Detecção de IL-1 por ELISA sanduíche. Andréa Calado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Detecção de IL-1 por ELISA sanduíche. Andréa Calado"

Transcrição

1 Detecção de IL-1 por ELISA sanduíche Andréa Calado

2

3

4

5

6

7 ELISA O teste identifica e quantifica Ag ou Ac, utilizando um dos dois conjugados com enzimas; PRINCIPAIS TIPOS: INDIRETO: Detecta principalmente Ac SANDUÍCHE: Detecta principalmente Ag COMPETIÇÃO: Detecta Ag com baixo peso molecular (monovalentes) CAPTURA: Detecção de Acs (principalmente IgM, evitando a ação do fator reumatóide).

8

9 Avidia + peroxidase Amostra contendo Ag Ac conjungado com biotina Substrato

10 Kit ELISA IL-1 Placa 96 poços revestido com Ac Padrão liofilizado + diluente Reagente de detecção A + diluente Reagente de detecção B + diluente Substrato TMB Tampão de lavagem Solução Stop

11 A placa do kit foi pré-revestido com um anticorpo monoclonal específico para IL1; Amostras são então adicionados aos poços; Depois o anticorpo policlonal conjugado com biotina, anticorpo específico para a preparação IL1; Em seguida, avidina conjugada com peroxidase (HRP) é adicionado a cada microplaca e incubadas. Pra finalizar, uma solução de substrato TMB é adicionada a cada poço.

12 Apenas os poços que contêm IL1, anticorpo conjugado com biotina e avidina conjugado com enzima irá apresentar uma mudança de cor. A reação enzima-substrato é terminada pela adição de uma solução de ácido sulfúrico e a mudança de cor é medida espectrofotometricamente a um comprimento de onda de 450 nm ± 10 nm. A concentração de IL1 nas amostras é em seguida, determinada por comparação do OD das amostras para a curva padrão.

13 Materiais necessários Leitor Pipetas de precisão Ponteiras descartáveis Eppendorf para amostras de diluição água destilada Papel absorvente Recipiente para solução de lavagem

14 Preparação das amostras Reconstituir a solução padrão com 1mL do diluente e agitar suavemente; A concentração dessa solução é 1000pg/mL. Colocar 0,5mL de diluente nos 8 tubos.

15 Procedimento Preparar sete poços para o padrão e um para o branco. Adicionar 100µL de cada solução padrão, do branco e das amostras nos poços. Cubrir com o vedante de placa. Incubar durante 2 horas a 37oC.

16 Preparação das amostras Preparar o diluente A e B: 6mL do diluente (2x) com 6mL de agua destilada: Solução de diluição A: 12mL Solução de diluição B: 12mL Preparar os reagente A e B na diluição 1: Reagente A 1:100 Sol. Diluição A (diluente + agua)

17 Solução de lavagem: 20mL da solução de lavagem + 580mL de água destilada

18 Procedimento Preparar sete poços para o padrão e um para o branco. Adicionar 100µL de cada solução padrão, do branco e das amostras nos poços. Cubrir com o vedante de placa. Incubar durante 2 horas a 37oC. Retirar o líquido de cada poço, não lavar. Adicionar 100µL da solução de detecção A em cada poço e incubar durante 1 hora a 37oC depois de cobrir com o vedante de placa

19 Procedimento Aspirar e lavar com 350µL com solução de lavagem; Adicionar 100µL da solução de detecção B em cada poço. Incubar durante 30 minutos a 37oC e depois cobrir com o vedante de placa. Repetir a aspiração e lavagem Adicionar 90μL de Substrato e Incubar por minutos a 37oC. Adicionar 50μL de solução de paragem em cada poço. O líquido ficará amarelo com a adição de solução de paragem. Em seguida, execute o leitor de microplacas e medição a 450 nm imediatamente

20 Observações Adicionar cuidadosamente amostras aos poços e misturar suavemente para evitar a formação de espuma. O tempo total para a adição de distribuição de reagentes ou amostras para a placa de ensaio não deve exceder 10 minutos. Para evitar a contaminação cruzada, mudar as ponteiras entre as adições de cada nível padrão, entre as adições de amostra e de reagente

21 Observações O tempo de incubação e a temperatura devem ser observados. O procedimento de lavagem é crítico. A remoção completa do líquido em cada passo é essencial para a boa desempenho. Após a última lavagem, remover qualquer solução de lavagem remanescente, remover qualquer gota de água e de impressões digitais na parte inferior da placa. Lavagem insuficiente resultará em má precisão e leitura de absorbância falsamente elevado

22 Cálculo dos resultados Média das leituras em duplicata para cada padrão, controle e amostras; Criar uma curva padrão em log, gráfico com concentração IL1 sobre o eixo y e absorbância no eixo x. Desenhar a melhor reta através dos pontos padrão e pode ser determinada por análise de regressão. Se as amostras foi diluída, a concentração lida a partir da curva padrão deve ser multiplicada pelo fator de diluição.

23

24 Sensibilidade e especificidade SENSIBILIDADE A dose mínima detectável de IL1 canino é menor do que 7.3pg/mL ESPECIFICIDADE Este ensaio tem uma alta sensibilidade e especificidade excelentes para a detecção de IL1 canino. Não significativa reatividade cruzada ou interferência entre IL1 caninos e análogos foi observada. Nota: Limitada por habilidades e conhecimentos atuais, é impossível para nós completar a detecção de reatividade cruzada entre IL1 canino e todos os análogos, portanto, reação cruzada, podem ainda existir

25

MF-0427.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FÓSFORO TOTAL (DIGESTÃO COM HNO 3 + HClO 4 E REAÇÃO COM MOLIBDATO DE AMÔNIO E ÁCIDO ASCÓRBICO)

MF-0427.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FÓSFORO TOTAL (DIGESTÃO COM HNO 3 + HClO 4 E REAÇÃO COM MOLIBDATO DE AMÔNIO E ÁCIDO ASCÓRBICO) MF-0427.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FÓSFORO TOTAL (DIGESTÃO COM HNO 3 + HClO 4 E REAÇÃO COM MOLIBDATO DE AMÔNIO E ÁCIDO ASCÓRBICO) Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 0424, de 24 de fevereiro

Leia mais

Física e Química A. Nomes: N.º s : T.ª: Como neutralizar resíduos de ácidos/bases do laboratório de Química da escola?

