Se os pais constatam erros ortográficos, na escrita de seus filhos, como proceder? (de 2º ao 5º ano)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Se os pais constatam erros ortográficos, na escrita de seus filhos, como proceder? (de 2º ao 5º ano)"

Transcrição

1 ( 1 )

2 Página Introdução 3 Para que serve a lição de casa? 4 Qual a periodicidade e quantidade de lição de casa? 4 Como é a lição de casa? 5 Como a lição de casa é apresentada para os alunos? 5 Como é a devolutiva da lição de casa? Há controle? 5 Que tipo de atuação espera-se dos pais? 6 Se a criança não consegue realizar a tarefa, como os pais devem proceder? 6 Se os pais constatam erros ortográficos, na escrita de seus filhos, como proceder? (de 2º ao 5º ano) 7 Como é corrigida a lição de casa? 7 Existem lições para serem realizadas junto com os pais? 8 O que é importante que os pais assegurem para a execução da lição de casa? 9 Para concluir... 9 ( 2 )

3 A lição de casa é uma prática instalada na rotina escolar e, com algumas diferenças, acontece na grande maioria das escolas, sejam quais forem suas concepções de ensino e aprendizagem. No entanto, algumas vezes, a lição de casa costuma ser objeto de preocupação e desconforto. Para os pais, que têm como referência o seu próprio filho, a lição de casa recebe várias avaliações. Para alguns, é pouca tarefa, que é realizada em dez minutos e a criança não adquire hábitos de estudo. Para outros, a lição de casa não tem a qualidade desejada, seja porque é fácil demais, sem desafios aos alunos, ou porque a criança não consegue fazê-la sozinha, necessitando de ajuda, o que nem sempre é possível, pela falta de tempo ou mesmo pela dificuldade dos pais compreenderem a metodologia de ensino da escola, certamente diferente da sua época. Há ainda os filhos, que entre os pais e a escola, muitas vezes sentem-se desconfortáveis nesta situação. Alguns têm a crença de que só serão aceitos pela professora se suas lições estiverem completas, corretas e perfeitas. Isto causa ansiedade e sofrimento. Há outros que não se permitem errar e, portanto, não se permitem tentar, ousar, levantar hipóteses, pensar e fazer conforme aquilo que pensam. Sabemos também que há crianças que fazem da lição de casa um pretexto para ter a presença e atenção dos pais, apresentando uma suposta falta de autonomia, já que em sala de aula realizam sozinhas atividades semelhantes. Temos também, crianças que apresentam dificuldade com a organização de sua rotina diária e esquecem de fazer ou de trazer a lição. Isto é bastante perturbador para alguns e, portanto, ocorre esporadicamente. Para outros, ocorre com frequência e precisam de intervenções constantes, pois aparentam não se incomodar com a situação. Há ainda os que não se interessam pelas atividades de lição de casa, vão deixando para mais tarde, e acabam sem tempo para fazê-la ou fazendo sem qualidade. Por último, não podemos deixar de citar os alunos que realizam a tarefa com prazer, autonomia e tranquilidade. Considerando todo este contexto, é fundamental refletirmos e organizarmos esta atividade diária, tanto para pais, quanto para a escola. A seguir, há algumas questões que servem de orientação para este processo. ( 3 )

4 Para que serve a lição de casa? Hoje já sabemos que não aprendemos pela repetição mecânica e descontextualizada, mas pelo significado que atribuímos ao conteúdo estudado, pela capacidade adquirida para poder compreendê-lo, pelo seu uso nas situações dentro e fora da escola, pelo envolvimento que podemos ter com o objeto de estudo. Desta forma, propor ao aluno que perceba seu processo de aprendizagem, também nos momentos em que se dedica à realização das lições de casa, é algo muito eficaz. No T5 e 1º ano o grande objetivo é desenvolver a postura de estudante na realização da lição de casa: sentir-se responsável pela tarefa, realizar a atividade escolar num outro ambiente que não na escola, organizar-se, fazer com certa autonomia, compartilham com os pais o que estão aprendendo na escola e aprender a estudar fora dela. A partir do 2º ano, a lição de casa, além do desenvolvimento da postura de estudante, tem o objetivo de sistematizar conceitos já trabalhados e antecipar conteúdos que serão tratados em sala de aula. Qual a periodicidade e quantidade de lição de casa? A quantidade de lição de casa vai aumentando de forma gradativa. No T5 é proposta, inicialmente, uma vez por semana e, no segundo semestre, duas vezes. A partir do 1º ano, ela acontece todos os dias, exceto às sextasfeiras. A quantidade estabelecida pela escola é variada, sendo sempre planejada e fundamentada no objetivo que se pretende com a lição. ( 4 )

5 Como é a lição de casa? Além das atividades na apostila, nos livros didáticos, no caderno e em fichas avulsas, a lição de casa pode incluir pesquisas. Normalmente as pesquisas são pedidas com um roteiro e algumas sugestões para consulta. É essencial que a criança leia o que selecionou antes de trazer para a aula, e que indique a fonte de pesquisa. É importante estimular a consulta em livros, não apenas na internet. Estas propostas são normalmente solicitadas com um tempo maior para sua realização. Como a lição de casa é apresentada para os alunos? A lição é lida coletivamente e explicada pelos professores todos os dias. Eles conversam com os alunos, verificam se todos compreenderam a proposta e, algumas vezes, antecipam algumas dúvidas com o grupo de alunos. Como é a devolutiva da lição de casa? Há controle? Diariamente a lição de casa é discutida e socializada com os alunos. Os professores têm instrumentos para fazer o controle da entrega das lições, para poder intervir e promover avanços, tanto nas questões conceituais como em relação à postura de estudante. Para os alunos que, por ventura, não fazem a lição de casa, o professor busca deixar clara a diferença entre não fazer a lição ou parte dela, porque tentou e não conseguiu, trazendo suas dúvidas para sala de aula; e não trazer a lição por motivos que demonstram descompromisso. Nestes casos, conversamos com os alunos para entender os motivos pelos quais a lição não foi realizada, já que a responsabilidade é do aluno e uma atitude que precisa ser desenvolvida por ele. Comunicamos aos pais, pela agenda e se necessário entramos em contato para resolver o problema em conjunto. ( 5 )

