LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA"

Transcrição

1 AULA 20 PG 1

2 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão e a comunicação com o professor devem ser feitos diretamente no ambiente de aprendizagem on line. AULA 20 PG 2

3 Sumário AULA 20 A LINGUAGEM DO TEXTO NORMATIVO...4 Conceitos essenciais...4 BIBLIOGRAFIA...7 AULA 20 PG 3

4 AULA 20 A LINGUAGEM DO TEXTO NORMATIVO Veremos nesta aula quais os principais verbos utilizados no texto legislativo e também analisaremos o significado de cada um deles, a fim de facilitar o entendimento e a interpretação das leis. Além disso, conheceremos os mecanismos linguísticos de regras e exceções constantes dos textos legais. Conceitos essenciais Ao tratarmos sobre a linguagem do texto normativo, é importante ressaltar que, em meio a um grande universo de possibilidades de redação para as leis, o legislador quase sempre utiliza os verbos: obrigar, permitir e proibir. Quando lemos um artigo de lei, podemos não identificar imediatamente o uso de algum desses verbos, pela simples razão de que o legislador pode ter usado um verbo sinônimo. Para dar a ideia de permissão, ele poderá substituir o verbo permitir pelos verbos facultar ou autorizar; para a ideia de proibição, pode substituir o verbo proibir por vetar ou vedar e para a ideia de obrigação, pode substituir o verbo obrigar pelos verbos impor ou exigir, exemplificativamente. Ainda existem, entretanto, outros verbos sinônimos que podem ser utilizados pelo legislador, sendo imperativo que o intérprete da norma procure localizá lo para melhor entender o sentido que ele quis dar àquela regra. Sempre que estivermos diante da necessidade de compreender o texto normativo, deveremos procurar, primeiro, por algum desses verbos, afim de que possamos identificar qual é o comando que o legislador quis dar àquele dispositivo legal. Às vezes, também, dependendo do modo como foi redigido o artigo de lei, esses verbos podem ficar invisíveis, não importando, com isso, que esses ou os seus sinônimos não estejam lá dentro da letra da lei; porque estão sim. Sabemos, por exemplo, que o livro dos fatos jurídicos, no título do negócio jurídico, código civil, é matéria na qual achamos uma grande variedade de obrigações e direitos estabelecidos para os sujeitos de direito. AULA 20 PG 4

5 Como ilustração, podemos mencionar o artigo 104, que diz: A validade do negócio jurídico requer (exige, portanto é obrigatório): I agente capaz; II objeto lícito, possível, determinado ou determinável e III forma prescrita e não defesa em lei.. Quando o legislador estabelece uma obrigatoriedade é para ela ser cumprida. No caso do exemplo acima, o legislador somente considerará válido o contrato se nele estiverem contidos os requisitos por ele mencionado, o que nos faz concluir que, para tanto, torna se obrigatória a presença dos mencionados requisitos. Outro exemplo que podemos mencionar é o relativo ao verbo facultar, como na redação do art. 316 da Parte Especial do Código Civil, que estabelece: É lícito convencionar o aumento progressivo de prestações sucessivas.. Veja, se é lícito, isso significa que também é possível, ou seja, que é permitido, nesse contexto. É importante ressaltar o seguinte: quando o legislador, na letra da lei, faculta ou autoriza, isso significa que ele está dando total liberdade para o intérprete da norma no sentido de que esse faça, sozinho, a melhor aplicação legal daquele dispositivo, já que o Estado, sobre essa matéria do artigo, não se mostra interessado em regulá la de forma cogente, ou seja, segundo seus critérios. Já sobre o verbo proibir, podemos citar alguns dos artigos do Código Penal, na Parte Especial, em que o legislador tipifica as várias modalidades criminosas, ou seja, cria ou descreve ações que serão consideradas ilícitas penalmente. Podemos, então, nesse contexto, citar o art. 121, que estabelece: Matar alguém: pena de seis a vinte anos de reclusão.. Veja. Nesse exemplo fica claro que o legislador não está usando o verbo proibir diretamente, ele não disse proibir nada, mas vemos que o verbo proibir está presente mesmo assim, uma vez que, na hipótese de uma pessoa ser morta, deverá suportar, quem a matou, a pena de reclusão, o que nos faz concluir que matar alguém está vetado (proibido) enquanto conduta social. Outro aspecto bastante interessante da matéria relativa à linguagem do texto normativo mora no fato de o legislador sempre trabalhar com regras e exceções. Muito cuidado, entretanto, é preciso tomar aqui. Isso não significa que para cada regra exista uma exceção. Nada disso. Poucas regras podem ser excepcionadas. AULA 20 PG 5

