Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura"

Transcrição

1 Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura AUT Desempenho Acústico, Arquitetura e Urbanismo Absorção Sonora Ranny L. X. N. Michalski Absorção Sonora Onda sonora incidente em uma superfície: Energia sonora incidente E i E i Energia sonora absorvida E a Energia sonora refletida E r E r E t Energia sonora transmitida E t E a A absorção sonora ocorre quando parte da energia sonora incidente no material é dissipada, transformando-se em energia térmica. Considerando as energias sonoras: Ei Er Ea Et 1

2 Absorção Sonora Utilizada em controle de ruído e reverberação. Distribuída na quantidade correta em teto, paredes, piso ou móveis, elimina boa parcela do som refletido pelas superfícies, reduzindo o nível de ruído ambiente e promovendo condições de trabalho e comunicação adequadas. Coeficiente de absorção sonora do material (α): E E Onde: E a é a energia sonora absorvida pela superfície do material, e E i é a energia sonora incidente na superfície do material. Sempre menor que 1, varia de % da energia é refletida e/ou transmitida Pode ser expresso por fração decimal (0,07) ou porcentagem (7%). a i 100% da energia é absorvida 2

3 Coeficiente de absorção sonora do material (α): α depende de vários fatores: tipo de material (meio) densidade e estrutura interna frequência da onda sonora incidente ângulo de incidência da onda sonora condições de montagem do material (espessura, modo de fixação, etc.) Coeficiente de absorção sonora: Janela aberta dimensões grandes em relação ao comprimento de onda. Praticamente toda a energia incidente sairá do recinto comporta-se como uma superfície absorvente Absorção sonora total (α = 1) * para efeito de cálculo 3

4 Coeficiente de absorção sonora: Coeficiente de absorção sonora:?? 0,5 0,79 4

5 Coeficiente de absorção sonora: Leva em consideração todas as incidências possíveis. Medido e apresentado em tabelas ou gráficos para as frequências principais. Frequência (Hz) α (lã de rocha - 10mm) (Sabin) 125 0, , , , , ,79 coeficiente de absorção sonora 0,9 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 0, Frequência (Hz) Wallace C. Sabine fundador da Acústica Arquitetônica unidade de absorção Sabin Coeficiente de absorção sonora: Fornecidos pelos fabricantes. NRC (Coeficiente de Redução de Ruído): é a média aritmética dos 4 coeficientes de absorção sonora centrais, correspondentes às frequências de 250 Hz, 500 Hz, 1000 Hz e 2000 Hz. 5

6 Materiais absorventes Geralmente: α > 0,50 material absorvente α > 0,20 material refletor Como é medido o coeficiente de absorção sonora? Wallace Clement Sabine ( ) A energia sonora numa sala decai exponencialmente. A razão na qual a reverberação desaparece é proporcional à razão na qual o som é absorvido. 1ª Câmara Reverberante Método de medição do TR: man-in-a-box 6

7 Como é medido o coeficiente de absorção sonora? Tubo de impedância incidência normal. Câmara reverberante incidência aleatória. Como é medido o coeficiente de absorção sonora? Tubo de impedância incidência normal. 7

8 Como é medido o coeficiente de absorção sonora? Câmara reverberante: ambiente de ensaio acústico com superfícies refletoras e com baixo coeficiente de absorção sonora. homogeneidade (a média no tempo da densidade de Campo sonoro difuso energia sonora em todos os pontos da sala é constante) isotropia (todas as direções de chegada de energia sonora em qualquer ponto são igualmente prováveis) Alto tempo de reverberação Usado para medir: - coeficientes de absorção sonora de materiais (incidência aleatória); - níveis de potência sonora de fontes sonoras. ISO 354: Acoustics Measurements of sound absorption in a reverberation room Volume recomendado: 200 m 3 Difusão: difusores estáticos ou rotativos mudanças na forma da sala Como é medido o coeficiente de absorção sonora? Câmara reverberante incidência aleatória. 8

9 Como é medido o coeficiente de absorção sonora? Câmara reverberante incidência aleatória. Medição do coeficiente de absorção sonora em câmara reverberante: V - volume da câmara reverberante (m 3 ) S - área da amostra (m 2 ) c - velocidade de propagação do som no ar (m/s) 9

10 Coeficiente de absorção sonora: É possível 1??? Valores de α maiores que a unidade Fatores: - forma e tamanho da amostra, configuração da montagem da amostra. - difração sonora nas bordas da amostra (efeito de borda ou edge-effect): Se uma área absorvente tem bordas livres, ela absorverá mais energia sonora por segundo do que o proporcional à sua área geométrica, a diferença sendo causada pela difração do som para a área absorvente. É como se a amostra fosse maior que sua área plana. 10

11 Valores de α maiores que a unidade Este efeito aumenta com: - diminuição da frequência, - diminuição do tamanho da amostra, - aumento do coeficiente de absorção sonora. Ao espaçar pequenas áreas de material com pequena distância entre estas, mais absorção pode ser obtida por uma dada área de material. absorção diretamente proporcional ao espaçamento entre as pequenas áreas de material economia em material. Para o efeito de bordas não interferir no que também ocorre nas placas vizinhas: placas separadas de meio comprimento de onda, (menor frequência de interesse). Não há um critério para medir o efeito da difração sonora sobre a absorção sonora dos materiais. Área de absorção sonora equivalente (A): O ambiente é composto por um conjunto de superfícies. Cada superfície é revestida por uma determinada área S i de um material, que possui características específicas, como o coeficiente de absorção sonora α i, assim a área de absorção sonora equivalente (ou total) do ambiente será: A S S S S i i n n 11

12 Na presença de objetos que absorvem o som, como pessoas, cadeiras, mesas, etc., a absorção sonora total desses elementos deve ser considerada: A S A i i obj Assim, o coeficiente de absorção sonora equivalente (médio) do recinto, é dado por: médio A isi Aobj S S1 S2... S Onde S é a área total das superfícies do ambiente. n Exemplo Exemplo 1: Calcule a área de absorção sonora equivalente de uma parede de concreto com área de 12 m 2. O coeficiente de absorção sonora do concreto é fornecido na tabela abaixo. Frequência (Hz) α parede de concreto (Sabin) 125 0, , , , ,04 A (m 2 Sabin) 12

13 Exemplo Exemplo 1: Calcule a área de absorção sonora equivalente de uma parede de concreto com área de 12 m 2. O coeficiente de absorção sonora do concreto é fornecido na tabela abaixo. 2 S 12 m A S Frequência (Hz) α parede de concreto (Sabin) A (m 2 Sabin) 125 0,02 0, ,03 0, ,03 0, ,03 0, ,04 0,48 Coeficiente de absorção sonora médio de um ambiente: Salas vivas excesso de som refletido. Salas surdas a absorção média do recinto é alta. Segundo Beranek, para α médio igual a: 0,05 sala viva 0,10 sala medianamente viva 0,15 sala média ou comum 0,20 sala medianamente surda 0,40 sala surda Para valores de α médio > 0,40 é necessário que as superfícies tenham tratamento acústico especial. A melhor opção dependerá do uso da sala. 13

