INCIDENCIA AJSM 2000; VOL28 JOGOS > TREINOS OFICIAIS > AMISTOSOS CONTATO FÍSICO EM 2/3 DAS LESÕES GRAVES NO FUTEBOL 20% DAS LESÕES SÃO POR OVERUSE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INCIDENCIA AJSM 2000; VOL28 JOGOS > TREINOS OFICIAIS > AMISTOSOS CONTATO FÍSICO EM 2/3 DAS LESÕES GRAVES NO FUTEBOL 20% DAS LESÕES SÃO POR OVERUSE"

Transcrição

1 RODRIGO CAMPOS PACE LASMAR FACULDADE DE CIENCIAS MÉDICAS DE M.G.

2 INCIDENCIA AJSM 2000; VOL28 JOGOS > TREINOS OFICIAIS > AMISTOSOS CONTATO FÍSICO EM 2/3 DAS LESÕES GRAVES NO FUTEBOL 20% DAS LESÕES SÃO POR OVERUSE

3 Ligamentos do tornozelo Complexo medial Complexo lateral TÍbio-navicular Tíbio-talar Fíbulo-talar posterior Fíbulo-talar anterior Tíbio-calcâneano Fíbulo-calcaneano

4 Complexo Sindesmótico tibiofibular distal Tíbio-fibular posterior distal Incidência lateral Membrana interóssea Tíbio-fibular anterior distal Incidência anterior Membrana interóssea Tíbio-fibular anterior distal

5 EDEMA EQUIMOSE DOR LOCAL LIMITAÇÃO DA ADM IMPOTÊNCIA FUNCIONAL

6 FISIOPATOLOGIA Fatores que afetam a cicatrização ligamentar estão começando a serem entendidos Ligamentos extra-articulares formação de cicatriz

7 FISIOPATOLOGIA Ligamentos cicatrizados : Estrutura hipertrófica Colágeno tipo I Colágeno tipo III Colágeno imaturo tem fibras com diâmetro menor estrutura mecânica inferior Ocorre aumento da diâmetro do ligamento

8 RAIO X AP AP COM 15º RI PERFIL RAIO X COM ESTRESSE GAVETA ANTERIOR INCLINAÇÃO TALAR RESSONANCIA

9 RAIO X AP AP COM 15º RI PERFIL RAIO X COM ESTRESSE GAVETA ANTERIOR INCLINAÇÃO TALAR RESSONANCIA

10 RAIO X AP AP COM 15º RI PERFIL RAIO X COM ESTRESSE GAVETA ANTERIOR INCLINAÇÃO TALAR RESSONANCIA

11 RAIO X AP AP COM 15º RI PERFIL RAIO X COM ESTRESSE GAVETA ANTERIOR INCLINAÇÃO TALAR RESSONÂNCIA

12 Grau I Grau II Grau II Leve Edema / Equimose + Tornozelo estável Incapac. mínima Lesão parcial LFTA Moderado Edema / Equimose ++ Tornozelo instável gaveta anterior + Incapac. moderada Lesão total LFTA e parcial LFC Grave Edema / Equimose +++ Tornozelo instável gaveta anterior + inclinação talar + Incapac. importante Lesão total LFTA e LFC LFTP pode estar lesado

13 Lesões Grau III Muita controvérsia Kannus e Renstron 12 estudos prospectivos randomizados Gaveta anterior e inclinação talar + Menor tempo de retorno ao esporte TTO funcional: 4 trabalhos Reparação cirúrgica: 3 trabalhos Indiferente em 5 trabalhos 75% de bons resultados após 4 anos 10 a 20% necessitaram de reconstrução tardia Sports Med 1999

14 Tratamento Funcional Permite recuperação rápida da mobilidade articular e o retorno precoce para atividade esportiva, sem comprometer a estabilidade e com complicações mínimas.

15 Jones, Morgan H ; Amendola, Annunziato S : Volume 455, February 2007, pp Acute Treatment of Inversion Ankle Sprains: Immobilization versus Functional Treatment Revisão sistemática 9 trabalhos randomizados Dificuldades: Tempo de imobilização variado Tipo de tratamento funcional variado

16 Jones, Morgan H ; Amendola, Annunziato S : Volume 455, February 2007, pp Acute Treatment of Inversion Ankle Sprains: Immobilization versus Functional Treatment Retorno ao esporte Menor no tratamento funcional em 4 de 5 trabalhos Instabilidade subjetiva Menor no tratamento funcional em 3 de 5 trabalhos Recidiva da lesão Menor no tratamento funcional em 5 de 6 trabalhos Satisfação dos pacientes Discretamente maior no grupo imobilizado

17 Repouso Gelo Compressão Elevação Primeira fase 1ª e 2ª semanas

18 Repouso Gelo Compressão Elevação Primeira fase 1ª e 2ª semanas

19 Quando ocorre melhora da dor Deambulação com órteses Estimulação elétrica Ultra-som Exercícios isométricos Exercícios na água Primeira fase 1ª e 2ª semanas

20 Quando ocorre melhora da dor Deambulação com órteses Estimulação elétrica Ultra-som Exercícios isométricos Exercícios na água Primeira fase 1ª e 2ª semanas

21 Quando ocorre melhora da dor Deambulação com órteses Estimulação elétrica Ultra-som Exercícios isométricos Exercícios na água Primeira fase 1ª e 2ª semanas

22 Ultrasound and NSAIDs Have Opposite Effects on Ligament Healing Warden SJ et al. Am J Sports Med 2006;34: ratos secção do LCM Celecoxibe X Ultra-som X US com Celecoxibe US acelerou a cicatrização Celecoxibe retardou a cicatrização Associação anulou os efeitos individuais

