergência Curso de técnico de emergência Colares Cervicais Nas paginas seguintes apresento o que é um colar cervical, para o que serve, porque é que tem uma cor cada colar e como colocar Colares Cervicais O colar

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo AFOGAMENTO Afogamento é a aspiração de líquido, causado por submersão. Infelizmente, é uma ocorrência constante e recorrente. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS),

Leia mais

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS)

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) UNIDADE: 06 PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA - PCR TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) MODALIDADE: ONLINE 6.0 INTRODUÇÃO: A parada cardiorrespiratória é a parada dos movimentos

Leia mais

ATIVIDADES. Karin Scheffel

ATIVIDADES. Karin Scheffel ATIVIDADES Karin Scheffel Em seu plantão no SAMU, você recebeu um chamado para atender um acidente de trânsito, carro x carro, colisão traseira, com duas vítimas. A 1º vítima era uma mulher de 28 anos,

Leia mais

Como reconhecer uma criança criticamente enferma? Ney Boa Sorte

Como reconhecer uma criança criticamente enferma? Ney Boa Sorte Como reconhecer uma criança criticamente enferma? Ney Boa Sorte Passo 1 - Avaliar a criança Prevendo a parada cardiopulmonar A parada cardiopulmonar em lactentes e crianças raramente é um evento súbito!

Leia mais

FORMADORES (OCEAN MEDICAL) MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Manhã - 09:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 18:00

FORMADORES (OCEAN MEDICAL) MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Manhã - 09:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 18:00 SUPORTE AVANçADO DE VIDA CERTIFICAÇÃO AHA E INEM (MAR 2016) - COIMBRA O Curso de Suporte Avançado de Vida Cardiovascular (Advanced Cardiovascular Life Support), acreditado pela American Heart Association

Leia mais

Suporte Básico de Vida Adulto

Suporte Básico de Vida Adulto Suporte Básico de Vida Adulto 1. OBJETIVOS Os formandos deverão ser capazes de: Descrever os elos da cadeia de sobrevivência; Reconhecer a importância de cada um dos elos desta cadeia; Identificar as principais

Leia mais

TREINAMENTO DE EMERGÊNCIAS CARDIOVASCULARES DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA LEIGOS CURSO OFICIAL DA SBC S I O G E E N I A N O A L U A I

TREINAMENTO DE EMERGÊNCIAS CARDIOVASCULARES DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA LEIGOS CURSO OFICIAL DA SBC S I O G E E N I A N O A L U A I A P S I S I A M N T TRINAMNTO D MRGÊNCIAS CARDIOVASCULARS DA SOCIDAD BRASILIRA D CARDIOLOGIA LIGOS CURSO OFICIAL DA SBC O G S L TR L A R R A L U N O C S A OV I D CAR IA C N Ê G R D M VRIFICAÇÃO DA PSSOA

Leia mais

PMDAE. Plano Municipal Desfibrilhação Automática Externa

PMDAE. Plano Municipal Desfibrilhação Automática Externa PMDAE Plano Municipal Desfibrilhação Automática Externa O Plano Municipal DAE em OVAR visa dotar as entidades do concelho de OVAR com meios técnicos e humanos preparados para acudir a uma situação de

Leia mais

Urgência e emergência na atenção primária. Enfª Karin Bienemann

Urgência e emergência na atenção primária. Enfª Karin Bienemann Urgência e emergência na atenção primária Enfª Karin Bienemann ATENDIMENTO INICIAL À VÍTIMA CRÍTICA PANORAMA ATUAL: Como andam as Urgências? AS URGÊNCIAS NO PAÍS Distribuição inadequada da oferta de serviços

Leia mais

Dicas de Segurança IV

Dicas de Segurança IV Dicas de Segurança IV Noções Básicas de Primeiros Socorros Ressuscitação Cardiopulmonar Também conhecida como respiração boca a boca (aeração). Utilizada em casos de paradas respiratórias. Procedimentos:

Leia mais

Assistência de Enfermagem no processo de morte. Semiologia e Semiotécnica aplicada a II Prof Giselle

Assistência de Enfermagem no processo de morte. Semiologia e Semiotécnica aplicada a II Prof Giselle Assistência de Enfermagem no processo de morte Semiologia e Semiotécnica aplicada a II Prof Giselle A Enfermagem é uma arte; e para realizá-la como arte, requer uma devoção tão exclusiva, um preparo tão

