INVESTIGAR AS EMISSÕES OTOACÚSTICAS PRODUTO DE DISTORÇÃO EM TRABALHADORES DE UMA MADEREIRA DO INTERIOR DO PARANÁ

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INVESTIGAR AS EMISSÕES OTOACÚSTICAS PRODUTO DE DISTORÇÃO EM TRABALHADORES DE UMA MADEREIRA DO INTERIOR DO PARANÁ"

Transcrição

1 INVESTIGAR AS EMISSÕES OTOACÚSTICAS PRODUTO DE DISTORÇÃO EM TRABALHADORES DE UMA MADEREIRA DO INTERIOR DO PARANÁ Jéssica Padilha Santos (PIBIC/CNPq-UNICENTRO - ESCOLHER PROGRAMA), Juliana De Conto(Orientador), Universidade Estadual do Centro-Oeste/Departamento de Fonoaudiologia, PR. Fonoaudiologia Ciências da Saúde: Fonoaudiologia. Palavras-chave: ruído ocupacional, saúde do trabalhador, audiologia. Resumo: O ruído é o principal agente causador de perdas auditivas em trabalhadores expostos a níveis de pressão sonora elevados. E o uso das Emissões Otoacústicas Produto de distorção (EOAPD) vem sendo amplamente discutido como forma de diagnóstico precoce neste tipo de perda. Objetivo: Avaliar as Emissões Otoacústicas por Produto de Distorção em trabalhadores de uma madeireira no interior do Paraná. Método: Foram feitos 54 exames de Emissões otoacústicas, todos os participantes da pesquisa eram do sexo masculino, tinham idades que variaram de 19 a 55 anos e todos eram funcionários de uma indústria madeireira situada em Irati-PR. Conclusões: Foram obtidos números relevantes de amostra das EOAPD nesta população específica. Introdução A exposição ao ruído é uma das maiores causadoras de perdas auditivas, especialmente em trabalhadores. Segundo Ribeiro e Câmera (2006) a diminuição da sensibilidade auditiva pode aparecer primeiro de maneira temporária, a qual tende a regredir a partir do momento em que o indivíduo se afasta da exposição ao ruído. Para que a perda se torne irreversível, fatores como: tempo de exposição, níveis elevados de pressão sonora (acima de 85dB), frequência do som e a sensibilidade de cada indivíduo são determinantes para que a perda se instale. A

2 perda já instalada é do tipo neurossensorial. Pois acomete as células ciliadas do Órgão de Corti, inicialmente as células prejudicadas são as ciliadas externas. Estudos vêm mostrando que a exposição prolongada ao ruído causa alterações no processamento cortical, gerando prejuízos na velocidade, força e localização das respostas auditivas centrais, prejuízos na fala, nos processos cognitivos e também na memória de curto prazo. Além da discriminação de sons verbais, um dos primeiros sons que se nota dificuldade para ouvir quando se tem PAIR (Perda Auditiva Induzida por Ruído) são os sons agudos já que a característica marcante da patologia é o rebaixamento das frequências mais altas. Dentro da audiologia a saúde do trabalhador é analisada pelas NR7 e NR15 que garantem o tempo máximo de exposição calculado com base nos níveis de pressão sonora, além do tempo de repouso após a jornada de trabalho, tempos estes que visam prevenir danos audiológicos. São também estas normas que garantem benefícios a trabalhadores que sofreram danos a sua saúde. O exame indicado nas normas regulamentadoras para captação das perdas auditivas em trabalhadores é a Audiometria Tonal Liminar, no entanto o uso de um exame denominado Emissões Otoacústicas tem sido de relevante importância para a complementação dos achados da Audiometria. Uma das possibilidades clínicas das Emissões Otoacústicas Produto de Distorção é detectar a Perda Auditiva Induzida por Ruído antes mesmo que a Audiometria seja capaz de detectar essa perda. Para Coube e Filho (2003) as Emissões Otoacústicas (EOA) são medidas no meato acústico externo, e as mesmas são produzidas na cóclea mais especificamente pelas células ciliadas externas, os movimentos dessas células sejam espontâneos ou de forma reversa através da orelha média e da membrana timpânica geram energia mecânica no interior da cóclea, essa energia de maneira reversa é transmitida pela orelha média em conjunto com a membrana timpânica e assim convertida em sinal acústico dentro do meato acústico externo. Os níveis das Emissões Otoacústicas normalmente encontrados em humanos variam de -20 a +20 db NPS, as emissões são percebidas no meato através de um microfone sensível inserido em uma sonda. Segundo Coube e Filho (2003) o uso da EOA é de grande importância clínica, por ser um método não invasivo de se analisar a cóclea, e através das EOA também

3 podem ser obtidas informações objetivas sobre estruturas pré-neurais, pois perdas auditivas periféricas, perdas induzidas por ruído ou hereditárias afetam primeiramente as células ciliadas, e outros testes objetivos não costumam medir as respostas desse elemento. Para Kemp (apud Coube e Filho 2003) as Emissões Otoacústicas Produto de Distorção podem ser definidas como a energia acústica no meato acústico externo, e são originadas pela interação não linear de dois tons puros simultâneos inseridos dentro da cóclea. Segundo Coube e Filho (2003) Quando dois sinais de tom puro passam por um sistema não linear que é o caso da cóclea e ambos se intermodulam produzindo componentes de frequência no sinal de saída, que não estavam presentes no sinal original. A intermodulação gerada pela não linearidade ocorre devido à amplitude e a modulação de frequência dos componentes de frequências mais altas pelos componentes de frequências mais baixas. Materiais e métodos Materais: Aparelho de Emissões Otoacústicas. Método: Através do aparelho de emissões otoacústicas da marca OTOREAD foram feitos os exames. Foi considerada a presença das Emissões Otoacústicas por Produto de Distorção, quando se obteve três frequências com relação sinal ruído de 6 db ou maior. O exame foi realizado antes que se desse inicio a jornada diária de trabalho. Para que este exame fosse realizado o trabalhador assinou um termo de consentimento livre esclarecido, o qual continha as informações sobre a pesquisa e solicitava a autorização para que fosse realizado o procedimento. Foram excluídos os exames daqueles que possuíam algum impedimento na orelha externa. Os exames foram divididos em grupos determinados pela faixa etária. Foram realizados um total de 54 exames, e seis deles foram excluídos por conta do impedimento na Orelha Externa. Objetivo: Avaliar as emissões otoacústicas por produto de distorção em trabalhadores de uma madeireira no interior do Paraná.

