PROJETO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO. Engº Fabricio Bolina

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO. Engº Fabricio Bolina"

Transcrição

1 PROJETO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO Engº Fabricio Bolina

2 Edifício Andraus 31 Pavimentos 1972 (incêndio) 16 mortos 375 feridos Duração: 4h (sem colapso)

3 Edifício Joelma 26 Pavimentos 1974 (incêndio) Duração: 6h30min (sem colapso)

4 Colapso parcial do edifício Sede II da CESP em São Paulo 21 Pavimentos 1987 (incêndio)

5 Windson Tower, Madri 106m de altura 32 pavimentos 2005 (incêndio)

6 Katrantzos Sport Atenas 19/12/1980 Loja de departamentos, 8 pavimentos Edifício residendial São Petersburgo 03/06/ pavimentos Fac. Arquitetura Delft (Países Baixos) 13/08/ pavimentos Alexandria, Egito 21/07/2000 Fábrica de roupas, 6 pavimentos

7 NB-1: Projeto e execução de obras de concreto armado NB-1: Projeto e execução de obras de concreto armado NB-1: Projeto e execução de obras de concreto armado 1984 ABNT NBR 8681: Ação e segurança nas estruturas - Procedimento 2003 ABNT NBR 8681: Ação e segurança nas estruturas 2004 ABNT NBR 15200: Projeto de estruturas de concreto em situação de incêndio ABNT NBR 6118: Projeto e ex. de obras de concreto armado 1980 ABNT NBR 6123: Força devido ao vento nas edificações 1988 ABNT NBR 6123: Força devido ao vento nas edificações ABNT NBR 6118: Projeto de estruturas de concreto

8 NB-1: Projeto e execução de obras de concreto armado NB-1: Projeto e execução de obras de concreto armado NB-1: Projeto e execução de obras de concreto armado 1984 ABNT NBR 8681: Ação e segurança nas estruturas - Procedimento 2003 ABNT NBR 8681: Ação e segurança nas estruturas 2004 ABNT NBR 15200: Projeto de estruturas de concreto em situação de incêndio ABNT NBR 6118: Projeto e ex. de obras de concreto armado 1980 ABNT NBR 6123: Força devido ao vento nas edificações 1988 ABNT NBR 6123: Força devido ao vento nas edificações ABNT NBR 6118: Projeto de estruturas de concreto

9 2013/ DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL AO INCÊNDIO?

10 ABNT NBR : 2013

11 ABNT NBR : º) REQUISITOS GERAIS; 2º) SISTEMAS ESTRUTURAIS; 3º) SISTEMAS DE PISOS; 4º) SISTEMAS DE VEDAÇÕES; 5º) SISTEMAS DE COBERTURAS; 6º) SISTEMAS HIDROSANITÁRIOS.

12 ABNT NBR : º) REQUISITOS GERAIS; 2º) SISTEMAS ESTRUTURAIS; 3º) SISTEMAS DE PISOS; 4º) SISTEMAS DE VEDAÇÕES; 5º) SISTEMAS DE COBERTURAS; 6º) SISTEMAS HIDROSANITÁRIOS.

13 ABNT NBR : º) REQUISITOS GERAIS; 2º) SISTEMAS ESTRUTURAIS; 3º) SISTEMAS DE PISOS; 4º) SISTEMAS DE VEDAÇÕES; 5º) SISTEMAS DE COBERTURAS; 6º) SISTEMAS HIDROSANITÁRIOS.

14 2º) SISTEMAS ESTRUTURAIS:

15 2º) SISTEMAS ESTRUTURAIS: Critérios relativos a durabilidade do sistema estrutural, conservando segurança, estabilidade e aptidão em serviço durante o período correspondente a sua vida útil; Critérios relativos ao desempenho térmico, acústico, lumínico e de segurança ao fogo, que devem ser atendidos individual e isoladamente pela própria natureza conflitante dos critérios de medição;

16 REQUISITO: SEGURANÇA ESTRUTURAL EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO (ABNT NBR 15575) ** A edificação habitacional deve atender à ABNT NBR e às normas específicas para o tipo de estrutura em análise (metálica ou de concreto); ** Método de avaliação proposto pela norma: 1º) Análise do projeto estrutural em situação de incêndio; 2º) Atendimento às seguintes Normas de projeto estrutural: - ABNT NBR Estruturas de aço em situação de incêndio; - ABNT NBR Estruturas de concreto em situação de incêndio

17 REQUISITO: SEGURANÇA ESTRUTURAL EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO (ABNT NBR 15575) ** A edificação habitacional deve atender à ABNT NBR e às normas específicas para o tipo de estrutura em análise (metálica ou de concreto); ** Método de avaliação proposto pela norma: 1º) Análise do projeto estrutural em situação de incêndio; 2º) Atendimento às seguintes Normas de projeto estrutural: - ABNT NBR Estruturas de aço em situação de incêndio; - ABNT NBR Estruturas de concreto em situação de incêndio

18 REQUISITO: SEGURANÇA ESTRUTURAL EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO (ABNT NBR 15575) ** A edificação habitacional deve atender à ABNT NBR e às normas específicas para o tipo de estrutura em análise (metálica ou de concreto); ** Método de avaliação proposto pela norma: 1º) Análise do projeto estrutural em situação de incêndio; 2º) Atendimento às seguintes Normas de projeto estrutural: - ABNT NBR Estruturas de aço em situação de incêndio; - ABNT NBR Estruturas de concreto em situação de incêndio

19 ABNT NBR EXIGÊNCIAS DE RESISTÊNCIA AO FOGO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS DE EDIFICAÇÕES - PROCEDIMENTO OBJETIVOS PRINCIPAIS Minimizar o risco à vida Reduzir a perda patrimonial

20 ABNT NBR EXIGÊNCIAS DE RESISTÊNCIA AO FOGO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS DE EDIFICAÇÕES - PROCEDIMENTO OBJETIVOS PRINCIPAIS Minimizar o risco à vida Reduzir a perda patrimonial A inclusão de medidas de proteção e combate ao incêndio e, principalmente, de meios que permitam o rápido abandono dos ambientes em chamas deve ser considerado pelo projetista, levando em conta as condições específicas de obra, tais como: Porte da edificação; Número de usuários e tipo de utilização; Exigências do poder público; Especificações normativas (equipamentos).

21 ABNT NBR EXIGÊNCIAS DE RESISTÊNCIA AO FOGO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS DE EDIFICAÇÕES - PROCEDIMENTO MEDIDAS DE PROTEÇÃO E COMBATE AO INCÊNDIO PROTEÇÃO ATIVA: Proteção contra incêndio ativada manual ou automaticamente em resposta aos estímulos provocados pelo fogo. (Exemplo: chuveiros automáticos, detecção contra incêndio, iluminação de emergência). PROTEÇÃO PASSIVA: Proteção contra incêndio que reage passivamente ao desenvolvimento do incêndio, não estabelecendo condições propícias ao seu crescimento e à propagação. (Exemplo: compartimentação horizontal ou vertical, rotas de fuga e proteção ao fogo das estruturas).

22 ABNT NBR EXIGÊNCIAS DE RESISTÊNCIA AO FOGO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS DE EDIFICAÇÕES - PROCEDIMENTO MEDIDAS DE PROTEÇÃO E COMBATE AO INCÊNDIO PROTEÇÃO ATIVA: Proteção contra incêndio ativada manual ou automaticamente em resposta aos estímulos provocados pelo fogo. (Exemplo: chuveiros automáticos, detecção contra incêndio, iluminação de emergência). PROTEÇÃO PASSIVA: Proteção contra incêndio que reage passivamente ao desenvolvimento do incêndio, não estabelecendo condições propícias ao seu crescimento e à propagação. (Exemplo: compartimentação horizontal ou vertical, rotas de fuga e proteção ao fogo das estruturas).

23 ABNT NBR EXIGÊNCIAS DE RESISTÊNCIA AO FOGO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS DE EDIFICAÇÕES - PROCEDIMENTO PROTEÇÃO AO FOGO DAS ESTRUTURAS

24 ABNT NBR EXIGÊNCIAS DE RESISTÊNCIA AO FOGO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS DE EDIFICAÇÕES - PROCEDIMENTO PROTEÇÃO AO FOGO DAS ESTRUTURAS RESISTÊNCIA AO FOGO

25 ABNT NBR EXIGÊNCIAS DE RESISTÊNCIA AO FOGO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS DE EDIFICAÇÕES - PROCEDIMENTO PROTEÇÃO AO FOGO DAS ESTRUTURAS RESISTÊNCIA AO FOGO Propriedade de um elemento de construção resistir à ação do fogo por um determinado período de tempo. TRRF (TEMPO REQUERIDO DE RESISTÊNCIA AO FOGO)

26 ABNT NBR EXIGÊNCIAS DE RESISTÊNCIA AO FOGO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS DE EDIFICAÇÕES - PROCEDIMENTO TEMPO REQUERIDO DE RESISTÊNCIA AO FOGO?

27 ABNT NBR EXIGÊNCIAS DE RESISTÊNCIA AO FOGO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS DE EDIFICAÇÕES - PROCEDIMENTO TEMPO REQUERIDO DE RESISTÊNCIA AO FOGO? QUE FOGO?

28 ABNT NBR EXIGÊNCIAS DE RESISTÊNCIA AO FOGO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS DE EDIFICAÇÕES - PROCEDIMENTO TEMPO REQUERIDO DE RESISTÊNCIA AO FOGO? QUE FOGO? QUE TEMPERATURA?

29 ABNT NBR EXIGÊNCIAS DE RESISTÊNCIA AO FOGO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS DE EDIFICAÇÕES - PROCEDIMENTO TEMPO REQUERIDO DE RESISTÊNCIA AO FOGO? QUE FOGO? QUE TEMPERATURA? QUE TIPO DE INCÊNDIO?

