Instruções para Implementadores

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instruções para Implementadores"

Transcrição

1 Volvo Truck Corporation Curitiba, Brazil Instruções para Implementadores Data Grupo Edição Pág (8) Instalações, Veículo Rígido Árvore de transmissão VM BRA Portuguese/Brazil Printed in Brazil

2 Instruções para Implementadores (8) Árvores de transmissão Generalidades Os veículos VM usualmente possuem uma ou duas árvores de transmissão conectando a caixa de mudança ao primeiro eixo traseiro. Se o veículo possuir apenas uma árvore ela será chamada de árvore de transmissão principal. Esta árvore possui uma junta extensível (entalhado). Se o veículo possuir duas árvores de transmissão elas terão a seguinte designação: A árvore de transmissão que estiver conectada na caixa de mudança será chamada de primeira árvore de transmissão e sempre irá possuir um mancal de apoio. A árvore de transmissão que estiver conectada no eixo traseiro será chamada árvore de transmissão principal. Esta árvore terá uma junta extensível (entalhado). Nota! Em casos especiais, os veículos VM podem ser montados com até três árvores de transmissão, dependendo do entre-eixos à ser definido. Quando isso acontece uma árvore de transmissão chamada segunda árvore de transmissão é adicionada entre a primeira árvore e a árvore principal. Esta segunda árvore de transmissão tem as mesmas características da primeira árvore. A - primeira árvore de transmissão B - mancal de apoio C - árvore de transmissão principal D - eixo traseiro C A instalação da árvore de transmissão é feita através de uma combinação de variantes que dependem da especificação do veículo. Desta forma, o veículo VM estará montado com uma das seguintes variantes: Variante Significado Nota! Estas nomenclaturas são importantes para facilitar a comunicação entre o implementador e a Volvo, no caso do esclarecimento de eventuais dúvidas. PROPS-S 1 PROPS-M 1 PROPS-L 2 Árvore de transmissão com diâmetro menor Árvore de transmissão com diâmetro médio Árvore de transmissão com diâmetro maior AVISO Para evitar erros na instalação de uma árvore de transmissão leia atenciosamente todos os itens desta instrução. 1 Veículos montados com a variante PROPS-S e PROPS-M terão árvore de transmissão com acoplamento tipo garfo. 2 Veículos montados com a variante PROPS-L poderão ter árvore de transmissão com acoplamento tipo garfo ou flange estriado.

3 Instruções para Implementadores (8) Dimensões das árvores A instalação da árvore de transmissão é definida através da combinação de vários fatores, dentre eles está o comprimento da árvore que influencia diretamente na posição angular da árvore. Sendo assim, para facilitar uma nova instalação da árvore de transmissão, devido ao encurtamento ou alongamento do chassi, as concessionárias Volvo disponibilizam para aquisição árvores de transmissão da seguinte forma: Primeira e segunda árvore de transmissão São as árvores que possuem rolamento para o mancal de apoio. Estas árvores estão disponíveis conforme tabela abaixo. Árvore de transmissão (Variante) Comprimento (mm) Mín. Máx. P/N Tipo de acoplamento PROPS-S Garfo PROPS-M Garfo PROPS-L Garfo Flange estriado Nota! Na coluna do P/N está indicado um número de peça para o comprimento mínimo e outro para o comprimento máximo. Os valores intermediários correspondem à árvores da mesma variante, mas com comprimentos diferentes, sendo que os números de peças são sequenciados com incrementos de 25 mm no comprimento. Por exemplo, o P/N é uma árvore de transmissão PROPS-S com 800 mm de comprimento. O P/N está gravado no tubo da árvore de transmissão próximo à uma das extremidades. Árvore de transmissão principal São as árvores que possuem junta extensível (entalhado). Estão disponíveis conforme a tabela abaixo. Árvore de transmissão (Variante) Comprimento (mm) Mín. Máx. P/N Tipo de acoplamento PROPS-S Garfo PROPS-M PROPS-L Garfo Garfo Flange estriado

4 Instruções para Implementadores (8) Nota! Na coluna do P/N está indicado um número de peça para o comprimento mínimo e outro para o comprimento máximo. Os valores intermediários correspondem à árvores da mesma variante, mas com comprimentos diferentes, sendo que os números de peças são sequenciados com incrementos de 25 mm no comprimento. Por exemplo, o P/N é uma árvore de transmissão PROPS-S com 900 mm de comprimento. O P/N está gravado no tubo da árvore de transmissão próximo à uma das extremidades. AVISO O comprimento de trabalho da junta extensível (entalhado) não deve ser utilizado para prolongar a árvore de transmissão. Quando o comprimento do chassi for alterado, deve-se definir um comprimento de árvore adequado, conforme as tabelas anteriores. Rotação crítica das árvores Para evitar que as árvores de transmissão atinjam as rotações críticas, o comprimento das mesmas não deve exceder determinados valores. O item Dimensões das árvores apresenta o comprimento possível para cada árvore disponibilizada pelas concessionárias Volvo. Se as rotações críticas forem atingidas, a flexão da árvore de transmissão aumentará rapidamente até a quebra, danificando os componentes e a estrutura do conjunto. Especialmente no Brasil, a análise da adequação da rotação crítica para determinado veículo não pode ser baseado apenas na rotação máxima gerada pelo motor, porque é muito comum o uso de banguela nas decidas, submetendo a árvore de transmissão a rotação superior a 30% da velocidade máxima do veículo. Acoplamento das árvores Nas árvores de transmissão com juntas extensíveis (árvore de transmissão principal), os acoplamentos frontais e traseiros devem estar em fase um com o outro, isto é, com um deslocamento relativo de 0. Quando o veículo possuir primeira e segunda árvore de transmissão deve-se proceder conforme ilustração. T