Física e Química A. Nomes: N.º s : T.ª: Como neutralizar resíduos de ácidos/bases do laboratório de Química da escola? Física e Química A 11ºAno - Química AL.2.3. Neutralização: uma reacção de ácido-base Ano lectivo: 2010/2011 Nomes: N.º s : T.ª: PARTE I - Introdução Questão problema Como identificar se os resíduos são

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Medicina Veterinária Zoonoses. Diagnóstico laboratorial Brucelose TESTE DO 2-MERCAPTOETANOL

Universidade Federal de Pelotas Medicina Veterinária Zoonoses. Diagnóstico laboratorial Brucelose TESTE DO 2-MERCAPTOETANOL Universidade Federal de Pelotas Medicina Veterinária Zoonoses Diagnóstico laboratorial Brucelose TESTE DO 2-MERCAPTOETANOL Teste do 2-ME Confirmativa (infecção crônica) Laboratório credenciado / oficial

Leia mais

Nesta actividade laboratorial não existe nenhum factor que leve a alguma

Nesta actividade laboratorial não existe nenhum factor que leve a alguma REALIZAÇÃO EXPERIMENTAL Objectivos Avaliar a velocidade da reacção química entre o carbonato de cálcio do giz e o ácido acético do vinagre medindo o tempo de formação de um determinado volume de gás dióxido

Leia mais

Anti HBc Ref. 414. Controle Negativo

Anti HBc Ref. 414. Controle Negativo Anti HBc Ref. 414 Sistema para a determinação qualitativa de anticorpos totais contra o antígeno core do vírus da hepatite B (anti-hbc) em soro ou plasma. ELISA - Competição PREPARO DA SOLUÇÃO DE LAVAGEM

Leia mais

PROTOCOLO DE UTILIZAÇAO

PROTOCOLO DE UTILIZAÇAO PROTOCOLO DE UTILIZAÇAO Hibridação para cortes de tecidos preservados em parafina Materiais fornecidos: DNA marcado com moléculas fluorescentes (sonda). Buffer(tampão) de Hibridação Reativos para preparar

Leia mais

Unidade I. Aula 3.2 Conteúdo: Vida e ambiente. Diluição das soluções CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA

Unidade I. Aula 3.2 Conteúdo: Vida e ambiente. Diluição das soluções CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA Unidade I Vida e ambiente Aula 3.2 Conteúdo: Diluição das soluções 2 Habilidades: Relacionar informações apresentadas em diferentes formas de linguagem e representação usada nas ciências químicas, como

Leia mais

REAGENTES H 2 C N CH 2 CH 2 N CH 2

REAGENTES H 2 C N CH 2 CH 2 N CH 2 PRÁTICA 2 DETERMINAÇÃ DE CÁLCI EM LEITE Metodologia de análise: Volumetria de Complexação MATERIAIS Bureta de 25 ml Béquer 100 e 250 ml Erlenmeyer de 250 ml Proveta de 50 ml Balão volumétrico 100 ml Pipetas

Leia mais

EIE ENSAIOS ENSAIOS IMUNOENZIMÁTICOS. ImmunoSorbent Assay ENSAIOS IMUNOENZIMÁTICOS (EIE) Profa MsC. Priscila P. S. dos Santos

EIE ENSAIOS ENSAIOS IMUNOENZIMÁTICOS. ImmunoSorbent Assay ENSAIOS IMUNOENZIMÁTICOS (EIE) Profa MsC. Priscila P. S. dos Santos ENSAIOS IMUNOENZIMÁTICOS (EIE) CURSO DE FARMÁCIA DISCILINA DE IMUNOLOGIA CLÍNICA rofa MsC. riscila. S. dos Santos ENSAIOS IMUNOENZIMÁTICOS EIE HOMOGÊNEOS HETEROGÊNEOS CROMÓGENOS SOLÚVEIS Todo em fase líquida

Leia mais

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 03. Física Geral e Experimental III 2012/1

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 03. Física Geral e Experimental III 2012/1 Diretoria de Ciências Exatas Laboratório de Física Roteiro 03 Física Geral e Experimental III 2012/1 Experimento: Dilatação Térmica de um Líquido 1. Dilatação Térmica de um Líquido Nesta tarefa será abordado

Leia mais

Equipe de Química QUÍMICA

Equipe de Química QUÍMICA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 12R Ensino Médio Equipe de Química Data: QUÍMICA Mistura de soluções que não reagem entre si: Misturas de soluções de mesmo soluto quando misturamos soluções de mesmo

Leia mais

Cuidados com a amostra de líquor para fazer o VDRL

Cuidados com a amostra de líquor para fazer o VDRL Aula 3 Reação de VDRL em amostras de líquor A realização do VDRL em amostras de líquor é uma ferramenta fundamental para o diagnóstico da sífilis congênita ou da neurossífilis. Para analisar amostras de

Leia mais

Determinação de amido em farinha de mandioca, produtos amiláceos e outros

Determinação de amido em farinha de mandioca, produtos amiláceos e outros Página 1 de 5 1 Escopo Este método determina o teor de amido em farinha de mandioca, produtos amiláceos e outros, cujo parâmetro está relacionado à qualidade do produto segundo a Instrução Normativa nº

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL MARUINENSE

CENTRO EDUCACIONAL MARUINENSE CENTRO EDUCACIONAL MARUINENSE JOSANA DE MELLO DANTAS RELATÓRIO DE AULA SOBRE VISCOSIDADE Relatório apresentado a disciplina Química como um dos pré-requisitos para obtenção parcial da nota da 2ª unidade.

