Relação ciência e religião

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relação ciência e religião"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE FÍSICA LICENCIATURA EM FÍSICA GRAVITAÇÃO Relação ciência e religião Julgamento de Galileu Galilei Alunos Gabriel Almeida Bispo dos Santos nº USP: Lucas Vieira da Rocha nº USP: Weslly Ferreira nº USP: Professor Ivã Gurgel

2 1. INTRODUÇÃO 1.1. Contexto histórico A presença da religião no âmbito científico mostra períodos onde há divergência entre ambas e outros onde é possível conciliar uma com a outra. É possível verificar essas duas características da relação ciência-religião com o exemplo de Santo Agostinho e Tomás de Aquino. No primeiro caso verifica-se um protecionismo dos dogmas da igreja, protegendo-os do avanço da ciência. No outro caso o pensamento é de aceitação da ciência em busca da dádiva divina, uma forma entender melhor Deus (RODRIGUES, 2012). O caso de Tomás de Aquino nos mostra claramente a aceitação da religião, sobre fatos da ciência. Tomás foi um teólogo, filósofo e padre, que conseguiu com as suas teorias unificar em sua época de atuação a religião com a ciência, com princípios filosóficos aristotélicos, ele conseguiu conciliar a fé cristã com princípios científicos, com a filosofia de Aristóteles. Já o episódio de Santo Agostinho, que foi Bispo cristão e teólogo, retrata o contrário do que Tomás de Aquino defendia. A teologia de Santo Agostinho relata e aplica a separação da religião e ciência, através da teologia e filosofia, que na sua atuação era promovida à salvação do homem através ensinamentos bíblicos e não através da ciência ou ensino da ciência ao homem. Esses dois personagens ilustram os tipos de visões em certo período na história em que a religião e ciência se integram (Tomás de Aquino) ou se separam (Santo Agostinho), mostrando períodos de instabilidades entre ambos, nos estudos filosóficos, teológicos ou no estudo na melhor forma de entender autoridade divina. Com esses dados históricos da relação entre ciência e religião, é possível verificar que existem oscilações ao longo da história na forma de pensar sobre ciência e religião, e principalmente se isso deveria ser pensado junto ou separado. O presente estudo se dedica a entender melhor como ocorrem essas oscilações, analisando essas características de relação entre ciência e religião no caso do julgamento de Galileu. Galileu Galilei é considerado um dos maiores físico, matemático e astrônomo na história da ciência, foi um dos primeiros a estudar os movimentos uniformemente acelerados, observações sobre queda livre e enunciou o princípio da inércia (FEYERABEND, 1977). Mas seu grande marco histórico foi defender as ideias sobre heliocentrismo (terra girar ao redor do sol) proposto por Nicolau Copérnico, que marcou significativamente o duelo entre ciência e religião no período conhecido como santa inquisição, período que era conhecido por condenar quem era contra os dogmas pregados pela igreja católica na idade média.

3 2. Vida de Galileu Galilei Galileu Galilei nasceu em Pisa na Itália no ano de 1.564, Foi também em Pisa que desenvolveu seus primeiros estudos e onde lecionou num curto período de tempo, que depois se transferiu para universidade de Pádua, onde realizou um dos seus trabalhos mais importantes, sobre estudos da mecânica. Galileu alcançou fama devido aos seus estudos em 1.610, mudou-se para Florença como filosofo e primeiro matemático do Grão Duque de Toscana (MANSON,1962). Galileu na sua época foi defensor do modelo heliocêntrico, que foi um modelo criado pelo matemático e astrônomo polonês Nicolau Copérnico, que segundo o próprio defendia que a terra e os demais corpos celestes giram-se em torno do sol, totalmente diferente do modelo geocêntrico que igreja católica e os cientistas aristotélicos defendiam, no qual a terra era o centro do universo e os demais planetas giram-se em torno da própria. Com a visão de Copérnico, Galileu produziu suas duas maiores obras, O dialogo sobre os dois sistemas do mundo - Ptolemaico e o Copernicano, publicado em e os Discursos sobre duas ciências novas, em (PACIEVITCH). Em 1616 o cientista Galileu foi convocado para comparecer em Roma, para explicar seus argumentos sobre o modelo heliocêntrico, perante o tribunal do santo ofício, no qual o tribunal não aceitou seu modelo defendido, que alegaram não ter provas suficientes para aceitar este modelo cientifico, o próprio foi condenado e obrigado pelo tribunal a declarar que o modelo heliocêntrico era uma hipótese, Mas posteriormente em Galileu voltou seus estudos sobre o modelo de Nicolau e consecutivamente foi novamente julgado pela inquisição tribunal do santo ofício e condenado a privação de liberdade (prisão domiciliar), em uma vila chamada Arcetri, perto de Florença, no qual posteriormente ficou cego, devidas suas enumeras observações no telescópio e em oito de janeiro de ocorreu seu falecimento. Uol educação. Disponível em: 03 dezembro Panoramas da igreja católica na época de Galileu 3.1. INQUISIÇÃO A inquisição surgiu inicialmente como tribunal para julgar casos internos da igreja católica. Foi no século XII que ouve a necessidade dos tribunais inquisitórios julgarem casos fora da igreja, exemplo disso é o caso albigenses. Consequentemente no concílio de Verona, 1184, foi criado oficialmente o tribunal da inquisição, esse tribunal era responsável, basicamente, pelo combate as heresias. O autor do livro Contra o Método, Paul Feyerabend tem uma bela explicação sobre o significado da palavra heresia: isto é complexos consistindo em ações, pressupostos e falas tornando as pessoas inclinadas a certas crenças. Em outro trecho Feyerabend aborda heresia num significado