5 Instruções para Implementadores (8) Ângulos dos acoplamentos O ângulo do acoplamento é o ângulo entre o eixo de entrada e o eixo de saída de uma árvore de transmissão. O eixo da caixa de mudanças é a entrada no primeiro acoplamento e o ângulo no último acoplamento é o ângulo entre a última árvore de transmissão e a inclinação do eixo traseiro. AVISO Os ângulos devem estar compreendidos entre 0,5 e 8,0. Se o ângulo for inferior a 0,5 as pistas nos rolamentos de agulhas da cruzeta podem ser danificadas. Se o ângulo for maior que 8,0, o torque de flexão na cruzeta é excedido e a vida útil do trem de força será reduzida. Mancal de apoio A instalação do mancal de apoio também influencia diretamente na posição angular da árvore. T V H Suporte Vertical Suporte Horizontal C

6 Instruções para Implementadores (8) A posição angular da árvore é determinada pela posição de montagem do suporte V e H fixados na travessa intermediária do veículo. SUPORTE V Este suporte possue diversos furos alinhados no sentido vertical. Dependendo do furo escolhido aumenta-se ou diminui-se a altura da árvore a partir da face da longarina, ou seja, este suporte define a posição vertical da árvore. SUPORTE H Este suporte possue alguns furos alinhados no sentido horizontal. Estes furos permitem a centralização da árvore entre as longarinas, ou seja, este mancal define a posição horizontal da árvore. Nota! Na eventual adaptação do terceiro eixo auxiliar, obviamente em veículos que não tenham, o mancal de apoio e a posição do eixo traseiro devem ficar exatamente nas condições originais do veículo. Nota! Se este mancal for fixado por furos errados, o que significa posição angular da árvore errada, não haverá homocinetismo do conjunto. Ângulo de cunha do eixo traseiro Dependendo do comprimento da árvore que será utilizada e da posição do mancal de apoio, além de outras características dos componentes que afetam a dinâmica do veículo, o eixo traseiro poderá precisar de cunhas com variação angular, montadas entre o feixe de molas e o eixo traseiro. Estas cunhas servem para ajustar a inclinação entre o eixo traseiro e a árvore de transmissão. C

7 Instruções para Implementadores (8) Medição dos ângulos de acoplamento Este procedimento é para verificar se o ângulo vertical da árvore está compreendido entre 0,5 e 8,0 1 Colocar o veículo em piso plano. 2 Não movimentar o veículo durante a medição. 3 Fazer a medição com o veículo descarregado e depois com o veículo completamente carregado. Nota! Após carregar e descarregar o veículo deve-se conduzi-lo por alguns metros para ajustar a suspensão, com o objetivo de evitar medições de ângulos incorretos. 4 Nos veículos com eixo auxiliar, abaixar o eixo auxiliar. 5 Nos veículos 6x4, os pneus dos eixos traseiros devem ser do mesmo tipo e do mesmo fabricante, com desgaste igual e pressão de ar correta. 6 Limpar totalmente os pontos de medição. 7 Medir os ângulos em relação ao plano vertical com um goniômetro de nível ou o medidor de ângulos A ferramenta para medição deve apresentar precisão de medição de 0,5. Se as árvores de transmissão tiverem inclinação em sentidos diferentes, o ângulo da junta é a soma da inclinação do eixo de entrada com o eixo de saída. Se a inclinação das árvores de transmissão for para o mesmo lado, o ângulo é a diferença entre as inclinações. T T

8 Instruções para Implementadores (8) Consideração geral Quando ocorrer a alteração da configuração da árvore de transmissão (por exemplo devido a modificação da distância entre-eixos), uma empresa especializada em árvores de transmissão deve ser consultada para garantir que todas as informações citadas nesta instrução sejam seguidas. No caso de eventuais dúvidas consulte a Volvo. AVISO É muito importante identificar o tipo da árvore de transmissão, selecionar o comprimento correto e garantir que o(s) ângulo(s) da(s) árvore(s) esteja(m) dentro da tolerância indicada. Uma instalação incorreta poderá provocar desgastes desnecessários, reduzindo a vida útil do trem de força.

Instruções para Implementadores

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Curitiba, Brazil Instruções para Implementadores Data Grupo Edição Pág. 12.05 95 01 1(6) Generalidades Cálculos e Especificações de Carga VM BRA18870 20 041552 Portuguese/Brazil

Leia mais

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Substitui a edição 01 do VBI de 12.2005. As alterações estão marcadas com um traço vertical (l) na margem. Nota! Sempre verifique a versão mais atualizada

Leia mais

ADAPTAÇÃO DE EIXO VEICULAR AUXILIAR - AEVA

ADAPTAÇÃO DE EIXO VEICULAR AUXILIAR - AEVA ADAPTAÇÃO DE EIXO VEICULAR AUXILIAR - AEVA N IZ 10.31/01 Tipo INSTRUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A instalação do 3º eixo, transforma o caminhão original de fábrica de configuração 4x2 em 6x2. As diferenças de operação

Leia mais

Instruções para Implementadores

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Curitiba, Brazil Instruções para Implementadores Data Grupo Edição Pág. 12.05 95 01 1(11) Generalidades Identificação VM BRA18856 20 041538 Portuguese/Brazil Printed in Brazil Instruções

Leia mais

Instruções para Implementadores

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Curitiba, Brazil Instruções para Implementadores Data Grupo Edição Pág. 10.2011 95 01 1( 8 ) Características Construtivas Cabina e Chassi VM BRA50589 89034684 Portuguese/Brazil

Leia mais

Descritivo Técnico Adaptador Sensor Hall

Descritivo Técnico Adaptador Sensor Hall Folha 1 de 7 Folha 2 de 7 Sumário 1 Descrição geral... 3 2 Funcionamento... 3 2.1 Operação... 3 2.2 Programação, configuração e comunicação... 3 2.3 Descritivo de aplicação... 3 2.4 Exemplo de aplicação...