6 Muito embora tenha sido construída, no mundo concreto da vida cotidiana, a ideia de que toda regra comporta uma exceção, essa afirmação nada tem de verdade no aspecto jurídico, no ambiente do Direito. Se para cada regra existisse uma exceção, acreditamos que, então, desnecessárias seriam as regras, uma vez que, embora existentes, elas seriam passíveis de ser modificadas a qualquer momento, por qualquer pessoa. Para ficar mais clara a questão, consideremos o seguinte: uma exceção refere se àquilo que é raro, incomum, extraordinário. Tanto que, às vezes, afirmamos que determinada obra literária ou determinada obra de arte é excepcional, ou seja, que nada se iguala a ela. A ideia de excepcionalidade, portanto, está ligada ao que há de diferente do que é comum. Também assim acontece com relação aos artigos da lei. As leis são conhecidas como um conjunto de regras. Pois bem. Em cada conjunto de muitas regras é possível encontrar apenas algumas exceções. Quando as exceções aparecem, isso significa que o legislador aceita que a regra estabelecida por ele seja excepcionada, ou seja, alterada segundo as conveniências peculiares àquele caso. Assim, somente o legislador é quem tem a competência para autorizar nos a mudar uma regra. Se assim é, somente podemos mudar uma regra quando estivermos diante da referida autorização legal. E como essas autorizações são dadas? Muito fácil perceber. Vejamos o exemplo a seguir: O artigo 117, do Código Civil, prescreve: Salvo se o permitir a lei ou o representado, é anulável o negócio jurídico que o representante tenha, no seu interesse ou por conta de outrem, celebrar consigo mesmo. Vejamos. Quando o legislador fala salvo, como no exemplo acima, ele está querendo dizer exceto, ou seja, admitindo a possibilidade de a regra que ele estabelece, na sequência, seja alterada. No caso do exemplo que acabamos de ver, a regra é de que todo negócio jurídico que o representante tenha celebrado consigo para vantagem sua ou de terceiro é anulável. Quando, todavia, observamos a existência de exceção para essa regra, podemos compreender, contudo, que se o próprio representante, que deu poderes ao representado, aceita que ele celebre contrato obtendo as possíveis vantagens para ele próprio, não será o legislador quem decidirá coisa diferente. AULA 20 PG 6

7 BIBLIOGRAFIA BLIKSTEIN, Izidoro. Técnicas de comunicação escrita. São Paulo: Ática, AULA 20 PG 7

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 17 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 2 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 14 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

Quando um contrato é necessário?

Quando um contrato é necessário? Quando um contrato é necessário? Milhares de pessoas realizam acordos diariamente sem se preocuparem com as formalidades e exigências legais. É certo que, para ser válido, nem todo acordo precisa ser formalizado

Leia mais

Planejamento Tributário Empresarial

Planejamento Tributário Empresarial Planejamento Tributário Empresarial Aula 13 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina, oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

Tribunais Direito Civil Contratos Nilmar de Aquino Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Tribunais Direito Civil Contratos Nilmar de Aquino Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Direito Civil Contratos Nilmar de Aquino 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. Definição Contrato é o acordo de duas ou mais vontades que visa à aquisição,

Leia mais

PARECER JURÍDICO N.º 22 / CCDR-LVT / Validade Parcialmente Válido JURISTA MARTA ALMEIDA TEIXEIRA GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

PARECER JURÍDICO N.º 22 / CCDR-LVT / Validade Parcialmente Válido JURISTA MARTA ALMEIDA TEIXEIRA GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS Validade Parcialmente Válido JURISTA MARTA ALMEIDA TEIXEIRA ASSUNTO GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS QUESTÃO A autarquia pretende obter esclarecimento relativamente à interpretação adequada do art. 26.º, da

Leia mais

Crédito e lançamento tributário

Crédito e lançamento tributário Crédito e lançamento tributário Levar o entendimento ao aluno sobre o que é, como se processa o crédito e as formas do lançamento do crédito tributário. Vamos lá, pessoal, na aula passada vimos a integração

Leia mais

Direito das Obrigações

Direito das Obrigações Direito das Obrigações Kauísa Carneiro ZANFOLIN RESUMO: Trata-se de obrigações das quais acarretam consequências jurídicas, são tratadas pela parte especial do Código Civil. Corresponde a uma relação de

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A aplicabilidade da norma jurídica frente o problema da revogação e o controle da constitucionalidade Rafael Damaceno de Assis SUMÁRIO: 1. Teoria da Norma Jurídica 2. Poder Constituinte

Leia mais

Conteúdo: Negócio Jurídico: Elementos; Planos; Teoria das Nulidades.

Conteúdo: Negócio Jurídico: Elementos; Planos; Teoria das Nulidades. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Civil (Parte Geral) / Aula 12 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Negócio Jurídico: Elementos; Planos; Teoria das Nulidades. 3. NEGÓCIO JURÍDICO: 3.4

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO P á g i n a 1 Questão 1. Hans Kelsen em sua obra Teoria Pura do Direito : I. Define a Teoria Pura do Direito como uma teoria do Direito positivo

Leia mais

Direito Empresarial. Aula 03. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Empresarial. Aula 03. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Empresarial Aula 03 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

1 Prazos de encaminhamento e de aprovação do projeto de LOA

1 Prazos de encaminhamento e de aprovação do projeto de LOA ESTUDO DE PONTOS CONTROVERSOS DA LOA Robison Carlos Miranda Pereira* Ementa: O objetivo deste estudo é apresentar a solução para três pontos controversos relacionados ao processo de elaboração e aprovação

Leia mais

1 CONCEITO DE DIREITO PENAL

1 CONCEITO DE DIREITO PENAL RESUMO DA AULA DIREITO PENAL APLICAÇÃO DA LEI PENAL PARTE 01 1 CONCEITO DE DIREITO PENAL; 2 FONTES DO DIREITO PENAL; 3 LEI PENAL; 4 INTERPRETAÇÃO DA LEI PENAL; 5 APLICAÇÃO DA LEI PENAL; 6 QUESTÕES COMENTADAS.

