IGUALDADE DE GÉNERO E NÃO DISCRIMINAÇÃO: VIOLÊNCIA DE GÉNERO. Marta Silva Núcleo Violência Doméstica/Violência de Género Janeiro 2009

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IGUALDADE DE GÉNERO E NÃO DISCRIMINAÇÃO: VIOLÊNCIA DE GÉNERO. Marta Silva Núcleo Violência Doméstica/Violência de Género Janeiro 2009"

Transcrição

1 IGUALDADE DE GÉNERO E NÃO DISCRIMINAÇÃO: VIOLÊNCIA DE GÉNERO Marta Silva Núcleo Violência Doméstica/Violência de Género Janeiro 2009

2 A violência contra as mulheres visibilidade e colocação do problema na agenda política O papel da sociedade civil movimentos feministas (Battered Women) anos 60 e 70 Identificação da violência como um problema societal Alteração de um discurso institucional culpabilizador das mulheres Dar voz às mulheres e validar as suas experiências Criação de respostas específicas

3 A violência contra as mulheres visibilidade e colocação do problema na agenda política Papel das instâncias políticas internacionais Organização das Nações Unidas, Conselho da Europa, Comissão Europeia Definição da violência contra as mulheres como violação dos direitos humanos

4 A violência contra as mulheres visibilidade e colocação do problema na agenda política Conferência Mundial Sobre Direitos Humanos (Viena, 993) - Declaração Sobre a Eliminação da Violência Contra as Mulheres - Resolução 48/04, AG ONU 4ª Conferência Mundial sobre as Mulheres (Pequim, 995) - Plataforma de Acção de Pequim Comité de Ministros do Conselho da Europa Rec(2002)5 sobre a Protecção das Mulheres contra a Violência

5 A violência contra as mulheres visibilidade e colocação do problema na agenda política qualquer acto de violência baseado no género de que resulte ou possa resultar danos físicos, sexuais ou psicológicos, ou sofrimento para a mulher, incluindo a ameaça da prática de tais actos, coacção ou privação arbitrária da liberdade, quer ocorram na esfera pública ou privada Resolução 48/04, Assembleia Geral das Nações Unidas, 993

6 A violência contra as mulheres visibilidade e colocação do problema na agenda política Conselho da Europa qualquer acto, omissão ou conduta que serve para infligir sofrimentos físicos, sexuais ou mentais, directa ou indirectamente, por meio de enganos, ameaças, coacção ou qualquer outro meio, a qualquer mulher e tendo por objectivo e como efeito intimidá-la, puni-la ou humilhá-la ou mantê-la nos papéis estereotipados ligados ao seu sexo ou recusar-lhe a dignidade humana, a autonomia sexual, a integridade física, mental e moral ou abalar a sua segurança pessoal, o seu amor próprio ou a sua personalidade, ou diminuir as suas capacidades físicas ou intelectuais.

7 Planos Nacionais Contra a Violência Doméstica: I PNCVD II PNCVD III PNCVD RCM nº55/999, de 5 de Junho RCM nº88/2003, de 7 de Julho RCM nº83/2007, de 22 de Junho I Plano Nacional Contra o Tráfico de Seres Humanos RCM nº8/2007, de 22 de Junho

8 Este III PNCVD tem como objecto primordial de intervenção o combate à violência exercida directamente sobre as mulheres, no contexto das relações de intimidade, sejam elas conjugais ou equiparadas, presentes ou passadas. Esta opção abrange ainda a violência exercida indirectamente sobre as crianças que são testemunhas das situações de violência interparental, naquilo a que se designa por violência vicariante.

9 III PNCVD- 5 ÁREAS ESTRATÉGICAS ÁREA ESTRATÉGICA DE INTERVENÇÃO I Informar, Sensibilizar e Educar ÁREA ESTRATÉGICA DE INTERVENÇÃO II Proteger as Vítimas e Prevenir a Revitimação ÁREA ESTRATÉGICA DE INTERVENÇÃO III Capacitar e Reinserir as Vítimas de Violência Doméstica ÁREA ESTRATÉGICA DE INTERVENÇÃO IV Qualificar Profissionais ÁREA ESTRATÉGICA DE INTERVENÇÃO V Aprofundar o conhecimento do fenómeno da Violência Doméstica

10 I PNCTSH - 4 ÁREAS ESTRATÉGICAS ÁREA ESTRATÉGICA DE INTERVENÇÃO I Conhecer e Disseminar Informação ÁREA ESTRATÉGICA DE INTERVENÇÃO II Prevenir, sensibilizar e formar ÁREA ESTRATÉGICA DE INTERVENÇÃO III Proteger, apoiar e integrar ÁREA ESTRATÉGICA DE INTERVENÇÃO IV Investigar criminalmente e reprimir

11 Evolução do número de ocorrências de Violência Doméstica registados pelas Forças de Segurança GNR - total de ocorrências PSP - total de ocorrências Total de ocorrências - Nacional ano de registo Fonte: DGAI a partir dos dados disponibilizados pelas Forças de Segurança

12 REGISTO DAS PARTICIPAÇÕES Nº de ocorrências participadas às Forças de Segurança em 2007 e Período homólogo GNR PSP Total Fonte: DGAI a partir dos dados disponibilizados pelas Forças de Segurança

13 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA LEGISLAÇÃO Lei 6/9, de 3 de Agosto - garante protecção adequada às mulheres vítimas de violência RCM nº49/97, de 24 de Março - Plano Global para a Igualdade de Oportunidades Resolução da AR nº3/99, de 4 de Abril - Carácter urgente para a execução das medidas previstas na Lei 6/9 RCM nº55/99, de 5 de Junho - Plano Nacional Contra a Violência Doméstica Resolução da AR nº7/2000, de 26 de Janeiro - Concretização das medidas de protecção das vítimas de violência doméstica

14 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA LEGISLAÇÃO CÓDIGO PENAL Artigo 53º(entre cônjuges - maus tratos físicos - pena - 6 meses a 3 anos - crime público) Artigo 52º(entre cônjuges e uniões de facto - maus tratos físicos e psíquicos - pena de a 5 anos - crime semi-público) Artigo 52º(crime semi-público mitigado) Artigo 52º(crime público) Artigo 52ºViolência doméstica crime público Novembro Proposta de Lei que regula o regime jurídico aplicável à prevenção da violência doméstica e à protecção e assistência das suas vítimas (Consulta Pública)

15 ARTIGO 52º - Código Penal Violência doméstica Quem, de modo reiterado ou não, infligir maus tratos físicos ou psíquicos, incluindo castigos corporais, privações da liberdade e ofensas sexuais: a) Ao cônjuge ou ex -cônjuge; b) A pessoa de outro ou do mesmo sexo com quem o agente mantenha ou tenha mantido uma relação análoga à dos cônjuges, ainda que sem coabitação; c) A progenitor de descendente comum em.ºgrau; ou d) A pessoa particularmente indefesa, em razão de idade, deficiência, doença, gravidez ou dependência económica, que com ele coabite; é punido com pena de prisão de um a cinco anos, se pena mais grave lhe não couber por força de outra disposição legal.