30 ABNT NBR EXIGÊNCIAS DE RESISTÊNCIA AO FOGO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS DE EDIFICAÇÕES - PROCEDIMENTO Curva real de incêndio: temperatura (θ) versus tempo (t)

31 ABNT NBR EXIGÊNCIAS DE RESISTÊNCIA AO FOGO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS DE EDIFICAÇÕES - PROCEDIMENTO Curva real de incêndio: temperatura (θ) versus tempo (t)

32 ABNT NBR EXIGÊNCIAS DE RESISTÊNCIA AO FOGO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS DE EDIFICAÇÕES - PROCEDIMENTO Difícil determinação; Cada compartimento terá um comportamento distinto; COMPLEXIDADE DE PROJETO

33 ABNT NBR EXIGÊNCIAS DE RESISTÊNCIA AO FOGO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS DE EDIFICAÇÕES - PROCEDIMENTO Curva padrão de incêndio (Modelo de incêndio-padrão) Elevação padronizada de temperatura Conservadora

34 ABNT NBR TEMPO REQUERIDO DE RESISTÊNCIA AO FOGO (TRRF) PARA PROJETO CORRELACIONAR TEMPO DE RESISTÊNCIA AO FOGO VERSUS ALTURA DA EDIFICAÇÃO

35 ALTURA DA EDIFICAÇÃO ABNT NBR TEMPO REQUERIDO DE RESISTÊNCIA AO FOGO (TRRF)

36 ALTURA DA EDIFICAÇÃO TRRF ABNT NBR TEMPO REQUERIDO DE RESISTÊNCIA AO FOGO (TRRF)

37 ABNT NBR TEMPO REQUERIDO DE RESISTÊNCIA AO FOGO (TRRF)

38 ABNT NBR TEMPO REQUERIDO DE RESISTÊNCIA AO FOGO (TRRF)

39 ABNT NBR TEMPO REQUERIDO DE RESISTÊNCIA AO FOGO (TRRF)

40 TEMPERATURA EM UMA ESTRUTURA CONSIDERAÇÕES GERAIS 150ºC 300ºC 400ºC 500ºC 600ºC 700ºC

41 TEMPERATURA EM UMA ESTRUTURA CONSIDERAÇÕES GERAIS 150ºC 300ºC 400ºC 500ºC 600ºC 700ºC O Eurocode 2 (2004) admite que a segurança estrutural das vigas de concreto armado estará verificada ao se limitar a temperatura das barras em 500ºC.

42 TEMPERATURA EM UMA ESTRUTURA CONSIDERAÇÕES GERAIS 150ºC 300ºC 400ºC 500ºC 600ºC 700ºC O Eurocode 2 (2004) admite que a segurança estrutural das vigas de concreto armado estará verificada ao se limitar a temperatura das barras em 500ºC.

43 TEMPERATURA EM UMA ESTRUTURA CONSIDERAÇÕES GERAIS 150ºC 300ºC 400ºC 500ºC 600ºC 700ºC O Eurocode 2 (2004) admite que a segurança estrutural das vigas de concreto armado estará verificada ao se limitar a temperatura das barras em 500ºC.

44 TEMPERATURA EM UMA ESTRUTURA CONSIDERAÇÕES GERAIS 150ºC 300ºC 400ºC 500ºC 600ºC 700ºC O Eurocode 2 (2004) admite que a segurança estrutural das vigas de concreto armado estará verificada ao se limitar a temperatura das barras em 500ºC.

45 SEGURANÇA DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO... COMO ATENDER O TRRF?

46 ABNT NBR PROJETO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO VIGAS LAJES PILARES CRITÉRIOS DE DIMENSIONAMENTO DOS ELEMENTOS EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO SEGURANÇA ESTRUTURAL

47 ABNT NBR PROJETO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO VIGAS LAJES PILARES CRITÉRIOS DE DIMENSIONAMENTO DOS ELEMENTOS EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO SEGURANÇA ESTRUTURAL ABNT NBR 6118: 2014 INCÊNDIO: AÇÃO EXCEPCIONAL ESTADO LIMITE ÚLTIMO COMBINAÇÃO EXCEPCIONAL ou

48 ABNT NBR PROJETO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO VIGAS LAJES PILARES CRITÉRIOS DE DIMENSIONAMENTO DOS ELEMENTOS EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO SEGURANÇA ESTRUTURAL ABNT NBR 6118: 2014 INCÊNDIO: AÇÃO EXCEPCIONAL ESTADO LIMITE ÚLTIMO COMBINAÇÃO EXCEPCIONAL ou Método tabular Método analítico (pilares) Método simplificado/avançado Método experimental

49 ABNT NBR PROJETO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO VIGAS LAJES PILARES CRITÉRIOS DE DIMENSIONAMENTO DOS ELEMENTOS EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO SEGURANÇA ESTRUTURAL ABNT NBR 6118: 2014 INCÊNDIO: AÇÃO EXCEPCIONAL ESTADO LIMITE ÚLTIMO COMBINAÇÃO EXCEPCIONAL ou Método tabular Método analítico (pilares) Método simplificado/avançado Método experimental

50 VIGAS BI-APOIADAS VIGAS CONTINUAS VIGAS MÉTODO TABULAR ABNT NBR PROJETO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO TRRF min Combinações de bmin/c1 bwmin mm 30 80/25 120/20 160/15 190/ /40 160/35 190/30 300/ /60 190/45 300/40 400/ /68 240/60 300/55 500/ TRRF min Combinações de bmin/c1 bwmin mm 30 80/15 160/ /25 190/ /37 250/ /45 300/35 450/35 500/30 120

51 VIGAS BI-APOIADAS VIGAS CONTINUAS VIGAS MÉTODO TABULAR ABNT NBR PROJETO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO TRRF min Combinações de bmin/c1 bwmin mm 30 80/25 120/20 160/15 190/ /40 160/35 190/30 300/ /60 190/45 300/40 400/ /68 240/60 300/55 500/ TRRF min Combinações de bmin/c1 bwmin mm 30 80/15 160/ /25 190/ /37 250/ /45 300/35 450/35 500/30 120

52 LAJES SIMPLESMENTE APOIADAS LAJES CONTINUAS LAJES MÉTODO TABULAR ABNT NBR PROJETO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO C1 (mm) TRRF h Laje armada em Laje armada em duas direções min mm uma direção lx/ly 1,5 1,5 < lx/ly 2 lx/ly > TRRF min h mm C1 mm

53 PILARES COM UMA FACE EXPOSTA AO FOGO NÚMERO DE BARRAS LONGITUDINAIS IGUAL A 4 MAIS DE UMA FACE EXPOSTA AO FOGO ABNT NBR PROJETO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO PILARES MÉTODO TABULAR MÉTODO ANALÍTICO TRRF Combinações bmi n/c / / / / /55

54 ABNT NBR PROJETO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO EM SUMA... SEGURANÇA: ESTRUTURAS DE CONCRETO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO PROTEÇÃO PASSIVA: COBRIMENTO DAS ARMADURAS PROJETO ESTRUTURAL

55 DURABILIDADE ABNT NBR 6118 (SEGURANÇA) INCÊNDIO ABNT NBR ABNT NBR COBRIMENTO NOMINAL ARMADURAS INCÊNDIO QUAL CRITÉRIO PREVALECERÁ? DURABILIDADE

56 DURABILIDADE VIDA ÚTIL 50 Anos 63 Anos 75 Anos CAA I II III IV I II III IV I II III IV Cobrimento (mm)/ Classe concreto Cobrimento (mm) / Classe concreto Cobrimento(mm) / Classe concreto ELEMENTO Relação ac / Consumo cimento (kg/m³) Relação ac / Consumo cimento (kg/m³) Relação ac / Consumo cimento (kg/m³) Laje Viga/pilar Elementos em contato com solo INCÊNDIO 20/C20 25/C25 35/C30 45/C40 25/C25 35/C35 45/C40 55/C50 30/C30 40/C40 50/C40 65/C50 0,65/260 0,6/280 0,55/320 0,45/360 0,6/280 0,5/300 0,45/340 0,40/360 0,60/280 0,50/340 0,40/360 0,40/380 25/C20 30/C25 40/C30 50/C40 30/C25 40/C35 50/C40 60/C50 35/C30 45/C40 55/C40 70/C50 0,65/260 0,6/280 0,55/320 0,45/360 0,6/280 0,5/300 0,45/340 0,40/360 0,60/280 0,50/340 0,40/360 0,35/380 30/C20 30/C25 40/C30 50/C40 30/C25 40/C35 50/C40 60/C50 40/C30 45/C40 55/C40 70/C50 0,65/260 0,6/280 0,55/320 0,45/360 0,6/280 0,5/300 0,45/340 0,35/360 0,60/280 0,45/340 0,40/360 0,35/380 Fonte: BOLINA & TUTIKIAN, 2014

57 DURABILIDADE VIDA ÚTIL 50 Anos 63 Anos 75 Anos CAA I II III IV I II III IV I II III IV Cobrimento (mm)/ Classe concreto Cobrimento (mm) / Classe concreto Cobrimento(mm) / Classe concreto ELEMENTO Relação ac / Consumo cimento (kg/m³) Relação ac / Consumo cimento (kg/m³) Relação ac / Consumo cimento (kg/m³) Laje Viga/pilar Elementos em contato com solo INCÊNDIO 20/C20 25/C25 35/C30 45/C40 25/C25 35/C35 45/C40 55/C50 30/C30 40/C40 50/C40 65/C50 0,65/260 0,6/280 0,55/320 0,45/360 0,6/280 0,5/300 0,45/340 0,40/360 0,60/280 0,50/340 0,40/360 0,40/380 25/C20 30/C25 40/C30 50/C40 30/C25 40/C35 50/C40 60/C50 35/C30 45/C40 55/C40 70/C50 0,65/260 0,6/280 0,55/320 0,45/360 0,6/280 0,5/300 0,45/340 0,40/360 0,60/280 0,50/340 0,40/360 0,35/380 30/C20 30/C25 40/C30 50/C40 30/C25 40/C35 50/C40 60/C50 40/C30 45/C40 55/C40 70/C50 0,65/260 0,6/280 0,55/320 0,45/360 0,6/280 0,5/300 0,45/340 0,35/360 0,60/280 0,45/340 0,40/360 0,35/380 Fonte: BOLINA & TUTIKIAN, 2014