4 Resultados e Discussão O grupo 1 com faixa etária entre 19 a 30 anos composto por 12 indivíduos, foi o que apresentou melhor desempenho onde se observou a presença das EOAPD em 10 orelhas direitas (OD) e 11 orelhas esquerdas (OE), ausentes em apenas 2 OD e 1 OE. Já no grupo 2 31 a 44 anos composto por 18 indivíduos foram encontradas presentes 11 OD e 12 OE, ausentes 7 OD e 6 OD. E no grupo 3 que possuía a maior faixa etária de 45 a 63 anos foram encontradas presentes 6 OD e 7 OE, ausentes 12 OD e 11 OE. Para Da Costa (2006), conforme o limiar auditivo aumenta a amplitude de resposta das EOAPD diminui, como se sabe que a PAIR é uma doença progressiva e progride com a exposição contínua a ruído ao longo dos anos, os mais velhos possuem um maior tempo de exposição tendo como conseqüência limiares mais baixos e respostas piores no exame de EOAPD. Como mostram os resultados nesta população que fica exposta a grandes níveis de pressão sonora constantemente, foi encontrado um grande número de ausência das EOAPD o que é condizente ao que a literatura vem mostrando. Onde não só especificamente trabalhadores de madeireiras, mas todos aqueles expostos a ruídos intensos durante a jornada diária de trabalho apresentaram ausência de resposta. Referências COUBE, V. Z. C.; FILHO, C. A. O. Princípios básicos das emissões otoacústicas. In: FROTA, Silvana. Fundamentos em audiologia - Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan, p: MARQUES, P; F.; DA COSTA, A; E. Exposição Ao Ruído Ocupacional: Alterações No Exame De Emissões Otoacústicas. Rev. Bras. Otorrinolaringol. vol.72 no.3 São Paulo May/June Disponível em: script=sci_arttext&pid=s Acesso em: 14/07/2014. RIBEIRO, D; M. A.; CÂMARA, M.; de V. Perda auditiva neurossensorial por exposição continuada a níveis elevados de pressão sonora em trabalhadores de manutenção de aeronaves de asas rotativas. ad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, vol. 22, jun. Disponível em: Acesso em: 19/03/2013. NÃO ESQUEÇA: SEU TRABALHO PODE TER ATÉ 4 PÁGINAS, NO MÁXIMO!

5 Esta deve ser a quarta e última página de seu resumo. Não ultrapasse 4 páginas. Caso contrário, poderá ser solicitado que você o corrija. Fique atento!

EMISSÕES OTOACÚSTICAS / NEURO-AUDIO. Fga. Mara Rosana Araújo

EMISSÕES OTOACÚSTICAS / NEURO-AUDIO. Fga. Mara Rosana Araújo EMISSÕES OTOACÚSTICAS / NEURO-AUDIO Fga. Mara Rosana Araújo mara@neurosoftbrasil.com.br As EOA são sons gerados pela atividade micromecânica não linear das CCE e fornecem informações sobre sua integridade.

Leia mais

Autor(es): Amanda Bozza ( UNICENTRO Coordenadora do Projeto)

Autor(es): Amanda Bozza ( UNICENTRO Coordenadora do Projeto) ACOMPANHAMENTO AUDIOLÓGICO EM TRABALHADORES RURAIS E NÃO RURAIS DA REGIÃO DE IRATI Área Temática: Ciências da Saúde - Fonoaudiologia Autor(es): Amanda Bozza ( UNICENTRO Coordenadora do Projeto) RESUMO:

Leia mais

DDS - PAIR Perda Auditiva Induzida pelo Ruído

DDS - PAIR Perda Auditiva Induzida pelo Ruído DDS - PAIR Perda Auditiva Induzida pelo Ruído Perda auditiva induzida por ruído (PAIR) / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília :

Leia mais

Ondas sonoras. Qualidades fisiológicas de uma onda sonora

Ondas sonoras. Qualidades fisiológicas de uma onda sonora Ondas sonoras As ondas mecânicas que propiciam o fenômeno da audição aos seres vivos são chamadas de ondas sonoras. Como todas as ondas mecânicas, as ondas sonoras podem se propagar nos mais diversos meios,

Leia mais

Perda de audição pode gerar indenização por acidente de trabalho. por Kendra Chihaya Qua, 11 de Janeiro de :44

Perda de audição pode gerar indenização por acidente de trabalho. por Kendra Chihaya Qua, 11 de Janeiro de :44 Além do benefício da previdência, o empregado pode requer uma indenização da empresa pelo dano à sua saúde, em razão dela não ter cumprido rigorosamente as normas de saúde e segurança do trabalho No Brasil

Leia mais

Procedimentos de avaliação audiológica conforme Portaria 19 de 09 de abril de 1998 do Ministério do Trabalho e Emprego.

Procedimentos de avaliação audiológica conforme Portaria 19 de 09 de abril de 1998 do Ministério do Trabalho e Emprego. PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Procedimentos de avaliação audiológica conforme Portaria 19 de 09 de abril de 1998 do Ministério do Trabalho e Emprego. Diretrizes e Parâmetros Mínimos para Avaliação e

Leia mais

Sistema Auditivo Humano

Sistema Auditivo Humano Sistema Auditivo Humano Tecnologias de Reabilitação Aplicações de Processamento de Sinal Constituição do Ouvido Humano JPT 2 1 Constituição do Ouvido Humano JPT 3 Constituição do Ouvido Humano O ouvido

Leia mais

AEE PARA DEFICIÊNCIA AUDITIVA E SURDEZ

AEE PARA DEFICIÊNCIA AUDITIVA E SURDEZ AEE PARA DEFICIÊNCIA AUDITIVA E SURDEZ Aluno: Matrícula: Curso: Unidade de Estudo: Data Prova: / / AEE PARA DEFICIÊNCIA AUDITIVA E SURDEZ 1 A B C D 2 A B C D 3 A B C D 4 A B C D 5 A B C D 6 A B C D 7 A

Leia mais

ANEXO IV DIRETRIZES PARA O FORNECIMENTO DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL (AASI)

ANEXO IV DIRETRIZES PARA O FORNECIMENTO DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL (AASI) ANEXO IV DIRETRIZES PARA O FORNECIMENTO DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL (AASI) Os Serviços habilitados pelo Ministério da Saúde para o fornecimento de Aparelhos de Amplificação Sonora Individual

Leia mais

Estudo das Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção em Trabalhadores Normo-Ouvintes Expostos a Diferentes Doses de Ruído Ocupacional

Estudo das Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção em Trabalhadores Normo-Ouvintes Expostos a Diferentes Doses de Ruído Ocupacional MARLENE ESCHER BOGER Estudo das Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção em Trabalhadores Normo-Ouvintes Expostos a Diferentes Doses de Ruído Ocupacional Brasília, 2012. UNIVERSIDADE DE