14 Tempo de reverberação de uma sala (TR): Tempo necessário, a partir do fim da excitação sonora numa sala, para o nível de pressão sonora cair 60 db, isto é, o tempo para a energia sonora total cair a um milionésimo do seu valor inicial. É o parâmetro mais utilizado na avaliação da qualidade acústica de um ambiente. Tempo de reverberação de uma sala (TR): volume da sala (m 3 ) Equação de Sabine: TR 0,161 V A área de absorção sonora equivalente da sala (m 2 Sabin) A S S n S n α i - coeficiente de absorção sonora das n superfícies da sala S i - áreas das n superfícies da sala (m 2 ) A equação de Sabine fornece resultados válidos para ambientes não muito grandes com características médias de absorção. Para ambiente amplos ou muito absorventes, devese usar a equação de Eyring. 14

15 Exemplo Exemplo 2: Calcule o tempo de reverberação médio para uma sala com 50 m 3 e com todas as superfícies de concreto, num total de 20 m 2 Sabin. TR médio =? V = 50 m 3 A médio = 20 m 2 Sabin TR TR TR m m m V 0,161 A 50 0, , 4 s Tempo de reverberação Depende de: Volume do ambiente Frequência sonora Materiais do ambiente Pode ser alterado mudando-se a geometria do espaço e/ou as características acústicas dos materiais. 15

16 Tempo ótimo de reverberação Tempo de reverberação ideal para cada ambiente, segundo o volume e a finalidade a que se destina. Determinado experimentalmente. tempo de reverberação muito longo haverá sobreposição de sons dificultando inteligibilidade. tempo de reverberação muito curto som desaparece imediatamente após sua emissão percepção difícil em pontos afastados da fonte. Varia conforme o uso do ambiente: Ambiente para palestra: TR menor. Ambiente para música de órgão: TR maior. Tempo ótimo de reverberação 16

17 Materiais absorventes Aplicações: Tratamento acústico de ambientes: controle de reverberação e de ecos. Controle de ruído: enclausuramento de máquinas em indústrias, atenuação de ruído em sistemas de ventilação e ar condicionado, revestimento interno de paredes ou dutos,... Materiais Porosos Espumas A energia acústica incidente entra pelos poros e é parcialmente dissipada, transformando-se em energia térmica, principalmente por reflexões múltiplas e por atrito viscoso entre o ar no interior dos poros e a estrutura do material. 17

18 Materiais Fibrosos Lã de vidro, lã de rocha,... A energia acústica incidente entra pelos interstícios das fibras, fazendo-as vibrar juntamente com o ar, dissipando-se em energia térmica devido ao atrito entre as fibras excitadas. Painéis ou membranas flexíveis Superfícies montadas sobre outra superfície sólida, com um espaço de ar entre elas. Para absorção em médias e baixas frequências ou para absorver em uma única frequência. 18

19 Painéis flexíveis Paineis leves, flexíveis, de pouca espessura, que atuam como membranas Materiais possíveis: madeira (laminados, compensados), metais, plástico, etc. Painéis flexíveis Quanto ao formato, é possível utilizar diferentes espessuras para diferentes frequências de absorção. 19

20 Painéis flexíveis Ressoadores (ou ressonadores) de Helmholtz São cavidades que contém ar confinado e estão conectadas ao ambiente através de uma pequena abertura. Para absorção em médias e baixas frequências ou para absorver em uma única frequência. 20

21 Ressoadores (ou ressonadores) de Helmholtz Tijolos furados Ressoadores (ou ressonadores) de Helmholtz 21

22 Painéis perfurados Painéis perfurados 22

23 Painéis perfurados Painéis perfurados 23

24 Painéis perfurados Painéis perfurados 24

25 Escolha do material Em termos práticos, a escolha de um material de absorção acústica, além dos coeficientes de absorção e da frequência do ruído, depende também de: Custo Características em altas temperaturas / Resistência ao fogo Peso e volume em relação ao espaço disponível Rigidez mecânica Fixação e manutenção Aparência e pintura Limpeza Escolha do material Para a escolha dos materiais, combinar todos os elementos necessários de forma a obter o melhor resultado para a finalidade desejada em toda a faixa de frequência. 25

26 Placas acústicas Produto: Sonex Illtec Plano Fabricante: OWA Sonex Placas acústicas 26

27 Placas acústicas Placas acústicas 27

28 Azulejos acústicos Placas acústicas 28

29 Luminárias acústicas My Place 29

30 Painéis acústicos Painéis acústicos Produto: Paineis Nexacustic Fabricante: OWA Sonex 30

31 Forro perfurado Edifício Cinerama Produto: Revestimento Nexacustic Fabricante: OWA Sonex Forro perfurado Produto: Forro Nexacustic Fabricante: OWA Sonex 31

32 Forro mineral Produto: Forro Humancare Fabricante: OWA Sonex Forro mineral Produto: Forro Mineral Sinfonia Fabricante: OWA Sonex 32

33 Forro mineral Produto: Forro Mineral Unique Fabricante: OWA Sonex Forro mineral Produto: Forro Mineral Multi Alpha Fabricante: OWA Sonex 33

34 Forro mineral Produto: Forro Mineral OWA Bolero Fabricante: OWA Sonex Forro mineral Rede de restaurantes Le Jazz abriu nova casa no Shopping Iguatemi, com projeto assinado pelo arquiteto Fabio Bruschini e forros Owa Sonex. 34

35 Baffles (Paineis acústicos suspensos) Produto: Sonex Illtec Baffle Fabricante: OWA Sonex Baffles (Paineis acústicos suspensos) Produto: Sonex Illtec Baffle Fabricante: OWA Sonex 35

36 Baffles (Paineis acústicos suspensos) Produto: Fabricante: Eurobaffle Saint Gobain Eurocoustic Baffles (Paineis acústicos suspensos) Produto: Fabricante: Eurobaffle Saint Gobain Eurocoustic 36

37 Baffles (Paineis acústicos suspensos) Produto: Fabricante: Eurobaffle Saint Gobain Eurocoustic Baffles (Paineis acústicos suspensos) Produto: Sonex Illtec Baffle Fabricante: OWA Sonex 37

38 Baffles (Paineis acústicos suspensos) Baffles (Paineis acústicos suspensos) Produto: Rockfon Fibral Baffles Fabricante: Rockfon 38

39 Baffles (Paineis acústicos suspensos) Baffles (Paineis acústicos suspensos) Produto: Fabricante: Baffle acoustissimo Decibel France 39

40 Baffles (Paineis acústicos suspensos) Painéis acústicos suspensos 40

41 Nuvens acústicas Produto: Sonex Illtec Nuvens Fabricante: OWA Sonex Nuvens acústicas Produto: Rockfon Eclipse Island Fabricante: Rockfon 41