58 Cobrimento nominal das armaduras para estruturas em situação de incêndio, admitindo armadura longitudinal de 12,5mm de diâmetro e armadura transversal de diâmetro de 6,3mm A LT UR A D A ED IF IC A ÇÃ O (h) h 12m (TRRF 30min) 12m<h 23m (TRRF 60min) 23m<h 30m (TRRF 90min) h>30m (TRRF 120min) ESPESSURA DOS COBRIMENTOS NOMINAIS DAS ARMADURAS (cm) VIGAS Largura da viga (cm) LAJES esp.¹(cm) PILARES Menor lado do pilar (cm) ,3 0,8 0,3 0,3 0,4 3,2 2,7 2,6 X X X 1,3 0,8 0,3 0,3 0,4 3,2 2,7 2,6 X X X 1,3 0,8 0,3 0,3 0,4 3,2 2,7 2,6 X X X 1,3 0,8 0,3 0,3 0,4 3,2 2,7 2,6 X X X ,8 2,5 2,5 2,5 1,4 4,7 4,4 4,2 3,9 3,6 3,3 3,0 3,0 3,0 3,0 1,4 4,7 4,4 4,2 3,9 3,6 3,3 2,8 2,3 1,8 1,3 1,4 4,7 4,4 4,2 3,9 3,6 3,3 5,0 5,0 5,0 5,0 1,4 4,7 4,4 4,2 3,9 3,6 3, ,8 3,3 2,8 2,5 2,4 6,3 5,7 5,5 5,2 4,9 4,6 4,8 3,3 3,0 3,0 2,4 6,3 5,7 5,5 5,2 4,9 4,6 4,8 3,3 2,8 2,3 2,4 6,3 5,7 5,5 5,2 4,9 4,6 5,0 5,0 5,0 5,0 2,4 6,3 5,7 5,5 5,2 4,9 4, ,6 4,8 4,3 3,8 3,4 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 5,6 4,8 4,3 3,8 3,4 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 5,6 4,8 4,3 3,8 3,4 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 5,6 5,0 5,0 5,0 3,4 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 Fonte: BOLINA & TUTIKIAN, 2014

59 A LT UR A D A ED IF IC A ÇÃ O (h) h 12m (TRRF 30min) 12m<h 23m (TRRF 60min) 23m<h 30m (TRRF 90min) h>30m (TRRF 120min) ESPESSURA DOS COBRIMENTOS NOMINAIS DAS ARMADURAS (cm) VIGAS Largura da viga (cm) LAJES esp.¹(cm) PILARES Menor lado do pilar (cm) ,3 0,8 0,3 0,3 0,4 3,2 2,7 2,6 X X X 1,3 0,8 0,3 0,3 0,4 3,2 2,7 2,6 X X X 1,3 0,8 0,3 0,3 0,4 3,2 2,7 2,6 X X X 1,3 0,8 0,3 0,3 0,4 3,2 2,7 2,6 X X X ,8 2,5 2,5 2,5 1,4 4,7 4,4 4,2 3,9 3,6 3,3 3,0 3,0 3,0 3,0 1,4 4,7 4,4 4,2 3,9 3,6 3,3 2,8 2,3 1,8 1,3 1,4 4,7 4,4 4,2 3,9 3,6 3,3 5,0 5,0 5,0 5,0 1,4 4,7 4,4 4,2 3,9 3,6 3, ,8 3,3 2,8 2,5 2,4 6,3 5,7 5,5 5,2 4,9 4,6 4,8 3,3 3,0 3,0 2,4 6,3 5,7 5,5 5,2 4,9 4,6 4,8 3,3 2,8 2,3 2,4 6,3 5,7 5,5 5,2 4,9 4,6 5,0 5,0 5,0 5,0 2,4 6,3 5,7 5,5 5,2 4,9 4, ,6 4,8 4,3 3,8 3,4 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 5,6 4,8 4,3 3,8 3,4 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 5,6 4,8 4,3 3,8 3,4 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 5,6 5,0 5,0 5,0 3,4 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 VIDA ÚTIL 50 Anos 63 Anos 75 Anos CAA I II III IV I II III IV I II III IV Cobrimento (mm)/ Classe concreto Cobrimento (mm) / Classe concreto Cobrimento(mm) / Classe concreto ELEMENTO Relação ac / Consumo cimento (kg/m³) Relação ac / Consumo cimento (kg/m³) Relação ac / Consumo cimento (kg/m³) Laje Viga/pilar Elementos em contato com solo 20/C20 25/C25 35/C30 45/C40 25/C25 35/C35 45/C40 55/C50 30/C30 40/C40 50/C40 65/C50 0,65/260 0,6/280 0,55/320 0,45/360 0,6/280 0,5/300 0,45/340 0,40/360 0,60/280 0,50/340 0,40/360 0,40/380 25/C20 30/C25 40/C30 50/C40 30/C25 40/C35 50/C40 60/C50 35/C30 45/C40 55/C40 70/C50 0,65/260 0,6/280 0,55/320 0,45/360 0,6/280 0,5/300 0,45/340 0,40/360 0,60/280 0,50/340 0,40/360 0,35/380 30/C20 30/C25 40/C30 50/C40 30/C25 40/C35 50/C40 60/C50 40/C30 45/C40 55/C40 70/C50 0,65/260 0,6/280 0,55/320 0,45/360 0,6/280 0,5/300 0,45/340 0,35/360 0,60/280 0,45/340 0,40/360 0,35/380

60 COBRIMENTO NOMINAL DAS ARMADURAS DESEMPENHO DAS EDIFICAÇÕES VIDA ÚTIL PROJETO ESTRUTURAL 50 ANOS 63 ANOS 75 ANOS

61 Cobrimento nominal para VUP de 50 anos, admitindo critérios de durabilidade e segurança contra incêndio, para armadura longitudinal de 12,5mm de diâmetro e armadura transversal de diâmetro de 6,3mm A LT UR A D A ED IF IC A ÇÃ O (h) h 12m (TRRF 30min) 12m<h 23m (TRRF 60min) 23m<h 30m (TRRF 90min) h>30m (TRRF 120min) CAA ESPESSURA DOS COBRIMENTOS NOMINAIS DAS ARMADURAS (cm) VIGAS Largura da viga (cm) LAJES esp.¹(cm) PILARES Menor lado do pilar (cm) I 2,5 2,5 2,5 2,5 2,0 3,2 2,7 2,6 2,5 2,5 2,5 II 3,0 3,0 3,0 3,0 2,5 3,2 3,0 3,0 3,0 3,0 3,0 III 4,0 4,0 4,0 4,0 3,5 4,0 4,0 4,0 4,0 4,0 4,0 IV 5,0 5,0 5,0 5,0 4,5 5,0 5,0 5,0 5,0 5,0 5, I 2,8 2,5 2,5 2,5 2,0 4,7 4,4 4,2 3,9 3,6 3,3 II 3,0 3,0 3,0 3,0 2,5 4,7 4,4 4,2 3,9 3,6 3,3 III 4,0 4,0 4,0 4,0 3,5 4,7 4,4 4,2 4,0 4,0 4,0 IV 5,0 5,0 5,0 5,0 4,5 5,0 5,0 5,0 5,0 5,0 5, I 4,8 3,3 2,8 2,5 2,4 6,3 5,7 5,5 5,2 4,9 4,6 II 4,8 3,3 3,0 3,0 2,5 6,3 5,7 5,5 5,2 4,9 4,6 III 4,8 4,0 4,0 4,0 3,5 6,3 5,7 5,5 5,2 4,9 4,6 IV 5,0 5,0 5,0 5,0 4,5 6,3 5,7 5,5 5,2 5,0 5, I 5,6 4,8 4,3 3,8 3,4 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 II 5,6 4,8 4,3 3,8 3,4 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 III 5,6 4,8 4,3 4,0 3,5 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 IV 5,6 5,0 5,0 5,0 4,5 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 Dimensionado para a durabilidade, segundo a ABNT NBR 6118: 2014 Dimensionado para o incêndio, segundo a ABNT NBR 15200: 2012 ¹ Espessuras mínimas, segundo ABNT NBR Fonte: BOLINA & TUTIKIAN, 2014

62 Cobrimento nominal para VUP de 63 anos, admitindo critérios de durabilidade e segurança contra incêndio, para armadura longitudinal de 12,5mm de diâmetro e armadura transversal de diâmetro de 6,3mm A LT UR A D A ED IF IC A ÇÃ O (h) h 12m (TRRF 30min) 12m<h 23m (TRRF 60min) 23m<h 30m (TRRF 90min) h>30m (TRRF 120min) CAA ESPESSURA DOS COBRIMENTOS NOMINAIS DAS ARMADURAS (cm) VIGAS Largura da viga (cm) LAJES esp.¹(cm) PILARES Menor lado do pilar (cm) I 3,0 3,0 3,0 3,0 2,5 3,2 3,0 3,0 3,0 3,0 3,0 II 4,0 4,0 4,0 4,0 3,5 4,0 4,0 4,0 4,0 4,0 4,0 III 5,0 5,0 5,0 5,0 4,5 5,0 5,0 5,0 5,0 5,0 5,0 IV 6,0 6,0 6,0 6,0 5,5 6,0 6,0 6,0 6,0 6,0 6, I 3,0 3,0 3,0 3,0 2,5 4,7 4,4 4,2 3,9 3,6 3,3 II 4,0 4,0 4,0 4,0 3,5 4,7 4,4 4,2 4,0 4,0 4,0 III 5,0 5,0 5,0 5,0 4,5 5,0 5,0 5,0 5,0 5,0 5,0 IV 6,0 6,0 6,0 6,0 5,5 6,0 6,0 6,0 6,0 6,0 6, I 4,8 3,3 3,0 3,0 2,5 6,3 5,7 5,5 5,2 4,9 4,6 II 4,8 4,0 4,0 4,0 3,5 6,3 5,7 5,5 5,2 4,9 4,6 III 5,0 5,0 5,0 5,0 4,5 6,3 5,7 5,5 5,2 5,0 5,0 IV 6,0 6,0 6,0 6,0 5,5 6,3 6,0 6,0 6,0 6,0 6, I 5,6 4,8 4,3 3,8 3,4 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 II 5,6 4,8 4,3 4,0 3,5 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 III 5,6 5,0 5,0 5,0 4,5 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 IV 6,0 6,0 6,0 6,0 5,5 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 6,0 Dimensionado para a durabilidade, segundo a ABNT NBR 6118: 2014 Dimensionado para o incêndio, segundo a ABNT NBR 15200: 2012 ¹ Espessuras mínimas, segundo ABNT NBR Fonte: BOLINA & TUTIKIAN, 2014