4 mais amplo ele explica que heresia significa um desvio de ações, atitudes desenvolvida e santificada. A inquisição dispunha de um órgão avaliador das denuncias, esse órgão contava com o auxilio de cientistas que analisavam tais denuncias e com bases nessas analises faziam uma pré-avaliação da heresia do denunciado e se por um acaso a dita heresia tivesse fortes argumentos haveria uma reavaliação das escrituras sagradas para enxergar se tal suposição era possível. Isso mostra que a inquisição não tinha certeza absoluta de todas as suas interpretações do mundo. A inquisição tinha alguns métodos de condenação de seus réis tidos como violentos, entre esses métodos destacavam a tortura e a condenação a morte na fogueira. Uma curiosidade dos primeiros séculos da inquisição era que não existia a pratica de mandar para a cadeia os condenados, isso só começou a se tornar comum, a partir do século XVIII. Outro dado interessante é que, segundo o historiador Rino Camillieri, dos mais de processos aplicados apenas uma pequena parte foi condenada a pena de morte, e desses apenas uma pequena fração foi realmente executada, nos lugares onde a inquisição era mais rigorosa, apenas 1% das condenações levaram a morte. A aplicação pena de morte não era uma particularidade apenas do tribunal da inquisição, na mesma época ocorriam os mais diversos tribunais semelhante condenação. 4. Ciência e religião no caso de Galileu julgamento Galileu Galilei não foi o único e não apenas foi condenado pela a igreja, mas por grande parte dos aristotélicos da época que acreditavam na ideia da Terra ser o centro do Universo. As acusações partiam de indivíduos quaisquer até funcionários públicos. Portanto os crimes eram examinados por tribunais eclesiásticos e por tribunais seculares. Estes tribunais tinham como função interrogar, condenar e executar os acusados por crimes de heresias. Galileu queria mudar uma visão de mundo que já duravam séculos, visão geocêntrica defendida pelo ilustre Aristóteles e melhor formulada pelo matemático e astrônomo grego Cláudio Ptolomeu ( D.C.) em sua obra Almagesto. A comunidade cientifica do período, lembrando que o termo ciência não era definido ainda, não aceitava o modelo heliocêntrico defendido por Galileu. Por mais que Galileu estava correto imagina o quanto difícil seria fazer com que se mudasse o pensamento cosmológico da época já que estava enraizado e defendido por grandes personalidades. Imagine a seguinte situação de que alguém da comunidade cientifica atual confirmar a existência

5 de vida inteligente em um planeta onde não há tal possibilidade, esta pessoa seria ridiculariza por tal afirmação. Outro problema seria que a igreja da época usava as ideias de Aristóteles e Ptolomeu para fundamentar suas crenças e o poder divino e qualquer visão contrária era tratada como um ato de heresia. Portanto Galileu foi levado a julgamento e a punições. Apesar de Galileu ter sido julgado pela inquisição o papa por ser seu amigo e protetor o livrou da pena de morte. Sendo o primeiro julgamento em 1616 por ter apoiado as ideias de Copérnico. Neste ano a inquisição proibiu toda publicação em países de influencia católica, que fizesse referência ao modelo copernicano e Galileu não sofre nenhuma punição apenas recebe ordens para não propagar as ideias de copernicanas. Em 1632 Galileu publica o Diálogos sobre os dois maiores sistemas do mundo e faz referências, novamente, sobre o heliocentrismo. A inquisição o acusou de blasfêmia, mas as acusações pouco tinham a ver com o modelo heliocêntrico, mas sim com desobediência as ordens dadas pelo papa em Galileu foi ameaçado de sofrer torturas casos não abdicasse suas ideias, assim feito foi condenado a prisão domiciliar pelo resto de sua vida. 5. Atualidade Relação religião e ciência Em 31 de outubro de 1992, o papa João Paulo II, acabou reconhecendo os erros cometidos pela Inquisição (Santo Ofício), pela condenação da privação de liberdade de Galileu Galilei. Este fato de reconhecimento da igreja marcou o ato de injustiça histórica cometida pelo tribunal eclesiástico na época. Outro caso interessante atual foi o pronunciamento do papa Francisco sobre as teorias cientifica da evolução e do Big Bang são corretas e o próprio Francisco comentou que não são compatíveis com a existência de um criador e também segundo o papa a teoria do Big Bang, que explica a origem do mundo, não se opõe à ideia de um criador divino justo ao contrário, exige um criador, finalizou o próprio.

6 Considerações finais Portanto a relação da ciência e religião no contexto histórico ocorre como um caso de amor e ódio, momentos de separação e unidos. Não podemos fazer um a anacronismo e julgar a atitude da igreja e dos indivíduos em particular, pois a ciência do período era baseada nas ideias de Aristóteles, mesmo que não estevesse correta era uma ciência que funcionava para a época. Referências FEYERABEND, Paul. Contra o método; tradução de Octanny S. da Mota e Leonidas Hegenberg. Rio de Janeiro, F. Alves, RODRIGUES, Wellington. O QUE O CASO GALILEU TEM A ENSINAR SOBRE AS RELAÇÕES ENTRE CIÊNCIA E RELIGIÃO. Bahia, UOL EDUCAÇÃO. Disponível em: 03 dezembro MANSON, S. F. História da Ciência; tradução de Flávio e José Vellinho de Lacerda. Rio Grande do Sul, Globo, ZANETIC, João. GRAVITAÇÃO/Notas de Aula, São Paulo, 1995 parcialmente revista em 2007.

As grandes navegações iniciadas. principalmente a descoberta das Américas vão alterar radicalmente a própria imagens que os homens faziam da Terra.

As grandes navegações iniciadas. principalmente a descoberta das Américas vão alterar radicalmente a própria imagens que os homens faziam da Terra. 01/06/2015 As grandes navegações iniciadas no século XV e principalmente a descoberta das Américas vão alterar radicalmente a própria imagens que os homens faziam da Terra. 1 As teorias científicas de

Leia mais

GALILEU GALILEI ( )

GALILEU GALILEI ( ) GALILEU GALILEI (1564-1642) Um dos principais defensores do modelo heliocêntrico de Copérnico. Acreditava na perfeição geométrica. Por isso, não aceitava que as órbitas dos planetas eram elípticas, mesmo

Leia mais

A filosofia Moderna. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes 1º Ano Ensino Médio Terceiro Trimestre

A filosofia Moderna. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes 1º Ano Ensino Médio Terceiro Trimestre A filosofia Moderna Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes 1º Ano Ensino Médio Terceiro Trimestre Uma nova forma de se pensar a realidade A era moderna é marcada por um

Leia mais

Galileu Galilei ( )