Leia mais

O PÂNCREAS ENDÓCRINO. Laboratório de Endocrinologia e Metabolismo Profa. Dra. Ísis do Carmo Kettelhut Maria Ida Bonini Ravanelli Walter Dias Júnior

O PÂNCREAS ENDÓCRINO. Laboratório de Endocrinologia e Metabolismo Profa. Dra. Ísis do Carmo Kettelhut Maria Ida Bonini Ravanelli Walter Dias Júnior O PÂNCREAS ENDÓCRINO Laboratório de Endocrinologia e Metabolismo Profa. Dra. Ísis do Carmo Kettelhut Maria Ida Bonini Ravanelli Walter Dias Júnior IITRODUÇÃO O diabetes mellitus (DM) é uma desordem metabólica

Leia mais

Heterologous antibodies to evaluate the kinetics of the humoral immune response in dogs experimentally infected with Toxoplasma gondii RH strain

Heterologous antibodies to evaluate the kinetics of the humoral immune response in dogs experimentally infected with Toxoplasma gondii RH strain 67 4.2 Estudo II Heterologous antibodies to evaluate the kinetics of the humoral immune response in dogs experimentally infected with Toxoplasma gondii RH strain Enquanto anticorpos anti-t. gondii são

Leia mais

Determinação de lipídios em leite e produtos lácteos pelo método butirométrico

Determinação de lipídios em leite e produtos lácteos pelo método butirométrico Página 1 de 10 1 Escopo Este método tem como objetivo determinar a porcentagem de lipídios em leite e produtos lácteos pelo método butirométrico (Gerber). 2 Fundamentos Baseia-se na separação e quantificação

Leia mais

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro ANTI- 1 Manual CAMBRIDGE BIOTECH -1 POP: BM 05 Página 1 de 7 1. Sinonímia ANTI, TESTE CONFIRMATÓRIO. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos e técnicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica Os testes

Leia mais

Universidade Federal Rural de Pernambuco

Universidade Federal Rural de Pernambuco Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal Área de Biofísica Medindo o potencial Hidrogeniônico Prof. Romildo Nogueira 1. Entendendo as bases A manutenção da

Leia mais

Química Fascículo 06 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida

Química Fascículo 06 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida Química Fascículo 06 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida Índice Soluções...1 Exercícios... 5 Gabarito...7 Soluções Unidades de Concentração Concentração é determinada

Leia mais

IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS

IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS REAÇÕES USANDO REAGENTES MARCADOS Conjugado: molécula constituída por duas substâncias ligadas covalentemente e que mantêm as propriedades funcionais de ambas Ex: globulina

Leia mais

Química. APL 1.6 Funcionamento de um sistema-tampão: titulação ácido forte-base fraca (HCl e Na 2 CO 3 )

Química. APL 1.6 Funcionamento de um sistema-tampão: titulação ácido forte-base fraca (HCl e Na 2 CO 3 ) Química APL 1.6 Funcionamento de um sistema-tampão: titulação ácido forte-base fraca (HCl e Na 2 CO 3 ) Luísa Neves, 12ºCT 09 de março de 2015 Índice Introdução...2 Material e Reagentes...3 Procedimento..4

Leia mais

EXAME DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ (PPGQ-UFC) /2012.1

EXAME DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ (PPGQ-UFC) /2012.1 Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Programa de Pós-Graduação em Química Caixa Postal 12.200 -- Tel. (085) 3366. 9981 FAX 3366.9978 CEP - 60.450-970 - Fortaleza - Ceará - Brasil EXAME DE SELEÇÃO

Leia mais

BANHO DE CROMO BRILHANTE

BANHO DE CROMO BRILHANTE Rev. 004 Data: 06/11/14 Página 1 1 DESCRIÇÃO O PROCESSO CROMO DECORATIVO foi especialmente formulado para operar com baixa concentração e baixa temperatura, obtendo assim uma ótima penetração. O PROCESSO

Leia mais

QUÍMICA. A Ciência Central 9ª Edição. Capítulo 3 Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas. Prof. Kleber Bergamaski.

QUÍMICA. A Ciência Central 9ª Edição. Capítulo 3 Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas. Prof. Kleber Bergamaski. QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 3 Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas Prof. Kleber Bergamaski Equações químicas 1789, lei da conservação da massa A massa total de uma

Leia mais

SurTec 872 Processo de Cromo Decorativo

SurTec 872 Processo de Cromo Decorativo SurTec 872 Processo de Cromo Decorativo 1- DESCRIÇÃO O SurTec 872 é uma mistura de catalisadores e ácido crômico desenvolvido especialmente, para um processo de cromação decorativa de alto desempenho.

Leia mais

FISIOLOGIA ANIMAL II

FISIOLOGIA ANIMAL II DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA FISIOLOGIA ANIMAL II AULAS e 3 DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE GLICOSE E LÍPIDOS NO SANGUE POR COLORIMETRIA CAETANA CARVALHO,

Leia mais

Baixar o FORMULÁRIO nas páginas do Departamento de Anatomia (www.anatomia.uerj.br), do BHEx (www.bhex.uerj.br), ou da FisioCirurgia

Baixar o FORMULÁRIO nas páginas do Departamento de Anatomia (www.anatomia.uerj.br), do BHEx (www.bhex.uerj.br), ou da FisioCirurgia O laboratório de microscopia confocal/fluorescência tem a finalidade de prestar serviços de microscopia por fluorescência utilizando módulo confocal de varredura à laser para docentes dos Programas de

Leia mais

UERJ 2015 (Questões 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10)

UERJ 2015 (Questões 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10) (Questões 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10) 1. (Questão 1) Nos vegetais, uma parede celular envolve a membrana plasmática. Cite o principal tipo de carboidrato que compõe a parede celular dos vegetais, bem