63 Cobrimento nominal para VUP de 75 anos, admitindo critérios de durabilidade e segurança contra incêndio, para armadura longitudinal de 12,5mm de diâmetro e armadura transversal de diâmetro de 6,3mm A LT UR A D A ED IF IC A ÇÃ O (h) h 12m (TRRF 30min) 12m<h 23m (TRRF 60min) 23m<h 30m (TRRF 90min) h>30m (TRRF 120min) CAA ESPESSURA DOS COBRIMENTOS NOMINAIS DAS ARMADURAS (cm) VIGAS Largura da viga (cm) LAJES esp.¹(cm) PILARES Menor lado do pilar (cm) I 3,5 3,5 3,5 3,5 3,0 3,5 3,5 3,5 3,5 3,5 3,5 II 4,5 4,5 4,5 4,5 4,0 4,5 4,5 4,5 4,5 4,5 4,5 III 5,5 5,5 5,5 5,5 5,0 5,5 5,5 5,5 5,5 5,5 5,5 IV 7,0 7,0 7,0 7,0 6,5 7,0 7,0 7,0 7,0 7,0 7, I 3,5 3,5 3,5 3,5 3,0 4,7 4,4 4,2 3,9 3,6 3,5 II 4,5 4,5 4,5 4,5 4,0 4,7 4,5 4,5 4,5 4,5 4,5 III 5,5 5,5 5,5 5,5 5,0 5,5 5,5 5,5 5,5 5,5 5,5 IV 7,0 7,0 7,0 7,0 6,5 7,0 7,0 7,0 7,0 7,0 7, I 4,8 3,5 3,5 3,5 3,0 6,3 5,7 5,5 5,2 4,9 4,6 II 4,8 4,5 4,5 4,5 4,0 6,3 5,7 5,5 5,2 4,9 4,6 III 5,5 5,5 5,5 5,5 5,0 6,3 5,7 5,5 5,5 5,5 5,5 IV 7,0 7,0 7,0 7,0 6,5 7,0 7,0 7,0 7,0 7,0 7, I 5,6 4,8 4,3 3,8 3,4 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 II 5,6 4,8 4,5 4,5 4,0 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 III 5,6 5,5 5,5 5,5 5,0 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 IV 7,0 7,0 7,0 7,0 6,5 7,3 7,0 7,0 7,0 7,0 7,0 Dimensionado para a durabilidade, segundo a ABNT NBR 6118: 2014 Dimensionado para o incêndio, segundo a ABNT NBR 15200: 2012 ¹ Espessuras mínimas, segundo ABNT NBR Fonte: BOLINA & TUTIKIAN, 2014

64 A LT UR A D A ED IF IC A ÇÃ O (h) h 12m (TRRF 30min) 12m<h 23m (TRRF 60min) 23m<h 30m (TRRF 90min) h>30m (TRRF 120min) CAA ESPESSURA DOS COBRIMENTOS NOMINAIS DAS ARMADURAS (cm) VIGAS Largura da viga (cm) LAJES esp.¹(cm) PILARES Menor lado do pilar (cm) I 2,5 2,5 2,5 2,5 2,0 3,2 2,7 2,6 2,5 2,5 2,5 II 3,0 3,0 3,0 3,0 2,5 3,2 3,0 3,0 3,0 3,0 3,0 III 4,0 4,0 4,0 4,0 3,5 4,0 4,0 4,0 4,0 4,0 4,0 IV 5,0 5,0 5,0 5,0 4,5 5,0 5,0 5,0 5,0 5,0 5, I 2,8 2,5 2,5 2,5 2,0 4,7 4,4 4,2 3,9 3,6 3,3 II 3,0 3,0 3,0 3,0 2,5 4,7 4,4 4,2 3,9 3,6 3,3 III 4,0 4,0 4,0 4,0 3,5 4,7 4,4 4,2 4,0 4,0 4,0 IV 5,0 5,0 5,0 5,0 4,5 5,0 5,0 5,0 5,0 5,0 5, I 4,8 3,3 2,8 2,5 2,4 6,3 5,7 5,5 5,2 4,9 4,6 II 4,8 3,3 3,0 3,0 2,5 6,3 5,7 5,5 5,2 4,9 4,6 III 4,8 4,0 4,0 4,0 3,5 6,3 5,7 5,5 5,2 4,9 4,6 IV 5,0 5,0 5,0 5,0 4,5 6,3 5,7 5,5 5,2 5,0 5, I 5,6 4,8 4,3 3,8 3,4 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 II 5,6 4,8 4,3 3,8 3,4 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 III 5,6 4,8 4,3 4,0 3,5 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 IV 5,6 5,0 5,0 5,0 4,5 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 Dimensionado para a durabilidade, segundo a ABNT NBR 6118: 2014 Dimensionado para o incêndio, segundo a ABNT NBR 15200: 2012 ¹ Espessuras mínimas, segundo ABNT NBR A LT UR A D A ED IF IC A ÇÃ O (h) h 12m (TRRF 30min) 12m<h 23m (TRRF 60min) 23m<h 30m (TRRF 90min) h>30m (TRRF 120min) CAA ESPESSURA DOS COBRIMENTOS NOMINAIS DAS ARMADURAS (cm) VIGAS Largura da viga (cm) LAJES esp.¹(cm) PILARES Menor lado do pilar (cm) I 3,0 3,0 3,0 3,0 2,5 3,2 3,0 3,0 3,0 3,0 3,0 II 4,0 4,0 4,0 4,0 3,5 4,0 4,0 4,0 4,0 4,0 4,0 III 5,0 5,0 5,0 5,0 4,5 5,0 5,0 5,0 5,0 5,0 5,0 IV 6,0 6,0 6,0 6,0 5,5 6,0 6,0 6,0 6,0 6,0 6, I 3,0 3,0 3,0 3,0 2,5 4,7 4,4 4,2 3,9 3,6 3,3 II 4,0 4,0 4,0 4,0 3,5 4,7 4,4 4,2 4,0 4,0 4,0 III 5,0 5,0 5,0 5,0 4,5 5,0 5,0 5,0 5,0 5,0 5,0 IV 6,0 6,0 6,0 6,0 5,5 6,0 6,0 6,0 6,0 6,0 6, I 4,8 3,3 3,0 3,0 2,5 6,3 5,7 5,5 5,2 4,9 4,6 II 4,8 4,0 4,0 4,0 3,5 6,3 5,7 5,5 5,2 4,9 4,6 III 5,0 5,0 5,0 5,0 4,5 6,3 5,7 5,5 5,2 5,0 5,0 IV 6,0 6,0 6,0 6,0 5,5 6,3 6,0 6,0 6,0 6,0 6, I 5,6 4,8 4,3 3,8 3,4 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 II 5,6 4,8 4,3 4,0 3,5 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 III 5,6 5,0 5,0 5,0 4,5 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 IV 6,0 6,0 6,0 6,0 5,5 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 6,0 Dimensionado para a durabilidade, segundo a ABNT NBR 6118: 2014 Dimensionado para o incêndio, segundo a ABNT NBR 15200: 2012 ¹ Espessuras mínimas, segundo ABNT NBR A LT UR A D A ED IF IC A ÇÃ O (h) h 12m (TRRF 30min) 12m<h 23m (TRRF 60min) 23m<h 30m (TRRF 90min) h>30m (TRRF 120min) CAA ESPESSURA DOS COBRIMENTOS NOMINAIS DAS ARMADURAS (cm) VIGAS Largura da viga (cm) LAJES esp.¹(cm) PILARES Menor lado do pilar (cm) I 3,5 3,5 3,5 3,5 3,0 3,5 3,5 3,5 3,5 3,5 3,5 II 4,5 4,5 4,5 4,5 4,0 4,5 4,5 4,5 4,5 4,5 4,5 III 5,5 5,5 5,5 5,5 5,0 5,5 5,5 5,5 5,5 5,5 5,5 IV 7,0 7,0 7,0 7,0 6,5 7,0 7,0 7,0 7,0 7,0 7, I 3,5 3,5 3,5 3,5 3,0 4,7 4,4 4,2 3,9 3,6 3,5 II 4,5 4,5 4,5 4,5 4,0 4,7 4,5 4,5 4,5 4,5 4,5 III 5,5 5,5 5,5 5,5 5,0 5,5 5,5 5,5 5,5 5,5 5,5 IV 7,0 7,0 7,0 7,0 6,5 7,0 7,0 7,0 7,0 7,0 7, I 4,8 3,5 3,5 3,5 3,0 6,3 5,7 5,5 5,2 4,9 4,6 II 4,8 4,5 4,5 4,5 4,0 6,3 5,7 5,5 5,2 4,9 4,6 III 5,5 5,5 5,5 5,5 5,0 6,3 5,7 5,5 5,5 5,5 5,5 IV 7,0 7,0 7,0 7,0 6,5 7,0 7,0 7,0 7,0 7,0 7, I 5,6 4,8 4,3 3,8 3,4 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 II 5,6 4,8 4,5 4,5 4,0 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 III 5,6 5,5 5,5 5,5 5,0 7,3 6,9 6,6 6,3 6,1 5,6 IV 7,0 7,0 7,0 7,0 6,5 7,3 7,0 7,0 7,0 7,0 7,0 Dimensionado para a durabilidade, segundo a ABNT NBR 6118: 2014 Dimensionado para o incêndio, segundo a ABNT NBR 15200: 2012 ¹ Espessuras mínimas, segundo ABNT NBR ANOS 63 ANOS 75 ANOS Fonte: BOLINA & TUTIKIAN, 2014

65 ITT PERFORMANCE Contando com um grupo qualificado de professores, engenheiros civis, arquitetos, mestrandos e graduandos, o itt Performance oferece não apenas avaliações e certificações técnicas de produtos e sistemas do setor da construção civil, mas também investe permanentemente no ensino e pesquisa, buscando sempre a inovação tecnológica, cooperando com o incremento da competitividade e qualidade da construção civil brasileira.