Leia mais

SUPORTE BÁSICO DE VIDA (SBV) EM ADULTOS. Enfª.(s): Cilene Bisagni e Márcia Fernandes Mendes Araújo

SUPORTE BÁSICO DE VIDA (SBV) EM ADULTOS. Enfª.(s): Cilene Bisagni e Márcia Fernandes Mendes Araújo Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Associação de técnicas de compressão torácica, abertura de vias aéreas, respiração artificial e desfibrilação que define a sequência primária de ações para salvar vidas.células

Leia mais

[273] O) e/ ou FiO 2. Parte VI P R O T O C O L O S D E P R O C E D I M E N T O S

[273] O) e/ ou FiO 2. Parte VI P R O T O C O L O S D E P R O C E D I M E N T O S [273] Fixar bem tubos e cateteres. Abrir cateter gástrico, mantendo-o em sifonagem. Verificar o ventilador de transporte, circuitos e pressão do cilindro de oxigênio. Transportar sempre oxigênio de reserva.

Leia mais

Primeiros Socorros. Introdução ao socorro

Primeiros Socorros. Introdução ao socorro Primeiros Socorros Introdução ao socorro OBJETIVOS Conhecer os principais aspectos do comportamento e da conduta de um profissional de saúde que presta um atendimento de primeiros socorros, Conhecer os

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO DE REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR PARA O LEIGO COMO FERRAMENTA DE PREVENÇÃO DA MORTE SÚBITA

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO DE REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR PARA O LEIGO COMO FERRAMENTA DE PREVENÇÃO DA MORTE SÚBITA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO DE REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR PARA O LEIGO COMO FERRAMENTA DE PREVENÇÃO DA MORTE SÚBITA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM

Leia mais

INSIDE OUT. Volley. Análise Técnica da Base ao Topo

INSIDE OUT. Volley. Análise Técnica da Base ao Topo INSIDE OUT Análise Técnica da base ao topo 12 Volley INSIDE OUT Análise Técnica da Base ao Topo 1 O VOLLEY Aspectos abordados neste capítulo Volleys - Fase de Preparação 1. Pega Continental 2. Braço dominante

Leia mais

Técnicas de Trauma ELABORADO POR: Dr. Miguel Soares Oliveira Enfº. Mário Lopes Dr. Salvador Massada

Técnicas de Trauma ELABORADO POR: Dr. Miguel Soares Oliveira Enfº. Mário Lopes Dr. Salvador Massada Técnicas de Trauma ELABORADO POR: Dr. Miguel Soares Oliveira Médico Interno Complementar de Cirurgia Pediátrica-HSJ Enfº. Mário Lopes Enfermeiro Graduado do Serviço de Urgência Geral-HSJ Dr. Salvador Massada

Leia mais

Gestos que Salvam Vidas..

Gestos que Salvam Vidas.. Gestos que Salvam Vidas.. O que é o SBV (suporte básico de vida)? Conjunto de medidas utilizadas para restabelecer a vida de uma vitima em paragem cardio-respiratória. Com o objectivo de recuperar a vitima

Leia mais

Escola de Salto com Vara de Leiria. Princípios do salto com vara

Escola de Salto com Vara de Leiria. Princípios do salto com vara Princípios do salto com vara Caros amigos treinadores e atletas, Nesta breve exposição sobre os princípios do salto com vara pretendo expor o que entendo serem os princípios básicos do salto com vara.

Leia mais

Capítulo 5 Ventilação com Adjuvantes da Via Aérea

Capítulo 5 Ventilação com Adjuvantes da Via Aérea Capítulo 5 Ventilação com Adjuvantes da Via Aérea 1. Objetivos No final desta unidade modular, os formandos deverão ser capazes de Conhecer os vários adjuvantes de permeabilização da via aérea; Compreender

Leia mais

Suporte Básico a Avançado de Vida em Emergências

Suporte Básico a Avançado de Vida em Emergências EMERGÊNCIAS Suporte Básico a Avançado de Vida em Emergências Recomendado pelo Laboratório de Treinamento e Simulação em Emergências Cardiovasculares e pela Unidade Clínica de Emergência do Instituto do

