DA COMPETÊNCIA POR CONEXÃO E CONTINÊNCIA NO PROCESSO PENAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DA COMPETÊNCIA POR CONEXÃO E CONTINÊNCIA NO PROCESSO PENAL"

Transcrição

1 DA COMPETÊNCIA POR CONEXÃO E CONTINÊNCIA NO PROCESSO PENAL Francisco Simões Pacheco Savoia 1 2 Professor do Curso de Direito da UNAERP UNAERP - Universidade de Ribeirão Preto - Campus Guarujá Resumo O presente artigo visa abordar os institutos da conexão e da continência no âmbito do processo penal, estudando suas hipóteses e sua aplicação, sem, com isso, buscar o aprofundamento do tema, mas sim familiarizar o leitor com uma questão pouco estudada nos bancos acadêmicos da graduação, mas de grande importância para o direito. Este artigo encontra-se fincado na mais abalizada doutrina sobre o tema e orientado pelas principais decisões dos Tribunais Superiores para que o seu objetivo seja atingido. Palavras-Chave: Código de Processo Penal; competência; conexão e continência; 1. INTRODUÇÃO. O presente artigo visa aprofundar o estudo das regras acerca da jurisdição e da competência no âmbito do processo penal. No entanto, para o presente artigo, faremos mais um recorte dentro da matéria competência no processo penal para focarmos, tão-somente, nas regras da competência por conexão ou continência. O tema competência é dos temas mais áridos, dentro do processo penal, tendo em vista as diversas peculiaridades existentes. Assim, o presente artigo busca analisar os temas de relevo dentro deste assunto, organizando e sistematizando suas regras, sempre tentando traçar o paralelo com a mais abalizada doutrina sobre o tema, com a jurisprudência predominante e exemplos elucidativos. Portanto, o presente artigo não visa esgotar e exaurir a matéria, mas, sim, enfrentar os temas espinhos de maneira sistemática para facilitar a compreensão sobre o tema. 1 Advogado militante na área criminal, atua no escritório Mendes e Savoia Advogados. Mestrando em Direito - área de concentração Direito Processual Penal - pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC/SP. Especialista em Direito Penal, Processual Penal e Legislação Penal Especial pela Escola Paulista de Direito - EPD. Professor de Direito Penal e Direito Constitucional da Universidade de Ribeirão Preto - Unaerp. Professor Assistente da Pós Graduação Lato Sensu (Especialização) da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC/SP. Professor Assistente da Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes - LFG - 2ª Fase de Direito Penal para OAB. Bacharel em Direito pela Universidade Católica de Santos (2010). Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Direito Penal e Processual Penal. 2 Este trabalho é fruto de pesquisa gerada pelo Grupo de Pesquisa Regimes e Modelos Jurídicos, Econômicos, Ambientais e Internacionais nas Pessoas Jurídicas de Direito Privado do curso de Direito na UNAERP Campus Guarujá. 1

2 Assim o presente estudo é um convite para a reflexão sobre os temas atinentes à competência por conexão e continência. 2. Metodologia e objetivos Será trabalhado por uma perspectiva doutrinária-legal, portanto de natureza bibliográfica, com nuances empíricos extraídos a partir de análise de casos particulares noticiados em meios de comunicação. O método será o dedutivosubjetivo, já que se passa por uma abordagem inicialmente conceitual para constatação de problemáticas particulares. O objetivo deste estudo analisar o instituto da conexão e continência à luz da doutrina moderna, além dos desdobramentos do Direito Penal Internacional. 3. DA JURISDIÇÃO E DA COMPETÊNCIA 3.1. Da jurisdição penal Jurisdição, palavra oriunda do latim, jurisdictìo ónis, que significa a ação de administrar a justiça. Assim, jurisdição é o poder do Estado de fazer incidir no caso concreto o direito. É correto afirmar que todos os juízes têm este poder jurisdicional. Rogério Lauria Tucci, citado por Nucci, define a jurisdição da seguinte forma: É uma função estatal inerente ao poder-dever de realização de justiça, mediante atividade substitutiva de agentes do Poder Judiciário juízes e tribunais -, concretizada na aplicação do direito objetivo a uma relação jurídica, com a respectiva declaração, e o consequente reconhecimento, satisfação ou assecuração do direito subjetivo material de um dos titulares das situações (ativa e passiva) que a compõem (NUCCI, 2010, p. 189). Para Hélio Tornaghi: o conceito de jurisdição é ontológico, diz respeito ao poder em si, ao pode de julgar (...) Jurisdição é forma, é princípio criador, algo positivo. (TORNAGHI, 1977, p. 115). Como o Estado é o detentor do poder de distribuição de justiça, somente ele, através de seus órgãos, é quem pode efetivá-la, criando e aplicando leis. São apontados como princípios/características da jurisdição penal: a investidura, que é o pressuposto fundamental para o exercício da jurisdição. Aquele que irá exercer a jurisdição necessariamente deverá ter se submetido aos concursos públicos, para, caso aprovado, venha a ser investido no cargo. A indeclinabilidade da jurisdição, que é cláusula pétrea em nosso ordenamento jurídico por força do disposto no art. 5º, inciso XXXV da Constituição Federal, impede que o juiz abstenha-se de seu ministério, não podendo declinar nenhum dos casos que forem de sua competência, ressalvadas algumas hipóteses excepcionais, tais como, suspeição, impedimento, etc. 2

3 A jurisdição é ainda, segundo Nucci (2010, p. 190) e Marco Antonio (SILVA; FREITAS, 2012, p. 147), indelegável, ou seja, o juiz é impedido de delegar suas funções. Casos, como o de expedição de carta precatória, por exemplo, há, na verdade, delegação de competência e, não, de jurisdição, que é intransmissível. É, também, improrrogável, tirante os casos em que a própria lei prevê situações diferenciadas e, via de consequência, cria regras excepcionais, como nos casos de competência por conexão ou continência, por exemplo. É vedado, segundo ao art. 5º, XXXVII, da Constituição Federal, a criação de juízo ou tribunal de exceção, com poder jurisdicional, após o fato criminoso. Desta determinação constitucional surde o princípio da proibição de criação de juízo ou tribunal de exceção. O princípio do juiz natural que, também, emerge da Constituição Federal, em seu art. 5º, LIII, é mais um princípio que gravita em torno da jurisdição, implicando na necessidade de haver um juiz competente (ou melhor, regras para defini-lo) antes mesmo do fato criminoso. Só há jurisdição mediante iniciativa das partes, através da ação, donde se extrai o princípio da iniciativa das partes ou, inércia da jurisdição. Para garantia da jurisdição, outro princípio que sobressai é a garantia das decisões judiciais, previsto no art. 93, IX da Constituição Federal. Há, também, a garantia da identidade física do juiz, que é a opção do legislador pátrio por manter o juiz que colheu as provas em audiência de instrução, como o juiz que irá proferir a sentença, conforme o disposto no art. 399, 2º do Código de Processo Penal. Estes, portanto, são os princípios norteadores do gênero, jurisdição, do qual, a competência é a espécie Da competência criminal Sendo a jurisdição o poder-dever do Estado de aplicar o direito, e, algo imanente à função dos juízes, torna-se necessário especificar os limites deste poder, que é o que ocorre com a definição da competência. Caso inexistisse a divisão por competência, todos os juízes seriam igualmente competentes para julgar todos os casos, o que, invariavelmente, transformaria o ordenamento jurídico vigente num caos. Para organizar todo o sistema, definindo juízes competentes para cada caso concreto é que surge a competência, que é definida na doutrina, em regra, como a medida da jurisdição. Para o conspícuo professor Hélio Tornaghi, a competência é: a permissão legal para exercer uma fração dele [poder de jurisdição] com exclusão do resto, ou, melhor, a possibilidade (não o poder, não a potencialidade) de exercitá-lo por haver a lei entendido que o 3

4 exercício limitado do poder quadra em determinado esquema metódico (TORNAGHI, 1977, p. 114). É a competência que define o que são as causas trabalhistas, cíveis, tributárias, criminais, etc.. E, para o estudo proposto, nos apegando ao problema trazido à discussão, é que desceremos às entranhas apenas na seara criminal da competência. Para que se organize todo o sistema jurídico através da competência, foram criadas as regras na própria Constituição Federal, bem como, nas Leis, inclusive de organização judiciária. A forma mais didática para abordar a forma de se alcançar o juízo ou tribunal competente, foi proposta por Espínola Filho, citado por Nucci (NUCCI, 2010, p ), que sintetizou todas as regras previstas na Constituição Federal, Código de Processo penal e leis de organização judiciária, da seguinte forma: A regra geral para fixação da competência é o lugar da infração penal, conforme previsão do art. 69, inciso I, 70 e 71, todos do Código de Processo Penal. No caso de se desconhecer o lugar da infração, foi eleita uma segunda regra geral, que é o lugar do domicílio ou residência do réu, nos termos do artigo 69, inciso II, 72 e 73, todos, do Código de Processo Penal. Guilherme de Souza Nucci (NUCCI, 2010, p. 209) classifica esta regra de competência como sendo supletiva à primeira. São exceções a esta regra geral, a hipótese de se tratar de matéria especial, consoante o disposto no artigo 74 do Código de Processo Penal. Nesta regra, encontram-se as competências da justiça militar ou eleitoral. Ou, a segunda exceção à regra geral, que é a competência por prerrogativa de função, prevista nos artigos 69, inciso VII, 84 à 87 do Código de Processo Penal. Passando-se por esta primeira etapa, necessário selecionar o magistrado competente dentre tantos outros, igualmente competentes, ainda. Este critério de seleção está previsto no artigo 69, inciso IV e 75 do Código de Processo Penal. Quanto a esta seleção do magistrado competente, também existem algumas exceções. A primeira delas repousa na natureza da infração penal, artigo 74 do Código de Processo Penal, como, por exemplo, nas infrações relativas ao Tribunal do Júri, ou, de competência da justiça militar ou eleitoral. A segunda, diz respeito às regras de conexão e continência, previstas nos artigos 69, inciso V, 76 à 82 do Código de Processo Penal, e, a última exceção são as regras da prevenção esculpidas no artigo 69, inciso VI e 83 do Código de Processo Penal. Por derradeiro, a última regra é a prevenção residual, artigo 69, inciso VI e 83 do Código de Processo Penal, que é utilizada quando não há condições de se determinar o lugar da infração ou do domicílio do réu, quer seja porque a infração desenvolveu-se em diversas localidades, quer seja porque há incertezas quanto a divisa das comarcas. Nestes casos, utiliza-se a regra da prevenção residual, ou seja, o juiz que primeiro tiver contato com a matéria irá se tornar o juízo competente. 4