Leia mais

Características Clínicas e Diagnóstico Diferencial das Perdas Auditivas Induzidas pelo Ruído

Características Clínicas e Diagnóstico Diferencial das Perdas Auditivas Induzidas pelo Ruído Características Clínicas e Diagnóstico Diferencial das Perdas Auditivas Induzidas pelo Ruído Perdas Auditivas por Exposição a Níveis Elevados de Pressão Sonora (NPSE) Relacionadas ao Trabalho Jorge da

Leia mais

Revista Brasileira de Saúde Ocupacional ISSN: Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho

Revista Brasileira de Saúde Ocupacional ISSN: Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho Revista Brasileira de Saúde Ocupacional ISSN: 0303-7657 rbso@fundacentro.gov.br Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho Brasil Ramos, Natália; Domingues Chaves Aita, Aline;

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DA AUDIÇÃO DE CRIANÇAS COM SÍNDROME DE WERDNIG-HOFFMANN INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: ESTUDO DA AUDIÇÃO DE CRIANÇAS COM SÍNDROME DE WERDNIG-HOFFMANN INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS 16 TÍTULO: ESTUDO DA AUDIÇÃO DE CRIANÇAS COM SÍNDROME DE WERDNIG-HOFFMANN CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FONOAUDIOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

PERFIL AUDIOLÓGICO EM FUNCIONÁRIOS DO SETOR DE ATIVIDADES AUXILIARES DA UNESP CAMPUS DE MARÍLIA-SP

PERFIL AUDIOLÓGICO EM FUNCIONÁRIOS DO SETOR DE ATIVIDADES AUXILIARES DA UNESP CAMPUS DE MARÍLIA-SP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Araraquara HERALDO LORENA GUIDA Professor Assistente Doutor do Curso de Fonoaudiologia da UNESP Campus de Marília SP JOSÉ ANTONIO CASSIANO

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE O PERFIL AUDIOMÉTRICO, IDADE E O TEMPO DE ATIVIDADE EM MOTORISTAS DE ÔNIBUS

CORRELAÇÃO ENTRE O PERFIL AUDIOMÉTRICO, IDADE E O TEMPO DE ATIVIDADE EM MOTORISTAS DE ÔNIBUS CORRELAÇÃO ENTRE O PERFIL AUDIOMÉTRICO, IDADE E O TEMPO DE ATIVIDADE EM MOTORISTAS DE ÔNIBUS Correlation between audiometric profile, age and working time in bus drivers Raquel Fernanda Bisi (1), Jozeane

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO COM BRINQUEDOS RUIDOSOS COMPARATIVE STUDY WITH NOISY TOYS

ESTUDO COMPARATIVO COM BRINQUEDOS RUIDOSOS COMPARATIVE STUDY WITH NOISY TOYS ESTUDO COMPARATIVO COM BRINQUEDOS RUIDOSOS COMPARATIVE STUDY WITH NOISY TOYS Carla Linhares Taxini, Heraldo Lorena Guida. Campus de Marília Faculdade de Filosofia e Ciências Fonoaudiologias carlalinhares@marilia.unesp.br

Leia mais

Perda auditiva induzida por níveis de pressão sonora elevados na indústria. Noise induced hearing loss in industry

Perda auditiva induzida por níveis de pressão sonora elevados na indústria. Noise induced hearing loss in industry Perda auditiva induzida por níveis de pressão sonora elevados na indústria Noise induced hearing loss in industry Beatriz Lisboa Ribeiro Fonoaudióloga. Especialização em Audiologia pelo CEFAC, Fonoaudióloga

Leia mais

A Implantação de Programas de Prevenção de Saúde e Segurança do Trabalho. Engª Jane Belém e Drª Gilda Maria

A Implantação de Programas de Prevenção de Saúde e Segurança do Trabalho. Engª Jane Belém e Drª Gilda Maria A Implantação de Programas de Prevenção de Saúde e Segurança do Trabalho Engª Jane Belém e Drª Gilda Maria Agentes Físicos Conceito - São diversas formas de energia a que possam estar expostos os trabalhadores,

Leia mais

LESÕES DE BORDA DE PREGAS VOCAIS E TEMPOS MÁXIMOS DE FONAÇÃO

LESÕES DE BORDA DE PREGAS VOCAIS E TEMPOS MÁXIMOS DE FONAÇÃO 134 LESÕES DE BORDA DE PREGAS VOCAIS E TEMPOS MÁXIMOS DE FONAÇÃO Vocal folds edge lesions and maximum phonation times Bárbara Costa Beber (1), Carla Aparecida Cielo (2), Márcia Amaral Siqueira (3) RESUMO

Leia mais

Audiologia Ocupacional FAQ. Audiologia Ocupacional - FAQ

Audiologia Ocupacional FAQ. Audiologia Ocupacional - FAQ Audiologia Ocupacional FAQ 1 Audiologia Ocupacional - FAQ Apresentação Este manual foi elaborado pela Comissão de Audiologia do 7º Colegiado do Conselho Regional de Fonoaudiologia da 6ª Região. Trata-se

Leia mais

1) DA ANÁLISE DA LEGISLAÇÃO, QUE DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA PROFISSÃO DE FONOAUDIÓLOGO, PARA ELUCIDAR SEU CAMPO DE ATUAÇÃO.

1) DA ANÁLISE DA LEGISLAÇÃO, QUE DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA PROFISSÃO DE FONOAUDIÓLOGO, PARA ELUCIDAR SEU CAMPO DE ATUAÇÃO. PARECER CFFa/Nº 003/98 ASSUNTO: COMPETÊNCIAS DA ATUAÇÃO DO FONOAUDIÓLOGO NA ÁREA DA AUDIOLOGIA INTERESSADOS: Conselhos de Fonoaudiologia, Profissionais Fonoaudiólogos e Instituições de Ensino Superior

Leia mais

Ondas. Denomina-se onda o movimento causado por uma perturbação que se propaga através de um meio.

Ondas. Denomina-se onda o movimento causado por uma perturbação que se propaga através de um meio. Ondas Ondas Denomina-se onda o movimento causado por uma perturbação que se propaga através de um meio. Uma onda transmite energia sem o transporte de matéria. Classificação Quanto à natureza Ondas mecânicas:

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES TIPOS DE AMAMENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA FUNÇÃO AUDITIVA

INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES TIPOS DE AMAMENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA FUNÇÃO AUDITIVA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES TIPOS DE AMAMENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA FUNÇÃO AUDITIVA Ágata Cristina Neumann Jorge 1 ; Meiryane Gonçalves Silva 2 ; Karla de Paula 3 ; Cristiane Faccio Gomes 4 RESUMO: Este

Leia mais

Crocodilianos são os únicos representantes dentre os répteis que apresentam um ouvido externo.