66 LABORATÓRIO DE RESISTÊNCIA AO FOGO ITT PERFORMANCE O itt Performance está equipado com instrumentos capazes de realizar ensaios de resistência ao fogo em elementos estruturais e de compartimentação, para determinar o TRRF de materiais e sistemas segundo as exigências normativas nacionais e internacionais.

67 LABORATÓRIO DE REAÇÃO AO FOGO ITT PERFORMANCE ENSAIOS DE IGNITIBILIDADE, PROPAGAÇÃO SUPERFICIAL DE CHAMAS E DENSIDADE ÓPTICA DE FUMAÇA, ETC. Pyrosim/Fire Dynamics Simulator Combustibilidade do material FORNO ISO ENSAIO DE NÃO COMBUSTIBILIDADE ISO 1182 BOMBA CALORIMÉTRICA COMBUSTIBILIDADE ISO 1716 Carga de incêndio do material

68 LABORATÓRIO DE REAÇÃO AO FOGO ITT PERFORMANCE ENSAIOS DE IGNITIBILIDADE, PROPAGAÇÃO SUPERFICIAL DE CHAMAS E DENSIDADE ÓPTICA DE FUMAÇA, ETC. Comportamento ao fogo (derretimento, ignitibilidade) SINGLE FLAME SOURCE TEST IGNITIBILIDADE ISO EN Partículas inflamadas Taxa de fumaça e fogo Calor liberado material Propagação lat. Fogo. SINGLE BURN ITEM - SBI Índice propagação superificial de chamas Taxa de liberação do calor; Taxa de liberação de fumaça

69 METAS: LABORATÓRIO DE RESISTÊNCIA AO FOGO ITT PERFORMANCE Analisar a estabilidade e a influência da espessura dos revestimentos argamassados na temperatura superficial das barras de aço nas estruturas de concreto armado em situação de incêndio; Analisar a eficiência dos diferentes tipos de revestimento na proteção das barras de aço nas estruturas de concreto armado em situação de incêndio; Analisar a influência da dosagem do concreto para a propagação interna de calor na estrutura; Propor novas alternativas para minimização de spalling em concretos de alto desempenho; Correlacionar a probabilidade de spalling segundo as propriedades mínimas de durabilidade do concreto exigidas nas tabelas de CAA da ABNT NBR 6118: 2014; Analisar a eficiência dos diferentes tipos de pinturas ou sistemas superficiais de proteção anti-chamas no desempenho das estruturas de concreto em situação de incêndio; Propor métodos mais diretos de determinação de espessuras de cobrimento nominal de concreto em situação de incêndio.

70 Muito obrigado! Prof. Eng. Fabricio Bolina Analista de Projetos itt Performance

Módulo 1: Conceitos e fundamentos para conservação de estruturas Aula 4 Fundamentos da tecnologia do concreto aplicados à conservação das estruturas

Módulo 1: Conceitos e fundamentos para conservação de estruturas Aula 4 Fundamentos da tecnologia do concreto aplicados à conservação das estruturas Módulo 1: Conceitos e fundamentos para conservação de estruturas Aula 4 Fundamentos da tecnologia do concreto aplicados à conservação das estruturas Coordenação Prof. Dr. Bernardo Tutikian btutikian@terra.com.br

Leia mais

O CONTEXTO DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO NO RIO GRANDE DO SUL "

O CONTEXTO DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO NO RIO GRANDE DO SUL O CONTEXTO DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO NO RIO GRANDE DO SUL " Major Eduardo Estevam Rodrigues Msc. Engenheiro de Segurança do Trabalho Chefe da Divisão de Operações e Defesa Civil Corpo de Bombeiros Militar

Leia mais

LAUDO TÉCNICO PARCIAL Nº 2 SOBRE OS DANOS ESTRUTURAIS DO INCÊNDIO OCORRIDO EM 03/10/2016 NO ED. JORGE MACHADO MOREIRA - UFRJ

LAUDO TÉCNICO PARCIAL Nº 2 SOBRE OS DANOS ESTRUTURAIS DO INCÊNDIO OCORRIDO EM 03/10/2016 NO ED. JORGE MACHADO MOREIRA - UFRJ LAUDO TÉCNICO PARCIAL Nº 2 SOBRE OS DANOS ESTRUTURAIS DO INCÊNDIO OCORRIDO EM 03/10/2016 NO ED. JORGE MACHADO MOREIRA - Alexandre Landesmann, Prof. Associado, D.Sc. Dep. Estruturas (FAU) e Lab. Estruturas

Leia mais

Reação e Resistência ao Fogo

Reação e Resistência ao Fogo Exigências de segurança contra incêndio aplicadas aos perfis pultrudados: Reação e Resistência ao Fogo Antonio Fernando Berto afberto@ipt.br Reação ao Fogo dos Materiais Comportamento dos materiais em

Leia mais

IMPLICAÇÕES DA NORMA DE DESEMPENHO: COMO PROJETAR VIDA ÚTIL DE 75 ANOS

IMPLICAÇÕES DA NORMA DE DESEMPENHO: COMO PROJETAR VIDA ÚTIL DE 75 ANOS IMPLICAÇÕES DA NORMA DE DESEMPENHO: COMO PROJETAR VIDA ÚTIL DE 75 ANOS Prof. Dr. Bernardo Tutikian btutikian@terra.com.br / bftutikian@unisinos.br Head of Itt Performance / Unisinos Presidente Alconpat

Leia mais

Estruturas de concreto Armado I. Aula II Pré-Dimensionamento

Estruturas de concreto Armado I. Aula II Pré-Dimensionamento Estruturas de concreto Armado I Aula II Pré-Dimensionamento Fonte / Material de Apoio: Apostila Fundamentos do Concreto e Projeto de Edifícios Prof. Libânio M. Pinheiro UFSCAR Apostila Projeto de Estruturas

Leia mais

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores 1. HISTÓRIA O Concreto Celular Autoclavado foi desenvolvido na Suécia em 1924 por Joahan Axel Erickon, que buscava por um produto com características semelhantes à da madeira, com estrutura sólida, bom

Leia mais

Estruturas Mistas e Híbridas. Proteção Estrutural. Fabio Domingos Pannoni, Ph.D. Consultor Técnico Gerdau

Estruturas Mistas e Híbridas. Proteção Estrutural. Fabio Domingos Pannoni, Ph.D. Consultor Técnico Gerdau Estruturas Mistas e Híbridas Proteção Estrutural Fabio Domingos Pannoni, Ph.D. Consultor Técnico Gerdau Introdução NBR 8800:2008 Projeto de estruturas de aço e de estruturas mistas de aço e concreto de

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO

SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Arquitetura e Urbanismo Café com Pesquisa SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros.

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. EMPREENDIMENTOS PANTHEON - ROMA Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO

Leia mais

Estudo de Caso: Precon Engenharia S.A.

Estudo de Caso: Precon Engenharia S.A. Estudo de Caso: Precon Engenharia S.A. Instituto Falcão Bauer da Qualidade Rua Aquinos, 111 Prédio III 3º andar Água Branca São Paulo - SP CEP 05036-070 Tel./Fax: (11) 3611-1729 www.ifbq.org.br Painéis

Leia mais

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO:

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: EMPREENDIMENTOS CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: Localizado em Novo Hamburgo RS; 18000 m² de área construída; 72 Unidades 3 e 2 dormitórios; 26 Pavimentos; Tratamento e reutilização

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 08/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 08/2015 Instrução Técnica nº 08/2011 - Resistência ao fogo dos elementos de construção 191 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO

Leia mais

Comportamento ao fogo de lajes mistas aço-betão Caso de estudo e apresentação do Software MACS+

Comportamento ao fogo de lajes mistas aço-betão Caso de estudo e apresentação do Software MACS+ Comportamento ao fogo de lajes mistas aço-betão Caso de estudo e apresentação do MACS+ Sumário Nova metodologia MACS+ MACS+ Breve descrição da obra Projeto base Solução Blocotelha - Metodologia tradicional

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS RESISTÊNCIA AO FOGO DAS PAREDES DE COMPARTIMENTAÇÃO

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS RESISTÊNCIA AO FOGO DAS PAREDES DE COMPARTIMENTAÇÃO SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS RESISTÊNCIA AO FOGO DAS PAREDES DE COMPARTIMENTAÇÃO ATENDIMENTO AOS REQUISITOS DA ABNT NBR 15575-4:2013 itt PERFORMANCE UNISINOS Av. Unisinos, 950 Cristo Rei, São Leopoldo APRESENTAÇÃO

Leia mais

Eng. MSc. Gisele C. A. Martins

Eng. MSc. Gisele C. A. Martins DESEMPENHO DE TRATAMENTO OS RETARDANTES AO FOGO EM ELEMENTOS ESTRUT TURAIS DE MADEIRA Eng. MSc. Gisele C. A. Martins giselemartins@usp.br No Brasil, a combustibilidade da madeira e a insegurança frente