6 Que tipo de atuação espera-se dos pais? É importante que os pais se interessem pelas atividades do filho. No entanto, interessar-se não significa assumir para si a obrigação de ensinar à criança conceitos e procedimentos que são de competência da escola. A lição de casa deve ser encarada como elemento integrante do processo de desenvolvimento da autonomia do aluno. A participação dos pais pode ser interessante para uma consulta rápida da criança, um esclarecimento qualquer, mas não para retomar as aulas ou explicar o conteúdo. Se a criança não consegue realizar a terefa, como os pais devem proceder? Num primeiro momento, deve-se conversar com a criança e verificar o tipo de dúvida que ela apresenta. Em seguida, ler novamente o enunciado com ela. Se perceber que há uma falta de compreensão em relação ao conteúdo, o ideal é pedir que leve para a escola em branco e coloque a dúvida para a professora. Uma estratégia que dá certo é o apoio dos pais escrevendo um bilhete para a professora na agenda, junto com a criança, explicando a razão pela qual não realizou determinada atividade. De forma geral, a experiência nos mostra que, na maioria das vezes, a criança pede ajuda porque tem medo de errar e ainda tem dificuldade em vivenciar a situação de expor isto ao professor e aos colegas de classe. Apenas com esta vivência, ela poderá perceber que sua tarefa é valorizada pela sua disponibilidade de pensar e buscar soluções com autonomia e não só por apresentar respostas corretas. Desta forma, a ansiedade e a exigência transmitidas pelos pais também podem prejudicar o processo. Quando a criança solicita muita ajuda para realizar a lição de casa, os pais devem comunicar à escola para que os motivos sejam analisados, pois cada situação envolve soluções diferenciadas. Esta comunicação é feita também pela agenda, sempre com o consentimento de seu filho para que ele esteja a par de seu próprio processo de aprendizagem. ( 6 )

7 A lição de casa é um dos instrumentos que permite ao aluno desenvolver sua autonomia para aprender, e isto só poderá acontecer se esta for vivenciada como uma tarefa individual dele. Se os pais constatam erros ortográficos na escrita de seus filhos, como proveder? (do 2º ao 5º ano) Na maioria das situações, os pais não devem intervir na escrita da criança, pois as intervenções devem estar adequadas aos contextos específicos de cada aluno. Quando há um questionamento da criança a respeito da escrita correta de determinada palavra, os pais podem informar ou dar alguma dica. Outra possibilidade ao constatarem erros de ortografia é sugerir que a criança faça uma revisão do que está escrito, sem apontar diretamente o erro. Como é corrigida a lição de casa? O tipo de correção realizada varia de acordo com o objetivo e o formato da lição. Desta forma, podemos romper com a ideia de que o aluno faz a lição somente para o professor corrigir, estabelecendo assim uma relação mecânica e sem significado com o conhecimento. A relação democrática na sala de aula, o clima de confiança recíproca entre professor e alunos e a compreensão de que o erro é um caminho necessário para aprender, são construídos desta forma. Do T5 ao 1º ano, as lições são compartilhadas e há sempre um olhar cuidadoso e individualizado do professor. A partir do 2º ano, a lição é corrigida diariamente e as estratégias utilizadas dependem da proposta e da faixa etária das crianças. Em algumas situações, ela é discutida com o grupo; em outras, os alunos já começam a colocar em jogo procedimentos de correção, fazendo isto de forma coletiva, em duplas ou individualmente. As situações em que o professor corrige individualmente as lições das crianças também acontecem. De qualquer forma, a correção é um momento que traz muitas possibilidades de reflexão, durante o qual são apresentadas as diferentes resoluções obtidas pela turma. ( 7 )

8 A correção realizada na lição de casa, a partir do 2º ano, segue os padrões estabelecidos pela escola: Anotação Critérios de correção D (diagnóstico) Sem intervenção escrita na produção do aluno. Atividade para análise e estudo do professor. Visto do professor/ auxiliar Visto do aluno (autocorreção) Correção com base nos objetivos pedagógicos do ano/trimestre. Atividade para que o aluno saiba e trabalhe suas dificuldades e o professor avalie o desempenho de cada um. Correção feita pelo próprio aluno. O foco da correção depende do objetivo da atividade. Nem tudo é corrigido neste momento. O objetivo é que o aluno aprenda o procedimento de correção. Existem lições para serem realizadas junto com os pais? Esporadicamente, os alunos levam para casa tarefas que demandam entrevistas, conversas ou até a realização de alguma atividade com a família (pais, avós, irmãos). Neste caso, a lição é enviada com mais de um dia de antecedência e tem como objetivo que os alunos desenvolvam procedimentos de buscar informação, coletar dados e registrá-los. ( 8 )

9 O que é importante que os pais assegurem para a execução da lição de casa? É essencial que assegurem a adequação do ambiente destinado ao estudo: longe das distrações, boa iluminação, mesa e cadeira (evitar que trabalhem na cama ou no chão). Para algumas crianças também é importante estabelecer um horário específico para a realização desta tarefa. As crianças menores exigem uma participação mais ativa, com apoio, inclusive, para sua organização em casa. À medida que vão avançando na idade e na escolaridade, estes procedimentos vão sendo incorporados e vividos com mais autonomia pelos alunos e, assim, o papel dos pais passa a ser apenas de supervisor deste processo. Para concluir... Este material foi elaborado a partir das reflexões de nossa equipe e de questionamentos frequentes dos pais em relação a este tema. Acreditamos que a aprendizagem de conceitos acontece em um processo contínuo, cuidado e assistido pelo professor em situações de sala de aula. A lição de casa representa apenas uma parte deste longo processo de aprendizagem. Vale lembrar que estamos sempre abertos para esclarecer as dúvidas e conversar sobre esta importante parceria: família e escola. Equipe pedagógica da Escola Santi ( 9 )

10 ( 10 )

o que é? Resgatar um conteúdo trabalhado em sala de aula, por meio de novas aplicações ou exercícios

o que é? Resgatar um conteúdo trabalhado em sala de aula, por meio de novas aplicações ou exercícios lição de casa F1 o que é? É um recurso didático que o professor propõe aos alunos para potencializar a relação dele com o objeto de conhecimento. A lição pode ter vários objetivos: Resgatar um conteúdo

Leia mais

A lição de casa. na Escola Santi

A lição de casa. na Escola Santi A lição de casa página Introdução 3 Para que serve a lição de casa? 4 Qual a periodicidade e quantidade de lição de casa? 4 Como é a lição de casa? 5 Como a lição de casa é apresentada para os alunos?