Crocodilianos são os únicos representantes dentre os répteis que apresentam um ouvido externo. Maioria das espécies de répteis: membrana timpânica coberta por uma pele modificada Crocodilianos são os únicos representantes dentre os répteis que apresentam um ouvido externo. Sentido bem apurado nesses

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura

Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura AUT 0278 - Desempenho Acústico, Arquitetura e Urbanismo Som Ranny L. X. N. Michalski e-mail: rannyxavier@gmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ ANA CAROLINA SILVIO CAMPOS SAÚDE AUDITIVA DE MÚSICOS: ESTUDO DE CASOS

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ ANA CAROLINA SILVIO CAMPOS SAÚDE AUDITIVA DE MÚSICOS: ESTUDO DE CASOS UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ ANA CAROLINA SILVIO CAMPOS SAÚDE AUDITIVA DE MÚSICOS: ESTUDO DE CASOS CURITIBA 2014 ANA CAROLINA SILVIO CAMPOS SAÚDE AUDITIVA DE MÚSICOS: ESTUDO DE CASOS Trabalho de Conclusão

Leia mais

ANATOMIA FUNCIONAL DA ORELHA. (a nova nomenclatura substitui o termo ouvido por orelha)

ANATOMIA FUNCIONAL DA ORELHA. (a nova nomenclatura substitui o termo ouvido por orelha) ANATOMIA DA ORELHA ANATOMIA FUNCIONAL DA ORELHA (a nova nomenclatura substitui o termo ouvido por orelha) O aparelho auditivo humano e dos demais mamíferos é formado pela orelha externa, a orelha média

Leia mais

Emissões otoacústicas como instrumento de vigilância epidemiológica na saúde do trabalhador

Emissões otoacústicas como instrumento de vigilância epidemiológica na saúde do trabalhador Artigo Original Emissões otoacústicas como instrumento de vigilância epidemiológica na saúde do trabalhador Otoacoustic emissions as an instrument of epidemiological surveillance in the health of the workers

Leia mais

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho UFCD: Unidade de Formação de Curta Duração

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho UFCD: Unidade de Formação de Curta Duração Módulo: 3779- Agentes Físicos Formadora: Susana Ricardo Agentes Físicos: Entidade, imaterial ou com um mínimo de matéria, capaz de produzir efeitos adversos no organismo. O dano produz sem que haja um

Leia mais

SOM. Para ouvir um som são necessários os seguintes elementos: PROPAGAÇÃO DO SOM

SOM. Para ouvir um som são necessários os seguintes elementos: PROPAGAÇÃO DO SOM SOM O som corresponde à vibração de partículas constituintes de um meio material elástico (onda sonora). Para termos uma sensação sonora é necessário que se produzam, pelo menos, vinte vibrações por segundo

Leia mais

Condições de Saúde Auditiva no Trabalho: Investigação dos Efeitos Auditivos em Trabalhadores Expostos ao Ruído Ocupacional

Condições de Saúde Auditiva no Trabalho: Investigação dos Efeitos Auditivos em Trabalhadores Expostos ao Ruído Ocupacional Artigo Original Condições de Saúde Auditiva no Trabalho: Investigação dos Efeitos Auditivos em Trabalhadores Expostos ao Ruído Ocupacional Conditions of Auditory Health at Work: Inquiry of The Auditoy

Leia mais

ACÚSTICA. Professor Paulo Christakis, M.Sc. 05/09/2016 1

ACÚSTICA. Professor Paulo Christakis, M.Sc. 05/09/2016 1 ACÚSTICA 05/09/2016 1 O QUE É ACÚSTICA? Acústica é o ramo da Física que estuda a propagação das ondas sonoras. O som é originado a partir da vibração da matéria em camadas de compressão e rarefação, sendo

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva

Leia mais

A Qualidade de Vida no Indivíduo com Perda Auditiva Segundo o Tipo de Local de Residência

A Qualidade de Vida no Indivíduo com Perda Auditiva Segundo o Tipo de Local de Residência A Qualidade de Vida no Indivíduo com Perda Auditiva Segundo o Tipo de Local de Residência Paulo Cardoso do Carmo ESTSP IPP CHTS-UPA, EPE. (Pjq@estsp.ipp.pt) Rui Pimenta ESTSP IPP APNOR (Rep@estsp.ipp.pt)

Leia mais

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET):

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET): EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS É a energia mecânica produzida vibração de células ciliadas externas na cóclea que voltará de forma reversa pela orelha média e será captada no condutivo auditivo externo.

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA AUDIOMETRIA TONAL DE ALTA FREQÜÊNCIA (AT-AF) EM CRIANÇAS COM E SEM RESPIRAÇÃO BUCAL.

ESTUDO COMPARATIVO DA AUDIOMETRIA TONAL DE ALTA FREQÜÊNCIA (AT-AF) EM CRIANÇAS COM E SEM RESPIRAÇÃO BUCAL. ESTUDO COMPARATIVO DA AUDIOMETRIA TONAL DE ALTA FREQÜÊNCIA (AT-AF) EM CRIANÇAS COM E SEM RESPIRAÇÃO BUCAL. Palavras- chave: respiração bucal, audiometria, criança Introdução- A audiometria tonal de alta

Leia mais

OtoRead EOA Portátil. Confiável, flexível e preciso

OtoRead EOA Portátil. Confiável, flexível e preciso OtoRead EOA Portátil Confiável, flexível e preciso Confiável, flexível e preciso O OtoRead é um instrumento EOA portátil rápido e automático para o exame de recém-nascidos, crianças e adultos. Programas

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO EM AVALIAÇÃO E REABILITAÇÃO DAS ALTERAÇÕES DO PROCESSAMENTO AUDITIVO : UMA PROPOSTA DE IMPLEMENTAÇÃO DO SERVIÇO NA CLÍNICA-ESCOLA

PROJETO DE EXTENSÃO EM AVALIAÇÃO E REABILITAÇÃO DAS ALTERAÇÕES DO PROCESSAMENTO AUDITIVO : UMA PROPOSTA DE IMPLEMENTAÇÃO DO SERVIÇO NA CLÍNICA-ESCOLA PROJETO DE EXTENSÃO EM AVALIAÇÃO E REABILITAÇÃO DAS ALTERAÇÕES DO PROCESSAMENTO AUDITIVO : UMA PROPOSTA DE IMPLEMENTAÇÃO DO SERVIÇO NA CLÍNICA-ESCOLA Área Temática: Saúde Maria Isabel Ramos do Amaral (Coordenadora