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 08

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 08 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 08 Resistência ao fogo dos elementos de construção SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo

Leia mais

Módulo 1 Visão Geral e Impactos da Nova Norma NB-1. Histórico do Processo de Revisão. Impactos da Nova NBR 6118

Módulo 1 Visão Geral e Impactos da Nova Norma NB-1. Histórico do Processo de Revisão. Impactos da Nova NBR 6118 NBR 6118 Visão Geral e Impactos da Nova Norma NB-1 P R O M O Ç Ã O Conteúdo Visão Geral da Norma Objetivos Referências Normativas Filosofia da Nova Norma Histórico do Processo de Revisão Depoimento Eng

Leia mais

Nº COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 171000 A norma de desempenho de edificações NBR 15.575 Julio Cesar Sabadini de Souza Slides apresentado no Encontro Nacional da Indústria de Cerâmica Vermelha, 41., 2012, Campo Grande/MS

Leia mais

18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP. Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz

18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP. Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz 18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz 1 Quem deve atender é o sistema construtivo como um todo (paredes,

Leia mais

Princípios de uso da Alvenaria Estrutural

Princípios de uso da Alvenaria Estrutural Princípios de uso da Alvenaria Estrutural Jean Marie Désir Disponível em http://www.chasqueweb.ufrgs.br/~jeanmarie/eng01208/eng01208.html Sites da disciplina http://www.chasqueweb.ufrgs.br/~jeanmarie/eng01208/eng01208.html

Leia mais

CIA CONSTRUTORA E INCORPORADORA AGUIRRE LTDA

CIA CONSTRUTORA E INCORPORADORA AGUIRRE LTDA MINUTA DO RELATÓRIO TÉCNICO 16 de agosto de 2010 CIA CONSTRUTORA E INCORPORADORA AGUIRRE LTDA Avaliação técnica complementar do desempenho térmico de sistema construtivo integrado por paredes de concreto

Leia mais

SEQUÊNCIA BÁSICA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA O CORPO DE BOMBEIROS DE SÃO PAULO. Decreto 56818/11 e ITs

SEQUÊNCIA BÁSICA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA O CORPO DE BOMBEIROS DE SÃO PAULO. Decreto 56818/11 e ITs SEQUÊNCIA BÁSICA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA O CORPO DE BOMBEIROS DE SÃO PAULO Decreto 56818/11 e ITs CLASSIFIQUE A ALTURA Decreto, artigo 3º nº I ; I Altura da Edificação: a. para fins de exigências

Leia mais

(atualizada em 11/2006) NBR 5667-1:06 Hidrantes urbanos de incêndio de ferro fundido dúctil - Parte 1 - Hidrantes de Coluna NBR 5667-2:06 Hidrantes urbanos de incêndio de ferro dúctil - Parte 2 - Hidrantes

Leia mais

Lajes pré-fabricadas em situação de incêndio Ms. Kleber Aparecido Gomide Prof. Dr. Armando Lopes Moreno Jr

Lajes pré-fabricadas em situação de incêndio Ms. Kleber Aparecido Gomide Prof. Dr. Armando Lopes Moreno Jr Lajes pré-fabricadas em situação de incêndio Ms. Kleber Aparecido Gomide Prof. Dr. Armando Lopes Moreno Jr Universidade Estadual de Campinas UNICAMP Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

ANÁLISE DO DESLOCAMENTO VERTICAL DO AÇO EM TEMPERATURAS ELEVADAS

ANÁLISE DO DESLOCAMENTO VERTICAL DO AÇO EM TEMPERATURAS ELEVADAS ANÁLISE DO DESLOCAMENTO VERTICAL DO AÇO EM TEMPERATURAS ELEVADAS Juliana Pavei (1),Márcio Vito (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)julipavei@hotmail.com, (2)marciovito@unesc.net RESUMO

Leia mais

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS Aulas 13-16 Gerson Moacyr

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Elementos estruturais. Prof. MSc. Luiz Carlos de Almeida

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Elementos estruturais. Prof. MSc. Luiz Carlos de Almeida Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas Elementos estruturais Notas de aula da disciplina AU405 Concreto Prof. MSc. Luiz Carlos de Almeida Agosto/2006

Leia mais

MEMORIA DE CÁLCULO MURO DO COND. BOSQUE IMPERIAL

MEMORIA DE CÁLCULO MURO DO COND. BOSQUE IMPERIAL MEMORIA DE CÁLCULO MURO DO COND. BOSQUE IMPERIAL SALVADOR 2016 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 2. CONDIÇÕES GERAIS...3 3. MODELO ESTRUTURAL...4 4. SEGURANÇA EM SERVIÇO...5 5. SEGURANÇA À RUPTURA...5 5.1- Estabilidade

Leia mais

Revista IBRACON de Estruturas IBRACON Structural Journal. Abstract. Resumo

Revista IBRACON de Estruturas IBRACON Structural Journal. Abstract. Resumo Volume 2, Number 1 (March 2006) p. 1-30 ISSN 1809-1121 Revista IBRACON de Estruturas IBRACON Structural Journal Directions of the new Brazilian standard NBR 15200:2004 for concrete structures design in

Leia mais

Proteção. das Estruturas de Aço. Fabio Domingos Pannoni, Ph.D. Consultor Técnico GLB

Proteção. das Estruturas de Aço. Fabio Domingos Pannoni, Ph.D. Consultor Técnico GLB Proteção das Estruturas de Aço Fabio Domingos Pannoni, Ph.D. Consultor Técnico GLB Aço? Abundante Propriedades Produção simples Experiência prévia de uso Reciclável Corrosão é um processo espontâneo

Leia mais

WWW.PAINEISTERMOISOLANTES.COM.BR Novas tecnologias para isolamento térmico na construção civil: PIR e PUR Rodnei Massamiti Abe Gerente Técnico em Eficiência Energética Dow Brasil Painéis Termoisolantes

Leia mais

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS Aulas 13-16 Gerson Moacyr

Leia mais

1 Desempenho Lumínico

1 Desempenho Lumínico Desempenho Lumínico 1 2 Desempenho Lumínico 11.1 - Níveis requeridos de iluminância natural - processo de simulação CRIT 13.2.1 - PT 1 Contando unicamente com iluminação natural, os níveis gerais de iluminância

Leia mais

Resolução Técnica CBMRS n.º 05, Parte 03/2016. Errata No item da Resolução Técnica CBMRS n.º 05, Parte 03/2016, substituir por:

Resolução Técnica CBMRS n.º 05, Parte 03/2016. Errata No item da Resolução Técnica CBMRS n.º 05, Parte 03/2016, substituir por: Resolução Técnica CBMRS n.º 05, Parte 03/2016 Errata 01 1. No item 6.2.2 da Resolução Técnica CBMRS n.º 05, Parte 03/2016, substituir por: 6.2.2 O recurso de 1ª instância deverá ser encaminhado à AAT ou

Leia mais

Caderno de Estruturas em Alvenaria e Concreto Simples

Caderno de Estruturas em Alvenaria e Concreto Simples Caderno de Estruturas em Alvenaria e Concreto Simples CONTEÚDO CAPÍTULO 1 - RESISTÊNCIA DO MATERIAL 1.1. Introdução 1.2. Definição: função e importância das argamassas 1.3. Classificação das alvenarias

Leia mais

A importância da Proteção Passiva e Soluções Inovadoras para aumentar a Segurança Contra Incêndio

A importância da Proteção Passiva e Soluções Inovadoras para aumentar a Segurança Contra Incêndio FIRE PROTECTION A importância da Proteção Passiva e Soluções Inovadoras para aumentar a Segurança Contra Incêndio Corpo de Bombeiros - CBPMESP LABORATÓRIOS QUE ENSAIAM NOSSOS PRODUTOS: Escritório Central

Leia mais

08/06/2011. IF SUL Técnicas Construtivas Profa. Carol Barros. Origem das estruturas... Homem. Sobrevivência. Agua, alimentos, proteção

08/06/2011. IF SUL Técnicas Construtivas Profa. Carol Barros. Origem das estruturas... Homem. Sobrevivência. Agua, alimentos, proteção IF SUL Técnicas Construtivas Profa. Carol Barros Origem das estruturas... Homem Sobrevivência Agua, alimentos, proteção 1 Abrigo e Proteção Blocos (tijolos) 2 Alvenaria No Egito, primerio sistema de alvenaria.

Leia mais

Comportamento ao fogo de lajes mistas aço-betão Método de cálculo simplificado

Comportamento ao fogo de lajes mistas aço-betão Método de cálculo simplificado ao fogo de lajes mistas aço-betão simplificado Objetivo do método de cálculo 3 Conteúdo da apresentação em situação de incêndio simplificado de lajes de betão reforçadas a 0 C Modelo da laje de pavimento

Leia mais

REFLEXOS DAS NORMAS DE NAS ESTRUTURAS DE CONCRETO

REFLEXOS DAS NORMAS DE NAS ESTRUTURAS DE CONCRETO REFLEXOS DAS NORMAS DE DESEMPENHO - NBR 15575 : 2013 E REVISÕES DAS NORMAS DE INCÊNDIO - NBR 15200 : 2014 E PROJETO - NBR 6118 : 2014 NAS ESTRUTURAS DE CONCRETO Eng. DÁCIO CARVALHO Reflexos das Normas

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR15220

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR15220 Desempenho Térmico de edificações NBR15220 PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + objetivos + requisitos usuários + NBR 15220 + NBR 15220-3 + parâmetros e condições de contorno + estratégias

Leia mais

ASPECTOS DE DESEMPENHO DOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS. Enga. Célia Maria Martins Neves DESEMPENHO

ASPECTOS DE DESEMPENHO DOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS. Enga. Célia Maria Martins Neves DESEMPENHO ASPECTOS DE DESEMPENHO DOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS Enga. Célia Maria Martins Neves cneves@superig.com.br DESEMPENHO 1 70 80 90 materiais tradicionais mdo treinada no canteiro desafios localizados