23 Fortalecimento Alongamento Propriocepção Segunda fase 3ª a 6ª semanas Re-equilíbrio muscular

24 Fortalecimento Alongamento Propriocepção Segunda fase 3ª a 6ª semanas Re-equilíbrio muscular

25 Segunda fase 3ª a 6ª semanas Re-equilíbrio muscular Fortalecimento Alongamento Propriocepção

26 Re-equilíbrio muscular Fortalecimento Alongamento Propriocepção Segunda fase 3ª a 6ª semanas

27 Re-equilíbrio muscular Fortalecimento Alongamento Propriocepção Segunda fase 3ª a 6ª semanas

28 Re-equilíbrio muscular Fortalecimento Alongamento Propriocepção Segunda fase 3ª a 6ª semanas

29 Terceira fase Propriocepção específica para o esporte

30 Terceira fase Propriocepção específica para o esporte

31 Tratamento cirúrgico Grande avulsão óssea Lesão osteocondral Lesão ligamentar medial Recorrência de entorse grave

32 Effect of GDF-5 on ligament healing Tashiro T et al. J Orthop Res; 2005 ; 24: SECÇÃO DO LCM DE RATOS ADMINISTRAÇÃO DE GDF 5 Após 3 semanas: > 41% força de tensão > 60% na rigidez diâmetro das fibras de colágeno tipo I e tipo III

33 THE ROLE OF MECHANICAL STRESS IN ANGIOGENESIS Shiu YT, et al. University of Utah Clinical reviews in Biomedical Engineering 2005: Regulam a angiogenese: moléculas solúveis Rat microvessel constructs implanted in scid mouse. Red = smooth muscle cells, Green = endothelial cells (fatores crescimento e citocinas) matriz extracelular interação célula-célula fatores mecânicos fluxo sangüíneo atividade tecidual extra-vascular

Nome: F. Idade: 25 Morada: Contacto:

Nome: F. Idade: 25 Morada: Contacto: Dados Pessoais: Nome: F. Idade: 25 Morada: Contacto: Médico: Fisioterapeuta: Profissão: Estudante e Jogador de Futebol Diagnóstico Médico: -------- História Clínica: (26/03/2013) Utente de raça caucasiana,

Leia mais

Trail Running Entorse de Tornozelo Prevenção

Trail Running Entorse de Tornozelo Prevenção Trail Running Entorse de Tornozelo Prevenção O entorse de tornozelo é uma das lesões mais comuns nas atividades esportivas e no trail running. O mecanismo de lesão mais comum ocorre com o tornozelo em

Leia mais

Entorse do. 4 AtualizaDOR

Entorse do. 4 AtualizaDOR Entorse do Tornozelo Tão comum na prática esportiva, a entorse pode apresentar opções terapêuticas simples. Veja como são feitos o diagnóstico e o tratamento desse tipo de lesão 4 AtualizaDOR Ana Paula

Leia mais

INCIDÊNCIA DE ENTORSES DE TORNOZELO EM UM PRONTO ATENDIMENTO DE TRAUMA E SUA ASSOCIAÇÃO ÀS FRATURAS ÓSSEAS E FATORES AGRAVANTES

INCIDÊNCIA DE ENTORSES DE TORNOZELO EM UM PRONTO ATENDIMENTO DE TRAUMA E SUA ASSOCIAÇÃO ÀS FRATURAS ÓSSEAS E FATORES AGRAVANTES INCIDÊNCIA DE ENTORSES DE TORNOZELO EM UM PRONTO ATENDIMENTO DE TRAUMA E SUA ASSOCIAÇÃO ÀS FRATURAS ÓSSEAS E FATORES AGRAVANTES TEIXEIRA, Leonardo Andrade. Discente do Curso de Graduação em Medicina MIBIELI,

Leia mais

Instabilidade dos Tendões Fibulares

Instabilidade dos Tendões Fibulares Instabilidade dos Tendões Fibulares Identificação: D.D., 20 anos, F, B. Queixa principal: Estalido na região lateral do tornozelo esq. de início há 3 anos História médica pregressa: entorses de repetição

Leia mais

Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores

Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores Prof André Montillo Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores Lesões do Joelho: Lesões Ósseas: Fratura Distal do Fêmur Fratura da Patela Fratura Proximal da Tíbia: Platô Tibial Anatomia: Lesões Traumáticas

Leia mais

3/11/2010 LESÕES DO ESPORTE LESÕES DOS TECIDOS MUSCULOESQUELÉTICOS

3/11/2010 LESÕES DO ESPORTE LESÕES DOS TECIDOS MUSCULOESQUELÉTICOS LESÕES DO ESPORTE CLASSIFICAÇÃO GERAL AGUDA Lesão inicial, ocorre subtamente; Ex: fraturas, cortes, contusões. CRÔNICA Lesão que se desenvolve em um longo período ou perdura por muito tempo; Ex: cotovelo

Leia mais

Ligamento Cruzado Posterior

Ligamento Cruzado Posterior O joelho é estabilizado por quatro ligamentos principais: 2 ligamentos colaterais (medial e lateral) e 2 ligamentos cruzados - anterior (frente) e posterior (costas). Os ligamentos cruzados originam-se

Leia mais

CASO CLÍNICO BIOMECÂNICA PÉ E TORNOZELO O pé é considerado como uma das mais importantes articulações do corpo, pois além de possuir importantes funções no suporte de peso e na marcha, ele é causa

Leia mais

Princípios do tratamento das fraturas

Princípios do tratamento das fraturas Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Princípios do tratamento das fraturas Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Tratamento conservador - indicações - imobilizações - redução incruenta

Leia mais

Montanhismo - RJ Abril/ exemplares - I CBM/ CEG GT SOS Urca Entorse do Tornozelo

Montanhismo - RJ Abril/ exemplares - I CBM/ CEG GT SOS Urca Entorse do Tornozelo www.guanabara.org.br BOLETIM Montanhismo - RJ Abril/2004-300 exemplares - Rodolfo treinando artificial no Meu Castelo - CAE (foto: Manuel I CBM/2004 - CEG GT SOS Urca Entorse do Tornozelo PROGRAMA«O DE

Leia mais

ARTROPATIA DE CHARCOT (NEUROARTROPATIA DE CHARCOT)

ARTROPATIA DE CHARCOT (NEUROARTROPATIA DE CHARCOT) ARTROPATIA DE CHARCOT (NEUROARTROPATIA DE CHARCOT) MAURO FUCHS Rotina / consultório / Pé Diabético: prontuário/dia proprio ex. clínico/art/neuro hemograma glicemia HB glicosilada PT totais creatinina

Leia mais

Lesões do ligamento cruzado anterior (LCA)

Lesões do ligamento cruzado anterior (LCA) Lesões do ligamento cruzado anterior (LCA) A lesão do ligamento cruzado anterior é uma das lesões mais comuns no joelho. Atletas que praticam esportes de alta demanda, amadores ou recreacionais, como o