Leia mais

FORMULÁRIO PARA APLICAÇÃO DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

FORMULÁRIO PARA APLICAÇÃO DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA FORMULÁRIO PARA APLICAÇÃO DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Autor: Odilon Machado de Saldanha Júnior Auditor(es): Empresa: Rua Fausto Alvim, 65 Calafate Belo Horizonte/MG

Leia mais

O SOM E A ONDA SONORA

O SOM E A ONDA SONORA O SOM E A ONDA SONORA Complementar com a leitura das páginas 94 a 101 Todos os sons são ondas em meios materiais. Na origem de qualquer onda sonora está sempre a vibração de partículas, que se transmite

Leia mais

Os nossos objetivos específicos são:

Os nossos objetivos específicos são: Gestão e PAIR 1. Como caracterizar a Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR); ou seja, como estabelecer o nexo causal entre a Perda Auditivo Induzida por Ruído e o trabalho. Os nossos objetivos específicos

Leia mais

Potencial Evocado Auditivo de Estado Estável (ASSR) / Neuro-Audio. Fga. Mara Rosana Araújo

Potencial Evocado Auditivo de Estado Estável (ASSR) / Neuro-Audio. Fga. Mara Rosana Araújo Potencial Evocado Auditivo de Estado Estável (ASSR) / Neuro-Audio Fga. Mara Rosana Araújo mara@neurosoftbrasil.com.br Atividade bioelétrica provocada por uma estimulação auditiva. Os potenciais evocados

Leia mais

Prevalência de perda auditiva induzida por ruído em motoristas

Prevalência de perda auditiva induzida por ruído em motoristas Universidade de São Paulo Biblioteca Digital da Produção Intelectual - BDPI Sem comunidade Scielo 2012 Prevalência de perda auditiva induzida por ruído em motoristas Int. Arch. Otorhinolaryngol.,v.16,n.4,p.509-514,2012

Leia mais

Avaliação Audiológica e de Emissão Otoacústica em Indivíduos Expostos a Ruído e Praguicidas

Avaliação Audiológica e de Emissão Otoacústica em Indivíduos Expostos a Ruído e Praguicidas Artigo Original Avaliação Audiológica e de Emissão Otoacústica em Indivíduos Expostos a Ruído e Praguicidas Audiologic and Otoacoustic Emission Evaluation in Individuals Exposed to Noise and Plaguecides

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS Cristina Marques de Almeida Holanda¹, Michele Alexandre da Silva². Universidade Federal da Paraíba - UFPB cristinamahd@gmail.com¹, michelebr@live.com

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Mychelle Soares de Sá EFEITOS AUDITIVOS EM INDIVÍDUOS EXPOSTOS A AÇÃO COMBINADA DO RUÍDO E HIDROCARBONETOS

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Mychelle Soares de Sá EFEITOS AUDITIVOS EM INDIVÍDUOS EXPOSTOS A AÇÃO COMBINADA DO RUÍDO E HIDROCARBONETOS UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Mychelle Soares de Sá EFEITOS AUDITIVOS EM INDIVÍDUOS EXPOSTOS A AÇÃO COMBINADA DO RUÍDO E HIDROCARBONETOS CURITIBA 2010 EFEITOS AUDITIVOS EM INDIVÍDUOS EXPOSTOS A AÇÃO COMBINADA

Leia mais

CURCEP 2015 ACÚSTICA

CURCEP 2015 ACÚSTICA CURCEP 2015 ACÚSTICA FÍSICA B PROF.: BORBA INTRODUÇÃO É o segmento da Física que interpreta o comportamento das ondas sonoras audíveis frente aos diversos fenômenos ondulatórios. ONDA SONORA: Onda mecânica,

Leia mais

IMPLANTE COCLEAR EM CRIANÇAS DE 1 A 2 ANOS DE IDADE

IMPLANTE COCLEAR EM CRIANÇAS DE 1 A 2 ANOS DE IDADE IMPLANTE COCLEAR EM CRIANÇAS DE 1 A 2 ANOS DE IDADE INTRODUÇÃO O implante coclear em crianças deficientes auditivas pré-linguais tem sido considerado potencialmente o tratamento mais eficaz para assegurar

Leia mais

Variation in amplitudes of evoked otoacoustic emissions and suceptibility to hearing loss induzed by nois-hlin

Variation in amplitudes of evoked otoacoustic emissions and suceptibility to hearing loss induzed by nois-hlin 414 VARIAÇÕES NAS AMPLITUDES DE RESPOSTAS DAS EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS E SUSCETIBILIDADE À PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO - PAIR Variation in amplitudes of evoked otoacoustic emissions and suceptibility

Leia mais

Acústica Fernando Gonçalves Amaral Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFRGS Ruído e Audição

Acústica Fernando Gonçalves Amaral Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFRGS Ruído e Audição Acústica Fernando Gonçalves Amaral Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFRGS Ruído e Audição 1 O ruído pode Lesar os órgãos auditivos Perturbar a comunicação Provocar irritação Ser fonte

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE RUIDO EM AMBIENTES INTERNOS.

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE RUIDO EM AMBIENTES INTERNOS. PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE RUIDO EM AMBIENTES INTERNOS. Prof. Msc. Lucas C. Azevedo Pereira ALTAMIRA/PA 04 de novembro de 2016 A ACÚSTICA é a ciência do som, incluindo sua produção, transmissão e efeitos.

Leia mais

Revista CEFAC ISSN: Instituto Cefac Brasil

Revista CEFAC ISSN: Instituto Cefac Brasil Revista CEFAC ISSN: 1516-1846 revistacefac@cefac.br Instituto Cefac Brasil Fernandes, Tatiana; Tiveron de Souza, Márcia EFEITOS AUDITIVOS EM TRABALHADORES EXPOSTOS A RUÍDO E PRODUTOS QUÍMICOS Revista CEFAC,

Leia mais

Psicoacústica. S = k. I / I. S = k. log I. Onde S é a sensação, I a intensidade do estímulo e k uma constante.