Leia mais

Normas Ensaios e Verificações de Desempenho de Esquadrias. Enga. Michele Gleice ITEC Instituto Tecnológico da Construção Civil

Normas Ensaios e Verificações de Desempenho de Esquadrias. Enga. Michele Gleice ITEC Instituto Tecnológico da Construção Civil Normas Ensaios e Verificações de Desempenho de Esquadrias Enga. Michele Gleice ITEC Instituto Tecnológico da Construção Civil NBR 15575 Edificações Habitacionais 2000 2013 2008 ABNT NBR 15575-4 NBR 15575:2013

Leia mais

Apresentação à matéria de Prevenção e Sinistros

Apresentação à matéria de Prevenção e Sinistros Apresentação à matéria de Prevenção e Sinistros Bruno Geraldo Rodrigues da Silva INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 07/2011 Separação entre edificações (isolamento de risco) Sumario Objetivo Aplicação Definições e

Leia mais

SEMINARIO INTERNACIONAL DE SEGURIDAD CONTRA INCENDIO EM LA EDIFICACIÓN CONTROLE DOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS EDIFICAÇÕES

SEMINARIO INTERNACIONAL DE SEGURIDAD CONTRA INCENDIO EM LA EDIFICACIÓN CONTROLE DOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS EDIFICAÇÕES SEMINARIO INTERNACIONAL DE SEGURIDAD CONTRA INCENDIO EM LA EDIFICACIÓN CONTROLE DOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS EDIFICAÇÕES ANTONIO FERNANDO BERTO afberto@ipt.br Reação ao Fogo dos Materiais Comportamento

Leia mais

Segurança Contra Incêndio

Segurança Contra Incêndio Segurança Contra Incêndio Negrisolo, Walter. (Negrí). Oficial da Reserva do Corpo de Bombeiros SP. Doutor FAUSP. Segurança Contra Incêndio Área da Ciência com desenvolvimento recente Principais eventos

Leia mais

4. DIMENSIONAMENTO DE ESCADAS EM CONCRETO ARMADO

4. DIMENSIONAMENTO DE ESCADAS EM CONCRETO ARMADO 4. DIMENSIONAMENTO DE ESCADAS EM CONCRETO ARMADO 4.1 Escada com vãos paralelos O tipo mais usual de escada em concreto armado tem como elemento resistente uma laje armada em uma só direção (longitudinalmente),

Leia mais

ProAcústica 24.Abril.13. Dia Internacional de Conscientização Sobre o Ruído

ProAcústica 24.Abril.13. Dia Internacional de Conscientização Sobre o Ruído As expectativas da nova norma no mercado imobiliário Eng. Carlos Alberto Moraes Borges NORMALIZAÇÃO Na ultima década, diversas norma quem implicam na acústica das edificações foram atualizadas, criadas,

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO LAJE ALVEOLADA LA 12 -R ARMADURAS LA12-2-R

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO LAJE ALVEOLADA LA 12 -R ARMADURAS LA12-2-R Página 1/5 LAJE ALVEOLADA LA 12 -R DESCRIÇÃO Painel pré-fabricado em betão pré-esforçado, com armadura constituída por fios de aço aderentes, de secção vazada, com as faces prontas a pintar. As lajes apresentam-se

Leia mais

DESEMPENHO DAS EDIFICAÇÕES

DESEMPENHO DAS EDIFICAÇÕES DESEMPENHO DAS EDIFICAÇÕES SUMÁRIO Conceito e Definição de Desempenho Histórico do desempenho das edificações; Abordagem de desempenho nas edificações; Norma Prescritivas X Normas de Desempenho; Metodologia

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 10 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO

Leia mais

1.8 Desenvolvimento da estrutura de edifícios 48

1.8 Desenvolvimento da estrutura de edifícios 48 Sumário Capítulo 1 Desenvolvimento histórico de materiais, elementos e sistemas estruturais em alvenaria 23 1.1 História dos materiais da alvenaria 24 1.2 Pedra 24 1.3 Tijolos cerâmicos 26 1.4 Blocos sílico-calcários

Leia mais

PROVA COMENTADA. Carga acidental (Q) = 0,5 kn/m² Carga permanente (G) = (0,12 cm X 25 kn/m³) + 1,0 kn/m² + 1,0 kn/m² = 4,0 kn/m²

PROVA COMENTADA. Carga acidental (Q) = 0,5 kn/m² Carga permanente (G) = (0,12 cm X 25 kn/m³) + 1,0 kn/m² + 1,0 kn/m² = 4,0 kn/m² ? Graute Um primeiro objetivo seria proporcionar a integração da armadura com a alvenaria, no caso de alvenaria estrutural armada ou em armaduras apenas de caráter construtivo. O segundo objetivo seria

Leia mais

Projeto de prevenção e proteção contra incêndio e pânico: principais parâmetros Parte I

Projeto de prevenção e proteção contra incêndio e pânico: principais parâmetros Parte I Projeto de prevenção e proteção contra incêndio e pânico: principais parâmetros Parte I Prof: Paulo Gustavo von Krüger Mestre e Doutor em Estruturas Metálicas SUMÁRIO 1. Introdução 1.1. Dinâmica do fogo

Leia mais

Proteção de Estruturas Metálicas Frente ao Fogo. Fabio Domingos Pannoni, Ph.D.

Proteção de Estruturas Metálicas Frente ao Fogo. Fabio Domingos Pannoni, Ph.D. Proteção de Estruturas Metálicas Frente ao Fogo Fabio Domingos Pannoni, Ph.D. Tópicos Abordados Estruturas em situação de incêndio Introdução: dinâmica de incêndio NBR 14432:2000 Isenções Métodos de cálculo:

Leia mais

CÁLCULO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE LAJES PRÉ- MOLDADAS COM TAVELAS CERÂMICAS E BLOCOS DE EPS

CÁLCULO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE LAJES PRÉ- MOLDADAS COM TAVELAS CERÂMICAS E BLOCOS DE EPS CÁLCULO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE LAJES PRÉ- MOLDADAS COM TAVELAS CERÂMICAS E BLOCOS DE EPS Daniel Barp Crema (1), Fernando Pelisser (2) RESUMO UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1) daniel@cremaengenharia.com.br,

Leia mais

Telefones: (48) / Apoio:

Telefones: (48) / Apoio: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

ANÁLISE DO SISTEMA MISTO DE LIGAÇÃO MADEIRA-CONCRETO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO

ANÁLISE DO SISTEMA MISTO DE LIGAÇÃO MADEIRA-CONCRETO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO ISSN 1809-5860 ANÁLISE DO SISTEMA MISTO DE LIGAÇÃO MADEIRA-CONCRETO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO Julio Cesar Molina 1 & Carlito Calil Junior 2 Resumo Este trabalho tem a finalidade de estudar o comportamento

Leia mais

Saiba como adequar sua edificação à NBR 15575/2013.

Saiba como adequar sua edificação à NBR 15575/2013. Ensaios de Desempenho. Saiba como adequar sua edificação à NBR 15575/2013. CONCREMAT INSPEÇÓES E LABORATÓRIOS. UMA MARCA DAS EMPRESAS CONCREMAT. Com mais de 60 anos de experiência no mercado nacional e

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais. Cálculo Estrutural EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa.

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais. Cálculo Estrutural EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa. Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Cálculo Estrutural EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons Objetivo: Projeto e dimensionamento de estruturas estáticas ou dinâmicas

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA Marco Antônio Vecci Local: EXPOMINAS BH Data: 08/08/2016 FASE A CONCEPÇÃO DO PRODUTO ESTUDO PRELIMINAR Consultoria e Ensaios Consultoria: Análise preliminar entre

Leia mais

Tecnologia da Construção Civil - I Estruturas de concreto. Roberto dos Santos Monteiro

Tecnologia da Construção Civil - I Estruturas de concreto. Roberto dos Santos Monteiro Tecnologia da Construção Civil - I Estruturas de concreto Estruturas de concreto As estruturas das edificações, sejam eles de um ou vários pavimentos, são constituídas por diversos elementos cuja finalidade

Leia mais

Laboratório de Eficiência Energética em Edificações

Laboratório de Eficiência Energética em Edificações UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-970 Caixa Postal 476 Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

A nova norma de Desempenho de Edificações e seus impactos sobre a manutenibilidade

A nova norma de Desempenho de Edificações e seus impactos sobre a manutenibilidade A nova norma de Desempenho de Edificações e seus impactos sobre a manutenibilidade PAULO EDUARDO FONSECA DE CAMPOS Professor Doutor da Universidade de São Paulo (USP) Superintendente do ABNT/CB-02 - Comitê

Leia mais

Código: MS Revisão: 01 Data:04/04/2016. Página 1 de 8. Laudo Técnico

Código: MS Revisão: 01 Data:04/04/2016. Página 1 de 8. Laudo Técnico Página 1 de 8 Laudo Técnico Assunto: Ensaio acústico para Nível de Pressão Sonora de Impacto Padronizado Ponderado (L ntw ), conforme determinado pela Norma de Desempenho de Edificações NBR 15.575, seguindo

Leia mais

CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS. 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais

CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS. 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais Elementos Estruturais 64 CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais Neste item apresenta-se uma classificação dos elementos estruturais com base na geometria

Leia mais

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas Aços Longos Telas Soldadas Nervuradas Registro Compulsório 272/2011 Telas Soldadas Nervuradas Qualidade As Telas Soldadas de Aço Nervurado ArcelorMittal são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios

Leia mais

LISTA DE EXRECÍCIOS PILARES

LISTA DE EXRECÍCIOS PILARES LISTA DE EXRECÍCIOS PILARES Disciplina: Estruturas em Concreto II 2585 Curso: Engenharia Civil Professor: Romel Dias Vanderlei 1- Dimensionar e detalhar as armaduras (longitudinal e transversal) para o