Leia mais

EIE - IgM - LEPTOSPIROSE Bio-Manguinhos ENSAIO IMUNOENZIMÁTICO (EIE) PARA DIAGNÓSTICO DA LEPTOSPIROSE HUMANA (material fornecido para 96 reações)

EIE - IgM - LEPTOSPIROSE Bio-Manguinhos ENSAIO IMUNOENZIMÁTICO (EIE) PARA DIAGNÓSTICO DA LEPTOSPIROSE HUMANA (material fornecido para 96 reações) Tel.: (21) 3882.9393 FAX: (21) 2561.0277 SAC: 0800.210.310 www.bio.fiocruz.br EIE - IgM - LEPTOSPIROSE Bio-Manguinhos ENSAIO IMUNOENZIMÁTICO (EIE) PARA DIAGNÓSTICO DA LEPTOSPIROSE HUMANA (material fornecido

Leia mais

NOÇÃO DE MEDIDA. O ato de medir está sempre associado ao ato de comparar. Utilizamos como base de comparação uma unidade de medida,

NOÇÃO DE MEDIDA. O ato de medir está sempre associado ao ato de comparar. Utilizamos como base de comparação uma unidade de medida, NOÇÃO DE MEDIDA O ato de medir está sempre associado ao ato de comparar. Utilizamos como base de comparação uma unidade de medida, Medir uma dada grandeza consiste em comparar o seu valor com a respetiva

Leia mais

ARGAMASSA ESTRUTURAL 250

ARGAMASSA ESTRUTURAL 250 Produto ARGAMASSA ESTRUTURAL 250 é uma argamassa bicomponente à base de cimento e polímeros acrílicos que, depois da mistura, resulta numa argamassa coesa, tixotrópica e de fácil moldagem. O produto apresenta

Leia mais

Exames laboratoriais específicos

Exames laboratoriais específicos Exames laboratoriais específicos para o diagnóstico de Dengue. Sônia Conceição Machado Diniz Especialista em diagnóstico laboratorial de doenças tropicais IMT/SP Responsável pelo Serviço de Virologia e

Leia mais

ENSAIO DE ENDOTOXINAS BACTERIANAS

ENSAIO DE ENDOTOXINAS BACTERIANAS ENSAIO DE ENDOTOXINAS BACTERIANAS O ensaio de endotoxinas bacterianas (EEB) é um ensaio para detectar ou quantificar endotoxinas de bactérias gram negativas usando um lisado de amebócitos de caranguejo

Leia mais

ARGAMASSA ESTRUTURAL 251 F

ARGAMASSA ESTRUTURAL 251 F Produto ARGAMASSA ESTRUTURAL 251 F é uma argamassa bicomponente à base de cimento, polímeros acrílicos e fibras sintéticas que, depois da mistura, resulta numa argamassa coesa, tixotrópica e de fácil moldagem.

Leia mais

ELISA PeliClass human IgG subclass kit REF M1551

ELISA PeliClass human IgG subclass kit REF M1551 Sanquin Reagents Plesmanlaan 5 0 CX Amsterdam The Netherlands Phone: +.0.5.599 Fax: +.0.5.570 Email: reagents@sanquin.nl Website: www.sanquinreagents.com M55/ November 007 ELISA PeliClass human IgG subclass

Leia mais

ESCALAS DE TEMPERATURA (Proporcionalidade Directa)

ESCALAS DE TEMPERATURA (Proporcionalidade Directa) ESCALAS DE TEMPERATURA (Proporcionalidade Directa) Citações: Utilização das tecnologias na aprendizagem da Matemática Todos os alunos devem aprender a utilizar não só a calculadora elementar mas também,

Leia mais

MÉTODO DE ANÁLISE. MÉTODO VOLHARD Pág.: 1/6

MÉTODO DE ANÁLISE. MÉTODO VOLHARD Pág.: 1/6 MÉTODO VOLHARD Pág.: 1/6 1.0. OBJETIVO Determinar teor de cloreto em Óxido de Zinco e Terra de Zinco.. 2.0. ABRANGÊNCIA Laboratório de Controle de Qualidade. 3.0 DEFINIÇÕES Branco: É o volume gasto de

Leia mais

A. MÉTODOS PARA APLICAÇÃO DE MATERIAL DESINFETANTE

A. MÉTODOS PARA APLICAÇÃO DE MATERIAL DESINFETANTE Agência Nacional de Vigilância Sanitária Portos, Aeroportos e Fronteiras Anexo XI PLANO DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO EMBARCAÇÕES MÉTODO I A. MÉTODOS PARA APLICAÇÃO DE MATERIAL DESINFETANTE Técnica de Desinfecção

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA DE PRODUTO FOOD DETECTIVE

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA DE PRODUTO FOOD DETECTIVE Pagina 1 of 10 1. Identificação do Produto / Reagente e da empresa Nome Comercial do Produto: PLACA DE REAÇÃO Fabricante: Cambridge Nutritional Sciences Ltd. Eden Research Park, Henry Crabb Road, Littleport,

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança

Ficha de Dados de Segurança 1 Identificação do Produto / Reagente e da Empresa PCR CONTROLE NEGATIVO MSDS 0017 Pág 1/3 1.1 Nome comercial: PCR Controle Negativo Código: 13000 1.2 FABRICANTE: OMEGA DIAGNOSTICS LTD. Omega House, Hillfoots

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS 1. Sinonímia VIDAS DUO 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica POP n.º: I 56 Página 1 de 7 O vírus da imunodeficiência humana () é um retrovírus RNA, transmitido

Leia mais

Destilação Fracionada e Misturas Azeotrópicas

Destilação Fracionada e Misturas Azeotrópicas 1. Introdução Destilação Fracionada e Misturas Azeotrópicas O ponto de ebulição normal de uma mistura binária líquida é a temperatura na qual a pressão de vapor total da mistura é igual a 1 atm. Ou seja,