Psicoacústica. S = k. I / I. S = k. log I. Onde S é a sensação, I a intensidade do estímulo e k uma constante. 41 Capítulo 5 Psicoacústica A Psicoacústica estuda as sensações auditivas para estímulos sonoros. Trata dos limiares auditivos, limiares de dor, percepção da intensidade de da freqüência do som, mascaramento,

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Portaria nº 19, de 9 de abril de 1998

SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Portaria nº 19, de 9 de abril de 1998 1 SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Portaria nº 19, de 9 de abril de 1998 O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais e considerando o disposto no artigo

Leia mais

Pesquisa: O perfil dos Serviços de Saúde Auditiva no País

Pesquisa: O perfil dos Serviços de Saúde Auditiva no País Pesquisa: O perfil dos Serviços de Saúde Auditiva no País Apresentação: Conselho Federal de Fonoaudiologia Daniele Cristina Gomes Coordenadora: Maria Cristina Pedro Biz Presidente da Comissão de Saúde

Leia mais

Audiometria Tonal de Alta-Frequência (AT-AF) em crianças ouvintes normais

Audiometria Tonal de Alta-Frequência (AT-AF) em crianças ouvintes normais Audiometria Tonal de Alta-Frequência (AT-AF) em crianças ouvintes normais Palavras Chave: Audiometria, limiar auditivo, criança. Introdução: Além do exame audiométrico convencional, que testa as freqüências

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2012 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

SÍNDROME DE USHER: RELATO DE CASOS USHER S SYNDROME: STORY OF CASES. Maria Madalena Canina Pinheiro 1. Carla Mherlyn Viveiros Wieland 1

SÍNDROME DE USHER: RELATO DE CASOS USHER S SYNDROME: STORY OF CASES. Maria Madalena Canina Pinheiro 1. Carla Mherlyn Viveiros Wieland 1 Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira SÍNDROME DE USHER: RELATO DE CASOS USHER S SYNDROME: STORY OF CASES Maria Madalena Canina Pinheiro

Leia mais

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 Coordenação Geral de Informações e Análise Epidemiológica Departamento de Análise da Situação de Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde - Ministério da Saúde Janeiro

Leia mais

PESQUISA DA HABITUAÇÃO DO REFLEXO CÓCLEO-PALPEBRAL E DO REFLEXO DE SOBRESSALTO EM LACTENTES DE BAIXO RISCO PARA A DEFICIÊNCIA AUDITIVA

PESQUISA DA HABITUAÇÃO DO REFLEXO CÓCLEO-PALPEBRAL E DO REFLEXO DE SOBRESSALTO EM LACTENTES DE BAIXO RISCO PARA A DEFICIÊNCIA AUDITIVA Michelle Gabriela Diniz PESQUISA DA HABITUAÇÃO DO REFLEXO CÓCLEO-PALPEBRAL E DO REFLEXO DE SOBRESSALTO EM LACTENTES DE BAIXO RISCO PARA A DEFICIÊNCIA AUDITIVA Trabalho apresentado à banca examinadora para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS SABRINA DE JESUS SAMICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS SABRINA DE JESUS SAMICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS SABRINA DE JESUS SAMICO AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA EM OPERÁRIOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO CAMPUS SAÚDE DA UNIVERDIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (UFMG) BELO HORIZONTE 2012 SABRINA

Leia mais

Revista CEFAC ISSN: Instituto Cefac Brasil

Revista CEFAC ISSN: Instituto Cefac Brasil Revista CEFAC ISSN: 1516-1846 revistacefac@cefac.br Instituto Cefac Brasil Veríssimo Farias, Victor Hygor; Lima Buriti, Ana Karina; Diniz da Rosa, Marine Raquel Ocorrência de perda auditiva induzida pelo

Leia mais

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO Profa. Dr.-Ing. Erika Borges Leão Disciplina ministrada ao IV semestre do curso de Engenharia Civil Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop/MT OBJETIVO DA AULA 4 Compreender

Leia mais

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A SAÚDE AUDITIVA DAS COSTUREIRAS QUE ATUAM EM CONFECÇÕES NOS ESTADO DO RJ E MG

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A SAÚDE AUDITIVA DAS COSTUREIRAS QUE ATUAM EM CONFECÇÕES NOS ESTADO DO RJ E MG UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A SAÚDE AUDITIVA DAS COSTUREIRAS QUE ATUAM EM CONFECÇÕES NOS ESTADO DO RJ E MG Gabriella Silva Sérgio Mayssilla Noronha Meira Taynara Rocha de Freitas Vanessa Alves dos Santos

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Brazilian Journal of Otorhinolaryngology ISSN: 1808-8694 revista@aborlccf.org.br Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico- Facial Brasil Bueno Takeda, Thays; Gil, Daniela Emissões

Leia mais

Teste de Coeficiente de Absorção em Câmara Reverberante

Teste de Coeficiente de Absorção em Câmara Reverberante Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Mecânica Grupo de Tecnologia em Vibrações e Acústica Fone: (48) 99539377-32340689 / 37217716 Ramal 22 e-mail: arcanjo@lva.ufsc.br Teste

Leia mais

Mateus Ferreira Veloso Lima Triagem auditiva e avaliação simplificada do processamento auditivo em escolares

Mateus Ferreira Veloso Lima Triagem auditiva e avaliação simplificada do processamento auditivo em escolares Mateus Ferreira Veloso Lima Triagem auditiva e avaliação simplificada do processamento auditivo em escolares Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP para

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F. B. Moreira

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F. B. Moreira PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F. B. Moreira O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva decorrente da

Leia mais

HABILIDADES AUDITIVAS DE DETECÇÃO, LOCALIZAÇÃO E MEMÓRIA EM CRIANÇAS DE 4 A 6 ANOS DE IDADE. Palavras Chave: audição, percepção-auditiva, pré-escola.

HABILIDADES AUDITIVAS DE DETECÇÃO, LOCALIZAÇÃO E MEMÓRIA EM CRIANÇAS DE 4 A 6 ANOS DE IDADE. Palavras Chave: audição, percepção-auditiva, pré-escola. HABILIDADES AUDITIVAS DE DETECÇÃO, LOCALIZAÇÃO E MEMÓRIA EM CRIANÇAS DE 4 A 6 ANOS DE IDADE. Palavras Chave: audição, percepção-auditiva, pré-escola. TOSCANO, R.D.G.P., ANASTASIO, A.R T FMRP - USP Curso

Leia mais

Ondas. Onda é uma perturbação em movimento

Ondas. Onda é uma perturbação em movimento Ondas Onda é uma perturbação em movimento Um meio em equilíbrio é perturbado e essa perturbação é transmitida, com atraso, aos pontos vizinhos As ondas não transportam matéria, mas sim energia. Uma onda