Leia mais

DEFESA CIVIL NA ESCOLA PRIMEIROS SOCORROS. Aula 1 ATENDIMENTO INICIAL. Cap Amarildo

DEFESA CIVIL NA ESCOLA PRIMEIROS SOCORROS. Aula 1 ATENDIMENTO INICIAL. Cap Amarildo DEFESA CIVIL NA ESCOLA PRIMEIROS SOCORROS Aula 1 ATENDIMENTO INICIAL Cap Amarildo Primeiros Socorros Sumário: Importância da preparação Omissão de Socorro Definições sobre socorro Mecanismo do Trauma Primeiros

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO. Curso Prático de Socorrismo Pediátrico Código da Área de Formação: 729

PROGRAMA DE FORMAÇÃO. Curso Prático de Socorrismo Pediátrico Código da Área de Formação: 729 Curso Prático de Socorrismo Pediátrico Código da Área de Formação: 729 APRESENTAÇÃO DO CURSO: CURSO PRÁTICO DE SOCORRISMO PEDIÁTRICO Difundir medidas preventivas de acidentes frequentes no grupo etário

Leia mais

URGÊNCIA E EMERGÊNCIA. Prof. Adélia Dalva

URGÊNCIA E EMERGÊNCIA. Prof. Adélia Dalva URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Prof. Adélia Dalva 1. O tratamento emergencial da hipovolemia grave, em uma unidade de pronto atendimento, causada por choque hemorrágico, compreende as seguintes condutas terapêuticas,

Leia mais

Treino da Equipa na Emergência Cardiorrespiratória

Treino da Equipa na Emergência Cardiorrespiratória Treino da Equipa na Emergência Cardiorrespiratória Dr. Paulo Freitas Enfª Andreia Fernandes Enfº Hélio Jesus Enf. Juan Pozo Enfº Nelson Santos Enfº Ricardo Costa Enfª Zita Simões SUMÁRIO 1 Definição do

Leia mais

Paulo Ricardo Couto. Conhecimentos dos alunos dos 2º, 3º e 4º anos de Enfermagem sobre SBV

Paulo Ricardo Couto. Conhecimentos dos alunos dos 2º, 3º e 4º anos de Enfermagem sobre SBV Paulo Ricardo Couto Conhecimentos dos alunos dos 2º, 3º e 4º anos de Enfermagem sobre SBV Estudo numa amostra de estudantes da Universidade Fernando Pessoa. Universidade Fernando Pessoa Faculdade Ciências

Leia mais

O que é Defesa Pessoal?

O que é Defesa Pessoal? DEFESA PESSOAL O que é Defesa Pessoal? Habilitação de tácticas e técnicas sistematizadas e acessíveis a qualquer pessoa pelo treino, dotando-a de mecanismos necessários e suficientes a parar qualquer acção

Leia mais

10/ REV 0 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções

10/ REV 0 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções 10/12 912-09-05 780872 REV 0 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha do Hidromassageador Aqua Foot 2. Para garantir o melhor desempenho de seu produto, ler atentamente

Leia mais

REANIMAÇÃO DO RN 34 SEMANAS EM SALA DE PARTO - Direitos autorais SBP PRÉ E PÓS-TESTE. Local (Hospital e cidade)

REANIMAÇÃO DO RN 34 SEMANAS EM SALA DE PARTO  - Direitos autorais SBP PRÉ E PÓS-TESTE. Local (Hospital e cidade) PRÉ E PÓS-TESTE Data / / PRÉ-TESTE PÓS-TESTE Curso Médico Curso Profissional de Saúde Local (Hospital e cidade) Nome do aluno 01. Quais situações abaixo indicam maior possibilidade de o recém-nascido (RN)

Leia mais

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Enf: Karin Scheffel Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Atendimento inicial suporte básico (BLS) ou suporte primário Atendimento avançado ACLS (Circulation. 2010;122[suppl 3]:S787 S817.) http://circ.ahajournals.org/content/122/18_suppl_3/s787.full

Leia mais

CORRENTES NO SERVIÇO EMERGENCIAL CARDIOVASCULAR

CORRENTES NO SERVIÇO EMERGENCIAL CARDIOVASCULAR 1 CORRENTES NO SERVIÇO EMERGENCIAL CARDIOVASCULAR Volume 16, Número 04, Inverno 2005-06 Nota do tradutor: Socorrista leigo: é a pessoa não ligada à área de saúde que recebeu um treinamento básico. No Brasil