Leia mais

Chama-se revisão de texto o conjunto de procedimentos por meio dos quais um texto é trabalhado até o ponto

Chama-se revisão de texto o conjunto de procedimentos por meio dos quais um texto é trabalhado até o ponto Chama-se revisão de texto o conjunto de procedimentos por meio dos quais um texto é trabalhado até o ponto em que se decide que está, para o momento, suficientemente bem escrito. PCNs, 1997:80 Constitui-se

Leia mais

Aluno(a): / / Cidade Polo: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA

Aluno(a): / / Cidade Polo:   CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA Preencha o GABARITO: 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 Observação: Nesta atividade há 10 (dez) questões de múltipla

Leia mais

Formador Escolar: acompanhamento do uso coletivo do material Trilhas

Formador Escolar: acompanhamento do uso coletivo do material Trilhas Instrumento para acompanhar o uso coletivo do conjunto de material TRILHAS, as práticas de leitura realizadas e o acesso das crianças aos livros. Verificar a circulação dos materiais na escola, o planejamento

Leia mais

Caderno de apoio Alunos e Pais

Caderno de apoio Alunos e Pais Caderno de apoio Alunos e Pais ÍNDICE Apresentação... 3 Aprofunde os conteúdos vistos em sala de aula... 4 Amplie as fontes de pesquisas... 4 Aprenda com recursos interativos e linguagens diferenciadas...

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO INTRODUÇÃO As diferentes unidades que compõem o conjunto de cadernos, visam desenvolver práticas de ensino de matemática que favoreçam as aprendizagens dos alunos. A

Leia mais

Neste inicio de ano letivo, pedimos que leia este documento com a devida atenção! Muito obrigado desde já, e bem vindos ao novo ano letivo.

Neste inicio de ano letivo, pedimos que leia este documento com a devida atenção! Muito obrigado desde já, e bem vindos ao novo ano letivo. Neste inicio de ano letivo, pedimos que leia este documento com a devida atenção! Muito obrigado desde já, e bem vindos ao novo ano letivo. Adaptação dos pais Para melhor informar o seu filho, ajudá-lo

Leia mais

VIVENCIANDO UM CONCURSO PÚBLICO: UMA OUTRA VISÃO PARA AS PROVAS. E.M. Antônio Coelho Ramalho

VIVENCIANDO UM CONCURSO PÚBLICO: UMA OUTRA VISÃO PARA AS PROVAS. E.M. Antônio Coelho Ramalho VIVENCIANDO UM CONCURSO PÚBLICO: UMA OUTRA VISÃO PARA AS PROVAS. E.M. Antônio Coelho Ramalho Professor(es) Apresentador(es): Mila Zeiger Pedroso Marli Alves Dos Santos Realização: Foco do Projeto Utilização

Leia mais

INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA. TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada

INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA. TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada O aprendizado e a progressão da criança dependerão do processo por ela desenvolvido,

Leia mais

COMO MONTAR MEU HORÁRIO DE ESTUDO? O meu horário ATUAL de estudo

COMO MONTAR MEU HORÁRIO DE ESTUDO? O meu horário ATUAL de estudo COMO MONTAR MEU HORÁRIO DE ESTUDO? O meu horário ATUAL de estudo Preencha este horário segundo a distribuição de tempo que você tem a intenção de fazer: Pinte de vermelho o tempo ocupado em aulas; Pinte

Leia mais

Palavras-chave: Subprojeto PIBID da Licenciatura em Matemática, Laboratório de Educação Matemática, Formação de professores.

Palavras-chave: Subprojeto PIBID da Licenciatura em Matemática, Laboratório de Educação Matemática, Formação de professores. 00465 A IMPLANTAÇÃO DE UM LABORATÓRIO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM UMA ESCOLA PÚBLICA Regina Helena Munhoz Professora Adjunta Departamento de Matemática UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina RESUMO

Leia mais

Aula 6 Livro físico.

Aula 6 Livro físico. Conteúdos da aula 1. Material didático 2. Formatos 3. 2 1. Material didático Nessa aula, teremos como foco a apresentação do material didático da etb Material didático pode ser definido amplamente como

Leia mais

Melhorar as aprendizagens e consolidar conhecimentos. Colmatar as dificuldades ao nível da compreensão oral e escrita.

Melhorar as aprendizagens e consolidar conhecimentos. Colmatar as dificuldades ao nível da compreensão oral e escrita. Escola Secundária Abel Salazar Sala de Estudo DEFINIÇÃO Pretende-se que a Sala de Estudo seja um espaço com um ambiente educativo diferente daquele a que o aluno está habituado a vivenciar nas áreas curriculares

Leia mais

Inquérito por questionário Alunos

Inquérito por questionário Alunos Inquérito por questionário Alunos INSTRUÇÕES A seguir apresentamos-te um conjunto de perguntas sobre as tuas aulas. Não há respostas certas nem erradas, por isso pedimos-te que respondas com verdade. Obrigado

Leia mais

AFINAL, O QUE É SITUAÇÃO DIDÁTICA?

AFINAL, O QUE É SITUAÇÃO DIDÁTICA? AFINAL, O QUE É SITUAÇÃO DIDÁTICA? O planejamento consiste em sistematizar o trabalho docente na intenção de ajudar o aluno a desenvolver competências e habilidades que deem significação para efetivação

Leia mais

Pautado do Plano de Referência da Ed. Básica do Município de Barueri.