Leia mais

RESUMO SEPSE PARA SOCESP INTRODUÇÃO

RESUMO SEPSE PARA SOCESP INTRODUÇÃO RESUMO SEPSE PARA SOCESP 2014 1.INTRODUÇÃO Caracterizada pela presença de infecção associada a manifestações sistêmicas, a sepse é uma resposta inflamatória sistêmica à infecção, sendo causa freqüente

Leia mais

Thamara Suzi dos Santos FUNÇOES AUDITIVAS PERIFÉRICAS E CENTRAIS EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM DISTÚRBIO DE LEITURA E ESCRITA: UM ESTUDO PILOTO

Thamara Suzi dos Santos FUNÇOES AUDITIVAS PERIFÉRICAS E CENTRAIS EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM DISTÚRBIO DE LEITURA E ESCRITA: UM ESTUDO PILOTO Thamara Suzi dos Santos FUNÇOES AUDITIVAS PERIFÉRICAS E CENTRAIS EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM DISTÚRBIO DE LEITURA E ESCRITA: UM ESTUDO PILOTO Trabalho apresentado à Banca examinadora para conclusão

Leia mais

Desempenho em prova de Memória de Trabalho Fonológica no adulto, no idoso e na criança Palavras Chaves: Introdução

Desempenho em prova de Memória de Trabalho Fonológica no adulto, no idoso e na criança Palavras Chaves: Introdução Desempenho em prova de Memória de Trabalho Fonológica no adulto, no idoso e na criança Palavras Chaves: memória de trabalho fonológica; teste de repetição de não palavras; envelhecimento. Introdução A

Leia mais

EFEITOS BIOLÓGICOS DAS RADIAÇÕES IONIZANTES

EFEITOS BIOLÓGICOS DAS RADIAÇÕES IONIZANTES A radiação perde energia para o meio provocando ionizações Os átomos ionizados podem gerar: Alterações moleculares Danos em órgãos ou tecidos Manifestação de efeitos biológicos 1 MECANISMOS DE AÇÃO Possibilidades

Leia mais

FOZ DO IGUAÇÚ PR. 30/NOV á 02/12/2011

FOZ DO IGUAÇÚ PR. 30/NOV á 02/12/2011 FOZ DO IGUAÇÚ PR 30/NOV á 02/12/2011 Dr. Osni de Melo Martins Especialista em Medicina do Trabalho e Otorrinolaringologia Pós-graduado e Certificado pela AMB em Perícias Médicas Professor convidado do

Leia mais

Revista CEFAC ISSN: Instituto Cefac Brasil

Revista CEFAC ISSN: Instituto Cefac Brasil Revista CEFAC ISSN: 1516-1846 revistacefac@cefac.br Instituto Cefac Brasil Bayer Siviero, Andrea; Jaeger Fernandes, Manuela; Cunha Lima, Janaina Adriana da; Bolzachini Santoni, Cristiane; Penna de Azevedo

Leia mais

CAPÍTULO VII ONDAS MECÂNICAS

CAPÍTULO VII ONDAS MECÂNICAS CAPÍTULO VII ONDAS MECÂNICAS 7.1. INTRODUÇÃO As ondas mecânicas são fenómenos ondulatórios que necessitam de um meio material para se propagarem. Como exemplos destas ondas, vamos estudar neste capítulo

Leia mais

PCMSO. O PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional é uma obrigação legal, constituído por 5 tipos básicos de exames médicos:

PCMSO. O PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional é uma obrigação legal, constituído por 5 tipos básicos de exames médicos: Periódico 2016 1 PCMSO O PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional é uma obrigação legal, constituído por 5 tipos básicos de exames médicos: Admissional Demissional Mudança de Função Retorno

Leia mais

Ana Paula Bruner Novembro 2012

Ana Paula Bruner Novembro 2012 Ana Paula Bruner Novembro 2012 Laudo Audiológico Grau de Perda Auditiva Baseado na média aritmética entre os limiares tonais das frequências de 500, 0 e 2000 Hz em cada orelha. Laudo Audiológico Grau de

Leia mais

Serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial Director: Dr. Luis Dias

Serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial Director: Dr. Luis Dias Serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial Director: Dr. Luis Dias SURDEZ NEURO- SENSORIAL SÚBITA IDIOPÁTICA: RESULTADOS DO PROTOCOLO DO HOSPITAL DE BRAGA Miguel Breda, Diana Silva, Sara

Leia mais

ENSAIO DE RUÍDO E CONSUMO DE COMBUSTÍVEL DE UM TRATOR AGRÍCOLA

ENSAIO DE RUÍDO E CONSUMO DE COMBUSTÍVEL DE UM TRATOR AGRÍCOLA ENSAIO DE RUÍDO E CONSUMO DE COMBUSTÍVEL DE UM TRATOR AGRÍCOLA Vitória Siegner BACHMANN, Jaine POSSAMAI, Ricardo Kozoroski VEIGA, Fabrício Campos MASIERO. Introdução O surgimento de máquinas agrícolas

Leia mais

Maria Isabel Kós (1), Kátia de Almeida (2), Silvana Frota (3), Ana Cristina Hiromi Hoshino (4) RESUMO

Maria Isabel Kós (1), Kátia de Almeida (2), Silvana Frota (3), Ana Cristina Hiromi Hoshino (4) RESUMO EMISSÕES OTOACÚSTICAS PRODUTO DE DISTORÇÃO EM NORMO OUVINTES E EM PERDAS AUDITIVAS NEUROSSENSORIAIS LEVE E MODERADA COM OS PROTOCOLOS 65/55 DB NPS E 70/70 DB NPS Distortion product otoacoustic emission

Leia mais

COGNIÇÃO e DOR. Fabiana Goto. Neuropsicóloga Especialização em Dor HCFMUSP LINEU Laboratório de Investigações em Neurociências IPq HCFMUSP

COGNIÇÃO e DOR. Fabiana Goto. Neuropsicóloga Especialização em Dor HCFMUSP LINEU Laboratório de Investigações em Neurociências IPq HCFMUSP COGNIÇÃO e DOR Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Terapêutica da Dor Equipe de Controle da Dor da Divisão de Anestesia do Instituto Central do Hospital das Clínicas FMUSP Fabiana Goto

Leia mais

Músicos de pop-rock: efeitos da música amplificada e avaliação da satisfação no uso de protetores auditivos

Músicos de pop-rock: efeitos da música amplificada e avaliação da satisfação no uso de protetores auditivos PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Cristiane Bolzachini Santoni Músicos de pop-rock: efeitos da música amplificada e avaliação da satisfação no uso de protetores auditivos MESTRADO EM

Leia mais

10º ENTEC Encontro de Tecnologia: 28 de novembro a 3 de dezembro de 2016 MEDIÇÃO E ANÁLISE DE RUÍDO INDUSTRIAL EM ÁREAS HABITADAS