42 Nuvens acústicas Nuvens acústicas 42

43 Exemplo Exemplo 3: Calcule a área de absorção sonora equivalente da superfície composta por parede de 8 m 2 (α=0,20)ejanelade2m 2 (α = 0,10) : Exemplo Exemplo 3: 1) Áreas da superfície: 2) Calcule a área de absorção sonora equivalente: A S S S S i i n n 43

44 Exemplo Exemplo 4: Calcule a área de absorção sonora equivalente da superfície composta por parede de 5,6 m 2 (α = 0,20), lambri de 2,4 m 2 (α = 0,30) e cortina de 2 m 2 (α = 0,50) : Exemplo Exemplo 4: 1) Áreas da superfície: 2) Calcule a área de absorção sonora equivalente: A S S S S i i n n 44

45 Exemplo Exemplo 5: Uma sala de aula com 20 m de comprimento, 10 m de largura e 5 m de altura, possui os seguintes coeficientes de absorção sonora na frequência de 500 Hz: 0,30 para paredes, 0,04 para o teto e 0,10 para o piso. Calcule o tempo de reverberação na frequência de 500 Hz na sala vazia e sem nenhum tratamento acústico. paredes (α = 0,30) 5 m (metade da largura) teto (α = 0,04) piso (α = 0,10) 20 m 5 m Exemplo Exemplo 5: paredes (α = 0,30) 5 m (metade da largura) teto (α = 0,04) piso (α = 0,10) 20 m 5 m 1) Calcule o volume da sala: 2) Calcule a área da sala: 3) Calcule a área de absorção sonora equivalente da sala em 500 Hz: 4) Calcule o tempo de reverberação da sala em 500 Hz: 45

46 Exemplo Exemplo 5: 1) Calcule o volume da sala: 2) Calcule a área da sala: Exemplo Exemplo 5: 3) Calcule a área de absorção sonora equivalente da sala em 500 Hz: A S S S S i i n n 4) Calcule o tempo de reverberação da sala em 500 Hz: TR 0,161 V A 46

47 Exemplo Exemplo 6: Calcule o tempo de reverberação caso metade da superfície do teto seja tratada com material absorvente (α = 0,85). A área central se mantem refletora para ajudar a distribuir energia sonora do orador ao fundo da sala. paredes (α = 0,30) Painel acústico (α = 0,85) piso (α = 0,10) quadro negro Exemplo Exemplo 6: 1) Calcule a área de absorção sonora equivalente da sala em 500 Hz: A S S S S i i n n 2) Calcule o tempo de reverberação da sala em 500 Hz: TR 0,161 V A 47

Materiais. Conceitos para acústica arquitetônica. Marcelo Portela LVA/UFSC

Materiais. Conceitos para acústica arquitetônica. Marcelo Portela LVA/UFSC Materiais Acústicos Conceitos para acústica arquitetônica Marcelo Portela LVA/UFSC LEMBRANDO... ISOLAMENTO ACÚSTICO Capacidade de certos materiais formarem uma barreira, impedindo que a onda sonora passe

Leia mais

Campo sonoro em espaços fechados

Campo sonoro em espaços fechados Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura AUT 0278 - Desempenho Acústico, Arquitetura e Urbanismo Ambientes fechados Ranny L. X. N. Michalski

Leia mais

Teste de Coeficiente de Absorção em Câmara Reverberante

Teste de Coeficiente de Absorção em Câmara Reverberante Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Mecânica Grupo de Tecnologia em Vibrações e Acústica Fone: (48) 99539377-32340689 / 37217716 Ramal 22 e-mail: arcanjo@lva.ufsc.br Teste

Leia mais

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO Profa. Dr.-Ing. Erika Borges Leão Disciplina ministrada ao IV semestre do curso de Engenharia Civil Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop/MT OBJETIVOS DA DISCIPLINA

Leia mais

Comportamento da Onda Sonora:

Comportamento da Onda Sonora: Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura AUT 0278 - Desempenho Acústico, Arquitetura e Urbanismo Comportamento Sonoro Ranny L. X. N. Michalski

Leia mais

Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico

Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico Professores: Ana Cristina Hillesheim Karina Colet Marcela Cebalho Michelle de Almeida Costa TRATAMENTO ACÚSTICO Os sons classificam-se, segundo sua origem,

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE ABSORÇÃO SONORA

DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE ABSORÇÃO SONORA DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE ABSORÇÃO SONORA Placas de LecaMIX MAXIT, Préfabricação em Betão Leve S.A. Albergaria-a-Velha Dezembro de 2004 praceta da rua da república, nº 17, 2º dto. alagoas. 3810-160

Leia mais

Projetos Salas de Múltiplo uso. MSc. Keliane Castro

Projetos Salas de Múltiplo uso. MSc. Keliane Castro Projetos Salas de Múltiplo uso MSc. Keliane Castro Há dois critérios básicos a serem atendidos pelo projeto acústico: o isolamento e o condicionamento interno do ambiente. O primeiro, em síntese, bloqueia

Leia mais

A Tabela 2 apresenta os valores médios de porosidade e o desvio padrão para as amostras dos Painéis de Fibra de Coco definidos nesta etapa.

A Tabela 2 apresenta os valores médios de porosidade e o desvio padrão para as amostras dos Painéis de Fibra de Coco definidos nesta etapa. Figura 5 Amostras do teste de Porosidade. A Tabela 2 apresenta os valores médios de porosidade e o desvio padrão para as amostras dos Painéis de Fibra de Coco definidos nesta etapa. Tabela 2 Valores medidos

Leia mais

0.05 a 0.10 pequeno 0.10 a 1.20 significativo acima de 0.20 considerável

0.05 a 0.10 pequeno 0.10 a 1.20 significativo acima de 0.20 considerável Professor Rogério Mori Materiais porosos Quando a energia sonora penetra num material poroso, parte dela é convertida em calor, devido a resistência viscosa e ao atrito nos poros e ainda pela vibração

Leia mais

Acústica. A ref lexão dos raios sonoros, numa superfície plana, o ângulo de incidência é igual ao ângulo de ref lexão.