Leia mais

Peso especifico aparente é a razão entre o peso da amostra e o seu volume:

Peso especifico aparente é a razão entre o peso da amostra e o seu volume: Peso especifico aparente é a razão entre o peso da amostra e o seu volume: Porosidade - é a razão entre o volume de vazios e o volume total de uma amostra da rocha: Absorção de água ou índice de absorção

Leia mais

IT-045.R-2 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DE MÉTODOS FEEMA (MF)

IT-045.R-2 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DE MÉTODOS FEEMA (MF) IT-045.R-2 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DE MÉTODOS FEEMA (MF) Notas: Aprovada pela Deliberação CECA/CN nº 3.962, de 16 de janeiro de 2001. Publicada no DOERJ de 23 de janeiro de 2001. 1 OBJETIVO

Leia mais

FATEC- Mecanização em agricultura de Precisão. Professora Mirian Maya Sakuno

FATEC- Mecanização em agricultura de Precisão. Professora Mirian Maya Sakuno FATEC Mecanização em agricultura de Precisão Professora Mirian Maya Sakuno Análise Gravimétrica Na análise gravimétrica, a massa de um produto é usada para calcular a quantidade do constituinte original

Leia mais

Ensaio Pak2-LE INSTRUÇÕES DE USO SUMÁRIO

Ensaio Pak2-LE INSTRUÇÕES DE USO SUMÁRIO INSTRUÇÕES DE USO Ensaio Pak2-LE REF PAK2-LE IVD SUMÁRIO UTILIZAÇÃO... 2 SUMÁRIO E EXPLICAÇÃO... 2 PRINCÍPIO... 2 REAGENTES... 2 PRECAUÇÕES... 3 ATENÇÃO... 3 COLHEITA DA AMOSTRA... 3 PROCEDIMENTO... 3

Leia mais

Índice 1. USO PREVISTO... 2 2. RESUMO E EXPLANAÇÃO DO TESTE... 2 3. PRINCÍPIOS DO TESTE... 2 4. REAGENTES... 2 5. AVISOS E PRECAUÇÕES...

Índice 1. USO PREVISTO... 2 2. RESUMO E EXPLANAÇÃO DO TESTE... 2 3. PRINCÍPIOS DO TESTE... 2 4. REAGENTES... 2 5. AVISOS E PRECAUÇÕES... PLATELIA DENGUE IgA CAPTURE 96 72831 Imunoensaio baseado na metodologia de imunocaptura para detecção qualitativa de IgA específico para dengue no soro ou plasma humano. 881102-2013/05 Índice 1. USO PREVISTO...

Leia mais

DOSIMETRIA QUÍMICA FRICKE

DOSIMETRIA QUÍMICA FRICKE Disciplina:006. Instrumentação-Nuclear-II DOSIMETRIA QUÍMICA FRICKE Mariano Gazineu David Programa Nacional de Formação em Radioterapia BASES DADOSIMETRIA QUÍMICA FRICKE Descrita por H. Fricke e J. Hart

Leia mais

INTRODUÇÃO À PREPARAÇÃO DE TUBOS E PIPES

INTRODUÇÃO À PREPARAÇÃO DE TUBOS E PIPES INTRODUÇÃO À PREPARAÇÃO DE TUBOS E PIPES A coligada Tri Tool da california USA, tem liderado o mercado de preparação de tubos e pipes por mais de 30 anos, com equipamentos inovadores para usinagem portátil,

Leia mais

MATEMÁTICA (11º ano) Exercícios de Exames e Testes Intermédios Funções racionais

MATEMÁTICA (11º ano) Exercícios de Exames e Testes Intermédios Funções racionais MATEMÁTICA (11º ano) Exercícios de Exames e Testes Intermédios Funções racionais 1 Na figura ao lado, está representada, num referencial o.n., parte da hipérbole que é o gráfico de uma função As retas

Leia mais

Osmose em Células Vegetais

Osmose em Células Vegetais Actividade Laboratorial Biologia e Geologia 10ºAno Osmose em Células Vegetais O que se pretende: 1 Compreender o transporte por Osmose em células Vegetais. 2 Comparar em meios de diferentes concentrações

Leia mais

Determinação das Durezas Temporária, Permanente e Total de uma Água

Determinação das Durezas Temporária, Permanente e Total de uma Água Determinação das Durezas Temporária, Permanente e Total de uma Água Dureza: Parâmetro característico das águas de abastecimento industrial e doméstico. Em suma é a dificuldade de uma água não dissolver

Leia mais

Ação em caso de derrames de Produtos Químicos

Ação em caso de derrames de Produtos Químicos Ação em caso de derrames de Produtos Químicos Quais são as suas responsabilidades? Faça com cuidado os serviços em que use produtos químicos de modo a evitar derramamentos. Consulte e mantenha disponível

Leia mais

QBQ 0316 Bioquímica Experimental. Carlos Hotta. Apresentação da disciplina

QBQ 0316 Bioquímica Experimental. Carlos Hotta. Apresentação da disciplina QBQ 0316 Bioquímica Experimental Carlos Hotta Apresentação da disciplina 07/08/2015 Objetivos Abordar de forma prática conceitos que são apresentados de forma teórica em outras disciplinas Exercitar a

Leia mais

3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no

3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no Capítulo 3 Procedimento Experimental. CAPÍTULO 3 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Resíduo 3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no O primeiro passo foi à preparação das soluções necessárias

Leia mais

Distribuição Normal de Probabilidade

Distribuição Normal de Probabilidade Distribuição Normal de Probabilidade 1 Aspectos Gerais 2 A Distribuição Normal Padronizada 3 Determinação de Probabilidades 4 Cálculo de Valores 5 Teorema Central do Limite 1 1 Aspectos Gerais Variável

Leia mais

Química 12º Ano. Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente. Actividades de Projecto Laboratorial. Janeiro Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva

Química 12º Ano. Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente. Actividades de Projecto Laboratorial. Janeiro Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Calibração e utilização de um sensor de temperatura Química 12º Ano Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente Actividades de Projecto Laboratorial Janeiro 2006 Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Dep. Eng.