Leia mais

Informações gerais sobre o sistema pneumático

Informações gerais sobre o sistema pneumático Definições É importante lembrar as seguintes definições e conceitos ao trabalhar no sistema pneumático do veículo: Reservatório de ar comprimido Um reservatório pressurizado contendo ar comprimido. Ele

Leia mais

Tratores. Informações gerais sobre tratores. Recomendações. Distância do eixo

Tratores. Informações gerais sobre tratores. Recomendações. Distância do eixo Informações gerais sobre tratores Informações gerais sobre tratores Os tratores foram projetados para puxar semirreboques e são, portanto, equipados com uma quinta roda para possibilitar a fácil troca

Leia mais

Manual de Instalação Adelift Light com Divisória de Lona

Manual de Instalação Adelift Light com Divisória de Lona Página 1 de 13 Objetivo: O objetivo desse manual é ajudar na identificação dos componentes e orientar os procedimentos para instalação do sistema Adelift Light, e sua divisória, no implemento rodoviário.

Leia mais

RADEX -N Composite Instruções de Operação/Montagem

RADEX -N Composite Instruções de Operação/Montagem 1 de 9 RADEX -N é um acoplamento em aço flexível de lâminas, torcionalmente rígido, capaz de compensar desalinhamentos causados por expansão devido ao calor, por exemplo. Conteúdo 1 Dados técnicos 2 Avisos

Leia mais

Unidades de reboque. Mais informações sobre unidades de reboque estão disponíveis no documento Adaptações da extremidade traseira.

Unidades de reboque. Mais informações sobre unidades de reboque estão disponíveis no documento Adaptações da extremidade traseira. Informações gerais sobre unidades de reboque Unidades de reboque é um termo coletivo que designa componentes com os quais o veículo deve estar equipado para rebocar um reboque. Informações gerais sobre

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO RAMPA ELEVATÓRIA (PIEZOELÉTRICA)

MANUAL DE OPERAÇÃO RAMPA ELEVATÓRIA (PIEZOELÉTRICA) MANUAL DE OPERAÇÃO RAMPA ELEVATÓRIA (PIEZOELÉTRICA) REVISÃO 00 B12-057 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. INFORMAÇÕES GERAIS... 3 2.1. DIMENSÕES... 3 2.2. OPERAÇÃO... 3 3. INSTALAÇÃO DO EQUIPAMENTO... 4 4.

Leia mais

Desenho Técnico. Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte. Caderno de Exercícios Desenho Técnico 1

Desenho Técnico. Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte. Caderno de Exercícios Desenho Técnico 1 Desenho Técnico 2 Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte CORTES Em desenho técnico, o corte de uma peça é sempre imaginário. Ele permite ver as partes internas da peça. Na projeção em corte, a

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica. Eixos e árvores

Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica. Eixos e árvores Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica Eixos e árvores Introdução 1.1 Conceitos fundamentais 1.2 Considerações sobre fabricação 1.3 Considerações sobre projeto

Leia mais

Sistema de monitorização da pressão dos pneus (TPMS)

Sistema de monitorização da pressão dos pneus (TPMS) Instrução n.º Versão Peça N.º 31330604 1.7 31414189, 31201481 Sistema de monitorização da pressão dos pneus (TPMS) Página 1 / 9 Ferramentas especiais T9513035 Ferramenta TPMS Número de ferramenta: T9513035

Leia mais

Manual do Locatário ELEVADOR DE OBRA

Manual do Locatário ELEVADOR DE OBRA Manual do Locatário ELEVADOR DE OBRA Instruções para Instalação e Operação e Manutenção CARIMBO DO ASSOCIADO 1 ELEVADOR DE OBRA À CABO Antes de colocar o equipamento em funcionamento, leia atentamente

Leia mais

Adaptações da extremidade traseira

Adaptações da extremidade traseira Comprimento adaptado do balanço traseiro Comprimento adaptado do balanço traseiro O balanço traseiro pode ser encomendado da fábrica em incrementos de comprimento de 10 mm entre os valores limites de 750

Leia mais

Tels.: Campinas-sp Itupeva-sp

Tels.: Campinas-sp Itupeva-sp Principais características: Inserção do tipo mandíbula Pode ser entregue a prova de falha ou a favor do rompimento Reduz vibrações Materiais: EN-GJL-250 (GG-25) Alta resistência ao desgaste Desenho compacto

Leia mais

Instruções para Implementadores

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Curitiba, Brazil Instruções para Implementadores Data Grupo Edição Pág. 12.05 95 01 1(18) Instalações, Veículo Rígido Alterações do Quadro do Chassi VM BRA18858 20 041540 Portuguese/Brazil

Leia mais

Acesse:

Acesse: Segurando as pontas As operações de tornear superfícies cilíndricas ou cônicas, embora simples e bastante comuns, às vezes apresentam algumas dificuldades. É o que acontece, por exemplo, com peças longas

Leia mais

9. SISTEMAS DE DIREÇÃO

9. SISTEMAS DE DIREÇÃO 56 9. SISTEMAS DE DIREÇÃO 9.1. Direção mecânica Há tipos diferentes de mecanismos de direção mecânica. O mais comum é o tipo pinhão e cremalheira. O conjunto de engrenagens de pinhão e cremalheira realiza

Leia mais

Tolerância geométrica de orientação

Tolerância geométrica de orientação Tolerância geométrica de orientação A UU L AL A vimos a maneira de verificar a forma de apenas um elemento, como planeza, circularidade, retilineidade. O problema desta aula é verificar a posição de dois

Leia mais

Cotagem é a indicação das medidas da peça em seu desenho conf. a norma NBR Para a cotagem de um desenho são necessários três elementos:

Cotagem é a indicação das medidas da peça em seu desenho conf. a norma NBR Para a cotagem de um desenho são necessários três elementos: Cotagem Cotagem é a indicação das medidas da peça em seu desenho conf. a norma NBR 10126. Para a cotagem de um desenho são necessários três elementos: Linhas de cota são linhas contínuas estreitas, com