Pautado do Plano de Referência da Ed. Básica do Município de Barueri. Plano de aula Pautado do Plano de Referência da Ed. Básica do Município de Barueri. O Plano de Aula é uma previsão de atividades articuladas ao plano de ensino, porém desenvolvido em etapas sequenciais,

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA RETA REAL POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO CONSIDERANDO A METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: ALGUMAS REFLEXÕES1 1

A CONSTRUÇÃO DA RETA REAL POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO CONSIDERANDO A METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: ALGUMAS REFLEXÕES1 1 A CONSTRUÇÃO DA RETA REAL POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO CONSIDERANDO A METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: ALGUMAS REFLEXÕES1 1 Paula Maria Dos Santos Pedry 2, Sandra Beatriz Neuckamp 3, Andréia De Fátima

Leia mais

PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016

PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016 PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016 Tema: Cuidando de mim, do outro e do meio Mês: Novembro Habilidade Sócio emocional: Este projeto visa promover atividades e dinâmicas que estimulem os alunos a valorizar os

Leia mais

Como se escreve? Expectativas de aprendizagem. Recursos e materiais necessários. Público-alvo: 3º ano. Duração: 4 aulas

Como se escreve? Expectativas de aprendizagem. Recursos e materiais necessários. Público-alvo: 3º ano. Duração: 4 aulas Como se escreve? nós na sala de aula - módulo: língua portuguesa 1º ao 3º ano - unidade 10 Antigamente a ortografia era vista apenas como um monte de regras que deviam ser decoradas, mas os estudos atuais

Leia mais

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias Ano 02

Leia mais

Manual Geral de Aplicação Universal Entrada 2008

Manual Geral de Aplicação Universal Entrada 2008 Universal Entrada 2008 Programa Programa - Manual do Aplicador Teste Universal - 2008 Teste Cognitivo Leitura/Escrita e Matemática Caro alfabetizador(a): Se você está recebendo este material, é porque

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Gestão Escolar IV Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º 1 - Ementa (sumário, resumo) Dimensões da participação: política,

Leia mais

7 DICAS PARA CRIAR UM FILHO RESPONSÁVEL

7 DICAS PARA CRIAR UM FILHO RESPONSÁVEL 7 DICAS PARA CRIAR UM FILHO RESPONSÁVEL É preciso ensinar o filho a ter responsabilidade desde cedo: O quarto do seu filho é uma bagunça sem fim? Ele vive perdendo os materiais escolares ou quebrando seus

Leia mais

"Jardim um mundo para os animais pequenos." E.E. Profº Nidelse martins de almeida

Jardim um mundo para os animais pequenos. E.E. Profº Nidelse martins de almeida "Jardim um mundo para os animais pequenos." E.E. Profº Nidelse martins de almeida Professor(es) Apresentador(es): Viviane Cristina Dalfre Realização: Foco do Projeto A leitura para aprender mais, ou seja,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM OBJETO DE APRENDIZAGEM SOBRE O CUSTO DO BANHO

DESENVOLVIMENTO DE UM OBJETO DE APRENDIZAGEM SOBRE O CUSTO DO BANHO DESENVOLVIMENTO DE UM OBJETO DE APRENDIZAGEM SOBRE O CUSTO DO BANHO Antônio Vicente Lima Porto (porto@unifra.br) Iuri Medeiros Jauris (iuri.jauris@gmail.com) Solange Binotto Fagan (sfagan@unifra.br) Laboratório

Leia mais

O verbo estudar implica em usar a inteligência para aprender, guardar na memória, decorar, memorizar, pensar sobre (algo), meditar e refletir.

O verbo estudar implica em usar a inteligência para aprender, guardar na memória, decorar, memorizar, pensar sobre (algo), meditar e refletir. ORIENTAÇÕES DE ESTUDO DE MATEMÁTICA AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE 2016 7º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Iniciamos o ano letivo aprendendo que é necessário adquirir o hábito de estudar e praticar o que já

Leia mais

A Leitura a par Criar um relacionamento positivo

A Leitura a par Criar um relacionamento positivo A Leitura a Par A Leitura a par Criar um relacionamento positivo - Apresente-se. Fale um pouco de si. Se quiser pode falar do seu gosto pelos livros e pela leitura. - Procure conhecer a criança fazendo

Leia mais

Ensinar e aprender História na sala de aula

Ensinar e aprender História na sala de aula Ensinar e aprender História na sala de aula Séries iniciais do Ensino Fundamental Ensino de História nas séries iniciais do Ensino Fundamental Por que estudar História? Quais ideias os educandos possuem

Leia mais

COLÉGIO SANTA MARIA 2017 CULTIVAR E GUARDAR A CRIAÇÃO 3º ANO

COLÉGIO SANTA MARIA 2017 CULTIVAR E GUARDAR A CRIAÇÃO 3º ANO COLÉGIO SANTA MARIA 2017 CULTIVAR E GUARDAR A CRIAÇÃO 3º ANO - 2017 Nosso trabalho... Com o objetivo de solidificar e ampliar os conhecimentos construídos e descobertos pela criança no ciclo inicial, apostamos

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA TITULO I DO ESTÁGIO E SEUS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA TITULO I DO ESTÁGIO E SEUS OBJETIVOS REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA TITULO I DO ESTÁGIO E SEUS OBJETIVOS CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO E ABRANGÊNCIA ART. 1º - Denomina-se

Leia mais

Abordagem Construtivista da alfabetização. Aula de 02/05/2010

Abordagem Construtivista da alfabetização. Aula de 02/05/2010 Abordagem Construtivista da alfabetização Aula de 02/05/2010 Dicas práticas para o planejamento do trabalho 1. LEIA EM VOZ ALTA TODOS OS DIAS... Textos literários: contos tradicionais, histórias contemporâneas,

Leia mais

Hábitos de Estudo. 1. Onde estudar?

Hábitos de Estudo. 1. Onde estudar? Hábitos de Estudo Queridos alunos, Você sabe estudar? Estudar deve ser um hábito como escovar os dentes, comer e dormir? Qual o lugar apropriado para estudar? É adequado estudar da mesma forma para as

Leia mais

I. Pensando Enem º ano do Ensino Fundamental e 1ª, 2ª e 3ª séries do Ensino Médio

I. Pensando Enem º ano do Ensino Fundamental e 1ª, 2ª e 3ª séries do Ensino Médio Prezado(a) diretor(a) e coordenador(a), São Paulo, janeiro de 2017. Comunicamos que, em 2017, o Sistema Mackenzie de Ensino disponibilizará às escolas parceiras os materiais didáticos que servirão de apoio

Leia mais

INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE PROPOSTA DE CONCURSO: SOLETRANDO

INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE PROPOSTA DE CONCURSO: SOLETRANDO INSTITUTO Programa de Desenvolvimento BRASIL da Educação SOLIDÁRIO - PDE PROPOSTA DE CONCURSO: SOLETRANDO Ler e escrever, não são capacidades natas. Precisam ser realizadas em situações reais, onde se