Leia mais

Manejo da PCR. Sarah Pontes de Barros Leal PET Medicina UFC

Manejo da PCR. Sarah Pontes de Barros Leal PET Medicina UFC Manejo da PCR Sarah Pontes de Barros Leal PET Medicina UFC Ritmo cardíaco durante a PCR Fibrilação ventricular (60-80%) Taquicardia ventricular sem pulso Bradiarritmia/assistolia Atividade elétrica sem

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva Câmara Técnica de

Leia mais

Estado da Vítima Vítima consciente não podendo andar Vítima consciente que pode andar Vítima inconsciente com respiração Vítima inconsciente sem respi

Estado da Vítima Vítima consciente não podendo andar Vítima consciente que pode andar Vítima inconsciente com respiração Vítima inconsciente sem respi Transporte de vítimas Estado da Vítima Vítima consciente não podendo andar Vítima consciente que pode andar Vítima inconsciente com respiração Vítima inconsciente sem respiração Casos de remoção Só quando

Leia mais

CARTÃO DE INFORMAÇÃO PARA O DOENTE

CARTÃO DE INFORMAÇÃO PARA O DOENTE Este medicamento está sujeito a monitorização adicional CARTÃO DE INFORMAÇÃO PARA O DOENTE Aspetos de segurança importantes a recordar acerca do seu tratamento com GILENYA O médico pedir-lhe-á que permaneça

Leia mais

INALADORES: UTILIZE CORRETAMENTE

INALADORES: UTILIZE CORRETAMENTE INALADORES: UTILIZE CORRETAMENTE O QUE SÃO INALADORES? Os inaladores são dispositivos utilizados para tratamento das doenças respiratórias, sobretudo na Asma e na DPOC, e normalmente são conhecidos por

Leia mais

Primeiros Socorros. Informações Básicas sobre. Primeiros Socorros

Primeiros Socorros. Informações Básicas sobre. Primeiros Socorros Primeiros Socorros Informações Básicas sobre Primeiros Socorros OBJECTIVO Sensibilizar para a importância do tema de Primeiros Socorros Transmitir Noções Básicas de Primeiros Socorros Os Primeiros Socorros

Leia mais

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!.

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. 1ª Etapa (Movimentos de olhos e cabeça, primeiro lentos, depois rápidos). Participante em pé sobre um colchonete, olhar para cima e para baixo.

Leia mais

MOTOR EVALUATION SCALE FOR UPPER EXTREMITY IN STROKE PATIENTS (MESUPES-braço and MESUPES-mão)

MOTOR EVALUATION SCALE FOR UPPER EXTREMITY IN STROKE PATIENTS (MESUPES-braço and MESUPES-mão) MOTOR EVALUATION SCALE FOR UPPER EXTREMITY IN STROKE PATIENTS (MESUPES-braço and MESUPES-mão) Nome do paciente: Data do teste - hora: Nome do avaliador: Duração do teste: min Dominância: direita/esquerda

Leia mais

REGULAMENTO CURSO DE EMERGÊNCIA PARA TÉNICOS DE NATAÇÃO REGULAMENTO CURSO DE EMERGÊNCIA PARA TÉCNICOS DE NATAÇÃO

REGULAMENTO CURSO DE EMERGÊNCIA PARA TÉNICOS DE NATAÇÃO REGULAMENTO CURSO DE EMERGÊNCIA PARA TÉCNICOS DE NATAÇÃO REGULAMENTO CURSO DE EMERGÊNCIA PARA TÉCNICOS DE NATAÇÃO 1. ENQUADRAMENTO O Projeto Lei N.ª366/XIII/2.ª visa alterar a Lei n.º68/2014, 29 de agosto, que aprovou o regime jurídico aplicável ao nadador-salvador

Leia mais

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Anexo III Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude da mobilização dos ombros e parte superior Modo de execução: na posição

Leia mais

SISTEMA DIGESTIVO HUMANO (Parte 2)

SISTEMA DIGESTIVO HUMANO (Parte 2) SISTEMA DIGESTIVO HUMANO (Parte 2) FARINGE A faringe é a estrutura que faz a separação dos sistemas digestório e respiratório. Há na faringe uma estrutura chamada epiglote, que serve como uma válvula localizada

Leia mais

Instituto Nacional de Emergência Médica

Instituto Nacional de Emergência Médica Instituto Nacional de Emergência Médica 2016 INEM, I. P. - Instituto Nacional de Emergência Médica, I. P. Criado em 1981 Coordena, em Portugal Continental, um conjunto de entidades que prestam assistência