Leia mais

Capítulo I: Elementos de Fixação

Capítulo I: Elementos de Fixação Capítulo I: Elementos de Fixação Profª. Luziane M. Barbosa 1 Profª. Luziane M. Barbosa 2 1 Profª. Luziane M. Barbosa 3 Uniões Móveis Permanentes Profª. Luziane M. Barbosa 4 2 PINOS Funções: Possibilitar

Leia mais

Resistência dos Materiais

Resistência dos Materiais Aula 7 Estudo de Torção, Ângulo de Torção Ângulo de Torção O projeto de um eixo depende de limitações na quantidade de rotação ou torção ocorrida quando o eixo é submetido ao torque, desse modo, o ângulo

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA TORNO MEC. HORIZ. (PONTA E CONTRAPONTA DO TORNO ) DEFINIÇÃO: A ponta e contraponta (fig.1) são utilizadas para apoiar as extremidades do material a ser torneado externamente

Leia mais

Delivery x2 vs Ford Cargo 816 4x2. VW rpm + 9,10% Ford 1500 rpm

Delivery x2 vs Ford Cargo 816 4x2. VW rpm + 9,10% Ford 1500 rpm Página 1 de 7 Você está em DELIVERY 8.160 4X2 Home» Caminhões Volkwagen» Delivery Olá EDUARDO VASQUES SAIR Home Empresas Caminhões Volkswagen Delivery Delivery 5.150 4x2 Delivery 8.160 4x2 Delivery 9.160

Leia mais

DInstruções para. Implementadores. Características Construtivas Sistema Elétrico VM. Volvo Truck Corporation Göteborg, Sweden 1.

DInstruções para. Implementadores. Características Construtivas Sistema Elétrico VM. Volvo Truck Corporation Göteborg, Sweden 1. Volvo Truck Corporation Göteborg, Sweden DInstruções para Implementadores Data Grupo Edição Pág. 1.08 95 01 1(19) Características Construtivas Sistema Elétrico VM BRA28936.ihval 20136473 Portuguese/Brazil

Leia mais

BOLETIM DE SERVIÇO B.S. REDE N 009/10

BOLETIM DE SERVIÇO B.S. REDE N 009/10 DATA: Agosto/2010 MOTOR: ACTEON 4.12 e 6.12 OBJETIVO: CORREÇÃO DE OCORRÊNCIAS DE VAZAMENTO DE ÁGUA NO CAMPO INTRODUÇÃO: Os seguintes procedimentos serão apresentados neste boletim: A) Desmontagem dos componentes

Leia mais

Rolamentos Autocompensadores de Esferas

Rolamentos Autocompensadores de Esferas Rolamentos Autocompensadores de Esferas Tolerância Página 52 Folga interna Página 64 Modelo Os Rolamentos Autocompensadores de Esferas são particularmente apropriados para aplicações onde ocorram desalinhamentos

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO II. Aula 02 Mancais, Anéis Elásticos e Retentores. Desenho Técnico Mecânico II

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO II. Aula 02 Mancais, Anéis Elásticos e Retentores. Desenho Técnico Mecânico II DESENHO TÉCNICO MECÂNICO II Aula 02 Mancais, Anéis Elásticos e Retentores 1.0. Mancais 1.1. Definição: Mancais são elementos que servem de apoio para eixos girantes, deslizantes ou oscilantes e que suportam

Leia mais

TM-10 MANUAL DE INSTRUÇÕES TM-10

TM-10 MANUAL DE INSTRUÇÕES TM-10 MANUAL DE INSTRUÇÕES TM-10 TM-10 Leia atentamente este Manual de Instruções antes de montar e operar o equipamento. Após a leitura deste manual, guarde-o em local seguro para futura referência. Anote o

Leia mais

Sensor de medição Modelo A2G-FM

Sensor de medição Modelo A2G-FM Especial Modelo A2G-FM WIKA folha de dados SP 69.10 Aplicações Medição da vazão de ar em tubos circulares de ventilação Medição da vazão de ar em dutos retangulares de ventilação Características especiais

Leia mais

10 - FRESAGEM HELICOIDAL 10.1

10 - FRESAGEM HELICOIDAL 10.1 10 - FRESAGEM HELICOIDAL 10.1 10.1 Introdução Para se abrir cortes helicoidais (Fig. 10.1) na fresadora, é preciso que a mesa possa girar de um ângulo ϕ correspondente ao complemento do ângulo α que a

Leia mais

Motor de Pistões Radiais V JMDG Baixa rotação e alto torque

Motor de Pistões Radiais V JMDG Baixa rotação e alto torque Motor de Pistões Radiais V JMDG Baixa rotação e alto torque Introdução São motores de baixa rotação e altíssimo torque e que podem ser aplicados em várias áreas que exigem estas características. Podem

Leia mais

Amassadura. Amassadura. Manual. Mecânica Equipamentos chamados betoneiras. Amassadura: Levar todos os componentes do betão a formar um todo homogéneo

Amassadura. Amassadura. Manual. Mecânica Equipamentos chamados betoneiras. Amassadura: Levar todos os componentes do betão a formar um todo homogéneo Amassadura Amassadura Levar todos os componentes do betão a formar um todo homogéneo Amassadura: Manual (fora de uso; só mesmo para quantidades muito pequenas) Mecânica Equipamentos chamados betoneiras

Leia mais

5º Seminário de Trefilação

5º Seminário de Trefilação 5º Seminário de Trefilação 2014 Problemas em processos de trefilação de ferrosos e não ferrosos - defeitos e causas Vibração e ondulação em arames trefilados em alta velocidade Marcelo Stahlschmidt DESBALANCEAMENTO

Leia mais

ELEVADORES MECAN PARA MATERIAIS OU PASSAGEIROS

ELEVADORES MECAN PARA MATERIAIS OU PASSAGEIROS ELEVADOR UM SISTEMA MECAN DE ELEVADOR E CABINA FECHADA OU SEMIFECHADA PARA O TRANSPORTE DE PASSAGEIROS OU MATERIAIS EM CANTEIRO DE OBRAS EQUIPADO COM FREIO DE SEGURANÇA AUTOMÁTICO E MANUAL TIPO CUNHA ELEVADORES