Leia mais

Hugo Goes Direito Previdenciário Módulo 02 Aula Direito Previdenciário para o Concurso do INSS

Hugo Goes Direito Previdenciário Módulo 02 Aula Direito Previdenciário para o Concurso do INSS Hugo Goes Direito Previdenciário Módulo 02 Aula 001-005 Direito Previdenciário para o Concurso do INSS Fontes Hierarquia (ordem de graduação) Autonomia (entre os diversos ramos) Aplicação (conflitos entre

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 8 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

MATERIAL DE APOIO 06. Efeitos do contrato relativamente a terceiros. Estipulação em favor de terceiro (arts )

MATERIAL DE APOIO 06. Efeitos do contrato relativamente a terceiros. Estipulação em favor de terceiro (arts ) 1 MATERIAL DE APOIO 06 RELATIVIDADE E EFEITOS DOS CONTRATOS Principal efeito: criar obrigações, estabelecendo um vínculo jurídico entre as partes contratantes contrato = fonte de obrigações. Como REGRA

Leia mais

Protocolo de Atuação no Relacionamento com funcionários públicos e autoridades públicas. Endesa Brasil

Protocolo de Atuação no Relacionamento com funcionários públicos e autoridades públicas. Endesa Brasil Protocolo de Atuação no Relacionamento com funcionários públicos e autoridades públicas Endesa Brasil ÍNDICE 3 3 3 3 4 6 6 1. Objeto 2. Alcance 3. Aplicação 4. Conceitos 5. Conteúdo 6. Responsabilidades

Leia mais

Direito Tributário. Aula 16. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Tributário. Aula 16. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Tributário Aula 16 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Sequencias e Series. Exemplo 1: Seja tal que. Veja que os dez primeiros termos estão dados por: ,,,,...,, ou seja que temos a

Sequencias e Series. Exemplo 1: Seja tal que. Veja que os dez primeiros termos estão dados por: ,,,,...,, ou seja que temos a Sequencias e Series Autor: Dr. Cristian Novoa MAF- PUC- Go cristiancalculoii@gmail.com Este texto tem como objetivo principal, introduzir alguns conceitos de Sequencias e Series,para os cursos de Engenharia,

Leia mais

REGIMES DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO DE TRABALHO

REGIMES DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO DE TRABALHO REGIMES DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO DE TRABALHO 1 1. EMENTA - Parecer sintético sobre COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO DE TRABALHO abrangendo aspectos gerais dos regimes de "BANCO DE HORAS", "SEMANA INGLESA" e "SEMANA

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 685/XII/4.ª

PROJECTO DE LEI N.º 685/XII/4.ª PROJECTO DE LEI N.º 685/XII/4.ª Altera o Código de Processo Penal, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 78/87, de 17 de Fevereiro, eliminando a possibilidade de julgamentos em processo sumário para crimes puníveis

Leia mais

Exemplos das Normas sobre Fumo

Exemplos das Normas sobre Fumo Exemplos das Normas sobre Fumo Exemplo 1: CRFB determina que a vida humana é o bem maior a se proteger; LC determina que é proibido fumar; LO estabelece que é permitido fumar. (Localize-se! Volte à pirâmide:

Leia mais

ENTENDA SEUS DIREITOS. O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas. O que é Banco de horas?

ENTENDA SEUS DIREITOS. O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas. O que é Banco de horas? ENTENDA SEUS DIREITOS O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas. O que é Banco de horas? O chamado banco de horas é uma possibilidade admissível de controle e compensação

Leia mais

Direito Empresarial. Aula 13. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Empresarial. Aula 13. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Empresarial Aula 13 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

PLANO DE CURSO 2012/1

PLANO DE CURSO 2012/1 Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2012/1 DISCIPLINA: DIREITO TRIBUTÁRIO PROFESSOR: JOÃO CLAUDIO GONÇALVES LEAL TURMA: 5º ANO INTEGRAL

Leia mais

Direito Tributário. Aula 09. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Tributário. Aula 09. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Tributário Aula 09 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Direito Empresarial. Aula 20. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Empresarial. Aula 20. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Empresarial Aula 20 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

ANÁLISE DAS PROVAS DO TRT/SP 2ª REGIÃO: DIREITO PROCESSUAL DO TRABAHO: Prof. Bruno Klippel 1. TJAA TÉCNICO JUDICIÁRIO ÁREA ADMINISTRATIVA:

ANÁLISE DAS PROVAS DO TRT/SP 2ª REGIÃO: DIREITO PROCESSUAL DO TRABAHO: Prof. Bruno Klippel 1. TJAA TÉCNICO JUDICIÁRIO ÁREA ADMINISTRATIVA: ANÁLISE DAS PROVAS DO TRT/SP 2ª REGIÃO: DIREITO PROCESSUAL DO TRABAHO: Prof. Bruno Klippel brunoklippel@estrategiaconcursos.com.br 1. TJAA TÉCNICO JUDICIÁRIO ÁREA ADMINISTRATIVA: Analisando as 6 (seis)