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO BOMBEIROS DE ALBUFEIRA CURSOS PRIMEIROS SOCORROS

CENTRO DE FORMAÇÃO BOMBEIROS DE ALBUFEIRA CURSOS PRIMEIROS SOCORROS CENTRO DE FORMAÇÃO BOMBEIROS DE ALBUFEIRA CURSOS PRIMEIROS SOCORROS Empresas, Instituições e População no Geral 20 horas- sessões de 4 horas Idade Mínima de 16 anos e máxima de 60/65; Dominar a língua

Leia mais

Aprendendo sobre parada cardíaca e parada respiratória

Aprendendo sobre parada cardíaca e parada respiratória Aprendendo sobre parada cardíaca e parada respiratória 2 e-tec Brasil Primeiros Socorros META OBJETIVOS Identificar os sinais que permitem distinguir se a vítima está sofrendo parada cardíaca ou respiratória.

Leia mais

Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE. 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia;

Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE. 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia; Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE OBJETIVOS: Ao final desta lição os participantes serão capazes de: 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia; 2. Citar e demonstrar 3 diferentes técnicas

Leia mais

Fraturas: Prof.: Sabrina Cunha da Fonseca

Fraturas: Prof.: Sabrina Cunha da Fonseca Fraturas: Prof.: Sabrina Cunha da Fonseca Fraturas: É a ruptura total ou parcial do osso e podem ser fechadas ou expostas. CLASSIFICAÇÃO: Fratura fechada ou interna: Na fratura fechada não há rompimento

Leia mais

O FLUTUADOR rescue-tube

O FLUTUADOR rescue-tube O FLUTUADOR rescue-tube Capitão Smicelato São Paulo O equipamento flutuante é sem dúvida um dos mais importantes para o Guarda-Vidas. Pode ser o torpedo (rescue can), flutuador (rescue tube), ou outro,

Leia mais

UFCD 0804 Algoritmos

UFCD 0804 Algoritmos UFCD 0804 Algoritmos Reconhecer e desenvolver algoritmos. Introdução à Lógica de Programação Antes de se começar com uma Linguagem de Programação, temos de ser capazes de estruturar o nosso raciocínio

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. Apostila REVALIDAÇÃO

PRIMEIROS SOCORROS. Apostila REVALIDAÇÃO PRIMEIROS SOCORROS Versão 2015 Revisada por Rafael Carvalho Data de criação 01/11/2013 Data de modificação 29/07/2015 Tipo de documento Atualizada por Instrutores de Primeiros Socorros COMISSÁRIOS Quando

Leia mais

Manual de Instrucoes. Vitrine Expositora Aquecida Euro. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio

Manual de Instrucoes. Vitrine Expositora Aquecida Euro. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Manual de Instrucoes Vitrine Expositora Aquecida Euro o futuro chegou a cozinha refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Obrigado por ter adquirido Equipamentos ELVI É com satisfação

Leia mais

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP)

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) É parada súbita e inesperada da atividade mecânica ventricular útil e suficiente

Leia mais

Curso: Recertificação para Tripulante de Ambulância de Transporte

Curso: Recertificação para Tripulante de Ambulância de Transporte Curso: Recertificação para Tripulante de Ambulância de Transporte Fundamentação: Atualizar e aperfeiçoar os conhecimentos adquiridos, a fim de manter ativa a competência TAT, dando cumprimento ao estabelecido

Leia mais

Primeiros Socorros Módulo I Parabéns por participar de um curso dos Cursos 24 Horas

Primeiros Socorros Módulo I Parabéns por participar de um curso dos Cursos 24 Horas Primeiros Socorros Módulo I Parabéns por participar de um curso dos Cursos 24 Horas. Você está investindo no seu futuro! Esperamos que este seja o começo de um grande sucesso em sua carreira. Desejamos

Leia mais

LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa

LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa PREPARATION GLIDE DELIVERY RECOVERY DESCRIÇÃO DAS VÁRIAS FASES A Técnica Rectilínea do Lançamento do Peso está dividida nas seguintes fases:,, e.