Leia mais

Fraturas do Anel Pélvico: Bacia Generalidades: Representam 3% das fraturas nas emergências Mais freqüentes nos jovens Politraumatizado: Traumas de

Fraturas do Anel Pélvico: Bacia Generalidades: Representam 3% das fraturas nas emergências Mais freqüentes nos jovens Politraumatizado: Traumas de Prof André Montillo Fraturas do Anel Pélvico: Bacia Generalidades: Representam 3% das fraturas nas emergências Mais freqüentes nos jovens Politraumatizado: Traumas de Alta Energia Fraturas: Instabilidade:

Leia mais

SINDROME COMPARTIMENTAL

SINDROME COMPARTIMENTAL SINDROME COMPARTIMENTAL Profº Arnaldo J. Hernandez Dr. André Pedrinelli Dr. Marco Antonio Ambrósio Dr. Adriano M. Almeida Julio Cesar Carvalho Nardelli Grupo de Medicina do Esporte HC - FMUSP DEFINIÇÃO

Leia mais

CASO CLÍNICO Sentido dos vetores de força Maior contração do tibial posterior Insuficiência do músculo tibial posterior - principalmente a medida que se vai envelhecendo Coluna Vertebral Equilíbrio

Leia mais

Trauma&smos da cintura escapular. Prof. Ms. Marco Aurélio N. Added

Trauma&smos da cintura escapular. Prof. Ms. Marco Aurélio N. Added Trauma&smos da cintura escapular Prof. Ms. Marco Aurélio N. Added foto MUSCULOS Luxação esterno-clavicular Mecanismo de lesao: Trauma direto Força látero-medial (cair sobre o próprio ombro) Classificação

Leia mais

Esta patologia ocorre quando existe um stress na epífise de crescimento próximo a área da tuberosidade tibial.

Esta patologia ocorre quando existe um stress na epífise de crescimento próximo a área da tuberosidade tibial. INTRODUÇÃO Osgood-Schlatter (OS) constitui uma doença osteo-muscular, extra articular, comum em adolescentes (esqueleto em desenvolvimento). Surge na adolescência na fase denominada estirão do crescimento.

Leia mais

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão André Montillo UVA Lesões Traumáticas do Membro Superior Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão Fratura Distal do Úmero Fratura da Cabeça do Rádio Fratura do Olecrâneo

Leia mais

21 BENEFÍCIOS DOS EXERCÍCIOS PROPRIOCEPTIVOS NA PREVENÇÃO DA ENTORSE DE TORNOZELO

21 BENEFÍCIOS DOS EXERCÍCIOS PROPRIOCEPTIVOS NA PREVENÇÃO DA ENTORSE DE TORNOZELO 21 BENEFÍCIOS DOS EXERCÍCIOS PROPRIOCEPTIVOS NA PREVENÇÃO DA ENTORSE DE TORNOZELO Tharles Lourenço Resende 1 André Luiz Velano de Souza 2 RESUMO O tornozelo é um complexo articular formado pela tíbia,

Leia mais

Elaboração de um protocolo de tratamento fisioterapêutico para entorse de tornozelo

Elaboração de um protocolo de tratamento fisioterapêutico para entorse de tornozelo Elaboração de um protocolo de tratamento fisioterapêutico para entorse de tornozelo Resumo Autora: Vilcéia Cristina de Carvalho Professora Orientadora: Ms. Giovana de Cássia Rosim* Centro Universitário

Leia mais

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão André Montillo UVA Lesões Traumáticas do Membro Superior Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão e Braço Fratura da Escápula Fratura da Clavícula Luxação Acrômio-clavicular

Leia mais

Sustentação do corpo Proteção dos órgãos nobres Cérebro Pulmões Coração.

Sustentação do corpo Proteção dos órgãos nobres Cérebro Pulmões Coração. ESQUELETO ARTICULAÇÃO LESÕES MUSCULARES, ESQUELÉTICAS E ARTICULARES Sustentação do corpo Proteção dos órgãos nobres Cérebro Pulmões Coração. Junção de ossos (dois ou mais) Estruturas Ligamentos Ligar ossos

Leia mais

Treino de marcha assistido por estimulação elétrica funcional. Gabriel Xavier Marantes Médico Fisiatra CREMERS RQE 24140

Treino de marcha assistido por estimulação elétrica funcional. Gabriel Xavier Marantes Médico Fisiatra CREMERS RQE 24140 Treino de marcha assistido por estimulação elétrica funcional Gabriel Xavier Marantes Médico Fisiatra CREMERS 32992 RQE 24140 Aparelho de estímulo elétrico funcional substituto de órtese Estímulo elétrico

Leia mais

AVALIAÇÃO DO JOELHO. Clique para adicionar texto

AVALIAÇÃO DO JOELHO. Clique para adicionar texto AVALIAÇÃO DO JOELHO Clique para adicionar texto ANATOMIA PALPATÓRIA Fêmur Côndilos femurais ( Medial e Lateral ) Sulco Troclear ou Fossa Intercondiliana Epicôndilos femurais ( Medial e Lateral ) Tíbia

Leia mais

Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores

Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores Prof André Montillo Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores Lesões do Joelho: Lesões de Partes Moles: Lesão Meniscal: Medial e Lateral Lesão Ligamentar: o Ligamentos Cruzados: Anterior e Posterior o

Leia mais

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA ORTOCURSO TORNOZELO E PÉ CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 30 de Julho de 2016

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA ORTOCURSO TORNOZELO E PÉ CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 30 de Julho de 2016 PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA ORTOCURSO TORNOZELO E PÉ CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 30 de Julho de 2016 NOME: HOSPITAL: ( ) R1 ( ) R2 ( ) R3 ( ) R4 ( ) Não Residentes 1) Na torção do tornozelo

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA ENTORSE EXTERNA DO TORNOZELO COMO A UNICA LESÃO COMPROVADAMENTE MAIS FREQUENTE NO FUTEBOL EM RELVA ARTIFICIAL.