Leia mais

13. INFORMAÇÕES DE SERVIÇO

13. INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 13. RODA TRASEIRA/ SUSPENSÃO INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 13-1 DIAGNOSE DE DEFEITOS 13-1 REMOÇÃO/INSTALAÇÃO DA RODA TRASEIRA 13-2 DESMONTAGEM/MONTAGEM DA RODA TRASEIRA 13-3 REMOÇÃO/INSTALAÇÃO DO AMORTECEDOR

Leia mais

Acoplamento. Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, Conceito. Classificação

Acoplamento. Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, Conceito. Classificação Acoplamento Introdução Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, percebeu um estranho ruído na roda. Preocupada, procurou um mecânico. Ao analisar o problema, o mecânico concluiu que o defeito estava

Leia mais

TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II

TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II 16ª AULA (19/10/2.010) MEZOESTRUTURA DE PONTES A mezoestrutura de ponte é a parte da estrutura (pilares) responsável por transmitir as cargas da superestrutura à

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 06 Cotas, Símbolos. Desenho Técnico Mecânico I

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 06 Cotas, Símbolos. Desenho Técnico Mecânico I DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Aula 06 Cotas, Símbolos 1. COTAGEM COTAGEM é a indicação das medidas das peças em seu desenho. Ao cotar você deve tentar imaginar se com as medidas representadas será possível

Leia mais

Ativação da tomada de força EG. Função

Ativação da tomada de força EG. Função Função Ativação da tomada de força EG A função é usada para ativar a tomada de força a partir da área do motorista e do lado de fora da cabina. A tomada de força é controlada pela unidade de comando da

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

E 4. Delineação dos contornos e placas refletoras traseiras. Histórico e finalidade

E 4. Delineação dos contornos e placas refletoras traseiras. Histórico e finalidade Histórico e finalidade Histórico e finalidade As normas ECE R48 e ECE R70 descrevem a fixação, localização e visibilidade geométrica da delineação dos contornos e placas refletoras traseiras em veículos

Leia mais

Rubigrün Mola Gás. Informações Técnicas - Edição 01 Mola Gás

Rubigrün Mola Gás. Informações Técnicas - Edição 01 Mola Gás Rubigrün A Rubigrün é uma empresa brasileira em constante crescimento que atua no desenvolvimento de molas gás eficientes para diversas necessidades. A busca constante por inovações e a pesquisa por ferramentas

Leia mais

Resistência dos Materiais. Aula 6 Estudo de Torção, Transmissão de Potência e Torque

Resistência dos Materiais. Aula 6 Estudo de Torção, Transmissão de Potência e Torque Aula 6 Estudo de Torção, Transmissão de Potência e Torque Definição de Torque Torque é o momento que tende a torcer a peça em torno de seu eixo longitudinal. Seu efeito é de interesse principal no projeto

Leia mais

SEM534 Processos de Fabricação Mecânica. Professor - Renato G. Jasinevicius. Aula: Máquina ferramenta- Torno. Torno

SEM534 Processos de Fabricação Mecânica. Professor - Renato G. Jasinevicius. Aula: Máquina ferramenta- Torno. Torno SEM534 Processos de Fabricação Mecânica Professor - Renato G. Jasinevicius Aula: Máquina ferramenta- Torno Torno Torno Existe uma grande variedade de tornos que diferem entre si pelas dimensões, características,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio ELMA3 AULA 5 Prof. Carlos Fernando Dispositivos de Fixação Pinos, Cupilhas, Cavilhas, Roscas, Mancais de Deslizamento

Leia mais

c Deixe o sistema de escapamento esfriar antes de remover os componentes para manutenção, caso contrário estará sujeito a graves queimaduras.

c Deixe o sistema de escapamento esfriar antes de remover os componentes para manutenção, caso contrário estará sujeito a graves queimaduras. 6. SISTEMA DE ESCAPE INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 6-1 DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 6-1 DESCRIÇÃO DO SISTEMA 6-2 INFORMAÇÕES DE SERVIÇO c Deixe o sistema de escapamento esfriar antes de remover os componentes para

Leia mais

3B SCIENTIFIC FÍSICA. Aparelho de torsão Conjunto de extensão do aparelho de torsão Instruções de uso

3B SCIENTIFIC FÍSICA. Aparelho de torsão Conjunto de extensão do aparelho de torsão Instruções de uso 3B SCIENTIFIC FÍSICA Aparelho de torsão 1018550 Conjunto de extensão do aparelho de torsão 1018787 Instruções de uso 11/15 TL/UD 1. Descrição O aparelho de torsão destina-se à determinação do torque restaurador

Leia mais

Profa. Janaina Fracaro Engenharia Mecânica ABRIL/2014

Profa. Janaina Fracaro Engenharia Mecânica ABRIL/2014 Profa. Janaina Fracaro Engenharia Mecânica ABRIL/2014 PAQUIMETRO O paquímetro é um instrumento usado para medir as dimensões lineares internas, externas e de profundidade de uma peça. Consiste em uma régua

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 2. Disciplina: Elementos de Máquina Semestre: 2016/01

LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 2. Disciplina: Elementos de Máquina Semestre: 2016/01 LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 2 Disciplina: Elementos de Máquina Semestre: 2016/01 Prof: Diego R. Alba 1. Um mancal de esferas de série 02 de contato angular, com anel interno rotante, é requerido para uma

Leia mais

Rolamentos de rolos cilíndricos

Rolamentos de rolos cilíndricos Rolamentos de rolos cilíndricos Rolamentos de rolos cilíndricos 292 Definições e aptidões 292 Séries 292 Variantes 293 Tolerâncias e jogos 294 Elementos de cálculo 296 Elementos de montagem 297 Sufixos

Leia mais

As molas são usadas, principalmente, nos casos de armazenamento de energia, amortecimento de choques, distribuição de cargas, limitação de vazão,

As molas são usadas, principalmente, nos casos de armazenamento de energia, amortecimento de choques, distribuição de cargas, limitação de vazão, MOLAS As molas são usadas, principalmente, nos casos de armazenamento de energia, amortecimento de choques, distribuição de cargas, limitação de vazão, preservação de junçõeses ou contatos. MOLAS HELICOIDAIS

Leia mais

Manual de Montagem e Manutenção - RSK. DDG

Manual de Montagem e Manutenção - RSK.  DDG Manual de Montagem e Manutenção - www.antaresacoplamentos.com.br DDG 0800.9701.909 Modelo Potência kw a 1000 RPM Torque Contínuo Máximo DADOS TÉCNICOS Torque de Pico em Sobrecarga RPM Máximo Massa Und.