Leia mais

FIGURAS PLANAS E ESPACIAIS

FIGURAS PLANAS E ESPACIAIS CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA (4º E 5º ANOS) PROFESSORA ANDRESSA CESANA CEUNES/UFES/DMA FIGURAS PLANAS E ESPACIAIS AGOSTO DE 2015 A PEDAGOGIA DO TEXTO é

Leia mais

Avaliar com eficácia e eficiência

Avaliar com eficácia e eficiência Vasco Pedro Moretto Avaliar com eficácia e eficiência Avaliar a aprendizagem tem sido um tema angustiante para professores e estressante para alunos O sistema escolar gira em torno desse processo e tanto

Leia mais

Volta as aulas: como melhorar essa rotina

Volta as aulas: como melhorar essa rotina Volta as aulas: como melhorar essa rotina Para escola e professores essa é a hora de conhecer os alunos, planejar e organizar projetos que tornem a aprendizagem mais interessante para alunos tão antenados

Leia mais

PLANO DE GESTÃO ESCOLAR PLEITO A 2018

PLANO DE GESTÃO ESCOLAR PLEITO A 2018 PLANO DE GESTÃO ESCOLAR PLEITO - 2016 A 2018 NOVA ANDRADINA MS SETEMBRO/2015 ABMAEL ROCHA JUNIOR ROSIMEIRE DA SILVA OLIVEIRA E. E. PROFESSORA FÁTIMA GAIOTTO SAMPAIO PROJETO GESTÃO ESCOLAR PLEITO 2016 A

Leia mais

Ana Maria de Jesus Ferreira DINÂMICA GRUPAL. No processo ensino-aprendizagem

Ana Maria de Jesus Ferreira DINÂMICA GRUPAL. No processo ensino-aprendizagem Ana Maria de Jesus Ferreira DINÂMICA GRUPAL No processo ensino-aprendizagem Rio de Janeiro 2005 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO VEZ DO MESTRE DINÂMICA GRUPAL OBJETIVOS: Estudar

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NA SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES DOS ALUNOS COM A MATEMÁTICA

CONTRIBUIÇÕES DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NA SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES DOS ALUNOS COM A MATEMÁTICA CONTRIBUIÇÕES DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NA SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES DOS ALUNOS COM A MATEMÁTICA Daniele André da Silva Universidade Estadual da Paraíba daniandre2011@gmail.com RESUMO: O objetivo deste

Leia mais

TÍTULO: AS ATIVIDADES PRATICAS NOS LIVROS DE CIENCIAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

TÍTULO: AS ATIVIDADES PRATICAS NOS LIVROS DE CIENCIAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS TÍTULO: AS ATIVIDADES PRATICAS NOS LIVROS DE CIENCIAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHANGUERA DE SÃO PAULO AUTOR(ES): PRISCA

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE GEOGRAFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE GEOGRAFIA Nome: Nº 2 a. Série Data: / /2017 Professores: Adriana, Fabiana e Nelson Nota: (valor: 1,0) 1º bimestre A - Introdução Neste bimestre, sua média foi inferior a 6,0 e

Leia mais

PEDAGOGIA MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012

PEDAGOGIA MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012 PEDAGOGIA MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2º Semestre de 2012 COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenadoria Geral de Estágios Prof. Ricardo Constante Martins Coordenador

Leia mais

6 Dicas De Liderança Para Fazer Uma Ótima Gestão De Equipes Externas

6 Dicas De Liderança Para Fazer Uma Ótima Gestão De Equipes Externas 6 Dicas De Liderança Para Fazer Uma Ótima Gestão De Equipes Externas Uma grande parte do sucesso da gestão de pessoas se deve a capacidade dos gestores de liderar. E realmente essa é uma tarefa bem difícil

Leia mais

Eletiva A volta ao mundo através dos jogos

Eletiva A volta ao mundo através dos jogos Eletiva A volta ao mundo através dos jogos E.E. Princesa Isabel Sala 14 / 2ª. Sessão Professor(es) Apresentador(es): Cristina Viecelli Costa do Nascimento Jairo Augusto Fernandes Realização: Foco Por meio

Leia mais

Didática: diálogos com a prática educativa

Didática: diálogos com a prática educativa Didática: diálogos com a prática educativa O sonho de todo professor é dar uma aula atrativa para os alunos, conquistando a atenção dos educandos e o interesse para a construção de uma aprendizagem significativa.

Leia mais

RITA RAPOSO - PSICÓLOGA EDUCACIONAL

RITA RAPOSO - PSICÓLOGA EDUCACIONAL RITA RAPOSO - PSICÓLOGA EDUCACIONAL índice 1. Causas do insucesso 2. Boas práticas parentais 3. Criar uma rotina de estudo 4. Gestão do tempo de estudo 5. Regras na planificação do estudo 6. Regras para

Leia mais

APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais

APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais INTRODUÇÃO Para o ensino de Ciências Naturais é necessária a construção

Leia mais

Orientações Educação Infantil e Ensino Fundamental I

Orientações Educação Infantil e Ensino Fundamental I Orientações 2017 Educação Infantil e Ensino Fundamental I Sumário Orientações sobre nosso dia a dia... 5 Saúde e bem-estar... 8 Atividades Especiais... 9 Reuniões...10 Orientações sobre nosso dia a dia

Leia mais

Período ATIVIDADE OBJETIVO Responsabilidade Local

Período ATIVIDADE OBJETIVO Responsabilidade Local Período ATIVIDADE OBJETIVO Responsabilidade Local Durante todo Estágio (Teórica e prática) Março a junho 2013 Mês de março e abril de 2013 25 a 31 março Preparação para o ingresso no Estágio Leitura obrigatória

Leia mais

Plano de Aulas - Ciências Andréa Barreto

Plano de Aulas - Ciências Andréa Barreto Plano de Aulas - Ciências Andréa Barreto Introdução Neste livro, estarei colocando um plano de aula de Ciências que utilizei em sala de aula. Os planos de aula estão estruturados segundo uma lógica da

Leia mais

Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL

Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL Aluna: Iara Escandiel Colussi Data: 12/06/2015 Introdução Este projeto apresenta algumas situações de dificuldade