Galileu Galilei ( ) Galileu Galilei (1564 1642) Teve primeiro de derrubar toda a anterior astronomia E depois toda a astrologia Embaixador inglês em Veneza ao tornar conhecimento das teorias que Galileu publicou em Sidereus

Leia mais

Sumário. O Universo. Modelo geocêntrico

Sumário. O Universo. Modelo geocêntrico Sumário 2- Estudo do Universo - Modelos de organização do Universo: Teoria Geocêntrica e Teoria Heliocêntrica. - Da Astronomia a olho nu às lunetas e telescópios. Explorando o espaço. - Teoria do Big Bang

Leia mais

O Universo e o Sistema Solar

O Universo e o Sistema Solar O Universo e o Sistema Solar 1 O cientista não estuda a natureza porque ela é útil; ele a estuda porque tem prazer nisso, e ele tem prazer nisso porque ela é linda. Se a natureza não fosse linda, não valeria

Leia mais

Profº Carlos Alberto

Profº Carlos Alberto Gravitação Disciplina: Mecânica Básica Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: As leis que descrevem os movimentos dos planetas, e como trabalhar com

Leia mais

Física dos Sistemas Dinâmicos

Física dos Sistemas Dinâmicos Física dos Sistemas Dinâmicos Trabalho Prático nº 1 Equação de Friedmann Trabalho de: Marcos Liberal (ei04050) 1 Índice: Introdução 3 Um pouco de história 4 Equação de Friedmann 5 Análise geral 6 Análise

Leia mais

A ciência galilaica lançou as bases para uma nova concepção da natureza que iria ser largamente aceita e desenvolvida: o mecanicismo.

A ciência galilaica lançou as bases para uma nova concepção da natureza que iria ser largamente aceita e desenvolvida: o mecanicismo. 12. IDADE MODERNA A ciência moderna foi preparada pelo Renascimento. Seriam Galileu, graças às observações com o seu telescópio, e o astrônomo alemão, Kepler, (1571-1630), ao descobrir as célebres leis

Leia mais

ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO

ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO 1 ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO A ESCOLÁSTICA E OS PRINCIPAIS REPRESENTANTES ALBERTO MAGNO TOMÁS DE AQUINO Buscaram provar a existência de Deus utilizando argumentos racionais. 2 A UNIDADE ENTRE A FÉ

Leia mais

MODELANDO O COSMO CSA 9ºANO

MODELANDO O COSMO CSA 9ºANO MODELANDO O COSMO CSA 9ºANO - Característica e importância dos modelos e teorias científicas; - Disputas entre teorias científicas; - Modelos geocêntrico e heliocêntrico para o cosmo; - Introdução do conceito

Leia mais

Capítulo 6. Gravitação Universal

Capítulo 6. Gravitação Universal Capítulo 6 Gravitação Universal Os céus manifestam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das suas mãos. Um dia discursa a outro dia, e uma noite revela conhecimento a outra noite. Não há linguagem,

Leia mais

O QUE O CASO GALILEU TEM A ENSINAR SOBRE AS RELAÇÕES ENTRE CIÊNCIA E RELIGIÃO?

O QUE O CASO GALILEU TEM A ENSINAR SOBRE AS RELAÇÕES ENTRE CIÊNCIA E RELIGIÃO? O QUE O CASO GALILEU TEM A ENSINAR SOBRE AS RELAÇÕES ENTRE CIÊNCIA E RELIGIÃO? What The Galileo Case Has To Teach About The Relationship Between Science And Religion? Wellington Gil Rodrigues 1 Jéssica

Leia mais

2º bimestre 1ª série 12 - Era Medieval Formação e consolidação da Igreja Caps. 3.2, 3.3 e 7. Roberson de Oliveira Roberson de Oliveira

2º bimestre 1ª série 12 - Era Medieval Formação e consolidação da Igreja Caps. 3.2, 3.3 e 7. Roberson de Oliveira Roberson de Oliveira 2º bimestre 1ª série 12 - Era Medieval Formação e consolidação da Igreja Caps. 3.2, 3.3 e 7 Roberson de Oliveira Roberson de Oliveira 1 Igreja na Era Medieval Importância: 1. Único poder universal. 2.

Leia mais

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Unidade 2: História da Filosofia Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Períodos Históricos da Filosofia Filosofia Grega ou Antiga (Séc. VI a.c. ao VI d.c.) Filosofia Patrística (Séc. I ao VII) Filosofia

Leia mais

Aula 08 Terceiro Colegial.

Aula 08 Terceiro Colegial. Aula 08 Terceiro Colegial Cristianismo: Entre a Fé e a Razão Busca por uma base racional para sustentar a fé Formulações filosóficas se estendendo por mais de mil anos Cristianismo Palavra de Jesus, que

Leia mais

A REVOLUÇÃO CIENTÍFICA 7ºANO

A REVOLUÇÃO CIENTÍFICA 7ºANO A REVOLUÇÃO CIENTÍFICA 7ºANO Estudaremos a Revolução Científica que teve início no Renascimento. Nessa revolução, a matemática teve um importante papel, pois passou a ser considerada o melhor instrumento

Leia mais

CONCEITOS DE GRAVITAÇÃO E NOÇÕES DE BURACOS NEGROS

CONCEITOS DE GRAVITAÇÃO E NOÇÕES DE BURACOS NEGROS Universidade de São Paulo Faculdade de Educação Metodologia do Ensino de Física Professor Maurício Pietrocola São Paulo 2008 André Quirino Pereira 4895646 Caio Correia Gomes 4897839 Clayton Alves Figueiredo

Leia mais

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu O que será abordado neste curso: O Caminho até a Teoria da Gravitação de Newton: Parte 1 (4 aulas) Conceitos básicos de Astronomia: Movimento do Sol e dos

Leia mais

CIÊNCIA E FÉ. Mário Antônio Sanches 1

CIÊNCIA E FÉ. Mário Antônio Sanches 1 CIÊNCIA E FÉ Mário Antônio Sanches 1 1. Podemos dizer que as estrelas nos céus sempre despertaram a curiosidade humana. Hoje, com os estudos das Ciências, sabemos que são imensas fornalhas nucleares geradoras