Acústica. A ref lexão dos raios sonoros, numa superfície plana, o ângulo de incidência é igual ao ângulo de ref lexão. Acústica A ref lexão dos raios sonoros, numa superfície plana, o ângulo de incidência é igual ao ângulo de ref lexão. 1 a)forma do recinto Superfícies côncavas tendem a f azer os raios sonoros convergirem,

Leia mais

ACÚSTICA AMBIENTAL E DE EDIFÍCIOS

ACÚSTICA AMBIENTAL E DE EDIFÍCIOS pág. i DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL T E X T O D E A P O I O À D I S C I P L I N A D E ACÚSTICA AMBIENTAL E DE EDIFÍCIOS A. P. Oliveira de Carvalho ÍNDICE pág. PREÂMBULO

Leia mais

clipso sound A solução acústica ideal

clipso sound A solução acústica ideal clipso sound A solução acústica ideal Graças aos revestimentos clipso e às inúmeras possibilidades de instalação, você pode otimizar o desempenho acústico de suas paredes e forros, assim como seus quadros,

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 2009- Parte 2-1 Reabilitação 2009- Acústica de edifícios 1+2 Condicionamento acústico interior 3 - Isolamento de sons aéreos 4 - Isolamento de ruídos de instalações 5 - Isolamento de ruídos

Leia mais

Acústica nos edifícios

Acústica nos edifícios Acústica nos edifícios Som directo Som reflectido Anabela Moreira FC - Acústica de Edifícios 1 Os materiais ou sistemas absorventes sonoros podem ser classificados em: - materiais texturados; -Ressoadores

Leia mais

Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Som directo. Som reflectido. 6dB, quando se (2X) a distância à fonte

Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Som directo. Som reflectido. 6dB, quando se (2X) a distância à fonte Som directo Som reflectido Anabela Moreira FC - Acústica de difícios 1 CAMPO ABRTO Nível sonoro SPAÇOS FCHADOS 6dB, quando se (2X) a distância à fonte nergia directamente nergia reflectida pelos obstáculos

Leia mais

Com foco em acústica a OWA Sonex atua no mercado desde 1988 oferecendo produtos inovadores de alta performance e design diferenciado.

Com foco em acústica a OWA Sonex atua no mercado desde 1988 oferecendo produtos inovadores de alta performance e design diferenciado. Com foco em acústica a OWA Sonex atua no mercado desde 1988 oferecendo produtos inovadores de alta performance e design diferenciado. Com uma variedade de linhas de produtos, apresentamos o Nexacustic,

Leia mais

1- Quais das seguintes freqüências estão dentro da escala do ultrassom? 2- A velocidade média de propagação nos tecidos de partes moles é?

1- Quais das seguintes freqüências estão dentro da escala do ultrassom? 2- A velocidade média de propagação nos tecidos de partes moles é? Exercícios de Física 1- Quais das seguintes freqüências estão dentro da escala do ultrassom? a) 15 Hz b) 15 KHz c) 15 MHz d) 17.000 Hz e) 19 KHz 2- A velocidade média de propagação nos tecidos de partes

Leia mais

Toda situação acústica envolve, necessariamente, 3 elementos:

Toda situação acústica envolve, necessariamente, 3 elementos: Toda situação acústica envolve, necessariamente, 3 elementos: RECEPTOR FONTE MEIO DE PROPAGAÇÃO A resposta acústica de um ambiente depende das características morfológicas do meio de propagação. PROPAGAÇÃO

Leia mais

FICHA TÉCNICA. IMPERALUM Manual de Acústica. nº 24. Nº Pág.s: Maio Copyright Construlink.com - Todos os direitos reservados.

FICHA TÉCNICA. IMPERALUM Manual de Acústica. nº 24. Nº Pág.s: Maio Copyright Construlink.com - Todos os direitos reservados. FICHA TÉCNICA IMPERALUM Manual de Acústica nº 24 Nº Pág.s: 10 24 04. Maio 2006 MANUAL DE ACÙSTICA IMPERSOM 01 1. MANUAL DE ACÙSTICA A gama acústica IMPERSOM Fruto de todo um trabalho de investigação e

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO 1. Para determinar a porosidade aberta de uma pedra calcária, utilizou-se um provete com as dimensões de 7.1 7.1 7.1 cm 3. Determinou-se a massa no estado

Leia mais

K-FLEX K-FLEX K-FONIK SYSTEM 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO

K-FLEX K-FLEX K-FONIK SYSTEM 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO K-FONIK SYSTEM Aplicações: - Canalizações e sistemas de drenagem - Tubulação industrial, maquinaria civil e industrial - Isolamento acústico para paredes

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 009- Parte 5 - Reabilitação 009- Protecção contra o ruído de equipamentos colocados no exterior Silenciadores circulares p/ condutas de ventilação Grelhas atenuadoras (5 a 1 db) Atenuadores

Leia mais

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO Profa. Dr.-Ing. Erika Borges Leão Disciplina ministrada ao IV semestre do curso de Engenharia Civil Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop/MT OBJETIVOS DA DISCIPLINA

Leia mais

SEM Acústica. Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Engenharia Mecânica

SEM Acústica. Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Engenharia Mecânica Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Engenharia Mecânica SEM5917 - Acústica Fonte principal: Microphone Handbook, B&K 1 Objetivos: Dinâmica de Sensores Acústicos

Leia mais

Forros e Revestimentos Acústicos de Madeira

Forros e Revestimentos Acústicos de Madeira Forros e Revestimentos Acústicos de Madeira Acústica e Design Acústica e Design Com foco em acústica a OWA Sonex atua no mercado desde 1988 oferecendo produtos inovadores de alta performance e design diferenciado.

Leia mais

Impedância Acústica - Relação Entre Componente De Pressão e de Velocidade

Impedância Acústica - Relação Entre Componente De Pressão e de Velocidade Interacções Sonoras Impedância Acústica - Relação Entre Componente De Pressão e de Velocidade Caso específico de uma onda plana em propagação - velocidade e pressão em fase Impedância Acústica Relação

Leia mais

ESZO Fenômenos de Transporte

ESZO Fenômenos de Transporte Universidade Federal do ABC ESZO 001-15 Fenômenos de Transporte Profa. Dra. Ana Maria Pereira Neto ana.neto@ufabc.edu.br Bloco A, torre 1, sala 637 Mecanismos de Transferência de Calor Calor Calor pode

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO NUMÉRICO-EXPERIMENTAL DE QUALIDADE ACÚSTICA DE AUDITÓRIOS

PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO NUMÉRICO-EXPERIMENTAL DE QUALIDADE ACÚSTICA DE AUDITÓRIOS PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO NUMÉRICO-EXPERIMENTAL DE QUALIDADE ACÚSTICA DE AUDITÓRIOS VECCI, M.A. (1); FERRAZ, R.M. (2); HORTA, F.C. (3) (1) Departamento de Engenharia de Estruturas Universidade Federal

Leia mais

EFEITO DO TAMANHO DA AMOSTRA EM ENSAIOS LABORATORIAIS DE ABSORÇÃO SONORA

EFEITO DO TAMANHO DA AMOSTRA EM ENSAIOS LABORATORIAIS DE ABSORÇÃO SONORA EFEITO DO TAMANHO DA AMOSTRA EM ENSAIOS LABORATORIAIS DE ABSORÇÃO SONORA António P. O. Carvalho, Mário R. M. Sousa Laboratório de Acústica, Faculdade de Engenharia, Universidade do Porto. Portugal carvalho@fe.up.pt,

Leia mais

Universidade de São Paulo Instituto de Física de São Carlos - IFSC. FFI0210 Acústica Física. Controle de Ruído. Prof. Dr.