Leia mais

SeroMP IgM. Imuno- Ensaio Enzimático(ELISA) para a detecção semi-quantitativa de. anticorpos IgM específicos contra Mycoplasma pneumoniae

SeroMP IgM. Imuno- Ensaio Enzimático(ELISA) para a detecção semi-quantitativa de. anticorpos IgM específicos contra Mycoplasma pneumoniae SeroMP IgM Imuno- Ensaio Enzimático(ELISA) para a detecção semi-quantitativa de anticorpos IgM específicos contra Mycoplasma pneumoniae no soro humano Manual de Instruções Kit de testes para 96 determinações

Leia mais

Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos

Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos Aula 11 Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos As amostras com resultados reagentes, na etapa de triagem, devem ser submetidas à etapa complementar. Nessa etapa,

Leia mais

espectrofotômetros centrífugas

espectrofotômetros centrífugas espectrofotômetros centrífugas A linha de espectrofotômetros da Kasuaki é de qualidade superior e desempenho satisfatório em análises fotométricas de amostras. Possuem grandes variedades de cubetas e acessórios,

Leia mais

Preparação e administração Vacina BCG do Japan BCG Laboratory

Preparação e administração Vacina BCG do Japan BCG Laboratory Preparação e administração Vacina BCG do Japan BCG Laboratory Documento de apoio à Norma nº 001/2016 de 12/02/2016 Vacinação de crianças (

Leia mais

INTERVENÇÃO DE ENFERMAGEM - PREPARAR MEDICAMENTO EM AMPOLA

INTERVENÇÃO DE ENFERMAGEM - PREPARAR MEDICAMENTO EM AMPOLA INTERVENÇÃO DE ENFERMAGEM - PREPARAR MEDICAMENTO EM AMPOLA PROCEDIMENTO Objectivo: Retirar de uma ampola, usando técnica asséptica, para administrar por via parenteral. Considerações Prévias/Avaliação

Leia mais

EXAMES TOXICOLÓGICOS PARA DETECÇÃO DE DROGAS DE ABUSO APLICAÇÃO DO TESTE PELO MÉTODO MERGULHO E CONTA-GOTAS

EXAMES TOXICOLÓGICOS PARA DETECÇÃO DE DROGAS DE ABUSO APLICAÇÃO DO TESTE PELO MÉTODO MERGULHO E CONTA-GOTAS EXAMES TOXICOLÓGICOS PARA DETECÇÃO DE DROGAS DE ABUSO APLICAÇÃO DO TESTE PELO MÉTODO MERGULHO E CONTA-GOTAS LEMBRAR SEMPRE O teste acima de 5 drogas, tem o painel dupla face. FRENTE VERSO CONTEÚDO DO KIT

Leia mais

REMOÇÃO DE CHUMBO DE MONITORES DE TUBO DE RAIOS CATÓDICOS. Erich Lopes Braitback de Oliveira Agosto, 2014

REMOÇÃO DE CHUMBO DE MONITORES DE TUBO DE RAIOS CATÓDICOS. Erich Lopes Braitback de Oliveira Agosto, 2014 REMOÇÃO DE CHUMBO DE MONITORES DE TUBO DE RAIOS CATÓDICOS Erich Lopes Braitback de Oliveira Agosto, 2014 Política Nacional de Resíduos Sólidos: Podem ser definidos como os equipamentos elétricos e/ou eletrônicos

Leia mais

Quantikine IVD ELISA. Human Epo Protocolo do imunoensaio Quantikine IVD. Número de catálogo DEP00

Quantikine IVD ELISA. Human Epo Protocolo do imunoensaio Quantikine IVD. Número de catálogo DEP00 Quantikine IVD ELISA Human Epo Protocolo do imunoensaio Quantikine IVD Número de catálogo DEP00 Este suplemento contém o protocolo do ensaio e deve ser lido na íntegra antes da utilização deste produto.

Leia mais

Manual de Métodos de Análises de Bebidas e Vinagres

Manual de Métodos de Análises de Bebidas e Vinagres 1 MÉTODO Densimétrico 2 PRINCÍPIO Baseia-se na separação do álcool por destilação da amostra e sua posterior quantificação de acordo com a densidade relativa do destilado a 20 ºC. 3 - MATERIAL 3.1 EQUIPAMENTO

Leia mais

Instruções de Uso. ImmunoComb. USO VETERINÁRIO N Cat. do Produto: 55CPD201/55CPD210 PRODUTO IMPORTADO

Instruções de Uso. ImmunoComb. USO VETERINÁRIO N Cat. do Produto: 55CPD201/55CPD210 PRODUTO IMPORTADO Instruções de Uso ImmunoComb CANINE PARVOVIRUS & DISTEMPER IgM Kit para detecção de anticorpos IgM de Parvovirose e Cinomose Canina USO VETERINÁRIO N Cat. do Produto: 55CPD201/55CPD210 PRODUTO IMPORTADO

Leia mais

Incubação. Incubação. Fase sólida (Poço de uma placa de 96 poços) IgG Anti-HIV Presente na amostra do indivíduo

Incubação. Incubação. Fase sólida (Poço de uma placa de 96 poços) IgG Anti-HIV Presente na amostra do indivíduo Aula 5 Diagnóstico laboratorial da infecção pelo HIV Em 1985, surgiu a primeira geração de ensaios para o diagnóstico da infecção pelo HIV. Esses ensaios empregavam antígenos virais, obtidos a partir da

Leia mais

3M TM Petrifilm TM. Placa para Contagem de E.coli e Coliformes Placa para Contagem de Coliformes. Guia de. Interpretação