Leia mais

RETIRADA DE INTRODUTOR VASCULAR FEMURAL

RETIRADA DE INTRODUTOR VASCULAR FEMURAL 1 de 7 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial RN, JM 1 Objetivo: A realização da retirada do introdutor femoral realizada pelo

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS ASHI

PRIMEIROS SOCORROS ASHI PRIMEIROS SOCORROS ASHI Alteração de Protocolo A American Heart Association é uma entidade americana responsável por grande parte dos protocolos de primeiros socorros e emergências médicas que são utilizados

Leia mais

INFORMAÇÕES AOS PAIS UTI NEONATAL E PEDIÁTRICA

INFORMAÇÕES AOS PAIS UTI NEONATAL E PEDIÁTRICA INFORMAÇÕES AOS PAIS UTI NEONATAL E PEDIÁTRICA A UTI Neonatal e Pediátrica do Hospital São Paulo - Unimed é uma unidade de internação destinada aos bebês desde o primeiro dia de vida até crianças com 12

Leia mais

INSTRUMENTO DE COLHEITA DE DADOS

INSTRUMENTO DE COLHEITA DE DADOS INSTRUMENTO DE COLHEITA DE DADOS 1 Sexo: - Masculino. (1) - Feminino.. (2) 2 Idade: 3 Estado Civil: - Solteiro (1) - Casado.. (2) - União de Facto (3) - Divorciado..... (4) - Separado..... (5) - Viúvo...

Leia mais

Unidade II. Unidade II. Técnica do Nado Crawl

Unidade II. Unidade II. Técnica do Nado Crawl Posicionamento do corpo Permanece na horizontal em decubito ventral, realizando movimentos de rolamentos laterais, em seu eixo longitudinal. Posicionamento da cabeça O rosto fica em contato com a água,

Leia mais

Lisboa, 15 de Outubro de 2011 Elaborado por: Diogo Nascimento Joana Nascimento

Lisboa, 15 de Outubro de 2011 Elaborado por: Diogo Nascimento Joana Nascimento Lisboa, 15 de Outubro de 2011 Elaborado por: Diogo Nascimento Joana Nascimento Principais grupos/sistemas no veiculo automóvel Motor Sistema de transmissão Sistema de travagem Sistema de suspensão Pneumáticos

Leia mais

SUPER PRESS GRILL INSTRUÇÕES. Ari Jr. DATA. Diogo APROV. Nayana. Super Press Grill. Folheto de Instrução - User Manual 940-09-05. Liberação do Arquivo

SUPER PRESS GRILL INSTRUÇÕES. Ari Jr. DATA. Diogo APROV. Nayana. Super Press Grill. Folheto de Instrução - User Manual 940-09-05. Liberação do Arquivo N MODIFICAÇÃO POR 0 Liberação do Arquivo Ari Jr 10-12-2012 1 Inclusão da informação sobe uso doméstico (certificação) Ari Jr 14-02-2013 PODERÁ SER UTILIZADO POR TERCEIROS DA BRITÂNIA ELETRODOMÉSTICOS LTDA.

Leia mais

Capítulo 31. Trauma na Grávida. Capítulo 31. Trauma na Grávida 1. OBJETIVOS

Capítulo 31. Trauma na Grávida. Capítulo 31. Trauma na Grávida 1. OBJETIVOS Capítulo 31 Trauma na Grávida 1. OBJETIVOS No final da sessão os formandos deverão ser capazes de: Listar e descrever os tipos de lesões mais frequentes na grávida vítima de trauma. Descrever a importância

Leia mais

CURSO DE PRIMEIROS SOCORROS, RCP E DEA - NSC

CURSO DE PRIMEIROS SOCORROS, RCP E DEA - NSC INTRODUÇÃO Segundo as estatísticas, existe uma imensa probabilidade que cada um de nós venha a presenciar uma situação de emergência e levando em consideração que a maioria delas acontece longe dos hospitais,

Leia mais

Passadeira Manual de Utilização

Passadeira Manual de Utilização Passadeira Manual de Utilização 1/5 ATENÇÃO! Qualquer programa de exercícios poderá apresentar um risco para o utilizador. Poderão ocorrer acidentes com danos sérios ou fatais para o utilizador. Consulte

Leia mais

Todos os direitos reservados. E necessária à autorização previa antes de reproduzir ou publicar parte ou esta obra na íntegra.

Todos os direitos reservados. E necessária à autorização previa antes de reproduzir ou publicar parte ou esta obra na íntegra. Todos os direitos reservados E necessária à autorização previa antes de reproduzir ou publicar parte ou esta obra na íntegra. Enquanto os autores fizeram os melhores esforços para preparar este livro,

Leia mais