5 Desta forma é que se determina a competência em matéria criminal. Porém, em razão do escopo do presente estudo, apresentada na introdução, torna-se necessário fazer, neste momento, um corte epistemológico para o aprofundamento do estudo, tão somente, no que diz respeito aos critérios de definição de competência por prerrogativa de função Da competência em razão da conexão e da continência Tem por finalidade reunir os diversos delitos conexos ou os diferentes agentes num mesmo processo, para julgamento simultâneo. Na conexão, o interesse é evidentemente probatório, pois o vinculo estabelecido entre os delitos decorre de sua estreita ligação. Já na continência, o que se pretende é diante de um mesmo fato praticado por duas ou mais pessoas, manter uma coerência na decisão, evitando o tratamento diferenciado que poderia ocorrer caso o processo fosse desmembrado e os agentes julgados em separado. Para Marco Antonio (SILVA; FREITAS, 2012, p. 165), a competência por conexão ou continência são causas de modificação de competência por transferir para um juiz causas que seriam de competência de outro juiz. São efeitos destas causas a união de processos e a prorrogação de competência que, justificam-se em razão da economia processual e, impedindo-se julgamentos divergentes e contraditórios. Frederico Marques assevera que propicia uma visão mais completa dos fatos e da causa, constitui fator de melhor aplicação jurisdicional do direito. (MARQUES, 1980, p. 371). A conexão está prevista no artigo 76 do Código de Processo Penal: Art. 76. A competência será determinada pela conexão: I se, ocorrendo duas ou mais infrações, houverem sido praticadas, ao mesmo tempo, por várias pessoas reunidas, ou por várias pessoas em concurso, embora diverso o tempo e o lugar, ou por várias pessoas, umas contra as outras; II se, no mesmo caso, houverem sido umas praticadas para facilitar ou ocultar as outras ou para conseguir impunidade ou vantagem em relação a qualquer delas; III quando a prova de uma infração ou de qualquer de suas circunstâncias elementares influir na prova de outra infração. Trata-se da reunião de dois ou mais crimes, pouco importando quantos agentes. Não há conexão em um crime único, abarcado pela hipótese da continuidade delitiva, por exemplo. O artigo 76, inciso I do Código de Processo Penal, faz alusão a três situações: a intersubjetiva ocasional; a intersubjetiva concursal, e; a intersubjetiva por reciprocidade. Vejamos: A primeira, é o que a doutrina chamou de intersubjetiva ocasional que, ocorre quando duas ou mais infrações forem praticadas ao mesmo tempo e por várias pessoas reunidas. Não se confundir com concurso de agentes. Aqui a reunião de pessoas é ocasional, não 5

6 existe ajuste prévio. A situação faz a conexão, com várias pessoas cometendo vários crimes. Segundo o exemplo trazido por Marco Antonio, é o caso dos assistentes de um espetáculo que resolvem depedrar o teatro (SILVA; FREITAS, 2012, p. 166). Aury Lopes Júnior menciona o seguinte caso: Numa pacífica manifestação de protesto pela alta dos preços da cesta básica, promovida pela associação das donas de casa na frente de um supermercado, a situação começou a fugir do controle. Algumas senhoras, mais exaltadas, incitam as demais a fazerem uma invasão (que, obviamente, não era a intenção inicial do movimento). Eis que uma delas, mais agressiva, joga uma pedra na porta do supermercado, dando início a uma invasão. Assim, na mesma circunstância de tempo e lugar, várias pessoas cometem vários delitos (danos, furtos, ameaças e até lesões corporais), constituindose uma conexão intersubjetiva ocasional e implicando o julgamento simultâneo de todas as delinquentes e de todos os delitos praticados. (LOPES JÚNIOR, 2011, p. 473/474) A segunda, intersubjetiva concursal, ocorre quando duas ou mais infrações forem praticadas por várias pessoas em concurso, ainda que, diversos o tempo e o lugar. Nesse caso há o concurso de pessoas, com liame subjetivo e ajuste prévio. A conexão se estabelece a partir da pluralidade de crimes praticados por um grupo de pessoas previamente ajustados. O ajuste ou concurso pode ser tácito. Basta, outrossim, comunidade inicial de propósitos na atividade delituosa; não é indispensável que o acordo preveja as formas e modalidades de cada infração. (LOPES JÚNIOR, 2011, p. 473/474) Valendo-se mais uma vez para aclarar a situação, citamos o exemplo dado por Aury Lopes Júnior, de uma quadrilha que, para praticar um roubo a banco, furta ou rouba dois veículos, em dias diferentes, para, finalmente, cometer o roubo ao banco. Assim, temos duas ou mais infrações, cometidas por várias pessoas em concurso. Todos os crimes e pessoas serão reunidos no mesmo processo para julgamento simultâneo. (LOPES JÚNIOR, 2011, p. 474) Urge destacar a diferença entre as duas primeiras espécies, a ocasional e a concursal: Na conexão intersubjetiva por simultaneidade (ocasional), as infrações devem ser praticadas ao mesmo tempo e por duas ou mais pessoas reunidas, sendo que tal reunião é meramente ocasional, enquanto que, na conexão intersubjetiva por concurso, deverá haver entre os responsáveis um concerto prévio. (TOURINHO FILHO,1979, p. 168). Já a terceira hipótese diz respeito à conexão intersubjetiva por reciprocidade que, ocorre quando duas ou mais infrações forem praticadas por várias pessoas, umas contra as outras. 6

7 Neste inciso, sobressai a controvérsia acerca do crime de rixa que, para Marco Antonio (SILVA; FREITAS, 2012, p. 167), se trata de um exemplo desta terceira hipótese, enquanto que Aury Lopes Júnior (2011, p. 474) destaca que, para haver conexão ou continência é necessária a ocorrência de dois ou mais crimes, o que, inviabilizaria a aplicação das regras de conexão ou continência para os casos de rixa, o que, data maxima venia ao entendimento do professor Marco Antonio, acreditamos ser o mais correto. Para esta hipótese legal, enquadram-se situações como as brigas da torcida de futebol, por exemplo. O artigo 76, inciso II do Código de Processo Penal, abandona a ideia de intersubjetividade, pois, pode ser feita por uma única pessoa (ou por várias). Aqui temos a conexão objetiva. Continua existindo a pluralidade de crimes. Para o festejado professor Frederico Marques: Na conexão objetiva, as infrações ligadas entre si, ou derivam da mesma causa, ou são engendradas umas pelas outras. Para existir a conexão objetiva, não há necessidade de mais nada que a relação de causalidade, não se cogitando, por isso, de concomitância, pluralidade de agentes ou concerto prévio. Isto quer dizer que nesse conjunto de fatos que se encadeiam uns aos outros, pelos elos da relação de causa e efeito, podem ser vários os autores, ou haver um só agente. (MARQUES, 2000, p 374). Marco Antonio (SILVA; FREITAS, 2012, p. 167) a subdivide em objetiva lógica e objetiva consequencial. A conexão objetiva lógica ocorre quando a infração for praticada para facilitar a execução de outra, enquanto que a conexão objetiva consequencial seria a infração praticada para ocultar a prática de outra, ou, para conseguir a impunidade ou, ainda, vantagem em relação a qualquer delas. Já para Tourinho Filho, o artigo 76, inciso II do Código de Processo Penal, traz quatro hipóteses de conexão, sendo todas elas objetivas, sem distinção em lógica ou consequencial: Ocorrerá assim a conexão objetiva: a) quando as infrações são praticadas para facilitar as outras; b) quando praticadas para ocultar outras; c) quando praticadas para conseguir impunidade em relação a qualquer delas; d) quando praticadas para conseguir vantagem em relação a qualquer delas; (TOURINHO FILHO, 1979, p. 168). No artigo 76, inciso III do Código de Processo Penal, é tratada a hipótese de vínculo probatório. A prova de um crime influi na de outro ou, quando a existência de um crime depende da existência prévia de outro. Segundo Tourinho Filho: 7