16 2 No caso previsto no número anterior, se o agente praticar o facto contra menor, na presença de menor, no domicílio comum ou no domicílio da vítima é punido com pena de prisão de dois a cinco anos. 3 Se dos factos previstos no n.º resultar: a) Ofensa à integridade física grave, o agente é punido com pena de prisão de dois a oito anos; b) A morte, o agente é punido com pena de prisão de três a dez anos.

17 4 Nos casos previstos nos números anteriores, podem ser aplicadas ao arguido as penas acessórias de proibição de contacto com a vítima e de proibição de uso e porte de armas, pelo período de seis meses a cinco anos, e de obrigação de frequência de programas específicos de prevenção da violência doméstica. 5 A pena acessória de proibição de contacto com a vítima pode incluir o afastamento da residência ou do local de trabalho desta e o seu incumprimento pode ser fiscalizado por meios técnicos de controlo à distância. 6 Quem for condenado por crime previsto neste artigo pode, atenta a concreta gravidade do facto e a sua conexão com a função exercida pelo agente, ser inibido do exercício do poder paternal, da tutela ou da curatela por um período de um a dez anos.

18 Casas de Apoio Lei nº07/99, de 3 de Agosto Decreto-lei nº323/00, de 9 de Dezembro Rede pública de casas de apoio Casas de abrigo unidades residenciais destinadas a proporcionar acolhimento temporário a mulheres vítimas de violência acompanhadas ou não de filhos menores. Centros de atendimento unidades constituídas por uma ou mais equipas técnicas, pluridisciplinares, de entidades públicas, bem como outras entidades que com aquelas tenham celebrado protocolos de cooperação. Núcleos de atendimento serviços de atendimento de mulheres vítimas de violência, assegurados por ONG e IPSS, actuando em coordenação com a rede pública de casas de apoio.

19 Casas de Apoio Lei nº07/99, de 3 de Agosto Decreto-lei nº323/00, de 9 de Dezembro Centros e Núcleos de Atendimento O atendimento e encaminhamento Avaliação da situação, por ex. do RISCO Diagnóstico Relatório

20 Protecção Social e Integração das Vítimas Casas de Abrigo e Comunidades de Inserção Casas de Abrigo 2 9 Comunidades de Inserção 2

21 Rede Nacional de Núcleos de Atendimento a Vítimas

22 Estruturas de Apoio à Vítima PSP e GNR PSP salas de Apoio à Vítima GNR- Salas de Apoio à Vítima GNR Núcleos Mulher e Menor

23 III PNCVD: Medidas em implementação Programa para Agressores Tele assistência a vítimas de violência doméstica Grupos de Ajuda Mútua Concurso Escolar - "A Nossa Escola Pela Não Violência" Intervenção integrada no âmbito das Administrações Regionais de Saúde Vigilância Electrónica para Agressores Tradução e adaptação técnica e científica do Modelo Duluth Campanha de Sensibilização contra a violência no namoro Formação de técnicos (as) de várias áreas Alargamento territorial da Rede Nacional de Núcleos de Atendimento a Vítimas de Violência Doméstica

24 Lei nº 23/2007, de 4 de Julho Regime jurídico de entrada, permanência, saída e afastamento de estrangeiros do território nacional Prazo de reflexão duração mínima de 30 dias e máxima de 60 dias Em que seja solicitada a colaboração Em que a pessoa manifesta vontade em colaborar No momento em que é sinalizada como vítima de tráfico Direitos: Assegurada a sua subsistência Acesso a tratamento médico urgente e adequado Assistência psicológica Segurança e protecção Assistência de tradução e interpretação Assistência jurídica

25 Lei nº 23/2007, de 4 de Julho Regime jurídico de entrada, permanência, saída e afastamento de estrangeiros do território nacional Autorização de residência com a duração de um ano e renovável por iguais períodos Requisitos: a sua importância para a investigação e procedimentos judiciais vontade clara em colaborar romper as relações com os presumíveis autores Excepção circunstâncias pessoais da vítima o justifiquem

26 Artigo 60º do Código Penal Tráfico de Pessoas Quem oferecer, entregar, aliciar, aceitar, transportar, alojar ou acolher pessoa para fins de exploração sexual, exploração do trabalho ou extracção de órgãos: a) Por meio de violência, rapto ou ameaça grave; b) Através de ardil ou manobra fraudulenta; c) Com abuso de autoridade resultante de uma relação de dependência hierárquica, económica, de trabalho ou familiar; d) Aproveitando-se de incapacidade psíquica ou de situação de especial vulnerabilidade da vítima; ou e) Mediante a obtenção do consentimento da pessoa que tem o controlo sobre a vítima; é punido com pena de prisão de três a dez anos.

27 Artigo 60º do Código Penal Tráfico de Pessoas 2 A mesma pena é aplicada a quem, por qualquer meio, aliciar, transportar, proceder ao alojamento ou acolhimento de menor, ou o entregar, oferecer ou aceitar, para fins de exploração sexual, exploração do trabalho ou extracção de órgãos. 3 No caso previsto no número anterior, se o agente utilizar qualquer dos meios previstos nas alíneas do nº ou actuar profissionalmente ou com intenção lucrativa, é punido com pena de prisão de três a doze anos. 4 Quem, mediante pagamento ou outra contrapartida, oferecer, entregar, solicitar ou aceitar menor, ou obtiver ou prestar consentimento na sua adopção, é punido com pena de prisão de um a cinco anos.

28 Artigo 60º do Código Penal Tráfico de Pessoas 5 Quem, tendo conhecimento da prática de crime previsto nos nºs e 2, utilizar os serviços ou órgãos da vítima é punido com pena de prisão de um a cinco anos, se pena mais grave lhe não couber por força de outra disposição legal. 6 Quem retiver, ocultar, danificar ou destruir documentos de identificação ou de viagem de pessoa vítima de crime previsto nos nºs e 2 é punido com pena de prisão até três anos, se pena mais grave lhe não couber por força de outra disposição legal.