CARACTERIZAÇÃO DA ENTORSE EXTERNA DO TORNOZELO COMO A UNICA LESÃO COMPROVADAMENTE MAIS FREQUENTE NO FUTEBOL EM RELVA ARTIFICIAL. CARACTERIZAÇÃO DA ENTORSE EXTERNA DO TORNOZELO COMO A UNICA LESÃO COMPROVADAMENTE MAIS FREQUENTE NO FUTEBOL EM RELVA ARTIFICIAL. Henrique Jones* INTRODUÇÃO A entorse externa do tornozelo representa a patologia

Leia mais

Lesões Meniscais. Anatomia. Tipos de Lesões

Lesões Meniscais. Anatomia. Tipos de Lesões Lesões Meniscais O joelho é uma das mais complexas articulações do corpo humano.. Lesões meniscais estão entre as lesões mais comuns do joelho. Atletas profissionais ou amadores, principalmente aqueles

Leia mais

CALO EXTERNO CALO INTERNO

CALO EXTERNO CALO INTERNO PRINCÍPIOS BÁSICOS DE FRATURA ÓSSEA E DESLOCAMENTO ARTICULAR Prof. Dr. Carlos Cezar I. S.Ovalle FRATURA DESLOCAMENTO ARTICULAR A) FRATURA: Perda (ou quebra) da solução de continuidade de um OSSO ou cartilagem.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO JOELHO. Articulação Tibiofibular Superior: É uma articulação sinovial plana entre a tíbia e a cabeça da fíbula.

AVALIAÇÃO DO JOELHO. Articulação Tibiofibular Superior: É uma articulação sinovial plana entre a tíbia e a cabeça da fíbula. AVALIAÇÃO DO JOELHO 1. Anatomia Aplicada: Articulação Tibiofemoral: É uma articulação em dobradiça modificada que possui 2 graus de liberdade; Posição de repouso: 25 de flexão; Posição de aproximação máxima:

Leia mais

Artroplastia de Ombro TRATAMENTO POR ARTROPLASTIA NAS FRATURAS DO ÚMERO PROXIMAL INDICAÇÃO. partes? rachadura da

Artroplastia de Ombro TRATAMENTO POR ARTROPLASTIA NAS FRATURAS DO ÚMERO PROXIMAL INDICAÇÃO. partes? rachadura da Artroplastia de Ombro TRATAMENTO POR NAS FRATURAS DO ÚMERO PROXIMAL INDICAÇÃO em 4 partes? tipo rachadura da cabeça umeral (split head) impactada cabeça atingindo 40% do colo anatômico FRATURAS DO ÚMERO

Leia mais

Entorse de Tornozelo. Projeto Diretrizes. Autoria: Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia

Entorse de Tornozelo. Projeto Diretrizes. Autoria: Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia Entorse de Tornozelo Elaboração Final: 31 de março de 2008 Participantes: Rodrigues FL, Waisberg G Autoria: Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia O Projeto Diretrizes, iniciativa conjunta da

Leia mais

DOR NA PERNA EM ATLETAS. Ricardo Yabumoto

DOR NA PERNA EM ATLETAS. Ricardo Yabumoto DOR NA PERNA EM ATLETAS Ricardo Yabumoto São raros os relatos de prevalência das fraturas de estresse por esporte específico ( 10% de todas as lesões esportivas) 4,7% a 15,6% das lesões entre corredores.

Leia mais

Exame Físico Ortopédico

Exame Físico Ortopédico TAKE HOME MESSAGES! Exame Físico Ortopédico ANAMNESE REALIZAR UMA HISTÓRIA CLÍNICA DETALHADA, LEMBRANDO QUE DETALHES DA IDENTIFICAÇÃO COMO SEXO, IDADE E PROFISSÃO SÃO FUNDAMENTAIS, POIS MUITAS DOENÇAS

Leia mais

Tratamento cirúrgico da ruptura aguda do tendão de Aquiles

Tratamento cirúrgico da ruptura aguda do tendão de Aquiles Tratamento cirúrgico da ruptura aguda do tendão de Aquiles Samir Salim Daher RESUMO O autor fez uma abordagem sobre a ruptura aguda do tendão de Aquiles, as indicações e contra-indicações cirúrgicas, suas

Leia mais

Traumatologia Infantil. O Esqueleto da Criança Não É O Esqueleto do Adulto em Miniatura

Traumatologia Infantil. O Esqueleto da Criança Não É O Esqueleto do Adulto em Miniatura O Esqueleto da Criança Não É O Esqueleto do Adulto em Miniatura Formação do Osso e Ossificação Esboço Cartilaginoso Pontos de Ossificação Primária Pontos de Ossificação Secundária Formação da Epífise

Leia mais

Métodos: Bolsas térmicas Banhos (frios, quentes, de parafina) Lâmpadas de Infravermelhos Gelo (massagem, saco de gelo) Spray de frio Compressas frias

Métodos: Bolsas térmicas Banhos (frios, quentes, de parafina) Lâmpadas de Infravermelhos Gelo (massagem, saco de gelo) Spray de frio Compressas frias Daniel Gonçalves Objectivos: Aliviar dor Alterar o processo de cicatrização dos tecidos Alterar as propriedades plásticas dos tecidos conectivos (músculo, tendão, ligamento e cápsula articular) Métodos:

Leia mais

O PRESENTE ESTUDO É DIRECIONADO AO ALUNO DO SEXTO ANO PARA DAR NOÇÕES MÍNIMAS DE ORTOPEDIA- TRAUMATOLOGIA

O PRESENTE ESTUDO É DIRECIONADO AO ALUNO DO SEXTO ANO PARA DAR NOÇÕES MÍNIMAS DE ORTOPEDIA- TRAUMATOLOGIA O PRESENTE ESTUDO É DIRECIONADO AO ALUNO DO SEXTO ANO PARA DAR NOÇÕES MÍNIMAS DE ORTOPEDIA- TRAUMATOLOGIA PODE SER COPIADO COM A FINALIDADE DE ESTUDO NÃO PODE SER REPRODUZIDO PARA OUTRAS FINALIDADES DISCIPLINA

Leia mais

TRAUMATOLOGIA DOS MEMBROS INFERIORES

TRAUMATOLOGIA DOS MEMBROS INFERIORES Fraturas da pelve TRAUMATOLOGIA DOS MEMBROS INFERIORES - As fraturas da pelve instáveis comumente estão associadas a lesões de órgãos e estruturas da cavidade pélvica. Nos casos de fraturas expostas a