Universidade de São Paulo Instituto de Física de São Carlos - IFSC. FFI0210 Acústica Física. Controle de Ruído. Prof. Dr. Universidade de São Paulo Instituto de Física de São Carlos - IFSC FFI0210 Acústica Física Controle de Ruído Prof. Dr. José Pedro Donoso Atenuação Sonora Comportamento da onda sonora frente a uma parede:

Leia mais

ANÁLISE E TRATAMENTO ACÚSTICO PARA ESTÚDIOS MUSICAIS. Tiago de Almeida Martins 1. Introdução

ANÁLISE E TRATAMENTO ACÚSTICO PARA ESTÚDIOS MUSICAIS. Tiago de Almeida Martins 1. Introdução ANÁLISE E TRATAMENTO ACÚSTICO PARA ESTÚDIOS MUSICAIS Tiago de Almeida Martins tiago.martins1@gmail.com Resumo. Este trabalho tem como finalidade o estudo da adequação de ambientes para a prática de atividades

Leia mais

Caixas Ativas e Passivas. SKY 3000, SKY 2200, SKY 700, SKY 600 e NASH SPL em Recintos Fechados

Caixas Ativas e Passivas. SKY 3000, SKY 2200, SKY 700, SKY 600 e NASH SPL em Recintos Fechados Caixas Ativas e Passivas SKY 3000, SKY 2200, SKY 700, SKY 600 e NASH 1244 SPL em Recintos Fechados wwwstudiorcombr Homero Sette 09-08 - 2012 Quando desejamos determinar o SPL produzido por uma fonte sonora,

Leia mais

Efeitos da vegetação na acústica urbana

Efeitos da vegetação na acústica urbana Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura AUT0225 - Conforto Ambiental em Espaços Urbanos Abertos Efeitos da vegetação na acústica urbana

Leia mais

Fenómenos ondulatórios

Fenómenos ondulatórios Sumário UNIDADE TEMÁTICA 2. 2- Comunicação de informação a longas distâncias. 2.2- Propriedades das ondas. - Reflexão e refração de ondas. - Leis da reflexão e da refração. - Índice de refração de um meio.

Leia mais

HOMEXPERT SISTEMAS DE ÁUDIO ATENUAÇÃO DO SOM NO AR

HOMEXPERT SISTEMAS DE ÁUDIO ATENUAÇÃO DO SOM NO AR HOMEXPERT SISTEMAS DE ÁUDIO ATENUAÇÃO DO SOM NO AR SOM A figura mostra um alto-falante tocando, Quando o cone do falante se move para a frente, a camada de ar mais próxima dele é empurrada tornando-se

Leia mais

SOM. Para ouvir um som são necessários os seguintes elementos: PROPAGAÇÃO DO SOM

SOM. Para ouvir um som são necessários os seguintes elementos: PROPAGAÇÃO DO SOM SOM O som corresponde à vibração de partículas constituintes de um meio material elástico (onda sonora). Para termos uma sensação sonora é necessário que se produzam, pelo menos, vinte vibrações por segundo

Leia mais

O Papel do Vidro no Conforto Acústico Palestra:

O Papel do Vidro no Conforto Acústico Palestra: O Papel do Vidro no Conforto Acústico Palestra: Remy Dufrayer Carlos Henrique Mattar O Papel do Vidro no Conforto Acústico Palestra: Remy Dufrayer Carlos Henrique Mattar Agenda Conceitos de Acústica Conforto

Leia mais

Igreja Metodista Caraguá Sidnei Ribeiro

Igreja Metodista Caraguá Sidnei Ribeiro Igreja Metodista Caraguá Sidnei Ribeiro Sugestão: Sistema de três canais com cluster central para voz e estéreo esquerdo / direito para música Produto Indicado: Caixa Studio R modelo SKY Sound 6, três

Leia mais

ACÚSTICA. Professor Paulo Christakis, M.Sc. 05/09/2016 1

ACÚSTICA. Professor Paulo Christakis, M.Sc. 05/09/2016 1 ACÚSTICA 05/09/2016 1 O QUE É ACÚSTICA? Acústica é o ramo da Física que estuda a propagação das ondas sonoras. O som é originado a partir da vibração da matéria em camadas de compressão e rarefação, sendo

Leia mais

Painéis absorvedores sonoros

Painéis absorvedores sonoros Painéis absorvedores sonoros Absorção Sonora de Alta Performance Desenvolvidos pela Isover, os painéis Decorsound e Sonare reduzem os efeitos da reverberação sonora, minimizando a propagação de ruídos

Leia mais

Conforto Ambiental Acústica Arquitetônica

Conforto Ambiental Acústica Arquitetônica Março de 2012 Conforto Ambiental Acústica Arquitetônica UNIDADE I Acústica Arquitetônica Conceitos Básicos e Condicionamento Acústico Prof. Dr. Eduardo Grala da Cunha Sino-Italian Ecological and Energy

Leia mais

Paredes Fichas de Aplicação

Paredes Fichas de Aplicação Fichas de Aplicação e Revestimento Painel Perfurado Painel Sandwich Consulte o Dossier Técnico Viroc disponível em www.viroc.pt, na página de Downloads. Outros Suplementos de Soluções Recomendadas Viroc

Leia mais

Soluções de isolamento acústico: - Obra nova - Reabilitação - Estabelecimentos

Soluções de isolamento acústico: - Obra nova - Reabilitação - Estabelecimentos Soluções de isolamento acústico: - Obra nova - Reabilitação - Estabelecimentos Impermeabilização Isolamento Drenagens - Geotêxteis Clarabóias Índice OBRA NOVA... N. Pavimentos...... N.. Abaixo da betonilha

Leia mais

PROPOSTA DE ADEQUAÇÃO DOS COEFICIENTES DE ABSORÇÃO SONORA DO AR E DA MASSA DE ÁGUA EM FUNÇÃO DA UMIDADE RELATIVA PARA AMBIENTES ÚMIDOS

PROPOSTA DE ADEQUAÇÃO DOS COEFICIENTES DE ABSORÇÃO SONORA DO AR E DA MASSA DE ÁGUA EM FUNÇÃO DA UMIDADE RELATIVA PARA AMBIENTES ÚMIDOS PROPOSTA DE ADEQUAÇÃO DOS COEFICIENTES DE ABSORÇÃO SONORA DO AR E DA MASSA DE ÁGUA EM FUNÇÃO DA UMIDADE RELATIVA PARA AMBIENTES ÚMIDOS Thaise Moser Teixeira 1 Caroline Salgueiro da Purificação Marques

Leia mais

XIV CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica

XIV CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica XIV CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica DESENVOLVIMENTO DE UM PROGRAMA PARA CÁLCULO DO TEMPO DE REVERBERAÇÃO EM AMBIENTES

Leia mais

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores 1. HISTÓRIA O Concreto Celular Autoclavado foi desenvolvido na Suécia em 1924 por Joahan Axel Erickon, que buscava por um produto com características semelhantes à da madeira, com estrutura sólida, bom

Leia mais

Vidro. 14 Vidraria Taipas. Esta estrutura dota o vidro duplo das seguintes propriedades:

Vidro. 14 Vidraria Taipas. Esta estrutura dota o vidro duplo das seguintes propriedades: 14 Vidraria Taipas Esta estrutura dota o vidro duplo das seguintes propriedades: Propriedades Acústicas Propriedades Espectrofotométricas Propriedades Térmicas Propriedades de Segurança Propriedades Decorativas

Leia mais

TRANSMISSÃO. Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora.