8 Finalmente, a conexão probatória encontra seu fundamento na manifesta prejudicialidade homogênea que existe. Se a prova de uma infração influi na prova de outra, é evidente deva haver unidade de processo e julgamento, pois, do contrário, teria o juiz que suspender o julgamento de uma, aguardando a decisão quanto à outra. (TOURINHO FILHO, 1979, p ). A continência está prevista no artigo 77 do Código de Processo Penal e, será determinada da seguinte forma: Art. 77. A competência será determinada pela continência quando: I duas ou mais pessoas forem acusadas pela mesma infração. II No caso de infração cometida nas condições previstas nos arts. 51, 1º, 53, segunda parte, e 54 do Código Penal. No artigo 77, inciso I do Código de Processo Penal, há a pluralidade de pessoas e não, de crimes. Quando envolve a prerrogativa de função, todos são julgados no órgão competente em razão da prerrogativa de função, excetuado o caso de competência do Tribunal do Júri. No artigo 77, inciso II do Código de Processo Penal, o que existe é uma unidade delitiva por ficção normativa. Quando o agente mediante uma só ação ou omissão, comete dois ou mais crimes (concurso formal, artigo 70 do Código Penal), ou; erro na execução (artigo 73 do Código Penal), e, resultado diverso do pretendido (artigo 74 do Código Penal). Antes de adentrarmos nas regras sobre a definição da competência por conexão e continência, necessário ressalvar que, na conexão, se for considerado crime continuado, o critério para estabelecer a competência para julgar os crime será o da prevenção, prevista no artigo 71 do Código de Processo Penal. Sintetizando o assunto com o brilhantismo de sempre, Hélio Tornaghi, finaliza: Em resumo, pode dizer-se: quando com vários fatos se pratica um só crime, há unidade (crime continuado, crime progressivo, crime plurissubsistente); quando com vários fatos se cometem vários crimes, há conexão (desde que haja o elemento comum de que se falou acima, é claro); quando com um só fato se praticam vários crimes, há continência. (Tornaghi, 1977, p. 155) Das regras definidoras da competência por conexão ou continência Quanto às regras para definição da conexão ou continência, estas são previstas no artigo 78 do Código de Processo Penal, vejamos: Art. 78. Na determinação da competência por conexão ou continência serão observadas as seguintes regras: I no concurso entre a competência do júri e a de outro órgão da jurisdição comum, prevalecerá a competência do júri; II no concurso de jurisdições da mesma categoria: a) prepondera a do lugar da infração, à qual for cominada a pena mais grave; 8

9 b) prevalecerá a do lugar em que houver ocorrido o maior número de infrações, se as respectivas penas forem de igual gravidade; c) firmar-se-á a competência pela prevenção, nos outros casos; III no concurso de jurisdições de diversas categorias, predominará a de maior graduação; IV no concurso entre a jurisdição comum e a especial, prevalecerá esta. Para podermos definir se serão aplicadas as regras da conexão ou continência para determinados casos, devemos fazer a leitura do artigo 78 do Código de Processo Penal, de maneira didaticamente proposta por Aury Lopes Júnior (2011, p. 478), filtrando-se, na seguinte ordem, os incisos IV, III, I e II. Primeiro urge saber se algum dos crimes é de competência da justiça militar. Caso seja, lembrar que o crime militar separa, dos que não são (artigo 79, inciso I do Código de Processo Penal). Crime militar é julgado na Justiça Militar, seja ela federal ou estadual, e os demais crimes comuns na justiça comum, estadual ou federal. Segundo, necessário saber se algum dos crimes é eleitoral. A justiça eleitoral prevalece sobre as demais, salvo a militar, que cinde (artigo 78, inciso IV combinado com o artigo 79, inciso I do Código de Processo Penal). Destaca-se a observação feita pelo ilustre Desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo, Dr. Marco Antonio: Nos casos de conexão e continência, aquela prepondera sobre esta. As justiças especiais que têm competência criminal são a Eleitoral e a Militar. A ressalva a ser feita decorre do concurso de jurisdição especial com jurisdição definida em sede constitucional, quando haverá a cisão dos feitos. É o caso de um homicídio praticado por um civil em concurso com um crime eleitoral. Aquele será da competência do Tribunal do Júri e este, da Justiça Eleitoral. Diga-se o mesmo em se tratando de crime federal, pois estes vêm previstos na Carta Magna. (SILVA; FREITAS, 2012, p. 172) O terceiro questionamento a se fazer é se se trata de foro por prerrogativa de função (artigo 78, inciso III do Código de Processo Penal). Não sendo competência das justiças especiais, necessário saber se algum dos crimes é de competência da justiça federal, que estão previsto no artigo 109 da Constituição Federal. Se, um dos crimes for da competência da justiça comum federal, incide o artigo 78, inciso III do Código de Processo Penal, prevalecendo ela sobre a justiça comum estadual. Sobre o tema, necessário verificar o teor da súmula 122 do Superior Tribunal de Justiça: Compete à Justiça Federal o processo e julgamento unificado dos crimes conexos de competência federal e estadual, não se aplicando a regra do artigo 78, II, a, do CPP. 9

10 Portanto, passado este filtro (artigo 78, incisos III e IV do Código de Processo Penal), ou teremos, todos os crimes de competência da justiça federal ou todos os crimes da justiça estadual, ou seja, jurisdições de mesma categoria. Somente neste caso, de jurisdições de mesma categoria é que partimos para análise dos incisos I e II do artigo 78 do Código de Processo Penal. Para decidir qual dos dois incisos deverá ser aplicado ao caso concreto necessário se faz questionar se algum dos crimes é de competência do tribunal do júri, pois, caso a resposta seja afirmativa, todos os crimes serão julgados pelo tribunal popular. A competência constitucional do júri impõe-se sobre os órgãos de primeiro grau de jurisdição, por estar arraigada na Constituição Federal. Após mais este filtro, temos que o inciso II do artigo 78 do Código de Processo Penal deve ser o último a ser considerado para o estabelecimento da competência em razão da conexão ou continência. Este inciso nos traz três hipóteses: A primeira delas é a preponderância do lugar da infração mais grave, para tanto se analisa a pena em abstrato, mínima e máxima. Caso as penas mínimas sejam diferentes, o crime mais grave é o que tiver a maior pena mínima. Se este critério não resolver, comparam-se os regimes de cumprimento de pena, onde os de reclusão são mais graves que os de detenção. Outro ponto a ser comparado é a existência ou não da pena de multa. Se houver empate no primeiro quesito, deve prevalecer o lugar onde for praticado o maior número de infrações. E, por último, se houver empate em todos os critérios anteriores, prevalece o juízo prevento, que é o que praticou o primeiro ato decisório. Tratando-se de vários crimes em várias comarcas, e tiverem sido instaurados processos em cada comarca em que tiver havido o delito, por força da regra do artigo 82 do Código de Processo Penal, deveria o juiz com jurisdição prevalente avocar os demais processos. Todavia, esta avocação deve ser feita até o momento em que ainda não há sentença recorrível de primeiro grau de jurisdição nestes processos, pois, a partir deste momento, cessa a competência de primeiro grau e o juiz não poderá avocá-lo, pois, a competência deste outro processo passa a ser do Tribunal de Justiça. Se houver sentença, a unificação da pena ocorrerá na execução penal, em virtude do entendimento assentado na súmula nº 235 do Superior Tribunal de Justiça. Art. 82. Se, não obstante a conexão ou continência, forem instaurados processos diferentes, a autoridade de jurisdição prevalente deverá avocar os processos que corram perante outros juízes, salvo se já estiverem com sentença definitiva. Neste caso a unidade dos processos sé se dará, ulteriormente, para efeito de soma ou de unificação das penas. Outra hipótese interessante pertinente ao tema refere-se à prorrogação de competência, por conexão ou continência, também chamada de perpetuatio jurisdictionis. 10

11 Penal: Esta hipótese está prevista no caput do artigo 81 do Código de Processo Art. 81. Verificada a reunião dos processos por conexão ou continência, ainda que no processo da sua competência própria venha o juiz ou tribunala proferir sentença absolutória ou que desclassifique a infração para outra que não se inclua na sua competência, continuará competente em relação aos demais processos. Segundo Nucci, a razão de ser deste artigo é: A essa altura, colhida a prova toda, não tem mais cabimento devolver o conhecimento do processo a juízo diverso, impondo-se o julgamento pelo que conduziu a instrução. (NUCCI, 2010, p. 246). As exceções à regra estão previstas no parágrafo único do artigo 81, que, assim dispõe: Parágrafo único. Reconhecida inicialmente ao júri a competência por conexão ou continência, o juiz, se vier a desclassificar a infração ou impronunciar ou absolver o acusado, de maneira que exclua a competência do júri, remeterá o processo ao juízo competente. Por último, com a mudança legislativa que sofreu o procedimento do júri no ano de 2008, através da lei , Marco Antonio, aponta três situações para serem observadas quanto às exceções legais à prorrogação de competência, por conexão ou continência: a) Pronúncia. Ao terminar a fase do sumário da culpa (judicium accusationis), caso o juiz absolva sumariamente, desclassifique ou impronuncie o réu, de modo a retirar a competência do tribunal do júri para o processo e julgamento, compete-lhe remeter os autos ao juízo competente. b) Absolvição pelo Conselho de Sentença. Caso o tribunal do júri absolva o réu do crime doloso contra a vida, continuará competente para o julgamento dos crimes conexos ou continentes àquele. c) Desclassificação operada pelo Conselho de Sentença. Decidindo os jurados pela desclassificação do crime doloso contra a vida para outra de competência do juiz singular, o juiz-presidente será o competente para decidir a causa. A novidade veio trazida pelo art. 492 e parágrafos. O juiz-presidente, inclusive, ficará competente para o julgamento dos crimes conexos, respeitando se a desclassificação for para crime de menor potencial ofensivo, as benesses dos institutos despenalizadores previstos na Lei n /95 (SILVA; FREITAS, 2012, p. 177) Da cisão obrigatória e facultativa em razão da conexão ou continência Os artigos 79 e 80 do Código de Processo Penal trazem as hipóteses de cisão obrigatória e facultativa, ainda quando exista a conexão ou continência. A cisão obrigatória está prevista no artigo 79 do Código de Processo Penal, que dispõe da seguinte maneira: 11