Leia mais

Determinação da altura de chassi em ordem de marcha: cálculo teórico para altura de degrau/plataforma

Determinação da altura de chassi em ordem de marcha: cálculo teórico para altura de degrau/plataforma Determinação da altura de chassi em ordem de marcha: cálculo teórico para altura de degrau/plataforma Eng. Fabiano Monteiro Niehues de Farias Prof. Dr. Jorge Luiz Erthal Universidade Tecnológica Federal

Leia mais

Manual de Manutenção. Cabeçote Inferior Robofil 290P

Manual de Manutenção. Cabeçote Inferior Robofil 290P Manual de Manutenção Cabeçote Inferior Robofil 290P 1 Sumário 1- Elementos 2- Desmontagem 2.1 - Ferramentas Necessárias 2.2 - Retirada do cabeçote 2.3 - Desmontagem do cabeçote 3- Pontos Críticos 4 - Montagem

Leia mais

Não há dúvidas de que as estruturas

Não há dúvidas de que as estruturas porta-paletes é uma boa solução Encontrar o modelo ideal para cada aplicação garante otimização de recursos e produtividade Não há dúvidas de que as estruturas porta-paletes aumentam a eficiência e segurança

Leia mais

Rápido alinhamento do painel a primeira

Rápido alinhamento do painel a primeira DEIXE-SE DE TRABALHAR AS ESCURAS EM REPARAÇÕES DE LATERAIS Repare com exactidão para alinhar o painel correctamente à primeira. Não perca mais tempo a montar e a desmontar painéis após a reparação para

Leia mais

Conteúdo. Resistência dos Materiais. Prof. Peterson Jaeger. 3. Concentração de tensões de tração. APOSTILA Versão 2013

Conteúdo. Resistência dos Materiais. Prof. Peterson Jaeger. 3. Concentração de tensões de tração. APOSTILA Versão 2013 Resistência dos Materiais APOSTILA Versão 2013 Prof. Peterson Jaeger Conteúdo 1. Propriedades mecânicas dos materiais 2. Deformação 3. Concentração de tensões de tração 4. Torção 1 A resistência de um

Leia mais

2, 3, 4 Multi Ambientes 8 Multi Ambientes Unidade Externa Compacta

2, 3, 4 Multi Ambientes 8 Multi Ambientes Unidade Externa Compacta 2, 3, 4 Multi Ambientes 8 Multi Ambientes Unidade Externa Compacta Dimensões 2 AMBIENTES Modelo: AOBG14LAC2 / AOBGLAC2 Vista superior 20 0 2 (Unidade : mm) 10 288 1 Aplicável em residências grandes, lojas,

Leia mais

Cálculos de carga do eixo. Informações gerais sobre cálculos de carga do eixo

Cálculos de carga do eixo. Informações gerais sobre cálculos de carga do eixo Informações gerais sobre cálculos de carga do eixo Todos os tipos de trabalho de transporte feitos por caminhões exigem que seu chassi seja complementado com alguma forma de carroceria. Os cálculos de

Leia mais

MÁQUINAS DE ELEVAÇÃO E TRANSPORTE

MÁQUINAS DE ELEVAÇÃO E TRANSPORTE MÁQUINAS DE ELEVAÇÃO E TRANSPORTE AULA 9 MECANISMOS DE TRANSLAÇÃO PROF.: KAIO DUTRA Mecanismos de Translação Estes mecanismos são responsáveis pela locomoção do equipamento em trabalho, e podem ser classificados

Leia mais

CONJUNTOS MECÂNICOS. Figura 1. Representação de conjunto mecânico usando vistas ortográficas.

CONJUNTOS MECÂNICOS. Figura 1. Representação de conjunto mecânico usando vistas ortográficas. CONJUNTOS MECÂNICOS Tão importante quanto conhecer os elementos de máquinas e projetá-los, é saber representar graficamente e interpretar esses elementos em desenhos técnicos. Máquinas (torno mecânico,

Leia mais

Bomba Vertical Padrão Tipo Turbina JTS

Bomba Vertical Padrão Tipo Turbina JTS Bomba Vertical Padrão Tipo Turbina JTS Principais Aplicações A bomba vertical padrão tipo turbina JTS integra nossa tradição de oferecer bombas engenheiradas altamente confiáveis com materiais e configurações

Leia mais

Entendendo o Eixo Cardan

Entendendo o Eixo Cardan Entendendo o Eixo Cardan Ola, bem-vindo a mais um modulo do CCTA- Cicio de Capacita ao Tecnica Affinia. Neste modulo, voce vai entender um pouco mais sobre os eixos cardan Spicer; um dos principais componentes

Leia mais

Mecânica dos Fluidos I

Mecânica dos Fluidos I Mecânica dos Fluidos I Aula prática 1 EXERCÍCIO 1 Em Mecânica dos Fluidos é muito frequente que interesse medir a diferença entre duas pressões. Os manómetros de tubos em U, que são um dos modelos mais

Leia mais

5 Validação do Software

5 Validação do Software 8 5 Validação do Software Para garantir que os resultados deste trabalho sejam confiáveis, é preciso validar o simulador quanto às leis da física. Para tal, este capítulo apresenta dois casos onde há soluções