Crime público desde Lei 7/2000 de Denúncia para além dos seis meses Lei aplicável: vigente no momento prática do último ato Tribunal

Crime público desde Lei 7/2000 de Denúncia para além dos seis meses Lei aplicável: vigente no momento prática do último ato Tribunal 1 Quem, de modo reiterado ou não, infligir maus tratos físicos ou psíquicos, incluindo castigos corporais, privações da liberdade e ofensas sexuais: a) Ao cônjuge ou ex-cônjuge; b) A pessoa de outro ou

Leia mais

CONFERÊNCIA TRÁFICO DE SERES HUMANOS PREVENÇÃO, PROTECÇÃO E PUNIÇÃO O TRÁFICO DE SERES HUMANOS * ENQUADRAMENTO LEGAL GERAL

CONFERÊNCIA TRÁFICO DE SERES HUMANOS PREVENÇÃO, PROTECÇÃO E PUNIÇÃO O TRÁFICO DE SERES HUMANOS * ENQUADRAMENTO LEGAL GERAL CONFERÊNCIA TRÁFICO DE SERES HUMANOS PREVENÇÃO, PROTECÇÃO E PUNIÇÃO O TRÁFICO DE SERES HUMANOS * ENQUADRAMENTO LEGAL GERAL * Declaração Universal dos Direitos do Homem Artigo 1º Todos os seres humanos

Leia mais

CÓDIGO PENAL CÓDIGO DE PROCESSO PENAL

CÓDIGO PENAL CÓDIGO DE PROCESSO PENAL LEI E PROCESSO CÓDIGO PENAL CÓDIGO DE PROCESSO PENAL 2015 2ª Edição Actualização nº 3 CÓDIGO PENAL CÓDIGO DE PROCESSO PENAL Actualização nº 3 ORGANIZAÇÃO BDJUR BASE DE DADOS JURÍDICA EDITOR EDIÇÕES ALMEDINA,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 62/XIII

PROJETO DE LEI N.º 62/XIII PROJETO DE LEI N.º 62/XIII 41ª ALTERAÇÃO AO CÓDIGO PENAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 400/82, DE 23 DE SETEMBRO, CRIMINALIZANDO UM CONJUNTO DE CONDUTAS QUE ATENTAM CONTRA OS DIREITOS FUNDAMENTAIS DOS

Leia mais

A LEGISLAÇÃO SOBRE VIOLÊNCIA STICA:

A LEGISLAÇÃO SOBRE VIOLÊNCIA STICA: A LEGISLAÇÃO SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA STICA: Compatibilização do Código Penal e Diplomas Complementares às actuais manifestações do fenómeno. Bragança 25/06/2207 Maria João Taborda DIAP DO PORTO SECÇÃO

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 220/IX COMBATE À PEDOFILIA (ALTERA OS ARTIGOS 120.º, 172.º A 177.º E 179.º DO CÓDIGO PENAL) Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 220/IX COMBATE À PEDOFILIA (ALTERA OS ARTIGOS 120.º, 172.º A 177.º E 179.º DO CÓDIGO PENAL) Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 220/IX COMBATE À PEDOFILIA (ALTERA OS ARTIGOS 120.º, 172.º A 177.º E 179.º DO CÓDIGO PENAL) Exposição de motivos A reflexão sobre o quadro legislativo vigente em matéria de crimes sexuais,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 659/XII/4.ª

PROJETO DE LEI N.º 659/XII/4.ª PROJETO DE LEI N.º 659/XII/4.ª Procede à alteração do Código Penal, criando os crimes de perseguição e casamento forçado em cumprimento do disposto na Convenção de Istambul Exposição de Motivos Nos últimos

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 664/XII/4.ª ALTERA A PREVISÃO LEGAL DOS CRIMES DE VIOLAÇÃO E COAÇÃO SEXUAL NO CÓDIGO PENAL

PROJETO DE LEI N.º 664/XII/4.ª ALTERA A PREVISÃO LEGAL DOS CRIMES DE VIOLAÇÃO E COAÇÃO SEXUAL NO CÓDIGO PENAL Grupo Parlamentar. PROJETO DE LEI N.º 664/XII/4.ª ALTERA A PREVISÃO LEGAL DOS CRIMES DE VIOLAÇÃO E COAÇÃO SEXUAL NO CÓDIGO PENAL Exposição de motivos O crime de violação atinge, sobretudo, mulheres e crianças.

Leia mais

SECÇÃO III - Prestação de trabalho a favor da comunidade e admoestação

SECÇÃO III - Prestação de trabalho a favor da comunidade e admoestação Código Penal Ficha Técnica Código Penal LIVRO I - Parte geral TÍTULO I - Da lei criminal CAPÍTULO ÚNICO - Princípios gerais TÍTULO II - Do facto CAPÍTULO I - Pressupostos da punição CAPÍTULO II - Formas

Leia mais

Projecto-Lei n.º 173/XIII/1ª Reforça o regime sancionatório aplicável aos animais (altera o Código Penal) Exposição de motivos

Projecto-Lei n.º 173/XIII/1ª Reforça o regime sancionatório aplicável aos animais (altera o Código Penal) Exposição de motivos Projecto-Lei n.º 173/XIII/1ª Reforça o regime sancionatório aplicável aos animais (altera o Código Penal) Exposição de motivos a ser reconhecida de forma transversal na sociedade. constitui um facto incontestável

Leia mais

Decreto-Lei n.º 323/2000 de 19 de Dezembro

Decreto-Lei n.º 323/2000 de 19 de Dezembro Decreto-Lei n.º 323/2000 de 19 de Dezembro A violência contra as mulheres tem sido tema abordado por inúmeros instrumentos internacionais, através dos quais os Estados se comprometeram a prosseguir por

Leia mais

DECRETO N.º 210/IX REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO PELAS FORÇAS E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM LOCAIS PÚBLICOS DE UTILIZAÇÃO COMUM

DECRETO N.º 210/IX REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO PELAS FORÇAS E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM LOCAIS PÚBLICOS DE UTILIZAÇÃO COMUM DECRETO N.º 210/IX REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO PELAS FORÇAS E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM LOCAIS PÚBLICOS DE UTILIZAÇÃO COMUM A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 191/X. Exposição de Motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 191/X. Exposição de Motivos PROPOSTA DE LEI N.º 191/X Exposição de Motivos O exercício ilícito da actividade de segurança privada põe em causa bens jurídicos pessoais da maior dignidade, como a vida, a integridade física e a liberdade,

Leia mais

Convenção de Istambul

Convenção de Istambul CONVENÇÃO DO CONSELHO DA EUROPA PARA A PREVENÇÃO E O COMBATE À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES E A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Convenção de Istambul LIVRE DO MEDO LIVRE DA VIOLÊNCIA QUAL É O OBJETIVO DA CONVENÇÃO?