10º ENTEC Encontro de Tecnologia: 28 de novembro a 3 de dezembro de 2016 MEDIÇÃO E ANÁLISE DE RUÍDO INDUSTRIAL EM ÁREAS HABITADAS MEDIÇÃO E ANÁLISE DE RUÍDO INDUSTRIAL EM ÁREAS HABITADAS Barbara Santos Ritt 1 ; Thiago Limido Santos 2 1, 2 Universidade de Uberaba barbara_ritt@ @hotmail.com; thiago.limido@amonet.com.br Resumo O ruído

Leia mais

Análise do Risco de Perda Auditiva em Protéticos

Análise do Risco de Perda Auditiva em Protéticos Análise do Risco de Perda Auditiva em Protéticos João Candido Fernandes (UNESP) jcandido@feb.unesp.br Aline Gomes Rampani (USP) fonouspbauru1@grupos.com.br Camila de Cássia Macedo (USP) fonouspbauru1@grupos.com.br

Leia mais

Sistema sensorial. Sistema motor

Sistema sensorial. Sistema motor Estímulos ambientais Sistema sensorial Sistema nervoso Resposta Sistema motor Divisão funcional do Sistema Nervoso Sensorial CATEGORIA ORIGEM ORGANIZAÇÃO SENSIBILIDADE Geral (SOMESTESIA) Calor e Frio Dor

Leia mais

A EXPOSIÇÃO AO RUÍDO E SUA RELAÇÃO COM A SAÚDE AUDITIVA: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA DA LITERATURA

A EXPOSIÇÃO AO RUÍDO E SUA RELAÇÃO COM A SAÚDE AUDITIVA: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA DA LITERATURA RESUMO DOS 120 ANOS DA EEAP A EXPOSIÇÃO AO RUÍDO E SUA RELAÇÃO COM A SAÚDE AUDITIVA: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA DA LITERATURA Andréa Maria dos Santos Rodrigues 1, Zenith Rosa Silvino 2 RESUMO Objetivo: Verificar

Leia mais

Parâmetros importantes de um Analisador de Espectros: Faixa de frequência. Exatidão (frequência e amplitude) Sensibilidade. Resolução.

Parâmetros importantes de um Analisador de Espectros: Faixa de frequência. Exatidão (frequência e amplitude) Sensibilidade. Resolução. Parâmetros importantes de um Analisador de Espectros: Faixa de frequência Exatidão (frequência e amplitude) Sensibilidade Resolução Distorção Faixa dinâmica Faixa de frequência: Determina as frequências

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE LUCIENY SILVA MARTINS SERRA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE LUCIENY SILVA MARTINS SERRA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE LUCIENY SILVA MARTINS SERRA ESTUDO DA SUPRESSÃO DAS EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS E A RELAÇÃO COM

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1

PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1 PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1 Apesar dos diversos benefícios trazidos pelo progresso, os impactos ambientais decorrentes

Leia mais

ANÁLISE DE RUÍDO UTILIZANDO DOSÍMETRO DOS 500 EM UM AMBIENTE DE ESCRITÓRIO

ANÁLISE DE RUÍDO UTILIZANDO DOSÍMETRO DOS 500 EM UM AMBIENTE DE ESCRITÓRIO ANÁLISE DE RUÍDO UTILIZANDO DOSÍMETRO DOS 500 EM UM AMBIENTE DE ESCRITÓRIO CARLA BEATRIZ DA LUZ PERALTA (UNIPAMPA) carlablp@gmail.com Fabio Rui (UNIPAMPA) fabiorui85@yahoo.com.br Marilia Gasparetti (UNIPAMPA)

Leia mais

FORMULÁRIO PARA APLICAÇÃO DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

FORMULÁRIO PARA APLICAÇÃO DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA FORMULÁRIO PARA APLICAÇÃO DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Autor: Odilon Machado de Saldanha Júnior Auditor(es): Empresa: Rua Fausto Alvim, 65 Calafate Belo Horizonte/MG

Leia mais

Analisador de Espectros

Analisador de Espectros Analisador de Espectros O analisador de espectros é um instrumento utilizado para a análise de sinais alternados no domínio da freqüência. Possui certa semelhança com um osciloscópio, uma vez que o resultado

Leia mais

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO Profa. Dr.-Ing. Erika Borges Leão Disciplina ministrada ao IV semestre do curso de Engenharia Civil Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop/MT OBJETIVO DA AULA 4 Compreender

Leia mais

Circular 119/2015 São Paulo, 7 de Abril de 2015.

Circular 119/2015 São Paulo, 7 de Abril de 2015. 24º Congresso FEHOSP 12 à 15 de Maio/2015 Royal Palm Plaza Campinas/SP Circular 119/2015 São Paulo, 7 de Abril de 2015. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) AMPLIAÇÃO E INCORPORAÇÃO DE PROCEDIMENTOS PARA ATENÇÃO

Leia mais

O áudio. O áudio. O áudio Wilson de Pádua Paula Filho 1. Propriedades físicas do som Representação digital do som Processamento digital de som

O áudio. O áudio. O áudio Wilson de Pádua Paula Filho 1. Propriedades físicas do som Representação digital do som Processamento digital de som O áudio O áudio Representação digital do som Processamento digital de som As vibrações sonoras: propagam-se como ondas de pressão atmosférica; convertidas em sinais elétricos por transdutores; transdutores

Leia mais

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações Um pouco sobre nós. Referência em Medicina Ocupacional, Saúde do Trabalhador em Uberlândia e Região. Nosso objetivo é solucionar os problemas ligados à preservação da saúde e segurança do trabalhador,

Leia mais

Perfil Audiológico de Motoristas de Ambulância de Dois Hospitais na Cidade de São Paulo - Brasil

Perfil Audiológico de Motoristas de Ambulância de Dois Hospitais na Cidade de São Paulo - Brasil Artigo Original Perfil Audiológico de Motoristas de Ambulância de Dois Hospitais na Cidade de São Paulo - Brasil Audiological Profile of Ambulance Drivers of Two Hospitals in the City of São Paulo - Brazil

Leia mais

Programa de Conservação Auditiva Willes de Oliveira e Souza 14/11/2014

Programa de Conservação Auditiva Willes de Oliveira e Souza 14/11/2014 Pontos fundamentais para o êxito de programas relacionados a riscos ambientais Programa de Conservação Auditiva Willes de Oliveira e Souza 14/11/2014 Histórico ANEXO I do QUADRO II NR 7 (Port. 19-04/1998

Leia mais