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE GEOGRAFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE GEOGRAFIA Nome: Nº 2 a. Série Data: / /2016 Professores: Adriana, Fabiana e Nelson Nota: (valor: 1,0) 1º bimestre A - Introdução Neste bimestre, sua média foi inferior a 6,0 e

Leia mais

Um Mundo de Letras. Nível de Ensino/Faixa Etária: Formação de Professores. Áreas Conexas: Português (Alfabetização) Consultor: Angelita Machado

Um Mundo de Letras. Nível de Ensino/Faixa Etária: Formação de Professores. Áreas Conexas: Português (Alfabetização) Consultor: Angelita Machado Um Mundo de Letras Nível de Ensino/Faixa Etária: Formação de Professores Áreas Conexas: Português (Alfabetização) Consultor: Angelita Machado RESUMO Este vídeo apresenta 5 episódios: Um mundo imerso em

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ SEMINÁRIO DE DOCÊNCIA SUPERIOR AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR Profª Teresa Christina Torres S.Honório Teresina/2015 AGENDA DE APRESENTAÇÃO Elementos indispensáveis

Leia mais

O QUE MUDOU AO LONGO DO TEMPO - PROJETO DE TRABALHO

O QUE MUDOU AO LONGO DO TEMPO - PROJETO DE TRABALHO O QUE MUDOU AO LONGO DO TEMPO - PROJETO DE TRABALHO Katherine Scheeffer de Almeida Bucher. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

Leia mais

Orientações para a realização dos estágios de observação de aulas

Orientações para a realização dos estágios de observação de aulas "Campus de São José do Rio Preto Departamento: Educação Curso: Licenciatura em Letras (diurno e noturno) Disciplina: Estágios Curriculares Supervisionados I: Língua Estrangeira obrigatória /anual Carga

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Licenciatura EM educação básica intercultural TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Licenciatura EM educação básica intercultural TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Licenciatura EM educação básica intercultural TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º - O Estágio Supervisionado de que trata este regulamento refere-se à formação de

Leia mais

Água em Foco Introdução

Água em Foco Introdução Água em Foco Introdução O Água em Foco tem como principais objetivos: (I) a formação inicial, com os alunos do Curso de Licenciatura em Química da UFMG, e continuada de professores, para trabalhar com

Leia mais

CUBRA 12: CONTRIBUIÇÕES PARA O CÁLCULO MENTAL COM AS QUATRO OPERAÇÕES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

CUBRA 12: CONTRIBUIÇÕES PARA O CÁLCULO MENTAL COM AS QUATRO OPERAÇÕES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL CUBRA 12: CONTRIBUIÇÕES PARA O CÁLCULO MENTAL COM AS QUATRO OPERAÇÕES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL (Francinaldo de Meireles Silveira - Autor; Franciclaudio de Meireles Silveira - Coautor; Eduardo da

Leia mais

NOME DO ACADÊMICO (A) RELATÓRIO PARCIAL DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL PONTA PORÃ/MS ANO

NOME DO ACADÊMICO (A) RELATÓRIO PARCIAL DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL PONTA PORÃ/MS ANO NOME DO ACADÊMICO (A) RELATÓRIO PARCIAL DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL PONTA PORÃ/MS ANO NOME DO ACADÊMICO (A) RELATÓRIO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL Trabalho apresentado à

Leia mais

Metodologia do Ensino

Metodologia do Ensino Metodologia do Ensino Prof. Eduardo Henrique de M. Lima Definições: - Planejamento é uma necessidade constatnte em todas as áreas da atividade humana; - Planejar é analisar uma dada realidade, refletindo

Leia mais

AVALIAÇÃO EM CIÊNCIAS NATURAIS E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O QUE PRECONIZAM OS PCNs?

AVALIAÇÃO EM CIÊNCIAS NATURAIS E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O QUE PRECONIZAM OS PCNs? Estudo Dirigido Curso: PEDAGOGIA Disciplina: CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO AMBIENTAL 44 h Módulo: 5 Aula 10: AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM CIÊNCIAS ANEXO I AVALIAÇÃO EM

Leia mais

Caderno de apoio. Gestores Escolares

Caderno de apoio. Gestores Escolares Caderno de apoio Gestores Escolares 1 ÍNDICE Apresentação... 3 Escola Digital e os Gestores Escolares... 4 AÇÕES DO DIRETOR ESCOLAR Navegue pela plataforma... 4 Analise resultados e escolha projetos pedagógicos...

Leia mais

O ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS: DESAFIOS E NECESSIDADES DOCENTES

O ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS: DESAFIOS E NECESSIDADES DOCENTES Sociedade Brasileira de na Contemporaneidade: desafios e possibilidades O ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS: DESAFIOS E NECESSIDADES DOCENTES Pamela dos Santos Bezerra IFSP Câmpus Caraguatatuba

Leia mais

Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA. Profa. Ma. Lilian Pessôa

Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA. Profa. Ma. Lilian Pessôa Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Profa. Ma. Lilian Pessôa Um começo de conversa Para discutir estratégias de leitura, imaginemos a seguinte situação: Você está numa livraria

Leia mais

Estratégias de ensino que facilitam a aprendizagem dos alunos. Perspectivas e dilemas Professora Dra. Elena Mabel Brutten DEPED/CCSA

Estratégias de ensino que facilitam a aprendizagem dos alunos. Perspectivas e dilemas Professora Dra. Elena Mabel Brutten DEPED/CCSA Estratégias de ensino que facilitam a aprendizagem dos alunos Perspectivas e dilemas Professora Dra. Elena Mabel Brutten DEPED/CCSA Aula expositiva Pontos fortes / fracos Perspectivas... Uma aula dialógica...

Leia mais

PRÉ-REQUISITOS Haver concluído a disciplina Introdução aos Estudos Linguísticos ou disciplina equivalente..