Leia mais

CRIMES EM ESPECIAL TUTELA DA PESSOA E VIOLÊNCIA DE GÉNERO 2.º Semestre do Ano Lectivo de 2014/2015

CRIMES EM ESPECIAL TUTELA DA PESSOA E VIOLÊNCIA DE GÉNERO 2.º Semestre do Ano Lectivo de 2014/2015 CRIMES EM ESPECIAL TUTELA DA PESSOA E VIOLÊNCIA DE GÉNERO 2.º Semestre do Ano Lectivo de 2014/2015 1. Relevância e objectivos Pela primeira vez, no 2.º semestre do ano lectivo de 2012/2013, foi leccionada

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR Manual de GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acolhimento Familiar (33 V4.02) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

Medidas de Protecção de Menores no Caso de Recrutamento para Profissões ou Exercício de Funções que Envolvam Contacto com Crianças

Medidas de Protecção de Menores no Caso de Recrutamento para Profissões ou Exercício de Funções que Envolvam Contacto com Crianças CÓDIGOS ELECTRÓNICOS DATAJURIS DATAJURIS é uma marca registada no INPI sob o nº 350529 Medidas de Protecção de Menores no Caso de Recrutamento para Profissões ou Exercício de Funções que Envolvam Contacto

Leia mais

DECRETO N.º 378/X. Artigo 1.º Objecto

DECRETO N.º 378/X. Artigo 1.º Objecto DECRETO N.º 378/X Estabelece medidas de protecção de menores, em cumprimento do artigo 5.º da Convenção do Conselho da Europa contra a exploração sexual e o abuso sexual de crianças e procede à segunda

Leia mais

O envelhecimento ativo e as Pessoas com Deficiência

O envelhecimento ativo e as Pessoas com Deficiência O envelhecimento ativo e as Pessoas com Deficiência Fátima Alves UIFD- Unidade de Investigação, Formação e Desenvolvimento INR- Ministério da Solidariedade e da Segurança Social Lisboa, 10 de Maio de 2012

Leia mais

DGRSP. Síntese Estatística da Atividade Operativa relativa à Vigilância Eletrónica 2012

DGRSP. Síntese Estatística da Atividade Operativa relativa à Vigilância Eletrónica 2012 DGRSP Síntese Estatística da Atividade Operativa relativa à Vigilância Eletrónica 2012 Direção de Serviços Estudos e Planeamento março 2013 ÍNDICE Nota Introdutória... 3 1. Pedidos de informação recebidos

Leia mais

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU. Lei n.º 6/2004

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU. Lei n.º 6/2004 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU Lei n.º 6/2004 Lei da Imigração Ilegal e da Expulsão A Assembleia Legislativa decreta, nos termos da alínea 1) do artigo 71.º da Lei Básica da Região Administrativa

Leia mais

Plano Municipal Contra a Violência Doméstica Prolongamento

Plano Municipal Contra a Violência Doméstica Prolongamento Plano Municipal Contra a Violência Doméstica 2011-14 Prolongamento Plano Municipal Contra a Violência 2011 2013 Prolongamento O Plano Municipal Contra a Violência 2011/13, teve por objetivo estruturar

Leia mais

Envelhecimento, direitos e proteção: perspetivas atuais e pistas para o futuro

Envelhecimento, direitos e proteção: perspetivas atuais e pistas para o futuro Envelhecimento, direitos e proteção: perspetivas atuais e pistas para o futuro Catarina Alvarez Piscóloga e Jurista Coordenadora do projeto Cuidar Melhor CONTEXTO: O ENVELHECIMENTO EM PORTUGAL De 2011

Leia mais

Lei n.º 113/2009, de 17/9 1

Lei n.º 113/2009, de 17/9 1 (Não dispensa a consulta do Diário da República) Lei n.º 113/2009, de 17/9 1 Estabelece medidas de proteção de menores, em cumprimento do artigo 5.º da Convenção do Conselho da Europa contra a Exploração

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 515/XII

PROJETO DE LEI N.º 515/XII PROJETO DE LEI N.º 515/XII PROCEDE À 31.ª ALTERAÇÃO AO CÓDIGO PENAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 400/82, DE 23 DE SETEMBRO, CRIANDO O CRIME DE MUTILAÇÃO GENITAL FEMININA Exposição de motivos 1 A Mutilação

Leia mais

Conferência Internacional do Trabalho

Conferência Internacional do Trabalho Conferência Internacional do Trabalho PROTOCOLO À CONVENÇÃO 29 PROTOCOLO À CONVENÇÃO SOBRE TRABALHO FORÇADO, 1930, ADOTADA PELA CONFERÊNCIA EM SUA CENTÉSIMA TERCEIRA SESSÃO, GENEBRA, 11 DE JUNHO DE 2014

Leia mais

Título: Regime penal de corrupção no comércio internacional e no sector privado

Título: Regime penal de corrupção no comércio internacional e no sector privado Título: Regime penal de corrupção no comércio internacional e no sector privado Autor: Eurico Santos, Advogado Correio eletrónico do Autor: euricosantos@sapo.pt N.º de Páginas: 8 páginas Formato: PDF (Portable

Leia mais

DECRETO N.º 125/IX AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR O REGIME JURÍDICO DO EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE SEGURANÇA PRIVADA. Artigo 1.

DECRETO N.º 125/IX AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR O REGIME JURÍDICO DO EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE SEGURANÇA PRIVADA. Artigo 1. DECRETO N.º 125/IX AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR O REGIME JURÍDICO DO EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE SEGURANÇA PRIVADA A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea d) do artigo 161.º da Constituição,

Leia mais

AntoonVan Dyck, Sansão e Dalila (1630)

AntoonVan Dyck, Sansão e Dalila (1630) AntoonVan Dyck, Sansão e Dalila (1630) Constitui uma violação dos direitos fundamentais à vida, à liberdade, à segurança, à dignidade, à igualdade entre mulheres e homens, à não-discriminação e à integridade

Leia mais

Convenção sobre Prevenção e Repressão de Infracções contra Pessoas Gozando de Protecção Internacional, Incluindo os Agentes Diplomáticos.

Convenção sobre Prevenção e Repressão de Infracções contra Pessoas Gozando de Protecção Internacional, Incluindo os Agentes Diplomáticos. Resolução da Assembleia da República n.º 20/94 Convenção sobre Prevenção e Repressão de Crimes contra Pessoas Gozando de Protecção Internacional, Incluindo os Agentes Diplomáticos Aprova, para ratificação,

Leia mais

Lei n.º 122/99, de 20 de Agosto, Regula a vigilância electrónica prevista no artigo 201.º do Código de Processo Penal

Lei n.º 122/99, de 20 de Agosto, Regula a vigilância electrónica prevista no artigo 201.º do Código de Processo Penal 1/7 Lei n.º 122/99, de 20 de Agosto, Regula a vigilância electrónica prevista no artigo 201.º do Código de Processo Penal JusNet 170/1999 Link para o texto original no Jornal Oficial (DR N.º 194, Série

Leia mais

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida O EXEMPLO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VALONGO EUNICE NEVES OBJECTIVOS Igualdade Direitos Humanos Cidadania Activa e Inclusiva Conciliação Novas