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 94, DE 2007

PROJETO DE LEI N o 94, DE 2007 PROJETO DE LEI N o 94, DE 2007 Dá nova redação ao art. 288 do Decreto-lei nº 2.848, de 07 de dezembro de 1940, Código Penal. Autor: Deputado NEILTON MULIM Relator: Deputado PINTO ITAMARATY I - RELATÓRIO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Secretaria da Modernização Administrativa e dos Recursos Humanos Conselho Estadual de Trânsito

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Secretaria da Modernização Administrativa e dos Recursos Humanos Conselho Estadual de Trânsito Parecer nº 01/2016 SPD nº 21043/2016 Processo nº 210443 Matéria Aplicação da medida administrativa do art. 167-CTB Tendo sido posto em votação na sessão do pleno do CETRAN/RS, do dia 05/04/2016, o voto

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 9 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

CFM informa sobre os direitos dos pacientes no SUS.

CFM informa sobre os direitos dos pacientes no SUS. CFM informa sobre os direitos dos pacientes no SUS. O Sistema Único de Saúde (SUS) é a forma como o Governo deve prestar saúde pública e gratuita a todo o cidadão. A ideia é ter um sistema público de

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS. Aula 12 - Threads e Concorrência em Java

PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS. Aula 12 - Threads e Concorrência em Java Aula 12 - Threads e Concorrência em Java Conteúdo Programático desta aula Aplicar os conceitos e threads, processos concorrentes e sincronização em pequenos programas. Aplicar e verificar os conceitos

Leia mais

Título: Validade da norma no ordenamento jurídico brasileiro

Título: Validade da norma no ordenamento jurídico brasileiro Título: Validade da norma no ordenamento jurídico brasileiro Davi Souza de Paula Pinto 1 SUMÁRIO: Introdução; I. A Validade Formal da Norma Jurídica; I.A. Quanto à Promulgação e Publicação; I.B. Quanto

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA AULA 03 FILIPE S. MARTINS

DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA AULA 03 FILIPE S. MARTINS AULA 03 FILIPE S. MARTINS ROTEIRO PROBLEMA DE PESQUISA HIPÓTESE JUSTIFICATIVA OBJETIVOS PROBLEMA DE PESQUISA O PROBLEMA É A MOLA PROPULSORA DE TODO O TRABALHO DE PESQUISA. DEPOIS DE DEFINIDO O TEMA, LEVANTA-SE

Leia mais

Conteúdo: Direitos da Personalidade - Direito ao Nome. Pessoa Jurídica.

Conteúdo: Direitos da Personalidade - Direito ao Nome. Pessoa Jurídica. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Civil (Parte Geral) / Aula 08 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Direitos da Personalidade - Direito ao Nome. Pessoa Jurídica. 4. Espécies de Direitos

Leia mais

Unidade I. Instituições de Direito Público e Privado. Profª. Joseane Cauduro

Unidade I. Instituições de Direito Público e Privado. Profª. Joseane Cauduro Unidade I Instituições de Direito Público e Privado Profª. Joseane Cauduro Estrutura da Disciplina Unidade I Conceitos Gerais de Direito O Direito e suas divisões, orientações e a Lei jurídica Unidade

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. ROBERTO BALESTRA) Altera os parágrafos 2º e 3º do art. 58 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, a fim

Leia mais

Princípios Orçamentários

Princípios Orçamentários 01. Acerca dos princípios orçamentários aceitos em nosso país, é incorreto afirmar a) a existência da separação do orçamento da União em fiscal, de investimento das estatais e da seguridade social não

Leia mais

Você não precisa decorar nada

Você não precisa decorar nada Que aprender inglês é importante e vai mudar a sua vida você já sabe, mas como aprender inglês e como fazer isso por conta própria? Nós separamos abaixo algumas dicas inéditas e que sem dúvida vão fazer

Leia mais

Constituição formal de empresa

Constituição formal de empresa Constituição formal de empresa Aula 02 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

PROFESSORA: CLAUDIA ROSA

PROFESSORA: CLAUDIA ROSA PROFESSORA: CLAUDIA ROSA 1- DEMONSTRAR DOMÍNIO DA MODALIDADE ESCRITA DA LÍNGUA PORTUGUESA; Usar linguagem coloquial não rola Tipo assim, use a norma culta da gramática! 2 COMPREENDER A PROPOSTA DE REDAÇÃO

Leia mais

Proposta de Redação Tema: Conto fantástico

Proposta de Redação Tema: Conto fantástico Proposta de Redação Tema: Conto fantástico Tema central: Criação de um conto fantástico Produção de texto Introdução: O conto fantástico é um gênero que tem como característica o fato de apresentar ou

Leia mais

Relação de Emprego. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Relação de Emprego. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Relação de Emprego Relação de Emprego e Relação de Trabalho Alguns têm dificuldades em diferenciar as expressões "relação de emprego" e "relação de trabalho, empregando-as, em alguns momentos, como sinônimos.