Leia mais

!" #$! %&% '( CAUSAS: ! "# $ % & ' $ (% & ) * + *, -$. / ++.) */ 0.) 0 0 0*

! #$! %&% '( CAUSAS: ! # $ % & ' $ (% & ) * + *, -$. / ++.) */ 0.) 0 0 0* º º !" #$! %&% '( CAUSAS:! "# $ % & ' $ (% & ) * + *, -$. / ++.) */ 0.) 0 0 0* -/ - !"#$%&'(#)*' $%+&,)* $-./0*1+2 23)4 15 $$ '6 & ) * + *, -$. / ++.) */ Séc. XIV e XV John Wyclif (Inglaterra) Jan Hus

Leia mais

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu O que será abordado neste curso: O Caminho até a Teoria da Gravitação de Newton: Parte 1 (4 aulas) Conceitos básicos de Astronomia: Movimento do Sol e dos

Leia mais

Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA. Professora Andréa Cardoso

Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA. Professora Andréa Cardoso Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA Professora Andréa Cardoso OBJETIVO DA AULA: Reconhecer a importância da Trigonometria na compreensão de fenômenos naturais 2 UNIDADE I: EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E

Leia mais

FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL

FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL Santo Agostinho séc. IV São Tomás de Aquino séc. XIII PATRÍSTICA e ESCOLÁSTICA Platão séc. IV a.c. Aristóteles séc. III a.c A RELAÇÃO ENTRE FÉ E RAZÃO Questões fundamentais para

Leia mais

Modelos do Sistema Solar. Roberto Ortiz EACH/USP

Modelos do Sistema Solar. Roberto Ortiz EACH/USP Modelos do Sistema Solar Roberto Ortiz EACH/USP Grécia antiga (750 a.c. 146 a.c.) Desenvolvimento da Matemática, Geometria, Astronomia, Filosofia, Política, etc. Em sua obra Metafísica, Aristóteles (384

Leia mais

OS PRIMEIROS MODELOS COSMOLÓGICOS MODERNOS. Anderson Moraes

OS PRIMEIROS MODELOS COSMOLÓGICOS MODERNOS. Anderson Moraes OS PRIMEIROS MODELOS COSMOLÓGICOS MODERNOS Anderson Moraes Modelos Cosmológicos modernos. Einstein De Sitter Lemaitre Friedmam Eddington COSMOLOGIA Cosmologia é o estudo em larga escala do Universo, sua

Leia mais

A transição para o capitalismo

A transição para o capitalismo A transição para o capitalismo Embora não tenham elaborado uma teoria do conhecimento, pensadores modernos como Galileu e Newton propuseram, na prática, caminhos para chegar à verdade. Os pensamentos Modernos

Leia mais

Curso de História. Prof. Fabio Pablo. efabiopablo.wordpress.com

Curso de História. Prof. Fabio Pablo. efabiopablo.wordpress.com efabiopablo.wordpress.com Conteúdo O humanismo e o Renascimento Cultural Marco Polo. Multimídia A arte renascentista e o mecenato A Revolução Científica #Conceito O Renascimento foi um movimento artístico,

Leia mais

UMA NOVA VISÃO DE MUNDO Renascimento foi um movimento artístico (XIV e XVI); O período medieval era considerado limitado e pouco criativo; A Idade

UMA NOVA VISÃO DE MUNDO Renascimento foi um movimento artístico (XIV e XVI); O período medieval era considerado limitado e pouco criativo; A Idade UMA NOVA VISÃO DE MUNDO Renascimento foi um movimento artístico (XIV e XVI); O período medieval era considerado limitado e pouco criativo; A Idade Média ficou conhecida como a Idade das Trevas; Surgia,

Leia mais

A VIDA CULTURAL NA BAIXA IDADE MÉDIA (Séc. XI-XIV) História da Igreja I

A VIDA CULTURAL NA BAIXA IDADE MÉDIA (Séc. XI-XIV) História da Igreja I A VIDA CULTURAL NA BAIXA IDADE MÉDIA (Séc. XI-XIV) História da Igreja I Onde Estudar? Os séculos XI, XII, XIII e XIV foram de grande atividade intelectual. Dentro dos mosteiros e nas escolas das catedrais,

Leia mais

Conceitos Básicos e História

Conceitos Básicos e História Psicologia na Educação Aula 1 Conceitos Básicos e História Profa. Adriana Straube Nesta aula discutiremos sobre o conceito de psicologia. As origens da psicologia como ciência nascendo na Alemanha. História

Leia mais

06. REFORMAS RELIGIOSAS

06. REFORMAS RELIGIOSAS 06. REFORMAS RELIGIOSAS O clero e a Igreja Católica Igreja Católica instituição mais poderosa na Baixa Idade Média (séc. XI ao XV) única autoridade espiritual líder religioso único maior poder do que os

Leia mais

Fatores religiosos: Corrupção do clero religioso : Venda de relíquias sagradas; venda de indulgencias; lotes celestiais; Ignorância do clero a maior

Fatores religiosos: Corrupção do clero religioso : Venda de relíquias sagradas; venda de indulgencias; lotes celestiais; Ignorância do clero a maior Fatores religiosos: Corrupção do clero religioso : Venda de relíquias sagradas; venda de indulgencias; lotes celestiais; Ignorância do clero a maior parte dos sacerdotes desconhecia a própria doutrina

Leia mais

Tema 3 - Um panorama histórico da física III. Assunto: A ciência na Renascença. Parte 1

Tema 3 - Um panorama histórico da física III. Assunto: A ciência na Renascença. Parte 1 Universidade Federal de Ouro Preto ICEB - Departamento de Física Professor Armando Brizola FIS119 - A física no mundo moderno Tema 3 - Um panorama histórico da física III Assunto: A ciência na Renascença

Leia mais

POR QUE GEOCENTRISMO PREVALECEU?