Leia mais

ALONGAMENTO MUSCULAR

ALONGAMENTO MUSCULAR MOVIMENTOS PASSIVOS E ATIVOS ALONGAMENTO MUSCULAR Prof. Ma. Ana Júlia Brito Belém/PA Aula 03 AMPLITUDE DE MOVIMENTO E a medida de um movimento articular, que pode ser expressa em graus. Quanto maior a

Leia mais

XIV ENCONTRO PERNAMBUCANO DE ANGIOLOGIA, CIRURGIA VASCULAR E ENDOVASCULAR. Disciplina de Cirurgia Vascular Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP

XIV ENCONTRO PERNAMBUCANO DE ANGIOLOGIA, CIRURGIA VASCULAR E ENDOVASCULAR. Disciplina de Cirurgia Vascular Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP XIV ENCONTRO PERNAMBUCANO DE ANGIOLOGIA, CIRURGIA VASCULAR E ENDOVASCULAR Disciplina de Cirurgia Vascular Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP Papel da angiogênese no tratamento da isquemia crítica.

Leia mais

Processo Inflamatório e Lesão Celular. Professor: Vinicius Coca

Processo Inflamatório e Lesão Celular. Professor: Vinicius Coca Processo Inflamatório e Lesão Celular Professor: Vinicius Coca www.facebook.com/profviniciuscoca www.viniciuscoca.com O que é inflamação? INFLAMAÇÃO - Inflamare (latim) ação de acender, chama FLOGOSE phlogos

Leia mais

3/26/2009. ALTERAÇÕES DA ESTRUTURA CORPORAL -parte I (MMII)

3/26/2009. ALTERAÇÕES DA ESTRUTURA CORPORAL -parte I (MMII) ALTERAÇÕES DA ESTRUTURA CORPORAL -parte I (MMII) 1 SÓLEO GASTROCNÊMIO FIBULAR TIBIAL POSTERIOR FLEXORES CURTO DOS DEDOS L C (Marques, 2005) 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE O PÉ BIPEDESTAÇÃO /MARCHA MECANISMO ANTIGRAVITACIONAL

Leia mais

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/ TORNOZELO E PÉ CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 27 de Junho de 2015

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/ TORNOZELO E PÉ CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 27 de Junho de 2015 PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/ TORNOZELO E PÉ CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 27 de Junho de 2015 NOME: HOSPITAL: ( ) R1 ( ) R2 ( ) R3 ( ) R4 ( ) Não Residentes

Leia mais

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/ TORNOZELO E PÉ CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 27 de Junho de 2015 NOME:

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/ TORNOZELO E PÉ CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 27 de Junho de 2015 NOME: PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/ TORNOZELO E PÉ CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 27 de Junho de 2015 NOME: HOSPITAL: ( ) R1 ( ) R2 ( ) R3 ( ) R4 ( ) Não Residentes

Leia mais

Pós Graduação em. Exercício e lesões do Joelho. Prof. Dr. Rafael Cusatis Neto

Pós Graduação em. Exercício e lesões do Joelho. Prof. Dr. Rafael Cusatis Neto Pós Graduação em Exercício e lesões do Joelho Prof. Dr. Rafael Cusatis Neto 1 Articulação intermédia dos MMII Trabalha em compressão pela ação da gravidade Possui principalmente 01 grau de liberdade e,

Leia mais

Fraturas e Luxações Prof Fabio Azevedo Definição Fratura é a ruptura total ou parcial da estrutura óssea 1 Fraturas Raramente representam causa de morte, quando isoladas. Porém quando combinadas a outras

Leia mais

Amplitude de Movimento. Amplitude de Movimento. Tipos de ADM 27/2/2012

Amplitude de Movimento. Amplitude de Movimento. Tipos de ADM 27/2/2012 Amplitude de Movimento Amplitude de Movimento Professora: Christiane Riedi Daniel É o movimento completo de uma articulação ADM completa depende de: ADM Articular termos como flexão, extensão... goniometria

Leia mais

Músculos da Perna e Pé. Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Ferreira Departamento de Anatomia Instituto de Ciências Biomédicas Universidade de São Paulo

Músculos da Perna e Pé. Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Ferreira Departamento de Anatomia Instituto de Ciências Biomédicas Universidade de São Paulo Músculos da Perna e Pé Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Ferreira Departamento de Anatomia Instituto de Ciências Biomédicas Universidade de São Paulo Movimentos Angulares do Tornozelo e Pé Dorsiflexão Flexão

Leia mais

Lesoes Osteoarticulares e de Esforco

Lesoes Osteoarticulares e de Esforco Lesoes Osteoarticulares e de Esforco Dr.Roberto Amin Khouri Ortopedia e Traumatologia Ler/Dort Distúrbio osteoarticular relacionado com o trabalho. Conjunto heterogênio de quadros clínicos que acometem:

Leia mais

Metatarsalgias. Prof. Dr. Helencar Ignácio Dr. Márcio G Figueiredo

Metatarsalgias. Prof. Dr. Helencar Ignácio Dr. Márcio G Figueiredo Prof. Dr. Helencar Ignácio Dr. Márcio G Figueiredo Grupo de Cirurgia de Pé e Tornozelo Departamento de Ortopedia e Traumatologia do Hospital de Base Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto FUNFARME

Leia mais

LESÕES DO LIGAMENTO CRUZADO POSTERIOR. www.cesarmar)ns.com.br

LESÕES DO LIGAMENTO CRUZADO POSTERIOR. www.cesarmar)ns.com.br LESÕES DO LIGAMENTO CRUZADO POSTERIOR www.cesarmar)ns.com.br INCIDÊNCIA - 5-10% (Harner, 1997) - Freq. não diagnosticada ( Shelbourne, 1997) - + de 90% são associadas a outros lig. - Lesões LCM afastar

Leia mais

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão André Montillo UVA Lesões Traumáticas do Membro Superior Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão Lesões do Ombro e Braço Fratura da Escápula Fratura da Clavícula Luxação

Leia mais

28/04/2007 IBIÚNA-SP. Dr, FÁBIO KREBS 1

28/04/2007 IBIÚNA-SP. Dr, FÁBIO KREBS 1 28/04/2007 IBIÚNA-SP Dr, FÁBIO KREBS 1 * ORTOPEDISTA - TRAUMATOLOGISTA * DIRETOR DO COMITÊ DE TRAUMATOLOGIA DESPORTIVA SBOT * MÉDICO DO SPORT CLUB ULBRA * MÉDICO DA CBAt * MEMBRO DO GRUPO DE TORNOZELO