3M TM Petrifilm TM. Placa para Contagem de E.coli e Coliformes Placa para Contagem de Coliformes. Guia de. Interpretação 3M TM Petrifilm TM Placa para Contagem de E.coli e Coliformes Placa para Contagem de Coliformes Guia de Interpretação 3M TM Petrifilm TM Placa para Contagem de E.coli e Coliformes Este guia apresenta resultados

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS CONTROLE DE QUALIDADE INDUSTRIAL Aula 03 TENSÃO

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS CONTROLE DE QUALIDADE INDUSTRIAL Aula 03 TENSÃO CONTROLE DE QUALIDADE INDUSTRIAL Tensão Tensão é ao resultado da ação de cargas externas sobre uma unidade de área da seção analisada na peça, componente mecânico ou estrutural submetido à solicitações

Leia mais

Um imunoensaio enzimático para a quantificação da osteocalcina intacta em plasma o soro A B. F L Controlos baixos Referências 4174 1 de cada

Um imunoensaio enzimático para a quantificação da osteocalcina intacta em plasma o soro A B. F L Controlos baixos Referências 4174 1 de cada Osteocalcin Um imunoensaio enzimático para a quantificação da osteocalcina intacta em plasma o soro MicroVue Osteocalcin EIA Sumário Preparação do Reagent e da Amostra Preparar o tampão de lavagem 1X (Diluir

Leia mais

ESPUMA PARA TELHAS. Data: 13/01/12 Pág. 1 de 7

ESPUMA PARA TELHAS. Data: 13/01/12 Pág. 1 de 7 Data: 13/01/12 Pág. 1 de 7 Dados técnicos: Base Poliuretano Consistência Espuma estável Sistema de endurecimento Polimerização pela humidade do ar Formação de pele Ca. 8 min. (20 C/65% H.R.) Tempo de secagem

Leia mais

Utilizando o nplot. Este programa é gratuito e para fazer download basta acessar:

Utilizando o nplot. Este programa é gratuito e para fazer download basta acessar: Utilizando o nplot O nplot é um programa simples que permite a construção rápida de gráficos e o ajuste de diversas curvas, como as lineares, quadráticas, exponenciais e gaussianas. Além disso, permite

Leia mais

Programações de Automação Biotécnica COBAS MIRA S

Programações de Automação Biotécnica COBAS MIRA S Indice α-1-glicoproteína ÁCIDA 3 APO A 4 APO B 5 ASO TURBILATEX 6 COMPLEMENTO C3 7 COMPLEMENTO C4 8 FATOR REUMATOIDE 9 FERRITINA 10 HbA1c 11 IMUGLOBULINA A (IgA) 12 IMUGLOBULINA G (IgG) 13 IMUGLOBULINA

Leia mais

Graphing Basic no Excel 2007

Graphing Basic no Excel 2007 Graphing Basic no Excel 2007 Tabela de Conteúdos 1. Inserindo e formatando os dados no Excel 2. Criando o gráfico de dispersão inicial 3. Criando um gráfico de dispersão de dados de titulação 4. Adicionando

Leia mais

ImmunoBlot e ImmunoBlot XL

ImmunoBlot e ImmunoBlot XL man ual usuário Português ImmunoBlot e ImmunoBlot XL Instruções de operação mu PR645-IM/Portuguese/Rev.B0/08-12 Conteúdo Introdução...1 Desembalar e inventário...2 Instruções...3 Selecione e bloquear membrana...3

Leia mais

Aula 3 Distribuição de Frequências.

Aula 3 Distribuição de Frequências. 1 Estatística e Probabilidade Aula 3 Distribuição de Frequências. Professor Luciano Nóbrega Distribuição de frequência 2 Definições Básicas Dados Brutos são os dados originais que ainda não foram numericamente

Leia mais

RIDASCREEN Legionella. Nº do art.: C8001

RIDASCREEN Legionella. Nº do art.: C8001 RIDASCREEN Legionella Nº do art.: C8001 R-Biopharm AG, An der neuen Bergstraße 17, 64297 Darmstadt, Alemanha Tel.: +49 (0) 61 51 81 02-0 / Fax: +49 (0) 61 51 81 02-20 1. Uso previsto Para uso em diagnóstico

Leia mais

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE CLORO LIVRE ÁCIDO CLORÍDRICO. Método de ensaio

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE CLORO LIVRE ÁCIDO CLORÍDRICO. Método de ensaio CETESB DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE CLORO LIVRE ÁCIDO CLORÍDRICO Método de ensaio L9.231 MAIO/94 SUMARIO Pág 1 Objetivo...1 2 Interferentes...1 3 Normas complementares...1 4

Leia mais

Décima aula de FT. Segundo semestre de 2013

Décima aula de FT. Segundo semestre de 2013 Décima aula de FT Segundo semestre de 2013 Vamos eliminar a hipótese do fluido ideal! Por que? Simplesmente porque não existem fluidos sem viscosidade e para mostrar que isto elimina uma situação impossível,

Leia mais

Especi cação Técnica Cabo OPGW

Especi cação Técnica Cabo OPGW Especi cação Técnica Cabo OPGW No Especificação.: ZTT 15-48656 Revisão: DS_V.00-15/02/2016 Escrito por: Fabricante: ZTT Cable - Jiangsu Zhongtian Technology Co.,td. Gerencia Técnica Escritório Comercial

Leia mais

FUNGOS: UMA ANÁLISE EXPERIMENTAL SOBRE OS AGENTES CAUSADORES DE PROBLEMAS AOS PRODUTOS TÊXTEIS

FUNGOS: UMA ANÁLISE EXPERIMENTAL SOBRE OS AGENTES CAUSADORES DE PROBLEMAS AOS PRODUTOS TÊXTEIS FUNGOS: UMA ANÁLISE EXPERIMENTAL SOBRE OS AGENTES CAUSADORES DE PROBLEMAS AOS PRODUTOS TÊXTEIS Júlia Carla de Queiroz 1, Veronica Rodrigues de Mendonça 2, Ammanda Adhemer Albuquerque Bandeira 3, Etienne