POR QUE GEOCENTRISMO PREVALECEU? POR QUE GEOCENTRISMO PREVALECEU? Não percebemos a Terra se movendo contraintuitivo Modelo heliocêntrico contrariava frontalmente o pensamento aristotélico. Aristóteles: Sol jamais poderia ocupar o centro

Leia mais

CONTEÚDO: GRAVITAÇÃO UNIVERSAL FÍSICA NO ENEM COM IVÃ

CONTEÚDO: GRAVITAÇÃO UNIVERSAL FÍSICA NO ENEM COM IVÃ O ENEM AO LONGO DOS ANOS CONTEÚDO: GRAVITAÇÃO UNIVERSAL 1) (1998) Se compararmos a idade do planeta Terra, avaliada em quatro e meio bilhões de anos (4,5.10 9 anos), com a de uma pessoa de 45 anos, então,

Leia mais

Gravitação Universal. Física_9 EF. Profa. Kelly Pascoalino

Gravitação Universal. Física_9 EF. Profa. Kelly Pascoalino Gravitação Universal Física_9 EF Profa. Kelly Pascoalino Nesta aula: Introdução; Modelos planetários; As leis de Kepler; Lei da gravitação universal. INTRODUÇÃO Denomina-se gravitação, a área da Física

Leia mais

Arquitetura e Sustentabilidade. Antonio Castelnou PARTE IV

Arquitetura e Sustentabilidade. Antonio Castelnou PARTE IV Arquitetura e Sustentabilidade Antonio Castelnou PARTE IV CASTELNOU Mundo Moderno A partir do século XIV, os movimentos comunais reivindicaram o retorno do Poder municipal, passando os mercadores a financiarem

Leia mais

FILOSOFIA MEDIEVAL E OUTROS TEMAS PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II

FILOSOFIA MEDIEVAL E OUTROS TEMAS PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II FILOSOFIA MEDIEVAL E OUTROS TEMAS PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II FILOSOFIA NA IDADE MEDIEVAL A IDADE MÉDIA INICIOU-SE NA Europa com as invasões germânicas ou bárbaras no

Leia mais

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média:

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: EXERCÍCIOS ON LINE 3º BIMESTRE DISCIPLINA: Filosofia PROFESSOR(A): Julio Guedes Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: NOME: Nº.: Exercício On Line (1) A filosofia atingiu

Leia mais

Tema IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica

Tema IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica Tema IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica 2. ESTATUTO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO 2.3 A Racionalidade Científica e a Questão da Objectividade IV Conhecimento e Racionalidade Científica

Leia mais

REZANDO COM O EVANGELHO DO DIA (LECTIO DIVINA) Reflexões de Frei Carlos Mesters, O.Carm Reflexões de Pe. Lucas de Paula Almeida, CM

REZANDO COM O EVANGELHO DO DIA (LECTIO DIVINA) Reflexões de Frei Carlos Mesters, O.Carm Reflexões de Pe. Lucas de Paula Almeida, CM REZANDO COM O EVANGELHO DO DIA (LECTIO DIVINA) Reflexões de Frei Carlos Mesters, O.Carm Reflexões de Pe. Lucas de Paula Almeida, CM Quarta-feira da 4ª Semana do Tempo Comum 1) Oração Concedei-nos, Senhor

Leia mais

... RIO DE JANEIRO, 22 DE NOVEMBRO DE 2009

... RIO DE JANEIRO, 22 DE NOVEMBRO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II DIREÇÃO-GERAL DIRETORIA DE ENSINO EXAME DE SELEÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CANDIDATOS À MATRÍCULA NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 2010 UNIDADE ESCOLAR NOME DO(A) CANDIDATO(A):......

Leia mais

FÍSICA FILOSOFIA. Resumex JáEntendi 1. A FILOSOFIA NA IDADE MÉDIA. Características Fundamentais da Idade Média

FÍSICA FILOSOFIA. Resumex JáEntendi 1. A FILOSOFIA NA IDADE MÉDIA. Características Fundamentais da Idade Média FILOSOFIA FÍSICA Resumex JáEntendi 1. A FILOSOFIA NA IDADE MÉDIA O período histórico comumente chamado de Idade Média inicia- se no século V e termina no século XV. Portanto, ele representa mil anos de

Leia mais

CONHECIMENTO É PODER FRANCIS BACON ( )

CONHECIMENTO É PODER FRANCIS BACON ( ) CONHECIMENTO É PODER FRANCIS BACON (1561-1626) EM CONTEXTO ÁREA Filosofia da ciência ABORDAGEM Empirismo Empirismo é o movimento que acredita na experiência como formadora de ideias, discordando da noção

Leia mais

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Galileu e Copérnico

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Galileu e Copérnico PARTE 2 do curso Ptolomeu, Galileu e Copérnico O que será abordado neste curso: O Caminho até a Teoria da Gravitação de Newton: Parte 1 (4 aulas) Conceitos básicos de Astronomia: Movimento do Sol e dos

Leia mais

Colégio Santa Cruz - Profª Beth

Colégio Santa Cruz - Profª Beth 1 Andreas Cellarius (1660) 2 3 Aristóteles (sec. IV ac): Tratado Do Céu: Mundo terrestre (sublunar): 4 elementos fundamentais (terra, água, fogo e ar) Não é descrito com a matemática Mundo celeste (supra-lunar):

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática. FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

Escola Ryle de Teologia. Grade Curricular 1º Ano

Escola Ryle de Teologia. Grade Curricular 1º Ano Escola Ryle de Teologia Ensinando o poder do evangelho de Cristo Grade Curricular 1º Ano Introdução à Bíblia Como não se pode fazer teologia sem a Palavra de Deus, vamos dar início com esse tema. Este

Leia mais

Sumário. Prefácio, 13. Primeira parte - Fundamentação, 15

Sumário. Prefácio, 13. Primeira parte - Fundamentação, 15 Sumário Prefácio, 13 Primeira parte - Fundamentação, 15 I. A teologia fundamental como ciência teológica básica, 17 1 Teologia como "fala de Deus", 17 1.1 Tipos básicos de teologia, 17 a) A teologia como

Leia mais

Unidade I Grandes civilizações antigas. Aula 13 Revisão e avaliação da unidade III

Unidade I Grandes civilizações antigas. Aula 13 Revisão e avaliação da unidade III HISTÓRIA REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 Unidade I Grandes civilizações antigas. Aula 13 Revisão e avaliação da unidade III HISTÓRIA REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 O que é um Fato Histórico? Quando ultrapassa

Leia mais

Método Científico. História e Definição. João Pena dos Reis

Método Científico. História e Definição. João Pena dos Reis História e Definição João Pena dos Reis Estrutura: - Introdução - História Simplificada do Método Científico - Método Hipotético-Dedutivo e outras perspectivas - Conclusões 1- Introdução: A importância