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Tornozelo e Pé Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica do Tornozelo e Pé Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica do Tornozelo e Pé Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Retropé: Articulação Tibiofibular

Leia mais

ANATOMIA RADIOLÓGICA DOS MMII. Prof.: Gustavo Martins Pires

ANATOMIA RADIOLÓGICA DOS MMII. Prof.: Gustavo Martins Pires ANATOMIA RADIOLÓGICA DOS MMII Prof.: Gustavo Martins Pires OSSOS DO MEMBRO INFERIOR OSSOS DO MEMBRO INFERIOR Tem por principal função de locomoção e sustentação do peso. Os ossos do quadril, constituem

Leia mais

Profº Ms. Paula R. Galbiati Terçariol.

Profº Ms. Paula R. Galbiati Terçariol. Profº Ms. Paula R. Galbiati Terçariol. Cicatrização Após uma lesão, o processo de cicatrização é iniciado. O tecido lesionado passa por 4 fases de reparo da ferida: hemostasia, inflamação, proliferação

Leia mais

Fasciite PLANTAR UNIFESP - SÃO PAULO. LEDA MAGALHÃES OLIVEIRA REUMATOLOGIA - fisioterapeuta.

Fasciite PLANTAR UNIFESP - SÃO PAULO. LEDA MAGALHÃES OLIVEIRA REUMATOLOGIA - fisioterapeuta. Fasciite PLANTAR LEDA MAGALHÃES OLIVEIRA REUMATOLOGIA - fisioterapeuta americ@uol.com.br UNIFESP - SÃO PAULO Conceitos Considera-se que a fasciite atinja 10 % de corredores Seria resultante de trauma repetido

Leia mais

EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A

EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A INTRODUÇÃO Maior articulação do corpo Permite ampla extensão de movimentos Suscetível a lesões traumáticas Esforço Sem proteção por tecido

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO Membro inferior

ROTEIRO DE ESTUDO Membro inferior ROTEIRO DE ESTUDO Membro inferior OSSOS Os membros inferiores são mais estáveis, devido a fixação de duas fortes articulações, anteriormente, a sínfise púbica (é uma articulação cartilagínea) e posteriormente

Leia mais

Reparação. Regeneração Tecidual 30/06/2010. Controlada por fatores bioquímicos Liberada em resposta a lesão celular, necrose ou trauma mecânico

Reparação. Regeneração Tecidual 30/06/2010. Controlada por fatores bioquímicos Liberada em resposta a lesão celular, necrose ou trauma mecânico UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA DE PATOLOGIA VETERINÁRIA Reparação Prof. Raimundo Tostes Reparação Regeneração: reposição de um grupo de células destruídas

Leia mais

CURSO MÓDULO 1: RECUPERAÇÃO E PREVENÇÃO DE LESÕES

CURSO MÓDULO 1: RECUPERAÇÃO E PREVENÇÃO DE LESÕES CURSO MÓDULO 1: RECUPERAÇÃO E PREVENÇÃO DE LESÕES Formador: Frederico Neto Alto Rendimento 961923009 / 228331303 www.altorendimento.net info@altorendimento.net CONTEÚDOS Definição de lesão Prevenção e

Leia mais

A importância do treino proprioceptivo na prevenção de reincidiva na entorse de tornozelo grau I

A importância do treino proprioceptivo na prevenção de reincidiva na entorse de tornozelo grau I 1 A importância do treino proprioceptivo na prevenção de reincidiva na entorse de tornozelo grau I Jemily Braga Maciel 1 jemily@hotmail.com Dayana Priscila Maia Mejia 2 Pós-Graduação em Fisioterapia em

Leia mais

Biomecânica do. Complexo Articular do Joelho 08/08/2016. COMPLEXO ARTICULAR do JOELHO. Isabel Sacco

Biomecânica do. Complexo Articular do Joelho 08/08/2016. COMPLEXO ARTICULAR do JOELHO. Isabel Sacco Biomecânica do Complexo Articular do Joelho Isabel Sacco COMPLEXO ARTICULAR do JOELHO Atividades Vida Diária Atividade Física Atividades Esportivas Reabilitação Complexo Articular do Joelho Femorotibial

Leia mais

Anatomia da Medula Vertebral

Anatomia da Medula Vertebral Anatomia da Medula Vertebral Anatomia da Vértebra Disco Intervertebral Anatomia da Coluna Vertebral Características Gerais: Corpo Vertebral Foramens Vertebrais: Forame Medular: Medula Vertebral Forames

Leia mais

TREINO DE GUARDA-REDES, PREPARAÇÃO FÍSICA E METODOLOGIA DE TREINO

TREINO DE GUARDA-REDES, PREPARAÇÃO FÍSICA E METODOLOGIA DE TREINO TREINO DE GUARDA-REDES, PREPARAÇÃO FÍSICA E METODOLOGIA DE TREINO MÓDULO : Flexibilidade Formador: Tiago Vaz Novembro de 2015 Síntese 1. Definição e formas de manifestação; 2. Fatores condicionantes; 3.

Leia mais

XIII Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen. LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1)

XIII Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen.  LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1) XIII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen www.digimaxdiagnostico.com.br/ LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1) História Clínica Identificação: J. N. G. B., feminino, 13 anos Queixa

Leia mais

Biomecânica do complexo articular do tornozelo & pé FUNÇÕES TORNOZELO

Biomecânica do complexo articular do tornozelo & pé FUNÇÕES TORNOZELO Biomecânica do complexo articular do tornozelo & pé Isabel C. N. Sacco (Ph.D.) 3 FUNÇÕES Suporte do peso Controle e estabilização do MMII Ajuste à superfície de contato Manipulação de objetos e operação

Leia mais

ARTICULAÇÕES. Luxação Coxofemoral. Luxação Coxofemoral 12/09/2016. Saída da cabeça do fêmur do acetábulo. Sinais clínicos.