TRANSMISSÃO. Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora. TRANSMISSÃO Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora. PAREDES HOMOGÊNEAS obedecem à LEI DA MASSA : o isolamento sonoro aumenta de db a cada vez que

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMADOS (Acústica Ambiental - EEK603) TOTAL 45

CONTEÚDOS PROGRAMADOS (Acústica Ambiental - EEK603) TOTAL 45 (Acústica Ambiental - EEK603) TOTAL 4 (Acústica Básica - EEK4) - introdução O fenômeno acústico: propagação. Nível de pressão sonora. As hipóteses acústicas. - Equacionamento Balanços de massa e quantidade

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações

Desempenho Térmico de edificações Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts ALEJANDRO NARANJO Unidade deportiva Atanasio Girardot - Medellín ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura introdução isolantes cálculos exemplos

Leia mais

Capítulo 9: Transferência de calor por radiação térmica

Capítulo 9: Transferência de calor por radiação térmica Capítulo 9: Transferência de calor por radiação térmica Radiação térmica Propriedades básicas da radiação Transferência de calor por radiação entre duas superfícies paralelas infinitas Radiação térmica

Leia mais

LINHA MBI Isolação para coberturas

LINHA MBI Isolação para coberturas LINHA MBI Isolação para coberturas FACEFELT Isolação para coberturas Feltro constituído por lã de vidro aglomerada com resina vegetal e possui características termoacústicas. Revestido em uma das faces

Leia mais

Conforto Térmico Acústica Arquitetônica

Conforto Térmico Acústica Arquitetônica Abril de 2012 Conforto Térmico Acústica Arquitetônica MÓDULO II Acústica Arquitetônica Isolamento Acústico Prof. Dr. Eduardo Grala da Cunha Sino-Italian Ecological and Energy Efficient Building - SIEEB

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Meias canas para isolamento de tubagens, com diâmetros variáveis.

FICHA TÉCNICA. Meias canas para isolamento de tubagens, com diâmetros variáveis. FICHA TÉCNICA 1. APRESENTAÇÃO DO PRODUTO Aglomex Acoustic é um produto resultante da aglomeração de espuma flexível de poliuretano de diferentes densidades que evidencia uma composição homogénea e estável.

Leia mais

Crie áreas de convivência

Crie áreas de convivência Coleção OWAconsult Painéis acústicos1 Crie áreas de convivência 2 Painéis acústicos Painéis fortes. Belas formas. Canto As nuvens acústicas OWA estão baseadas na eficiência acústica do forro mineral Sinfonia

Leia mais

FENÔMENOS DE TRANSPORTES

FENÔMENOS DE TRANSPORTES FENÔMENOS DE TRANSPORTES AULA 11 FUNDAMENTOS DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR PROF.: KAIO DUTRA Transferência de Calor Transferência de calor (ou calor) é a energia em trânsito devido a uma diferença de temperatura.

Leia mais

LÃ DE VIDRO. A Lã de Vidro na Isolação Térmica. A Lã de Vidro no Tratamento Acústico. Características Comuns a todos os Produtos.

LÃ DE VIDRO. A Lã de Vidro na Isolação Térmica. A Lã de Vidro no Tratamento Acústico. Características Comuns a todos os Produtos. INDÚSTRIA LÃ DE VIDRO A Saint-Gobain Vidros Divisão Isover vem oferecer ao mercado do setor industrial a sua linha de produtos em lã de vidro para isolação termoacústica, produzidos pela avançada tecnologia

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura

Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura AUT 0278 - Desempenho Acústico, Arquitetura e Urbanismo Transmissão Sonora e Acústica de Edificações

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE ACÚSTICA PRÉ-OCUPAÇÃO PARA O SISTEMA DE PISO EM AMBIENTE CONSTRUÍDO DE UM APARTAMENTO RESIDENCIAL EM NITERÓI-RJ

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE ACÚSTICA PRÉ-OCUPAÇÃO PARA O SISTEMA DE PISO EM AMBIENTE CONSTRUÍDO DE UM APARTAMENTO RESIDENCIAL EM NITERÓI-RJ AVALIAÇÃO DA QUALIDADE ACÚSTICA PRÉ-OCUPAÇÃO PARA O SISTEMA DE PISO EM AMBIENTE CONSTRUÍDO DE UM APARTAMENTO RESIDENCIAL EM NITERÓI-RJ Área temática: Gestão Ambiental e Sustentabilidade Wlander Belém Martins

Leia mais

44º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EAA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND NOISE MAPPING

44º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EAA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND NOISE MAPPING APLICAÇÃO INFORMÁTICA LIVRE PARA CÁLCULO SEGUNDO A EN 12354-6 DE TEMPO DE REVERBERAÇÃO EM ESPAÇOS COM ABSORÇÃO SONORA IRREGULAR PACS: Vitor Rosão 1 ; Eusébio Conceição 2 1 SCHIU, Engenharia de Vibração

Leia mais

MESTRADO EM ARQUITECTURA

MESTRADO EM ARQUITECTURA MESTRADO EM ARQUITECTURA DISCIPLINA DE FÍSICA DAS CONSTRUÇÕES PARA ARQUITECTURA ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS Cristina Matos Silva CONCEITO DE SOM O som é o resultado de uma perturbação física (vibração) provocada

Leia mais

MÉTODOS PARA MEDIÇÃO DO COEFICIENTE DE ABSORÇÃO SONORA

MÉTODOS PARA MEDIÇÃO DO COEFICIENTE DE ABSORÇÃO SONORA 15º POSMEC - Simpósio do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica MÉTODOS PARA MEDIÇÃO DO COEFICIENTE DE ABSORÇÃO SONORA Ethel

Leia mais

MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS

MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS 1 Programa de Recuperação de Espaços Didáticos Pró-Reitoria de Graduação MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS 2 1. INTRODUÇÃO Adotou-se um processo de trabalho convencional, de desenvolvimento

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 10.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 2010/2011 NOME: Nº: TURMA:

ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 10.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 2010/2011 NOME: Nº: TURMA: ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 0.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 200/20 NOME: Nº: TURMA: AVALIAÇÃO: Prof.. A energia eléctrica pode ser produzida em centrais termoeléctricas. Nessa produção há perdas de

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA Marco Antônio Vecci Local: EXPOMINAS BH Data: 08/08/2016 FASE A CONCEPÇÃO DO PRODUTO ESTUDO PRELIMINAR Consultoria e Ensaios Consultoria: Análise preliminar entre