Leia mais

Vigilância Social: Estudando os instrumentais a serem utilizados pelo PAIF/PAEFI

Vigilância Social: Estudando os instrumentais a serem utilizados pelo PAIF/PAEFI Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social Vigilância Social: Estudando os instrumentais a serem utilizados pelo PAIF/PAEFI FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO

Leia mais

ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS DOS TITULARES DE CARGOS POLÍTICOS E ALTOS CARGOS PÚBLICOS

ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS DOS TITULARES DE CARGOS POLÍTICOS E ALTOS CARGOS PÚBLICOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS DOS TITULARES DE CARGOS POLÍTICOS E ALTOS CARGOS PÚBLICOS Com as alterações introduzidas pelas Leis n. os 39-B/94, de 27 de Dezembro; 28/95,

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Institutions and Social Change(s) in Southern European Societies RN27 European Sociological Association/ Associação Portuguesa de Sociologia Cascais,

Leia mais

Conferência Regional Parlamentos Unidos no Combate à Violência Doméstica. Bragança, 25 de Junho de 2007

Conferência Regional Parlamentos Unidos no Combate à Violência Doméstica. Bragança, 25 de Junho de 2007 Conferência Regional Parlamentos Unidos no Combate à Violência Doméstica Bragança, 25 de Junho de 2007 Os Custos da Violência e as Novas Formas de Violência Contra a Mulher Custos numa óptica do sofrimento

Leia mais

ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Dos crimes praticados contra crianças e adolescentes Arts. 225 a 244-B, ECA. Atenção para os delitos dos arts. 240 a 241 (A, B, C, D e E), bem como 244-B. Est. do Desarmamento

Leia mais

PLANOS DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR

PLANOS DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR S DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR ANÁLISE DA SITUAÇÃO NACIONAL 1. Identificar causas/ fatores de vulnerabilidade e modalidades de violência sexual contra

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 512/X APOIOS À PERMANÊNCIA E INTEGRAÇÃO NA FAMÍLIA DE IDOSOS E PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 512/X APOIOS À PERMANÊNCIA E INTEGRAÇÃO NA FAMÍLIA DE IDOSOS E PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 512/X APOIOS À PERMANÊNCIA E INTEGRAÇÃO NA FAMÍLIA DE IDOSOS E PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA Exposição de motivos A sociedade moderna tem por obrigação fornecer os instrumentos

Leia mais

É DEVER DE TODOS PREVENIR A AMEAÇA OU VIOLAÇÃO DOS DIREITOS DO IDOSO! DENUNCIE! VOCÊ TAMBÉM É RESPONSÁVEL.

É DEVER DE TODOS PREVENIR A AMEAÇA OU VIOLAÇÃO DOS DIREITOS DO IDOSO! DENUNCIE! VOCÊ TAMBÉM É RESPONSÁVEL. A violência contra a pessoa idosa é silenciosa e acontece em todo o mundo. Essa grave violação dos direitos humanos fez com que a Organização das Nações Unidas (ONU) e a Rede Internacional de Prevenção

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VELA

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VELA Artigo 1º Objecto O presente Regulamento visa a adopção de medidas preventivas ao caso de manifestações de violência associadas à Vela, com vista a garantir a existência de condições de segurança em recintos

Leia mais

DECRETO N.º 36/X. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea d) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 36/X. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea d) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 36/X AUTORIZA O GOVERNO A LEGISLAR EM MATÉRIA DE DIREITOS DOS CONSUMIDORES DE SERVIÇOS FINANCEIROS, COMUNICAÇÕES COMERCIAIS NÃO SOLICITADAS, ILÍCITOS DE MERA ORDENAÇÃO SOCIAL NO ÂMBITO DA COMERCIALIZAÇÃO

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 211/X. Altera o Código Penal. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 211/X. Altera o Código Penal. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 211/X Altera o Código Penal Exposição de motivos 1. Introdução Através do Projecto de Lei n.º 98/X, o Grupo Parlamentar do partido Socialista propôs a alteração do Código de Registo

Leia mais

CRIANÇAS E JOVENS VÍTIMAS DE CRIME E DE VIOLÊNCIA [ ]

CRIANÇAS E JOVENS VÍTIMAS DE CRIME E DE VIOLÊNCIA [ ] ESTATÍSTICAS APAV CRIANÇAS E JOVENS VÍTIMAS DE CRIME E DE VIOLÊNCIA [-] WWW.APAV.PT/ESTATISTICAS crianças e jovens vítimas de crime (-) vítima média de 54% do sexo feminino Entre e a APAV registou um total

Leia mais

De destacar, a obrigatoriedade de igualdade de tratamento, pelo Empregador, entre o Trabalhador Nacional e o Trabalhador Estrangeiro.

De destacar, a obrigatoriedade de igualdade de tratamento, pelo Empregador, entre o Trabalhador Nacional e o Trabalhador Estrangeiro. O Decreto n.º 6/01, de 19 de Janeiro aprova o Regulamento Sobre o Exercício da Actividade Profissional do Trabalhador Estrangeiro Não Residente, quer no sector público, quer no sector privado, tendo entrado

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária.

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária. PROGRAMA DE ACÇÃO A diversidade e complexidade dos assuntos integrados no programa de acção da OMA permitirá obter soluções eficazes nos cuidados primários de saúde, particularmente na saúde reprodutiva

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n.º 55/99

Resolução do Conselho de Ministros n.º 55/99 Resolução do Conselho de Ministros n.º 55/99 A violência doméstica é um flagelo que põe em causa o próprio cerne da vida em sociedade e a dignidade da pessoa humana, razão pela qual essa problemática tem

Leia mais

SITUAÇÕES DE PERIGO Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde

SITUAÇÕES DE PERIGO Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Situações de perigo SITUAÇÕES DE PERIGO Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde As situações de perigo para a criança ou o jovem encontram-se tipificadas no n.º 2 do art. 3.º da Lei 147/99: a) Estar

Leia mais

ESTATÍSTICAS APAV 2016 GABINETE DE APOIO À VÍTIMA

ESTATÍSTICAS APAV 2016 GABINETE DE APOIO À VÍTIMA ESTATÍSTICAS APAV 2016 GABINETE DE APOIO À VÍTIMA TAVIRA No que diz respeito ao ano de 2016, o GAV de Tavira registou um total de 138 processos de apoio à vítima e 106 vítimas directas de 218 crimes &

Leia mais

DECRETO N.º 41/XI. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

DECRETO N.º 41/XI. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: DECRETO N.º 41/XI Derrogação do sigilo bancário (21.ª alteração à Lei Geral Tributária, aprovada pelo Decreto-Lei n.º 398/98, de 17 de Dezembro, e segunda alteração ao Decreto-Lei n.º 62/2005, de 11 de

Leia mais

A questão de gênero nas decisões dos tribunais penais internacionais. Professora Camila Lippi (LADIH- UFRJ) Curso Universitários Pela Paz