ARTICULAÇÕES. Luxação Coxofemoral. Luxação Coxofemoral 12/09/2016. Saída da cabeça do fêmur do acetábulo. Sinais clínicos. Luxação Coxofemoral ARTICULAÇÕES Saída da cabeça do fêmur do acetábulo Luxação Coxofemoral Sinais clínicos Membro menor e rotacionado p/ dentro Crepitação Dor súbita Diagnóstico: Radiográfico: VD (mostra

Leia mais

Nos primeiros lugares das dores de cabeça da Urologia

Nos primeiros lugares das dores de cabeça da Urologia N i i l d d d b d Nos primeiros lugares das dores de cabeça da Urologia Câncer de próstata :malignidade mais diagnosticada em homens Incontinência urinária afeta diretamente qualidade de vida Cirurgia:

Leia mais

Lesões ortopédicas do posterior em pequenos animais

Lesões ortopédicas do posterior em pequenos animais Lesões ortopédicas do posterior em pequenos animais Displasia Coxo-femoral Luxação do quadril Necrose asséptica Ruptura do ligamento cruzado cranial Luxação patelar Fraturas Lesões ortopédicas do posterior

Leia mais

MEMBROS INFERIORES: OSSOS. Profa. Dra. Cecília Helena A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB-USP

MEMBROS INFERIORES: OSSOS. Profa. Dra. Cecília Helena A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB-USP MEMBROS INFERIORES: OSSOS Profa. Dra. Cecília Helena A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB-USP FUNÇÃO DOS MMII LOCOMOÇÃO SUSTENTAÇAO DE PESO OSSOS DO MEMBRO INFERIOR (62) OSSO DO QUADRIL (ILÍACO) (2)

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NA TENDINITE DO SUPRA-ESPINHOSO: RELATO DE CASO

OS BENEFÍCIOS DO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NA TENDINITE DO SUPRA-ESPINHOSO: RELATO DE CASO OS BENEFÍCIOS DO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NA TENDINITE DO SUPRA-ESPINHOSO: RELATO DE CASO Andrey Tavares de Oliveira Penido, Karina Lima Oliveira, Sarah Cardoso de Oliveira, Luiza Karollynne dos Santos

Leia mais

O que é a artroscopia?

O que é a artroscopia? É natural termos dúvidas e questionamentos antes de nos submetermos a uma cirurgia. Foi pensando nisso que elaboramos esse manual. Nosso objetivo é ajudá-lo a entender melhor o funcionamento do seu joelho

Leia mais

Reconstrução do Ligamento Cruzado Anterior Fatores Técnicos que Dificultam a Reabilitação

Reconstrução do Ligamento Cruzado Anterior Fatores Técnicos que Dificultam a Reabilitação Artigo de Revisão Reconstrução do Ligamento Cruzado Anterior Fatores Técnicos que Dificultam a Reabilitação Autor - José F. Nunes SBOT- GCJC- Vogal da SBCJ O resultado da reconstrução artroscópica da lesão

Leia mais

Baumer. Líder no Brasil. Forte no mundo.

Baumer. Líder no Brasil. Forte no mundo. SOLUÇÃO PARA: Ortopedia. FIXADORES EXTERNOS TECNOLOGIA PARA: Lesões Traumáticas e Cirúrgicas reconstrutoras do sistema músculo-esquelético. Vista Aérea - Parque Industrial Baumer - Mogi Mirim - SP - Brasil

Leia mais

TIPOS ESPECIAIS DE FRATURAS

TIPOS ESPECIAIS DE FRATURAS TIPOS ESPECIAIS DE FRATURAS 1) FRATURA EM GALHO-VERDE Ocorre em ossos longos de crianças, sendo sempre uma fratura incompleta, pois parte da cortical óssea é sempre mantida (semelhante a um galho verde

Leia mais

Testes para o Joelho

Testes para o Joelho Testes para o Joelho Teste de compressão de Apley Pcte em dec. ventral, fletir a perna a 90º. Segurar o tornozelo, aplicar pressão para baixo e girar a perna lateral//e emedial//e. Teste de compressão

Leia mais

Pós graduação em Fisioterapia Traumato-Ortopédica - UFJF. 03 de julho de 2010 Professor: Rodrigo Soares

Pós graduação em Fisioterapia Traumato-Ortopédica - UFJF. 03 de julho de 2010 Professor: Rodrigo Soares Pós graduação em Fisioterapia Traumato-Ortopédica - UFJF 03 de julho de 2010 Professor: Rodrigo Soares Programa Afecções tendíneas Afecções neurais compressivas Afecções ligamentares Afecções musculares

Leia mais

hiperextensão do joelho, geralmente causada por um estresse e que acaba originando lesões combinadas com ligamentos.

hiperextensão do joelho, geralmente causada por um estresse e que acaba originando lesões combinadas com ligamentos. INTRODUÇÃO Para se estudar a importância da reabilitação nas lesões do Ligamento Cruzado Posterior, faz-se necessário, à princípio, se estabelecer um breve panorama a respeito do papel desse ligamento

Leia mais

A Savita apresenta um conceito inovador em reeducação corporal no Recife.

A Savita apresenta um conceito inovador em reeducação corporal no Recife. A Savita apresenta um conceito inovador em reeducação corporal no Recife. Contamos com uma equipe de especialistas em Fisioterapia e Educação Física sob a coordenação técnica da fisioterapeuta Fátima Tedim,

Leia mais

Luxação Congênita do Quadril (Displasia Acetabular) Doença de Legg-Perthes-Calvet Epifisiólise. Prof André Montillo UVA

Luxação Congênita do Quadril (Displasia Acetabular) Doença de Legg-Perthes-Calvet Epifisiólise. Prof André Montillo UVA Luxação Congênita do Quadril (Displasia Acetabular) Doença de Legg-Perthes-Calvet Epifisiólise Prof André Montillo UVA Patologia Evolução Fisiológica A Partir dos 4 anos de idade haverá uma Obstrução da

Leia mais

Protocolo de Reabilitação após Artroplastia Total do Joelho

Protocolo de Reabilitação após Artroplastia Total do Joelho 1ª SEMANA CARGA PARCIAL *** # *** RECOMENDADO ANDADOR MOVIMENTAÇÃO PASSIVA 0-60 ELETRO (MINIMO 30MINUTOS) CRIOTERAPIA (20-30 MINUTOS) * * CUIDADO COM OS PONTOS # ᴓ 2ª SEMANA CARGA PARCIAL *** # *** RECOMENDADO