PRÉ-REQUISITOS Haver concluído a disciplina Introdução aos Estudos Linguísticos ou disciplina equivalente.. GÊNEROS TEXTUAIS PROJETO DIDÁTICO Aula 10 META Apresentar a criação de um produto fi nal, a partir de atividades de leitura e escrita, como possibilidade de ressignifi cação da aprendizagem dos gêneros

Leia mais

REFLEXÕES DOCENTES ACERCA DA DISCALCULIA

REFLEXÕES DOCENTES ACERCA DA DISCALCULIA REFLEXÕES DOCENTES ACERCA DA DISCALCULIA Liziane Batista Souza Universidade Federal de Santa Maria -UFSM liziane.souza6@gmail.com Danieli Martins Ambrós Universidade Federal de Santa Maria -UFSM danieliambros@yahoo.com.br

Leia mais

"Vendendo para quem não quer comprar" Enrique Staschower

Vendendo para quem não quer comprar Enrique Staschower "Vendendo para quem não quer comprar" Enrique Staschower Outros tempos, outros usos. Calças tinham vincos obrigatoriamente. Quem atendia no balcão detinha o conhecimento do produto, do preço e por isso

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Alfabetização e Letramento Código da Disciplina: EDU328 Curso: Pedagogia Semestre de oferta da disciplina: 5º Faculdade responsável: Pedagogia Programa em vigência a

Leia mais

NORMATIVA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE HISTÓRIA LICENCIATURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO

NORMATIVA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE HISTÓRIA LICENCIATURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO NORMATIVA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE HISTÓRIA LICENCIATURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Os estágios curriculares no curso de História-Licenciatura

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL AGENDA ANUAL 2017

ENSINO FUNDAMENTAL AGENDA ANUAL 2017 ENSINO FUNDAMENTAL 8. o ano AGENDA ANUAL 20 FEVEREIRO 2 3 4 5 6 8 9 0 2 3 4 5 6 8 9 20 2 22 23 24 25 26 2 28 Carnaval MARÇO Cinzas 2 3 4 5 6 8 9 0 2 3 4 5 6 8 9 20 2 22 23 24 25 26 2 28 29 30 3 2 ABRIL

Leia mais

Aprendendo a revisar os textos produzidos

Aprendendo a revisar os textos produzidos a revisá-los. A partir do momento em que a criança começa a produzir textos, precisa também aprender Essa prática deve começar nas séries iniciais, pois é assim que as crianças começam a incorporar, sem

Leia mais

Palavras-chave: projeto, educação especial, aprendizagem significativa, adaptação curricular.

Palavras-chave: projeto, educação especial, aprendizagem significativa, adaptação curricular. A IMPORTÂNCIA DA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Artur Carmello Neto Diretoria de Ensino Região de Araraquara RESUMO A prática docente bem sucedida foi realizada em uma Sala de Recursos

Leia mais

Benefícios da leitura

Benefícios da leitura A importância da Parceria Família e Escola da Formação de Cidadãos Leitores Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br Benefícios da leitura Quem lê adquire cultura, passa a escrever melhor, tem mais senso

Leia mais

CONEXÕES E REGULARIDADES NO ENSINO DA MATEMÁTICA. Rudinei José Miola

CONEXÕES E REGULARIDADES NO ENSINO DA MATEMÁTICA. Rudinei José Miola CONEXÕES E REGULARIDADES NO ENSINO DA MATEMÁTICA Rudinei José Miola rmiola@positivo.com.br PARA INÍCIO DE CONVERSA ATIVIDADE MATEMÁTICA Por atividade matemática deve entender-se uma mescla entre tarefa,

Leia mais

Da Educação Infantil ao Simulados Pré-vestibular, o Sistema de Ensino Poliedro oferece coleções de livros didáticos elaborados por autores

Da Educação Infantil ao Simulados Pré-vestibular, o Sistema de Ensino Poliedro oferece coleções de livros didáticos elaborados por autores Da Educação Infantil ao Pré-vestibular, o Sistema de Ensino Poliedro oferece coleções de livros didáticos elaborados por autores especialistas e com experiência em sala de aula, o que possibilita o desenvolvimento

Leia mais

Líderes em Gestão Escolar 2º seminário Currículo, padrões educacionais e legislação. Paula Louzano 06 de outubro de 2009

Líderes em Gestão Escolar 2º seminário Currículo, padrões educacionais e legislação. Paula Louzano 06 de outubro de 2009 Líderes em Gestão Escolar 2º seminário Currículo, padrões educacionais e legislação Paula Louzano 06 de outubro de 2009 Por que um seminário sobre currículo, padrões e lesgislação educacional? Demanda

Leia mais

Índice. 1. Professor-Coordenador e suas Atividades no Processo Educacional Os Saberes dos Professores...4

Índice. 1. Professor-Coordenador e suas Atividades no Processo Educacional Os Saberes dos Professores...4 GRUPO 5.3 MÓDULO 4 Índice 1. Professor-Coordenador e suas Atividades no Processo Educacional...3 2. Os Saberes dos Professores...4 2.1. O Papel do Coordenador Pedagógico... 5 2 1. PROFESSOR-COORDENADOR

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE PROCEDIMENTOS DE LEITURA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE PROCEDIMENTOS DE LEITURA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE PROCEDIMENTOS DE LEITURA Nome: Nº 9º Data: / /2015 Professores: Belisa, Natália e Willian Nota: A - Introdução Neste ano, sua média final foi inferior a 6,0, o que revela

Leia mais

Editora Dedo de Prosa Foco

Editora Dedo de Prosa Foco Editora Dedo de Prosa Foco O principal objetivo da editora Dedo de Prosa é oferecer material de suporte para professores, ajudando a canalizar a curiosidade dos alunos através de leitura, a princípio de

Leia mais

Na dúvida entre MBA ou mestrado? Veja como tomar a decisão

Na dúvida entre MBA ou mestrado? Veja como tomar a decisão Na dúvida entre MBA ou mestrado? Veja como tomar a decisão Por / Claudia Gasparini Diploma: na hora de escolher uma pós-graduação, é importante fugir de modismos ou meras indicações Se você está planejando

Leia mais

Dicas EPIS ALUNOS. A Importância do Sono Dica 1/2

Dicas EPIS ALUNOS. A Importância do Sono Dica 1/2 SETEMBRO Regresso às Aulas A Importância do Sono Dica 1/2 Agora que as férias estão a acabar, é importante que tenhas um ritmo de sono adequado. Deves dormir entre 7 e 8 horas por noite. A falta de horas

Leia mais

ERA UMA VEZ 1, 2, 3 Projeto Pedagógico da Sala 1-2 anos Provocação é o Lema Desafios é o Tema!