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 475, DE 2009

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 475, DE 2009 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 475, DE 2009 Altera o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940, para indicar hipóteses de ação penal pública incondicionada à representação. O CONGRESSO

Leia mais

CÓPIA. Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 10ª RF. Relatório RS PORTO ALEGRE SRRF10

CÓPIA. Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 10ª RF. Relatório RS PORTO ALEGRE SRRF10 Fl. 19 Fls. 6 5 Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 10ª RF Solução de Consulta nº 64 - Data 12 de julho de 2010 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: NORMAS DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

TEORIA GERAL DA EXECUÇÃO PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA EXECUÇÃO. Prof. Luis Fernando Alves

TEORIA GERAL DA EXECUÇÃO PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA EXECUÇÃO. Prof. Luis Fernando Alves 1 TEORIA GERAL DA EXECUÇÃO PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA EXECUÇÃO Prof. Luis Fernando Alves www.professorluisfernando.jur.adv.br 2 4. PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA EXECUÇÃO 4.1. PRINCÍPIOS DA NULLA EXECUTIO

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1.

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. CONCEITO DE FUNÇÃO... 2 IMAGEM DE UMA FUNÇÃO... 8 IMAGEM A PARTIR DE UM GRÁFICO... 12 DOMÍNIO DE UMA FUNÇÃO... 15 DETERMIAÇÃO DO DOMÍNIO... 15 DOMÍNIO A PARTIR DE UM GRÁFICO... 17 GRÁFICO DE UMA FUNÇÃO...

Leia mais

COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12:

COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12: COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12: Com a publicação do texto revisado da Norma Regulamentadora 12, em Dezembro de 2010 pela Portaria SIT 197 do Ministério do Trabalho e Emprego, surgiram

Leia mais

Oficina de Álgebra. Oficina CNI EF / Álgebra 1 Material do aluno. Setor de Educação de Jovens e Adultos. Caro aluno,

Oficina de Álgebra. Oficina CNI EF / Álgebra 1 Material do aluno. Setor de Educação de Jovens e Adultos. Caro aluno, _ Caro aluno, Oficina de Álgebra Objetiva-se, com essa atividade, que o uso da linguagem algébrica seja interpretado como um recurso que permite modelar uma situação-problema apresentada. As situações

Leia mais

Direito Penal. Erro de Tipo, Erro de Proibição e Erro sobre a Pessoa. Professor Joerberth Nunes.

Direito Penal. Erro de Tipo, Erro de Proibição e Erro sobre a Pessoa. Professor Joerberth Nunes. Direito Penal Erro de Tipo, Erro de Proibição e Erro sobre a Pessoa Professor Joerberth Nunes www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Penal ERRO DE TIPO, ERRO DE PROIBIÇÃO E ERRO SOBRE A PESSOA TÍTULO II

Leia mais

Tutorial para lançamento de notas pela secretaria

Tutorial para lançamento de notas pela secretaria Tutorial para lançamento de notas pela secretaria Conteúdo 1 Lançamento de nota e falta manualmente pela secretaria... 2 2 - Calcular a média das notas e faltas digitas pelos professores... 4 3 Alteração

Leia mais

OBRIGAÇÃO SOLIDÁRIA. Jéssica Araujo REINOL 1

OBRIGAÇÃO SOLIDÁRIA. Jéssica Araujo REINOL 1 OBRIGAÇÃO SOLIDÁRIA Jéssica Araujo REINOL 1 RESUMO: A obrigação solidária trabalha com a multiplicidade de credores e/ou devedores e esta é usada como uma forma de facilitar a solução ou cumprimento de

Leia mais

Nº da aula 02. Estudo da Sintaxe

Nº da aula 02. Estudo da Sintaxe Página1 Curso/Disciplina: Português para Concurso. Aula: Estudo da Sintaxe: Sujeito. Conceito; Classificações: sujeito determinado e indeterminado - 02 Professor (a): Rafael Cunha Monitor (a): Amanda Ibiapina

Leia mais

Princípio da Unidade e Universalidade. Aprovação do orçamento das entidades que integram o perímetro local.

Princípio da Unidade e Universalidade. Aprovação do orçamento das entidades que integram o perímetro local. Princípio da Unidade e Universalidade. Aprovação do orçamento das entidades que integram o perímetro local. Aplicação do SNC-AP ao Orçamento Municipal para 2017. Solicita-nos o Município ( ) a análise

Leia mais

Aula 11: Desvios e Laços

Aula 11: Desvios e Laços Aula 11: Desvios e Laços Nesta aula explicaremos alguns comandos que podem alterar o fluxo dos seus programas em JavaScript. Você aprenderá a estrutura dos comandos de desvios e laços. Entenderá como funcionam

Leia mais

Como se escreve? Expectativas de aprendizagem. Recursos e materiais necessários. Público-alvo: 3º ano. Duração: 4 aulas

Como se escreve? Expectativas de aprendizagem. Recursos e materiais necessários. Público-alvo: 3º ano. Duração: 4 aulas Como se escreve? nós na sala de aula - módulo: língua portuguesa 1º ao 3º ano - unidade 10 Antigamente a ortografia era vista apenas como um monte de regras que deviam ser decoradas, mas os estudos atuais

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Quando o aviso prévio termina na sexta-feira ou no sábado compensado, o empregado terá direito ao descanso

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Quando o aviso prévio termina na sexta-feira ou no sábado compensado, o empregado terá direito ao descanso Quando o aviso prévio termina na sexta-feira ou no sábado remunerado (DSR) 16/10/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3

Leia mais

REPRESENTAÇÃO PROCESSUAL DO EMPREGADOR DOMÉSTICO EM AUDIENCIA TRABALHISTA

REPRESENTAÇÃO PROCESSUAL DO EMPREGADOR DOMÉSTICO EM AUDIENCIA TRABALHISTA REPRESENTAÇÃO PROCESSUAL DO EMPREGADOR DOMÉSTICO EM AUDIENCIA TRABALHISTA Este trabalho tem por finalidade estudar os aspectos da representação processual trabalhista em foco da representação do empregador

Leia mais

SISTEMA DECIMAL. No sistema decimal o símbolo 0 (zero) posicionado à direita implica em multiplicar a grandeza pela base, ou seja, por 10 (dez).