12 Art. 79. A conexão e a continência importarão unidade de processo e julgamento, salvo: I no concurso entre a jurisdição comum e militar; II no concurso entre a jurisdição comum e a do juízo de menores; 1º Cessará, em qualquer caso, a unidade do processo, se, em relação a algum co-réu, sobrevier o caso previsto no art º A unidade do processo não importará a do julgamento, se houver co-réu foragido que não possa ser julgado à revelia, ou ocorrer a hipótese do art Nas hipóteses dos incisos I e II, haverá a separação obrigatória, portanto, pluralidade de processos, embora exista entre os crimes uma conexão. No parágrafo primeiro, está prevista a hipótese de, se em algum dos corréus advier doença mental superveniente ao crime, com relação a este o processo ficará suspenso, artigo 152 do Código de Processo Penal. Quando a doença é anterior ao crime, o processo segue, com a eventual pena sendo substituída por medida de segurança. No parágrafo segundo existem duas situação previstas. A primeira ocorre quando existe um processo com dois réus, porém, somente um é achado pelo oficial de justiça e é citado para responder ao processo. Neste caso o processo prossegue com relação ao réu citado e, fica suspenso pelo artigo 366 do Código de Processo Penal, com relação ao réu citado por edital. A segunda situação refere-se ao procedimento do júri, pois, agora, nos termos do artigo 469 do Código de Processo Penal, somente haverá separação dos julgamentos se houver estouro de urna, ou seja, se em razão das recusas não for obtido o número mínimo de sete jurados para compor o conselho de sentença. Neste caso será julgado em primeiro lugar o acusado a quem for atribuída a autoria do fato ou, em casos de coautoria, aplica-se o critério de preferência do artigo 429 do Código de Processo Penal. Para as hipóteses de cisão processual facultativa o artigo 80 do Código de Processo Penal, garante ao juiz uma enorme variedade de situações para optar pela cisão processual. Art. 80. Será facultada a separação dos processos quando as infrações tiverem sido praticadas em circunstâncias de tempo ou de lugar diferentes, ou, quando, pelo excessivo número de acusados e para não lhes prolongar a prisão provisória, ou por outro motivo relevante, o juiz reputar conveniente a separação. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS Com o presente artigo apresentamos ao leitor os institutos da conexão e da continência, previsto no Código de Processo Penal. Tais institutos, como visto, buscam possuem como seu objetivo principal evitar sentenças contraditórias. Esperamos que, com base nestes breves apontamos sobre o tema, o objetivo de explicar as regras destes institutos tenham sido alcançados, despertando 12

13 o leitor para o estudo aprofundado deste tema de grande relevância para o processo penal. 5. Bibliografia ARAÚJO, Luiz Alberto David e JÚNIOR, Vidal Serrano Nunes. Curso de Direito Constitucional. 11 edição. Editora: Saraiva. São Paulo, BONFIM, Edilson Mougenot. Curso de Processo Penal. Saraiva. São Paulo, edição. Editora: Código de Processo Penal Anotado. 4ª edição. Editora: Saraiva. São Paulo, CAPEZ, Fernando. Curso de Processo Penal. 19 edição. Editora: Saraiva. São Paulo, FERNANDES, Antonio Scarance. Processo Penal Constitucional. Editora: Revista dos Tribunais. São Paulo, edição. TOURINHO FILHO, Fernando da Costa. Processo Penal, Vol 2. 5 edição. Editora: Jalovi Ltda. São Paulo, GRINOVER, Ada Pellegrini, FILHO, Antonio Magalhães Gomes e FERNANDES, Antonio Scarance. As Nulidades no Processo Penal. 11ª edição. Editora: Revista dos Tribunais, São Paulo, Recursos no Processo Penal. 6ª edição. Editora: Revista dos Tribunais. São Paulo, JESUS, Damásio de. Código de Processo Penal Anotado. 23ª edição. Editora: Saraiva. São Paulo, LOPES JÚNIOR, Aury. Direito Processual Penal e sua Conformidade Constitucional. 7ª edição. Vol. I. Editora: Lumen Juris, Rio de Janeiro, Direito Processual Penal e sua Conformidade Constitucional. 6ª edição. Vol. II. Editora: Lumen Juris, Rio de Janeiro, SILVA JÚNIOR, Walter Nunes da. Curso de Direito Processual Penal: Teoria (Constitucional) do Processo Penal. Editora: Renovar. Rio de Janeiro, LENZA, Pedro. Direito Constitucional Esquematizado. 16ª edição..editora: Saraiva. São Paulo, MARQUES, Jóse Frederico. Elementos de Direito Processual Penal. 2ª edição. Vol. I. Editora: Millennium, Campinas, Tratado de Direito Processual Penal. Vol. I. Editora: Saraiva, São Paulo,

14 MAZZUOLI, Valério de Oliveira. Tribunal Penal Internacional e o direito Brasileiro, 2ª edição. Editora: Revista dos Tribunais, São Paulo, MIRABETE, Julio Fabbrini. Processo Penal. 18ª edição. Editora: Atlas. São Paulo, NUCCI, Guilherme de Souza. Código Penal Comentado. 10ª edição. Editora: Revista dos Tribunais, São Paulo, Código de Processo Penal Comentado. 9ª edição. Editora: Revista dos Tribunais, São Paulo, Princípios Constitucionais Penais e Processuais Penais. Editora: Revista dos Tribunais, São Paulo, PACELLI, Eugênio. Curso de Processo Penal. 16ª edição. Editora: Atlas. São Paulo, PIOVESAN, Flávia. Direitos Humanos e o Direito Constitucional Internacional. 11ª edição. Editora: Saraiva. São Paulo, RANGEL, Paulo. Direito Processual Penal. 15ª edição. Editora: Lumen Juris, Rio de Janeiro, REGO, Francisco de Assis do. Recurso Especial e Recurso Extraordinário Criminais. Editora: Lumen Juris. Rio de Janeiro, REZEK, Francisco. Direito Internacional Público: Curso Elementar. 11ª edição. Editora Saraiva. São Paulo, SILVA, Marco Antonio Marques da e FREITAS, Jayme Walmer de. Código de Processo Penal Comentado. Editora: Saraiva. São Paulo, TAVARES, André Ramos. Tribunal e Jurisdição Constitucional. Editora: Celso Bastos. São Paulo, TOLEDO, Francisco de Assis. Princípios Básicos de Direito Penal. 5 edição. Editora: Saraiva, São Paulo, TORNAGHI, Hélio. Instituições de Processo Penal. Vol. 2. 2ª edição. Editora: Saraiva. São Paulo, Comentários ao Código Penal. Vol. I, Tomo I. 3 edição. Editora: Forense. Rio de Janeiro,

PRINCÍPIOS: b) Imparcialidade; c) Juiz natural; d) Indeclinabilidade da jurisdição; e) Indisponibilidade e tipicidade.

PRINCÍPIOS: b) Imparcialidade; c) Juiz natural; d) Indeclinabilidade da jurisdição; e) Indisponibilidade e tipicidade. Jurisdição e Competência Penal PRINCÍPIOS: a) Inércia da jurisdição (ne procedat iudex ex officio); b) Imparcialidade; c) Juiz natural; d) Indeclinabilidade da jurisdição; e) Indisponibilidade e tipicidade.

Leia mais

CEM CADERNO DE EXERCÍCIOS MASTER. Período

CEM CADERNO DE EXERCÍCIOS MASTER. Período CEM CADERNO DE EXERCÍCIOS MASTER Direito Processual Penal Jurisdição e Competência Promotor de Justiça Período 2006 2016 1) CESPE - PJ (MPE TO)/MPE TO/2012 Assunto: Jurisdição e competência A respeito

Leia mais

CONTEUDO PROGRAMÁTICO DIREITO PROCESSUAL PENAL I. 1. Introdução: 1.1 Conceito de Direito Processual; 1.2 Conteúdo; 1.3 Objeto;

CONTEUDO PROGRAMÁTICO DIREITO PROCESSUAL PENAL I. 1. Introdução: 1.1 Conceito de Direito Processual; 1.2 Conteúdo; 1.3 Objeto; CONTEUDO PROGRAMÁTICO DIREITO PROCESSUAL PENAL I 1. Introdução: 1.1 Conceito de Direito Processual; 1.2 Conteúdo; 1.3 Objeto; 2. Evolução História do Processo Penal 2.1 Processo penal no Brasil; 2.2 Sistemas

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Processo Penal I Código

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Processo Penal II Código

Leia mais

Professor Wisley Aula 09

Professor Wisley Aula 09 - Professor Wisley www.aprovaconcursos.com.br Página 1 de 5 FORRO POR PRERROGATIVA DE FUNÇÃO 1. OBSERVAÇÕES I Não se fala mais em manutenção

Leia mais

Aula 12. Conexão: Ocorre conexão quando há nexo entre dois ou mais delitos o que aconselha a unidade de processos e julgamento.