Leia mais

CIV Sistemas Estruturais na Arquitetura III. Desenvolvimento de um projeto simples em Concreto Armado

CIV Sistemas Estruturais na Arquitetura III. Desenvolvimento de um projeto simples em Concreto Armado CIV 1113 - Sistemas Estruturais na Arquitetura III Desenvolvimento de um projeto simples em Concreto Armado A idéia deste curso é que se possa desenvolver, em seus passos básicos, um projeto estrutural

Leia mais

PAREDES. Prof. Amison de Santana Silva

PAREDES. Prof. Amison de Santana Silva PAREDES Prof. Amison de Santana Silva Tijolo maciço ou burro - Conforme a carga a que resistem, são classificados em 1 a e 2 a categoria: As tolerâncias são de 5 mm para as medidas de comprimento e de

Leia mais

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas Aços Longos Telas Soldadas Nervuradas Registro Compulsório 272/2011 Telas Soldadas Nervuradas Qualidade As Telas Soldadas Nervuradas da ArcelorMittal são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios

Leia mais

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco A. Baio Dias 12 de Novembro 2008 UMinho, Portugal 1 Projecto cbloco 1. Objectivos do Projecto

Leia mais

Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP

Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP Dá para começar a fazer um projeto? Quantas escadas serão necessárias? Mas, existem vários tipos de escadas: a) Escada comum (não enclausurada) b) Escada enclausurada

Leia mais

1 ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMANDO 1.1 INTRODUÇÃO

1 ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMANDO 1.1 INTRODUÇÃO 1 ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMANDO 1.1 INTRODUÇÃO Estrutura de concreto armado é a denominação de estruturas compostas de concreto, cimento + água + agregados (e às vezes + aditivos) com barras de aço no

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE UMA ESTRUTURA (ETAPA PRELIMINAR)

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE UMA ESTRUTURA (ETAPA PRELIMINAR) DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE UMA ESTRUTURA (ETAPA PRELIMINAR) DADOS NECESSÁRIOS PARA DEFINIR O PRODUTO (ESTRUTURA): Projeto Arquitetônico Plantas dos pavimentos tipos/subsolo/cobertura/ático Número de

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE PROJETOS DE LAJES PLANAS

BOAS PRÁTICAS DE PROJETOS DE LAJES PLANAS 58CBC2016 BOAS PRÁTICAS DE PROJETOS DE LAJES PLANAS Eng. Leonardo Braga Passos, MSc Sócio/Diretor da PI-Engenharia e Consultoria Ltda Diretor Regional BH - ABECE 2015/2016 HISTÓRIA 58CBC2016 Laje plana

Leia mais

(ISOLAMENTO DE RISCO)

(ISOLAMENTO DE RISCO) INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 07/2016 SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DA BAHIA INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 07/2016 SEPARAÇÃO ENTRE EDIFICAÇÕES (ISOLAMENTO DE RISCO) SUMÁRIO 1. Objetivo 2. Aplicação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 07/2011 Separação entre edificações (isolamento de risco) SUMÁRIO

Leia mais

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS Análise dos Critérios de Atendimento à Norma de Desempenho ABNT NBR 15.575 Estudo de caso em empresas do programa Inovacon-CE AGRADECIMENTOS Instituições de ensino INOVACON Programa

Leia mais

1.4. Sistemas estruturais em madeira

1.4. Sistemas estruturais em madeira 1.4. Sistemas estruturais em madeira 1.4.1. Análise estrutural Estuda as estruturas se preocupando basicamente com a determinação dos esforços e das deformações a que elas estão submetidas quando solicitadas

Leia mais

Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural Leve CADEX

Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural Leve CADEX UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO Relatório Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural

Leia mais

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário PREVENÇÃO SAÍDAS DE EMERGÊNCIA Visam o abandono seguro da população, em caso de incêndio ou pânico, e permitir o acesso de bombeiros

Leia mais

Concreto Protendido. ESTADOS LIMITES Prof. Letícia R. Batista Rosas

Concreto Protendido. ESTADOS LIMITES Prof. Letícia R. Batista Rosas Concreto Protendido ESTADOS LIMITES Prof. Letícia R. Batista Rosas Concreto Protendido Como se pôde ver até agora, a tecnologia do concreto protendido é essencialmente a mesma do concreto armado, com a

Leia mais

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE I - Teoria)

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE I - Teoria) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE I - Teoria) Projeto Arquitetônico Projeto Estrutural TC_042 - CONSTRUÇÃO CIVIL IV PROFESSORA: ELAINE SOUZA

Leia mais

6.2 ACESSOS - Condições gerais

6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2.1 Nas edificações e equipamentos urbanos todas as entradas devem ser acessíveis, bem como as rotas de interligação às principais funções do edifício. 6.2.2 Na adaptação

Leia mais

Anais do IV Simpósio de Engenharia de Produção - ISSN:

Anais do IV Simpósio de Engenharia de Produção - ISSN: ESTUDO DO COMPORTAMENTO DE SISTEMAS PRODUTIVOS INOVADORES DE CONCRETO ARMADO SUBMETIDO À SITUAÇÃO DE INCÊNDIO Geovani Almeida da Silva (UFPE / UNIFAVIP - DeVry) gsilva7@unifavip.edu.br Camilla Mirely Evarito

Leia mais

ARQUITETURA. Permitida a reprodução parcial ou total, desde que citada a fonte e não acrescentando qualquer tipo de propaganda comercial.

ARQUITETURA. Permitida a reprodução parcial ou total, desde que citada a fonte e não acrescentando qualquer tipo de propaganda comercial. ARQUITETURA Francisco José d Almeida Diogo Professor da Seção de Engenharia de Fortificação e Construção Instituto Militar de Engenharia IME Praça General Tibúrcio, 80 - Praia Vermelha CEP. 22290-270 Tel:

Leia mais

56º CBC IBRACON SEMINÁRIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Natal, Prof. Dr. Enio Pazini Figueiredo Universidade Federal de Goiás

56º CBC IBRACON SEMINÁRIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Natal, Prof. Dr. Enio Pazini Figueiredo Universidade Federal de Goiás 56º CBC IBRACON SEMINÁRIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Natal, 2014 Prof. Dr. Enio Pazini Figueiredo Universidade Federal de Goiás Vigas jacarés e degraus pré-moldados do Maracanã INTRODUÇÃO DOS ASPECTOS AMBIENTAIS

Leia mais

Curso de Dimensionamento de Pilares Mistos EAD - CBCA. Módulo

Curso de Dimensionamento de Pilares Mistos EAD - CBCA. Módulo Curso de Dimensionamento de Pilares Mistos EAD - CBCA Módulo 4 Sumário Módulo 4 Dimensionamento de Pilares Mistos 4.1. Considerações Gerais página 3 4.2. Critérios de dimensionamento página 3 4.3. Dimensionamento

Leia mais

IT - 05 SEPARAÇÃO ENTRE EDIFICAÇÕES (ISOLAMENTO DE RISCO)

IT - 05 SEPARAÇÃO ENTRE EDIFICAÇÕES (ISOLAMENTO DE RISCO) IT - 05 SEPARAÇÃO ENTRE EDIFICAÇÕES (ISOLAMENTO DE RISCO) SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo A Tabela 4 (índice para distâncias de Segurança) 2 Aplicação B Tabela 5 (Proteções de Aberturas) 3 Referências Normativas

Leia mais

PROJETO ARQUITETÔNICO

PROJETO ARQUITETÔNICO PROJETO ARQUITETÔNICO CEG218 Desenho arquitetônico I Prof. Márcio Carboni UFPR - DEGRAF - CEG218 DESENHO ARQUITETÔNICO I - Prof. Márcio Carboni 1 ORGANIZAÇÃO DA AULA Etapas de projeto arquitetônico Elementos

Leia mais

Elementos de vedação e divisórios

Elementos de vedação e divisórios UNIV. FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV CIV601 - Técnicas Construtivas Elementos de vedação e divisórios Prof. Guilherme Brigolini CONCEITUAÇÃO vedação vertical: elementos que compartimentam

Leia mais

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E DO MUCURI CAMPUS JUSCELINO KUBITSCHEK DIAMANTINA - MG PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OUTUBRO / 2013 Página 1 de 6

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 SINDUSCON PE 12/11/2014 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 10/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 10/2015 Instrução Técnica nº 10/2011 - Controle de materiais de acabamento e de revestimento 217 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

Boas práticas para compra e recebimento do concreto. Belo Horizonte, 14 de outubro de 2016 Engº Flávio Renato Pereira Capuruço

Boas práticas para compra e recebimento do concreto. Belo Horizonte, 14 de outubro de 2016 Engº Flávio Renato Pereira Capuruço Boas práticas para compra e recebimento do concreto Belo Horizonte, 14 de outubro de 2016 Engº Flávio Renato Pereira Capuruço Cadeia Construtiva: Fluxo simplificado de informações Projetista o que comprar

Leia mais

RESISTÊNCIA AO FOGO DAS ESTRUTURAS DE AÇO

RESISTÊNCIA AO FOGO DAS ESTRUTURAS DE AÇO RESISTÊNCIA AO FOGO DAS ESTRUTURAS DE AÇO Série " Manual de Construção em Aço" Galpões para usos gerais Ligações em estruturas metálicas Edifícios de pequeno porte estruturados em aço Alvenarias Painéis

Leia mais

ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO

ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO 04 de junho de 2009 Realização: Carlos Alberto de Moraes Borges caborges@tarjab.com.br Estrutura da apresentação Normalização e o Sistema regulatório

Leia mais

ÁREA DO CONCURSO: TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

ÁREA DO CONCURSO: TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL PROGRAMA E BIBLIOGRAFIA DO CONCURSO PARA PROVIMENTO DE VAGA DE PROFESSOR ADJUNTO EM REGIME DE 20 HORAS SEMANAIS PARA O DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS E CONSTRUÇÃO ÁREA DO CONCURSO: TÉCNICAS DE

Leia mais