A questão de gênero nas decisões dos tribunais penais internacionais. Professora Camila Lippi (LADIH- UFRJ) Curso Universitários Pela Paz A questão de gênero nas decisões dos tribunais penais internacionais Professora Camila Lippi (LADIH- UFRJ) Curso Universitários Pela Paz Teoria feminista Gênero Sexo Teoria feminista Crítica das categorias

Leia mais

Direitos Humanos das Mulheres

Direitos Humanos das Mulheres Direitos Humanos das Mulheres Federal Ministry for Foreign Affairs of Austria Direitos Humanos O avanço das mulheres e a conquista da igualdade entre mulheres e homens são uma questão de direitos humanos

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DISTRITAL PROGRAMA

PROCURADORIA-GERAL DISTRITAL PROGRAMA PROGRAMA ENCONTRO DE MAGISTRADOS DA JURISDIÇÃO DE FAMÍLIA E MENORES DO DISTRITO DE LISBOA ** 1ª SESSÃO ** 19 /11/ 2007 PGD LISBOA (Sala Biblioteca Pequena) (10H -12H30M / 14H - 17 H) TEMAS EM DISCUSSÃO

Leia mais

MEDIDA CONTRATO-EMPREGO

MEDIDA CONTRATO-EMPREGO MEDIDA CONTRATO-EMPREGO EM QUE CONSISTE A medida Contrato-Emprego é um apoio financeiro aos empregadores que celebrem contratos de trabalho sem termo ou a termo certo, por prazo igual ou superior a 12

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE 9 de Janeiro de 2010 1 Modelo CRITÉRIOS RIOS MEIOS CRITÉRIO 1. LIDERANÇA, PLANEAMENTO E ESTRATÉGIA Como a gestão desenvolve e prossegue a missão, a visão e os valores da

Leia mais

A PLATAFORMA DE ACÇÃO DE PEQUIM: uma síntese

A PLATAFORMA DE ACÇÃO DE PEQUIM: uma síntese A PLATAFORMA DE ACÇÃO DE PEQUIM: uma síntese A Plataforma de Acção de Pequim (PFA), aprovada em 1995 pela IV Conferência Mundial das Nações Unidas sobre as Mulheres, é um programa de acção política a nível

Leia mais

Mecanismo de monitorização. Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos

Mecanismo de monitorização. Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos Mecanismo de monitorização Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos Quais são os objetivos da convenção? A Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra

Leia mais

Criadas em LPP 147/99, de 1 de Setembro (alterações Lei 142/2015 de 8 de setembro ) Instituições oficiais não judiciárias

Criadas em LPP 147/99, de 1 de Setembro (alterações Lei 142/2015 de 8 de setembro ) Instituições oficiais não judiciárias Porto, novembro de 2016 Criadas em 2001 LPP 147/99, de 1 de Setembro (alterações Lei 142/2015 de 8 de setembro ) Instituições oficiais não judiciárias Objectivo Promover os direitos da criança e do jovem

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS. Regulamento Municipal para o Programa de Turismo Sénior

CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS. Regulamento Municipal para o Programa de Turismo Sénior CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Regulamento Municipal para o Programa de Turismo Sénior Preâmbulo Considerando a necessidade de apoiar as pessoas idosas, proporcionando-lhes momentos lúdicos, de lazer e de

Leia mais

Lei n. o 6/2008 de 9 de Julho A actual tendência mundial de tráfico de seres humanos, à qual Moçambique não está imune, exige a definição de um

Lei n. o 6/2008 de 9 de Julho A actual tendência mundial de tráfico de seres humanos, à qual Moçambique não está imune, exige a definição de um Lei n. o 6/2008 de 9 de Julho A actual tendência mundial de tráfico de seres humanos, à qual Moçambique não está imune, exige a definição de um quadro normativo que previna e reprima tal prática criminosa

Leia mais

A SITUAÇÃO SOBRE OS CASAMENTOS PREMATUROS EM MOÇAMBIQUE E A LEGISLAÇÃO RELACIONADA. Maputo, Dezembro de 2015

A SITUAÇÃO SOBRE OS CASAMENTOS PREMATUROS EM MOÇAMBIQUE E A LEGISLAÇÃO RELACIONADA. Maputo, Dezembro de 2015 MINISTÉRIO DO GÉNERO, CRIANÇA E ACÇÃO SOCIAL A SITUAÇÃO SOBRE OS CASAMENTOS PREMATUROS EM MOÇAMBIQUE E A LEGISLAÇÃO RELACIONADA Maputo, Dezembro de 2015 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1. Introdução; 2. Situação

Leia mais

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA -VIOLÊNCIA CONJUGAL- Maria Perquilhas 20/05/2011

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA -VIOLÊNCIA CONJUGAL- Maria Perquilhas 20/05/2011 VIOLÊNCIA DOMÉSTICA -VIOLÊNCIA CONJUGAL- Maria Perquilhas 20/05/2011 *A violência doméstica consiste numa conduta ou omissão que inflija reiteradamente sofrimentos físicos, sexuais, psicológicos ou económicos,

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA CONTRA O RACISMO E A INTOLERÂNCIA

COMISSÃO EUROPEIA CONTRA O RACISMO E A INTOLERÂNCIA CRI(96)43 Version portugaise Portuguese version COMISSÃO EUROPEIA CONTRA O RACISMO E A INTOLERÂNCIA RECOMENDAÇÃO DE POLÍTICA GERAL N. 1 DA ECRI: A LUTA CONTRA O RACISMO, A XENOFOBIA, O ANTI-SEMITISMO E

Leia mais

A República Portuguesa e a República de Cuba, adiante denominadas «Partes»:

A República Portuguesa e a República de Cuba, adiante denominadas «Partes»: Decreto n.º 41/98 Acordo entre a República Portuguesa e a República de Cuba sobre Cooperação na Prevenção do Uso Indevido e Repressão do Tráfico Ilícito de Estupefacientes e Substâncias Psicotrópicas,

Leia mais

Carta. de Direitos e Deveres. do Cliente

Carta. de Direitos e Deveres. do Cliente Carta de Direitos e Deveres do Cliente Índice 1 - PREÂMBULO 3 2 - ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 3 - DIREITOS DAS CRIANÇAS 3 4 - DIREITOS DOS RESPONSÁVEIS PELAS CRIANÇAS 4 5 - DEVERES DAS CRIANÇAS 5 6 - DEVERES

Leia mais

PROGRAMA. 4. O conceito de crime e o processo penal: pressupostos materiais e processuais da responsabilidade penal.