Leia mais

Classe, silêncio! Knauf Cleaneo Acústico nas salas de aulas

Classe, silêncio! Knauf Cleaneo Acústico nas salas de aulas Salas acústicas Knauf 10/2013 Classe, silêncio! Knauf Cleaneo cústico nas salas de aulas Exclusivo Com tratamento que purifica o ar continuamente Norma Europeia 02 Som e ruído 03 cústica Som direto e reflexões

Leia mais

Guia Prático de Instalação Completo Forro NexaLux. Revisão: 2

Guia Prático de Instalação Completo Forro NexaLux. Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Completo Forro NexaLux Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Nexacustic Cuidados Iniciais Cuidados iniciais: Os produtos Nexacustic foram desenvolvidos para aplicação em ambientes

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO J-BOND (ACM)

MANUAL DE INSTALAÇÃO J-BOND (ACM) MANUAL DE INSTALAÇÃO J-BOND (ACM) J-BOND Os painéis de Alumínio (ACM), são compostos de duas chapas de alumínio unidas por uma camada de polietileno de baixa densidade. São fabricadas em processo contínuo

Leia mais

DETERMINAÇAO DO NÍVEL DE ABSORÇAO SONORA DE AMOSTRAS CONSTITUÍDAS POR DIFERENTES TIPOS DE FIBRA DE COCO ATRAVÉS DE UM TUBO DE IMPEDÂNCIA

DETERMINAÇAO DO NÍVEL DE ABSORÇAO SONORA DE AMOSTRAS CONSTITUÍDAS POR DIFERENTES TIPOS DE FIBRA DE COCO ATRAVÉS DE UM TUBO DE IMPEDÂNCIA DETERMINAÇAO DO NÍVEL DE ABSORÇAO SONORA DE AMOSTRAS CONSTITUÍDAS POR DIFERENTES TIPOS DE FIBRA DE COCO ATRAVÉS DE UM TUBO DE IMPEDÂNCIA I. V. ALBUQUERQUE 1, L. O. SILVA 2, P. M. de SOUZA 3, R.C.F. CHAVES

Leia mais

Varycontrol Caixas VAV

Varycontrol Caixas VAV 5/3/P/4 Varycontrol Caixas VAV Para Sistemas de Volume Variável Série TVR TROX DO BRASIL LTDA. Rua Alvarenga, 2025 05509-005 São Paulo SP Fone: (11) 3037-3900 Fax: (11) 3037-3910 E-mail: trox@troxbrasil.com.br

Leia mais

Desempenho térmico. Paredes e Coberturas

Desempenho térmico. Paredes e Coberturas Desempenho térmico Paredes e Coberturas ECV 5161: Desempenho térmico de Edificações Engenharia Civil Prof. Roberto Lamberts (elaborado por Juliana Batista) Transferência de calor T1 > T2 q T1 T2 T1 = T2

Leia mais

DIFUSORES DE AR DIRECIONAIS

DIFUSORES DE AR DIRECIONAIS DIFUSORES DE AR DIRECIONAIS Os Difusores de Ar direcionais da TroCalor, estão disponíveis em uma grande variedade de modelos e tamanhos, são destinados a aplicações diversas em instalações de ar condicionado,

Leia mais

Ondulatória Parte 1. Física_9 EF. Profa. Kelly Pascoalino

Ondulatória Parte 1. Física_9 EF. Profa. Kelly Pascoalino Ondulatória Parte 1 Física_9 EF Profa. Kelly Pascoalino Nesta aula: Introdução; Ondas mecânicas; Ondas sonoras. INTRODUÇÃO Ondas de vários tipos estão presentes em nossas vidas. Lidamos com os mais diversos

Leia mais

CURCEP 2015 ACÚSTICA

CURCEP 2015 ACÚSTICA CURCEP 2015 ACÚSTICA FÍSICA B PROF.: BORBA INTRODUÇÃO É o segmento da Física que interpreta o comportamento das ondas sonoras audíveis frente aos diversos fenômenos ondulatórios. ONDA SONORA: Onda mecânica,

Leia mais

Comunicação de informação a longas distâncias

Comunicação de informação a longas distâncias APSA Fenómenos ondulatórios Questão 1: Considere as seguintes superfícies onde incide a luz: espelho, parede, vidro muito polido, folha de papel. Indique em qual predomina a reflexão especular e a reflexão

Leia mais

Transmissão de informação sob a forma de ondas

Transmissão de informação sob a forma de ondas Transmissão de informação sob a forma de ondas Adaptado da Escola Virtual (Porto Editora) 1 2 1 3 ONDAS: fenómenos de reflexão, absorção e refração Quando uma onda incide numa superfície de separação entre

Leia mais

Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic. Revisão: 4

Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic. Revisão: 4 Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic Revisão: 4 Guia Prático de Instalação Nexacustic Cuidados Iniciais Cuidados iniciais: Os produtos Nexacustic foram desenvolvidos para aplicação em

Leia mais

Aula 25 Radiação. UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica. Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez

Aula 25 Radiação. UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica. Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez Aula 25 Radiação UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez REVISÃO: Representa a transferência de calor devido à energia emitida pela matéria

Leia mais

ECOGRAFIAS. Ecografias. Imagens estruturais, baseadas na reflexão dos ultra-sons nas paredes dos tecidos.

ECOGRAFIAS. Ecografias. Imagens estruturais, baseadas na reflexão dos ultra-sons nas paredes dos tecidos. ECOGRAFIAS Ecografias Imagens estruturais, baseadas na reflexão dos ultra-sons nas paredes dos tecidos. Imagens dinâmicas baseadas no efeito de Doppler aplicado ao movimento sanguíneo. ULTRA-SONS, ECOS

Leia mais

CORREÇÃO. Resumo projeto, Abstract. preferred. obtaining applying

CORREÇÃO. Resumo projeto, Abstract. preferred. obtaining applying APLICABILIDADE DA FÓRMULA DE SABINE A ESPAÇOS COM ELEVADA ABSORÇÃO SONORA: PROPOSTA DE PRÉVIA CORREÇÃO DE COEFICIENTES DE ABSORÇÃO Diogo Mateus 1, André Marinho 2, Andreia Pereira 1 1 CICC, Universidade

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE MODELOS DE PREVISÃO DE ISOLAMENTO SONORO A SONS DE CONDUÇÃO AÉREA DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS

COMPARAÇÃO ENTRE MODELOS DE PREVISÃO DE ISOLAMENTO SONORO A SONS DE CONDUÇÃO AÉREA DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS COMPARAÇÃO ENTRE MODELOS DE PREVISÃO DE ISOLAMENTO SONORO A SONS DE CONDUÇÃO AÉREA DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS Luís Bragança, Francisco Correia da Silva Departamento de Engenharia Civil, Universidade do

Leia mais

1 TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO Sistema para Observação Didática da Distribuição do Som Gerada pelos Espelhos Acústicos em Auditórios e Teatros