Leia mais

Manual do usuário. Misturador 20lts

Manual do usuário. Misturador 20lts Manual do usuário Misturador 20lts Data: 09/2016 Rev.:01 Montagem Índice Pág. 1-Montando para uso... 3 2-Mangueiras... 4 3- Especificações técnicas... 5 4-Colocando a lata de tinta... 6 5-Colocando em

Leia mais

Parte 2: Catálogo de Peças Lancer Sêmea 3000 e 5000

Parte 2: Catálogo de Peças Lancer Sêmea 3000 e 5000 93 Parte 2: Catálogo de Peças Lancer Sêmea 3000 e 5000 94 LANCER SÊMEA 3000 01 21604300 Suporte 01 02 23402500 Haste 02 03 23402700 Haste 01 04 23402900 Haste 01 05 23500001 Depósito 01 06 23500004 Eixo

Leia mais

MANUAL DO PROPRIETÁRIO TRICICLO ELÉTRICO

MANUAL DO PROPRIETÁRIO TRICICLO ELÉTRICO MANUAL DO PROPRIETÁRIO TRICICLO ELÉTRICO v.01 AVISO IMPORTANTE! ESPECIFICAÇÕES RECARREGUE A BATERIA IMEDIATAMENTE APÓS O USO Jamais armazenar o equipamento com pouca ou nenhuma carga. Motor: Potência:

Leia mais

Modificação dos componentes certificados Scania

Modificação dos componentes certificados Scania Modificação dos componentes certificados Scania Geral Geral A certificação é feita para satisfazer requisitos legais sobre segurança de trânsito, influência ambiental, etc. Se os componentes certificados

Leia mais

Accelo 815 4x2 Plataforma

Accelo 815 4x2 Plataforma Accelo 815 4x2 Plataforma Dimensões (mm)¹ Modelo / Entre eixos 815/31 815/37 815/44 [a] Distância entre eixos 3.100 3.700 4.400 [b] Comprimento total 6.134 7.134 7.961 [c] Largura 2.176 2.176 2.176 [d]

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO MANUTENÇÃO DOSADOR ROSCAS

MANUAL DE OPERAÇÃO MANUTENÇÃO DOSADOR ROSCAS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DOSADOR ROSCAS R-10 / R-20 / R-30 / R-45 / R-60 MODELO: N O DE SÉRIE: FABRICAÇÃO: / / 1 INTRODUÇÃO É com grande satisfacção que a INEAL ALIMENTADORES LTDA coloca mais um

Leia mais

7. LASTRO, BITOLA E PNEUS

7. LASTRO, BITOLA E PNEUS 7. LASTRO, BITOLA E PNEUS 7.1. Lastreamentto Lastreamento de tratores agrícolas consiste em colocar pesos no trator, com os objetivos de aumentar: A estabilidade; A aderência (diminuindo a patinagem);

Leia mais

E-Book Projetos de Andaimes

E-Book Projetos de Andaimes 2016 E-Book Projetos de Andaimes TIPOS DE ANDAIMES TIPOS DE FIXAÇÃO DE POSTE COM BRAÇADEIRA SOLUÇÕES PARA ESTABILIDADE DO ANDAIME Tipos de Andaimes 1) Andaimes Padrão Torres Simples - (isoladas) São andaimes

Leia mais

Ensaio de compressão

Ensaio de compressão A UU L AL A Ensaio de compressão Podemos observar o esforço de compressão na construção mecânica, principalmente em estruturas e em equipamentos como suportes, bases de máquinas, barramentos etc. Às vezes,

Leia mais

Atividade experimental: Movimento uniforme de uma bolha de ar

Atividade experimental: Movimento uniforme de uma bolha de ar Atividade experimental: Movimento uniforme de uma bolha de ar É muito difícil observar um movimento puramente uniforme em uma situação cotidiana, como no deslocamento de um veículo, ou mesmo no deslocamento

Leia mais

Teste Avaliação. UFCD - Desenho Técnico de Aeronáutica. Formador: Avaliação: Grupo I (5 val.)

Teste Avaliação. UFCD - Desenho Técnico de Aeronáutica. Formador: Avaliação: Grupo I (5 val.) Teste Avaliação UFCD - Desenho Técnico de Aeronáutica Nome formando: Data: / / Formador: Avaliação: Grupo I (5 val.) Classifique como verdadeiras (V) ou falsas (F) as seguintes afirmações: 1 - Os desenhos

Leia mais

Tolerância geométrica Tolerâncias de forma

Tolerância geométrica Tolerâncias de forma Tolerância geométrica A execução da peça dentro da tolerância dimensional não garante, por si só, um funcionamento adequado. Veja um exemplo. A figura da esquerda mostra o desenho técnico de um pino, com

Leia mais

Função: Conduzir água à temperatura ambiente nas instalações prediais de água fria; Aplicações: Instalações prediais em geral.

Função: Conduzir água à temperatura ambiente nas instalações prediais de água fria; Aplicações: Instalações prediais em geral. Função: Conduzir água à temperatura ambiente nas instalações prediais de água fria; Aplicações: Instalações prediais em geral. NOVEMBRO/2013 Bitolas: 20, 25, 32, 40,50,60, 75, 85, 110 milímetros; Pressão

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Grua SMC-7000

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Grua SMC-7000 MNUL DE INSTRUÇÕES Grua SMC-7000 Leia atentamente este Manual de Instruções antes de montar e operar o equipamento. pós a leitura deste manual, guarde-o em local seguro para futura referência. note o número

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

CAMINHÃO CANDIRU 1 4x4 UMA SOLUÇÃO BRASILEIRA

CAMINHÃO CANDIRU 1 4x4 UMA SOLUÇÃO BRASILEIRA CAMINHÃO CANDIRU 1 4x4 UMA SOLUÇÃO BRASILEIRA A capacidade brasileira em adaptar e até mesmo em modificar veículos militares é bem antiga, remonta ao início da motorização do Exército Brasileiro em meados