PROGRAMA. 4. O conceito de crime e o processo penal: pressupostos materiais e processuais da responsabilidade penal. DIREITO PROCESSUAL PENAL PROGRAMA I INTRODUÇÃO AO DIREITO PROCESSUAL PENAL 1. O funcionamento real do sistema penal: os dados da PGR (2010), do Relatório Anual de Segurança Interna (2011) e o tratamento

Leia mais

REGULAMENTO DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA VIOLÊNCIA

REGULAMENTO DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA VIOLÊNCIA REGULAMENTO DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA VIOLÊNCIA Federação Portuguesa de Damas Aprovado em reunião de Direcção realizada em 05 Abril de 2010 Homologado em Assembleia Geral a 25 de Fevereiro de 2012 CAPÍTULO

Leia mais

SUPREMO TRIBUNALDE JUSTIÇA LEI N.º 10/91

SUPREMO TRIBUNALDE JUSTIÇA LEI N.º 10/91 LEI N.º 10/91 A Assembleia Nacional no uso das atribuições que lhe são conferidas ao abrigo da alínea d) do artigo 87º. Da Constituição, aprova a seguinte Lei: ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO

Leia mais

Normas de Prevenção e Controlo do Consumo Excessivo de Álcool

Normas de Prevenção e Controlo do Consumo Excessivo de Álcool Normas de Prevenção e Controlo do Consumo Excessivo de Álcool Aprovado pela Câmara Municipal, na reunião de 15 de Maio de 2006 MUNICÍPIO DE CORUCHE CÂMARA MUNICIPAL NORMAS DE PREVENÇÃO E CONTROLO DO CONSUMO

Leia mais

CANDIDATURA AO CONCURSO POR INSCRIÇÃO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA HABITAÇÃO EM REGIME DE ARRENDAMENTO APOIADO (ATÉ 3 ELEMENTOS)

CANDIDATURA AO CONCURSO POR INSCRIÇÃO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA HABITAÇÃO EM REGIME DE ARRENDAMENTO APOIADO (ATÉ 3 ELEMENTOS) CANDIDATURA AO CONCURSO POR INSCRIÇÃO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA HABITAÇÃO EM REGIME DE ARRENDAMENTO APOIADO (ATÉ 3 ELEMENTOS) DADOS GERAIS (a preencher pelos serviços) Tipologia Inscrição n.º /RAAGPH/201

Leia mais

Unidade de Recursos Humanos

Unidade de Recursos Humanos 2016 1 CODIGO DE ÉTICA E CONDUTA 2016 INTRODUÇÃO O presente tem como objectivo, não só estar em consonância com a alínea a) do ponto 3 da Recomendação do Conselho de Prevenção da Corrupção de 7 de Novembro

Leia mais

Mod PG Página 1 de 5

Mod PG Página 1 de 5 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece a metodologia de definição, implementação e controlo de ações a desenvolver no caso de ser detetada a utilização de trabalho de menores, de forma a assegurar que:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 558, DE 29 DE MAIO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 558, DE 29 DE MAIO DE 2015 Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria Estadual de Administração Penitenciária RESOLUÇÃO Nº 558, DE 29 DE MAIO DE 2015 Estabelece diretrizes e normativas para o tratamento da população LGBT no

Leia mais

Regime Jurídico de Incompatibilidades e Impedimentos dos Titulares de Cargos Políticos e Altos Cargos Públicos

Regime Jurídico de Incompatibilidades e Impedimentos dos Titulares de Cargos Políticos e Altos Cargos Públicos Regime Jurídico de Incompatibilidades e Impedimentos dos Titulares de Cargos Políticos e Altos Cargos Públicos Lei n.º 64/93, de 26 de Agosto, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 39-B/94, de 27

Leia mais

Decreto n.º 6/01 de 19 de Janeiro - Regulamento sobre o Exercício da Actividade Profissional do Trabalhador Estrangeiro Não Residente

Decreto n.º 6/01 de 19 de Janeiro - Regulamento sobre o Exercício da Actividade Profissional do Trabalhador Estrangeiro Não Residente Decreto n.º 6/01 de 19 de Janeiro - Regulamento sobre o Exercício da Actividade Profissional do Trabalhador Estrangeiro Não Residente e-mail: geral@info-angola.com portal: www.info-angola.com Página 1

Leia mais

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal PROTOCOLO Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal Preâmbulo A criação da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas Sem-Abrigo (ENIPSA) 2009-2015 decorreu fundamentalmente da necessidade

Leia mais

PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL MEDIA COMPLEXIDADE

PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL MEDIA COMPLEXIDADE OBJETIVO: Prestar atendimento especializado às famílias e indivíduos cujos direitos tenham sido ameaçados ou violados e/ou que já tenha ocorrido rompimento familiar ou comunitário. PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA PROFISSIONAIS DE SAÚDE NOTIFICAÇÃO ON-LINE Departamento da Qualidade na Saúde

VIOLÊNCIA CONTRA PROFISSIONAIS DE SAÚDE NOTIFICAÇÃO ON-LINE Departamento da Qualidade na Saúde VIOLÊNCIA CONTRA PROFISSIONAIS DE SAÚDE NOTIFICAÇÃO ON-LINE 2015 Departamento da Qualidade na Saúde Introdução Em Portugal, o direito à não-violência encontra-se consagrado na Constituição da República

Leia mais

CONVENÇÃO 183 CONVENÇÃO RELATIVA À REVISÃO DA CONVENÇÃO (REVISTA) SOBRE A PROTECÇÃO DA MATERNIDADE, 1952

CONVENÇÃO 183 CONVENÇÃO RELATIVA À REVISÃO DA CONVENÇÃO (REVISTA) SOBRE A PROTECÇÃO DA MATERNIDADE, 1952 CONVENÇÃO 183 CONVENÇÃO RELATIVA À REVISÃO DA CONVENÇÃO (REVISTA) SOBRE A PROTECÇÃO DA MATERNIDADE, 1952 A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convocada para Genebra pelo Conselho

Leia mais

ESTATÍSTICAS SOBRE CRIMES RODOVIÁRIOS ( )

ESTATÍSTICAS SOBRE CRIMES RODOVIÁRIOS ( ) 3.821 2.995 2.586 2.325 2.97 1.734 12.19 1.684 9.767 1.479 2.612 21.313 21.38 18.856 2.389 18.297 22.67 18.886 23.274 17.83 15.844 2.752 25.366 24.68 45.746 43.231 41.272 43.278 42.454 42.944 38.311 31.998

Leia mais

CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E DAS DIRETRIZES

CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E DAS DIRETRIZES Dispõe sobre prevenção e repressão ao tráfico interno e internacional de pessoas e sobre medidas de atenção às vítimas; altera o Decreto- Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), e as Leis

Leia mais

ESTATÍSTICAS APAV LINHA DE APOIO À VÍTIMA NOV_2014 DEZ_2015 APAV.PT/ESTATISTICAS

ESTATÍSTICAS APAV LINHA DE APOIO À VÍTIMA NOV_2014 DEZ_2015 APAV.PT/ESTATISTICAS ESTATÍSTICAS APAV LINHA DE APOIO À VÍTIMA NOV_2014 DEZ_2015 APAV.PT/ESTATISTICAS A Linha de Apoio à Vítima (LAV) 116 006 é um serviço de atendimento telefónico da APAV, gratuito e confidencial, adequado

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO URGENTE (Artº 155º do CCP)

CONCURSO PÚBLICO URGENTE (Artº 155º do CCP) 1 CONCURSO PÚBLICO URGENTE (Artº 155º do CCP) PROGRAMA DE CONCURSO Índice Artigo 1.º - Identificação do Concurso... 3 Artigo 2.º - Entidade Adjudicante... 3 Artigo 3.º - Órgão que tomou a decisão de contratar...