Leia mais

NIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

NIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA NIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA LABORATÓRIO DE FÍSICA NUCLEAR APLICADA (LFNA) criado em 1977 VISITE NOSSO SITE: http://www.fisica.uel.br/gfna Venha conhecer o laboratório! Micro e Macrocosmos Uma rápida

Leia mais

HISTÓRIA 1 ANO PROF. AMAURY PIO PROF. EDUARDO GOMES ENSINO MÉDIO

HISTÓRIA 1 ANO PROF. AMAURY PIO PROF. EDUARDO GOMES ENSINO MÉDIO HISTÓRIA 1 ANO PROF. AMAURY PIO PROF. EDUARDO GOMES ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade III Conceitos sobre Era Medieval e Feudalismo 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 12.2 Conteúdo As Reformas Religiosas

Leia mais

FILOSOFIA - 2 o ANO MÓDULO 08 A REAÇÃO DE ROMA: O CONCÍLIO DE TRENTO

FILOSOFIA - 2 o ANO MÓDULO 08 A REAÇÃO DE ROMA: O CONCÍLIO DE TRENTO FILOSOFIA - 2 o ANO MÓDULO 08 A REAÇÃO DE ROMA: O CONCÍLIO DE TRENTO Como pode cair no enem A Reforma protestante e a Contrarreforma envolveram aspectos ligados à doutrina da religião cristã e à forma

Leia mais

TC I e a LEIC. O que é um Engenheiro da LEIC FEUP? Objectivos da LEIC FEUP: Requisitos de Conhecimentos: Que desafios presentes e futuros?

TC I e a LEIC. O que é um Engenheiro da LEIC FEUP? Objectivos da LEIC FEUP: Requisitos de Conhecimentos: Que desafios presentes e futuros? TC I e a LEIC O que é um Engenheiro da LEIC FEUP? Que desafios presentes e futuros? Objectivos da LEIC FEUP: Conhecimentos, capacidades e atitudes para exercer a profissão? Componentes de "educação liberal

Leia mais

1B Aula 01. O Iluminismo

1B Aula 01. O Iluminismo 1B Aula 01 O Iluminismo O contexto histórico em que surgiu o Iluminismo O Iluminismo foi acima de tudo uma revolução cultural porque propôs uma nova forma de entender a sociedade e significou uma transformação

Leia mais

Por que um livro de Copérnico vale mais de 2 milhões de dólares?

Por que um livro de Copérnico vale mais de 2 milhões de dólares? Ano 1, n. 1, 2008 Seção Artigos 17/07/2008 Por que um livro de Copérnico vale mais de 2 milhões de dólares? Francisco Caruso Francisco Caruso é físico, professor da UERJ e pesquisador do Centro Brasileiro

Leia mais

UNIDADE IV - LEITURA COMPLEMENTAR

UNIDADE IV - LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE IV - LEITURA COMPLEMENTAR Alunos (as), Para que vocês encontrem mais detalhes sobre o tema Métodos Científicos, sugerimos a leitura do seguinte texto complementar, desenvolvido pelos professores

Leia mais

AS LEIS DE KEPLER A LEI DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

AS LEIS DE KEPLER A LEI DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL AS LEIS DE KEPLER A LEI DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL Um pouco de História Grécia antiga: Determinação da diferença entre as estrelas fixas e errantes (planetas) Primeiros modelos planetários explicando o movimento

Leia mais

PADRES APOLOGISTAS, APOSTÓLICOS E CONTROVERSISTAS... PROFESSOR UILSON FERNANDES 19/09/2016

PADRES APOLOGISTAS, APOSTÓLICOS E CONTROVERSISTAS... PROFESSOR UILSON FERNANDES 19/09/2016 PADRES APOLOGISTAS, APOSTÓLICOS E CONTROVERSISTAS... PROFESSOR UILSON FERNANDES 19/09/2016 DEFINIÇÕES CONCEITUAIS... O nome patrística advém diretamente das figuras desse grande primeiro momento da Filosofia

Leia mais

Aula 01 O conhecimento vivo

Aula 01 O conhecimento vivo Metodologia da Pesquisa Científica Aula 01 O conhecimento vivo Bloco 1 Dra. Rita Mazaro Na nossa vida diária utilizamos e convivemos com conhecimentos construídos ao longo da história por diferentes povos

Leia mais

O CONHECIMENTO E SEUS NÍVEIS

O CONHECIMENTO E SEUS NÍVEIS O CONHECIMENTO E SEUS NÍVEIS 1. O CONHECIMENTO é uma relação que se estabelece entre o sujeito que conhece e o objeto conhecido. O sujeito que conhece se apropria, de certo modo, do objeto conhecido. Através

Leia mais

NÚCLEO GERADOR7 SABERES FUNDAMENTAIS CONTEXTO PROFISSIONAL (DR2): PROCESSOS E MÉTODOS CIENTÍFICOS

NÚCLEO GERADOR7 SABERES FUNDAMENTAIS CONTEXTO PROFISSIONAL (DR2): PROCESSOS E MÉTODOS CIENTÍFICOS NÚCLEO GERADOR7 SABERES FUNDAMENTAIS CONTEXTO PROFISSIONAL (DR2): PROCESSOS E MÉTODOS CIENTÍFICOS Competência: Recorrer a processos e métodos científicos para actuação em diferentes domínios da vida social

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - abril ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 FILOSOFIA QUESTÃO 01

Processo Seletivo/UFU - abril ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 FILOSOFIA QUESTÃO 01 FILOSOFIA QUESTÃO 01 Considere as seguintes afirmações de Aristóteles e assinale a alternativa correta. I -... é a ciência dos primeiros princípios e das primeiras causas. II -... é a ciência do ser enquanto

Leia mais

REVISÃO DE CIÊNCIAS 1 TRIMESTRE 6 ANOS. Professores: José Roberto e Raphaela.

REVISÃO DE CIÊNCIAS 1 TRIMESTRE 6 ANOS. Professores: José Roberto e Raphaela. REVISÃO DE CIÊNCIAS 1 TRIMESTRE 6 ANOS Professores: José Roberto e Raphaela. SUSTENTABILIDADE Nosso planeta está com muitos problemas ambientais. Essa situação provoca um reflexão sobre o princípios e

Leia mais

Você sabe por que vamos à escola? Ensino é responsabilidade do Estado e de que todos têm direito à educação ideias novas.