Leia mais

Instruções para Implementadores

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Curitiba, Brazil Instruções para Implementadores Data Grupo Edição Pág. 12.05 95 01 1(6) Instalações, Veículo Trator Quinta roda VM BRA18859 20 041541 Portuguese/Brazil Printed

Leia mais

Instruções para Implementadores

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Curitiba, Brazil Instruções para Implementadores Data Grupo Edição Pág. 8.2011 95 01 1( 6 ) Eletricidade Instalação de sistemas de rastreamento/monitoramento não instalados/desenvolvidos

Leia mais

Preparativos Antes da Montagem

Preparativos Antes da Montagem Preparativos Antes da Montagem Manter o local da montagem seco e livre de poeira. Observar a limpeza do eixo, alojamento e das ferramentas. Organizar a área de trabalho. Selecionar as ferramentas adequadas

Leia mais

Válvula Redutora de Pressão Tipo 44-0 B Tipo 44-1 B. Fig. 1 Tipo 44-0 B. Montagem e instruções de serviço EB PT

Válvula Redutora de Pressão Tipo 44-0 B Tipo 44-1 B. Fig. 1 Tipo 44-0 B. Montagem e instruções de serviço EB PT Válvula Redutora de Pressão Tipo 44-0 B Tipo 44-1 B Fig. 1 Tipo 44-0 B Montagem e instruções de serviço EB 2626-1 PT Edição Abril de 2003 Índice Índice Página 1 Concepção e princípio de funcionamento................

Leia mais

! CUIDADO! Danos na máquina são possíveis.

! CUIDADO! Danos na máquina são possíveis. D-447 Rheine 461 PT 1 de 7 O limitador de torque RUFLEX é um sistema de sobrecarga que opera por fricção. Ele protege componentes de transmissão contra possíveis danos ou quebras. Avisos gerais Favor ler

Leia mais

EME005 - Tecnologia de Fabricação IV Fresamento 2

EME005 - Tecnologia de Fabricação IV Fresamento 2 UNIFEI EME005 - Tecnologia de Fabricação IV Fresamento 2 Acessórios para fixação das peças: parafusos Aula 02 Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior Acessórios para fixação das peças: grampos Acessórios

Leia mais

Indicador Digital TM-2000/AN. Manual de usuário Série: E Indicador Digital MAN-DE-TM2000AN Rev.: 02.00/08

Indicador Digital TM-2000/AN. Manual de usuário Série: E Indicador Digital MAN-DE-TM2000AN Rev.: 02.00/08 Indicador Digital TM-2000/AN Manual de usuário Série: E Indicador Digital MAN-DE-TM2000AN Rev.: 02.00/08 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso Indicador Digital TM200/ANX. Para garantir o uso correto

Leia mais

QSP QSP3 QSP4 CSP CSP3

QSP QSP3 QSP4 CSP CSP3 CHAVE DINAMOMÉTRICA DE ESTALO TOHNICHI QSP QSP3 QSP4 CSP CSP3 INSTRUÇÕES DE FUNCIONAMENTO Modelos QSP3 QSP4 Alavanca do Linguete Marca de Extensão Real Cabeça Linguete Estrutura Punho de Borracha Modelo

Leia mais

SUPORTE AIRON WALL MF 100

SUPORTE AIRON WALL MF 100 SUPORTE AIRON WALL MF 100 INSTRUÇÕES DE MONTAGEM Imagens Ilustrativas www.aironflex.com INSTRUÇÕES DE MONTAGEM 05 07 03 05 06 Componentes - Haste do Tv - Distanciador Regulável 03 - Trava de Segurança

Leia mais

1- Fundamentos Curvas características Fórmulas relativas ao ventiladores centrífugos Nomenclatura 6

1- Fundamentos Curvas características Fórmulas relativas ao ventiladores centrífugos Nomenclatura 6 Catálogo geral de ventiladores axiais 1 Índice 1- Fundamentos 3 2- Curvas características 4 3- Fórmulas relativas ao ventiladores centrífugos 5 4- Nomenclatura 6 5- Características construtivas 6 6- Dimensões

Leia mais

Manual de Instruções FK 50

Manual de Instruções FK 50 Manual de Instruções FK 50 Parabéns pela aquisição do identificador de forças de mola Feinmetall. Entre em contato conosco caso tenha perguntas, pedidos, ou sugestões. Leia este manual atentamente antes

Leia mais

Rolamentos com duas fileiras. de esferas de contato radial 262

Rolamentos com duas fileiras. de esferas de contato radial 262 Rolamentos com duas fileiras de esferas Rolamentos com duas fileiras de esferas de contato radial 262 Definições e aptidões 262 Séries 262 Tolerâncias e jogos 262 Elementos de cálculo 263 Sufixos 263 Características

Leia mais

Figura 1 - Onda electromagnética colimada

Figura 1 - Onda electromagnética colimada Biofísica P12: Difração e interferência 1. Objectivos Observação de padrões de difração e interferência Identificação das condições propícias ao aparecimento de fenómenos de difração e interferência Aplicação

Leia mais

Como instalar uma estação meteorológica Vantage Vue

Como instalar uma estação meteorológica Vantage Vue Como instalar uma estação meteorológica Vantage Vue 1º - A escolha do local O local ideal seria em campo aberto e uniforme, respeitando o limite de transmissão wireless dos dados (300 metros sem obstáculos),

Leia mais

Rua do Manifesto, Ipiranga - São Paulo Fone: +55 (11)

Rua do Manifesto, Ipiranga - São Paulo Fone: +55 (11) 299 Calibradores para Furos Pequenos (Passantes) Série 829 3,2-12,7mm / 0,125-1,500" Utilizados para trabalhos gerais, estes calibradores têm pontas de contato em esfera completa. Calibradores para Furos

Leia mais