Aula 12. Conexão: Ocorre conexão quando há nexo entre dois ou mais delitos o que aconselha a unidade de processos e julgamento. Turma e Ano: Regular/2015 Matéria / Aula: Direito Processual Penal Professora: Elisa Pitarro Monitor: Raphael Santana Aula 12 Conexão: Ocorre conexão quando há nexo entre dois ou mais delitos o que aconselha

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Competência. Gustavo Badaró aulas de e

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Competência. Gustavo Badaró aulas de e Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Competência Gustavo Badaró aulas de 20.09.2016 e 04.10.2016 n 1. Noções Gerais PLANO DA AULA n 2. Organograma do Poder Judiciário n 3. Concretização da

Leia mais

- Jurisdição - Competência é o limite dentro do qual juízes e tribunais exercem jurisdição.

- Jurisdição - Competência é o limite dentro do qual juízes e tribunais exercem jurisdição. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 09 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Princípios da Jurisdição: Aderência. Competência: Natureza Jurídica; Competência Absoluta x Relativa;

Leia mais

07/10/2012 PROCESSO PENAL I. Processo penal I

07/10/2012 PROCESSO PENAL I. Processo penal I I 14ª -Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Processo penal I 2 1 CONCEITO: Jurisdição X competência = poder X permissão para exercer o poder EX: TRIBUNAL DO JURI HOUVE UM CRIME DOLOSO IP + DENÚNCIA

Leia mais

da infração; II - o domicílio ou residência do réu; III - a natureza da infração; IV - a

da infração; II - o domicílio ou residência do réu; III - a natureza da infração; IV - a ALERTA: O presente material presta-se, exclusivamente, a servir como material complementar às aulas proferidas durante o curso regular de Jurisdição e Competência. Não deve ser utilizado como única fonte

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES 2007/1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO PROCESSUAL PENAL I Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito

Leia mais

MPU Processo Penal Competência Armando Júnior

MPU Processo Penal Competência Armando Júnior MPU Processo Penal Competência Armando Júnior 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. COMPETÊNCIA #1) CONCEITO à Altavilla: É o poder que o magistrado tem de exercer

Leia mais

PROCESSO PENAL ANTONIO DOS SANTOS JUNIOR.

PROCESSO PENAL ANTONIO DOS SANTOS JUNIOR. PROCESSO PENAL ANTONIO DOS SANTOS JUNIOR asjunior2004@uolcombr JURISDIÇÃO Poder Judiciário: garantir a realização dos direitos através de seus órgãos; Órgãos devem ter jurisdição (função de conhecer os

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: Curso: Bacharelado em Direito Disciplina: Direito Processual Penal II Professor: João Batista Santos Filho Código: DIR36 Carga Horária: 80 H Créditos: 04 Pré-requisito(s):

Leia mais

Direito Processual Penal

Direito Processual Penal JURISDIÇÃO E COMPETÊNCIA Jurisdição e competência: Jurisdição é o poder e a competência é a delimitação desse poder. 1 Competência em razão da matéria: 1) Competência da Justiça Especial: o Justiça Militar

Leia mais

DA COMPETÊNCIA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS E DAS INFRAÇÕES DE MENOR POTENCIAL OFENSIVO

DA COMPETÊNCIA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS E DAS INFRAÇÕES DE MENOR POTENCIAL OFENSIVO 1 DA COMPETÊNCIA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS E DAS INFRAÇÕES DE MENOR POTENCIAL OFENSIVO André Olhera MEDINA 1 Fabiana Junqueira Tamaoki NEVES 2 RESUMO: A competência dos Juizados Especiais Criminais

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE AULA 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Direito Processual Penal

Leia mais

CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº de 05/12/02 DOU de 06/12/02 PLANO DE CURSO

CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº de 05/12/02 DOU de 06/12/02 PLANO DE CURSO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 3.355 de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Componente Curricular: DIREITO PROCESSUAL PENAL II Código: DIR 463 CH Total: 60 h Pré-requisito: Direito Processual Penal

Leia mais

Índice Geral. Índice Sistemático do Código de Processo Penal

Índice Geral. Índice Sistemático do Código de Processo Penal Índice Geral Código de Processo Penal Decreto-lei 3.689, de 3 de outubro de 1941... 13 Súmulas Criminais do STF e do STJ Comentadas... 1645 Índice Alfabético-Remissivo... 1905 Bibliografia... 1923 Índice

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 02/03 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV dias. i)- Sentença em audiência ou no prazo de 10 - Prazo para encerramento da Primeira Fase do

Leia mais

PLANO DE ENSINO. I Identificação Direito Processual Penal III. Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 7º.

PLANO DE ENSINO. I Identificação Direito Processual Penal III. Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 7º. PLANO DE ENSINO I Identificação Disciplina Direito Processual Penal III Código PRO0077 Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 7º II Ementário Procedimento no crime da competência do juiz

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ PLANO DE ENSINO CURSO: DIREITO MODALIDADE: Presencial DISCIPLINA: DIREITO PENAL II CARGA HORÁRIA: 72h/a ANO: 2012 SEMESTRE: 2º PROFESSOR: PAOLA JULIEN O. DOS SANTOS TURMAS: 4 DIN-1 OBJETIVOS 1 Compreender

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. I. Curso: DIREITO. II. Disciplina: DIREITO PROCESSUAL PENAL I (D-17)

PROGRAMA DE DISCIPLINA. I. Curso: DIREITO. II. Disciplina: DIREITO PROCESSUAL PENAL I (D-17) PROGRAMA DE DISCIPLINA I. Curso: DIREITO II. Disciplina: DIREITO PROCESSUAL PENAL I (D-17) Área: Ciências Sociais Período: Quarto Turno: Matutino/Noturno Ano: 2013.1 Carga Horária: 72 H; Créd.: 04 III.

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES 2007/1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO PROCESSUAL CIVIL I Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito

Leia mais

IUS RESUMOS. Da Ação Civil Ex Delicto. Organizado por: Max Danizio Santos Cavalcante

IUS RESUMOS. Da Ação Civil Ex Delicto. Organizado por: Max Danizio Santos Cavalcante Da Ação Civil Ex Delicto Organizado por: Max Danizio Santos Cavalcante SUMÁRIO I DA AÇÃO CIVIL EX DELICTO... 3 1. Noções introdutórias... 3 1.1 Modalidades de ação civil ex delicto... 4 2. Legitimidade...

Leia mais

AULA 6 24/03/11 A COMPETÊNCIA PENAL

AULA 6 24/03/11 A COMPETÊNCIA PENAL AULA 6 24/03/11 A COMPETÊNCIA PENAL 1 A MODIFICAÇÃO DA COMPETÊNCIA A modificação da competência deve ser percebida como a mudança, a alteração, a variação, a transformação de uma certa competência em outra

Leia mais

4. AÇÃO CIVIL EX DELICTO 4.1 Questões

4. AÇÃO CIVIL EX DELICTO 4.1 Questões SUMÁRIO 1. APLICAÇÃO DO DIREITO PROCESSUAL PENAL 1.1 A lei processual no espaço 1.2 A lei processual no tempo (irretroatividade) 1.3 A lei processual em relação às pessoas 1.3.1 Imunidades 1.3.2 Imunidade

Leia mais

Período Turma (s) Eixo de Formação Eixo de Formação Profissional Docente Professor Dr. Hamilton da Cunha Iribure Júnior

Período Turma (s) Eixo de Formação Eixo de Formação Profissional Docente Professor Dr. Hamilton da Cunha Iribure Júnior Página 1 de 5 Disciplina Curso Graduação DE GRADUACÃO Curso Semestral Código DIREITO PROCESSUAL PENAL III 106 Período Turma (s) 7º. Período A; B; D Eixo de Formação Eixo de Formação Profissional Docente

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Sujeitos Processuais. Gustavo Badaró aula de

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Sujeitos Processuais. Gustavo Badaró aula de Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Sujeitos Processuais Gustavo Badaró aula de 11.10.2016 1. Noções Gerais 2. Juiz PLANO DA AULA Peritos, interpretes e auxiliares da justiça 3. Ministério

Leia mais

DA COMPETÊNCIA POR PRERROGATIVA DE FUNÇÃO NO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL

DA COMPETÊNCIA POR PRERROGATIVA DE FUNÇÃO NO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL DA COMPETÊNCIA POR PRERROGATIVA DE FUNÇÃO NO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL Francisco Simões Pacheco Savoia 1 2 Professor do Curso de Direito da UNAERP UNAERP - Universidade de Ribeirão Preto - Campus Guarujá

Leia mais

SUMÁRIO. Parte I Código de PROCESSO PENAL Comentado DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 LIVRO I DO PROCESSO EM GERAL

SUMÁRIO. Parte I Código de PROCESSO PENAL Comentado DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 LIVRO I DO PROCESSO EM GERAL Parte I Código de PROCESSO PENAL Comentado DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 LIVRO I DO PROCESSO EM GERAL Título I Disposições preliminares (Arts. 1º a 3º)... 3 Título II Do inquérito policial

Leia mais

PROGRAMA DIDÁTICO. CARGA HORÁRIA: 80 horas

PROGRAMA DIDÁTICO. CARGA HORÁRIA: 80 horas PROGRAMA DIDÁTICO CURSO: GRADUAÇÃO EM DIREITO COMPONENTE CURRICULAR: Direito Processual Penal III (Quinta-feira - 18:50 às 22:20) CÓDIGO: CARGA HORÁRIA: 80 horas PROFESSOR (ES): Vera Lúcia de Oliveira

Leia mais

PLANO DE ENSINO. I Identificação Direito Processual Penal II. Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 6º.