Leia mais

Physical therapy in patellar fracture - Literature review

Physical therapy in patellar fracture - Literature review ARTIGO DE REVISÃO ISSN: 2178-7514 Vol. 7 Nº. 1 Ano 2015 TRATAMENTO FISIOTERÁPICO DAS FRATURAS PATELARES - REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Physical therapy in patellar fracture - Literature review Angelica Castilho

Leia mais

JOELHO INTRODUÇÃO ESTRUTURA ÓSSEA ESTRUTURA ÓSSEA ESTRUTURA ÓSSEA ESTRUTURA ÓSSEA 28/08/2015. Mais complexa articulação do corpo

JOELHO INTRODUÇÃO ESTRUTURA ÓSSEA ESTRUTURA ÓSSEA ESTRUTURA ÓSSEA ESTRUTURA ÓSSEA 28/08/2015. Mais complexa articulação do corpo INTRODUÇÃO Mais complexa articulação do corpo JOELHO PROF. DR. Wouber Hérickson de B. Vieira DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA - UFRN hericksonfisio@yahoo.com.br Local mais comum de lesões desportivas Resiste

Leia mais

TRAUMATOLOGIA DOS MEMBROS SUPERIORES

TRAUMATOLOGIA DOS MEMBROS SUPERIORES Luxação esternoclavicular - Luxação muito rara TRAUMATOLOGIA DOS MEMBROS SUPERIORES - Classificação: a) Anterior ( + comum) Extremidade esternal luxa anterior Mecanismo traumático trauma ântero-lateral

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO. 1. Anatomia Aplicada:

AVALIAÇÃO DO OMBRO. 1. Anatomia Aplicada: AVALIAÇÃO DO OMBRO 1. Anatomia Aplicada: Articulação esternoclavicular: É uma articulação sinovial em forma de sela com 3 graus de liberdade; A artic. esternoclavicular e a acromioclavicular habilitam

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza

PRIMEIROS SOCORROS. Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza PRIMEIROS SOCORROS Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza Primeiros socorros Noções básicas b de sinais vitais Perfil do socorrista Vias aéreas a obstrução Ressuscitação cardiopulmonar RCP Ferimentos,

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA 1 a Atividade Física 2013.indd 1 09/03/15 16 SEDENTARISMO é a falta de atividade física suficiente e pode afetar a saúde da pessoa. A falta de atividade física

Leia mais

Conceito. Principais Causas. Classificação. Extensão da Queimadura 29/04/2016

Conceito. Principais Causas. Classificação. Extensão da Queimadura 29/04/2016 Queimaduras Conceito Lesão nos tecidos de revestimento do organismo (pele, músculo, vasos sanguíneos, nervos e ossos) geralmente causada por agentes térmicos, eletricidade, produtos químicos, radiação,

Leia mais

Propriedades Mecânicas dos Ossos

Propriedades Mecânicas dos Ossos Propriedades Mecânicas dos Ossos Adriano J. Holanda http://adrianoholanda.org Depto de Computação e Matemática FFCLRP USP Faculdade Dr. Francisco Maeda FAFRAM 23 de maio de 2014 Trilha Biomecânica O Osso

Leia mais

PROTOCOLO DE REABILITAÇÃO

PROTOCOLO DE REABILITAÇÃO ef POR boekje.indd 1 01-07-2011 08:29:29 PROTOCOLO DE REABILITAÇÃO APÓS A IMPLEMENTAÇÃO DE ef POR boekje.indd 2 01-07-2011 08:29:29 É muito importante seguir o programa definido neste folheto informativo

Leia mais

[ESTUDO REFERENTE À ENCF - JOELHO]

[ESTUDO REFERENTE À ENCF - JOELHO] 2011 IMPOL Instrumentais e Implantes Samuel de Castro Bonfim Brito [ESTUDO REFERENTE À ENCF - JOELHO] Casos apresentados neste estudo foram operados e pertencem à Fundação Pio XII Hospital do Câncer de

Leia mais

MOBILIZAÇÕES DAS ARTICULAÇÕES PERIFÉRICAS

MOBILIZAÇÕES DAS ARTICULAÇÕES PERIFÉRICAS Pontifícia Universidade Católica de Goiás MOBILIZAÇÕES DAS ARTICULAÇÕES PERIFÉRICAS Professor Esp. Kemil Sousa DEFINIÇÃO Técnicas de terapia manual usadas para modular a dor e tratar as disfunções articulares

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação Tibiofemoral: É uma articulação

Leia mais

Especialização em Fisiologia do Exercício. Prof. Germano. Tecido não homogêneo: O OSSO É UM TECIDO DINÂMICO QUE CRESCE ATÉ A IDADE ADULTA.

Especialização em Fisiologia do Exercício. Prof. Germano. Tecido não homogêneo: O OSSO É UM TECIDO DINÂMICO QUE CRESCE ATÉ A IDADE ADULTA. Especialização em Fisiologia do Exercício Prof. Germano Plano lateral Plano frontal Plano transversal Eixo medio-lateral Eixo ântero-posterior Eixo céfalo-caudal Tecido ósseo O OSSO É UM TECIDO DINÂMICO

Leia mais

21/03/2012. A variação molecular atua: fatores de crescimento hormônios adesão celular movimentação alterações funcionais

21/03/2012. A variação molecular atua: fatores de crescimento hormônios adesão celular movimentação alterações funcionais Tecido Conjuntivo Tecido responsável pela resposta inflamatória e por todo o processo de reparo que ocorre após a agressão. Contém vasos sangüíneos, linfáticos e líquido intersticial chamado de sistema

Leia mais

SAÚDE RESUMO. Palavras-chave: entorse de tornozelo, amplitude de movimento, alongamento, mobilização articular. ABSTRACT

SAÚDE RESUMO. Palavras-chave: entorse de tornozelo, amplitude de movimento, alongamento, mobilização articular. ABSTRACT Terapias Manuais na ADM de Tornozelo Manual Therapies of Ankle ADM E. P. Silva, 1 Daniella Biasotto-Gonzalez 2 e T. O. Gonzalez 2 1- Especialista em Terapia Manual do Departamento de Fisioterapia da Universidade

Leia mais