1 TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO Sistema para Observação Didática da Distribuição do Som Gerada pelos Espelhos Acústicos em Auditórios e Teatros 1 RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE TRABALHO Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação, Extensão e Cultura - ProPPEC Departamento de Pesquisa Programa de Bolsas do Artigo 170 1 TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO

Leia mais

Transmissão de Calor I - Prof. Eduardo Loureiro

Transmissão de Calor I - Prof. Eduardo Loureiro Radiação - Conceitos Fundamentais Consideremos um objeto que se encontra inicialmente a uma temperatura T S mais elevada que a temperatura T VIZ de sua vizinhança. A presença do vácuo impede a perda de

Leia mais

Fenómenos Ondulatórios

Fenómenos Ondulatórios Fenómenos Ondulatórios Fenómenos Ondulatórios a) Reflexão b) Refração c) Absorção Reflexão da onda: a onda é devolvida para o primeiro meio. Transmissão da onda: a onda continua a propagar-se no segundo

Leia mais

NP ISO :2011 Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente

NP ISO :2011 Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente NP ISO 1996 2:2011 Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente 2011 03 03 1 NP ISO 1996 2:2011 7 Condições meteorológicas

Leia mais

Acústica previsional aplicada às salas de espetáculo. Raslan Oliveira Ribeiro

Acústica previsional aplicada às salas de espetáculo. Raslan Oliveira Ribeiro Acústica previsional aplicada às salas de espetáculo Raslan Oliveira Ribeiro Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia Mecânica da Escola Politécnica, Universidade Federal do Rio de Janeiro,

Leia mais

TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II

TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II 16ª AULA (19/10/2.010) MEZOESTRUTURA DE PONTES A mezoestrutura de ponte é a parte da estrutura (pilares) responsável por transmitir as cargas da superestrutura à

Leia mais

ESTUDO E ESPECIFICAÇÕES PARA REVESTIMENTO E ISOLAMENTO ACÚSTICO DA SALA DE PENEIRAS DO LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO DO CTU

ESTUDO E ESPECIFICAÇÕES PARA REVESTIMENTO E ISOLAMENTO ACÚSTICO DA SALA DE PENEIRAS DO LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO DO CTU ESTUDO E ESPECIFICAÇÕES PARA REVESTIMENTO E ISOLAMENTO ACÚSTICO DA SALA DE PENEIRAS DO LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO DO CTU Referência PACS: 43.50.Gf Barbosa Miriam Jerônimo; Zeballos Adachi Andrea

Leia mais

Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor

Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor 1. (Halliday) Suponha que a barra da figura seja de cobre e que L = 25 cm e A = 1,0 cm 2. Após ter sido alcançado o regime estacionário, T2 = 125 0 C e T1

Leia mais

Forro Gypsum Drywall de alta performance em absorção acústica

Forro Gypsum Drywall de alta performance em absorção acústica Forro Gypsum Drywall de alta performance em absorção acústica Crescendo com Você Forro Gypsum Drywall de alta performance em absorção acústica Em ambientes públicos com altos níveis de ruído como, restaurantes,

Leia mais

8.2. Na extremidade de uma corda suficientemente longa é imposta uma perturbação com frequência f = 5 Hz que provoca uma onda de amplitude

8.2. Na extremidade de uma corda suficientemente longa é imposta uma perturbação com frequência f = 5 Hz que provoca uma onda de amplitude Constantes Velocidade do som no ar: v som = 344 m /s Velocidade da luz no vácuo c = 3 10 8 m/s 8.1. Considere uma corda de comprimento L e densidade linear µ = m/l, onde m é a massa da corda. Partindo

Leia mais

ISOLAMENTO A SONS AÉREOS ISOLAMENTO AOS SONS SONS AÉREOS. Proveniência dos Sons Aéreos. Sons Aéreos. Isolamento. Sons de Percussão

ISOLAMENTO A SONS AÉREOS ISOLAMENTO AOS SONS SONS AÉREOS. Proveniência dos Sons Aéreos. Sons Aéreos. Isolamento. Sons de Percussão ISOLAMENTO A SONS AÉREOS ISOLAMENTO AOS SONS Isolamento Sons Aéreos Sons de Percussão A distinção entre sons aéreos e sons de percussão é importante porque o isolamento sonoro dos elementos de construção

Leia mais

Exercícios ÓPTICA GEOMÉTRICA -1.

Exercícios ÓPTICA GEOMÉTRICA -1. Exercícios ÓPTICA GEOMÉTRICA -1. 1.Sobre os conceitos fundamentais da Óptica, é correto afirmar que a) quanto mais afastado está um objeto de uma câmara escura menor é a sua imagem dentro da mesma. b)

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ACÚSTICO DE PAINÉIS FABRICADOS A PARTIR DE FIBRAS VEGETAIS EM CÂMARA REVERBERANTE EM ESCALA REDUZIDA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ACÚSTICO DE PAINÉIS FABRICADOS A PARTIR DE FIBRAS VEGETAIS EM CÂMARA REVERBERANTE EM ESCALA REDUZIDA VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 21 de agosto de 2010 Campina Grande Paraíba - Brasil August 18 21, 2010 Campina Grande Paraíba Brazil AVALIAÇÃO

Leia mais

Guia Prático de Instalação Revestimentos Nexacustic. Revisão: 1

Guia Prático de Instalação Revestimentos Nexacustic. Revisão: 1 Guia Prático de Instalação Revestimentos Nexacustic Revisão: 1 Guia Prático de Instalação Nexacustic Cuidados Iniciais Cuidados iniciais: Os produtos Nexacustic foram desenvolvidos para aplicação em ambientes

Leia mais

Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic. Revisão: 2

Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic. Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Forros Nexacustic Cuidados Iniciais Cuidados iniciais: Os forros Nexacustic foram desenvolvidos para aplicação

Leia mais

LANÇAMENTO. Placo Impact. Soluções para paredes resistentes a impactos.

LANÇAMENTO. Placo Impact. Soluções para paredes resistentes a impactos. LANÇAMENTO Placo Impact Soluções para paredes resistentes a impactos. O que é rigidez? A rigidez de um sistema define a capacidade do mesmo suportar situações imprevisiveis, trata-se de uma propriedade

Leia mais

Sistemas de Forros Placostil

Sistemas de Forros Placostil Sistemas de Forros Placostil Soluções Construtivas Proteção acústica e térmica, design diferenciado e muita segurança. Ao longo dos anos, os forros melhoraram sua tecnologia e agregaram valor às construções,

Leia mais

LANÇAMENTO. Placo Phonique. Solução acústica para seu conforto e tranquilidade. AF-Folder Placo Phonique_23x21.indd 1

LANÇAMENTO. Placo Phonique. Solução acústica para seu conforto e tranquilidade. AF-Folder Placo Phonique_23x21.indd 1 Placo Phonique LANÇAMENTO Solução acústica para seu conforto e tranquilidade. AF-Folder Placo Phonique_23x21.indd 1 05/03/14 20:48 Ssshhh... o silêncio é ouro. O excesso de ruído é uma das principais queixas

Leia mais