Você sabe por que vamos à escola? Ensino é responsabilidade do Estado e de que todos têm direito à educação ideias novas. Escolástica: a filosofia das escolas cristãs 3º BIMESTRE 7º Ano A filosofia cristã na Escolástica Você sabe por que vamos à escola? Ensino é responsabilidade do Estado e de que todos têm direito à educação

Leia mais

Paulo é um dos grandes homens do cristianismo e um exemplo para todos nós: Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo (1 Co 11:1)

Paulo é um dos grandes homens do cristianismo e um exemplo para todos nós: Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo (1 Co 11:1) APÓSTOLO PAULO Paulo é um dos grandes homens do cristianismo e um exemplo para todos nós: Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo (1 Co 11:1) Mas o Senhor lhe disse: Vai, porque este é para

Leia mais

REFORMA PROTESTANTE. 1- CONTEXTO HISTÓRICO: 1.1- Início do século XVI no Norte da Europa.

REFORMA PROTESTANTE. 1- CONTEXTO HISTÓRICO: 1.1- Início do século XVI no Norte da Europa. REFORMA PROTESTANTE 1- CONTEXTO HISTÓRICO: 1.1- Início do século XVI no Norte da Europa. 1.2- Processo final de formação das monarquias nacionais absolutistas. 1.3- Grandes navegações: transformações econômicas,

Leia mais

Tema 2 - Um panorama histórico da física II

Tema 2 - Um panorama histórico da física II Universidade Federal de Ouro Preto ICEB - Departamento de Física Professor Armando Brizola FIS119 - A física no mundo moderno Tema 2 - Um panorama histórico da física II Assunto: A ciência no mundo medieval

Leia mais

Fundamentos de Astronomia Turma (T)

Fundamentos de Astronomia Turma (T) Nelson Vani Leister IAG- Dep.Astronomia Os Babilônios Os Gregos Uma visão Geral AGA-0215 Fundamentos de Astronomia Turma 201704 (T) Aula #2 Thales Escola Pitagórica A noção detempo sempre Ordem dominava

Leia mais

Profa. Andréa Cardoso UNIFAL-MG MATEMÁTICA-LICENCIATURA 2015/1

Profa. Andréa Cardoso UNIFAL-MG MATEMÁTICA-LICENCIATURA 2015/1 Profa. Andréa Cardoso UNIFAL-MG MATEMÁTICA-LICENCIATURA 2015/1 Aula 25: Funcionalidade e Funções 01/06/2015 2 Funcionalidade na Antiguidade Ideia de correspondência ou noção de dependência. Tabelas babilônicas

Leia mais

Área de competência-sociedade, tecnologia e ciência (stc) O homem no espaço

Área de competência-sociedade, tecnologia e ciência (stc) O homem no espaço Área de competência-sociedade, tecnologia e ciência (stc) Turma S-12-ano lectivo-2010-1011 Formadora-Professora-Isabel Carvalho Formando-Pedro Gonçalves O homem no espaço A teoria Geocêntrica heliocêntrica

Leia mais

A Epistemologia de Kuhn

A Epistemologia de Kuhn ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências A Epistemologia de Kuhn Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Thomas Kuhn Kuhn nasceu em Cincinatti, Ohio,

Leia mais

PROFESSOR ALEXANDRE SCHMITZ FÍSICA

PROFESSOR ALEXANDRE SCHMITZ FÍSICA MARATONA PISM I PROFESSOR ALEXANDRE SCHMITZ FÍSICA TÓPICO 1 - MECÂNICA 1.1 CINEMÁTICA CINEMÁTICA ESCALAR VETORIAL MU MUV ANGULAR MCU MU v = CONSTANTE V = Δs Δt s = s 0 + v. t ESCALAR s = s 0 + v 0 t +

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA

REFORMA E CONTRARREFORMA REFORMA E CONTRARREFORMA CONHECER E COMPREENDER A REFORMA PROTESTANTE Porque houve uma Reforma religiosa na Europa? Venda de indulgências Luxo da Igreja Corrupção Falta de vocação de membros do Clero Afastamento

Leia mais

Biografias. Claudio Ptolomeu Nicolau Copérnico Pitágoras de Sámos Aristóteles

Biografias. Claudio Ptolomeu Nicolau Copérnico Pitágoras de Sámos Aristóteles Biografias Claudio Ptolomeu Nicolau Copérnico Pitágoras de Sámos Aristóteles Claudio Ptolomeu Claudio Ptolomeu Cláudio Ptolomeu nasceu no início do século II da era cristã em Ptololemaida, Hérmia. Com

Leia mais

Renascimento, Reformas, Grandes Navegações, Mercantilismo e Colonialismo

Renascimento, Reformas, Grandes Navegações, Mercantilismo e Colonialismo Renascimento, Reformas, Grandes Navegações, Mercantilismo e Colonialismo Renascimento e Reformas 1. As imagens abaixo ilustram alguns procedimentos utilizados por um novo modo de conhecer e explicar a

Leia mais

FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Roteiro 28

FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Roteiro 28 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Roteiro 28 Objetivos Analisar a citação de Jesus: Há muitas moradas na casa do Pai, à luz da

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 7º História Rafael / Carol Av. Mensal 29/09/15 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta prova

Leia mais

INTRODUÇÃO. Um pouco de História...

INTRODUÇÃO. Um pouco de História... INTRODUÇÃO Um pouco de História... Mundo na Antigüidade Estrelas (6000) Lua Marte Mercúrio Júpiter Vênus Saturno S l Esfera das estrelas fixas Sistema Geocêntrico ( Ptolomeu, séc. II ) Neste sistema, tudo

Leia mais

Queriam uma religião mais simples, mais próxima dos ensinamentos de Jesus.