SISTEMA DECIMAL. No sistema decimal o símbolo 0 (zero) posicionado à direita implica em multiplicar a grandeza pela base, ou seja, por 10 (dez). SISTEMA DECIMAL 1. Classificação dos números decimais O sistema decimal é um sistema de numeração de posição que utiliza a base dez. Os dez algarismos indo-arábicos - 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 - servem para

Leia mais

O DIREITO E A MORAL GUSTAVO GUSMÃO

O DIREITO E A MORAL GUSTAVO GUSMÃO O DIREITO E A MORAL GUSTAVO GUSMÃO O DIREITO E A MORAL Um dos temas mais interessantes abordados pela Filosofia Jurídica abrange a questão da relação entre o direito e a moral, permitindo uma infinita

Leia mais

UNIDADE 3. Ensino/aprendizagem e Novas tecnologias. Educação à distância: conceitos básicos. Olá turma! Bem-vindos de volta.

UNIDADE 3. Ensino/aprendizagem e Novas tecnologias. Educação à distância: conceitos básicos. Olá turma! Bem-vindos de volta. Olá turma! Bem-vindos de volta. UNIDADE 3 Educação à distância: conceitos básicos Ensino/aprendizagem e Novas tecnologias Você sabe o que são NTICs? Como elas poderiam auxiliar no seu processo de aprendizagem?

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 9 DOS BENS

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 9 DOS BENS INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 9 DOS BENS Índice 1. Dos Bens...3 1.1. Dos Bens considerados em si mesmos... 3 1.1.2. Bens Imóveis e Bens Móveis:... 3 1.1.2.1. Bens Fungíveis e Consumíveis...

Leia mais

DECRETO N.º 37/XIII. Artigo 1.º Objeto. Artigo 2.º Alteração à Lei n.º 32/2006, de 26 de julho

DECRETO N.º 37/XIII. Artigo 1.º Objeto. Artigo 2.º Alteração à Lei n.º 32/2006, de 26 de julho DECRETO N.º 37/XIII Regula o acesso à gestação de substituição, procedendo à terceira alteração à Lei n.º 32/2006, de 26 de julho (procriação medicamente assistida) A Assembleia da República decreta, nos

Leia mais

Progressões aritméticas

Progressões aritméticas A UUL AL A Progressões aritméticas Quando escrevemos qualquer quantidade de números, um após o outro, temos o que chamamos de seqüência. As seqüências são, freqüentemente, resultado da observação de um

Leia mais

Evolução do Direito das Obrigações

Evolução do Direito das Obrigações Evolução do Direito das Obrigações Até o apare i e to de Ro a como potência: Não havia entre os grupos tribais entendimento de direitos obrigacionais e individuais. Co o passar do te po, tor ou-se necessária

Leia mais

Etapas de uma Pesquisa

Etapas de uma Pesquisa Etapas de uma Pesquisa Planejamento Execução Divulgação Objetivos Justificativa Revisão Bibliográfica Metodologia Cronograma Projeto Coleta de dados Tabulação Analise Conclusão Relatório Relatório Apresentação

Leia mais

Distância entre duas retas. Regiões no plano

Distância entre duas retas. Regiões no plano Capítulo 4 Distância entre duas retas. Regiões no plano Nesta aula, veremos primeiro como podemos determinar a distância entre duas retas paralelas no plano. Para isso, lembramos que, na aula anterior,

Leia mais

Professora de Direito da FTEC - Novo Hamburgo/RS. Assessora Jurídica do PRÓ-SINOS.

Professora de Direito da FTEC - Novo Hamburgo/RS. Assessora Jurídica do PRÓ-SINOS. Orientação sobre a constituição dos Conselhos Municipais de Saneamento Básico para os municípios integrantes do Consórcio PRÓ-SINOS. O Controle Social no Saneamento Básico: constituição dos conselhos municipais,

Leia mais

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS DO 2º CICLO

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS DO 2º CICLO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS-2ºCICLO (PROVA 1. INTRODUÇÃO ESCRITA) Prova nº 06 O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino básico

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL DECISÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL DECISÃO DECISÃO Trata-se de pedido de medida liminar em mandado de segurança impetrado pela FEDERAÇÃO NACIONAL DAS EMPRESAS DE SEGURANÇA E TRANSPORTE DE VALORES (FENAVIST) contra ato do DIRETOR EXECUTIVO e da

Leia mais

«pretende abrir um gabinete jurídico na comarca de A Nessa sequência pretende colocar um letreiro no vidro do gabinete com os seguintes dizeres:

«pretende abrir um gabinete jurídico na comarca de A Nessa sequência pretende colocar um letreiro no vidro do gabinete com os seguintes dizeres: 1 Parecer nº 43/PP/2013-P Relator: Sr. Dr. Carlos Vasconcelos I - Por comunicação escrita, datada de 26 de Agosto de 2013, dirigida ao Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados, a Senhora Doutora