PLANO DE ENSINO. I Identificação Direito Processual Penal II. Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 6º. PLANO DE ENSINO I Identificação Disciplina Direito Processual Penal II Código PRO0066 Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 6º II Ementário Da prova no processo penal. Das perícias. Do

Leia mais

CONSEQUÊNCIAS DA DESCLASSIFICAÇÃO EM PLENÁRIO DE UM CRIME DOLOSO CONTRA A VIDA PARA UM DELITO DE MENOR POTENCIAL OFENSIVO.

CONSEQUÊNCIAS DA DESCLASSIFICAÇÃO EM PLENÁRIO DE UM CRIME DOLOSO CONTRA A VIDA PARA UM DELITO DE MENOR POTENCIAL OFENSIVO. CONSEQUÊNCIAS DA DESCLASSIFICAÇÃO EM PLENÁRIO DE UM CRIME DOLOSO CONTRA A VIDA PARA UM DELITO DE MENOR POTENCIAL OFENSIVO. Vamos imaginar um processo em que o réu tenha sido denunciado e pronunciado como

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D- 23 4º 04 Semanal Semestral 04 60

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D- 23 4º 04 Semanal Semestral 04 60 Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D- 23 4º 04 Semanal Semestral 04 60 Nome da Disciplina DIREITO PROCESSUAL PENAL I Curso DIREITO D-15 TEORIA GERAL DO PROCESSO (MATRIZ 2008/01) D-17 TEORIA

Leia mais

DIREITO DE PROCESSO PENAL:

DIREITO DE PROCESSO PENAL: 1 Fundação Presidente Antônio Carlos Faculdade Presidente Antônio Carlos de Teófilo Otoni DIREITO DE PROCESSO PENAL: Título V - Da Competência. Jéferson Botelho Professor de Direito Processual Penal I

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 PLANO DE CURSO

Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 PLANO DE CURSO C U R S O D E D I R E I T O Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: DIREITO PROCESSUAL PENAL II Código: DIR 463 Pré-requisito: Direito Processual Penal I Período

Leia mais

Conteúdo: Ação Penal nos Crimes contra a Honra: Pedido de explicações, audiência de conciliação, exceção da verdade. Jurisdição: Conceito, Princípios.

Conteúdo: Ação Penal nos Crimes contra a Honra: Pedido de explicações, audiência de conciliação, exceção da verdade. Jurisdição: Conceito, Princípios. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 08 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Ação Penal nos Crimes contra a Honra: Pedido de explicações, audiência de conciliação, exceção da

Leia mais

PONTO 1: REVISÃO. PONTO 3: b) CRIMES DE MESMA ESPÉCIE CRIME FORMAL PRÓPRIO + C. CONTINUADO REQUISITO SUBJETIVO.

PONTO 1: REVISÃO. PONTO 3: b) CRIMES DE MESMA ESPÉCIE CRIME FORMAL PRÓPRIO + C. CONTINUADO REQUISITO SUBJETIVO. 1 DIREITO PENAL PONTO 1: REVISÃO PONTO 2: a) CRIME CONTINUADO PONTO 3: b) CRIMES DE MESMA ESPÉCIE CRIME CONTINUADO ART. 71 CP 1 é aquele no qual o agente mediante mais de uma ação ou omissão, pratica dois

Leia mais

Aula 13. I pessoalmente ao acusado, ao defensor nomeado e ao Ministério Público;

Aula 13. I pessoalmente ao acusado, ao defensor nomeado e ao Ministério Público; Turma e Ano: Regular/2015 Matéria / Aula: Direito Processual Penal Professora: Elisa Pitarro Monitor: Raphael Santana Aula 13 Antes da reforma do Código de Processo Penal de 2008, se o réu não fosse localizado

Leia mais

Pré - Requisito: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

Pré - Requisito: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA - UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS Curso: DIREITO Créditos: 05 Carga Horária: 075 Disciplina: TEORIA GERAL DO PROCESSO Professora: Débora Soares Guimarães

Leia mais

A Execução Fiscal e o novo CPC. < competência > Prof. Mauro Luís Rocha Lopes

A Execução Fiscal e o novo CPC. < competência > Prof. Mauro Luís Rocha Lopes A Execução Fiscal e o novo CPC < competência > Prof. Mauro Luís Rocha Lopes LEF, art. 5º A competência para processar e julgar a execução da Dívida Ativa da Fazenda Pública exclui a de qualquer outro juízo,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Da dosimetria da pena Marcelo Augusto Paiva Pereira Como citar este comentário: PEREIRA, Marcelo Augusto Paiva. Da dosimetria da pena. Disponível em http://www.iuspedia.com.br01

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 Introdução Capítulo 2 Processo Penal Capítulo 3 Ação Penal... 5

Sumário. Capítulo 1 Introdução Capítulo 2 Processo Penal Capítulo 3 Ação Penal... 5 Sumário Capítulo 1 Introdução... 1 Capítulo 2 Processo Penal... 3 Capítulo 3 Ação Penal... 5 3.1. Considerações Gerais...5 3.1.1. Ação penal pública incondicionada...5 3.1.2. Ação penal pública condicionada

Leia mais

Autoritarismo do Código de Processo Penal de 1941 vs. Constituição Federal de Processo Penal...8. Sistema Acusatório...

Autoritarismo do Código de Processo Penal de 1941 vs. Constituição Federal de Processo Penal...8. Sistema Acusatório... Sumário Autoritarismo do Código de Processo Penal de 1941 vs. Constituição Federal de 1988...2 Contexto Político e Histórico... 2 Características da Constituição de 1937... 4 Código de Processo Penal de

Leia mais

Alcionir Urcino Aires Ferreira

Alcionir Urcino Aires Ferreira JURISDIÇÃO E COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA MILITAR O funcionamento da justiça militar no Brasil SOBRE O AUTOR Alcionir Urcino Aires Ferrreira é Bacharel em Direito e em Economia pela Universidade Católica de

Leia mais

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS GERAIS:

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS GERAIS: PLANO DE ENSINO FACULDADE: Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais CURSO: Direito Período: 3 DEPARTAMENTO: Ano: 2016 DISCIPLINA: Teoria Geral do Processo CARGA HORÁRIA: 80 horas PRÉ-REQUISITO: não há.

Leia mais

NATUREZA JURÍDICA E A COMPLEXIDADE DO LATROCÍNIO (CP/40, art.157, 3º): A INCLUSÃO DO LATROCÍNIO NOS CRIMES CONTRA A VIDA.

NATUREZA JURÍDICA E A COMPLEXIDADE DO LATROCÍNIO (CP/40, art.157, 3º): A INCLUSÃO DO LATROCÍNIO NOS CRIMES CONTRA A VIDA. NATUREZA JURÍDICA E A COMPLEXIDADE DO LATROCÍNIO (CP/40, art.157, 3º): A INCLUSÃO DO LATROCÍNIO NOS CRIMES CONTRA A VIDA. Juliana de Souza Gonçalves j_jujuli@hotmail.com ANA CELUTA F. TAVEIRA Mestre em

Leia mais

liberada por se tratar de um documento não aprovado pela PUC Goiás.

liberada por se tratar de um documento não aprovado pela PUC Goiás. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação - PROGRAD Plano de Ensino 2015/1 Atenção! Este Plano de Ensino é um Rascunho. Sua impressão não está liberada por se tratar de um documento

Leia mais

Em várias situações a legislação consagra da junção das jurisdições civil e criminal.

Em várias situações a legislação consagra da junção das jurisdições civil e criminal. Ação civil ex delicto Objetivo: Propiciar a reparação do dano causado pelo delito. Sentença penal condenatória e reparação do dano Art. 91, I, CP: Obrigação de indenizar o dano Art. 63, CPP e 475-N, II,

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária. D-35 6º 04 Semanal Mensal 04 60

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária. D-35 6º 04 Semanal Mensal 04 60 e Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-35 6º 04 Semanal Mensal 04 60 Nome da Disciplina DIREITO PROCESSUAL PENAL III Curso DIREITO D- 28 DIREITO PROCESSUAL PENAL II(MATRIZ 2008/01) D- 30 DIREITO

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Período/ Fase: 8º Semestre: 2º Ano: 2015 Disciplina: Direito Processual Penal III Carga Horária: 60 horas/aula

PLANO DE ENSINO. Período/ Fase: 8º Semestre: 2º Ano: 2015 Disciplina: Direito Processual Penal III Carga Horária: 60 horas/aula PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professora: Caroline Neris e-mail: caroline.neris@uniarp.edu.br Período/ Fase: 8º Semestre:

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Correlação entre acusação e sentença. Gustavo Badaró aula de

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Correlação entre acusação e sentença. Gustavo Badaró aula de Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Correlação entre acusação e sentença Gustavo Badaró aula de 11.08.2015 1. Noções Gerais PLANO DA AULA 2. Distinção entre fato penal e fato processual penal

Leia mais

SUMÁRIO PARTE 1 PEÇAS PRÁTICO-PROFISSIONAIS E TEORIA ASSOCIADA CAPÍTULO 1. PEÇAS DE LIBERDADE...