Queriam uma religião mais simples, mais próxima dos ensinamentos de Jesus. Como estudamos anteriormente, no final de Idade Média e início da Idade Moderna, muitas pessoas estavam insatisfeitas com os abusos da Igreja. Queriam uma religião mais simples, mais próxima dos ensinamentos

Leia mais

Fatos passados e verdades atuais

Fatos passados e verdades atuais ã ã Fatos passados e verdades atuais 1 Jair Alves Fatos passados e verdades atuais na visão cristã. 2014 de Jair Alves Primeira edição 2014 Todos os direitos reservados por: Jair Alves de Sousa Nenhuma

Leia mais

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA CENÁRIO HISTÓRICO A Sociologia surge como conseqüência das mudanças trazidas por duas grandes revoluções do século XVIII. As mudanças trazidas pelas duas

Leia mais

Módulo VII. 25/12/1642, Wolsthorpe, Inglaterra 20/03/1727, Kensington, Inglaterra

Módulo VII. 25/12/1642, Wolsthorpe, Inglaterra 20/03/1727, Kensington, Inglaterra 1 urso Matemática Para oncursos II Módulo VII Módulo VII Neste módulo estudaremos o Binômio de Newton que foi desenvolvido em 1667, por Isaac Newton. O Binômio de Newton trata dos números binomiais em

Leia mais

Econômicas Religiosas Morais Políticas

Econômicas Religiosas Morais Políticas Prof. Thiago Causas da Reforma Econômicas Interesse da nobreza feudal nas terras da Igreja Descontentamento da Burguesia com tributos eclesiásticos Igreja condenava o lucro e a usura Religiosas Novas interpretações

Leia mais

PROVA FINAL DA DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À TEOLOGIA BÍBLICA

PROVA FINAL DA DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À TEOLOGIA BÍBLICA INSTITUTO EDUCACIONAL DE TEOLOGIA EVANGÉLICA[1] PROVA FINAL DA DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À TEOLOGIA BÍBLICA SISTEMA EAD DE NATUREZA JURÍDICA LIVRE ALUNO (A): MAT: 000/2014 MATÉRIA: INTRODUÇÃO À TEOLOGIA

Leia mais

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Tomás de Aquino (1221-1274) Tomás de Aquino - Tommaso d Aquino - foi um frade dominicano

Leia mais

Versão A. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta

Versão A. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta Versão A Grupo I (10 x 3 = 30 Assinala a alternativa correta 1.A filosofia não é uma ciência: a) Porque a filosofia consiste na procura do conhecimento factual. b) Porque os problemas e métodos da filosofia

Leia mais

e tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor, como igualmente o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada,

e tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor, como igualmente o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada, e tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor, como igualmente o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada, ao falar acerca destes assuntos, como, de fato, costuma

Leia mais

SE LIGA NESSA HISTÓRIA

SE LIGA NESSA HISTÓRIA SE LIGA NESSA HISTÓRIA Prof. Walter www.seliganessahistoria.com.br IDADE MODERNA EXERCÍCIO (EMM001) Valorização Cultural Que obra de arte é o homem: tão nobre no raciocínio, tão vário na capacidade; em

Leia mais

A HISTÓRIA DO PENSAMENTO CIENTÍFICO

A HISTÓRIA DO PENSAMENTO CIENTÍFICO A HISTÓRIA DO PENSAMENTO CIENTÍFICO Profa. Msc. Raquel Maria Rodrigues Departamento de Genética e Biologia Evolutiva Universidade de São Paulo Secretaria de Educação do Estado de São Paulo Guarulhos, Julho/2010

Leia mais

O corpo físico é mau e inferior à alma?

O corpo físico é mau e inferior à alma? O corpo físico é mau e inferior à alma? Compreendendo a natureza humana por Paulo Sérgio de Araújo INTRODUÇÃO Conforme a teoria das idéias (ou teoria das formas ) do filósofo grego Platão (428-347 a.c.),

Leia mais

Introdução. Aula 6: Movimento dos Planetas as leis de Kepler.

Introdução. Aula 6: Movimento dos Planetas as leis de Kepler. Aula 6: Movimento dos Planetas as leis de Kepler. Maria de Fátima Oliveira Saraiva, Kepler de Oliveira Filho & Alexei Machado Müller Introdução O trabalho de Nicolau Copérnico iniciou uma mudança dramática

Leia mais

R enascimento. Prof.: André Vinícius Magalhães

R enascimento. Prof.: André Vinícius Magalhães R enascimento Prof.: André Vinícius Magalhães O que é Renascimento????? O termo Renascimento é comumente aplicado à Europa entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

A Ciência Moderna: Séc XVII a Séc XIX. Prof. Carlos Alexandre Wuensche

A Ciência Moderna: Séc XVII a Séc XIX. Prof. Carlos Alexandre Wuensche A Ciência Moderna: Séc XVII a Séc XIX Prof. Carlos Alexandre Wuensche 1 Introdução Fundamentação da ciência moderna, tal como a conhecemos Carimbo matemático na descrição dos fenômenos naturais Aparecimento

Leia mais

FILOSOFIA MEDIEVAL: ESCOLÁSTICA 3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP

FILOSOFIA MEDIEVAL: ESCOLÁSTICA 3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP 3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP Por Filosofia Escolástica entende-se a filosofia dominante no período compreendido entre os séculos IX e XIV XV, ensinada comumente nas escolas,

Leia mais

Relatório das apresentações do dia 17 de agosto de 2010

Relatório das apresentações do dia 17 de agosto de 2010 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA (IFBA CAMPUS SANTO AMARO) Graduandos: Raphael Alves Lailson dos Santos Lúcio Álvaro Jeanderval Santos Lisandro Gomes Relatório das apresentações do dia

Leia mais

HARMONIA DO MUNDO. Documentário da série Avisos da Natureza: lições não aprendidas

HARMONIA DO MUNDO. Documentário da série Avisos da Natureza: lições não aprendidas HARMONIA DO MUNDO Documentário da série Avisos da Natureza: lições não aprendidas SINOPSE Um professor de física discute e apresenta uma proposta de atividade sobre o documentário A Harmonia dos Mundos,

Leia mais

Interpretação Bíblica

Interpretação Bíblica IGREJA ALIANÇA EVANGÉLICA MISSIONÁRIA Interpretação Bíblica Disciplina 17/03/2011 Este material didático, é de grande importância para o estudo em seminário, visando a formação dos futuros líderes e obreiros

Leia mais