Leia mais

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades 7 ANO / ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS (LÍNGUA PORTUGUESA, REDAÇÃO, ARTES E

Leia mais

DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA BOLETIM 093/2014

DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA BOLETIM 093/2014 DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA ADM 207/2014-14/11/2014 BOLETIM 093/2014 Trabalho temporário tem novas normas de fiscalização definidas pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) Por meio da norma em

Leia mais

Oficina Geoplano. As atividades apresentadas têm o objetivo de desenvolver as seguintes habilidades:

Oficina Geoplano. As atividades apresentadas têm o objetivo de desenvolver as seguintes habilidades: Oficina Geoplano 1. Introdução O objetivo desta oficina é trabalhar com os alunos alguns conceitos ligados a medidas de comprimento e área de figuras planas, bem como investigar o Teorema de Pitágoras.

Leia mais

Direito Penal. Regimes penitenciários. Fixação do regime inicial da pena privativa de liberdade. Professor Adriano Kot

Direito Penal. Regimes penitenciários. Fixação do regime inicial da pena privativa de liberdade.  Professor Adriano Kot Direito Penal Regimes penitenciários. Fixação do regime inicial da pena privativa de liberdade Professor Adriano Kot www.acasadoconcurseiro.com.br www.estudaquepassa.com.br DIREITO PENAL PENAS PRIVATIVAS

Leia mais

GESTÃO RESPONSÁVEL EM FINAL DE MANDATO, COM FOCO NA LRF E NA LEI ELEITORAL

GESTÃO RESPONSÁVEL EM FINAL DE MANDATO, COM FOCO NA LRF E NA LEI ELEITORAL GESTÃO RESPONSÁVEL EM FINAL DE MANDATO, COM FOCO NA LRF E NA LEI ELEITORAL Resolução 002/2016/TCM/PA Analista de Controle Externo CLEBER MESQUITA VEDAÇÕES E PRAZOS EM ÚLTIMO ANO DE MANDATO Analista de

Leia mais

Prof. Me. Edson Guedes. Unidade II INSTITUIÇÕES DE DIREITO

Prof. Me. Edson Guedes. Unidade II INSTITUIÇÕES DE DIREITO Prof. Me. Edson Guedes Unidade II INSTITUIÇÕES DE DIREITO 5. Direito Civil Unidade II 5.1 Da validade dos negócios jurídicos; 5.2 Responsabilidade civil e ato ilícito; 5. Direito Civil 5.1 Da validade

Leia mais

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 4 JORNADA DE TRABALHO

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 4 JORNADA DE TRABALHO DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 4 JORNADA DE TRABALHO Índice 1. Jornada de trabalho...3 2. Formas de Prorrogação da Jornada de Trabalho...4 3. Horas Extras no Caso de Força Maior...5 4. Trabalho Noturno...6

Leia mais

Direito Empresarial. Aula 07. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Empresarial. Aula 07. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Empresarial Aula 07 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

CURSO ONLINE APERFEIÇOAMENTO EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL DE EMPRESAS

CURSO ONLINE APERFEIÇOAMENTO EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL DE EMPRESAS CURSO ONLINE APERFEIÇOAMENTO EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL DE EMPRESAS 1 1 Aula 5 - ASSEMBLEIA GERAL DE CREDORES E DIREITO DE VOTO PARTE 1 2 ASSEMBLEIA GERAL DE CREDORES NA RECUPERAÇÃO JUDICIAL E NA FALÊNCIA

Leia mais

DIREITO DO ENTRETENIMENTO Direito Autoral Professor: Attilio Gorini

DIREITO DO ENTRETENIMENTO Direito Autoral Professor: Attilio Gorini DIREITO DO ENTRETENIMENTO Direito Autoral Professor: Attilio Gorini Direito Autoral aula 2 UERJ 2016 (Entretenimento) Attilio Gorini gorini@dannemann.com.br http://entertainmentlawbrazil.com.br http://linkedin.com/in/gorini

Leia mais

Síntese e Alterações

Síntese e Alterações Síntese e Alterações O REGIMENTO ESCOLAR, enquanto documento administrativo e normativo, fundamenta-se nos propósitos, princípios e diretrizes definidos na PROPOSTA PEDAGÓGICA da escola, na legislação

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos Ao final desta apostila,

Leia mais

Fatorando o número 50 em fatores primos, obtemos a seguinte representação: = 50

Fatorando o número 50 em fatores primos, obtemos a seguinte representação: = 50 FATORAÇÃO DE EXPRESSÃO ALGÉBRICA Fatorar consiste em representar determinado número de outra maneira, utilizando a multiplicação. A fatoração ajuda a escrever um número ou uma expressão algébrica como

Leia mais

Aula10 O USO DO DICIONÁRIO. Izabel Silva Souza D Ambrosio. META Conscientizar os alunos do uso apropriado do dicionário

Aula10 O USO DO DICIONÁRIO. Izabel Silva Souza D Ambrosio. META Conscientizar os alunos do uso apropriado do dicionário Aula10 O USO DO DICIONÁRIO META Conscientizar os alunos do uso apropriado do dicionário OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Espero que você saiba quando recorrer ao dicionário e consiga, levando

Leia mais

CARTA-CIRCULAR Nº 731 Documento normativo revogado pela Carta-Circular 2.823, de 13/11/1998.