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP: I123 Página 1 de 8 1. Sinonímia Quantificação da carga viral do HIV-1. 2. Aplicabilidade Bioquímicos, auxiliares técnicos e estagiários do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica O Vírus da Imunodeficiência

Leia mais

SIMPLES E FACIL DE ENTENDER ESSE PROCESSO DE ARREFECIMENTO

SIMPLES E FACIL DE ENTENDER ESSE PROCESSO DE ARREFECIMENTO Acompanhe neste tópico as dicas de manutenção e revisão do sistema de arrefecimento. Manter o motor na temperatura ideal de funcionamento é tarefa que, se não cumprida rigorosamente, pode trazer sérios

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 16 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Nuflor Minidose 450 mg/ml solução injetável para bovinos. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada ml contém:

Leia mais

Rubéola IgM. do ensaio. O teste é realizado por etapas, movendo-se o Pente de fileira a fileira com incubação em cada etapa.

Rubéola IgM. do ensaio. O teste é realizado por etapas, movendo-se o Pente de fileira a fileira com incubação em cada etapa. Rubéola IgM P do ensaio. O teste é realizado por etapas, movendo-se o Pente de fileira a fileira com incubação em cada etapa. Antes de iniciar o teste, amostras de soro ou plasma são prétratadas com anti-igg

Leia mais

TERMO DE DISPENSA DE LICITAÇÃO Nº 238/2014-FEPPS GOVERNO DO RIO GRANDE DO SUL

TERMO DE DISPENSA DE LICITAÇÃO Nº 238/2014-FEPPS GOVERNO DO RIO GRANDE DO SUL TERMO DE DISPENSA DE LICITAÇÃO Nº 238/2014-FEPPS GOVERNO DO RIO GRANDE DO SUL Secretaria Estadual da Saúde Fundação Estadual de Produção e Pesquisa em Saúde FEPPS MODALIDADE: DISPENSA ELETRONICA NATUREZA:

Leia mais

Condução. t x. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria

Condução. t x. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria Condução A transferência de energia de um ponto a outro, por efeito de uma diferença de temperatura, pode se dar por condução, convecção e radiação. Condução é o processo de transferência de energia através

Leia mais

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FÍSICA 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Provas contém seis questões, constituídas de itens e subitens,

Leia mais

RELAÇÕES NUMÉRICAS E CALCULOS QUIMICOS I

RELAÇÕES NUMÉRICAS E CALCULOS QUIMICOS I Prof. Edson Cruz RELAÇÕES NUMÉRICAS E CALCULOS QUIMICOS I Podemos conhecer as grandezas que regem a quantificação dos fenômenos químicos identificando o comportamento da massa, do número de partículas

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 36 Página 1 de 7 1. Sinonímia Planoteste, Teste de gravidez, Beta-hCG na urina. 2. Aplicabilidade Bioquímicos, auxiliares e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O hcg teste

Leia mais

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP Apostila de protocolos BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 036N 203 Professores Carlos Takeshi Hotta Guilherme Menegon Arantes Esta apostila foi desenvolvida

Leia mais

A.L.2.3 NEUTRALIZAÇÃO: UMA REACÇÃO DE ÁCIDO-BASE

A.L.2.3 NEUTRALIZAÇÃO: UMA REACÇÃO DE ÁCIDO-BASE A.L.2.3 NEUTRALIZAÇÃO: UMA REACÇÃO DE ÁCIDO-BASE QUÍMICA 11.ºANO QUESTÃO-PROBLEMA Como neutralizar resíduos de ácidos/bases do laboratório de Química da escola? Como identificar se os resíduos são de uma

Leia mais

Árvores B. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes

Árvores B. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Árvores B Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Conteúdo 1. Introdução 2. Busca 3. Inserção 4. Remoção 5. B* 6. B+ Capítulo: 8 (APOSTILA). Introdução Em muitas aplicações, a tabela considerada é muito grande

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICO FISPQ 201. ARES DET 201

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICO FISPQ 201. ARES DET 201 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICO FISPQ 201. ARES DET 201 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME COMERCIAL DO PRODUTO: ARES DET 201 Identificação da Empresa: ARES QUÍMICA LTDA.

Leia mais

Determinação da entalpia de formação do sal: Cloreto de Amónio. Rui Pedro Lousa das Neves Bioquimica Grupo 3 Coimbra 17 /3/98

Determinação da entalpia de formação do sal: Cloreto de Amónio. Rui Pedro Lousa das Neves Bioquimica Grupo 3 Coimbra 17 /3/98 Determinação da entalpia de formação do sal: Cloreto de Amónio Rui Pedro Lousa das Neves Bioquimica Grupo 3 Coimbra 17 /3/98 Objectivos: O objectivo deste trabalho prático é determinação da entalpia de

Leia mais

II Olimpíada Brasileira de Raciocínio Lógico Nível II Fase I 2015

II Olimpíada Brasileira de Raciocínio Lógico Nível II Fase I 2015 1 2 Questão 1 Artur é muito bom em problemas matemáticos e sempre propõe desafios aos seus colegas. Desta vez, Artur criou uma sequência infinita de letras, juntando as palavras que formavam o nome de

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

09/11 658-09-05 773987 REV.2. FRITADEIRA Frita-Fácil. Plus 3. www.britania.com.br/faleconosco.aspx MANUAL DE INSTRUÇÕES

09/11 658-09-05 773987 REV.2. FRITADEIRA Frita-Fácil. Plus 3. www.britania.com.br/faleconosco.aspx MANUAL DE INSTRUÇÕES 09/11 658-09-05 773987 REV.2 FRITADEIRA Frita-Fácil Plus 3 www.britania.com.br/faleconosco.aspx MANUAL DE INSTRUÇÕES INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto da linha Britânia. Para garantir

Leia mais