ERA UMA VEZ 1, 2, 3 Projeto Pedagógico da Sala 1-2 anos Provocação é o Lema Desafios é o Tema! ERA UMA VEZ 1, 2, 3 Projeto Pedagógico da Sala 1-2 anos Provocação é o Lema Desafios é o Tema! Educadora Ana Salvador A provocação é o desafio e o incitamento aos estímulos para que a criança, aprendendo

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades. PLANO DE PROMOÇÃO DA LEITURA Quadriénio

Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades. PLANO DE PROMOÇÃO DA LEITURA Quadriénio Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades PLANO DE PROMOÇÃO DA LEITURA Quadriénio 2014-18 Aprender a ler e ler para aprender é uma questão central no ensino e na aprendizagem. Os programas e metas do

Leia mais

A AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA SERÁ COMPOSTA DE:

A AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA SERÁ COMPOSTA DE: A AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA SERÁ COMPOSTA DE: Trabalhos/Verificações da disciplina para o 1º semestre de 2010 Valor Data V1 (Verificação I): 10 pontos 11 de abril V2 (Verificação II): - OFICINA DE PRÁTICAS

Leia mais

A porta e o zíper. Meu desejo: AMOR VERDADEIRO

A porta e o zíper. Meu desejo: AMOR VERDADEIRO UNIDADE 6: A porta e o zíper. Meu desejo: AMOR VERDADEIRO 1ºESO 4º ESO O amor é um caminho. Cada etapa é importante. Não tem que queimar etapas. Estar noivos: conhecer-nos e conhecer juntos o amor verdadeiro

Leia mais

Software. GUIA DO PROFESSOR Quebra-cabeça: Teia alimentar. Duração da animação: 1 hora-aula

Software. GUIA DO PROFESSOR Quebra-cabeça: Teia alimentar. Duração da animação: 1 hora-aula Quebra-cabeça: Teia alimentar Conteúdos: Tempo: Objetivos: Ecologia: Teia alimentar Duração da animação: 1 hora-aula Apresentar na forma de um jogo aspectos relevantes sobre teias alimentares Descrição:

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO PROFESSOR PELO ALUNO. Leia com atenção os itens abaixo e assinale a alternativa que melhor corresponde à sua opinião.

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO PROFESSOR PELO ALUNO. Leia com atenção os itens abaixo e assinale a alternativa que melhor corresponde à sua opinião. FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO PROFESSOR PELO ALUNO Professor Disciplina Leia com atenção os itens abaixo e assinale a alternativa que melhor corresponde à sua opinião. 1 - APRESENTAÇÂO DO PROGRAMA: é esperado

Leia mais

Oficina C. Imagem e som: A arte da Comunicação

Oficina C. Imagem e som: A arte da Comunicação Oficina C Imagem e som: A arte da Comunicação Cariacica, 08 de agosto de 2014 Data Proposta 27/03 (5ªf) Encontro Inaugural 07/04 (2ªf) Oficina A Presença da equipe da A Gazeta 16/05 (6ª f) Oficina B 03/06

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO

CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO CAPÍTULO I - DA DEFINIÇÃO DO ESTÁGIO Artigo 01 - O Estágio Supervisionado constitui disciplina obrigatória do Currículo dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

Análise e procedimentos da Avaliação de Aprendizagem em Processo por docentes1. Matemática e Língua Portuguesa

Análise e procedimentos da Avaliação de Aprendizagem em Processo por docentes1. Matemática e Língua Portuguesa Análise e procedimentos da Avaliação de Aprendizagem em Processo por docentes1 Matemática e Língua Portuguesa Introdução: Objetivos Apoiar as ações de planejamento escolar previstas para o início de 2014

Leia mais

ALIANDO A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE NO COTIDIANO DA ESCOLA ATRAVÉS DO PIBID

ALIANDO A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE NO COTIDIANO DA ESCOLA ATRAVÉS DO PIBID ALIANDO A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE NO COTIDIANO DA ESCOLA ATRAVÉS DO PIBID 2 ALIANDO A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE NO COTIDIANO DA ESCOLA ATRAVÉS DO PIBID BORGES Maria Jesus da Cunha 1 MORAES Adriana

Leia mais

Índice. 1. Representação Escrita dos Números Operações com Números Naturais...4. Grupo Módulo 14

Índice. 1. Representação Escrita dos Números Operações com Números Naturais...4. Grupo Módulo 14 GRUPO 5.4 MÓDULO 14 Índice 1. Representação Escrita dos Números...3 2. Operações com Números Naturais...4 2 1. REPRESENTAÇÃO ESCRITA DOS NÚMEROS Desde os primórdios da humanidade, o homem utiliza diferentes

Leia mais

O OLHAR DO PROFESSOR DA EJA: METODOLOGIA COM CARÁTER INVESTIGATIVO EM SALA DE AULA

O OLHAR DO PROFESSOR DA EJA: METODOLOGIA COM CARÁTER INVESTIGATIVO EM SALA DE AULA O OLHAR DO PROFESSOR DA EJA: METODOLOGIA COM CARÁTER INVESTIGATIVO EM SALA DE AULA INTRODUÇÃO Renata Nery Ribeiro Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia natinhanery@hotmail.com Baraquizio Braga do

Leia mais

Formulação e resolução de problemas de matemática: teoria e prática. Luiz Roberto Dante

Formulação e resolução de problemas de matemática: teoria e prática. Luiz Roberto Dante Formulação e resolução de problemas de matemática: teoria e prática. Luiz Roberto Dante O que é um problema? Intuitivamente, todos nós temos uma ideia do que seja um problema. De maneira genérica, pode-se

Leia mais

EDUCAÇÃO E LEITURA: o ensino-aprendizagem da literatura nas escolas municipais e estaduais de cinco municípios do nordeste

EDUCAÇÃO E LEITURA: o ensino-aprendizagem da literatura nas escolas municipais e estaduais de cinco municípios do nordeste EDUCAÇÃO E LEITURA: o ensino-aprendizagem da literatura nas escolas municipais e estaduais de cinco municípios do nordeste 1 Introdução Autor(a): Humberto de Medeiros Silva Coautor(es): Inalmir Bruno Andrade

Leia mais

Benefícios da Leitura

Benefícios da Leitura Ler a par Benefícios da Leitura Proporciona à criança informação e conhecimento sobre o mundo. Apresenta à criança situações e ideias novas Estimulando a curiosidade, o pensamento crítico, e ainda a consciência

Leia mais