Leia mais

" Crianças são como borboletas ao vento... algumas voam rápido... algumas voam pausadamente, mas todas voam do seu melhor jeito...

 Crianças são como borboletas ao vento... algumas voam rápido... algumas voam pausadamente, mas todas voam do seu melhor jeito... " Crianças são como borboletas ao vento... algumas voam rápido... algumas voam pausadamente, mas todas voam do seu melhor jeito... Cada uma é diferente, cada uma é linda e cada uma é especial." De uma

Leia mais

Conceito De Liberdade Pessoal Tânia Fernandes

Conceito De Liberdade Pessoal Tânia Fernandes Conceito De Liberdade Pessoal Tânia Fernandes 24-11-2010 Tânia Fernandes Página 1 Índice Índice Conceito De Liberdade Pessoal... 1 Índice... 2 Conceito De Liberdade Pessoal... 3 Segue alguns artigos do

Leia mais

O Turismo Sexual Infantil: Que Resposta Legal em

O Turismo Sexual Infantil: Que Resposta Legal em O Turismo Sexual Infantil: Que Resposta Legal em Hélder Chambal Advogado Mestre em Direito do Comércio Internacional Email: hchamball@gmail.com Cel: +(258) 84 7015590 Maputo - Moçambique Tópicos 1. Conceito

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO

SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO Sistemas de Responsabilidades 1 Filosofia Europeia para a SST Directiva Europeia 89/391/CEE SST: deve ser assumida nas empresas como uma obrigação de resultados(e não de meios)

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 772/XII/4ª. Exposição de motivos

PROJETO DE LEI N.º 772/XII/4ª. Exposição de motivos PROJETO DE LEI N.º 772/XII/4ª Procede à alteração do Código Penal, cumprindo o disposto na Convenção do Conselho da Europa para a proteção das crianças contra a exploração sexual e os abusos sexuais (Convenção

Leia mais

Onde andam os anjos da guarda? Levantando o véu sobre o que se passa por cá

Onde andam os anjos da guarda? Levantando o véu sobre o que se passa por cá Onde andam os anjos da guarda? Levantando o véu sobre o que se passa por cá Carta ao pai Não exis)rá qualidade humana, se não cuidarmos da infância. Armando Leandro Objetivo Geral Contribuir para a afirmação

Leia mais

Lei nº 64/93, de 26 de agosto

Lei nº 64/93, de 26 de agosto REGIME JURÍDICO DE INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS DOS TITULARES DE CARGOS POLÍTICOS E ALTOS CARGOS PÚBLICOS Lei nº 64/93, de 26 de agosto Com as alterações introduzidas pelos seguintes diplomas legais:

Leia mais

Convenção do Conselho da Europa para a Proteção das Crianças contra a Exploração

Convenção do Conselho da Europa para a Proteção das Crianças contra a Exploração REPÚBLICA PORTUGUESA EDUCAÇÃO CADERNO DIGITAL Convenção do Conselho da Europa para a Proteção das Crianças contra a Exploração Sexual e os Abusos Sexuais (CONVENÇÃO DE LANZAROTE 25.10.2007) VERSÃO AMIGÁVEL

Leia mais

AVISO N.º 11/2016 ASSUNTO: ABERTURA E ENCERRAMENTO DE AGÊNCIAS E DEPENDÊNCIAS

AVISO N.º 11/2016 ASSUNTO: ABERTURA E ENCERRAMENTO DE AGÊNCIAS E DEPENDÊNCIAS AVISO N.º 11/2016 ASSUNTO: ABERTURA E ENCERRAMENTO DE AGÊNCIAS E DEPENDÊNCIAS Havendo necessidade de se estabelecer os procedimentos e requisitos a serem observados no âmbito do dever de informação inerente

Leia mais

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO Proposta apresentada pelo Conselho Directivo Lisboa, 5 de Maio de 2010 Aprovado em Assembleia Geral de 29 de Maio de 2010

Leia mais

AMNISTIA INTERNACIONAL

AMNISTIA INTERNACIONAL AMNISTIA INTERNACIONAL Índice AI: 40/06/00 Tribunal Penal Internacional Ficha de Dados 5 Processos contra os autores de crimes de guerra Todos os membros das forças armadas que tenham violado os regulamentos

Leia mais

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU. Lei n.º /2004. (Projecto de lei) Regime Probatório Especial Para a Prevenção e Investigação da.

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU. Lei n.º /2004. (Projecto de lei) Regime Probatório Especial Para a Prevenção e Investigação da. REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU Lei n.º /2004 (Projecto de lei) Regime Probatório Especial Para a Prevenção e Investigação da Criminalidade A Assembleia Legislativa decreta, nos termos da alínea

Leia mais

Da Ordem Social: da família, da criança, do adolescente e do idoso.

Da Ordem Social: da família, da criança, do adolescente e do idoso. Da Ordem Social: da família, da criança, do adolescente e do idoso. Cretella Júnior e Cretella Neto Direito Constitucional III Prof. Dr. João Miguel da Luz Rivero jmlrivero@gmail.com Base da ordem social

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 8 de Junho de /11 FREMP 66 JAI 405 COHOM 159 DROIPEN 60 NOTA

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 8 de Junho de /11 FREMP 66 JAI 405 COHOM 159 DROIPEN 60 NOTA CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 8 de Junho de 2011 11268/11 NOTA de: para: Assunto: FREMP 66 JAI 405 COHOM 159 DROIPEN 60 Secretariado-Geral do Conselho Conselho (Justiça e Assuntos Internos) Projecto

Leia mais

Direito à Saúde da Criança e do Adolescente

Direito à Saúde da Criança e do Adolescente Direito à Saúde da Criança e do Adolescente Constituição Federal de 1988 Art. 227. É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade,

Leia mais

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições ISHST - Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Criado em 2004, pelo Decreto-lei n.º 171, de 17 de Julho, o Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (ISHST), I. P., é o organismo

Leia mais

OAB 1ª Fase Direitos Humanos Emilly Albuquerque

OAB 1ª Fase Direitos Humanos Emilly Albuquerque OAB 1ª Fase Direitos Humanos Emilly Albuquerque 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E A REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO (1948) 1) Objetivo:

Leia mais