SUMÁRIO PARTE 1 PEÇAS PRÁTICO-PROFISSIONAIS E TEORIA ASSOCIADA CAPÍTULO 1. PEÇAS DE LIBERDADE... SUMÁRIO PARTE 1 PEÇAS PRÁTICO-PROFISSIONAIS E TEORIA ASSOCIADA CAPÍTULO 1. PEÇAS DE LIBERDADE... 19 1. Primeiro passo: identificar qual a peça ou instituto o caso concreto apresenta ou requer... 19 1.1.

Leia mais

Conteúdos/ Matéria. Textos, filmes e outros materiais. Categorias/ Questões. Habilidades e Competências. Semana. Tipo de aula

Conteúdos/ Matéria. Textos, filmes e outros materiais. Categorias/ Questões. Habilidades e Competências. Semana. Tipo de aula PLANO DE CURSO DISCIPLINA: PROCESSO E PERSECUÇÃO PENAL (CÓD.: ENEX 60143) ETAPA: 8ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e Competências

Leia mais

Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Semana. Tipo de aula UNIDADE I

Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Semana. Tipo de aula UNIDADE I PLANO DE CURSO DISCIPLINA: LABORATÓRIO DE PRÁTICA JURÍDICA IV - PENAL (CÓD. ORES 60160) ETAPA: 10ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades

Leia mais

CURSO DE DIREITO 1 PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Direito Penal I 80 4º 2015

CURSO DE DIREITO 1 PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Direito Penal I 80 4º 2015 PLANO DE ENSINO CURSO DE DIREITO 1 Disciplina Carga Horária Semestre Ano Direito Penal I 80 4º 2015 Objetivos Específicos da Disciplina Inicialmente, concluir-se-á a matéria da parte geral. Em seguida,

Leia mais

PLANO DE CURSO TEORIA DA NORMA E DO CRIME (CÓD.: ENEX 60112) ETAPA: 2ª TOTAL DE ENCONTROS:

PLANO DE CURSO TEORIA DA NORMA E DO CRIME (CÓD.: ENEX 60112) ETAPA: 2ª TOTAL DE ENCONTROS: PLANO DE CURSO DISCIPLINA: TEORIA DA NORMA E DO CRIME (CÓD.: ENEX 60112) ETAPA: 2ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e Competências

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Direito Penal II Código da Disciplina: JUR 213 Curso: Direito Faculdade responsável: Direito Programa em vigência a partir de: Número de créditos: 04 Carga Horária total:

Leia mais

AULA 3 03/03/11 AS FORMAS DE PROCEDIMENTO E A COMPETÊNCIA

AULA 3 03/03/11 AS FORMAS DE PROCEDIMENTO E A COMPETÊNCIA AULA 3 03/03/11 AS FORMAS DE PROCEDIMENTO E A COMPETÊNCIA 1 AS FORMAS DE PROCEDIMENTO 1.1 QUANTO AO LUGAR Os atos processuais são praticados na sede do juízo, que é o fórum competente para julgar o processo

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL PENAL II PROFESSOR: GRÉCIO NOGUEIRA GRÉGIO TURMA: 6ºBM PLANO DE CURSO 2009/02 Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação.

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. MÓDULO II 1. Regras de competência 2. Procedimento 3. Pedidos 4. Recurso Ordinário Constitucional

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. MÓDULO II 1. Regras de competência 2. Procedimento 3. Pedidos 4. Recurso Ordinário Constitucional CONTEÚDO PROGRAMÁTICO MÓDULO II 1. Regras de competência 2. Procedimento 3. Pedidos 4. Recurso Ordinário Constitucional 1. REGRAS DE COMPETÊNCIA O habeas corpus deve ser interposto à autoridade judicial

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Av. Major Nicácio, Fone: Fax:

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Av. Major Nicácio, Fone: Fax: PLANO DE ENSINO - 2016 1. INFORMAÇÕES GERAIS: 1.1 Professor: Ivan Nascimento de Castro 1.2 Departamento: Direito Público 1.3 Disciplina: Direito Processual Penal I 1.4 Série: 3ª Turmas: A e B. Turno: Noturno

Leia mais

COMENTÁRIOS DO 25 SUPER SIMULADO PARA A TROPA DE ELITE - AEP -

COMENTÁRIOS DO 25 SUPER SIMULADO PARA A TROPA DE ELITE - AEP - COMENTÁRIOS DO 25 SUPER SIMULADO PARA A TROPA DE ELITE - AEP - - 10 QUESTÕES - - PROCESSO PENAL - O melhor MÉTODO de ensino para concursos tem como base a resolução de questões. Adicione-nos no seu FACEBOOK:

Leia mais

1. Capacitar o aluno a perseguir uma constante atualização nos diversos aspectos do Direito Processual Penal;

1. Capacitar o aluno a perseguir uma constante atualização nos diversos aspectos do Direito Processual Penal; Detalhes da Disciplina Código JUR3321 Nome da Disciplina DIREITO PROCESSUAL PENAL I Carga Horária 60 Créditos 4 Direito Processual Penal: evolução histórica. Lei e Norma Processual Penal: interpretação,

Leia mais

TJRJ SUMÁRIO. Língua Portuguesa. Gêneros textuais: descrição, narração, dissertação expositiva e argumentativa...3

TJRJ SUMÁRIO. Língua Portuguesa. Gêneros textuais: descrição, narração, dissertação expositiva e argumentativa...3 Língua Portuguesa Gêneros textuais: descrição, narração, dissertação expositiva e argumentativa...3 Tipos textuais: informativo, publicitário, didático, instrucional e preditivo...3 Marcas de textualidade:

Leia mais

AS ATRIBUIÇÕES DA POLÍCIA FEDERAL NA REPRESSÃO AOS CRIMES AMBIENTAIS

AS ATRIBUIÇÕES DA POLÍCIA FEDERAL NA REPRESSÃO AOS CRIMES AMBIENTAIS UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, POLÍTICAS E SOCIAIS - CEJURPS CURSO DE DIREITO AS ATRIBUIÇÕES DA POLÍCIA FEDERAL NA REPRESSÃO AOS CRIMES AMBIENTAIS MARIANA TAÍS GENEHR

Leia mais

Ação civil ex delicto

Ação civil ex delicto Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Ação civil ex delicto Gustavo Badaró aula de 02.08.2016 1. Noções Gerais PLANO DA AULA 2. Formas de satisfação do dano causado pelo crime 3. Sistemas de

Leia mais

3. COMENTÁRIOS À JURISPRUDÊNCIA

3. COMENTÁRIOS À JURISPRUDÊNCIA 3. COMENTÁRIOS À JURISPRUDÊNCIA 3.1 LIMITES CONSTITUCIONAIS À COMPETÊNCIA POR PRERROGATIVA DE FUNÇÃO: ANÁLISE CRÍTICA DA SÚMULA 721 DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL MAÍRA CARVALHO LUZ Advogada Integrante da

Leia mais

PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM CURSO: Direito

PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM CURSO: Direito Disciplina: Direito Processual Penal II C.H. Teórica: 60 PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM CURSO: Direito Período Letivo: Série: Periodo: 1 sem/2012 7ª Série Não definido C.H. Outras: 20 Semestre de Ingresso:

Leia mais

NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO I. Constituição Federal... 002 II. Dos Direitos e Garantias Fundamentais... 009 III. Da Organização Político-Administrativa... 053 IV. Organização dos

Leia mais

Sumário CAPÍTULO I CAPÍTULO II

Sumário CAPÍTULO I CAPÍTULO II Sumário CAPÍTULO I Introdução ao processo penal... 17 1. Conceito e função do processo penal... 17 2. Ação. Processo. Procedimento... 18 3. Princípios do processo penal... 19 3.1. Devido processo legal...