CARTA-CIRCULAR Nº 731 Documento normativo revogado pela Carta-Circular 2.823, de 13/11/1998. CARTA-CIRCULAR Nº 731 Documento normativo revogado pela Carta-Circular 2.823, de 13/11/1998. 12/03/1987. Documento normativo revogado parcialmente pela Carta-Circular 1.579, de Aos Bancos Comerciais e

Leia mais

Tribunais Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro Direito Civil Nilmar de Aquino

Tribunais Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro Direito Civil Nilmar de Aquino Tribunais Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro Direito Civil Nilmar de Aquino 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. Introdução Lei que regulamenta

Leia mais

IUS RESUMOS. Tributos e Competência Tributária. Organizado por: Samille Lima Alves

IUS RESUMOS. Tributos e Competência Tributária. Organizado por: Samille Lima Alves Tributos e Tributária Organizado por: Samille Lima Alves SUMÁRIO I. TRIBUTOS E COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA... 3 1. Caracterizando o tributo... 3 1.1 Conceito... 3 1.2 Classificação dos tributos... 4 2 tributária...

Leia mais

O que é terceirização?

O que é terceirização? TERCEIRIZAÇÃO A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (8) o projeto de lei 4330/2004, que regulamenta contratos de terceirização no mercado de trabalho. Agora, o projeto será encaminhado diretamente

Leia mais

O prazo para entrega de sugestões termina no dia 26 de dezembro de 2016.

O prazo para entrega de sugestões termina no dia 26 de dezembro de 2016. Nº de proc. 01/2016 Objeto (s) Regulamento Interno de Horário de Trabalho do ITQB Departamento responsável pela tramitação do procedimento Conselho de Gestão do ITQB Responsável pela Direção do procedimento

Leia mais

MATEMÁTICA APLICADA. Portanto, o preço do produto, nessa situação, varia entre 0 e R$ 5,00. 0 < P < R$ 5,00. Ao admitirmos P > 0, ocorre:

MATEMÁTICA APLICADA. Portanto, o preço do produto, nessa situação, varia entre 0 e R$ 5,00. 0 < P < R$ 5,00. Ao admitirmos P > 0, ocorre: MATEMÁTICA APLICADA Apresentação Caro aluno: A contextualização e a aplicação dos conteúdos matemáticos (já estudados) contemplarão o objetivo geral da disciplina Matemática Aplicada à Administração. Este

Leia mais

Sigilo Profissional. Maria Elisa Villas-Bôas FAMED, 2005

Sigilo Profissional. Maria Elisa Villas-Bôas FAMED, 2005 Sigilo Profissional Maria Elisa Villas-Bôas FAMED, 2005 Sigilo Profissional A confidencialidade e o respeito à privacidade como preceitos morais tradicionais dos profissionais de saúde e base da confiança,

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO nº 002/CTAF/BPMA (Transporte de Carvão Vegetal Nativo)

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO nº 002/CTAF/BPMA (Transporte de Carvão Vegetal Nativo) ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA DO CIDADÃO POLÍCIA MILITAR BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR AMBIENTAL Dr Fritz Müller CÂMARA TÉCNICA DE ASSUNTOS AGRO-FLORESTAIS CTAF

Leia mais

Anexo IV -Modelo de Declaração de Inexistência de Impedimentos para a participação em procedimentos de contratação pública

Anexo IV -Modelo de Declaração de Inexistência de Impedimentos para a participação em procedimentos de contratação pública Anexo IV -Modelo de Declaração de Inexistência de Impedimentos para a participação em procedimentos de contratação pública Declaração de inexistência de impedimentos a que se refere a alínea 4) nº 1.2

Leia mais

[ ], [estado civil], residente na [ ], contribuinte fiscal n.º [ ], portadora do cartão de cidadão

[ ], [estado civil], residente na [ ], contribuinte fiscal n.º [ ], portadora do cartão de cidadão CONTRATO DE ARRENDAMENTO COMERCIAL [ ], [estado civil], residente na [ ], contribuinte fiscal n.º [ ], portador do cartão de cidadão n.º [ ], válido até [ ], contrata na qualidade de locador, doravante

Leia mais

PRÊMIO. PMO do Ano 2014

PRÊMIO. PMO do Ano 2014 PRÊMIO PMO do Ano 2014 1. Objetivo da Premiação O prêmio PMO do Ano tem como objetivo reconhecer a excelência e a inovação no desenvolvimento e amadurecimento de PMOs (Project Management Offices), em seu

Leia mais

O DIREITO DAS OBRIGAÇÕES E SUAS RAMIFICAÇÕES NO CODIGO CIVIL BRASILEIRO

O DIREITO DAS OBRIGAÇÕES E SUAS RAMIFICAÇÕES NO CODIGO CIVIL BRASILEIRO O DIREITO DAS OBRIGAÇÕES E SUAS RAMIFICAÇÕES NO CODIGO CIVIL BRASILEIRO Maria Emiliana FRETES RESUMO: Tem por característica a Teoria Geral das Obrigações regimentar relações jurídicas de ordem patrimonial,

Leia mais