Leia mais

Período 3º Período. Eixo de Formação Eixo de Formação Profissional. Docente (s) Prof. Dr. Cristiano Thadeu e Silva Elias

Período 3º Período. Eixo de Formação Eixo de Formação Profissional. Docente (s) Prof. Dr. Cristiano Thadeu e Silva Elias Página 1 de 5 Disciplina DE GRADUACÃO Curso Semestral Código INSTITUIÇÕES DE DIREITO PENAL I 074 Curso Graduação Período 3º Período Eixo de Formação Eixo de Formação Profissional Docente (s) Prof. Dr.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Súmula 122 do Superior Tribunal de Justiça e competência para o julgamento de contravenções penais: uma análise à luz da jurisprudência dos Tribunais Superiores Alexandre Piccoli

Leia mais

A ocorrência dos requisitos da prisão preventiva como fator determinante para as prisões provisórias

A ocorrência dos requisitos da prisão preventiva como fator determinante para as prisões provisórias A ocorrência dos requisitos da prisão preventiva como fator determinante para as prisões provisórias Jean Marcelo da Rosa Formado em Direito pela Universidade Luterana do Brasil e especializando em Direito.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Associação ocasional (artigo 18, III, da Lei nº. 6.368/76) Eloísa de Souza Arruda, César Dario Mariano da Silva* Com o advento da nova Lei de Drogas (Lei 11.343/06) uma questão interessante

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Procedimento comum: ordinário e sumário. Gustavo Badaró aulas 22 e 29 de março de 2017

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Procedimento comum: ordinário e sumário. Gustavo Badaró aulas 22 e 29 de março de 2017 Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Procedimento comum: ordinário e sumário Gustavo Badaró aulas 22 e 29 de março de 2017 PLANO DA AULA 1. Comparação dos procedimentos ordinários 2. Procedimento

Leia mais

PLANO DE CURSO : PROCESSO CAUTELAR E SENTENÇA PENAL (CÓD. ENEX 60147) ETAPA: 9ª TOTAL DE ENCONTROS:

PLANO DE CURSO : PROCESSO CAUTELAR E SENTENÇA PENAL (CÓD. ENEX 60147) ETAPA: 9ª TOTAL DE ENCONTROS: PLANO DE CURSO DISCIPLINA: PROCESSO CAUTELAR E SENTENÇA PENAL (CÓD. ENEX 60147) ETAPA: 9ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e Competências

Leia mais

JURISDIÇÃO E COMPETÊNCIA

JURISDIÇÃO E COMPETÊNCIA JURISDIÇÃO E COMPETÊNCIA V COMPETÊNCIA POR PREVENÇÃO E DISTRIBUIÇÃO - DISTRIBUIÇÃO: É uma espécie de sorteio, fixará a competência do juízo quando, na mesma circunscrição judiciária, houver mais de um

Leia mais

Disciplina: Processo Penal I Carga horária: 72 h/a Período: 5º Pré-requisito: Teoria Geral Do Processo

Disciplina: Processo Penal I Carga horária: 72 h/a Período: 5º Pré-requisito: Teoria Geral Do Processo Disciplina: Processo Penal I Ano letivo: Carga horária: 72 h/a Período: 5º Pré-requisito: Teoria Geral Do Processo EMENTA Princípios do processo civil. Inquérito policial. Jurisidição e competência. Conflito

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

1) Com relação aos Atos do Escrivão ou do Chefe de Secretaria é INCORRETO afirmar que :

1) Com relação aos Atos do Escrivão ou do Chefe de Secretaria é INCORRETO afirmar que : 1 1) Com relação aos Atos do Escrivão ou do Chefe de Secretaria é INCORRETO afirmar que : a) Os atos e termos do processo serão datilografados ou escritos com tinta escura indelével, assinado-os as pessoas

Leia mais

Saraiva, 2002, p. 561.

Saraiva, 2002, p. 561. Yvana Savedra de Andrade Barreiros Graduada em Comunicação Social - Jornalismo (PUCPR); Especialista em Língua Portuguesa (PUCPR); Graduada em Direito (UP) Doutoranda em Ciências Jurídicas e Sociais (UMSA)

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE As normas elaboradas pelo Poder Constituinte Originário são colocadas acima de todas as outras manifestações de direito. A própria Constituição Federal determina um procedimento

Leia mais

DISCIPLINA: Direito Processual Penal I SEMESTRE DE ESTUDO: 8º Semestre. CH total: 72h

DISCIPLINA: Direito Processual Penal I SEMESTRE DE ESTUDO: 8º Semestre. CH total: 72h DISCIPLINA: Direito Processual Penal I SEMESTRE DE ESTUDO: 8º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CH total: 72h CÓDIGO: DIR147 1. EMENTA: Princípios. Fontes. Eficácia e interpretação da lei processual.

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL PENAL II PROFESSOR: GUSTAVO SENNA TURMA: 6ºCN PLANO DE CURSO 2009/02 UNIDADES

Leia mais

Em primeiro lugar, deverá o examinando requerer, em preliminar, o desentranhamento das provas ilícitas.

Em primeiro lugar, deverá o examinando requerer, em preliminar, o desentranhamento das provas ilícitas. OAB 2010.3 GABARITO COMENTADO SEGUNDA FASE PENAL PEÇA PRÁTICO PROFISSIONAL O recurso cabível é o recurso em sentido estrito, na forma do art. 581, IV, do Código de Processo Penal, dirigido ao Juiz da 1ª

Leia mais

QUESTÃO 1 ASPECTOS MACROESTRUTURAIS QUESITOS AVALIADOS

QUESTÃO 1 ASPECTOS MACROESTRUTURAIS QUESITOS AVALIADOS QUESTÃO Capacidade de expressão na modalidade escrita e do uso das normas do registro formal culto da língua portuguesa 2. Responsabilidade do juiz, do Estado ou de ambos por ato jurisdicional doloso.00

Leia mais

QUESTÃO 1 ASPECTOS MACROESTRUTURAIS QUESITOS AVALIADOS

QUESTÃO 1 ASPECTOS MACROESTRUTURAIS QUESITOS AVALIADOS QUESTÃO 2. Foro competente (ECA, art. 209) 0.75 2.2 Legitimidade para a propositura da ação civil pública (ECA, art. 20) 0.75 2.3 Cabimento da ação mandamental / objetivo da ação (ECA, art. 22) 0.75 QUESTÃO

Leia mais

Escola Superior do Ministério Público de S. Paulo. 10º Curso de Especialização em Interesses Difusos e Coletivos Mód. III IC e ACP (2015)

Escola Superior do Ministério Público de S. Paulo. 10º Curso de Especialização em Interesses Difusos e Coletivos Mód. III IC e ACP (2015) Escola Superior do Ministério Público de S. Paulo 10º Curso de Especialização em Interesses Difusos e Coletivos Mód. III IC e ACP (2015) Hugo Nigro Mazzilli 1 ACP Hoje Competência Conexão Litispendência

Leia mais

IUS RESUMOS. Características e funções da Justiça Eleitoral. Organizado por: Samille Lima Alves

IUS RESUMOS. Características e funções da Justiça Eleitoral. Organizado por: Samille Lima Alves Características e funções da Justiça Eleitoral Organizado por: Samille Lima Alves SUMÁRIO I. CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES DA JUSTIÇA ELEITORAL... 3 1. Características e competências da Justiça Eleitoral...

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Sentença Penal. Gustavo Badaró aula de

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Sentença Penal. Gustavo Badaró aula de Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Sentença Penal Gustavo Badaró aula de 04.08.2015 1. Conceito PLANO DA AULA 2. Classificação e denominações 3. Elementos da sentença 4. Sentença penal absolutória

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Prescrição Penal Paulo Henrique Moura Lara* Vania Maria Benfica Guimarães Pinto Coelho ** Resumo: O instituto da prescrição penal, previsto nos Artigos 107 e 109 do código penal

Leia mais

Organograma do exercício da Jurisdição no ordenamento pátrio segundo os parâmetros vigentes na Constituição Federal

Organograma do exercício da Jurisdição no ordenamento pátrio segundo os parâmetros vigentes na Constituição Federal BuscaLegis.ccj.ufsc.br Organograma do exercício da Jurisdição no ordenamento pátrio segundo os parâmetros vigentes na Constituição Federal João Fernando Vieira da Silva salermolima@hotmail.com O exercício

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL

MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL Coordenador: Leonardo Barreto Moreira Alves MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL Promotor de Justiça Estadual 2ª edição 2016 DIREITO PROCESSUAL CIVIL Renato Bretz Pereira 1. DO PROCESSO DE CONHECIMENTO (MPE/SP/Promotor/2015)

Leia mais

A IMPOSSIBILIDADE DE CONCESSÃO DA TUTELA ANTECIPADA EX OFFICIO

A IMPOSSIBILIDADE DE CONCESSÃO DA TUTELA ANTECIPADA EX OFFICIO A IMPOSSIBILIDADE DE CONCESSÃO DA TUTELA ANTECIPADA EX OFFICIO AUTORA: Gimene Vieira da Cunha Bacharel em Direito pela Universidade Federal de Pelotas Advogada inscrita na OAB/RS sob o nº 80.830 Pós-Graduada

Leia mais

LIVRO I Do Processo de Conhecimento...1

LIVRO I Do Processo de Conhecimento...1 Sumário LIVRO I Do Processo de Conhecimento...1 Capítulo 1 Da Jurisdição...3 1.1. Conceito de Jurisdição... 5 1.2. Exercício da Jurisdição Quem Exerce a Jurisdição?...15 1.3. Características da Jurisdição...17

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo 5 Inquérito policial (arts. 4º a 23 do cpp) 5.1 Conceito

SUMÁRIO. Capítulo 5 Inquérito policial (arts. 4º a 23 do cpp) 5.1 Conceito SUMÁRIO Introdução Capítulo 1 PRINCÍPIOS INFORMADORES DO PROCESSO PENAL 1.1 Devido processo legal (due process of law) ou justo processo 1.2 Publicidade dos atos processuais 1.3 Presunção de inocência,

Leia mais

6. HABILIDADES REQUERIDAS E COMPORTAMENTO ESPERADO

6. HABILIDADES REQUERIDAS E COMPORTAMENTO ESPERADO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professor: Tito Livio Barichello - tito@crime.adv.br Período/ Fase: 3º Semestre: 2º Ano: 2012 Disciplina: Direito

Leia mais